Você está na página 1de 16

Folha do CJF

Informativo Bimestral do Conselho da Justiça Federal n. 5 - novembro/dezembro 2007

Execução Fiscal

Audiência pública discute papel do


Judiciário p. 12 a 13
Especial
Suplemento explica regras para aposentadoria p. 7 a 10

CEJ
Concursos públicos para juiz federal terão edital único p. 3

Nova sede
Lançada pedra fundamental do prédio do CJF p. 11
Série Planejamento Estratégico

Gastos públicos monitorados


Monitorar, avaliar, otimizar e servidores e da gestão”, observou das duas primeiras etapas, o teste do
padronizar de forma tempestiva a Angelita da Mota Ayres Rodrigues, chefe sistema desenvolvido pela Secretaria
gestão dos recursos orçamentários e da Seção de Avaliação da Gestão da SCI/ de Tecnologia da Informação do CJF
financeiros. Estes são os objetivos do CJF e gestora do projeto. e a avaliação da gestão. A terceira e
projeto “Indicadores Orçamentários e Durante reunião do Comitê Técnico última etapa consistirá na implantação
Financeiros” da Secretaria de Controle de Controle Interno da Justiça Federal, do sistema e na adesão de todos os
Interno do Conselho da Justiça Federal coordenado pelo CJF e formado por órgãos da Justiça Federal.
(SCI/CJF), que integra o Plano de Gestão representantes dos cinco Tribunais Os Indicadores Orçamentários e
do Conselho para o biênio 2006/2007. Regionais Federais, realizada nos dias Financeiros são compostos por plani-
“O projeto permitirá o monitoramento 6 e 7 de dezembro, no CJF, Angelita lhas elaboradas com dados extraídos do
mais fácil e sereno dos recursos, além Rodrigues explicou passo a passo o Siafi Gerencial, sistema disponibilizado
de diminuir o tempo de trabalho dos projeto, desde sua criação até a fase de pela Secretaria do Tesouro Nacional.
implementação nos TRFs e no próprio Esses dados são utilizados pelo
Folha do CJF
Número 5 – novembro/dezembro 2007
Conselho. CJF desde 1998 e possibilitam a
Conselho da Justiça Federal Ela observa que o projeto contou obtenção de informações gerenciais
SAFS, Quadra 6, lote 1, trecho III, Prédio Ministros I, 3º andar
CEP: 70095-900 - Brasília-DF com três etapas:1) estruturação e analíticas a partir de dados das
Fone: (61) 3319-6447/6611
Fale conosco: imprensa@cjf.gov.br do sistema; 2) implantação do execuções orçamentárias, financeiras
Ministro Raphael de BARROS MONTEIRO Filho Siafi Gerencial; e 3) implantação e patrimoniais contabilizadas no Siafi
Presidente
dos Indicadores Orçamentários Operacional. Com essas informações,
Ministro Francisco PEÇANHA MARTINS
Vice-Presidente e Financeiros do Conselho e dos serão elaborados relatórios de análise
Ministro GILSON Langaro DIPP
Coordenador-Geral da Justiça Federal e
Tribunais. Parte das duas primeiras dos resultados com o objetivo de
Diretor do Centro de Estudos Judiciários
etapas, compostas pela coleta de padronizar e demonstrar, de forma
Ministro HAMILTON CARVALHIDO
Ministra ELIANA CALMON Alves dados, elaboração de planilhas eficaz, se a execução está ocorrendo de
Desembargadora Federal ASSUSETE MAGALHÃES
Desembargador Federal Joaquim Antonio CASTRO AGUIAR de desenvolvimento de cálculos e acordo com o planejamento e permitir
Desembargadora Federal MARLI Marques FERREIRA
Desembargadora Federal SÍLVIA Maria Gonçalves GORAIEB treinamento dos servidores do CJF a adoção de ações corretivas, quando
Desembargador Federal JOSÉ BAPTISTA de Almeida Filho
Membros efetivos e dos TRFs, já foram realizadas. Estão necessário, otimizando o resultado da
Ministro PAULO Benjamin Fragoso GALLOTTI
Ministro FRANCISCO Cândido de Melo FALCÃO NETO
em andamento, ainda como fases gestão.
Ministra LAURITA Hilário VAZ
Desembargador Federal CARLOS OLAVO Pacheco de Medeiros
Desembargador Federal FERNANDO JOSÉ MARQUES
Desembargadora Federal SUZANA de CAMARGO Gomes
Desembargador Federal JOÃO SURREAUX Chagas
Desembargador Federal PAULO de Tasso Benevides GADELHA
Membros suplentes

Alcides Diniz da Silva


Secretário-Geral

Roberta Bastos Cunha Nunes – FENAJ 4235/14/12/DF


Chefe da Assessoria de Comunicação Social

Cláudia Lucena Aires Moura


Coordenadora de Comunicação Impressa

Ana Cristina Sampaio Alves


Chefe da Seção de Imprensa

Raul Cabral Méra


Chefe da Seção de Planejamento Visual

Thais Del Fiaco Rocha


Camila Matos Cotta
Repórteres

Lucas von Glehn Santos Filgueira


Esdras Gomes Freitas
Estagiários

Claudia Pires El-moor


Foto: Rayssa Coe

Projeto Gráfico

Raul Cabral Méra


Diagramação

Coordenadoria de Serviços Gráficos


do Conselho da Justiça Federal
Impressão Angelita Rodrigues: projeto facilita monitoramento dos recursos públicos


