Você está na página 1de 13

ALEXANDRIA Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v.5, n.3, p.

181-193, novembro 2012 ISSN 1982-5153

A Necessidade de Inserção do Processo de Seleção Sexual nos Livros


Didáticos do Ensino Médio

LIVIA BAPTISTA NICOLINI1, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO


FRANCISCO WAIZBORT
Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde, Instituto Oswaldo Cruz,
Fundação Oswaldo Cruz, Laboratório de Avaliação em Ensino e Filosofia das Biociências,
Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.
1
lbnicolini@hotmail.com

Resumo. O presente trabalho tem como objetivo apresentar o conceito de seleção sexual de Darwin e discutir a
importância de sua inserção nos livros didáticos do Ensino Médio. Foram analisados os livros que fazem parte da lista
sugerida pelo Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio. Os resultados indicam que esse conceito é
apresentado em menos de 50% das obras sugeridas pelo PNLEM e que é caracterizado como um tipo de seleção natural.
Sugerimos que é necessária a diferenciação de tais conceitos com o objetivo de promover um ensino mais eficaz dos
mesmos, o que poderá facilitar a compreensão da Teoria Evolutiva de forma mais ampla e do conceito de seleção
natural de forma mais específica.
Abstract. The present paper has as an objective presenting the sexual selection theory of Darwin and discuss the
importance of its insertion in highschool textbooks. Textbooks analised are part of the list suggested by the Programa
Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio. The results indicate that this concept is present in less than 50% of
the textbooks suggested by the PNLEM, and it is characterized as a subtype of natural selection. We suggest that it is
necessary the diferentiation of each concept with the objective of promoting a more efficient teaching method for them,
which could facilitate the comprehension of the Evolutive Theory in a broader way, and the comprehension of natural
selection in a specific way.
Palavras-chave: Ensino de Biologia, Livros Didáticos, Seleção Natural, Seleção Sexual.
Keywords: Biology Teaching, Biology Textbooks, Natural Selection, Sexual Selection.

Introdução
Ao longo dos últimos 150 anos, a Teoria da Evolução pelo mecanismo da Seleção Natural
formulada originalmente por Charles Darwin1, não só tem sido cada vez mais fundamentada, como
é considerada um dos pilares das Ciências Biológicas (FUTUYMA, 2002). Embora esse seja um
dado concreto, sabemos, hoje, que muitas pessoas, das mais diversas formações e esferas sociais,
ainda não compreendem de forma clara quais foram as ideias formuladas por esse autor (BIZZO,
1991; GOEDERT, 2004; TIDON e LEWONTIN, 2004) e de como elas se articulam para explicar
inúmeros e variados fenômenos biológicos.
Essa percepção está relacionada, principalmente, ao conceito de Seleção Natural, que, como
destaca Gould (1987), é muito mal compreendido. Uma das causas dessa incompreensão reside no
fato de que muitos pensam que a Seleção Natural explica todas as características exibidas da imensa
variedade de espécies de seres vivos.
Entretanto, de acordo com Mayr (2008), na teoria formulada por Darwin, cinco conceitos
podem e devem ser reconhecidos e relacionados, mas é importante destacar que Darwin, ao
1
Gostaríamos de esclarecer que em nenhum momento estamos considerando Darwin como o único a propor a Teoria
Evolutiva. Sabemos da importância de Wallace e outros como co-formuladores da mesma. Também usaremos o
conceito de Darwin sobre a Seleção Sexual (DARWIN, 2004), que era diferenciado do de Wallace (CRONIN, 1995).
LIVIA BAPTISTA NICOLINI, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO FRANCISCO WAIZBORT

