Você está na página 1de 7

AS LIÇÕES DE NEEMIAS

(Ne.1.1). Servindo ao Senhor na restauração de Jerusalém.

Após o final do exílio na Babilônia e a conquista daquele império pela Pérsia, muitos
judeus ali permaneceram. Por este motivo, encontrava-se Neemias na cidade de
Susã, no ano 445 a.C., trabalhando como copeiro do rei Artaxerxes Longímano

- Certo dia, lhe trouxeram notícias de Jerusalém. A cidade estava assolada, com
seus muros derrubados e as portas queimadas.

- A situação de Neemias - no palácio era excelente. Ele poderia ter ficado


indiferente ao sofrimento do seu povo na Palestina. Entretanto, pranteou.

De imediato, aprendemos algumas lições com aquele homem de Deus:

1. - Não podemos olhar apenas para nossa condição pessoal, quando muitos
estão sofrendo,

a) Não podemos ser insensíveis e indiferentes. Entretanto, as emoções não


representam um fim em si mesmas, senão apenas o início de um longo processo.
Neemias, não apenas chorou, mas também orou e jejuou (Ne.1.4-5).

b) Ele sabia que a realidade natural era resultado de fatores espirituais.

c) Em muitas situações, a oração não deve ser um ponto final, mas apenas uma das
providências a serem tomadas. Depois da oração, Neemias partiu para a ação,
solicitando permissão ao rei para se retirar por algum tempo a fim de conferir a
condição de Jerusalém e reconstruir a cidade.

2.- Ele tinha visão do que poderia ser feito diante da crise e estabeleceu um
projeto ambicioso. O exemplo de Neemias nos adverte para outro risco:

a) Não podemos agir sem orar,principalmente em momentos de importantes


decisões. Quem age por conta própria assume sozinho a responsabilidade pelos
resultados, dispensando o auxílio divino.

b) O teor da oração de Neemias nos ensina sobre o valor do arrependimento e da


confissão (Ne.1.6), embora, naquele caso, os principais pecados tenham sido dos
pais, cujas consequências afetaram a vida dos filhos. É o que se nota pelo fato de
ter Neemias, ao que tudo indica, nascido na terra do cativeiro.

c) O pecado precisa ser removido, confessado e perdoado, para que a restauração


aconteça.
d) Neemias estabeleceu como sua meta mais importante a reconstrução das
muralhas. Não se pode fazer tudo ao mesmo tempo. Portanto, é necessário que
estabeleçamos prioridades.

3. - PROTEÇÃO - Já fazia muitos anos que os cativos tinham começado a voltar à


sua terra. O templo já havia sido reconstruído. Entretanto, pela ausência dos
muros, a vulnerabilidade era total. Os inimigos entravam e saíam de Jerusalém
quando bem entendiam. Assim, todas as ações dos judeus ficavam prejudicadas.

a) Em nossas vidas, também precisamos construir muros. É necessário que


percebamos por onde o inimigo tem entrado para que ali coloquemos um bloqueio,
uma barreira.

b) O cristão não pode ser aberto a toda e qualquer influência. Não podemos aceitar
tudo o que nos é proposto, recebendo qualquer doutrina ou costume, acreditando
em tudo e em todos.

c) Precisamos construir muros, que são nossas atitudes de rejeição e resistência às


investidas do maligno.

d) Os moradores de Jerusalém poderiam dizer: "Não precisamos de muros, pois


Deus

nos guardará". Eles não disseram isso. Sabiam que a responsabilidade humana não

pode ser transferida para Deus, mas apenas compartilhada.

4. - LIMITES - "Como a cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem
que não pode conter o seu espírito." (Pv.25.28). Muros representam limites. Além
de barreira contra o inimigo, são medidas de domínio próprio.

