Você está na página 1de 27

Um guia prático para

trabalhar com pessoas


que ouvem vozes

Paul Baker
Por que nós escrevemos este guia:

Este guia foi escrito como uma introdução a uma nova maneira de
pensar sobre "ouvir vozes". Audição vozes pode ser uma
experiência muito preocupante, tanto para a pessoa que ouve
vozes, familiares e amigos. Até à data, muito pouco tem sido escrito
sobre esta experiência e seu significado, normalmente é
considerado como um sintoma de um transtorno mental e não se
fala porque é uma experiência socialmente estigmatizante. Neste
guia, vamos perguntar qual sensação de ouvir vozes, por que
começo a ouvir vozes e como as pessoas podem lidar melhor com
este experimentar?

As informações contidas neste guia é baseado em pesquisa e


trabalho prático realizado na Holanda e no Reino Unido durante 17
anos, que pela primeira vez vem diretamente do real especialistas,
o ouvinte de vozes.

Para quem é esse guia?

Este guia é destinado à voz ouvintes, família, amigos e como sendo


de interesse para profissionais que trabalham com ouvintes.
Esperamos que quando você ler o guia que você estará interessado
em saber mais.

Agradecimentos

Este guia é baseado na publicação 'Ouvindo Vozes' escrito por


Sarah Sino da Oxford e inclui informações que pode ser encontrada
no livro Aceitar vozes (1993) escrito pelo Professor Marius Romme
e Sandra Escher, publicada por publicações mente.

Nossos agradecimentos especiais vão para todos os membros da


Rede e ouvindo vozes Sarah Bell, sem os quais este guia não
poderia ter sido escrito.
1. Introdução:

A primeira audiência do Reino Unido do grupo de ouvinte de vozes


foi formado em 1988. Começou como um grupo pequeno originário
de Manchester, inspirado no trabalho pioneiro do Professor Marius
Romme, um psiquiatra de Maastricht, na Holanda, e do grupo de
auto-ajuda da Intervoice que foi criada através deste trabalho. Os
membros do Reino Unido já visitaram Maastricht muitas vezes. Em
1989 o grupo de Manchester organizou uma turnê de palestras no
norte da Inglaterra por Marius Romme, Sandra Escher
(ciênciajornalista) e Anse Streefland (um ouvinte de voz não-
paciente e Presidente Ressonância). As reuniões foram muito bem
aceitas pelos ouvintes, seus familiares, e profissionais interessados.

O conhecimento do trabalho tem sido espalhado pela publicação de


artigos em revistas e jornais especializados, jornais locais e a mídia
nacional e é agora o tema do livro Aceitando vozes publicadas
pelas publicações da mente em 1993. Esse contato continuou vem
sendo desenvolvido ao longo dos últimos nove anos e em agosto de
1995, a primeira conferência internacional sobre o tema foi
realizada na Holanda.

Qual é a crença tradicional de cerca de ouvir vozes?

Em primeiro lugar, ouvir vozes tem sido considerado pela psiquiatria


clínica como alucinações auditivas e como um sintoma de
condições tais como a transtornos esquizofrênicos, depressão e
psicose maníaca. O usual tratamento é receitar tranqüilizante é
administrado de modo a reduzir os delírios e alucinações, no
entanto nem todo mundo reage bem a este tipo de tratamento.

Em segundo lugar, há muitas pessoas no Reino Unido que ouvem


vozes, conseguem lidar com suas vozes bem sem intervenção
psiquiátrica. Este fato tem sido negligenciado. Este guia pergunta se
há outra maneira de pensar sobre as vozes?
Ouvir vozes - Uma Nova Abordagem:

Marius Romme (Professor de Psiquiatria Social da Universidade de


Limburg, Maastricht) em associação com Hearing Voice Reino
Unido realizou uma pesquisa em nove anos na Holanda e no Reino
Unido e em suas palavras:

"O que esta pesquisa mostra é que temos de aceitar que existem as
vozes. Temos também de aceitar que não podemos mudar as
vozes. Elas não são curáveis, assim como você não pode curar
canhotos, variações humanas não são abertos para curar - apenas
para enfrentar a situação. Portanto, para ajudar as pessoas a lidar
com as vozes, não deve dar-lhes terapia que não funciona.
Devemos deixar que as pessoas decidissem por si mesmo o que
ajuda ou não. Leva tempo para que as pessoas aceitem que ouvir
vozes é algo que pertence a eles."
2. O que é ouvir vozes

Qual é a sensação de ouvir vozes?

É difícil de explicar

É difícil explicar o que é como para ouvir "vozes", especialmente se


você nunca ouviu vozes se. A palavra vocação, por exemplo,
significa "seguir uma vocação", em outras palavras para ouvir uma
voz e agir sobre ela.

Este não é o que a maioria das pessoas quer dizer é quando eles
dizem que têm uma vocação, mas que é o significado da raiz da
palavra. Na verdade, historicamente muitas pessoas importantes
alegaram ter ouvido uma voz, que agiu como uma inspiração.