formular sua Teoria da Evolução, ou seja, a modificação das espécies ao longo do tempo através do
mecanismo da Seleção Natural, não sistematizou os cinco conceitos que descreveremos. Esses
conceitos permearam seu trabalho, mas tal sistematização foi elaborada por Mayr (2008).
Consideramos que a interpretação de Mayr sobre a teoria ou teorias de Darwin, como o mesmo
deixa claro em seus trabalhos (MAYR, 2008), é muito bem estruturada e pode ser usada na análise
de livros didáticos do Ensino Médio.
O primeiro conceito é chamado por Mayr de Teoria da evolução como fato e se refere às
evidências indiscutíveis a favor da evolução das espécies de seres vivos, que Darwin tanto
descreveu em seus trabalhos. Nos últimos 150 anos, com o trabalho de diversos biólogos
evolutivos, essas evidências tornaram-se tão esmagadoras, que a evolução passou a ser considerada
não mais uma teoria e sim um fato, consensualmente aceito por todos os cientistas e estudiosos com
uma verdadeira formação científica (FUTUYMA, 2002; MAYR, 2008).
Para Mayr (2008), usando os conceitos de Darwin (2002), a diversificação das espécies não
ocorreu de forma brusca e sim de forma gradual, em que as pequenas variações individuais
presentes nas populações foram sendo selecionadas de acordo com o valor adaptativo para a
sobrevivência, o que, ao longo do tempo geológico, levaria a diversificação das espécies e sua
adaptação ao meio em que vive. Esse segundo conceito é conhecido pelo nome de Gradualismo.
Essa proposição nos leva ao terceiro conceito que é Origem Comum. Todas as espécies
atuais são descendentes de alguma espécie ancestral (DARWIN, 2002; MAYR, 2008). A origem
comum explica o bauplan (ou plano básico) de diversos grupos aparentados e ajuda na
compreensão da distribuição geográfica dos seres vivos.
Esse conceito está intimamente relacionado com o de Especiação Populacional, que é o
quarto conceito da teoria darwiniana (MAYR, 2008). É importante ressaltar, como o nome indica,
que esse processo ocorre no nível das populações e não dos indivíduos. A partir das diferenças entre
indivíduos de uma mesma espécie, com o passar do tempo geológico, uma população, por processos
que por ora não serão explorados aqui, pode sofrer transformação e dar origem a populações de uma
ou mais espécies novas.
O que nos leva ao último conceito indicado por Mayr (2008) que é a Seleção Natural. A
Seleção Natural é o processo que atua selecionando as pequenas variações entre os indivíduos de
uma população. Os indivíduos que possuem características que facilitam sua sobrevivência e, com
isso, consigam chegar à idade reprodutiva, tendem a passar essas características aos descendentes.
A Seleção Natural opera a partir de dois eventos independentes: a variação e a seleção. As
variações individuais surgem ao acaso, a partir das recombinações genéticas, do fluxo genético
entre populações, de fatores casuais e/ou mutações; já a seleção é a taxa de sobrevivência

182
INSERÇÃO DO PROCESSO DE SELEÇÃO SEXUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO

diferenciada. Nesse sentido, a competição entre os indivíduos e a sobrevivência e reprodução


diferenciadas ao longo das gerações levam à diversificação das espécies ao longo do tempo e suas
adaptações ao ambiente em que vivem levam à evolução (DARWIN, 2002; MAYR, 2008).
Em seu livro A origem das espécies, publicado em 1859, Darwin (2002) procurou apresentar
detalhadamente suas ideias sobre a origem e modificação das espécies ao longo do tempo através do
processo de Seleção Natural. Porém, algumas características, como a cauda do pavão, o canto dos
pássaros, a galhada dos alces, cores brilhantes em insetos e diversos outros exemplos, perturbavam
a eficácia do conceito de Seleção Natural. Essa dificuldade ocorre porque as características
mencionadas são custosas e chamam a atenção de predadores, são características que claramente
não favorecem a sobrevivência dos indivíduos. Ainda em A origem das espécies e depois em A
origem do homem e a seleção sexual, publicado em 1871, Darwin (2002; 2004) procura solucionar
esse entrave com a formulação do conceito de Seleção Sexual.
A Seleção Sexual é um processo evolutivo que atua de forma intraespecífica e pode ser
entendida como o resultado de uma interação intrassexual ou intersexual. No primeiro caso,
estariam as competições/lutas entre machos por território, alimento ou outros recursos, incluindo a
competição pela própria fêmea, com fins reprodutivos. No segundo caso, estariam as exibições
estruturais (a cauda dos pavões, plumagem dos pássaros) ou comportamentais (dança de aves, por
exemplo) realizadas comumente por machos, o que levaria a escolha, pela fêmea, do macho com o
qual irá se acasalar. Esse processo está diretamente relacionado com ações que buscam o sucesso
reprodutivo e assim, quem consegue se acasalar e cuidar melhor dos filhotes terá seus genes
perpetuados pelas futuras gerações (CRONIN, 1995; MILLER, 2000; DARWIN, 2002; DARWIN,
2004; RIDLEY, 2006).
As modificações que decorrem de tal processo permitem também a compreensão das
diferenças morfológicas ou comportamentais encontradas entre espécies muito aparentadas e/ou que
ocupam nichos ecológicos muito semelhantes. Um exemplo no grupo dos primatas pode ser
descrito nas espécies Mandrillus sphinx (mandril) e Mandrillus leucophaeus (dril), pois são
espécies aparentadas filogeneticamente e muito semelhantes em relação à morfologia e diversos
hábitos, mas os machos da espécie Mandrillus sphinx possuem uma coloração azul e vermelha no
focinho que não é encontrada nas fêmeas, filhotes e nem nos Mandrillus leucophaeus.

