Você está na página 1de 33

ZOOLOGIA DOS INVERTEBRADOS

TERRESTRES
SUMÁRIO

Zoologia dos Invertebrados Terrestres................................................................................................4


Características dos Grupos Invertebrados .......................................................................................... 4
Artrópodes ..............................................................................................................................................5
Insetos ....................................................................................................................................................5
Aracnídeos ou Quelicerados ........................................................................................................5
Miriápodes ..............................................................................................................................................6
Moluscos.................................................................................................................................................7
Platelmintos e Nematódeos ..................................................................................................................7
Anelídeos ................................................................................................................................................7
Invertebrados .........................................................................................................................................8
Principais características dos animais invertebrados ..............................................................10
Nudibrânquio ........................................................................................................................................11
Características Gerais .........................................................................................................................13
Anatomia e Fisiologia ..........................................................................................................................13
Classificação dos Artrópodes .........................................................................................................15
Crescimento e Mudas .....................................................................................................................16
Os Moluscos.........................................................................................................................................16
Onde vivem os moluscos ....................................................................................................................17
O corpo dos moluscos.........................................................................................................................18
Os platelmintos ....................................................................................................................................19
As planárias..........................................................................................................................................19
Nematelmintos .....................................................................................................................................22
Características dos Nematelmintos ...............................................................................................22
Doenças transmitidas pelos nematelmintos......................................................................................23
Anelídeos ..............................................................................................................................................24
Características Gerais.....................................................................................................................24
Estrutura Corporal .......................................................................................................................24
Sistema Digestório...............................................................................................................................25
Sistema Circulatório e Excretor .................................................................................................25
Respiração ...................................................................................................................................25
Sistema Nervoso .........................................................................................................................25
Reprodução .................................................................................................................................25
Classificação ....................................................................................................................................26
Representantes ...............................................................................................................................26
Minhoca ........................................................................................................................................27
Importância ecológica da minhoca ....................................................................................................27
Minhocuçu ............................................................................................................................................28
Tubifex ..................................................................................................................................................28
Sanguessuga .......................................................................................................................................29
Nereis ....................................................................................................................................................30
Exemplos de Animais Invertebrados .............................................................................................30
ZOOLOGIA DOS INVERTEBRADOS TERRESTRES

Zoologia é a ciência que estuda a vida animal. O estudo dos animais analisa as
diferentes características, estruturas, forma do corpo, desenvolvimento,
crescimento, reprodução, locomoção, e sistemas (digestório, respiratório,
circulatório, excretor, nervoso e etc.), além da ecologia (interação do organismo
com o meio) e evolução (surgimento e desaparecimento ou resquício de
alguma estrutura ou característica).

Os invertebrados são animais que não possuem coluna vertebral, nem


crânio. Eles representam grande parte da biodiversidade do planeta, uma vez
que representam cerca de 97% de todas as espécies conhecidas atualmente.

CARACTERÍSTICAS DOS GRUPOS INVERTEBRADOS

Importante destacar que os invertebrados não são um grupo e sim vários filos,
enquanto os vertebrados são todos agrupados no Filo Chordata. Os
invertebrados representam uma forma de diferenciá-los dos vertebrados,
devido à ausência de vértebras. Muitos dos filos de invertebrados são
aquáticos e alguns exclusivamente marinhos.

São considerados invertebrados terrestres aqueles que passam a maior parte


do seu ciclo de vida fora do ambiente aquático, nos solos e terras úmidas. Há
animais que passam pela água durante certas fases do seu desenvolvimento,
por exemplo: a ninfa da libélula (estágio da metamorfose) se desenvolve na
água.
Os principais filos de invertebrados terrestres são: Artrópodes, Moluscos,
Platelmintos, Nematódeos e Anelídeos.
ARTRÓPODES

O filo dos artrópodes agrupa animais com apêndices articulados e


exoesqueleto, que é uma carapaça constituída por quitina. São subdivididos
nos seguintes grupos: Crustáceos (animais aquáticos, exemplos: camarão e
siri), Insetos, Aracnídeos e Miriápodes.