Pessoas famosas que ouviram vozes:

Socrates, Moses, Jesus, Mohammed, Joan of Arc, Teresa of Avila,


Swedenborg, Carl Jung, Anthony Hopkins, Zoe Wannamaker,
Zinedine Zidane e Ghandi.
Alguns fatos sobre audiência de voz:

Para ouvintes, as vozes podem estar presentes durante todo o dia e


tem o efeito de impedir-los de fazer as coisas em sua vida diária.
Vozes também podem punir o ouvinte se eles não fazem o que a
voz quer. Audição vozes é freqüentemente considerada como
perigosa, porque "vozes" podem dizer às pessoas para cometer um
assassinato e prejudicam a si mesmos, e há vários exemplos disso.
Parece que a ouvir vozes faz com que você seja um santo ou um
homem louco, mas este é sempre o caso?

Em poucas palavras:

Há muitos preconceitos e dificuldades a superar No entanto, a


experiência de ouvir vozes não é tão alienígena uma experiência
como é geralmente pensada. Em primeiro lugar, pode ser a mesma
como ouvir uma voz da forma normal através de seus ouvidos, a
diferença é que a "voz" não tem nenhuma causa física. Mas como
vozes normais há variedade, e cada experiência tem suas
diferenças. Por exemplo; quantas vezes você achou que alguém
estava conversando com você. Você pode achar que nunca
experimentou isso, mas você tem certeza?

Você pode ter tido a experiência de ouvir alguém chamar seu nome
apenas para descobrir que não há ninguém lá. De fato, a pesquisa
mostra que, especialmente para pessoas enlutadas recentemente,
ele não é uma experiência incomum ouvir a voz pessoa recém
falecida. Essa não é a única explicação para o que é. Bem como
ouvir vozes através dos ouvidos, as pessoas também ouvem vozes
como se eles são pensamentos de entrar na mente de algum lugar
fora si mesmos. Este não é o mesmo que uma idéia de repente
inspirada, o que as pessoas costumam reconhecer como vindo de
si, em vez do pensamento não são os seus próprios e que parece
vir de fora da sua própria consciência, como telepatia.
Um bom exemplo disso é a experiência de recordar uma rima ou
sintonizar, que você encontrar-se repetindo inconscientemente sob
sua respiração e que mantém passando por sua cabeça novamente
e novamente. Você pode até mesmo encontrar-se cantarolando.
Você nunca tomou a decisão de começar a pensar na música e é
difícil parar de pensar nisso. A diferença entre a melodia e
"pensamento voz" que aparece como palavras em sua mente é que
pode passar a falar coerentemente para você e até mesmo envolver
você em conversa. Você, mesmo não é responsável por isso e você
não tem idéia do que essa "voz" vai dizer em seguida.

Pensamentos sem palavras. Visões, cheiros, gostos e sonhos ...

Há muitas maneiras diferentes de ouvir vozes. Você pode ouvir


dentro da cabeça, de fora da cabeça, ou mesmo no corpo. Pode ser
uma só voz ou muitas vozes. A voz pode falar com você ou sobre
você. Há outras maneiras de ouvir vozes, algumas vozes fazem
uma descrição pobre.

Nunca é a mesma sensação para todos. Algumas pessoas, por


exemplo, experimentar pensamentos não-verbais, imagens e
visões, gostos, cheiros e toque. Todas com nenhuma causa física e
todas as sensações que eles não põem em ser elas mesmas.

Vozes podem ser como sonhos. As palavras de sonho e de


experiência, imagens, e mesmo sensações. Quando estamos
entediados pode cair e ter um sonho curto. Quando sonhamos
todos os tipos de coisas estranhas podem acontecer, mas nós
ainda acreditamos que eles estão realmente acontecendo conosco.
Ouvir vozes pode ser assim um sonho acordado, mas algo que é
experimentado como real.

2) Alguns fatos sobre ouvir vozes:

Ouvindo a voz não é uma experiência incomum. Muitas pessoas


ouvem vozes e nunca foi um paciente psiquiátrico, este já é um fato
bem conhecido, mas negligenciada.
Tem sido conhecido durante algum tempo, que uma elevada
porcentagem das pessoas ouvem vozes, breves e ocasionais
vozes, especialmente após momentos de luto, divórcio e separação.
Também é o caso para as pessoas em circunstâncias extremas, por
exemplo, 80% das pessoas ouvem vozes após episódios de tortura
segundo a Anistia Internacional e o fenômeno também é visto entre
pessoas que vão ao do limite, como maratonistas, iatistas e
triatletas (Bennett, 1972). Em casos como estes, não há nenhuma
evidência de presença de doença mental, na verdade, muitas
vezes, muito pelo contrário.

A investigação epidemiológica recente em Baltimore (EUA), numa


população de 15.000 pessoas, constatou que 10% a 15% dos
entrevistados relataram que tinham ouvido vozes durante um longo
período de tempo, apenas um terço dos entrevistados relataram ter
efeitos negativos (Y.Tien).

