Você está na página 1de 24

Porque avaliar o perfil sensorial

Quando uma criança é encaminhada para uma avaliação, os membros da equipe inter profissional
trazem quadros únicos de referência para o processo de avaliação, incluindo diferentes maneiras de
interpretar o mesmo comportamento.
Independentemente do quadro de referência, cada membro da equipe tem a responsabilidade de
desenvolver hipóteses que vinculam as habilidades ao desempenho da criança.

Alguns métodos de avaliação resultam em boas informações diagnósticas, mas não providenciam
ligações claras com relação ao desempenho; outros métodos de avaliação permitem que os
profissionais verifiquem complicações de desempenho, mas não proporcionam nenhum
mecanismo para vincular estas informações aos quadros de referência para a tomada de decisões
fundamentada em teorias.

O “Perfil Sensorial 2” providencia as ligações necessárias entre as informações de avaliação e


quadros de referência (incluindo o processamento sensorial, neurociência, pontos fortes e quadros
ecológicos de referência) para facilitar a tomada de decisões inter profissional.

2
Transtorno do Processamento Sensorial
Transtorno de processamento Sensorial é um transtorno neurológico que causa dificuldades em
como a criança interpreta, processa e percebe uma informação sensorial sobre o meio ambiente
e de dentro do próprio corpo (visual, auditiva, tátil, olfativa, paladar, vestibular e propriocepção).

Para aqueles com Transtorno do processamento Sensorial, a informação sensorial pode ser sentida
e percebida de uma forma que é diferente da maioria das outras pessoas.

As dificuldades geralmente apresentadas são: déficit de atenção, alterações comportamentais e/ou


emocionais, dificuldade de planejamento e organização, problemas em fazer as atividades da vida
diária e prática (auto cuidado, lazer, brincar e escola), extrema sensibilidade a estímulos sensoriais;
entrada sensorial pode resultar em evasão de extrema atividades, agitação, angústia, medo ou
confusão.

3
4
Sintomas da procura sensorial podem incluir:
• Frequentemente almeja: tocar, cócegas, massagens nas costas e abraços;
• Pode desenvolver problemas de comportamento, como morder, beliscar, ou bater a cabeça;
• Necessidade de tocar e sentir tudo no ambiente que outras crianças não entendem a tocar;
• Procura atividades que envolvem brigas, lutas (agressividade);
• Gosta da sensação de objetos que possuem vibrações;
• Gosta de tocar em superfícies macias ou lisas;
• Frequentemente remove meias e sapatos;
• Fica mexendo no cabelo com os dedos;
• Tem alta tolerância a calor e frio;
• Prefere alimentos picantes.

Outros sinais de uma doença relacionada à disfunção sensorial tátil:


• Pobres habilidades motoras finas e problemas em terminar tarefas, tais como despir/vestir calças,
meias, blusas e manejo dos fechos;
• Esforços para definir as características físicas dos objetos em termos de forma, tamanho, textura,
temperatura ou peso;
• Problemas de identificação de objetos apenas por senti-los;
• Dificuldades ao usar tesouras, lápis, giz de cera.

5
6
Perfil Sensorial 2 - Conceitos teóricos
● O “Perfil Sensorial 2” foi elaborado utilizando bases teóricas sólidas. Primeiramente, o trabalho
inicial que levou ao desenvolvimento do Perfil Sensorial original foi embasado no
desenvolvimento, neurociência e comportamento humano (principalmente em pesquisas
específicas sobre autorregulação). Os dados de estudos do processamento sensorial utilizando o
Perfil Sensorial introduziram evidências sobre novas relações, especificamente a interação entre
os princípios da neurociência e das ciências sociais.

● O Modelo de processamento sensorial de Dunn (Dunn, 1997) foi criado a partir desses estudos.

● Outros conceitos que guiaram o desenvolvimento inicial envolveram modelos ecológicos do


desenvolvimento e comportamento humanos que enfatizam as pessoas e como elas se
encontram situadas em suas próprias vidas. Mais recentemente, evidências sobre abordagens
baseadas em pontos fortes têm crescido na literatura e exercem um impacto sólido sobre os
materiais nesta edição.

7
A autora
Professora e Coordenadora do Departamento de Terapia
Ocupacional da Universidade de Kansas, é uma especialista
internacionalmente conhecida por seus estudos sobre o
processamento sensorial na vida cotidiana.

