Você está na página 1de 35

Língua Portuguesa

e Literatura

Aluno

Caderno de Atividades
Pedagógicas de
Aprendizagem
Autorregulada – 03
8º ano | 3° Bimestre
Disciplina Curso Bimestre Ano
Língua Portuguesa Ensino Fundamental 3° 8º

Habilidades Associadas

1. Comparar os gêneros cordel e canção.


2. Relacionar a presença da linguagem não-verbal à construção do sentido do texto
verbal.
3. Identificar os mecanismos de construção ideológica e de sentido nos textos (o uso
da linguagem figurada como exagero, ironia ou sarcasmo).
4. Observar a estrutura formal dos cordéis (número de sílabas por verso, de versos
por estrofe e rimas).
Apresentação

A Secretaria de Estado de Educação elaborou o presente material com o intuito de estimular o


envolvimento do estudante com situações concretas e contextualizadas de pesquisa, aprendizagem
colaborativa e construções coletivas entre os próprios estudantes e respectivos tutores – docentes
preparados para incentivar o desenvolvimento da autonomia do alunado.
A proposta de desenvolver atividades pedagógicas de aprendizagem autorregulada é mais uma
estratégia pedagógica para se contribuir para a formação de cidadãos do século XXI, capazes de explorar
suas competências cognitivas e não cognitivas. Assim, estimula-se a busca do conhecimento de forma
autônoma, por meio dos diversos recursos bibliográficos e tecnológicos, de modo a encontrar soluções para
desafios da contemporaneidade, na vida pessoal e profissional.
Estas atividades pedagógicas autorreguladas propiciam aos alunos o desenvolvimento das
habilidades e competências nucleares previstas no currículo mínimo, por meio de atividades roteirizadas.
Nesse contexto, o tutor será visto enquanto um mediador, um auxiliar. A aprendizagem é efetivada na
medida em que cada aluno autorregula sua aprendizagem.
Destarte, as atividades pedagógicas pautadas no princípio da autorregulação objetivam, também,
equipar os alunos, ajudá-los a desenvolver o seu conjunto de ferramentas mentais, ajudando-o a tomar
consciência dos processos e procedimentos de aprendizagem que ele pode colocar em prática.
Ao desenvolver as suas capacidades de auto-observação e autoanálise, ele passa ater maior
domínio daquilo que faz. Desse modo, partindo do que o aluno já domina, será possível contribuir para o
desenvolvimento de suas potencialidades originais e, assim, dominar plenamente todas as ferramentas da
autorregulação.
Por meio desse processo de aprendizagem pautada no princípio da autorregulação, contribui-se
para o desenvolvimento de habilidades e competências fundamentais para o aprender-a-aprender, o
aprender-a-conhecer, o aprender-a-fazer, o aprender-a-conviver e o aprender-a-ser.
A elaboração destas atividades foi conduzida pela Diretoria de Articulação Curricular, da
Superintendência Pedagógica desta SEEDUC, em conjunto com uma equipe de professores da rede
estadual. Este documento encontra-se disponível em nosso site www.conexaoprofessor.rj.gov.br, a fim de
que os professores de nossa rede também possam utilizá-lo como contribuição e complementação às suas
aulas.
Estamos à disposição através do e-mail curriculominimo@educacao.rj.gov.br para quaisquer
esclarecimentos necessários e críticas construtivas que contribuam com a elaboração deste material.
Secretaria de Estado de Educação

2
Caro aluno,
Neste caderno, você encontrará atividades diretamente relacionadas a algumas
habilidades e competências do 3º Bimestre do Currículo Mínimo de Língua Portuguesa do
8º ano do Ensino Fundamental. Estas atividades correspondem aos estudos durante o
período de um mês.
A nossa proposta é que você, Aluno, desenvolva estas Atividades de forma
autônoma, com o suporte pedagógico eventual de um professor, que mediará as trocas de
conhecimentos, reflexões, dúvidas e questionamentos que venham a surgir no percurso.
Esta é uma ótima oportunidade para você desenvolver a disciplina e independência
indispensáveis ao sucesso na vida pessoal e profissional no mundo do conhecimento do
século XXI.
Neste Caderno de Atividades, vamos aprender as funções e as características de
dois gêneros textuais: o cordel e a canção. Além disso, aprenderemos a diferenciar sentido
denotativo de sentido conotativo, algumas figuras de linguagem e os sentidos que dão ao
texto.
Este documento apresenta 06 (seis) aulas. As aulas podem ser compostas por uma
explicação base, para que você seja capaz de compreender as principais ideias
relacionadas às habilidades e competências principais do bimestre em questão, e
atividades respectivas. Leia o texto e, em seguida, resolva as Atividades propostas. As
Atividades são referentes a dois tempos de aulas. Para reforçar a aprendizagem, propõe-se,
ainda, uma pesquisa e uma avaliação sobre o assunto.