Uma pesquisa realizada em 1991 revelou que muitos casos de


pessoas que ouvem vozes não satisfazem os critérios para um
diagnóstico psiquiátrico (Eaton).

Última pesquisa realizada por Marius Romme com não-paciente e


paciente mostrou que ambos os grupos ouvem vozes negativos e
positivos no mesmo nível. A diferença deve-se principalmente em
como os dois grupos reagem com as vozes, os não-pacientes não
tem medo das vozes e experimentando muito menos chateado com
elas do que os pacientes.
3. Que as vozes dizem
O que as vozes dizem e o que elas podem fazer?

Lotes de diferentes vozes

O que vozes dizem? Quais as mensagens que eles trazem?


Normalmente não existe apenas uma "voz" que diz que o mesmo
tipo de coisas o tempo todo. Pode ser uma série de vozes que
podem ser diferentes uns das outras. Uma voz pode dizer coisas
agradáveis e estar ao seu lado, enquanto outra não pode.

Às vezes, uma voz pode ter uma personalidade completa e ser


instantaneamente reconhecida pela pessoa que ouve a voz como
uma pessoa em particular, viva ou morta, ou algum espírito ou ser
conhecido como o Deus ou o Diabo. Outras vozes podem não ter
muito de uma personalidade e a pessoa ouvi o que é dito não pode
colocá-lo para baixo a alguma pessoa em particular ou ser. Ao ouvir
a "voz" é como ouvir trechos aleatórios de uma conversa.

Noticias ruins:

Algumas vozes são mais agradáveis que outras. As vozes menos


agradáveis podem abusar da pessoa ouvindo-os, dizendo que esta
pessoa não é a boa, estúpido, inútil. Elas podem dizer esse tipo de
coisa monotonamente e continuamente. As vozes também podem
dar ordens à pessoa, para a pessoa obedecer às vozes.

Ainda não são vozes boas

““Alternativamente, as vozes poderiam simplesmente estar


constantemente ou ocasionalmente interrompendo com
comentários sem sentido e sem valor, como “isso é não é uma boa
idéia”,” isso não vai funcionar“," ele é um deles ",. As vozes também
podem discutir algo com a onisciência aparente e sabedoria
aparentemente elas sabem tudo, mas o ouvinte voz pode achar que
a informação é falsa. Por exemplo, as vozes dizer que se você
enviar a alguém uma carta pedindo algo, essa pessoa faça o que
quiser. Quando isso não acontece, pode ser muito decepcionante.

As boas notícias
Pode haver um lado agradável de ouvir vozes. Por vezes, a
aparente sabedoria é real e as vozes, ou algumas delas, podem
parecer inteligentes. Ouvintes relatam que lhes foi dito coisas que
não conheciam ou não podia trabalhar fora de si e as vozes foram
de bens assistência. Para algumas pessoas esta experiência é
considerada um dom, algo que é como uma visão valiosa ou
mesmo extra-sensorial percepção (ESP), e as vozes podem ser
confiáveis.

Vozes podem ser inteligente, espirituoso, engraçado e incisivo. Elas


podem por si só ser um mecanismo de enfrentamento. O que as
vozes dizem que corresponde com o efeito que o mundo social e
emocional está a ter sobre o ouvinte voz. As Vozes, muitas vezes
podem comentar sobre como o ouvinte voz está enfrentando o
mundo e desta forma as vozes pode ser um mecanismo de defesa
contra sentimentos ou proibidas. Vozes são muitas vezes
relacionadas com a história de vida desse ouvinte, tais como trauma
recente ou na infância e as vozes falam de impotência e injustiça.

Três fases encontradas entre as pessoas que ouvem vozes

A fase surpreendente

• A maioria dos ouvintes descreve o início da experiência como


sendo bastante súbita surpreendente e provocam ansiedade, e
pode vividamente lembrar o momento exato que primeiro ouviu uma
voz.

• A idade do início da experiência inicial de vozes varia, assim como


a intensidade da fase surpreendente, que parece ser mais grave
quando ocorre durante a adolescência. A confusão parece ser
menor quando as vozes são ouvidas na terceira idade. Em um
levantamento de 6% ouvem vozes antes dos 6 anos de idade, 10%
entre os 10 e 20 anos, 74% após 20 os anos.

• Vozes são muitas vezes desencadeados por eventos traumáticos


ou emocionais, tais como acidentes, divórcio, maus tratos, abusos
sexuais, bullying, falecimento e doenças.
• Os impactos das vozes se dividem em dois tipos: Algumas
pessoas percebem as vozes como útil e elas evocam um
sentimento de reconhecimento. Estas pessoas sentem efeitos das
vozes os fortalecem e aumenta sua auto-estima. As vozes são
experimentadas como positivas e como um aspecto do seu eu
interno.

