Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS

DISCIPLINA: ECO03003 – Contabilidade Intermediária


PROFESSORA: Romina Batista de Lucena de Souza

UNIDADE 1. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (CPC 26)

Segundo o CPC-26, IAS1 (APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES


CONTÁBEIS) as peças das demonstrações contábeis são:
- o balanço patrimonial;
- demonstração do resultado;
- demonstração do resultado abrangente;
- demonstrações das mutações do patrimônio líquido;
- demonstração do fluxo de caixa;
- demonstrado do valor adicionado aplicável para Companhias Abertas;
- notas explicativas.

1 BALANÇO PATRIMONIAL

1.1 RESUMO

a) O Balanço Patrimonial tem como objetivo mostrar a posição financeira de


determinada empresa em um momento específico. Toda a empresa prepara seu
Balanço Patrimonial ao final de cada ano.
b) O Balanço Patrimonial consiste da relação, de forma ordenada, dos ativos (bens e
direitos), passivos (obrigações) e patrimônio líquido (diferença entre os ativos e
os passivos) de uma empresa.
c) As contas de Ativo representam onde os recursos da empresa foram aplicados, e
são apresentadas de acordo com sua ordem decrescente de liquidez.
d) As contas do Passivo representam a origem dos recursos de terceiros e devem ser
inicialmente separadas considerando a data de vencimento, se abaixo ou superior
a um ano.

1
e) O Patrimônio Líquido indica o capital integralizado pelos sócios, bem como as
reservas de capital, reservas de lucros e as contas redutoras prejuízos acumulados
e ações em tesouraria.
f) O Passivo Total é formado pela soma do Passivo, que representa dívidas ou
obrigações, e do Patrimônio Líquido, que representa o valor pertencente aos
acionistas.
g) A equação fundamental da contabilidade é assim apresentada:
Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido
h) Os Ativos são agrupados em circulantes e não circulantes. Os ativos não
circulantes compreendem os ativos realizável a longo prazo, investimentos,
imobilizado, intangível e diferido.
i) Os Passivos são agrupados em circulante e não circulantes. O passivo não
circulante compreende o exigível a longo prazo.

1.2 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES DA LEI Nº 11.638, DE 28/12/2007

a) apresentação do ativo em dois grandes agrupamentos de contas, o Ativo


Circulante e o Ativo Não Circulante;
b) apresentação do passivo em três grandes agrupamentos de contas, o Passivo
Circulante, o Passivo Não Circulante e o Patrimônio Líquido;
c) extinção da nomenclatura Ativo Permanente, substituindo-a por Ativo Não
Circulante;
d) criação do subgrupo Intangível no Ativo Não Circulante, cujos itens que o compõe
serão destacados do Imobilizado;
e) extinção dos grupos específicos Realizável a Longo Prazo e Exigível a Longo
Prazo;
f) incorporação do Realizável a Longo Prazo como subgrupo do Ativo Não
Circulante;
g) incorporação do Exigível a Longo Prazo como subgrupo do Passivo Não
Circulante;
h) incorporação do Resultados de Exercícios Futuros como subgrupo do Passivo
Não Circulante, como Receitas Diferidas;
i) substituição do conceito de Reserva de Reavaliação dos ativos imobilizados para
Ajustes de Avaliação Patrimonial, que agora poderão ser tanto positivos como

2
negativos, diferentemente da Reserva de Reavaliação que só aceitava valores
positivos.

1.3 ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL DE ACORDO COM A LEI Nº


11.638/07

1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1 CIRCULANTE 2.1 CIRCULANTE
1.1.1 Disponibilidades
1.1.2 Créditos a Curto Prazo
1.1.3 Estoques
1.1.4 Despesas do Exercício Seguinte
1.2 NÃO CIRCULANTE 2.2 NÃO CIRCULANTE
1.2.1 Realizável a Longo Prazo 2.2.1 Exigível a Longo Prazo
2.2.2 Receitas Diferidas
1.2.2 Investimentos 2.3 PATRIMÔNIO LÍQUIDO
2.3.1 Capital Social
1.2.3 Imobilizado 2.3.2 Reservas de Capital
2.3.3 Ajustes de Avaliação
1.2.4 Intangível Patrimonial
2.3.4 Reservas de Lucros
2.3.5 Prejuízos Acumulados
2.3.6 (-) Ações em Tesouraria

1.3.1 Reservas de Capital

Antes das alterações o que era classificado como reserva de capital? A resposta
estava no artigo 182 da Lei 6.404/76. Mas houve uma alteração quase não notada no final
da Lei 11.638/2007.

