Você está na página 1de 12

Noções de Primeiros Socorros

CONCEITOS GERAIS DE EMERGÊNCIA

Acontecimento não planejado que pode causar mortes e danos significativos em Colaboradores, Clientes,
Público e Infraestruturas da empresa. Poderá afetar temporariamente determinadas áreas da empresa,
causando prejuízos financeiros e uma imagem negativa da mesma.

• Os acidentes representam um dos mais sérios problemas de saúde pública, constituindo-se na


principal causa de mortes e invalidez entre jovens e crianças. Os acidentes destroem asaúde, a vida e a
família de milhões de pessoas.

A NECESSIDADE DO TREINAMENTO EM PRIMEIROS SOCORROS:


• A expressão “Primeiros Socorros” significa o atendimento imediato prestado a uma pessoa vítima de
um acidente ou de um mal súbito.

• “Quando aplicados com eficiência, os primeiros socorros significam a diferença entre “vida e morte”,
“recuperação rápida e hospitalização longa” ou, “invalidez temporária e invalidez permanente”.

Aspectos Legais dos Primeiros Socorros.

• Obrigação Legal

Abaixo, condições que será obrigação moral:

1) Quando a função profissional exigir;

2) Quando pré existir uma responsabilidade intrínseca;

3) Após iniciar o atendimento de socorro.

Qualidades de um bom Socorrista

– Capacidade de improvisação - Compromisso com a Vida - Bom senso - Reconhecer seus limites -
Saber o que fazer, e o que não fazer - Paciência e calma - Determinação.

Seria muito bom ter todas essas qualidades ao mesmo tempo, sabemos que é difícil, mas para começar é
indispensável o compromisso com a VIDA, o restante pode ser adquirido e aprimorado com o tempo...

ATENDENDO A UMA EMERGÊNCIA

• Manter a vítima deitada, só removê-la do local em alguns casos;


• Verificar os sinais vitais do acidentado: pulso, respiração e pupilas;
• Dar prioridade ao atendimento da parada cardio-respiratória;
• Manter vias aéreas superiores livres;
• Investigar a existência de hemorragias, queimaduras, ferimentos, fraturas, envenenamentos;
• Observar o nível de consciência;
• Em caso de amputação, recolher a parte seccionada, envolvendo-a em pano limpo;
• - afrouxar roupas e cintos;
• - agir com calma e segurança;
• - afastar os curiosos;
• - não medicar a vítima sem prescrição médica
1
Mantenha a calma.

Tenha em mente a seguinte ordem de segurança quando você estiver prestando socorro:

· PRIMEIRO EU (o socorrista);
· DEPOIS MINHA EQUIPE (Incluindo os transeuntes);
· E POR ÚLTIMO A VÍTIMA;

Isto parece ser contraditório a primeira vista, mas tem o intuito básico de não gerar novas vítimas.

 Ao prestar socorro, é fundamental ligar ao atendimento pré-hospital de imediato ao chegar ao local do


acidente. Sempre verifique se há riscos no local, para você e sua equipe, antes de agir no acidente.
 Mantenha sempre o bom senso.
 Mantenha o espírito de liderança, pedindo ajuda e afastando os curiosos.
 Distribua tarefas, assim os transeuntes que poderiam atrapalhar lhe ajudarão e se sentirão mais úteis.
 Evite manobras intempestivas (realizadas de forma imprudente, com pressa);
 Em caso de múltiplas vítimas dê preferência àquelas que correm maior risco de morte como, por
exemplo, vítimas em parada cárdio-respiratória ou que estejam sangrando muito.
 Seja socorrista e não herói.

AVALIAÇÃO DA VÍTIMA - POSIÇÕES DE RECUPERAÇÃO (SUPORTE BÁSICO DE VIDA)

1. Verifique se a vítima está consciente.


Diga bem alto " Você está me ouvindo?" ou "Abra os olhos!" Sacuda levemente seus ombros. Se ela estiver
inconsciente, não haverá resposta.

2. Se estiver inconsciente, desobstrua a passagem de ar.


Remova qualquer obstrução visível da boca da vítima. Coloque dois dedos debaixo da ponta do queixo e erga
o maxilar. Ao mesmo tempo, coloque sua outra mão na testa da vítima e incline a cabeça para trás.

3. Verifique a respiração.
Colocando a cabeça perto da boca e nariz da vítima: * Olhe para o peito para ver se há movimento. * Procure
ouvir o som da respiração. * Tente sentir a respiração da vítima na sua face. Observe por 5 segundos antes de
certificar-se de que não há respiração.