Outros experimentam as vozes como agressivo e negativo de


princípio. Para essas pessoas, as vozes são hostis e não são
aceitas como parte de si mesmas. Eles sofrem de vozes negativas
que podem causar o caos em suas mentes, exigindo muita atenção
e a comunicação com o mundo exterior é extremamente difícil.

A fase de organização: lidar com as vozes

• Ouvintes muitas vezes tornam-se confusos com suas vozes e


querem escapar delas. Para alguns, essa vontade dura apenas um
curto período de tempo (semanas ou meses), para outros, pode ser
muitos anos. No entanto, para vir a termos com as vozes em
qualquer nível ou organizá-las com sucesso, requer alguma forma
de aceitação. Negar as vozes não funciona. Durante esta fase,
compreensivelmente procurar ouvintes formas de controlar ou lidar
com as vozes, as estratégias incluem: -

 Ignorando as vozes (distração)


 Ouvir seletivamente
 Entrar em diálogo com elas dispostos
 Fazer nomeações específicas das vozes

• As tentativas de distração e ignorando raramente funcionam,


embora esta seja uma estratégia de muitos ouvintes tentativa,
parece que o esforço envolvido muitas vezes leva a uma restrição
severa de estilo de vida. Não é novidade os sentimentos iniciais de
pânico e impotência são substituídos por um período de raiva das
vozes, essa raiva não parece ser parte de uma estratégia útil de
enfrentamento. A estratégia mais útil descrito por ouvintes é
selecionar as vozes positivas e ouvir e falar somente com elas, e
para tentar compreendê-las.
• Um elemento importante para lidar com sucesso com vozes é
aceitar elas. Isto parece estar relacionado com um processo de
crescimento no sentido assumir a responsabilidade por suas
próprias decisões. O ouvinte tem que aprender de forma positiva
sobre si mesmo, suas vozes, e seus próprios problemas.

• Outra estratégia é de estabelecer limites e estruturar o contato


com as vozes, por vezes acompanhados de ações repetidas.

A fase de estabilização

As pessoas podem fazer e aprender a lidar com suas vozes e


encontrar um tipo de equilíbrio. Neste estado de equilíbrio, as
pessoas consideram as vozes como parte de si mesmos e suas
vidas, e capaz de uma influência positiva.

Durante esta fase, o indivíduo é capaz de escolher entre seguir o


conselho das vozes ou as suas próprias idéias, fala de uma pessoa
que ouve vozes "Eu ouço vozes eu estou feliz com isso.”

O que as vozes fazem:

As vozes podem variar desde o patológico e indesejável a ser


considerada uma faculdade ou presente. Muitas pessoas, mesmo
aqueles perturbados por suas vozes não gostaria de parar de ouvir
vozes - vozes podem ser patológicas para algumas pessoas, mas
eles também podem fazer uma função útil psicológica.
4- Como esquecer as vozes

Como esquece vozes que ouvinte não gosta

O que você faz sobre as vozes que não são do seu lado, que
denigrem você e insultá-lo, ou interromper seus pensamentos e
dizer-lhe para fazer coisas estúpidas? A primeira coisa a entender é
que embora a voz pode ser intrometendo em sua consciência, que
faz não significa que você deve cegamente fazer o que diz. Você
apressar e cometer um assassinato se alguém lhe disse para?
Absolutamente não. Pessoas que ouvem vozes têm o mesmo
direito à autodeterminação como qualquer outra pessoa e você
pode dizer as vozes exatamente isso. Se algumas das vozes são
agradáveis e amigáveis, então é claro que você conversa com elas,
e as vozes que não são agradáveis. Você pode dizer as vozes
desagradáveis que você encontrá-los nem agradável nem útil, e que
você não tem nenhuma razão para tolerar.

E quanto às vozes malévolas que podem causar danos graveis a


pessoa e pode pedir-lhe para fazer coisas (como se matar)? Uma
solução é remover o máximo estresse de sua vida possível. Não
somente os estresses aumentam as vozes, mas fazem as vozes
serem mais desagradáveis. Em segundo lugar, não ignorar as
vozes, elas tendem a ficar mais agressivas, no entanto, ao mesmo
tempo, não deixe as vozes guiar sua vida sem sua permissão.

Por que ouvir?

Por que você deve ouvir este conselho sobre vozes, especialmente
no que este ponto de vista de vozes não é compartilhada pela
maioria dos psiquiatras? Você deve ouvir por duas razões, em
primeiro lugar, o conselho foi desenvolvido a partir de 10 anos de
investigação sobre a experiência de ouvintes por psiquiatras e
psicólogos no Reino Unido e Holanda e mais significativamente, as
lições aprendidas foram testados pelos ouvintes
5. O movimento
Professor Marius Romme tem um choque e funda um
movimento

Um paciente incomum

O ponto de partida para esta nova forma de pensar de ouvir vozes


veio com a sugestão de um dos pacientes de Romme, Patsy
Haagan. Ela disse-lhe: "Você acredita em um Deus que ninguém
pode ver, então por que não fazê-lo acreditar nas vozes que eu,
pelo menos, posso ouvir, e são reais para mim? "Patsy tinha
começado suas idéias sobre vozes das teorias de um psicólogo
americano, Julian Jaynes, que escreveu um livro chamado "A
origens da consciência e da repartição da mente bi-cameral ".