CEJ

Regras iguais
Comitê das Escolas da Magistratura Federal aprova unificação dos editais para concursos de juiz federal
Padronização, facilidade e otimização. Estas são as
principais vantagens da unificação dos editais de concursos
públicos para a magistratura apontadas por dois pretendentes
ao cargo de juiz federal. Segundo os advogados - o carioca
Felipe Calzione, 35 anos, e a brasiliense Samantha Costa, 28
anos -, a unificação dos editais é uma idéia “sublime”. “Acredito
que com os editais dos certames padronizados a leitura, a
compreensão e o resultado final serão bem melhores”, diz
Samantha. Calzione acrescenta que as dúvidas, até então
carro-chefe dos candidatos ao lerem um edital, serão
sanadas: “A aprovação em concursos para juízes começa na
leitura do edital. A igualdade das regras de seleção para todos
os estados brasileiros vai ajudar muito na aprovação”.
Atualmente, os editais de concursos para a carreira de juiz
federal diferem entre si. O número de etapas, por exemplo,
pode ser diferente em cada Tribunal Regional Federal.
Alguns realizam cinco etapas (provas escrita, discursiva,
oral, investigação social e avaliação de títulos), outras seis
(acrescentam a etapa de sindicância de vida pregressa)
e há tribunal que realiza apenas quatro fases. Também
existem diferenças no período de inscrições, nos conteúdos
programáticos e no prazo entre o final das inscrições e a
aplicação da prova – que difere entre um mês e três meses. A advogada Samantha Costa: padronização dos editais facilitará a compreensão
O coordenador-geral da Justiça Federal e diretor do
Centro de Estudos Judiciários (CEJ) do CJF, ministro Gilson de 2008. O cronograma de trabalho deve estar finalizado até
Dipp, reuniu-se no dia 29 de outubro com os presidentes dos abril. “A intenção do comitê é juntar a programação das escolas
cinco TRFs e diretores das Escolas da Magistratura Federal. e do CJF.”, explica.
Na ocasião, eles decidiram que o Comitê das Escolas da
Magistratura Federal (Cemaf ), presidido pelo ministro Dipp Programação para 2008
e formado pelos diretores das escolas, ficará responsável Na reunião foi discutida ainda a programação de cursos e
por padronizar essas diferenças e criar um modelo de eventos de capacitação a serem promovidos conjuntamente
regulamento unificado de seleções para juizes federais. pelo CEJ/CJF e pelas cinco escolas em 2008. De acordo com o
O Cemaf foi criado com a finalidade de uniformizar regras ministro Dipp, o CEJ passará a atuar em estreita sintonia com as
para a seleção e o aperfeiçoamento dos juízes federais, de escolas, de modo a otimizar o aproveitamento dos magistrados
acordo com as diretrizes estabelecidas no Plano Nacional em ações de capacitação. Uma das diretrizes apontadas pelo
de Aperfeiçoamento e Pesquisa para Juízes Federais (PNA), ministro foi priorizar a participação dos próprios juízes federais
aprovado pelo CJF e disciplinado pela resolução nº 576. O como palestrantes e docentes. “Temos de prestigiar a prata da
Comitê discutirá a realização do concurso em duas etapas: uma casa”, afirmou.
composta pela aplicação de provas e outra pela participação Dentre os temas a serem objeto de eventos em 2008,
em curso de formação, conforme preconizado em resolução foram levantados a presença do Estado na Região Amazônica, a
da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de judicialização das políticas públicas na área da Saúde e o Direito
Magistrados (Enfam). Ambiental. O CEJ/CJF também está preparando um curso de
De acordo com a secretária de Ensino do CEJ, Jaqueline pós-graduação sobre cooperação jurídica internacional, além
Mello, que também secretaria as reuniões do Cemaf, este de cursos a distância (on-line) sobre técnicas de conciliação e
começará a trabalhar na uniformização das regras no início de administração de varas e gabinetes.


TNU

Gerente de banco
condenada
A TNU manteve condenação de
uma gerente de banco que descumpriu
determinação de um juiz do Trabalho, em
julgamento realizado em 23/11, no JEF do
Rio de Janeiro (RJ).
Foto: André Camodego/TRF2

O juiz havia determinado à gerente


que convertesse o saldo anteriormente
bloqueado em conta da agência por ela
gerenciada para uma conta do Banco do
Brasil, por ele indicada. Ela não respondeu
Turma Nacional, em sessão realizada em novembro, no Juizado Especial Federal do Rio de Janeiro
ao pedido do juiz. Diante da reiterada
omissão, o juiz intimou o Ministério
Público Federal, que a denunciou pelo
Alterado Regimento crime de desobediência.

Interno da TNU Familiares na


O processamento do incidente de suscitado perante o presidente da TNU atividade urbana
uniformização de jurisprudência dirigido nos próprios autos, no prazo de 10 dias, A presença, em grupo familiar
ao Superior Tribunal de Justiça foi objeto sendo que a parte contrária será intimada composto por 14 pessoas, de dois
de regulamentação pelo Conselho da a apresentar manifestação no mesmo membros que exercem atividade
Justiça Federal, na Resolução nº 586, prazo. Após transcorrido o período para urbana, à luz do contexto fático, não
aprovada em sessão de 26/11. manifestação da parte contrária, os autos descaracteriza o trabalho rural em regime
De acordo com o relator do processo, serão conclusos ao presidente da Turma, de economia familiar. Este fato somente
ministro Gilson Dipp, o procedimento que decidirá acerca da admissibilidade teria repercussão se o produto do trabalho
previsto no art. 14, parágrafo 4º, da do incidente dirigido ao STJ. Caso não desses membros correspondesse à renda
Lei 10.259/2001 não está disciplinado admitido, caberá requerimento, nos necessária à subsistência dos demais
detalhadamente no Regimento Interno próprios autos e no prazo de 10 dias, para familiares. O entendimento é da TNU, em
da Turma Nacional de Uniformização que o feito seja encaminhado ao STJ. julgamento realizado em 23/11.
de Jurisprudência. Apesar de o primeiro Os conselheiros também votaram Processo nº 2006.72.95.009025-3/SC
juízo de admissibilidade do incidente pela alteração do caput do art. 28 da
ser realizado pelo presidente da TNU Resolução nº 390/2004, que trata do
Jurisprudência dos
– conforme determina o artigo 5º, inciso recurso extraordinário ao STF e o
VI, da Resolução nº 390/2004 –, não incidente de uniformização perante o JEFs na Internet
há previsão acerca do prazo no qual o STJ. Segundo o ministro Gilson Dipp, O CJF aprovou na sessão de 29/11
incidente deve ser suscitado, em qual não cabe requerimento para apreciação minuta de resolução que cria base de
momento a parte contrária deve ser do pedido pelo STF quando não for dados padronizada de jurisprudência
intimada para apresentar manifestação e admitido pelo presidente da TNU, pois dos Juizados Especiais Federais, a ser
qual o prazo para o suscitante requerer neste caso, o artigo 544 do Código de disponibilizada no Portal da Justiça Federal
encaminhamento ao STJ de incidente Processo Civil estabelece ser cabível (www.justicafederal.gov.br). A proposta,
não admitido por decisão do presidente interposição de agravo de instrumento. iniciativa da Turma Nacional, tem por
da TNU. Quanto à multa aplicada em caso de objetivo facilitar o acesso e a divulgação da
Diante dessas lacunas, foi aprovado indeferimento do pedido, afirma o jurisprudência dos juizados.
dispositivo que prevê a inclusão do art. ministro ser forte o argumento acerca A base de dados terá como campos
nº 29 no Capítulo V da Resolução nº da sua inconstitucionalidade, por ofensa obrigatórios a identificação do processo,
390/2004, estabelecendo que o incidente ao artigo 5º, inciso II, da Constituição do relator, da classe processual, do órgão
de uniformização dirigido ao STJ será Federal. julgador e da data da decisão/ publicação.


TNU

Critérios para reconhecer início de prova


A Turma Nacional de Uniformização das provas. O entendimento foi firmado Nacional verificaram nos autos a
da Jurisprudência dos Juizados em julgamento realizado em 23/11, validade desses documentos como
Especiais Federais (TNU) fixou critérios no Juizado Especial Federal do RJ, em início de prova.
para reconhecimento da validade de voto iniciado pela juíza federal Daniele Como documentos capazes de
determinados documentos como Maranhão. comprovar a atividade rural, a TNU
início de prova material, em pedidos Em diversos pedidos relativos a reconheceu, por exemplo, guias do
de uniformização a ela encaminhados. concessão de aposentadoria rural, Imposto Territorial Rural, certificado
Nestes casos, se a turma recursal de as turmas recursais de origem não de cadastro de imóvel rural e certidões
origem não tiver reconhecido a validade reconheceram alguns documentos do Instituto Nacional de Colonização e
desses documentos, a TNU pode como início de prova, deixando de Reforma Agrária (Incra).
conhecer e dar parcial provimento ao computar como tempo de trabalho Processos nº 200.72.95.011564-
pedido e determinar o retorno dos autos rural os períodos por eles abrangidos. 0, nº 2006.72.95.010705-8 e nº
à instância de origem para reapreciação Nesses casos, os juízes da Turma 2006.83.05.501364-0.