A Teoria Evolutiva nas salas de aula


Reconhecendo o papel assumido pela Teoria da Evolução no âmbito da construção do
conhecimento em Biologia, os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio 2 (PCNEM)

2
Documento que tem como objetivo auxiliar as equipes escolares na execução de seus trabalhos. Servindo de estímulo
183
LIVIA BAPTISTA NICOLINI, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO FRANCISCO WAIZBORT

sugerem que o ensino de evolução deva ter caráter transversal nos anos que compõem este
segmento (BRASIL, 2006), de forma a criar no estudante um olhar relacional sobre os seres vivos.
Dessa forma, o ensino da Evolução Biológica no Ensino Médio, em função do seu caráter
unificador dentro da Biologia, possibilitaria o estabelecimento de uma série de relações com outros
conteúdos abordados, como por exemplo, os da Ecologia e da Genética permitindo o entendimento
mais claro de processos subjacentes a conservação da biodiversidade e o uso controlado de
antibióticos (FUTUYMA, 2002; SANTOS, 2002).
Apesar de ser considerada um dos pilares das Ciências Biológicas, a Evolução Biológica não
vem merecendo o mesmo status quando se trata do ensino de biologia. Nesse caso, quando o tema
não é suprimido, é tratado de forma rápida, insuficiente e em alguns casos, com erros conceituais
graves (GOEDERT, 2004; PACHECO e OLIVEIRA, 1997 apud CARNEIRO et al., 2005; TIDON
e LEWONTIN, 2004). Além disso, esses autores apontam para dificuldades apresentadas tanto por
professores quanto por alunos na compreensão dos conceitos que envolvem o processo evolutivo.
Somado a isso, como será que os cinco conceitos evolutivos sintetizados por Mayr (2008)
são abordados nos livros didáticos que subsidiam o aprendizado dos estudantes? Será que o
conceito de Seleção Sexual está presente em tais livros? Note-se que a Seleção Sexual não está
contida entre os conceitos de Mayr e isso, a nosso ver, é uma omissão preocupante, uma vez que a
Seleção Natural seria incapaz de explicar sozinha os dimorfismos sexuais secundários, ou seja, as
eventuais diferenças fenotípicas e comportamentais entre machos e fêmeas, diferenças essas não
diretamente associadas aos órgãos genitais.
Questionamo-nos se esses seis conceitos (os cinco de Mayr mais a Seleção Sexual) estão
presentes nos livros didáticos de Ensino Médio, uma vez que o ensino da Teoria Evolutiva faz parte
dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM, 2006) e o livro didático está
intimamente relacionado com a prática educativa tanto docente, quanto discente (ROMA e
MOTOKANE, 2009).
Incluímos a questão referente ao conceito de Seleção Sexual por dois motivos principais:
acreditamos que esse conceito, contrastado ao de Seleção Natural, pode contribuir para explicar de
forma mais satisfatória a diversidade das espécies e de suas estruturas e, com isso, facilitar a
compreensão da Teoria da Evolução por alunos do Ensino Médio; e, este é considerado por alguns
autores (CRONIN, 1995; MILLER, 2000) como o conceito mais original de Darwin.

Análise dos livros didáticos indicados pelo PNLEM


Muito se discute sobre a importância do livro didático na prática docente e o quanto os

e apoio às reflexões sobre a prática diária, ao planejamento de aulas e, sobretudo, ao desenvolvimento do currículo da
escola, contribuindo ainda para a atualização profissional.
184
INSERÇÃO DO PROCESSO DE SELEÇÃO SEXUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO

mesmos podem influenciar os aspectos cognitivos dos alunos. Discussões acerca da qualidade
dessas obras, dos fatores que podem influenciar os professores no momento da escolha do livro e da
importância de não considerá-lo como a única fonte de consulta estão desenvolvidos em Martins
(2006), Carneiro et al. (2005), Bellini e Frasson (2006) e Roma e Motokane (2009).
Ainda que o livro didático possa e deva ser utilizado como elemento auxiliador, sabemos
que ainda ocupa uma posição bastante central de consulta, tanto por professores quanto por alunos.
Pensando nisso, foi criado o Programa Nacional do Livro para o Ensino Médio (PNLEM), que
busca a melhoria da qualidade dos livros utilizados nas escolas.
Esse programa avaliou algumas obras e indicou nove 3 livros que deveriam fazer parte de
uma lista que ficaria disponível para os professores como referência para o período de 2007-2009.
Esse programa do Ministério da Educação tem como objetivo servir de norte para que docentes,
desse segmento da Educação Básica, possam embasar a sua escolha em livros previamente
analisados por um grupo de profissionais ligados às diferentes áreas da Biologia.
No presente trabalho, analisamos sete4 obras no que se refere a apresentação e discussão do
conceito de Seleção Sexual. Realizamos também uma breve análise dos conceitos darwinianos
citados por Mayr (2008).
Em nossa avaliação estiveram presentes dois tipos de livros didáticos:
(1) Coleção de três volumes, um para cada série do Ensino Médio. Analisamos apenas o
livro cuja Unidade Evolução estivesse indicada no sumário. Dois dos sete livros analisados
encontram-se nesta categoria: Amabis e Martho (2005) e Frota-Pessoa (2005);
(2) Volume único, livro utilizado para cobrir os três anos do Ensino Médio. Analisamos a
Unidade Evolução a partir de consulta ao sumário. Cinco dos sete livros encontram-se nesta
categoria: Cesar e Sezar (2005), Favareto e Mercadante (2005), Laurence (2005), Linhares e
Gewandsnajder (2005) e Lopes; Rosso (2005).
Os trabalhos de Almeida e Falcão (2005), Silva-Porto (2008) e, mais recentemente, de Roma
e Motokane (2009), indicam que o tema Evolução passou a fazer parte dos livros didáticos apenas
na década de 1960 com a utilização do BSCS 5 e que, mesmo depois do abandono dessa coleção, os
novos livros didáticos produzidos continuaram a incluir o tema em seus conteúdos. Mas, mesmo
assim, esse tema não chega nem a 10% do conteúdo abordado nos livros didáticos indicados pelo
PNLEM (ROMA e MOTOKANE, 2009). Além disso, os livros não seguem a sugestão de que a

3
Adolfo, Crozetta e Lago (2005); Amabis e Martho (2005); Cesar e Sezar (2005); Favareto e Mercadante (2005); Frota-
Pessoa (2005); Laurence (2005); Linhares e Gewandsnajder (2005); Lopes e Rosso (2005); Paulino (2005).
4
Livros utilizados nesse trabalho: Amabis e Martho (2005); Cesar e Sezar (2005); Favareto e Mercadante (2005);
Frota-Pessoa (2005); Laurence (2005); Linhares e Gewandsnajder (2005); Lopes e Rosso (2005).
5
Os livros que faziam parte do BSCS (Biological Science Curriculum Studies) estavam relacionados com uma reforma
curricular da Biologia que estava em curso nos Estados Unidos nas décadas de 1950 e 1960. Nessa reforma, a Teoria
Evolutiva foi inserida como um dos eixos integradores da disciplina escolar Biologia (SILVA-PORTO, 2008).
185
LIVIA BAPTISTA NICOLINI, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO FRANCISCO WAIZBORT

Teoria Evolutiva seja entendida como eixo unificador do ensino de Biologia.


Os livros aqui analisados, de uma forma geral, dedicam menos de 10% do seu conteúdo total
para discutir o tema Evolução (Tabela 1) 6. Considerando a sua importância para o entendimento da
Biologia como um corpo de conhecimento não fragmentado, acreditamos que o espaço destinado
em tais obras pode ser compreendido como insatisfatório.

Amabis e Martho
Gewandsnajder

(Nova Geração)
Lopes e Rosso

César e Sezar
Frota-Pessoa

Mercadante
Favareto e

Linhares e
(Moderna)

(Moderna)
(Scipione)

Laurence
(Saraiva)

(Saraiva)
(Ática)
% do livro que discute
Evolução 5% 5% 5% 6% 5% 7% 5%

Tabela 1 – Percentual aproximado de páginas que tratam do assunto evolução por livro didático

O tratamento insatisfatório do tema evolução talvez seja o resultado de uma concepção de


ensino enciclopédico no Ensino Médio e, por consequência, nos livros didáticos. Esse fato pode ser
explicado, pelo menos em parte, por um processo de hiperespecialização do conhecimento e de um
ensino fragmentado em disciplinas (MORIN, 2001). Dessa forma, sobra pouco tempo e espaço para
desenvolver temas de maior relevância para o estudante de forma mais eficiente e relacionada à sua
vida prática.
A constatação de que a Teoria Evolutiva não é tratada com o grau de complexidade exigido
por sua história e estrutura não impede que encontremos, na maior parte dos livros analisados, os
cinco conceitos que compõem o pensamento darwiniano, segundo Mayr (2008) (Tabela 2).
Amabis e Martho
Gewandsnajder

(Nova Geração)
Lopes e Rosso

César e Sezar
Frota-Pessoa

Mercadante
Favareto e

Linhares e
(Moderna)

(Moderna)
(Scipione)

Laurence
(Saraiva)

(Saraiva)
(Ática)

Conceitos
Origem comum + + + + + + +
Evolução como fato + + + + + + +
Gradualismo + - - - + - +
Especiação + + + + + + +
Seleção Natural + + + + + + +

Tabela 2 – Avaliação da presença dos conceitos que compõem o pensamento Darwiniano.


