Você está na página 1de 74

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO

FACULDADE PIO DÉCIMO

ALANA OLIVEIRA DO NASCIMENTO


ÁLVARO JOSÉ AGUIAR NASCIMENTO
ARÍCIA RAVANE PEREIRA DA CRUZ
BRUNO MARCELO GONÇALVES GOMES
GABRIEL GAMA ALVES
JANAINA SANTOS DA CUNHA
JOÃO VICTOR SOUZA SANTANA

PROCEDIMENTOS DE EXECUÇÃO E VERIFICAÇÃO DE SERVIÇOS -


FUNDAÇÕES

Aracaju – Sergipe
Março, 2017
ALANA OLIVEIRA DO NASCIMENTO
ÁLVARO JOSÉ AGUIAR NASCIMENTO
ARÍCIA RAVANE PEREIRA DA CRUZ
BRUNO MARCELO GONÇALVES GOMES
GABRIEL GAMA ALVES
JANAINA SANTOS DA CUNHA
JOÃO VICTOR SOUZA SANTANA

PROCEDIMENTOS DE EXECUÇÃO E VERIFICAÇÃO DE SERVIÇOS -


FUNDAÇÕES

Procedimentos de execução e verificação de


serviços apresentado ao Curso Graduação em
Engenharia Civil, na Faculdade Pio Décimo,
como pré-requisito para obtenção de nota na
disciplina Construção Civil, ministrada pela Prof.ª
Patrícia Carvalho.

Aracaju – Sergipe
Março, 2017
3

SUMÁRIO

1 ESTACA FRANK..................................................................................................................04

2 ESTACA CRAVADA DE MADEIRA.................................................................................10

3 BLOCO DE FUNDAÇÃO.....................................................................................................13

4 ESTACA HÉLICE CONTÍNUA...........................................................................................16

5 ESTACA BROCA.................................................................................................................20

6 ESTACA RAIZ......................................................................................................................25

7 SAPATA ISOLADA..............................................................................................................30

8 ESTACA CRAVADA METÁLICA......................................................................................36

9 ESTACA CRAVADA DE CONCRETO..............................................................................43

10 RADIER...............................................................................................................................49

11 SAPATA CORRIDA...........................................................................................................54

12 TUBULÃO...........................................................................................................................59

13 ALVENARIA DE PEDRA..................................................................................................65

14 ESTACA STRAUSS............................................................................................................68
4

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA FRANK PES . 01 01 06

1. Documentos de Referência

 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações (7.8.8).

2. Providências e Verificação Preliminares

2.1 Serviços Anteriores

 Limpeza do terreno;
 Laudo de Vizinhança;
 Locação;
 Sondagem.

2.2 Indicação de uso e características do método

Pelas características do processo executivo, as estacas tipo Franki não


são recomendadas para execução em terrenos com matacões, situações em
que as construções vizinhas não possam suportar grandes vibrações, e
terrenos com camadas de argila mole saturada, devido aos possíveis
problemas de estrangulamento do fuste.

2.2.1 Vantagens

 Grande área da base, fornecendo grande resistência de ponta;


 Superfície do fuste (lateral) muito rugosa, fornecendo grande
resistência lateral devido a boa ancoragem do fuste no solo;
 Devido a sua execução o terreno fica fortemente comprimido;
5

 Pode ser executada em grandes profundidades;


 Suporta grande capacidade de carga.

2.2.2 Desvantagens

 Grande vibração durante a cravação;


 Demora no tempo de execução;
 Custo elevado da mão – de – obra;
 Capacidade de carga do concreto de aproximadamente 60 kg/cm2.

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Bate estacas;
 Máquina de solda;
 Betoneira elétrica 580 litros;
 Dumper motorizado;
 Carrinho de mão;
 Pá;
 Caçambas para concreto;
 Pilões.

2.4 EPI/EPC

 bota de couro;
 capacete;
 uniforme;
 luvas;
 protetor auricular;
 óculos de segurança.
6

3. Método Executivo

3.1 Locação das estacas

 A fiscalização fornece o ponto de partida;


 A locação das estacas é feita por coordenadas definidas;
 É cravado um piquete no centro do local onde será executada a estaca;
 Para preservar o piquete, ele deverá ficar enterrado cerca de 15 cm
com alguma identificação para fora;
 Partindo do centro do piquete é traçado um círculo com o diâmetro do
tubo de estaca.

3.2 Cravação do tubo

 Para aprumar o tubo, é usado um prumo de face colocado nas 4


geratrizes diametralmente opostos, antes de iniciar a cravação;
 A ponta do tubo deve ser colocada na marca feita no solo deixando cair
com seu peso próprio;
 O tubo não poderá ser cravado se apresentar um desaprumo maior que
0,5%;
 A cravação é realizada com auxílio de um pilão em queda livre.

3.3 Execução da base

 A operação de abertura da base é iniciada quando é atingida a


profundidade adequada;
 O tubo fica preso por cabos para que não desça durante a expulsão da
bucha;
 Quando a bucha está quase totalmente expulsa, coloca-se pequenas
quantidades de concreto, dando início a operação de abertura da base;
 O tubo é então puxado alguns centímetros com a finalidade de se criar
um espaço que permita a expulsão da bucha.
7

3.4 Armadura das estacas

 A armadura é introduzida no tubo ao final da operação de alargamento


da base, para ancorá-la;
 As armaduras são constituídas por barras longitudinais de aço,
conforme as especificações da norma NBR 6118;
 Todas as armaduras deverão ter em sua extremidade inferior um “pé”
feito de aço CA 25 para permitir a sua ancoragem na base da estaca;
 A armação de ancoragem ao bloco deve ser executada conforme
projeto.

