Você está na página 1de 6

II CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS E

TECNOLOGIAS AMBIENTAIS

TEMA: AMBIENTE E AGRICULTURA, COMO VIVER EM HARMONIA?

ESTUDO DA SECA NAS GRANDES REGIÕES URBANAS DO BRASIL

Gerson Reichardt Cezar Junior (IC), Jordana Dorca dos Santos (PQ), Michael Custodio
Machado (IC), Ana Carla Fernandes Gasques (PQ), e-mail: reichardt_@hotmail.com
Faculdade Integrado de Campo Mourão
Universidade Estadual de Maringá

EIXO TEMÁTICO: Ecossistemas e suas dinâmicas

PARTICIPAÇÃO NO PRÊMIO TOLEDO BIODIVERSIDADE ( ) Sim ( x ) Não

PALAVRAS-CHAVE: escassez de água; déficit pluviométrico; seca no Brasil.

INTRODUÇÃO
Faz-se necessário avançar na gestão dos recursos hídricos com a consolidação da
descentralização e da governabilidade com a abordagem de bacias hidrográficas, a interação
entre disponibilidade/demanda de recursos hídricos com a população da bacia hidrográfica e a
atividade econômica e social, considerando-se o ciclo hidro social, é também fundamental e
de grande alcance para o futuro (TUNDISI, 2008). Não só as mudanças do clima futuras
representam risco, mas a variabilidade climática também; é só lembrar as secas da Amazônia,
do Nordeste, do Sul e do Sudeste do Brasil nos últimos dez anos, que têm afetado a economia
regional e nacional, o impacto das variações e mudanças do clima pode ser acrescentado por
outros fatores não ambientais, como os aspectos políticos e sociais, e todos juntos podem
gerar um custo elevado para a sociedade (MARENGO, 2008).
Assim, as mudanças climáticas no Brasil ameaçam intensificar as dificuldades de acesso à
água, é urgente o aprofundamento dos estudos sobre os cenários climáticos, vulnerabilidade e
impactos sociais e ambientais e, em especial, as estratégias de adaptação da sociedade
(OBERMAIER, 2013). Estudos de apontam para incremento dos índices de aridez e hídrico e
redução para o índice de umidade no semiárido, até o final do século (GHEYI, 2012). A falta
de água, racionamento, tarifas diferenciadas, aumento do mercado de água engarrafada, perda
de áreas públicas, jardins e pomares - sem que ainda o acesso seja universal terão a
consequência de sempre: redução do acesso e aumento do custo para os mais pobres e “mal”
Localizados, o ciclo da água precisa de gestão como bem comum, do qual depende a saúde da
população urbana atual e futura (BUENO & PERA, 2014). Desse modo, o presente trabalho
teve por objetivo apresentar informações sobre a escassez de água em áreas urbanas com
população superior a um milhão de habitantes.

MATERIAL E MÉTODOS
Esta pesquisa classifica-se como exploratória e descritiva. Este tipo de pesquisa tem como
objetivo proporcionar maior familiaridade com um problema, com vistas a torná-lo mais
explícito ou a construir hipóteses (GIL, 2010). Foram consultados artigos científicos sobre o
tema em plataformas como o Scielo e o Google acadêmico pubicados no período de 2007 a
2017, além de sites de notícias das cidades estudadas. Sendo as palavras-chaves buscadas na
coleta de dados: escassez, Brasil, alterações climáticas, recursos hídricos. As regiões
analisadas foram capitais com mais de um milhão de habitantes segundo dados coletados no
IBGE.
II CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS E
TECNOLOGIAS AMBIENTAIS

TEMA: AMBIENTE E AGRICULTURA, COMO VIVER EM HARMONIA?

Para o levantamento dos dados de preciptação anual média foram consultados boletins do
Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (INPE/CPTEC) e a base de dados do
Instituto Nacional de Meteorologia (INEMT) no período de 2007 à 2017. A partir do banco de
dados Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Diretoria de Pesquisas – DPE,
Coordenação de População e Indicadores Sociais – COPIS, foi levantado as capitais as quais
possuíam população superior à marca de 1milhão de habitantes no ano de 2016.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
Abaixo são apresentadas 14 capitais que possuem população superior à marca de 1milhão de
habitantes no ano de 2016 (Figura 1, em ordem crescente de população).

FIGURA nº. 01 – Capitais com população superior a um milhão de habitantes no ano de


2016.

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas – DPE, Coordenação de População e Indicadores Sociais – COPIS.

