Você está na página 1de 26

HEXAMERÃO

(OS SEIS DIAS)

de nosso Pai entre os Santos,


Basílio Magno,
Arcebispo de Cesaréia na Capadócia

HOMILIA I

No princípio, Deus criou o céu e a terra.1

1. É certo que qualquer um que comece a narrar a formação do mundo deve


iniciar com uma boa ordem que predomina em coisas visíveis. Eu estou
prestes a falar da criação do céu e da terra, que não foi espontânea, como
alguns imaginaram, mas desenhada sua origem a partir de Deus. Que orelha
é digna de ouvir essa narrativa? Quão sinceramente a alma deve se preparar
para receber lições tão elevadas! Quão pura ela deve estar das afeições
carnais, quão límpida de inquietações mundanas, quão ativa e ardente em
suas indagações, quão ansiosa para encontrar em seu entorno uma ideia de
Deus que pode ser diga dele!

Mas antes de pesar a justiça dessas observações, antes de examinar todo o


senso contido em essas poucas palavras, vamos ver quem as nos dirige.
Pois, se a fraqueza de nossa inteligência não nos permite penetrar na
profundidade dos pensamentos do escritor, ainda assim devemos ser
involuntariamente atraídos para dar fé às suas palavras pela força de sua
autoridade. Agora é Moisés que compôs esta história; Moisés, que, quando
ainda está no peito, é descrito como demasiado justo; Moisés, a quem a filha
do faraó adotou; que recebeu dela uma educação real, e que tinha para si
como professores os homens sábios do Egito; Moisés, que desprezou a
pompa da realeza, e, para compartilhar a humilde condição de seus
compatriotas, preferiu ser perseguido com as pessoas de Deus ao invés de

1 Gênesis 1,1.
desfrutar as delícias fugazes do pecado; Moisés, que recebeu da natureza tal
amor de justiça, que mesmo antes da liderança do povo de Deus que foi
confiada a ele, ele era impulsionado, por um horror natural do mal, para
perseguir malfeitores até ao ponto de os punir com a morte; Moisés, que,
banido por aqueles cujo benfeitor ele foi, apressou-se a escapar dos tumultos
do Egito e se refugiou na Etiópia, vivendo lá longe das perseguições
anteriores, e passando quarenta anos na contemplação da natureza; Moisés,
finalmente, que, com a idade de oitenta anos, viu Deus, na medida em que é
possível para um homem O ver; ou melhor, já que anteriormente não havia
sido concedido ao homem O ver, de acordo com o testemunho do próprio
Deus, “Se há entre vós um profeta, é em visão que me revelo a ele, é em
sonho que lhe falo. Assim não se dá com o meu servo Moisés, a quem toda a
minha casa está confiada. Falo-lhe face a face, claramente e não em
enigmas.”2. É esse homem, quem Deus julgou digno de O ver, face a face,
como os anjos, que nos transmite o que ele aprendeu de Deus. Vamos ouvir
então estas palavras de verdade escritas sem a ajuda de “persuasiva
linguagem da sabedoria”3 por ditado do Espírito Santo; palavras destinadas a
produzirem não o aplauso daqueles que as ouvem, mas a salvação daqueles
que por elas são instruídos.

2. “No princípio, Deus criou o céu e a terra.”4. Eu paro atingido de admiração


por este pensamento. O que devo eu dizer por primeiro? Onde eu devo iniciar
minha história? Devo eu mostrar a vaidade dos gentios? Devo eu exaltar a
verdade de nossa fé? Os filósofos da Grécia fizeram muitas delongas para
explicar a natureza, e nenhum de seus sistemas permaneceu sólido e
inabalável, mesmo sendo derrubado por seu sucessor. É inútil os refutar; eles
são suficiente em si próprios para destruir um ao outro. Aqueles que eram
muito ignorantes para se submeter ao conhecimento de um Deus, não
poderiam permitir que uma causa inteligente presidisse o nascimento do
universo; um erro primário que os envolveu em lamentáveis consequências.
Alguns recorreram a princípios materiais e atribuíram a origem do universo

2 Números 12,6-8.
3 1 Coríntios 2,4.
4 Gênesis 1,1.
aos elementos do mundo. Outros imaginaram que átomos, e corpos
invisíveis, moléculas e dutos, formam, pela união, a natureza do mundo
visível. Átomos reunidos ou separados, produzem nascimentos e mortes e os
corpos mais duráveis devem sua consistência à força de sua adesão mútua:
uma verdadeira teia de aranha tecida por esses escritores que deram ao céu,
à terra e ao oceano uma origem tão fraca e com tão pouca consistência! É
porque eles não sabiam como dizer “No princípio, Deus criou o céu e a
terra.” 5 . Enganados pelo seu ateísmo inerente, pareceu-lhes que nada
governava e regia o universo, e isso tudo foi dado ao acaso. Para nos
guardarmos contra este erro o escritor na criação, a partir das primeiras
palavras, ilumina o nosso entendimento com o nome de Deus: dizer “No
princípio, Deus criou.”6. Que ordem gloriosa! Ele primeiramente estabelece
um início, de modo que não se supusesse que o mundo nunca teve um
começo. Então ele acrescenta “Criou” para mostrar que aquilo feito era uma
parte muito pequena do poder do Criador. Da mesma maneira que o oleiro,
depois de ter feito com as mesmas dores um grande número de vasos, não
esgotou a sua arte e nem o talento; assim o Criador do universo, cujo poder
criativo, longe de ser limitado por um mundo, pode se estender ao infinito,
precisava apenas do impulso de Sua vontade para tornar as imensidades do
mundo visível. Se o mundo então tem um início, e se ele foi criado, pergunte
Quem deu esse início, e Quem foi o Criador: ou melhor, no medo que os
raciocínios humanos possam fazer você se afastar da verdade, Moisés
antecipou o questionamento gravado em nossos corações, como um selo e
uma salvaguarda, o impressionante nome de Deus: “No princípio, Deus
criou.” 7 – É Ele, Natureza Beneficente, Bondade sem medida, um objeto
digno de amor para todos os seres dotados de razão, a beleza mais a
desejar, a origem de tudo que existe, a fonte da vida, luz intelectual,
sabedoria impenetrável, é Ele Quem “no princípio criou o céu e a terra”8.
3. Não imagine, Ó homem! que o mundo visível não tem um início; e porque
os corpos celestiais se movem em um curso circular, e se é difícil para
nossos sentidos definir o ponto onde o circulo inicia, não acredito que os

