Você está na página 1de 7

Paulo R. L.

Helene e Roberto de Souza

1 Introdução I idade na indústria da construção civil cialmente de produção de produtos


não deve ficar restrito. nem ser con- únicos e não de produtos seriados;
A indústria da construção civil é fundido apenas com a realização de d) trata-se de uma indústria à qual
uma das mais importantes, qualquer alguns ensaios em materiais e compo- não é aplicável a produção em cadeia
que seja o parâmetro que se utilize: nentes. Esse simplismo contrasta for- (produtos móveis passando por ope-
volume de inversão, capital circulan- temente com o conceito atual e mais rários fixos) e sim a produção concen-
te, número de pessoas empregadas, elaborado de controle da qualidade. trada (operários móveis atuando so-
utilidade dos produtos, e outros. Ape- que engloba todas as atividades e eta- bre um produto fixo] ;
sar disso, do ponto de vista da quali- pas do processo de produção e uso e) trata-se de uma indústria que em-
dade e com todas as exceções que se das edificações e que incorpora técni- prega mão-de-obra de caráter tempo-
façam, a construção em geral aparece cas da estatística de há muito conhe- rário com possibilidades pequenas de
como uma indústria atrasada. cidas e empregadas em outras indús- promoção dentro da empresa. Isso re-
Tem-se constatado, por exemplo, que trias. percute numa baixa motivação para o
o desempenho das construções habi- trabalho e consequentemente numa di-
tacionais construídas no Brasil tem minuição da qualidade do produto;
deixado a desejar. Observa-se com fre- 2 Características da f) apresenta uma grande dispersão
quência a deterioração precoce das indústria da construção e diversidade da produção, caracte-
moradias e das áreas comuns dos con- rizada por realizar-se em locais distin-
juntos habitacionais com ônus aos Toda atividáde humana na qual, a tos -fábricas, escritórios de plane-
usuários, construtores e poder públi- partir de certas matérias-primas e jamento e projetos e canteiros de
co. Em recente estudo da incidência através de um certo processo, se ob. obras -e por gerar. através de vá-
de manifestações patológicas ocorri- tenha um produto final, é suscetível rios processos, diferentes produtos
das em conjuntos habitacionais cons- de ser controlada desde que o proces- como materiais, projetos. edifícios, in.
truidos no Estado de São Paulo, foram so se repita em algumas condições fra-estrutura urbana etc.
constatados, em média, mais de qua- essenciais. Dessa forma cabe falar do Essas características próprias da in-
tro problemas por unidade (1), princi- controle da qualidade de todas as eta- dústria da construção aliadas a uma
palmente fissuras, umidade ascensio- pas da construção, desde o planeja- normalização e legislação deficientes, à
nal e descolamentos de revestimentos. mento, passando pelo projeto, pela fa- acomodação do setor produtivo e das
Da mesma forma, após exaustivo exa- bricação de materiais e componentes, instituições públicas e à falta de or-
me e avaliação de 11 novos sistemas pela execução, e até mesmo pela eta- ganização dos usuários que nem sem-
construtivos destinados à habitação na de utilização dos produtos gerados. pre conseguem reivindicar "produtos"
popular, o IPT comprovou que nenhum Não só os produtos, mas também os de melhor desempenho, vêm retardan.
deles atendia simultaneamente a to- processos e os serviços, são passíveis do a incorporação e implantação de
dos os requisitos e critérios de de- de serem controlados. Programas de Controle da Qualidade na
sempenho estabelecidos para unidades O que sucede com a indústria da maioria das obras de construção civil
habitacionais localizadas na Grande construção civil é que ela tem carac- do país.
São Paulo (2), apesar que, com algu- terísticas próprias que a tornam me. Enquanto por razões óbvias já exis-
mas modificações de projeto, dez de- nos ágil que as demais indústrias, na te e é aceita uma sistemática comple-
les poderiam atender ao desempenho aquisição e aproveitamento das téc- xa de controle, avaliação. análise e
mínimo desejável. nicas de controle da qualidade. Po- previsão do andamento físico da obra,
As razões dessas deficiências são dem-se fazer as seguintes reflexões
várias e parte delas pode seguramen- de caráter comparativo (3) que ajudam
te ser imputada à ausência de um Pro- a melhor entender o atraso da cons-
grama de Controle da Qualidade do trução civil:
processo de produção e uso da habi- a) trata-se de uma indústria muito
tação, instrumento de há muito conhe- tradicional, tão antiga como o ho-
cido e utilizado pelas indústrias de ou- mem, dotada, portanto, de uma grande
tros setores da economia. inércia;
O IPT, desde sua fundação há 90 b) trata.se de uma indústria itine-
anos, vem contribuindo para a melho- rante, de caráter nômade, na qual a
fia da qualidade da construção civil, constância de condições, matérias-pri-
na medida em que, já naquela época, mas e processos se dá com mais difi-
Foto 1 -Fissura vertical em canto de paredes
permitia o ensaio e a verificação das culdades que em outras indústrias de de alvenaria de blocos por ausência ou
propriedades dos materiais, qualifican- insuficiência de amarração -a origem do
caráter fixo; problema em geral se encontra na etapa de
do-os. No entanto, o controle da qua- c) trata-se de uma indústria essen- projeto (detalhamento inadequado)
representada por cronogramas de bar-
ras e teorias do caminho crítico (PERT / \ os CUSTOS
/ ,# OS
@)ATUA P-AZO8
SOBRE