Já publicou mais de 100 artigos de pesquisa e livros, e tem


falado em todo o mundo sobre o seu trabalho. Ela é autora /
coautora de todas as medidas perfil sensorial (Sensory Profile
Measures), que capturam as respostas das pessoas aos
eventos sensoriais na vida cotidiana; estas avaliações foram
traduzidas em dezenas de idiomas e são utilizadas tanto para
a prática profissional quanto nos programas de investigação.
Recebeu as maiores honras em seu campo, incluindo o Award of Merit por notáveis contribuições
globais, e Eleanor Clark Slagle Lectureship por notáveis contribuições acadêmicas; faz parte como
membro da Academy of Research for the American Occupational Therapy Foundation e recebeu o
prêmio A. Jean Ayres research award.
Mais recentemente, escreveu um livro para o público sobre sua pesquisa intitulada Living
Sensationally understanding your senses (tradução livre: Vivendo Sensorialmente entendendo seus
sentidos), que tem sido destaque na revista Time, a revista Cosmopolitan, Canadian Radio Pública e
do jornal London Times, entre outros.
Em julho de 2009, Living Sensationally recebeu o Selo de Excelência da revista the Children of the
New Earth para pais, profissionais e outros.
8
Estrutura do processamento sensorial de
Dunn
O “Perfil Sensorial 2” caracteriza comportamentos que as crianças exibem como padrões de
processamento sensorial. Esta abordagem se baseia em uma estrutura conceitual que propõe uma
interação entre limiares neurológicos e respostas comportamentais de autorregulação,
originalmente descrita por Dunn (1997). Como a pesquisa informou o processo, esta estrutura foi
necessária para refletir o pensamento moderno. A interação desses dois contínuos proporciona um
método para explicar como as crianças processam as informações sensoriais e providencia
orientações para o planejamento de intervenção.

9
Padrões de processamento sensorial na
estrutura de processamento sensorial de Dunn

Observação: Representa
limiares neurológicos
elevados com
autorregulação passiva
(que são as chamadas
crianças observadoras).

10
Crianças
observadoras
As crianças observadoras são descontraídas,
uma vez que elas perdem mais estímulos do que
as outras e são menos propensas a se incomodar
com o que ocorre ao redor delas.

Deixam de notar sinais sensoriais que as outras


percebem facilmente, e podem não notar o
professor chamando o seu nome ou que sua
roupa está ao contrário em seu corpo.

11
Crianças
exploradoras
Exploração também representa limiares
neurológicos elevados, mas as crianças
exploradoras possuem uma estratégia de
autorregulação ativa e geram novas ideias.

Crianças com padrões de exploração irão tocar


objetos, batucar com seus lápis, ou mastigar
coisas, por exemplo. São maneiras de
obterem mais estímulo sensorial e
permanecerem alertas.

12
Crianças sensíveis
Sensibilidade representa limiares neurológicos
baixos e uma estratégia de autorregulação
passiva (chamadas de crianças sensíveis).

Crianças sensíveis são muito discernidoras e


pode-se confiar nelas para detectar erros ou
padrões que outras podem não notar. Pedirão
que os outros fiquem quietos, colocam suas
mãos sobre suas orelhas em uma reunião, ou
são extremamente exigentes com relação à
alimentação.

13
Crianças que
se esquivam
Esquiva também representa limiares neurológicos
baixos, bem como uma estratégia de
autorregulação ativa (chamadas de crianças que se
esquivam).

Crianças que se esquivam são muito boas em


criar rotinas e ordem, porque elas precisam de
“uniformidade” para reduzir o estímulo sensorial
imprevisto. Crianças com padrões de esquiva se
afastarão de atividades ou poderão optar por
trabalharem sozinhas.

14
Avaliação ecológica
Uma abordagem de processamento sensorial (conforme refletida na estrutura do processamento
sensorial de Dunn) possui foco, principalmente, nas demandas de atividade e contexto e ambiente
(AOTA, 2008).

Há uma forte consideração de expectativas sociais, demandas de espaço e tempo de tarefas


autênticas, uso do corpo e objetos em tarefas autênticas e de características do contexto que possam
afetar a participação.

Ao utilizar uma abordagem de processamento sensorial, usamos o conhecimento sobre uma pessoa
para considerar como os aspectos da demanda de atividades e contextos podem apoiar ou
interferir na participação de tarefas cotidianas.

A intervenção, por sua vez, possui foco na realização de ajustes a ambientes e atividades a fim de
aumentar a participação.

15
Visão geral da padronização
O estudo de padronização do Perfil Sensorial 2 foi realizado de 2012 a 2013 e incluiu a avaliação de
1.791 crianças (do nascimento até 14 anos de idade) para a amostra padronizada.

Outras 774 crianças com necessidades especiais participaram dos estudos clínicos de validação
(comparadas a 774 crianças sem necessidades especiais), resultando na inclusão geral de 75 bebês
(do nascimento aos 6 meses), 404 crianças pequenas (7 meses a 35 meses), 1.056 crianças para o
Perfil Sensorial 2 da Criança (3 anos e 0 meses a 14 anos e 11 meses ) e 1.030 crianças para o Perfil
Sensorial 2 de Acompanhamento Escolar (3 anos e 0 meses a 14 anos e 11 meses ), com e sem
necessidades especiais.