O artigo 182 era assim em seu parágrafo primeiro:


“§ 1º Serão classificadas como reservas de capital as contas que registrarem:
a) a contribuição do subscritor de ações que ultrapassar o valor nominal e a parte
do preço de emissão das ações sem valor nominal que ultrapassar a importância destinada
à formação do capital social, inclusive nos casos de conversão em ações de debêntures ou
partes beneficiárias;
b) o produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição;
c) o prêmio recebido na emissão de debêntures;

3
d) as doações e as subvenções para investimento.”

Agora ficou assim:


“§ 1º Serão classificadas como reservas de capital as contas que registrarem:
a) a contribuição do subscritor de ações que ultrapassar o valor nominal e a parte
do preço de emissão das ações sem valor nominal que ultrapassar a importância destinada
à formação do capital social, inclusive nos casos de conversão em ações de debêntures ou
partes beneficiárias;
b) o produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição.”

O que mudou?
Não são mais classificados como reservas de capital o prêmio na emissão de
debêntures e as doações e as subvenções para investimento.

1.3.2 Ajuste de Avaliação Patrimonial

Serão classificados como Ajustes de Avaliação Patrimonial, enquanto não


computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência, as
contrapartidas dos aumentos ou diminuições de valor atribuído a elementos do ativo e do
passivo em decorrência da sua avaliação a preço de mercado.
A CVM deverá divulgar normas para esses ajustes.

1.3.3 Reservas de Reavaliação

Você notou que pela lei não existe mais as Reservas de Reavaliação. De acordo
com as mudanças os saldos existentes nas reservas de reavaliação serão mantidos até a
sua efetiva realização ou deverão ser estornados até o final de 2008.

1.3.4 Lucros (Prejuízos) Acumulados

A Lei nº 11.638 exige que todo resultado positivo apurado nas sociedades por
ações seja destinado, isto é, pago em dividendos ou fique em reservas de lucros, não se
permitindo mais no balanço a existência de saldo positivo na conta Lucros Acumulados.
Sobre essa questão, Martins e Santos (2008) destacam o seguinte:

4
Como a Lei exige que todo resultado positivo da sociedade por ações seja
destinado, isto é, seja pago em dividendos ou fique em reservas próprias de lucros,
não pode mais ficar a conta de Lucros Acumulados com saldo positivo no balanço.
Ou fica o valor zero ou fica o valor negativo e sob o nome de Prejuízos
Acumulados. Mas isso não significa que a conta Lucros Acumulados
desaparecerá, ou seja, essa eliminação está restrita ao seu aparecimento no
Balanço Patrimonial.

Portanto, nos planos de contas, nos lançamentos contábeis a conta Lucros


Acumulados continuará existindo, afinal será necessária para a contrapartida da
transferência do resultado do exercício; da contrapartida da constituição das reservas de
lucros, tais como a Reserva Legal, a Reserva de Lucros a Realizar, as Reservas
Estatutárias; e também será a contrapartida das distribuições de resultados. O que a Lei
alterou é a estrutura do grupo Patrimônio Líquido no Balanço Patrimonial, que não poderá
mais ter saldos positivos nessa conta.
“Deste modo, considerando a já comentada omissão legal quanto à
obrigatoriedade da não figuração da conta lucros acumulados no Balanço Patrimonial de
sociedades limitadas (com exceção das consideradas de grande porte pela lei n. 11.638/07,
as quais, de acordo com o art. 3o da referida lei, devem seguir as mesmas disposições de
escrituração que as S/A), recorre-se à redação da resolução CFC nº 1.157 de 13 de
fevereiro de 2009, a qual institui:
"115. A obrigação de essa conta (Lucros e Prejuízos Acumulados) não conter saldo
positivo aplica-se unicamente às sociedades por ações, e não às demais, e para os
balanços do exercício social terminado a partir de 31 de dezembro de 2008...".
Assim, torna-se evidente que, para o CFC, principal órgão regulador da profissão
contábil no Brasil, as sociedades limitadas podem continuar mantendo o saldo positivo
de sua acumulação de lucros no Patrimônio Líquido.
Embora possa até não ser o tratamento mais adequado, a não destinação dos lucros é
um direito dos sócios quotistas (desde que em comum acordo), por isso defende-se a
continuidade da conta lucros acumulados, instrumento contábil que durante anos se mostrou
eficaz neste tipo de sociedades. Este artigo não visa, entretanto, desmerecer os dispositivos
legais reguladores das S/A, muito menos as opiniões de nossos ilustres colegas defensores da
padronização contábil total entre todos os tipos societários, mas sim desenvolver nos
profissionais e estudiosos o senso crítico necessário para interpretar corretamente as normas

5
que regem a nossa profissão e produzir serviços de maior qualidade para os usuários da
informação contábil, atendo-se sempre, é claro, aos aspectos legais.