5 Gênesis 1,1.
6 Gênesis 1,1.
7 Gênesis 1,1.
8 Cf. Gênesis 1,1.
corpos impulsionados por um circular movimento são, a partir de sua
natureza, sem um início. Sem dúvida o círculo (eu quero dizer a figura plana
descrita por uma única linha) está além da nossa percepção, e é impossível
para nós descobrir onde ele começa ou onde ele acaba; mas não devemos,
pois acreditar que seja sem um início. Embora não sejamos sensíveis a isso,
ele realmente inicia em algum ponto onde o desenhista começou a o
desenhar em um certo raio do centro. Vendo assim as figuras que se movem
em círculos sempre retornam sobre si mesmas, sem que um único instante
interrompa a regularidade do seu curso, não imagine em vão a si mesmos
que o mundo não tem início nem fim. “Pois passa a figura deste mundo” 9 e
“Passarão o céu e a terra.”10. Os dogmas do fim, e da renovação do mundo,
são anunciados de antemão nestas breves palavras colocadas à frente da
história inspirada. “No princípio, Deus criou.”11. O que foi iniciado no tempo é
condenado a ter um fim no tempo. Se houve um início não duvide do fim. De
que uso, então, são os cálculos aritméticos e a geometria – o estudo dos
sólidos e a muito famosa astronomia, essa laboriosa vaidade, se aqueles que
os buscam imaginam que o mundo visível é coeterno ao Criador de todas as
coisas, com o próprio Deus; se eles atribuem a este mundo limitado, que tem
um corpo material, a mesma glória quanto à natureza incompreensível e
invisível; se eles não consegue conceber que um todo, do qual as partes são
sujeitas a corrupção e mudança, deve, necessariamente, acabar por se
submeter ao destino das suas partes? Mas eles se tornaram “vãos
arrazoados, e seu coração insensato ficou nas trevas. Jactando-se de possuir
a sabedoria, tornaram-se tolos.”12. Alguns afirmaram que o céu coexiste com
Deus desde toda eternidade; outros que é o próprio Deus sem início ou fim, e
a causa do arranjo particular de todas as coisas.

4. Um dia, sem dúvida, sua terrível condenação será maior para todo essa
sabedoria mundana, pois, vendo tão claramente em ciências vãs, eles
deliberadamente fecharam os seus olhos para o conhecimento da verdade.
Estes homens que medem as distâncias das estrelas e as descrevem, ambos

9 1 Coríntios 7,31.
10 Mateus 24,35.
11 Gênesis 1,1.
12 Romanos 1,21-22.
aquelas do norte, sempre notavelmente brilhando em nossa visão, e aquelas
do polo sul visíveis aos habitantes do sul, mas desconhecidas a nós; quem
divide a zona norte e o círculo do zodíaco em um infinidade de partes, quem
observa com exatidão o curso das estrelas, seus lugares fixos, seus
declínios, seus retornos e o tempo que cada uma leva para fazer sua
revolução; estes homens, eu digo, descobriram tudo exceto uma coisa: o fato
que Deus é o Criador do universo, e o justo Juiz que recompensa todas as
ações da vida de acordo ao mérito. Eles não sabiam como se elevar à ideia
de consumação de todas as coisas, a consequência da doutrina do
julgamento, e ver que o mundo deve mudar se almas passam desta vida para
uma nova vida. Na realidade, como a natureza da presente vida apresenta
uma afinidade com este mundo, então na vida futura nossas almas
desfrutarão muito conforme sua nova condição. Mas eles estão muito longe
de aplicar estas verdades, que eles fazem mas riem quando nós os
anunciamos o fim de todas as coisas e regeneração da era. Desde o início
naturalmente precede o que é derivado disso, o escritor, da necessidade,
quando nos fala das coisas que tiveram sua origem no tempo, coloca na
cabeça de sua narrativa essas palavras – “No princípio, Deus criou.”13.

5. Parece, de fato, que mesmo antes deste mundo existia uma ordem das
coisas de que nossa mente pode formar uma ideia, mas de que nós podemos
nada dizer, porque é um assunto muito elevado para os nossos homens que
são novatos e ainda são bebês no conhecimento. O nascimento do mundo foi
precedido por uma condição de coisas adequadas para o exercício de forças
supernaturais, superando os limites do tempo, eterno e infinito. O Criador e
Demiurgo do universo aperfeiçoou Suas obras nele, luz espiritual para a
felicidade daqueles que amam o Senhor, naturezas intelectuais e invisíveis,
tudo ordenadamente arranjado de pura inteligência que está atrás do alcance
da nossa mente e de quem nós não podemos mesmo descobrir os nomes.
Eles enchem a essência deste mundo invisível, como Paulo nos ensina.
“Porque nele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e

13 Gênesis 1,1.
as invisíveis: Tronos, Soberanias, Principados, Autoridades.”14 ou virtudes ou
anfitriões de anjos ou dignidades de arcanjos. Para este mundo, afinal, era
necessário adicionar um novo mundo, tanto uma escola como um lugar de
treinamento onde as almas dos homens deveriam ser ensinadas e uma para
casa para seres destinados a nascer e morrer. Assim foi criado, da natureza
análoga à deste mundo e os animas e plantas que nele vivem, a sucessão do
tempo, sempre premente e passando e nunca parando em seu curso. Não é
essa natureza de tempo, onde o passado não é mais, o futuro não existe, e o
presente evade antes de ser reconhecido? E também a natureza da criatura
que vive no tempo – condenada a crescer ou perecer sem descanso e sem
certa estabilidade. É, pois, adequado que os corpos dos animais e plantas,
obrigados a seguir uma espécie de corrente, e levados pelo movimento que
os leva ao nascimento e a morte, devam viver no meio de um ambiente cuja
natureza está em acordo com os seres sujeitos a mudar. Assim, o escritor
que sabiamente nos diz sobre nascimento do Universo não deixa de colocar
estas palavras na cabeça da narrativa: “No princípio, Deus criou.”; isto é, no
início do tempo. Portanto, se ele fez o mundo surgir no início, não é uma
prova que seu nascimento precedido o de todas as outras coisas que foram
feitas. Ele apenas deseja nos dizer que, depois do mundo invisível e
intelectual, o mundo visível, o mundo dos sentidos, começou a existir.

O primeiro movimento é chamado de início. “Fazer o certo é o início do bom


caminho” 15 . Apenas ações são verdadeiramente os primeiros passos para
uma vida feliz. Novamente, nós chamamos “início” a parte essencial e
primeira da qual uma coisa procede, como o fundamento de uma casa, a
quilha de um navio; é nesse sentido que se diz, “O temor do Senhor é
princípio de conhecimento” 16 , isso é para dizer que piedade é, por assim
dizer, a base e o fundamento da perfeição. Arte é também o início das obras
dos artistas, a habilidade de Besaliel iniciou o adorno do tabernáculo.
Frequentemente mesmo o bom que é a causa final é o início das ações.

14 Colossenses 1,16.
15 Cf. Provérbios 16,5.
16 Provérbios 1,7.
Assim a aprovação de Deus é o início da esmola, e o fim guardado para nós
nas promessas do início de todos os esforços virtuosos.