3.5 Execução do fuste

 O fuste é executado com concreto apiloado, seco, consumo de cimento


de 350 kg/m3, fator água centro de 0,45 e resistência a compressão
igual ou superior a 20 Mpa;
 Concreto misturado com betoneira estacionária durante 2 a 4 minutos;
 O concreto é lançado consecutivamente no tubo através de caçambas
específicas;
 Após o lançamento de cada caçamba apoia-se o pilão sobre o concreto
e o tubo é sacado aproximadamente de 30 a 50 cm;
 O apiloamento é feito com 3 golpes do pilão caindo de uma altura
aproximada de 1,0 metro.

3.6 Arrasamento da estaca

 O excesso de concreto em relação a cota de arrasamento de estaca


deverá ser demolido;
 O excesso maior que 30 cm pode ser retirado com martelete leve na
horizontal;
 O restante com uso de ponteiro com pequena inclinação em relação a
horizontal;
8

 O desbaste do concreto deve ser levado até atingir o trecho de boa


qualidade do concreto;
 A seguir a estaca é liberada para forma e armação do bloco.

4. Itens de Avaliação do Serviço

Método de Verificação Tolerância


Superfície do terreno limpa. Gabarito
conferido. _
Conferência da locação das estacas
conforme projeto.
Conferir diâmetro e o eixo da estaca
em relação ao eixo previsto em
projeto utilizando-se de trena _
metálica.
Verificar distância mínima entre as
estacas.
Defenir nível de arrasamento das
estacas de acordo com as dimensões _
dos blocos de coroamento.
Conferir o prumo do tubo. 0,20%
Checar se o peso do pilão está
_
adequado para o diâmetro da estaca.
Checar se foi atingida a cota de
acordo com a nega e as definições
_
de projeto.
Conferir a armação de acordo com o
projeto. Conferir se a armação está Visualmente
soldada corretamente.
Verificar a cubagem do traço no
_
bloco.
Conferir a excentricidade em relação Será definida pelo consultor de
ao eixo previsto, utilizando-se a trena fundação
9

metálica.

Checar distância mínima entre as


_
estacas
10

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA CRAVADA DE MADEIRA PES . 02 01 04

1. Documentos de Referência

 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações.

2. Providências e Verificação Preliminares

2.1 Serviços Anteriores

 Limpeza do terreno;
 Laudo da vizinhança;
 SPT;
 Sondagem;
 Locação.

2.2 Indicação de uso e características do método

Em terrenos com matacões, devem ser evitadas as estacas de madeira.

2.2.1 VANTAGENS

 Leveza;
 Flexibilidade;
 Possui boa resistência a choques;
 Possui conicidade natural que facilita o desenvolvimento do atrito
lateral;
 Matéria-prima natural e renovável;
 Duração ilimitada quando mantida acima do nível da água;
 Custo relativamente pequeno em áreas de reflorestamento de eucalipto;
11

 As estacas de madeiras podem ser facilmente emendadas.

2.2.2 DESVANTAGENS

 Duração muito pequena quando fica exposta a flutuação do nível da


água, surge a ação dos cogumelos, cupim e brocas marinhas quando
cravadas no mar;
 Comprimento limitado a 12m;
 Obrigação da colocação de um anel metálico na parte do contato com o
martelo (pilão);
 Obrigação da licença dos órgãos responsáveis pela conservação do
meio ambiente;
 Grande vibração durante a cravação.

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Bate-estacas;
 Estaca de madeira;
 Ponteiro de aço;
 Capacete metálico;
 Martelo de queda livre;
 Prumo;
 Máquina de solda.

2.4 EPI/EPC

 bota de couro;  protetor auricular;


 capacete;  óculos de segurança.
 luvas;
12

3. Método Executivo

A cravação se inicia posicionando-se o bate-estaca no piquete


indicador do centro da estaca a cravar. A seguir apruma-se a torre do mesmo,
levanta-se o martelo juntamente com o capacete para o alto da torre, e com o
cabo auxiliar a estaca é trazida para junto da torre. Em seguida a mesma é
assentada sobre a circunferência traçada no solo, cujo centro se localiza sobre
o piquete referente à estaca a ser cravada.
O martelo, juntamente com o capacete, é descido até que este último
se encaixe na cabeça da estaca, desde que já tenha sido colocado, entre a
cabeça e o capacete, o coxim de madeira mole.
Após esta operação, controla-se o prumo da estaca com um prumo de
pedreiro e inicia-se então a cravação propriamente dita.
Quando se torna necessário um comprimento maior, é usual emendar-
se duas estacas por meio de talas.

4. Itens de Avaliação do Serviço

Método de verificação Tolerância

Locação do centro das estacas;


_

Profundidade de cravação; _

Proteção da cabeça das estacas. _


13

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


BLOCO DE FUNDAÇÃO PES . 03 01 03

1. Documento de referência

 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações – Anexo A.

2. Providências e verificações preliminares:

2.1 Serviços anteriores

 Limpeza do terreno;
 Locação;
 SPT;
 Laudo de vizinhança;
 Sondagem.

2.2 Indicação de uso e característica do método

 A locação da obra deve estar executada;


 São fundações utilizadas quando há atuação quando há atuações de
pequenas cargas;
 Geralmente é utilizada quando a profundidade da camada resistente do
solo está entre 0,5 e 1,0 m de profundidade;
 Sem necessidade de armadura;
 Pode ser construída de pedra, tijolos, maciços, concreto simples,
concreto ciclópico;
 Suas faces podem ser verticais, inclinadas, ou escalonadas e apresentar
normalmente em planta seção quadrada, retangular ou trapezoidal.
14

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Formas;  Martelo;
 Concreto;  Esquadro;
 Aço;  Trena;
 Arame recozido 18;  Mangueira de nível;
 Pregos;  Torquês;
 Taboas;  Equipamento de transporte;
 Sarrafos;  Pás;
 Pontaletes;  Betoneira;
 Barrotes;  Motor de vibrador e mangote;
 EPI;  Colher de pedreiro;
 Prumo de centro;  Desempenadeira;
 Linha de náilon;  Régua;
 Serrote;  Bomba submersa.