Não podemos ser indefesos e vulneráveis. Os muros escondem e, ao mesmo tempo,


protegem o que há de valor dentro da cidade. Quem quer aparecer demais corre o
risco de abrir mão de vários fatores de proteção. Estar protegido é estar oculto,
evitando a exposição desnecessária. Nem tudo é para ser mostrado, revelado ou
compartilhado.

5. – TRABALHO - Construir uma muralha de pedras ao redor da cidade seria um


empreendimento dos

mais difíceis. Neemias e os que com ele estavam precisavam trabalhar muito.

a) Nós também devemos estar dispostos para o esforço e o trabalho árduo.


Neemias orava sempre (Ne.1.4; 2.4; 4.4,9; 5.19; 6.9) e nós devemos orar também,
mas a oração não substitui o trabalho.

b) Deus fará o que não está ao nosso alcance. Quanto ao mais, ele abençoará a obra
das nossas mãos. Aquele servo de Deus poderia ter orado dizendo: "Senhor, envia
os anjos construtores para que levantem esta muralha".

6. – OPOSIÇÃO - Logo que os judeus começaram a edificar os muros, os inimigos


se manifestaram para tentar impedir que a obra fosse adiante (Ne.4.1). O texto
nos diz que Tobias (amonita), Sambalate (governador da Samaria) e Gesén (árabe)
ficaram irados e criticaram os edificadores. Havia ali motivos étnicos, políticos e
religiosos. Em nenhum momento, houve um ataque armado contra os judeus, mas
muitas palavras foram usadas para intimidá-los.

a) Os obreiros foram criticados, chamados de fracos.

b) A obra foi criticada. Disseram que uma simples raposa derrubaria o muro que
estava sendo levantado (Ne.4.3).

c) Houve questionamento, acusação, calúnia, fofoca, ameaças (Ne.4; Ne.6).

d) Cartas foram escritas e falsos profetas subornados para tentarem interferir na


obra de Neemias (Ne.6).

e) Palavras são armas. Não podemos nos esquecer disso. Uma palavra pode
`derrubar' uma pessoa e destruir projetos e relacionamentos. Esta é uma das
principais estratégias de Satanás no combate ao povo de Deus. Quando Jesus foi
tentado no deserto, o inimigo usou palavras, com sofismas, propostas e
questionamentos na intenção de induzi-lo ao erro (Mt.4). As afirmações malignas
são contra o nosso caráter, capacidade, vocação, de modo que fiquemos
desanimados e desistamos da missão que o Senhor nos confiou. Neemias não deu
ouvidos ao que o inimigo dizia.

Na época de Neemias, os muros de Jerusalém estavam completamente


destruídos e a cidade não tinha mais nada, a não ser um monte de
pedras sobre pedras. E a igreja estava totalmente afastada dos caminhos
do Senhor, sem nenhuma pessoa firme para testemunhar do Deus vivo.
Que situação terrível! A opressão ao redor de Israel era tão grande que
todos aqueles que queriam reconstruir suas vidas, eram zombados e
desestimulados a trabalhar.

E o que Deus fez para acabar com tanta destruição, humilhação e falta
de esperança daquele povo? Será que Ele enviou um exército de
homens fortes e valentes para ajudá-los? Não! Deus levantou apenas um
homem - Neemias. Mas afinal, quem era esse homem?
Neemias era uma pessoa comum, que servia como copeiro do rei da
Pérsia, no meio de pessoas ímpias, que ignoravam a Palavra de Deus.
Mas ele não se contaminou com a maldade que estava ao seu redor. No
meio de tanto pecado, imoralidade, sensualidade e ausência de Deus,
Neemias permaneceu firme na caminhada santa com Deus. E quando
ouviu falar que Jerusalém estava destruída, ele ficou extremamente triste
e sem forças para fazer qualquer coisa. Mas esse fardo pesado que
entrou no seu coração, fez com que ele passasse a maior parte do tempo
todo orando, jejuando e chorando. Ele estudou a Palavra de Deus com
intensidade, sempre buscando entender o porquê de tudo aquilo ter
acontecido. Até que, no tempo certo, Deus lhe abriu uma porta, de forma
sobrenatural, para que ele fosse ajudar o seu povo a reconstruir os
muros destruídos.

