Você está na página 1de 65

12.

D IREITO P ROCESSUAL
DO T RABALHO
Hermes Cramacon

1. CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DO No Direito Civil é admitida no caso de legítima defesa


TRABALHO da posse (art. 1.210, § 1º, do Código Civil). No Código Penal
temos o estado de necessidade e a legítima defesa, institutos
1.1. Conflito trabalhista previstos nos arts. 24 e 25, respectivamente.
A vida em sociedade causa inúmeros conflitos, que podem Na esfera trabalhista, como exemplo de autotutela, temos
ser tidos como a falta de entendimento entre duas ou mais partes, a greve, regulada pela Lei 7.783/1989 e, ainda, o poder de
choque ou enfrentamento. Esses conflitos são de diversas ordens resistência do empregado em relação às alterações lesivas, em
e, para nosso estudo, interessam os conflitos trabalhistas. conformidade com os arts. 468 e 483 da CLT.
Os conflitos trabalhistas podem surgir tanto na esfera indi- 1.3.2. Autocomposição
vidual como na coletiva. Na esfera individual há o conflito entre
empregado e empregador ou prestador e tomador de serviços, Modalidade de solução dos conflitos pelas próprias partes
chamado de dissídio individual. Já na esfera coletiva há o dissídio interessadas sem a intervenção de um terceiro. São exemplos:
coletivo, ação em que os sindicatos defendem os interesses dos a negociação coletiva ou o acordo coletivo.
grupos ou categorias econômicas visando à criação e interpre-
tação de normas que irão incidir no âmbito destas categorias.
1.3.3. Heterocomposição
Os dissídios coletivos podem ser: A solução dos conflitos é realizada pelo ingresso de um
agente externo, ou seja, um terceiro, que não possui interesse no
a) jurídico ou de interpretação litígio. Essa decisão será imposta às partes de forma coercitiva,
Objetivam declarar o alcance de determinado dispositivo como, por exemplo, toda decisão judicial.
legal, convencional ou regulamentar.
b) econômico 1.3.4. Mediação e conciliação
Objetivam a criação de novos direitos, exercendo a Justiça A mediação é forma de solução do conflito em que o
do Trabalho o chamado “poder normativo”. mediador se coloca entre as partes, procurando aproximá-las
Vale lembrar que apenas nos dissídios coletivos de natureza para que cheguem a uma solução consensual do litígio, sem
econômica é que a Justiça do Trabalho exerce o poder norma- interferir na decisão das partes envolvidas.
tivo, não existindo tal espaço nos conflitos coletivos jurídicos Já a conciliação consiste na forma de solução do conflito,
ou de interpretação. com ingresso do conciliador que irá aproximar as partes
Os dissídios coletivos de natureza econômica podem ser: buscando a solução da lide mediante concessões recíprocas,
inclusive sugerindo-lhes possibilidades de acordo.
a) originários: quando não há norma coletiva anterior, seja ela
acordo, convenção ou sentença normativa; 1.4. Princípios
b) de revisão: objetivam alterar cláusulas já fixadas pelo Poder
Nas lições de Celso Antonio Bandeira de Mello (em Curso
Judiciário em sentenças normativas;
de Direito Administrativo. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 1996. p.
c) de declaração sobre paralisação do trabalho: decorrente de 545), “princípio é o mandamento nuclear de um sistema, verda-
greve dos trabalhadores. deiro alicerce dele, disposição fundamental que se irradia sobre
diferentes normas, compondo-lhes o espírito e servindo de
1.2. Poder normativo critério para sua exata compreensão e inteligência, exatamente
Pode ser entendido como a competência assegurada pela por definir a lógica e a racionalidade do sistema normativo no
Constituição aos Tribunais do Trabalho para solução dos con- que lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico.”
flitos coletivos, estabelecendo, através da denominada sentença Os princípios possuem o que a doutrina costuma chamar
normativa, normas gerais e abstratas de observância obrigató- de “tríplice função”, ou seja, função inspiradora para o legisla-
ria para as categorias envolvidas no dissídio, repercutindo nas dor; função interpretativa; e por último a função integradora
relações individuais de trabalho. da norma, suprindo as omissões e lacunas do ordenamento
É importante lembrar que esse poder não é ilimitado, jurídico.
encontrando limite na própria lei.
1.4.1. Princípios específicos do processo do trabalho
1.3. Formas de solução dos conflitos O direito processual do trabalho se sujeita aos princípios
constitucionais do processo, como, por exemplo: o princípio
1.3.1. Autotutela
do devido processo legal, previsto no art. 5º, LIV, e o princípio
É o meio de solução em que uma das partes, com utilização do contraditório e ampla defesa, previstos no art. 5º, LV, ambos
de força, impõe sua vontade sobre a vontade da outra parte. da CF e, ainda, os princípios do direito processual civil.
250 Hermes Cramacon

Alguns princípios, porém, são específicos do direito pro- 1.4.1.5. Princípio da identidade física do juiz
cessual do trabalho, dentre os quais podemos destacar:
Este princípio leciona que o juiz que colhe a prova é o juiz
1.4.1.1. Princípio protecionista que deverá proferir a sentença. Tal princípio não era aplicado
na Justiça do Trabalho, pois a jurisdição em primeiro grau era
Não se trata do princípio da proteção estudado no direito exercida pelas Juntas de Conciliação e Julgamento, as quais
material do trabalho, mas sim a prestação analisada sob o eram formadas por um juiz togado e por dois juízes classistas
ponto de vista processual, evidenciando normas que objetivam temporários, ficando, portanto, impossibilitada a aplicação
proteger o trabalhador assegurando prerrogativas processuais desse princípio.
devido à hipossuficiência que possui.
Com o advento da Emenda Constitucional 24/1999,
Como exemplos do princípio da proteção, podemos extinguiram-se os juízes classistas e foram criadas as Varas do
destacar a gratuidade de justiça e a assistência judiciária, que Trabalho, passando a jurisdição de primeiro grau a ser exercida
são destinadas apenas aos trabalhadores, e o impulso oficial por juiz do trabalho, monocraticamente, não existindo razão,
nas execuções trabalhistas, em conformidade com o art. 878 portanto, para que o princípio não fosse aplicado.
da CLT, quando o juiz do trabalho ex officio impulsionará o
Desse modo, durante anos vigorou o entendimento cris-
processo de execução.
talizado na Súmula 136 do TST que entendia não ser aplicável
1.4.1.2. Princípio conciliatório tal princípio na seara trabalhista, até que em setembro de 2012
o TST cancelou a mencionada súmula, passando a admitir a
Previsto no art. 764 da CLT de forma explícita, ensina que aplicação do princípio da identidade física do juiz aos processos
tanto os dissídios individuais como os dissídios coletivos estão trabalhistas.
sujeitos à conciliação.
Vale lembrar, no entanto, a disposição da Súmula 222 do
A CLT determina que, obrigatoriamente, sob pena de STF:
nulidade, a conciliação seja tentada pelo juiz do trabalho em
dois momentos: na audiência, antes da apresentação da res- SÚMULA 222 – STF – O PRINCÍPIO DA IDENTIDADE FÍSICA
posta pela reclamada (art. 846 consolidado) e após a eventual DO JUIZ NÃO É APLICÁVEL ÀS JUNTAS DE CONCILIAÇÃO E
apresentação de razões finais, conforme art. 850 da CLT. JULGAMENTO DA JUSTIÇA DO TRABALHO.
É importante lembrar que, ao homologar o acordo, o Entendemos que não há razão para a manutenção da
magistrado deve estar atento à observância das normas de súmula da Suprema Corte. Isso porque, em decorrência da EC
proteção ao trabalhador, sendo permitida sua recusa à homo- 24/1999 foi extinta a representação da classe por juízes classis-
logação quando não observadas tais normas protetivas, em tas, ou seja, um juiz representando os empregados e o outro, os
conformidade com a súmula 418 do TST. empregadores. Portanto, não há razão para a não aplicação do
Uma vez celebrado o acordo, será lavrado o termo de princípio da identidade física do juiz aos processos trabalhistas,
conciliação, que é considerado título executivo judicial, nos tendo em vista que atualmente a Vara do Trabalho é composta
termos do art. 831, parágrafo único, da CLT. apenas por um juiz togado, o juiz do trabalho.
Essa decisão transita em julgado imediatamente para as 1.4.1.6. Princípio da irrecorribilidade imediata das
partes, não ensejando, portanto, a interposição de recurso por decisões interlocutórias
estas. Porém, a lei admite a interposição de recurso ordinário
pelo INSS apenas com relação às contribuições devidas. O conceito de decisão interlocutória encontra disposto no
art. 203, § 2º, do CPC/2015 como todo pronunciamento judicial
A referida homologação apenas poderá ser impugnada de natureza decisória que não seja sentença, cujo conceito se
pelas partes mediante o ajuizamento de uma ação rescisória, encontra descrito no § 1º do art. 203 do CPC/2015 como sendo
em conformidade com a súmula 259 do TST. o pronunciamento por meio do qual o juiz, com fundamento
1.4.1.3. Princípio dispositivo nos arts. 485 e 487, põe fim à fase cognitiva do procedimento
comum, bem como extingue a execução.
Previsto no art. 2º do CPC/2015 é conhecido, também, Nos domínios do processo do trabalho, este princípio
como princípio da inércia da jurisdição, e ensina que o juiz ensina que, em regra, as decisões interlocutórias não ensejam,
somente prestará a tutela jurisdicional quando a parte ou o de imediato, a interposição de qualquer recurso, permitindo a
interessado a requerer. apreciação do seu merecimento em recurso de decisão defini-
O processo se inicia com a iniciativa da parte e se desen- tiva, nos termos do art. 893, § 1º, da CLT.
volve por impulso oficial, conforme vedação do art. 2º do No entanto, a regra da irrecorribilidade imediata das
CPC/2015, que assim dispõe:1 decisões interlocutórias possui exceções previstas no art. 799,
Art. 2º O processo começa por iniciativa da parte e se desenvolve § 2º, da CLT e, também, na Súmula 214 do TST:
por impulso oficial, salvo as exceções previstas em lei.
SÚMULA 214 – DECISÃO INTERLOCUTÓRIA. IRRECORRIBILI-
1.4.1.4. Princípio da oralidade DADE
Na Justiça do Trabalho, nos termos do art. 893, § 1º, da CLT, as
Consiste na realização dos atos processuais pelas partes e decisões interlocutórias não ensejam recurso imediato, salvo
pelo juiz na audiência, de forma verbal. Como exemplo, pode- nas hipóteses de decisão:
mos citar o art. 847 da CLT, o qual ensina que após a leitura da
a) de Tribunal Regional do Trabalho contrária à Súmula ou
petição inicial a parte terá prazo de 20 minutos para contestar. Orientação Jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho;
b) suscetível de impugnação mediante recurso para o mesmo
Tribunal;
1
12. Direito Processual do Trabalho 251

c) que acolhe exceção de incompetência territorial, com a Com relação às ações já ajuizadas, a questão é respondida
remessa dos autos para Tribunal Regional distinta daquela a com a aplicação da teoria dos atos isolados, prevista no art. 14
que se vincula o juízo excepcionado, consoante ao disposto do CPC/2015, aplicado ao processo do trabalho por força do
no art. 799, § 2º, da CLT. art. 769 da CLT e art. 15 do CPC/2015.
O art. 855-A, § 1º, II, da CLT ensina ainda que a decisão interlo- Dispõe o art. 14 do CPC/2015:
cutória que acolher ou rejeitar o incidente de desconsideração
da personalidade jurídica, na fase de execução de sentença, “Art. 14. A norma processual não retroagirá e será aplicável
é recorrível via agravo de petição. Todavia, a mesma decisão imediatamente aos processos em curso, respeitados os atos
não é recorrível se proferida na fase de conhecimento, art. processuais praticados e as situações jurídicas consolidadas
855-A, § 1º, I, da CLT. sob a vigência da norma revogada.”

1.4.1.7. Princípio do jus postulandi da parte Para melhor compreensão, sabemos que os atos proces-
suais são praticados de acordo com o andamento normal do
Previsto no art. 791 da CLT, estabelece que as partes, processo. Na medida em que uma nova norma processual
empregado e empregador, poderão reclamar e acompanhar entra em vigor, no caso de ações já ajuizadas, ela apenas será
pessoalmente, perante a Justiça do Trabalho, sem a presença aplicada para os atos que ainda serão praticados.
de advogado, suas reclamações trabalhistas do início ao final
Por meio da teoria dos atos isolados deve ser aplicada a lei
do processo.
vigente na data da prática do ato. Assim, a lei processual não
Como o dispositivo em comento não estabelece qualquer irá retroagir, devendo ser aplicada aos processos em curso,
limite ao jus postulandi, na medida em que o texto é expresso respeitando-se, porém, os atos já praticados sob a égide da
(“perante a Justiça do Trabalho”), parte significativa da dou- lei revogada.
trina entende que o limite seria a própria Justiça do Trabalho,
Dessa forma, para essa teoria, as regras para distribuição
ou seja, reclamante e reclamado poderiam fazer uso do jus
da reclamação trabalhista devem ser aquelas da data de seu
postulandi até o Tribunal Superior do Trabalho, inclusive em
ajuizamento; as regras para interposição de recursos, tais como
grau de recurso de revista.
prazos, custas, depósito recursal entre outras, as regras da data
No entanto, uma segunda corrente, que podemos chamar da publicação da sentença e da mesma forma os demais atos
do jus postulandi mitigado, ensina que esse princípio possui processuais.
como limite a segunda instância trabalhista, ou seja, as partes
podem fazer uso somente até os Tribunais Regionais do Tra- 1.6. Processo para homologação de acordo
balho, não se admitindo a interposição de recurso de natureza extrajudicial (jurisdição voluntária)
extraordinária.
Diferentemente dos processos de jurisdição contenciosa,
Por muito tempo prevaleceu a aplicação da primeira em que há conflitos de interesses, nos processos de jurisdição
corrente até que, em abril de 2010, o Tribunal Superior do voluntária as questões são submetidas ao Estado-Juiz, porém,
Trabalho editou a súmula 425, pondo fim à problemática e não há conflito de interesses.
estabelecendo que o jus postulandi das partes é limitado às
Podemos dizer que jurisdição voluntária consiste na
Varas do Trabalho e aos Tribunais Regionais do Trabalho, não
função exercida pelo Estado, através do juiz, mediante um
alcançando a ação cautelar, ainda que proposta em primeira
processo, onde se solucionam causas que lhe são submetidas
instância, a ação rescisória, o mandado de segurança, bem
sem haver conflito de interesses entre duas partes.
como os recursos de competência do Tribunal Superior do
Trabalho. Nessa linha, o art. 855-B da CLT dispõe sobre o processo
para homologação de acordo extrajudicial. Referido dispositivo
SÚMULA 425 TST – JUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABA- ensina que o processo de homologação de acordo extrajudicial
LHO. ALCANCE. terá início por petição conjunta, sendo obrigatória a repre-
O jus postulandi das partes, estabelecido no art. 791 da CLT, sentação das partes por advogado, sendo certo que as partes
limita-se às Varas do Trabalho e aos Tribunais Regionais do não poderão ser representadas por advogado comum, ou seja,
Trabalho, não alcançando a ação rescisória, a ação cautelar, devem estar assistidas por advogados diferentes, um repre-
o mandado de segurança e os recursos de competência do sentando o empregado e outro o empregador. Note que nesse
Tribunal Superior do Trabalho. processo, as partes não poderão fazer uso do jus postulandi
previsto no art. 791 da CLT. Contudo, é facultado ao trabalha-
Importante lembrar que o processo de homologação de dor ser assistido pelo advogado do sindicato de sua categoria.
acordo extrajudicial disposto nos arts. 855-B a 855-E da CLT
Uma vez apresentada a petição de homologação de acordo,
a presença do advogado também é obrigatória, nos termos do
ficará suspenso o prazo prescricional da ação quanto aos direi-
art. 855-B da CLT.
tos nela especificados. O prazo prescricional voltará a fluir no
1.5. Direito intertemporal dia útil seguinte ao do trânsito em julgado da decisão que negar
a homologação do acordo.
Com o advento da Lei 13.467/2017 e Medida Provisória No prazo de 15 dias a contar da distribuição da petição,
808/2017 uma pergunta que frequentemente é feita é como o juiz analisará o acordo, podendo homologá-lo ou rejeitá-lo.
ficará o ajuizamento de novas ações e o andamento das ações Caso o Juiz entenda necessário, poderá designar audiência para
que já haviam sido iniciadas antes da entrada em vigor desses melhor elucidação da causa submetida. Importante lembrar
diplomas normativos. que a homologação de acordo é faculdade do juiz, não estando
As novas ações deverão obedecer as regras trazidas pela obrigado a homologá-lo, nos moldes da súmula 418 do TST.
nova legislação. Contra a decisão que não homologar o acordo ou
homologá-lo em parte, poderá ser interposto pela parte inte-
252 Hermes Cramacon

ressada recurso ordinário, no prazo de 8 dias, estando sujeito 2.1.2. Tribunais Regionais do Trabalho
ao preparo. Importante frisar que a recusa por parte do juiz
Compostos de no mínimo 7 (sete) juízes, que serão recru-
deve ser fundamentada, requisito para a validade de qualquer
tados, preferencialmente, na região a que forem vinculados,
decisão judicial.
com idade superior a 30 anos e inferior a 65 anos, sendo nome-
Por último, o art. 855-C da CLT ensina que a apresentação ados pelo Presidente da República, nos termos do art. 115 CF.
do processo de homologação de acordo não prejudica o prazo
Nos TRTs também deverá ser obedecida a regra do quinto
estabelecido no § 6º do art. 477 da CLT, que trata do prazo para
constitucional, ou seja, um quinto dos membros do Tribunal
pagamento das verbas rescisórias, tampouco afasta a aplicação
deverá ser formado entre advogados e membros do Ministério
da multa prevista no § 8º do art. 477 da CLT, que cuida da multa
Público do Trabalho. Os demais serão juízes do trabalho que serão,
por atraso no pagamento das verbas rescisórias.
de forma alternada, promovidos por antiguidade e merecimento.
2. ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO Vale lembrar que os Tribunais Regionais do Trabalho
instalarão a justiça itinerante, com a realização de audiên-
2.1. Estrutura do Judiciário trabalhista cias e demais funções de atividade jurisdicional, nos limites
O Judiciário trabalhista possui 3 graus de jurisdição. De territoriais da respectiva jurisdição. Além disso, poderão
acordo com o art. 111 da CF, são órgãos da Justiça do Trabalho: funcionar descentralizadamente, constituindo câmaras regio-
nais a fim de assegurar o pleno acesso do jurisdicionado à
a) Tribunal Superior do Trabalho; justiça em todas as fases do processo.
b) Tribunais Regionais do Trabalho; A competência territorial atribuída aos TRTs é regulada
c) Juízes do Trabalho. pelo art. 677 da CLT e determinada pela regra indicada no
art. 651 e seus parágrafos. No entanto, em se tratando de dis-
2.1.1. Tribunal Superior do Trabalho sídio coletivo, a competência é determinada pelo local onde
O Tribunal Superior do Trabalho – TST – é um órgão do o dissídio ocorrer.
Poder Judiciário, nos termos do art. 92, II-A, da CF e órgão Aos Tribunais Regionais, quando divididos em Turmas,
máximo da Justiça do Trabalho, possui sede em Brasília e tem compete, como determina o art. 678 consolidado:
jurisdição em todo o território nacional.
O TST é composto por 27 (vinte e sete) ministros escolhi- “I – ao Tribunal Pleno, especialmente:
dos dentre brasileiros com mais de 35 anos de idade e menos a) processar, conciliar e julgar originariamente os dissídios
de 65 anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada, coletivos;
nomeados pelo Presidente da República, após aprovação por b) processar e julgar originariamente:
maioria absoluta pelo Senado Federal, art. 111-A da CF, de
acordo com a redação dada pela EC 92/2016. 1) as revisões de sentenças normativas;
Deverá, ainda, ser observado o quinto constitucional em 2) a extensão das decisões proferidas em dissídios coletivos;
relação aos membros do Ministério Público do Trabalho e 3) os mandados de segurança;
da Ordem dos Advogados do Brasil. Assim, um quinto dos
membros do TST deverá ser composto por advogados com 4) as impugnações à investidura de vogais e seus suplentes
mais de 10 anos de efetiva atividade profissional, com notório nas Juntas de Conciliação e Julgamento;
saber jurídico e reputação ilibada e membros do MPT, com c) processar e julgar em última instância:
mais de 10 anos de efetivo exercício.
1) os recursos das multas impostas pelas Turmas;
Serão indicados em lista sêxtupla pelos órgãos de repre-
sentação de suas classes. Recebidas as indicações o Tribunal 2) as ações rescisórias das decisões das Juntas de Conciliação
formará uma lista tríplice, que será enviada ao Poder Executivo. e Julgamento, dos juízes de direito investidos na jurisdição
trabalhista, das Turmas e de seus próprios acórdãos;
Os demais membros serão juízes de Tribunais Regionais
do Trabalho, oriundos da carreira da magistratura, indicada 3) os conflitos de jurisdição entre as suas Turmas, os juízes
pelo próprio Tribunal Superior do Trabalho. de direito investidos na jurisdição trabalhista, as Juntas de
Conciliação e Julgamento, ou entre aqueles e estas;
O TST pode funcionar em sua plenitude ou dividido em
Órgão Especial, Seções e Subseções Especializadas e Turmas. d) julgar em única ou última instâncias:
Assim, de acordo com o art. 59 de seu Regimento Interno 1) os processos e os recursos de natureza administrativa ati-
(Resolução Administrativa 1.295/2008), são órgãos do Tribunal nentes aos seus serviços auxiliares e respectivos servidores;
Superior do Trabalho: o Tribunal Pleno, o Órgão Especial, a 2) as reclamações contra atos administrativos de seu presi-
Seção Especializada em Dissídios Coletivos, a Seção Espe- dente ou de qualquer de seus membros, assim como dos juízes
cializada em Dissídios Individuais, que é dividida em duas de primeira instância e de seus funcionários.
subseções, e as Turmas.
II – às Turmas:
É importante lembrar também que são órgãos que funcio-
nam junto ao Tribunal Superior do Trabalho a Escola Nacional a) julgar os recursos ordinários previstos no art. 895, alínea I;
de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho b) julgar os agravos de petição e de instrumento, estes de
– ENAMAT, que dentre outras funções irá regulamentar os decisões denegatórias de recursos de sua alçada;
concursos oficiais para ingresso e promoção na carreira, e
c) impor multas e demais penalidades relativas e atos de sua
o Conselho Superior da Justiça do Trabalho – CSJT, que irá
competência jurisdicional, e julgar os recursos interpostos das
exercer a supervisão administrativa, orçamentária, financeira
decisões das Juntas dos juízes de direito que as impuserem.
e patrimonial da Justiça do Trabalho de 1º e 2º graus.
12. Direito Processual do Trabalho 253

Parágrafo único. Das decisões das Turmas não caberá recurso praticados e de que forma serão praticados, visando a atingir
para o Tribunal Pleno, exceto no caso do item I, alínea “c”, inciso seu objetivo final.
1, deste artigo.”
Ao Estado cabe, assim, a função de “dizer o direito”. Para
No entanto, quando não forem divididos em Turmas, que possa cumprir essa função de forma plena, satisfatória e
incumbirá aos Tribunais Regionais, por seu órgão pleno, o razoável, ele se utiliza de alguns critérios. Dentre eles, estão as
julgamento das matérias retromencionadas, com exceção dos regras de competência absoluta e relativa.
recursos das multas impostas pelas Turmas, nos termos do Nesse prisma, tendo em mente a relação jurídica existente
art. 679 da CLT. entre as partes e o Estado, sempre que algum critério utilizado
for dirigido ou de interesse do Estado, como as regras de
2.1.3. Juízes do Trabalho competência material, em razão da pessoa e a competência
Em função de extinção das Juntas de Conciliação e Jul- funcional, iremos dizer que são regras de competência absoluta,
gamento pela Emenda Constitucional 24/1999, a primeira ao passo que sempre que esse critério for dirigido ou de inte-
instância da jurisdição trabalhista passou a ser exercida por resse das partes, como, por exemplo, a competência territorial,
um juiz singular, o Juiz do Trabalho, que exerce suas funções iremos dizer que são critérios de competência relativa.
nas varas do trabalho. Por este motivo, as regras de competência absoluta pode-
Nas localidades onde não haja vara do trabalho, a maté- rão ser reconhecidas ex officio pelo Juiz. Já as regras de com-
ria trabalhista será de competência do Juiz de Direito, com o petência relativa necessitam sempre de manifestação da parte
respectivo recurso dirigido ao Tribunal Regional do Trabalho para que o Juiz possa se pronunciar a respeito.
daquela determinada região (art. 112 da CF). Instalada Vara
do Trabalho na localidade, a competência do Juiz de Direito 2.3. Competência material da Justiça do Trabalho
cessa, inclusive para as execuções de sentença que proferir, nos Para que a atividade judicial seja prestada de uma maneira
termos da súmula 10 do STJ. mais eficaz e justa, a competência foi dividida por matérias.
2.2. Jurisdição e competência A competência material da Justiça do Trabalho vem disci-
plinada no art. 114 da CF/1988, de acordo com a redação dada
Para de fato compreendermos o que vem a ser “competên- pela Emenda Constitucional 45/04, que aumentou de forma
cia” é necessário que se façam algumas considerações sobre o considerável a competência material da Justiça do Trabalho.
termo “jurisdição”.
O termo “jurisdição” emana do latim iuris dictio que tra- 2.3.1. Controvérsias oriundas e decorrentes da relação
duzido para nosso vernáculo significa: “dizer o direito”. de trabalho
Na sociedade moderna, esse poder de dizer o direito foi Sem dúvida, a maior inovação trazida pela Emenda Cons-
atribuído ao Estado, em substituição aos particulares. Desta titucional 45/2004 foi a ampliação da competência da Justiça do
forma, havendo um conflito, não poderá o particular resolvê- Trabalho, que passou a apreciar todas as lides oriundas da rela-
-lo por vontade própria, deverá se socorrer ao Estado para que ção de trabalho e não apenas aquelas decorrentes de relações
este, através de um órgão oficial, o resolva. O órgão do Estado de emprego. Relação de emprego, como se sabe, configura-se
incumbido dessa tarefa é o Juiz. A jurisdição é, portanto, una apenas quando presentes os requisitos dos arts. 2º e 3º da CLT.
e indivisível. Já relação de trabalho pressupõe trabalho exercido por
A jurisdição é, antes de tudo, expressão de poder do Estado. conta alheia, na qual o trabalhador coloca sua força de traba-
É, portanto, a função/poder do Estado de, quando provocado, lho em proveito de outra pessoa, seja esta física ou jurídica.
dar uma solução impositiva e definitiva aos conflitos aplicando Em outras palavras, podemos dizer que relação de trabalho
a lei ao caso concreto. Assim, uma vez provocado, as partes se é qualquer vínculo jurídico no qual uma pessoa física presta
submetem à solução imposta pelo Estado-Juiz. serviços para outra pessoa, física ou jurídica, mediante uma
Para que o Estado possa cumprir essa função de “dizer o contraprestação.
direito” (função jurisdicional), de maneira plena, satisfatória e Assim, é possível asseverar que relação de trabalho é
razoável aos jurisdicionados, são estabelecidas regras, ou seja, gênero do qual é uma espécie a relação de emprego. Por isso,
o Estado viabiliza instrumentos para que se alcance a atividade toda relação de emprego corresponde a uma relação de tra-
jurisdicional. O instrumento que viabiliza esse direito é o pro- balho, mas nem toda relação de trabalho corresponde a uma
cesso, instrumento capaz de conferir a garantia de que o Poder relação de emprego.
Estatal será exercido democraticamente. É importante destacar que, no que diz respeito às ações
Desta forma, a jurisdição objetiva a aplicação do direito acidentárias, aquelas decorrentes de acidente do trabalho, que
material ao caso concreto, que será aplicado por meio do ins- possuem natureza previdenciária, são de competência da justiça
trumento denominado processo. comum estadual, que detém competência para processar e julgar
O processo possui duas facetas. A primeira é de ordem ações acidentárias propostas pelo empregado em face do INSS,
subjetiva, na medida em que o processo estabelece uma relação em conformidade com o art. 109, I, da CF e art. 643, § 2º, da CLT.
jurídica entre as partes e o Estado. Estabelece, em outras pala- Nesse contexto, é importante destacar que se inscreve
vras, uma relação jurídica trilateral, ou seja, uma relação entre na competência material da Justiça do Trabalho a lide entre
as partes e o Estado e outra existente apenas entre as partes. empregado e empregador tendo por objeto indenização pelo
A segunda é de ordem objetiva, que consiste nos atos a não fornecimento das guias do seguro-desemprego, nos termos
serem praticados no processo. É, portanto, a maneira pela qual da súmula 389, I, do TST.
os atos processuais irão se desenvolver; é o que chamamos Por último, vale ressaltar que, nos termos da súmula 300 do
de procedimento. O procedimento indicará quais atos serão TST, pertence à competência material da Justiça do Trabalho
254 Hermes Cramacon

as ações ajuizadas por empregados em face de empregadores Dispõe a Súmula 189 do TST:
relativas ao cadastramento no Programa de Integração Social
(PIS). SÚMULA 189 TST – GREVE. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO
TRABALHO. ABUSIVIDADE. A Justiça do Trabalho é competente
2.3.2. Servidores da administração pública para declarar a abusividade, ou não, da greve.

Ao ampliar a competência material da Justiça do Traba- Com relação às ações possessórias em decorrência do
lho, foi atribuída, também, a competência para os dissídios direito de greve, é importante trazer o entendimento da
envolvendo a administração pública direta e indireta da União, Suprema Corte ao editar a Súmula Vinculante 23, garantindo
Estados, DF e Municípios. à Justiça do Trabalho a competência para processar e julgar
as ações possessórias ajuizadas em decorrência do exercício
No entanto, o art. 114, I, da CF foi objeto de uma ADI do direito de greve pelos trabalhadores da iniciativa privada.
– Ação Direta de Inconstitucionalidade, processo nº 3395-6,
ajuizada pela Associação dos Juízes Federais do Brasil, em que Vale lembrar, ainda, que a greve dos servidores públicos
foi concedida liminar, suspendendo “ad referendum, toda e é de competência da Justiça Comum, federal ou estadual, a
qualquer interpretação dada ao inciso I do art. 114 da CF, na depender do ente envolvido na demanda.
redação dada pela EC 45/2004, que inclua, na competência da O Plenário do STF concluiu na sessão do dia 27/10/2016,
Justiça do Trabalho, a (...) apreciação (...) de causas que (...) no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 693456, com
sejam instauradas entre o Poder Público e seus servidores, a ele repercussão geral reconhecida, em que discute a constitu-
vinculados por típica relação de ordem estatutária ou de caráter cionalidade do desconto dos dias parados em razão de greve
jurídico-administrativo”. A medida liminar foi referendada pelo de servidor, por 6 votos a 4, que a administração pública
Plenário do STF em 05 de abril de 2006. deve fazer o corte do ponto dos grevistas, mas admitiu a
Desta forma, a Justiça do Trabalho não é competente para possibilidade de compensação dos dias parados mediante
processar e julgar as ações envolvendo servidores da adminis- acordo. Também foi decidido que o desconto não poderá
tração pública, sendo competente a justiça comum estadual ser feito caso o movimento grevista tenha sido motivado
ou federal, a depender do tipo de servidor. Nessa linha são as por conduta ilícita do próprio Poder Público.
súmulas 137 e 218 do STJ. 2.3.4. Ações sobre representação sindical
Convém lembrar que naqueles casos em que a relação
O inciso III do art. 114 da CF/1988 confere competência
não for tipicamente estatutária, ou seja, quando a relação for
para a Justiça do Trabalho processar e julgar as ações sobre
regida pela CLT, como é o caso dos empregados públicos, a
representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos e
competência será da Justiça do Trabalho.
trabalhadores, e entre sindicatos e empregadores.
Vale lembrar ainda que a Orientação Jurisprudencial
O termo “sindicato” contido no dispositivo constitucional
205 da SDI 1 do TST, que admitia a competência material
citado deve ser interpretado de forma ampla a abranger todas
da Justiça do Trabalho para dirimir dissídio individual entre
as entidades sindicais de grau superior, como as federações
trabalhador e ente público se houvesse controvérsia acerca do
(art. 534 da CLT) e confederações (art. 535 da CLT).
vínculo empregatício, foi cancelada pela resolução 156/2009 do
TST, sendo essa questão atualmente de competência da justiça Pelo dispositivo em apreço, as lides entre sindicatos que
comum estadual ou federal, conforme o caso, na medida em disputam base territorial serão de competência da Justiça do
que esses trabalhadores não estão sob o regime da CLT. Trabalho.
As sociedades de economia mista e as empresas públicas, Em outras palavras, temos que o inciso III do art. 114 da
por serem pessoas jurídicas de direito privado, submetem- CF abrange todas as ações que envolvam matéria sindical no
-se ao regime próprio das empresas privadas, sendo regidas, âmbito trabalhista.
portanto, pela CLT. Desta forma, ensina Mauro Schiavi (em Curso de Direito
Processual do Trabalho. 2. ed. São Paulo: LTr, 2009. p. 196)
2.3.3. Ações que envolvem o exercício do direito que os dissídios que envolvem sindicatos podem ser classifi-
de greve cados em:
A greve é um direito constitucional assegurado aos a) coletivos: que envolvem os dissídios coletivos;
trabalhadores e encontra-se previsto no art. 9º, da CF, e b) intersindicais não coletivos: que envolvem conflitos entre
regulado pela Lei 7.783/1989. O exercício abusivo desse sindicatos;
direito sujeita os responsáveis às penas impostas pela lei c) intrassindicais: que envolvem questões internas do sindicato;
que o regula.
d) dissídios sobre contribuições sindicais.
Ao inserir na competência da Justiça do Trabalho as
ações que envolvam o direito de greve, o legislador atribuiu Nesse sentido é o Enunciado 24 da ANAMATRA:
à Justiça do Trabalho a competência para todas aquelas ações ENUNCIADO 24. Competência da Justiça do Trabalho. Confli-
que se relacionam direta ou indiretamente com o direito tos inter e intrassindicais. Os conflitos inter e intrassindicais,
de greve. inclusive os que envolvam sindicatos de servidores públicos
Assim, as ações inibitórias que visam a assegurar o (estatutários e empregados públicos), são da competência da
exercício do direito de greve, as ações possessórias para Justiça do Trabalho.
proteger o patrimônio do empregador, as ações de repara-
ção de danos, quer pelo empregado, quer pelo empregador
ou, ainda, contra terceiros são de competência da Justiça
do Trabalho.
12. Direito Processual do Trabalho 255

2.3.5. Mandado de segurança, habeas corpus e Vale trazer à baila o entendimento cristalizado na nova
habeas data redação dada a Orientação Jurisprudencial 143 da SDI 2 do
TST.
2.3.5.1. Mandado de segurança
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 143 SDI 2 TST – HABEAS
O mandado de segurança está disposto no art. 5º, LXIX, da CORPUS. PENHORA SOBRE COISA FUTURA E INCERTA. PRISÃO.
CF/1988 e regulado pela Lei 12.016/2009 e pode ser classificado DEPOSITÁRIO INFIEL.
como uma ação constitucional de natureza mandamental desti- Não se caracteriza a condição de depositário infiel quando a
nada a proteger direito líquido e certo contra ato de autoridade, penhora recair sobre coisa futura e incerta, circunstância que,
praticado com ilegalidade ou abuso de poder. por si só, inviabiliza a materialização do depósito no momento
Será admitido sob a óptica do art. 114, IV, da CF/1988 da constituição do paciente em depositário, autorizando-se
sempre que o ato impugnado estiver relacionado com a juris- a concessão de “habeas corpus” diante da prisão ou ameaça
dição trabalhista. de prisão que sofra.

A competência para o mandado de segurança é fixada em Ainda sobre habeas corpus e depositário infiel, a SDI 2 se
razão da matéria, ou seja, o ato taxado de ilegal ou abusivo deve pronunciou:
estar submetido à jurisdição trabalhista. ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 89 SDI 2 TST – HABEAS COR-
A competência funcional para o mandado de segurança PUS. DEPOSITÁRIO. TERMO DE DEPÓSITO NÃO ASSINADO
irá depender da autoridade tida como coatora. Assim, será de PELO PACIENTE. NECESSIDADE DE ACEITAÇÃO DO ENCARGO.
competência da vara do trabalho o mandado de segurança IMPOSSIBILIDADE DE PRISÃO CIVIL.
impetrado contra ato de auditor fiscal; do TRT quando o ato A investidura no encargo de depositário depende da aceitação
taxado de ilegal ou abusivo for do juiz do trabalho, diretor e do nomeado que deve assinar termo de compromisso no
demais funcionários, juízes de direito investidos na jurisdição auto de penhora, sem o que, é inadmissível a restrição de seu
trabalhista (art. 112 da CF/1988), juízes e funcionários do direito de liberdade.
TRT; e, por último, do TST quando o ato for praticado pelo
Presidente do TST ou outro Ministro. Deve-se ressaltar que por não ter o inciso LXVIII do art.
5º da CF/1988 exigido que o constrangimento seja exercido
2.3.5.2. Habeas corpus por agente do poder público, admite-se o uso de habeas corpus
Remédio constitucional de natureza mandamental de rito contra ato particular, como o caso do empregador que não
especial, que objetiva evitar ou cessar violência ou ameaça ao permite que seus empregados saiam da empresa para aderirem
direito de ir e vir, em razão de ilegalidade ou abuso de poder. ao movimento paredista.
Dispõe o art. 5º, LXVIII, da CF: “conceder-se-á habeas- 2.3.5.3. Habeas data
-corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de
sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, Dispõe o art. 5º, LXXII, da CF:
por ilegalidade ou abuso de poder.” LXXII – conceder-se-á habeas-data:
Com o advento da Emenda Constitucional 45/2004, a
Justiça do Trabalho possui competência para apreciar habeas a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à
corpus com relação àquelas matérias sujeitas a sua apreciação. pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de
dados de entidades governamentais ou de caráter público;
Desta forma, sempre que o ato taxado de abusivo e ilegal
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo
envolver matéria sujeita à jurisdição trabalhista, a Justiça do por processo sigiloso, judicial ou administrativo.
Trabalho será competente para apreciar o pedido de habeas
corpus. Trata-se de uma ação mandamental que tem como obje-
tivo garantir ao interessado, pessoa física ou jurídica ou ente
A competência para apreciação do pedido de habeas corpus despersonalizado, o exercício do direito fundamental de livre
será das varas do trabalho quando for impetrado contra ato de acesso a dados pessoais constantes em registro ou em banco de
particular, como, por exemplo, no caso em que o empregador dados. Além do livre acesso aos registros ou banco de dados,
impede que seus funcionários saiam da empresa para participar esse remédio pode objetivar, também, a retificação desses
do movimento paredista. registros ou, ainda, sua complementação.
A competência será dos TRTs quando o HC for impe- O procedimento do habeas data encontra-se previsto na Lei
trado contra ato de juiz da vara do trabalho. Será competên- 9.507/1997 que, em seu art. 2º, traz uma condição especial para
cia do TST quando o habeas corpus for impetrado em face seu cabimento, qual seja, a prévia postulação administrativa.
dos TRTs.
Por último, quando o habeas corpus for impetrado em face Art. 2º O requerimento será apresentado ao órgão ou entidade
de atos dos Ministros do TST, a competência para apreciação depositária do registro ou banco de dados e será deferido ou
será do STF, em conformidade com o art. 102, I, “i”, da CF. indeferido no prazo de quarenta e oito horas.
Como exemplo de hipótese de cabimento de habeas corpus Desta forma, o pedido de habeas data só se justifica
na justiça do trabalho podemos citar, na fase de execução da depois de feito e rejeitado o requerimento na forma do art.
sentença, a prisão de um depositário infiel determinada por 2º supracitado.
um juiz do trabalho. A petição inicial deverá preencher os requisitos dos arts.
No entanto, tendo em vista a edição da súmula vinculante 319 a 334 do CPC/2015e será apresentada em duas vias,
25, que ensina ser ilícita a prisão do depositário infiel, será devendo os documentos que a instruírem ser reproduzidos
difícil sua aplicação do habeas corpus na esfera laboral. por cópia na segunda via.
256 Hermes Cramacon

Importante lembrar que, nos termos do parágrafo único dirimir conflito de competência verificado, na respectiva
do art. 8º da Lei 9.507/1997, a petição inicial deverá ser ins- região, entre juiz estadual e junta de conciliação e julgamento.”
truída com prova: Serão resolvidos pelo TST sempre que for suscitado o
Parágrafo único. (...)
conflito entre TRTs ou entre Varas do Trabalho e Juízes de
Direito investidos na jurisdição trabalhista sujeitos à jurisdição
I – da recusa ao acesso às informações ou do decurso de mais de TRTs diferentes.
de dez dias sem decisão; Sobre o tema, o STJ editou a súmula 236 em que ensina não
ser de competência daquele Tribunal os conflitos de competên-
II – da recusa em fazer-se a retificação ou do decurso de mais
de quinze dias, sem decisão; ou
cia envolvendo juízes do trabalho vinculados a TRTs diversos.
Os conflitos serão resolvidos pelo STJ quando suscitado
III – da recusa em fazer-se a anotação a que se refere o § 2º entre Vara de Trabalho e Juiz de Direito não investido na juris-
do art. 4º ou do decurso de mais de quinze dias sem decisão. dição trabalhista, em conformidade com o art. 105, I, “d”, da CF.
Poderá figurar no polo ativo qualquer pessoa física ou Por último serão resolvidos pelo STF os conflitos susci-
jurídica e, ainda, os entes despersonalizados que possuam tados entre o TST e órgãos de outro ramo do judiciário, nos
capacidade processual como, por exemplo, a massa falida, termos do art. 102, I, “o”, da CF.
condomínio, entre outros. Por outro lado, no polo passivo
É importante lembrar as lições trazidas na súmula 420 do
da ação poderão figurar os órgãos da administração pública
TST, que assim dispõe:
direta e indireta, bem como as instituições, entidades ou
pessoas jurídicas de direito privado que prestem serviços SÚMULA 420 DO TST – COMPETÊNCIA FUNCIONAL. CONFLITO
para o público ou de interesse público, desde que sejam NEGATIVO. TRT E VARA DO TRABALHO DE IDÊNTICA REGIÃO.
depositárias de dados. NÃO CONFIGURAÇÃO.
Como exemplo de impetração de habeas data na Justiça Não se configura conflito de competência entre Tribunal Regio-
do Trabalho, o ilustre Professor Carlos Henrique Bezerra Leite nal do Trabalho e Vara do Trabalho a ele vinculada.
ensina (em Curso de Direito Processual do Trabalho. 7. ed.
São Paulo: LTr, 2009. p. 1070) “Outra hipótese reside na pos-
2.3.7. Ações de indenização por dano moral
sibilidade de impetração de habeas data pelo empregador em
face do órgão de fiscalização da relação de trabalho que esteja
ou patrimonial
se negando a fornecer informações sobre o processo adminis- A Carta Maior confere competência à Justiça do Trabalho
trativo em que ele esteja sofrendo penalidade administrativa.” para processar e julgar ações de indenização por dano moral
ou patrimonial decorrentes da relação de trabalho.
2.3.6. Conflitos de competência entre órgãos de Assim, toda e qualquer ação de dano moral ou patrimo-
jurisdição trabalhista nial, quando decorrentes da relação de trabalho, proposta pelo
Ensina o art. 114, V, da CF/1988 que compete à Justiça do empregado em face do empregador, será de competência da
Trabalho processar e julgar os conflitos de competência entre Justiça do Trabalho.
órgãos com jurisdição trabalhista, ressalvado o disposto no art. Muito se discutiu acerca da competência para aquelas
102, I, “o”, que confere ao STF o julgamento dos conflitos de ações que estavam em andamento quando da promulgação da
competência entre o Superior Tribunal de Justiça e quaisquer EC 45/04, até que o Supremo Tribunal Federal editou a súmula
tribunais, entre Tribunais Superiores, ou entre estes e qualquer vinculante 22, que assim dispõe:
outro tribunal.
SÚMULA VINCULANTE 22 STF – A Justiça do Trabalho é
Ocorre o conflito de competência quando dois órgãos
competente para processar e julgar as ações de indenização
judiciais se dizem competentes, denominado conflito positivo por danos morais e patrimoniais decorrentes de acidente
de competência; ou quando dois órgãos judiciais se dizem de trabalho propostas por empregado contra empregador,
incompetentes, denominado conflito negativo de competência; inclusive aquelas que ainda não possuíam sentença de mérito
ou, ainda, quando entre dois juízes surge controvérsia sobre a em primeiro grau quando da promulgação da emenda cons-
reunião ou separação de processos, nos termos do art. 804 da titucional nº 45/04.
CLT e 66 do CPC/2015. Contudo, as ações acidentárias, ou seja, lides previdenciá-
Desta forma, em conformidade com o art. 803 da CLT, os rias derivadas de acidente do trabalho propostas pelo trabalha-
conflitos de jurisdição podem ocorrer entre: dor em face do INSS, serão de competência da justiça comum
a) Varas do trabalho e juízes de direito investidos na jurisdição estadual e nunca da Justiça do Trabalho, conforme exceção
trabalhista; prevista no art. 109, I, da CF.
b) Tribunais Regionais do Trabalho; Vale esclarecer que caso seja o acidente de trabalho cau-
c) Juízos e tribunais do trabalho e órgãos da justiça ordinária; sado por negligência do empregador responsável pelo cumpri-
mento das normas de segurança e saúde do trabalho, poderá
d) Câmaras do Tribunal Superior do Trabalho
o INSS ajuizar ação regressiva em face desse empregador,
Serão resolvidos pelo TRT quando for suscitado conflito devendo esta ação de regresso ser proposta na justiça federal.
de competência entre varas do trabalho da mesma região, ou
entre varas do trabalho e juiz de direito investido na jurisdição Apenas as ações propostas pelo trabalhador em face do
trabalhista na mesma região, os termos do art. 808 da CLT. empregador serão de competência da Justiça do Trabalho.
Sobre o tema, o STJ editou a súmula 180 que ensina: “na Ainda será de competência da Justiça do Trabalho a
lide trabalhista, compete ao Tribunal Regional do Trabalho ação de reparação de danos morais, ainda que proposta pelos
dependentes ou sucessores do obreiro falecido.
12. Direito Processual do Trabalho 257