Um abraço e bom trabalho!


Equipe de Elaboração

3
Sumário

Introdução .......................................................................................... 03
Aula 01: Cordel ................................................................................... 05
Aula 02: Cordel: Rimas, Estrofes e Versos .......................................... 09
Aula 03: A Canção .............................................................................. 14
Aula 04: Sentido Denotativo e Conotativo ......................................... 19
Aula 05: Ironia e Exagero: recursos lingüísticos ................................. 22
Aula 06: Diálogo entre Cordel e Canção ............................................ 26
Avaliação ........................................................................................... 31
Pesquisa ............................................................................................. 33
Referências .........................................................................................34

4
Aula 1: CORDEL

Você já ouviu falar em Cordel ou Literatura de Cordel?

Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Literatura_de_cordel.jpg

O ser humano sempre procura formas de se expressar através da linguagem. Isso


acontece, muitas vezes, por questões relacionadas à sociedade, à política, à região. Assim,
surgem manifestações culturais e artísticas. O Cordel é uma delas. Chegou ao Brasil no
século XVIII por intermédio dos portugueses e se popularizou por permitir que se falasse
de variados assuntos de uma forma menos rígida.
A Literatura de Cordel ou simplesmente Cordel é um tipo de poesia popular. Tem
este nome porque são vendidas em folhetos e pendurados em barbantes (que formam
um cordão). Podemos encontrar exemplares deste tipo de poesia em feiras, praças e até
em bancas de jornais das pequenas cidades do Nordeste ou nos subúrbios das cidades
grandes como o Rio de Janeiro.
Podem tratar de temas variados como o cotidiano, a religião, o amor, as lutas, a
moral, a sociedade, as fantasias, o misticismo, o ecossistema etc.
É importante lembrar que no Brasil o Cordel é chamado de folheto e Cordel e nem
sempre aparecerá pendurado. É possível encontrarmos versões como as da figura abaixo.

Disponível em:
http://cordeldefogo1.blogspot.com.br/

5
Para se familiarizar com este tipo de poesia, observe um exemplar do gênero.

O TEMPO

O tempo é um bicho teimoso O homem tenta medir


Que nunca obedece a gente. O tempo que há no mundo,
Se a gente quer que ele corra, Em anos, meses e dias
Ele avança lentamente. Horas, minutos, segundos.
Mas, se quer que ele vá lento, Mas, também nessa medida,
É ligeiro como o vento Pelo homem escolhida,
Ou uma estrela cadente. O mistério é dos profundos.

Bem o sabe aquela jovem Pois, se em mais de mil pedaços


Que espera o namorado, Um dia for dividido,
Olhando para o relógio Cada pedaço é um minuto
Que parece estar parado. Desse tempo repartido.
Mas, quando está com o rapaz, Nessas partes desiguais,
O tempo parece mais Tem dia curto demais
Um cavalo disparado. E minuto que é comprido.

No jogo de futebol, Falo todas essas coisas


É a mesma situação: Mas eu sei que, na verdade,
Se seu time está vencendo O tempo é apenas fruto
O tempo é só lentidão. Da nossa engenhosidade.
Mas, se o time está perdendo, Fomos nós que o criamos
Lá vai o tempo correndo E agora nos sujeitamos
Sem olhar nossa aflição. A toda essa má vontade.

O tempo passa depressa Inventamos o relógio


Pra quem acordou agora, E também o calendário,
Quer dormir mais um pouquinho, Dividimos nossa vida,
Mas do trabalho é a hora. De um jeito arbitrário,
Passa o tempo devagar E, em frações de existência,
Para quem tem que esperar Vivemos sob a regência
Que um chato vá embora. Desse ser imaginário.
Marcos Mairton
Disponível em:
http://www.luizberto.com/coluna/contos-
cronicas-e-cordeis-marcos-mairton

Você sabia que existe a Academia Brasileira de Literatura de Cordel?


Consulte e aprenda mais em: http://www.ablc.com.br/

Agora que você sabe o que é Cordel, é hora de exercitar e interpretar.

6
Atividade 1

A partir do texto acima, resolva as questões a seguir.

1. O tema do texto é o tempo. Em relação a isso podemos dizer que:

a) o homem pode controlar o tempo se quiser


b) o homem é incapaz de controlar o tempo
c) o tempo tem sua duração maior ou menor se relacionado a certas situações
d) o tempo tem sua duração maior ou menor se relacionado aos outros

2. Leia os trechos a e b, em seguida responda:

a) O tempo é um bicho teimoso (...) (1ª estrofe).

De acordo com o que você leu, explique o sentido deste verso.


