Você está na página 1de 6

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

EXPERIMENTAL ANALYSIS OF ELECTRICAL CIRCUITS

JEAN CARLOS ¹; WILLIAM PONTES 2CESAR XAVIER³

¹ Universidade Estadual da Paraíba UEPB – Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde.

Resumo

Um circuito elétrico é a ligação de elementos elétrico tais como, resistores,


indutores, capacitores, linhas de transmissão, fontes de tensão, fontes de correntes e
interruptores, de modo que forma um caminho fechado. Em nosso experimento tivemos
como objetivo a análise de correntes, resistências e tensões em vários pontos do circuito
e nas mais diferentes associações em série e em paralelo. Apresentando as medidas
realizadas analiticamente e experimentalmente dos circuitos elétricos.

Palavras – chave: Circuitos Elétricos, Resistores. Corrente Elétrica.

Abstract

An electrical circuit is the connection of electrical elements such as resistors,


inductors, capacitors, transmission lines, voltage sources, current sources and switches,
so that it forms a closed path. In our experiment we had the objective of analyzing
currents, resistances and voltages at various points in the circuit and in the most different
combinations in series and in parallel. Presenting the measurements carried out
analytically and experimentally of the electrical circuits.

Key words: Electrical Circuits, Resistors. Electric current.

¹ Graduando no Curso de Engenharia Civil; e-mail: jeancarlos.engenhariacivil@hotmail.com


2
Graduando no Curso de Engenharia Civil; e-mail: williampontes18530@gmail.com
1. Introdução força eletromotriz através de um
trabalho. Quando uma fonte realiza
Segundo o livro Halliday [1] para trabalho sobre os portadores de carga
produzimos uma corrente elétrica para estabelecer uma corrente, i o
estável, precisamos de uma fonte de dispositivo transfere energia interna
carga, um dispositivo que realizando (energia química, no caso de uma
trabalho sobre os portadores de carga, bateria) para os portadores de carga. A
mantenha a diferença de potencial energia total fornecida pela fonte é igual
constante entre dois terminais. Esses a energia dissipada pelo circuito
tipos de dispositivos são determinados considerando também a dissipação
de fonte de tensão ou simplesmente interna da fonte.
fonte. Exemplos pilhas, baterias etc.
Dizemos que uma fonte de tensão produz 2. Corrente Elétrica
uma força eletromotriz (fem), o que
significa que submete todos os Segundo [2] ao se estudarem
portadores de cargas a uma diferença de situações onde as partículas
potencial. eletricamente carregadas deixam de estar
Por razões históricas o termo força em equilíbrio eletrostático passamos à
eletromotriz é usado para designar a situação onde há deslocamento destas
diferença potencial produzida por uma cargas para uma determinada direção e
fonte, embora não se trate de uma força. em um sentido, este deslocamento é o
Obs. Capacitores não são bons exemplos que chamamos corrente elétrica, estas
de fontes de tensão pois à medida de os correntes elétricas são responsáveis pela
elétrons migram de uma placa para outra eletricidade considerada utilizável por
a diferença de potencial não permanece nós, normalmente utiliza-se a corrente
constante. Força eletromotriz: Em um causada pela movimentação de elétrons
intervalo de tempo dt, uma carga dq em um condutor. A corrente elétrica é
passa por todas as seções retas do causada por uma diferença de potencial
circuito, como aa’. A mesma carga que elétrico (d.d.p./ tensão). E ela é explicada
entra no terminal de baixo potencial da pelo conceito de campo elétrico, ou seja,
fonte, sai no terminal de alto potencial. ao considerar uma carga A positiva e
Para que a carga dq se mova dessa forma, outra B, negativa, então há um campo
a fonte deve realizar sobre a carga um orientado da carga A para B. Ao ligar-se
trabalho dW. Dessa forma definimos a um fio condutor entre as duas os elétrons
livres tendem a se deslocar no sentido da é mantida de forma linear, chamamos o
carga positiva, devido ao fato de terem condutor de ôhmico, tendo seu valor
cargas negativas, lembrando que sinais dado por:
opostos são atraídos. Desta forma cria-se U
R (2)
uma corrente elétrica no fio, com sentido i
oposto ao campo elétrico, e este é Sendo R constante, conforme enuncia a
chamado sentido real da corrente 1ª Lei de Ohm: Para condutores ôhmicos
elétrica. Embora seja convencionado que a intensidade da corrente elétrica é
a corrente tenha o mesmo sentido do diretamente proporcional à tensão (ddp)
campo elétrico, o que não altera em nada aplicada em seus terminais. A resistência
seus efeitos (com exceção para o elétrica também pode ser caracterizada
fenômeno chamado Efeito Hall), e este é como a "dificuldade" encontrada para
chamado o sentido convencional da que haja passagem de corrente elétrica
corrente. Para calcular a intensidade da por um condutor submetido a uma
corrente elétrica (i) na secção transversal determinada tensão. No SI a unidade
de um condutor se considera o módulo adotada para esta grandeza é o ohm (Ω),
da carga que passa por ele em um em homenagem ao físico alemão Georg
intervalo de tempo, ou seja: Simon Ohm.

