Você está na página 1de 7

A natureza jurídica do serviço prestado pelas instituições privadas de ensino – Inclusive – Inclusão…

Salvo no Dropbox • 18 de mar de 2017 00E58

Home » Educação » Legislação ... » OPINIÃO » You are reading »

A natureza jurídica do serviço prestado


pelas instituições privadas de ensino
! Equipe Inclusive " 23 de setembro de 2009 # Educação, Legislação ..., OPINIÃO $ No Comment

Follow 0

Luiz Gustavo Bambini de Assis *

Não restam dúvidas de que a educação é um direito fundamental, mais precisamente, um direito
social. Em virtude da sua caracterização, na essência, como um tipo de serviço público prestado pelo
Estado, o que acontece com essa atividade quando passa a ser executada pela iniciativa privada? Perde
a sua característica de serviço público? Por se tornar uma atividade paga pelo particular, é possível
falar em uma mera relação de consumo firmada entre o estabelecimento prestador do serviço e
aqueles que dele se beneficiam?

Uma resposta mais incisiva a essas perguntas requer uma reflexão sobre a educação como um direito
propriamente dito. É sobre esse foco que o presente artigo pretende analisar a educação e dar
respostas às questões acima formuladas.

O direito à educação é resultado de conquistas sociais, fruto das lutas dos homens e dos povos ao
longo de séculos e séculos. O processo de criação da classe trabalhadora, aliado às más condições e
garantias de trabalho, bem como a sindicalização da classe operária, culminou com a proliferação de
inúmeros movimentos sociais que se difundiram pela Europa, exigindo do poder público melhores
condições de vida e de trabalho.

Com isso, o aparelho estatal viu-se obrigado a legalizar e até mesmo constitucionalizar uma série de
direitos coletivos que trouxessem a essa nova classe condições de vida em sociedade. Surgem, então,
os direitos relacionados à segurança do trabalho, à previdência social, o direito à saúde e também o
direito à educação como um direito da coletividade.

Assim, tornaram-se positivos direitos que não só asseguravam a integridade física e patrimonial do
indivíduo, mas também a integridade de seus valores sociais e culturais, tornando-o mais cidadão e
integrante do mundo. Enquanto os direitos à vida, à liberdade e à propriedade podem ser
considerados negativos, uma vez que exigem do Estado um dever de não agir sobre eles, respeitando-
os, os direitos de segunda geração, dentre os quais se inclui o direito à educação, podem ser
considerados positivos, por exigirem do mesmo Estado uma ação específica para a sua afirmação.

É o próprio ente público, através da prestação de serviços públicos, ou seja, por sua atuação e não mais
por sua omissão, que dará guarida a essa nova gama de direitos. A promoção dos direitos de segunda
geração, de igualdade ou sociais, portanto, demandam do Estado uma atuação constante e que
depende da efetiva prestação de serviços públicos para verem-se consolidados. Sim, pois a partir do
momento em que se fala do direito de uma coletividade, não há como ele ser garantido sem a efetiva
participação do aparelho estatal, apto a executá-lo de acordo com as necessidades que esse tipo de
direito exige.

Assim, ao tornar positivos os direitos sociais, a Constituição Cidadã de 1988 não poderia agir diferente.
E justamente por esse motivo é que constitucionalizou o direito à educação como um direito de todos,
e DEVER do Estado, consoante consta do caput do art. 205.

Se esse direito tende a exigir do Estado uma ação, ao contrário da omissão atinente aos direitos de
liberdade, será que essa ação diz respeito apenas ao indivíduo que quer ver um direito assegurado ou
a uma coletividade? Porque se falamos em direitos sociais, não há como falar em direitos de um, mas
sim do direito do maior número de indivíduos que se pode considerar.

Não é novidade afirmarmos que a educação tem um tratamento diferenciado no texto constitucional,
seja pelo fato de ser entendida como um dever do Estado, seja no que se refere à destinação de
recursos públicos. O próprio art. 212 da Carta Maior trata especificamente do montante a ser aportado
por cada ente da federação na área da educação. O descumprimento dessa regra constitucional enseja,
por exemplo, em ações que apurem a falta de responsabilidade do agente público responsável pela
ordenação da despesa.

Buscou o constituinte elevar o direito à educação a um patamar de destaque em relação aos outros
encargos a serem providos pelo Estado. Com isso, nenhuma política pública voltada para o campo da
promoção desse direito social pode estar divorciada desse contexto: deve haver sempre a participação
estatal na busca da efetiva implementação desse direito social fundamental.
Eis o sentido do direito à educação para a Constituição que hora completa os seus vinte anos. Um
direito a ser oferecido pelo Estado que, por meio de políticas públicas, deve prestá-los aos diretamente
interessados.

Além do mais, foi o próprio texto constitucional que, em seu art. 208, § 1º, tornou positivo o acesso ao
ensino obrigatório e gratuito como um direito subjetivo. Ora, se o acesso ao ensino é um direito
subjetivo, colocando-se como uma obrigação a ser provida, como não entender como subjetivo o
direito à educação nas instituições privadas, se elas só existem para prestar um serviço quando o
Estado não é capaz de realizá-lo para toda a coletividade? Melhor dizendo, se o acesso ao ensino
obrigatório e gratuito é um direito subjetivo, como não caracterizar a educação, independentemente
dos meios pelos quais é prestada, como um direito público subjetivo?