Legenda: + Conceito Presente; - Conceito Ausente.

6
Os dados dessa tabela foram produzidos a partir de uma regra de três simples, na qual o total do número de página do
livro (Volume Único) ou dos livros (séries com três volumes) correspondia a 100% e o resultado obtido se refere ao
percentual de páginas da Unidade Evolução em relação ao total.
186
INSERÇÃO DO PROCESSO DE SELEÇÃO SEXUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO

Dentre os cinco conceitos, o único que não está presente nos sete livros é o conceito
Gradualismo, sendo os demais trabalhados em todos os livros didáticos. É interessante notar que os
livros fazem uso de cladogramas para demonstrar questões relacionadas à origem comum, além de
apresentar exemplos bem sedimentados que evidenciam a evolução não apenas como uma teoria e
sim como um fato científico bastante comprovado. Os livros, de uma forma geral, parecem
compreender que esses conceitos são de grande importância para que o aluno desenvolva um olhar
relacional sobre os fenômenos da vida.
Em contraposição, quando avaliamos a presença ou ausência do conceito de Seleção Sexual
nesses mesmos livros, podemos perceber que esse conceito está presente em menos de 50% das
obras (Tabela 3).

Amabis e Martho

(Nova Geração)
Gewandsnajder
Lopes e Rosso

César e Sezar
Frota-Pessoa

Mercadante
Favareto e

Linhares e
(Moderna)

(Moderna)
(Scipione)

Laurence
(Saraiva)

(Saraiva)
(Ática)
Conceito
Seleção sexual + - - + + - -

Tabela 3 – Avaliação da presença do conceito de Seleção Sexual formulado por Darwin.


Legenda: + Conceito Presente; - Conceito Ausente.

Após esse levantamento inicial e com a leitura das Unidades Evolução dos sete livros
indicados pelo PNLEM que tivemos acesso, fizemos a análise do conceito de Seleção Sexual nos
três livros que trabalham esse conceito. A análise foi feita de duas formas:
 Calculamos, a partir de uma regra de três simples, a porcentagem da área dedicada ao conceito
de Seleção Sexual em relação à área total correspondente à Unidade Evolução, em cada livro. Nesse
caso, foram incluídas as áreas que continham textos, figuras, exemplos, gráficos, exercícios e etc.;
 Avaliação qualitativa do conceito de Seleção Sexual exposto em cada livro em relação ao
referencial teórico de nosso trabalho.
O primeiro resultado está sintetizado na tabela abaixo:

187
LIVIA BAPTISTA NICOLINI, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO FRANCISCO WAIZBORT

Amabis e Martho
Gewandsnajder
Lopes e Rosso

Linhares e

(Moderna)
(Saraiva)

(Ática)
% da Unidade Evolução que
discute Seleção Sexual 2,05% 0,75% 0,24%

Tabela 4 – Percentual aproximado da área que aborda o conceito de Seleção Sexual,


na Unidade Evolução, por livro didático

A segunda análise permitiu verificar que nos três livros que apresentam o conceito de
Seleção Sexual, esse é trabalhado como um exemplo ou como um tipo especial de Seleção Natural.
Esse é um ponto discutível desde os tempos de Darwin (FISHER, 1930; HAMILTON, 1964;
WILLIAMS, 1966; CRONIN, 1995; MILLER, 2000; DARWIN, 2004). Para toda uma tradição de
pensamento, as características que são selecionadas pela Seleção Sexual são extremamente custosas
e funcionam como indicadoras de bons genes e, por isso, garantem um sucesso reprodutivo. Mas,
em contraposição, são estruturas que não favorecem a sobrevivência e, por isso, não podem ter sido
o resultado da Seleção Natural que é essencialmente econômica (ZAHAVI e ZAHAVI, 1997;
DARWIN, 2002; DARWIN, 2004).
A questão que se coloca é o caso das estruturas custosas que não parecem favorecer
imediatamente à sobrevivência; a cauda do pavão é apenas um em inúmeros exemplos (ZAHAVI e
ZAHAVI, 1997; DARWIN, 2002; DARWIN, 2004). No mais das vezes são os machos que
possuem essas estruturas e elas se desenvolvem em idades específicas. Em muitos casos, quando
filhotes, machos e fêmeas não apresentam dimorfismo. Além disso, é importante considerar que o
custo de um ornamento ou comportamento bizarro também está sob controle da Seleção Natural. A
cauda do pavão não pode crescer indefinidamente, pois além de um determinado limite os custos
excedem os caprichos de qualquer fêmea.
Nesses casos, se diz que deve haver um equilíbrio entre as características custosas e as
adaptativas sob o risco da extinção da própria população que desenvolveu o gosto por uma certa
espécie de capricho colorido, melodioso ou mesmo bélico. Capricho que, no entanto, propagandeia
com credibilidade a condição de bom reprodutor, livre de parasitas, pronto para passar para as
próximas gerações quer seja sua força, quer seja seu investimento como o pai de um ou vários
filhotes.
No livro de Amabis e Martho (2005), os autores apresentam o conceito de Seleção Sexual
afirmando que tal processo é um caso particular de Seleção Natural, “em que os indivíduos de um
sexo (em geral, as fêmeas) preferem se acasalar com parceiros portadores de determinadas
características” (p.221). Eles não explicam por que tais características teriam sido originadas,
188
INSERÇÃO DO PROCESSO DE SELEÇÃO SEXUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO

Darwin também não fez isso, e se referem aos processos de escolha por parte das fêmeas e de lutas
entre machos como processos semelhantes e que teriam como objetivo a perpetuação de seus
atributos atrativos. Essa última colocação está em desacordo com as ideias de Darwin, aceitas por
evolucionistas mais recentes, pois na reprodução os indivíduos não pretendem dar continuidade à
sua espécie e sim passar adiante seus próprios genes (HAMILTON, 1964; WILLIAMS, 1966;
DAWKINS, 2001).
Já em Lopes e Rosso (2005), tal conceituação não se encontra presente no corpo principal do
texto e sim numa caixa de texto destacada que sugere que o tema de Seleção Sexual é quase uma
curiosidade. O texto da caixa cita o livro A origem do homem e a seleção sexual, de Darwin, como
a obra que elaborou esse conceito, mas em sua explicação, Lopes e Rosso (2005) também
descrevem a Seleção Sexual como um tipo especial de Seleção Natural:
Enquanto a seleção natural leva a uma adaptação do organismo ao meio em que vive,
aumentando sua chance de sobrevivência, a seleção sexual relaciona-se com a adaptação do
organismo às suas necessidades de obter um parceiro, garantindo sua reprodução (p.516).

Os autores citam a escolha por parte das fêmeas e a luta entre machos, mas não diferenciam
os processos e nem explicam de forma clara o que está relacionado com esses comportamentos: a
reprodução diferencial de determinados indivíduos.
Por último, os autores Linhares e Gewandsjnajder (2005) usam a conceituação de Seleção
Sexual como um dos exemplos que podem ser dados sobre a Seleção Natural. Para eles, “o processo
pelo qual certas características sexuais se espalham, por causa da maior facilidade para conseguir
parceiros para a reprodução, é chamado de seleção sexual” (p.424). Consideramos que esse tipo de
definição fica ambígua e pode levar a erros conceituais, pois trata características altamente custosas
como adaptativas e Darwin não trabalhava com essa conceituação.
Após a análise dos livros indicados pelo PNLEM, algumas questões podem ser suscitadas
com o objetivo de tentar entender os motivos de por que o conceito de Seleção Sexual não foi
incluído na maioria dos livros ou foi considerado como um tipo de Seleção Natural: será que a
ausência está relacionada com dificuldades dos próprios autores desses livros de diferenciar a
Seleção Natural da Seleção Sexual? Será que esses autores não consideram o conceito de Seleção
Sexual relevante?
Todavia, independentemente das respostas a essas questões, o que se coloca é a lamentável
ausência do conceito de Seleção Sexual em um importante instrumento de consulta como o livro
didático, pois perde-se com isso a oportunidade de discutir os limites do próprio conceito de
Seleção Natural, tanto por parte dos alunos, como dos professores. Além disso, a inclusão de
exemplos que demonstrem os limites de explicação de cada conceito, uma vez que a Seleção
Natural sozinha não é capaz de explicar toda a diversidade encontrada, mas apenas as características
189
LIVIA BAPTISTA NICOLINI, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO FRANCISCO WAIZBORT

claramente funcionais e adaptativas (CRONIN, 1995) poderiam esclarecer para os alunos do Ensino
Médio como esses processos atuaram e continuam atuando na história evolutiva dos diferentes
grupos, principalmente dos que possuem reprodução sexuada.

