Você está na página 1de 7

Ceramica preparo esmaltes

A QUEIMA DA ARGILA E A QUEIMA DA CERÂMICA COM ESMALTES

Esta matéria sobre queima de biscoito e de esmalte, é o procedimento que faço


em forno a gás, com 50 cm de diâmetro e 40 cm de altura.

São gráficos simples e de fácil interpretação até para os principiantes na arte


da queima.

GRÁFICO DA QUEIMA DA ARGILA PARA OBTER UM CORPO


CERÂMICO
Este gráfico é o que utilizo para acompanhar a queima em meu forno a gás. As
minhas peças estão sempre secas antes de iniciar a queima.

Quando é uma escultura muito grossa utilizo 1 hora e meia para atingir os
100°C.
Nem sempre coincide com o tempo acima descrito. Todo o trabalho é manual, e
do iniciante até o mais experiente nessa arte, a queima pode encerrar-se um
pouco depois.
Lembre-se, não é uma competição de quem faz queima em menor tempo. E,
em se tratando de arte o tempo é relativo. Se você dedicou tanto tempo na
elaboração da peça e curtiu todo o processo, porque não queimar mais lento,
sem ansiedade, vivenciar este momento tranquilamente, refletir que o fogo é
nosso amigo e cúmplice na finalização e nascimento da peça, desde que
saibamos respeitá-lo.

TÉCNICA DE QUEIMA DO BISCOITO EM FORNO A GÁS


Porque queimar?

As modelagens em argilas tornam-se objetos cerâmicos, de uso artístico ou


utilitário, após serem queimadas a uma temperatura superior a 600°C, quando
eliminasse a água química da argila e alteram-se suas características físicas. A
queima tem como finalidade:
- Alterar as características físicas das massas cerâmicas conferindo
durabilidade, resistência e impermeabilidade ao objeto cerâmico;
- Ampliar as possibilidades expressivas e poéticas das superfícies cerâmicas,
considerando às cores e texturas possíveis aos diversos tipos de massas, fornos
e queimas cerâmicas empregadas;
- Fixar e fundir os revestimentos utilizados na decoração e significação das
superfícies

O que acontece durante a queima?

O processo de queima pode ser dividido em etapas, de acordo com os


processos químicos e físicos envolvidos:

1° - eliminação da umidade:
Ocorre durante o processo de secagem ao ar livre, no ambiente do ateliê e
posteriormente dentro do forno antes dos 100°C. Toda a umidade da peça deve
ter sido eliminada antes de o forno ter atingido esta temperatura, para que as
peças não estourem devido à rápida expansão da água em vaporização.

2º - eliminação da água química:


Independentemente de ter removido toda a umidade do interior das peças
durante o processo de secagem e primeira etapa da queima, as argilas são
compostas basicamente de 2 moléculas de sílica + 1 de Alumina e 2 de água.
Quando o forno atingir 350°C , as reações químicas presentes eliminarão essa
água química que poderá explodir as peças caso a taxa de queima seja superior
a 100°C/hora.

3° - inversão da sílica:
A temperatura de 573°C , acontece inversão da sílica, que é uma mudança na
estrutura cristalina acompanhada por um aumento de volume. A maior parte
das peças que saem rachadas do formo muito provavelmente trincaram nessa
temperatura, mesmo quando a rachadura só aparece depois da queima
do esmalte.
.Jeremy Fiennes
in Cerâmica Arte da Terra, 1987

Como Queimar

A curva de queima depende do tamanho do forno, de sua taxa de ocupação, da


massa cerâmica empregada e da espessura e forma das peças presentes no
interior do forno.

Modelagens com paredes mais espessas necessitam de queimas mais lentas


para eliminar a umidade e a água química.

Fornos mais carregados apresentam uma inércia térmica maior que necessita
de uma maior quantidade de calor para atingirem uma mesma temperatura.

Massas cerâmicas sem chamote e pouco refratárias, se deformam mais


facilmente durante a secagem e na queima. Trincam mais facilmente quando
da inversão da sílica. Pratos e azulejos planos são mais propícios a deformações
e rachaduras do que as formas orgânicas dos vasos e recipientes cerâmicos.