2.4 EPI/EPC

 Capacete;
 Luvas de couro;
 Bota de couro;
 Óculos de proteção.

3. Procedimento de execução de serviço

 Escavar as valas e retirar o material manualmente, até a cota definida


no projeto, e com dimensões que permitam a realização do trabalho;
 Executar o escoramento da escavação se esta ultrapassar a
profundidade de 1,50 m ou quando o solo não tiver capacidade de
suporte e ser passível de deslizamento;
 Retirar a água do lençol freático (quando necessário);
 Regularizar e nivelar o terreno do fundo da vala escavada do bloco de
fundação;
15

 Lançar o concreto magro;


 Locar e montar as forma dos blocos;
 Travar as forma utilizando sarrafos e pontaletes;
 Colocar a armadura dos elementos de fundação, depois de conferida a
locação;
 Locar os pilares e colocar gabarito para armaduras ao nível da cota do
pilar;
 Colocar as armaduras dos pilares;
 Locar as cintas e montar as fôrmas dos painéis laterais;
 Colocar as armaduras das cintas;
 Travar a forma utilizando sarrafos e pontaletes;
 Executar a concretagem;
 Proceder o acabamento do concreto por meio de desempenadeira;
 Iniciar a cura úmida tão logo a superfície permita;
 Retirar a forma e conferir eventuais falhas de concretagem;
 Reaterrar apiloando em camadas;
 Evitar pancadas e choques.

4. Itens de avaliação de serviço


16

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA HÉLICE CONTÍNUA PES . 04 01 04

1. Documento de referência

 NBR 6122 - Projeto e execução de fundações – Anexo F.

2. Providências e verificações preliminares

2.1. Serviços anteriores

 A tecnologia das estacas hélices contínuas permite a perfuração de


solos com ruído e vibração extremamente baixos, dispensando a
necessidade de preocupação nesse ponto com a vizinhança;
 Limpeza do terreno;
 Laudo de vizinhança;
 Locação;
 SPT;
 Sondagem;

2.2. Indicação de uso e característica do método

 Terreno deve estar limpo e regularizado;


 Os projetos de fundação devem estar disponíveis;
 Os elementos estruturais devem estar locados;
 Dependendo do desnível (terreno x calçada), prever rampa de acesso
da perfuratriz para dentro do terreno;
 Predominantemente utilizada para solos, argilosos, siltosos e
arenosos.
17

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Mangueira de nível ou aparelho de nível a laser;


 Equipamento para bombeamento de concreto;
 Equipamento específico para escavação e concretagem de
estaca hélice - contínua;
 Equipamento com pá-carregadeira, compatível e adequado ao serviço;
 Ponteiro;
 Trena metálica;
 Prumo de centro;
 Carrinho de mão ou jerica;

2.4 EPI / EPC

 Capacete;
 Luvas de couro;
 Bota de couro;
 Óculos de proteção.

3. Procedimento de execução de serviço

A estaca Hélice Contínua é uma estaca de concreto moldado “in loco”,


executada por meio de trado contínuo e injeção de concreto, sob pressão
controlada, através da haste central do trado simultaneamente a sua
retirada do terreno.

3.1 Perfuração

 Marcar os eixos e locar as estacas hélice contínua pode ser feita


através de caixas de madeira na qual o seu interior será cravada a
estaca ou com anel centralizado (piquete).
 Introduzir a hélice contínua por rotação, até a profundidade
estabelecida em projeto, sem a retirada do solo escavado.
18

 O uso de prolongador é possível somente em condições especiais e


desde que o solo, no trecho do prolongador, se mantenha estável.
 Atenção: As estacas situadas dentro de um raio de seis vezes o
diâmetro da estaca a ser escavada, devem ter sido concretadas há
pelo menos 24 h.
 A perfuração é uma operação contínua, sem a retirada da hélice do
terreno. Deve ser feito um controle rigoroso da profundidade,
velocidade de avanço e pressão no sistema hidráulico de torque,
através do equipamento de monitoração da perfuratriz.

3.2 Concretagem

 Uma vez atingida a profundidade definida em projeto, iniciar a injeção


de concreto pela haste central do trado, com a retirada simultânea da
hélice contínua, com material escavado e sem rotação.
 O concreto utilizado deve apresentar resistência característica fck
maior que 20 MPa, ser bombeável e composto de cimento, areia e
pedrisco, com consumo mínimo de 400 kg/m³, sendo facultativa a
utilização de aditivos.
 Se a concretagem da estaca for4 feita com o trado girando, este deve
girar no sentido da perfuração.

3.3 Armadura

 Montar a armadura de acordo com o projeto específico. Após o


término da concretagem, a armadura (“gaiola”) deve ser introduzida
na estaca de maneira cuidadosa e centralizada por gravidade ou com
auxílio de um pilão de pequena carga ou vibrador. A colocação é
direcionada através de roletes espaçadores, evitando movimentos
bruscos e garantir um recobrimento da armadura mínimo de projeto.
 Não se devem executar estacas com espaçamento inferior a cinco
diâmetros em intervalo inferior a 12h. Esta distância refere-se à
estaca de maior diâmetro.
19

4. Itens de avaliação de serviço


20

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA BROCA PES . 05 01 05

1. Documentos de Referência

 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1. Serviços anteriores

A área deve estar limpa. O projeto de locação deve estar disponível e


executado. Os equipamentos e /ou ferramentas de produção devem estar em
condições adequadas de uso. Assim como os projetos de fundação devem
estar disponíveis e as peças da fundação locadas.