É o que a chamamos de danos morais por ricochete ou execução de ofício das contribuições previdenciárias relativas
reflexo, entendido como aquele que além de atingir a própria ao objeto da condenação constante das sentenças que proferir
vítima, atinge também outras pessoas por conta de laços afe- e acordos por ela homologados.
tivos que possui com o ofendido, como por exemplo o caso Vale destacar a Súmula 454 do TST, que assim dispõe:
do dano moral sofrido pelo filho diante da morte de seus
genitores e vice-versa. SÚMULA 454 TST – COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO.
EXECUÇÃO DE OFÍCIO. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL REFERENTE AO
Nas lições de Sebastião Geraldo de Oliveira, Desembar- SEGURO DE ACIDENTE DE TRABALHO (SAT). ARTS. 114, VIII, E
gador do TRT da 3ª Região, em julgado daquela Corte Traba- 195, I, “A”, DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA.
lhista (TRT 3ºR. 2ª T., RO 1019-2007-042-03-00-3, Rel. Des.
Nessa linha, estabelece o art. 876, parágrafo único, da CLT:
Sebastião Geraldo de Oliveira. DJEMG 29.07.2009), in verbis:
Art. 876. (...)
“Dano moral indireto, reflexo ou, em ricochete, é aquele
que, sem decorrer direta e imediatamente de certo fato danoso, Parágrafo único. A Justiça do Trabalho executará, de ofício,
com este guarda um vínculo de necessariedade, de modo man- as contribuições sociais previstas na alínea a do inciso I e no
ter o nexo de causalidade entre a conduta ilícita e o prejuízo. inciso II do caput do art. 195 da Constituição Federal, e seus
Ainda que sejam distintos os direitos da vítima imediata e da acréscimos legais, relativas ao objeto da condenação constante
vítima mediata, a causa indireta do prejuízo está intensamente das sentenças que proferir e dos acordos que homologar.
associada à causa direta, tornando perfeitamente viável a pre- Compete à Justiça do Trabalho a execução, de ofício, da
tensão indenizatória.” contribuição referente ao Seguro de Acidente de Trabalho (SAT),
Desta forma, não apenas a vítima direta ou imediata que tem natureza de contribuição para a seguridade social (arts.
fará jus à reparação de danos morais, mas também a vítima 114, VIII, e 195, I, “a”, da CF), pois se destina ao financiamento
indireta ou mediata, pessoas que, por via reflexa, sofreram os de benefícios relativos à incapacidade do empregado decorrente
efeitos do dano. de infortúnio no trabalho (arts. 11 e 22 da Lei 8.212/1991).
Nesse sentido, ensina a Súmula 392 do TST: 2.4. Competência em razão da função
SÚMULA 392 TST – DANO MORAL E MATERIAL. RELAÇÃO DE Diz respeito à distribuição das atribuições aos diferentes
TRABALHO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO órgãos do Poder Judiciário. A competência funcional ou
hierárquica trabalhista, como também é chamada, regula a
Nos termos do art. 114, inc. VI, da Constituição da República,
competência dos órgãos de 1º, 2º e 3º graus dentro da Justiça
a Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar
ações de indenização por dano moral e material, decorrentes
do Trabalho.
da relação de trabalho, inclusive as oriundas de acidente de Desta forma, em conformidade com o art. 111 da CF, é
trabalho e doenças a ele equiparadas, ainda que propostas correto dizer que a competência funcional será dividida entre
pelos dependentes ou sucessores do trabalhador falecido. os órgãos que compõem a Justiça do Trabalho, quais sejam: as
Por último, é importante asseverar que os danos morais Varas do Trabalho, Tribunais Regionais do Trabalho – TRTs e
dispostos no texto constitucional dizem respeito aos danos o Tribunal Superior do Trabalho – TST.
pré e pós-contratuais, sendo todas as ações de competência A competência funcional diz respeito, portanto, às atri-
da Justiça do Trabalho. buições confiadas a cada órgão do Poder Judiciário, especi-
ficamente, para nosso estudo, dentro da Justiça do Trabalho.
2.3.8. Ações relativas às penalidades administrativas A análise da competência em razão da função será rea-
impostas aos empregadores pelos órgãos de lizada após avaliação da competência material. Assim, em
fiscalização das relações de trabalho primeiro plano, deve ser realizado um exame acerca da com-
Trata-se de ações propostas por empregadores que objeti- petência material e somente após este exame é que teremos
vam anular sanções administrativas impostas pelo Ministério de analisar a competência funcional dos órgãos do Poder
do Trabalho e Emprego. Judiciário.
Trata-se, portanto, de uma inovação trazida pela Emenda Importante ressaltar que a competência em razão da fun-
Constitucional 45/2004, haja vista que essas ações eram de ção é absoluta, podendo ser conhecida ex officio pelo juiz, ou
competência da justiça federal. seja, sem necessidade de provocação da parte.
A competência funcional se divide em:
2.3.9. Execução das contribuições sociais de ofício
Trata-se das contribuições do empregador, incidentes 2.4.1. Competência funcional originária
sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho É aquela que conhece da causa em primeiro plano. Via de
pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe regra a competência originária pertence à Vara do Trabalho
preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício, bem como da (1º grau de jurisdição) nos termos do art. 652 da CLT, salvo
contribuição devida pelo trabalhador e pelos demais segurados regra expressa em sentido contrário, como, por exemplo, a ação
da previdência social. rescisória, que se inicia no TRT, nos termos do art. 678, I, “c”,
Serão executadas tais contribuições em decorrência das item 2, da CLT; ou no TST, em conformidade com os arts. 70,
sentenças que o juiz proferir. I, “d” e 71, III, “a”, ambos do regimento interno do TST.
Sobre o tema, o Supremo Tribunal Federal editou a Súmula Importante destacar que a Lei 13.467/2017 inseriu a alínea
Vinculante 53, que assim dispõe: “f ” ao art. 652 da CLT determinando que compete à Vara do
Trabalho decidir quanto à homologação de acordo extrajudicial
Súmula Vinculante 53. A competência da Justiça do Trabalho em matéria de competência da Justiça do Trabalho.
prevista no art. 114, VIII, da Constituição Federal alcança a
258 Hermes Cramacon

A competência funcional originária dos TRTs, quando Art. 651. A competência das Juntas de Conciliação e Julga-
divididos em turmas, vem disposta nos arts. 678 e 680 da mento é determinada pela localidade onde o empregado,
CLT. Quando os TRTs não forem divididos em turmas, dis- reclamante ou reclamado, prestar serviços ao empregador,
põe o art. 679 da CLT que os Tribunais Regionais apreciarão ainda que tenha sido contratado noutro local ou no estran-
as matérias contidas no art. 678 da CLT, com exceção dos geiro.
recursos das multas impostas pelas Turmas bem como os Pela determinação do dispositivo supracitado, a compe-
conflitos de jurisdição entre Turmas, na medida em que tência é determinada pela localidade da última prestação de
não as possuem. serviço pelo obreiro, ainda que tenha sido contratado em outro
Por último, a competência funcional do TST vem disposta lugar, nas lições de Carlos Henrique Bezerra Leite (Curso de
na Lei 7.701/1998. O art. 4º estabelece a competência funcional Direito Processual do Trabalho, 7ª edição, LTr).
do Tribunal Pleno; a seção especializada em dissídios indivi- Todavia, caso o empregado tenha trabalhado em diversas
duais – SDI tem sua competência estabelecida no art. 3º da Lei localidades, ou seja, em diversos estabelecimentos do mesmo
7.701/1998; a seção especializada em dissídios coletivos, nos empregador, em locais diferentes, entendemos tratar-se de
termos do art. 2º da citada lei; e, por último, a competência competência concorrente de todas as localidades em que o
funcional das Turmas do TST vem disposta no art. 5º da Lei empregado tenha prestado serviços, permitindo ao empregado
7.701/1998. propor sua reclamação trabalhista em qualquer uma das loca-
Com relação à competência funcional do Tribunal Pleno lidades. Isso porque, a intenção do legislador foi de ampliar
do TST importante destacar sua competência estabelecer ao máximo o livre acesso do trabalhador ao Judiciário, em
ou alterar súmulas e outros enunciados de jurisprudência conformidade com o princípio protetor, também aplicável no
uniforme. campo processual.
Esse processo dependerá do voto de pelo menos dois Vale ressaltar que a regra do domicílio do réu disposta no
terços de seus membros, caso a mesma matéria já tenha sido processo civil não é aplicável ao processo do trabalho.
decidida de forma idêntica por unanimidade em, no mínimo, Portanto, o caput do art. 651 traz a regra geral para fixação
dois terços das turmas em pelo menos dez sessões diferentes de competência. Todavia, os parágrafos trazem as exceções à
em cada uma delas, podendo, ainda, por maioria de dois terços regra.
de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou Estabelece o § 3º do citado dispositivo que é assegurado
decidir que ela só tenha eficácia a partir de sua publicação no ao empregado apresentar reclamação trabalhista no foro da
Diário Oficial. celebração do contrato ou no foro da prestação dos serviços,
As sessões de julgamento sobre estabelecimento ou em se tratando de empregador que promova suas atividades
alteração de súmulas e outros enunciados de jurisprudência fora do local da celebração do contrato de trabalho, como,
deverão ser públicas, divulgadas com, no mínimo, 30 dias de por exemplo, empresas de atividades teatrais. Assim, se um
antecedência, e deverão possibilitar a sustentação oral pelo empregado é contratado em determinado lugar para prestar
Procurador-Geral do Trabalho, pelo Conselho Federal da serviço em outra localidade, eventual reclamação trabalhista
Ordem dos Advogados do Brasil, pelo Advogado-Geral da poderá ser ajuizada no local da contratação ou da prestação
União e por confederações sindicais ou entidades de classe de dos serviços.
âmbito nacional. Outra exceção à regra de competência é a hipótese do
Em outras palavras podemos dizer que o estabelecimento viajante comercial. Nos termos do § 1º do dispositivo, o empre-
ou alteração de súmulas ocorrerá gado deverá propor a reclamação na vara da localidade onde a
a) voto de 2/3 dos membros do Tribunal, ou seja, no TST 18 empresa possuir agência ou filial e a esta esteja ele subordinado.
Ministros; Não existindo filial ou agência, poderá o empregado optar por
onde possuir domicílio ou na localidade mais próxima.
b) matéria já decidida de forma idêntica por unanimidade em,
no mínimo, 2/3 das Turmas; A última exceção contida no art. 651 consolidado vem
estabelecida em seu § 2º, que trata das lides de empregados
c) em 10 sessões diferentes cada uma delas;
brasileiros em agência ou filial situada no estrangeiro, desde
d) modulação dos efeitos, por maioria de 2/3 dos membros. que possuam sede, filial ou representante no Brasil. Nesse caso,
a competência será da Justiça do Trabalho brasileira, caso não
2.4.2. Competência funcional recursal
haja convenção internacional em sentido contrário.
É a competência para prática de determinados atos em Importante notar que para esses conflitos ocorridos no
grau de recurso. exterior será aplicada a regra do direito processual brasileiro, na
2.4.3. Competência funcional executória medida em que a demanda tramitará perante a Justiça do Tra-
balho brasileira. No entanto, com relação ao direito material,
Diz respeito à competência para realização da execução, por meio da súmula 207, o TST havia firmado posicionamento
seja judicial, seja extrajudicial (arts. 877 e 877-A da CLT). no sentido da aplicação da lei do local da execução do contrato
de trabalho, ou seja, seria aplicada a legislação do país onde o
2.5. Competência territorial da Justiça do Trabalho trabalho foi prestado.
Competência territorial ou competência do foro (ratione No entanto, a súmula 207 do TST foi cancelada, preva-
loci), como também é chamada, diz respeito ao limite territorial lecendo o entendimento que, de acordo com o art. 3º, inciso
de cada órgão da Justiça do Trabalho. II, da Lei 7.064/1982, deverá ser aplicada a legislação mais
Na Justiça do Trabalho a competência territorial vem favorável ao trabalhador. O posicionamento atual adotou a
disciplinada no art. 651 da CLT, que dispõe: teoria do conglobamento mitigado.
12. Direito Processual do Trabalho 259

2.6. Foro de eleição damento), mas o objeto (pedido) de uma for mais amplo do
que o da outra.
Previsto no art. 63 do CPC/2015, é aquele em que os
contratantes escolhem livremente, de antemão, o foro onde Diferentemente da conexão, na qual há necessidade de
serão dirimidos eventuais conflitos decorrentes do negócio identidade de um dos elementos da ação (causa de pedir ou
jurídico avençado. pedido), na continência se faz necessário a cumulação de dois
elementos: as partes e causa de pedir, devendo, contudo, o
No processo de trabalho, as regras de competência são
pedido de um ser mais abrangente do que o outro.
de ordem pública e, dessa forma, não podem ser derrogadas
pelas partes. Como exemplo, podemos citar o pedido de uma ação que
vise à anulação de uma cláusula contratual e de outra, com
Referida incompatibilidade decorre da hipossuficiência
as mesmas partes e causa de pedir, que busque a anulação de
econômica do trabalhador, haja vista que a regra do art. 651
todo o contrato.
e seus parágrafos tem por objetivo facilitar o acesso do traba-
lhador ao judiciário. 3. ATOS, TERMOS, PRAZOS E NULIDADES
Nesse sentido, ensina o art. 2º, I, da IN 39/2016 do TST PROCESSUAIS
que a regra disposta no art. 63 do CPC/2015 não será aplicável
ao processo do trabalho, dada sua incompatibilidade com o 3.1. Considerações
processo do trabalho.
O processo pode ser conceituado, em poucas palavras,
2.7. Modificação da competência como sendo um conjunto de atos coordenados que objetivam
a busca da tutela jurisdicional.
A competência absoluta (em razão da matéria, em razão da
Nos termos do art. 203 do CPC/2015, que os pronuncia-
pessoa e em razão da função) não pode ser modificada, nem por
mentos do Juiz consistirão em: despachos, decisões interlo-
circunstâncias processuais, tampouco por vontade das partes.
cutórias e sentenças. Nessa linha é importante lembrar que a
Já a competência relativa (competência territorial) poderá assinatura dos juízes em todos os graus de jurisdição poderá
sofrer modificações, seja por circunstâncias processuais e ser feita eletronicamente.
nas hipóteses em que a lei autoriza, nos termos do art. 54 do
CPC/2015. 3.1.1. Despacho
A modificação de competência poderá ocorrer por: Utilizava-se o termo “despacho de mero expediente”, termo
muito criticado pela doutrina. Em 2006, com a publicação da
2.7.1. Prorrogação Lei 11.276, a expressão “mero expediente” foi retirada do art.
Dispõe o art. 65 do CPC/2015: 1.001 do CPC/2015, utilizando-se atualmente a expressão
“despacho”. Os despachos são atos desprovidos de conteúdo
Art. 65. Prorrogar-se-á a competência relativa se o réu não decisório, como, por exemplo, a remessa dos autos ao contador.
alegar a incompetência em preliminar de contestação.
A incompetência em razão do território deve ser alegada 3.1.2. Decisões interlocutórias
pela parte no prazo de resposta (defesa), sob pena de prorro- A decisão interlocutória é conceituada como todo pronun-
gar-se a competência. Em outras palavras, a incompetência ciamento judicial de natureza decisória que não seja sentença,
territorial se convalidará caso a parte interessada não oponha que é o pronunciamento por meio do qual o juiz, com funda-
exceção de incompetência no prazo legal. mento nos arts. 485 e 487 CPC/2015, põe fim à fase cognitiva
Desta forma, ocorrendo a prorrogação da competência de do procedimento comum, bem como extingue a execução.
um juiz do trabalho territorialmente incompetente, se tornará As decisões interlocutórias são dotadas de conteúdo
ele competente para apreciação daquela demanda. decisório, mas não põem fim à fase de conhecimento, nem à
execução.
2.7.2. Conexão
Vale lembrar que, nos termos do art. 893, § 1º, da CLT, na
Disciplinada no art. 55 do CPC/2015, a conexão ocorre Justiça do Trabalho as decisões interlocutórias são irrecorríveis
quando forem comuns a causa de pedir ou o pedido de duas de imediato. As exceções à regra da irrecorribilidade imediata
ou mais ações. das decisões interlocutórias encontram-se na súmula 214 do
São elementos da ação: as partes, a causa de pedir (funda- TST:
mentos) e o objeto (pedido). Pois bem. Haverá conexão entre Na Justiça do Trabalho, nos termos do art. 893, § 1º, da CLT, as
as ações quando tiverem o mesmo pedido ou os mesmos fun- decisões interlocutórias não ensejam recurso imediato, salvo
damentos. Basta um destes elementos e não a cumulação deles. nas hipóteses de decisão:
Ressalta-se que não haverá conexão se forem comuns as partes. a) de Tribunal Regional do Trabalho contrária à Súmula ou
Caso as ações conexas estejam transitando perante juízos Orientação Jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho;
com mesma competência, será considerada prevento nos b) suscetível de impugnação mediante recurso para o mesmo
domínios do processo de trabalho aquele em que a reclamação Tribunal;
tenha sido protocolada em primeiro lugar, não se aplicando a c) que acolhe exceção de incompetência territorial, com a
parte final da regra disposta no art. 59 do CPC/2015. remessa dos autos para Tribunal Regional distinto daquele a
que se vincula o juízo excepcionado, consoante o disposto no
2.7.3. Continência art. 799, § 2º, da CLT.
Ensina o art. 56 do CPC que haverá continência sempre Outra exceção à regra da irrecorribilidade imediata das
que houver identidade entre as partes e a causa de pedir (fun- decisões interlocutórias se encontra no art. 855-A, § 1º, II,
260 Hermes Cramacon

da CLT que ensina ser passível de interposição de agravo de demonstrar a existência de distinção no caso em julgamento ou
petição a decisão na fase de execução acerca do incidente de a superação do entendimento, sempre que invocar precedente
desconsideração da personalidade jurídica. Vale dizer que a ou enunciado de súmula.
decisão de incidente de desconsideração da personalidade
jurídica na fase de conhecimento não enseja a interposição de 3.2. Realização dos atos processuais
recurso imediato, art. 855-A, § 1º, I, da CLT. De acordo com o art. 770 da CLT, em regra, os atos pro-
cessuais serão públicos, salvo quando o contrário determinar
3.1.3. Sentença o interesse social, e deverão ser realizados nos dias úteis das 6
Nos termos do art. 203, § 1º, do CPC/2015, sentença é o (seis) às 20 (vinte) horas. Vale ressaltar que a penhora poderá
pronunciamento por meio do qual o juiz, com fundamento ser realizada aos domingos ou feriados mediante autorização
nos arts. 485e 487do CPC/2015, põe fim à fase cognitiva do expressa do Juiz do Trabalho.
procedimento comum, bem como extingue a execução.
3.2.1. Ato processual via fac-símile
As decisões proferidas pelo Juiz do Trabalho, nos termos
do art. 832 da CLT, deverão conter o nome das partes, o resumo Instituído pela Lei 9.800/1999, os atos processuais que
do pedido e da defesa, a apreciação das provas, os fundamentos necessitam ser feitos por petição escrita poderão ser realizados
da decisão e a conclusão. A sentença que concluir pela proce- via fac-símile.
dência do pedido determinará o prazo e as condições para o Reza o art. 2º da citada lei que a utilização de sistema não
seu cumprimento. prejudica o cumprimento dos prazos, devendo os originais ser
Os elementos essenciais da sentença estão dispostos no entregues em juízo, necessariamente, até 5 (cinco) dias da data
art. 489 CPC/2015. do término do prazo estipulado para o ato. Já os atos praticados
via fac-símile que não possuem prazo deverão ser entregues
Com relação à aplicabilidade da norma disposta no art.
a via original dentro do prazo de 5 (cinco) dias contados da
489 CPC/2015 ao processo do trabalho, o TST editou a IN 39
data recepção do material enviado.
que em seu art. 15 assim dispõe:
A lei ensina, ainda, que aquele que fizer uso de sistema de
Art. 15. O atendimento à exigência legal de fundamentação das transmissão torna-se responsável pela qualidade e fidelidade
decisões judiciais (CPC, art. 489, § 1º) no Processo do Trabalho do material transmitido e por sua entrega ao órgão judiciário.
observará o seguinte:
Sobre o tema, é importante destacar a súmula 387 do
I – por força dos arts. 332 e 927 do CPC, adaptados ao Processo TST:
do Trabalho, para efeito dos incisos V e VI do § 1º do art. 489
considera-se “precedente” apenas: SÚMULA 387 TST. RECURSO. FAC-SÍMILE. LEI Nº 9.800/1999)
a) acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Tri- I – A Lei 9.800, de 26.05.1999, é aplicável somente a recursos
bunal Superior do Trabalho em julgamento de recursos repetitivos interpostos após o início de sua vigência.
(CLT, art. 896-B; CPC, art. 1.046, § 4º); II – A contagem do quinquídio para apresentação dos originais
b) entendimento firmado em incidente de resolução de demandas de recurso interposto por intermédio de fac-símile começa a
repetitivas ou de assunção de competência; fluir do dia subsequente ao término do prazo recursal, nos
c) decisão do Supremo Tribunal Federal em controle concentrado termos do art. 2º da Lei 9.800, de 26.05.1999, e não do dia
de constitucionalidade; seguinte à interposição do recurso, se esta se deu antes do
e) decisão do plenário, do órgão especial ou de seção especiali- termo final do prazo.
zada competente para uniformizar a jurisprudência do tribunal a III – Não se tratando a juntada dos originais de ato que
que o juiz estiver vinculado ou do Tribunal Superior do Trabalho. dependa de notificação, pois a parte, ao interpor o recurso, já
II – para os fins do art. 489, § 1º, incisos V e VI do CPC, considerar- tem ciência de seu ônus processual, não se aplica a regra do art.
-se-ão unicamente os precedentes referidos no item anterior, 224 do CPC de 2015 (art. 184 do CPC de 1973) quanto ao “dies
súmulas do Supremo Tribunal Federal, orientação jurisprudencial a quo”, podendo coincidir com sábado, domingo ou feriado.
e súmula do Tribunal Superior do Trabalho, súmula de Tribunal IV – A autorização para utilização do fac-símile, constante
Regional do Trabalho não conflitante com súmula ou orientação do art. 1º da Lei n.º 9.800, de 26.05.1999, somente alcança as
jurisprudencial do TST, que contenham explícita referência aos hipóteses em que o documento é dirigido diretamente ao
fundamentos determinantes da decisão (ratio decidendi). órgão jurisdicional, não se aplicando à transmissão ocorrida
III – não ofende o art. 489, § 1º, inciso IV do CPC a decisão que entre particulares.
deixar de apreciar questões cujo exame haja ficado prejudicado
em razão da análise anterior de questão subordinante.
3.3. Prazos processuais
IV – o art. 489, § 1º, IV, do CPC não obriga o juiz ou o Tribunal a Os prazos processuais contam-se a partir da data em que
enfrentar os fundamentos jurídicos invocados pela parte, quando já for feita pessoalmente, ou recebida, a notificação. Nos termos
tenham sido examinados na formação dos precedentes obrigatórios da súmula 16 do TST, presume-se recebida a notificação 48
ou nos fundamentos determinantes de enunciado de súmula. (quarenta e oito) horas depois de sua postagem. O seu não
V – decisão que aplica a tese jurídica firmada em precedente, recebimento ou a entrega após o decurso desse prazo constitui
nos termos do item I, não precisa enfrentar os fundamentos já ônus de prova do destinatário. Em se tratando de edital, inicia-
analisados na decisão paradigma, sendo suficiente, para fins -se na respectiva data.
de atendimento das exigências constantes no art. 489, § 1º, do Porém, é importante ter em mente que os prazos serão
CPC, a correlação fática e jurídica entre o caso concreto e aquele contabilizados excluindo o dia do começo e incluindo o dia
apreciado no incidente de solução concentrada. do vencimento.
VI – é ônus da parte, para os fins do disposto no art. 489, § 1º,
Nos termos do art. 775 da CLT os prazos processuais serão
V e VI, do CPC, identificar os fundamentos determinantes ou
contados em dias úteis, com exclusão do dia do começo e
12. Direito Processual do Trabalho 261

inclusão do dia do vencimento, podendo ser prorrogados, pelo 3.4.2. Nulidade relativa
tempo estritamente necessário, quando o juízo entender neces-
Haverá nulidade relativa sempre que o ato violar normas
sário ou em virtude de força maior, devidamente comprovada.
de interesse privado e somente serão declaradas mediante
Compete ao juízo a dilatação de prazos processuais, bem provocação das partes, as quais deverão argui-las à primeira
como a alteração da ordem de produção dos meios de prova, vez em que tiverem de falar em audiência ou nos autos, nos
adequando-os às necessidades do conflito de modo a conferir termos do art. 795 da CLT.
maior efetividade à tutela do direito.
Importante ressaltar que não será pronunciada a nulidade
Quando a intimação tiver lugar na sexta-feira, ou a publi- do ato quando for possível repeti-lo ou mesmo suprir sua falta.
cação com efeito de intimação for feita nesse dia, o prazo Da mesma forma, não será declarada a nulidade do ato quando
judicial será contado da segunda-feira imediata, inclusive, arguida por quem lhe tiver dado causa.
salvo se não houver expediente, caso em que fluirá no dia útil
que se seguir. 3.5. Audiência trabalhista
Intimada ou notificada a parte no sábado, o início do prazo Na Justiça do Trabalho, as audiências serão públicas e
se dará no primeiro dia útil imediato, ou seja, segunda-feira, deverão ser realizadas em dias úteis previamente fixados,
e a contagem, no subsequente, ou seja, terça-feira, é o que entre 8 (oito) e 18 (dezoito) horas, e não poderão ultrapassar 5
determina a Súmula 262, I, do TST. (cinco) horas seguidas, salvo quando houver matéria urgente.
A mesma súmula adverte, ainda, em seu item II que: Caso seja necessário, o magistrado poderá, ainda, realizar
audiências extraordinárias.
SÚMULA 262 TST.
O reclamante e o reclamado comparecerão à audiência
[...] acompanhados das suas testemunhas, apresentando, também,
II. O recesso forense e as férias coletivas dos Ministros do as demais provas.
Tribunal Superior do Trabalho suspendem os prazos recursais.
No horário designado, o Juiz abrirá a audiência, convo-
Por fim, a Lei 13.545/2017 inseriu o art. 775-A ao diploma cando as partes, testemunhas e demais pessoas que devam
consolidado para tratar sobre a suspensão dos prazos proces- comparecer. Caso o Juiz não compareça até 15 (quinze) minu-
suais nos dias compreendidos entre 20 de dezembro e 20 de tos após o horário marcado, os presentes poderão retirar-se,
janeiro. devendo o ocorrido constar do livro de registro das audiências.
Durante esse período de suspensão dos prazos não se Importante lembrar que os atrasos na pauta de audiência não
realizarão audiências nem sessões de julgamento, art. 775-A, autorizam as partes se retirarem.
§ 2º, da CLT. No entanto, os juízes, os membros do Ministério Importante ressaltar que a regra esculpida no art. 362, III,
Público, da Defensoria Pública e da Advocacia Pública e os do CPC/2015 que prevê o adiamento da audiência por atraso
auxiliares da Justiça exercerão suas atribuições, ressalvadas as injustificado de seu início em tempo superior a 30 (trinta)
férias individuais e os feriados instituídos por lei, em confor- minutos do horário marcado, não será aplicado ao processo
midade com o art. 775-A, § 1º, da CLT. do trabalho em razão da em razão de inexistência de omissão
e por incompatibilidade do instituto, em conformidade com
3.4. Nulidades processuais o art. 2º, VI, da IN 39 do TST.
Dispõe o art. 188 do CPC/2015 que os atos e termos pro- Na audiência deverão estar presentes o reclamante e o
cessuais não dependem de forma determinada, salvo quando reclamado, independentemente do comparecimento de seus
a lei expressamente a exigir, tendo como válidos os atos que, representantes, salvo nos casos de reclamações plúrimas ou
realizados de outro modo, alcancem sua finalidade essencial. ações de cumprimento, quando os empregados poderão fazer-
Nos domínios do processo do trabalho, a nulidade somente -se representar pelo Sindicato de sua categoria.
será declarada quando resultar dos atos que causem manifesto O empregador poderá fazer-se substituir pelo gerente ou
prejuízo às partes litigantes. qualquer outro preposto que tenha conhecimento do fato, cujas
A nulidade do ato se dá quando lhe falta algum requisito declarações obrigarão o proponente.
que a lei ordena como necessário e pode ser classificado como: Nos termos do art. 843, § 3º, da CLT o preposto não
nulidade absoluta e nulidade relativa. precisa ser empregado da parte reclamada. Como dito, na
audiência deverão estar presentes ambas as partes. Nessa
3.4.1. Nulidade absoluta linha, é importante lembrar que o não comparecimento do
A nulidade absoluta ocorre sempre que o ato violar normas reclamante à audiência importa o arquivamento da reclama-
de ordem pública, ou seja, normas de interesse público, como, ção, art. 844 da CLT. Porém, se por doença ou qualquer outro
por exemplo, as regras de competência material e funcional. A motivo poderoso, devidamente comprovado, o reclamante
nulidade absoluta poderá ser decretada ex officio pelo magis- não puder comparecer pessoalmente, poderá fazer-se repre-
trado ou a requerimento da parte. sentar por outro empregado que pertença à mesma profissão
Importante lembrar a regra estabelecida no art. 795, § 1º, ou pelo seu sindicato. A presença de outro empregado ou do
da CLT que determina que o magistrado declare ex officio a sindicato objetiva, exclusivamente, o não arquivamento da
nulidade fundada em incompetência de foro. A incompetência reclamação.
de foro a que o dispositivo legal se refere é a competência mate- Na hipótese de ausência do reclamante, este será conde-
rial, que é absoluta, e não a competência territorial disposta nado ao pagamento das custas calculadas na forma do art.
no art. 651 da CLT, que é relativa. 789 da CLT, ainda que beneficiário da justiça gratuita, salvo
Nesse caso, havendo a declaração da nulidade absoluta, se comprovar, no prazo de quinze dias, que a ausência ocorreu
serão considerados nulos os atos decisórios. por motivo legalmente justificável. Importante frisar que o
262 Hermes Cramacon

pagamento das custas é condição para a propositura de nova I – A parte vencedora na primeira instância, se vencida na
demanda, art. 844, § 3º, da CLT. segunda, está obrigada, independentemente de intimação, a
pagar as custas fixadas na sentença originária, das quais ficara
Já o não comparecimento do reclamado, em conformidade
isenta a parte então vencida;
com a parte final do art. 844 da CLT, importa revelia, além de
confissão quanto à matéria de fato. II – No caso de inversão do ônus da sucumbência em segundo
grau, sem acréscimo ou atualização do valor das custas e se
Ocorrendo motivo relevante, poderá o juiz suspender o estas já foram devidamente recolhidas, descabe um novo
julgamento, designando nova audiência. pagamento pela parte vencida, ao recorrer. Deverá ao final,
Pela redação do citado dispositivo legal poderíamos acre- se sucumbente, reembolsar a quantia;
ditar que a presença da parte reclamada (o próprio empresário, III – Não caracteriza deserção a hipótese em que, acrescido o
gerente ou preposto) é necessária/obrigatória, sendo que sua valor da condenação, não houve fixação ou cálculo do valor
ausência implicaria em revelia e confissão fática. Isso ocorreria devido a título de custas e tampouco intimação da parte para
independente da presença do advogado, até mesmo porque o preparo do recurso, devendo ser as custas pagas ao final;
sua figura é dispensável em razão do jus postulandi da parte. IV – O reembolso das custas à parte vencedora faz-se neces-
Contudo, o § 5º do art. 844 da CLT ensina que ainda sário mesmo na hipótese em que a parte vencida for pessoa
que ausente o reclamado, presente o advogado na audiência, isenta do seu pagamento, nos termos do art. 790-A, parágrafo
único, da CLT.
serão aceitos a contestação e os documentos eventualmente
apresentados. No que diz respeito aos dissídios coletivos, o pagamento
A nova disposição legal acompanha o entendimento das custas será no importe de 2% calculados sobre o valor
disposto pelo TRT da 2ª região, São Paulo que em 22 de maio arbitrado pelo Juiz na decisão. Porém, reza o § 4º do art. 789 da
de 2015 publicou sua primeira tese jurídica prevalecente, que CLT que nos dissídios coletivos as partes vencidas responderão
assim dispõe: solidariamente pelo pagamento das custas.
Sempre que houver acordo, se de outra forma não for con-
TESE JURÍDICA PREVALECENTE Nº 01 vencionado, o pagamento das custas caberá em partes iguais
Ausência da parte reclamada em audiência. Consequência aos litigantes, art. 789, § 3º, da CLT.
processual. Confissão. Por último, cabe ressaltar que no processo de execução as
A presença de advogado munido de procuração revela animus
custas serão sempre de responsabilidade do executado e pagas
de defesa que afasta a revelia. A ausência da parte reclamada ao final do processo.
à audiência na qual deveria apresentar defesa resulta apenas
na sua confissão. 3.6.1. Isenção
Nos termos do art. 790-A da CLT, além dos beneficiários
3.6. Despesas processuais da justiça gratuita – Lei 1.060/1950 – são isentos do pagamento
Nos dissídios individuais e nos dissídios coletivos do tra- de custas a União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios
balho, nas ações e procedimentos de competência da Justiça e respectivas autarquias e fundações públicas federais, estadu-
do Trabalho, bem como nas demandas propostas perante a ais ou municipais que não explorem atividade econômica e o
Justiça Estadual, no exercício da jurisdição trabalhista, as custas Ministério Público do Trabalho.
relativas ao processo de conhecimento incidirão à base de 2% É importante destacar que as isenções acima citadas não
(dois por cento), observado o mínimo de R$ 10,64 (dez reais alcançam as entidades fiscalizadoras do exercício profissional,
e sessenta e quatro centavos) e o máximo de quatro vezes o como, por exemplo, a OAB, CREA, entre outras.
limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência A responsabilidade pelo pagamento dos honorários peri-
Social, e serão calculadas da seguinte maneira: ciais é da parte sucumbente na pretensão objeto da perícia,
a) Em caso de acordo ou condenação, as custas serão calculadas salvo se beneficiária de justiça gratuita.
sobre o respectivo valor. Vale lembrar que, sempre que houver
acordo, o pagamento das custas caberá em partes iguais aos 3.6.1.2. Empresa de Correios e Telégrafos – Correios
litigantes se outra forma não for convencionada; Nos termos do Decreto 509/1969 o então, Departamento
b) caso o processo seja extinto sem julgamento do mérito ou dos Correios e Telégrafos (DCT) foi transformado em empresa
julgado totalmente improcedente, as custas serão calculadas pública, vinculada ao Ministério das Comunicações, com a
sobre o valor da causa; denominação de Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.
c) Nas ações declaratórias e constitutivas, também serão cal- O art. 12 do citado diploma normativo ensina que a ECT
culadas sobre o valor da causa; gozará de isenção de direitos de importação de materiais e
d) Para as ações que o valor da condenação for indeterminado, equipamentos destinados aos seus serviços, dos privilégios
deverá o magistrado fixar um valor. concedidos à Fazenda Pública, quer em relação a imunidade
As custas serão pagas pelo vencido após o trânsito em jul- tributária, direta ou indireta, impenhorabilidade de seus bens,
gado da decisão. No caso de recurso, serão pagas e comprovado rendas e serviços, quer no concernente a foro, prazos e custas
o recolhimento dentro do prazo recursal, em conformidade processuais.
com a súmula 245 do TST. Portanto, em relação à prerrogativa de foro, prazos e custas
Nesse ponto cumpre destacar a Súmula 25 do TST, de processuais os correios são equiparados à Fazenda Pública,
acordo com a resolução 197/2015: gozando, portanto, da regra disposta no art. 183 do CPC/2015
e, ainda, a isenção de despesas processuais prevista no art.
SÚMULA 25 TST – CUSTAS PROCESSUAIS. INVERSÃO DO ÔNUS 790-A da CLT.
DA SUCUMBÊNCIA.
12. Direito Processual do Trabalho 263

3.7. Responsabilidade pelos honorários periciais Sempre que o valor atribuído à causa for irrisório ou ines-
timável, a multa poderá ser fixada em até duas vezes o limite
Nos termos do art. 790-B da CLT a responsabilidade pelo
máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social.
pagamento dos honorários periciais é da parte sucumbente na
pretensão objeto da perícia, ainda que beneficiária da justiça Caso sejam dois ou mais os litigantes de má-fé, o juízo
gratuita. condenará cada um na proporção de seu respectivo interesse
na causa ou solidariamente aqueles que se coligaram para lesar
Inovando e divergindo do entendimento cristalizado na
a parte contrária.
súmula 457 do TST que entendia que a União seria responsá-
vel pelo pagamento dos honorários de perito quando a parte O valor da indenização será fixado pelo juízo ou, caso não
sucumbente no objeto da perícia for beneficiária da assistência seja possível mensurá-lo, liquidado por arbitramento ou pelo
judiciária gratuita, o atual § 4º do art. 790-B da CLT ensina que procedimento comum, nos próprios autos.
somente no caso em que o beneficiário da justiça gratuita não Por fim, cumpre esclarecer que a execução da multa por
tenha obtido em juízo créditos capazes de suportar a despesa litigância de má-fé será processada nos mesmos autos.
do pagamento dos honorários periciais, ainda que em outro
processo, a União responderá pelo encargo. 4. PARTES E PROCURADORES
Cumpre lembrar que citado dispositivo legal é objeto da
ADI 5766 proposta perante o STF, que até a data de fecha-
4.1. Aspectos gerais
mento dessa edição não havia se pronunciado sobre o pedido São 3 os elementos capazes de identificar uma ação. Assim,
de liminar. podemos dizer que duas ações são idênticas quando possuírem
O juízo não poderá exigir adiantamento de valores para os mesmos elementos. São eles:
realização de perícias, sob pena de praticar ato ilegal remediável a) partes: sujeito ativo e sujeito passivo;
via mandado de segurança. b) causa de pedir: corresponde aos fundamentos de fato – causa
Ao fixar o valor dos honorários periciais, o juízo deverá de pedir próxima – e aos fundamentos de direito – causa de
respeitar o limite máximo estabelecido pelo Conselho Supe- pedir remota;
rior da Justiça do Trabalho, sendo possível o deferimento dos c) pedido: que consiste no provimento jurisdicional pretendido.
honorários periciais. Podemos dizer que é parte no processo aquele que requer
a tutela jurisdicional e, também, aquele contra quem a tutela é
3.8. Responsabilidade por dano processual impetrada. São, portanto, exequente e executado, no processo
A responsabilidade por dano processual está intimamente de execução; embargante e embargado, em processos de embar-
ligada ao litigante de má-fé. A legislação prevê uma punição gos à execução e embargos de terceiro; impetrante e impetrado,
por litigância de má-fé à parte que agir dolosamente. em mandados de segurança; reconvinte e reconvindo, em
Nos termos do art. 793-A da CLT responde por perdas reconvenção; e, nos domínios do processo do trabalho, recla-
e danos aquele que litigar de má-fé como reclamante, recla- mante e reclamado, nas reclamações trabalhistas.
mado ou interveniente. Essa responsabilidade será aplicada
a todo aquele que participar do processo, seja como parte 4.2. Capacidade
ou mesmo, interveniente, como por exemplo: perito ou até Cumpre, primeiramente, salientar que capacidade proces-
mesmo a testemunha que intencionalmente alterar a verdade sual não se confunde com capacidade de ser parte, tampouco
dos fatos ou omitir fatos essenciais ao julgamento da causa, com capacidade postulatória.
art. 793-D da CLT. Capacidade de ser parte nada mais é do que a capacidade
Em conformidade com o art. 793-B da CLT, considera-se de direito, ou seja, é a aptidão para figurar como parte em um
litigante de má-fé aquele que: dos polos da relação processual e está disciplinada nos arts.
1º e 2º do CC. Desta forma, todas as pessoas físicas e jurídicas
I – deduzir pretensão ou defesa contra texto expresso de lei e alguns entes despersonalizados possuem capacidade de ser
ou fato incontroverso;
parte.
II – alterar a verdade dos fatos; Já a capacidade processual é a aptidão para agir em juízo.
III – usar do processo para conseguir objetivo ilegal; Assim, toda pessoa que se acha no exercício dos seus direitos
tem capacidade para estar em juízo, conforme reza o art. 70
IV – opuser resistência injustificada ao andamento do processo; do CPC/2015.
V – proceder de modo temerário em qualquer incidente ou Destarte, uma vez verificada a capacidade de ser parte,
ato do processo; deve-se analisar se aquele sujeito é capaz de praticar os atos
VI – provocar incidente manifestamente infundado; processuais sozinho, sem o acompanhamento de outras
pessoas, ou se necessitarão de assistência ou representação,
VII – interpuser recurso com intuito manifestamente prote- conforme o caso.
latório. 
Já a capacidade postulatória ou jus postulandi consiste na
A condenação por dano processual poderá ser requerida
capacidade para prática de atos processuais em juízo que, em
pela parte interessada, ou seja, pela parte que se sentir preju-
regra, pertence ao advogado devidamente inscrito na OAB e
dicada ou até mesmo aplicada de ofício pelo juiz. A multa por
aos membros do Ministério Público.
litigância de má-fé deverá ser superior a 1% (um por cento)
e inferior a 10% (dez por cento) do valor corrigido da causa. Há, no entanto, casos em que não é exigida a capacidade
O litigante de má-fé deverá, ainda, arcar com os honorários postulatória para agir em juízo, como, por exemplo, nos jui-
advocatícios e com todas as despesas que efetuou. zados especiais cíveis, em que se dispensa a capacidade pos-
264 Hermes Cramacon

tulatória para o ajuizamento das ações cujo valor não exceda § 1º. As quotas atribuídas a menores ficarão depositadas em
a 20 salários mínimos (art. 9º da Lei 9.099/1995). Outrossim, caderneta de poupança, rendendo juros e correção monetária,
também dispensa-se a capacidade postulatória para a impetra- e só serão disponíveis após o menor completar 18 (dezoito)
ção de habeas corpus e, ainda, para propositura de reclamação anos, salvo autorização do juiz para aquisição de imóvel desti-
trabalhista. nado à residência do menor e de sua família ou para dispêndio
necessário à subsistência e educação do menor.
4.2.1. Jus postulandi § 2º. Inexistindo dependentes ou sucessores, os valores de
que trata este artigo reverterão em favor, respectivamente,
O jus postulandi encontra-se disciplinado no art. 791 da
do Fundo de Previdência e Assistência Social, do Fundo de
CLT, que ensina que empregados e os empregadores poderão Garantia do Tempo de Serviço ou do Fundo de Participação
reclamar pessoalmente perante a Justiça do Trabalho e acom- PIS-PASEP, conforme se tratar de quantias devidas pelo empre-
panhar as suas reclamações até o final. gador ou de contas de FGTS e do Fundo PIS PASEP.
Dessa forma, temos que, no âmbito da Justiça do Trabalho,
empregados e empregadores poderão, sem a presença de advo- 4.4. Representação processual
gado, reclamar e acompanhar suas ações até o final, ou seja, É a possibilidade de atuar no processo em nome de outrem.
poderão reclamar em juízo e interpor recurso pessoalmente. Consiste, portanto, na possibilidade de uma pessoa demandar
Porém, para a interposição de recurso extraordinário para em juízo em nome alheio, defendendo interesse alheio.
o STF deverá a parte fazê-lo por intermédio de um advogado, Logo, o representante age em nome do representado,
sob pena de não conhecimento do recurso. defendendo interesse do próprio representado, não agindo
A aplicação do jus postulandi já foi polêmica. Isso porque na qualidade de parte.
parte da doutrina entendia que a presença do advogado era A representação pode ser legal, nas hipóteses em que a lei
dispensável somente na primeira e segunda instância traba- indica o representante, como no art. 75, I, II e III, do CPC/2015,
lhista, excluindo a possibilidade de a própria parte apresentar ou pode ser convencional ou voluntária, que é feita por vontade
recurso de revista, em face de sua natureza extraordinária. da parte, como nas hipóteses do art. 75, VIII, do CPC/2015.
Entretanto, como já exposto, em abril de 2010, o Tribunal A CLT, por sua vez, ensina que é facultado ao empregador
Superior do Trabalho editou a súmula 425, estabelecendo que fazer-se substituir pelo gerente ou qualquer outro preposto que
o jus postulandi das partes é limitado às Varas do Trabalho e tenha conhecimento do fato. Nos termos do art. 843, § 3º, da
aos Tribunais Regionais do Trabalho, não alcançando a ação CLT o preposto não precisa ser empregado da parte reclamada.
cautelar, ainda que proposta em primeira instância, a ação Já o empregado que esteja doente ou não possa comparecer
rescisória e o mandado de segurança, bem como os recursos à audiência por qualquer outro motivo poderoso ou relevante
de competência do Tribunal Superior do Trabalho. Também é poderá ser representado por outro empregado da mesma
obrigatória a presença de advogado no processo de homologa- profissão ou pelo sindicato, que comparecerá à audiência
ção de acordo extrajudicial, nos termos do art. 855-B da CLT. informando o justo motivo para o não comparecimento do
4.3. Sucessão das partes reclamante, com o fito de evitar o arquivamento do processo,
nos termos do art. 843, § 2º, da CLT.
Sucessão das partes (ou sucessão processual) nada mais
Com relação ao empregador doméstico, poderá este ser
é que a substituição da parte do processo em decorrência da
representado por qualquer pessoa da família.
alteração de titularidade do direito material discutido em juízo.
Como exemplo, podemos citar o caso de morte de uma das Sobre o tema, importante a transcrição do art. 75 do
partes, hipótese em que haverá sua substituição pelo espólio CPC/2015.
ou pelos sucessores, nos termos do art. 110 do CPC/2015, Art. 75. Serão representados em juízo, ativa e passivamente:
devendo ser observada, igualmente, a regra disposta no art.
I – a União, pela Advocacia-Geral da União, diretamente ou
313, §§ 1º e 2º, do CPC/2015.
mediante órgão vinculado;
A sucessão processual não pode ser confundida com a
II – o Estado e o Distrito Federal, por seus procuradores;
substituição processual, também chamada de legitimidade
extraordinária, que será estudada no item 4.8, a qual é conceitu- III – o Município, por seu prefeito ou procurador;
ada como o fenômeno processual pelo qual alguém, autorizado IV – a autarquia e a fundação de direito público, por quem a lei
por lei, atua em juízo como parte, em nome próprio, na defesa do ente federado designar;
de interesse alheio. V – a massa falida, pelo administrador judicial;
Nos domínios do processo do trabalho, ocorrendo a morte VI – a herança jacente ou vacante, por seu curador;
do empregado, os dependentes poderão assumir o polo ativo. VII – o espólio, pelo inventariante;
Nesse sentido, dispõe o art. 1º da Lei 6.858/1980: VIII – a pessoa jurídica, por quem os respectivos atos constitutivos
designarem ou, não havendo essa designação, por seus diretores;
Art. 1º. Os valores devidos pelos empregadores aos empre- IX – a sociedade e a associação irregulares e outros entes orga-
gados e os montantes das contas individuais do Fundo de nizados sem personalidade jurídica, pela pessoa a quem couber
Garantia do Tempo de Serviço e do Fundo de Participação a administração de seus bens;
PIS-PASEP, não recebidos em vida pelos respectivos titulares,
serão pagos, em quotas iguais, aos dependentes habilita- X – a pessoa jurídica estrangeira, pelo gerente, representante
dos perante a Previdência Social ou na forma da legislação ou administrador de sua filial, agência ou sucursal aberta ou
específica dos servidores civis e militares, e, na sua falta, aos instalada no Brasil;
sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, XI – o condomínio, pelo administrador ou síndico.
independentemente de inventário ou arrolamento.
12. Direito Processual do Trabalho 265

4.5. Mandato Há de se ressaltar que é necessário que haja prejuízo à


parte, sob pena de não ser reconhecida a nulidade do ato.
Como visto, na Justiça do Trabalho as partes são dotadas de
capacidade postulatória e poderão fazer uso do jus postulandi Contudo, a IN 39 do TST dispõe em seu art. 16:
nos exatos termos do art. 791 da CLT e da súmula 425 do TST. “Para efeito de aplicação do § 5º do art. 272 do CPC, não é
Porém, nos dissídios individuais os empregados e empre- causa de nulidade processual a intimação realizada na pessoa de
gadores poderão fazer-se representar por intermédio do sindi- advogado regularmente habilitado nos autos, ainda que conste
cato, advogado, inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil. pedido expresso para que as comunicações dos atos processuais
As partes constituirão procuradores mediante instrumento de sejam feitas em nome de outro advogado, se o profissional
mandato, ou seja, a procuração ad judicia, por meio da qual a indicado não se encontra previamente cadastrado no Sistema
parte lhe outorga os poderes. de Processo Judicial Eletrônico, impedindo a serventia judicial
de atender ao requerimento de envio da intimação direcionada.
Com relação ao mandato outorgado por pessoa jurídica,
A decretação de nulidade não pode ser acolhida em favor da
a Súmula 456 do TST dispõe:
parte que lhe deu causa (CPC, art. 276).”
SÚMULA 456 TST – REPRESENTAÇÃO. PESSOA JURÍDICA. PRO- É importante lembrar é inadmissível recurso firmado por
CURAÇÃO. INVALIDADE. IDENTIFICAÇÃO DO OUTORGANTE E advogado sem procuração juntada aos autos até o momento da
DE SEU REPRESENTANTE. sua interposição, salvo mandato tácito. Em caráter excepcio-
I – É inválido o instrumento de mandato firmado em nome
nal, casos reputados como urgentes, para evitar a prescrição,
de pessoa jurídica que não contenha, pelo menos, o nome do perempção e preclusão, art. 104 do CPC/2015, admite-se
outorgante e do signatário da procuração, pois estes dados que o advogado, independentemente de intimação, exiba a
constituem elementos que os individualizam. procuração no prazo de 5 (cinco) dias após a interposição do
recurso, prorrogável por igual período mediante despacho do
II – Verificada a irregularidade de representação da parte na juiz. Caso não a exiba no prazo, considera-se ineficaz o ato
instância originária, o juiz designará prazo de 5 (cinco) dias praticado e não se conhece do recurso.
para que seja sanado o vício. Descumprida a determinação,
Assim, verificada a irregularidade de representação da
extinguirá o processo, sem resolução de mérito, se a providên-
cia couber ao reclamante, ou considerará revel o reclamado, parte em fase recursal, em procuração ou substabelecimento
se a providência lhe couber (art. 76, § 1º, do CPC de 2015). já constante dos autos, o relator ou o órgão competente para
julgamento do recurso designará prazo de 5 (cinco) dias para
III – Caso a irregularidade de representação da parte seja que seja sanado o vício. Descumprida a determinação, o relator
constatada em fase recursal, o relator designará prazo de 5 não conhecerá do recurso, se a providência couber ao recor-
(cinco) dias para que seja sanado o vício. Descumprida a deter- rente, ou determinará o desentranhamento das contrarrazões,
minação, o relator não conhecerá do recurso, se a providência se a providência couber ao recorrido.
couber ao recorrente, ou determinará o desentranhamento
das contrarrazões, se a providência couber ao recorrido (art. 4.5.1. Mandato tácito
76, § 2º, do CPC de2015). Na Justiça do Trabalho admite-se o mandato tácito ou apud
Nos termos do art. 104 e § 1º, do CPC/2015, a represen- acta, ou seja, mandato constituído na própria ata de audiência,
tação em juízo é feita por meio do instrumento de mandato. a requerimento do advogado com anuência da parte.
A súmula 395, I, do TST ensina ser válido o instrumento Desse modo dispõe o art. 791, § 3º, da CLT:
de mandato com prazo determinado que contém cláusula Art. 791 (...)
estabelecendo a prevalência dos poderes para atuar até o final
§ 3º A constituição de procurador com poderes para o foro em
da demanda, art. 105, § 4º, CPC/2015.
geral poderá ser efetivada, mediante simples registro em ata
Se há previsão, no instrumento de mandato, de prazo para de audiência, a requerimento verbal do advogado interessado,
sua juntada, o mandato só tem validade se anexado ao processo com anuência da parte representada.
o respectivo instrumento no aludido prazo. Importante ressaltar, contudo, que nos termos da Orien-
O outorgado poderá substabelecer os poderes conferidos tação Jurisprudencial 200 da SDI 1 do TST, é inválido o
pelo outorgante, ou seja, transmitir os poderes para outros substabelecimento de advogado investido de mandato tácito.
advogados. Assim, são válidos os atos praticados pelo substa- Com relação à Fazenda Pública, ensina a Súmula 436 do
belecido, ainda que não haja, no mandato, poderes expressos TST:
para substabelecer, nos termos da súmula 395, III, do TST.
Nesse sentido, verificada a irregularidade de representação SÚMULA 436 DO TST – REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL. PRO-
por não ter o mandato sido anexado no prazo estabelecido ou CURADOR DA UNIÃO, ESTADOS, MUNICÍPIOS E DISTRITO FEDE-
se o substabelecimento é anterior à outorga passada ao substa- RAL, SUAS AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES PÚBLICAS. JUNTADA
DE INSTRUMENTO DE MANDATO.
belecente, deverá o juiz suspender o processo e designar prazo
razoável para que seja sanado o vício, ainda que em instância I – A União, Estados, Municípios e Distrito Federal, suas autar-
recursal, é o que determina a súmula 395, item V, do TST. quias e fundações públicas, quando representadas em juízo,
ativa e passivamente, por seus procuradores, estão dispensa-
Havendo mais de um advogado representando o empre- das da juntada de instrumento de mandato e de comprovação
gado, poderão estes advogados requerer que as comunicações do ato de nomeação.
sejam feitas em nome de um determinado advogado. Nessa II – Para os efeitos do item anterior, é essencial que o signatário
hipótese, o TST por meio da súmula 427, entende ser nula a ao menos declare-se exercente do cargo de procurador, não
comunicação em nome de outro profissional constituído nos bastando a indicação do número de inscrição na Ordem dos
autos. Advogados do Brasil.
266 Hermes Cramacon