INSETOS

Interações entre os insetos. Joaninha com pulgões e uma formiga no galho


Todos os insetos têm 3 pares de patas, um par de antenas e um ou dois pares
de asas(há espécies sem asas). Esse grupo é subdividido em vários subgrupos
chamados ordens. A ordem dos coleópteros é a mais numerosa, com cerca de
400 mil espécies de besouros e joaninhas. A seguir está a ordem dos
himenópteros com abelhas, formigas e cupins; depois vem os lepidópteros com
borboletas e mariposas. Há ainda ordens de percevejos, de cigarras, de
baratas, de libélulas, entre outras.

ARACNÍDEOS OU QUELICERADOS
Opilião, um animal aracnídeo
Essa classe é frequentemente confundida com a dos insetos, mas as
características gerais são diferentes. Agrupa animais com 4 pares de
patas, sem antenas nem mandíbulas, apresentam quelíceras, sendo assim
chamados de quelicerados. Os aracnídeos são quase exclusivamente
terrestres (poucas exceções), representados pelas aranhas, escorpiões,
opiliões, carrapatos e ácaros.

MIRIÁPODES

Lacraia, um exemplo de um quilópode.

São animais com cabeça pequena, corpo alongado e segmentado, e 2 pares


de antenas. São divididos em 2 grupos principais: Quilópodos e Diplópodos.
Os quilópodos tem o tronco alongado com segmentos variando entre 15 e
170, cada segmento tem um par de patas. Exemplos: centopéias e lacraias.
Os diplópodos tem um tórax curto e abdome longo segmentado, cada
segmento (entre 25 e 100) com dois pares de patas. Exemplo: piolhos-de-
cobra.
MOLUSCOS

Caracol de jardim, um molusco gastrópode.

Os moluscos possuem também grande número de espécies conhecidas. São


animais de corpo mole, com ou sem concha, e de vida livre com raríssimas
espécies parasitas. Os exemplos de moluscos terrestres são: caracol-de-jardim
e lesma.

PLATELMINTOS E NEMAT ÓDEOS

Representação de um cestódeo, exemplo de um verme platelminto que


comumente parasita o ser humano.
Os platelmintos e os nematódeos ou nematelmintos são filos de vermes.
Os platelmintos têm corpo achatado e são na sua maioria parasitas, que vivem
dentro do corpo de outros animais, mas há alguns de vida livre que habitam
solos úmidos, como as planárias. Os nematódeos são parasitas de corpo
cilíndrico, muitos deles de vida livre e dentre os parasitas conhecidos está à
lombriga.

ANELÍDEOS
Minhoca no solo, exemplo de um oligoqueto terrestre.
Esse filo é composto de animais que apresentam o corpo cilíndrico e alongado,
composto por anéis transversais, característica essa que nomeia o grupo. Além
disso, os anelídeos possuem cerdas corporais que ajudam na sua locomoção.
O grupo dos oligoquetas vive no solo úmido e em água doce, o exemplo são as
minhocas.

Os invertebrados são os animais que não possuem nem desenvolvem coluna


vertebral, característica definidora do subfilo Vertebrata (vertebrados). São
multicelulares, eucariontes e heterótrofos.
A diversidade do grupo é tão vasta que o termo INVERTEBRADO chega a
perder significado biológico por ser muito generalizado.

INVERTEBRADOS

Planárias podem viver ambientes terrestres, marinhos e de água doce. by


antmaro
Formam um grupo muito vasto que inclui todos os animais com exceção
dos vertebrados, agregando cerca de 97% das espécies animais conhecidas.
Somam, aproximadamente 1,5 milhão de espécies (GROSSO MODO).
Entendem-se geralmente como todos os animais multicelulares que não
têm coluna vertebral. O termo corresponde a dois dos três subfilos do filo
dos Chordata, os cordados: o subfilo Urochordata (urocordados) e o
subfilo Cephalochordata (cefalocordados).

Os mais antigos registros fósseis de animais encontrados são de


invertebrados. Os de 665 milhões de anos na formação de Trezona na
Austrália do Sul foram interpretados como sendo esponjas primitivas.

Fóssil de aranha. foto: Kevin Walsh

Alguns paleontólogos sugerem que os Invertebrados surgiram muito mais cedo,


possivelmente até um bilhão de anos atrás. Durante muitos séculos, os
invertebrados foram negligenciados pelos biólogos em favor de grandes
vertebrados e espécies “úteis” ou carismáticas.

A biologia dos invertebrados não foi um importante campo de estudo até o


trabalho de Lineu e Lamarck no século XVIII. Durante o século XX, a zoologia
de invertebrados tornou-se um dos principais campos das ciências naturais,
com descobertas proeminentes nos campos da medicina, da genética,
da paleontologia e da ecologia.