2.2. Indicação de uso e características do método

2.2.1. Vantagens

 Por ser produzida de forma bem simples, e mesmo manual, elimina a


necessidade de transporte de maquinário pesado.
 Também pela sua simplicidade, a elaboração da estaca tipo
broca possui fácil execução.
 Uma das principais características do uso da estaca tipo broca está
relacionada ao seu baixo custo em relação à execução da obra.
 O fato de não provocar vibrações durante a sua execução, evitando
desta forma, danos nas estruturas vizinhas, além de poder servir de
cortinas de contenção para construção de subsolos, quando
executadas de forma justapostas.
21

2.2.2. Desvantagens

 Como concreto por muitas vezes é feito à mão, pode ser sinônimo de
baixa qualidade do material final.
 Por ser um tipo de escavação rudimentar pode haver mistura do
material com concreto.
 Sua utilização se dá apenas em solos muito específicos.
 Recomenda-se que sejam executadas somente acima do nível d’água,
principalmente em solos arenosos, devendo-se também evitar a
execução em argilas moles saturadas, a fim de evitar possíveis
estrangulamentos no fuste da estaca.
 Apresenta perigo de introdução de solo no concreto durante o
enchimento.
 Trabalha apenas à compressão.
 Obras de pequenas dimensões que exigem baixa capacidade de carga
(até 5 tf).

2.3. Ferramentas/Equipamentos

 Mangueira de nível ou  Trena metálica;


aparelho de nível a laser;  Prumo de centro
 Carrinho de mão ou jerica;  Concreto;
 Trado manual ou mecânico;  Linha de nylon.
 Pá, enxada e cavadeira;
 Ponteiros;

2.4. EPI/EPC

 Capacetes;  Luvas;
 Óculos de proteção;  Botas de borracha ou
 Mascaras; plástico.
22

3. Procedimento de Execução do Serviço

a) Escavação

 Escavar o terreno com o auxílio de cavadeira, trado manual ou


mecânico até a profundidade prevista em projeto;
 A escavação atentar para o correto prumo da perfuração e verificar a
excentricidade ou possíveis desvios em relação ao definido em projeto;
 Ao atingir a cota prevista, limpar o fundo da perfuração, com a remoção
do material desagregado durante a escavação;
 Antes da concretagem, observar se existe água no fundo da
perfuração, caso exista, remover completamente toda a água;

Figura - Escavação/Perfuração da estaca broca (Fonte: Brocas, Google


Imagens)

b) Concretagem e Armadura

 Lançar concreto, que deve apresentar fck ≥ 15 MPa, do topo da


perfuração com o auxílio de funil;
 Adensar o concreto com soquete (barra de aço) ou vibrador de agulha;
 Não paralisar o serviço de concretagem no meio de uma estaca;
23

 Posicionar a armadura, atentando para o comprimento de ancoragem


na estaca e o comprimento de espera;
 No caso de brocas simples, posicionar quatro barras de 10 mm de
diâmetro e 1m de comprimento, no concreto fresco como ferros de
espera, deixando 40 cm acima da cota de arrasamento.

Figura - Lançamento do concreto e colocação da armadura (Fonte: Pini).

c) Blocos de Coroamento

 Antes da execução dos blocos de coroamento, preparar das cabeças


das estacas limpando a ferragem do topo e a área de projeção do
bloco;
 Apicoar superficialmente a cabeça da estaca para garantir melhor
aderência;
 Ligar as extremidades superiores das estacas com vigas e blocos de
fundação de coroamento, de concreto armado, conforme definido em
projeto.

Figura - Arrasamento das estacas para início da execução do bloco de


coroamento (Fonte: Pini).
24

4. Itens de Avaliação do Serviço

Item de Verificação Tolerância


Cota de acordo com definições de projeto e
-
sondagem, com nível de mangueira ou laser.
Diâmetro e posicionamento das barras e
estribos, de acordo com projeto. Amarração
-
firme, armadura sem contato com as laterais
visualmente.

Excentricidade Desvio máx. 10% do diâmetro

Diâmetro da estaca com trena metálica Desvio máx. 10 mm


25

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA RAIZ PES . 06 01 05

1. Documentos de Referência

 Planta de locação/forma
 Projeto de fundações
 Especificações do contratante
 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações
 NBR 6121 – Estacas – Prova de carga
 NBR 6118 – Projeto e execução de obras de concreto armado –
Procedimentos

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1 Serviços anteriores

 Topografia da área;
 Caraterística do maciço de solo;
 Característica da obra;
 Reconhecimento da vizinhança;
 Viabilidade da obra.

2.2 Indicação de uso e características do método

2.2.1 Vantagens

 Recomendada para obras com difícil acesso


 Pode atravessar terrenos de qualquer natureza, sendo indicado também
quando o solo possui matacões e rocha, por exemplo;
26

 Pode ser executada de forma inclinada, resistindo a esforços


horizontais;
 As estacas-raiz suportam grandes cargas de compressão e de tração;
 Podem atingir grandes profundidades;
 Não provoca ruídos e vibrações;
 Reforço de fundações.

2.2.2 Desvantagens

 O Custo elevado;
 Alto consumo de cimento;
 Alto consumo de ferragens;
 Impacto ambiental;
 Desperdício de água;
 Obra alagada devido ao consumo excessivo de água.

2.3 Ferramentas/Equipamentos

 Perfuratriz rotativa hidráulica,  Conjunto extrator com


mecânica ou a ar macaco hidráulico para
comprimido; retirada do tubo de
 Conjunto misturador de revestimento;
argamassa;  Reservatório para
 Bomba de injeção de acumulação de água;
argamassa;  Conjunto de gerador de
 Compressor de ar com energia (caso necessário);
capacidade de vazão mínima  Chave de grifo;
de 5 pcm (pés cúbico por  Chave de corrente tipo
minuto) e pressão máxima de jacaré;
5 Mpa;  Marreta;
 Bomba de água para limpeza  Talhadeira;
dos detritos da perfuração;  Trena;
 Nível de bolha;
27

 Prumo de centro.