4. Verifique o pulso.
Mantendo a cabeça da vítima inclinada para trás, procure com dois dedos o pomo-de-adão. Deslize os dedos
para trás até encontrar a depressão entre a traquéia e o músculo ao lado. Mantendo os dedos nesta posição,
procure detectar a pulsação da artéria carótida.

Posição de recuperação
2
1. Ajoelhando-se ao seu lado, incline a cabeça da vítima para trás e levante o queixo para
desobstruir as vias respiratórias. Depois de certificar-se de que as pernas estão esticadas, dobre o braço que
estiver mais próximo de você, formando um ângulo reto em relação ao corpo. A palma da mão deve estar
voltada para cima.

2. Dobre o outro braço da vítima sobre o peito e coloque a mão contra o rosto, com a palma
virada para fora. Com a sua outra mão, pegue a coxa que esta mais afastada de você e dobre o joelho da
vítima. Mantenha o pé apoiado no chão.

3. Mantendo a mão da vítima contra o rosto, use a outra a mão para pegar a perna e puxá-
la delicadamente em sua direção.

4. Incline a cabeça da vítima para trás para manter a passagem de ar livre. Acomode a
mão para que a cabeça fique bem apoiada. Ajuste a posição da perna que está em cima, de modo que o
quadril e o joelho formem um ângulo reto. Verifique a respiração e o pulso regularmente.

Respiração Boca a Boca

Respiração boca a boca

1. Certifique-se de que a passagem de ar está desobstruída e a cabeça inclinada para trás. Tape bem as
narinas da vítima, usando o indicador e o polegar.

2. Aspire profundamente e cole seus lábios à boca da vítima. Sopre para dentro da boca até que o peito se
levante.

3. Retire os lábios e espere o peito abaixar. Continue em uma média de 10 (dez) respirações por minuto, ou 02
(duas) aspirações para cada 30 (trinta) compressões cardíacas.

Massagem Cardíaca

Compressão cardíaca

3
1. Mantenha a vítima deitada de costas sobre uma superfície firme. Coloque a base de uma das mãos dois
dedos acima do ponto onde as costelas inferiores se encontram com o esterno. Ponha a base da outra mão
sobre a anterior e entrelace os dedos.

2. Com os braços esticados, pressione verticalmente o esterno, fazendo com que afunde 4 ou 5 cm. Repita a
compressão numa média de 80 pressões por minuto. Para alternar com respiração artificial: faça trinta
compressões para cada duas respirações até que chegue socorro.

Obstrução Respiratória (Engasgamento)

Uma cena comum é se deparar com uma pessoa que tenha as suas vias respiratórias bloqueadas por espasmos musculares,
ou crianças engolindo objetos ou mesmo idosos, que por causa da falta de elasticidade nos músculos, acaba se engasgando
com facilidade. Existem técnicas que podem ajudar a desobstruir uma via respiratória, uma delas chamada de manobra de
Heimlich é recomendada para esse tipo de situação (elevando o diafragma, forçando o ar dos pulmões a criar uma tosse
eficaz capaz de expelir o corpo estranho, podendo ser realizada em pé ou deitada).

Manobra em Pé: Coloque-se atrás da vítima, segure-a e com as mãos fechadas e seguras uma contra a
outra, posicionando-as no final do diafrágma e fazendo pressão para provocar a expulsão do objeto que se
encontra na traqueia.

Manobra Deitado: É execudada em pessoas inconcientes, coloca-se a vítima deitada, afrouxe as roupas,
coloque as mãos sobrepostas e pressione o final do diafrágma com força de uma só vez, após executar cada
manobra verificar se a via aérea da vítima foi desobstruida.

Hemorragias Externas

Podem ser de três tipos:

Hemorragia Capilar: É a hemorragia causada pelo rompimento de capilares sanguíneos, (por exemplo
hemorragia por escoriações);

4
Hemorragia Venosa: É ocasionada pelo rompimento de uma veia, apresenta-se em filetes e com a presença
de sangue vermelho escuro.

Hemorragia Arterial: É ocasionada pelo rompimento de uma artéria, apresenta-se em jatos e com sangue de
cor vermelho vivo, podendo conter bolhas indicando que este sangue é rico em oxigênio.

1. Remova a roupa que estiver cobrindo o ferimento e faça pressão firme sobre ele, usando,
de preferência, um curativo ou proteção limpa.

