Você está na página 1de 5

# Mediunidade

Objetivos: esclarecer as seguintes questões:


 Através do estudo, entender a mecânica dessa faculdade humana natural
 uso, aplicação e vivência mediúnica

(Ver Estudo da Leda)


Mediunidade
 Conceito e definição - faculdade humana natural pela qual se estabelecem as relações entre os homens
e os Espíritos. Contato mente a mente.
 Não é poder oculto passível de se desenvolver através de práticas rituais.
 Assim como a inteligência, desenvolve-se e, cresce na vida de relação, no exercício.
 Vivemos mediunicamente entre dois mundos em relação permanente com entidades espirituais

Médium
 latim medium - medianeiro/ intermediário - serve de instrumento entre os dois planos da vida - física
e espiritual.
Quem é médium? ...”todo aquele que sente.. “ OLM 159

Como se estabelece a conjugação mental?


 Universo: reino de ondas/raios/correntes/vibrações - eletricidade/magnetismo/movimento/atração
palpitam em tudo e que há fantásticas energias espalhadas.
 mente - ponto básico para o intercâmbio porque ela é que tem a faculdade de criar / desenvolver /
nutrir / elaborar e transformar sentimentos e pensamentos.
 o Homem quando pensa arroja de si energia atuante estabelecendo campo psíquico que lhe é
particular.
 por esse processo ser constante - ininterrupto é que se afirma que todos somos médiuns uma vez que
cada qual atrai e é atraído por mentes em conformidade com seu pensar de momento.
 nesse processo estabelecem-se sintonias = mentes semelhantes = afinidade entre bem ou mal - luz ou
sombra. Essa sintonia nesse contato constante entre mentes afinizadas pelo sentir/pensar do
momento é que caracteriza o “todos somos médiuns” = mediunidade generalizada (Kardec) -
manifestações moderadas - é imanente ao psiquismo humano.
 Pelo mesmo mecanismo - mediunato = mediunidade de compromisso/trabalho a serviço do semelhante -
decorre de acordos assumidos antes do reencarne quando ainda no plano espiritual.
 Médium, não é privilegiado/missionário/pessoa escolhida... de um modo geral, “almas arrependidas que
procuram o equilíbrio, no servir indiscriminadamente ao próximo em necessidade.
 Sintomas mediúnicos - desconhecedor dos recursos psíquicos, dos recursos mediúnicos é possível a
mediunidade exteriorizar-se através de problemas os mais diferenciados (mal estar generalizado,
desequilíbrios emocionais, etc, etc). Pode também eclodir de forma exuberante, espontânea, nas
diferentes idades e nas situações intelectual/moral/social mais variadas.
 Exterioriza-se mais comumente através de problemas dada a imperfeição moral do planeta e do
indivíduo, havendo mais facilmente a sintonia com faixas de desequilíbrios e tormentos.
 Encarnado, consegue o homem usar sempre bem essa faculdade? De um modo geral não. Envolve-se
no dia a dia, confunde-se e engolfa-se nos problemas, não se reequilibra, não serve e frequentemente
retorna mais compromissado.
 E quando o médium sente vontade de escreve/falar e nada consegue ou consegue muito pouco?
Abraçar outras tarefas na seara (passe/vibração/conversar com os Espíritos).
 Necessidade - o bom médium = pessoa de bem que procura no dia a dia ser coerente, equilibrado,
alegre, disposto e voltado para o Bem - (paciência - perseverança - assiduidade - pontualidade -
compreensão - responsabilidade - boa vontade - humildade - recolhimento - estudo - trabalho, etc).
Bibliografia
Allan Kardec - O Livro dos Médiuns - item 200, 205, 210 e demais citados.
Emanuel - Emanuel - Mensagem aos médiuns.
Joanna de Ângelis - Estudos Espíritas - Cap. 18
- Dimensões da Verdade - 19/21
Leon Dénis - No Invisível - 55
Herculano Pires - Mediunidade
André Luiz - Obreiros da Vida Eterna, Cap. 5
- Os Mensageiros Cap. 11
- Nos Domínios da Mediunidade
Subsídios para o coordenador

O Problema da Mediunidade
Recordar artigo sob o mesmo título.

“Para um correto estudo das mediunidades e dos médiuns não se pode deixar em plano secundário a
doutrina Espírita, que é luz capaz de penetrar-lhes os escaninhos mais esconsos, liberando-os dos
mitos e atualizando-os de conformidade com as leis naturais que regem a vida.” (Vianna de Carvalho in
“Médiuns e Mediunidades”)

O estudo de O Livro dos Médiuns trará:


 entendimento da grave percepção mediúnica;
 como se comportar (relacionamento) - vivência

O Espiritismo apresenta a finalidade de melhorar o homem, integrando-o à vida:


 enquanto “ser”;
 nas relações com os outros seres.

Outros posicionamentos podem levar à ALIENAÇÃO (desequilíbrio) por incredulidade sistemática


(indiferença), ou fanatismo.

A postura pessoal ao tratar do assunto deverá ser, então, de permanente seriedade.