6. Tal sendo os diferentes sentidos da palavra início, veja se nós não temos
todos os significados aqui. Você pode conhecer a época em que a formação
deste mundo iniciou, que, ascendendo ao passado, você se esforça para
descobrir o primeiro dia. Você então encontrará o que foi o primeiro
movimento do tempo; então a criação dos céus e da terra foram como os
fundamentos e as bases, e mais tarde que uma razão inteligente, como a
palavra início indica, presidiu na ordem das coisas visíveis. Você descobrirá
finalmente que o mudo não foi concebido pelo acaso e sem razão, mas por
um fim útil e para o grande proveito de todos os seres, pois é realmente a
escola onde almas sensatas se exercitam, o campo de treino onde elas
aprendem a conhecer Deus; uma vez que pela visão de coisas visíveis e
sensíveis a mente é conduzida, como por uma mão, para a contemplação de
coisas invisíveis. Como diz o Apóstolo, “Sua realidade invisível — seu eterno
poder e sua divindade — tornou-se inteligível, desde a criação do mundo,
através das criaturas”17. Talvez essas palavras “No princípio, Deus criou”18
significam o rápido e imperceptível momento da criação. O início, com efeito,
é indivisível e instantâneo. O início da estrada não é ainda a estrada, e o da
casa ainda não é a casa; então o início do tempo não é ainda tempo e nem
mesmo a última partícula dele. Se algum opositor nos diz que o início é um
tempo, ele deveria então, como ele bem sabe, se submeter a divisão do
tempo – um início, um meio e um fim. Agora é ridículo imaginar um início do
início. Além disso, se nós dividimos o início em dois, nós fazemos dois ao
invés de um, ou em vez disso fazemos vários, nós realmente fazemos um
infinito, pois tudo que é dividido é divisível ao infinito. Assim, então, se é dito,
“No princípio, Deus criou”19, é para nos ensinar que na vontade de Deus o
mundo surgiu em menos de um instante, e é para transmitir este significado
mais claramente que outros intérpretes disseram: “Deus fez sumariamente”,

17 Romanos 1,20.
18 Gênesis 1,1.
19 Gênesis 1,1.
isto é dizer tudo de uma vez e em um momento. Mas o suficiente acerca do
início, mesmo que seja para colocar alguns pontos de muitos.

7. Entre as artes, algumas têm em vista a produção, algumas práticas, outras


teorias. O objeto da última é o exercício de pensamento, aquele do segundo,
o movimento do corpo. Se o parar, tudo para; nada mais é para ser visto.
Assim, dança e música têm nada por trás; elas não tem objetos, mas elas
mesmas. Nas artes criativas, pelo contrário, a obra dura após a ação. Como
na arquitetura – assim como nas artes que trabalham em madeira e bronze e
tecelagem, todas aquelas em que, mesmo quando o artesão desapareceu,
servem para mostrar uma inteligência industrial e fazer com que o arquiteto, o
trabalhador em bronze ou o tecelão, sejam admirados por causa de seu
trabalho. Assim, então, para mostrar que o mundo é um obra de arte exibida
para a visão de todas as pessoas; para fazer que elas conheçam Aquele que
o criou, Moisés não usa outra palavra. Ele diz, “No princípio, Deus criou”20.
Ele não diz “Deus trabalhou”, “Deus formou”, mas “Deus criou”. Entre aqueles
que imaginaram que o mundo coexistiu com Deus desde toda eternidade,
muitos negaram que ele foi criado por Deus, mas dizem que ele existe
espontaneamente, como a sombra desse poder. Deus, eles dizem, é a causa
dele, mas uma causa involuntária, como o corpo é a causa da sombra e o
fogo é a causa da claridade. É para corrigir este erro que o profeta declara,
com tanta precisão, “No princípio, Deus criou”21. Ele não faz a coisa em si a
causa de sua existência. Sendo bom, Ele a fez uma obra útil. Sendo sábio,
Ele a fez com tudo o que era mais bonito. Sendo poderoso, Ele a fez muito
grande. Moisés quase nos mostra o dedo do Artesão Supremo tomando
posse da substância do universo, formando as diferentes partes em um
perfeito acordo, e fazendo uma harmoniosa sinfonia como resultado do todo.

“No princípio, Deus criou o céu e a terra.”22 Ao nomear os dois extremos, ele
sugere a substância de todo mundo, concedendo ao céu o privilégio de
senioridade, e pondo a terra em segundo plano. Todos os seres

20 Gênesis 1,1.
21 Gênesis 1,1.
22 Gênesis 1,1.
intermediários foram criados no mesmo tempo que as extremidades. Assim,
embora não haja menção dos elementos, fogo, água e ar, na terra. Pelo fogo
salta das pedras; o ferro que é escavado da terra produz sob fricção fogo em
abundante medida. Um fato maravilhoso! O fogo se cala nos corpos e
espreita escondido sem os prejudicar, mas antes que seja liberado então ele
consome aquilo que tem preservado até então. A terra contem água, como os
escavadores de poços nos ensinam. Ela contem ar também, como é
mostrado pelos vapores que ela exala sob o calor do sol quando está úmido.
Agora, de acordo com sua natureza, o céu ocupa a mais alta e a terra a mais
baixa posição no espaço, (um vê, de fato, que tudo que é luz sobe em
direção ao céu, e substâncias pesadas caem ao chão); como, portanto, altura
e profundidade são os pontos mais opostos um ao outros, é suficiente
mencionar as mais distantes partes para significar a inclusão de tudo o que
preenche o espaço intermediário. Não peça, portanto, por uma enumeração
de todos os elementos; suponha, pelo que a Sagrada Escritura indica, tudo o
que é passado em silêncio.

8. “No princípio, Deus criou o céu e a terra.”23. Se desejássemos descobrir a


essência de cada um dos seres que são oferecidos para a nossa
contemplação, ou sob os nossos sentidos, nós seríamos afastados para
longas divagações, e a solução do problema exigiria mais palavras do que
possuo, para examinar totalmente a matéria. Passar tempo em tais pontos
não provaria ser para a edificação da Igreja. Sobre a essência dos céus, nós
estamos contentados com o que Isaías diz, pois, em simples linguagem, ele
nos dá ideia suficiente de sua natureza, “Os céus foram feitos como a
fumaça” 24 , isto quer dizer, Ele criou uma substância sutil, sem solidez ou
densidade, da qual forma os céus. Quanto a forma deles, nós nos
contentamos com a linguagem do mesmo profeta, quando louvamos a Deus
“ele estende os céus como uma tela, abre-os como uma tenda que sirva de
habitação.”25. Do mesmo modo, no que diz respeito à terra, não resolveremos
atormentando nós mesmos tentando encontrar sua essência, para não

23 Gênesis 1,1.
24 Cf. Isaías 51,6.
25 Isaías 40,22.
cansar a nossa razão buscando pela substância que ela esconde. Não
busquemos por qualquer natureza desprovida de qualidade pelas condições
de sua existência, mas nos deixemos saber todos os fenômenos com que
nós a vemos revestida considerando as condições de sua existência e que
completam sua essência. Retire pela razão cada uma das qualidades que ela
possui, e você chegará ao nada. Retire o preto, o frio, o peso, a densidade,
as qualidades que dizem respeito a prova, em um palavra todas essas que
vemos nela, e a substância desaparece.

Se eu pedir para vocês deixarem essas questões vãs, eu não esperaria que
vocês tentassem encontrar o ponto de apoio da terra. A mente titubearia ao
contemplar suas razões as perdendo sem fim. Vocês dizem que a terra
repousa em uma cama de ar? Como, então, pode essa substância macia,
sem consistência, resistir ao enorme peso que carrega? Como é que ela não
escorrega em todas as direções, para evitar o peso de naufrágio, e se
espalhar sobre a massa que a sobrecarrega? Vocês supõem que água é o
princípio da terra? Vocês então sempre terão que se perguntar como é que
um corpo tão pesado e opaco não passa pela água, como a massa de tal
peso é suportada por uma natureza mais fraca que ela. Então você deverá
procurar uma base para as águas, e vocês terá muitas dificuldades para dizer
sobre que a água descansa.