Coordenador Geral
Intercâmbio com Moçambique Reunião da
A troca de experiências entre o
CJF e o Centro de Formação Jurídica
terrorismo e lavagem de dinheiro.
Formada por membros do Ministério
OCDE em Paris
e Judiciária (CJFF) de Moçambique Público e do Poder Judiciário O ministro Gilson Dipp participou
foi a proposta apresentada pelo daquele país, a comitiva está no na semana de 4 a 7 de dezembro,
coordenador-geral da Justiça Fe- Brasil para conhecer a estrutura e em Paris, na França, de reunião
deral, ministro Gilson Dipp, ao forma de atuação do Ministério Pú- da Organização para Cooperação
receber no dia 14/11 missão oficial blico e da Justiça Federal. Trata-se de e Desenvolvimento Econômico
daquele país. O intercâmbio deve programa de intercâmbio realizado (OCDE). Na reunião, o Brasil foi
contemplar principalmente o direito por intermédio da Organização das avaliado quanto à implementação
de comunidades, problemas agrários Nações Unidas para a Agricultura e da Convenção Internacional
e combate ao financiamento do Alimentação (FAO). sobre o Combate à Corrupção de
Funcionários Públicos Estrangeiros.
O ministro Dipp integrou a delegação
brasileira na reunião, porque foi
uma das autoridades entrevistadas
neste ano pela equipe técnica da
Foto: Cícero Bezerra

OCDE, quando falou sobre a atuação


da Justiça Federal no combate à
corrupção como crime antecedente
Ministro Gilson Dipp (ao centro) recebe delegação moçambicana, na Coordenação-geral da Justiça Federal da lavagem de dinheiro.

Patrono da ENCCLA
O ministro Gilson Dipp recebeu atualização da ENCCLA, realizado de dinheiro, que tiveram início em
no dia 30/11, dos ministros da Justiça, em Itaipava (RJ), representando 2001, no CJF, com a formação de uma
Tarso Genro, e do Controle e da o presidente do STJ/CJF, ministro comissão para estudo do tema. De
Transparência, Jorge Hage, placa na Barros Monteiro. acordo com ele, é uma homenagem
qual é nomeado patrono da Estratégia A homenagem deve-se aos a todo o Judiciário brasileiro, em
Nacional de Combate à Corrupção e serviços prestados pelo ministro no especial à Justiça Federal, que
à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA). combate aos crimes contra o Sistema participa desde o início desse esforço
Ele participou de encontro para Financeiro Nacional e de lavagem contra a criminalidade.


Informatização

Consulta às tabelas de Lançado sistema AJG


cálculos na internet Módulo de cadastramento de advogados voluntários
ou dativos, peritos, tradutores e intérpretes interessados
O CJF disponibilizou em seu site (www.justicafederal.gov. em atuar na assistência judiciária gratuita foi lançado
br) um sistema de consulta às tabelas de correção monetária pelo CJF. O módulo é o primeiro do sistema AJG, uma
e de valores históricos dos indexadores utilizados nos cálculos ferramenta eletrônica desenvolvida com o objetivo
em sentenças da Justiça Federal. As tabelas, juntamente com o de uniformizar procedimentos para apresentação
Manual de Cálculos da Justiça Federal, estão disponíveis na página e consolidação de dados referentes à assistência
inicial, no item “consultas”. judiciária gratuita.
A tabela permite a consulta por tipo de ação – ações Desde 29 de novembro estão disponíveis aos
condenatórias em geral, com inclusão ou exclusão da taxa selic, TRFs e seccionais, no Portal da Justiça Federal (www.
benefícios previdenciários, desapropriações e repetição de justicafederal.gov.br) manual de instalação e ferramenta
indébito tributário – e pelo marco temporal desejado. O sistema de cadastro dos profissionais, para download. As
traz os índices de correção monetária do período, relacionando os regras para a assistência judiciária gratuita no âmbito
diferentes indexadores utilizados ao longo do tempo, e também da Justiça Federal estão disciplinadas pela Resolução
permite verificar os valores históricos desses indexadores. nº 558/2007 do CJF.

Notas

Novo membro Despedida Via Legal premiado


O Pleno do Superior Tribunal de O Via Legal foi escolhido o melhor
Justiça elegeu em 7/11 a ministra Eliana programa de TV produzido pelo Judiciário
Calmon como novo membro efetivo do brasileiro. Resultado de parceria entre o
Conselho da Justiça Federal. No dia 7/12 CJF e os Tribunais Regionais Federais,
ela assumiu a vaga aberta com a saída o programa venceu a quinta edição do
do ministro Aldir Passarinho Junior, que Prêmio Nacional de Comunicação e
Foto: Rayssa Coe

terminou seu mandato como membro Justiça. A premiação aconteceu no dia


efetivo do CJF. O Pleno do STJ também 21 de novembro em Vitória (ES), onde
elegeu em 5/12 o novo membro suplente foi realizado o Congresso Brasileiro de
Ministro Passarinho (à esq.) recebe placa do
do Conselho, a ministra Laurita Vaz. ministro Dipp (dir.) Assessores de Comunicação da Justiça,
o Conbrascom 2007. O evento reuniu
Homenagem Em sua última sessão no
mais de 200 assessores de todo o país,
Conselho da Justiça Federal, em
premiando trabalhos selecionados em
26 de novembro, o ministro Aldir
18 categorias.
Guimarães Passarinho Junior foi
homenageado pelo presidente do
Foto: Cícero Bezerra

Conselho da Justiça Federal e do


Superior Tribunal de Justiça, ministro
Raphael de Barros Monteiro Filho,
que salientou “o talento e a fidalguia
Ministros do STJ, servidores do do ilustre ministro”, herdados de
Tribunal e do CJF, amigos e familiares seu pai, o ministro aposentado do
Foto: Paulo Rosemberg

reuniram-se em 21/11 para homenagear STF, Aldir Guimarães Passarinho. O


o ministro Fernando Gonçalves (foto) coordenador-geral da Justiça Federal,
pela aposição de sua foto na Galeria ministro Gilson Dipp, entregou a ele
de Coordenadores-Gerais da Justiça placa comemorativa pelos relevantes Natália Leite, apresentadora do Via Legal no
Federal. serviços prestados ao Conselho. cenário do programa


Especial Aposentadoria

Planejando o futuro
A Secretaria de Recursos Humanos do CJF elaborou estudo sobre as regras legais para aposentadoria no serviço
público. O estudo mostra que magistrados e servidores podem se enquadrar em três tipos de regras, cada uma com
requisitos e benefícios diferentes.