2.4 EPI/EPC

 Capacete;  Botas de couro com


 Luvas de raspa; biqueira de aço;
 Mascaras descartável;  Bota de borracha (em
 Óculos protetor; terreno úmido).
 Protetor auricular;

3 Procedimento de Execução do Serviço

3.1 Posicionamento da perfuratriz

Deve-se verificar a verticalidade e/ou o ângulo de inclinação da perfuratriz de


acordo com as especificações de projeto. Em seguida, centraliza-se o tubo de
revestimento no piquete de locação da estaca.

3.2 Perfuração em solo

Realizar a perfuração do solo por meio da perfuratriz rotativa ou roto-


percussiva com a descida de tubo de revestimento; caso o tubo de revestimento
encontre dificuldade para seu avanço, em razão da ocorrência de solos muito duros
ou ainda plásticos, devem ser empregadas brocas de três asas, tipo tricone, para
execução de pré-furo ou ainda para limpeza no interior.
Descer o tubo, com auxílio de circulação de água ou ar comprimido injetada no
seu interior, até a profundidade prevista no projeto.
28

3.3 Perfuração em solo e rocha

Proceder da mesma forma da perfuração em solo até que se atinja matacão ou


topo de rocha. Para perfurar a rocha deve-se usar coroa diamantada (tal qual uma
sondagem rotativa) ou utilizar martelo pneumático ou hidráulico. Em ambos os casos
a perfuração deve prosseguir até a cota de projeto.

3.4 Montagem e colocação da armadura

Para este tipo de estaca utiliza-se armadura longitudinal e estribo helicoidal. O


cobrimento mínimo da armadura é de 2,0 cm e deve-se respeitar o traspasse
conforme a norma NBR 6118.
Executar a limpeza interna do tubo de revestimento utilizando a bomba d’água
até que o material de retorno não apresente excesso de resíduos de solo.

3.5 Injeção do concreto

Lançar a argamassa de cimento e areia por meio da bomba injetora iniciando


do fundo do furo em direção à superfície até expulsa toda a água do interior do tubo
de revestimento.
Iniciar a extração do tubo de revestimento, complementando-se o volume da
argamassa por gravidade, sempre que houver abatimento da mesma no interior do
tubo.
Quando da retirada do tubo de revestimento a armadura não pode ser
deslocada para cima. Independentemente da cota de arrasamento da estaca, o
preenchimento com argamassa deve ocorrer até a superfície do terreno.

3.6 Preparo da cabeça da estaca

O excesso de argamassa só deve ser demolido 24h após da execução da estaca,


utilizando marreta e talhadeira com pequenas inclinações em relação à horizontal,
porém mantendo a seção da estaca perpendicular ao seu eixo.
Embutir o topo da estaca, no mínimo 5,0 cm, dentro do bloco, e acima da lastro de
concreto, assim a estaca ficará devidamente ancorada ao bloco de fundação.
29

3.7 Registro de dados

Na execução de estaca são objetos de anotação:


 Diâmetro de perfuração;
 Diâmetro, espessura e profundidades do revestimento a ser recuperado ou
perdido;
 Uso ou não de lama bentonítica;
 Profundidade da perfuração;
 Pressão da injeção em cada cota;
 Volume de calda ou argamassa e maneira de preparo (traço, fator
água/cimento, aditivos e marca e tipo do cimento utilizado).

4 Itens de Avaliação do Serviço

Item de Verificação Tolerância Recomendações


Desvio do centro do topo
das cabeças das < 1% do seu diâmetro
estacas
Verticalidade ou ângulo Contatar projetista em
de inclinação ± 1° caso de não
No mínimo, igual a atendimento aos
Profundidade do furo profundidade de projeto critérios de tolerância.
Cobrimento da armadura ≥ 2,0 cm
30

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


SAPATA ISOLADA PES . 07 01 06

1. Documentos de Referência

 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações (7.7.1);


 Os projetos de fundação, arquitetura e instalações devem estar disponíveis e
as peças da fundação locadas;
 Especificações do contratante.

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1. Serviços Anteriores

 Caracterizar a topografia da área, incluindo o maciço de solo, suas camadas


e espessuras. Levar em consideração as características da obra, seu projeto
arquitetônico e seu projeto estrutural. Relacionar também as edificações
vizinhas e suas fundações, para evitar problemas futuros.

2.2. Indicação de uso e características do método

Usadas também em terrenos que tenham uma boa taxa de trabalho e quando a
carga a ser distribuída é pequena.

2.2.1 Vantagens

 Baixo custo;
 Rápida execução;
 Não necessita de equipamentos e ferramentas especiais.

2.2.2 Desvantagens
31

 Necessita de vigas e pilares para fazer a distribuição e a concentração do


peso da parede e do telhado.

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Piquete de madeira;
 Sarrafos de madeira;
 Mangueira de nível ou aparelho de nível a laser;
 Soquete ou compactador mecânico;
 Trena metálica;
 Retroescavadeira;
 Pás e enxadas
 Esquadro metálico;
 Martelo e Serrote;
 Pregos;
 Compressor;
 Linha de nylon;

2.4 EPI/EPC

 Bota;
 Capacete;
 Bota de cano longo;
 Uniforme;
 Óculos de proteção.

3. Procedimento de Execução do Serviço

a) Escavação

 Iniciar a abertura da vala, com largura de no mínimo 20 cm maior do que a


largura da sapata, e escavar até a cota de apoio da fundação.
32

 Garantir o correto nivelamento do fundo da vala utilizando nível a laser ou de


mangueira, a partir do nível de referência.
 Caso a escavação ocorra por meio de escavadeira, a cota de apoio desta
sapata deve ser deixada 20 cm acima. O acerto final deve ser manual.
 Regularizar e compactar o fundo da vala até aproximadamente 05 cm abaixo
da cota de apoio, utilizando soquete ou compactador mecânico, tipo "sapo".
 Regularizar a superfície, atentando para que não fique nenhum material
solto.
 Lançar no fundo da vala um lastro de concreto magro com, no mínimo, 05
cm de espessura.