Ademais, o próprio Supremo Tribunal Federal parece já ter pacificado a questão. É o que podemos
constatar ao analisar o Recurso Extraordinário 472.207/SP, cujo relator foi o ministro Celso de Mello. De
acordo com o ministro, o direito à educação necessita ter eficácia. Sendo considerado como um direito
público subjetivo do particular, ele consiste na faculdade que tem o particular de exigir do Estado o
cumprimento de determinadas prestações. Como bem ressaltado no voto do relator, o indivíduo
possui o direito de exigir do Estado a prestação desse serviço.

Mas aí vem a grande questão: e quando o Estado deixa de prestar esse serviço de maneira universal,
autorizando o particular a fazê-lo? O que acontece com o direito à educação? Deixa de existir? Cria-se a
já citada relação de consumo? É importante frisar que o serviço educacional prestado pelas instituições
privadas de ensino, desde o seu nível fundamental ao curso de doutorado, não pode ser
desempenhado por esse tipo de instituição sem que, antes, haja uma devida autorização do próprio
Estado para tanto.

É dizer, sem exageros, que o ensino privado ministrado por instituições particulares não pode ser
exercido sem que haja um controle do próprio Estado, por meio de um processo administrativo de
autorização, que pressupõe uma análise das diretrizes curriculares, das condições dos
estabelecimentos de ensino, da qualidade do corpo docente, dentre outros requisitos essenciais, aos
quais as autoridades públicas estão vinculadas para autorizar a exploração desse serviço essencial.

E esse é um ponto fundamental: ainda que prestado por instituições privadas, que visem obter o lucro
a partir do desempenho dessa atividade, o serviço educacional não perde jamais a sua relevância de
serviço público. Se não é prestado diretamente pelo Estado, o é por instituições devidamente
credenciadas por ele, haja vista a importância fundamental da atividade a ser desempenhada.

Não por outros motivos é que o próprio Estado cria mecanismos constantes de avaliação das
instituições privadas, às quais são concedidas as condições de exercer a atividade educacional,
podendo o Estado, inclusive, cassar o direito de desempenhá-la, caso entenda que a instituição
autorizada não se encontra apta para exercer essa atribuição.

O controle do Estado sobre o serviço de educação nas instituições privadas de ensino, mais do que
uma necessidade, é uma mandamento constitucional, uma vez que a Constituição de 1988, como
vimos, estabeleceu como um dever, e não como uma opção para o Estado zelar pelo ensino e pela sua
universalização.

A mera autorização desse serviço às instituições privadas não pode jamais eximir o Estado de suas
responsabilidades. Ao contrário, na medida em que delega essa função ao particular, o Estado deve
buscar novos mecanismos de auferir a eficiência do serviço prestado. Essa é sua obrigação. Essa é a
sua responsabilidade.

Percebe-se, pois, que a tendência, no direito, é o reconhecimento do direito à educação como sendo
público e subjetivo. Por essa razão, não obstante ser prestado pela iniciativa privada, o serviço
educacional, na sua essência, não perde as características do serviço público.

* Luiz Gustavo Bambini de Assis é advogado e mestre pela USP e doutorando em direito do Estado pela
mesma instituição. Já foi assessor de ministro do Supremo Tribunal Federal e assessor especial da Subchefia
para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República. Contato: gustavo.bambini@gmail.com

___________________________

Fonte de informação: Com Ciência


Licenciado pela CC 2.5

Leia também:

Lar das Moças Cegas Mídias sociais facilitam


entrevista a Profa. Marilda interação com alunos e
Ga... po...
O Lar das Moças Cegas Mídias sociais facilitam
entrevistou, para o interação com alunos e po...
Informat...
No Comments Yet

Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nome *

E-mail *

Site

Publicar comentário

« MPF/MG quer obrigar UFMG a reservar vagas para A inclusão aplicada ao turismo »
deficientes nos concursos para professor

Inclusive e você

Utilize o campo abaixo para pesquisar em nosso banco de dados. São cerca de 10.000 registros selecionados
ao longo de 8 anos de história da Inclusive.

Busca

Informe seu endereço de e-mail para receber diariamente os boletins de atualização da Inclusive.

seu e-mail Enviar


Selecione o idioma
Powered by Tradutor

Inclusive Inclusão E …
10.811 curtidas

Curtir Página

Seja o primeiro de seus amigos a curtir isso.

Tweets by @INCLUSIV3

Ocorreu um erro.

Tente assistir o vídeo em


www.youtube.com, ou ative o JavaScript
caso ele esteja desativado em seu
navegador.

#Editoriais

Dez anos da Convenção da ONU


A emoção na narrativa paralímpica
Reivindicações do movimento de pessoas com deficiência ao Ministério da Justiça e Cidadania
A cultura do estupor
E os bebês com microcefalia?
Deficiência: da presença indesejada à vida indesejada
A epidemia de microcefalia e a eugenia branda

#Em destaque
Curso semi integral de Educação, Arte e Música Inclusiva – SP
Um plano de vôo
Cursos gratuitos para pessoas com deficiência
Intercâmbio nos EUA para profissionais de educação inclusiva
Guia de Atuação do Ministério Público – Pessoa com Deficiência

#Notícias em cima da hora

Fique por dentro com notícias que estão sendo pubicadas neste instante.

Militares fazem 'grito da cidadania' hoje às 17h em Teresina - Cidadeverde.com


Eurodeputada socialista madeirense Liliana Rodrigues reforça ... - DNoticias
EUA abandonarão grupo de direitos humanos na ONU se não ... - Istoe
2016 foi um ano negro para os ativistas de Direitos Humanos na ... - Expresso
O RDD e o pouco caso do Estado brasileiro com os Direitos Humanos - CartaCapital

#Livros de nossos colaboradores

␣ & &

Copyright ©2017. Inclusive - Inclusão e Cidadania

Mesocolumn Theme by Dezzain