Leia mais: http://www.fiscosoft.com.br/a/4jzy/figuracao-da-conta-lucros-acumulados-


em-sociedades-limitadas-andre-charone-tavares-lopes#ixzz3U6GDN64d

1.4 QUESTÕES
a) De acordo com a Lei nº 11.638/07, como pode ser dividido o Ativo Circulante?
b) Quais são os subgrupos do Ativo Não Circulante de acordo com a Lei nº
11.638/07?
c) Quais as contas que compõem o Patrimônio Líquido?

2 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

2.1 RESUMO

2.1.1 Relação do DRE e do BP

Há uma conexão entre a Demonstração do Resultado do Exercício e o Balanço


Patrimonial, pois o lucro representa o excesso de receita sobre a despesa. Esse excesso
pertence à empresa, que poderá distribuí-lo aos seus acionistas, na forma de dividendos.
Podemos considerar como Patrimônio Líquido, o Ativo menos o Passivo. Uma vez que a
Receita gera recursos e a Despesa consome recursos, o Lucro Líquido gera um fluxo de
recursos que aumenta o Patrimônio Líquido. O prejuízo tem efeito contrário.
A= P + PL; logo, A- P = PL
Variação do Patrimônio Líquido = aumenta em função dos lucros e reduz em
função dos prejuízos; pode-se dizer, também, que o PL aumenta pelas receitas e reduz
pelas despesas.
Equação contábil expandida:
A – P = PL + Receitas – Despesas

DESPESA: foi incorrida para gerar receita; reduz o PL; é diferente de Pagamento.

RECEITA: aumenta o PL; é diferente de recebimento.


6
2.2 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO (DRE)

A DRE é um resumo ordenado de receitas e despesas da empresa em determinado


período, chegando-se ao lucro ou prejuízo.
Na prática, a DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas
pela empresa durante o exercício social, destacando-se o resultado líquido do período. A
mensuração do resultado do exercício significa, na verdade, a avaliação do desempenho
da empresa.

2.3 ESTRUTURA DO DRE DE ACORDO COM A LEI Nº 11.638/07

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)


Receita Bruta (de vendas e de prestação de serviços)
( - ) Deduções da receita: impostos incidentes sobre a receita (ISS, ICMS, PIS,
COFINS); Desconto Incondicional Concedido; Devolução s/ Vendas, Abatimentos s/
Vendas.
( = ) Receita Líquida
( - ) Custo das Mercadorias Vendidas/Produtos Vendidos/Serviços Prestados
( = ) Resultado com Mercadorias (Lucro ou Prejuízo Bruto)
(-) Despesas Operacionais: despesas de vendas; despesas financeiras; despesas
administrativas e outras despesas e receitas operacionais.
( = ) Resultado Líquido Operacional
(+/-) Outras Receitas e Despesas
( = ) Resultado antes do Imposto de Renda (LAIR)
( - ) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social
(-) Participações Estatutárias: debêntures empregados e administradores, partes
beneficiárias, e contribuições para fundos de benefícios a empregados.
( = ) Resultado Líquido (Lucro ou Prejuízo Líquido do Exercício)
(:) Número de ações
( = ) Lucro ou Prejuízo por Ação

2.3.1 Participações no Lucro

Debêntures: As companhias podem solicitar empréstimos ao público em geral pagando


juros periódicos e concedendo amortizações regulares. Para tanto, elas emitirão títulos a
longo prazo com garantias: são as debêntures. Debênture poderá assegurar ao seu titular,
juros e participação no lucro da companhia (dedutível para o Imposto de Renda).

7
Empregados e administradores: É um complemento à remuneração de empregados e
administradores. Normalmente, é definido no estatuto ou contrato social um percentual
sobre o lucro. Constitucionalmente, a participação de empregados é obrigatória.
Partes Beneficiárias: Normalmente, são concedidas às pessoas que tiveram atuação
relevante nos destinos da sociedade (tais como fundadores, reestruturadores etc.). São
títulos negociáveis sem valor nominal que a Cia. pode criar a qualquer tempo. Os titulares
destes títulos terão direito a participação (prevista em estatutos) nos lucros anuais (não
dedutível para efeito do Imposto de Renda).