As vozes falavam com os gregos antigos

A Ilíada é um livro escrito pelo poeta antigo, Homer. Ele fala da


Guerra de Trojan , uma guerra causada por a mulher mais bonita do
mundo, Helen. Ela deixou o marido e fugiu com Troy para Paris. O
marido dela perseguiu com todos os exércitos da Grécia e Homero
escreveu a Ilíada sobre a guerra que se seguiu. Homer
freqüentemente descreve alguns deuses gregos parecendo um
guerreiro no meio da Guerra de Tróia e falavam para ele fazer
alguma coisa. Julian Jaynes argumenta convincente em seu livro
que, quando isso aconteceu, não foi uma experiência metafórica,
mas real.

O guerreiro realmente viu a deusa e ouviu suas palavras. Jaynes


acredita que, até cerca de 1300 aC, e antes do desenvolvimento da
linguagem escrita, ouvir vozes era comum a toda a humanidade e a
sua experiência, mas tudo foi erradicada por o que hoje
conhecemos como consciência. As pessoas que ouvem vozes hoje
são tratadas muitas vezes como paciente psiquiátrico.

Patsy venceu

Romme aceitou as vozes de Patsy e como conseqüência convidou


as outras pessoas a falar sobre a sua experiência, e descobriram
que, eles poderiam falar sobre sua experiência que não poderia
ajudar o outro. Então Marius e Patsy apareceram em um programa
da televisão holandesa e conversaram sobre a audição de voz,
pedindo para as pessoas que ouviram vozes ligar para o programa.

450 pessoas ligaram para o programa, e dessas 150 pessoas


disseram que foram capazes de lidar com suas vozes sem ajuda da
psiquiatria, em alguns casos foram felizes em ouvir vozes. Esta
questão foi mais surpreendente e conduziu a uma pergunta crucial.

Talvez as técnicas empregadas por aqueles pessoas que lidaram


bem com as suas vozes podiam ser usado por aqueles que não
fezeram?

Marius começou o estudo das experiências com ouvinte de vozes,


que continua até hoje. Ele fez mais duas coisas. Ele ajudou a
fundação de um grupo para de Ouvintes a Intervoice, presente hoje
em 29 países e organizaram uma conferência, a fim de incentivar
uma discussão mais ampla para mudar a atitude da sociedade e
para tentar mudar a maneira como os ouvintes foram tratados pelos
médicos e especialmente psiquiatras.
6. O que significa esta pesquisa para o ouvinte de voz?
As implicações para o tratamento psiquiátrico e uma esperança
de recuperação

O ponto de vista médico Psiquiatra tradicional, do enfermeiro e de


outros profissionais sobre vozes têm sido ensinados a considerarem
vozes como uma alucinação auditiva, geralmente é pensada para
ser parte dos sintomas que compõem doenças como a
esquizofrenia. O tratamento para as pessoas que ouvem vozes o
mais freqüente é indicar medicamentos (como neurolépticos), que
pode, em alguns casos, reduzir a ansiedade causada pela as vozes,
mas com o custo de fazer a pessoa se sentir fraca ou inquieta; os
medicamentos podem até mesmo, diz-se, deixar o tomador com
cerebrais permanente danos se for tomado em doses elevadas
durante longos períodos de tempo.

Tem muitas teorias definidas pela psiquiatria sobre o que pode fazer
com as vozes, muitos presumem que faça parte de uma psicose e
que pode ser causada por algum tipo de falha genética.

Geralmente, presume-se que o indevido não consegue sozinho lidar


com as vozes. Na verdade, os profissionais são ensinados a não se
envolver com os ouvintes sobre o conteúdo de sua experiência de
voz como este é pensado para ser. Mais freqüentes profissionais
buscarão distrair o ouvinte de suas vozes.

Como você vai perceber isso não é uma abordagem útil. Para ser
informado de que as vozes são apenas um sintoma de uma doença,
quando as vozes são tão real para ouvinte como qualquer outra
coisa no mundo físico é muito incapacitante.

Por exemplo: George ouve vozes continuamente. As vozes são,


por vezes, agradável, mas em outras vezes eles dizem coisas
desagradáveis e eles interrompe as vozes, quando precisa se
concentrar em algo, como uma reunião interessante. Muitas vezes
ele tenta discutir essas vozes com seu médico. Ele quer discutir o
que as vozes dizem e o significado das vozes, mas o seu médico
diz que as vozes são apenas um sintoma de sua doença, para ser
ignorar é a melhor maneira. No entanto, ele ouve as vozes que
falam sobre coisas profundamente relevantes e significativas para
ele.