C PM), há grande resistência para in-


"O"
corporar uma sistemática -na maio-
ria das vezes até menos complexa -
de controle da qualidade. Também no \
campo financeiro e de gerenciamen- \
to das obras aceita-se perfeitamente
teorias complexas de controle de flu-
xo de caixa, amortizações e manuten-
ção de equipamentos, enquanto pare-
ce haver dificuldades para simples
identificações de lotes e âmostragens
de materiais a serem controlados. A
figura 1 ilustra os diferentes objetos
de controle na construção civil.
@ TUASOBRE
OS A8~.CTO8 Figura 1 -Objeto dos diferentes controles

3 As etapas do processo TícNICO8 da construção

de produção e uso na nientes no processo de produção e


construção civil uso da construção, procurando-se ava.
liar Qual a importância de cada um.
o processo de produção na constru- Todos influirão na qualidade final e
ção pode ser decomposto em quatro terão maior ou menor participação na
etapas de curta duração relativa: a de sistemática de controle da qualidade
planejamento. a de projeto. a de fa- segundo a atividade que esteja sendo
bricação de materiais e componentes realizada num determinado instante.
e a de execução. conforme indicado A figura 5 (vide pág. seguinte) rela-
na figura 2 (3). Após a produção pro- ciona os principais intervenientes e
priamente dita segue-se uma etapa fi. através da sua análise pode-se obser-
na! de longa duração. denominada uso. var uma vez mais que o problema da
onde estão envolvidas as atividades qualidade na construção civil é com-
de operação e manutenção dos produ- plexo e inclui aspectos técnicos, le-
tos gerados. gais, institucionais, políticos e outros.
O nível de desempenho e satisfação
proporcionado pela construção aos 5 Mecanismos de controle
usuários vai depender em muito da
qualidade obtida nas quatro etapas de da qualidade

produção do empreendimento, assim


como dos serviços de operação e ma- A organização e implementação do
cífica a fim de se obter um resultado
nutenção. durante o uso (vide fotos controle da qualidade na construção
final que satisfaça às exigências do civil deve envolver um mecanismo
1, 2 e 3).
usuário, conforme indicado na figu- duplo de ação: o controle de produção
A título ilustrativo apresenta-se, na
ra 4 (4),
figura 3, a incidência da origem dos e o controle de recebimento.
problemas patológicos observados nas O controle de produção é exercido
construções civis de alguns países eu- 4 Os intervenientes no por quem gera produtos em uma das
ropeus (3). Como se pode verificar, a etapas do processo: planejamento, pro-
processo
origem dos problemas está distribuída jeto, fabricação e execução. Trata-se
nas diversas etapas do processo de Para a implantação de um Programa
produção e uso das edificações. Em de Controle da Qualidade é necessá-
cada etapa do processo o controle da rio que seja feito um exercício no sen.
qualidade deverá ter uma meta espe- tido de identificar todos os interve-