O estudo dos invertebrados também beneficiou a aplicação da lei, pois os


artrópodes, e especialmente os insetos, foram descobertos como fonte de
informação para os pesquisadores forenses.
DIAPREPES ABBREVIATUS fotografado no Caribe. by
maxpixel. Genética ecológica

Dada à natureza parafilética do agrupamento, alguns animais, como


os Chaetognatha, os Hemichordata, os Tunicata e os Cephalochordata,
apresentam um relacionamento filogenético mais próximo com os vertebrados
do que com os restantes invertebrados, o que aconselha o abandono da
designação na literatura técnica e científica por ausência de
significado taxonômico.

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS ANIMAIS INVERTEBRADOS

Além da evidente ausência de espinha dorsal, outras características podem ser


destacadas:

 Aeróbicos;

 Pluricelulares;

 Eucariontes;
NUDIBRÂNQUIO

Heterótrofos;

A maioria se reproduz de forma sexuada, ou seja, através de gametas, embora


haja quem faça reprodução assexuada;

Possuem tecidos e órgãos, com exceções dos filos mais simples como os
Poríferos;

A maioria tem simetria bilateral. Entretanto, os equinodermos têm simetria


radial e as esponjas normalmente não têm simetria.

EXEMPLOS DE ANIMAIS INVERTEBRADOS


Artrópodes – Filo muito diverso que inclui os Insetos (ex:
formiga); Aracnídeos: (ex: aranhas);
Miriápodes: (ex: centopéias);
Crustáceos: (ex: caranguejos);
Poríferos (ex: Esponjas-do-mar);
Cnidários (ex: águas-vivas);
Platelmintos: (ex: Tênia);
Nematódeos (ex: lombriga);
Anelídeos – (ex: minhocas);
Moluscos (ex: polvos);
Equinodermos (ex: estrelas-do-mar);

Artrópodes (FILO ARTHROPODA) são animais dotados de patas


articuladas e que possuem esqueleto
externo (exoesqueleto) nitidamente segmentado. Entre eles, besouros,
borboletas, aranhas, camarão, centopeia e piolho de cobra.
O grupo dos insetos tem a maior diversidade entre os animais, sendo os
besouros os mais comuns. Abaixo, exemplos dos outros grupos: escorpião
(aracnídeos), lagosta (crustáceos), lacraia (quilópodes) e piolho-de-cobra
(diplópodes).
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Todos os artrópodes possuem o corpo dotado de vários segmentos
e apêndices articulados, como patas e antenas, que possibilita movimentos.
Essa é a sua característica diagnóstica (identifica e diferencia os artrópodes
dos outros) e que dá o nome ao grupo, do grego ARTHROS: articulação
e PODOS:pés.
Além disso, esses invertebrados tem o exoesqueleto que
confere rigidez (permite sustentar o corpo) e impermeabilidade (tem uma
camada de cera em sua superfície, o que lhe permite viver em locais secos). O
exoesqueleto é constituído de quitina, um polissacarídio nitrogenado, e nos
crustáceos recebe deposições de carbonato de cálcio, tornando-se ainda mais
resistente.
Possuem corpo dividido em cefalotórax e abdome (crustáceos e quelicerados)
ou em cabeça, tórax e abdome (insetos e miriápodes), de acordo com o grupo.

ANATOMIA E FISIOLOGIA
Representação do sistema digestório de uma barata, com tubo digestório e os
cecos gástricos que auxiliam a digestão.

 O sistema digestório é completo (boca e ânus), com peças bucais


(mandíbulas, quelíceras, entre outras) adaptadas à alimentação, tubo
digestório com regiões diferenciadas e glândulas acessórias. A digestão é
extracelular;

Representação do sistema circulatório aberto de uma barata

 O sistema circulatório é aberto (lacunar), com um coração dorsal que


bombeia a hemolinfa (líquido sanguíneo) por espaços dentro do corpo;

 O sistema respiratório está presente e varia de acordo com o grupo: nos


crustáceos é feita por brânquias realizando as trocas gasosas entre a água e a
hemolinfa, nos insetos é por traqueias, que levam o ar direto aos tecidos e nos
aracnídeos por filotraqueias;

 O sistema nervoso é constituído por um par de gânglios cerebrais e um


cordão nervoso ventral com pares de gânglios distribuídos por segmento;