Considerações Finais
Esse trabalho nos permitiu evidenciar que o conceito de Seleção Sexual, formulação que
estava presente em importantes livros de Darwin - A origem das espécies e A origem do homem e a
seleção sexual – e de evolucionistas mais recentes sequer foi citado em algumas das obras
analisadas: Favareto e Mercadante (2005), César e Sezar (2005), Frota-Pessoa (2005) e Laurence
(2005); e, os livros que tinham menções a essa teoria a consideraram como um tipo de Seleção
Natural.
Para Darwin, uma estrutura “produzida” através da Seleção Sexual não facilita a luta pela
sobrevivência, mas proporciona ao indivíduo que a possui maiores vantagens na busca por parceiros
sexuais com fins reprodutivos. A ideia de Darwin era que se a cauda multicolorida dos pavões não
lhe melhorava a sobrevivência imediata isso era mais do que compensado por sua atratividade em
relação às fêmeas, ou seja, por uma vantagem reprodutiva (RIDLEY, 2006).
A Seleção Natural e a Seleção Sexual diferenciam-se porque a primeira surge a partir da
competição pela sobrevivência e a segunda pela competição para a reprodução, pois a exibição ou
competição para a reprodução envolvem características que são custosas energeticamente e que,
portanto, devem indicar saúde e fertilidade - bons genes (MILLER, 2000; RIDLEY, 2006).
Consideramos que para uma compreensão mais abrangente da Teoria Evolutiva é necessária,
além da abordagem dos cinco conceitos sintetizados por Mayr (2008), a inclusão do conceito de
Seleção Sexual. O entendimento desses conceitos permite uma visão mais integrada da
diversificação e evolução dos seres vivos, incluindo a compreensão de porque muitas vezes
espécies aparentadas ou que ocupam nichos semelhantes podem ser tão diferentes em alguns
aspectos morfológicos e comportamentais. Entendendo que esses dois processos são independentes,
mas complementares, voltamos a reafirmar a necessidade de se ensinar os dois conceitos da Teoria
Evolutiva em sala de aula.
Sendo assim, apesar de trabalhos que mostram que o livro didático não deve ser entendido
como a principal fonte de consulta, nem o fator determinante para a preparação de aulas, e sim um
elemento auxiliador do processo de ensino-aprendizagem, fica claro que esse instrumento continua
tendo uma posição central na prática pedagógica de muitos professores.
Além disso, sabemos que é muito difícil fazer a transposição de conteúdos científicos para
uma linguagem mais acessível aos alunos do Ensino Médio. Por isso, consideramos que trabalhos

190
INSERÇÃO DO PROCESSO DE SELEÇÃO SEXUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO

que avaliem os conteúdos de livros didáticos podem auxiliar na reformulação desse instrumento,
tornando-o mais completo para seu uso nas salas de aulas.

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, A. V. de e FALCÃO, J. T. da R. A estrutura histórico-conceitual dos programas de


pesquisa de Darwin e Lamarck e sua transposição para o ambiente escolar. Ciência & Educação,
v.11, n.1, p.17-32, 2005.

AMABIS e MARTHO. Biologia das Populações – volume 3. 2. ed. Editora Moderna, 2005.

BELLINI, M. e FRASSON, P. C. Ciências e seu ensino: o que dizem os cientistas e os livros


didáticos sobre o HIV/AIDS? Ciência & Educação, v.12, n.3, p.261-274, 2006.

BIZZO, N. M. V. Ensino de evolução e história do Darwinismo. 1991. 321f. Tese (Doutorado em


Educação) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 1991.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares


Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM). Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias.
Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Biologia: catálogo do Programa


Nacional do Livro para o Ensino Médio: PNLEM/2009. Brasília: Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação Ministério da Educação, 2008.

CARNEIRO, M. H. da S., SANTOS, W. L. P. dos e MÓL, G. de S. Livro didático inovador e


professores: uma tensão a ser vencida. Ensaio - Pesquisa em educação em ciências, v.7, n.2, p.1-13,
2005.

CESAR e SEZAR. Biologia – volume único. Editora Saraiva, 2005.

CRONIN, H. A formiga e o pavão – altruísmo e seleção sexual de Darwin até hoje. Campinas, SP:
Papirus, 1995.

DARWIN, C. A origem das espécies. 4. ed. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2002.

___________ A origem do homem e a seleção sexual. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2004.
DAWKINS, R. O gene egoísta. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2001.

EL-HANI, C. N. e ROQUE, N.; ROCHA, P. L. B. da. Livros didáticos de biologia do Ensino


Médio: resultados do PNLEM/2007. In:– Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em
Ciências, VI, 2007. Atas do VI ENPEC. Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

FAVARETO e MERCADANTE. Biologia – volume único. 1. ed. Editora Moderna, 2005.