Observa-se que as cidades com maior número de habitantes são São Paulo-SP e Rio de
Janeiro-RJ, enquanto as demais cidades possuem população abaixo de dois milhões de
habitantes.

Análises das regiões:


De acordo com os valores de preciptação obtidas no banco de dados do Inmet (Instituto
Nacional de Meteorologia) pode-se determinar que a pluviosidade média anual de para as
capitais com mais de um milhão de habitantes. Assim a partir das informações obtidas foi
gerada a Figura 2.
 Região Sul: pode-se determinar que a pluviosidade média anual de Curitiba é igual a
1728,025 mm, assim como a pluviosidade media de Porto Alegre é igual a 1561,55 mm
(INMET, 2017). Apesar da ocorrência de precipitações abaixo da média em ambas as
capitais, não foram registradas secas nesse período, segundo alguns veículos de
informação como o jornal Gazeta do Povo em 13/03/2017, 07/02/2017, o Jornal G1 em
02/03/2012, 18/12/2016 e o Jornal R7 31/1/2016. Assim como informações retiradas da
Sanepar como também da Assembleia Legislativa do estado do Paraná ocorreram alguns
casos de falta de abastecimento ocorrido, por procedimentos executados pela empresa de
distribuição ou problemas no sistema, não pela falta de recurso, o mesmo ocorre em Porto
Alegre.
 Região sudeste: a pluviosidade média anual de São Paulo igual a 1693,03 mm, no Rio de
Janeiro é igual a 1080,21 mm e de Belo Horizonte igual a 1553,72 mm (INMET, 2017).
II CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS E
TECNOLOGIAS AMBIENTAIS

TEMA: AMBIENTE E AGRICULTURA, COMO VIVER EM HARMONIA?

A região Sudeste do Brasil - em especial no estado de São Paulo - é altamente impactada


pelos extremos hidrológicos, porque além de ser densamente povoada, tem apenas 6%
dos recursos hídricos disponíveis do país e uma alta demanda para a indústria,
agricultura, irrigação, geração de energia hidrelétrica e de abastecimento público (ISA,
2014).

FIGURA nº. 02 – Capitais brasileiras com população superior a um milhão de habitantes no


ano de 2016 e suas respectivas medias pluviometricas.
II CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS E
TECNOLOGIAS AMBIENTAIS

TEMA: AMBIENTE E AGRICULTURA, COMO VIVER EM HARMONIA?

Fonte: INMET (Instituto Nacional de Meteorologia)

Para COHEN (2015), primeiros sinais de crise hídrica em São Paulo surgiram em
meados de 2004, onde a estrutura dos reservatórios parecia insuficiente para suprir as
necessidades da demanda existente, ficando a cidade bastante dependente do sistema
da Cantareira, assim sendo no ano de 2014 houve o esgotamento do sistema que
atendia 8,8 milhões de pessoas, levando São Paulo a maior crise hídrica dos últimos
80 anos, efeito da falta de chuva ocorrida em 2014 onde no primeiro trimestre choveu
menos da metade do volume esperado, porem desde 2013 a chuva estava abaixo da
média na região, o oposto que ocorria em meados de 2011 onde o sistema operava a
um nível superior a 100%.
Segundo dados do jornal O Estadao (05/11/2015), em 2015 o Rio de Janeiro enfrentou
a pior crise hídrica dos últimos 80 anos, acarretando no terceiro ano seguido com
baixos níveis em seus reservatórios, aonde dos quatro reservatórios existentes dois já
chegam a seu volume morto, em média, estavam com 5,94% do volume útil, conforme
dados da Agência Nacional de Águas (ANA). Segundo MOTHA (2015), Belo
Horizonte no ano de 2015 teve o pior nível de água nos reservatórios que abastecem
grande parte da regiao metropolitana da história, segundo dados da (Companhia de
Abastecimento de Minas Gerais)- Copasa chegando a ficar abaixo de 30% da
capacidade total dos reservatórios.
 Região Centro-Oeste: a pluviosidade média anual de Brasilia é igual a 1494,59 mm
INMET, 2017). Assim como a pluviosidade media de Goiânia é igual a 1624,45 mm.
Em Brasília, foi gerado aumento no valor do recurso, a partir de 2017 a necessidade de
racionamento, situação atípica para a população, fatores que influenciaram para essa
situação, foram condições climática, e aumento do consumo, crescimento
demográfico, ocupação irregular de áreaspróximas de abastecimento e o baixo
investimento em obras de ampliação dos sistemas de captação, sendo considerada uma
crise sem precedentes na história de Brasília (AMADOR, 2017). Na região de Goiânia
também foi constatado a falta de água em meados de 2016 tendo com os agravantes na
região, o desvio ilegal dos leitos dos rios que abastecem a cidade assim como a
extração do recurso por caminhões bombas não autorizados, a falta de fiscalização e
de investimento estrutural do sistema e no setor de segurança comprometem o
abastecimento da população, o qual se encontra comprometido pelo baixo índice de
chuvas ocorridas (BORGES, 2017; SANTANA, 2016).
 Região Norte: a pluviosidade média anual de Manaus como sendo de 2410.34 mm,
assim como a pluviosidade media de Belemé igual a 3454,55 mm (INMET, 2017). A
região norte, embora localizada na região amazônica, apresenta os piores indicadores
de saneamento do Brasil, onde 55,7% dos domicílios não são abastecidos por rede
geral de água (IBGE, 2008). O município de Belém apresentou quatro anos abaixo da
média, mas sem grandes variações de preciptação. Segundo dados do amazonia.org
27/03/2015 em Manaus, cerca de 626.571 pessoas nao recebem o abastecimento
devido ao fato de suas tubulações não estarem ligadas a rede de abastecimento da
empresa que presta serviço, sendo privatizado há mais de 15 anos. Em estudos
realizados por Giatti (2007) a região possui os maiores gastos com internações por
doenças relacionadas ao saneamento ambiental, diretamente relacionado às condições
precárias de abastecimento de água.
II CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS E
TECNOLOGIAS AMBIENTAIS