Até 1998, os servidores públicos sabiam que bastava Região, eles esclareceram dúvidas sobre o tema durante
cumprir um tempo mínimo de serviço para se aposentar as comemorações do Dia do Servidor Público naquele
com proventos integrais. A Emenda Constitucional nº órgão. Com o mesmo intuito, a Folha do CJF inaugura
20/1998 inaugurou a Reforma Previdenciária, que alterou série especial de reportagens que pretende contribuir
a sistemática de aposentadoria e pensões dos servidores para o esclarecimento da Reforma da Previdência no
públicos. Hoje existem inúmeras regras que disciplinam serviço público. Nesta edição, o leitor vai saber quais
a concessão desses benefícios. os tipos de aposentadorias existentes e em qual tipo o
Os servidores da Secretaria de Recursos Humanos servidor pode se enquadrar. A próxima edição vai tratar
do CJF Alzira Lúcia Fidelis e Márcio Cerqueira são das hipóteses que contemplam o direito à integralidade,
estudiosos do assunto. Convidados pelo TRF da 5ª à paridade e ao abono de permanência.

Folha do CJF - O que mudou


na aposentadoria do magistrado
e servidor após as Emendas
Constitucionais nºs 20/1998, 41/2003
e 47/2005?
SRH - Antes da EC nº 20/98, bastava
cumprir um tempo mínimo de serviço.
Os proventos eram sempre integrais
– baseados na última remuneração - e
tinham paridade com os da ativa. Todos
os reajustes se aplicavam aos proventos
dos inativos. Não havia relação entre
Foto: Raissa Coe
valor da contribuição previdenciária e
valor do provento ou pensão.
A EC nº 20/98 tornou obrigatório
Márcio e Alzira, da SRH/CJF: especialistas em aposentadoria
comprovar tempo de contribuição
previdenciária, e não mais tempo de para as contribuições previdenciárias regras que regem a aposentadoria no
serviço. O valor do provento e da desde 1994, limitado ao valor do cargo serviço público?
pensão foi limitado à remuneração do efetivo. SRH - São três as regras aplicadas à
cargo efetivo. Também aumentaram Já a EC 47/05 trouxe regra transitória aposentadoria do servidor público:
as exigências: tempo mínimo de para a manutenção da integralidade 1) regras de direito adquirido, para
contribuição previdenciária, de efetivo da base de cálculo da aposentadoria
aqueles que ingressaram no serviço
exercício no serviço público e no cargo para quem era servidor público em
público até 15/12/1998 (data da EC
no qual se dará a aposentadoria, além 16/12/1998 (data da EC 20/98), e
da idade mínima. estendeu a paridade integral para quem 20/98) e preencheram os requisitos
A EC nº 41/03 alterou o cálculo se aposentar na forma do artigo 6º da para se aposentarem até 31/12/2003
do provento e da pensão. O valor do EC 41/03. (data da EC 41/03);
provento passou a ser a média das 2) regras de transição, se aplicam aos
remunerações que serviram de base Folha do CJF - Quais as atuais que ingressaram no serviço público até


Especial Aposentadoria

16/12/1998 (EC 47/030) e até 31/12/03 no artigo 40 da CF, seja redação previstos nos artigos 2º e 6º da EC
(EC 41/03); e original ou a redação da EC/20/98, 41/2003 e artigo 3º da EC 47/2005
3)regra geral, para ingressos após e no artigo 8º da EC 20/1998 (vide (vide tabela 3).
31/12/03(EC 41/03). tabelas 1 e 2).
Folha do CJF – E quanto à regra
Folha do CJF - Como funciona a Folha do CJF - Quais são as geral?
aposentadoria pelo direito adquirido regras de transição e como se pode SRH - As aposentadorias pela
e quem pode se enquadrar nela? aposentar por elas? regra geral estão previstas no artigo
SRH - Os tipos de aposentadoria SRH - Os tipos de aposentadoria 40 da CF, com redação das EC 20/98 e
pelo direito adquirido estão previstos pelas regras de transição estão 41/03 (vide tabela 4).

Tabela 1 - Direito adquirido

REQUISITOS ART. 40, CF,


TIPO REQUISITOS ART. 40, CF, REDAÇÃO DA EC Nº 20/1998
REDAÇÃO ORIGINAL

10 anos de efetivo exercício no serviço público; 5 anos no cargo efetivo.


Voluntária, proventos 35 anos de tempo de serviço, se
60 anos de idade, se homem, e 55 anos se mulher; 35 anos de tempo de
integrais. homem, e 30 anos se mulher.
contribuição, se homem, e 30 anos se mulher.

Voluntária, proventos 30 anos de tempo serviço, se


Não existem.
proporcionais. homem, e 25 anos se mulher.

Voluntária, por idade, 65 anos de idade, se homem, 10 anos de efetivo exercício no serviço público; 5 anos no cargo efetivo. 65
proventos proporcionais. e 60 anos se mulher. anos de idade, se homem, e 60 anos se mulher.

Tabela 2 - Direito adquirido

TIPO REQUISITOS ART. 8º EC nº 20/1998

53 anos de idade, se homem, e 48 anos, se mulher; 5 anos de efetivo exercício no cargo em que se dará a
Voluntária, proventos aposentadoria; tempo de contribuição igual, no mínimo, à soma de: a) 35 anos, se homem, e 30 anos, se mulher;
integrais. e b) um período adicional de tempo de serviço de 20% que faltaria para atingir o limite de 35 anos, se homem, e
30 anos se mulher.

53 anos de idade, se homem, e 48 anos, se mulher; 5 anos de efetivo exercício no cargo em que se dará a
Voluntária, proventos aposentadoria; tempo de contribuição igual, no mínimo, à soma de: a) 30 anos, se homem, e 25 anos, se mulher;
proporcionais. e b) um período adicional de tempo de serviço de 40% que faltaria para atingir o limite de 30 anos, se homem, e
25 anos se mulher.


Especial Aposentadoria

Tabela 3 - Regras de transição

REQUISITOS ART. 3º
TIPO REQUISITOS ART. 2º EC 41/2003 REQUISITOS ART. 6º EC 41/2003
EC 47/2005

35 anos de contribuição, se homem, e


60 anos de idade, se homem, e 30 anos se mulher; 25 anos de efetivo
55 anos se mulher; 35 anos de exercício no serviço público; 15 anos
Voluntária, contribuição, se homem, e 30 na carreira; 5 anos no cargo em que se
proventos Não existem. anos se mulher; 20 anos de efetivo dará a aposentadoria; redução dos 60
integrais. exercício no serviço público; 10 anos de idade, se homem, e 55 anos,
anos na carreira; 5 anos no cargo se mulher, para cada ano que superar
em que se dará a aposentadoria. 35 anos de contribuição, se homem e
30 anos se mulher.

53 anos de idade, se homem, e 48 anos,


se mulher; 5 anos de efetivo exercício no
cargo em que se dará a aposentadoria;
Voluntária, tempo de contribuição igual, no mínimo, à
proventos soma de: a) 35 anos, se homem, e 30 anos, Não existem. Não existem.
proporcionais. se mulher; e b) um período adicional de
tempo de serviço de 20% que faltaria para
atingir o limite de 35 anos, se homem, e 30
anos se mulher.