 O sistema excretor nos insetos é constituído pelos túbulos de Malpighi, nos


crustáceos por glândulas antenais (glândulas verdes) e nos aracnídeos além
dos túbulos de Malpighi há glândulas coxais;
 O sistema sensorial dos artrópodes é bem desenvolvido, todos possuem
pelos quimiorreceptores no corpo com função táctil, as antenas também tem
função táctil e os insetos e crustáceos possuem olhos compostos;

 A reprodução é sexuada (com presença de gametas) e a maioria dos


artrópodes é dioica (sexos separados). Em geral, nos crustáceos a fecundação
é externa e o desenvolvimento pode ser direto ou indireto com vários estágios
larvais, nos insetos e aracnídeos a fecundação é interna, sendo que nos
insetos o desenvolvimento pode ser direto ou indireto com ocorrência de
metamorfose completa ou gradual.
CLASSIFICAÇÃO DOS ARTRÓPODES
Dependendo da classificação adotada, o filo ARTHROPODA pode ser dividido
em categorias que reúnem os animais segundo características anatômicas
como números de patas e antenas. Atualmente, se utiliza também informações
genéticas e de parentesco evolutivo, sendo os artrópodes divididos em 3
subfilos: CRUSTACEA (separa os crustáceos em classes),
CHELICERATA (classe dos aracnídeos), HEXAPODA (classe dos insetos) E
MYRIAPODA (classe dos diplópodes e dos quilópodes). Veja a seguir esses
grupos:

 Hexápodes – a principal classe desse subfilo é a dos insetos, grupo com maior
diversidade entre os animais, que possui cerca de 900 mil espécies. Possuem
três pares de patas e dois pares de antenas, além de um ou dois pares de
asas. Exemplos: abelha, mariposa, gafanhoto, pulga, traça, barbeiro, mosquito;

 Quelicerados – a classe dos aracnídeos é composta de animais com quatro


pares de patas e sem antenas, no lugar de mandíbulas possuem quelíceras e
palpos, sendo assim chamados quelicerados, entre eles, Exemplos: aranha,
carrapato, escorpião, ácaro;

 Crustáceos – o subfilo é dividido em muitas classes, como


a malacostraca, entre eles, camarão, lagosta e caranguejo e a cirripedia, das
cracas. São animais marinhos, na sua maioria, e possuem geralmente 5 pares
de patas e 2 pares de antenas;

 Miriápodes – esse grupo é constituído de animais com muitas patas, sendo


mais conhecidas a classe dos diplópodes, entre eles, piolho de cobra ou
embuá (animais que têm entre 25 e 100 patas, sendo duas por segmento), e
dos quilópodes (entre 15 e 170 patas), entre eles, a lacraia ou centopeia.
CRESCIMENTO E MUDAS
Os artrópodes mudam de exoesqueleto constantemente para poderem crescer,
a que se dá o nome de muda ou ecdise. Na fase de crescimento o
exoesqueleto dos artrópodes se descola da epiderme e uma nova cobertura é
produzida sob a antiga.
Quando a nova carapaça está pronta, o exoesqueleto antigo se rompe
dorsalmente e o animal o abandona, nessa fase o animal fica temporariamente
envolto por uma cobertura pouco espessa e mole. Depois de completado o
crescimento, a nova carapaça se estabiliza, até a chegada de nova fase de
crescimento.

OS MOLUSCOS

Ao passear na areia de uma praia, muitas pessoas gostam de admirar e pegar


conchinhas trazidas pelas ondas.

Essas conchinhas são de diversos tamanhos, formas e cores. Muitas vezes, se


tornam bijuterias, pequenos enfeites, ou até mesmo elementos de uma
coleção.
Os moluscos têm uma composição frágil, são animais de corpo mole, mas a
maioria deles possui uma concha que protege o corpo. Nesse grupo,
encontramos o caracol, o marisco e a ostra. Há também os que apresentam a
concha interna e reduzida, como a lula, e os que não têm concha, como o
polvo e a lesma, entre outros exemplos.

A concha da ostra protege de predadores, da dissecação etc.

A concha é importante para proteger esses animais e evitar a perda de água.


Ela é produzida por glândulas localizadas sob a pele, uma região chamada
de manto.