TEMA: AMBIENTE E AGRICULTURA, COMO VIVER EM HARMONIA?

 Região Nordeste: a pluviosidade média anual de Salvador igual a 1662,21 mm, assim como
a pluviosidade media de Fortaleza é de 1463,26 mm, de Recifeigual a 2241,98 mm, Maceió de
1889,69 mm e São Luís igual a 1942,73 mm. Pode-se afirmar que todos os municípos
analisados apresentam pelo menos tres anos com precitação abaixo da média (Figura 2).
Segundo a revista VEJA 04/12/2016 à região enfrenta a crise hídrica mais longa da história,
onde nesse período se encontravam secos 138 dos 506 açudes existentes os quais forneciam
água para a população. Segundo DANTAS (2016) apenas 51 dos 2.346 açudes entre Paraíba e
Rio Grande do Norte não estão secos, no Ceara oito em cada dez reservatórios estão com
menos de 10% da sua capacidade máxima. De acordo com portal de noticias Portal Brasil
26/09/2016, o volume de água nos reservatórios na região nordeste atingiram a marca de 22%
caracterizando assim o agravamento da crise hídrica da região segundo dados do Instituto
Nacional do Semiárido (INSA) apenas 14% dos reservatórios se encontram acima de 50% de
sua capacidade, segundo informações da ANA - Agência Nacional de Águas Segundo dados
do Monitor de Secas do Nordeste, ferramenta coordenada pela ANA, não há mais áreas da
região sem estiagem, mesmo que em níveis mais baixos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A partir do levantamento de dados e das observações realizadas constatou-se que na região
sul, os casos ocorridos de falta de abastecimento nas capitais com população superior a um
milhão de habitantes foi devido a problemas de distribuição ou de processos executivos que
envolvem as empresas responsáveis e não devido a falta de recurso hídrico. Enquanto a região
Sudeste se mostrou altamente impactada com os extremos hidrológicos, a região centro oeste,
também apresentou histórico de seca, agravado por uma expansão populacional, ocupação de
áreas irregulares e baixo investimento em infraestrutura e fiscalização por parte das empresas
envolvidas e do governo. Ao analisar a região Nordeste, constatou-se que a mesma enfrenta
uma grave crise hídrica sendo em 2016 classificada como a pior crise hídrica da historia da
região, com seca de grande parte dos açudes e fontes de abastecimento dessa região, tendo
como principal motivo a baixa quantidade de precipitação ocorrida no local, a qual já é
classificada como um fenômeno natura do local. Por fim, a região norte se caracteriza por ser
uma das regiões mais afetadas se encontrando em estado critico região onde ocorre baixo
índice de precipitação agravado por um déficit estrutural muito grande, baixo investimento
onde foram optadas por iniciativas privadas que não surtiram o efeito esperado, mantendo a
região em estado critico. Apesar da disponibilidade hídrica brasileira, observa-se a
necessidade de uma gestão eficaz assim como investimento em infraestruturas para garantir o
abastecimento e o tratamento da água com qualidade fazendo com que a mesma chegue aos
lares da população.