Tabela 4 - Regra geral

TIPO REQUISITOS

Invalidez, proventos
Laudo médico expedido por junta médica oficial, especificando a doença na forma da lei.
integrais.

Invalidez, proventos
Laudo médico expedido por junta médica oficial, especificando a doença.
proporcionais.

Compulsória, proventos
70 anos de idade.
proporcionais.

Voluntária, proventos 10 anos de efetivo exercício no serviço público; 5 anos no cargo efetivo. 60 anos de idade, se homem, e 55 anos se
integrais. mulher; 35 anos de tempo de contribuição, se homem, e 30 anos se mulher.

Voluntária, por idade, 10 anos de efetivo exercício no serviço público; 5 anos no cargo efetivo. 65 anos de idade, se homem, e 60 anos
proventos proporcionais. se mulher.


Especial Aposentadoria

Sonho adiado
Servidores contam como conquistaram o direito à aposentadoria
Foto: Rayssa Coe
As mudanças na legislação que rege todos os cargos que almejava
a aposentadoria no serviço público e essa é a hora de curtir a vida
fizeram muitos servidores adiarem o de forma tranqüila. Valmir
momento de encerrar um ciclo na vida trabalha há 35 anos, sendo 31
profissional. Valmir Rosa e Alcides Diniz no serviço público e quatro
são exemplos de quem está prestes a na iniciativa privada. “Agora
cumprir o restante da jornada. Denise irei viajar muito com minha
Soares acaba de se aposentar, mas já família e gozar o resto da vida
faz planos para voltar à ativa. Saiba de maneira tranqüila, sem
como eles se enquadraram na nova estresse”, afirma.
legislação e conquistaram o direito à Há 35 anos servindo a
aposentadoria. Justiça Federal, o economista
Há 19 anos trabalhando no Conselho e secretário-geral do CJF
da Justiça Federal (CJF), o servidor Alcides Diniz da Silva, 53 anos, Alcides Diniz: expectativas frustradas com as regras de transição
público Valmir Oliveira Rosa, 53 anos, vai se aposentar em setembro
está perto de finalizar sua contribuição ao de 2008. Se não fossem as mudanças na mais a companhia de minha família.
Estado. Isso porque dentro de três anos legislação, ele poderia ter se aposentado Vou me dedicar a trabalhos sociais e
e meio o economista vai se aposentar. há alguns anos. “Tinha a intenção de provavelmente atuar nas áreas política
Ele comemora a aposentadoria, me aposentar em 1998, mas vi minhas e empresarial. Estou satisfeito”, conclui
que segundo ele, já está na hora de expectativas frustradas com as regras de o secretário.
acontecer. “Nas duas últimas reformas transição. Por isso tive que adiar a data Denise Costa Soares, 60 anos, está
da lei, em 2000 e 2003, saí prejudicado. para poder aposentar voluntariamente aposentada há menos de um mês, mas
Era para eu estar aposentado há mais ou com os proventos integrais e a paridade”, já se sente uma veterana. A pedagoga
menos cinco anos”, disse. O servidor explica. “Hoje dependo apenas da se aposentou em novembro deste ano,
conta que profissionalmente já atingiu idade para cumprir os requisitos para após contribuir durante 26 anos no
aposentadoria”, acrescenta. serviço público e quatro na área privada.
O secretário observa que “Aposentei bem, com proventos inte-
já conquistou tudo o que grais. Estou muito feliz. Poderia ter me
podia profissionalmente, aposentado mais cedo, mas infelizmente
uma vez que ingressou no não deu, em razão das mudanças na lei”,
serviço público em 1972, disse. Denise trabalhou durante 18 anos
como datilógrafo. “De lá na área criminal da Seção Judiciária do Rio
pra cá já passei pelo cargo de Janeiro. O restante da sua carreira foi
de auxiliar judiciário, dividido entre a Câmara Municipal do RJ
chegando a analista por e uma empresa privada. “Me dediquei
meio de concurso interno”, ao máximo à minha carreira. Agora
diz. Alcides Diniz comenta é hora de descansar, curtir a família
que tem um temperamento e os filhos. Estou realizada”, afirma.
irrequieto e, por isso, Denise pretende tirar umas “férias”
depois que se aposentar e depois voltar a trabalhar, mas ainda
vai continuar trabalhando. não sabe com o quê nem onde. “Moro
Foto: Rayssa Coe

“Cumpri minha missão com em Niterói. Tinha que ir ao Rio e voltar


Deus e com a sociedade. todos os dias. Agora vou me desligar do
Agora quero uma melhor trânsito e dos problemas rotineiros do
Valmir Rosa: planos de viajar com a família qualidade de vida, aproveitar trabalho”.

10
Nova Sede
maquete

Um fim de ano especial


eletrônica do prédio

que prestigiaram a solenidade,


em especial ao Governo do preocupação
Distrito Federal e à Terracap dos autores
- que doaram o terreno ao do projeto com a proteção ao meio
Conselho - e aos servidores do órgão. ambiente. O prédio prevê instalações
“Uma organização pode ser simbolizada que proporcionarão a economia
pelas suas edificações apenas no que de água e de energia. Também está
concerne ao aspecto físico; contudo, previsto no projeto paisagístico o
a essência, a alma compete ao ser plantio de espécies nativas do cerrado.
humano traduzir. Sem os senhores, “Em respeito ao espaço natural que a
caros servidores, este complexo predial cerca”, destacou.
Foto: Rayssa Coe

nasceria sem vida”, homenageou o A pedra fundamental, na verdade


ministro Barros Monteiro. uma placa de concreto, tem em sua
Ministro Barros Monteiro lacra a urna da pedra Ao descrever o projeto arquitetônico parte superior uma placa de bronze
fundamental da nova sede, o secretário-geral do onde está inscrita a atual composição
O ano de 2007 não poderia ter um Conselho, Alcides Diniz da Silva, do Conselho da Justiça Federal, e na
melhor encerramento para o Conselho assinalou que o prédio se distribuirá em parte inferior um cofre onde foram
da Justiça Federal. No dia 7 de dezembro uma área de 24.660 m² distribuídos em depositados um CD-ROM contendo
foi lançada a pedra fundamental da sua 03 pavimentos sobre pilotis e subsolo. plantas do projeto arquitetônico, o
nova sede, em cerimônia conduzida O terreno está situado às margens da exemplar da edição n. 1 do informativo
pelo presidente do Conselho, também ponte JK, no Setor de Clubes Sul, em Folha do CJF e a edição do dia do jornal
presidente do Superior Tribunal de Brasília-DF. “A singeleza das sinuosas Correio Braziliense.
Justiça, ministro Raphael de Barros linhas desenhadas pelo arquiteto Oscar Compareceram à solenidade o
Monteiro Filho. Uma alegre e numerosa Niemeyer revela-se numa composição procurador-geral do Distrito Federal,
platéia, composta por autoridades do de volumes que convidam, abraçam e Túlio Arantes, representando o
Governo do Distrito Federal e do Poder dão boas-vindas a quem aqui passar”, governador José Roberto Arruda; o
Judiciário e, em sua maioria, pelos disse o secretário-geral. vice-presidente do Superior Tribunal
servidores do Conselho, testemunhou A obra, de acordo com ele, “não será Militar, ministro José Coelho Ferreira; os
a solenidade. O ano de 2008, portanto, apenas o erguer de pilares e paredes. desembargadores federais do Tribunal
será marcado pelo início da tão esperada Mais do que isso, representará a Regional Federal da 1ª Região, Antonio
obra. materialização simbólica da identidade Ezequiel da Silva e Carlos Fernando
“Neste momento, é grande a minha institucional do órgão”. Mathias de Souza, dentre outras
satisfação, pois, no ato simbólico a que Alcides Diniz ressaltou, ainda, a autoridades.
ora se procede, vejo materializar-se mais
um dos compromissos assumidos no
início da atual administração do Superior
Tribunal de Justiça e do Conselho da
Justiça Federal”, exclamou o ministro
Barros Monteiro. Ele salientou a
necessidade de abrigar condignamente
os servidores do Conselho, que hoje
funciona nas dependências do STJ. “O
Foto: Rayssa Coe