Q
i (1) 4. Tensão Elétrica
t

Tensão elétrica ou diferencial de


3. Resistência Elétrica potencial (ddp) é a diferença de potencial
entre dois pontos. A tensão elétrica
Ao aplicar-se uma tensão U, em um também pode ser explicada como a
condutor qualquer se estabelece nele quantidade de energia gerada para
uma corrente elétrica de intensidade i. movimentar uma carga elétrica. Vamos
Para a maior parte dos condutores estas dar um exemplo de uma mangueira com
duas grandezas são diretamente água, a qual no ponto entre a entrada de
proporcionais, ou seja, conforme uma água e a saída exista uma diferença na
aumenta o mesmo ocorre à outra, se a quantidade de água, essa diferença trata-
resistência elétrica do condutor (R), que se da ddp entre esses dois pontos. Já no
depende de fatores como a natureza do condutor, por onde circula a carga de
material. Quando esta proporcionalidade energia elétrica, a diferença entre o
gerador (equipamento responsável por 6.Materiais e Métodos
gerar energia) e o consumidor (que pode
ser seu computador ou outro Procedimento experimental
equipamento) é que simboliza qual é a Os equipamentos materiais
tensão que existe nesse condutor. utilizados foram: um quite contendo um
voltímetro, duas pilhas, uma placa
contendo um circuito elétrico, fios e
resistores para a análise do circuito.
Além do simulador de circuitos elétricos
disponível na plataforma da phet
Interactive simulations para discussão e
análise de dados.

7.Resultados e Discussão
No exemplo acima, o gerador, que é a
pilha, libera uma partícula eletrizada,
Após a montagem de todo o
esta percorre o condutor e faz acender a
equipamento e ferramentas necessárias
lâmpada, depois essa partícula continua
para a realização do experimento, foi
seu percurso até retornar à pilha.
verificada as medidas da fem, dos
resistores simples e alternados com
5. Potência
auxílio do multímetro. FEM = 4 V,
resistores simples = (150 ± 7,5) Ω e os
Um resistor é um dispositivo que
resistores alternados R1máx,min = ( 1027-
transforma a energia elétrica
35)Ω e R2máx,min = (1148-68)Ω os
integralmente em calor. Podemos dizer
seguintes valores para resistência
então que o resistor dissipa a energia
máxima e mínima respectivamente.
elétrica que recebe do circuito. Assim, a
Portanto, montamos o primeiro
potência elétrica consumida por um
circuito simples com os materiais
resistor é dissipada.
disponíveis, exemplificado no simulador
Como sabemos, essa potência é dada
a baixo:
por:

P  Vab .i (3)
ultilizando a equação abaixo, teremos o
erro de 23,9%.
 296  225 
Erro    x100%  23,9%
 296 
Considerando que os terminais da fem
medem 2,5 V, e usando o resistor
variável para obter variações na corrente
que passa por esse resistor medimos a
corrente a resistência, a partir da eq. 3
Figura 1: Modelagem computacional do circuito
conseguimos a potência dissipada no
resistor variável, com posse dessas
Para obter-se uma nova fonte de
informações montamos a tabela abaixo:
tenção de saída de 2,5 V, a Teoria de
Thevenin diz que uma fonte de tensão de
R (Ω) I (A) P (J)
saída V0 e um conjunto de resistores, 0,43 1,087212
5,88
podemos sempre arrumar de alguma 12,9 0,19 0,46569
forma os resistores, de modo a obter uma 29,41 0,09 0,238221
nova fonte de tensão mais baixa com um 54,71 0,05 0,136775
resistor equivalente, na figura 2 temos: 83,53 0,03 0,075177
Tabela 1: Valores para resistência variável.

Figura 2: Arranjo para DDP de 2,5 V.

Gráfico 1: Gráfico da Potência pela Resistencia.

Para tal configuração foi obtida


analiticamente o valor de 225 Ω para 8. Conclusões
resistência equivalente, e ultilizando o
multímetro na placa do circuito foi A aproximação entre o modelo
conferido o valor de 296 Ω, portanto, teórico e prático para a análise do
circuito, foram vistos com recorrência
nesse trabalho, para qualquer
característica analisada obteve-se
valores satisfatórios com erros
relativamente pequenos, uma vez que
por se tratar de um experimento é
passível de erro. A simulação dos vários
circuitos montados na plataforma
auxiliou e comprovou os valores obtidos
não só pelo multímetro, mas também
pelos cálculos analíticos.

Agradecimento

Agradecemos ao professor César


Soares pela disponibilização dos
materiais guia em forma de artigos que
deram orientação a este trabalho.

Referências bibliográficas

...............

Você também pode gostar