Foto 3 -Infiltração de água em paredes de


fachada através de telhados e calhas -a
Foto 2 -Ascensão capilar de água por ausência ou insuficiência de impermeabilização dos
origem do problema se encontra na etapa de
baldrames -a origem do problema em geral se encontra na etapa de execução
uso (inadequada operação e manutenção das
(execução inadequada) partes da edificação)

53R
~
mos anos, tem apontado para níveis "0
~ PAis BÉLGICA I GRA- I REPÚBLICA DINAMAR- I RUM.A.NIA
que de forma geral podem ser consi- ~
BRETANHA Fedo ALEMA CA
ETAP~ derados insatisfatórios, redundando j:;;
em problemas transferidos aos usuá- ~
Projeto 46 a 49% 49% 37% 36% 37%
rios e em gastos incorridos pelo poder
Mat./Comp. 15% 11% 14% 25% 22%
público na recuperação e manutenção
Execução 22% ~ 30% -m- T9ÕÃ: de edificações precocemente deterio.
Uso 8a9% 10% -;1%"" 9% ~ radas, cuja magnitude não é despre-
zível.
Figura 3 -Origem dos problemas patológicos
Algum esforço tem sido feito no
de um controle interno, dentro do qual das respostas às seguintes perguntas: país no sentido de estabelecer uma
cabe ainda distinguir o chamado auto. -Que aspecto do processo de pro- documentação técnica e mecanismos
controle, que é exercido automatica- dução mudo'J? que possam viabilizar um Programa
mente pelos envolvidos na produção, -Quanto mudou? de Controle da Qualidade envolvendo
do controle independente. ainda que -Quando mudou? as várias etapas do processo de pro-
interno, exercido pelo pessoal da mes- -Quanto tempo permanecerá a dução e uso da habitação. Esse es-
ma empresa. porém, alheio à produ- mudança? forço porém tem-se mostrado insufi-
ção propriamente dita. Esse controle A sistemática de controle de pro- ciente tanto do ponto de vista técnico,
interno independente é muito comum dução deve indicar a necessidade de em que lacunas importantes devem
nas grandes empresas, tais como si- introduzir medidas corretivas antes ser ainda preenchidas, quanto em re-
derúrgicas e montadoras de automÓ- que o limite especificado seja viola- lação às ações políticas institucionais
veis. Algumas construtoras já adotam do. Por exemplo, se a especificação e legais, hoje praticamente inexisten.
equipes de controle interno da quali- admite um máximo de 5% de defei- tes e que deveriam estabelecer os
dade, independentes daquelas que es- tuosos, a função de controle deve in- mecanismos e procedimentos para
tão engajadas na produção propria- dicar a necessidade de medidas cor- tornar possível a implantação de um
mente dita. retivas quando a porcentagem de de- programa dessa natureza.
O controle de recebimento, por ou- feituosos chegar aos 3% ou 4%.
tro lado, é exercido por quem fiscali. No controle de recebimento do pro- 6.1 Planejamento
za e aceita os produtos e os serviços duto acabado, a finalidade da decisão
executados nas várias etapas do pro- é julgar a conformidade ou não de uma Quanto à etapa de planejamento dos
cesso, ou seja, pelo promotor, pelo certa quantidade do produto aos limi. empreendimentos habitacionais, os
proprietário ou seus prepostos. Trata- tes especificados. ~ necessário, por- problemas principais encontram-se na
se de exercer um controle no instan- tanto, estabelecer, para cada decisão, má localização dos conjuntos, muitas