espaço é exíguo para abrigar as duas


instituições”, observou o presidente do
CJF.
O ministro agradeceu às autoridades Grande parte dos servidores do Conselho, além de autoridades do Judiciário e do GDF, prestigiaram a solenidade

11
Execução Fiscal

Modelo em discussão
A execução fiscal - cobrança de dívidas tributárias contraídas perante a União – é hoje a modalidade de processo
que mais congestiona a Justiça Federal. Audiência pública realizada no último dia 26 de novembro pelo Conselho da
Justiça Federal discutiu alternativas legais para tornar mais efetiva a execução dessas dívidas.

O objetivo da audiência pública, injustificada indadimplência”. dívida e não efetue o pagamento, o que
iniciativa do coordenador-geral da O ministro Gilson Dipp, ao comentar hoje somente é possível mediante decisão
Justiça Federal, ministro Gilson Dipp, o Anteprojeto de Lei da PGFN, ponderou judicial.
foi o de proporcionar a troca de idéias sobre o risco dessa proposta manter o O desembargador federal do Tribunal
e informações a respeito do tema. congestionamento do Poder Judiciário, Regional Federal da 1ª Região, Antônio
“Precisamos recolher as opiniões e uma vez que pode continuar dando de Souza Prudente, segundo palestrante,
sugestões da sociedade”, afirmou margem a questionamentos judiciais. registrou que, há anos, apresentou
o ministro na abertura da audiência. Ele também questiona se o fisco teria projeto quase idêntico, que no entanto
De acordo com ele, as discussões a isenção necessária para executar os não teve acolhida no Congresso Nacional.
levantadas na audiência serão degravadas devedores: “A Fazenda Pública tem A proposta, para ele, simplifica o processo
e encaminhadas ao conhecimento do condições de ser parte e, ao mesmo de execução fiscal. Prudente considera a
colegiado do CJF, para que seja proposto tempo, presidir a execução?”. execução uma atividade procedimental,
um posicionamento formal a não um litígio judicial, razão
respeito da matéria. pela qual deve ser conduzida
O principal foco da discussão Tramitam hoje na Justiça principalmente na esfera adminis-
foi o anteprojeto de lei, de autoria trativa. “O papel do juiz é o de
da Procuradoria Geral da Fazenda Federal mais de 2.844.520 solucionar as lides”, ressalta. Ele
Nacional (PGFN), que propõe acentua que a ampla defesa do
a transferência, para a esfera
processos de execução fiscal. devedor não sairá prejudicada com
administrativa, de grande parte dos as mudanças propostas.
procedimentos relacionados à execução “O modelo da execução fiscal tem “A Fazenda Nacional está aparelhada
fiscal hoje privativos do Judiciário. de ser amplamente pensado”, ponderou para fazer o que pretende?”, questionou
Para o presidente do CJF, também o procurador-geral da Fazenda Nacional, o desembargador federal do TRF da
presidente do STJ, ministro Raphael de Luís Inácio Lucenna Adams, primeiro 3ª Região e conselheiro do Conselho
Barros Monteiro Filho, “a solução para palestrante da audiência. O anteprojeto Nacional de Justiça, Mairan Maia,
atacar a inoperância da execução fiscal” da PGFN, segundo ele, confere à terceiro palestrante. Na sua opinião, a
depende da adoção de mecanismos Administração Pública a possibilidade má administração dos créditos da União
que impeçam o proposital adiamento de ter a satisfação do seu direito, sem a por parte da Fazenda Nacional é uma
na quitação das dívidas. Mecanismo interferência do Poder Judiciário. Dentre das principais causas do estrangulamento
que garantam, segundo ele, “a rápida as inovações do anteprojeto apontadas por da execução fiscal. A maior parte dos
localização do devedor e a penhora Adams, está a possibilidade de a própria problemas, segundo ele, pode ser
de seus bens, assim como sanções Fazenda poder arrolar e penhorar os bens solucionada com medidas administrativas,
mais rigorosas contra a “reiterada e do devedor, caso ele seja notificado da como informatização dos processos,
Foto: Rayssa Coe

Professor Kiyoshi Harada; juiza federal Fernanda Duarte da Silva; ministro Teori Zavascki; juiz federal Walter Nunes; ministro Gomes de Barros; ministro Gilson Dipp;
procuradora da Fazenda nacional Adrienne Jobim; desembargadores federais Mairan Maia e Souza Prudente; procurador-geral da FN Luís Inácio Adams; e desembargador
Hugo Machado