9. Vocês supõem que um corpo mais pesado previne a terra de cair em um


abismo? Então vocês devem considerar que este apoio precisa de um apoio
para prevenir que ela caia. Podemos nós imaginar um? Nossa razão
novamente demanda ainda outro apoio, e assim nós cairemos no infinito,
sempre imaginando uma base para a base que nós já encontramos. E quanto
mais avançamos nesse raciocínio, maior força nós somos obrigados a dar à
esta base, para que ela possa ser apta a suportar toda essa massa que pesa
sobre ela. Coloquem então um limite em seus pensamentos, para que sua
curiosidade em investigar o incompreensível não possa incorrer as censuras
de Jó, e vocês não devem ser questionados por ele, “Onde se encaixam as
suas bases?”26. Se alguma vez vocês ouvirem nos Salmos, “Eu mesmo firmei
suas colunas”27; vejam nestas colunas o poder que as sustentam. Pois o que
significa esta outra passagem, “Ele próprio fundou-a sobre os mares”28, se
não que a água está espalhada por toda a terra? Como então pode a água, o
elemento fluido que corre para baixo em cada declive, permaneça suspensa
sem nunca fluir? Vocês realmente não refletem a ideia da terra suspensa por
si mesma lança sua razão em uma mesma, mas ainda maior dificuldade, uma
vez que sua natureza é mais pesada. Mas vamos admitir que a terra
descansa sobre si mesma, ou vamos dizer que ela anda sobre águas, nós
ainda devemos permanecer fiéis ao pensamento da verdadeira religião e
reconhecer que tudo é sustentado pelo poder do Criador. Vamos então
responder a nós mesmos, e vamos responder aqueles que nos perguntam
sobre o apoio desta enorme massa, “Ele tem nas mãos as profundezas da
terra” 29 . É uma doutrina tão infalível para nossa própria informação como
proveitosa para nossos ouvintes.

10. Há inquiridores na natureza que com uma grande exibição de palavras


dão razões para a imobilidade da terra. Colocada, eles dizem, no meio do
universo e não sendo possível inclinar mais um lado do que o outro porque
seu centro está em toda a parte da mesma distância da superfície, ela
necessariamente descansa sobre si mesma; pois um peso que é em toda
parte igual não pode se inclinar para nenhum lado. É sua necessária e
natural posição. À medida que o corpo celestial ocupa a mais alta
extremidade do espaço de todos os corpos pesados, eles argumentam, que
nós devemos supor ter caído dessas altas regiões, serão transportados de
todas as direções ao centro, e o ponto para o qual as partes estão tendendo
será evidentemente aquele em que toda massa será empurrada junta. Se
pedras, madeira, todos os corpos terrestres, caem de cima para baixo, este
deve ser o lugar apropriado e natural de toda a terra. Se, pelo contrário, um
corpo leve é separado do centro, é evidente que ascenderá em direção às
regiões mais altas. Assim os corpos pesados se movem de cima para baixo,

26 Jó 38,6.
27 Salmo 75,4.
28 Salmo 24,2.
29 Salmo 95,4.
e seguindo este raciocínio, o fundo é senão o centro do mundo. Não se
surpreendam que o mundo nunca cai: ele ocupa o centro do universo, seu
lugar natural. Por necessidade ele é obrigado a permanecer em seu lugar, ao
menos que um movimento contrário a natureza deva o deslocar. Se há
qualquer coisa neste sistema que possa parecer provável para você,
mantenha sua admiração pela fonte de uma ordem tão perfeita, pela
sabedoria de Deus. Os grandes fenômenos não nos atingem ao menos
quando nós descobrimos algo de seu maravilhoso mecanismo. É de outra
forma aqui? De qualquer forma, preferimos a simplicidade da fé do que as
demonstrações da razão.

11. Nós podemos dizer a mesma coisa dos céus. Com qual barulho de
palavras os sábios deste mundo discutiram sua natureza! Alguns disseram
que o céu é comporto de quatro elementos como sendo tangíveis e visíveis, e
é composto de terra devido seu poder de resistência, com fogo porque é
impressionante para o olho, com ar e água devido a mistura. Outros
rejeitaram este sistema tido como improvável, e introduziram ao mundo, a
forma dos céus, um quinto elemento depois de sua própria forma. Existe,
dizem eles, um corpo etéreo que não é fogo, ar, terra, nem água, nem uma
palavra qualquer corpo simples. Estes corpos simples tem seu próprio
movimento natural em uma linha reta, corpos de leves para cima e pesados
para baixo; agora este movimento de sobre e desce não é o mesmo que um
movimento circular; existe a maior diferença possível entre movimento
circular e em linha reta. Portanto segue que corpos cujo movimento é tão
variado devem variar também em sua essência. Mas, nem sequer é possível
supor que os céus sejam formados de corpos primitivos que nós chamamos
elementos, pois a reunião de forças contrárias não poderiam produzir um
movimento uniforme e espontâneo, quando cada um dos corpos simples está
recebendo um impulso diferente da natureza. Assim é um trabalho para
manter corpos compostos em contínuo movimento, pois é impossível colocar
até mesmo um único de seus movimento em acordo e harmonia com todos
aqueles que estão em desacordo; uma vez que o que é próprio de uma
partícula de luz, está em guerra com a de um mais pesado. Se nós tentarmos
subir nós seremos impedidos pelo peso do elemento terrestre; se nos
lançarmos para baixo nós violaremos a parte ígnea de nosso ser ao arrastá-
lo contra a sua natureza. Agora, esta luta dos elementos afeta sua
dissolução. Um corpo o qual a violência é feita e que é colocado em oposição
à natureza, depois de uma resistência curta, mas enérgica, é logo dissolvido
em tantas muitas partes quanto teve elementos, cada uma das partes
constituintes retorna ao seu lugar natural. É o vigor destes motivos, dizem os
inventores do quinto tipo de corpo para a gênese do céu e as estrelas, que os
condiciona a rejeitar o sistema de seus predecessores e recorrer a suas
próprias hipóteses. Mas ainda outro fino orador surge e dispersa e destrói
esta teoria para dar predomínio a uma ideia de sua própria invenção.

Não vamos nos comprometer a os seguir por medo de cair em frivolidades


semelhantes; deixe-os refutar uns aos outros, e, sem nos preocupar sobre a
essência, vamos dizer com Moisés “Deus criou o céu e a terra.”30. Vamos
glorificar o Supremo Artífice por tudo que foi sabiamente e habilmente feito;
pela beleza das coisas divinas vamos nos elevar a Ele que está acima de
toda beleza; pela grandeza dos corpos, sensíveis e limitados em sua
natureza, vamos imaginar o Ser infinito cuja imensidão e onipotência
superam todos os esforços da imaginação. Porque, embora nós ignoremos a
natureza das coisas criadas, os objetos que em todos os lados atraem o
nosso notar são tão maravilhosos, que a mente mais penetrante não pode
alcançar o conhecimento do menor dos fenômenos do mundo, quer para dar
uma explicação adequada ou para render o devido louvor ao Criador, a quem
pertence toda glória, toda honra e todo o domínio pelos séculos dos séculos.
Amém.