_________________________________________________________________

b) Ele avança lentamente. (1ª estrofe).

Reescreva o verso, substituindo a palavra destacada por uma palavra ou expressão


que tenha sentido semelhante.
_________________________________________________________________

3. Leia o trecho: O tempo parece mais / Um cavalo disparado. (2ª estrofe)

Reescreva o último verso de maneira que ocorra uma comparação como nos versos
originais.

7
O tempo parece mais
_________________________________________________________________

4. Leia o trecho: O tempo é apenas fruto / Da nossa engenhosidade (7ª estrofe).

Pelo contexto, a palavra destacada poderia ser substituída por:

a) habilidade b) personalidade c) trabalho d) possibilidade

5. Leia o trecho: Vivemos sob a regência / Desse ser imaginário. (8ª estrofe)

O verso destacado refere-se ao ________________________________

8
Aula 2: Cordel: estrofes, versos e rimas

Você já viu que o CORDEL é uma espécie de poema. Como se sabe, os poemas não
são escritos da mesma maneira que uma notícia ou uma história, mas têm uma estrutura
própria. Isso você aprenderá nesta aula.
O cordel é formado por ESTROFES e VERSOS. Estrofes são conjuntos de versos e
cada linha da estrofe é um verso. Observe uma estrofe do poema da primeira aula:

O tempo é um bicho teimoso


Que nunca obedece a gente.
Se a gente quer que ele corra,
Ele avança lentamente.
Mas, se quer que ele vá lento,
É ligeiro como o vento
Ou uma estrela cadente.

Bem o sabe aquela jovem


Que espera o namorado,
Olhando para o relógio
Que parece estar parado.
Mas, quando está com o rapaz,
O tempo parece mais
Um cavalo disparado.
(...)

Há, acima, duas estrofes, ou seja, dois grupos de versos. E cada estrofe possui sete
versos. As estrofes são classificadas de acordo com o número de versos que têm. Assim
são chamadas de:

• QUADRA – as estrofes que possuem quatro versos


• SEXTILHA – as estrofes que possuem seis versos
• SEPTILHA – as estrofes que possuem sete versos
• OITAVA – as estrofes que possuem oito versos
• DÉCIMA – as estrofes que possuem dez versos

Desse modo, as estrofes acima são classificadas como septilhas, porque têm sete
(07) versos.

9
Como é um poema, precisamos atentar para a questão das RIMAS. As rimas
ocorrem quando existem harmonia, igualdade, concordância de palavras que têm sons
finais iguais ou parecidos.
Se você observar as estrofes acima, perceberá que as rimas não estão presentes
em todos os versos, somente nos versos em negrito.
Veja:

O tempo é um bicho teimoso A


Que nunca obedece a gente. B
Se a gente quer que ele corra, C
Ele avança lentamente. B
Mas, se quer que ele vá lento, D
É ligeiro como o vento D
Ou uma estrela cadente. B

Os versos marcados pelas mesmas letras maiúsculas rimam.

Como você já relembrou o que é estrofe, o que é verso e aprendeu algumas coisas
sobre rima; é necessário exercitarmos seu conhecimento. Vamos lá?

10
Atividade 2

Vimos que os cordéis podem tratar de vários temas. Observe as capas abaixo e indique
um tema abaixo das mesmas.

a) b)

_______________________ _______________________

O Cordel abaixo servirá para as atividades a seguir.

LER FAZ BEM

Ler faz bem a todos


Amplia nossa visão
Deve estar no dia-a-dia
De quem faz a educação
Esse é maior recurso
Faça essa lição

Com a leitura viajamos


Além da imaginação
Abrimos novos horizontes
Vencendo a limitação
Tornando-se um grande farol
Que indica a direção

11
A leitura nos instrui
Também é diversão
Eleva a autoestima
Nos traz orientação
Desenvolve o senso crítico
E forma o cidadão

Você que não gosta de ler


Vamos mudar essa história
Desenvolva a leitura
Melhore sua oratória
Esse é o meu conselho
Arquive em sua memória

Vença esse desafio


Seja um grande leitor
É uma missão do aluno
E também do professor
De todos que querem na vida
Ser um grande vencedor.

JUARÊS ALENCAR

Disponível em:
http://juaresdocordel.blogspot.com.br/2009/04/leitura-abre-as-portas-do-conhecimento.html

a) O poema tem quantas estrofes?

__________________________________________________

b) Pelo número de versos que tem, cada estrofe é chamada de

__________________________________________________

Ler faz bem a todos


Amplia nossa visão
Deve estar no dia-a-dia
De quem faz a educação
Esse é maior recurso
Faça essa lição (1ª estrofe)

12
c) Na estrofe acima, sublinhe os versos que apresentam rima.

d) Ao lado de cada verso, acrescente uma letra do alfabeto para indicar o conjunto de
rimas.

e) Cite um argumento dado pelo autor para justificar os benefícios que o ato de ler
proporciona.