Como ele pode acreditar que essas vozes são parte de uma
doença e que as vozes não possuem significado?

Os consultórios médicos é um ambiente que não permite ao ouvi


falar de suas vozes e da sua história de vida, George está sendo
solicitado a aceitar que suas próprias experiências não são
relevantes.

O que Marius Romme diz

A pesquisa de Romme acima veio com uma resposta muito


diferente do que a visão tradicional do psiquiatra descrito acima. A
razão para isto, é que Marius desenvolveu sua compreensão da
experiência de audição de voz falando com voz ouvintes e pedindo
respondessem perguntas básicas, tais como: Quando foi que as
vozes começaram?Quantas vozes você ouve? Quantas vezes você
ouve? O que você acha a voz representa? O que elas dizem? O
que ajuda? etc.

Surpreendentemente, estas perguntas nunca tinham sido


solicitadas antes de uma forma sistemática e a experiência
subjetiva direta do ouvinte voz tinha sido largamente ignorado.
Romme chegou à conclusão de que, ouvir vozes como parte de
uma doença e ignorar o conteúdo das vozes são em grande parte
inútil e contraproducente, em que ignorar as vozes (e uso em longo
prazo de medicamentos psiquiátrico) podem fazer as vozes pior.

Também pode ser uma análise imprecisa, para fora do mundo da


psiquiatria, há muitas pessoas que ouvem vozes e conseguem viver
com essa experiência. Marius conclui que não é o fato de que você
ouvi vozes que é o problema, é a maneira como você lida com elas
e, além disso, que a psicose como neurose, está firmemente
relacionado com a história de vida do indivíduo.

Alguns fatos sobre ouvir vozes:


Implicações para os profissionais da área da saúde mental

Seria extremamente útil para pessoas que trabalham na área a


analisar em maior detalhe que os quadros de estratégias de
enfrentamento de referência e parece ser o mais útil para pacientes
que ouvem vozes; poderíamos ser capaz de apoiar e ajudar
ouvintes muito mais eficaz em suas tentativas de lidar com as suas
experiências.

As principais etapas deste processo são as seguintes:

Aceitar a experiência do ouvinte com as vozes. As vozes são muitas


vezes sentidas como mais intensa e real do que percepções
sensoriais.

Para tentar compreender as diferentes linguagens utilizadas


pelas vozes:

 Ouvinte descreve e explica as suas experiências, assim como


a língua falada pelas próprias vozes. Muitas vezes há um
mundo de símbolos e sentimentos envolvidos; por exemplo,
uma voz pode falar de luz e escuridão ao expressar amor e
agressão.
 Considere ajudar o indivíduo a se comunicar com as vozes.
Isso pode envolver questões de diferenciação entre as vozes
boas e os ouvintes aceitarem próprias emoções negativas.
 Esse tipo de aceitação pode dar uma contribuição crucial para
a promoção da auto-estima. Para incentivar o ouvinte a
conhecer outras pessoas com experiências semelhantes e ler
sobre vozes, a fim de ajudar superar o isolamento e tabu.

Para os profissionais da saúde mental essas etapas podem exigir


um considerável alargamento de perspectiva clínica, e deve ampliar
a geralmente teorias aceitas dentro da profissão.
7. A rede Intervoice

Ajudar a lidar com as vozes

A Rede foi criada para ajudar ouvintes a encontrar a sua própria


forma de chegar a um acordo com as suas vozes, mostrando que:

• Existem várias explicações para a experiência de audição de


vozes que foram mostrados para capacitar ouvintes, que permita
viver com a experiência de uma forma positiva.

• Há pessoas que encontram formas de lidar com suas outras vozes


e que encontraram alternativas e explicações para suas vozes fora
do modelo psiquiátrico que têm ajudado as pessoas a lidar com a
sua experiência de "voz". O conhecimento adquirido por pessoas
que podem lidar com suas vozes podem ser beneficamente
compartilhada.

• As pessoas que ouvem vozes podem ser assistidas no


desenvolvimento de maneiras para lidar da melhor forma, com as
suas vozes através da participação em grupos de auto-ajuda em
que eles podem compartilhar experiências, explicações e métodos
de enfrentamento e beneficiar de apoio mútuo.

Construindo a mudança

As pessoas que ouvem vozes, suas famílias e amigos podem


ganhar grandes beneficio de não estigmatizar a experiência. Isto
pode levar a uma maior tolerância e compreensão da audiência voz.

Isto pode ser conseguido através da promoção de explicações mais


positiva que dar às pessoas uma estrutura para desenvolver as
suas próprias formas de enfrentamento e levantando
conscientização sobre a experiência na sociedade como um todo.

As redes visam:

1) Dar apoio às pessoas que ouvem vozes e para construir uma


melhor compreensão da experiência ao lado de trabalhadores,
famílias e os amigos. Para fornecer ajudas terapêuticas e
informações que irão ajudar as pessoas a lidar mais eficazmente
com as suas vozes.