Logo que Neemias encontrou-se com os sobreviventes daquela tragédia,


ele começou a pregar e dizer o que Deus havia colocado em seu
coração. As pessoas começaram então a se arrepender e um
avivamento começou a despertá-las para a santidade. Veja: "Os
sacerdotes e os levitas se purificaram cerimonialmente, e depois purificaram
também o povo, as portas e os muros." (Neemias 12:30) A casa de Deus
também passou por mudanças. Neemias enviou trabalhadores para
dentro do templo, dizendo-lhes palavras como estas: "Eu quero que cada
lixo seja levado para longe daqui! Não quero nada aqui dentro que tenha a ver
com idolatria ou sensualidade" (ver Neemias 13:8-9).

Meus irmãos, essa é a receita para o avivamento! A transformação que


tanto queremos em nossas vidas e nas pessoas ao nosso redor,
acontece quando jogamos fora tudo o que “não presta” em nosso
coração. Todo pecado escondido, todo pensamento impuro e as obras
da carne que ainda não foram transformadas pelo Espírito Santo
(Gálatas 5:19-21). Deus não quer mais nenhuma brecha e nenhum lugar
escuro dentro de nós! Nós fomos salvos por Jesus Cristo, para sermos
luz do mundo e andarmos em santidade, pois Deus é santo e Ele quer
que sejamos parecidos com Ele.

Mas aonde Neemias conseguiu tanta autoridade espiritual para fazer


pessoas sem compromisso tremerem de medo da condenação e
voltarem a priorizar as coisas de Deus? Será que ele aprendeu isso com
o rei da Pérsia, seu antigo patrão? Não! Ele aprendeu com algum líder da
igreja? Não! Ele aprendeu em um seminário ou escola bíblica dominical?
Também não! Neemias recebeu essa autoridade e ousadia, de joelhos,
orando, chorando e pedindo para conhecer o coração de Deus. Ele não
sabia o que fazer, a não ser depender totalmente da misericórdia de
Deus. E como ele era um homem separado, que não brincava com o
pecado, ele pôde confessar os pecados de toda a sua nação.
NT- Nome: Neemias (cujo significado é "Javé consola, conforta");Nome do pai:
Hacalias nascimento: por volta de 480 a.C. local de Nascimento: Susa (antiga
capital Pérsia; copeiro de rei, um cargo de confiança do rei (Como José Gn,
40.21).O Livro de Neemias é, acentuadamente, autobiográfico, e é o último livro
histórico do Velho Testamento e revela, admiravelmente, o caráter de Neemias.
Ele nasceu no exílio, e veio a ser o copeiro-mor do poderoso rei Artaxerxes,
vivendo confortavelmente no castelo de Susã, em circunstâncias com o melhor que
poderia desejar, contudo seu coração estava na cidade arruinada de seus pais.
Neemias renunciou à vida de comodidade e bem estar, com todas as suas
vantagens, pela chamada de Deus à uma vida de trabalho, de perigos, e de serviço
doloroso próprio de um autêntico reformador. O livro um homem patriota,
corajoso, destemido e empreendedor; um homem de oração, trabalhador
incansável, que temia a Deus . A administração de Neemias se projeta pelo espaço
de 36 anos e o livro se inicia e termina em oração.
 O contexto da atuação de Neemias
I- Contexto político: O Antigo Oriente Médio era dominado pela Pérsia que possuía
uma organização que dividia o seu amplo território em várias regiões para facilitar
a administração do império.
 Porém, a função ocupada por Neemias mudou de copeiro a governador por
um tempo limitado (Ne 2.6,9; 3.7). Enfim, Neemias recebe, do rei
Artaxerxes I , a missão de fortalecer a comunidade de Jerusalém e
prepará-la para reconstrução; reorganizar o povo - assentá-lo na terra e
na cidade; disciplinar o povo sob a Tora; detectar abusos na
administração política, na prática religiosa; na economia., pois desde o exílio
de (587 a.C.), Jerusalém não abrigava o governo e, consequentemente, não
mais possuía força e poder político.
II. Contexto social- A Injustiça e exploração entre os próprios judeus; crescia a
desigualdade entre as famílias; aumentava o desejo de lucro pessoal; a volúpia do
lucro também contaminava os sacerdotes; Miséria; Humilhação; Muralhas em
ruínas; O povo está confuso. A Pérsia imprimiu um novo ritmo administrativo e
cultural: os valores religiosos dos judeus estão sendo questionados. A prática
comercial dos persas prejudica a reconstrução e formação sócio-cultural do povo
judeu. Entre o povo, havia falta de identidade de fé: assimilação de outras práticas
religiosas; dificuldades com os casamentos mistos; alianças por interesses
econômicos;
SEGUNDA PARTE; Vida e obra de Neemias
 Momento decisivo na vida de Neemias
A. Ao receber notícias de Jerusalém: Em dezembro de 446 a.C., quando recebeu
notícias de Jerusalém (Ne 1.2-4); então em grande miséria e humilhação; os muros
de Jerusalém estão derribados, e as suas portas queimadas a fogo" (Ne 1.3).
Reação de Neemias: Ao ouvir essa notícia, Neemias sentou, chorou, ficou de luto
vários dias, jejuou e orou a Deus diante do rei Artaxerxes, Neemias se declara
profundamente triste com a situação em Jerusalém e solicita ao rei enviar-lhe a
Jerusalém, em missão (Ne 2.4-5).o rei permitiu a viagem de Neemias com todo
apoio logístico (Ne 2.6-8) tendo percorrido cerca de 1600 Km

