Você está na página 1de 3

DICAS PARA UMA BOA PRÁTICA DE ENFERMAGEM

PUNÇÃO VENOSA- procurar deixar o membro superior abaixo do nível do corpo por
algum tempo. Garroteá-lo com a mão aberta e logo em seguida pedir que o paciente aperte
bem a mesma. Realizar assepsia na técnica do mais distante para o mais próximo por três
vezes, ou seja, no sentido contrário ao fluxo sanguíneo, deixar a veia mais ingurgitada,
mais cheia. Tentar fazer em um ângulo de 25º, uma punção firme e rápida só com o biseu
da agulha, ( para que o paciente sinta menos dor) e em seguida procurar o curso da veia
para poder introduzir o restante da agulha.

PUNÇAÕ VENOSA COM ABOCATH - utilizando a mesma técnica anterior e ao


introduzirmos mais ou menos 50% do abocath começamos, a medida que tiramos o seu
guia, introduzir o restante de seu cateter, caso contrário a possibilidade de transfixação da
veia é imperiosa por ser este muito longo e as vias serem tortuosas.

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO INTRAMUSCULAR – após a realização de uma


boa assepsia, introduzir o biseu da agulha no sentido (lateral) das fibras musculares, para
produzir menos danos a mesmas e conseqüentemente menos dor. E com a mão precisa e
firma realizar uma punção rápida e segura e o paciente nem sentirá a penetração da agulha.
Ao introduzir o líquido, lembre-se que ele funciona como um corpo estranho e um volume
a mais a estrutura natural dos tecidos, portanto sua penetração deverá ser lenta para que este
líquido vá se acomodando por entre os tecidos sem provocar dor.

PREPARANDO UMA AMPOLA DE SORO PARA SER ADMINSTRADA – introduzir o


bico do equipo com firmeza na ampola de soro ou bolsa de sangue e antes de retirar o ar,
encher o seu cálice até a metade (para evitar que, em qualquer movimento com o mesmo,
entre ar). Depois disto poderá ser retira todo o ar da mangueira com a penetração do soro
ou sangue em seu interior.

Não se deve deixar o paciente com o membro por muito tempo garroteado. A pressão
sanguínea fará com que esta veia seja rompida. Em pacientes muito idosos e com
fragilidade venosa, se for possível realizar a punção venosa só com a pressão da mão ou
com uma segunda pessoa realizando uma leve pressão com um garrote sem amarra-lo, terá
uma melhor resposta.

Ao realizar um curativo é de suma importância que ao redor de sua área seja feito uma
massagem vigorosa para ativar a circulação sanguínea e conseqüentemente uma
cicatrização mais rápida e eficaz. Podemos aproveitar para a realização do feito na hora da
lavagem do ferimento com um antesséptico pois facilitará o deslizamento da luva estéril
sobre a pele.
REALIZANDO GLICOSIMETRIA – de preferência escolher os três últimos dedos da mão
(médio, anular e mínimo) e em suas laterais por terem menos sensibilidade. Após realizar
assepsia, deixar secar com um algodão seco estéril. Pressionamos o dedo como se
estivésssemos realizando uma ordenha e continuamos prendendo-o um pouco e observando
que o mesmo ficará bastante vermelho. Esta pressão faz a picada doer menos. Com um
toque bem rápido o furamos com uma agulha ou lanceta.

TÉCNICA DE GOTEJAMENTO – podemos calcular um gotejamento através da fórmula:

V GT = GOTAS
Gt = _____ onde: V = VOLUME
3XT T = TEMPO

Utilizemos uma ampola de 500 ml de soro para ser transfudido em 24 horas.

500 500
Gt = _________ = __________ = 6,9 ou seja 07 gotas por minuto.
3 X 24 72

Tantos quantos forem os soros que o paciente for tomar você multiplica por 07. Por
exemplo: se o médico prescrever 2000 ml de soro, isto corresponde a 04 ampolas, então
multiplicamos estas quatro ampolas por sete que será igual a 28 gotas pó minuto nas 24
horas

Temos que tomar consciência de que a nossa rotina está nos tornando pessoas
sem muita sensibilidade. Esquecemos que tratamos de seres vivos que sentem dor e que
basta só um pouquinho mais de nosso desprendimento e humanidade para podermos
proporcionar ao nosso paciente menos sofrimento. Sentir dor não é natural, mas
costumamos dizer ao retirar um simples ponto: deixe de ser mole que é normal sentir esta
dorzinha. Se realizarmos a técnica com mais carinho e atenção esta dorzinha não existirá.

Sempre que executarmos qualquer procedimento é importante que nos


coloquemos na posição do nosso paciente. Nós ou um ente querido nosso poderíamos estar
naquela mesma situação. Não gostaríamos que os nossos fossem maltratados, portanto
pense no ser humano sofrido que está a sua frente e o trate com muito carinho, pois ele
precisa muito de sua atenção e de seu conforto emocional. Ofereça-lhe uma palavra amiga e
distraia-lhe a atenção que tudo será bem mais fácil.

As vezes nós esquecemos de avisar ao paciente o procedimento que vai ser


realizado nele. Todo o desconhecido é temeroso. Um simples apoio psicológico é
responsável por uma boa realização de uma técnica. Uma explicação é suficiente para
termos a ajuda do paciente na técnica a ser realizada e tudo ficará mais fácil. A enfermagem
é uma profissão muito bonita, mas necessita de muita dedicação e desprendimento. Ame o
seu paciente ele precisa de você.
Paciente, instrumento do nosso trabalho e envaidecer
Amor e dedicação é o que podemos oferecer
Com muita ternura o vamos receber
Incondicionalmente ao nosso convívio o ter
E dar-lhe apoio com prazer
Nesta hora de perecer
Tentando aliviar o seu sofrer
Entregando-lhe o nosso conhecer

Interesses relacionados