* * *

30 Gênesis 1,1.
HOMILIA II

“A terra estava vazia e vaga.”31

1. Nas poucas palavras que nos ocuparam esta manhã, nós encontramos
uma profundidade de pensamento que nos desesperamos a penetrar ainda
mais. Se tal é o primeiro tribunal do santuário, se o pórtico do templo é tão
grande e magnífico, se o seu esplendor de sua beleza assim deslumbra os
olhos da alma, que será o santo dos santos? Quem se atreverá tentar a
ganhar o acesso ao santuário mais secreto? Quem examinará os seus
segredos? Examinar isso é, de fato, proibido para nós, e o idioma é
impotente para explicar o que a mente concebe. Contudo, uma vez que há
recompensas, e as mais desejáveis, reservadas pelo justo Juiz para a
intenção de fazer o bem, não nos hesitemos em continuar nossas pesquisas.
Embora nós não possamos alcançar a verdade, se, com a ajuda do Espírito,
nós não nos afastarmos do significado da Sagrada Escritura não devemos
merecer ser rejeitados, e, com a ajuda da graça, nós devemos contribuir para
a edificação da Igreja de Deus.

Diz a Sagrada Escritura: “A terra estava vazia e vaga.”32. Os céus e a terra


foram criados sem distinção. Como então é que os céus são perfeitos
enquanto a terra ainda não está e está incompleta? Em uma palavra, qual era
a condição inacabada da terra? E por qual razão ela era invisível? A
fertilidade da terra é seu acabamento perfeito; o crescimento de todos os
tipos de plantas, o surgimento de árvores altas, tanto produtivas quanto
estéreis, os aromas doces e as justas cores das flores, e tudo o que, um
pouco mais tarde, à voz de Deus saiu da terra para a embelezar, sua Mãe
universal. Como nada de tudo isso ainda existia, a Escritura é correta em
chamar a terra “sem forma”. Nós também podemos dizer dos céus que eles
eram ainda imperfeitos e não tinham recebido seu adornamento natural, pois
naquele tempo eles não brilhavam com a glória do sol e da lua e não eram
coroados pelos coros das estrelas. Estes corpos não eram criados ainda.

31 Gênesis 1,2.
32 Gênesis 1,2.
Assim vocês não divergirão da verdade ao dizer que os céus também eram
“sem forma”. A terra era invisível por duas razões: pode ser por causa do
homem, o espectador, ainda não existia, ou porque estava submersa sob as
águas que transbordavam a superfície, não podia ser vista, pois as águas
ainda não estavam reunidas em seus próprios lugares, onde Deus depois as
recolheu, e as deu o nome de mares. O que é invisível? Primeiro de tudo o
que o nosso olhos carnal não pode perceber; nossa mente, por exemplo, o
que então é visível em sua natureza, é escondido por algum corpo que
oculta, como o ferro nas profundezas da terra. É neste sentido, porque ela
estava escondida embaixo das águas, que a terra era ainda invisível.
Contudo, como a luz ainda não existia, e como a terra estava na escuridão,
por causa da obscuridade do ar acima dela, não deve nos surpreender que
por esta razão a Escritura a chama de “invisível”.

2. Mas os corruptos da verdade, que, incapazes de submeter sua razão à


Sagrada Escritura, distorcem a vontade o significado das Sagradas
Escrituras, imaginando que estas palavras tem importante significado. Pois é
matéria, eles dizem, que por sua natureza é sem forma e invisível, – sendo
pelas condições de sua existência sem qualidade e sem forma e figura. O
Artífice se submetendo ao trabalho de Sua sabedoria a vestiu com uma
forma, organizando-a, e assim deu ao ser o mundo visível.

Se a matéria é incriada, tem uma reivindicação das mesmas honras que


Deus, uma vez que deve ser de igual hierarquia que Ele. Este não é o cume
da perversidade, que uma extrema deformidade, sem qualidade, sem forma,
perfil, feiúra sem configuração, para usar a própria expressão deles, deve
usufruir das mesmas prerrogativas que Ele, que é sabedoria, força e a
própria beleza, o Criador e o Demiurgo do universo? Isso não é tudo. Se
matéria é tão grande que é capaz de ser atendida por toda sabedoria de
Deus, seria de certa forma elevar sua hipótese para uma igualdade com o
inacessível poder de Deus, pois seria capaz de medir por si mesmo toda a
extensão da inteligência divina. Se é insuficiente para as operações de Deus,
então nós caímos na mais absurda blasfêmia, já que condenamos Deus por
não ser capaz, por causa da falta de matéria, para terminar Seus próprias
obras. A pobreza da natureza humana enganou esses motivadores. Cada um
dos nossos ofícios é exercido sobre alguma matéria especial – a arte do
ferreiro sobre o ferro, a do carpinteiro em madeira. Em tudo, há a matéria, a
forma e o trabalho que resulta da forma. A matéria é tirada de fora – a arte dá
a forma – e o trabalho é composto no mesmo tempo da forma e da matéria.

Tal é a ideia que eles fazem para si mesmos do trabalho divino. A forma do
mundo é devida a sabedoria do Artífice Supremo; a matéria veio ao Criador
de fora; e assim o mundo resulta de uma dupla origem. Recebeu de fora sua
matéria e sua essência, e de Deus sua forma e figura. Eles então vêm negar
que o Deus poderoso presidiu na formação do universo, e fingiu que Ele
apenas trouxe uma contribuição coroada para um trabalho comum, que Ele
apenas contribuiu com uma pequena parcela para a gênese dos seres: eles
são incapazes de debavizar seus raciocínios de elevar seus olhares ao auge
da verdade. Aqui abaixo as artes são subsequentes a matéria – introduzidas
na vida pela necessidade indispensável delas. A lã existia antes da
tecelagem fornecendo um das imperfeições da natureza. A madeira existia
antes que o carpinteiro a tomasse posse, e transformada cada dia para
fornecer novos desejos, e nos fez ver todas as vantagens derivadas dele,
dando o remo ao marinheiro, a peneira ao trabalhador, a lança ao soldado.
Mas Deus, antes de todas as coisas que agora atraem nossa atenção
existirem, depois de lançar em sua mente e determinar a criação de um
tempo sem ser, imaginou o mundo como deveria ser, e criou a matéria em
harmonia com a forma que Ele desejou dar. Ele atribuiu aos céus a natureza
adaptada para os céus, e deu a terra uma essência de acordo com a sua
forma. Ele formou, como Ele desejou, fogo, ar e água, e deu a cada um a
essência que o objeto de sua existência exigia. Finalmente, Ele soldou todas
as diversas partes do universo por meio de vínculos indissolúveis e
estabeleceu entre eles tão perfeita seguimento e harmonia que os mais
distantes, apesar de suas distâncias, pareciam unidos em uma simpatia
universal. Que esses homens, portanto, renunciem suas imaginações
fabulosas, que, apesar da fraqueza de seu argumento, fingem medir um
poder tão incompreensível à razão do homem quanto indescritível pela voz
do homem.
3. Deus criou os céus e a terra, mas não apenas a metade; – Ele criou todos
os céus e toda a terra, criando a essência com a forma. Pois Ele não é um
inventor de figuras, mas o Criador mesmo da essência dos seres. Além disso,
deixemos eles nos contarem como o poder eficiente de Deus pode lidar com
a natureza passiva da matéria, esta última fornecendo a matéria sem forma,
a primeira possuindo a ciência da forma sem matéria, ambas sendo
necessitadas uma da outra; o Criador a fim de exibir Sua arte, a matéria, a
fim de deixar de ser sem forma e para receber uma forma. Mas vamos parar
aqui e retornar ao nosso assunto.