_________________________________________________________________

Você que não gosta de ler


Vamos mudar essa história
Desenvolva a leitura
Melhore sua oratória
Esse é o meu conselho
Arquive em sua memória (4ª estrofe)

f) Como mencionado na própria estrofe, o autor dá um conselho. Retire da estrofe uma


marca linguística que indique isso.

_________________________________________________________________

g) Arquive em sua memória


Reescreva este verso, substituindo a palavra destacada por outra de sentido equivalente.

_________________________________________________________________

13
Aula 3: A CANÇÃO

Você tem conhecido e estudado vários tipos de texto. Nesta aula, conheceremos
as características do gênero textual canção.
Normalmente, dizemos: ― Eu adoro esta música! ou ― Esta música é linda!, mas
nem sempre paramos para pensar que o que chamamos de música é uma espécie de
texto que tem uma função social e comunicativa.
A canção (música como chamamos no cotidiano) é uma espécie de texto que
apresenta dois códigos: o código verbal (as palavras) e o código não-verbal (a melodia).
É, portanto, um texto que apresenta letra e música.
Como o Cordel, a canção é um texto artístico, pois o compositor, através dela,
trata de variadas questões de uma forma diferenciada. É um texto que possui rimas e
refrão. O refrão é a repetição de uma determinada estrofe ou de determinado verso com
a intenção de transmitir alguma mensagem.
Observe abaixo letra da canção “Mais uma vez” do grupo Legião Urbana.

Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Renato_Russo_crop.jpg


Mais uma vez Mas é claro que o sol
Vai voltar amanhã
Mas é claro que o sol Mais uma vez, eu sei
Vai voltar amanhã Escuridão já vi pior
Mais uma vez, eu sei De endoidecer gente sã
Escuridão já vi pior Espera que o sol já vem
De endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem Nunca deixe que lhe digam:
Que não vale a pena
Tem gente que está Acreditar no sonho que se tem
Do mesmo lado que você Ou que seus planos
Mas deveria estar do lado de lá Nunca vão dar certo
Tem gente que machuca os outros Ou que você nunca
Tem gente que não sabe amar Vai ser alguém

Tem gente enganando a gente Tem gente que machuca os outros


Veja nossa vida como está Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia Mas eu sei que um dia
A gente aprende A gente aprende
Se você quiser alguém
Se você quiser alguém Em quem confiar
Em quem confiar Confie em si mesmo!
Confie em si mesmo Quem acredita sempre alcança!

Quem acredita Disponível em http://letras.mus.br/legiao-


Sempre alcança urbana/1835507/

15
Atividade 3

Agora, a partir da canção acima, faça as questões a seguir.

Mas é claro que o sol


Vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior
De endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem

a) Esta estrofe se repete ao longo da canção. A isso damos o nome de refrão.


De acordo com o contexto, que ideia esta repetição confere ao texto?

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

b) Transcreva os versos desta estrofe que apresentam rima.

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

c) Leia o trecho abaixo:

Tem gente que está


Do mesmo lado que você
Mas deveria estar do lado de lá
(...) (2ª estrofe)

A opção que melhor explica esta estrofe é:

a) Algumas pessoas precisam ficar longe de nós


b) Não deveríamos nem ter conhecido certas pessoas
c) Algumas pessoas deveriam estar do lado oposto ao nosso
d) Certas pessoas nunca deveriam andar conosco

16
d) Leia o trecho abaixo:

Quem acredita
Sempre alcança
Cite uma palavra que possa resumir os versos acima.

_________________________________________________________________________

Reescreva estes versos de maneira que transmita a mesma ideia.

_________________________________________________________________________

e) Leia o trecho abaixo:

Nunca deixe que lhe digam:


Que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos
Nunca vão dar certo
Ou que você nunca
Vai ser alguém

Esta estrofe tem o tom de conselho. Que verso expressa isso?

_________________________________________________________________________

f) Leia o trecho abaixo:

(...) Ou que você nunca


Vai ser alguém

O que é ser alguém?

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

g) Leia o trecho abaixo:

Mas eu sei que um dia


A gente aprende (8ª estrofe)

17
Podemos dizer que nestes versos o tempo é indeterminado. Isso é confirmado por que
expressão?

_________________________________________________________________________

18
Aula 4: Sentido Denotativo e Conotativo

Observe as frases no quadro abaixo.

― O cachorro morreu. ― Estou morrendo de fome!


― O menino acendeu a luz. ― A mulher deu a luz!
― Os sapos vivem no brejo. ― Certas pessoas engolem sapos.