Ela não é uma parte viva do corpo do molusco; conforme o animal aumenta de
tamanho, novo material é acrescentado à concha, que pode variar de forma e
tamanho e ser formada por uma ou mais peças.

ONDE VIVEM OS MOLUSCOS


Você pode encontrar moluscos no mar, na água doce e na terra. Por exemplo:
o caramujo e a lesma ficam em canteiros de horta, jardim, enfim, onde houver
vegetação e a terra estiver bem úmida, após uma boa chuva; ficam também
sobre plantas aquáticas em lagos, beira de rios etc.

O grande caramujo marinho vive se arrastando nas rochas ou areias no fundo


do mar. Já as ostras e o marisco fixam-se nas rochas no litoral, enquanto a lula
e polvo nadam livremente nas águas marinhas.

No tempo em que ainda não havia vida no ambiente terrestre, os moluscos -


com a sua concha protetora - já habitavam os mares. O caramujo do mar é
uma das espécies que têm 500 milhões de anos de história. Portanto ele já
existia há alguns milhões de anos antes dos peixes surgirem no mar. Fósseis
revelam que esses seres, atualmente pequenos, foram, no passado, bem
maiores, pois há concha fóssil de 2,5 metros.

O CORPO DOS MOLUSCOS

Como já vimos, os moluscos têm corpo mole. A sua pele produz uma secreção
viscosa, também conhecida por muco, que facilita principalmente a sua
locomoção sobre troncos de árvores e pedras ásperas, sem machucar o corpo.

O corpo desse tipo de animal é composto por: cabeça, pés e massa visceral.
A massa visceral fica dentro da concha e compreende os sistemas digestório e
reprodutor.
OS PLATELMINTOS

Os platelmintos são vermes que surgiram na Terra há provavelmente cerca de


600 milhões de anos.

Esses animais têm o corpo geralmente achatado, daí o nome do grupo:


platelmintos (do grego PLATY: 'achatado'; e HELMIN: 'verme').

Os platelmintos, que compreendem em torno de 15 mil espécies, vivem


principalmente em ambientes aquáticos, como oceanos, rios e lagos; são
encontrados também em ambientes terrestres úmidos. Alguns têm vida livre,
outros parasitam animais diversos, especialmente vertebrados.

Medindo desde alguns milímetros até metros de comprimento, os platelmintos


possuem tubo digestório incompleto, ou seja, têm apenas uma abertura - a
boca-, por onde ingerem alimentos e eliminam as fezes; portanto, não possuem
ânus. Alguns nem tubo digestório têm e vivem adaptados à vida parasitária,
absorvendo, através da pele, o alimento previamente digerido pelo organismo
hospedeiro.

Entre os muitos exemplos de platelmintos vamos estudar as planárias,


as tênias e os esquistossomos.

AS PLANÁRIAS

Medindo cerca de 1,5 cm de comprimento, esses platelmintos podem ser


encontrados em córregos, lagos e lugares úmidos. Locomovem-se com ajuda
de cílios e alimentam-se de moluscos, de outros vermes e de cadáveres de
animais maiores, entre outros exemplos.
Na região anterior do corpo da planária localizam-se a cabeça e os órgãos dos
sentidos: ocelos, estruturas capazes de detectar contrastes entre claro e
escuro, mas que não formam imagens; órgãos auriculares, expansões laterais
da cabeça capazes de perceber sensações gustatórias e olfatórias, auxiliando
o animal na localização do alimento.

O corpo é achatado dorsiventralmente e possui a boca localizada na região


ventral do corpo. O intestino da planária é bastante ramificado e atua digerindo
os alimentos e distribuindo para as demais partes do corpo.
A planária adulta é hermafrodita, isto é, apresenta tanto o sistema genital
feminino quanto masculino. Quando duas planárias estão sexualmente
maduras e se encontram, elas podem copular.

Após a troca de espermatozoides através dos poros genitais, os animais se


separam e os ovos são eliminados para o meio externo. No interior de cada
ovo, encerrado em cápsulas, desenvolve-se um embrião, que se transforma em
uma jovem planária.