REFERÊNCIAS
A Crise Hídrica no Nordeste. Revista Veja. 04 dez. 2016.
AMADOR, G. J. Crise hídrica no DF era uma situação inimaginável em março de 2016. Metrópoles.
14 fev. 2017.
Assembléia Legislativa do Paraná. ALEP. Falta de água Em Curitiba e Rm Também é Culpa da
Sanepar. Disponível em:< http://www.alep.pr.gov.br/sala_de_imprensa/noticias/falta-de-agua-em-
curitiba-e-rm-tambem-e-culpa-da-sanepar-1> Acesso em: 10 mar. 2017.
BORGES, F. Fazendeiro é indiciado por retirar água de forma irregular do Rio Araguaia.
G1GO.Góias. 06 mar. 2017.
COHEN, O. O fundo do poço da crise hídrica em São Paulo. Revisa Exame. São Paulo. 17 out. 2015.
II CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS E
TECNOLOGIAS AMBIENTAIS

TEMA: AMBIENTE E AGRICULTURA, COMO VIVER EM HARMONIA?

Companhia de Saneamento do Paraná SANEPAR. Disponível em:<http://site.sanepar.com.br/>.


Acesso em: 12abril 2017.
DANTAS, T. Crise hídrica migra de São Paulo para o Nordeste. O Globo. São Paulo. 26 dez. 2016.
GIATTI,L.L .Reflexões sobre Água de Abastecimento e Saúde Pública: um estudo de caso na
Amazônia Brasileira. Saúde e Sociedade v.16, n.1, 2007.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010
GHEYI, R. H.; Paz,V. P. da S.;MEDEIROS,S. de S.Recursos Hídricos Em Regiões Semiáridas:
Estudos E Aplicações. Instituto Nacional do Semiárido, Cruz das Almas, BA: Universidade
Federal do Recôncavo da Bahia, 2012. 258 p.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Rio de janeiro. IBGE, 2010.
IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de nacional de saneamento
básico. Rio de janeiro. 2008.
INMET. Instituto Nacional de Metereologia. Disponível em:< http://www.inmet.gov.br/portal/>.
Acesso em: 12 abr. 2017.
INSTITUTO SÓCIO-AMBIENTAL (ISA). Água doce e limpa: de “dádiva” à raridade.
Disponível em: . Acesso em 13 de outubro de 2014.
Manutenção afeta abastecimento de água em bairros de Curitiba e região metropolitana. Gazeta do
Povo. Curitiba. 07 fev. 2017. Caderno Vida e Cidadania
MARENGO, J. A. Vulnerabilidade, impactos e adaptação à mudança do clima no semi-árido do
Brasil.Parcerias Estratégicas Brasília, DF. Nº27. Dezembro 2008.
MARENGO, J.A. Água e mudanças climáticas. Estudos avançados, São Paulo , v. 22, n. 63, p. 83-
96, 2008 .
MOTHA, T. Reservatórios de água que abastecem a Grande BH atingem pior nível da história. R7.
Belo Horizonte. 24 ago. 2015.
Sanepar alerta para falta de água em Curitiba e Região Metropolitana. G1PR. Curitiba. 02 mar. 2012.
SANTANA, V. Polícia flagra retirada de água do Rio Araguaia para irrigação. G1GO.Goiás. 16 jun.
2016.
Semana começa com falta de água em sete bairros de Curitiba; veja quais. Gazeta do Povo. Curitiba.
13 mar. 2017. Caderno Vida e Cidadania.
Três bairros de Porto Alegre registram falta de água há quatro dias. G1RS. Porto Alegre. 18 dez. 2016.
TUNDISI, José Galizia. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos avançados,
São Paulo , v. 22, n. 63, p. 7-16, 2008.
UOL noticias. Com pior crise hídrica em 80 anos, RJ pode enfrentar racionamento. Disponível
em:< HTTPS://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2015/11/05/vivendo-pior-crise-
hidrica-em-80-anos-estado-do-rio-pode-enfrentar-racionamento.htm> acesso em: 13 de Setembro de
2017
Portal Brasil. Crise hídrica se agrava no semiárido brasileiro. Disponível em:
<http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2016/09/crise-hidrica-se-agrava-no-semiarido-brasileiro>
Acesso em: 15 de Setembro de 2017