Com certeza, você já ouviu as frases acima. Então é necessário perguntar: no


segundo quadro, será que alguém realmente está prestes a morrer? Será que uma
mulher dá a luz mesmo? Será que alguém pode engolir um sapo?
Você, certamente, responderá negativamente a todas estas perguntas, porque vai
perceber que elas não correspondem a uma realidade.
A diferença entre as frases do primeiro quadro e as do segundo quadro está no
sentido em que as palavras estão empregadas. No primeiro quadro, as palavras estão
sendo usadas no sentido denotativo, já no segundo, as palavras estão sendo usadas no
―sentido conotativo.
O Sentido denotativo está ligado ao uso da palavra no seu sentido usual,
convencional. Enquanto o Sentido conotativo está ligado ao uso da palavra com sentido
figurado, novo, diferente do original.
Desse modo...

Quando alguém diz: Os sentidos são:

― Estou morrendo de fome! ― Estou com muita fome.

― A mulher deu a luz! ― A mulher teve um bebê.

― Certas pessoas engolem sapos. ― Certas pessoas aturam muitos abusos.

19
Atividade 4

1) Marque (D) para sentido denotativo e (C) para sentido conotativo.

a) Júlio quebrou a cara ao enganar os pais. ( )


b) Sandra quebrou a perna ontem. ( )
c) Jogar futebol não é a minha praia. ( )
d) Márcia tem muita dor de cabeça. ( )
e)Antônio chegou cedo no shopping, mas levou um bolo da namorada. ( )

A letra da canção abaixo se refere às questões 2, 3 e 4.

Meteoro
Te dei o sol, te dei o mar Depois que eu te conheci fui mais feliz.
Pra ganhar seu coração. Você é exatamente o que eu sempre
Você é raio de saudade, quis.
Meteoro da paixão, Ela se encaixa perfeitamente em mim.
Explosão de sentimentos O nosso quebra-cabeça teve fim.
Que eu não pude acreditar.
Ah! Como é bom poder te amar! (refrão) Se for sonho, não me acorde;
Eu preciso flutuar,
Depois que eu te conheci fui mais feliz. Pois só quem sonha
Você é exatamente o que eu sempre Consegue alcançar.
quis. (refrão)
Ela se encaixa perfeitamente em mim.
O nosso quebra-cabeça teve fim. Tão veloz quanto a luz
Pelo universo eu viajei.
Se for sonho não me acorde; Vem! Me guia, me conduz,
Eu preciso flutuar, Que pra sempre te amarei.
Pois só quem sonha (refrão)
Consegue alcançar. Luan Santana
Disponível em:
http://letras.mus.br/luan-santana/1407542/
(refrão)

20
2. No refrão da canção, há a informação de que serão dados o sol e o mar a alguém. Isso é
possível? O que quiseram dizer com isso?
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

3. Leia as frases abaixo:

a) O que significa ganhar o coração?


_________________________________________________________________________

b) Que palavra poderia ocupar o lugar do verbo ganhar?


_________________________________________________________________________

4. Leia o trecho abaixo:

Tão veloz quanto a luz


Pelo universo eu viajei.
(...)

Nestes versos, há uma:

a) oposição b) comparação c) ampliação d) redução

5. As frases abaixo estão no sentido conotativo. Reescreva-as no sentido denotativo.

a) Temos que ser fortes e colar os cacos de nossas vidas.


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

b) O encontro entre as duas primas deu zebra.


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
Aula 5: IRONIA E EXAGERO: recursos linguísticos

Vimos que a linguagem pode ser usada no sentido denotativo ou conotativo. No


sentido denotativo as palavras são usadas no seu sentido convencional, literal; mas no
sentido conotativo está ligado ao uso da palavra no sentido diferente do original, no
sentido figurado.
No sentido conotativo (figurado), alguns usos recebem os nomes de figuras de
linguagem e de pensamento. Conheceremos agora duas delas: a HIPÉRBOLE e a IRONIA.
A HIPÉRBOLE ocorre toda vez que expressamos uma ideia de forma exagerada.
Fazemos isso toda vez que precisamos ressaltar, enfatizar uma ideia. Observe isso no
trecho da música “Como é grande o meu amor por você” de Roberto Carlos.

“Eu tenho tanto para lhe falar


Mas com palavras só sei dizer
Como é grande o meu amor por você...
Nem mesmo o céu, nem as estrelas
Nem mesmo o mar e o infinito
Não é maior que o meu amor, nem mais bonito”.

O amor de um indivíduo por alguém pode ser grande, mas não é maior do que o
mar, do que o infinito. Isso é um exagero.

Outros exemplos de exagero são:

― Estou morrendo de frio!


― Este filme é mais velho do que minha avó.