te da passagem de uma atividade a uma quantidade determinada do pro- vezes não inseridos na malha urbana
outra ou de uma etapa a outra, onde duto, denominada lote, dentro do qual e carentes de equjpamentos urbanos,
geralmente ocorre a transferência de far-seá uma amostragem. comunitários e de serviços e na im-
responsabilidade. Pode ser considera. O controle de recebimento pode se plantação inadequada às condições do
do um controle externo à produção. basear em um controle por atributos meio físico, propiciando o surgimento
Na figura 6 apresenta-se um quadro- (por exemplo controle da etapa de de processos de erosão e/ou degra-
resumo da dinâmica de organização projeto e da etapa de execução) ou
dação do meio ambiente (vide foto 4).
do Controle da Qualidade, podendo-se em um controle por variáveis (por
Nesse sentido aponta-se como ne-
observar que o controle de produção exemplo, controle de recebimento de
cessário, em termos de qualidade, a
e o controle de recebimento não são materiais). definição de uma Sistemática de Ava.
iguais nem podem ser confundidos, Segundo Meseguer (3), a experiên-
liação das Condições de Implantação
apesar de serem complementares e cia tem demonstrado que existem
de assentamentos habitacionais, cal-
necessários para o sucesso de um quatro níveis de controle da qualida-
cada em uma documentação técnica
programa de controle da qualidade (5). de na construção civil, que vão ocor-
que formule critérios para implantação
O controle de produção poàe ser rendo sucessivamente à medida que
de conjuntos habitacionais e lotea.
entendido como a sistemática que au- há um progresso na implementação
xilia o" produtor" a conseguir o pro- mentos, levando.se em consideração
dos Programas de Controle da auali-
duto especificado da forma mais ra- aspectos de localização e adequação
dade, conforme indicado na figura 7.
cional e econômica possível. Visa ob. a variáveis físicas e sócio-econômicas.
ter informaçôes sobre a constância do Do ponto de vista físico, devem ser
6 Situação atual no setor enfatizados os aspectos geotécnlcos
processo de produção (uniformidade)
e o nível de qualidade do que está habitacional e de clima e, do ponto de vista sócio-
sendo produzido, possibilitando a cor- econômico, as condicionantes que in-
reção dos desvios observados. Cada A qualidade dos conjuntos habita- terferem, direta ou indiretamente,
atitude corretiva do processo decorre cionais produzidos no país, nos últi- com o nlvel de satisfação e aspiração
da população com respeito ao ambien.
{ Atender às normas gerais de desempenho, códi- te construído (7) .
PLANEJAMENTO go de obras, regulamentos
6.2 Projeto
{ Atender às normas especificas de desempenho,
CONTROLE PROJETO às normas e documentos prescritivos
Na etapa do projeto habitacional,
MATERIAIS I { P:oduzir e receber de acordo com o especi- dispõe-se hoje no país de uma do-
DA IYI" ,..nl'..~ I ficado
cumentação técnica que mesmo não
contemplando todos os aspectos urba.
EXECUçAo I { Atender ao projetado e ao especificado nísticos, de infra.estrutura e das edi-
ficações, fornece uma base mínima
uso l { Assegurar a adequada utilização do produto
para a elaboração dos projetos e seu
Figura 4 -Metas do controle da qualidade a serem atingidas em cada etapa do processo controle.