4.5.2. Honorários advocatícios 1.060/1950 será prestada pelo sindicato da classe ao trabalha-
dor, ainda que não seja associado.
Como já estudado, na Justiça do Trabalho admite-se o jus
postulandi da parte, previsto no art. 791 da CLT, não necessi- Determina o § 1º do citado art. 14 que a “assistência é
tando que a parte esteja representada por um advogado para devida a todo aquele que perceber salário igual ou inferior ao
que possa ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho. dobro do mínimo legal, ficando assegurado igual benefício
ao trabalhador de maior salário, uma vez provado que sua
Por esse motivo, se as partes estiverem fazendo uso do
situação econômica não lhe permite demandar, sem prejuízo
jus postulandi, não serão devidos honorários advocatícios
do sustento próprio ou da família.”
sucumbenciais.
A assistência judiciária não se confunde com a justiça
Todavia, caso o advogado atue em qualquer lide traba-
gratuita.. Assim, é possível que um empregado não goze da
lhista, seja ela de relação de emprego ou de relação de trabalho,
assistência judiciária prestada pelo sindicato da classe, mas
seja em ação rescisória ou qualquer outra ação, se tiver atuação
preencha os requisitos dispostos no art. 790, § 3º, da CLT e
de advogado, serão devidos os honorários sucumbenciais
seja beneficiário da justiça gratuita.
fixados entre o mínimo de 5% (cinco por cento) e o máximo
de 15% (quinze por cento). Dispõe o art. 790, § 3º, da CLT:
Os honorários são devidos também nas ações contra a “Art. 790.
Fazenda Pública e nas ações em que a parte estiver assistida § 3º É facultado aos juízes, órgãos julgadores e presidentes
ou substituída pelo sindicato de sua categoria. dos tribunais do trabalho de qualquer instância conceder, a
Nessa linha, dispõe o art. 791-A da CLT: requerimento ou de ofício, o benefício da justiça gratuita,
Art. 791-A. Ao advogado, ainda que atue em causa própria, inclusive quanto a traslados e instrumentos, àqueles que
serão devidos honorários de sucumbência, fixados entre o perceberem salário igual ou inferior a 40% (quarenta por
cento) do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de
mínimo de 5% (cinco por cento) e o máximo de 15% (quinze
Previdência Social.”
por cento) sobre o valor que resultar da liquidação da sentença,
do proveito econômico obtido ou, não sendo possível mensurá- O benefício da justiça gratuita será concedido à parte que
-lo, sobre o valor atualizado da causa. comprovar insuficiência de recursos para o pagamento das
custas do processo, nos termos do art. 790, § 4º, da CLT. Por
Determina o § 2º do art. 791-A da CLT que ao fixar os
meio do citado dispositivo legal, não prevalece a presunção
honorários, o juízo observará:
pela mera declaração de miserabilidade da parte, devendo-se
I – o grau de zelo do profissional; provar a insuficiência de recursos.
II – o lugar de prestação do serviço; Sendo concedida a assistência judiciária, a parte gozará dos
III – a natureza e a importância da causa; benefícios do art. 98, § 1º, CPC/2015, que determina:
IV – o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido “Art. 98.
para o seu serviço.
§ 1º A gratuidade da justiça compreende:
4.5.2.1. Sucumbência recíproca I – as taxas ou as custas judiciais;
Na hipótese de procedência parcial, o juízo arbitrará II – os selos postais;
honorários de sucumbência recíproca, vedada a compensação III – as despesas com publicação na imprensa oficial, dispen-
entre os honorários, art. 791-A, § 3º, da CLT. sando-se a publicação em outros meios;
Para melhor compreensão sobre o tema, imaginemos uma IV – a indenização devida à testemunha que, quando empre-
gada, receberá do empregador salário integral, como se em
reclamação trabalhista em que o reclamante pleiteie 10 pedi-
serviço estivesse;
dos. Caso seu pedido seja julgado parcialmente procedente,
obtendo êxito em 4 desses pedidos, certo é que nos outros 6 V – as despesas com a realização de exame de código genético
pedidos que foram julgados improcedentes, devendo arcar – DNA e de outros exames considerados essenciais;
com os honorários sucumbenciais referentes a esses 6 pedidos. VI – os honorários do advogado e do perito e a remuneração
Importante frisar que é vedada a compensação dos honorários do intérprete ou do tradutor nomeado para apresentação
sucumbenciais. de versão em português de documento redigido em língua
estrangeira;
4.6. Assistência judiciária e justiça gratuita VII – o custo com a elaboração de memória de cálculo, quando
exigida para instauração da execução;
Não se confunde gratuidade de justiça com assistência
judiciária gratuita. Para aqueles que não têm condições de con- VIII – os depósitos previstos em lei para interposição de
tratar advogado, o Estado confere o “benefício da Assistência recurso, para propositura de ação e para a prática de outros
atos processuais inerentes ao exercício da ampla defesa e do
Judiciária”. Já para a parte que, possuindo ou não advogado, e
contraditório;
não possui condições de arcar com os gastos do processo, será
permitido os benefícios da justiça gratuita. IX – os emolumentos devidos a notários ou registradores em
decorrência da prática de registro, averbação ou qualquer
Nos termos do art. 5º, LXXIV, da CF, “o Estado prestará outro ato notarial necessário à efetivação de decisão judicial
assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem ou à continuidade de processo judicial no qual o benefício
insuficiência de recursos.” tenha sido concedido.
A concessão da assistência judiciária gratuita vem regulada § 2º A concessão de gratuidade não afasta a responsabilidade
pela Lei 1.060/1950. No entanto, o art. 14 da Lei 5.584/1970 do beneficiário pelas despesas processuais e pelos honorários
ensina que a assistência judiciária a que se refere a Lei advocatícios decorrentes de sua sucumbência.
12. Direito Processual do Trabalho 267

Quanto ao momento para ser feito o pedido da justiça Saraiva, 2009. p. 145), é “um fenômeno que ocorre quando
gratuita, segundo o art. 99 CPC/2015 o pedido de gratuidade duas ou mais pessoas figuram como autoras ou rés no processo.
da justiça pode ser formulado na petição inicial, na contestação, Se forem autoras, o litisconsórcio será ativo; se rés, passivo; se
na petição para ingresso de terceiro no processo ou em recurso. ambas, bilateral ou misto.”
Com relação ao pedido na fase recursal, importante a Nos domínios do processo do trabalho, o art. 842 da CLT
redação da Orientação Jurisprudencial 269 da SDI 1 do TST: assim dispõe:
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 269 SDI 1 do TST: JUSTIÇA Art. 842. Sendo várias as reclamações e havendo identidade
GRATUITA. REQUERIMENTO DE ISENÇÃO DE DESPESAS PRO- de matéria, poderão ser acumuladas num só processo, se se
CESSUAIS. MOMENTO OPORTUNO. tratar de empregados da mesma empresa ou estabelecimento.
I – O benefício da justiça gratuita pode ser requerido em qual- O dispositivo em apreço trata da reclamação trabalhista
quer tempo ou grau de jurisdição, desde que, na fase recursal, plúrima, ou seja, uma hipótese de litisconsórcio ativo.
seja o requerimento formulado no prazo alusivo ao recurso;
Com relação ao litisconsórcio passivo, podemos citar como
II – Indeferido o requerimento de justiça gratuita formulado exemplo as demandas em que figuram como rés a empresa
na fase recursal, cumpre ao relator fixar prazo para que o fornecedora de mão de obra e a tomadora de serviços. Veja a
recorrente efetue o preparo (art. 99, § 7º, do CPC de 2015).
súmula 331, item IV, do TST.
4.6.1. Assistência judiciária gratuita para pessoa Nos termos do art. 117 do CPC/2015 que modificou
jurídica significadamente a disposição legal antiga determina que:
“Os litisconsortes serão considerados, em suas relações com
Uma vez mais, lembremos que o art. 5º, LXXIV, da CF a parte adversa, como litigantes distintos, exceto no litiscon-
dispõe que: “o Estado prestará assistência jurídica integral e sórcio unitário, caso em que os atos e as omissões de um não
gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos.” prejudicarão os outros, mas os poderão beneficiar”
O texto constitucional, ao assegurar a assistência jurídica Com isso, o art. 229 do CPC/2015 determina que os litis-
integral e gratuita, não distinguiu entre pessoas físicas ou jurí- consortes que tiverem diferentes procuradores, de escritórios
dicas, conferindo tal garantia a todos aqueles que “comprovarem de advocacia distintos, terão prazos contados em dobro para
insuficiência de recursos”. Isso porque, nos termos do art. 5º, todas as suas manifestações, em qualquer juízo ou tribunal,
caput, da CF, todos são iguais perante a lei. independentemente de requerimento.
O art. 98 do CPC/2015 ensina que toda pessoa natural ou No entanto, por meio da OJ 310 da SDI 1, o TST se pronun-
jurídica, brasileira ou estrangeira, com insuficiência de recursos ciou para a inaplicabilidade do art. 229 CPC/2015 ao processo
para pagar as custas, as despesas processuais e os honorários do trabalho, por ser com ele incompatível. Dispõe a citada OJ:
advocatícios tem direito à gratuidade da justiça, na forma da lei.
Com isso, o novo CPC põe fim em uma grande discussão ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 310 da SDI do TST – LITIS-
doutrinária e positiva a jurisprudência consolidada na súmula CONSORTES. PROCURADORES DISTINTOS. PRAZO EM DOBRO.
481 do STJ, determinando o direito à gratuidade da justiça às ART. 229, CAPUT E §§ 1º E 2º, DO CPC DE 2015. ART. 191 DO
pessoas jurídicas. CPC DE 1973. INAPLICÁVEL AO PROCESSO DO TRABALHO
(atualizada em decorrência do CPC de 2015) – Res. 208/2016,
Assim, dispõe o art. 98 do CPC/2015 DEJT divulgado em 22, 25 e 26.04.2016 Inaplicável ao processo
Art. 98. A pessoa natural ou jurídica, brasileira ou estran- do trabalho a norma contida no art. 229, caput e §§ 1º e 2º, do
geira, com insuficiência de recursos para pagar as custas, as CPC de 2015 (art. 191 do CPC/1973), em razão de incompati-
despesas processuais e os honorários advocatícios tem direito à bilidade com a celeridade que lhe é inerente.
gratuidade da justiça, na forma da que entendia ser devido os
benefícios da justiça gratuita às pessoas jurídicas. 4.8. Substituição processual
A comprovação de miserabilidade jurídica poderá ser Substituição processual ou legitimidade extraordinária
feita por meio de documentos, como, por exemplo, balanços pode ser conceituada como sendo o fenômeno processual pelo
contábeis e imposto e renda, que comprovem a efetiva situação qual alguém, autorizado por lei, atua em juízo como parte, em
precária. nome próprio, na defesa de interesse alheio.
Nessa linha, dispõe o art. 18 do CPC/2015:
4.6.2. Poderes específicos do advogado para
justiça gratuita Art. 18. Ninguém poderá pleitear direito alheio em nome
próprio, salvo quando autorizado pelo ordenamento jurídico.
A partir de 26.06.2017 os advogados que pleitearem a
concessão de assistência judiciária gratuita a seus clientes, Parágrafo único. Havendo substituição processual, o substitu-
sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, devem ter procuração ído poderá intervir como assistente litisconsorcial.
com poderes específicos para esse fim. Esse ponto é fundamental para distinguir a substituição
Essa regra, está de acordo com o CPC/2015 que em seu da representação processual. Isso porque, na representação, o
art. 105 proíbe ao advogado firmar compromisso e assinar representante não é parte, mas apenas a representa; ao passo,
declaração de hipossuficiência econômica, que devem constar que na substituição processual, o substituto é parte no processo,
de cláusula específica. seja na qualidade de autor, seja na qualidade de réu.
A CF/1988 estabelece, no art. 8º, III, que compete ao
4.7. Litisconsórcio sindicato a defesa dos direitos e interesses coletivos ou
Nas lições de Marcus Vinicius Rios Gonçalves (Novo individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou
Curso de Direito Processual Civil. 6. ed., vol.1. São Paulo: administrativas.
268 Hermes Cramacon

Essa legitimação extraordinária é irrestrita para que o sin- Dessa forma, ao distribuir a reclamação trabalhista, tal
dicato atue em nome próprio na tutela de interesses da classe como ocorria no procedimento sumaríssimo, deverá o autor
operária que defende. fazer pedido certo, com a determinação dos respectivos valores.
Vale ressaltar o entendimento cristalizado na OJ 121 da Os pedidos que não atendam esse comando serão julgados
SDI 1 do TST, que ensina: “o sindicato tem legitimidade para extintos sem resolução do mérito, nos termos do art. 840, §
atuar na qualidade de substituto processual para pleitear dife- 3º, da CLT.
rença de adicional de insalubridade”. A reclamação escrita deverá ser formulada em duas vias e
Por último, importante lembrar o entendimento disposto desde logo acompanhada dos documentos em que se fundar.
a primeira parte do item III da súmula 219 do TST, que deter- Assim como a reclamação verbal, o escrivão ou secretário,
mina o pagamento de honorários advocatícios nas causas em dentro de 48 horas, remeterá a segunda via da petição ao réu,
que o ente sindical figure como substituto processual. notificando-o para comparecimento à audiência, que deverá
ser marcada obedecendo ao prazo mínimo de 5 (cinco) dias,
5. DISSÍDIO INDIVIDUAL observada a regra do art. 1º, II, do Decreto-Lei 779/1969 para
a Fazenda Pública.
5.1. Reclamação verbal ou escrita
Nos termos do art. 840 da CLT, a reclamação trabalhista 5.2. Comissão de Conciliação Prévia
poderá ser verbal ou escrita. Estabelece o art. 625-D da CLT que qualquer demanda de
natureza trabalhista será submetida à Comissão de Conciliação
5.1.1. Reclamação verbal
Prévia – CCP – se, na localidade da prestação de serviços,
Na reclamação trabalhista verbal (art. 840, § 2º, da CLT), houver sido instituída a Comissão no âmbito da empresa ou
o reclamante procura o próprio Tribunal Regional do Trabalho do sindicato da categoria.
de sua região (Vara do Trabalho) e expõe seus motivos ao ser- As Comissões de Conciliação Prévia não integram a estru-
vidor. Uma vez verificada a possibilidade de ingresso na Justiça tura da Justiça do Trabalho, que se encontra esculpida no art.
do Trabalho, a reclamação trabalhista deverá ser distribuída 111 da CF, estudado no capítulo 2.
antes mesmo de sua redução a termo, em conformidade com
o art. 93, XV, da CF e art. 786 da CLT. O dispositivo legal em questão estabelece, portanto, que
qualquer reclamação trabalhista deve ser submetida à CCP
Distribuída a reclamação verbal, o reclamante deverá, salvo antes de ser ajuizada, quando, na localidade da prestação de
motivo de força maior, apresentar-se, no prazo de 5 (cinco) serviços, houver sido instituída tal comissão no âmbito da
dias, ao cartório ou à secretaria, para reduzi-la a termo, sob a empresa ou do sindicato da categoria.
pena de perder, pelo prazo de 6 meses, o direito de reclamar
perante a Justiça do Trabalho, o que, nos termos do art. 731 Ocorre que o art. 625-D da CLT foi objeto de duas Ações
da CLT, a doutrina costuma chamar de perempção provisória. Diretas de Inconstitucionalidade – ADIs. A primeira delas, ADI
2139, ajuizada pelo PCdoB, PSB, PT e PDT; e a segunda, ADI
Reduzida a termo, o escrivão ou secretário, dentro de 48 2160, ajuizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores
horas, remeterá a segunda via do termo ao réu, notificando-o no Comércio – CNTC.
ao para comparecer à audiência.
A Suprema Corte decidiu por maioria de votos que as
Vale lembrar que, de acordo com o entendimento disposto ações trabalhistas podem ser submetidas ao judiciário tra-
no art. 841, caput, parte final, da CLT, entre a data do recebi- balhista mesmo antes de se submeter a questão à Comissão
mento da notificação pela reclamada e a data designada para de Conciliação Prévia – CCP. Para os ministros da Suprema
a audiência deverá ser obedecido o prazo mínimo de 5 (cinco) Corte, a decisão preserva o direito universal dos cidadãos de
dias, sob pena de nulidade. Em se tratando de Fazenda Pública, acesso à Justiça.
esse prazo deverá ser contado em quádruplo, ou seja, entre a
data do recebimento da notificação e a data da audiência deverá Desta forma, de acordo com a interpretação conferida ao
ser observado um lapso temporal de 20 (vinte) dias, nos termos dispositivo em questão pela Suprema Corte, a submissão de
do art. 1º, II, do Decreto-Lei 779/1969. conflitos à Comissão de Conciliação Prévia não constitui con-
dição da ação para o ajuizamento da reclamação trabalhista, não
Nessa linha, presume-se recebida a notificação 48 (qua- sendo possível a extinção do processo sem resolução do mérito
renta e oito) horas depois de sua postagem. O seu não recebi- em caso de ausência de tentativa de conciliação perante a CCP.
mento ou a entrega após o decurso desse prazo constitui ônus
de prova do destinatário, em conformidade com a súmula 16 Qualquer interessado poderá apresentar seu pedido à
do TST. Comissão, que uma vez provocada terá prazo de 10 (dez) dias
para a realização da sessão de tentativa de conciliação. Não
5.1.2. Reclamação escrita havendo realização da sessão de conciliação no aludido prazo,
deverá ser entregue ao empregado declaração de tentativa de
A reclamação trabalhista escrita, em atendimento ao dis- conciliação frustrada. Vale lembrar que o não comparecimento
posto no art. 840, § 1º, da CLT, sendo escrita, deverá conter a da parte na sessão de conciliação não implica revelia.
designação do juízo, a qualificação das partes, a breve exposição
dos fatos de que resulte o dissídio, o pedido, que deverá ser Submetida a demanda à Comissão de Conciliação Prévia
certo, determinado e com indicação de seu valor, a data e a e não prosperando a conciliação, deverá ser fornecida ao
assinatura do reclamante ou de seu representante. empregado e ao empregador declaração da tentativa concilia-
tória frustrada com a descrição de seu objeto, que deverá ser
Novidade trazida pela reforma trabalhista diz respeito ao juntada à eventual reclamação trabalhista.
pedido que deverá ser certo, determinado e com indicação
de seu valor. No entanto, caso seja aceita a conciliação, deverá ser
lavrado termo que será assinado pelo empregado, pelo empre-
12. Direito Processual do Trabalho 269

gador ou seu proposto e pelos membros da Comissão. O termo e irregularidades capazes de atrapalhar a apreciação do mérito
de conciliação é título executivo extrajudicial e terá eficácia da causa.
liberatória geral, exceto quanto às parcelas expressamente Dispõe o art. 321 do CPC/2015:
ressalvadas.
Art. 321: “O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche
A partir da provocação da Comissão de Conciliação os requisitos dos arts. 319 e 320 ou que apresenta defeitos e
Prévia, independentemente da realização da sessão de con- irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito,
ciliação, o prazo prescricional será suspenso e recomeçará a determinará que o autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a
fluir a partir da tentativa frustrada de conciliação ou, se for o emende ou a complete, indicando com precisão o que deve
caso, do esgotamento do prazo de dez dias, quando lhe será ser corrigido ou completado.
entregue a declaração de conciliação frustrada. Desta forma, sempre que a petição inicial contiver lacu-
nas, imperfeições ou omissões, e esses problemas puderem
5.3. Petição inicial trabalhista
ser sanados, o juiz deverá permitir que a parte complete o
Como já estudado, nos termos do art. 840, § 1º, da CLT, a pedido no prazo de 15 dias. Somente depois disso, se a parte
reclamação trabalhista escrita deverá conter a designação do não cumprir a exigência imposta pelo magistrado, é que este
juiz da vara do trabalho, ou do juiz de direito, nas hipóteses do indeferirá a petição inicial, de acordo com o parágrafo único
art. 112 da CF, a quem for dirigida, a qualificação completa das do mesmo dispositivo legal.
partes, conforme arts. 319 e 320 CPC/2015, em se tratando do Nessa linha, o TST cristalizou o entendimento consubs-
reclamante, acrescido do nome da mãe e número da CTPS do tanciado na súmula 263, que ensina que, com exceção das
reclamante, além de uma breve exposição dos fatos dos quais hipóteses previstas no art. 330 do CPC/2015, o indeferi-
resultaram o dissídio, o pedido, que deverá ser certo, deter- mento da petição inicial, por encontrar-se desacompanhada
minado e com indicação de seu valor, a data e a assinatura do de documento indispensável à propositura da ação ou não
reclamante ou de seu representante. preencher outro requisito legal, somente é cabível se, após
Vale destacar que a indicação do valor da causa na recla- intimada para suprir a irregularidade em 15 (quinze) dias,
mação trabalhista é obrigatória para que se defina a qual mediante indicação precisa do que deve ser corrigido ou
procedimento a demanda será submetida. Para as causas cujo completado, a parte não o fizer, em conformidade com o art.
valor não exceda 40 salários mínimos, será observado o rito 321 do CPC/2015.
sumaríssimo previsto nos art. 852-A a 852-I da CLT; uma vez Tal regra não está contida na CLT, devendo ser aplicado o
ultrapassado esse valor, ou seja, para causas cujo valor exceda CPC de forma subsidiária ao processo do trabalho, em confor-
40 salários mínimos, deverá ser observado o procedimento midade com o art. 769 da CLT e art. 15 CPC/2015.
ordinário.
Vale lembrar que no procedimento sumaríssimo, em
Ao distribuir a reclamação trabalhista, tal como ocorria no decorrência da disposição contida no art. 852-B, I, da CLT, não
procedimento sumaríssimo, deverá o autor fazer pedido certo, é permitida a emenda da petição inicial trabalhista.
com a determinação dos respectivos valores.
Os pedidos que não atendam esse comando serão julgados 5.3.3. Recurso em face do indeferimento liminar da
extintos sem resolução do mérito, nos termos do art. 840, § petição inicial
3º, da CLT. A decisão que indefere a petição inicial possui natureza ter-
5.3.1. Aditamento da petição inicial minativa, na medida em que extingue o processo sem resolução
do mérito. Por essa razão, tal decisão desafia a interposição de
Aditamento da petição inicial, previsto no art. 329, I, do recurso ordinário, nos termos do art. 895 da CLT.
CPC/2015, consiste na modificação do pedido ou da causa de
Nessa linha, entendemos aplicável a regra disciplinada
pedir solicitada pelo reclamante antes da citação, independente
disposta no art. 331 do CPC/2015, que faculta a retratação do
de autorização da parte contrária.
juiz no prazo de 5 dias, no caso de interposição de recurso pela
A CLT é omissa em relação à possibilidade de aditamento parte. Da mesma sorte, em conformidade com o art. 3º, VIII,
da petição inicial, permitindo-se a aplicação subsidiária do da IN 39/2016 do TST, com as adaptações pertinentes, aplica-
diploma processual civil, em conformidade com o art. 769 da -se ao processo do trabalho a regra disposta no art. 485, § 7º,
CLT e art. 15 CPC/2015. CPC/2015. Assim, interposto recurso ordinário em qualquer
Desta forma, nos domínios do direito processual do decisão que extinga o processo sem resolução do mérito, o juiz
trabalho, admite-se que o aditamento da petição inicial seja terá 5 (cinco) dias para retratar-se.
feito até a audiência, antes da apresentação de resposta do réu. Desta forma, uma vez indeferida a petição inicial, poderá
Assim, uma vez realizado o aditamento da petição inicial, o autor interpor recurso ordinário no prazo de 8 dias, facul-
o juiz do trabalho designará nova audiência para que o réu tando a retratação do juiz acerca dessa decisão, deferindo o
possa contestar o novo pedido. recebimento da petição inicial dando regular andamento ao
Vale lembrar que, apresentada resposta pelo réu, não será processo.
possível o aditamento, salvo com o consentimento daquele, em
conformidade com o art. 329, II, do CPC/2015.
5.4. Tutela provisória
No processo do trabalho, por força do art. 769 da CLT e
5.3.2. Emenda da petição inicial art. 15 do CPC/2015 e, ainda, conforme art. 3º, VI, da IN 39 do
Consiste na alteração ou correção da petição inicial, exi- TST poderá o juiz conceder tutela provisória, com fundamento
gida pelo juiz quando este verificar que ela não preenche os nos arts. 294 a 311 do CPC/2015.
requisitos exigidos pela lei processual ou que contém defeitos
270 Hermes Cramacon

5.4.1. Tutelas de urgência a juntada de novos documentos e a confirmação do pedido de


tutela final, sob pena de o processo ser extinto sem resolução
O CPC/2015 prevê como espécies do gênero tutela
do mérito.
provisória: a) tutela de urgência, que pode possuir natureza
cautelar ou antecipada, de caráter antecedente ou incidente, Esse aditamento será feito no mesmo processo, não em
calcada como o próprio nome sugere, na urgência e b) tutela autos apartados, não existindo a necessidade de novo paga-
de evidência, calcada não na urgência, mas na evidência, ou mento de custas processuais.
seja, maior probabilidade do direito do reclamante. Realizado o aditamento, o réu será notificado e intimado
Essas medidas objetivam assegurar e/ou satisfazer, desde para a audiência de conciliação, nos termos do art. 841 da CLT.
logo, a pretensão do autor, em outras palavras, visam adiantar Não havendo acordo, será concedido prazo para apresentação
os efeitos da sentença. de contestação.
As tutelas de urgência dependem de dois requisitos, quais A concessão da tutela antecipada possui natureza interlo-
sejam: probabilidade do direito e perigo de dano ou de risco ao cutória e sendo assim, face ao disposto no art. 893, § 1º, da CLT
resultado útil do processo, nos termos do art. 300 CPC/2015. não comportará a interposição de recurso, sendo permitido à
Trata-se dos requisitos fumus boni iuris e periculum in mora. parte a impetração de mandado de Segurança. No entanto, se
a tutela antecipada for concedida na sentença, caberá a parte
A tutela de urgência pode ser concedida liminarmente ou
interessada interpor recurso ordinário.
após justificação prévia, nos termos do art. 300, § 2º, CPC/2015.
Nesse sentido, ensina a Súmula 414 do TST:
Para a concessão da tutela de urgência, poderá o juiz,
conforme o caso, exigir caução real ou fidejussória idônea SÚMULA 414 TST - MANDADO DE SEGURANÇA. TUTELA PRO-
para ressarcir os danos que a outra parte possa vir a sofrer. VISÓRIA CONCEDIDA ANTES OU NA SENTENÇA
A caução poderá ser dispensada se a parte economicamente I – A tutela provisória concedida na sentença não comporta
hipossuficiente não puder oferecê-la. impugnação pela via do mandado de segurança, por ser
impugnável mediante recurso ordinário. É admissível a obten-
5.4.1.1. Tutela antecipada ção de efeito suspensivo ao recurso ordinário mediante reque-
Trata-se de uma providência judicial que objetiva, ante- rimento dirigido ao tribunal, ao relator ou ao presidente ou ao
cipadamente, mediante o preenchimento de certos requisitos vice-presidente do tribunal recorrido, por aplicação subsidiária
previstos em lei, a satisfação de um direito. ao processo do trabalho do artigo 1.029, § 5º, do CPC de 2015.
Assim, podemos dizer que trata-se de medida satisfativa II – No caso de a tutela provisória haver sido concedida ou
indeferida antes da sentença, cabe mandado de segurança,
que visa antecipar ao requerente, total ou parcialmente, os
em face da inexistência de recurso próprio.
efeitos de sua pretensão final.
III – A superveniência da sentença, nos autos originários, faz
A tutela antecipada poderá ser incidental, quando reque- perder o objeto do mandado de segurança que impugnava a
rida no curso de um processo ou antecedente, requerida antes concessão ou o indeferimento da tutela provisória.
de ser pedida a tutela final, ou seja, seu pedido final.
Caso assim não proceda, o requerido sofrerá uma severa
A apresentação da tutela antecipada incidental será feita consequência, qual seja, o processo será extinto e a tutela
por simples petição nos autos do processo em trâmite, dirigida concedida em caráter provisório tornar-se-á definitiva. Nesse
ao juiz da causa, independentemente do pagamento de custas. caso, poderá a parte interessada pedir sua revisão no prazo
Na petição deverá a parte interessada preencher os requisitos de 2 anos, por meio de uma ação revisional, art. 304, § 5º,
previstos no art. 300 CPC/2015 acima estudados. CPC/2015. Ultrapassado esse período a tutela não poderá ser
Em se tratando de tutela antecipada antecedente, deverá revisada, tornando-se soberana.
ser requerida ao juízo competente para conhecer do pedido Contudo, após esse lapso temporal de 2 anos, sustenta a
principal, nos termos do art. 299 CPC/2015 e seguirá as dis- doutrina de Mauro Shiavi (Manual de direito processual do
posições contidas nos arts. 303 e 304 do CPC/2015. trabalho. 10ª edição de acordo com o Novo CPC. São Paulo:
LTr, 2016), embora não faça coisa julgada (art. 304, § 6º,
5.4.1.1.1. Procedimento da tutela antecipada CPC/2015) não se descarta a possibilidade de ação rescisória.
requerida em caráter antecedente
Contudo, Luiz Guilherme Marinoni Sergio Cruz Arenhart
Nos casos em que a urgência for anterior à propositura da e Daniel Mitidiero (Novo Código de Processo Civil Comen-
ação, a parte interessada elaborará seu pedido limitando-se ao tado, São Paulo, RT, 2015) sustentam, em outras palavras, que
requerimento da tutela antecipada, indicando, ainda, o pedido a estabilização da tutela antecipada antecedente não é capaz
final de sua tutela, expondo as razões de seu direito que busca de fazer coisa julgada, característica dos procedimentos de
realizar, bem como do perigo de dano ou do risco ao resultado cognição exauriente. Vencidos os 2 anos da ação revisional,
útil do processo. continuará sendo possível o exaurimento da cognição até que
Apresentada a petição e regularmente distribuída, o juiz os prazos de decadência e prescrição operem sobre a esfera
poderá adotar dois caminhos. Caso entenda que não há ele- jurídica das partes.
mentos para a concessão de tutela antecipada, determinará a A tutela antecipada conservará seus efeitos enquanto não
emenda da petição inicial em até 5 (cinco) dias, sob pena de ser revista, reformada ou invalidada por decisão de mérito profe-
indeferida, sendo o processo extinto sem resolução de mérito. rida na ação de revisão.
No entanto, caso entenda presentes os requisitos e conceda
a tutela antecipada, o juiz ordenará ao autor que, no prazo de 5.4.1.2. Tutela cautelar
15 (quinze) dias ou em outro prazo maior que o juiz fixar, adite A tutela cautelar, denominada como ação cautelar no
a petição inicial, com a complementação de sua argumentação, antigo Código de Processo Civil, é tratada pela nova legislação
12. Direito Processual do Trabalho 271

processual civil como espécie do gênero tutelas provisórias de Uma vez contestado o pedido, observar-se-á o procedi-
urgência. mento comum com apresentação de provas, se o Juiz entender
Trata-se de uma providência judicial que visa prevenir, necessário, e consequente prolação de decisão.
conservar, defender ou assegurar a eficácia de um direito. Não Uma vez concedida a tutela cautelar, deverá o autor, caso
objetiva a satisfação de um direito, como é o caso da tutela não tenha formulado o pedido principal na petição inaugural,
antecipada. formulá-lo no prazo de 30 (trinta) dias. O pedido será formu-
A tutela cautelar pressupõe a existência de outro pedido, lado nos mesmos autos, não estando sujeito ao adiantamento
denominado “pedido principa”. Assim, as tutelas cautelares de novas custas processuais.
podem ser antecedentes, quando intentadas antes da propo- Apresentado o pedido principal, as partes serão intimadas
situra da ação principal, ou incidentais, quando requeridas para a audiência de conciliação, por seus advogados ou pesso-
depois de ajuizada a ação principal, nos termos do art. 294, almente, sem necessidade de nova citação do réu.
parágrafo único, do CPC/2015. Não havendo acordo, o juiz abrirá prazo de 15 dias para
Portanto, o CPC/2015 retirou o processo cautelar autô- contestação.
nomo, inserindo a tutela cautelar como espécie de tutela de A eficácia da tutela cautelar concedida em caráter antece-
urgência, que é tratada, especificamente, em seus 300 a 302 dente será extinta em 3 situações:
e 305 a 310.
Pelo sistema do atual CPC não há necessidade de um I. caso o autor não deduza o pedido principal no prazo legal;
processo autônomo. Em se tratando de tutela de urgência II. caso a tutela cautelar não seja efetivada dentro de 30 (trinta)
incidental, basta que a parte interessada apresente no processo dias; ou
que já está em curso uma petição apontando os requisitos e III. se o juiz julgar improcedente o pedido principal formulado
solicitando uma medida de urgência, art. 301 CPC/2015, sem pelo autor ou extinguir o processo sem resolução de mérito.
necessidade de pagamento de custas ou juntada de cópias. Nesses casos, é vedado à parte renovar o pedido, salvo sob
Em se tratando de tutela cautelar preparatória ou antecedente, novo fundamento.
deverá ser requerida ao juízo competente para conhecer do
pedido principal, nos termos do art. 299 CPC/2015 e seguirá 5.4.1.2.2. Requisitos específicos
as disposições contidas nos arts. 305 a 310 do CPC/2015. De acordo com o art. 300 do CPC/2015 são requisitos
para a concessão da tutela provisória cautelar: a probabilidade
5.4.1.2.1. Procedimento da tutela cautelar
do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do
requerida em caráter antecedente processo.
A ação cautelar por possuir rito especial não seguirá o Trata-se da presença de fumus boni iuris, que consiste na
procedimento previsto na CLT. Deverá seguir o procedimento probabilidade da existência do direito alegado, e do periculum
previsto no Código de Processo Civil, a teor da IN 27/2005, in mora, ou seja, que a demora na prestação jurisdicional possa
que em seu art. 1º, ensina: causar ao autor danos irreparáveis ou de difícil reparação.
Art. 1º As ações ajuizadas na Justiça do Trabalho tramitarão
pelo rito ordinário ou sumaríssimo, conforme previsto na
5.4.1.2.3. Espécies de medidas cautelares
Consolidação das Leis do Trabalho, excepcionando-se, ape- Dispõe o art. 301 CPC/2015:
nas, as que, por disciplina legal expressa, estejam sujeitas Art. 301. A tutela de urgência de natureza cautelar pode ser
a rito especial, tais como o mandado de segurança, habeas efetivada mediante arresto, sequestro, arrolamento de bens,
corpus, habeas data, ação rescisória, ação cautelar e ação de registro de protesto contra alienação de bem e qualquer outra
consignação em pagamento. medida idônea para asseguração do direito.
A parte formulará pedido requerendo que se assegure/ O atual CPC não traduz o que vem a ser e quando serão
resguarde o bem da vida objeto do processo. A petição deverá adotadas as espécies de cautelares especificadas no dispositivo
indicar as razões de seu direito com a exposição sumária do estudado. Nessa linha, importante é a análise do CPC/1973 que
direito que se objetiva assegurar, bem como o perigo de dano dispunha sobre a finalidade de tais medidas.
ou o risco ao resultado útil do processo. O pedido principal
Dessa forma, ensina o ilustre professor Cássio Scarpinella
pode ser formulado conjuntamente com o pedido de tutela
Bueno (Manual de Direito Processual Civil: inteiramente estru-
cautelar. Não se trata de obrigatoriedade como no caso de
turado à luz do novo CPC - Lei 13.105/2015, Saraiva, 2015):
tutela antecipada.
Caso o Juiz entenda que o pedido tem natureza de tutela “E para o prezado leitor que quer saber o que está por trás dos
antecipada e não cautelar, observará o regramento disposto no nomes empregados pelo art. 301, não custa saciar a sua curio-
art. 303 CPC/2015, ou seja, procedimento da tutela antecipada. sidade, levando em conta o que, nessa perspectiva, sempre foi
bem aceito pela doutrina e jurisprudência do CPC/1973, quanto
Apresentado o pedido de tutela cautelar e sendo ele inde- às finalidades daquelas medidas: arresto é (era) medida que que-
ferido, salvo se por motivo de reconhecimento de decadência rerá salvaguardar o resultado útil do cumprimento de sentença
ou de prescrição, poderá a parte formular o pedido principal. ou do processo de execução em se tratando de obrigações de
Concedido o pedido cautelar, o réu será citado para, no pagar dinheiro; sequestro tem (tinha) finalidade idêntica só que
prazo de 5 (cinco) dias, contestar o pedido e indicar as provas dizendo respeito a obrigações de entrega de coisa; arrolamento
que pretende produzir. No entanto, caso o requerido não con- de bens é (era) medida destinada à identificação e á conservação
teste o pedido, os fatos alegados pelo autor serão presumidos de bens e protesto contra alienação de bens, a comunicação
aceitos pelo réu como ocorridos, devendo o juiz decidir a formal de uma determinada manifestação de vontade, aqui, a
alienação patrimonial.”
questão em 5 (cinco) dias.
272 Hermes Cramacon

Em suma, para a completa compreensão do art. 301 II. sempre que as alegações de fato puderem ser comprovadas
CPC/2015 deveremos nos socorrer das técnicas dispostas no apenas documentalmente e houver tese firmada em julga-
CPC/1973. mento de casos repetitivos ou em súmula vinculante;
III. quando se tratar de pedido reipersecutório fundado em
5.4.1.2.3.1 Arresto prova documental adequada do contrato de depósito, caso em
A medida cautelar de arresto consiste na apreensão judicial que será decretada a ordem de entrega do objeto custodiado,
sob cominação de multa;
de bens do devedor, capazes de garantir o pagamento da dívida
líquida e certa, devidamente demonstrada. IV. a petição inicial for instruída com prova documental sufi-
ciente dos fatos constitutivos do direito do autor, a que o réu
Nas lições do antigo CPC, será possível o pedido de arresto: não oponha prova capaz de gerar dúvida razoável.
a) quando o devedor sem domicílio certo intenta ausentar-se Importante, porém, ressaltar que em se tratando das hipó-
ou alienar os bens que possui, ou deixa de pagar a obrigação teses trazidas pelos incisos II e III, a tutela de evidência poderá
no prazo estipulado; ser deferida liminarmente, ou seja, antes e independentemente
b) quando o devedor que tem domicílio se ausenta ou tenta da oitiva da parte adversa.
ausentar-se furtivamente;
c) quando o devedor que tem domicílio, caindo em insolvên- 5.4.3. Duração da tutela provisória
cia, aliena ou tenta alienar bens que possui; contrai ou tenta Por conta de sua provisoriedade, como o próprio nome
contrair dívidas extraordinárias; põe ou tenta pôr os seus bens sugere, a tutela provisória ora estudada, em qualquer uma de
em nome de terceiros; ou comete outro qualquer artifício suas modalidades, podem ser revogadas ou modificadas a
fraudulento, a fim de frustrar a execução ou lesar credores; qualquer tempo.
d) quando o devedor, que possui bens de raiz, intenta aliená- No entanto, poderá ocorrer a perpetuação ou estabilização
-los, hipotecá-los ou dá-los em anticrese, sem ficar com algum da tutela concedida, na hipótese já estudada prevista no art.
ou alguns, livres e desembargados, equivalentes às dívidas. 304 do CPC/2015.
Nota-se que é essencial para a procedência do pedido de
arresto que o credor demonstre a liquidez e certeza do débito. 5.5 Audiência trabalhista
Nos domínios do processo do trabalho, o Juiz do Trabalho Como no processo do trabalho não há o despacho de
não exigirá caução, em face da hipossuficiência do trabalhador recebimento da petição inicial da reclamação trabalhista por
e a consequente incompatibilidade com as normas processuais parte do juiz do trabalho, uma vez distribuída a petição inicial o
trabalhistas. Diretor da Vara ou mesmo a distribuição eletrônica, designará
a data da audiência, notificando as partes dessa data, bem como
5.4.1.2.3.2 Sequestro das consequências do não comparecimento em audiência e,
No arresto, estudado acima, como a execução está ligada a ainda, sobre o comparecimento das testemunhas.
uma quantia, ou seja, um valor, não se objetiva a busca de um Sob pena de nulidade, entre a data do recebimento da
determinado bem, mas sim de quaisquer bens que garantam notificação e a data designada para a audiência deverá ser res-
a dívida. Diferentemente, o sequestro presta-se à preservação peitado um prazo mínimo de 5 dias, para que a reclamada possa
de determinados e específicos bens, sobre os quais incidam o preparar sua resposta/defesa e contatar as testemunhas que
litígio e que estejam em risco. pretende levar em audiência, nos termos do art. 841 da CLT.
Nessa linha, determinava o art. 822 do CPC/1973: As audiências deverão ocorrer entre as 8 e 18 horas e não
poderão ultrapassar 5 horas seguidas, salvo quando houver
Art. 822. O juiz, a requerimento da parte, pode decretar o matéria urgente, em conformidade com o art. 813 da CLT.
sequestro:
À hora marcada, o juiz declarará aberta a audiência, sendo
I – de bens móveis, semoventes ou imóveis, quando lhes for
feita pelo secretário ou escrivão a chamada das partes, teste-
disputada a propriedade ou a posse, havendo fundado receio
de rixas ou danificações; munhas e demais pessoas que devam comparecer.
II – dos frutos e rendimentos do imóvel reivindicando, se o réu, Se, até 15 (quinze) minutos após a hora marcada, o
depois de condenado por sentença ainda sujeita a recurso, os juiz ou presidente não houver comparecido, os presentes
dissipar. (...) poderão retirar-se, devendo o ocorrido constar do livro de
registro das audiências. Importante notar que essa tolerância
5.4.2. Tutela da evidência é dada para os casos em que o juiz deixa de comparecer à
Disciplinada no art. 311 do CPC/2015, aplicável ao audiência, não se aplicando para casos de atrasos na pauta
processo do trabalho, em conformidade com o art. 3º da IN de audiência do juiz.
39 TST, a tutela de evidência será deferida pelo juiz indepen- Na audiência deverão estar presentes o reclamante e o
dentemente da demonstração de perigo de dano ou de risco reclamado, independentemente do comparecimento de seus
ao resultado útil do processo, como na tutela de urgência. Na advogados, salvo nos casos de Reclamatórias Plúrimas ou
tutela de evidência o interessado deverá demonstrar a maior Ações de Cumprimento, quando os empregados poderão fazer-
probabilidade, ou seja, deverá demonstrar a verossimilhança, -se representar pelo Sindicato de sua categoria.
plausibilidade do seu direito. É facultado ao empregador fazer-se substituir pelo gerente,
De acordo com o citado dispositivo legal existem 4 hipó- ou qualquer outro preposto que tenha conhecimento do fato,
teses que a tutela de urgência será concedida, a saber: e cujas declarações obrigarão o proponente. Nos termos do
art. 843, § 3º, da CLT o preposto não precisa ser empregado
I. ficar caracterizado o abuso do direito de defesa ou o mani- da reclamada.
festo propósito protelatório da parte;
12. Direito Processual do Trabalho 273