Escavação

Regularização e Compactação da fundação


33

Marcação dos Pilares

b) Fôrmas

 Preparar as fôrmas da borda da base da sapata, apoiando-as em estacas


cravadas no fundo e nas laterais da vala, atentando para o correto
nivelamento e alinhamento dos topos das formas laterais.
 Verificar o alinhamento e esquadro das peças de madeira para manter a
largura e o comprimento da sapata constante.
 Uma vez montadas as fôrmas de borda, determinar a altura do começo do
pilar, atentando para O correto ângulo de inclinação das laterais da sapata.

Fôrma da sapata.

c) Armação e Concretagem

 Posicionar a armadura da sapata conforme projeto de fundações.


 Lançar o concreto vibrando em diversos pontos evitando o contato da agulha
do vibrador com as fôrmas e não vibrando o concreto pela armadura.
34

Armadura da Sapata Concretagem

d) Liberação

 A liberação para a concretagem da sapata ocorrerá após a conferência da


locação, dimensões e armação pelo encarregado responsável, estagiário e
mestre.

4. Itens de Avaliação do Serviço

Item de Verificação Método de Verificação Tolerância


Com um nível de
mangueira ou laser, a ±10mm
Cota do fundo da vala partir da RN, logo após
a escavação e
compactação do fundo
da vala.
Alinhamento, dimensões
e nivelamento do topo,
Fôrmas com uso da linha de ±10mm
nylon, trena metálica ou
metro aferido e
mangueira de nível.
Diâmetro e
posicionamento das
35

Armadura barras e estribos, de -


acordo com projeto, com
amarração firme e
armadura sem contato
com as fôrmas
visualmente.
Visualmente, após a
Aspecto final da vala, execução do lastro de -
fôrmas e lastro concreto, não se permite
resíduos de terra sobre
o lastro.
Visual após o término do
Aspecto final do serviço serviço, verificar a -
presença de bicheiras.
36

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA CRAVADA METÁLICA PES . 08 01 07

1. Documento de Referência

 Planta de Locação/forma;
 Projeto de Fundações;
 Especificações do contratante;
 NBR 6118 – Projeto e execução de obras de concreto armado;
 NBR 6121 – Prova de Carga;
 NBR 6122:2010 - Projeto e Execução de Fundações;
 NBR 6489 – Prova de Carga Direto sobre o Terreno de Fundação;
 NBR 6657 – Perfil de estruturas soldadas de aço;
 NBR 12131 – Estacas – Prova de Carga Estática;
 NBR 13208 – Estacas – Ensaio de carregamento dinâmico – Método de
Ensaio.
 NBR 8800:2008 – Projeto de estruturas de aço e estruturas mistas de aço e
concreto de edifícios.
 Laudos de Vizinhança – o método de cravação pode causar problemas em
obras vizinhas.
 Procedimento de execução de serviço de prova de carga

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1. Serviços Anteriores

 O serviço só pode ser iniciado depois da conclusão e liberação do serviço de


locação da obra. Os piquetes que determinam os eixos devem ficar bem
enterrados com aproximadamente 5,0 cm fora do terreno, para que não
sejam deslocados pelo bate-estacas e seus complementos. Antes do início
37

da cravação de cada estaca deverá ser feita a verificação da locação do


piquete correspondente à mesma.

2.2. Indicação de uso e características do método

Indicada para obras de grande porte.

2.2.1 Vantagens

 Possibilidade de cravação em quase todos os tipos de terreno, sem o


levantamento de estacas vizinhas já cravadas e sem perdas de estacas
quebradas;
 Resistentes a esforços elevados de tração, na mesma grandeza de cargas
de compressão e de flexão;
 Redução das perdas devido à inexistência de quebras;
 Facilidade de emenda e corte;
 Se utilizadas em serviços provisórios, podem ser reaproveitas;
 Podem suportar grande capacidade de carga;
 Tem maior facilidade de manuseio e armazenamento graças ao menor peso
e volume das peças, se comparados com os elementos pré-moldados de
concreto.
1.2.1 Desvantagens

 Custo maior em relação às estacas pré-moldadas, estacas Franki e Strauss;


 Atacável por águas agressivas e solos corrosivos (pântanos, pontos
alcalinos, solos contaminados);
 A distância entre a fabricação das peças e seu destino pode acarretar altos
custos;
 Encurvadura;
 Ruído na cravação por percussão;
 Vibração;
 Reduzida resistência de ponta.
38

2.3. Ferramentas / Equipamentos

A implantação das estacas metálicas deve ser processada por meio de


cravação, percussão, ou vibração.

 Bate-estaca;
 Martelo (queda livre, a vapor ou ar comprimido);
 Máquina de solda;
 Maçarico a gás;
 Picareta;
 Enxada;
 Cavadeira;
 Prumo;
 Nível;
 Trena e esquadro.

2.4. EPI/EPC

 Bota com biqueira de aço;


 Bota de borracha (terrenos úmidos);
 Protetor auricular;
 Cinto de segurança;
 Capacete;
 Uniforme;
 Óculos de proteção;
 Luvas de couro.

3. Procedimento de Execução do Serviço

a) Dimensionamento

As seções transversais e os comprimentos das estacas são definidos pelo


engenheiro calculista e constarão do projeto de fundação.
39

b) Cravação

É feita a locação sobre o terreno, dos pontos de cravação das estacas. Com os
gabaritos de madeiras serão marcados os eixos das estacas e em seus
cruzamentos os pontos de locação. São usados na cravação bate-estacas
devidamente dimensionados para as seções das estacas e as profundidades a
serem atingidas.

Depois de marcados o eixo das estacas, as mesmas começam a se cravadas.