539
lecno/o9'.. de Ed,."c.ções
INTERVENIENTE PAPEL NO PROCESSO INTERFERE.NCIA NA QUALIDADE

Fornece recursos financeiros para viabilizar o


Agente Financeiro Define os n(veis de desempenho a atender
empreendimento

Toma a decisão de construir e faz o planejamento


Promotor Define os n(veis de desempenho desejados
do empreendimento

Define o desempenho potencial e as qualidades espe-


Projetista Projeta, especifica e calcula
c(ficas

Fabricante Fabrica materiais, componentes e equipamentos Responde pela qualidade dos materiais, componentes e
equipamentos

Laboratórios de Ensaio Ensaia materiais, componentes, elementos, sistec Comprova a conformidade


m5 e equipamentos Avalia o desempenho

Construtor Responde pela qualidade dos serviços e do produto


Executa 5 obras
final

Empresas de OrganizlK;â'o e Gerencia partes do empreendimento e projeta e


Controle Controla a qualidade
executa planos de controle

Produzem normas preferencialmente por con-


Associações Normativas Define a qualidade de forma geral
senso entre consumidores e produtores
Certifica a conformidade

Toma a decisão de construir e contrata os serviços Influi na qualidade através da forma de contratação
Proprietário Promove a manutençSo do produto final Mantém o desempenho ao longo do tempo
-~
Forma profissionais DeSenvolve metodologias de controle e fornece assis
Universidades e Institutos de Desenvolve novos conhecimentos e novas tência tecnológica ao processo de produção
Pesquisa tecnologias
Difunde informações tecnol6gicas Gera documentação técnica de referência

Estado Estabelece a legislação pertinente


Define a qualidade de forma geral
Aprova projetos
Pune a falta de qualidade

Ordena o exercicio e a responsabilidade dos


AssociIÇães Profissionais Identifica os responsáveis pela qualidade das partes
profissionais
I
Usuário Desfruta e opera o produto final Explícita necessidades
Sofre as consequências da má quàlidade

Figura 5 -Principais intervenientes no processo

Para as obras que se utilizam de ceiros e promotores, de uma Sistemá. ção brasileira (ABNT e Inmetro) sobre
materiais e sistemas construtivos con- tica de Avaliação de Projetos que per- o assunto.
vencionais, as referências técnicas mite primeiro explicitar de forma clara O sistema ideal para assegurar a
existentes são em parte as Normas e inequívoca o que se quer dos pro- qualidade de materiais e componentes
Brasileiras de Projeto (ABNT e Inme- jetos e, segundo, avaliar sua conformi- seria o da Certificação de Conformi-
tro), cobrindo, basicamente, obras de dade às referências estabelecidas. dade desses produtos. A discussão
urbanização e infra-estrutura e as edi- Para as edificações habitacionais mais aprofundada sobre oS vários mo-
ficações e suas partes. que se utilizam de sistemas constru- delos de certificação e as perspecti-
Um outro conjunto de documentos tivos inovadores, existe no país um vas de sua aplicação no Brasil são
normativos, que subsidia a etapa de conjunto de referências técnicas, de- feitas em outro artigo desta série (9).
projeto de edificações habitacionais senvolvido também pelo IPT para o Sua implementação, a nível nacional
construídas pelo sistema convencional, BNH (2), que estabelece os níveis mí- e a curto prazo. mostra-se porém in.
está contido no Procontrol (8), projeto nimos de desempenho a serem aten- viável. deixando aberta uma lacuna
desenvolvido pelo IPT para o BNH em didos por novos sistemas construtivos que pode ser preenchida. via ação do
1983. Esse conjunto engloba seis pro- e os métodos para sua avaliação. Essa BNH. seus agentes financeiros e pro-
cedimentos de apresentação de proje- documentação técnica, já aplicada à motores e os construtores e fabrican-
tos(") e 17 especificações de elemen- prática e revista, coloca-se hoje como tes que trabalham para o SFH, pela
tos da edificação(*"). instrumento valioso no desenvolvi- implantação de uma Sistemática de
Toda essa documentação técnica mento de novas tecnologias de pro- Qualificação e Recebimento de Mate.
(normas brasileiras e documentos do duto na área habitacional e é a base riais e Componentes. Essa sistemática
Procontrol) dá sustentação à implan- técnica para um Sistema de Homolo. foi desenvolvida pelo IPT e discutida
tação, pelo BNH e seus agentes finan- gação de novos componentes e siste- com os agentes financeiros e promo-
mas construtivos a serem introduzidos tores do Estado de São Paulo. em
(') Diretrizes gerais; fundações; estrutura; na construção de habitações. projeto desenvolvido para a SICCT-
arquitetura; instalações hidráulicas e instala-
ções elétrica$. Secretaria da Indústria. Comércio,
(") FundaçÕes; estruturas de concreto arma- 6.3 Materiais e componentes Ciência e Tecnologia do Estado de
do moldado no local; paredes de tijolos macI-
ços de barro cozido; paredes de blocos vaza- São Paulo (10).
dos de concreto simples; paredes de blocos A etapa de fabricação de materiais
cerâmicos; estrutura de madeira para telhados;
telhado de telhas de cimento-amianto; telhado e componentes e o recebimento em 6.4 Execução
de telhas cerâmicas; pinturas externas e inter-
obra desses produtos são também
nas; pisos cerâmicos; pisos cimentados; reves-
timentos de argamassa; instalaçâo pr~ial de subsidiados por uma série de especi- A etapa de execução das obras ha-
água fria; instafaçâo de águas pluviais; insta-
laçâo predial de esgoto; instalações elétricas
ficaçães técnicas e métodos de en- bitacionais, no que se refere aos sis-
e instalações de combate a incêndio. saio. a maioria contida na normaliza- temas construtivos convencionais, en-