O não comparecimento do reclamante à audiência impor- partes, tendo em vista que transita em julgado imediatamente.
tará no arquivamento da reclamação trabalhista, possibilitando Apenas o INSS poderá apresentar recurso para impugnar as
o ajuizamento de nova reclamação, devendo arcar com as custas contribuições sociais devidas. No entanto, se for o caso, pode-
do processo, ainda que beneficiário da justiça gratuita, salvo se rão as partes ingressar com ação rescisória, em conformidade
comprovar, no prazo de quinze dias, que a ausência ocorreu com a Súmula 259 do TST.
por motivo legalmente justificável. O pagamento das custas é Caso não haja acordo o juiz abrirá prazo de 20 minutos
condição para a propositura de nova demanda, art. 844, §§ 2º para que a reclamada apresente sua resposta.
e 3º. Vale lembrar que citado dispositivo legal é objeto da ADI
Em seguida, o reclamante poderá se manifestar em réplica
5766 no STF, que até o fechamento dessa edição está pendente
acerca da reposta da reclamada no prazo assinalado pelo juiz.
de apreciação.
Posteriormente, serão ouvidas as partes e testemunhas.
Contudo, caso dê causa a novo arquivamento seguido
Terminada a instrução, poderão as partes aduzir razões finais,
por não comparecimento em audiência, sofrerá os efeitos da
em prazo não excedente de 10 (dez) minutos para cada uma.
perempção provisória disposta no art. 732 da CLT, no qual
Em seguida, o juiz ou presidente renovará a proposta de
perderá por 6 meses o direito de propor nova ação. Ultrapas-
conciliação, e não se realizando esta, será proferida a decisão.
sado esse período e respeitado o prazo de prescrição, poderá
ingressar com nova reclamação trabalhista. 5.6. Respostas
Se por doença ou qualquer outro motivo poderoso, devida- Nos termos do art. 841 da CLT, após recebida e protoco-
mente comprovado, não for possível ao empregado comparecer lada a reclamação, uma segunda via da petição será enviada
pessoalmente, poderá fazer-se representar por outro empre- ao réu, que, no mesmo ato, será notificado para comparecer
gado que pertença à mesma profissão, ou pelo seu sindicato. à audiência.
Nessa hipótese, o empregado da mesma profissão ou sindicato,
terão apenas o papel de evitar o arquivamento da reclamação 5.6.1. Exceção de incompetência territorial/relativa
e não para realizar a audiência em si.
Nos termos do art. 651 da CLT a reclamação deverá ser
Vale frisar que a ausência do reclamante à audiência proposta na localidade em que o empregado prestou serviços.
apenas terá esse efeito em se tratando da audiência inaugural
ou havendo o fracionamento da audiência se a reclamada não Contudo, caso o reclamante não obedeça a citada dispo-
tiver apresentado sua contestação. sição legal, poderá a reclamada nos termos do art. 800 da CLT
oferecer exceção de incompetência territorial.
Nessa linha, ensina a Súmula 9 do TST:
A exceção de incompetência territorial deverá ser apre-
SÚMULA 9 TST – AUSÊNCIA DO RECLAMANTE sentada no prazo de cinco dias a contar da notificação, antes
A ausência do reclamante, quando adiada a instrução após da audiência e em peça que sinalize a existência desta exceção,
contestada a ação em audiência, não importa arquivamento devendo instruí-la com as provas necessárias. Ultrapassado o
do processo. prazo, a matéria estará preclusa, não podendo o reclamado
fazê-lo em audiência. Protocolada a petição, o processo ficará
O não comparecimento da reclamada, inclusive a pessoa
suspenso, ficando suspenso também o prazo prescricional.
jurídica de Direito Público (OJ 152 da SDI 1 do TST) impor-
tará na revelia, além de confissão quanto à matéria de fato, nos A audiência inicialmente designada não irá ocorrer até
termos do art. 844 da CLT, parte final. que se decida a exceção de incompetência.
Vale lembrar que, ainda que ausente o reclamado, presente Apresentada a exceção, os autos serão imediatamente
o advogado na audiência, serão aceitos a contestação e os conclusos ao juiz, que intimará o reclamante e, se existentes,
documentos eventualmente apresentados, nos termos do art. os litisconsortes, para manifestação no prazo comum de cinco
844, § 5º, da CLT. dias. Caso entender necessária a produção de prova oral, o juízo
designará audiência, garantindo o direito de o excipiente e de
Contudo, dispõe o § 4º do art. 844 da CLT:
suas testemunhas serem ouvidos, por carta precatória, no juízo
Art. 844. que este houver indicado como competente.
§ 4º. A revelia não produz o efeito mencionado no caput Uma vez decidida a exceção de incompetência territorial,
deste artigo se: o processo retomará seu curso, com a designação de audiência,
I – havendo pluralidade de reclamados, algum deles contestar a apresentação de defesa e a instrução processual perante o
a ação; juízo competente.
II – o litígio versar sobre direitos indisponíveis; Dessa forma, rejeitada a exceção de incompetência, o pro-
III – a petição inicial não estiver acompanhada de instrumento cesso continuará com seu curso normal no local de ajuizamento
que a lei considere indispensável à prova do ato; da reclamação trabalhista. Por possuir natureza jurídica de
IV – as alegações de fato formuladas pelo reclamante forem
decisão interlocutória não poderá ser objeto de impugnação
inverossímeis ou estiverem em contradição com prova cons- por meio de recurso, tendo em vista a regra disposta no art.
tante dos autos. 893, § 1º, da CLT.
Aberta a audiência, o juiz proporá a conciliação. Trata-se Todavia, se acolhida, o processo será remetido ao foro
de proposta obrigatória, cuja ausência poderá ocasionar na competente para prosseguimento do feito no local correto.
nulidade do processo, art. 846 da CLT. Caso a decisão de acolhimento da exceção de incompetência
remeta os autos para localidade pertencente a TRT distinto
Celebrado o acordo, será lavrado o termo de conciliação
daquele em que foi inicialmente a reclamação foi distribuída,
que possui natureza de título executivo judicial. A decisão que
será recorrível de imediato, mediante recurso ordinário, na
homologa o acordo não poderá ser objeto de recurso pelas
forma da súmula 214, c, do TST. No entanto, caso seja acolhida
274 Hermes Cramacon

a medida e os autos remetidos à localidade pertencente ao Na contestação deverá ser alegada toda a matéria de defesa,
mesmo TRT, não será cabível a interposição de recurso. expondo as razões de fato e de direito com que o direito do
autor é impugnado.
5.6.2. Defesa simplificada da Reclamada O art. 336 CPC/2015 traz em seu bojo os princípios norte-
Aberta a audiência e com a recusa das partes em fazer adores da contestação, quais sejam: princípio da impugnação
acordo, o juiz abrirá prazo de 20 minutos para que o réu apre- especificada e o princípio da eventualidade.
sente sua resposta. O princípio da impugnação especificada estabelece que o
O reclamado poderá assim apresentar como respostas: reclamado deve impugnar todos os pedidos formulados pelo
contestação, exceção, que poderá ser de impedimento ou reclamante sob pena de serem tidos como incontroversos. Em
suspeição e, por último, reconvenção. outras palavras, este princípio impede que seja apresentada
A forma de defesa simplificada tratada pelo CPC/2015 impugnação genérica, regra que não é aplicável em se tratando
está intimamente ligada com seu fim que é a simplificação dos de advogado dativo, curador especial e ao órgão do Ministério
atos processuais, o que culminará na efetividade da prestação Público (341, parágrafo único, do CPC/2015).
jurisdicional. Nos domínios do processo do trabalho, aqueles pedidos
São formas de resposta da reclamada em audiência: con- que não forem impugnados pelo reclamado, ou seja, a parte
testação, e a reconvenção. As partes (reclamante e reclamado) incontroversa das verbas rescisórias, deverá ser paga na própria
podem, ainda, apresentar exceção de suspeição e exceção de audiência, sob pena de ser acrescida uma multa de 50%, nos
impedimento. O CPC/1973 determinava que cada uma delas termos do art. 467 da CLT.
fossem apresentadas em peças separadas. No processo traba- Vale dizer que, em se tratando da União, dos Estados,
lhista, em razão do princípio da informalidade, admitia-se a do Distrito Federal, dos Municípios e autarquias e fundações
exceção de incompetência territorial no bojo da contestação. públicas, essa multa não será devida.
Pela nova regra processual, as exceções de impedimento Já o princípio da eventualidade determina que todos os
e suspeição, nos termos do art. 146 do CPC/2015 deverão meios de defesa sejam apresentados em uma única oportuni-
ser apresentadas no prazo de 15 (quinze) dias, a contar do dade, possibilitando ao magistrado que, caso não aceite uma
conhecimento do fato. A nova regra permite que elas sejam delas, reconheça as demais.
apresentadas em petição específica dirigida ao juiz do processo, Desta forma, podemos dizer que o reclamado deverá, nesse
devendo a parte indicar o fundamento da recusa, instruindo a momento, apresentar todas as suas teses de defesa, mesmo
peça com documentos e com rol de testemunhas. que elas sejam contrárias entre si, pois, caso o juiz não acate
De acordo com o CPC/2015 a contestação se tornou uma, poderá acatar a outra. Caso o reclamado não atue dessa
a única modalidade de defesa do réu. A contestação será maneira, sofrerá os efeitos da preclusão.
apresentada na forma dos arts. 335 a 342 do CPC/2015. O Na contestação, compete ao réu, antes de discutir o mérito
art. 337 traz o rol de matérias que podem ser apresentadas da ação, apresentar defesa processual, ou seja, alegar os vícios
como preliminar. processuais, matérias contidas no art. 337 do CPC/2015, que
O art. 343 do CPC/2015 traz a possibilidade de apre- são chamadas de “preliminares ao mérito.”
sentação da reconvenção na própria contestação. Assim, a As preliminares ao mérito são defesas processuais, moda-
reconvenção será proposta no corpo da contestação, sem a lidade de defesa indireta, pois atingem questões que não estão
necessidade de peça autônoma. Essa regra não modificará sua intimamente ligadas ao mérito da causa. São vícios processuais
natureza jurídica, que continua sendo de ação. que, uma vez constatados, acarretam a extinção do processo
De toda forma, o CPC/2015 simplificou a forma de apre- sem resolução do mérito (art. 485 do CPC/2015).
sentação de defesa do réu, contribuindo para um processo Importante ressaltar que, oferecida a contestação, ainda
mais célere e consequentemente mais efetivo, razão pela qual que eletronicamente, o reclamante não poderá, sem o con-
deverá ser aplicada ao processo do trabalho, com exceção da sentimento do reclamado, desistir da ação, nos termos do art.
regra disposta no art. 335 CPC/2015 que trata do prazo da 841, § 3º, da CLT.
contestação e do art. 340 CPC/2015 que permite a apresentação
da exceção de incompetência no domicílio do réu. Isso porque Dessa forma, o encaminhamento da contestação pelo
no processo trabalhista as respostas devem ser apresentadas PJe, antes da audiência inaugural, “com sigilo”, não impede a
em audiência. desistência unilateral do reclamante. Por outro lado, se a con-
testação foi encaminhada pelo PJe “sem sigilo”, a desistência
5.6.2.1 Contestação da reclamação somente será possível com o consentimento
da reclamada.
Não havendo acordo, o reclamado terá 20 minutos para
aduzir sua defesa, após a leitura da reclamação, quando esta não 5.6.2.1.1. Preliminares
for dispensada por ambas as partes. A parte poderá apresentar
defesa escrita pelo sistema de processo judicial eletrônico até Na contestação, compete ao réu, antes de discutir o mérito
a audiência, nos termos do art. 847 da CLT. da ação, apresentar defesa processual, ou seja, alegar os vícios
processuais, matérias contidas no art. 337 do CPC/2015, que
É o principal meio de defesa, pelo qual o réu/reclamado são chamadas de “preliminares ao mérito.”
exerce seu direito constitucional ao contraditório.
Dispõe o art. 337 do CPC:
A contestação está prevista no art. 847 da CLT e no art.
335 e seguintes do CPC/2015, aplicados de forma subsidiária Art. 337. Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, alegar:
ao processo do trabalho por força do art. 769 da CLT e art. 15 I – inexistência ou nulidade da citação;
CPC/2015. II – incompetência absoluta e relativa;
12. Direito Processual do Trabalho 275

III – incorreção do valor da causa; trabalhador postular seus direitos após a extinção do contrato
IV – inépcia da petição inicial; de trabalho. O reclamante deverá obedecer à prescrição bienal,
V – perempção; ou seja, deverá ingressar com reclamação trabalhista no prazo
de 2 (dois) anos contados do término do contrato de trabalho.
VI – litispendência;
VII – coisa julgada;
Já a prescrição quinquenal se refere às lesões a direitos
ocorridas durante a vigência do contrato. Nessa linha, uma
VIII – conexão; vez extinto o contrato de trabalho, o obreiro terá prazo de 2
IX – incapacidade da parte, defeito de representação ou falta (dois) anos para pleitear seus direitos na Justiça do Trabalho.
de autorização; Todavia, poderá reclamar os 5 (cinco) anos que antecedem à
X – convenção de arbitragem; propositura da reclamação trabalhista.
XI – ausência de legitimidade ou de interesse processual; Com relação à prescrição do FGTS, de acordo com a
XII – falta de caução ou de outra prestação que a lei exige nova redação dada à Súmula 362 do TST temos as seguintes
como preliminar; hipóteses. Caso a ciência da lesão, ou seja, o não recolhimento
XIII – indevida concessão do benefício de gratuidade de justiça. do FGTS ocorreu após 13 de novembro de 2014, data do
As preliminares ao mérito são defesas processuais, moda- julgamento do Recurso Extraordinário com agravo pelo STF
lidade de defesa indireta, pois atingem questões que não estão (STF-ARE-709212/DF), a prescrição é quinquenal. Nesse caso,
intimamente ligadas ao mérito da causa. São vícios processuais o empregado deverá obedecer ao prazo de prescrição bienal
que, uma vez constatados, acarretam a extinção do processo para ingressar com a ação em até 2 anos após a extinção do
sem resolução do mérito (art. 485 do CPC/2015). contrato de trabalho, podendo pleitear os 5 anos pretéritos ao
ajuizamento da ação.
Importante lembrar que a incompetência territorial deverá
ser apresentada na forma do art. 800 da CLT, conforme estu- Todavia, se em 13 de novembro de 2014 a lesão já havia
dado no item 5.6.1 ocorrido, ou seja, se já tiver se iniciada a contagem do prazo
prescricional, deverá ser aplicado o prazo prescricional que se
5.6.2.1.2. Prejudiciais de mérito (defesas consumar primeiro: trinta anos, contados do termo inicial, ou
indiretas de mérito) cinco anos, a partir de 13.11.2014.
As preliminares anteriormente estudadas não se con- SÚMULA 362 TST – FGTS. PRESCRIÇÃO
fundem com as prejudiciais de mérito, também chamadas de
defesas indiretas de mérito. São elas: prescrição, decadência, I – Para os casos em que a ciência da lesão ocorreu a partir de
compensação e retenção. 13.11.2014, é quinquenal a prescrição do direito de reclamar
contra o não recolhimento de contribuição para o FGTS,
São matérias que impedem/prejudicam o exame do mérito observado o prazo de dois anos após o término do contrato;
da causa e, uma vez acatadas pelo juiz, acarretam extinção do
processo com resolução do mérito, nos termos do art. 487 do II – Para os casos em que o prazo prescricional já estava em
CPC/2015. curso em 13.11.2014, aplica-se o prazo prescricional que se
consumar primeiro: trinta anos, contados do termo inicial,
5.6.2.1.2.1 Prescrição ou cinco anos, a partir de 13.11.2014 (STF-ARE-709212/DF).
A prescrição encontra-se disciplinada no art. 7º, XXIX, A interrupção da prescrição somente ocorrerá pelo
da CF: ajuizamento de reclamação trabalhista, mesmo que em juízo
incompetente, ainda que venha a ser extinta sem resolução
Art. 7º. (...) do mérito, produzindo efeitos apenas em relação aos pedidos
XXIX – ação, quanto aos créditos resultantes das relações idênticos.
de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os
trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após 5.6.2.1.2.1.1. Prescrição intercorrente
a extinção do contrato de trabalho. Prescrição intercorrente é entendida como sendo aquela
Na CLT a prescrição vem disposta no art. 11, que assim que ocorre no curso do processo.
dispõe: Sua aplicação nos domínios do processo do trabalho
Art. 11. A pretensão quanto a créditos resultantes das relações não era pacífica. Isso porque, o TST por meio da Súmula 114
de trabalho prescreve em cinco anos para os trabalhadores entendia não ser aplicável na Justiça do Trabalho, por conta
urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do do princípio protetor..
contrato de trabalho. Contudo, em atenção à segurança jurídica o STF entende
O disposto neste artigo não se aplica às ações que tenham aplicável a prescrição intercorrente na Justiça do Trabalho.
por objeto anotações para fins de prova junto à Previdência Vejamos:
Social.
SÚMULA 327 STF – O direito trabalhista admite a prescrição
Vale dizer que, tratando-se de pretensão que envolva intercorrente.
pedido de prestações sucessivas, isto é, as que se prolongam
Com o advento da Lei 13.467/2017, que acrescentou o
no tempo, ou seja, se repetem mês a mês, decorrente de alte-
art. 11-A a CLT, a questão tornou-se pacífica. Isso porque, o
ração ou descumprimento do pactuado, a prescrição é total,
novel dispositivo legal autoriza definitivamente a aplicação da
exceto quando o direito à parcela esteja também assegurado
prescrição intercorrente ao processo do trabalho, que pode
por preceito de lei.
ser requerida ou declarada de ofício em qualquer grau de
No âmbito trabalhista, duas regras de prescrição devem jurisdição.
ser observadas. A prescrição bienal refere-se ao direito de o
276 Hermes Cramacon

Ensina o art. 11-A da CLT: que poderá se recusar a devolvê-lo até que seu empregador não
lhe pague dívidas trabalhistas vencidas.
“Art. 11-A. Ocorre a prescrição intercorrente no processo do
trabalho no prazo de dois anos.” 5.6.2.2 Exceções de impedimento e suspeição
O prazo da prescrição intercorrente inicia-se quando o Previstas no art. 799 da CLT constituem espécies de defesa
exequente deixa de cumprir determinação judicial no curso que têm como fim atacar a parcialidade do juiz a ele vinculado
da execução. para processar e julgar a lide. Desta forma, poderão ser apre-
Dessa forma, depois de intimada, caso a parte interessada sentadas pelo reclamado e também pelo reclamante exceção
deixe de cumprir determinação judicial no curso da execução, de impedimento e a exceção de suspeição.
como por exemplo, indicar novo endereço do executado, os As exceções serão processadas nos próprios autos, pois a
autos serão remetidos ao arquivo, iniciando-se o prazo de 2 nova sistemática do CPC/2015 determina que a suspeição e
anos da prescrição intercorrente. impedimento sejam apresentadas por petição específica, nos
moldes do art. 146 CPC/2015.
5.6.2.1.2.2. Decadência
Inobstante alguns autores2 sustentem a necessidade de
A decadência consiste na perda do próprio direito e não serem apresentadas por meio de petição específica, estamos
apenas da pretensão ao direito como ocorre na prescrição. de acordo com a posição dos TRTs de todo País que em razão
Nos domínios do processo do trabalho em 3 casos a susten- dos princípios da informalidade, simplicidade e jus postulandi
tação da decadência se mostrará possível. Nesses casos o inte- da parte, admite a apresentação de exceções de impedimento e
ressado perderá o próprio direito que a lei prevê, exaurindo-se suspeição por parte do reclamado no bojo da contestação, caso
a possibilidade de sua manifestação. na oportunidade de sua apresentação já tenham conhecimento
A primeira delas se dá no Mandado de Segurança em do motivo ensejador ou apresentada por petição específica nos
que nos termos do art. 23 da Lei 12.016/2009: “O direito de autos, na primeira vez em que a parte tiver de falar nos autos
requerer mandado de segurança extinguir-se-á decorridos 120 ou em audiência, nos termos do art. 795 da CLT, caso a ciência
(cento e vinte) dias, contados da ciência, pelo interessado, do do motivo ensejador da suspeição ou impedimento, se dê após
ato impugnado” o prazo de contestação, mas sempre sem a necessidade de um
A segunda hipótese se refere ao prazo decadencial de 2 processo em apenso.
anos para a propositura da ação rescisória, nos termos do Assim, em suma, a incompetência absoluta poderá ser
art. 975 do CPC/2015 que determina: “O direito à rescisão se alegada como preliminar de contestação, art. 337, II, CPC/2015.
extingue em 2 (dois) anos contados do trânsito em julgado da A incompetência territorial deverá ser apresentada na forma
última decisão proferida no processo” do art. 800 da CLT, já estudada no item 5.6.1 . Já as exceções
Por último, o prazo decadencial de 30 dias para ajuiza- de impedimento e suspeição poderão ser tratadas por petição
mento do inquérito judicial para apuração de falta grave, nos nos próprios autos ou até mesmo no bojo da contestação,
termos do art. 853 da CLT. quando for o caso.
Por existir previsão parcial na norma consolidada, será
5.6.2.1.2.3. Compensação e retenção aplicável o direito processual civil de forma subsidiária e
Nos termos do art. 368 do Código Civil caso duas pessoas supletiva, art. 769 da CLT e art. 15 CPC/2015.
sejam ao mesmo tempo credoras e devedoras uma da outra, as Nessa linha, o CPC/2015 retirou a necessidade de arguição
obrigações serão extintas até onde se compensarem. das exceções de impedimento e suspeição como procedimento
A compensação apenas poderá ser alegada como matéria autônomo, permitindo à parte que as invoque por petição
de defesa, ou seja, na contestação, sob pena de preclusão, em específica, conforme dispõe o art. 146 do CPC/2015.
conformidade com o art. 767 da CLT e Súmula 48 do TST.
5.6.2.2.1 Apresentação da exceção de suspeição e
Para os casos de dissolução do contrato de trabalho, impedimento
no momento dos acertos rescisórios a compensação não
poderá exceder o equivalente a um mês de remuneração do As exceções de suspeição e impedimento são medidas
empregado, nos termos do art. 477, § 5º, da CLT. Contudo, processuais que poderão ser apresentadas tanto pelo autor/
em casos de litígio judicial entre empregador e empregado reclamante como pela reclamada.
a compensação poderá ser feita qualquer que seja o mon- Caso o reclamante queira apresentar exceção de suspeição
tante, mas sempre até o limite do crédito do reclamante. A ou impedimento contra o juiz, deverá fazer logo após tomar
parte excedente deverá ser requerida pelo interessado em ciência da causa de suspeição ou impedimento, devendo se
reconvenção. pronunciar na primeira oportunidade que tiver de falar nos
Vale dizer que a compensação está restrita a dívidas de autos, nos termos do art. 795 da CLT. Já a reclamada poderá
natureza trabalhista, entendimento cristalizado na Súmula apresentá-la no bojo da contestação caso na oportunidade de
18 do TST. Desta forma, não poderá a reclamada compensar sua apresentação já tenha ciência da causa ensejadora da sus-
direitos que não se relacionem com dívidas trabalhistas, como peição ou impedimento, ou por petição específica, na primeira
por exemplo: vícios relativos a contrato de compra e venda de vez em que a parte tiver de falar nos autos ou em audiência, nos
automóveis entre empregador e empregado. termos do art. 795 da CLT, caso tenha ciência do fundamento
ensejador da suspeição ou impedimento após a apresentação
A retenção consiste em não se devolver a coisa que se retém
da contestação.
legitimamente para compelir seu proprietário a um pagamento
que esteja obrigado. Como exemplo podemos citar o caso de
um vendedor a quem foi confiado um mostruário da empresa, 2 Shiavi, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 10ª edição
de acordo com o Novo CPC. São Paulo: LTr, 2016.
12. Direito Processual do Trabalho 277

As exceções de suspeição e impedimento são meios proces- com prazo mínimo de 5 dias (art. 841 CLT), para que o autor/
suais para atacar a parcialidade do juiz e têm como finalidade reconvindo apresente resposta à reconvenção. Caso o autor/
assegurar que o processo seja apreciado por um juiz imparcial. reconvindo não apresente a resposta à reconvenção serão
O impedimento diz respeito à perda de imparcialidade do aplicados os efeitos da confissão ficta.
juiz quando o fato gerador da imparcialidade se dá por critérios Tendo em vista que o CPC/2015 não trouxe exigência
objetivos, ou seja, critérios que possam ser demonstrados de de ação e reconvenção serem julgadas na mesma sentença,
forma direta, com a apresentação de documento, como, por poderão ser apreciadas em momentos distintos. No entanto,
exemplo, parentesco por consanguinidade. mostra-se conveniente que ação e reconvenção sejam aprecia-
Já a suspeição do juiz diz respeito à perda de imparcia- das na mesma sentença.
lidade quando sua causa geradora possui natureza subjetiva,
ou seja, necessita de um elemento interno para que possa 5.7. Provas
ser aferida; não pode ser aferida objetivamente por meio de Nos domínios do processo do trabalho, todos os meios de
documentos, pois necessita ser interpretada e valorada, como, prova serão admitidos, tais como: depoimento pessoal, inter-
por exemplo, o caso de amizade íntima. rogatório, confissão, prova testemunhal, documentos, perícia
As hipóteses de impedimento e suspeição estão discipli- e, ainda, a prova emprestada.
nadas no art. 801 da CLT, que traz um rol exemplificativo, Pela regra, em conformidade com o art. 818 da CLT, o
devendo ser aplicadas, outrossim, as hipóteses previstas nos ônus de provar incumbe:
arts. 144 e 145 do CPC/2015, respectivamente. Art. 818. O ônus da prova incumbe:
Vale dizer que os institutos são diferentes e não podem
ser confundidos. A suspeição poderá ser conhecida de ofício I – ao reclamante, quanto ao fato constitutivo de seu direito;
pelo magistrado ou alegada pelas partes por meio de petição II – ao reclamado, quanto à existência de fato impeditivo,
específica, art. 146 CPC/2015, sob pena de preclusão. Já no modificativo ou extintivo do direito do reclamante.
impedimento, caso o magistrado não se pronuncie de ofício,
Com relação às provas, é importante destacar a Lei
as partes poderão alegá-las a qualquer momento, não estando
11.925/2009, que alterou o art. 830 da CLT, determinando
a matéria sujeita à preclusão.
que o documento em cópia simples oferecido como prova
Nota-se que nas exceções de impedimento e suspeição o poderá ser declarado autêntico pelo próprio advogado, sob
próprio juiz é o polo passivo do incidente processual e não a sua responsabilidade pessoal.
parte contrária.
A apresentação de cópia autenticada ou até mesmo o
Oferecida a exceção, o juiz poderá tomar dois caminhos: próprio documento original somente deverá ser apresentada
pode o magistrado reconhecer a causa de impedimento ou a se a cópia simples for impugnada pela parte adversa.Alguns
suspeição, hipótese em que ordenará imediatamente a remessa entendimentos emitidos pelo Tribunal Superior do Trabalho
dos autos ao seu substituto legal ou, não se dando por sus- a respeito do ônus da prova merecem destaque:
peito ou impedido, no prazo de 15 dias, dará as suas razões,
acompanhadas de documentos e de rol de testemunhas, se Súmula 6, VIII, do TST: É do empregador o ônus da prova
houver, ordenando a remessa dos autos ao tribunal, art. 146, do fato impeditivo, modificativo ou extintivo da equiparação
§ 1º, CPC/2015. salarial.

5.6.2.3 Reconvenção Súmula 16 do TST: Presume-se recebida a notificação 48


(quarenta e oito) horas depois de sua postagem. O seu não
Modalidade de resposta do réu que equivale a um ataque e recebimento ou a entrega após o decurso desse prazo constitui
não a uma defesa. Trata-se de uma ação, sendo esta sua natureza ônus de prova do destinatário.
jurídica, proposta pelo réu, chamado de reconvinte, em face
do autor, chamado de reconvindo. Súmula 212 do TST: O ônus de provar o término do contrato
de trabalho, quando negados a prestação de serviço e o
Nessa modalidade de resposta, o réu não busca defender- despedimento, é do empregador, pois o princípio da conti-
-se, mas sim atacar, ou seja, formular uma pretensão contra o nuidade da relação de emprego constitui presunção favorável
autor da ação principal. ao empregado.
Deve ser apresentada na audiência, na própria contestação,
em capítulo destacado, art. 343 CPC/2015 por força do art. 769 Súmula 338 do TST: I – É ônus do empregador que conta
com mais de 10 (dez) empregados o registro da jornada de
da CLT e art. 15 CPC/2015.
trabalho na forma do art. 74, § 2º, da CLT. A não apresentação
Para ser admitida deve preencher os seguintes requisitos: injustificada dos controles de frequência gera presunção
a) o juízo da causa principal deve ser competente para apreciar, relativa de veracidade da jornada de trabalho, a qual pode
além da ação principal, a própria reconvenção; ser elidida por prova em contrário.
b) deve haver compatibilidade entre os procedimentos apli- II – A presunção de veracidade da jornada de trabalho, ainda
cáveis à ação principal e à reconvenção (art. 327, § 1º, III, do que prevista em instrumento normativo, pode ser elidida por
CPC/2015); prova em contrário.
c) pendência da ação principal;
III – Os cartões de ponto que demonstram horários de
d) deve haver conexão entre as ações, ou seja, quando lhes for entrada e saída uniformes são inválidos como meio de prova,
comum o objeto ou a causa de pedir (art. 55 do CPC/2015). invertendo-se o ônus da prova, relativo às horas extras, que
Apresentada, portanto, em audiência, na própria contes- passa a ser do empregador, prevalecendo a jornada da inicial
tação, o Juiz do Trabalho deverá redesignar nova audiência, se dele não se desincumbir.
278 Hermes Cramacon

Importante ressaltar que a Orientação Jurisprudencial expressamente intimada com a cominação, deixa de compa-
215 da SDI 1 do TST, que entendia pertencer ao empregado o recer à audiência em prosseguimento na qual deveria depor.
ônus de comprovar que satisfaz os requisitos indispensáveis à No entanto, a prova pré-constituída nos autos pode ser
obtenção do vale-transporte, foi cancelada em maio de 2011. levada em conta para confronto com a confissão ficta, não
Referido cancelamento faz com que o ônus probatório passe implicando cerceamento de defesa o indeferimento de provas
ao empregador. Isso porque o vale-transporte é um benefício posteriores. Na reclamação trabalhista submetida ao proce-
e por essa razão se presume que o empregado não o recusa ou dimento ordinário, cada uma das partes não poderá indicar
renuncia. Desta forma, caberá à reclamada comprovar que o mais de 3 (três) testemunhas, que comparecerão à audiência
empregado não faz jus ao benefício. independentemente de notificação ou intimação. Aquelas
A atual Súmula 460 do TST assim dispõe: que não comparecerem sem motivo justificado serão intima-
das de ofício pelo Juiz ou a requerimento da parte, ficando
SÚMULA 460 TST – VALE-TRANSPORTE. ÔNUS DA PROVA sujeitas a condução coercitiva, além do pagamento de multa.
É do empregador o ônus de comprovar que o empregado É importante lembrar que em se tratando de litisconsórcio
não satisfaz os requisitos indispensáveis para a concessão do ativo o número de testemunhas será limitado a 3 (três) no
vale-transporte ou não pretenda fazer uso do benefício. total, pois não é permitido que cada litisconsorte indique 3
Vale, ainda, transcrever: (três) testemunhas.
Deverá o magistrado adotar providências de modo que o
SÚMULA 461 TST – FGTS. DIFERENÇAS. RECOLHIMENTO. ÔNUS depoimento de uma testemunha não seja ouvido pelas demais
DA PROVA
que tenham de depor no processo.
É do empregador o ônus da prova em relação à regulari-
Vale frisar que, em conformidade com a Súmula 357 do
dade dos depósitos do FGTS, pois o pagamento é fato extintivo
TST, não é suspeita a testemunha pelo simples fato de estar
do direito do autor (art. 373, II, do CPC de 2015).
litigando ou de ter litigado contra o mesmo empregador.
5.7.1. Distribuição dinâmica da prova Cabe lembrar, ainda, que, nos termos do art. 829 da CLT,
a testemunha que for parente até o terceiro grau civil, amigo
A distribuição dinâmica do ônus da prova tem seu
íntimo ou inimigo de qualquer das partes, será ouvida como
fundamento no princípio da aptidão da prova e autoriza ao
informante, não prestando o compromisso legal de dizer a
magistrado por meio de decisão fundamentada a inversão do
verdade.
ônus estático.
Dispõe o art. 818, § 1º, da CLT que nos casos previstos em 5.7.3. Perícia
lei ou diante de peculiaridades da causa relacionadas à impos-
Havendo pedidos que necessitem de prova técnica, deverá
sibilidade ou à excessiva dificuldade de cumprir o encargo nos
o Juiz designar perito, fixando prazo para entrega do laudo.
termos deste artigo ou à maior facilidade de obtenção da prova
do fato contrário, poderá o juízo atribuir o ônus da prova de Nesse momento, vale dizer que a exigência de depósito
modo diverso, desde que o faça por decisão fundamentada, prévio para custeio dos honorários periciais é ilegal, dada a
caso em que deverá dar à parte a oportunidade de se desin- incompatibilidade com os ditames do processo trabalhista.
cumbir do ônus que lhe foi atribuído. O art. 790-B, § 3º, da CLT determina que o juízo não
A decisão de inversão de ônus da prova não pode gerar o poderá exigir adiantamento de valores para realização de
ônus de produzir prova impossível ou excessivamente difícil, perícias. Havendo tal exigência, nos termos da Orientação
art. 818, § 3º, da CLT. Jurisprudencial 98 da SDI 2 do TST, admite-se a impetração
de mandado de segurança visando à realização da perícia,
A decisão fundamentada de inversão do ônus da prova
independentemente do depósito.
deverá ser proferida antes da abertura da instrução. A reque-
rimento da parte interessada, implicará o adiamento da É permitido a cada uma das partes a indicação de um
audiência e possibilitará provar os fatos por qualquer meio assistente, que poderá ser indagado pelo Juiz e que deverá
em direito admitido. apresentar o laudo no mesmo prazo assinado para o perito,
sob pena de ser desentranhado dos autos.
5.7.2. Depoimento das partes e testemunhas Ainda sobre perícia, importante destacar a Orientação
As partes e testemunhas serão inquiridas pelo Juiz, Jurisprudencial 278 da SDI 1 do TST:
podendo ser reinquiridas, por seu intermédio, a requerimento
OJ-SDI1-278 ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. PERÍCIA. LOCAL
das partes, seus representantes ou advogados. DE TRABALHO DESATIVADO.
Não se aplica ao Processo do Trabalho a norma do art. 459 A realização de perícia é obrigatória para a verificação de insa-
do CPC/2015 no que permite a inquirição direta das testemu- lubridade. Quando não for possível sua realização, como em
nhas pela parte, pois a CLT possui regramento específico em caso de fechamento da empresa, poderá o julgador utilizar-se
seu art. 820, nos termos do art. 11 da IN 39 do TST. de outros meios de prova.
O depoimento da parte e/ou testemunha surda-muda,
ou de mudo que não saiba escrever e, ainda, aqueles que não 5.7.3.1. Responsabilidade pelo pagamento dos
souberem falar a língua nacional, será feito por meio de intér-
honorários periciais
prete nomeado pelo Juiz. Nesses casos, as despesas correrão
por conta da parte à qual interessar o depoimento. Nos termos do art. 790-B da CLT a responsabilidade pelo
Nos termos da Súmula 74 do TST, importante lembrar que pagamento dos honorários periciais é da parte sucumbente na
se aplica a “pena” de confissão – confissão ficta – à parte que, pretensão objeto da perícia, ainda que beneficiária da justiça
gratuita.
12. Direito Processual do Trabalho 279

Somente no caso em que o beneficiário da justiça gra- 5.8.1.1. Derrogação/revogação do procedimento


tuita não tenha obtido em juízo créditos capazes de suportar sumário
a despesa, ainda que em outro processo, a União responderá
Muito se discute na doutrina sobre a revogação do proce-
pelo encargo.
dimento sumário pelo procedimento sumaríssimo instituído
Ao fixar o valor dos honorários periciais, o juízo deverá pela Lei 9.957/2000.
respeitar o limite máximo estabelecido pelo Conselho Superior
Isso porque parte da doutrina, como o Professor Renato
da Justiça do Trabalho, sendo permitido, ainda, o parcelamento
Saraiva (Curso de Direito Processual do Trabalho. 4. ed. São
dos valores.
Paulo: Método, 2007. p. 417), sustenta que a Lei 9.957/2000
Cumpre lembrar que citado dispositivo legal é objeto da teria revogado o procedimento sumário, disposto na Lei
ADI 5766 proposta perante o STF, que até a data de fechamento 5.584/1970, por se tratar de uma lei mais nova e cuidar de
dessa edição não havia se pronunciado sobre o pedido de limi- matéria processual trabalhista.
nar. Na referida ADI há entendimento de que os dispositivos
É certo que o procedimento sumário trata de ações cujo
legais impõem restrições inconstitucionais à garantia de gratui-
valor não exceda 2 (dois) salários mínimos. Já o procedimento
dade judiciária aos que comprovem insuficiência de recursos,
sumaríssimo traz em seu bojo ações cujo valor não exceda 40
na Justiça do Trabalho. Segundo a Procuradoria-Geral da
(quarenta) salários mínimos. É claro que nas causas de até 40
República, autora da ação direta de inconstitucionalidade, as
(quarenta) salários mínimos estão compreendidas as ações
normas violam as garantias constitucionais de amplo acesso à
de até 2 (dois) salários mínimos e por este motivo houve a
jurisdição e a assistência judiciária integral aos necessitados,
revogação.
violando frontalmente o art. 5º, LXXIV, da CF.
Nesse sentido, o TST editou a Instrução Normativa 27, a
5.8. Procedimentos sumário e sumaríssimo qual, em seu art. 1º, ensina que, excetuando aquelas causas de
Existem dois tipos de ritos concisos ou sucintos na Justiça procedimento especial, como ação rescisória e mandado de
do Trabalho. O primeiro deles é rito sumário ou rito de alçada, segurança, as causas na Justiça do Trabalho tramitarão pelo
como também é chamado, que se encontra previsto no art. rito ordinário ou sumaríssimo.
2º, §§ 3º e 4º da Lei 5.584/1970. O segundo é denominado de Art. 1º As ações ajuizadas na Justiça do Trabalho tramitarão
sumaríssimo, previsto nos arts. 852-A a 852-I da CLT, inseridos pelo rito ordinário ou sumaríssimo, conforme previsto na
por força da Lei 9.957/2000. Consolidação das Leis do Trabalho, excepcionando-se, apenas,
as que, por disciplina legal expressa, estejam sujeitas a rito
5.8.1. Rito sumário especial, tais como o mandado de segurança, habeas corpus,
Disciplinado no art. 2º, §§ 3º e 4º, da Lei 5.584/1970, obje- habeas data, ação rescisória, ação cautelar e ação de consig-
tiva maior celeridade e maior efetividade para as demandas nação em pagamento.
cujo valor da causa não ultrapasse dois salários mínimos. Desta forma, de acordo com a instrução expedida pelo
Essas causas se submeterão ao procedimento ordinário Colendo TST, entendemos estarem derrogados os dispositi-
com ampla produção de provas. Contudo, não se submeterão vos contidos na Lei 5.584/1970 que cuidam do procedimento
às modalidades de recursos trabalhistas. sumário na Justiça do Trabalho.

Art. 2º. Nos dissídios individuais, proposta a conciliação, 5.8.2. Rito sumaríssimo
e não havendo acordo, o Presidente, da Junta ou o Juiz, Instituído pela Lei 9.957/2000, que inseriu os arts. 852-A
antes de passar à instrução da causa, fixar-lhe-á o valor a 852-I na CLT, o procedimento sumaríssimo é previsto para
para a determinação da alçada, se este for indeterminado as demandas cujo valor da causa não exceda a 40 (quarenta)
no pedido.
salários mínimos na data da propositura da ação. Objetiva,
(...) por meio de um rito processual mais célere e mais simples,
§ 3º. Quando o valor fixado para a causa, na forma deste artigo,
conferir maior efetividade na atividade jurisdicional do
não exceder de 2 (duas) vezes o salário mínimo vigente na Estado.
sede do Juízo, será dispensável o resumo dos depoimentos, Vale dizer que nas ações plúrimas, entendidas como aque-
devendo constar da Ata a conclusão da Junta quanto à matéria las em que há diversos reclamantes em litisconsórcio, o valor
de fato. total da causa, do pedido de todos reclamantes, não poderá
exceder a 40 (quarenta) salários mínimos.
§ 4º. Salvo se versarem sobre matéria constitucional, nenhum
recurso caberá das sentenças proferidas nos dissídios da alçada Independentemente de sua complexidade, todas as deman-
a que se refere o parágrafo anterior, considerado, para esse das trabalhistas poderão ser submetidas a tal procedimento.
fim, o valor do salário mínimo à data do ajuizamento da ação. Todavia, assim como as ações coletivas, o art. 852-A, caput, e
No procedimento sumário, portanto, não há a possibili- seu parágrafo único, da CLT, ensina que não estão abrangidas
dade de interposição de recursos, salvo se tratar de matéria pelo rito sumaríssimo as demandas em que for parte a admi-
constitucional, hipótese em que será cabível a interposição nistração pública direta, autárquica e fundacional.
de recurso extraordinário para o STF, nos termos do art. 102 Nas reclamações submetidas ao procedimento sumarís-
da CF. simo, o pedido deverá ser certo e determinado, necessitando,
Sintetizando, a reclamação trabalhista que seguir o rito ainda, a indicação do valor correspondente.
sumário obedecerá aos trâmites do procedimento ordinário, O reclamante deverá indicar o nome correto da reclamada,
diferenciando-se apenas na fase recursal. bem como seu correto endereço, na medida em que é vedada a
citação por edital. Caso o reclamante não atenda tais exigências,
o processo será arquivado, com o consequente pagamento de
280 Hermes Cramacon

custas calculadas sobre o valor da causa, não sendo permitida recursos da decisão definitiva. Por essa regra, uma questão
a emenda da petição inicial. incidente decidida em audiência não poderá ser atacada,
Mesmo indicando o endereço correto da parte adversa, devendo a parte aguardar a prolação da sentença para, no
pode ser que esta venha a se ausentar, furtando-se a receber a recurso ordinário interposto contra a sentença, impugnar,
notificação, hipótese em que é permitido ao juiz do trabalho também, a decisão interlocutória.
que converta o rito sumaríssimo para o rito ordinário, em que Sobre o tema remetemos ao item 1.4.1.6.
se admite a citação editalícia.
A audiência da reclamação submetida ao procedimento 6.2.2. Efeito devolutivo
sumaríssimo deverá ocorrer no prazo máximo de 15 (quinze) Os recursos no processo do trabalho são dotados unica-
dias contados do ajuizamento da ação, em conformidade com mente, em regra, do efeito devolutivo. Por meio dessa regra a
o art. 852-B, III, da CLT. matéria é submetida a julgamento pelo órgão destinatário do
Outra peculiaridade do procedimento sumaríssimo é a que recurso, sendo apreciadas apenas questões debatidas no pro-
diz respeito ao número de testemunhas que cada parte poderá cesso e que constam das razões recursais mediante pedido de
levar a juízo. Enquanto no procedimento ordinário permite- nova decisão. É o significado da a expressão tantum devolutum
-se que cada parte traga 3 testemunhas, no procedimento quantum appellatum.
sumaríssimo esse número é diminuído para 2 testemunhas Os recursos na Justiça do Trabalho, em regra, não admi-
para cada parte, que comparecerão independente de intimação tem o efeito suspensivo como no processo comum. Porém, é
(art. 852-H, § 2º, da CLT). Vale lembrar que, em se tratando de admissível a obtenção de efeito suspensivo ao recurso ordinário
litisconsórcio, o número máximo de testemunhas não é para mediante requerimento dirigido ao tribunal, ao relator ou ao
cada litisconsorte, mas sim para cada parte, ou seja, autor e réu. presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, por
Nas sentenças proferidas no procedimento sumaríssimo aplicação subsidiária ao processo do trabalho do artigo 1.029,
é dispensável o relatório, devendo, entretanto, mencionar os § 5º, do CPC de 2015, em conformidade com a Súmula 414,
elementos de convicção do juízo, com resumo dos fatos rele- I, do TST.
vantes ocorridos em audiência.
6.2.3. Uniformidade do prazo recursal
Convém destacar que nas causas sujeitas ao procedimento
sumaríssimo é admitida a prova pericial, também chamada de Determina o art. 6º da Lei 5.584/1970 que o prazo para
prova técnica, quando o fato o exigir ou for legalmente imposta, interpor e contra-arrazoar qualquer recurso trabalhista é de
como, por exemplo, nas ações em que se discute adicional 8 (oito) dias. Não obstante, alguns recursos possuem prazos
de insalubridade ou periculosidade. Nesse caso, o Juiz ficará diferenciados, como os embargos de declaração, que serão
incumbido de fixar o prazo, o objeto da perícia e nomear o opostos no prazo de 5 (cinco) dias (conforme determina o art.
perito, nos termos do art. 852-H, § 4º, da CLT. Poderão as 897-A da CLT); o recurso extraordinário para o STF, cujo prazo
partes indicar peritos assistentes, nos termos do art. 826 da legal é de 15 (quinze) dias; e nos dissídios de alçada temos o
CLT e da súmula 341 do TST. pedido de revisão, cujo prazo é de 48 horas.
É importante enfatizar que a regra estabelecida no art.
SÚMULA 341 TST – HONORÁRIOS DO ASSISTENTE TÉCNICO. A 229 do CPC/2015, que estabelece o prazo recursal em dobro
indicação do perito assistente é faculdade da parte, a qual deve nos casos em que os litisconsortes que tiverem diferentes
responder pelos respectivos honorários, ainda que vencedora procuradores, de escritórios de advocacia distintos, terão
no objeto da perícia.
prazos contados em dobro para todas as suas manifestações,
Por último, reza o § 9º do art. 896 da CLT que nas causas em qualquer juízo ou tribunal, não é aplicável no âmbito
sujeitas ao procedimento sumaríssimo, somente será admitido processual trabalhista, conforme estabelece a OJ 310 da SDI-I
recurso de revista por contrariedade a súmula de jurisprudên- do TST, por sua incompatibilidade com a celeridade buscada
cia uniforme do Tribunal Superior do Trabalho ou a súmula no processo do trabalho:
vinculante do Supremo Tribunal Federal e por violação direta
da Constituição Federal. Orientação Jurisprudencial 310 da SDI 1 do TST – LITISCON-
SORTES. PROCURADORES DISTINTOS. PRAZO EM DOBRO. ART.
6. RECURSOS 229, CAPUT E §§ 1º E 2º, DO CPC DE 2015. ART. 191 DO CPC DE
1973. INAPLICÁVEL AO PROCESSO DO TRABALHO
6.1. Conceito Inaplicável ao processo do trabalho a norma contida no art.
Para Moacyr Amaral Santos (Primeiras Linhas de Direito 229, caput e §§ 1º e 2º, do CPC de 2015 (art. 191 do CPC de
1973), em razão de incompatibilidade com a celeridade que
Processual Civil. 24. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 84), recurso
lhe é inerente.
é “o poder de provocar o reexame de uma decisão, pela mesma
autoridade judiciária, ou por outra hierarquicamente superior, Com relação aos prazos diferenciados para a Fazenda
visando a obter a sua reforma ou modificação”. Pública e o Ministério Público do Trabalho, remetemos o
leitor ao item 9.1.2.1.
6.2. Peculiaridades dos recursos trabalhistas
6.3. Efeitos dos recursos
6.2.1. Irrecorribilidade imediata das decisões
interlocutórias 6.3.1. Efeito devolutivo
Disciplinada no art. 893, § 1º, da CLT, a regra ensina que Estabelece o art. 899 da CLT que os recursos trabalhistas
as decisões interlocutórias, não admitem a interposição de serão dotados, em regra, de efeito meramente devolutivo, sendo
recurso imediato, devendo a parte impugná-las somente em possível a execução provisória até a penhora.
12. Direito Processual do Trabalho 281

Por meio do efeito devolutivo, a matéria impugnada pelo ou ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido,
recorrente será reexaminada pelo órgão superior hierárquico. por aplicação subsidiária ao processo do trabalho do artigo
O efeito devolutivo devolve o exame da questão impugnada 1.029, § 5º, do CPC de 2015, como ensina a parte final da
ao órgão superior. Súmula 414, I, do TST.
Trata-se do brocardo latino tantum devolutum quantum
appellatum. Em outras palavras, o Tribunal Regional deverá 6.3.4. Efeito translativo
restringir-se ao que foi objeto no recurso interposto. É o pró- Como vimos, o efeito devolutivo impede que o juízo pro-
prio recorrente que delimitará a matéria que o órgão superior fira julgamento além, aquém, ou fora do pedido formulado
examinará no recurso. nas razões recursais.
Consiste, portanto, em devolver ao grau superior de juris- No entanto, o sistema autoriza o juízo a decidir questões
dição a análise do caso concreto. que não foram suscitadas nas razões recursais. São as matérias
Não obstante, o art. 9º da Lei 7.701/1988 e a Lei de ordem pública, que devem ser conhecidas de ofício pelo juiz.
10.192/2001, em seu art. 14, admitem que o Presidente do TST Assim, o efeito translativo consiste na capacidade que o
conceda efeito suspensivo ao recurso ordinário interposto em tribunal possui de avaliar matérias que não tenham sido objeto
face de sentença normativa prolatada pelo TRT, pelo prazo do recurso, por se tratar de matéria de ordem pública.
improrrogável de 120 dias, contados da publicação, salvo se o
recurso for julgado antes do término do prazo. 6.3.5. Efeito substitutivo
O efeito substitutivo dos recursos consiste na substituição
6.3.2. Efeito devolutivo em profundidade da decisão recorrida pela decisão proferida em sede recursal.
Como se sabe, com o efeito devolutivo do recurso ordiná- O efeito substitutivo faz com que a decisão do juízo ad quem
rio o Tribunal Regional deverá restringir-se ao que foi objeto substitua a decisão recorrida, nos termos do art. 1.008 do
no recurso ordinário. CPC/2015.
O efeito devolutivo em profundidade, que se extrai do Assim, caso o recurso seja, ao menos, conhecido, indepen-
art. 1.013, § 1º, do CPC/2015, transfere ao Tribunal Regional, dentemente de ser dado ou não provimento, opera-se o efeito
além da análise dos pedidos formulados no recurso, a análise substitutivo do recurso.
de todos os fundamentos relacionados à matéria impugnada. Dessa forma, havendo reforma da decisão de 1º grau,
Sobre o tema é importante destacar a Súmula 393 do Tri- valerá o acórdão; caso não haja reforma, valerá a confirmação
bunal Superior do Trabalho, com redação dada pela Resolução da sentença.
208/2016:
6.3.6. Efeito extensivo
SÚMULA 393 – RECURSO ORDINÁRIO. EFEITO DEVOLUTIVO EM
O efeito extensivo ou expansivo se dá nos casos em que
PROFUNDIDADE. ART. 1.013, § 1º, do CPC DE 2015. ART. 515,
§ 1º, DO CPC de 1973
do julgamento do recurso se enseja decisão mais abrangente
do que o reexame da matéria impugnada, que é o mérito
I – O efeito devolutivo em profundidade do recurso ordinário,
do recurso. Terá aplicação na hipótese de litisconsórcio
que se extrai do § 1º do art. 1.013 do CPC de 2015 (art. 515,
unitário, quando a decisão judicial deve ser uniforme para
§1º, do CPC de 1973), transfere ao Tribunal a apreciação dos
fundamentos da inicial ou da defesa, não examinados pela todos os litisconsortes, em conformidade com o art. 1.005
sentença, ainda que não renovados em contrarrazões, desde do CPC/2015.
que relativos ao capítulo impugnado.
6.3.7. Efeito regressivo
II – Se o processo estiver em condições, o tribunal, ao julgar o
recurso ordinário, deverá decidir desde logo o mérito da causa, É aquele que possibilita a retratação ou reconsideração
nos termos do § 3º do art. 1.013 do CPC de 2015, inclusive quando da decisão impugnada pelo mesmo juízo prolator da decisão.
constatar a omissão da sentença no exame de um dos pedidos. Esse efeito possui incidência no agravo de instrumento e no
agravo regimental.
6.3.3. Efeito suspensivo Ademais, a regra disposta no atual art. 485, § 7º, do
O efeito suspensivo impede a produção imediata dos CPC/2015 possibilita a retratação por parte do juiz recorrido
efeitos da decisão. Em outras palavras, podemos dizer que, prolator de decisão de extinção do processo sem resolução de
uma vez interposto o recurso, dotado desse efeito, a execução mérito, norma que se mostra compatível com o sistema recursal
da sentença ficará suspensa. trabalhista, devendo ser aplicada ao processo do trabalho, por
Recebido um recurso no efeito suspensivo, a decisão força do art. 769 da CLT e art. 15 do CPC/2015, nos termos do
impugnada não poderá ser executada, devendo a parte interes- art. 3º, VIII, da IN 39 TST.
sada aguardar o julgamento do recurso pela instância superior.
6.4. Juízo de admissibilidade e pressupostos
Nos domínios do processo do trabalho, poderá ser atribu- recursais
ído efeito suspensivo às decisões das Turmas dos Tribunais do
Trabalho no julgamento de processos coletivos, em conformi- A admissibilidade da matéria impugnada no recurso está
dade com o art. 9º da Lei 7.701/1988. condicionada ao preenchimento de determinados pressu-
postos, conhecidos como requisitos de admissibilidade. Tais
Não obstante, em regra, os recursos trabalhistas possuem
pressupostos dizem respeito tanto ao próprio recurso em si,
unicamente o efeito devolutivo, permitindo a execução provi-
conhecidos como pressupostos objetivos ou extrínsecos, e
sória até a penhora, ou seja, não se admite o efeito suspensivo.
àqueles pressupostos ligados ao sujeito recorrente, os pressu-
Caso a parte pretenda a obtenção de efeito suspensivo, postos subjetivos ou intrínsecos.
deverá elaborar requerimento dirigido ao tribunal, ao relator
282 Hermes Cramacon