12
Execução Fiscal

criação de um cadastro nacional de equivoca-se ao não examinar as causas fiscal, com alguns ajustes na atual Lei
contribuintes e devedores para facilitar do estoque acumulado da Dívida Ativa de Execuções Fiscais (Lei nº 6.830/80),
a sua localização, e a responsabilidade da União (estimada pela PGFN em mais à luz da jurisprudência já firmada sobre
de apresentar ao Judiciário os bens a de R$ 460 bilhões) e da morosidade do a matéria.
penhorar. Outro problema apontado Judiciário. “Ora, se apenas 1% da dívida
por ele é a ausência de seletividade dos ativa está sendo efetivamente arreca- Jurisdição delegada
créditos. “Coloca-se em uma mesma vala dado pelo processo de execução fiscal e “Ainda se justifica a existência da dele-
créditos de milhões e de dezenas de reais”, se há baixíssimo índice de impugnação, gação à Justiça Estadual?”, questionou o
critica. ministro Teori Zavascki, em palestra
“Este anteprojeto é o maior na audiência pública administrativa
absurdo que já vi em minha
Dos processos de execução sobre a execução fiscal. A Lei
vida”, enfatizou o desembargador
federal aposentado do TRF
fiscal em tramitação, cerca que organiza a Justiça Federal (n.
5.010/66) autorizou comarcas
da 5a Região, Hugo de Brito de 80% estão parados, porque estaduais a julgarem processos de
Machado. Retirar do cidadão a execução fiscal de competência
possibilidade de se defender em os devedores ou os seus bens federal, em localidades onde não
juízo, para ele, é inadmissível. havia vara federal. “A Justiça Federal
“O direito à jurisdição contra o não são encontrados. pode perfeitamente acumular essa
Estado é essencial”, asseverou. atividade executiva hoje delegada à
O devedor, segundo ele, tem o direito é porque não está havendo prévia Justiça Estadual”, afirmou o ministro.
de ser executado por uma autoridade seleção qualitativa das dívidas a serem A delegação de competência, lembra
independente, e somente o Judiciário ajuizadas, nem está havendo a correta o ministro Zavascki, remonta às origens
se reveste dessa independência. Para indicação do local onde se encontra históricas da Justiça Federal. Em 1937
resolver o problema da morosidade, o devedor e, tampouco, de seus bens ela havia sido extinta pelo Estado Novo
Machado considera que basta a Fazenda passíveis de penhora”, avalia. e com a Constituição de 1946 apenas a
Pública investir melhor em sua infra- De acordo com ele, já existe em segunda instância foi restaurada, ficando
estrutura e adotar medidas simples, tramitação o Projeto de Lei n. 10/2005, de as atividades de primeira instância
como a manutenção de um cadastro iniciativa do senador Pedro Simon, que delegadas aos juízes estaduais. Embora
atualizado com os endereços e bens trata da execução fiscal administrativa, a Lei n. 5.010 tenha recriado a primeira
penhoráveis dos devedores. de modo mais adequado. Harada instância da Justiça Federal, havia na
Para o professor de Direito Tributário propõe a incorporação da penhora época apenas 44 varas federais em todo
Kiyoshi Harada, outro palestrante da administrativa como um dos requisitos o país, o que justificava essa delegação
audiência, o anteprojeto de lei da PGFN da propositura de ação de execução em localidades distantes dessas varas. Foto: Rayssa Coe

13
Decisões do CJF

Justiça Federal terá horário de


funcionamento padronizado
As jornadas de funcionamento perdurar o atendimento ao público em
do Conselho da Justiça Federal, dos geral.
Tribunais Regionais Federais e Seções Na fixação dos horários de
Judiciárias serão, na medida do possível, funcionamento, os órgãos da Justiça
coincidentes, ininterruptas e de, no Federal devem levar em conta
mínimo, oito horas diárias. A decisão políticas públicas para economia dos
foi tomada pelo colegiado do CJF em recursos disponíveis, o bem-estar dos
sessão realizada no dia 29 de outubro. serventuários e do público em geral e a
A medida prevê que os horários efetividade do serviço prestado.
de funcionamento – interno e A decisão do CJF, relatada pelo
externo – devem ser simultâneos, não coordenador-geral da Justiça Federal,
podendo haver distinções entre eles. ministro Gilson Dipp, partiu de consulta
Esses horários devem coincidir com do presidente do Tribunal Regional
o funcionamento do comércio e de Federal da 2ª Região, desembargador
repartições públicas e com a prática federal Castro Aguiar. A matéria já havia
cotidiana da comunidade, a fim de sido objeto de solicitação de estudos
assegurar o atendimento da clientela. pela corregedora-geral do TRF da 3ª
Não poderá haver horários específicos Região, à época a desembargadora
para atendimento ao advogado, o federal Marli Ferreira, que atualmente é
qual deve ser recepcionado enquanto a presidente do TRF3.

Comunicação administrativa renovada


O Conselho da Justiça Federal de caráter ordinatório são: Portaria, por meio de orientações técnicas aos
renovou regras para edição de seus Nota Técnica (NT), Manual Operacional dirigentes e servidores.
atos normativos. Com o objetivo de (MO), Ordem de Serviço (OS) e Como medida preparatória para a
racionalizar a elaboração desses atos, Regulamento de Serviço (RS). Podem consolidação dos atos normativos e
o CJF aprovou a Resolução nº 581, ainda ser expedidos em conjunto os ordinatórios, o secretário-geral do CJF,
que relaciona as suas modalidades e seguintes atos ordinatórios: Portaria Alcides Diniz da Silva, e os dirigentes
finalidades, revogando a de nº 66, de Conjunta, Nota Técnica Conjunta e dos órgãos centrais de sistema estão
1992, que anteriormente disciplinava Ordem de Serviço Conjunta. fazendo a triagem dos atos relacionados
a matéria. Os atos administrativos A Decisão Normativa terá caráter com as suas respectivas áreas de
poderão, por exemplo, disciplinar vinculante e será proferida pelo colegiado competência, consolidando textos que
a aplicação de leis, decretos ou do CJF em processo administrativo tratem da mesma matéria e adaptando-
regulamentos ou estabelecer diretrizes com o objetivo de orientar os órgãos se às regras estabelecidas na nova
relacionadas com os sistemas da Justiça Federal sobre matéria objeto resolução.
administrativos da Justiça Federal. de consulta formulada pelos Tribunais A resolução inaugura uma nova
No texto da resolução aprovada são Regionais Federais, que não esteja dinâmica de trabalho no processamento
considerados atos administrativos do contemplada por resolução do CJF. das matérias incluídas em pauta para
CJF de caráter normativo a Resolução, A Instrução Normativa, expedida apreciação do colegiado do CJF.
a Decisão Normativa (DN) e a Instrução pelo presidente do CJF, terá a Na sessão do dia 29/10, no Rio de
Normativa (IN), cuja publicidade será finalidade de organizar o ordenamento Janeiro, além da aprovação da matéria,
obrigatória mediante publicação no administrativo com relação à foram revogadas, em bloco, 56 outras
Diário Oficial. Os atos administrativos padronização de serviços e materiais, resoluções que já perderam a eficácia.