Contribuições para Instituições ou Fundos de Assistência ou Previdência de


Empregados: São as doações às constituições de fundações com a finalidade de assistir
seu quadro de funcionários, às previdências particulares no sentido de complementar
aposentadoria etc. que, definidas em estatutos, serão calculadas e deduzidas como uma
participação nos lucros anuais (são dedutíveis para efeito de Imposto de Renda).

2.3.2 Comentários acerca de alguns componentes da DRE

- A expressão Receitas e Despesas Não Operacionais foi substituída pela expressão Outras
Receitas e Despesas.

- Partes Beneficiárias:
Anteriormente na DRE eram discriminadas as participações de debêntures, empregados,
administradores e partes beneficiárias e as contribuições para instituições financeiras ou
fundos de assistência ou previdência dos empregados.

Pela nova norma não deve mais ser discriminado na DRE as partes beneficiárias.
Veja como ficou a norma nesse ponto, em seu artigo 187:
“VI – as participações de debêntures, de empregados e administradores, mesmo na forma
de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de
empregados, que não se caracterizem como despesa;”.
- Prêmio na emissão de debêntures
A receita derivada de ágio na alienação de debêntures, que antes do advento da Lei nº
11.638/2007 era contabilizada como reserva de capital, não transitando pelas contas de

8
resultado, agora representa receita operacional e deve ser contabilizada como receita
financeira.
- Doações e subvenções para investimentos
Os valores recebidos por doações e subvenções para investimentos, normalmente de
origem do Poder Público, que antes da promulgação da Lei nº 11.638/2007 geravam
reserva de capital, agora devem ser contabilizadas como Outras Receitas, transitando na
DRE.

3 EXERCÍCIOS UNIDADE 1: DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (CPC 26)

3.1 Considere uma companhia comercial e faça a classificação dos seguintes itens,
conforme o critério de: 1. Ativo; 2. Passivo; 3. Contas de Resultado.
1. Ativo 2. Passivo
1.1 Circulante 2.1. Circulante
1.2 Não Circulante 2.2 . Não Circulante
1.2.1 Realizável a longo prazo 2.3 Patrimônio Líquido
1.2.2 Investimentos 3. Contas de resultado
1.2.3 Imobilizado 3.1 Receita
1.2.4 Intangível 3.2 Custo
3.3 Despesa

ITENS CLASSIFICAÇÃO
1. Caixa 1. Ativo; 1.1 Circulante
2. Salários a Pagar
3. Salários
4. Estoque de Mercadorias
5. Duplicatas a Receber
6. Móveis e Utensílios
7. 13º Salário a Pagar
8. Receita de Prestação de Serviços
9. Empréstimos Bancários
10. Capital Social
11. Depreciação Acumulada
12. Reserva de Lucros
13. Vendas de Mercadorias
14. Despesas de Seguros
15. Imóveis
16. Juros Passivos
17. Banco c/ Movimento
18. Obras de Arte
19. Juros Ativos
20. Comissões s/ Vendas
21. Depreciação
9
22. Veículos
23. Duplicatas a Pagar após o término do exercício
seguinte
24. Terrenos

3.2 Abaixo estão mencionadas as transações da Cia. Petrópolis, organizada em 1º


de setembro:

Setembro – X9:
1) 1 – Integralização em dinheiro, do capital social, R$ 20.000;

2) 4 – pagamento de R$ 220 por material de escritório (despesa);

3) 5 – pagamento de R$ 500 referente a impostos;

4) 10 – pagamento de R$ 800, de aluguel;

5) 23 – compra de mercadorias, de A & Cia. (fornecedor), a prazo, por R$ 10.000;

6) 30 – venda de mercadoria R$ 13.520 a prazo . O custo da venda foi de 40% da


venda;

Pede-se:
a) registrar as operações;
b) fazer as partidas de encerramento (ARE);
c) levantar o Balancete de Verificação no dia 30-09-X9;
d) Preparar a Demonstração do Resultado do Exercício (mês de setembro) e
o Balanço Patrimonial no dia 30-09-X9.
Na solução do problema, use as seguintes contas:
Caixa/ Capital Social/Despesas de Material /Despesas de Impostos/ Vendas de Mercadorias
/Despesas de Aluguel /Estoque Mercadoria/Fornecedores /Clientes/ CMV/ ARE (Apuração
Resultado do Exercício).