A IRONIA ocorre toda vez que queremos expressar uma ideia que tenha o sentido
oposto ao que se pensa ou acredita. A ironia é dizer o contrário. Observe isso nos
exemplos.

Ao chegar na escola e encontrar seus colegas com olheiras, Júlia diz:


― Dormiram bem, meus amigos!

22
Ao verificar que o filho tinha lavado a louça, mas não tinha limpado o fogão, Ana Lúcia
afirma: ― Meu filho, você fez o serviço completo!

Para compreender a ironia, é fundamental observar o contexto, a situação


comunicativa, pois este elemento determina o sentido em que as palavras foram
empregadas.

É importante lembrar que essas figuras não aparecem somente em textos


artísticos ou na propaganda. Na fala do cotidiano com nossos amigos e familiares fazemos
uso de tais recursos.

Atividade 5

Você conheceu dois importantes recursos lingüísticos. Agora, vamos exercitar?!

1) Marque (1) para hipérbole e (2) para ironia.

a) Na longa fila do banco, a senhora diz: ― Só saio daqui amanhã! ( )


b) Alguns se matam de tanto malhar. ( )
c) No verão carioca, as pessoas quase morrem. ( )
d) Em duas horas de filme, comi duzentos bombons. ( )
e) No shopping lotado, o marido diz: ― Eu adoro esta tranquilidade ( )

2) Joana solicita que sua irmã lave a louça do almoço. Depois de duas horas, verifica a
cozinha e vê alguns pratos no escorredor com sabão e o fogão sujo. Então, diz a seguinte
frase irônica:

23
a) Que cozinha arrumada!
b) A cozinha é a alma da casa.
c) Como é bom cozinhar!
d) Que cozinha linda!

Texto referente às questões 3, 4 e 5.

Exagerado Exagerado
Jogado aos teus pés
Amor da minha vida Eu sou mesmo exagerado
Daqui até a eternidade
Adoro um amor inventado
Nossos destinos
Foram traçados na maternidade
E por você eu largo tudo
Paixão cruel desenfreada Carreira, dinheiro, canudo
Te trago mil rosas roubadas Até nas coisas mais banais
Pra desculpar minhas mentiras Pra mim é tudo ou nunca mais
Minhas mancadas
Exagerado
Exagerado
Jogado aos teus pés Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado Adoro um amor inventado

Eu nunca mais vou respirar Jogado aos teus pés


Se você não me notar Com mil rosas roubadas
Eu posso até morrer de fome
Exagerado
Se você não me amar
Eu adoro um amor inventado
E por você eu largo tudo
Vou mendigar, roubar, matar Cazuza
Até nas coisas mais banais Disponível em:
http://letras.mus.br/cazuza/43861/
Pra mim é tudo ou nunca mais

3) Depois de ler a letra da canção, explique o motivo do título.


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

24
Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

4. Esta estrofe acima corresponde ao refrão da canção. A palavra destacada tem a função
de:
a) reforçar a característica do eu lírico
b) amenizar a característica do eu lírico
c) promover a característica do eu lírico
d) destacar a característica do eu lírico

5. Leia o trecho:

Paixão cruel desenfreada


Te trago mil rosas roubadas
Pra desculpar minhas mentiras
Minhas mancadas

a) Identifique, nesta estrofe, o verso que possui uma hipérbole.

________________________________________________________________________

b) Cite um exemplo do cotidiano em que usamos uma hipérbole parecida.

________________________________________________________________________

25
Aula 6: Diálogo entre Cordel e Canção

Ao longo deste bimestre, tivemos contato com dois tipos de texto: o Cordel e a
Canção. Os dois tipos de texto são artísticos, pois usam a linguagem de forma não-
habitual e têm a finalidade de mexer com a nossa sensibilidade. Vamos, agora, observar
como os textos podem dialogar. Mas, antes, precisamos definir como os textos se
relacionam.
Nesse sentido, estamos falando em intertextualidade, que é a relação entre dois
textos, em que um faz referência ao outro. Quando um texto está em intertextualidade
com outro, é como se os mesmos estivessem conversando. Nessa conversa, podem ser
ditas as mesmas coisas com outras palavras (paráfrase) ou podem ser ditas coisas
diferentes que terão outro sentido (paródia), se comparadas às ideias do texto original,
que serviu de base para a construção do novo texto.
Observe agora o Cordel Quem ri por último e a letra da Canção Você abusou. Leia
os textos atentamente, observe as estruturas e os aspectos lingüísticos.