“A terra estava vazia e vaga.”33. Ao dizer “No princípio, Deus criou o céu e a
terra.34”, o escritor sagrado atravessou por muitas coisas em silêncio, água,
ar, fogo e os resultados delas, que, todos formando na realidade o verdadeiro
complemento do mundo, foram, sem dúvida, feitos no mesmo tempo do
universo. Por este silêncio, a história desejar treinar a atividade ou nossa
inteligência, dando-a um ponto fraco para começar, para impulsionar a
descoberta da verdade. Assim, nós não contamos a criação da água; mas,
como nós contamos que a terra era invisível, pergunte-se o que a poderia ter
coberto, e impedida de ser vista? O fogo não a pode esconder. O fogo
ilumina tudo sobre isso, e difunde a luz em vez da escuridão. Nada mais era
o ar que envolvia a terra. O ar por natureza é de pouca densidade e
transparente. Recebe todos os tipos de objetos visíveis, e os transmite aos
espectadores. Apenas uma suposição permanece; o que flutuava na
superfície da terra era a água – a essência fluida que ainda não havia sido
confinada ao seu próprio lugar. Assim a terra não era apenas invisível; era
ainda incompleta. Mesmo hoje a umidade excessiva é um obstáculo para a
produtividade da terra. A mesma causa, ao mesmo tempo, impede que seja
vista, e de ser completa, pois o adereço natural e próprio da terra é sua
conclusão: o milho acenando nos vales – os prados verdes com grama e
ricos com muitas flores coloridas – clareiras férteis e montes sombreados por
florestas. De tudo isso nada foi produzido; a terra estava em labuta com ela

33 Gênesis 1,2.
34 Gênesis 1,1.
em virtude do poder que ela tinha recebido do Criador. Mas ela estava
esperando o tempo designado e a ordem divina.

4. “As trevas cobriam o abismo.35”. Uma nova fonte de fábulas e imaginações


mais ímpias se alguém distorcer o sentidos dessas palavras com a vontade
das fantasias. Pelas “trevas”, esses homens perversos não entendem o que
significa na realidade – o ar não iluminado, a sombra produzida pela
interposição de um corpo, ou finalmente um lugar para alguma razão privada
de luz. Para eles as “trevas” é um poder maligno, ou melhor, a personificação
do mal, tendo sua origem em si mesmo em oposição e em perpétua luta com
a bondade de Deus. Se Deus é luz, eles dizem, sem qualquer dúvida o poder
que luta contra Ele de ver trevas, “Trevas” não deve sua existência a uma
origem estrangeira, mas um mal que existe por si só. As “Trevas” são o
inimigo das almas, a primeira causa de morte, o adversário da virtude. As
palavras do Profeta, dizem eles em seu erro, mostram que existe e que não
procede de Deus. Com isso, os dogmas perversos e ímpios foram
imaginados! Que lobos dolorosos, rasgando o rebanho do Senhor, surgiram
dessas palavras para se lançar sobre as almas? Não é daqui que surgiram
Marcião e Valentino, e a heresia detestável dos maniqueus, que vocês
podem, sem proceder de modo errado, chamar de pungente humor das
igrejas.

Ó homem, por que vagar assim da verdade, e imaginar por ti mesmo o que
causará tua perdição? A palavra é simples e dentro da compreensão de
todos. “A terra estava vazia.”36 Por que? Porque a “abismo” estava espalhado
pela superfície. Que é “o abismo”? Uma massa de água de extrema
profundidade. Mas nós sabemos que nós podemos ver muitos corpos através
de água clara e transparente. Como então foi que nenhuma parte da terra
apareceu através da água? Porque o ar que a cercava estava ainda sem luz
e na escuridão. Os raios do sol, penetrando a água, frequentemente nos
permitem ver as pedras que formam o leito do rio, mas em uma noite escura
é impossível que nosso olhar penetre debaixo da água. Assim, essas

35 Gênesis 1,2.
36 Gênesis 1,2.
palavras “A terra estava vazia.”37 são explicadas por aquilo que segue; “o
abismo”38 a cobria e ela mesma estava na escuridão. Assim, o abismo não é
uma multidão de poderes hostis, como foi imaginado; nem “escuridão” uma
força soberana malvada em inimizade com o bem. Na realidade dois
princípios rivais de igual poder, se envolvidos sem cessar em uma guerra de
ataques mútuos, terminará em autodestruição. Mas se um ganhasse o
domínio, aniquilaria completamente os conquistados. Assim, manter o
equilíbrio na luta entre o bem e o mau é os representar como envolvidos em
uma guerra sem fim e em perpétua destruição, onde os oponentes são ao
mesmo tempo conquistadores e conquistados. Se o bem é o mais forte, o
que há para evitar que o mal seja completamente aniquilado? Mas se for
esse o caso, a própria expressão de que é ímpio, pergunto-me como é que
eles mesmos não estão cheios de horror para pensar que eles imaginaram
blasfêmias tão abomináveis.

É igualmente ímpio dizer que o mal tem sua origem de Deus; porque o
contrário não pode proceder de seu contrário. A vida não engendra a morte; a
escuridão não é a origem da luz, a doença não é a criadora da saúde. Nas
mudanças de condições há transições de uma condição para o contrário;
mas na gênese cada ser procede de seu semelhante, e não de seu contrário.
Se então o mal não é nem incriado e nem criado por Deus, de onde vem a
sua natureza? Certamente o mal existe, ninguém que vive no mundo negará.
Que devemos dizer, então? O mal não é uma essência viva; é a condição da
alma que se opões à virtude, desenvolvida nos descuidados por causa da
sua queda do bem.

5. Não vão além de vocês mesmos procurar o mal, e imaginar que existe
uma natureza original de maldade. Cada um de nós, vamos o reconhecer, é o
primeiro autor de seu próprio vício. Entre os eventos comuns da vida, alguns
vêm naturalmente, como a velhice e a doença, outros por acaso, como
ocorrências imprevistas, das quais a origem está além de nós mesmos,
muitas vezes triste, às vezes afortunada, como por exemplo, a descoberta de

37 Gênesis 1,2.
38 Gênesis 1,2.
um tesouro quando se escava um buraco, ou encontro de um cachorro louco
quando se vai ao mercado. Outros dependem de nós mesmos, como
governar as paixões de alguém, ou não colocar freios nos prazeres de
alguém, ser mestre de nossa raiva, ou levantar a mão contra aquele que nos
irrita, falar a verdade, ou mentir, ter uma doce e bem regulamentada
disposição, ou ser feroz e inchado e exaltado com orgulho. Aqui vocês são os
mestres de suas ações. Não procurem a causa orientadora além de si
mesmos, mas reconheçam que o mal, justamente assim chamado, não tem
outra origem do que nossas quedas voluntárias. Se fosse involuntário e não
dependesse de nós mesmos, as leis não teriam tanto terror para os culpados,
e os tribunais não seriam tão sem piedade quando eles condenam os
miseráveis de acordo com a medida de seus crimes. Mas o suficiente sobre o
mal justamente assim chamado. A doença, a pobreza, a obscuridade, a
morte, finalmente todos as aflições humanas, não devem ser classificadas
como más; uma vez que não contamos entre os melhores benefícios que são
seus opostos. Entre estas aflições, algumas são o efeito da natureza, outras
obviamente foram para muitos uma fonte de vantagem. Fiquemos, então, em
silêncio por um momento sobre estas metáforas e alegorias, e, simplesmente
seguindo sem vã curiosidade as palavras da Sagrada Escritura, retiremos da
escuridão a ideia que ela nos dá.