3.3 COMPLETE:

As contas abaixo e seus respectivos saldos em 31.12.20x1 pertencem à contabilidade da


empresa COMERCIAL IBAMADAI LTDA.:

CONTAS SALDOS SALDOS SALDOS

DEVEDORES CREDORES

Juros Ativos 6.500,00 _____________ _____________

10
Bancos C/ Movimentos 118.000,00 _____________ _____________

Descontos Concedidos 8.300,00 _____________ _____________

Capital Social 450.000,00 _____________ _____________

Descontos Obtidos 8.250,00 _____________ _____________

Duplicatas a Receber 180.000,00 _____________ _____________

Vendas de Mercadorias 489.000,00 _____________ _____________

Juros Passivos 7.500,00 _____________ _____________

Alugueis Passivos 36.000,00 _____________ _____________

Empréstimos Bancários 48.250,00 _____________ _____________

Estoque de Mercadorias 141.700,00 _____________ _____________

Publicidade e Propaganda 51.700,00 _____________ _____________

Duplicatas a Pagar 144.500,00 _____________ _____________

Custo das Mercadorias Vendidas 377.300,00 _____________ _____________

Veículos 152.000,00 _____________ _____________

11
Caixa 67.500,00 _____________ _____________

Lucros Acumulados 22.500,00 _____________ _____________

Salários 29.000,00 _____________ _____________

T O T A I S _____________ _____________

3.2.1 Pede-se:

a) Distribuir os saldos das contas acima em suas respectivas colunas (saldos


devedores ou saldos credores) obtendo-se assim o Balancete de Verificação em
31.12.20x1.
b) Transcrever nas contas T todos os saldos existentes em 31.12.20x1.
c) Fazer os lançamentos contábeis de encerramento do exercício.
d) Elaborar as seguintes Demonstrações Financeiras: DRE e BP

3.3 QUESTÕES DO EXAME DE SUFICIÊNCIA


EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis (2012_2)
Questão 13- A contabilidade de uma empresa apresentou, no dia 31.12.2011, os seguintes
saldos:

Contas Saldos
Banco Conta Movimento R$ 40.000,00
Capital a Integralizar R$ 10.000,00
Capital Subscrito R$ 98.000,00
COFINS Incidente sobre Vendas R$ 6.240,00
Custo das Mercadorias Vendidas R$ 90.000,00
Despesas com Salários R$ 32.000,00
Despesas de Comissões de Vendedores R$ 18.000,00
Despesas de Juros R$ 1.700,00
Despesas Pagas Antecipadamente de Seguros R$ 4.500,00
Devolução de Vendas R$ 12.000,00
Duplicatas a Pagar R$ 65.000,00
Duplicatas a Receber R$ 16.576,00
Estoque de Mercadorias R$ 90.000,00
ICMS a Recuperar R$ 7.372,00
ICMS Incidente sobre Vendas R$ 35.360,00
Imóveis de Uso da Empresa R$ 50.500,00
PIS Incidente sobre Vendas R$ 1.352,00

12
Receita Bruta Tributável de Vendas R$ 220.000,00
Receitas de Juros R$ 2.600,00
Reserva de Lucros R$ 30.000,00

Tendo em vista as informações acima, o valor do Resultado Líquido do exercício, não


levando em consideração o Imposto de Renda Pessoa Jurídica e a Contribuição Social
sobre o Lucro, é de:

a) R$20.748,00.
b) R$25.948,00.
c) R$37.948,00.
d) R$43.948,00.

EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis (2013_1)


Questão 1- Uma sociedade empresária, composta por dois sócios, iniciou suas atividades
em 1º.3.2013, com as seguintes informações:
I - O contrato social estabelece que cada sócio integralizará R$50.000,00, até 31.12 do
corrente ano.
II - Em 15.3.2013, ambos os sócios integralizaram R$30.000,00, cada um.
- O sócio A integralizou a sua parcela de capital em dinheiro, por meio de depósito,
diretamente na conta bancária da empresa.
- O sócio B integralizou com uma sala comercial e mercadorias para revenda, nos valores
de R$25.000,00 e R$5.000,00, respectivamente.