26
Texto 1 Texto 2

QUEM RI POR ÚLTIMO A FILA ANDA

Tu pensas que és o quê, Tá se achando demais


A dona dos meus sentidos! Tá pisando sem dó
Esqueces que nossos beijos Tá fazendo besteira uma atrás da outra
Já estão desfalecidos Tá querendo ficar só
Que se foram com o tempo
E há muito são esquecidos? Tá perdendo a razão
Vê se cai na real
Porque passas tão altiva Porque o ontem não volta
Tal qual a dona do mundo O amanhã não espera
Esqueces que o amor E você pode se dar mal
É malandro e vagabundo
E como um bom retirante Você não pensa no que fala
Despede-se em um segundo? E acaba sempre machucando quem te dá amor
Insiste em me olhar de cima
Não pises com muita força Eu sinto que não tem mais clima
Tentando uma esmagação A gente acabou
Pois podes neste momento
Com tua terrível ação Não aguento mais, cansei
Estar esmagando sim Quero esquecer o que chorei
O teu próprio coração. De tanto desamor o amor desanda
A fila anda, a fila anda, a fila anda
O amor vive o passado
Mas ligado no futuro Foi você quem quis assim
Enquanto tu julgas ser Abusou demais, pisou em mim
Desse amor porto seguro Doeu e aí, então, saltei de banda
Ele pode ter fugido A fila anda, a fila anda, a fila anda
E pulado outro muro.
Você não pensa no que fala
Então baixes a bola mina E acaba sempre machucando quem te dá amor
Não quero aqui te frustrar Insiste em me olhar de cima
Mas quem por ti chorou ontem Eu sinto que não tem mais clima
Hoje pode gargalhar A gente acabou
Quem ri por último é quem faz
Quem riu primeiro chorar. Não aguento mais, cansei
Quero esquecer o que chorei
Nildo Cordel De tanto desamor o amor desanda
A fila anda, a fila anda, a fila anda
Disponível em
http://www.overmundo.com.br/banco/cordel- Foi você quem quis assim
do-nildo-cordel-quem-rir-por-ultimo Abusou demais, pisou em mim
Doeu e aí, então, saltei de banda
A fila anda, a fila anda, a fila anda

27
Leonardo
Disponível em
http://letras.mus.br/leonardo/1241598

28
Atividade 6

1) Em relação ao diálogo, à intertextualidade; podemos dizer que:

a) o tema dos dois textos é a fé no amor


b) o tema dos dois textos é o desamor
c) o tema dos dois textos é o desrespeito ao sentimento do outro
d) o tema dos dois textos é o amor não correspondido

2) O título dos dois textos produzem que efeito de sentido?

_________________________________________________________________

3) Retire do texto 2, palavras que apresentam marcas de oralidade.


_________________________________________________________________

Não pises com muita força


Tentando uma esmagação
Pois podes neste momento
Com tua terrível ação
Estar esmagando sim
O teu próprio coração. (3ª estrofe)

4) Nesta estrofe do texto 1, o eu lírico dá um conselho a alguém. Que verso comprova


isso?
_________________________________________________________________________

5) Leia o trecho: Então baixes a bola mina (texto 1 – 5ª estrofe). Reescreva este verso,
usando um vocabulário formal.
_________________________________________________________________________

29
Compare os trechos:

Tu pensas que és o quê,


A dona dos meus sentidos! (1ª estrofe – texto 1)

Insiste em me olhar de cima (3ª estrofe – texto 2)

6. Observando os versos nos respectivos textos, podemos afirmar que:

a) uma palavra que os resume é autoritarismo


b) a palavra que os resume é vingança
c) duas palavras resumem os versos: vingança e tristeza
d) uma palavra resume os versos: tristeza

30
Avaliação

Este o momento de mostrar que você se empenhou e aprendeu de verdade.


Vamos lá?

A letra da música abaixo se refere às questões 1, 2, 3 e 4.

Vagalumes

Vou caçar mais de um milhão de vagalumes por aí,


Pra te ver sorrir eu posso colorir o céu de outra cor,
Eu só quero amar você,
E quando amanhecer eu quero acordar
Do seu lado. (refrão)

Vou escrever mais de um milhão de canções pra você ouvir,


Que meu amor é teu, teu sorriso me faz sorrir,
Eu vou de Marte até a lua, cê sabe já tô na tua,
E não cabe tanta saudade essa verdade nua e crua,
Eu sei o que eu faço nosso caminho eu traço,
Um casal fora da lei ocupando o mesmo espaço
Se eu to contigo não ligo se o sol não aparecer
É que não faz sentido caminhar sem dar a mão pra você
Teu sonho impossível vai ser realidade,
Sei que o mundo tá terrível, mas não vai ser a maldade que
Vai me tirar de você, eu faço você ver,
Pra tu sorrir eu faço o mundo inteiro saber que eu