540
N
O
contra apoio documental nas normas 6.5 Uso: operação e manutenção tamento habite,cional, é necessária a 'O
brasileiras (ABNT e Inmetro), envol- elaboração de procedimentos adequa- ~
vendo as edificações, os serviços de Finalmente a etapa de uso do con- dos de recuperação dos conjuntos, j:;;
urbanização e de infra-estrutura, nos junto habitacional e de suas unida- pois a degradação em certos locais ~
Procedimentos de Execução e Fiscali- des, embora a mais longa delas é a atingiu níveis não cobertos por um
zação de Elementos, elaborados pelo mais carente tecnicamente. Quase ne- programa normal de manutenção pre.
IPT tanto no âmbito do Procontrol (8) nhuma documentação técnica é dispo- ventiva.
como do projeto SICCT (10) e no Ma- nível sobre normas de uso, operação Elaborados esses documentos e ini-
nual de Fiscalização de Obras elabo- e manutenção do conjunto e suas ciados os trabalhos, caberia ao Pro-
rado pela Associação Brasileira de edificações. Especialmente quando grama de Controle da Qualidade com-
Cohabs destinado a orientar os agen- se trata de sistemas construtivos ino- provar a qualidade do que está sendo
tes promotores na medição de servi- vadores, a situação é ainda mais feito assim como fazer cumprir as
ços, controle adminIstrativo e legal e no grave, pois, embora impliquem usos e atividades estabeleci das.
acompanhamento técnico da execução. atividades de operação e manutenção
É uma documentação que fornece específicos, os moradores e mesmo 7 Perspectivas
base para implementar, a partir da os agentes promotores não estão in-
revisão e otimização dos mecanismos formados e orientados sobre tais es- As propostas apontadas anterior-
já existentes a nível do BNH, de seus pecificidades. Essa situação deixa mente visando à implantação de um
vários agentes e das construtoras, aberto espaço para que a ação do Programa de Controle da Qualidade
uma Sistemática de Fiscalização de usuário, desorientada, e a omissão do do processo de produção e uso da
Obras que permita, primeiro, explicitar agente promotor introduzam fatores habitação podem ser resumidas da
as técnicas de bem construir orien- de degradação da edificação e seu forma indicada na figura 8 (vide pá-
tando os serviços a serem executados, entorno, fazendo com que o nível de gina seguinte).
e segundo, avaliar se os serviços e desempenho do conjunto caia abaixo Analisando a documentação técnica
as várias partes da obra estão con- dos mínimos desejados. disponível nas várias etapas do pro-
forme o especificado. Mesmo considerando que as ações cesso pode-se afirmar que, hoje, no
Quando da utilização de sistemas de controle da qualidade adotadas nas país, é possível a aplicação de um
construtivos inovadores, estes deverão etapas de planejamento, projeto, fabri- programa.piloto de controle da quali-
ser objeto de programas específicos cação de materiais e execução mini- dade em empreendimentos habitacio-
de Controle da Qualidade na fase de mizem os problemas patológicos, faz- nais de interesse social, promovendo
execução, cabendo ao proponente da se necessário implementar uma Siste- o aperfeiçoamento do referencial téc-
inovação tecnológica apresentar, quan- mática para Fiscalização da Operação nico atual e adequando os aspectos téc-
do esta for submetida ao Sistema de e Manutenção dos conjuntos habitacio- nicos aos administrativos. A documen-
Homologação, as técnicas de produção nais e suas partes, de forma a asse- tação disponível cobre as atividades
e controle interno que pretende im- gurar seu desempenho satisfatório ao relacionadas com projeto, fabricação
plementar, ficando a cargo do BNH e longo do tempõ. e recebimento de materiais e com a
seus agentes financeíros e promoto- Na situação atual pode-se afirmar execução, etapas nas quais podem ori-
res definir o controle de recebimento que, além da carência de documentos ginar se a grande maioria dos proble-
tanto dos serviços quanto das partes técnicos que orientem a operação e mas patológicos das edificações.
a serem executadas. manutenção das partes de um assen- A implantação de um programa
amplo e completo de controle da qua.
lidade, se efetuada através do BNH-
CONTROLEOEPROOUÇÃO CONTROLE DE RECEBIMENTO Banco Nacional da Habitação e seus
agentes, com a participação ativa das
Controle dos fatores que intervém na
o que é? Comprovação da conformidade
qualidade construtoras, projetistas, fabricantes e
usuários, poderia acarretar os seguin.
Assegurar que se alcance a qualidade Verificar que se alcançou como tes benefícios imediatos:
Por que se faz?
especificada ao mínimo custo possível mlnimo, a qulllidade especificada

