Você está na página 1de 2

Alvaro Dias pede a empresários

lucidez e que não façam escolhas


equivocadas
Renan Truffi e Lorenna Rodrigues
De Brasília 14/08/2018 14h06

m n   H {Ouvir texto J Imprimir F Comunicar erro

André Carvalho/CNI

O candidato do Podemos à Presidência da República, Alvaro Dias, pediu nesta


terça-feira (14) que os empresários tenham "lucidez" e não façam escolhas
"equivocadas" para que não haja uma reedição da tragédia que o país está vivendo.
Sem citar nominalmente nenhum dos candidatos concorrentes, o candidato alertou
uma plateia formada por representantes do comércio e serviço sobre os riscos de
que essa escolha destrua com suas próprias riquezas.

"O diagnóstico tem que ser pessimista. Se eu fizesse um (diagnóstico) otimista,


vocês teriam direito de dizer que sou um descarado. Estamos vivendo um momento
dramático e se não houve consciência, lucidez, podermos assistir à reedição da
tragédia. Quando vejo empresário fazendo escolhas equivocadas, eu me pergunto:
se chateou por ter trabalhado muito e está enojado, mas quer destruir a riqueza que
construiu?", questionou Álvaro Dias. "É um momento de lucidez porque se não
vamos reeditar a tragédia que estamos vivendo", afirmou.

O alerta foi feito em evento com presidenciáveis promovido pela União Nacional de
Entidades do Comércio e Serviços (Unecs), em Brasília. Alvaro Dias voltou a
defender a refundação da República e disse que é possível mudar a dinâmica do
sistema político mesmo com o atual Congresso.

"Eu digo que é possível, sim, refundar o sistema político com esse Congresso
convocando as forças vivas dentro e fora da política: academias, religiões,
sindicatos, federações, num grande mutirão de mudança no País. O governo que
tiver capacidade de propor mudanças e capacidade, vai conseguir (fazer essas
mudanças). O Congresso não rema contra a maré. O Congresso não resiste a esse
desejo irresistível de mudar esse País para melhor", disse Dias.

Reajuste do Judiciário

O candidato do Podemos à Presidência disse que vetará o reajuste do Judiciário, se


for eleito, caso o projeto chegue para a sanção apenas no ano que vem, quando se
inicia o novo mandato presidencial.
Após participar de debate promovido pela Unecs, Dias disse, no entanto, acreditar
ser mais provável que o projeto que aumenta o salário dos magistrados seja
aprovado ainda neste ano. "Esse reajuste é descabido, principalmente em um
momento com esse", afirmou.

O candidato lembrou que uma de suas propostas é cortar emergencialmente 10%


das despesas do governo, exceto para áreas como saúde, educação e
investimentos. Ele também defendeu a retomada do tripé macroeconômico, com
cumprimento das metas de inflação e resultado primário e câmbio flutuante.

Em relação à corrupção, Dias disse que combateu solitariamente os malfeitos e que


em 2006 chegou a propor o impeachment do então presidente da República Luiz
Inácio Lula da Silva em meio às denúncias do mensalão. "A corrupção estava
exposta e houve a banalização durante todos esses anos" afirmou.

© 1996-2018 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados. Hospedagem: UOL Host