2) Estabelecer grupos de auto-ajuda de ouvintes para compartilhar


experiências e discutir estratégias para lidar com vozes.

3) Para mostrar que o verdadeiro problema não é tanto a audição


de vozes, mas a incapacidade de lidar com as experiências, e para
educar a sociedade sobre o significado de vozes e reduzir a
ignorância e ansiedade.

4) Para demonstrar a vasta variedade de experiências e as suas


origens, e as possíveis abordagens de enfrentamento. Para
desenvolver uma gama de formas de ajudar as pessoas a lidar com
as suas vozes sem uso de medicamento

5) Reúna ouvintes que não tenham estado em contacto com


serviços psiquiátricos com aquelas pessoas que passaram por
serviços psiquiátricos.

O que a Rede faz

Em 1988, decidimos estabelecer uma rede de ouvintes e indivíduos


interessados. Nos últimos 14 anos a Rede tem crescido e agora tem
um escritório nacional com sede em Manchester.

• Sócios

No ano passado, o número de membros cresceu para mais de


1500 pessoas composta de ouvintes, amigos e parentes,
trabalhadores interessadas e membros do público.

• Newsletter

Os membros recebem o boletim periódico ouvindo vozes. O Boletim


informativo foi produzido pela primeira vez em 1990, e é gratuito
para pessoas que aderir à rede. O boletim fornece informações
sobre atividades da rede, publicações úteis e relatos pessoais de
ouvintes.
• Informação

Além de produzir um boletim de notícias, nós também publicamos


informações em panfletos e incluindo relatórios em nosso das
conferências nacionais anuais. Informações sobre a experiência
também foi publicado em uma variedade de popular e especialista
em revistas e foi objeto de uma reportagem da BBC Programa de
documentário Horizon transmitir em Abril de 1995.

• Grupos

Existem hoje grupos de auto-ajuda estabelecidos na Inglaterra, País


de Gales e Escócia, com grupos ativos em muitas partes do país,
tais como Oxford, Londres, Fife, Newcastle

• Conferências e Seminários

Nos últimos cinco anos, temos realizado conferências e seminários


ouvintes de Voz e outras reuniões para ouvintes, familiares e
trabalhadores. Nós também fornecemos palestrantes para reuniões
em todo o Reino Unido.

8. Fale sobre isso: check list Hearing voice


Falando sobre vozes podem realmente ajudar. Os seguintes pontos
fundamentais constituem o guia útil para a abertura de discussão
sobre a audição de voz.

1. Abra discussão

As pessoas que ouvem vozes encontram-se ter que lidar com outro
mundo que podem oprimi-los e reivindicar a sua atenção para a
exclusão de qualquer outra coisa. Como resultado, a potência da
razão pode ser virtualmente extinto, pelo menos inicialmente, o que
torna impossível para aqueles preocupados para ir sobre suas vidas
diárias sem ser afetado por tal experiência.

A discussão aberta com os outros oferece os meios mais


importantes de criação de algum tipo de ordem, na tentativa de
chegar a um acordo com as experiências. Em particular, a
comunicação ajuda as pessoas a aceitar a suas vozes; como
resultado de autoconfiança é melhorado, libertando do isolamento e
reafirmando o seu senso de envolvimento com aqueles ao seu
redor. A comunicação mútua entre ouvintes dá a oportunidade de
compartilhar experiências semelhantes, utilizando uma linguagem
comum e para aprender um do outro.

2. Reconhecendo padrões

As pessoas que ouvem vozes dizem que é muito importante para


discutir vozes na mesma forma se poderia falar sobre parentes
desagradáveis. No processo, é possível aprender a reconhecer os
seus jogos e truques, bem como a seus aspectos mais agradáveis,
e para identificar padrões que são específicos para determinadas
situações. Tal conhecimento pode ajudar o ouvinte para ser melhor
preparados por qualquer desencadeamento subseqüente das
vozes.

3. Aliviar a ansiedade

A maioria das pessoas que ouvem vozes inicialmente imagina que


elas estão sozinhas em ouvir vozes. Isso pode tornar a experiência
ansiosa e desagradável e também produz sentimentos de vergonha
ou o medo de enlouquecer. A ansiedade muitas vezes leva a evitar
situações que possam desencadear a audiência de vozes. Assim
alguns ouvintes não podem ir ao supermercado ou socializar em
festas. Tais níveis de ansiedade restringir severamente a liberdade
de circulação, e estratégias de prevenção parecem muitas vezes
apenas para agravar o problema.

4. Encontrar uma perspectiva teórica

Como profissionais da área, os ouvintes procuram uma explicação


teórica para explicar a existência de suas vozes. Uma abordagem
pessoal para a compreensão ou um quadro específico de referência
pode ser útil e há muitas perspectivas diferentes utilizadas pela voz.
Estes incluem psicodinâmica, mística, parapsicologia e modelos
médicos. Seja qual for à perspectiva adotada, algum tipo de teoria
explicativa parece ser essencial para o desenvolvimento de uma
estratégia de enfrentamento. A menos que algum significado é
atribuído às vozes, é muito difícil de começar a organizar uma
relação de com elas, para reduzir a ansiedade.