A Pearson forneceu suporte a estudantes de pós-graduação da Universidade do Kansas, que


trabalharam em vários aspectos dos projetos de padronização.

16
Quem pode aplicar?
Indivíduos de muitas profissões podem administrar o “Perfil Sensorial 2”:

• Terapeutas ocupacionais, psicólogos, fonoaudiólogos e médicos podem usar este teste para
obter um cenário sobre o desempenho de uma criança em casa, na escola e na comunidade, bem
como para determinar os pontos fortes e as áreas que possam estar interferindo, a fim de
proporcionar uma base para o planejamento de intervenções;

• Pesquisadores de ciências básicas podem incluir o instrumento nos seus protocolos como uma
medida funcional da resposta sensorial;

• Pesquisadores de ciência aplicada podem usá-lo para coletar dados que vinculam o impacto do
processamento sensorial sobre a participação nas atividades diárias.

17
Tempo de aplicação
• Perfil Sensorial 2 do bebê: 5 a 10 minutos
• Perfil Sensorial 2 da criança pequena: 10 a 15 minutos
• Perfil Sensorial 2 da criança: 15 a 20 minutos
• Perfil Sensorial 2 abreviado: 5 a 10 minutos
• Perfil Sensorial 2 de acompanhamento escolar: 15 minutos

Os profissionais relatam que demoram 15 minutos para pontuar as respostas manualmente.

Estima-se que as perguntas adicionais levem de 15 a 30 minutos para serem preenchidas, e mais 15
a 30 minutos para a interpretação pelo profissional no contexto dos resultados de questionários
padronizados.

18
Benefícios do Perfil Sensorial 2
• É SIMPLES DE USAR: é fácil de administrar e pontuar usando formulários em papel ou na internet;

• É CONTEXTUALMENTE RELEVANTE: registra informações importantes sobre os padrões de


processamento sensorial de uma criança da maneira como ela se comporta na escola, em casa e na
comunidade;

• É INTEGRADO: estabelece uma ligação clara entre o processamento sensorial e o desempenho da


criança na escola, em casa e na comunidade;

• É FUNDAMENTADO EM TEORIAS: proporciona uma estrutura para a tomada de decisão baseada


em teorias;

• É BASEADO EM EVIDÊNCIAS: é construído sobre uma abundância de evidências desde as


primeiras edições, incluindo pesquisas internacionais demonstrando a utilidade dos seus dados;

• É CENTRADO NA FAMÍLIA E NA CRIANÇA: reconhece que as famílias, professores e membros da


equipe são informantes fundamentais;

• É BASEADO EM PONTOS FORTES: é concebido para uso com todas as crianças,


independentemente de outras condições, pois caracteriza quaisquer respostas da criança a
experiências sensoriais na vida cotidiana;

19
Benefícios do Perfil Sensorial 2
• É ABRANGENTE: incentiva as equipes a vincular as observações relatadas pelos professores com
aquelas relatadas por cuidadores, proporcionando um cenário completo do impacto das
habilidades de processamento sensorial da criança na participação em vários contextos.

Atividades que podem ser realizadas em sala de aula:

• Lições de instrução direta;


• Pequenos guias de grupo focado no ensino de habilidades e pontos fortes de construção;
• Programa de prevenção, intervenção Intensiva, treinamento de habilidades e monitoramento
dos progressos;
• Indicações, descrições, passos básicos, exemplos.

20
Composição do kit e valores
 Kit completo (R$800,00):
 1 manual de Administração, Correção e Intervenção
 5 Questionários para avaliação, sendo:
• 2 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 do Bebê
• 2 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 da Criança Pequena.
• 2 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 da Criança
• 2 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 Abreviado.
• 2 Questionários de Acompanhamento Escolar.

 Itens de reposição(R$100,00 cada pacote com 10 questionários):


 10 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 do Bebê.
 10 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 da Criança Pequena.
 10 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 da Criança.
 10 Questionários do cuidador referente ao Perfil Sensorial 2 Abreviado.
 10 Questionários de Acompanhamento Escolar.

21
Concorrentes
Atualmente não existem concorrentes diretos para o Perfil Sensorial 2.

Livros que tratem do tema (Perfil Sensorial/Integração Sensorial) podem ser considerados
concorrentes secundários, mas o livro da própria autora que é a principal expoente da teoria, ainda
não foi publicado no Brasil.

Portanto, é inédito no que diz respeito ao tema e a possibilidade de trazer informações sobre a
intervenção junto com a avaliação do perfil.

22
Onde comprar?
Encontre onde comprar o Perfil Sensorial 2 e os itens de reposição, clicando aqui!

23