2. Mantendo a pressão, erga e apóie a parte lesada.

3. Prenda a proteção com firmeza, mas não aperte muito para não impedir a circulação do
sangue no membro lesado.

4. Providencie socorro médico adequado. Se o sangramento for intenso, chame ambulância.


Mantendo a parte lesada erguida e apoiada, cubra a vítima com um cobertor, com as pernas também erguidas
e apoiadas. Se o sangramento vazar pela atadura, coloque outro curativo por cima.

Acima de 40% de sangue perdido a pulsação já fica muito fraca, não sendo capaz de encher o coração e suas
câmaras totalmente, provocando taquicardia ventricular (aumento do ritmo, que pode ser fatal).

5
Queimaduras (I)
INCÊNDIOS

· Ligue imediatamente para o corpo de bombeiros (193).


· Remova as vítimas do local de perigo se houver segurança em fazê-lo.
· Não entre em edifício em chamas.
· Não entre em sala cheia de fumaça ou gás.

ROUPAS EM CHAMAS

- Não deixe a vítima sair correndo.


- Deite a vítima com o lado queimado para cima, apagando o fogo enrolando-a num casaco ou tapete.

Queimaduras (II)

Queimadura é o nome dado a lesões que ocorrem na pele em razão de agentes térmicos, químicos, físicos ou
biológicos. Assim, podem ter diversas causas, como, por exemplo, exposição prolongada ao Sol, líquidos
superaquecidos, choques elétricos, superfícies quentes, contato com animais que possuem estruturas
urticantes (como urtigas, águas-vivas e certas lagartas), escapamento de motos, produtos corrosivos,
explosivos, etc.

Geralmente as queimaduras são decorrentes de contato com o fogo. No entanto, as provocadas pela
eletricidade costumam ser as que provocam consequências mais graves.

Primeiro grau: ocorrem somente vermelhidão e ardor na pele, uma vez que a epiderme é a única região
acometida;

Queimadura de primeiro grau

- Segundo grau: formam-se bolhas, há muita dor e, também, perda de líquido na área queimada já que, além
da epiderme, a derme também é atingida;

6
Queimadura de segundo grau.

- Terceiro grau: afeta toda a epiderme, derme e a camada mais profunda da pele: o tecido celular subcutâneo.
A dor é pouca, ou ausente.

Queimadura de terceiro grau.

- Quarto grau: em razão do comprometimento da pele, os ossos, tendões, vasos sanguíneos e/ou inervações
ficam expostos. A região atingida pode ficar preta, em virtude da carbonização dos tecidos ali encontrados.

Queimadura de quarto grau

1. Refresque a queimadura a queimadura com água fria até aliviar a dor (quando possível).
NÃO demore para conseguir socorro médico se a queimadura for grave.

7
2. Remova tudo o que possa apertar o local da queimadura roupas, cintos, sapatos, relógios,
anéis e outras joias (quando possível). NÃO remova roupas ou qualquer outra coisa que esteja grudada à
queimadura.

3. Cubra a queimadura com material leve, limpo e não felpudo (panos bastante
umedecidos).
NÃO use creme, unguento ou gordura. NÃO rompa nenhuma bolha.

LESÕES PROVOCADAS POR ELETRICIDADE

Não se aproxime antes de:


- desligar a corrente elétrica.
- ser oficialmente informado de que a corrente de alta tensão foi desligada e isolada.

VAZAMENTOS DE PRODUTOS QUÍMICOS

· Proteja-se de produtos químicos corrosivos.


· Certifique-se de que a água contaminada que lavou o local atingido escoou com segurança.
· Fique atento com relação aos perigos de gases tóxicos.

Lesão na Cabeça

1. Se houver ferimento no couro cabeludo, coloque no lugar os pedaços de pele soltos


(quando puder). Usando uma proteção limpa, pressione a ferida.
NÃO toque o ferimento com os dedos.

2. Após controlar o sangramento, prenda a proteção com uma atadura.

3. Verifique o nível de resposta da vítima, fazendo perguntas simples e diretas. Anote o ritmo da respiração, do
pulso e o nível de resposta a cada 10 minutos.

8
4. Deite a vítima com a cabeça e os ombros apoiados e erguidos. Leve-a para o hospital
nesta posição.