Nada parou Neemias, sofreu muita oposição dos inimigos, mas ele ficou firme em
seu proposito e terminou a grande obra em apenas 52 dias. O Projeto não era de
Neemias era de Deus, era vontade de Deus. Deus tem grande objetivos para nossa
vida, por isso devemos pensar GRANDE, mais que o sentido material que muitos
tem feito atualmente, mas ver que grandes coisas o Senhor tem a fazer em nossa
vida, nossa igreja, nossa família, nosso casamento, etc
Peça ajuda a Deus. Fale com Deus dos seus sonhos. Deus é grande. Peça ajuda a
Deus. O Senhor vai renovar suas forças. Neemias fazia parte do grupo de pessoas
que fazem acontecer. Em meio ao caos a crise, ele conseguiu visualizar a cidade
restaurada. Ele sabia que a mão do Senhor estava com ele e por isso a vitória seria
apenas uma questão de trabalho, tempo e submissão à vontade de Deus (6.3).Por
ser um homem visionário, Neemias tornou-se o maior defensor da restauração dos
muros de Jerusalém. Por intermédio de sua motivação, empenho e visão, a realidade
dos habitantes de Jerusalém mudaria para sempre. Uma pessoa faz a diferença
Nossas igrejas precisam de homens e mulheres de visão. Pessoas que consigam ver
o que poucos conseguem ver. Precisamos orar todos os dias conforme cantamos:
“Abre meus olhos, dá-me tua visão, Senhor”.