Mediunidade, enquanto faculdade, depende de


- Aptidão orgânica
- Experiência no exercício da faculdade + Vontade + Serviço dos Guias Espirituais
- Evolução espiritual
Médiuns seguros serão aqueles apresentarem nas comunicações:
- facilidade
- confiabilidade (dada pelo caráter do médium que atrai boa assistência espiritual)

Quando educar? Sempre.


1. ‘a priori ‘, i.e., antes da eclosão da faculdade - para o conveniente desabrochar
2. ‘a posteriori’ ,i.e., durante ou epois da sua eclosão - para o correto conduzir.
Orientação de Kardec e dos Espiritos Superiores tão logo se constatem os sintomas da mediunidade - o
que fazer?
“estudo da Doutrina Espírita e da Psicologia do comportamento humano.” (in “Vivência Mediúnica” -
Projeto Manoel Philomeno de Miranda. Leal )

Por que estudar a Doutrina Espírita? Ferramenta facilitadora da ação planejada pois confere
SEGURANÇA PARA TRABALHAR ao tornar claro:

a) a finalidade do intercâmbio;
b) a influência pessoal e moral do médium e do meio;
c) como distinguir a qualidade moral dos Espíritos;
d) quais os obstáculos que podem ocorrer.

Tudo isso leva o indivíduo a “criar um estado íntimo otimista desenvolvendo autoconfiança e serenidade”.

Por que analisar o comportamento íntimo?


a) no início, para descobrir-se.
b) autodomínio
c) auto-iluminação

“Reflexão sobre a existência convidando os médiuns a viverem com atenção , porém sem tensão, agindo e
não reagindo, em estado de consciência lúcida”. Tudo isso leva ao aquietamento, ao silêncio interior, dado
que o médium, pela ultrasensibilidade, é candidato natural à oscilação da emoção.

“Não existe médium educado antes que tenhamos um cidadão educado.”

Advertência de Kardec: respeitar o caráter de espontaneidade da faculdade mediúnica, ou seja, não


forçar nenhum tipo de “eclosão” ou “desenvolvimento”. Preparar-se pelo estudo, pelo esclarecimento, de
modo a saber direcioná-la com segurança tão logo apareçam os sintomas que possam indicar a presença da
faculdade.

A Mediunidade, o exercício mediúnico e suas implicações (palestra - Divaldo Pereira Franco)

Mediunidade -
É uma faculdade orgânica assim como a inteligência, a memória, as várias aptidões culturais e artísticas.
Podemos entendê-la, então, como uma faculdade natural pela qual se estabelecem as relações entre os
homens e os Espíritos. Contato mente a mente.
 Não é poder oculto, passível de se desenvolver através de práticas rituais.
 Assi como a inteligência , desenvolve-se e cresce na vida de relação, no exercício.  Educação
Mediúnica.
Vivemos mediunicamente entre dois mundos em relação permanente com entidades espirituais.
Sintonia - mentes semelhantes = afinidades com bem ou mal - luz ou sombra. Essa sintonia, esse contato
constante entre mentes afinizadas pelo sentir/pensar do momento é que caracteriza o “todos somos
médiuns”.
Mediunato
Mediunidade de compromisso/trabalho a serviço do semelhante. Decorre de acordos assumidos antes do
reencarne, quando ainda no plano espiritual. (Ver “Os Mensageiros”, André Luiz/Chico Xavier , FEB)

O que é o Médium? (Cap. XIV - OLM)


Todo aquele que sente em um grau qualquer a presença dos Espíritos é, por isso mesmo, um médium.
Não é privilegiado/missionário/pessoa escolhida... de um modo geral almas arrependidas que procuram o
equilíbrio no servir indiscriminadamente ao próximo em necessidade. Ou seja, é alguém que
 Tenha uma percepção e sinta em qualquer grau a presença dos Espíritos - é necessário que haja uma
manifestação sensorial.

Podemos dizer que todos têm a faculdade mediúnica, mas nem todos são médiuns (ou seja, há pessoas
frias mediunicamente, i.e., neutras).
 Nas suas raízes profundas é uma percepção do Espírito que se manifesta através da funcionalidade
orgânica.
 O Espiritismo deu à Mediunidade a dignidade ao propor uma ética no seu exercício, baseada no
Evangelho de Jesus.

Mediunidade não é sinônimo de sofrimento


Desconhecendo os recursos psíquicos de que está investido, pode o médium experimentar a eclosão da
faculdade através de problemas os mais diferentes (mal-estar generalizado, desequilíbrio emocional,
desequilíbrio físico, tratamento espiritual, etc.). Pode também aparecer de forma exuberante ,
espontânea, nas diferentes idades e nas situações intelecto/moral/social das mais variadas.
Exterioriza-se o mais comumente através de problemas, devido à imperfeição moral do planeta e do
indivíduo, havendo por isso a facilidade de sintonizar com mentes também desequilibradas.

Vídeos
Glândula Pineal: Novos Conceitos e Avanços nas Pesquisas - Dr. Sérgio Filipe de Oliveira
https://www.youtube.com/watch?v=csMa5Qfzc_k

PALESTRA GLÂNDULA PINEAL no Cineclube - Dr. Sérgio Felipe de Oliveira


https://www.youtube.com/watch?v=i-m34rTKJEg