Quem o faz? o Produtor O Promotor, O Proprietário


-obtenção de assentamentos habi-
tacionais com nível adequado de de-
Como se faz? Inspeç6o contfnua Inspeção intermitente sempenho;
Quais as váriá- As representativas da qualidade
As que intervém no processo produtivo -redução da incidência dos pro-
veis de controle? 85pecificada
blemas patológicos e dos correspon-
Atua sobre o processo O produto dentes gastos com recuperação;

Figura 6 -Mecanismos de controle da qualidade


-elevação da qualidade dos proje-
tos e dos materiais e componentes
da edificação;

NIVEL I DEFINIÇÃO SIMBOLO -melhoria da qualifícação da mão-


de-obra decorrente da maior qualidade
Sistema tradicional de supervisão. Não existe controle da
1 dos serviços;
qualidade no conceito atual

Oesenvolve-se um controle de recebimento (CRI -consolidação de um referencial


2
@ técnico que instrumentalize a ação
Desenvolve-se~mc;:;i;trOie de produção (CPI absolutamente dos agentes promotores junto aos pro-
3
independente do contrOle de recebimento (CRI
--
jetistas, construtores e fabricantes;
Desenvolve-se um controle de produção (CP) combinado com
4 -racionalização dos serviços e
um controle de recebimento (CR)
processos utilizados pelas construto-
Figura 7 -Níveis de Controle da aualidade na construção civil ras;