(b) a importância do ensino da disciplina divina (Ne 13.17-18)- O ensino da


palavra de Deus Edifica, fortalece, consola, encoraja, dá a visão, muda nossos
caminhos, vimos que na época o povo havia se desviado do caminho de Deus por ter
deixado de lado sua palavra e assim tinham práticas religiosas que desagradavam a
Deus; casamentos mistos de modo que seu filhos nem mais falavam a língua de
Israel; alianças por interesses econômicos que exploravam os mais pobres e assim
precisavam de mudança, de transformação que somente ocorreria quando
aprendessem com a Palavra do Senhor. Foi o que Neemias propôs fazer mudar
usando da palavra de Deus, na de Leis ou conselhos, mas com o ensino. Precisamos
aprender com a Palavra (Conferencia Bíblica), seja na leitura particular, seja na
igreja e isto é um dos motivos que vamos a igreja, para sermos confrontados pela
Palavra, não por que o culto é bonito, me sinto aliviado (ainda que ocorra), mas as
vezes vamos sair tristes ao sermos confrontados com nosso modo vida. Deixe a
Palavra de Deus impactar sua vida.

(c) a importância da ética (Ne 5.1-12,15). No contexto da crise econômica pelo


qual eles passavam, muitos ricos exploravam seus irmãos ao ponto de não somente
tomar a terra, mas até toma-los como escravos. Quanto é importante a ética,
nesses tempos quanto muitos querem passar a perna no outro! Querem levar
vantagem em tudo, sejam dando golpes, mentido para vender, troco a mais, vaga de
idoso ou deficiente, sonegação, passar debaixo da roleta, compra atestado. Muitas
vezes criticamos a corrupção dos políticos, mas e a corrupção do cotidiano?.
Honestidade: Faça o que é certo, não o que é fácil, A honestidade nunca sai de
moda!-Honestidade é o primeiro passo para mudanças verdadeiras. (Dando um jeito
no jeitinho). Somos desafiados a sermos éticos em todas as atitudes de nossa vida.

CONCLUSÃO: Podemos tirar várias lições da vida e da ação de Neemias, dentre


elas que devemos ser conduzidos pelos ensinos bíblicos; de ter a visão de Deus para
nossa vida e na obra de Deus e ainda sermos sempre éticos em nossa conduta e que
Deus nos abençoe.
O Que Podemos Aprender?
Algo importante aconteceu naquele dia em Jerusalém: naquele reavivamento as
pessoas perceberam que Deus e o pecado não andam juntos; e isso resultou
também em relações transformadas entre os membros da comunidade pós-exílica.
Estas são algumas lições que podemos extrair do reavivamento de Neemias:
1. O reavivamento não é um evento que acontece uma só vez, mas é uma decisão
constante e consciente. Lemos a respeito de outros reavivamentos na comunidade
pós-exílica (ex. Ed 3 e 10), e antes disso temos muitos exemplos de reavivamento
em épocas anteriores. O reavivamento precisa ser um compromisso diário.
2. O reavivamento deve estar baseado nas Escrituras, e não em emoções e música
de fundo adequada ou dinâmica de grupo. Quando o povo de Deus se depara face a
face com a revelação divina, olha no espelho da Palavra de Deus e reconhece quem
realmente é (sim, somos pecadores), o reavivamento acontece.
3. O reavivamento entre o povo de Deus envolve uma comunidade: homens e
mulheres, jovens e velhos, ricos e pobres – todos se uniram para ouvir a Palavra – e
responderam como comunidade. Mesmo que seja verdade que o reavivamento
pessoal é um compromisso diário, há momentos-chave na vida de uma igreja em que
a força propulsora do reavivamento pessoal é o que leva ao reavivamento do grupo.
4. O reavivamento não está focado no líder. Sim, Neemias e Esdras foram líderes
fortes e se importaram muito com Jerusalém e seus problemas. Mas conseguiram ir
adiante somente quando os outros entenderam e assumiram o mesmo propósito.
Eles conduziram, mas não geraram o reavivamento.
5. O reavivamento tem uma visão ampla e evita distrações externas. Tenho certeza
de que os inimigos de Jerusalém queriam que a cidade se concentrasse em seus
problemas. No entanto, em vez disso, a comunidade de fé dirigiu sua atenção à
Palavra de Deus e à Sua mensagem para aquele momento.

Interesses relacionados