De um modo geral, as perspectivas que desencorajam o indivíduo


de buscar o domínio das vozes tendem a produzir menos resultados
positivos. Interpretando as vozes como a manifestação de
influências eletrônicas poderia ser um exemplo. A explicação
oferecida pela psiquiatria podem também ser inútil em termos de
estratégias de enfrentamento.

5. Aceitação

No processo de desenvolvimento de seu próprio ponto de vista e


tomar a responsabilidade por si mesmo, o primeiro passo essencial
é a aceitação das vozes como que pertence a pessoa. Isto é da
maior importância e também um dos passos mais difíceis de tomar.

6. Reconhecendo o significado

Vozes podem expressar o que o ouvinte voz está sentindo ou


pensando, para instância agressão ou medo sobre um evento ou
um relacionamento. Quando vozes oferecem informação desta
forma o desafio colocado pela sua presença é muitas vezes menos
significativa do que a razão para a raiva ou medo. Quando as vozes
expressar tais pontos de vista e sensação de que pode ser valioso
para discutir a natureza das mensagens.

7. Aspectos positivos

Quando as pessoas ouvem vozes que são maliciosas ou


menospreza os outros, ou mesmo abusando dos ouvintes até que
sejam levados a ferir-se, pode ser difícil convencê-los a aceitar a
existência de uma dimensão útil positiva para a experiência.

Contato com os outros ouvintes podem conduzir à descoberta


surpreendente de que existem vozes positivas, e a constatação de
que estas possam surgir, ou ser detectado, como um resultado de
uma aceitação adequada do próprio lado negativo do ouvinte.

8. Estruturação
A imposição de uma estrutura sobre a relação com as vozes pode
ajudar a minimizar os sentimentos comuns de impotência. Pode ser
extremamente valiosa para ajudar as pessoas a ver que eles podem
estabelecer seus próprios limites e conter as vozes de intrusão
excessiva.

9. A utilização mais eficaz de medicação

Partilha de experiências também permite que as pessoas para


conhecer quais os medicamentos os outros estão usando, como
úteis estes são, e quais são seus efeitos colaterais. É importante,
por exemplo, para saber se um determinado medicamento foi útil na
redução das vozes ou para aliviar a ansiedade.

10. Compreensão da Família

A partilha de conhecimentos sobre a audição de voz com as


famílias e amigos pode ser muito útil. Se a família e os amigos de
uma pessoa podem aceitar as vozes que pode ser mais favorável,
isto pode tornar a vida do ouvinte voz mais fácil, melhorando o seu
senso de confiança em situações sociais.

11. Crescimento Pessoal

Quase todos os ouvintes que aprenderam a adaptar-se a suas


experiências relatam que, em retrospectiva, o processo tem
contribuído para o seu crescimento pessoal. O crescimento pessoal
pode ser definido como reconhecendo o que se precisa para viver
uma vida plena, e saber como atingir estes objetivos; que poderia
ser descrito como um processo de libertação.

12. Olhe para fora

Comunicar sobre as vozes tem suas desvantagens, expondo a si


mesmo pode fazer uma sensação muito vulnerável. Alguns ouvintes
encontram grande dificuldade em abrir-se sobre as suas
experiências, embora possa ser mais fácil com outros ouvintes. Em
particular, os ouvintes que são pacientes psiquiátricos.
Outra possível desvantagem para divulgações é que as vozes
podem ocasionalmente tornam-se temporariamente mais aguda.
Porém, as vantagens definitivamente superam as desvantagens.
Finalmente, deve-se sempre serem cauteloso em conselhos e
explicações que são puramente pessoais convicções e não faz
nenhuma provisão para qualquer outra interpretação. Isto é mais
importante estar plenamente consciente da grande variedade de
situações e circunstâncias.

Autodeterminação e
Autoconhecimento
São as palavras chaves
Articles:
'Hearing Voices', Romme, M. and Escher, A. (1989) Schizophrenia
Bulletin vol. 15, no. 2, pp.209-216

'Coping with Hearing Voices', Romme, M., Honig A., Noortboorn, E.,
Escher, A. (1992) British Journal of Psychiatry, no. 161, pp 99-103

'I Hear Voices and I'm Glad To!', Paul Baker (1990), Critical Public
Health, No. 4,1990, pp 21-27

Autor Paul Baker:

Formado em sociologia e assistência social na Universidade de


Manchester e pós graduação em Saúde Mental. Secretário na
International Mental Health Collaborating Network (IMHCN),
coordenador de mídias sociais da Intervoice e um dos fundadores
da Intervoice no Reino Unido, presta consultoria em projetos na
área da saúde mental atualmente em Trieste (Itália), Servia e
Croácia.