O não atendimento a esses pressupostos ensejará a inad- tação de advogados. Nessa linha, estando as partes assistidas
missibilidade ou não conhecimento do recurso, prejudicando a por advogados, deverá este estar regularmente representado
análise do seu mérito, ou seja, a análise da matéria impugnada. através de instrumento de mandato (procuração).
Esse exame de admissibilidade será realizado em dois Na Justiça do Trabalho admite-se o mandato tácito,
momentos distintos: perante o juízo a quo, quando da inter- constituído por meio da procuração apud acta, que é aquela
posição do recurso e na chegada das contrarrazões recursais, constituída na própria ata da audiência.
e, num segundo momento, perante o juízo ad quem, realizado Os tribunais não admitem o recurso apócrifo, ou seja,
pelo Desembargador relator, quando o recurso for remetido aquele que não possui assinatura. Todavia, constatada a total
para instância superior. falta de assinatura no recurso, ou seja, ausência de assinatura
Importante lembrar que o relator poderá julgar monocra- na peça de interposição e na peça de razões recursais, deverá
ticamente o recurso, na forma do art. 932 do CPC/2015. É o o relator conceder prazo de 5 dias para regularização, sob pena
que determina a Súmula 435 do TST: de o recurso não ser admitido. Contudo, havendo ao menos
assinatura na peça de interposição do recurso ou nas razões
SÚMULA 435 TST – DECISÃO MONOCRÁTICA. RELATOR. ART. recursais, o recurso será considerado válido, em conformidade
932 DO CPC DE 2015. ART. 557 DO CPC DE 1973. APLICAÇÃO com a Orientação Jurisprudencial 120 da SDI 1 do TST.
SUBSIDIÁRIA AO PROCESSO DO TRABALHO
Aplica-se subsidiariamente ao processo do trabalho o art. Orientação Jurisprudencial 120 da SDI 1 do TST – RECURSO.
932 do CPC de 2015 (art. 557 do CPC de 1973). ASSINATURA DA PETIÇÃO OU DAS RAZÕES RECURSAIS. ART.
932, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC DE 2015.
6.4.1. Pressupostos subjetivos ou intrínsecos I – Verificada a total ausência de assinatura no recurso, o juiz
Dizem respeito à pessoa recorrente. São eles: legitimidade, ou o relator concederá prazo de 5 (cinco) dias para que seja
sanado o vício. Descumprida a determinação, o recurso será
capacidade e interesse.
reputado inadmissível (art. 932, parágrafo único, do CPC de
6.4.1.1. Legitimidade 2015).
II – É válido o recurso assinado, ao menos, na petição de apre-
Em conformidade com o estabelecido no art. 996 do sentação ou nas razões recursais.
CPC/2015, o recurso pode ser apresentado pela parte vencida,
qualquer terceiro prejudicado e, ainda, pelo Ministério Público E, ainda:
naqueles processos em que figurar como parte ou em que atuar SÚMULA 383 TST – RECURSO. MANDATO. IRREGULARIDADE DE
como fiscal da lei (custos legis), nos termos do art. 83, VI, da REPRESENTAÇÃO. CPC DE 2015, ARTS. 104 E 76, § 2º
Lei Complementar 75/1993. I – É inadmissível recurso firmado por advogado sem procu-
ração juntada aos autos até o momento da sua interposição,
6.4.1.2. Capacidade salvo mandato tácito. Em caráter excepcional (art. 104 do CPC
Não basta a parte ter legitimidade, é necessário que no de 2015), admite-se que o advogado, independentemente
momento da interposição do recurso ela seja plenamente capaz, de intimação, exiba a procuração no prazo de 5 (cinco) dias
isto é, deve encontrar-se no pleno exercício de suas capacidades após a interposição do recurso, prorrogável por igual período
mentais, observados os arts. 3º, 4º e 5º do Código Civil. mediante despacho do juiz. Caso não a exiba, considera-se
ineficaz o ato praticado e não se conhece do recurso.
6.4.1.3. Interesse II – Verificada a irregularidade de representação da parte em
Para se qualificar o interesse recursal, a parte deve demons- fase recursal, em procuração ou substabelecimento já cons-
tante dos autos, o relator ou o órgão competente para julga-
trar que o recurso é útil e necessário, sob pena de não ser
mento do recurso designará prazo de 5 (cinco) dias para que
conhecido. O interesse não significa mera sucumbência, mas seja sanado o vício. Descumprida a determinação, o relator não
sim o binômio necessidade e utilidade. conhecerá do recurso, se a providência couber ao recorrente,
Suponha-se que em uma reclamação trabalhista o recla- ou determinará o desentranhamento das contrarrazões, se a
mado conteste o pedido alegando prescrição (matéria que providência couber ao recorrido (art. 76, § 2º, do CPC de 2015).
extingue o processo com resolução do mérito e que impede Em ambas súmulas podemos notar que a orientação do
que o reclamante ingresse com nova reclamação trabalhista), o TST é sempre no sentido de tentar preservar ao máximo a
juiz do trabalho extinga o processo por qualquer das hipóteses tutela jurisdicional, na medida em que antes de não conhecer
previstas no art. 485 do CPC/2015, ou seja, sem resolução do do recurso ou do próprio ato da parte, o magistrado deverá
mérito (o que permite ao reclamante o ajuizamento de nova se ater a sua regularização, concedendo um prazo razoável de
reclamação trabalhista). Nesse caso, mesmo não sendo per- 5 dias para isso.
dedor da reclamação, há interesse recursal objetivando uma
decisão de mérito, o que impedirá a propositura de nova ação. 6.4.2.2. Recorribilidade do ato
6.4.2. Pressupostos objetivos ou extrínsecos O ato deve ser recorrível. Os atos do juiz, nos termos
dos arts. 203 e 204 do CPC/2015 compreendem: despachos,
Os pressupostos objetivos ou extrínsecos dizem respeito a decisões interlocutórias e sentenças, compreendidos, nessas
aspectos dos recursos em si. São eles: representação, recorribi- últimas, os acórdãos.
lidade do ato, adequação, tempestividade e preparo.
Os despachos são irrecorríveis dada sua natureza, por não
6.4.2.1. Representação possui caráter decisório. Já as decisões interlocutórias, nos
domínios do processo do trabalho, salvo as exceções previstas
Na Justiça do Trabalho admite-se o jus postulandi, nos na Súmula 214 do TST, são irrecorríveis de imediato. Por-
termos do art. 791 da CLT, sendo facultado às partes a contra- tanto, salvo as exceções que admitem recurso contra decisão
12. Direito Processual do Trabalho 283

interlocutória, os atos recorríveis na Justiça do Trabalho são Nessa linha, ensina o § 1º do art. 789 da CLT que, no caso
sentenças e acórdãos. de recurso, as custas serão pagas e comprovado o recolhimento
Dessa forma, não sendo o ato judicial passível de impug- dentro do prazo recursal.
nação via recursal, este não será conhecido por ausência desse As custas serão pagas pelo recorrente, seja o empregado,
pressuposto. seja o empregador.
Em se tratando de recorrente o empregador, caso queira
6.4.2.3. Adequação interpor recurso deverá pagar as custas processuais nos casos
Não basta que o ato seja recorrível, o recurso utilizado deve de sentença de total procedência ou de procedência em parte.
estar em conformidade com a decisão, ou seja, para cada ato Vale lembrar que os benefícios da justiça gratuita podem
processual há um recurso adequado e próprio para atacá-lo. ser concedidos às pessoas jurídicas, desde que comprovem a
No entanto, existe a possibilidade de o órgão julgador situação de miserabilidade, o que pode ser feito por meio de
conhecer de um recurso inadequadamente interposto por seus balanços contábeis. Concedidos os benefícios da justiça
outro previsto em lei. Trata-se do princípio da fungibilidade gratuita pelo Juiz do Trabalho, a empresa estará isenta do
que será aplicado desde que vislumbrados 3 requisitos: a) pagamento das custas.
inexistência de erro grosseiro; b) dúvida na doutrina ou juris- Já o empregado apenas pagará as custas nos casos de total
prudência quanto ao recurso apto a reformar certa decisão improcedência da ação ou se o processo for extinto sem reso-
judicial; c) o recurso erroneamente interposto deve obedecer lução do mérito. O empregado estará isento do pagamento das
ao prazo do recurso adequado. custas caso tenha os benefícios da justiça gratuita, que poderão
ser deferidos pelo Juiz do Trabalho, desde que requeridos pelo
6.4.2.4. Tempestividade
reclamante.
O recurso deve ser interposto no prazo legal, sob pena de Além dos beneficiários de justiça gratuita, são isentos do
não ser conhecido por intempestividade. Vale lembrar que, em pagamento de custas a União, os Estados, o Distrito Federal,
regra, os recursos trabalhistas possuem prazo unificado de 8 os Municípios, as respectivas autarquias e fundações públicas
(oito) dias, salvo os embargos de declaração cujo prazo é de 5 federais, estaduais ou municipais que não explorem atividade
(cinco), recurso extraordinário para o STF, com prazo de 15 econômica e o Ministério Público do Trabalho e os correios.
(quinze) dias, e o pedido de revisão do valor da causa, existente
nos dissídios de alçada, com prazo de 48 horas. Vale ressaltar, todavia, que essa isenção não alcança as
entidades fiscalizadoras do exercício profissional (por exemplo,
A Lei 11.419/2006, que dispõe sobre a informatização OAB, CREA) e, inclusive, as empresas em liquidação extrajudi-
do processo judicial, no seu art. 3º admite a interposição de cial, orientação que consta na parte final da Súmula 86 do TST.
recurso por meio eletrônico. Nos termos da lei, será conside-
rado tempestivo o recurso enviado até as 24 horas do último Os privilégios e isenções não abrangem, ainda, as socieda-
dia do prazo. des de economia mista e as empresas públicas, em conformi-
dade com o art. 173, § 2º, da CF e Súmula 170 do TST.
O próprio TST por meio da Súmula 434 chegou a
sustentar que o recurso interposto antes da publicação do O TST consubstanciou entendimento na Súmula 86 no
acórdão seria considerado extemporâneo e, portanto, não sentido de que não ocorre deserção de recurso da massa falida
seria conhecido. por falta de pagamento de custas ou de depósito do valor da
condenação.
Contudo, por meio da resolução 198/2015 o TST cancelou
a Súmula 434 passando a admitir, inclusive sob o fundamento As custas serão calculadas à base de 2% (dois por cento),
da ampla defesa, a interposição de recurso antes mesmo de observado o mínimo de R$ 10,64 (dez reais e sessenta e quatro
aberto o prazo recursal. centavos) e o máximo de quatro vezes o limite máximo dos
benefícios do Regime Geral de Previdência Social, da seguinte
Nessa linha o STF já havia proferido decisão em processo forma:
criminal em julgamento dos embargos de declaração no
Habeas Corpus 101.132 – Maranhão, entendeu que o recurso a) em processos em que houver acordo ou condenação, sobre
interposto antes da publicação da sentença deve ser conside- esse valor;
rado tempestivo. b) para ações extintas sem apreciação do mérito ou de total
improcedência, sobre o valor da causa;
6.4.2.5. Preparo c) em sentenças de procedência em ações declaratórias ou
Para o preenchimento desse pressuposto, exige-se que o constitutivas, sobre o valor da causa;
recorrente recolha as custas e, em se tratando da reclamada, d) sentenças com valores indeterminados, sobre o valor que o
efetue o depósito recursal, sob pena do recurso ser conside- juiz fixar na sentença.
rado deserto.
6.4.2.5.2. Depósito recursal
6.4.2.5.1. Custas O depósito recursal não possui natureza jurídica de
As custas correspondem ao pagamento das despesas com taxa de recurso, mas sim de garantia do juízo recursal, que
porte de remessa e retorno dos autos e as despesas postais e pressupõe decisão condenatória ou executória de obrigação
serão pagas pelo vencido após o trânsito em julgado da decisão. de pagamento em pecúnia, com valor líquido ou arbitrado.
Deverão ser recolhidas nas instituições financeiras inte- Consequentemente, o depósito recursal apenas será devido
grantes da Rede Arrecadadora de Receitas Federais, bastando, pelo empregador que queira interpor recurso.
conforme entendimento do TST, que seja utilizada a guia Verifica-se, portanto, que dada sua natureza jurídica
correta (DARF) e o código correto para cada caso. somente é exigido quando houver condenação em dinheiro, em
284 Hermes Cramacon

conformidade com a Súmula 161 do TST. Desta maneira, dada Nos domínios do processo do trabalho, seguindo a
a natureza constitutiva ou declaratória do dissídio coletivo, não orientação do TST a norma em apreço se aplica às custas e ao
se exige o depósito recursal nesse tipo de ação. depósito recursal.
O depósito recursal será feito em conta vinculada ao juízo Nessa linha, o TST por meio da OJ 140 da SDI 1 firmou
e corrigido com os mesmos índices da poupança, em confor- entendimento:
midade com o art. 899, § 4º, da CLT, e comprovado seu reco-
lhimento no prazo alusivo ao recurso, nos termos da Súmula OJ 140 SDI 1 TST – DEPÓSITO RECURSAL E CUSTAS PROCESSU-
245 do TST,podendo ser substituído por fiança bancária ou AIS. RECOLHIMENTO INSUFICIENTE. DESERÇÃO
seguro garantia judicial, art. 899, § 11, da CLT. Em caso de recolhimento insuficiente das custas proces-
É importante frisar que uma vez depositado o valor total suais ou do depósito recursal, somente haverá deserção do
da condenação, nenhum depósito será exigido nos recursos recurso se, concedido o prazo de 5 (cinco) dias previsto no § 2º
das decisões posteriores, salvo se o valor da condenação vier do art. 1.007 do CPC de 2015, o recorrente não complementar
a ser ampliado. e comprovar o valor devido.
Havendo acréscimo ou redução da condenação em grau Assim, caso os valores das custas ou do depósito recursal
de recurso, o juízo prolator da decisão arbitrará novo valor à sejam insuficientes, antes de não conhecer do recurso por
condenação, quer para a exigibilidade de depósito ou com- deserção, deverá intimar a parte para complementação no
plementação do valor já depositado, para o caso de novo prazo de 5 dias.
recurso, quer para liberação do valor excedente decorrente 6.5. Recursos em espécie
da nova decisão.
A Instrução Normativa 3 do TST dispõe em seu item V 6.5.1. Embargos de declaração
que: “nos termos do § 3º do art. 40 (da Lei 8.177/1991), não é
Previstos no art. 897-A da CLT e nos arts. 1.022 e seguin-
exigido depósito para recurso ordinário interposto, eis que a
tes do CPC/2015, aplicados subsidiariamente, são cabíveis, no
regra aludida atribui apenas valor ao recurso, com efeitos limi-
prazo de 5 (cinco) dias, para impugnar quaisquer decisões,
tados, portanto, ao das custas processuais” (destaque nosso).
leia-se: decisões interlocutórias, sentenças, acórdãos e decisões
Sobre depósito recursal é imprescindível a leitura da monocráticas, quando for verificada a ocorrência de omissão,
Súmula 128 do TST. contradição ou obscuridade, ou ainda, para corrigir erro material
SÚMULA 128 TST – DEPÓSITO RECURSAL. Os erros materiais, entendidos como aqueles que podem
ser percebidos facilmente, por qualquer pessoa, sem a neces-
I – É ônus da parte recorrente efetuar o depósito legal, inte- sidade de interpretação de qualquer conceito, poderão ser
gralmente, em relação a cada novo recurso interposto, sob
corrigidos de ofício ou a requerimento de qualquer das partes,
pena de deserção. Atingido o valor da condenação, nenhum
depósito mais é exigido para qualquer recurso.
que o farão por meio de embargos de declaração.
Vale frisar que os embargos de declaração não estão sujei-
II – Garantido o juízo, na fase executória, a exigência de depó-
tos ao juízo de admissibilidade recursal, sendo essa uma das
sito para recorrer de qualquer decisão viola os incisos II e LV
razões pelas quais se discute sua natureza jurídica. A doutrina
do art. 5º da CF/1988. Havendo, porém, elevação do valor
do débito, exige-se a complementação da garantia do juízo. dominante sustenta possuir natureza de recurso.
Além de serem opostos contra decisões omissas, con-
III – Havendo condenação solidária de duas ou mais empre-
traditórias e obscuras, hipóteses em que será requerido o
sas, o depósito recursal efetuado por uma delas aproveita as
demais, quando a empresa que efetuou o depósito não pleiteia
esclarecimento ou complementação do julgado, admite-se a
sua exclusão da lide. oposição de embargos de declaração para a obtenção de efeito
modificativo do julgado, em casos de omissão, contradição
O valor do depósito recursal será reduzido pela metade ou, ainda, manifesto equívoco no exame dos pressupostos de
para entidades sem fins lucrativos, empregadores domésticos, admissibilidade dos recursos.
microempreendedores individuais, microempresas e empresas
de pequeno porte. Admite-se, ainda, a oposição de embargos de declaração
para fins de prequestionamento para os recursos de revista,
São isentos do depósito recursal os beneficiários da justiça embargos no TST e recurso extraordinário.
gratuita, as entidades filantrópicas e as empresas em recupe-
ração judicial. 6.5.1.1. Efeito interruptivo
6.4.2.5.2.1 Insuficiência no valor do preparo do recurso A oposição de embargos de declaração interrompe o prazo
Nos termos do art. 10 da IN 39/2016 do TST aplicam-se para a propositura de outros recursos para ambas as partes, em
ao Processo do Trabalho as normas do parágrafo único do art. conformidade com o art. 1.026 do CPC/2015.
932 do CPC, §§ 1º a 4º do art. 938 e ainda os §§ 2º e 7º do art. Vale destacar que apenas quando conhecidos os embargos
1007. Em outras palavras, antes de considerar inadmissível de declaração interrompem o prazo recursal. Nessa linha,
o recurso, o relator concederá o prazo de 5 (cinco) dias ao dispõe o art. 1.026, § 2º, do CPC/2015, que, quando manifes-
recorrente para que seja sanado vício ou complementada a tamente protelatórios os embargos de declaração, o juiz ou o
documentação exigível. tribunal, declarando que o são, condenará o embargante a pagar
Assim, a insuficiência no valor do preparo, inclusive porte ao embargado multa não excedente de 2% (dois por cento)
de remessa e de retorno, implicará deserção do recurso caso sobre o valor atualizado da causa. Na reiteração de embargos
o recorrente, devidamente intimado, não vier a supri-lo no protelatórios, a multa é elevada até 10% (dez por cento), ficando
prazo de 5 (cinco) dias. condicionada a interposição de qualquer outro recurso ao
depósito do valor respectivo, art. 1.026, § 3º, CPC/2015.
12. Direito Processual do Trabalho 285

6.5.1.2. Efeito modificativo Sobre o tema, cabe trazer a Súmula 98 do STJ:


O efeito modificativo ou efeito infringente, como também SÚMULA 98 STJ – Embargos de declaração manifestados com
é chamado, consiste no pedido de procedência dos embargos notório propósito de prequestionamento não tem caráter
que acarretará não apenas a complementação ou o aclaramento protelatório.
da decisão, mas também, e principalmente, a reforma do ato A respeito do prequestionamento para os recursos de
judicial embargado. natureza extraordinária, é importante destacar o entendi-
É importante destacar que, em regra, não há a oposição de mento consubstanciado na Orientação Jurisprudencial 62 da
“contrarrazões” ou “manifestação” aos embargos de declaração. SDI 1 do TST, que diz ser necessário o prequestionamento
Porém, determina o art. 897-A, § 2º, da CLT que eventual efeito como pressuposto de admissibilidade em recurso de natureza
modificativo dos embargos de declaração somente poderá extraordinária, ainda que se trate de incompetência absoluta.
ocorrer em virtude da correção de vício na decisão embargada Contudo, havendo tese explícita sobre a matéria, na decisão
e intimação da parte contrária que deverá ser ouvida no prazo recorrida, é desnecessário que contenha nela referência expressa
de 5 (cinco) dias, sob pena de nulidade. Na mesma linha, do dispositivo legal para ter-se como prequestionado. É o que
determina o art. 1.023, § 2º, do CPC/2015, aplicável de forma dispõe a Orientação Jurisprudencial 118 da SDI 1 do TST.
supletiva e subsidiária do CPC ao Processo do Trabalho, nos
termos do art. 15 CPC/2015 e art. 769 da CLT. 6.5.1.4. Embargos de declaração por manifesto
Importante lembrar que até o início de dezembro de 2016 equívoco no exame dos pressupostos
prevalecia no TST o entendimento, não havia necessidade de extrínsecos do recurso
manifestação da parte contrária quando se tratar de embargos Como se sabe, os recursos passam, em regra, por dois
de declaração opostos contra sentença, em razão do efeito juízos de admissibilidade. O primeiro exercido pelo juiz que
devolutivo amplo próprio do recurso ordinário, havendo proferiu a decisão (juízo a quo), e o segundo exercido pelo
necessidade de intimação da parte contrária para manifestação, juízo a quem o recurso é dirigido (juízo ad quem).
somente quando se tratar de embargos de declaração opostos
contra acórdão. Não obstante sejam feitos esses dois juízos de admissibili-
dade para os recursos, pode ocorrer de um recurso ser recebido
Contudo, para se adequar à aplicação supletiva e subsi- após os exames de admissibilidade e, ao ser levado a julgamento
diária do CPC ao processo do trabalho e em obediência ao pela turma, não ser conhecido. Em outras palavras, pode o
princípio do contraditório que foi valorizado pelo CPC/2015, Tribunal em decisão colegiada não conhecer de um recurso.
bem como com a finalidade de evitar decisões surpresas, por
meio da Resolução 214/2016 o TST reviu seu entendimento no Nessa linha, caso o Tribunal profira decisão (acórdão)
sentido que o juiz deverá intimar o embargado para, querendo, não conhecendo do recurso por manifesto equívoco no exame
manifestar-se, no prazo de 5 (cinco) dias, sobre os embargos de seus pressupostos extrínsecos (recorribilidade do ato,
opostos, caso seu eventual acolhimento implique a modificação representação, adequação, tempestividade e preparo), ela será
da decisão embargada, não apenas quanto ao acórdão, mas sim impugnável via embargos de declaração.
de qualquer decisão judicial. Imagine a seguinte hipótese: em uma reclamação trabalhista
Dispõe a OJ 142 da SDI 1 do TST, com a redação dada foi indeferido o processamento de um recurso ordinário inter-
pela resolução 214/2016: posto pelo reclamante, o que motivou a interposição de recurso
de agravo de instrumento. Todavia, o último dia do prazo para a
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 142 SDI 1 TST – EMBARGOS interposição do referido agravo de instrumento coincidiu com o
DE DECLARAÇÃO. EFEITO MODIFICATIVO. VISTA PRÉVIA À dia 25 de janeiro, feriado municipal na cidade de São Paulo, devi-
PARTE CONTRÁRIA damente demonstrado no recurso (veja Súmula 385 do TST),
É passível de nulidade decisão que acolhe embargos de de modo que o agravo de instrumento somente foi apresentado
declaração com efeito modificativo sem que seja concedida no dia seguinte, ou seja, 26 de janeiro. Depois de ultrapassados
oportunidade de manifestação prévia à parte contrária. os juízos de admissibilidade, a Turma do Tribunal Regional
proferiu decisão, não se recordando, por lapso, da existência do
6.5.1.3. Embargos de declaração com fins feriado municipal no dia 25 de janeiro, que considerou o agravo
de prequestionamento de instrumento intempestivo e dele não conheceu.
O prequestionamento é um pressuposto recursal Nesse caso, o recurso cabível é o recurso de embargos de
específico dos recursos de natureza extraordinária, ou declaração, com pedido de efeito modificativo, nos termos do
seja, aqueles recursos que não se prestam para o exame de art. 897-A, da CLT, pelo manifesto equívoco do julgado no
matérias fáticas, mas apenas para questões de direito, como exame dos pressupostos extrínsecos do recurso de agravo de
no caso do recurso de revista, embargos no TST e recurso instrumento.
extraordinário para o STF.
Prequestionamento é a efetiva apreciação de uma matéria 6.5.1.5. Embargos de declaração de decisão
pelo órgão julgador. Nos termos da Súmula 297, item I, do monocrática
TST, diz-se prequestionada a matéria ou questão quando na Como vimos, caberão embargos de declaração contra
decisão impugnada haja sido adotada, explicitamente, tese decisão monocrática proferida pelo relator.
a respeito. Nesse sentido, ensina a Súmula 421 do TST:
Nessa linha, admite-se a oposição de embargos de decla-
ração para prequestionamento de matéria não apreciada na SÚMULA 421 TST – EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. CABIMENTO.
decisão, objetivando-se futura interposição de recurso de DECISÃO MONOCRÁTICA DO RELATOR CALCADA NO ART. 932
natureza extraordinária. do CPC/2015. ART. 557 DO CPC de 1973.
286 Hermes Cramacon

I – Cabem embargos de declaração da decisão monocrática ção de efeito suspensivo ao recurso ordinário mediante reque-
do relator prevista no art. 932 do CPC de 2015 (art. 557 do CPC rimento dirigido ao tribunal, ao relator ou ao presidente ou ao
de 1973), se a parte pretende tão somente juízo integrativo vice-presidente do tribunal recorrido, por aplicação subsidiária
retificador da decisão e, não, modificação do julgado. ao processo do trabalho do artigo 1.029, § 5º, do CPC de 2015.
II – Se a parte postular a revisão no mérito da decisão mono-
crática, cumpre ao relator converter os embargos de decla- 6.5.2.1. Processamento
ração em agravo, em face dos princípios da fungibilidade e O recurso será elaborado por meio de duas peças. A
celeridade processual, submetendo-o ao pronunciamento primeira delas é a peça de interposição do recurso, que será
do Colegiado, após a intimação do recorrente para, no prazo endereçada ao juízo que proferiu a decisão, ou seja, ao juízo a
de 5 (cinco) dias, complementar as razões recursais, de modo quo, qualificando o recorrente, indicando o endereço do seu
a ajustá-las às exigências do art. 1.021, § 1º, do CPC de 2015.
procurador, manifestando o interesse em recorrer, requerendo
6.5.2. Recurso ordinário o envio do recurso ao tribunal competente e demonstrando o
pagamento das custas e depósito recursal, quando necessários;
Previsto no art. 895 da CLT, o recurso ordinário é cabí- a segunda peça consiste nas razões recursais, que serão dirigi-
vel não somente de sentenças, sendo possível, também, sua das ao juízo hierarquicamente superior àquele que proferiu a
interposição contra acórdãos proferidos pelos TRTs em sua decisão, o juízo ad quem.
competência originária, tanto nos dissídios individuais, em
Interposto o recurso no juízo a quo, promoverá este o 1º
ação rescisória, por exemplo, como nos dissídios coletivos.
juízo de admissibilidade, examinando a presença de todos
De acordo com a redação do art. 895 consolidado, o os pressupostos recursais. Feito o exame e constatada a ino-
recurso ordinário é cabível das decisões definitivas (processos bservância de um dos pressupostos recursais, será negado
extintos com resolução do mérito) e decisões terminativas seguimento ao recurso, hipótese em que poderá ser inter-
(extintos sem a resolução do mérito). Assim, havendo indefe- posto agravo de instrumento. Conhecido o recurso, deverá
rimento da petição inicial pela ausência das condições da ação o juiz conceder prazo para apresentação de contrarrazões ao
será possível a interposição de recurso ordinário. recurso ordinário. Recebida as contrarrazões, o juízo a quo
Como se sabe, as decisões interlocutórias são irrecorríveis poderá proceder outro exame de admissibilidade do recurso,
de imediato, em conformidade com o art. 893, § 1º, da CLT. podendo, inclusive, reconsiderar a decisão que o admitiu e
Todavia, as decisões interlocutórias terminativas de feito dele não conhecendo.
admitem interposição de recurso ordinário. É o que ocorre Mantida a decisão, os autos serão remetidos ao Tribunal
na decisão do juiz que declara a incompetência absoluta da superior, o juízo ad quem. Lá, após parecer do Ministério
Justiça do Trabalho e determina a remessa dos autos à Justiça Público do Trabalho quando necessário, o recurso será distri-
Comum, em conformidade com o art. 799, § 2º, da CLT. Outra buído a um juiz relator que fará o 2º juízo de admissibilidade,
hipótese de interposição de recurso ordinário em face de uma podendo conhecer ou não do recurso. Após a vista do juiz
decisão interlocutória encontra-se prevista na Súmula 214, relator, o recurso será enviado ao juiz revisor e, em seguida,
item “c”, do TST, que se refere à decisão que acolhe exceção será colocado em pauta para julgamento.
de incompetência territorial, com a remessa dos autos para No julgamento, após a leitura do relatório os advogados
Tribunal Regional distinto daquele a que se vincula o juízo do recorrente e do recorrido poderão efetuar sustentação oral.
excepcionado. Após a sustentação oral o recurso será submetido a julgamento,
Com relação ao recurso ordinário interposto nas recla- votando o relator, o revisor e os demais juízes.
mações que tramitam sob o procedimento sumaríssimo, vale Nas causas sujeitas ao procedimento sumaríssimo, o
lembrar que uma vez recebido no Tribunal ele deverá ser ime- processo será imediatamente distribuído ao juiz relator, sem
diatamente distribuído, devendo o relator liberá-lo no prazo revisor, podendo o Ministério Público do Trabalho, caso
máximo de 10 (dez) dias e a secretaria do Tribunal ou Turma entenda pertinente, emitir parecer oral na própria audiên-
deverá colocá-lo imediatamente na pauta para julgamento, cia de julgamento. Após a leitura do relatório os advogados
sem revisor. poderão realizar sustentação oral e em seguida será realizado
O membro do Ministério Público do Trabalho presente o julgamento.
à sessão de julgamento, se entender necessário, promoverá
parecer oral com registro na certidão de julgamento. 6.5.3. Agravo de instrumento
Como visto, no âmbito processual trabalhista os recursos Previsto no art. 897, “b”, da CLT, o agravo de instrumento
não possuem, como regra, o efeito suspensivo, pois são dotados é cabível, no prazo de 8 (oito) dias, para impugnar os despa-
unicamente de efeito devolutivo. No entanto, para a obtenção chos proferidos pelo juízo a quo no 1º juízo de admissibilidade
de efeito suspensivo o TST admite, por meio da Súmula 414, recursal que negarem seguimento a recursos. Assim, cabe
I, parte final, requerimento dirigido ao tribunal, ao relator ou agravo de instrumento em face de decisões que negarem segui-
ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, por mento a recurso ordinário, recurso de revista, recurso adesivo,
aplicação subsidiária ao processo do trabalho do artigo 1.029, agravo de petição, recurso extraordinário e, inclusive, ao pró-
§ 5º, do CPC de 2015 prio agravo de instrumento, no 1º juízo de admissibilidade.
No entanto, negado seguimento ao recurso de embargos
SÚMULA 414 TST – MANDADO DE SEGURANÇA. ANTECIPA-
ÇÃO DE TUTELA (OU LIMINAR) CONCEDIDA ANTES OU NA
no TST, não será cabível agravo de instrumento, mas sim
SENTENÇA agravo regimental.
I – A tutela provisória concedida na sentença não comporta O agravo de instrumento será processado em autos apar-
impugnação pela via do mandado de segurança, por ser tados e deverá ser interposto perante o juízo que não conheceu
impugnável mediante recurso ordinário. É admissível a obten- do recurso, admitindo-se o juízo de retração. Assim, interposto
12. Direito Processual do Trabalho 287

o agravo de instrumento, o juiz poderá reconsiderar a decisão comprovação do depósito recursal e do recolhimento das
agravada, conhecendo do recurso principal, remetendo-o à custas, e facultativamente, com aquelas peças que entenderem
instância superior para sua apreciação. necessárias para o julgamento do apelo.
Sendo mantida a decisão, o juiz deverá intimar o agravado O agravo de instrumento possui efeito devolutivo,
para apresentação das contrarrazões ao agravo de instrumento limitando-se a matéria que será analisada pelo juízo ad quem
e ao recurso principal, nos termos do art. 897, § 6º, da CLT. à validade ou não da decisão denegatória do recurso. Desta
A Lei 12.275, de 29 de junho de 2010, trouxe uma novi- forma, somente se o agravo de instrumento for provido poderá
dade nas regras de interposição do agravo de instrumento na o Tribunal examinar o recurso que foi trancado.
esfera trabalhista. Todavia, por não possuir efeito suspensivo, o meio ade-
A Lei em questão incluiu o § 7º no art. 899 da CLT, criando quado para obtenção desse efeito é o pedido de tutela pro-
a necessidade de depósito recursal para a interposição de visória cautelar proposta perante o órgão competente para
agravo de instrumento, restrito ao Judiciário Trabalhista, o julgar o recurso, desde que demonstrado o fumus boni iuris e
que exclui, por óbvio, o agravo de instrumento em recurso o periculum in mora.
extraordinário, que tem disciplina própria, conforme art.
1.042 do CPC/2015, e arts. 321 a 329 do Regimento Interno 6.5.4. Agravo de petição
do Supremo Tribunal Federal. Previsto no art. 897, “a”, da CLT, o agravo de petição é o
Por meio do dispositivo legal, no ato de interposição do recurso cabível, no prazo de 8 (oito) dias, em face das deci-
agravo de instrumento, a parte agravante deverá efetuar o sões do Juiz do Trabalho proferidas na fase de execução de
depósito recursal, que corresponderá a 50% (cinquenta por sentença. Desta forma, não existe agravo de petição na fase
cento) do valor do depósito do recurso ao qual se pretende de conhecimento.
destrancar. Nota-se que o citado dispositivo legal utiliza-se Embora o texto da lei não especifique qual tipo de decisão
do termo “no ato”, o que obriga a parte recorrente recolher poderá ser impugnável, a doutrina dominante sustenta que
e comprovar o recolhimento do depósito recursal no ato de somente decisões definitivas (art. 487 do CPC/2015) ou termi-
interposição do recurso, o que afasta a aplicação da Súmula nativas de feito (art. 485 do CPC/2015) podem ser impugnadas
245 do TST no presente recurso. via agravo de petição. Essa doutrina se baseia no princípio da
No entanto, o § 8º do mesmo dispositivo, de acordo com irrecorribilidade imediata das decisões interlocutórias, que
a redação dada pela Lei 13.015/2014 quando o agravo de ins- não admite a imediata interposição de recurso contra essas
trumento tiver a finalidade de destrancar recurso de revista decisões.
que se insurge contra decisão que contraria a jurisprudência No entanto, admite-se a interposição de agravo de petição
uniforme do TST, consubstanciada nas suas súmulas ou em contra decisão interlocutória, desde que terminativa de feito.
orientação jurisprudencial, não haverá obrigatoriedade de se Admitir-se o agravo de petição contra qualquer decisão inter-
efetuar o depósito suprarreferido. locutória, apenas por ter sido proferida na fase de execução de
O agravo de instrumento será julgado pelo Tribunal que sentença, afrontaria o princípio da irrecorribilidade imediata
seria competente para conhecer do recurso trancado, em das decisões interlocutórias, disciplinada no art. 893, § 1º,
conformidade com o art. 897, § 4º, da CLT. Portanto, primei- da CLT, que tem como finalidade garantir maior celeridade
ramente o Tribunal apreciará o agravo de instrumento e, enten- processual. Desta forma, as decisões interlocutórias, que não
dendo por seu provimento, passará a julgar o recurso principal. sejam terminativas de feito, estão sujeitas ao apelo no momento
processual adequado por meio dos embargos à execução.
Em conformidade com o art. 1º da IN 40/2016 do TST
admitido apenas parcialmente o recurso de revista, constitui Ademais, o art. 855-A, § 1º, II, da CLT determina que a
ônus da parte impugnar, mediante agravo de instrumento, o decisão interlocutória que acolher ou rejeitar o incidente de
capítulo denegatório da decisão, sob pena de preclusão. Com desconsideração da personalidade jurídica proferida na fase
isso, o TST cancelou sua Súmula 285 que determinava impró- de execução, independentemente de garantia do juízo, será
pria a interposição de agravo de instrumento nessa hipótese. recorrível de imediato via agravo de petição. No entanto, caso
a decisão ocorra na fase cognitiva, não ensejará a interposição
6.5.3.1. Processamento de recurso imediato, nas linhas do art. 893, § 1º, CLT.
Diferente do processo civil, em que o agravo de instru- 6.5.4.1. Delimitação de matérias e valores
mento é interposto diretamente no Tribunal, nos domínios do
processo do trabalho deverá ser interposto no juízo a quo, na O art. 897, § 1º, da CLT traz em seu bojo um requisito
medida em que se admite a retratação do juízo. especial de admissibilidade do agravo de petição. Trata-se da
delimitação de matérias e valores.
As partes, agravante e agravado, deverão instruir a petição
do agravo de instrumento e suas contrarrazões com as peças Dispõe o art. 897, § 1º, da CLT:
necessárias para o julgamento de ambos os recursos. Art. 897 (...)
Nos exatos termos do art. 897, § 5º, da CLT, sob pena § 1º – O agravo de petição só será recebido quando o agravante
de não conhecimento, as partes promoverão a formação do delimitar, justificadamente, as matérias e os valores impugna-
instrumento do agravo de modo a possibilitar, caso provido, o dos, permitida a execução imediata da parte remanescente até
imediato julgamento do recurso denegado, instruindo a peti- o final, nos próprios autos ou por carta de sentença.
ção de interposição obrigatoriamente com cópias da decisão Desse modo, para que o recurso seja admitido, deverá
agravada, da certidão da respectiva intimação, das procura- o agravante delimitar as matérias impugnadas e os valores
ções outorgadas aos advogados do agravante e do agravado, controversos, a fim de que se proceda a execução definitiva
da petição inicial, da contestação, da decisão originária, da da parte não impugnada.
288 Hermes Cramacon

Nesse sentido, vale trazer à baila o entendimento cristali- dado de segurança pode, pelo princípio de fungibilidade
zado na Súmula 416 do TST: recursal, ser recebido como agravo regimental. Hipótese de
não conhecimento do recurso pelo TST e devolução dos autos
SÚMULA 416 TST – MANDADO DE SEGURANÇA. EXECUÇÃO. ao TRT, para que aprecie o apelo como agravo regimental.
LEI 8.432/1992. ART. 897, § 1º, DA CLT. CABIMENTO
Devendo o agravo de petição delimitar justificadamente a Todavia, o TST entende não ser aplicável o princípio da
matéria e os valores objeto de discordância, não fere direito fungibilidade em se tratando de agravo inominado ou agravo
líquido e certo o prosseguimento da execução quanto aos regimental contra decisão proferida por órgão colegiado, em
tópicos e valores não especificados no agravo. razão do erro grosseiro na interposição do recurso inadequado.
Assim, dispõe a orientação jurisprudencial 412 da SDI 1
6.5.4.2. Processamento do TST:
Deverá ser interposto no prazo de 8 (oito) dias na vara ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 412 da SDI 1 do TST AGRAVO
do trabalho em que estiver tramitando a execução. O recurso INTERNO OU AGRAVO REGIMENTAL. INTERPOSIÇÃO EM FACE
consiste na peça de interposição, bem como as razões recursais, DE DECISÃO COLEGIADA. NÃO CABIMENTO. ERRO GROS-
não se esquecendo da delimitação de matérias e valores. SEIRO. INAPLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE
Para a interposição não há o requisito do preparo, na RECURSAL.
medida em que as custas serão pagas apenas ao final do É incabível agravo interno (art. 1.021 do CPC de 2015, art. 557,
processo, nos termos do art. 789-A, IV, da CLT. Já o depósito § 1º, do CPC de 1973) ou agravo regimental (art. 235 do RITST)
recursal somente será exigido caso a execução não esteja contra decisão proferida por Órgão colegiado. Tais recursos
destinam-se, exclusivamente, a impugnar decisão monocrática
devidamente garantida.
nas hipóteses previstas. Inaplicável, no caso, o princípio da fun-
Nesse sentido é a súmula 128, II, do TST: gibilidade ante a configuração de erro grosseiro.
SÚMULA 128 TST (...) 6.5.5.1. Processamento
II – Garantido o juízo, na fase executória, a exigência de depó-
sito para recorrer de qualquer decisão viola os incisos II e LV
O agravo regimental deverá ser interposto perante o
do art. 5º da CF/1988. Havendo, porém, elevação do valor Desembargador ou Ministro relator que prolatou a decisão,
do débito, exige-se a complementação da garantia do juízo. devendo o agravante requerer sua reconsideração ou, suces-
sivamente, o encaminhamento ao órgão competente para a
apreciação do agravo, qual seja, a Turma ou o Pleno do Tribu-
6.5.5. Agravo regimental nal, a depender do respectivo regimento interno, não havendo
O agravo regimental encontra-se previsto no art. 709, § 1º, oportunidade para apresentação de contrarrazões, tampouco
da CLT, na Lei 7.701/1988 e, ainda, nos regimentos internos sustentação oral.
dos Tribunais Regionais e do Tribunal Superior do Trabalho. Caso não haja disposição no regimento interno do tribu-
O agravo regimental é cabível em face das decisões nal sobre a necessidade da formação do instrumento, não há
monocráticas dos juízes relatores dos Tribunais Regionais ou necessidade do agravante trazer cópias dos autos principais
do Tribunal Superior do Trabalho que negarem seguimento a para tanto, como ocorre no agravo de instrumento. Nesse
recursos no 2º juízo de admissibilidade. Admite-se, outrossim, sentido a SDI 1 do TST editou a Orientação Jurisprudencial
nos termos do art. 894, § 4º, da CLT, redação dada pela Lei 132, in verbis:
13.015/2014, a interposição do agravo regimental em face da
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 132 SDI 1 TST – AGRAVO
decisão denegatória dos embargos. E, por último, como ensina REGIMENTAL. PEÇAS ESSENCIAIS NOS AUTOS PRINCIPAIS.
Renato Saraiva (Curso de Direito Processual do Trabalho. 4. ed.
Inexistindo lei que exija a tramitação do agravo regimental em
São Paulo: Método, 2007. p. 492), admite-se o agravo regimen-
autos apartados, tampouco previsão no Regimento Interno do
tal para o “reexame pelo tribunal das decisões monocráticas
Regional, não pode o agravante ver-se apenado por não haver
proferidas por seus próprios juízes (...)” colacionado cópia de peças dos autos principais, quando o
O prazo para interposição do agravo regimental varia de agravo regimental deveria fazer parte dele.
acordo com o regimento interno de cada Tribunal, que, de
modo geral, fixam o prazo de cinco dias para sua interposição. Vale ressaltar que o agravo regimental não está sujeito
No TST, de acordo com o art. 235 de seu regimento interno, ao recolhimento de custas e depósito recursal, não havendo,
o prazo é de 8 dias para a interposição do agravo regimental portanto, o pressuposto extrínseco do preparo.
para o Tribunal Pleno. Em caso de agravo regimental com caráter procrasti-
O TST admite, em observância ao princípio da fungi- natório, casos em que o recurso se mostra manifestamente
bilidade, o recebimento de recurso ordinário como agravo inadmissível ou infundado, aplica-se a multa entre 1% e 10%
regimental, como ensina a Orientação jurisprudencial 69 da do valor corrigido da causa, ficando a interposição de qualquer
SDI 2 do TST. outro recurso condicionada ao depósito do respectivo valor,
conforme art. 1.021, §§ 4º e 5º, do CPC/2015.
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 69 SDI 2 TST – FUNGIBILI-
DADE RECURSAL. INDEFERIMENTO LIMINAR DE AÇÃO RESCI- 6.5.6. Recurso de revista
SÓRIA OU MANDADO DE SEGURANÇA. RECURSO PARA O TST.
RECEBIMENTO COMO AGRAVO REGIMENTAL E DEVOLUÇÃO Previsto no art. 896 da CLT, é um recurso de natureza
DOS AUTOS AO TRT. extraordinária que visa a atacar decisões proferidas pelos TRTs
Recurso ordinário interposto contra despacho monocrático em dissídios individuais em grau de recurso ordinário. Tem
indeferitório da petição inicial de ação rescisória ou de man- como objetivo uniformizar a interpretação jurisprudencial dos
12. Direito Processual do Trabalho 289