Mas a razão pergunta, a escuridão foi criada com o mundo? É mais antiga do
que a luz? Por que, apesar da inferioridade, ela a precedeu? A escuridão,
nós respondemos, não existe na essência; é uma condição produzida no ar
pela retirada de luz. Qual é, então, aquela luz que desapareceu de repente
do mundo, de modo que a escuridão deve cobrir o rosto das profundezas? Se
alguma coisa tivesse existido antes da formação deste mundo sensível e
perecível, sem dúvida, nós concluímos que teria sido em luz. As ordens dos
anjos, as hostes celestiais, todas as naturezas intelectuais nomeadas ou sem
nome, todos os espíritos misteriosos, não viveram na escuridão, mas
gozavam de uma condição adequadas para elas em luz e alegria espiritual.

Ninguém contradirá isso; ainda que o que procura a luz celestial como uma
das recompensas prometeu às virtudes a luz, como diz Salomão, é sempre
uma luz para os justos, a luz que fez o Apóstolo dizer “dando graças ao Pai,
que vos fez capazes de participar da herança dos santos na luz.” 39 .
Finalmente, se os condenados são enviados para a escuridão externa,
evidentemente, aqueles que são feitos dignos da aprovação de Deus, estão
em repouso na luz celestial. Quando então, de acordo com a ordem de Deus,
apareceu o céu, envolvendo tudo o que a circunferência incluía, um corpo
vasto e ininterrupto que separava as coisas externas daquelas que
encerrava, necessariamente mantinha o espaço dentro da escuridão por falta
de comunicação com a luz externa. Três coisas são, de fato, necessárias
para formar uma sombra, luz, um corpo, um lugar escuro. A sombra do céus
forma a escuridão do mundo. Compreenda, peço-lhes, o que quero dizer, por
um simples exemplo; você levantando ao meio-dia uma tenda de algum
material compacto e impenetrável, e se fechando nela em uma escuridão
repentina. Suponha que a escuridão original fosse assim, não subsistiu
diretamente por si só, mas resultou de algumas costas externas. Se é dito
que descansou sobre o fundo, é porque a extremidade do ar naturalmente
toca a superfícies dos corpos, e como naquele tempo a água cobria tudo,
somos obrigados a dizer que a escuridão estava sobre o rosto das
profundezas.

6. “E um vento de Deus pairava sobre as águas. 40 Esse vento significa a


difusão do ar? O escritor sagrado deseja lhes enumerar os elementos do
mundo, dizer-lhes que Deus criou os céus, a terra, a água e o ar e que o
último foi agora difundido e em movimento; ou melhor, o que é mais
verdadeiro e confirmado pela autoridade dos anciãos, pelo Espírito de Deus,
ele significa o Espírito Santo. É, como foi observado, o nome especial, o
nome sobre todos os outros que a Escritura deleita em dar ao Espírito Santo,
e sempre pelo Espírito de Deus o Espírito Santo é designado, o Espírito que
completa a Divina e Santíssima Trindade. Vocês vão achar melhor, portanto,
toma-lo nesse sentido. Como então o Espírito de Deus se moveu sobre as
águas? A explicação que estou prestes a lhes dar não é uma original, mas a
de um sírio, que era tão ignorante na sabedoria deste mundo quanto era

39 Colossenses 1,12.
40 Gênesis 1,2.
versado no conhecimento da Verdade. Ele disse, então, que a palavra siríaca
era mais expressiva, e que sendo mais análoga ao termo hebraico, era uma
abordagem mais próxima do sentido bíblico. Este é o significado da palavra;
por “foi carregado” os sírios, ele diz, entendem: ele apreciou a natureza das
águas como se vê um pássaro cobrindo os ovos com seu corpo e os
transmitindo força vital do seu próprio calor. Tal é, tanto quanto possível, o
significado dessas palavras – o Espírito foi carregado: entendamos, isto é,
prepara a natureza da água para produzir seres vivos: uma prova suficiente
para aqueles que perguntam se o Espírito Santo teve uma parte ativa na
criação do mundo.

7. “Deus disse: ‘Haja luz’”41: a primeira palavra de Deus criou a natureza da


luz; fez desaparecer a escuridão, dissipou as trevas, iluminou o mundo e deu
a todos os seres, ao mesmo tempo, um aspecto doce e gracioso. Os céus,
até então envolvidos na escuridão, apareceram com aquela beleza que ainda
apresentam aos nossos olhos. O ar foi iluminado, ou melhorou a circulação
da luz misturada com sua substância e, distribuindo seu esplendor
rapidamente em todas as direções, dispersou-se até os limites extremos.
Subiu até o éter e para o céu. Em um instante iluminou toda a extensão do
mundo, o norte e o sul, o leste e o oeste. Para o éter que também é uma
substância tão sutil e tão transparente que não precisa do espaço de um
momento para a luz passar por ele. Assim como leva a nossa vista
instantaneamente para um objeto de visão, então sem o menor intervalo, com
uma rapidez que o pensamento não consegue conceber, recebe esses raios
de luz em seus limites extremos. Com a luz o éter se torna mais agradável e
as águas mais límpidas. Estes últimos, não contente com o recebimento do
seu esplendor, devolvem-no pelo reflexo da luz e em todas as direções
enviam a diante vibrantes clarões. A palavra divina dá a cada objeto uma
aparência mais alegre e mais atrativa, assim como quando os homens em
águas profundas derramam o óleo que tornam o lugar ao seu claro dispor.
Então, como uma única palavra e em um instante, o Criador de todas as
coisas deu a dádiva da luz para o mundo.

41 Gênesis 1,3.
“Haja luz”42. O pedido era em si uma operação, e um estado de coisas foi
criado, do que a mente do homem nem sequer pode imaginar um prazer para
nossa diversão. Deve ser bem entendido que quando falamos da voz, da
palavra, do comando de Deus, esta linguagem divina não significa para nós
um som que escapa dos órgãos da fala, uma colisão de ar atingida pela
língua; é um simples sinal da vontade de Deus, e, se nós o damos a forma de
uma ordem, é apenas o melhor para impressionar as almas que nós
instruímos.