As planárias tem grande poder de regeneração. Cortando-se o animal em


alguns pedaços, cada um deles pode dar origem a uma planária inteira.
Observe o esquema a baixo.
NEMATELMINTOS
Nematelmintos ou nematódeos (FILO NEMATODA) são vermes cilíndricos,
não segmentados, que incluem várias formas de parasitas, como as lombrigas
ou Ascaris e os vermes ancilóstomos, causadores do amarelão e da
elefantíase. Muitos dos nematelmintos se desenvolvem na água e no solo
úmido. Além dos nematelmintos, estes tipos de vermes estão distribuídos ainda
entre os anelídeos e os platelmintos.
CARACTERÍSTICAS DOS NEMATELMINTOS
Os nematelmintos possuem uma ampla cavidade cheia de líquido entre o tubo
digestivo e a parede corporal. Serve como “esqueleto hidrostático”, que
mantém a forma do animal e proporciona alguma sustentação. O líquido que
ocupa a cavidade corporal permite a distribuição de várias substâncias, como
nutrientes, resíduos e gases.
Digestão – os nematelmintos possuem um tubo digestivo completo, com boca
e ânus, permitindo o animal ingerir alimentos que tenham partículas, que são
processadas no interior do tubo digestivo.
Revestimento do corpo – possuem uma epiderme uni-estratificada, isto é,
formada por uma única camada de células. Tem uma cutícula espessa e pouco
distensível, que nos parasitas, os protege da ação das enzimas digestivas do
hospedeiro. Sob a epiderme há uma camada muscular, cujas fibras se dispõem
longitudinalmente.
Sistema nervoso – do tipo ganglionar, é formado por dois cordões
longitudinais, um dorsal e outro ventral.
Sistema excretor – é formado por dois canais longitudinais, dispostos um em
cada lado do tubo digestivo.
Reprodução – na cavidade corporal, alojam-se as gônadas: testículos ou
ovários. O sistema reprodutor da lombriga é bastante desenvolvido, podendo
produzir milhões de óvulos. Não têm nenhum tipo de cílio e os
espermatozoides deslocam-se por movimentos ameboides.

DOENÇAS TRANSMITIDAS PELOS NEMATELMINTOS


Ascaridíase – o parasita é o ASCARIS LUMBRICOIDES, que mede, 15 cm a
30 cm. Habita no intestino delgado, onde vive dos alimentos ingeridos pela
pessoa parasitada. O ser humano infectado elimina ovos para o meio
ambiente. A infecção ocorre pela ingestão de água e de alimentos,
principalmente verduras contendo ovos embrionários.
Ancilostomíase (amarelão) – os parasitas são o ANCYLOSTOMA
DUODENALE e NECATOR AMERICANUS, que medem cerca de 10 mm.
Vivem aderidos à mucosa do intestino delgado da pessoa parasitada, onde se
alimentam do sangue. Os ovos são eliminados pela pessoa parasitada, se
transformam em larvas. Penetram através da pele, alcançam as veias e
chegam ao coração, daí seguem para os pulmões. A anemia é o principal
sintoma dessa parasitose.
Filariose ou elefantíase – o parasita é o WUCHERERIA BANCROFTI. Os
vermes adultos provocam inflamação dos vasos linfáticos, impedindo a
drenagem de linfa. O acúmulo de linfa produz inchaço nos pés, pernas, mamas
e bolsa escrotal. É transmitida pelo mosquito, que ao picar uma pessoa
infectada, espalha as larvas para outras pessoas.
Bicho-geográfico (Larva migrans cutânea) – transmitida pelo
parasita ANCYLOSTOMA BRASILIENSE. Parasita do intestino de gatos e
cães. Os ovos eclodem na areia e podem penetrar na pele humana sem,
contudo atingir a circulação. A larva provoca lesão de contorno irregular,
semelhante a um mapa.