Tribunais acerca da legislação constitucional, federal e estadual de qualquer outro pressuposto extrínseco ou intrínseco de
e, ainda, a aplicabilidade de determinados instrumentos nor- admissibilidade.
mativos como acordo coletivo, convenção coletiva, sentença A Lei 13.015/2014 que trouxe nova sistemática para o
normativa e regulamento de empresa. processamento de recursos no TST introduziu o art. 896, §
Deverá ser interposto no prazo de 8 (oito) dias, dirigido ao 1º-A na CLT que determina ser ônus da parte, sob pena de
Presidente do Tribunal recorrido, estando sujeito ao pagamento não conhecimento do recurso:
de custas e depósito recursal.
I – indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o
Por possuir natureza extraordinária, o recurso de revista prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista;
não admite o reexame de matéria fática e probatória, em con-
II – indicar, de forma explícita e fundamentada, contrariedade
formidade com a Súmula 126 do TST.
a dispositivo de lei, súmula ou orientação jurisprudencial do Tri-
SÚMULA 126 TST – RECURSO. CABIMENTO. bunal Superior do Trabalho que conflite com a decisão regional;
Incabível o recurso de revista ou de embargos (arts. 896 e 894, III – expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os
“b”, da CLT) para reexame de fatos e provas. fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante
demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Consti-
tuição Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja
6.5.6.1. Requisitos especiais contrariedade aponte.
Ao interpor o recurso de revista, além dos pressupostos IV – transcrever na peça recursal, no caso de suscitar preliminar
gerais de admissibilidade dos recursos, exige-se, ainda, que o de nulidade de julgado por negativa de prestação jurisdicional,
recorrente demonstre o preenchimento de mais dois pressu- o trecho dos embargos declaratórios em que foi pedido o pro-
nunciamento do tribunal sobre questão veiculada no recurso
postos especiais, quais sejam, a transcendência e o preques-
ordinário e o trecho da decisão regional que rejeitou os embar-
tionamento. gos quanto ao pedido, para cotejo e verificação, de plano, da
Para que a questão esteja devidamente prequestionada, ocorrência da omissão.
exige-se que a matéria já tenha sido objeto de debates no Nesse ponto é de suma importância a observância da
acórdão guerreado. É importante lembrar que, de acordo com Súmula 337 do TST, que impõe critérios para a comprovação
a Súmula 98 do STJ, admitem-se os embargos de declaração da divergência justificadora do recurso. Desta forma, é neces-
exclusivamente com fins de prequestionamento. sário que o recorrente:
Nos termos da Súmula 297 do TST, diz-se prequestionada I) junte certidão ou cópia autenticada do acórdão paradigma
a matéria ou questão quando na decisão impugnada tiver sido ou cite a fonte oficial ou o repositório autorizado em que foi
adotada, explicitamente, tese a respeito. publicado; e
Já transcendência nos remete a repercussão, ou seja, a ques- II) transcreva, nas razões recursais, as ementas e/ou trechos dos
tão debatida no recurso deverá ter repercussão nos aspectos acórdãos trazidos à configuração do dissídio, demonstrando
econômicos, jurídicos, políticos e social. o conflito de teses que justifique o conhecimento do recurso,
Nos termos do art. 896-A, § 1º, da CLT São indicadores ainda que os acórdãos já se encontrem nos autos ou venham
de transcendência, entre outros: a ser juntados com o recurso.
I – econômica: o elevado valor da causa; Vale dizer, ainda, que, nos termos da Súmula 337 do TST,
II – política: o desrespeito da instância recorrida à jurisprudên- a mera indicação da data de publicação, em fonte oficial, de
cia sumulada do Tribunal Superior do Trabalho ou do Supremo aresto paradigma é inválida para comprovação de divergência
Tribunal Federal; jurisprudencial.
III – social: a postulação, por reclamante-recorrente, de direito Todavia, esclarece o item IV da referida súmula que é
social constitucionalmente assegurado; válida para a comprovação da divergência jurisprudencial
IV – jurídica: a existência de questão nova em torno da inter- justificadora do recurso a indicação de aresto extraído de repo-
pretação da legislação trabalhista. sitório oficial na internet, desde que o recorrente: a) transcreva
Caso o recorrente não demonstre que o recurso de revista o trecho divergente; b) aponte o sítio de onde foi extraído; e c)
possua transcendência, poderá o relator, monocraticamente, decline o número do processo, o órgão prolator do acórdão e a
denegar seguimento ao recurso, cabendo agravo ao órgão cole- data da respectiva publicação no Diário Eletrônico da Justiça
giado, contra tal decisão. Poderá o recorrente, ainda, realizar do Trabalho.
sustentação oral sobre a questão da transcendência, durante
cinco minutos em sessão. 6.5.6.2. Hipóteses de cabimento
Apresentada a sustentação oral e mantido o voto do relator O cabimento do recurso de revista merece ser estudado
quanto à não transcendência do recurso, será lavrado acórdão com maior enfoque. Isso porque as hipóteses de cabimento
com fundamentação sucinta, que constituirá decisão irrecor- do recurso em estudo variam de acordo com o procedimento
rível no âmbito do tribunal. adotado.
Ao lado dos pressupostos gerais de admissibilidade dos 6.5.6.2.1. Procedimento ordinário
recursos, sem o preenchimento desses dois pressupostos
específicos o recurso não será conhecido. No procedimento comum/ordinário, o recurso de revista
é cabível nas hipóteses trazidas nas alíneas do art. 896 conso-
Assim, determina o § 14 do art. 896 da CLT ensina que o lidado, que assim dispõem:
relator do recurso de revista poderá denegar-lhe seguimento,
em decisão monocrática, nas hipóteses de intempestividade, Art. 896. Cabe Recurso de Revista para Turma do Tribunal
deserção, irregularidade de representação ou de ausência Superior do Trabalho das decisões proferidas em grau de
290 Hermes Cramacon

recurso ordinário, em dissídio individual, pelos Tribunais hipótese de recurso de revista por contrariedade entre súmula
Regionais do Trabalho, quando: ou Orientação jurisprudencial do TST ou ainda entre súmula
a) derem ao mesmo dispositivo de lei federal interpretação vinculante do STF.
diversa da que lhe houver dado outro Tribunal Regional do Tra- Nessa hipótese, a interposição do recurso de revista se
balho, no seu Pleno ou Turma, ou a Seção de Dissídios Individuais justifica tendo em vista que o acórdão recorrido contraria uma
do Tribunal Superior do Trabalho, ou contrariarem súmula de
súmula ou orientação jurisprudencial do TST ou, ainda, se o
jurisprudência uniforme dessa Corte ou súmula vinculante do
acórdão recorrido contrariar uma súmula vinculante do STF.
Supremo Tribunal Federal;
b) derem ao mesmo dispositivo de lei estadual, Convenção Em que pese não constar expressamente do dispositivo
Coletiva de Trabalho, Acordo Coletivo, sentença normativa legal em comento a possibilidade de cabimento de recurso
ou regulamento empresarial de observância obrigatória em de revista por contrariedade a orientação jurisprudencial, é
área territorial que exceda a jurisdição do Tribunal Regional possível entender que ele é cabível, pela própria redação do
prolator da decisão recorrida, interpretação divergente, na art. 896, § 1º-A, II, da CLT que determina que a parte deverá
forma da alínea a; indicar, de forma explícita e fundamentada, contrariedade a
c) proferidas com violação literal de disposição de lei federal dispositivo de lei, súmula ou orientação jurisprudencial do
ou afronta direta e literal à Constituição Federal. Tribunal Superior do Trabalho que conflite com a decisão
Assim, de acordo com o art. 896 da CLT no procedi- regional, sob pena de não conhecimento do recurso.
mento ordinário é cabível o recurso de revista nas seguintes b) Divergência na interpretação de lei estadual, convenção
hipóteses: coletiva, sentença normativa ou regulamento de empresa
a) Divergência na interpretação de lei federal ou contrarie- A alínea “b” do art. 896 da CLT prevê a hipótese que a
dade à súmula vinculante do STF, súmula ou OJ do TST divergência que dá ensejo ao recurso de revista ocorre na
De acordo com a disposição da alínea “a” do citado art. interpretação de lei estadual, convenção coletiva, sentença
896 do diploma consolidado podemos extrair duas hipóteses normativa ou regulamento de empresa.
de cabimento, são elas: Desta forma, caso o acórdão interprete uma dessas espécies
I.) Divergência na interpretação de lei federal normativas de forma diversa à interpretação dada ao mesmo
dispositivo por outro Tribunal Regional do Trabalho, pela SDI,
A divergência capaz de ensejar o cabimento do recurso de por meio de suas orientações jurisprudenciais ou por súmulas
revista deve ser oriunda dos órgãos da Justiça do Trabalho. do TST, caberá o recurso de revista com fulcro na alínea “b”.
Assim, caberá recurso de revista com fulcro na primeira
parte da alínea “a” do art. 896 da CLT sempre que o acórdão 6.5.6.2.1.1. Divergência jurisprudencial
guerreado interpretar uma lei federal de forma diversa à Com a entrada em vigor da Lei 13.015/2014, a Justiça do
interpretação dada ao mesmo dispositivo de lei federal por Trabalho passa a ter nova sistemática recursal, cujas alterações
súmula de outro Tribunal Regional do Trabalho ou pela Seção mais significativas residem nos critérios de admissibilidade do
de Dissídios Individuais do TST. recurso de revista.
Vale frisar que a interpretação jurisprudencial deve estar A divergência apta a ensejar o recurso de revista deve ser
relacionada com o mesmo dispositivo de lei federal, o que a atual, não se considerando como tal a ultrapassada por súmula
doutrina costuma chamar de divergência específica. Nesse do Tribunal Superior do Trabalho ou do Supremo Tribunal
sentido é a Súmula 296 do TST: Federal, ou superada por iterativa e notória jurisprudência
SÚMULA 296 TST – RECURSO. DIVERGÊNCIA JURISPRUDEN- do Tribunal Superior do Trabalho, nos termos do § 7º do art.
CIAL. ESPECIFICIDADE. 896 da CLT.
I – A divergência jurisprudencial ensejadora da admissibili- Nessa mesma linha é a Súmula 333 do TST, que assim
dade, do prosseguimento e do conhecimento do recurso há dispõe:
de ser específica, revelando a existência de teses diversas na
interpretação de um mesmo dispositivo legal, embora idên- SÚMULA 333 TST – RECURSOS DE REVISTA. CONHECIMENTO.
ticos os fatos que as ensejaram. Não ensejam recurso de revista decisões superadas por ite-
II – Não ofende o art. 896 da CLT decisão de Turma que, exami- rativa, notória e atual jurisprudência do Tribunal Superior do
nando premissas concretas de especificidade da divergência Trabalho.
colacionada no apelo revisional, conclui pelo conhecimento Para a comprovação da divergência justificadora do
ou desconhecimento do recurso. recurso, determina o § 8º do art. 896 da CLT que, compete ao
A divergência que dá ensejo à interposição do recurso de recorrente o ônus de produzir prova da divergência jurispru-
revista deve ser atual, ou seja, aquela que não for ultrapassada dencial, mediante certidão, cópia ou citação do repositório
por súmula ou superada por iterativa e notória jurisprudência de jurisprudência, oficial ou credenciado, inclusive em mídia
do TST. Nessa linha é a Súmula 333 do TST, que assim dispõe: eletrônica, em que houver sido publicada a decisão divergente,
ou ainda pela reprodução de julgado disponível na internet,
SÚMULA 333 TST – RECURSOS DE REVISTA. CONHECIMENTO. com indicação da respectiva fonte, mencionando, em qualquer
Não ensejam recurso de revista decisões superadas por ite- caso, as circunstâncias que identifiquem ou assemelhem os
rativa, notória e atual jurisprudência do Tribunal Superior do casos confrontados.
Trabalho.
Nesse mesmo sentido, como já estudamos, é a Súmula 337
II.) Contrariedade entre súmula ou Orientação jurisprudencial do TST que ensina ser necessário que o recorrente:
do TST ou entre súmula vinculante do STF;
A 2ª parte da alínea “a” do art. 896 da CLT prevê ainda a
12. Direito Processual do Trabalho 291

a) junte certidão ou cópia autenticada do acórdão paradigma 6.5.6.2.2. Procedimento sumaríssimo


ou cite a fonte oficial ou o repositório autorizado em que foi
De acordo com o § 9º do art. 896 da CLT, nas causas
publicado e
sujeitas ao procedimento sumaríssimo, somente será admitido
b) transcreva, nas razões recursais, as ementas e/ou trechos dos recurso de revista por contrariedade a súmula de jurisprudên-
acórdãos trazidos à configuração do dissídio, demonstrando cia uniforme do Tribunal Superior do Trabalho ou a súmula
o conflito de teses que justifique o conhecimento do recurso, vinculante do Supremo Tribunal Federal e por violação direta
ainda que os acórdãos já se encontrem nos autos ou venham da Constituição Federal.
a ser juntados com o recurso.
Nota-se, portanto, que, em se tratando de procedimento
A citada súmula ensina, ainda, que a mera indicação da sumaríssimo, o recurso de revista é admitido por violação
data de publicação, em fonte oficial, de aresto paradigma é da Constituição Federal, súmula vinculante do STF e por
inválida para comprovação de divergência jurisprudencial. contrariedade à súmula do TST, mas não por contrariedade
Todavia, esclarece o item IV da referida súmula que é à Orientação Jurisprudencial, em conformidade com o
válida para a comprovação da divergência jurisprudencial entendimento consubstanciado na Súmula 442 do TST, que
justificadora do recurso a indicação de aresto extraído de repo- assim dispõe:
sitório oficial na internet, desde que o recorrente transcreva o
trecho divergente; aponte o sítio (site da internet) de onde foi SÚMULA 442 TST – PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO. RECURSO
extraído e decline o número do processo, o órgão prolator do DE REVISTA FUNDAMENTADO EM CONTRARIEDADE A ORIEN-
acórdão e a data da respectiva publicação no Diário Eletrônico TAÇÃO JURISPRUDENCIAL. INADMISSIBILIDADE. ART. 896, § 6º,
DA CLT, ACRESCENTADO PELA LEI 9.957, DE 12.01.2000
da Justiça do Trabalho.
Nas causas sujeitas ao procedimento sumaríssimo, a admissi-
C) Violação de literal dispositivo de lei federal ou da Cons- bilidade de recurso de revista está limitada à demonstração
tituição Federal de violação direta a dispositivo da Constituição Federal ou
Nessa hipótese, prevista na alínea c do art. 896 da CLT, o contrariedade a Súmula do Tribunal Superior do Trabalho,
acórdão guerreado viola diretamente dispositivo de lei federal não se admitindo o recurso por contrariedade a Orientação
ou da CF. Portanto, a decisão recorrida deve tratar da matéria Jurisprudencial deste Tribunal (Livro II, Título II, Capítulo III, do
explicitamente, surgindo assim a necessidade do prequestio- RITST), ante a ausência de previsão no art. 896, § 6º, da CLT.
namento. OBS: as hipóteses de recurso de revista no procedimento
Nota-se que nessa hipótese não há divergência jurispru- sumaríssimo eram previstas no § 6º do art. 896 da CLT, como
dencial, mas sim afronta direta à lei federal ou à Constituição indicado na súmula em estudo. Após a edição da Lei 13.015/2014
Federal. as hipóteses passaram a estar previstas no § 9º do art. 896 con-
Em se tratando de recurso de revista por violação de lei solidado.
federal ou da Constituição Federal, a indicação do dispositivo 6.5.6.2.3. Recurso de revista em execução
constitucional ou infraconstitucional tido como violado deverá
ser indicado expressamente no recurso, sob pena de não ser A Lei 13.015/2014 que conferiu nova sistemática para os
conhecido, nos termos do art. 896, § 1º-A, da CLT. recursos trabalhistas, em especial ao recurso de revista, inovou
sobre esse recurso na fase executória.
Nesse mesmo sentido, dispõe a Súmula 221 do TST:
De acordo com a antiga legislação, nos termos do § 2º do
SÚMULA 221 DO TST – RECURSO DE REVISTA. VIOLAÇÃO DE art. 896 da CLT o cabimento do recurso de revista na fase de
LEI. INDICAÇÃO DE PRECEITO. execução se limitava as hipóteses de ofensa direta e literal de
A admissibilidade de recurso de revista por violação tem como norma da Constituição Federal.
pressuposto a indicação expressa do dispositivo de lei ou da No entanto, a atual legislação inovou estabelecendo no
Constituição tido como violado. art. 896 da CLT, § 10 a possibilidade também de recurso de
Nessa linha, vale destacar a disposição da Orientação revista nas execuções fiscais e nas controvérsias da fase de
Jurisprudencial 257 da SDI 1 do TST: execução que envolvam a Certidão Negativa de Débitos Tra-
balhistas (CNDT), sempre que o acórdão recorrido violar lei
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 257 SDI 1 do TST – RECURSO
federal ou por divergência jurisprudencial e ainda por ofensa
DE REVISTA. FUNDAMENTAÇÃO. VIOLAÇÃO DE LEI. VOCÁBULO
VIOLAÇÃO. DESNECESSIDADE
à Constituição Federal.
A invocação expressa no recurso de revista dos preceitos Notamos aqui um tratamento diferenciado em relação à
legais ou constitucionais tidos como violados não significa Fazenda Pública. Isso porque, quando o autor da ação for a
exigir da parte a utilização das expressões “contrariar”, “ferir”, Fazenda Pública, poderá o executado recorrer de revista com
“violar” etc. fundamento em simples divergência jurisprudencial, violação
de lei federal ou à Constituição Federal. No entanto, no mesmo
Por último, ensina a Súmula 459 do TST: contexto, sempre que o exequente e executado forem empre-
SÚMULA 459 TST – RECURSO DE REVISTA. NULIDADE POR gado e empregador, o recurso de revista terá seu cabimento
NEGATIVA DE PRESTAÇÃO JURISDICIONAL restringido nos termos do § 2º do art. 896 da CLT, ou seja, por
ofensa à Constituição Federal.
O conhecimento do recurso de revista, quanto à preli-
minar de nulidade, por negativa de prestação jurisdicional, Como mencionado, o §10 do art. 896 permite a interposi-
supõe indicação de violação do art. 832 da CLT, do art. 489 ção de recurso de revista nas controvérsias da fase de execução
do CPC de 2015 (art. 458 do CPC de 1973) ou do art. 93, IX, que envolvam a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas
da CF/1988. (CNDT), criada pela Lei 12.440, de 7 de julho de 2011, tratada
no art. 642-A da CLT.
292 Hermes Cramacon

Importante lembrar a CNDT é um documento, obrigatório 6.5.6.2.5. Processamento


para participação em licitações públicas. Ela também é uma
Inicialmente, a IN 39/2016 determina a aplicação ao Pro-
importante ferramenta nas negociações imobiliárias, pois
cesso do Trabalho as normas dos arts. 976 a 986 do CPC/2015
registra possíveis penhoras de imóveis por dívida trabalhista
que regem o incidente de resolução de demandas repetitivas.
de pessoas físicas ou jurídicas.
Para melhor compreendermos o processamento do
Portanto, a atual legislação não retirou a possibilidade
recurso repetitivo é importante lembrarmos dos órgãos que
de recurso de revista na fase de execução de sentença em
compõem o TST, bem como suas competências.
quaisquer processos, sempre que a decisão ofender a CF, mas
elasteceu as hipóteses de cabimento, permitindo a interposição Pois bem, o TST é composto por 8 turmas que têm com-
do recurso de revista, nas seguintes hipóteses: petência de julgar recurso de revista, bem como os agravos
de instrumentos que visam destrancá-lo, além de outras.
a) fase de execução de sentença: caberá recurso de revista das
Também compõe o TST as Seções de Dissídios individuais 1
decisões que ofenderem a Constituição Federal, nos termos do
com competência para julgar recursos oriundos das varas do
§ 2º do art. 896 da CLT;
trabalho e a Seção de Dissídios individuais 2 competente para
b) execuções fiscais: por violação a lei federal, por divergência julgar os recursos oriundos dos Tribunais em caso de compe-
jurisprudencial e por ofensa à Constituição Federal; tência originária de dissídios individuais e ainda a Seção de
c) nas controvérsias da fase de execução que envolvam a Dissídios Coletivos, competentes para apreciação de recursos
Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT): por em dissídios coletivos. Temos ainda o órgão especial e o órgão
violação a lei federal, por divergência jurisprudencial e por pleno. A competência de cada órgão vem disciplinada no Regi-
ofensa à Constituição Federal. mento Interno do TST, Resolução administrativa 1.295/2008,
Desta forma, a Súmula 266 do TST continua em pleno arts. 67 a 72.
vigor: O recurso de revista repetitivo, por ter uma extensão mais
ampla, pois um número muito maior de jurisdicionados serão
SÚMULA 266 DO TST – RECURSO DE REVISTA. ADMISSIBI-
atingidos pela decisão, é de competência da SDI 1 do TST e
LIDADE. EXECUÇÃO DE SENTENÇA.
não de uma das Turmas, como os recursos de revista em geral.
A admissibilidade do recurso de revista interposto de acórdão Porém se a SDI entender que o tema é de extrema importân-
proferido em agravo de petição, na liquidação de sentença ou cia, extrema relevância social, poderá delegar o julgamento
em processo incidente na execução, inclusive os embargos de
ao Órgão Pleno do TST, decisão tomada por maioria simples.
terceiro, depende de demonstração inequívoca de violência
direta à Constituição Federal. Somente poderão ser afetados recursos representativos
da controvérsia que sejam admissíveis e que contenham
6.5.6.2.4. Recurso repetitivo ou julgamento por abrangente argumentação e discussão a respeito da questão
amostragem a ser decidida.
Previsto nos arts. 896-B e 896-C da CLT, introduzidos Nos termos do art. 2º da Instrução Normativa 38 do TST,
pela Lei 13.015/2014, o legislador confere ao TST a possibili- a proposta de afetação deverá ser feita pelo relator de uma das
dade de julgamento de recursos repetitivos, ou seja, recursos turmas que poderá considerar determinada matéria repetitiva,
que tratam de matérias idênticas, que se fundam em idêntica comunicando ao Presidente da turma, que encaminhará ao
questão de direito. Presidente da SDI-1. Ato seguinte, o Presidente da SDI, após
Os parâmetros procedimentais para dar efetividade ao solicitar recursos da mesma matéria às outras turmas do TST,
referido instituto estão disciplinados no ato normativo 491 do submeterá a proposta de recurso repetitivo ao colegiado no
TST e Instrução Normativa 38 do TST. prazo máximo de 30 dias de seu recebimento.
Dispõe o art. 896-C da CLT: A partir daí, duas situações poderão ocorrer. Acolhida a
proposta, por maioria simples, o colegiado também decidirá se
“Quando houver multiplicidade de recursos de revista fundados a questão será analisada pela própria SDI-1 ou se será decidida
em idêntica questão de direito, a questão poderá ser afetada pelo Tribunal Pleno, inciso I do § 3º, do art. 2º da Instrução
à Seção Especializada em Dissídios Individuais ou ao Tribunal Normativa 38 Nesse caso, o processo será distribuído a um
Pleno, por decisão da maioria simples de seus membros, mediante Ministro Relator e a um Revisor do órgão jurisdicional corres-
requerimento de um dos Ministros que compõem a Seção Espe- pondente, ou seja, SDI-1 ou Tribunal Pleno para sua tramitação
cializada, considerando a relevância da matéria ou a existência nos termos do artigo 896-C da CLT.
de entendimentos divergentes entre os Ministros dessa Seção ou
das Turmas do Tribunal.” Porém, sendo rejeitada a proposta, os autos serão devol-
vidos à Turma respectiva, para que o julgamento do recurso
Quando houver diversos processos discutindo a mesma de revista prossiga regularmente, art. 2º, § 3º, IV, da Instrução
questão de direito o TST poderá fazer um julgamento único Normativa 38 TST.
que irá valer para os demais processos.
O Presidente da SDI I que afetar processo para julgamento
Portanto, nos termos do art. 2º da Instrução Normativa sob o rito dos recursos repetitivos deverá expedir comunicação
38 para haver julgamento por recursos repetitivos ou por aos demais Presidentes de Turma, que poderão afetar outros
amostragem, como também é comumente conhecido, são processos sobre a questão para julgamento conjunto, a fim de
necessários dois requisitos; conferir ao órgão julgador visão global da questão.
a) multiplicidade de recursos sobre a matéria; Selecionados os recursos, o relator, na Subseção Especiali-
b) identidade de matéria de direito. Nunca matéria de fato, em zada em Dissídios Individuais ou no Tribunal Pleno, constatada
razão da natureza jurídica extraordinária do recurso. a presença do pressuposto do caput do art. 896-C da CLT,
proferirá decisão de afetação, sempre fundamentada, na qual:
12. Direito Processual do Trabalho 293

I – identificará com precisão a questão a ser submetida a tório, a parte adversa deverá ser ouvida sobre o requerimento,
julgamento; no prazo de 5 (cinco) dias. Reconhecida a distinção dos casos,
II – poderá determinar a suspensão dos recursos de revista será dado prosseguimento normal ao processo, em conformi-
ou de embargos de que trata o § 5º do artigo 896-C da CLT; dade com o § 4º do mesmo dispositivo legal.
III – poderá solicitar aos Tribunais Regionais do Trabalho A decisão que for proferida pelo TST no julgamento desses
informações a respeito da controvérsia, a serem prestadas no processos valerá para todos os processos com matéria idêntica.
prazo de 15 (quinze) dias, e requisitar aos Presidentes ou Vice-
E, assim, determina o § 11 do art. 896-C da CLT:
-Presidentes dos Tribunais Regionais do Trabalho a remessa de
até dois recursos de revista representativos da controvérsia; § 11. Publicado o acórdão do Tribunal Superior do Trabalho, os
IV – concederá o prazo de 15 (quinze) dias para a manifesta- recursos de revista sobrestados na origem:
ção escrita das pessoas, órgãos ou entidades interessados na I – terão seguimento denegado na hipótese de o acórdão recor-
controvérsia, que poderão ser admitidos como amici curiae.3 rido coincidir com a orientação a respeito da matéria no Tribunal
V – informará aos demais Ministros sobre a decisão de afetação; Superior do Trabalho; ou
VI – poderá conceder vista ao Ministério Público e às partes, II – serão novamente examinados pelo Tribunal de origem na
nos termos e para os efeitos do § 9º do artigo 896-C da CLT. hipótese de o acórdão recorrido divergir da orientação do Tribu-
Pois bem, uma vez proferida a decisão de afetação, O Presi- nal Superior do Trabalho a respeito da matéria.
dente do Tribunal Superior do Trabalho oficiará os Presidentes Portanto, publicado o acórdão paradigma pelo TST, no
dos Tribunais Regionais do Trabalho, com cópia da decisão de caso de o acórdão recorrido coincidir com sua orientação, o
afetação, para que suspendam os recursos de revista interpostos Presidente ou Vice-Presidente do Tribunal de origem, a depen-
em casos idênticos aos afetados como recursos repetitivos e der do regimento interno, negará seguimento aos recursos de
ainda não encaminhados a este Tribunal, bem como os recur- revista sobrestados na origem. No entanto, na hipótese de o
sos ordinários interpostos contra as sentenças proferidas em acórdão recorrido contrariar a orientação do Tribunal Superior,
casos idênticos aos afetados como recursos repetitivos, até o o TRT que proferiu esse acórdão objeto do recurso, na origem,
pronunciamento definitivo do Tribunal Superior do Trabalho. reexaminará a causa de competência originária ou o recurso
Como vimos, em conformidade com a Instrução Norma- anteriormente julgado, conforme o caso.
tiva 38, o Presidente do TST deverá comunicar o Presidente de Aqueles processos suspensos em primeiro e segundo graus
todos TRTs para que suspendam o julgamento dos recursos de de jurisdição retomarão o curso para julgamento e aplicação
revista que ainda não subiram. Todavia, determinará também da tese firmada pelo Tribunal Superior.
a suspensão do julgamento de recursos ordinários sobre a Em conformidade com o art. 8º, § 2º, IN 39/2016, TST, do
matéria afetada e que não foram julgados, e ainda, determinará julgamento do mérito do incidente caberá recurso de revista
aos Juízes das Varas do Trabalho que suspendam o julgamento para o Tribunal Superior do Trabalho, dotado de efeito mera-
das ações em trâmite, que contenham essa matéria, de acordo mente devolutivo, nos termos dos arts. 896 e 899 da CLT.
com o disposto no art. 6º da IN 38 TST, até o pronunciamento
Apreciado o mérito do recurso, a tese jurídica adotada
definitivo do Tribunal Superior do Trabalho sobre a matéria.
pelo Tribunal Superior do Trabalho será aplicada no territó-
Assim, admitido o incidente, o relator suspenderá o julga- rio nacional a todos os processos, individuais ou coletivos,
mento dos processos pendentes, individuais ou coletivos, que que versem sobre idêntica questão de direito, art. 8º, § 3º, IN
tramitam na Região, no tocante ao tema objeto de IRDR. A 39/2016 do TST.
suspensão dos processos não prejudicará a instrução integral
Poderá o Tribunal de origem não acatar o posicionamento
das causas e do julgamento dos eventuais pedidos distintos,
firmado pelo TST e manter sua decisão, fundamentando-a.
inclusive, se for o caso, do julgamento antecipado parcial do
mérito, regra disposta no art. 356, §§ 1º a 4º, CPC/2015, art. Para fundamentar a decisão de manutenção do entendi-
8º, § 1º, IN 39/2016 do TST.A suspensão dos recursos e ações, mento, o órgão que proferiu o acórdão recorrido demonstrará
acima estudada poderá ocorrer pelo período máximo de 1 (um) fundamentadamente a existência de distinção, por se tratar
ano, art. 11 da IN 38 TST, razão pela qual o recurso repetitivo de caso particularizado por hipótese fática distinta ou ainda
tem prioridade de julgamento no TST, art. 896-C, § 10, da por questão jurídica não examinada, a impor solução jurídica
CLT. Na hipótese de não ocorrer o julgamento no prazo de diversa, em conformidade com o art. 15 da IN 38 TST.
um ano a contar da publicação da decisão de afetação, cessam Mantido o acórdão divergente pelo Tribunal de origem,
automaticamente, em todo o território nacional, a afetação e o recurso de revista será remetido ao TST, após novo exame
a suspensão dos processos, que retomarão seu curso normal. de sua admissibilidade pelo Presidente ou Vice-Presidente do
As partes deverão ser intimadas da decisão de suspensão Tribunal Regional.
de seu processo, a ser proferida pelo respectivo Relator, art. Por outro lado, caso o TRT realize o juízo de retratação,
9º IN 38 TST. alterando o acórdão divergente, se for o caso, decidirá as demais
Uma vez intimada, qualquer das partes poderá requerer questões ainda não decididas, que surgiram em decorrência
o prosseguimento de seu processo caso demonstre distinção da alteração do acórdão.
entre a questão a ser decidida no seu processo e aquela a ser Alterado o acórdão divergente na forma acima estudada
julgada no recurso afetado, com as exigências dispostas no § 2º e o recurso de revista versar sobre outras questões, caberá
do art. 9º da IN 38 TST Obedecendo ao princípio do contradi- ao Presidente do Tribunal Regional, independentemente de
ratificação do recurso ou juízo de admissibilidade, determinar
a remessa do recurso ao Tribunal Superior do Trabalho para
3 . Amici curiae: expressão plural de amicus curiae (Amigo da julgamento dessas outras questões.
Corte).
294 Hermes Cramacon

6.5.7. Embargos no TST Os embargos de divergência, que objetivam a uniformiza-


ção da jurisprudência interna do TST, que julga os recursos
O recurso de embargos no TST é, na verdade, gênero do
nos dissídios individuais, possuem natureza extraordinária,
qual são espécies os embargos infringentes e os embargos de
não se sujeitando, portanto, à apreciação de matéria fática,
divergência, de acordo com a redação do art. 894 da CLT dada
nas linhas da súmula 126 do TST, necessitando, ainda, que a
pela Lei 11.496/2007.
matéria esteja prequestionada.
O antigo art. 894 da CLT, com redação dada pela Lei
Desta forma, serão cabíveis embargos de divergência em
7.701/1988, previa 3 (três) modalidades de embargos no TST:
4 situações:
embargos de divergência, embargos infringentes e os embargos
de nulidade. a) das decisões das Turmas do Tribunal Superior do Trabalho
que divergirem entre si;
A Lei 11.496/2007, portanto, retirou do sistema recursal
os embargos de nulidade utilizados para atacar decisões do b) se houver divergência entre decisões de uma Turma e a
TST que violassem preceito de lei federal ou da CF, hipóteses Seção Especializada em Dissídios Individuais;
que já haviam sido impugnadas por meio de recurso de revista c) se houver divergência entre uma Turma do Tribunal Superior
(art. 896, “c”, da CLT), o que não justificava sua permanência do Trabalho e súmula ou orientação jurisprudencial do próprio
no sistema recursal. Tribunal Superior do Trabalho;
Dispõe o art. 894 da CLT: d) se houver divergência entre uma Turma do Tribunal Supe-
rior do Trabalho e súmula vinculante do STF.
Art. 894. No Tribunal Superior do Trabalho cabem embargos,
Para o conhecimento do recurso, a lei exige que a
no prazo de 8 (oito) dias:
divergência apta a ensejá-lo deve ser atual, não se conside-
I – de decisão não unânime de julgamento que: rando tal a ultrapassada por súmula do Tribunal Superior
a) conciliar, julgar ou homologar conciliação em dissídios do Trabalho ou do Supremo Tribunal Federal, ou superada
coletivos que excedam a competência territorial dos Tribunais por iterativa e notória jurisprudência do Tribunal Superior
Regionais do Trabalho e estender ou rever as sentenças nor- do Trabalho.
mativas do Tribunal Superior do Trabalho, nos casos previstos
em lei; A atual legislação prevê, ainda, em seu art. 894, § 3º, CLT
que o Ministro Relator denegará seguimento aos embargos:
II – das decisões das Turmas que divergirem entre si ou das
decisões proferidas pela Seção de Dissídios Individuais, ou a) se a decisão recorrida estiver em consonância com súmula
contrárias a súmula ou orientação jurisprudencial do Tribunal da jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho ou do
Superior do Trabalho ou súmula vinculante do Supremo Tribu- Supremo Tribunal Federal, ou com iterativa, notória e atual
nal Federal. (Redação dada pela Lei 13.015/2014) jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho, cumprindo-
-lhe indicá-la e;
6.5.7.1. Embargos infringentes b) nas hipóteses de intempestividade, deserção, irregularidade
Nos termos do art. 894, I, a, da CLT cabem embargos de representação ou de ausência de qualquer outro pressuposto
infringentes das decisões não unânimes proferidas pela seção extrínseco de admissibilidade.
especializada em dissídios coletivos, no prazo de 8 (oito) dias, Dessa decisão do Ministro Relator que denegar seguimento
contados da publicação do acórdão, nos processos de dissídios aos embargos caberá agravo regimental, no prazo de 8 (oito)
coletivos de competência originária do Tribunal. dias, é o que determina o § 4º do art. 894 da CLT.
Os embargos infringentes possuem natureza ordinária, Importante a leitura da nova redação da Súmula 353 do
podendo ser apreciadas matérias fáticas e jurídicas. TST dada pela resolução 208/2016:
Vale destacar que os embargos infringentes não serão
cabíveis caso a decisão guerreada estiver em consonância com SÚMULA 353 TST – EMBARGOS. AGRAVO. CABIMENTO – Não
cabem embargos para a Seção de Dissídios Individuais de
precedentes jurisprudenciais ou súmula do TST.
decisão de Turma proferida em agravo, salvo:
Contra o despacho do Presidente do Tribunal que denegar a) da decisão que não conhece de agravo de instrumento ou
seguimento aos embargos infringentes caberá a interposição de agravo pela ausência de pressupostos extrínsecos;
de agravo regimental, no prazo de 8 (oito) dias, para o Órgão
Especial, Seções Especializadas ou Turmas, observada a com- b) da decisão que nega provimento a agravo contra decisão
petência dos respectivos órgãos, em conformidade com o monocrática do Relator, em que se proclamou a ausência de
Regimento Interno do TST. pressupostos extrínsecos de agravo de instrumento;

Em conformidade com o art. 70, II, “c”, do Regimento c) para revisão dos pressupostos extrínsecos de admissibili-
Interno do TST, os embargos infringentes serão julgados pela dade do recurso de revista, cuja ausência haja sido declarada
Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST. originariamente pela Turma no julgamento do agravo;
d) para impugnar o conhecimento de agravo de instrumento;
6.5.7.2. Embargos de divergência
e) para impugnar a imposição de multas previstas nos arts.
Previsto no art. 894, II, da CLT, caberá embargos, por 1.021, § 4º, do CPC de 2015 ou 1.026, § 2º, do CPC de 2015
divergência jurisprudencial, das decisões entre as Turmas do (art. 538, parágrafo único, do CPC de 1973, ou art. 557, § 2º,
Tribunal Superior do Trabalho ou forem contrárias a súmula do CPC de 1973).
ou orientação jurisprudencial do Tribunal Superior do Tra-
f ) contra decisão de Turma proferida em agravo em recurso
balho ou súmula vinculante do Supremo Tribunal Federal,
de revista, nos termos do art. 894, II, da CLT.
em dissídios individuais, no prazo de 8 (oito) dias, contados
de sua publicação.
12. Direito Processual do Trabalho 295

6.5.7.2.1. Embargos de divergência no CIDA POR MÁ APLICAÇÃO DE SÚMULA OU DE ORIENTAÇÃO


procedimento sumaríssimo JURISPRUDENCI-AL. EXAME DO MÉRITO PELA SDI

Nas causas submetidas ao procedimento sumaríssimo é A SDI, ao conhecer dos embargos, interpostos antes da
possível a interposição de embargos no TST na hipótese de vigência da Lei 11.496/2007, por violação do art. 896 – por
divergências entre Turmas do TST fundada em interpretações má aplicação de súmula ou de orientação jurisprudencial pela
diversas acerca da aplicação de mesmo dispositivo constitucio- Turma –, julgará desde logo o mérito, caso conclua que a revista
nal ou de matéria sumulada, nos termos da Súmula 458 do TST. merecia conhecimento e que a matéria de fundo se encontra
pacificada neste Tribunal.
SÚMULA 458 TST – EMBARGOS. PROCEDIMENTO SUMARÍS- Por último, cabe destacar que o recurso de embargos no
SIMO. CONHECIMENTO. RECURSO INTERPOSTO APÓS VIGÊN- TST está sujeito ao pagamento de custas e depósito recursal.
CIA DA LEI Nº 11.496, DE 22.06.2007, QUE CONFERIU NOVA
REDAÇÃO AO ART. 894, DA CLT. 6.5.7.4. Embargos com repercussão social
Em causas sujeitas ao procedimento sumaríssimo, em que Dispõe o art. 20 da Instrução Normativa 38 do TST que
pese a limitação imposta no art. 896, § 6º, da CLT à interposição quando o julgamento dos embargos à SDI-1 envolver rele-
de recurso de revista, admitem-se os embargos interpostos vante questão de direito, com grande repercussão social, sem
na vigência da Lei 11.496, de 22.06.2007, que conferiu nova repetição em múltiplos processos mas a respeito da qual seja
redação ao art. 894 da CLT, quando demonstrada a divergência conveniente a prevenção ou a composição de divergência entre
jurisprudencial entre Turmas do TST, fundada em interpre- as turmas ou os demais órgãos fracionários do Tribunal Supe-
tações diversas acerca da aplicação de mesmo dispositivo rior do Trabalho, poderá a SDI-1, por iniciativa de um de seus
constitucional ou de matéria sumulada. membros e após a aprovação da maioria de seus integrantes,
OBS: as hipóteses de recurso de revista no procedimento afetar o seu julgamento ao Tribunal Pleno.
sumaríssimo eram previstas no § 6º do art. 896 da CLT, como Para o processamento desse incidente serão aplicadas as
indicado na súmula em estudo. Após a edição da Lei 13.015/2014 normas referentes ao julgamento do recurso de revista repe-
as hipóteses passaram a estar previstas no § 9º do art. 896 con- titivo, acima estudadas.
solidado.
6.5.8. Recurso extraordinário
6.5.7.3. Processamento dos embargos no TST
O recurso extraordinário está previsto no art. 102, III, da
Em qualquer uma das modalidades, os embargos deverão CF, que assim dispõe:
ser opostos no prazo de 8 (oito) dias.
Em se tratando de embargos infringentes, serão esses Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipua-
dirigidos ao Presidente do Tribunal Superior do Trabalho, mente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe: (...)
devendo requerer o encaminhamento das razões recursais à III – julgar, mediante recurso extraordinário, as causas decidi-
Seção Especializada em Dissídios Coletivos. das em única ou última instância, quando a decisão recorrida:
Já os embargos de divergência deverão ser interpostos para a) contrariar dispositivo desta Constituição;
o Presidente da Turma do TST que julgou o recurso, em petição
acompanhada das razões recursais, que serão encaminhadas b) declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal;
à Subseção 1 da Seção Especializada em Dissídios Individuais c) julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face
do Tribunal Superior do Trabalho, em conformidade com o desta Constituição;
art. 71, II, do Regimento Interno do TST.
d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal.
É imprescindível que o recorrente demonstre em seus
No processo do trabalho, somente se admitirá o recurso
embargos a divergência jurisprudencial existente entre as
extraordinário de decisões do TST em grau de embargos ou
turmas do TST.
de sentenças da vara do trabalho em procedimento sumário
Sobre os embargos apresentados antes da edição da Lei (Lei 5.584/1970), desde que as decisões violem literalmente
11.496/2007, vale destacar a OJs Transitórias 78 e 79 da SDI norma da Constituição Federal.
1 do TST:
Tem essa determinação por objetivo o interesse público
OJ-SDI1T-78 EMBARGOS À SDI CONTRA DECISÃO EM RECURSO e não os interesses das partes que estão em litígio, pois visa a
DE REVISTA NÃO CONHECIDO QUANTO AOS PRESSUPOSTOS assegurar o primado da CF e a unidade de interpretação do
INTRÍNSECOS. RECURSO INTERPOSTO ANTES DA VIGÊNCIA DA direito material e processual em todo o território nacional.
LEI 11.496, DE 22.06.2007, QUE CONFERIU NOVA REDAÇÃO O STF já firmou posicionamento no sentido de que
AO ART. 894 DA CLT. NECESSÁRIA A INDICAÇÃO EXPRESSA DE somente as decisões que contrariarem a CF são impugnáveis
OFENSA AO ART. 896 DA CLT. via recurso extraordinário. Nesse sentido é a súmula 505 do
Para a admissibilidade e conhecimento de embargos, Pretório Excelso:
interpostos antes da vigência da Lei 11.496/2007, contra deci-
são mediante a qual não foi conhecido o recurso de revista SÚMULA 505 STF – Salvo quando contrariarem a Constituição,
pela análise dos pressupostos intrínsecos, necessário que a não cabe recurso para o Supremo Tribunal Federal, de quais-
parte embargante aponte expressamente a violação ao art. quer decisões da Justiça do Trabalho, inclusive dos Presidentes
de seus Tribunais.
896 da CLT.
Por possuir natureza extraordinária, não se admite a inter-
OJ-SDI1T-79 EMBARGOS. RECURSO INTERPOSTO ANTES DA posição de recurso extraordinário para o simples reexame de
VIGÊN-CIA DA LEI 11.496, DE 22.06.2007, QUE CONFERIU provas, nos termos da Súmula 279 do STF.
NOVA REDAÇÃO AO ART. 894 DA CLT. REVISTA NÃO CONHE-
296 Hermes Cramacon

6.5.8.1. Processamento 6.5.8.2. Repercussão geral


Deverá ser interposto no prazo de 15 (quinze) dias perante Aos recursos extraordinários interpostos perante o Tribu-
o juízo que proferiu a decisão. Desse modo, o recurso extraordi- nal Superior do Trabalho será aplicado o procedimento previsto
nário interposto em grau de embargos no TST, serão dirigidos no art. 1.036 do CPC/2015, que trata da causa de repercussão
ao Presidente do TST com o pedido de remessa ao STF. Já o geral, cabendo ao Presidente do Tribunal Superior do Trabalho
recurso extraordinário interposto no dissídio de alçada previsto selecionar um ou mais recursos representativos da controvérsia
na Lei 5.584/1970deverá ser endereçado para o juiz da vara do e encaminhá-los ao Supremo Tribunal Federal, sobrestando os
trabalho, com o pedido de remessa ao STF. As razões recursais demais até o pronunciamento definitivo da Corte, na forma
serão dirigidas ao Supremo Tribunal Federal. do § 1º do art. 1.036 do CPC/2015.
Convém destacar que nesse momento processual não se A repercussão geral deve ser demonstrada preliminar-
admite o jus postulandi da parte (art. 791 da CLT), que se esgota mente no recurso extraordinário e constitui uma condição
no TRT, nos termos da Súmula 425 do TST. de admissibilidade. Assim, como no recurso de revista deverá
O recurso extraordinário se submete a dois juízos de tratar de questões relevantes do ponto de vista jurídico, eco-
admissibilidade. O primeiro será exercido pelo Presidente do nômico, social e político, que ultrapassarem os interesses das
Tribunal ou juiz da vara do trabalho (juízo a quo), que poderá partes.
admitir ou negar seguimento ao recurso. Sendo negado segui- O Presidente do Tribunal Superior do Trabalho poderá
mento ao recurso, poderá a parte interessada interpor agravo de oficiar os Tribunais Regionais do Trabalho e os Presidentes das
instrumento visando seu destrancamento. O segundo juízo de Turmas e da Seção Especializada do Tribunal para que suspen-
admissibilidade é exercido pelo próprio STF (juízo ad quem). dam os processos idênticos aos selecionados como recursos
Nesse momento processual, caso seja negado seguimento ao representativos da controvérsia e encaminhados ao Supremo
recurso, por decisão monocrática proferida pelo relator, o Tribunal Federal, até o seu pronunciamento definitivo.
recurso adequado será o agravo regimental. A não aceitação do recurso por falta de repercussão geral
No exame de admissibilidade, além dos pressupostos depende da decisão de 2/3 dos membros do Supremo Tribunal.
genéricos, o recorrente deve observar, ainda, os seguintes Importante dizer que nos termos do § 16 do art. 896-C da
pressupostos específicos: CLT, a decisão firmada em recurso repetitivo não será aplicada
a) existência de uma causa: deve haver uma questão submetida aos casos em que se demonstrar que a situação de fato ou de
à decisão judicial; direito é distinta das presentes no processo julgado sob o rito
b) decisão de única ou última instância: no sentido de que não dos recursos repetitivos. 
é cabível nenhum outro recurso, desde que trate de matéria Por último, caberá revisão da decisão firmada em julga-
constitucional. mento de recursos repetitivos quando se alterar a situação
Decisões de última instância são aquelas proferidas pelo econômica, social ou jurídica, caso em que será respeitada a
TST por meio de suas seções especializadas ou órgão espe- segurança jurídica das relações firmadas sob a égide da decisão
cial. Já as decisões de única instância são aquelas proferidas anterior, podendo o Tribunal Superior do Trabalho modular
pelo TST em casos de sua competência originária que não os efeitos da decisão que a tenha alterado.
forem passíveis de embargos. Também são decisões de única
instância aquelas proferidas nos dissídios de alçada (Lei 6.5.8.3. Recurso repetitivo
5.584/1970), admitindo, portanto, a interposição de recurso Nos termos do art. 19 da Instrução Normativa 38 do TST
extraordinário. aos recursos extraordinários interpostos perante o Tribunal
O recurso extraordinário exige que a matéria esteja Superior do Trabalho será aplicado o procedimento previsto
prequestionada, que pode ser entendida como sendo aquela no Código de Processo Civil para o julgamento dos recursos
matéria que foi amplamente debatida no processo. Dessa extraordinários repetitivos, cabendo ao Presidente do Tri-
forma, deve existir no acórdão impugnado tese explícita acerca bunal Superior do Trabalho selecionar um ou mais recursos
da questão debatida, sob pena de não ficar configurado o pre- representativos da controvérsia e encaminhá-los ao Supremo
questionamento, possibilitando à parte, nesse caso, a oposição Tribunal Federal, sobrestando os demais até o pronunciamento
de embargos de declaração para esse fim. definitivo da Corte.
O recorrente deve, por último, demonstrar repercussão A IN 39/2016 do TST determina a aplicação dos arts. 976 a
geral das questões constitucionais discutidas no processo. 986 do CPC que regem o incidente de resolução de demandas
Significa dizer que a decisão deve conter em seu bojo relevân- repetitivas – IRDR.
cia geral, ou seja, por meio desse requisito a Suprema Corte
passará a analisar decisões que não se limitem aos interesses 6.5.9. Recurso adesivo
dos litigantes, transcendendo-os, repercutindo naqueles da Não há previsão do recurso adesivo na CLT, sendo aplicado
coletividade de um modo geral. subsidiariamente o art. 997 do CPC/2015, por força do art. 769
Os arts. 1.035 e 1.036 do CPC/2015, regulamentam a da CLT e art. 15 CPC/2015.
questão da repercussão geral no recurso extraordinário. O recurso adesivo será cabível das decisões de procedência
Por fim, vale dizer que o recurso extraordinário será parcial, ou seja, quando houver sucumbência recíproca.
recebido apenas no efeito devolutivo, permitindo-se a execu- O recurso adesivo deverá ser interposto perante a autori-
ção provisória da sentença até o julgamento dos embargos à dade competente para admitir o recurso principal, no mesmo
execução. prazo das contrarrazões ao recurso, e ficará vinculado ao
recebimento daquele.
12. Direito Processual do Trabalho 297

É importante lembrar que o recurso adesivo não será A respeito do tema, cabe destacar a Súmula 303 do TST:
conhecido se houver desistência do recurso principal, ou
se for ele declarado inadmissível ou deserto. Assim, caso o SÚMULA 303 TST – FAZENDA PÚBLICA. REEXAME NECESSÁRIO
recurso principal não seja aceito, o recurso adesivo também I – Em dissídio individual, está sujeita ao reexame necessário,
não será. mesmo na vigência da Constituição Federal de 1988, decisão
contrária à Fazenda Pública, salvo quando a condenação não
O TST, por meio da Súmula 283, entendeu que o recurso ultrapassar o valor correspondente a: a) 1.000 (mil) salários
adesivo é compatível com o processo do trabalho e cabe, mínimos para a União e as respectivas autarquias e fundações
no prazo de 8 (oito) dias, nas hipóteses de interposição de direito público; b) 500 (quinhentos) salários mínimos para
de recurso ordinário, de agravo de petição, de revista e de os Estados, o Distrito Federal, as respectivas autarquias e
embargos, sendo desnecessário que a matéria nele veiculada fundações de direito público e os Municípios que constituam
esteja relacionada com a do recurso interposto pela parte capitais dos Estados; c) 100 (cem) salários mínimos para todos
contrária. os demais Municípios e respectivas autarquias e fundações
Por último, vale dizer que, em conformidade com o art. de direito público.
997, § 2º, do CPC/2015, o recurso adesivo se sujeita ao reco- II – Também não se sujeita ao duplo grau de jurisdição a
lhimento de custas e depósito recursal, se for o caso. decisão fundada em: a) súmula ou orientação jurisprudencial
do Tribunal Superior do Trabalho; b) acórdão proferido pelo
6.5.10. Reexame necessário Supremo Tribunal Federal ou pelo Tribunal Superior do Traba-
lho em julgamento de recursos repetitivos; c) entendimento
No direito processual do trabalho, o instituto do reexame firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas
necessário não segue, em princípio, as regras do CPC, mas ou de assunção de competência; d) entendimento coincidente
sim o Decreto-lei 779/1969, o qual ensina em seu art. 1º, V, com orientação vinculante firmada no âmbito administrativo
ser “privilégio” da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos do próprio ente público, consolidada em manifestação, pare-
Municípios e das autarquias ou fundações de direito público cer ou súmula administrativa.
federais, estaduais ou municipais que não explorem atividade III – Em ação rescisória, a decisão proferida pelo Tribunal
econômica, “o recurso ordinário ex officio das decisões que lhe Regional do Trabalho está sujeita ao duplo grau de jurisdição
sejam total ou parcialmente contrárias”. Note que o dispositivo obrigatório quando desfavorável ao ente público, exceto nas
legal em debate trata, somente, do recurso ordinário ex officio, hipóteses dos incisos anteriores.
não abrangendo, portanto, o recurso de revista e outros. IV – Em mandado de segurança, somente cabe reexame neces-
Dessa forma, as pessoas jurídicas de direito público sário se, na relação processual, figurar pessoa jurídica de direito
interno, em qualquer processo onde seja proferida sentença, público como parte prejudicada pela concessão da ordem.
ainda que em parte, contrária aos seus interesses, estarão Tal situação não ocorre na hipótese de figurar no feito como
amparadas pelo recurso ordinário ex officio, impetrante e terceiro interessado pessoa de direito privado,
ressalvada a hipótese de matéria administrativa
Importante assinalar que não apenas as sentenças desfavo-
ráveis às pessoas indicadas no art. 1º do Decreto-Lei 779/1969, 7. EXECUÇÃO
mas também os acórdãos proferidos em ações ajuizadas
originariamente nos Tribunais, que seriam impugnados via 7.1. Introdução
recurso ordinário (art. 895, II, da CLT), estarão sujeitos ao As sentenças na esfera laboral estão sujeitas a fase de
reexame necessário. execução, diferentemente do processo comum em que se tem
Muito se discute sobre a natureza recursal do reexame a fase de cumprimento da sentença.
necessário, mas, de qualquer forma, é imperioso lembrar que Na fase de conhecimento, nas lacunas da norma conso-
tal instituto não comporta apresentação de contrarrazões, lidada, aplicamos o Código de Processo Civil, em conformi-
tampouco de recurso adesivo. dade com o art. 769 da CLT. Na fase de execução a aplicação
Outro ponto que merece destaque é o entendimento que é diversa. Isso porque, em primeiro plano, devemos aplicar a
o TST solidificou na orientação jurisprudencial 334 da SDI 1, CLT; havendo omissão da norma consolidada aplica-se a Lei
consignando que, nos casos em que o ente público não tenha 5.584/1970 (Dispõe sobre normas de Direito Processual do
interposto recurso ordinário voluntário, não poderá interpor Trabalho); persistindo a omissão, aplicaremos a lei de execução
recurso de revista contra a decisão do Tribunal que manter ou fiscal (Lei 6.830/1980); sendo esta também omissa, aplicar-se-á
confirmar a sentença. por último o CPC, art. 889 da CLT.
A exceção seria apenas no caso de a decisão do Tribunal A fase de execução é composta por 3 (três) partes: a fase
agravar a condenação do ente público, pois nessa hipótese de quantificação, a fase de constrição e a fase de expropriação.
haveria interesse recursal. A fase de quantificação consiste em fixar o montante da
Dispõe a Orientação Jurisprudencial 334 da SDI 1 do TST: obrigação devida pelo devedor ao credor. Em outras palavras,
significa tornar líquido o quantum a ser executado.
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 334 da SDI 1 do TST –
REMESSA “EX OFFICIO”. RECURSO DE REVISTA. INEXISTÊNCIA A fase de constrição indica que, tornado líquido o quantum
DE RECURSO ORDINÁRIO VOLUNTÁRIO DE ENTE PÚBLICO. devido, o devedor será intimado para satisfazer a obrigação
INCABÍVEL no prazo de 48 (quarenta e oito) horas. Vencido esse prazo, o
Incabível recurso de revista de ente público que não inter- devedor está sujeito a ter seus bens penhorados. Serão penhora-
pôs recurso ordinário voluntário da decisão de primeira ins- dos tantos bens quanto bastarem para a garantia da obrigação.
tância, ressalvada a hipótese de ter sido agravada, na segunda Por último, temos a fase da expropriação, que visa à alie-
instância, a condenação imposta. nação dos bens penhorados por meio da praça ou leilão, para
a satisfação do crédito do exequente.
298 Hermes Cramacon