541
(3) GARCIA MESSEGUER. Alvaro Para uma teo-
ria de Ia calidad en construcion Informes
de Ia construclon (348r 5-22, mar 1983
(4) HELENE, Paulo R L Control de obras. Ma-
drid, Instituto Eduardo Torroja, 197615p
(Cemco 76).
(5) -.Controle de qualidade do concreto, 1980
(Dissertação de Mestrado apresentada á
Escola Politécnica da USP).
(6) TANGO, Carlos E S. & HELENE, Paulo R L
Controle de qualidade uma proposta pa-
ra a normalização em alvenaria estrutural
In COLÓQUIO SOBRE ALVENARIA ES-
TRUTURAL DE BLOCOS DE CONCRETO,
São Paulo, 1977 Anais... São Paulo, Ibra-
con, 1977
(7) SOUZA, Roberto de Ação tecnológica e pro-
dução de habitações propostas Arqul.
tetura e Urbanismo 1 (3) 100-102, nov
1985.
(8) INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS
DO ESTADO DE SÃO PAULO Programa
de Controle de QualIdade das Constru.
ç6es Habltaclonals -Procontrol. SAo
Paulo -1983 (Relatório n' 18503)
(9) MONTENEGRO, Marcos e SOUZA, Roberto
de. A Certificação de conformidade na
construção civil A CONSTRUÇÃO SAo
Paulo (1857r 13-16, sel1983 (Encarte
T E n' 10)
(10) INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGI-
Foto 4 -Erosão de taludes em conjuntos habitacionais por falhas de implantação -a origem do CAS Estudo para o controle de quall.
problema se encontra na etapa de planejamento (implantação inadequada)
dade dos componentes e do produto
final de conjuntos habltaclonals. São
-valorização dos institutos de Paulo, 1984 (Relatório n' 21 363{
tes e o consenso há de ser articulado
pesquisa, das universidades e dos la- e obtido: não há mais condições his-
boratÓrios de ensaios a nível nacional, tÓricas no país de relegar a qualidade
permitindo o apoio aos programas de do morar a segundo plano.
controle e o desenvolvimento de no- A sociedade brasileira amadureceu
vos materiais e técnicas; e nesse momento constituinte quer
-valorização e aumento do acervo ver suas necessidades básicas atendi-
normativo, prestigiando as entidades das, em quantidade. e qualidade.
normativas (ABNT e Inmetro);
-melhor aproveitamento dos re-
cursos materiais, técnicos, humanos e Referências bibliográficas
financeiros disponíveis, propiciando
maior satisfação aos beneficiados.
(1) IOSHIMOTO, Eduardo Incidência de manifes-
A viabilização de um programa des- tações patológicas em edificações habi-
sa natureza depende, além do equacio- tacionais A CONSTRUÇÃO Sio Paulo
namento dos aspectos técnicos, de (1933( 21-24, fev 1985 (Encarte T E

decisões político-institucionais e nO48).


(2) MITIDIERI FILHO, Cláudio V & SOUZA, Ro-
ações administrativas e legais, que berto de. Avaliação de desempenho de
perpassam e envolvem o conjunto de sistemas construtivos destinados à habi-
intervenientes no processo habitacio- tação popular Parte 1 A CONSTRUÇÃO
Sio Paulo (1957( 21-26, ago 1985 Parte
nal, do BNH aos usuários. Os interes-
2 A CONSTRUÇÃO Slo Paulo (1959(
ses em muitos aspectos são divergen- 29-32, ago 1985

ETAPA DO SISTEMÁTICA A
DOCUMENTAÇAO
PROCESSO IMPLEMENTAR TÉCNICA

AvaliCW;â"o das Condições de


Planejamento Implantaç«o de Assentamen- A estabelecer
tos Habitacionais

Avaliação de Projetos Já disponível


Projeto Homologação de Compo-
nentes e Sistemas Inovadores Já dispon ível

Materiáis e Qualificação e Recebimento


de Materiais Já disponível
Componentes

Execução Fiscalização de Obras Já dispon(vel

Fiscalização da Operação
Uso A estabelecer
e Manutenção
Figura 8- Sistemáticas a implementar visando o controle da qualidade na área habitacional

S4?
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

HELENE, P. R. H.; SOUZA, R. Controle da qualidade na indústria da construção


civil. In: SÃO PAULO, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado. Divisão de
Edificações. Tecnologia de edificações. São Paulo, 1988. p. 537-542.