ANELÍDEOS

Os anelídeos são animais invertebrados de corpo mole, alongado, cilíndrico e


dividido em anéis, apresentando uma nítida segmentação.
O filo ANNELIDA apresenta 15 mil espécies, encontradas na água doce ou
salgada e em solo úmido. Os principais representantes dos anelídeos são as
minhocas e as sanguessugas.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Os anelídeos são animais triblásticos, celomados e com simetria bilateral.
ESTRUTURA CORPORAL
O corpo dos anelídeos é composto por anéis (metâmeros) e revestido
por celoma.
O celoma é uma cavidade corporal que se localiza no interior da mesoderme. É
preenchido por um líquido chamado de fluido celômico, onde se alojam as
vísceras do animal.
Na ausência de esqueleto, o celoma fornece a sustentação do corpo e auxilia
na locomoção.
SISTEMA DIGESTÓRIO
Os anelídeos apresentam sistema digestório completo. Os órgãos digestivos
em sequência são: a boca, o papo, a moela, o intestino e o ânus.
O alimento fica armazenado no papo, segue para a moela onde é triturado e no
intestino ocorre a absorção dos nutrientes.
O modo de alimentação varia conforme a espécie, mas podem ser herbívoros,
carnívoros e hematófagos.
SISTEMA CIRCULATÓRIO E EXCRETOR
Os anelídeos possuem sistema circulatório fechado. Isso quer dizer que o
sangue corre dentro de vasos. No sangue encontra-se a proteína hemoglobina,
porém sem hemáceas.
O sistema circulatório é composto por dois vasos, um dorsal e outro ventral,
além de um conjunto de vasos contráteis, que podem ser comparados aos
corações.
Esses animais apresentam um par de nefrídios por segmento, os quais são
responsáveis por retirar as excretas do sangue e do celoma.
RESPIRAÇÃO
A pele fina e úmida dos anelídeos permite as trocas gasosas com o ambiente,
o que caracteriza a respiração cutânea.
Os anelídeos aquáticos realizam a respiração branquial.
SISTEMA NERVOSO
O sistema nervoso é do tipo ganglionar. É composto por um par de gânglios
cerebrais, de onde partem dois cordões nervosos ventrais.
Ao longo dos cordões, há um par de gânglios em cada anel.
REPRODUÇÃO
A reprodução dos anelídeos pode ser de forma assexuada ou sexuada.
Com exceção dos poliquetos que são dióicos, os demais anelídeos são
monóicos (hermafroditas).
No caso dos monóicos, como a minhoca, existe uma porção do corpo que
auxilia na reprodução, o clitelo.
O clitelo é um anel mais claro que libera um muco que ajuda na fixação de
duas minhocas no momento da fecundação.
Como ocorre a reprodução:

1. As minhocas se colocam lado a lado e se unem, com as extremidades opostas,


ou seja, orifício genital masculino com receptáculos seminais de cada uma;

2. Nessa posição, os espermatozoides são liberados diretamente no receptáculo


seminal;

3. As minhocas se separam, cada uma carregando os espermatozoides da outra;

4. Enquanto isso, os óvulos amadurecem e são eliminados no casulo, formado


pelo muco secretado pelo clitelo;

5. O casulo recobre a região do clitelo e conforme o movimento do animal,


começa a se deslocar para a extremidade anterior;

6. Ao passar pelo receptáculo seminal, os espermatozoides que estavam


armazenados são eliminados sobre os óvulos, ocorrendo a fecundação;

7. Após isso, o casulo termina de se deslocar e desprende-se do corpo da


minhoca e fecha-se;

8. No casulo que foi liberado os ovos desenvolvem-se dando origem as novas


minhocas.
CLASSIFICAÇÃO
Os anelídeos são classificados em três grupos, conforme a presença e
ausência de cerdas.

 Oligoquetas: Apresentam cerdas curtas e em pouca quantidade. São


hermafroditas, encontrados meio terrestre úmido ou aquático. Exemplos:
minhocas, tubifex e minhocuçu.

 Hirudíneos ou Aquetas: Não apresentam cerdas. Vivem em meio aquático ou


terrestre úmido. São hermafroditas. Exemplo: sanguessuga.

 Poliquetas: Apresentam cerdas evidentes. Vivem em meio aquático.


Exemplos: nereis e tubícolas.
REPRESENTANTES
Conheça os principais representantes dos anelídeos:
MINHOCA
As minhocas apresentam pele fina e úmida. Alguns anéis mais próximos da
boca apresentam coloração mais clara e constitui o clitelo, utilizado na
reprodução.

As minhocas vivem em solo úmido

A respiração das minhocas é cutânea. Na parte ventral, percebe-se certa


aspereza pela presença de cerdas minúsculas, que servem de ponto de apoio
quando o animal se desloca no solo.
As minhocas são hermafroditas e apresentam fecundação cruzada. Na época
da reprodução, saem da terra à noite e, emparelhando seus corpos em sentido
contrário, prendem-se com o auxílio de cerdas e do clitelo, realizando a troca
simultânea do espermatozoide.

IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA DA MINHOCA

As minhocas vivem no solo, especialmente em áreas com cobertura vegetal,


matéria orgânica abundante e muita umidade.
Elas são reconhecidas pela sua importância no solo, pois cavam túneis e
galerias que permitem a penetração do ar e da água no terra. Isso facilita o
desenvolvimento das raízes das plantas.
Além de ingerirem material orgânico do solo, também eliminam as fezes,
contribuindo para a fertilidade com a produção do húmus.
MINHOCUÇU

O minhocuçu é uma espécie de minhoca que pode alcançar até dois metros de
comprimento. Pode-se dizer que é uma minhoca gigante.

Minhocuçu conhecido por minhoca gigante

Apresenta coloração que varia de preto a vermelho. Na reprodução, cada ovo


pode gerar de dois a três filhotes.

TUBIFEX

O tubifex é um gênero de anelídeos de água doce, também encontrados em


águas poluídas e pouco oxigenadas. Eles medem em torno de 1 cm e podem
formar colônias.
Tubifex vivendo em colônias
Alimentam-se de detritos que se depositam no fundo dessas águas. Eles são
utilizados como alimento para peixes ornamentais.

SANGUESSUGA

A sanguessuga vive no meio aquático e se alimenta do sangue de outros


animais. Pode alimentar-se por bastante tempo sem ser notada, pois produz
uma substância de ação anestésica.
Possui duas ventosas, uma na região da boca e outra na região anal, que
garantem fixação enquanto se alimenta.

A sanguessuga pode ser usada em tratamentos médicos

IMPORTÂNCIA MEDICINAL DA SANGUESSUGA


As sanguessugas já foram utilizadas para realizar sangrias. Elas costumavam
ser aplicadas durante um tempo na pele dos pacientes, a fim de que sugassem
uma quantidade suficiente de sangue e depois eram retiradas. Usava-se para o
tratamento de hipertensão arterial e do enfisema pulmonar.

NEREIS

O nereis é um predador que se desloca no fundo do mar, por movimentos


laterais, a procura de pequenos animais.
Têm na cabeça várias estruturas sensoriais e um par de mandíbulas,
localizadas próximo à faringe.

De acordo com o local onde vivem, alguns invertebrados


são terrestres (formigas, caracóis, minhocas), muitos voam (moscas,
joaninhas, gafanhotos). Além disso, alguns vivem no corpo humano e de outros
animais: são chamados parasitas(pulga e piolho).

EXEMPLOS DE ANIMAIS INVERTEBRADOS


Os animais invertebrados são divididos em diversos filos, são eles: poríferos,
cnidários, platelmintos, nematelmintos, moluscos, anelídeos, artrópodes e
equinodermos.
Exemplos de animais invertebrados

Exemplos de animais invertebrados

Exemplos de animais invertebrados

Exemplos de animais invertebrados

Exemplos de animais invertebrados

Exemplos de animais invertebrados


Exemplos de animais invertebrados

Exemplos de animais invertebrados

Referências:

Morato, E.F. & L.A.O. Campos. 2000. Efeitos da fragmentação florestal sobre vespas e abelhas solitárias
em uma área da Amazônia Central. Revista Brasileira de Zoologia 17: 429- 444.

Guedes, A. C. (coord.). 1998. Conservação Ex situ. Relatório do Grupo de Trabalho Temático 3 sobre o
Artigo 9 da Convenção sobre Diversidade Biológica. Brasília. Coordenação Nacional de Diversidade
Biológica (COBIO) do Ministério do Meio Ambiente. 43 p. (Estratégia Nacional de Diversidade Biológica).

Brandão, C. R. F. & Cancello, E. M. (eds) 1999. Invertebrados Terrestres. vol. V Biodiversidade do Estado
de São Paulo. Síntese do conhecimento ao final do século XX (Joly, C. A. & Bicudo, C. E. M. orgs). São
Paulo, FAPESP. xviii + 279 p.

Simone, L. R. L. 1999. Mollusca terrestres. In: Brandão, C. R. F. & Cancello, E. M. (eds) Invertebrados
Terrestres. vol. V Biodiversidade do Estado de São Paulo. Síntese do conhecimento ao final do século XX
(Joly, C. A. & Bicudo, C. E. M. orgs). São Paulo, FAPESP. xviii + 279 p.

Righi, G. 1971. Sobre a família Glossoscolecidae (Oligochaeta) no Brasil. Arquivos de Zoologia 20 (1) 1-
95.

https://www.todamateria.com.br/animais-invertebrados/