É muito importante que você considere estes fatores para obter melhores
resultados em suas queimas cerâmicas, seja na escolha prévia das massas,
como na qualidade técnica de sua modelagem.

De maneira geral, se você fizer uma pré-secagem por 1 hora em 100 C°, e
depois queimar o forno a uma taxa de subida de 100°C/hora até a temperatura
de 600 C° e após esta temperatura 150 C°/hora até o final, você obterá ótimos
resultados.
Respeite as características do sistema de controle e medição de temperatura do
termopar e relógio utilizado.

CARUSTO CAMARGO
Professor do núcleo de disciplinas sobre cerâmica no Instituto de Artes da
UFRGS

O texto foi adaptado e direcionado para o processo de queima de biscoito em


forno a gás, que pratico há muitos anos, para atender
aos iniciantes nesta arte.
LU LEÃO
O processo de queima é uma das etapas mais importantes no processamento
dos produtos cerâmicos artísticos. É durante esta etapa que o material sofre as
reações e transformações químicas e físicas necessárias.

Na literatura existem muitas tabelas, em função do tipo de fornos e tamanhos.


Assim sendo, a tabela abaixo está adequada ao porte dos fornos que utilizo e a
utilização do gás.

Tabela de Queima do Biscoito

Principais transformações nos materiais cerâmicos

GRÁFICO DE QUEIMA EM FORNO À GÁS DA CERÂMICA COM ESMALTES


TEMPERATURA ATÉ 1000°C
Deixo claro que esta é minha forma pessoal de queima de esmaltes. Uma
atitude serena e ponderada, é o melhor método de obter sucesso neste
processo.

A queima de peças cerâmicas esmaltadas tem um ciclo de tempo e


temperatura diferente da queima de biscoito.

COMO PROTEGER A PLACA REFRATÁRIA DO FORNO DO ESMALTE

É importante colocar nas placas do forno, que vão receber as peças, uma
camada de caulim em pó de aproximadamente um centímetro de espessura
para evitar que algum esmalte ao escorrer grude na placa no forno, ou
esmaltes rústicos a base de bórax respinguem na placa.

Pequenos copos com esmalte transparente dentro e fora apoiados sobre pregos
comuns. Sobras da construção civil é um suporte bem barato!

LIMPEZA DA PLACA DO FORNO

Sempre que termino uma queima, retiro a placa e apoio sobre um pedaço
de jornal e com uma espátula removo todo o caulim, passo numa peneira
média para separar resíduos e volto a usar este mesmo caulim. Esta é uma
operação importante, porque evita a desagradável surpresa de ter restos de
esmaltes colados no fundo de uma peça.

Não há motivo para preguiça em realizar esta tarefa. Pense! Placas


refratárias são caras e conservá-las é uma grande economia.

Havendo restos de esmaltes na placa passe uma lixa grossa até eliminá-las.
EFEITOS DOS ESMALTES NO MOMENTO DA QUEIMA

A maioria das minhas peças recebe esmaltes rústicos, a base de bórax,


carbonato de sódio e vidro moído, os quais respingam sobre o caulim da
placa refratária.

Às vezes vidro com a intenção de escorrer sobre a peça fatalmente atingirá


a placa refratária.

Em outros momentos esmaltes que por conter muito chumbo, têm a


tendência de atingir a placa refratária.

Quando acho que escorrerá em excesso, coloco um pedaço de manta


cerâmica abaixo da peça e caulim por cima.

COLOCAÇÃO DAS PEÇAS ESMALTADAS DENTRO DO FORNO

Manter um espaço livre entre as peças. Não esqueça que durante a queima
o esmalte passa pelo processo de derretimento. Se as peças tiverem
contato entre si irão grudar-se.

TEMPO DE QUEIMA

A queima de esmalte com ponto de fusão até 1000°C, faço em 5 horas,


num forno de 50 cm de diâmetro por 40 cm de altura.

Este tempo depende sempre da área útil do forno.

O início da queima deve ser mais lento para permitir a evaporação da água
do esmalte. Observe a subida da temperatura no gráfico.

OBSERVAÇÃO

Está matéria faz parte da Apostila de Cerâmica que vendo. A pedido de


muitas pessoas do meio cerâmico que me consulta sobre o assunto, estou
publicando e, espero que possa ajudar a todos.

Você também pode gostar