Cravação de estacas.
40

Conjunto de estacas já cravadas.

c) Emendas

Após a cravação de um perfil, caso seja necessário, outro pode ser emendado
para que o serviço continue, até que seja encontrada a cota adequada. A emenda
será efetuada por solda de topo dos perfis e solda de duas talas opostas, em relação
às suas almas. Essas soldas serão executadas com todo cuidado necessário pra
que a resistência da emenda seja, pelo menos, igual à da seção da estaca.

d) Ligação estaca-bloco

Nos blocos de três ou mais estacas não alinhadas, desde que não se tenha
esforços de tração, a penetração do perfil no bloco será de, no mínimo 20
centímetros. Em blocos de uma estaca e em todos os casos de blocos de estacas
alinhadas, a penetração será no mínimo de 30 centímetros. A penetração de 20
centímetros poderá ser tolerada quando houver travamento do bloco, pelos blocos
vizinhos em duas direções ortogonais.
41

4. Itens de Avaliação do Serviço

Item de Método de
Tolerância Recomendações
Verificação Verificação
Verificar se a - -
Condição de superfície do terreno
Inicio está limpa e pronta
para locação dos
eixos.
Verificar o 1 cm em 5cm -
Locação de cruzamento de eixos,
Estacas por meio de arames
galvanizados a partir
da banqueta/gabarito
de locação.
Inclinação da Por meio de gabarito Definida em Contatar o
torre de cravação com angulação Projeto projetista caso
indicada em projeto não atenda o
e prumo critério de
tolerância
Inclinação da Contatar o
estaca - <1% projetista caso
não atenda o
critério de
tolerância
Flexa máxima 0,3% em relação -
das estacas - ao comprimento
do perfil
Verificar o prumo e a Seja de 10% do
Prumo e excentricidade da diâmetro do -
Excentricidade estaca em relação círculo que a
ao eixo previsto no inscreva
projeto.
42

Golpes Visual, por meio da - -


contagem dos golpes
Visual, verificar o
Emendas posicionamento e - -
fixação entre perfis
Nega da estaca Verificar por meio da Contatar o
trena metálica, se foi Conforme o projetista caso
atingido nega projeto não atenda o
determinada no critério de
projeto tolerância
43

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA CRAVADA DE CONCRETO PES . 09 01 06

1. Documentos de referência

 Planta de locação/forma
 Projeto de fundações
 Especificações do contratante
 NBR 6122 – Projeto e execução de fundações
 NBR 6121 – Estacas – Prova de carga
 NBR 6118 – Projeto e execução de obras de concreto armado –
Procedimentos
 NBR 9062 – Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado –
Procedimentos
 Procedimento de execução de serviço para prova de carga.

2. Providências e verificações preliminares

2.1 Serviços anteriores

Fazer uma vistoria nas edificações vizinhas. O sistema de cravação deve estar
sempre bem ajustado e com todas as suas partes constituintes, tanto estruturais
quanto acessórias, em perfeito estado, a fim de evitar quaisquer danos às estacas
durante a cravação, e deve ser dimensionado de modo a levar a estaca até a
profundidade prevista sem danificá-la.
O serviço só deve ser iniciado após a conclusão e liberação do serviço de
locação da obra. Os piquetes que determinam os eixos devem ficar bem enterrados
com aproximadamente 5,0 cm fora do terreno, a fim de não serem deslocados pelo
bate estaca e seus complementos.
44

No caso de execução de estacas próximas à rede de energia elétrica, deve-se


verificar se a distância entre o bate-estaca e a rede elétrica energizada obedece o
mínimo de 3,0 m.

2.2 Indicação de uso e características do método

Este tipo de fundação é largamente aplicado nos casos de cargas acentuadas


associadas a solos com lençol freático superficial e baixa capacidade de carga das
camadas superficiais do terreno. As estacas podem ser fabricadas na obra ou
adquiridas de terceiros.

2.2.1 Vantagens
As estacas pré moldadas de concreto têm boa capacidade de carga e boa
resistência de esforços de flexão e cisalhamento. Além disso, por serem produzidas
em fábricas apropriadas tem uma boa qualidade do concreto e é controlada e
fiscalizada por laboratórios.

2.2.2 Desvantagens

Por serem de concreto armado ou protendido, têm alto peso próprio limitando
as seções e comprimentos em função do transporte e cortes e emendas são de
difíceis execuções.

OBS: É necessário tem um cuidado na manipulação e na estocagem das


estacas pré moldadas de concreto. Em geral, as estacas são descarregadas de
duas maneiras: manualmente, com a utilização de pranchas especiais e cordas e
com guindastes. Independente se a descarga foi manual ou mecânica, as estacas
deverão ser estocadas sobre terreno firme e plano.

2.3 Ferramentas e equipamentos

 Estacas pré-moldadas em concreto;


 Madeira;
 Areia;
45

 Brita;
 Cimento e
 Aço.
 Bate estaca para estaca pré-moldada de concreto com torre rígida ou
guindaste com torre adaptada ao uso de martelo do tipo “queda livre”,
automático ou vibratório;
 Torre guia com altura compatível com a altura da maior estaca a ser
cravada;
 Grua;
 Máquina de solda;
 Coxim de madeira;
 Cepos;
 Picareta;
 Prumo;
 Nível;
 Trena e esquadro.

2.4 EPI/EPC

 Capacete;
 Bota de couro;
 Luva de raspa;
 Óculos de proteção;
 Protetor auricular.