14
Decisões do CJF

Juiz criminal não perdeu Auxílio pré-escolar


de R$ 280,00
prerrogativas
O segredo de justiça e o acesso aos em segredo de justiça são aquelas
autos sigilosos sempre foi e continuará determinadas pela autoridade judicial
sendo prerrogativa exclusiva do juiz competente para o feito, em 1º ou 2º
criminal. O Conselho da Justiça Federal graus.
apenas retirou da sua Resolução nº O processo teve origem no pedido
507/2006 dispositivos que diziam de revisão feito pela Ordem dos
respeito à legislação penal e processual Advogados do Brasil, que solicitou a
penal. O esclarecimento foi feito pelo revogação do § 3º do art. 5º da Resolução,
coordenador-geral da Justiça Federal, segundo o qual “a vista dos autos nos A partir de 1º de janeiro de 2008 será
pago auxílio pré-escolar no valor líquido
ministro Gilson Dipp, que relatou feitos declarados sigilosos dependerá
de R$ 280,00 a servidores e magistrados
em sessão do CJF realizada em 26/11 sempre de autorização expressa do
da Justiça Federal e do CJF. O benefício
processo no qual se discutiu a alteração juiz competente e restringir-se-á aos é devido àqueles que tenham filhos,
da norma. elementos processuais essenciais enteados ou menor sob guarda ou tutela
A resolução estabelece diretrizes à ampla defesa do interessado”. O na faixa etária de zero a seis anos ou até
para o tratamento de processos e parágrafo foi revogado tendo em vista sua quando ingressar no ensino fundamental.
investigações sigilosas ou que tramitam incompatibilidade com a jurisprudência A Resolução nº 588, que disciplina o
em segredo de justiça. De acordo com o do Supremo Tribunal Federal e com o auxílio pré-escolar foi aprovada pelo
ministro, a essência do novo texto está art. 20 do Código de Processo Penal. O colegiado do CJF em sessão realizada no
disciplinada no seu art. 2º, cuja redação ministro Gilson Dipp, no entanto, além dia 29 de outubro.
estipula que a investigação, processo, dessa revogação, decidiu propor ampla O auxílio será custeado em parte, pelo
dados e informações consideradas revisão no texto da Resolução. órgão de origem e parte pelo beneficiário,
cujas quotas de participação variam de
acordo com as faixas de remuneração:
Planos de saúde ressarcidos até R$ 2.400,00 5%
O CJF aprovou em sessão do dia saúde de servidor custeado pelos cofres de R$ 2.400,01 até R$ 4.000,00 10%
26/11 Resolução nº 587, segundo a qual públicos. A resolução disciplina quem são de R$ 4.000,01 até R$ 5.600,00 15%
a assistência à saúde de magistrados e os beneficiários do auxílio, os documentos
de R$ 5.600,01 até R$ 7.200,00 20%
servidores do Conselho e da Justiça Federal necessários à sua inscrição e em que casos
acima de R$ 7.200,01 25%
de 1º e 2º graus poderá ser prestada por o beneficiário perde o direito ao seu
meio de ressarcimento parcial aos que recebimento.
Pela resolução, não será necessária
optarem por planos privados de saúde. Relatada pelo coordenador-geral da
apresentação de comprovante de
O valor limite será de R$ 90,00 por Justiça Federal, ministro Gilson Dipp,
matrícula da criança em creche ou
beneficiário titular ou dependente. a proposta atende pedido formulado estabelecimento de ensino. O servidor
De acordo com a resolução, só fará jus pela Associação dos Juízes Federais do ou magistrado lotado em instituição
ao ressarcimento o beneficiário que não Brasil (Ajufe) acerca da regulamentação que disponha de creche ou lactário em
receber auxílio semelhante, nem participar do pagamento de verba indenizatória de suas dependências não terá direito ao
de outro programa de assistência à auxílio-saúde aos seus associados. benefício.

Oficiais de gabinete podem ser substituídos


O Conselho da Justiça Federal organizacional para conferir ao impedimentos, tendo em vista que
decidiu em sessão do dia 29/10 oficial de gabinete dos juízes federais efetivamente exerce atribuições de
determinar aos Tribunais Regionais funções de chefia. A decisão entende comando.O relator da proposta foi o
Federais que procedam à adequação que o oficial de gabinete pode ser ministro Gilson Dipp, coordenador-
dos seus atos de estruturação substituído em suas ausências e geral da Justiça Federal.

15
Eventos do CEJ

Padrão de conduta para juízes


Seminário do CEJ/CJF trouxe ao Brasil especialistas mundiais para debater a
adoção de um código de ética aplicável ao Judiciário brasileiro

Objetividade, honestidade, impar- Americano de Ética Judicial, do qual o Brasil


cialidade, independência, transparência é signatário, com vistas à sua adoção como
e integridade são as normas que devem o código de ética do Judiciário brasileiro.
nortear a conduta do bom juiz. A opinião Segundo o ministro Barros Monteiro, os
foi dada pelo presidente do Superior desvios éticos cometidos por agentes do
Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho Poder Judiciário significam descaso para
da Justiça Federal (CJF), ministro Raphael com a coletividade. Para ele, o contexto
de Barros Monteiro Filho, na abertura sócio-político nacional impõe a discussão
do seminário “Ética no Judiciário: da ética de forma a manter o índice de
tendências internacional e nacional”, em confiança dos cidadãos na Justiça.

Foto: Cícero Bezerra


19 e 20 de outubro no auditório do STJ, O coordenador-geral da Justiça
sob a promoção do Centro de Estudos Federal e diretor do CEJ, ministro Gilson
Judiciários (CEJ) do CJF. Dipp, disse ser um dever do magistrado
Vigo: “Ética e moral são inseparáveis do Direito”.
O evento trouxe ao Brasil os maiores preocupar-se com a corrupção, que
especialistas mundiais no tema: os vem assolando as instituições do Estado valores, princípios e direitos humanos.
espanhóis Jorge Carrera Domenéch, brasileiro, atingindo inclusive o Judiciário. Segundo ele, para atingir a excelência,
diretor executivo da Secretaria Perma- “O código de ética vem em defesa, e não um juiz deve ter a ética interligada à sua
nente da Cúpula Judicial Iberoamericana, contra os juizes”, afirmou, ao mencionar conduta profissional. “Só assim as ações
Manuel Atienza, professor de Filosofia a elaboração do Código Ibero-Americano, dos juízes serão incorruptíveis”, afirmou.
do Direito da Universidade de Alicante, assinado na VIII Cúpula Judicial Ibero- Manuel Atienza enfatizou em sua
na Espanha, e o argentino Rodolfo Luís Americana, realizada em 2004, em San conferência que o instrumento de
Vigo, presidente da Junta Federal de Salvador. aplicação das leis é o juiz, que está sujeito à
Cortes e Superiores Tribunais de Justiça dialética entre o Direito e a Moral. Para ele,
das Províncias Argentinas. Também Ética e Direito essa dialética pode ser estudada a partir
participaram do evento palestrantes A importância da ética e seu elo dos três princípios da Ética moderna. O
brasileiros, como o ministro Ari Pargendler, com o Direito com o objetivo de guiar primeiro é o da universalidade - a ética
o desembargador federal Abel Fernandes, o comportamento do bom juiz foi um não pode ser uma hoje e outra amanhã.
do TRF2, e os juízes federais Friedmann dos principais focos do debate entre os Há também o princípio da dignidade,
Anderson Wendpap, da Seção Judiciária catedráticos Manuel Atienza e Rodolfo que diz que o “ser racional” não pode
do Paraná e Renato Toniasso, da Seção Luis Vigo. Na visão de Rodolfo Vigo, ser tratado apenas como “meio”, mas
Judiciária do Mato Grosso do Sul. ética e moral não podem ser separadas também como o “fim”, para quem as leis
O objetivo foi difundir o Código Ibero- do Direito, pois este está impregnado de se direcionam. E por último a autonomia
- a moral é um produto da racionalidade
humana e não teria outras fontes como a
religião, por exemplo.
Já para o ministro Ari Pargendler,
“o valor ético na ordem jurídica está na
certeza de que esta é aplicada para todos”.
Jorge Carrera Doménech reafirmou que
o papel da justiça e dos juizes é exercer
Foto: Cícero Bezerra

com profissionalismo, excelência e


transparência sua função. “A ética e o
Direito são imprescindíveis nesse papel”,
Ministros Barros Monteiro (esq.) e Gilson Dipp na abertura do seminário concluiu.

16