“Deus viu que a luz era boa” 43 . Como podemos louvar dignamente a luz
depois do testemunho dado pelo Criador ao seu bem? A palavra, mesmo
entre nós, refere o julgamento aos olhos, incapaz de se levantar à ideia de
que os sentidos já receberam. Mas, se a beleza nos corpos resulta da
simetria das partes, e a harmoniosa aparência das cores, como em uma
simples e homogênea essência como a luz, pode essa ideia de beleza ser
preservada? Não seria a simetria na luz menos exposta em suas partes do
que no prazer e deleite em sua visão? Tal é também a beleza do ouro, que
não deve à mistura feliz de suas partes, mas somente à sua bela cor que tem
um charme atrativo para os olhos.

Assim, novamente, a estrela da noite é a mais bela das estrelas: não que as
partes das quais é composta formam um todo harmonioso; mas graças ao
belo e perfeito brilho que nossos olhos encontram. E, além disso, quando
Deus proclamou a bondade da luz, não era em relação ao charme dos olhos,
mas como uma provisão para vantagem futura, porque naquele momento
ainda não havia ainda olhos para julgar sua beleza. “E Deus separou a luz e
as trevas.”44; isto é, Deus lhes deu as naturezas incapazes de se misturarem,
perpetuamente em oposição uma a outra, e colocou entre elas o mais amplo
espaço e distância.

42 Gênesis 1,3.
43 Gênesis 1,4.
44 Gênesis 1,4.
8. “Deus chamou à luz ‘dia’ e às trevas ‘noite’.”45. Desde o nascimento do sol,
a luz que difunde no ar, quando brilha em nosso hemisfério, é dia; e a sombra
produzida por seu desaparecimento é a noite. Mas naquela época não era
após o movimento do sol, mas seguindo essa luz primitiva espalhada no ar
ou retirada em uma medida determinada por Deus, que o dia veio e foi
seguido pela noite.

“Houve uma tarde e uma manhã: primeiro dia.” 46. A tarde é então o limite
comum para o dia e a noite; e da mesma forma a aurora constitui a
introdução da noite ao dia. Foi para dar o privilégio da prioridade que a
Escritura coloca o fim do primeiro dia antes da primeira noite, porque a noite
segue o dia: pois, antes da criação da luz, o mudo não estava na noite, mas
na escuridão. É o oposto do dia que é chamado noite, e não recebeu seu
nome até depois do dia. Assim foram criadas a tarde e a aurora. A Escritura
denota o espaço de um dia e uma noite, e depois não mais diz dia e noite,
mas chama ambos sob o nome de mais importância: um costume que vocês
encontrarão ao longo da Escritura. Em todos os lugares, a medido do tempo
é contada por dias, sem mencionar as noites. “Os dias de nossos anos”47, diz
o Salmista. “Os dias dos meus anos foram breves e infelizes”48, disse Jacó, e
em outro lugar “todos os dias da minha vida” 49 . Assim, sob a forma da
história, a lei é estabelecida para o que está por seguir.

“Houve uma tarde e uma manhã: um dia.”50. Por que a Escritura diz “um dia”
e não “o primeiro dia”? Antes de falar para nós do segundo, do terceiro, e do
quarto dias, não teria sido mais natural chamar aquele o primeiro que iniciou
a série? Se, portanto, diz “um dia”, é do desejo de determinar a medida do
dia e da noite, e combinar o tempo que eles contêm. Agora, vinte e quatro
horas enchem o espaço de um dia – nós queremos dizer de um dia e de uma
noite; e se, no momento dos solstícios, eles não tiveram o mesmo
comprimento, o tempo marcado pela Escritura não circunscreve a duração
45 Gênesis 1,5.
46 Gênesis 1,5.
47 Cf. Salmo 90,10.
48 Cf. Gênesis 47,9.
49 Salmo 23,6.
50 Cf. Gênesis 1,5.
deles. É como se ele dissesse: vinte e quatro horas medem o espaço de um
dia ou, na realidade, um dia é o tempo que os céus começam a partir de um
ponto para retornar lá. Assim, toda vez que, na revolução do sol, tarde e
aurora ocupam o mundo, sua sucessão periódica nunca excede o espaço de
um dia.

Mas nós devemos acreditar em uma razão misteriosa para isso? Deus que
fez a natureza do tempo, mediu-o e o determinou por intervalos de dias; e,
desejando dar uma semana como medida, ele ordenou que a semana gire de
um dia revolvendo sete dias sobre si mesma: um círculo apropriado começa
e termina consigo mesmo. Tal é também o caráter da eternidade, revolver
sobre si mesma e acabar em lugar nenhum. Se, então, o início do tempo é
chamado “um dia” em vez de “o primeiro dia”, é porque a Escritura deseja
estabelecer sua relação com a eternidade. Era, na realidade, justo e natural
chamar “um” o dia cujo caráter é ser completamente separado e isolado de
todos os outros. Se a Escritura nos fala de muitos séculos, dizendo em todos
os lugares “o século do século, e os séculos dos séculos”, nós não a vemos
os enumerar como primeiro, segundo e terceiro. Segue-se que nós estamos
por meio disso mostrando não muitos limites, fins e sucessão dos séculos,
como distinções entre vários estados e modos de ação. Diz a Escritura que “o
dia do Senhor é grande, extremamente terrível!”51, e em outro lugar que “Ai
daqueles que desejam o dia do Senhor! Para que vos servirá o dia do
Senhor? Ele será trevas e não luz.”52. Um dia de trevas para aqueles que são
dignos da escuridão. Não, este dia sem a tarde, sem sucessão e sem fim não
é desconhecido para a Escritura, e é o dia que o Salmista chama o oitavo dia,
porque ele está fora desse período de semanas. Portanto, se vocês o
chamam de dia, ou se vocês o chamam de eternidade, vocês expressam a
mesma ideia. Dê a este estado o nome de dia; não há vários, mas apenas
um. Se vocês o chamarem eternidade ainda é único e não múltiplo. Assim, é
para que vocês possam levar seus pensamentos para uma vida futura, que a
Escritura marca pela palavra “um” o dia que é o tipo de eternidade, os
primeiros frutos dos dias, o contemporâneo da luz, o dia sagrado do Senhor

51 Joel 2,11.
52 Amós 5, 18.
honrado pela ressureição de nosso Senhor. “Houve uma tarde e uma manhã:
um dia.”53.

Mas, enquanto eu converso com vocês sobre a primeira tarde do mundo, a


tarde me surpreende e põe fim ao meu discurso. Que o Pai da Verdadeira
Luz, que adornou o dia com luz celestial, que fez o fogo brilhar e que nos
ilumina durante a noite, que reserva para nós na paz de um século futuro
uma luz espiritual e eterna, ilumine seus corações no conhecimento da
verdade, mantenha-os do tropeço, e conceda que “vocês possam andar
decentemente como no dia”54. Assim vocês brilharão como o sol no meio da
glória dos santos, e eu gloriarei em vocês no dia de Cristo, a quem pertence
toda glória e poder pelos séculos dos século. Amém.

* * *

Referência: Basil. Basil: Letters and Select Works. Edited by Philip Schaff and
Henry Wallace. Religion and Spirituality. New York: Cosimo Classics, 2009.

53 Cf. Gênesis 1,5.


54 Cf. Romanos 13,13.