7.2. Legitimidade Considerando que na fase de execução no processo traba-


lhista, nos termos do art. 889 da CLT temos que na omissão da
7.2.1. Legitimidade ativa CLT a lei dos executivos fiscais (Lei 6.830/1980) servirá como
A legitimidade ativa vem disposta no art. 878 da CLT, fonte subsidiária, podemos dizer que, ainda assim, o incidente
segundo o qual a execução será promovida pelas partes, do CPC/2015 terá aplicação no processo do trabalho, calcado
permitida a execução de ofício pelo juiz ou pelo Presidente na própria teoria objetiva. Isso porque, o art. 4º, § 3º, da Lei
do Tribunal apenas nos casos em que as partes não estiverem 6.830/1980 nos ensina que a execução poderá ser dirigida
representadas por advogado. contra o sócio, bastando que os bens do devedor, ou seja, da
empresa, não sejam suficientes para satisfação do débito.
Dessa forma, a execução se iniciará de ofício pelo juiz
somente quando as partes não estiverem representadas por Portanto, tendo em vista o princípio protetor do direito do
advogado, ou seja, fazendo uso do jus postulandi. No entanto, trabalho, que pode inclusive ser aplicado no campo processual,
estando as partes representadas por advogado, deverão elas a aplicação da teoria objetiva da desconsideração da persona-
dar início à execução. lidade jurídica baseada no art. 28 do CDC e, ainda, a regra
esculpida no art. 4º, § 3º, da Lei 6.830/1980, não há motivo para
7.2.2. Legitimidade passiva que a desconsideração da personalidade jurídica da empresa
necessite de requerimento da parte ou do Ministério Público.
Poderá figurar no polo passivo da execução tanto empre-
gador, o que é mais comum, como empregado, por exemplo, Assim, podemos concluir de acordo com o art. 855-A da
nas hipóteses em que este causou dano ao seu empregador. CLT, o incidente de desconsideração da personalidade jurídica
regulado no CPC/2015 (arts. 133 a 137) será aplicável ao Pro-
Podem figurar como sujeito passivo na execução o espólio, cesso do Trabalho, com as adaptações pertinentes ao processo
herdeiros e sucessores, fiador, o novo devedor que assumiu a trabalhista, sendo assegurada a iniciativa também ao juiz do
dívida, desde que com consentimento do credor, e o respon- trabalho na fase de execução, na forma do art. 878 da CLT.
sável tributário.
A decisão que acolhe ou rejeita o incidente de descon-
7.2.3. Desconsideração da personalidade jurídica sideração na fase de cognição/conhecimento por possuir
natureza jurídica de decisão interlocutória, não será passível
É sabido que o patrimônio dos sócios da pessoa jurídica
de recurso de imediato, nos termos do art. 855-A, § 1º, I, da
não se confunde com o patrimônio da empresa. No entanto,
CLT. Contudo, na fase de execução, caberá agravo de petição,
aplicando a desconsideração da personalidade jurídica os
independentemente de garantia do juízo, art. 855-A, § 1º, II,
sócios passam a responder pelas dívidas da empresa.
da CLT. Já se o incidente for instaurado originariamente no
Ela está prevista em nosso ordenamento jurídico em tribunal, se proferida pelo Relator, caberá agravo interno, art.
diversos diplomas legais, como no art. 28 do Código de Defesa 855-A, § 1º, III, da CLT.
do Consumidor e art. 50 do Código Civil. Também temos a
A teoria da desconsideração da personalidade jurídica,
previsão legal no art. 34 da Lei 12.529/2011 e art. 4º da Lei
também conhecida como teoria da penetração, é utilizada no
9.605/1998.
processo do trabalho por aplicação subsidiária, permitida em
Referidos dispositivos legais nos mostram a aplicação de razão da norma esculpida nos arts. 8º e 769 da CLT e, ainda,
duas teorias: pelo princípio da alteridade.
a) Teoria subjetiva: adotada pelo Código Civil, essa teoria A IN 39/2016 do TST determina em seu art. 6º aplicação
ensina que para que os bens dos sócios possam ser atingidos, ao Processo do Trabalho do incidente de desconsideração da
é necessária a comprovação de fraude, abuso de direito ou personalidade jurídica regulado no Código de Processo Civil
confusão patrimonial; (arts. 133 a 137), assegurada também a iniciativa de ofício do
b) Teoria objetiva: para essa teoria, adotada pelo Código de juiz do trabalho na fase de execução, na forma do art. 878 da
Defesa do Consumidor, basta a insolvência da empresa, ou CLT.
seja, basta a constatação de inexistência de bens da empresa O art. 855-A da CLT traz ao processo do trabalho a per-
suficientes para o cumprimento de suas obrigações. missão para aplicação da teoria da desconsideração da perso-
No CPC/2015 o incidente de desconsideração da persona- nalidade jurídica prevista nos arts. 133 a 137 do CPC/2015 ao
lidade jurídica está previsto nos arts. 133 e seguintes, aplicados processo do trabalho. Nesse sentido, o TST vem aplicando a
no processo do trabalho, nos termos do art. 855-A, da CLT. desconsideração da personalidade jurídica com apoio no art.
É importante destacar que o CPC/2015 não trouxe as hipó- 28, § 5º, do Código de Defesa do Consumidor, segundo o qual
teses em que se admite a desconsideração, ele apenas cuidou a personalidade jurídica poderá ser desconsiderada sempre que
de apontar o processamento desse incidente. for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
Por não tratar das hipóteses em que a desconsideração causados aos consumidores.
poderá ser aplicada, o CPC/2015 remete às legislações acima Afirma-se que por ser a personalidade jurídica uma criação
tratadas, em conformidade com o art. 133, § 1º. da lei concedida pelo Estado, que tem como objetivo a realiza-
No processo do trabalho é aplicada a teoria objetiva da ção de um fim, nada mais lógico do que conferir ao Estado, por
desconsideração da personalidade jurídica, com fulcro no art. meio do órgão jurisdicional, a capacidade de verificar se esse
28 do CDC, baseando-se no princípio protetor do trabalha- direito está sendo utilizado de forma adequada e, não estando,
dor, atribuindo responsabilidade aos sócios pelas dívidas da atingir os responsáveis. Assim, a teoria deve ser utilizada para
pessoa jurídica, na medida em que foram eles os beneficiários impedir a fraude ou abuso por meio da personalidade jurídica.
dos lucros auferidos pela empresa, fruto do trabalho dos seus Dessa forma, a teoria da desconsideração da personali-
empregados. dade jurídica é aplicada de forma ampla quando for apurada a
insuficiência do patrimônio da empresa para honrar as dívidas
12. Direito Processual do Trabalho 299

contraídas, independentemente de fraude ou simulação, ou CPC), reconhece o cheque e a nota promissória emitidos em
seja, basta a insolvência da empresa para que o Estado-juiz reconhecimento de dívida inequivocamente de natureza tra-
autorize a execução dos bens dos sócios considerados indi- balhista como títulos executivos extrajudiciais para efeito de
vidualmente de forma solidária e ilimitada até o pagamento execução perante a Justiça do Trabalho, na forma do art. 876
integral dos créditos trabalhistas. e segs. da CLT.
7.2.3.1 Processamento do pedido de desconsideração da
personalidade jurídica
7.4. Liquidação de sentença
O incidente de desconsideração da personalidade jurídica Sendo a sentença ilíquida, deve ser realizada sua prévia
será instaurado a pedido da parte ou do Ministério Público, liquidação, que, nos termos do art. 879, poderá ser feita por
quando lhe couber intervir no processo, sendo cabível em todas cálculos, por arbitramento e por artigos.
as fases do processo de conhecimento, bem como do processo
7.4.1. Liquidação por cálculos
de execução. Será dispensável a instauração do incidente se
a desconsideração da personalidade jurídica for requerida A liquidação por cálculos será utilizada quando a deter-
na petição inicial, hipótese em que será citado o sócio ou a minação do valor da condenação depender de cálculos mera-
pessoa jurídica. mente aritméticos, ou seja, quando todos os elementos neces-
Assim, caso a desconsideração jurídica não seja pedida na sários para se chegar no valor devido já estiverem nos autos.
reclamação trabalhista, deverá, se for o caso, ser instaurado o A liquidação por cálculos se iniciará com petição do
incidente em petição distinta, hipótese em que o processo ficará credor, que a instruirá com a respectiva memória de cálculos
suspenso, sem prejuízo de concessão da tutela de urgência de devidamente atualizados dos valores que julgar devidos.
natureza cautelar, art. 855-A, § 2º, da CLT. Nessa fase calculam-se, também, a correção monetária e
Uma vez instaurado o incidente por petição específica, os juros, esses últimos devidos a partir do ajuizamento da ação
o sócio ou a pessoa jurídica será citado para no prazo de 15 no importe de 1% ao mês, ou 12% ao ano, ainda que omisso o
(quinze) dias apresentar manifestação e eventual requerimento pedido na reclamação trabalhista ou na sentença, nos termos
de produção de provas, da Súmula 211 do TST.
Terminada a instrução, quando necessária, o incidente 7.4.2. Liquidação por arbitramento
será resolvido por decisão interlocutória.
A liquidação será feita por arbitramento se determinado
Da decisão interlocutória que acolher ou rejeitar o inci-
pela sentença, se convencionado pelas partes ou caso a natu-
dente, na fase de conhecimento, não será cabível recurso de
reza do objeto exigir, nos termos do art. 509, I, do CPC/2015.
imediato, art. 893, § 1º, da CLT. No entanto, se a decisão for
proferida na fase de execução de sentença, será cabível a inter- Nessa modalidade de liquidação, as partes ou o próprio juiz
posição de agravo de petição, independentemente de garantia designará um árbitro para que mensure os valores dos direitos
do juízo, no prazo de 8 dias. Caso a decisão seja proferida pelo assegurados ao exequente na sentença judicial.
relator em incidente instaurado originariamente no tribunal, De acordo com o art. 879, § 6º, da CLT, tratando-se de
caberá a interposição de agravo interno. cálculos de liquidação complexos, o juiz poderá nomear perito
7.3. Títulos executivos para a elaboração e fixará, depois da conclusão do trabalho, o
valor dos respectivos honorários com observância dos critérios
O processo do trabalho admite os seguintes títulos exe-
de razoabilidade e proporcionalidade.
cutivos:
7.4.3. Liquidação pelo procedimento comum
7.3.1. Títulos executivos judiciais
O CPC/1973 denominava a atual liquidação pelo procedi-
a) sentenças ou acórdãos condenatórios transitados em jul-
mento comum em “liquidação por artigos”. Prevista no art. 509,
gado ou que tenham sido impugnados com recurso no efeito
II, do CPC/2015, será realizada a liquidação pelo procedimento
devolutivo;
comum sempre que houver a necessidade de provar fatos novos
b) decisões que homologam acordo entre as partes. que servirão de base para apuração do valor devido ao credor.
Cabe destacar que nos termos do art. 884, § 5º, da CLT Vale ressaltar que nessa modalidade de liquidação não é
é considerado inexigível o título judicial fundado em Lei ou permitida a iniciativa do juiz ex officio.
ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo
Um exemplo clássico de liquidação por artigos é o caso
Tribunal Federal ou em aplicação ou interpretação tidas por
da sentença que, embora reconheça o pedido de horas extras,
incompatíveis com a Constituição Federal.
não as quantifica.
7.3.2. Títulos executivos extrajudiciais Nesse caso, o exequente deverá apresentar uma petição
Os títulos executivos extrajudiciais são: inicial alegando os fatos a serem provados, sendo a parte
contrária intimada para responder o pedido e posteriormente
a) os termos de compromisso de ajuste de conduta com con- proferida uma sentença.
teúdo obrigacional firmados perante o MPT;
Nota-se que com a liquidação por artigos se inicia um
b) os termos de conciliação celebrados perante a Comissão de novo processo, que será submetido ao procedimento ordinário,
Conciliação Prévia; contando, inclusive, com a produção de provas.
c) certidões da dívida ativa, decorrentes das multas aplicadas
pelo MTE, de acordo com a redação do art. 114, VII, CF 7.5. Impugnação à sentença de liquidação
Importante novidade foi trazida pelo art. 13 da IN 39/2016 Elaborada a conta e tornada líquida, o juízo deverá abrir às
do TST que por aplicação supletiva do art. 784, I (art. 15 do partes prazo comum de oito dias para impugnação fundamen-
300 Hermes Cramacon

tada com a indicação dos itens e valores objeto da discordância, I – dinheiro, em espécie ou em depósito ou aplicação em
sob pena de preclusão. instituição financeira;
Importante lembrar que antes da entrada em vigor da II – títulos da dívida pública da União, dos Estados e do Distrito
Lei 13.467/2017 (reforma trabalhista) era facultado ao juiz Federal com cotação em mercado;
abrir ou não o prazo para impugnação, prazo esse que era III – títulos e valores mobiliários com cotação em mercado;
de 10 dias. IV – veículos de via terrestre;
Assim, como vimos o juiz está obrigado a abrir prazo de V – bens imóveis;
8 dias para impugnação dos cálculos, na medida em que a lei VI – bens móveis em geral;
se utiliza da expressão “deverá”. VII – semoventes;
O INSS também deve ser intimado sobre os cálculos, para VIII – navios e aeronaves;
que no prazo de 10 dias se manifeste, sob pena de preclusão,
IX – ações e quotas de sociedades simples e empresárias;
conforme determina o art. 879, § 3º, da CLT.
X – percentual do faturamento de empresa devedora;
Vale dizer que a sentença de liquidação, para a doutrina
dominante, possui natureza jurídica de decisão interlocutória, XI – pedras e metais preciosos;
não ensejando a interposição de recursos, em face da previsão XII – direitos aquisitivos derivados de promessa de compra e
legal do art. 893, § 1º, da CLT, e tampouco permite o ajuiza- venda e de alienação fiduciária em garantia;
mento de ação rescisória. XIII – outros direitos.
Caso o devedor não pague, não nomeie bens ou não
7.6. Execução contra devedor solvente deposite o valor executado em juízo, garantindo-o, serão
A execução contra devedor solvente tem por objetivo expro- penhorados seus bens tantos quanto bastarem para a garantia
priar bens do devedor, a fim de satisfazer o direito do credor. da execução.
Inicia-se com a expedição do mandado de citação, nos O devedor poderá ainda, em conformidade com o art. 3º,
termos do art. 880 da CLT. Na fase de execução de sentença, XXI, da IN 39/2016 do TST optar pelo parcelamento judicial
diferentemente de como ocorre na fase de conhecimento, a previsto no art. 916 do CPC/2015. Assim, no prazo para embar-
citação deve ser pessoal, ou seja, deve ser realizada na pessoa gos, reconhecendo o crédito do exequente e comprovando o
do executado. Não basta a mera notificação (que pode ser depósito de 30% do valor em execução, acrescido de custas
entregue a qualquer funcionário da empresa), como ocorre e de honorários de advogado, quando cabíveis, o executado
na fase de conhecimento. poderá requerer que lhe seja permitido pagar o restante em
O executado será citado para no prazo de 48 (quarenta e até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária
oito) horas pagar a quantia devida. Não encontrado por duas e de juros de 1% ao mês.
vezes, far-se-á a citação por edital.
7.7. Execução de título executivo extrajudicial
Nesse ponto, muito se discute sobre a possibilidade de
aplicação do art. 523 do CPC/2015 que prevê uma multa de No processo de conhecimento, ao ter reconhecido seu
10% caso o devedor não efetue o pagamento da condenação crédito e tornado líquido, deverá o credor promover a execu-
no prazo legal. ção do julgado, nos termos dos arts. 880 e seguintes da CLT,
denominada execução judicial.
Por muito tempo o TRT da 3ª Região, Minas Gerais, con-
siderou aplicável a referida multa, chegando a editar a súmula Por outro lado, admite-se na seara trabalhista, em algumas
30 entendendo aplicável a multa ao processo do trabalho. Con- hipóteses, que o credor promova a cobrança do seu crédito
tudo, a referida súmula foi cancelada em 17/07/2015. Já o TRT imediatamente, ou seja, sem a necessidade de um processo
da 2ª Região por meio da súmula 31 entende ser inaplicável a de conhecimento. Nesses casos, o credor poderá promover a
referida multa ao processo do trabalho. execução de título executivo extrajudicial, que pressupõe pro-
cesso autônomo, com citação do devedor para cumprimento
De forma geral, entendem os Tribunais que o processo do da obrigação.
trabalho possui norma específica para a execução de título, não
havendo omissão do texto consolidado, tampouco compatibi- Parte da doutrina sustenta que as hipóteses previstas no
lidade com os princípios trabalhistas. art. 876 da CLT são meramente exemplificativas, pois não
poderia o legislador excluir da competência da Justiça do
Todavia, está sub judice no Tribunal Superior do Trabalho Trabalho títulos legitimamente conhecidos pelo legislador no
a possibilidade de imposição de multa pecuniária ao executado âmbito do Direito Civil, como o cheque, por exemplo. Nessa
bem como a liberação de depósito em favor do exequente, na linha, para aqueles que advogam essa ideia, como a legislação
pendência de recurso, o que impede saber sobre a incidência trabalhista autoriza o pagamento de salários e verbas rescisó-
no Processo do Trabalho das normas dos arts. 520 a 522 e § rias através de cheques, que muitas vezes são devolvidos sem
1º do art. 523 do CPC de 2015 fundos, poderia o trabalhador, nesse caso, executar o título na
O executado que não pagar a importância reclamada poderá Justiça do Trabalho.
garantir a execução mediante correspondente, atualizada e acres- Colocando um ponto final nessa discussão doutrinária e
cida das despesas processuais, apresentação de seguro-garantia jurisprudencial o TST por meio do art. 13 da IN 39 entende
judicial ou nomeação de bens à penhora, observada a ordem que por aplicação supletiva do art. 784, I (art. 15 do CPC), o
preferencial estabelecida no art. 835 do CPC/2015. cheque e a nota promissória emitidos em reconhecimento de
Dispõe o art. 835 do CPC/2015: dívida inequivocamente de natureza trabalhista também são
títulos extrajudiciais para efeito de execução perante a Justiça
Art. 835. A penhora observará, preferencialmente, a seguinte
do Trabalho, na forma do art. 876 e segs. da CLT.
ordem:
12. Direito Processual do Trabalho 301

7.7.1. Processamento 7.8.1. Bens impenhoráveis


Cabe destacar que, nos termos do art. 889 da CLT, aos Nos termos do art. 833 do CPC/2015, são considerados
trâmites e incidentes do processo da execução são aplicá- absolutamente impenhoráveis:
veis, naquilo em que não violarem os princípios processuais a) os bens inalienáveis e os declarados, por ato voluntário, não
trabalhistas, os preceitos que regem o processo de execução sujeitos à execução;
fiscal disposto na Lei 6.830/1980. O Código de Processo
b) os móveis, pertences e utilidades domésticas que guarnecem
Civil será aplicado apenas na omissão da Lei de executivos
a residência do executado, salvo os de elevado valor ou que
fiscais.
ultrapassem as necessidades comuns correspondentes a um
A competência territorial será determinada de acordo médio padrão de vida;
com a regra estabelecida no art. 877-A da CLT, ou seja, pelo c) os vestuários, bem como os pertences de uso pessoal do
juiz que teria competência para o processo de conhecimento executado, salvo se de elevado valor;
relativo à matéria.
d) os vencimentos, subsídios, soldos, salários, remunerações,
Desta forma, nos termos do art. 6º da Lei 6.830/1980, proventos de aposentadoria, pensões, pecúlios e montepios; as
a petição inicial deverá ser instruída com o título executivo quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao
extrajudicial, devendo indicar o Juiz a quem é dirigida, o sustento do devedor e sua família, os ganhos de trabalhador
pedido e, por último, o requerimento de citação do devedor, autônomo e os honorários de profissional liberal;
para, no prazo de 5 (cinco) dias, pagar a dívida ou garanti-la,
e) os livros, as máquinas, as ferramentas, os utensílios, os
sob pena de penhora.
instrumentos ou outros bens móveis necessários ou úteis ao
Feita a citação, o devedor poderá adotar 4 condutas: a) exercício de qualquer profissão;
efetuar o pagamento do valor executado; b) depositar em juízo
f) o seguro de vida;
o valor, informando que irá apresentar embargos à execução;
c) oferecer bens à penhora para garantia do juízo e apresentar g) os materiais necessários para obras em andamento, salvo se
embargos; d) não efetuar o pagamento, nem garantir a dívida, essas forem penhoradas;
hipótese em que se procederá à penhora. h) a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde
Importante dizer que nos termos do art. 3º, XXI, da IN que trabalhada pela família;
39/2016 do TST a regra do parcelamento judicial prevista no i) os recursos públicos recebidos por instituições privadas
art. 916 do CPC/2015 é perfeitamente aplicável. Assim, no para aplicação compulsória em educação, saúde ou assistência
prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exequente e social;
comprovando o depósito de 30% do valor em execução, acres- j) até o limite de 40 (quarenta) salários mínimos, a quantia
cido de custas e de honorários de advogado, quando cabíveis, depositada em caderneta de poupança;
o executado poderá requerer que lhe seja permitido pagar o l) os recursos públicos do fundo partidário recebidos, nos
restante em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção termos da lei, por partido político.
monetária e de juros de 1% ao mês.
Embora não estejam elencados no rol do art. 833 do
Nas execuções de título executivo extrajudicial, o exe- CPC/2015, os bens públicos também são considerados abso-
cutado poderá alegar como matérias de defesa: nulidade da lutamente impenhoráveis.
execução, por não ser executivo o título apresentado; penhora
Também são considerados impenhoráveis os bens de
incorreta ou avaliação errônea; excesso de execução ou
família previstos na Lei 8.009/1990.
cumulação indevida de execuções; retenção por benfeitorias
necessárias ou úteis, nos casos de título para entrega de coisa No entanto, não serão considerados como bens de família:
certa; ou qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como os veículos de transporte, as obras de arte e os adornos sun-
defesa em processo de conhecimento. tuosos. Isso porque esses bens são considerados como bens
de ostentação, desnecessários para a sobrevivência da pessoa.
7.8. Penhora Dispõe o art. 834 do CPC/2015 que, na falta de outros
A partir da penhora, tanto a execução de título judicial bens, os frutos e rendimentos dos bens inalienáveis.
como a execução de título extrajudicial obedecerão às mes- Importante destacar a Súmula 417 do TST:
mas regras estudadas. A partir daqui os estudos podem ser
aplicados tanto para a execução de título judicial como de SÚMULA 417 TST – MANDADO DE SEGURANÇA. PENHORA EM
títulos extrajudiciais. DINHEIRO (alterado o item I, atualizado o item II e cancelado o
item III, modulando-se os efeitos da presente redação de forma
Por não existirem normas expressas no texto consolidado, a atingir unicamente as penhoras em dinheiro em execução
serão aplicadas as regras pertinentes ao processo civil. provisória efetivadas a partir de 18.03.2016, data de vigência
A penhora deverá obedecer à regra de nomeação imposta do CPC de 2015) – Res. 212/2016, DEJT divulgado em 20, 21
no art. 835 do CPC/2015, podendo a parte impugnar aquela e 22.09.2016
que não obedecer a essa ordem, nos exatos termos do art. 848, I – Não fere direito líquido e certo do impetrante o ato judicial
I, do CPC/2015. que determina penhora em dinheiro do executado para garan-
tir crédito exequendo, pois é prioritária e obedece à gradação
Realizada a penhora, o exequente deverá ser intimado
prevista no art. 835 do CPC de 2015 (art. 655 do CPC de 1973).
para manifestar sua concordância ou não com relação ao
bem oferecido à penhora pelo próprio devedor ou penho- II – Havendo discordância do credor, em execução definitiva,
rado por determinação judicial. A não aceitação deverá ser não tem o executado direito líquido e certo a que os valores
penhorados em dinheiro fiquem depositados no próprio
fundamentada.
banco, ainda que atenda aos requisitos do art. 840, I, do CPC
de 2015 (art. 666, I, do CPC de 1973).
302 Hermes Cramacon

7.8.1.1 Impenhorabilidade de salários/conta salário se coaduna com a regra disposta no art. 100, § 1º, da CF
que dispõe:
Sobre a impenhorabilidade de valores existentes na conta
salário do executado, importante ressaltar o entendimento Art. 100.
previsto na OJ 153 da SDI 2 do TST, que assim dispõe: § 1º. Os débitos de natureza alimentícia compreendem aqueles
Orientação Jurisprudencial 153 SDI 2 TST – MANDADO DE decorrentes de salários, vencimentos, proventos, pensões e
SEGURANÇA. EXECUÇÃO. ORDEM DE PENHORA SOBRE VALO- suas complementações, benefícios previdenciários e inde-
RES EXISTENTES EM CONTA SALÁRIO. ART. 649, IV, DO CPC (art. nizações por morte ou por invalidez, fundadas em responsa-
833, IV, CPC/2015). ILEGALIDADE bilidade civil, em virtude de sentença judicial transitada em
julgado, e serão pagos com preferência sobre todos os demais
Ofende direito líquido e certo decisão que determina o blo- débitos, exceto sobre aqueles referidos no § 2º deste artigo.
queio de numerário existente em conta salário, para satisfação
Desta forma, de acordo com o atual dispositivo legal é
de crédito trabalhista, ainda que seja limitado a determinado
possível a penhora do salário do executado em 2 casos:
percentual dos valores recebidos ou a valor revertido para
fundo de aplicação ou poupança, visto que o art. 649, IV, do a) penhora de importâncias excedentes a 50 salários mínimos
CPC (art. 833, IV, CPC/2015) contém norma imperativa que mensais;
não admite interpretação ampliativa, sendo a exceção prevista b) se a verba for de natureza alimentar, independentemente de
no art. 649, § 2º, do CPC (art. 833, §2º, CPC/2015)espécie e sua origem, limitado a 50% do montante mensal. Esse limite
não gênero de crédito de natureza alimentícia, não englobando se justifica a teor do § 3º do art. 529 do CPC/2015, que assim
o crédito trabalhista. dispõe:
Para melhor compreensão da referida OJ devemos lem- Art. 529...
brar que o antigo art. 649, IV, CPC/1973 (atual art. 833, IV,
§ 3º. Sem prejuízo do pagamento dos alimentos vincendos,
CPC/2015) determinava a impenhorabilidade dos salários.
o débito objeto de execução pode ser descontado dos ren-
Portanto, consequentemente impenhoráveis também os valo- dimentos ou rendas do executado, de forma parcelada, nos
res depositados na conta salário, até o limite de 50 salários termos do caput deste artigo, contanto que, somado à parcela
mínimos. devida, não ultrapasse cinquenta por cento de seus ganhos
No entanto, o § 2º do mesmo art. 649 CPC/1973 continha líquidos.
regra determinando não se aplicar a regra da impenhorabili-
dade para pagamento de prestação alimentícia. 7.9. Protesto de decisão judicial
Nos termos do art. 883-A da CLT a decisão judicial
Art. 649...
transitada em julgado somente poderá ser levada a protesto,
§ 2º. O disposto no inciso IV do caput deste artigo não se aplica gerar inscrição do nome do executado em órgãos de proteção
no caso de penhora para pagamento de prestação alimentícia. ao crédito ou no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas
Com isso o TST editou a OJ 153 SDI 2 interpretando (BNDT), nos termos da lei, depois de transcorrido o prazo de
o dispositivo legal como regra imperativa, que não admitia quarenta e cinco dias a contar da citação do executado, se não
interpretação ampliativa para o termo “prestação alimentícia” houver garantia do juízo.
existente no texto da lei, ou seja, a exceção prevista no art. 649,
§ 2º, do CPC/1973 é espécie e não gênero de crédito de natureza 7.10. Execução contra Fazenda Pública
alimentícia, não englobando o crédito trabalhista. Por isso se O CPC/2015 regula o cumprimento de sentença contra a
sustenta a impenhorabilidade dos salários do executado para Fazenda Pública nos arts. 534 e 535, e também a execução de
pagamento de dívidas trabalhistas. título extrajudicial em seu art. 910.
Contudo, o atual art. 833, § 2º, CPC/2015 que “substituiu” A execução contra a Fazenda Pública possui diversas
o art. 649, § 2º, CPC/1973 traz em sua redação uma novidade peculiaridades e por isso não é processada da mesma forma
que possivelmente poderá alterar a redação da OJ 153 da SDI que a execução contra as pessoas físicas ou jurídicas de direito
2 do TST. privado.
O novel art. 833, § 2º, CPC/2015 determina que a impe- Isso porque os bens da Fazenda Pública são impenhorá-
nhorabilidade dos salários não se aplica à hipótese de penhora veis. Daí decorre que a Fazenda Pública não é intimada para
para pagamento de prestação alimentícia, independentemente garantir o juízo, mas sim para apresentar embargos à execução.
de sua origem.
No termo “Fazenda Pública” devemos lembrar que estão
Art. 833... compreendidos: a União, Estados, Distrito Federal, Municípios,
§ 2º. O disposto nos incisos IV e X do caput não se aplica à autarquias e as fundações públicas. As sociedades de economia
hipótese de penhora para pagamento de prestação alimen- mista e as empresas públicas estão excluídas do conceito de
tícia, independentemente de sua origem, bem como às Fazenda Pública.
importâncias excedentes a 50 (cinquenta) salários mínimos Como vimos, os bens da Fazenda Pública são impenho-
mensais, devendo a constrição observar o disposto no art. ráveis. Assim, transitada em julgado a sentença condenatória,
528, § 8ºo, e no art. 529, § 3º. (destaques) não haverá citação para pagamento ou garantia à execução,
Por isso, entendemos que ao fazer constar no texto do mas sim para oferecimento de embargos à execução no prazo
supracitado dispositivo legal a expressão “independente de 30 dias, nos termos do art. 535 do CPC/2015.
de sua origem” o legislador aponta para a possibilidade de Em se tratando de processo de execução de título extraju-
penhora para pagamento de qualquer tipo de prestação dicial, a execução se dará nos termos dos art. 910 do CPC/2015,
alimentícia, independentemente de sua origem, englo- que prevê prazo de 30 dias para que a Fazenda Pública apre-
bando, portanto, o crédito trabalhista. Esse entendimento
12. Direito Processual do Trabalho 303

sente embargos à execução, hipótese em que poderá alegar na requisição, feita pelo Poder Judiciário ao Poder Executivo
qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa no respectivo, de numerário suficiente para arcar com as conde-
processo de conhecimento, em conformidade com o § 2º do nações impostas à Fazenda Pública mediante sentença judicial
art. 910 do CPC/2015. Ademais, determina o § 3º do citado a qual não caiba mais recurso.”
dispositivo que aplica-se à execução contra a Fazenda Pública A CF/1988 trata dos precatórios no art. 100 e seus pará-
o disposto nos arts. 534 e 535 do CPC/2015. grafos:
Em se tratando de título judicial, na Justiça do Trabalho o
processo contra a Fazenda Pública se processa pelas disposições Art. 100. Os pagamentos devidos pelas Fazendas Públicas
contidas na CLT até a fixação do valor devido, aplicando-se Federal, Estaduais, Distrital e Municipais, em virtude de sen-
tença judiciária, far-se-ão exclusivamente na ordem cronoló-
o art. 879 da CLT. Uma vez homologado os cálculos, seguirá
gica de apresentação dos precatórios e à conta dos créditos
a execução pelo rito especial, aplicando-se no que couber, os respectivos, proibida a designação de casos ou de pessoas
arts. 534 e 535 do CPC/2015. nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos
Portanto, nesse caso nos embargos à execução a Fazenda para este fim.
Pública poderá sustentar as matérias elencadas no art. 535 do § 1º Os débitos de natureza alimentícia compreendem aqueles
CPC/2015, que assim dispõe: decorrentes de salários, vencimentos, proventos, pensões e
suas complementações, benefícios previdenciários e inde-
Art. 535. A Fazenda Pública será intimada na pessoa de seu nizações por morte ou por invalidez, fundadas em responsa-
representante judicial, por carga, remessa ou meio eletrônico, bilidade civil, em virtude de sentença judicial transitada em
para, querendo, no prazo de 30 (trinta) dias e nos próprios autos, julgado, e serão pagos com preferência sobre todos os demais
impugnar a execução, podendo arguir: débitos, exceto sobre aqueles referidos no § 2º deste artigo.
I – falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o § 2º Os débitos de natureza alimentícia cujos titulares, origi-
processo correu à revelia; nários ou por sucessão hereditária, tenham 60 (sessenta) anos
II – ilegitimidade de parte; de idade, ou sejam portadores de doença grave, ou pessoas
III – inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação; com deficiência, assim definidos na forma da lei, serão pagos
com preferência sobre todos os demais débitos, até o valor
IV – excesso de execução ou cumulação indevida de execuções;
equivalente ao triplo fixado em lei para os fins do disposto no
V – incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução; § 3º deste artigo, admitido o fracionamento para essa finali-
VI – qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como dade, sendo que o restante será pago na ordem cronológica
pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, de apresentação do precatório.
desde que supervenientes ao trânsito em julgado da sentença. § 3º O disposto no caput deste artigo relativamente à
§ 1º A alegação de impedimento ou suspeição observará o dis- expedição de precatórios não se aplica aos pagamentos de
posto nos arts. 146 e 148. obrigações definidas em leis como de pequeno valor que as
§ 2º Quando se alegar que o exequente, em excesso de execução, Fazendas referidas devam fazer em virtude de sentença judicial
pleiteia quantia superior à resultante do título, cumprirá à execu- transitada em julgado.
tada declarar de imediato o valor que entende correto, sob pena § 4º Para os fins do disposto no § 3º, poderão ser fixados, por
de não conhecimento da arguição. leis próprias, valores distintos às entidades de direito público,
segundo as diferentes capacidades econômicas, sendo o
7.10.1. Precatório mínimo igual ao valor do maior benefício do regime geral de
previdência social.
Proferida a sentença na fase de conhecimento e exaurido o
prazo recursal, duas regras deverão ser observadas, nos termos § 5º É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de
do art. 910, § 1º, do CPC/2015. direito público, de verba necessária ao pagamento de seus
débitos, oriundos de sentenças transitadas em julgado, cons-
a) o juiz irá requisitar a expedição do precatório para paga- tantes de precatórios judiciários apresentados até 1º de julho,
mento por intermédio do Presidente do tribunal; fazendo-se o pagamento até o final do exercício seguinte,
b) o pagamento será realizado na ordem de apresentação do quando terão seus valores atualizados monetariamente.
precatório, art. 100 CF. § 6º As dotações orçamentárias e os créditos abertos serão
No entanto, caso o ente público apresente embargos à consignados diretamente ao Poder Judiciário, cabendo ao
execução e encerrada a instrução, o juiz proferirá a sentença Presidente do Tribunal que proferir a decisão exequenda
que, ainda que seja desfavorável, no todo ou em parte, ao ente determinar o pagamento integral e autorizar, a requerimento
público, não haverá que se falar em recurso de ofício (reexame do credor e exclusivamente para os casos de preterimento de
seu direito de precedência ou de não alocação orçamentária
necessário), tendo em vista que essa é uma prerrogativa do
do valor necessário à satisfação do seu débito, o sequestro da
processo de conhecimento. A sentença que julgar os embargos quantia respectiva.
à execução desafia a interposição de agravo de petição que,
por se tratar de Fazenda Pública, terá o prazo em dobro, em § 7º O Presidente do Tribunal competente que, por ato comis-
sivo ou omissivo, retardar ou tentar frustrar a liquidação regular
razão da norma esculpida no art. 1º do Decreto-Lei 779/1969.
de precatórios incorrerá em crime de responsabilidade e
Ultrapassada essa fase, transitada em julgado a decisão, o responderá, também, perante o Conselho Nacional de Justiça.
juiz irá requisitar, por intermédio do Presidente do tribunal, à § 8º É vedada a expedição de precatórios complementares ou
autoridade competente o pagamento do valor da dívida fixada suplementares de valor pago, bem como o fracionamento,
na sentença. repartição ou quebra do valor da execução para fins de enqua-
Essa requisição é feita por meio do precatório, que, nas dramento de parcela do total ao que dispõe o § 3º deste artigo.
lições de Renato Saraiva (Curso de Direito Processual do § 9º No momento da expedição dos precatórios, independen-
Trabalho. 4. ed. São Paulo: Método, 2007. p. 625), “consiste temente de regulamentação, deles deverá ser abatido, a título
304 Hermes Cramacon

de compensação, valor correspondente aos débitos líquidos e exceder esse percentual poderá ser financiada, excetuada
certos, inscritos ou não em dívida ativa e constituídos contra dos limites de endividamento de que tratam os incisos VI e
o credor original pela Fazenda Pública devedora, incluídas VII do art. 52 da Constituição Federal e de quaisquer outros
parcelas vincendas de parcelamentos, ressalvados aqueles limites de endividamento previstos, não se aplicando a esse
cuja execução esteja suspensa em virtude de contestação financiamento a vedação de vinculação de receita prevista no
administrativa ou judicial. inciso IV do art. 167 da Constituição Federal;
§ 10. Antes da expedição dos precatórios, o Tribunal solicitará § 20. Caso haja precatório com valor superior a 15% (quinze por
à Fazenda Pública devedora, para resposta em até 30 (trinta) cento) do montante dos precatórios apresentados nos termos
dias, sob pena de perda do direito de abatimento, informação do § 5º deste artigo, 15% (quinze por cento) do valor deste
sobre os débitos que preencham as condições estabelecidas precatório serão pagos até o final do exercício seguinte e o
no § 9º, para os fins nele previstos. restante em parcelas iguais nos cinco exercícios subsequentes,
§ 11. É facultada ao credor, conforme estabelecido em lei acrescidas de juros de mora e correção monetária, ou mediante
da entidade federativa devedora, a entrega de créditos em acordos diretos, perante Juízos Auxiliares de Conciliação de
precatórios para compra de imóveis públicos do respectivo Precatórios, com redução máxima de 40% (quarenta por
ente federado. cento) do valor do crédito atualizado, desde que em relação
ao crédito não penda recurso ou defesa judicial e que sejam
§ 12. A partir da promulgação desta Emenda Constitucional,
observados os requisitos definidos na regulamentação editada
a atualização de valores de requisitórios, após sua expedi-
pelo ente federado.
ção, até o efetivo pagamento, independentemente de sua
natureza, será feita pelo índice oficial de remuneração básica *OBS: no julgamento das ADIs 4357, 4425, 4400 e 4372
da caderneta de poupança, e, para fins de compensação da o STF declarou a inconstitucionalidade de alguns parágrafos
mora, incidirão juros simples no mesmo percentual de juros do dispositivo supracitado. Indicamos ao leitor o estudo das
incidentes sobre a caderneta de poupança, ficando excluída decisões das ADIs indicadas no site do Supremo Tribunal.
a incidência de juros compensatórios. Assim, os pagamentos serão feitos em ordem cronológica
§ 13. O credor poderá ceder, total ou parcialmente, seus de apresentação dos precatórios. Feito o precatório, o juiz da
créditos em precatórios a terceiros, independentemente da vara remeterá ao Presidente do Tribunal Regional onde será
concordância do devedor, não se aplicando ao cessionário o autuado e receberá um número.
disposto nos §§ 2º e 3º.
Após o exame das regularidades formais, o Presidente
§ 14. A cessão de precatórios somente produzirá efeitos após
do TRT expedirá o precatório ao ente público para que seja
comunicação, por meio de petição protocolizada, ao tribunal
de origem e à entidade devedora.
providenciada a inclusão no orçamento de numerário suficien-
tes para pagamento. Importante lembrar que os precatórios
§ 15. Sem prejuízo do disposto neste artigo, lei complementar
apresentados até o dia 1º de julho serão relacionados para
a esta Constituição Federal poderá estabelecer regime especial
pagamento dentro no exercício financeiro seguinte, sendo os
para pagamento de crédito de precatórios de Estados, Distrito
Federal e Municípios, dispondo sobre vinculações à receita valores atualizados monetariamente.
corrente líquida e forma e prazo de liquidação. Havendo descumprimento da ordem cronológica, poderá
§ 16. A seu critério exclusivo e na forma de lei, a União poderá a parte fazer o pedido de sequestro da quantia. Nessa linha,
assumir débitos, oriundos de precatórios, de Estados, Distrito destaca-se a Orientação Jurisprudencial 13 do Tribunal Pleno
Federal e Municípios, refinanciando-os diretamente. do TST:
§ 17. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 13 DO TRIBUNAL PLENO –
aferirão mensalmente, em base anual, o comprometimento de
PRECATÓRIO. QUEBRA DA ORDEM DE PRECEDÊNCIA. NÃO
suas respectivas receitas correntes líquidas com o pagamento
DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO DO EXEQUENTE NA ORDEM
de precatórios e obrigações de pequeno valor.
CRONOLÓGICA. SEQUESTRO INDEVIDO
§ 18. Entende-se como receita corrente líquida, para os fins
É indevido o sequestro de verbas públicas quando o exe-
de que trata o § 17, o somatório das receitas tributárias,
quente/requerente não se encontra em primeiro lugar na
patrimoniais, industriais, agropecuárias, de contribuições e de
lista de ordem cronológica para pagamento de precatórios
serviços, de transferências correntes e outras receitas corren-
ou quando não demonstrada essa condição.
tes, incluindo as oriundas do § 1º do art. 20 da Constituição
Federal, verificado no período compreendido pelo segundo
mês imediatamente anterior ao de referência e os 11 (onze) 7.10.2. Débitos de pequeno valor
meses precedentes, excluídas as duplicidades, e deduzidas
Em se tratando de créditos de pequeno valor, o juiz poderá
I – na União, as parcelas entregues aos Estados, ao Distrito
requisitar o pagamento diretamente à autoridade citada no
Federal e aos Municípios por determinação constitucional;
processo de execução, ou seja, sem a necessidade de expedição
II – nos Estados, as parcelas entregues aos Municípios por de precatório, conforme art. 100, § 3º, da CF.
determinação constitucional;
Nos termos do art. 87 do ADCT, serão considerados cré-
III – na União, nos Estados, no Distrito Federal e nos Municípios,
ditos de pequeno valor os seguintes:
a contribuição dos servidores para custeio de seu sistema de
previdência e assistência social e as receitas provenientes Art. 87. Para efeito do que dispõem o § 3º do art. 100 da
da compensação financeira referida no § 9º do art. 201 da Constituição Federal e o art. 78 deste Ato das Disposições
Constituição Federal; Constitucionais Transitórias serão considerados de pequeno
§ 19. Caso o montante total de débitos decorrentes de con- valor, até que se dê a publicação oficial das respectivas leis
denações judiciais em precatórios e obrigações de pequeno definidoras pelos entes da Federação, observado o disposto
valor, em período de 12 (doze) meses, ultrapasse a média do no § 4º do art. 100 da Constituição Federal, os débitos ou
comprometimento percentual da receita corrente líquida obrigações consignados em precatório judiciário, que tenham
nos 5 (cinco) anos imediatamente anteriores, a parcela que valor igual ou inferior a:
12. Direito Processual do Trabalho 305