FISHER, R. A. The Genetical Theory of Natural Selection. Oxford University Press, 1930.

FROTA-PESSOA. Biologia – volume 3. 1. ed. Editora Scipione, 2005.

FUTUYMA, D. J. Evolução, ciência e sociedade. São Paulo: Sociedade Brasileira de Genética,


191
LIVIA BAPTISTA NICOLINI, LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA e RICARDO FRANCISCO WAIZBORT

2002.

GOEDERT, L. A formação do professor de Biologia e o ensino da Evolução Biológica. 2004. 122f.


Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa
Catarina, 2004.

GOULD, S. J. Darwin e os grandes enigmas da vida. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

HAMILTON, W. D. The genetical evolution of social behaviour I. Journal of Theoretical


Biology, v.7, p.1-16, 1964.

________________ The genetical evolution of social behaviour II. Journal of Theoretical


Biology, v.7, p. 17-52, 1964.

LAURENCE. Biologia – volume único. 1. ed. Editora Nova Geração, 2005.

LINHARES, S. e GEWANDSZNAJDER, F. Biologia – volume único. 1. ed. Editora Ática, 2005.

LOPES, S. e ROSSO, S. Biologia – volume único. 1. ed. Editora Saraiva, 2005.

MARTINS, I. Analisando livros didáticos na perspectiva dos Estudos do Discurso: compartilhando


reflexões e sugerindo uma agenda para a pesquisa. Pro-Posições, v.17, n.1(49), p.117-136, 2006.

MAYR, E. Isto é biologia: a ciência do mundo vivo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MILLER, G. F. A mente seletiva: como a escolha sexual influencia a evolução da natureza


humana. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

MORIN, E. A Cabeça Bem-Feita. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 2001.

RIDLEY, M. Evolução. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2006.

ROMA, V. e MOTOKANE, M. Evolução biológica nos livros didáticos de biologia do ensino


médio. Disponível em: http://ensciencias.uab.es/congresso09/numeroextra/art-3021-3025.pdf.
Acesso em: 19 março 2012.

SANTOS, S. Evolução biológica: ensino e aprendizagem no cotidiano de sala de aula. São Paulo:
Annablume, 2002.

SILVA-PORTO, F. C. da. O tema comportamento no ensino de Biologia. 2008. Tese (Doutorado


Ensino em Biociências e Saúde) - Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, 2008.

TIDON, R. e LEWONTIN, R.C. Teaching evolutionary biology. Genetics and Molecular Biology,
27, p.1-8, 2004.

WILLIAMS, G. C. Adaptation and Natural Selection: A Critique of Some Current Evolutionary


Thought. Princeton: Princeton University Press, 1966.

ZAHAVI, A e ZAHAVI, A. The handicap principle: a missing piece of Darwin’s puzzle.


NewYork: Oxford University Press, 1997.

192
INSERÇÃO DO PROCESSO DE SELEÇÃO SEXUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO

LIVIA BAPTISTA NICOLINI: Possui graduação em Ciências Biológicas modalidade Zoologia


pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001), graduação em Ciências Biológicas modalidade
Licenciatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002) e mestrado em Tecnologia
Educacional nas Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006).
Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde /
FIOCRUZ. Atua como tutora presencial da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à
Distância do Estado do RJ e é professora de ciências e biologia da rede municipal de ensino.

LEANDRO DE OLIVEIRA COSTA: Possui graduação em Ciências Biológicas modalidade


Licenciatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e especialização em Ensino de
Biociências pelo Instituto de Bioquímica Médica / UFRJ. Mestre em Ensino de Biociências e Saúde
pela FIOCRUZ. Atua como Professor/Tutor do curso de graduação em Medicina no Centro
Universitário Serra dos Órgãos e professor do curso de Ciências Biológicas da mesma instituição.
Também atua na Educação Básica como professor de Biologia concursado pela SEEDUC-RJ.

RICARDO WAIZBORT: Possui graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado - Modalidade


Genética) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), Especialização em Genética, pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988), Licenciatura em Ciências Biológicas pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998), mestrado em Letras (Ciência da Literatura) pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993) e doutorado em Letras (Ciência da Literatura) pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998). Atualmente é pesquisador titular da Fundação
Oswaldo Cruz do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Possui
experiência na área de História, Filosofia e Literatura, com ênfase em História e Filosofia da
Biologia, atuando principalmente nos seguintes temas: recepção do darwinismo no Brasil via
literatura brasileira, história da biologia, filosofia da biologia, evolução.

Recebido: 23 de junho de 2012


Aceito: 04 de setembro de 2012

193