Ataque Cardíaco

Sintomas

O infarto pode ocorrer sem sintomas, mas, na maioria dos casos, os sinais e sintomas de um ataque cardíaco
podem ser:

 Dor no peito durante alguns minutos ou horas;


 Dor ou sensação de peso no braço esquerdo;
 Dor com irradiação para as costas, mandíbula ou apenas para a face interna dos braços;
 Formigamento nos braços ou nas mãos;
 Falta de ar;
 Suor exagerado ou suor frio;
 Náuseas;
 Vômitos;
 Tontura;
 Palidez ;
 Ansiedade;

Procedimentos

1. Coloque a vítima em posição confortável. Geralmente, a melhor posição é


recostada, com os joelhos dobrados e apoiados.

2. Leve a pessoa ao hospital e informe o enfermeiro de que suspeita de ataque


cardíaco. Chame o médico que cuida da vítima.

3. Tranqüilize a vítima e faça a verificação constante do pulso e da respiração até a


chegada de socorro.

Perda de Consciência

1. Erga com cuidado o queixo da vítima e incline lentamente a cabeça para trás para
desobstruir a passagem de ar. Verifique se há pulso e respiração. Avalie seu nível de resposta, falando alto
junto a seu ouvido e beliscando o dorso da mão. Anote suas conclusões.
NÃO mude a vítima de lugar sem necessidade.

2. Coloque a vítima na posição de recuperação.

9
3. Leve-a ao hospital (se possível). Anote o ritmo da respiração e do pulso, bem como o nível de resposta, a
cada 10 minutos. Permaneça com a vítima até a chegada do médico. Entregue suas anotações.

FRATURAS

Fratura é a perda da continuidade do osso, podendo se esta total ou parcial. As fraturas podem ser causadas por
traumatismos, fadiga por estresse (pequenos traumatismos repetidos), doenças como raquitismo, câncer, osteoporose e etc.
Podem ser classificadas como fechada e aberta.

Identificação de uma Fratura

Algumas características identificam quando ocorre uma fratura, são elas:

 Dor local intensa, que piora com o toque e/ou a movimentação;


 Perda de função do local atingido;
 Edema (inchaço) e equimose (zona arroxeada), na região;
 Deformidade anatômica;
 Creptação óssea, ou seja, quando se pressiona o local da fratura, há ruído de osso encostando-se ao outro.

Fratura Fechada: Ocorre a quebra do osso mais não ocorre o rompimento do tecido epitelial (pele).

Fratura Aberta (Exposta): Ocorre a quebra do osso e ocorre o rompimento do tecido epitelial (pele). Este tipo de lesão é
suscetível de contaminação por microrganismos provindos do meio externo.

Luxação

10
É o estiramento anormal dos ligamentos e da cápsula articular, acompanhado por perda de contato das superfícies
articulares entre os ossos. Pode ser notado a olho nu, havendo um encurtamento do membro atingido.

TRANSPORTE DE VÍTIMAS

A imobilização da vítima tem por fim evitar lesões secundárias na vítima traumatizada, bem como, facilitar e dar
segurança para a mobilização da vítima. Para que seja feita a imobilização dorsal, ou seja, com a vítima deitada sobre a
tábua, os socorristas podem ser utilizados várias técnicas de rolamento e elevação.

Omissão de Socorro
• Segundo o Código Penal Brasileiro,
Brasileiro, qualquer indivíduo, mesmo o leigo na área da saúde (pertencente
a qualquer outra área de trabalho, ocupação ou estudo), tem o dever de ajudar um necessitado ou acidentado
ou simplesmente chamar ajuda para estes. Do contrário, sofrerá complicações penais.

Omissão de Socorro -"Artigo 135”


• Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou
extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses
casos, o socorro da autoridade pública:

Omissão de Socorro - Pena.


• Detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
• Parágrafo único. “A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza
grave, e triplicada, se resulta a morte."

O que falar no telefone ao pedir socorro?

* Identifique-se, dê o número do telefone de onde está ligando, dê uma boa referência do local do acidente,
número de acidentados, se possível faça um pequeno histórico do que aconteceu, esta ligação não é
cobrada, e pode ser feita de qualquer tipo de aparelho telefônico.

CADERNO DO ALUNO
(ANOTAÇÕES NO DECORRER DO TREINAMENTO)

11
“SUA VIDA DEPENDE DE SEUS ATOS PREVENCIONISTAS”

MOME DO MATR: EMPRESA: DATA: LOCAL DO TREINAMENTO:


COLABORADOR:

12

Você também pode gostar