Você está na página 1de 3

O PERDÃO

POR QUE É TÃO DIFÍCIL PERDOAR?


• Somos seres ainda muito imperfeitos, com muito orgulho e egoísmo.
• Temos grande dificuldade em colocarmo-nos no lugar do outro.
• Temos dificuldades imensas em comunicarmo-nos. (expressar-nos e interpretar os outros)
• Percebemos mais os defeitos dos outros, o que nos impede de compreendê-los. (mochilas)
• Não aceitamos as pessoas como elas são. (ilusão X desilusão)
• Vivemos inúmeras encarnações considerando o perdão, a indulgência, a bondade como
expressões de fraqueza e covardia:
 É coisa de gente fraca, medrosa e boba
 Ter vergonha na cara
 Ter sangue nas veias
 Não levar desaforo para casa
 Defesa da honra e da dignidade
 Difícil não é aprender coisas novas. Difícil é desaprender hábitos antigos.
POR QUE DEVEMOS PERDOAR?
• Facilitar a convivência
Gerar confiança - harmonia - alegria
• Sentir leveza
O perdão traz um grande alívio para quem perdoa. Nem sempre para quem é perdoado.
‘O PERDÃO É SEMPRE PARA QUEM PERDOA.’ Divaldo Franco
• Despertar para a realidade
‘A ILUSÃO É ANESTÉSICO DA ALMA.’ Joanna de Ângelis
Quando não perdoamos pensamos ser melhores do que aquele que nos ofendeu.
Temos a falsa ideia de estarmos no controle.
Perdemos, assim, a oportunidade do aprendizado.
• Evitar doenças
Sentimentos de mágoa , ressentimento, vingança e ódio são como lixo tóxico, que gera
doenças de difícil tratamento.
“Muitas distonias são resultado do veneno da mágoa, que gerando altas cargas tóxicas
sobre a maquinaria mental produz desiquilíbrio no mecanismo psíquico, com lamentáveis
consequências nos aparelhos circulatório, digestivo e nervoso.” Joanna de Ângelis
• Atrair energias positivas
Perdoar é nossa proteção contra o assédio de energias negativas.
• Libertar-se do passado
Aproveitar as experiências do presente e estruturar o futuro.
• Praticar o auto perdão
Reconhecendo os nossos erros encontramos forças para reformular nossas atitudes.
Mudemos nossas vidas e tudo mudará ao nosso redor.
Quando nos perdoamos, aprendemos também a oferecer a mesma oportunidade ao nosso
próximo.
O auto perdão ajuda o nosso amadurecimento moral.
O QUE É PERDOAR?
• É desculpar, não valorizando a ofensa.
• É esquecer o mal recebido.
• É não sentir-se ofendido, magoado, ferido pelo outro.
• É não sentir no ofensor um inimigo, mas uma pessoa com dificuldades pessoais.
• É perceber que se alguém nos ofende, não o fez por maldade, mas por ignorância.
• Ver o inimigo como um ‘Amigo Estimulante’ Chico Xavier
‘Nunca deixes de agradecer os benefícios que o teu inimigo te prestou.’

COMO APRENDER A PERDOAR?


• É preciso ter essa meta como ponto de chegada.
• Exercício constante no dia-a-dia. Sempre que surgir a oportunidade.
• É uma luta interna, invisível aos olhos alheios. Combater o orgulho e o egoísmo.
• Compreender que todos somos perfectíveis e que a vida não se limita a esta existência.
• Exercitar o auto perdão. Nos auto reformarmos.
• Usar a ‘Terapia da Prece’ para nos harmonizarmos.
A prece refaz os sentimento de paz e serenidade, facilitando a harmonização interior.
• Manter a uma certa ‘distância psíquica’.
 Analisar, o problema como se não fosse conosco.
 Assim, não iremos exagerar na interpretação do problema, caindo em impulsos
desequilibrados causando uma sobrecarga em nossa energia mental.
 O pensamento vai sintonizar com mais clareza e nitidez no bem, renovando a
‘atmosfera mental’.
 Passamos a usar construtivamente o poder do nosso pensamento, evitando o “deveria
ter falado...” ou “deveria ter agido...”

 Deus sempre nos perdoa dando-nos o esquecimento quando reencarnamos.

O PERDÃO NO EVANGELHO
ESSE - capítulo X - Bem-aventurados os que são misericordiosos
• Perdoai, para que Deus vos perdoe
1) “Bem-aventurados os que são misericordiosos, porque obterão misericórdia.”
(S. MATEUS - cap V - v7)
2) “Se perdoardes aos homens as faltas que cometerem contra vós, também vosso Pai
celestial vos perdoará os pecados; mas, se não perdoardes aos homens quando vos
tenham ofendido, vosso Pai celestial também não vos perdoará os pecados.”
(S. MATEUS - cap VI - v 14 e 15)
3) “Se contra vós pecou vosso irmão, ide fazer-lhe sentir a falta em particular, a sós com
ele; se vos atender, tereis ganho o vosso irmão.“
Então, aproximando-se dele, disse-lhe Pedro: "Senhor, quantas vezes perdoarei a meu
irmão, quando houver pecado contra mim? Até sete vezes?" Respondeu-lhe Jesus: "Não
vos digo que perdoeis até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes."
(S. MATEUS - cap XVIII - v 15, 21 e 22)
• Reconciliação com os adversários
5) “Reconciliai-vos o mais depressa possível com o vosso adversário, enquanto estais com
ele a caminho, para que ele não vos entregue ao juiz, o juiz não vos entregue ao ministro
da justiça e não sejais aprisionado. Digo-vos, em verdade, que daí não saireis, enquanto
não houverdes pago o último ceitil.”
(S. MATEUS - cap V - v 25 e 26.)
• O sacrifício mais agradável a Deus
7. Se, portanto, quando fordes depor vossa oferenda no altar, vos lembrardes de que o vosso
irmão tem qualquer coisa contra vós, deixai a vossa dádiva junto ao altar e ide, antes,
reconciliar-vos com o vosso irmão; depois, então, voltai a oferecê-la.
(S. MATEUS, cap. V, vv. 23 e 24)
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS
• Perdão das ofensas
Espíritas, jamais vos esqueçais de que, tanto por palavras, como por atos, o perdão das
injúrias não deve ser um termo vão. Pois que vos dizeis espíritas, sede-o. Olvidai o mal que
vos hajam feito e não penseis senão numa coisa: no bem que podeis fazerCuidai, portanto,
de os expungir de todo sentimento de rancor. Deus sabe o que demora no fundo do coração
de cada um de seus filhos. Feliz, pois, daquele que pode todas as noites adormecer,
dizendo: Nada tenho contra o meu próximo.
(Simeão - Bordeux - 1862)
Perdoar aos inimigos é pedir perdão para si próprio; perdoar aos amigos é dar-lhes uma
prova de amizade; perdoar as ofensas é mostrar-se melhor do que era. Mas, há duas
maneiras bem diferentes de perdoar: há o perdão dos lábios e o perdão do coração, o perdão
verdadeiro, o perdão cristão é aquele que lança um véu sobre o passado; esse o único que
vos será levado em conta, visto que Deus não se satisfaz com as aparências. O
esquecimento completo e absoluto das ofensas é peculiar às grandes almas; o rancor é
sempre sinal de baixeza e de inferioridade. Não olvideis que o verdadeiro perdão se
reconhece muito mais pelos atos do que pelas palavras.
(Paulo, apóstolo - Lion - 1861.)
Perdoai nossas ofensas, assim como perdoamos a quem nos tem ofendido.
(Mateus - cap VI - v 9-13 / Lucas - cap XI - v 2-4)