Pra ter o teu sorriso descubro o paraíso,


É só ver sua boca que eu perco o juízo por inteiro,
Sentimento verdadeiro eu e você ao som de janelle monáe,
Vem deixa acontecer,
Me abraça que o tempo não passa quando cê tá perto,
Dá a mão e vem comigo que eu vejo como eu tô certo,
Eu digo que te amo cê pede algo impossível,
Levanta da sua cama, hoje o céu está incrível.
(refrão)

Faço dos teus braços um lugar mais seguro,


Procurei paz em outro abraço, eu não achei eu juro,
Saio do compasso, passo apuros que vier,
Abro a janela pra que você possa ver
(refrão)

31
Pollo

Disponível em: http://www.vagalume.com.br/pollo/vagalumes-part-ivo-mozart.html

1. O primeiro verso da canção, que é o refrão, contém uma figura de pensamento


chamada hipérbole. Explique por que motivo seu uso é um exagero e não corresponde à
realidade?
_________________________________________________________________________

2. O eu lírico cita coisas que poderia realizar, mas, na realidade, sabemos que não é
possível. Retire do texto uma delas.
_________________________________________________________________________

3. O texto possui muitas marcas de oralidade, isto é, possui muitas palavras grafadas da
mesma maneira que são faladas. Retire do texto dois exemplos e reescreva-os de maneira
formal.
_________________________________________________________________________

4. Da segunda estrofe da canção, retire dois versos que possuam rima.


_________________________________________________________________________

5. Imagine a seguinte situação:

Uma mulher entra em uma loja de importados para comprar um batom. Verifica que o
produto custa R$ 115,00.

Então, diz a seguinte frase irônica:

a) O preço está excelente!


b) Está muito baratinho!
c) Que batom caro!
d) Tudo isso por um batom!

32
Pesquisa

É hora de você ampliar seus conhecimentos!


Vimos que o cordel é um gênero textual poético que tem várias finalidades
comunicativas: ensinar, divertir, educar, falar de amor etc.
Seu trabalho agora é ler o cordel abaixo, identificar o tema e fazer o esquema de
rimas. Depois disso, você e seus colegas deverão atribuir um título a cada estrofe. Elabore
o trabalho em sala de aula e entregue ao professor. Mãos à obra!

No caso de não haver


A MEDICINA E O CANGAÇO Socorro firme no ato
Com hemorragia presente
Durante as ações guerreiras Determinante era o fato
Intenso estado de alerta Debilitado e carente
Enfrentando temporais O cangaceiro doente
Sob precária coberta Morria de imediato
Numa tensão enervante
Esperando a cada instante Cônscios que a qualquer momento
O ataque e a descoberta Surgiria uma emergência
O bando sempre levava
As doenças pulmonares Medicamentos de urgência
Venéreas e intestinais Temendo ataque e ação
Eram presenças constantes Viam nessa prevenção
E ameaças reais Chance de sobrevivência
Dada a promiscuidade
Excessos, leviandade E nesse caso aparece
Gerando males brutais “O entendido”, o protetor
Trata o doente e o ferido
Porém o caso mais grave Cura a mazela e a dor
E de urgente tratamento Com zelosa paciência
Era se arma de fogo Diploma de experiência
Provocasse o ferimento Do Cangaço é o doutor
Pois havendo hemorragia
O controle carecia Josenir Lacerda
De eficaz procedimento

Disponível em:
http://cariricangaco.blogspot.com.br/2010/02/medicina-e-o-cangaco-parte-ii-por.html

33
Referências

[1] CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática: texto, reflexão e
uso. 3. ed. reform. São Paulo, Atual: 2008.
[2] KOCH, Ingedore G. Villaça; BENTES, ANA Christina; CAVALCANTE, Mônica Magalhães.
Intertextualidade: diálogos possíveis.São Paulo: Cortez, .
[3] LAPA, Manuel Rodrigues. Estilística da Língua Portuguesa.São Paulo: Martins Fontes,
1998.4.ed.

SITES PESQUISADOS:

 GASPAR, Lúcia. Literatura de Cordel. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim


Nabuco, Recife.
Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: 09 set. 2013.
 http://www.ablc.com.br/
 http://www.portaldocordel.com.br/doc/cordeisDown/cordelDidatico.pdf Acesso em:
10 set 2013.

34
Equipe de Elaboração

COORDENADORES DO PROJETO

Diretoria de Articulação Curricular

Adriana Tavares Maurício Lessa

Coordenação de Áreas do Conhecimento

Bianca Neuberger Leda


Raquel Costa da Silva Nascimento
Fabiano Farias de Souza
Peterson Soares da Silva
Marília Silva

PROFESSORES ELABORADORES

Andréia Alves Monteiro de Castro


Aline Barcellos Lopes Plácido
Flávia dos Santos Silva
Gisele Heffner
Leandro Nascimento Cristino
Lívia Cristina Pereira de Souza
Tatiana Jardim Gonçalves

35