I – quarenta salários mínimos, perante a Fazenda dos Estados 7.11.2. Processamento


e do Distrito Federal;
Nos termos do art. 884 da CLT, os embargos à execução
II – trinta salários mínimos, perante a Fazenda dos Municípios.
devem ser opostos no prazo de 5 (cinco) dias, contados da
Embora o art. 87 do ADCT não faça referência aos créditos ciência da garantia do juízo. Assim, no processo do trabalho é
de pequeno valor da União, o art. 17, § 1º, da Lei 10.259/2001 condição sine qua non para a apresentação dos embargos à exe-
estabelece como de pequeno valor a dívida que não ultrapassar cução a prévia garantia do juízo, exceção feita à Fazenda Pública
60 salários mínimos. e às entidades filantrópicas e aos seus sócios ou diretores, art.
Assim, teríamos a seguinte tabela: 884, § 6º, da CLT. Pela incompatibilidade entre os institutos
a) União: 60 salários mínimos; e por possuir regra específica, pensamos não ser aplicável ao
processo do trabalho a disposição contida no caput do art. 525
b) Estados e Distrito Federal: 40 salários mínimos;
do CPC/2015 que admite, independentemente de penhora, que
c) Municípios: 30 salários mínimos. o executado apresente embargos à execução.
Importante lembrar que as dívidas de pequeno valor, Os embargos à execução serão processados nos mesmos
não submetidas ao regime dos precatórios, deverão ser pagas autos da execução, sendo recebidos com efeito suspensivo,
no prazo de 60 dias contados do ato de requisição da auto- nas lições de Renato Saraiva (Curso de Direito Processual do
ridade judicial, com fulcro no art. 17 da Lei 10.259/2001, Trabalho. 4. ed. São Paulo: Método, 2007. p. 587). Assim, uma
aplicada analogicamente aos débitos dos Estados, Distrito vez apresentados, a execução será imediatamente suspensa até
Federal e Municípios. Não sendo atendida a requisição, o julgamento dos embargos.
o juiz deve determinar o sequestro do valor suficiente ao
No entanto, para o Professor Carlos Henrique Bezerra
cumprimento da decisão, nos termos do art. 17, § 2º, da
Leite (Curso de Direito Processual do Trabalho. 7. ed. São
Lei 10.259/2001.
Paulo: LTr, 2009. p. 831 e 832) ensina: “Em linha de princípio, o
Por fim, importante destacar a Orientação Jurisprudencial recebimento da impugnação por simples despacho não implica
9 do Pleno do TST: a suspensão do processo. Para que o juiz possa emprestar efeito
ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 9 DO TRIBUNAL PLENO – PRE- suspensivo à impugnação apresentada pelo devedor é preciso
CATÓRIO. PEQUENO VALOR. INDIVIDUALIZAÇÃO DO CRÉDITO que o magistrado, valendo-se do seu poder geral de cautela,
APURADO. RECLAMAÇÃO TRABALHISTA PLÚRIMA. EXECUÇÃO profira decisão interlocutória, fundamentando a existência de
DIRETA CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. POSSIBILIDADE fumus boni iuris e periculum in mora.”
Tratando-se de reclamações trabalhistas plúrimas, a aferição Para essa corrente doutrinária, poderá o juiz, a requeri-
do que vem a ser obrigação de pequeno valor, para efeito de mento do embargante, atribuir efeito suspensivo aos embargos
dispensa de formação de precatório e aplicação do disposto no quando, sendo relevantes seus fundamentos, o prosseguimento
§ 3º do art. 100 da CF/1988, deve ser realizada considerando-se da execução manifestamente possa causar ao executado grave
os créditos de cada reclamante. dano de difícil ou incerta reparação, e desde que a execução já
esteja garantida por penhora, depósito ou caução suficientes.
7.11. Embargos à execução
Por fim, vale ressaltar que nos termos do art. 918 do
Os embargos à execução possuem natureza de ação de CPC/2015, os embargos à execução poderão ser liminarmente
cognição incidental em que o executado/ réu requer a extinção indeferidos quando intempestivos, nos casos de indeferimento
total ou parcial da execução, atacando o próprio conteúdo do da petição inicial e de improcedência liminar do pedido, ou,
título. ainda, quando manifestamente protelatórios.
7.11.1. Matérias arguíveis 7.12. Exceção de pré-executividade
As matérias arguíveis por meio dos embargos à execução Embora não esteja prevista em nosso ordenamento jurí-
estão elencadas no art. 884, § 1º, da CLT. dico, admite-se na Justiça do Trabalho para questões proces-
Contudo, esse rol não é exaustivo, aplicando-se subsidia- suais e para matérias que visem a invalidar o título executivo.
riamente as matérias elencadas no art. 525, § 1º, do CPC/2015 Deverá ser proposta entre a data da citação e antes da
e, ainda, aquelas matérias apontadas no art. 917 do CPC/2015. penhora, portanto não necessita da garantia do juízo. Sua
Com relação à prescrição disposta no art. 884, § 1º, da CLT, propositura não suspende, tampouco interrompe, o prazo para
importante salientar que o legislador se refere à prescrição oferecimento de bens à penhora pelo executado.
intercorrente. Sendo a execução rejeitada pelo juiz, não caberá recurso
A reforma trabalhista (Lei 13.467/2017) cuidou de inserir algum, por ser uma decisão interlocutória, podendo a matéria
no texto consolidado o art. 11-A para por fim ao entendimento ser rediscutida em sede de embargos à execução. No entanto,
jurisprudencial existente entre a súmula 114 do TST e a súmula se for acolhida a exceção, total ou parcialmente, a decisão
327 do STF e aplicar na Justiça do Trabalho a prescrição será terminativa de feito, desafiando a interposição de agravo
intercorrente. de petição.
Nessa linha, a fluência do prazo prescricional intercorrente
inicia-se quando o exequente deixa de cumprir determinação
7.13. Embargos de terceiro
judicial no curso da execução. Os embargos de terceiro encontram-se previstos nos arts.
Ademais, a declaração da prescrição intercorrente pode 674 a 681 do CPC/2015.
ser requerida ou declarada de ofício em qualquer grau de Podem ser opostos tanto no processo de conhecimento,
jurisdição. antes do trânsito em julgado da sentença ou acórdão, como no
processo de execução, até 5 (cinco) dias após a lavratura do
306 Hermes Cramacon

termo de penhora com a assinatura do termo de compromisso. CPC/2015 não apenas as sentenças podem ser objeto de ação
Sendo opostos, a execução será suspensa. rescisória, como também os acórdãos e, ainda, as decisões
Os embargos de terceiros deverão ser distribuídos por interlocutórias de mérito.
dependência ao juízo do processo que originou o ato de cons- As decisões terminativas não poderão ser atacadas por essa
trição e por ele será apreciado. via, na medida em que não produzem coisa julgada material.
Com relação aos embargos de terceiros realizados via Nesse sentido é a Orientação Jurisprudencial 134 da SDI 2 do TST.
carta precatória, serão oferecidos no juízo deprecado, salvo No entanto, a disciplina trazida pelo Novo CPC admite
se indicado pelo juízo deprecante o bem constrito ou se já excepcionalmente ser rescindível a decisão transitada em
devolvida a carta (art. 676, parágrafo único, do CPC de 2015), julgado, embora não seja de mérito. Trata-se das hipóteses
nos termos da Súmula 419 do TST. previstas no art. 966, § 2º, CPC/2015, que assim dispõe:
A decisão proferida nos embargos de terceiro poderá ser Art. 966. A decisão de mérito, transitada em julgado, pode ser
impugnada via agravo de petição nos termos do art. 897, “a”, rescindida quando
da CLT.
§ 1º (...)
7.14. Atos de encerramento da execução § 2º. Nas hipóteses previstas nos incisos do caput, será rescin-
dível a decisão transitada em julgado que, embora não seja
Devidamente julgados os embargos à execução, o pro- de mérito, impeça:
cedimento executório seguirá para a arrematação dos bens
I – nova propositura da demanda; ou
eventualmente penhorados.
II – admissibilidade do recurso correspondente.
Assim, em observância ao princípio da publicidade, há
necessidade de publicação do edital de praça e leilão, em jornal Não poderão ser objeto de ação rescisória as sentenças
da localidade, com antecedência mínima de 20 (vinte) dias, normativas, em conformidade com a Súmula 397 do TST.
devendo o devedor ser intimado, nos termos do art. 888 da CLT. SÚMULA 397 TST – AÇÃO RESCISÓRIA. ART. 966, IV, DO CPC DE
A arrematação é a venda do bem penhorado realizada pelo 2015. ART. 485, IV, DO CPC DE 1973. AÇÃO DE CUMPRIMENTO.
Estado através da praça ou leilão àquele que oferecer maior OFENSA À COISA JULGADA EMANADA DE SENTENÇA NORMA-
lance, não se admitindo a venda por preço vil, entendido como TIVA MODIFICADA EM GRAU DE RECURSO. INVIABILIDADE.
aquele de valor desprezível, que não guarda sintonia com o CABIMENTO DE MANDADO DE SEGURANÇA
valor constante no edital. Não procede ação rescisória calcada em ofensa à coisa julgada
O arrematante deverá garantir seu lance com o sinal de perpetrada por decisão proferida em ação de cumprimento,
20% do valor do bem no prazo de 24 horas da arrematação, em face de a sentença normativa, na qual se louvava, ter sido
sob pena de perder esse valor em favor da execução. modificada em grau de recurso, porque em dissídio coletivo
somente se consubstancia coisa julgada formal. Assim, os
Uma vez arrematado os bens penhorados e sendo suficien-
meios processuais aptos a atacarem a execução da cláusula
tes para o pagamento da dívida, os valores serão repassados reformada são a exceção de pré-executividade e o mandado
para o credor com o consequente encerramento da execução de segurança, no caso de descumprimento do art. 514 do CPC
trabalhista. de 2015 (art. 572 do CPC de 1973)
8. AÇÕES ESPECIAIS 8.1.1.2. Trânsito em julgado da decisão
8.1. Ação rescisória A decisão deve ter transitado em julgado, ou seja, não
poderá haver a possibilidade do manejo de recursos.
Disciplinada no art. 836 da CLT, com aplicação subsidiária
dos arts. 966 a 975 do CPC/2015, em conformidade com a IN 8.1.2. Hipóteses de cabimento
39 TST em seu art. 3º, XXVI, a ação rescisória é uma ação que
As hipóteses de cabimento estão elencadas de maneira
objetiva o desfazimento dos efeitos de sentença já transitada em
exaustiva nos incisos do art. 966 do CPC/2015.
julgado, tendo em vista a existência de vícios. Possui natureza
de ação desconstitutiva ou constitutiva negativa. Art. 966. A decisão de mérito, transitada em julgado, pode ser
O art. 836 da CLT, com a redação dada pela Lei rescindida quando:
11.495/2007, determina que o autor da ação rescisória realize I – se verificar que foi proferida por força de prevaricação,
depósito prévio de 20% (vinte por cento) do valor da causa, concussão ou corrupção do juiz;
salvo prova de sua miserabilidade. II – for proferida por juiz impedido ou por juízo absolutamente
incompetente;
8.1.1. Requisitos III – resultar de dolo ou coação da parte vencedora em detri-
Para a propositura da ação rescisória dois requisitos são mento da parte vencida ou, ainda, de simulação ou colusão
necessários: entre as partes, a fim de fraudar a lei;
IV – ofender a coisa julgada;
8.1.1.1. Decisão de mérito V – violar manifestamente norma jurídica;
O CPC/1973 expressamente previa a possibilidade de VI – for fundada em prova cuja falsidade tenha sido apurada
ajuizamento de ação rescisória somente contra sentenças de em processo criminal ou venha a ser demonstrada na própria
mérito transitadas em julgado. ação rescisória;
O atual CPC, ao cuidar da ação rescisória, determina VII – obtiver o autor, posteriormente ao trânsito em julgado,
em seu art. 966 que a decisão de mérito transitada em jul- prova nova cuja existência ignorava ou de que não pôde
gado poderá ser objeto de rescisão. Assim, de acordo com o fazer uso, capaz, por si só, de lhe assegurar pronunciamento
12. Direito Processual do Trabalho 307

favorável; Convém notar que o depósito recursal para o recurso


VIII – for fundada em erro de fato verificável do exame dos ordinário somente será devido quando o pedido for julgado
autos. procedente e seja imposta condenação em pecúnia.
§ 1º Há erro de fato quando a decisão rescindenda admitir Nessa linha, em conformidade com a Instrução Normativa
fato inexistente ou quando considerar inexistente fato efeti- 3 do TST, que regulamenta o depósito recursal, julgada proce-
vamente ocorrido, sendo indispensável, em ambos os casos, dente a ação rescisória e imposta condenação em pecúnia, será
que o fato não represente ponto controvertido sobre o qual exigido um único depósito recursal, até o limite da condenação,
o juiz deveria ter se pronunciado. ou o novo valor corrigido, sendo dispensado novo depósito
Nos domínios do processo do trabalho, o termo de conci- para os recursos subsequentes, salvo o depósito do agravo de
liação previsto no parágrafo único do art. 831 da CLT somente instrumento, previsto no art. 899, § 7º, da CLT.
poderá ser impugnado por ação rescisória, nos termos da Já nas ações rescisórias julgadas originariamente pelo
Súmula 259 do TST. Tribunal Superior do Trabalho poderá haver a interposição
de recurso de embargos de divergência, no prazo de 8 (oito)
8.1.3. Competência dias, nos termos do art. 894, II, da CLT. Caso não seja possível
A competência funcional para o processamento da ação a interposição de embargos de divergência, poderá, even-
rescisória é do TRT quando a decisão rescindenda for de Juiz tualmente, interpor recurso extraordinário, no prazo de 15
do Trabalho ou de acórdão do próprio Tribunal Regional do (quinze) dias, para o Supremo Tribunal Federal, nos termos
Trabalho. do art. 102, III, da CF.
A competência, todavia, será do TST para o processa- Por último, importante trazer o posicionamento do TST
mento da ação rescisória quando a decisão rescindenda for consubstanciado no item II da Súmula 219 do TST, com a
do próprio TST. redação dada pela resolução 204/2016:
8.1.4. Prazo SÚMULA 219. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. HIPÓTESE DE
CABIMENTO.
De acordo com o art. 975 do CPC/2015, o direito de propor
ação rescisória se extingue em 2 (dois) anos, contados do trân- I – (...)
sito em julgado da última decisão proferida no processo, seja II – É cabível a condenação ao pagamento de honorários advo-
essa decisão de mérito ou não. Trata-se de prazo decadencial. catícios em ação rescisória no processo trabalhista.
Sobre a contagem do prazo para a ação rescisória é importante (...)
a leitura da súmula 100 do TST. IV – Na ação rescisória e nas lides que não derivem de relação
Vale dizer que o relator mandará citar o réu, assinando- de emprego, a responsabilidade pelo pagamento dos hono-
-lhe prazo nunca inferior a 15 (quinze) dias nem superior a rários advocatícios da sucumbência submete-se à disciplina
30 (trinta), para responder/contestar aos termos da ação, art. do Código de Processo Civil (arts. 85, 86, 87 e 90).
970 CPC/2015.
8.2. Mandado de segurança
Importante lembrar que a ausência de contestação na
ação rescisória não induz em revelia. Isso porque não há Disciplinado pela Lei 12.016/2009, trata-se de um remé-
audiência perante o relator. Ademais, não há a presunção dio constitucional posto à disposição de toda pessoa física
relativa de veracidade dos fatos disposta no art. 344 do ou jurídica, ou mesmo órgão da administração pública com
CPC/2015. capacidade processual.
Nesse sentido, importante a leitura da súmula 398 do TST, Conforme o art. 1º da Lei 12.016/2009, o mandado de
que assim dispõe: segurança será concedido para proteger direito líquido e certo,
não amparado por habeas corpus ou habeas data, sempre que,
SÚMULA 398 TST – AÇÃO RESCISÓRIA. AUSÊNCIA DE DEFESA. ilegalmente ou com abuso de poder, qualquer pessoa física ou
INAPLICÁVEIS OS EFEITOS DA REVELIA. jurídica sofrer violação ou houver justo receio de sofrê-la por
Na ação rescisória, o que se ataca é a decisão, ato oficial do parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais
Estado, acobertado pelo manto da coisa julgada. Assim, e forem as funções que exerça.
considerando que a coisa julgada envolve questão de ordem
pública, a revelia não produz confissão na ação rescisória. 8.2.1. Competência
(ex-OJ n. 126 da SBDI-2 – DJ 09.12.2003) A competência será a da Justiça do Trabalho (art. 114,
IV, da CF) quando o ato taxado de ilegal for proferido por
8.1.5. Recurso
autoridades da Justiça do Trabalho.
Para as ações rescisórias julgadas originariamente pelos Com relação à competência funcional para o processa-
Tribunais Regionais do Trabalho, o recurso cabível é o recurso mento do mandado de segurança, ela poderá ser do juiz do
ordinário, com fundamento no art. 895, II, da CLT, no prazo trabalho (1ª instância), do TRT (2ª instância) e, ainda, do TST
de 8 (oito) dias, que será apreciado pelo Tribunal Superior do (3ª instância).
Trabalho.
Assim, serão da competência do juiz do trabalho os
Nesse sentido vale transcrever a Súmula 158 do TST. mandados de segurança impetrados contra ato praticado por
SÚMULA 158 TST – AÇÃO RESCISÓRIA autoridade fiscalizadora das relações de trabalho.
Da decisão de Tribunal Regional do Trabalho, em ação resci- A competência funcional será do TRT sempre que a
sória, é cabível recurso ordinário para o Tribunal Superior do autoridade coatora for o Juiz da Vara do Trabalho, diretor
Trabalho, em face da organização judiciária trabalhista. da secretaria ou os demais funcionários, juiz de direito, nas
308 Hermes Cramacon

hipóteses do art. 112 da CF, e, ainda, contra ato de juízes e Por último, não será possível a impetração de mandado
funcionários do próprio TRT. de segurança de decisão judicial transitada em julgado, por
Por último, os mandados de segurança contra atos do ser impugnável via ação rescisória, em conformidade com a
Presidente do Tribunal Superior ou por qualquer dos Ministros súmula 33 do TST e Súmula 268 do STF.
serão da competência do TST. Sobre o tema, importante se faz a leitura da súmula 414
do TST.
8.2.2. Hipóteses de cabimento e não cabimento
SÚMULA 414 TST – MANDADO DE SEGURANÇA. TUTELA PRO-
8.2.2.1. Hipóteses de cabimento VISÓRIA CONCEDIDA ANTES OU NA SENTENÇA
Para a impetração do mandado de segurança é necessá- I – A tutela provisória concedida na sentença não comporta
impugnação pela via do mandado de segurança, por ser
rio que a parte demonstre, de plano, o direito líquido e certo
impugnável mediante recurso ordinário. É admissível a obten-
violado e a ilegalidade ou abuso de poder praticados pela
ção de efeito suspensivo ao recurso ordinário mediante reque-
autoridade pública. rimento dirigido ao tribunal, ao relator ou ao presidente ou ao
O mandado de segurança não admite a produção de vice-presidente do tribunal recorrido, por aplicação subsidiária
provas, na medida em que os fatos devem ser provados de ao processo do trabalho do artigo 1.029, § 5º, do CPC de 2015.
imediato, mediante prova documental. Isso significa que o II – No caso de a tutela provisória haver sido concedida ou
direito líquido e certo é condição da ação para a impetração indeferida antes da sentença, cabe mandado de segurança,
do mandado de segurança. em face da inexistência de recurso próprio.
O ato taxado de ilegal deve ser de autoridade pública, III – A superveniência da sentença, nos autos originários, faz
entendida como tal os agentes da administração direta e indi- perder o objeto do mandado de segurança que impugnava a
reta, assim como os membros e servidores do Poder Legislativo concessão ou o indeferimento da tutela provisória.
e Judiciário.
8.2.3. Processamento
Vale lembrar as figuras equiparadas dispostas no § 1º do
art. 1º da Lei 12.016/2009 O direito de requerer mandado de segurança extinguir-
-se-á decorridos 120 (cento e vinte) dias, contados da ciência,
(...) pelo interessado, do ato impugnado taxado de ilegal ou abusivo
“§ 1º Equiparam-se às autoridades, para os efeitos desta Lei, (art. 23 da Lei 12.016/2009). Trata-se de prazo decadencial.
os representantes ou órgãos de partidos políticos e os admi- A petição inicial, que deverá preencher os requisitos esta-
nistradores de entidades autárquicas, bem como os dirigentes belecidos pela lei processual, será apresentada em duas vias,
de pessoas jurídicas ou as pessoas naturais no exercício de com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos
atribuições do poder público, somente no que disser respeito
na segunda, e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa
a essas atribuições.”
jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual
Podemos apontar como principais hipóteses de cabimento exerce atribuições.
de mandado de segurança na Justiça do Trabalho as seguintes:
A inicial, que poderá conter pedido de liminar, será desde
a) deferimento de medida liminar em ação de reintegração e logo indeferida quando não for o caso de mandado de segurança
transferência ilegal (art. 659, IX e X, da CLT); (art. 10 da Lei 12.016/2009) ou lhe faltar algum dos requisitos
b) deferimento de tutela provisória (arts. 294 a 311 CPC/2015); legais ou quando decorrido o prazo legal para a impetração.
c) não admissão de agravo de instrumento no primeiro juízo Concedida ou não a medida liminar, caberá agravo regi-
de admissibilidade. mental, caso a impetração tenha ocorrido nos Tribunais.
8.2.2.2. Hipóteses de não cabimento Por meio da OJ 140 da SDI 2, com redação de maio de
2004, ou seja, pretérita à EC 45 que ocorreu em dezembro de
O mandado de segurança não será concedido caso 2004, o TST firmou entendimento de que é incabível mandado
caiba recurso administrativo com efeito suspensivo, inde- de segurança contra decisão que defere ou indefere liminar em
pendentemente de caução. A lei exige o esgotamento da outro mandado de segurança.
esfera administrativa como condição para o mandado de
No entanto, de acordo com a EC 45/2004, o Juiz da vara
segurança.
do trabalho passou a ter competência para processar e julgar
Da mesma forma, não caberá mandado de segurança mandado de segurança. Nesse caso a decisão que deferir ou
contra decisões judiciais contra as quais caiba recurso com indeferir a liminar, por possuir cunho interlocutório, não desa-
efeito suspensivo. fia a interposição de recurso, podendo ser atacada via mandado
Vale lembrar o entendimento disposto na Súmula 33 do de segurança. Nesse sentido são as lições de Carlos Henrique
TST que assim dispõe: Bezerra Leite (Curso de Direito Processual do Trabalho. 7.
ed. São Paulo: LTr, 2009. p. 1019).
MANDADO DE SEGURANÇA. DECISÃO JUDICIAL TRANSITADA
EM JULGADO
A autoridade coatora será notificada, a fim de que, no
prazo de 10 (dez) dias, preste as informações necessárias sobre
Não cabe mandado de segurança de decisão judicial transitada o ato taxado de ilegal.
em julgado. Expirado o prazo de 10 (dez) dias para prestação de
Nos termos da súmula 418 do TST, convém destacar que informações, será ouvido o membro do Ministério Público do
a homologação de acordo constitue faculdade do juiz, inexis- Trabalho e, em seguida, será colocado em julgamento.
tindo direito líquido e certo tutelável pela via do mandado de Da sentença, denegando ou concedendo a segurança,
segurança. caberá recurso ordinário para a instância superior.
12. Direito Processual do Trabalho 309

8.3. Ação de consignação em pagamento o depósito da importância entendida devida, será o credor
cientificado, por meio de carta com aviso de recebimento, do
A ação de consignação em pagamento é a medida proces-
referido depósito com o valor devidamente discriminado e
sual na qual o devedor demanda contra o credor objetivando
corrigido monetariamente.
o pagamento e o consequente reconhecimento judicial do
adimplemento da obrigação. Nessa notificação será dado um prazo de 10 (dez) dias
para sua manifestação. Nesse momento surgem ao credor 4
Por não possuir previsão legal na CLT, aplica-se o direito
alternativas: a) levantar o depósito realizado, o que importará
processual civil, nos termos dos arts. 539 a 549 do CPC/2015.
na aceitação do pagamento e a consequente extinção da obriga-
8.3.1. Hipóteses de cabimento ção; b) deixar transcorrer in albis o prazo para resposta, o que
implicará a aceitação tácita do pagamento, com a consequente
A ação de consignação em pagamento será cabível nas extinção da obrigação; c) responder por escrito recusando o
hipóteses previstas no art. 335 do Código Civil. levantamento do valor, hipótese em que o valor depositado
Nos domínios do processo do trabalho, as hipóteses mais ficará à disposição do devedor; ou d) realizar o levantamento
comuns de ação de consignação em pagamento são: do valor depositado e simultaneamente responder por escrito
a) Dispensa com ou sem justa causa: hipótese em que o que o pagamento não é integral, mediante documento entregue
empregador encontra resistência do empregado em receber à instituição depositária.
as verbas rescisórias; É importante chamar a atenção, porém, para o fato de
b) Morte ou ausência do empregado: hipótese em que o que a consignação extrajudicial sofre por parte da doutrina e
empregador se vê na dúvida de quem são os legítimos herdeiros jurisprudência trabalhista uma enorme resistência em relação
que deverão receber as verbas rescisórias do seu ex-empregado; à sua aplicação na esfera laboral.
c) Empregado que se recusa a receber ou dar quitação: hipó- Isso porque os trabalhadores poderiam ter afetados seus
tese em que o empregado se recusa a receber de seu empregador direitos, na medida em que a eficácia liberatória concedida
determinados valores. pelo § 2º do art. 539 CPC/2015 é incompatível com o processo
Poderão propor a ação o devedor, que poderá ser tanto o do trabalho.
empregado como o empregador, ou o terceiro interessado no Ademais, nos casos de empregados com mais de um ano
pagamento da dívida. de trabalho, a homologação da rescisão necessita da interven-
ção do sindicato, nos termos do art. 477, § 1º, da CLT, o que
8.3.2. Consignação judicial e extrajudicial prejudicaria a via da consignação extrajudicial.
O art. 539 do CPC/2015 aplicado subsidiariamente por
força do art. 769 consolidado e 15 CPC/2015, disciplina duas 8.3.2.2. Consignação judicial
modalidades de consignação em pagamento. A consignação É a medida processual pela qual o autor/consignante requer
extrajudicial e a consignação judicial. que seja conhecido por sentença judicial o adimplemento de
uma obrigação existente entre este e o réu/consignado.
8.3.2.1. Consignação em pagamento extrajudicial
Instituída pela Lei 8.951/1994, a consignação extrajudicial 8.3.2.2.1. Processamento
encontra-se disciplinada nos parágrafos do art. 539 CPC/2015. A ação de consignação deverá ser proposta observando-se
Nas lições de Renato Saraiva (Curso de Direito Proces- a regra disposta no art. 651 da CLT, ou seja, local da última
sual do Trabalho. 4. ed. São Paulo: Método, 2007. p. 781), a prestação de serviços, não se aplicando a norma contida no
consignação extrajudicial “consiste na realização do depósito art. 540 do CPC/2015.
da quantia devida, pelo devedor ou terceiro, em estabelecimento Nos termos do art. 542, I, CPC/2015, na petição inicial, o
bancário oficial, nada obstando que o depósito seja realizado autor/consignante deverá requerer o depósito da quantia ou da
em bancos particulares, quando, na localidade onde deva ser coisa e realizá-lo no prazo de 5 (cinco) dias, contados do defe-
adimplida a obrigação, não existam bancos oficiais (Banco do rimento da medida. Não realizando o depósito nesse período, o
Brasil, CEF etc.)”. processo será extinto sem resolução do mérito. Recomenda-se
Em outras palavras, trata-se de uma espécie de depósito que, ao pedir o depósito da quantia, o consignante requeira
bancário que envolve determinado valor em dinheiro para que que esse seja feito na conta vinculada do FGTS do obreiro.
o devedor se livre do vínculo jurídico existente entre ele e o Deverá o consignante especificar, de forma líquida e certa,
credor da obrigação. cada parcela consignada na ação.
A utilização da consignação extrajudicial não é obri- Uma vez realizado o depósito, o Juiz do Trabalho designará
gatória. Trata-se de um modo alternativo para solução de audiência notificando o consignado para levantar a quantia
conflitos, podendo a parte, caso assim queira, ingressar com depositada ou oferecer resposta, nos termos do art. 542, II,
a ação de consignação judicial, antes mesmo da consignação do CPC/2015.
extrajudicial. Caso o consignado levante a importância depositada,
estará reconhecendo a procedência do pedido do consignante,
8.3.2.1.1. Processamento da consignação extinguindo-se o processo com resolução do mérito (art. 487,
extrajudicial III, a, do CPC/2015).
O credor ou o terceiro deverá se dirigir até um estabeleci- Não concordando com os valores depositados, o consig-
mento bancário oficial, ou na sua falta em bancos particulares, nado apresentará qualquer modalidade de resposta: recon-
e solicitar a abertura de uma conta específica para consigna- venção, exceção ou contestação. Na contestação, sua resposta
ção do pagamento em nome do credor. Uma vez efetuado ficará restrita às matérias descritas no art. 544 do CPC/2015.
310 Hermes Cramacon

8.4. Inquérito judicial para apuração de falta grave de trabalho que deverão ser observadas em relação a todos
os trabalhadores dessas categorias. Ambos possuem prazo
Previsto nos arts. 853 a 855 da CLT, o inquérito judicial
máximo de duração de 2 (dois) anos.
para apuração de falta grave é uma ação ajuizada pelo empre-
gador, objetivando a resolução do contrato de trabalho de seu Desta forma, não sendo observadas as condições de
empregado, que não pode ser despedido arbitrariamente por trabalho estabelecidas no instrumento, surge o interesse na
ser detentor de estabilidade, por cometimento de falta grave. propositura da ação de cumprimento.
Determina o art. 494 da CLT que o empregado estável que Sentença normativa é a decisão proferida em dissídio
cometer falta grave poderá ser suspenso de suas atividades, mas coletivo que estabelece normas gerais e abstratas de conduta,
a dispensa apenas será válida após o processamento do inqué- de observância obrigatória para as categorias profissionais
rito judicial que apurará a prática daquela pelo empregado. e econômicas abrangidas pela decisão (poder normativo da
Justiça do Trabalho). Não possui conteúdo condenatório, uma
8.4.1. Hipóteses de cabimento vez que apenas estabelece direitos a serem concedidos que, caso
O inquérito judicial para apuração de falta grave se não cumpridos, serão pleiteados via ação de cumprimento, nos
mostra necessário apenas nos seguintes casos de estabilidade termos do art. 872 da CLT.
provisória: A ação de cumprimento poderá ser proposta pelos pró-
a) Dirigente sindical, nos termos do art. 8º, VIII, da CF e art. prios trabalhadores, hipótese em que é denominada ação
543, § 3º, da CLT; individual de cumprimento (simples ou plúrima). Poderá,
também, ser proposta pelo sindicato da categoria profissio-
b) Empregados eleitos membros de comissão de conciliação nal, como substituto processual, quando é denominada ação
prévia, nos termos do art. 625-B, § 1º, da CLT; coletiva de cumprimento.
c) Empregados membros do Conselho Nacional de Previdência
Embora o texto consolidado do art. 872 estabeleça que para
Social – CNPS, nos termos do art. 3º, § 7º, da Lei 8.213/1991;
a propositura da ação de cumprimento é necessário o trânsito
d) Empregados eleitos diretores de sociedades cooperativas, em julgado da decisão, a Súmula 246 do TST ensina ser este
nos termos do art. 55 da Lei 5.764/1971. dispensável para a propositura da ação.
Cabe lembrar que os casos de falta grave estão elencados no A competência para processar e julgar a ação de cumpri-
art. 482 da CLT, quais sejam: ato de improbidade; incontinência mento pertence às Varas do Trabalho, nos termos do art. 872,
de conduta ou mau procedimento; desídia no desempenho parágrafo único, da CLT e deverá ser distribuída no local da
das respectivas funções; embriaguez habitual ou em serviço; prestação dos serviços, em conformidade com o art. 651 da
violação de segredo da empresa; ato de indisciplina ou de insu- CLT.
bordinação; e abandono de emprego, dentre outras condutas.
A petição inicial deverá ser instruída com cópia da sen-
Pela própria redação do art. 494 da CLT, a suspensão do tença normativa ou, em se tratando de ação de cumprimento de
empregado acusado de falta grave é faculdade do empregador. cláusulas de convenção ou acordo coletivo, com os respectivos
Por esta razão, o inquérito deverá ser proposto no prazo deca- instrumentos, sob pena de indeferimento da petição inicial.
dencial de 30 (trinta) dias, contados da data da suspensão ou
do cometimento da falta grave. 8.6. Ação monitória
Determina o art. 495 da CLT que, se não for reconhecida Criada pela Lei 9.079/1995, que inseriu os arts. 700 e
a existência de falta grave, o empregador será obrigado a rein- seguintes do CPC/2015 ao Código de Processo Civil, a ação
tegrar o empregado no serviço e a pagar-lhe os salários a que monitória é admitida no processo do trabalho por força do art.
teria direito no período da suspensão. Todavia, comprovada 769 da CLT e art. 15 CPC/2015.
a prática da falta grave pelo empregado, o contrato será con-
Dispõe o art. 700, caput e seus incisos do CPC/2015 A
siderado rompido desde a data da suspensão do empregado.
ação monitória compete aquele que afirmar, com base em
No entanto, sendo desaconselhável a reintegração do prova escrita sem eficácia de título executivo, ter direito de
empregado, devido à incompatibilidade entre os litigantes, exigir do devedor capaz, pagamento de quantia em dinheiro,
poderá o juiz converter a reintegração em indenização dobrada entrega de coisa fungível ou infungível ou de determinado bem
em favor do empregado, nos termos dos arts. 496 e 497 da CLT. móvel ou imóvel ou, ainda, o adimplemento de obrigação de
O inquérito para apuração de falta grave deverá ser fazer ou de não fazer.
proposto perante a Vara do Trabalho ou Juiz de Direito, nas A competência material da ação monitória da Justiça do
hipóteses do art. 112 da CF, podendo a parte indicar até 6 Trabalho será fixada caso o documento escrito emitido seja
(seis) testemunhas. decorrente da relação de trabalho, nos termos do art. 114 da
CF. Com relação à competência territorial, deve ser observada
8.5. Ação de cumprimento a regra do art. 651 da CLT, ou seja, o local da prestação de
Disposta no art. 872 da CLT, a ação de cumprimento é o serviços.
meio processual que visa ao cumprimento das normas estabe- Podemos citar como exemplo de ação monitória na Justiça
lecidas em sentença normativa, convenção ou acordo coletivo. do Trabalho a hipótese do termo de acordo extrajudicial fir-
Como sabemos, acordo coletivo de trabalho é o pacto entre mado entre empregado e empregador. O acordo extrajudicial
uma ou mais empresas com o sindicato da categoria profissio- não está inserido no rol dos títulos executivos previstos no
nal, em que são estabelecidas condições de trabalho, aplicáveis art. 876 da CLT e por essa razão não pode ser executado na
às empresas envolvidas. Convenção coletiva de trabalho é o Justiça do Trabalho. Assim, por não possuir eficácia executiva,
acordo de caráter normativo, entre um ou mais sindicatos de o cumprimento do termo de acordo extrajudicial poderá ser
empregados e de empregadores, de modo a definir condições exigido via ação monitória.
12. Direito Processual do Trabalho 311

A ação monitória constitui uma via processual mais célere, processo do trabalho. Ademais, não podemos deixar de lado a
que tem como objetivo antecipar a formação do título exe- Lei 5.584/1970 que dispõe sobre normas de Direito Processual
quendo e agilizar a prestação jurisdicional, posta à disposição do Trabalho e disciplina a concessão e prestação de assistência
do credor que detém prova escrita, porém sem eficácia de judiciária na Justiça do Trabalho.
título executivo. Contudo, é uma faculdade do credor que, não Assim, se faz importante traçar algumas considerações
obstante preenchidos os requisitos do art. 700 do CPC/2015, a respeito dos principais reflexos do CPC/2015 ao processo
poderá optar pelo procedimento comum, propondo uma do trabalho.
reclamação trabalhista.
Vale ressaltar que em 15/03/2016 o TST editou a Instru-
8.6.1. Processamento ção Normativa 39, que, de forma não exaustiva, dispõe sobre
as normas do Código de Processo Civil de 2015 aplicáveis e
A ação monitória deverá ser proposta na Vara do Trabalho inaplicáveis ao Processo do Trabalho.
ou perante o Juiz de Direito, nas hipóteses do art. 112 da CF.
Iremos tratar de 5 temas que julgamos relevantes
O autor deverá instruir a petição inicial observando as
regras do art. 840, § 1º, da CLT e arts. 319 do CPC/2015, 9.1. Principais temas de relevância para o Processo
observando também os §§ do art. 700 do CPC/2015, devendo do Trabalho
obrigatoriamente juntar o título que não tem ou perdeu a
eficácia executiva. 9.1.1.Aplicação subsidiária e supletiva do CPC ao
Apresentada a inicial, o Juiz do Trabalho poderá determi- Processo do Trabalho
nar ou não a expedição do mandado monitório. Caso o Juiz O art. 769 da CLT ensina que nos casos omissos, o direito
indefira de plano a petição inicial, caberá recurso ordinário, processual comum será fonte subsidiária do direito processual
com base no art. 895, I, da CLT, no prazo de 8 (oito) dias. do trabalho, exceto naquilo em que for incompatível com suas
Caso o Juiz opte pela expedição do mandado, registrará normas e princípios.
um prazo de 15 (quinze) dias para seu cumprimento, ou seja, Como sabemos, a CLT e a Lei 5.584/1970 possuem regras
pagamento do valor reclamado, entrega da coisa fungível ou que regulam o processo trabalhista.
do determinado bem.
Nessa linha, o art. 15 do CPC/2015 dispõe:
Caso o réu satisfaça a obrigação, nos termos do art. 701,
Art. 15. Na ausência de normas que regulem processos elei-
§ 1º, do CPC/2015 ficará isento dos pagamentos de custas torais, trabalhistas ou administrativos, as disposições deste
processuais e honorários advocatícios. Nesse caso, o processo Código lhes serão aplicadas supletiva e subsidiariamente.
será extinto com resolução do mérito.
Referido dispositivo legal ensina, portanto, que o direito
Por outro lado, poderá o réu, sem prévia garantia do juízo, processual civil será fonte supletiva e subsidiária do processo
apresentar embargos monitórios que suspenderão a eficácia trabalhista, na sua ausência de normas.
do mandado judicial. Nesse caso, deverá o Juiz do Trabalho
designar audiência de conciliação e julgamento, em obediência Cumpre diferenciar a aplicação supletiva e aplicação sub-
ao princípio conciliatório. sidiária. A primeira visa complementação da norma quando
diante de regras especiais e incompletas. Temos aqui uma
Sendo rejeitados os embargos monitórios ou se não forem omissão parcial da norma. Já a aplicação subsidiária visa pre-
apresentados, o Juiz do Trabalho proferirá sentença, reconhe- encher uma lacuna, um espaço vazio na norma. Há, portanto
cendo a executoriedade do título. uma omissão total da norma sobre determinada regra.
9. REFLEXOS DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO Todavia, para que se possa aplicar a regra supletiva ou
CIVIL AO PROCESSO DO TRABALHO subsidiariamente deverá existir compatibilidade entre os ins-
titutos, em conformidade com o art. 769 da CLT.
Após 5 anos de trâmite, o PL 166/2010, de iniciativa do
Senado Federal, foi sancionado em 16/03/2015, sendo publi- Não podemos dizer que o CPC/2015, que cuida de regras
cada a Lei 13.105/2015, instituindo o Novo Código de Processo gerais de processo, mais especificadamente seu art. 15, revogou
Civil, com vacatio legis de um ano a contar da data de sua os arts. 769 e 889 da CLT, que são normas especiais de Direito
publicação, que passou a vigorar a partir do dia 18/03/2016 Processual do Trabalho, na medida em que pelo princípio
da especialidade das normas, a lei nova de caráter geral não
São 3 os principais objetivos do CPC/2015: revoga a anterior especial, devendo incidir a norma específica,
a) efetividade processual; nos termos do art. 2º, § 2º, da Lei de Introdução às normas do
b) simplificação do processo e Direito Brasileiro.
c) melhoria na organicidade e coesão do sistema. Sabemos que a CLT sempre priorizou, entre outros, a
Podemos dizer que no CPC/2015 traz maior sintonia entre celeridade processual, objetivo este que representa um dos
ele e o texto constitucional, até mesmo porque nosso Código de principais do CPC/2015, visando efetivar o princípio consti-
Processo Civil datava de 1973 e princípios que foram trazidos tucional da duração razoável do processo.
pela Constituição Federal de 1988 não eram tratados. Portanto, Portanto, sempre que a regra trazida pelo CPC/2015 para
o CPC/2015 busca maior proximidade com a Constituição sanar a omissão total ou parcial das normas de direito proces-
Federal, como por exemplo, a duração razoável do processo. sual do trabalho for compatível com os princípios e peculia-
Como sabemos a CLT prevê em seu art. 769 que o processo ridades que regulam o processo do trabalho, será aplicável ao
comum será fonte subsidiária do processo do trabalho, devendo processo trabalhista.
ser aplicado na omissão do texto consolidado, desde que haja Como exemplo, podemos citar a hipótese de pagamento
compatibilidade com as normas e princípios que informam o de honorários advocatícios. Como sabemos a CLT não prevê
312 Hermes Cramacon

o pagamento de honorários advocatícios e a Lei 5.584/1970 Dispõe o art. 183 do CPC/2015:


em seu art. 14, § 1º prevê a condenação ao pagamento de
honorários advocatícios, nunca superiores a 15% (quinze Art. 183. A União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios
por cento), devendo a parte, concomitantemente: a) estar e suas respectivas autarquias e fundações de direito público
gozarão de prazo em dobro para todas as suas manifestações
assistida por sindicato da categoria profissional; b) comprovar
processuais, cuja contagem terá início a partir da intimação
a percepção de salário inferior ao dobro do salário mínimo pessoal.
ou encontrar-se em situação econômica que não lhe permita
demandar sem prejuízo do próprio sustento ou da respectiva Embora a IN 39 do TST não tenha se posicionado a res-
família. Ademais, as outras hipóteses de cabimento de hono- peito dessa problemática, diante da situação certamente duas
rários advocatícios na Justiça do Trabalho estão elencadas na correntes de interpretação surgirão. Aquela que defenderá a
Súmula 219 do TST. inaplicabilidade do art. 183 do CPC/2015, na medida em que
serão aplicadas as normas do Decreto Lei 779/1969 sem a com-
Com a entrada em vigor do CPC/2015 poder-se-ia inda-
plementação do CPC/2015; e uma segunda corrente pugnando
gar sobre a possibilidade de aplicação ou não dos arts. 85 e
pela complementação da norma trabalhista pelo CPC/2015,
seguintes do CPC/2015 que prevê o pagamento de honorários
em função da disposição contida no art. 15 do CPC/2015 que
advocatícios. Certamente não poderíamos aplicar a norma do
determina a aplicação subsidiária e supletiva.
novo diploma processual, pois embora haja omissão no texto
consolidado, a regra do direito comum não é compatível com Entendemos que, nesse caso, devemos aplicar primeira-
o princípio do jus postulandi da Justiça do Trabalho. mente o Decreto Lei 779/1969 e de forma supletiva e subsidiária
o art. 183 do CPC/2015, possuindo a Fazenda Pública prazo
Certamente esse é um dos temas tratados pelo CPC/2015
em quádruplo para contestar e em dobro para recorrer, bem
que trará grande discussão/debates na doutrina e jurispru-
como para as demais manifestações nos autos.
dência.
A lei processual civil prevê, ainda, no art. 186 CPC/2015
Assim, considerando a vigência de novo Código de
que a Defensoria Pública gozará de prazo em dobro para todas
Processo Civil e a imperativa necessidade de posicionar-se, o
as suas manifestações processuais.
TST, de forma não exaustiva, editou a IN 39 dispondo sobre
as normas do Código de Processo Civil de 2015 aplicáveis e 10.1.4. Impacto do CPC/2015 nos recursos trabalhistas
inaplicáveis ao Processo do Trabalho.
10.1.4.1. Juízo único de admissibilidade
9.1.2. Prazos em dobro para Ministério Público e
Fazenda Pública Ensina o art. 1.010, § 3º, do CPC/2015 que na apelação,
após a apresentação de contrarrazões os autos serão reme-
A regra disposta no art. 180 do CPC/2015 trata do prazo tidos ao tribunal pelo juiz, independentemente de juízo de
diferenciado para o Ministério Público. Dispõe o art. 180 admissibilidade. Contudo, ao tratar dos recursos especial e
CPC/2015: extraordinário o art. 1.030 CPC/2015, de acordo com a redação
Art. 180. O Ministério Público gozará de prazo em dobro dada pela Lei 13.256/2016, ensina que não haverá a regra do
para manifestar-se nos autos, que terá início a partir de sua juízo único de admissibilidade, devendo o Tribunal recorrido
intimação pessoal, nos termos do art. 183, § 1º. efetuar o juízo de admissibilidade antes de remeter os autos
O CPC/1973 cuidava do prazo diferenciado no art. 188, ao STJ ou STF.
fixando o prazo em quádruplo para contestar e dobro para A regra, portanto, põe fim ao duplo juízo de admissibilidade
recorrer. Já a regra prevista no art. 180 CPC/2015 prevê ao recurso de apelação, fazendo com que o recurso interposto
somente o prazo em dobro, mas o prevê não apenas para con- suba ao Tribunal independente de exame de admissibilidade.
testar ou recorrer, mas também para qualquer manifestação A nova regra processual civil não será aplicada ao processo
nos autos. do trabalho, tendo em vista que o sistema recursal trabalhista
Desta forma, a regra deverá ser aplicada ao processo é diferenciado do processo recursal comum, pois possui regras
trabalhista para o Ministério Público que gozará de prazo em específicas sobre a interposição, recebimento ou denegação e,
dobro para manifestar-se nos autos de modo geral, inclusive ainda, provimento ou não provimento. Por meio do art. 2º,
para contestar, recorrer e até mesmo contra-arrazoar, que se XI, da IN 39 o TST ensina não ser aplicável ao processo do
iniciará com sua intimação pessoal. Caiu, portanto, a regra trabalho a regra do juízo único de admissibilidade recursal
de prazo em dobro para recorrer e prazo em quádruplo para qualquer recurso trabalhista, haja vista a inexistência de
para contestar. omissão e incompatibilidade do instituto. Desta forma, no
Todavia, com relação à Fazenda Pública, nos domínios processo do trabalho continuará em pleno vigor a regra do
do processo do trabalho temos que considerar o Decreto Lei duplo juízo de admissibilidade recursal, que será exercido pelo
779/1969 que dispõe sobre a aplicação de normas processuais juízo a quo e pelo juízo adquem.
trabalhistas à Fazenda Pública e determina em seu art. 1º, II e No entanto, importante destacar que a regra disposta no
III, o prazo em quádruplo para a audiência inaugural em que atual art. 485, § 7º, do CPC/2015 que permite a retratação
deverá apresentar resposta/defesa e em dobro para recorrer, por parte do juiz recorrido prolator de decisão de extinção do
respectivamente. processo sem resolução de mérito, se mostra compatível com o
Assim, em se tratando de Fazenda Pública resta claro que sistema recursal trabalhista, devendo ser aplicada ao processo
na seara trabalhista teremos a aplicabilidade do Decreto Lei do trabalho, por força do art. 769 da CLT e art. 15 do CPC/2015,
779/69, restando dúvida, porém acerca da aplicabilidade ou nos termos do art. 3º, VIII, da IN 39 TST.
não do art. 183 do CPC/2015 no que diz respeito ao prazo em Assim, uma vez interposto recurso ordinário em face de
dobro para todas as manifestações nos autos sentença que extinguiu o processo sem resolução de mérito,
12. Direito Processual do Trabalho 313

poderá o juízo recorrido proceder ao juízo de retratação, dando intimado na pessoa de seu advogado, não vier a supri-lo no
prosseguimento ao feito. prazo de 5 (cinco) dias.
Ainda sobre a admissibilidade dos recursos, determina o Assim, de acordo com citado dispositivo legal e a atual
parágrafo único do art. 932 do CPC/2015 que antes de con- redação da OJ 140 SDI 1 TST, caso a parte não efetue o preparo
siderar inadmissível o recurso, o relator (levando em conta no prazo legal, deverá o Tribunal, na pessoa do juiz relator,
que o único exame de admissibilidade é feito pelo relator, no intimar a parte na pessoa de seu advogado para que efetue o
Tribunal ad quem) concederá o prazo de 5 (cinco) dias ao recolhimento da diferença restante, no prazo de 5 dias. Somente
recorrente para que seja sanado vício ou complementada a se a parte descumprir a ordem judicial é que lhe será aplicada
documentação exigível. a deserção.
Assim, excetuando a hipótese de intempestividade, antes O CPC/2015 vai além e no § 4º do mesmo dispositivo legal
de não conhecer de um recurso por ausência de algum de seus
prevê a hipótese do recorrente que deixa de efetuar o paga-
pressupostos/requisitos, deverá o juiz determinar que a parte
mento do preparo. Esta hipótese não pode ser confundida com
interessada sane o vício, no prazo de 5 dias, para dar regular
a prevista no § 2º que pressupõe o recolhimento insuficiente;
seguimento ao processamento do recurso. Somente se a parte
não atender ao comando judicial para “emendar” seu recurso é aqui o recorrente deixa de efetuar o preparo. Nessa hipótese,
que o juiz poderá determinar o não conhecimento do recurso. determina o § 4º do art. 1.007 do CPC/2015 que o recorrente
será intimado, na pessoa de seu advogado, para realizar o reco-
No entanto importante salientar que a insuficiência no
lhimento do preparo, porém em dobro, sob pena de deserção.
valor do preparo do recurso, no Processo do Trabalho, para
Nesse caso, havendo insuficiência do valor depositado em
os efeitos do § 2º do art. 1.007 do CPC, concerne unicamente
às custas processuais e não ao depósito recursal. dobro, não será possível a aplicação da regra disposta no §
2º acima estudado, nos termos do art. 1.007, § 5º, CPC/2015.
Tendo em vista a compatibilidade da norma processual
civil com o processo do trabalho, a disciplina estabelecida no 9.1.5. Princípio do contraditório – Vedação da
parágrafo único do art. 932 do CPC/2015 será aplicável na seara “decisão surpresa”
trabalhista, nos termos do art. 10 da IN 39 do TST.
Entende-se por “decisão surpresa” aquela que, no julga-
10.1.4.2. Recurso extemporâneo mento final do mérito da causa, em qualquer grau de jurisdi-
Embora a matéria não esteja disciplinada na CLT, por ção, aplicar fundamento jurídico ou embasar-se em fato não
muito tempo o TST adotou a tese de que o recurso interposto submetido à audiência prévia de uma ou de ambas as partes.
antes de iniciado o prazo seria considerado extemporâneo De acordo com o CPC/2015 o juiz não pode decidir, em
e, portanto, não poderia ser admitido, ou seja, teria seu grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito
seguimento negado, culminando na edição da Súmula 434 do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se mani-
do TST, cancelada em junho de 2015 por meio da Resolução festar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir
198/2015. de ofício, é o que reza o art. 10 do CPC/2015.
De qualquer forma, o CPC/2015 disciplina a situação em Com isso o legislador buscou colocar fim nas decisões
debate, determinando no art. 218, § 4º que será considerado surpresas, ou seja, sem oitiva da parte adversa, o que acar-
tempestivo o ato praticado antes do termo inicial do prazo. retava o cerceamento de defesa, por ofensa ao princípio do
Desta forma, face a omissão do texto celetista, a regra contraditório. Assim, o juiz não proferirá decisão contra uma
disposta no CPC/2015 deverá ter aplicação no processo do das partes sem que ela seja previamente ouvida.
trabalho.
Contudo, não se considera “decisão surpresa” aquela que
10.1.4.3. Preparo as partes tinham obrigação de prever, concernente às condições
da ação, aos pressupostos de admissibilidade de recurso e aos
Na Justiça do Trabalho o preparo consiste no recolhimento pressupostos processuais, salvo disposição legal expressa em
das custas processuais bem como o recolhimento do depósito
contrário.
recursal. O não recolhimento implicará no não conhecimento
do recurso por deserção. Desta forma, o juiz deve sempre zelar pela observância
do contraditório, razão pela qual não poderá deixar de ouvir a
Nos domínios do processo do trabalho, o preparo deverá
ser feito dentro do prazo recursal, art. 789, § 1º, da CLT, obser- parte contrária em nenhum caso, exceto nas hipóteses tratadas
vando a disposição da Súmula 245 do TST. no parágrafo único do art. 9º do CPC/2015, que assim dispõe:
O TST por meio da OJ 140 da SDI 1 firmou entendimento: Art. 9º Não se proferirá decisão contra uma das partes sem que
ela seja previamente ouvida.
OJ 140 SDI 1 TST – DEPÓSITO RECURSAL E CUSTAS PROCESSU-
AIS. RECOLHIMENTO INSUFICIENTE. DESERÇÃO Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica:
Em caso de recolhimento insuficiente das custas proces- I – à tutela provisória de urgência;
suais ou do depósito recursal, somente haverá deserção do II – às hipóteses de tutela da evidência previstas no art. 311,
recurso se, concedido o prazo de 5 (cinco) dias previsto no § 2º incisos II e III;
do art. 1.007 do CPC de 2015, o recorrente não complementar III – à decisão prevista no art. 701.
e comprovar o valor devido. A IN 39/TST determina em seu art. 4º ser aplicável ao Processo
De acordo com seu art. 1.007, § 2º, o CPC/2015 deter- do Trabalho as normas do CPC que regulam o princípio do
mina que a insuficiência no valor do preparo, inclusive porte contraditório, em especial os artigos 9º e 10, no que vedam
de remessa e de retorno, implicará deserção se o recorrente, a decisão surpresa.