Assinale a opção que apresenta os lançamentos para a contabilização destes fatos:

a) D – Capital Social..............................$ 60.000


C – Caixa............................................$ 30.000
C – Ativo Imobilizado.........................$ 25.000
C – Mercadorias para Revenda............$ 5.000

b) D – Banco c/ Movimento....................$ 30.000


C – Capital a Integralizar....................$ 30.000

D – Ativo Imobilizado..........................$ 25.000


D – Mercadorias para Revenda.............$ 5.000
C – Capital a Integralizar.......................$ 30.000

c) D – Capital Social...............................$ 100.000


C – Capital a Integralizar.....................$ 40.000
C – Caixa.............................................$ 30.000
C – Ativo Imobilizado..........................$ 25.000
C – Mercadorias para Revenda............$ 5.000

d) D – Capital Integralizar.....................$ 100.000


C – Capital Subscrito Sócio A.............$ 50.000
C – Capital Subscrito Sócio B ............$ 50.000

D – Banco c/ Movimento......................$ 30.000

13
C – Capital a Integralizar......................$ 30.000

D- Ativo Imobilizado............................$ 25.000


D – Mercadorias para Revenda.............$ 5.000
C – Capital a Integralizar......................$ 30.000

3.4 RELACIONE OS GRUPOS DO ATIVO NA PRIMEIRA COLUNA, COM AS


SUAS RESPECTIVAS PROPRIEDADES, NA SEGUNDA COLUNA, E, EM
SEGUIDA, ASSINALE A OPÇÃO CORRETA

(1) Ativo Circulante ( ) Ativos mantidos para uso na


produção ou fornecimento de
mercadorias ou serviços, para aluguel
a outros ou para fins administrativos, e
que se espera utilizar por mais de um
período.

(2) Investimentos ( ) Ativos que serão realizados,


vendidos ou consumidos no decurso
normal do ciclo operacional da
entidade, mantidos essencialmente
com o propósito de ser negociado.

(3) Imobilizado ( ) Ativos não monetários, sem


substância física, identificáveis,
controlados e geradores de benefícios
econômicos futuros, tais como: projeto
e implantação de novos processos ou
sistemas.

(4) Intangível ( ) Ativos mantidos para obtenção de


rendas ou para valorização do capital
ou para ambas, tais como: terrenos
mantidos para valorização de capital a
longo prazo e não para venda a curto
prazo no curso ordinário dos negócios.

A sequência CORRETA é:
a) 1, 2, 3, 4.
b) 1, 3, 2, 4.
c) 3, 1, 4, 2.
d) 3, 4, 1, 2.

EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis (2017_2)

Questão 5: Uma Sociedade Empresária foi constituída em 2.1.2017. O estatuto fixou o


valor de R$1.000.000,00 como capital social a ser integralizado 40% no ano de 2017 e

14
60% no ano de 2018. No ato da constituição, 40% do capital subscrito foi integralizado
da seguinte forma:

_ Integralização em dinheiro mediante depósito bancário: R$300.000,00


_ Integralização em móveis de uso avaliados, na forma da Lei n.º 6.404/76, em
R$100.000,00

Considerando-se apenas as informações apresentadas, após o registro contábil da


subscrição do capital e da integralização, é CORRETO afirmar que, em janeiro de
2017, a Sociedade Empresária apresenta no Patrimônio Líquido:

a) um saldo credor no grupo Capital Social no valor de R$1.000.000,00, um saldo credor


na conta de Capital Subscrito no valor de R$600.000,00 e um saldo credor na conta de
Capital a Integralizar no valor de R$400.000,00.
b) um saldo credor no grupo Capital Social no valor de R$1.000.000,00 e um saldo
devedor na conta de Capital a Integralizar no valor de R$600.000,00.
c) um saldo credor no grupo Capital Social no valor de R$400.000,00 e um saldo credor
na conta de Capital Subscrito no valor de R$400.000,00.
d) um saldo credor no grupo Capital Social no valor de R$400.000,00, um saldo credor
na conta de Capital Subscrito no valor de R$1.000.000,00 e um saldo devedor na conta
de Capital a Integralizar no valor de R$600.000,00.

Questão 20: No Brasil, conforme disposto pela Lei n.º 6.404/76 e alterações posteriores,
o Patrimônio Líquido é dividido nos seguintes grupos:

a) Capital Social, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de


Lucros, Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados.
b) Capital Social, Reservas de Reavaliação, Reservas de Contingência, Reservas de
Lucros, Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados.
c) Capital Subscrito, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de
Lucros, Ações em Tesouraria e Dividendo Mínimo Obrigatório.
d) Capital Subscrito, Reservas de Capital, Juros sobre o Capital Próprio, Reservas de
Lucros, Ações em Tesouraria e Lucros Acumulados.

15