3 Procedimento de execução de serviço

3.1 Fabricação das estacas na obra

A fabricação das estacas deve ser compatível a um processo industrial de


produção de pré-moldados incluindo controle tecnológico de concreto, identificação
e rastreabilidade de lotes e métodos adequados de cura.
46

Cada lote deve ser identificado por número e data de fabricação e o controle
tecnológico do concreto associado a estas informações.
As formas utilizadas na fabricação devem ser conservadas em bom estado e
montadas com chapas de compensado reforçadas ou com chapas de aço. Caso as
formas apresentem problemas de estanqueidade, o que pode permitir a fuga de nata
de concreto, as mesmas devem ser substituídas ou reformadas.
A concretagem das estacas deve ser sem emendas, perfeitamente vibrada, de
modo a evitar o aparecimento de vazios, nichos de agregados (bicheiras) ou outros
defeitos.
Durante a concretagem e respectiva vibração deve-se tomar precauções para
evitar o deslocamento da armadura, cujo recobrimento mínimo é de 3,0 cm.
As formas não devem ser retiradas antes de 3 (três) dias após a concretagem,
porém este prazo pode ser reduzido através do uso de aditivos, cimento de alta
resistência inicial ou cura a vapor. Entretanto, este prazo não pode ser inferior a 24
h.
A cura deve ser cuidadosa evitando a movimentação e o choque das formas
durante este período.

3.2 Transporte e armazenagem das estacas

O manuseio das estacas só é feito após a aferição da resistência do concreto,


medida através do rompimento de corpos de prova com pelo menos 80% de sua
tensão de ruptura para 28 dias. Neste caso, as mesmas podem ser transportadas
para o local de armazenamento, que é feito por empilhamento sobre calços de
madeira.
O período de cura pode ser estendido mesmo após o armazenamento.
As estacas devem ser suspensas por ganchos ancorados ao concreto previstos
pelo calculista e posicionados de forma a facilitar sua movimentação través de grua
adequadamente dimensionada.

3.3 Cravação das estacas

Para iniciar a cravação da estaca, deve-se aprumar a torre; içar a estaca por
meio do cabo de auxiliar trazendo-a para junto da torre; posicionar a estaca sobre o
47

piquete de marcação; colocar o coxim de madeira; acoplar conjunto martelo-


capacete; encaixar a estaca ao capacete; iniciar os golpes e medir as negas de
acordo com o projeto.

3.4 Emendas

Caso seja necessário executar emendas nos perfis, são utilizados anéis
metálicos soldados in loco. Se o topo da estaca inferior for danificado durante o
processo de cravação, deve ser feita uma recomposição do concreto e retornada a
cravação só após a cura do concreto recomposto.

3.5 Ligação estaca-bloco de coroamento

Após a cravação e verificação da nega em todas as estacas de um mesmo


bloco de fundação, é efetuado o corte das mesmas a uma altura definida em projeto,
acima da cota de arrasamento, deixando a correspondente armadura livre e limpa,
para facilitar a ancoragem no interior do bloco de coroamento.
As extremidades superiores das estacas são ligadas entre si por vigas e blocos
de coroamento, de concreto armado.

3.6 Dados para registro

Na cravação das estacas, deve-se tomar nota dos seguintes dados:


 comprimento real da estaca abaixo da cota de arrasamento;
 suplemento utilizado - tipo e comprimento;
 desaprumo e desvio da locação;
 características do equipamento de cracação;
 nega ou repiques no final da cravação e na recravação quando houver;
 tipo/especificação dos materiais empregados;
 consumo de materiais por estaca;
 deslocamento e levantamento das estacas vizinhas;
 anormalidades da execução.
48

4. Itens de avaliação do serviço

Item de Verificação Tolerância Recomendações


Sempre igual ou superior a
Resistência mecânica do resistência prevista em
concreto utilizado nas projeto. Verificação do
estacas concreto com idade de
Consultar projetista em
ruptura de 7 e 28 dias
caso de não
< 10% do seu diâmetro ou
Desvio do centro do topo atendimento aos
<7 cm adotando o valor
das cabeças das estacas critérios de tolerância.
menor
< 1 cm para cada 1 m de
Inclinação da estaca
estaca (1:100)
Nega Prevista em projeto
49

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


RADIER PES . 10 01 05

1. Documentos de referência

 Planta de locação/forma
 Projeto de fundações
 Especificações do contratante
 NBR 6122 – Projeto e execução de fundações

2. Providências e verificações preliminares

2.1 Serviços anteriores

 Os equipamentos e/ou ferramentas de produção devem estar em condições


adequadas de uso;
• O terreno deve estar limpo e desimpedido;
• Os quatro cantos do radier devem estar locados e nivelados;
• As instalações de esgoto, entrada de água e energia elétrica devem estar
posicionadas no radier.

2.2 Indicação de uso e características do método

É uma solução aplicável à maioria dos tipos de solo. Como há distribuição


uniforme da carga, o radier admite um solo com menor resistência do que aquela
necessária para fundação em estaca.
O radier é executado em obras de fundação quando a área
das sapatas ocuparem cerca de 70 % da área coberta pela construção ou quando se
deseja reduzir ao máximo os recalques diferenciais. É usado normalmente em
construção de casas térreas, sobrados e prédios com poucos andares.
50

2.2.1 Vantagens

Entre as vantagens do uso desse tipo de fundação, estão a economia, que


pode chegar a 30% se comparado a outros sistemas; a agilidade na execução; a
praticidade, por reduzir a mão de obra e o não uso de escavações. O fato do radier
ser uma peça inteiriça pode lhe conferir uma alta rigidez, o que muitas vezes evita
grandes recalques diferenciais Uma outra vantagem é que a sua execução
cria uma plataforma de trabalho para os serviços posteriores. Contudo, é limitado às
características topográficas do terreno.

2.2.2 Desvantagens

Se for necessário aumentar a resistência do radier devido as cargas atuantes


na laje, é preciso aumentar o volume de concreto, o que acaba tornando esse tipo
de fundação mais cara, ocasionando maior dificuldade na execução. Ainda podem
ocorrer várias fissuras já que se trata de uma estrutura de concreto armado.

2.3 Ferramentas e equipamentos

 Prego
 Aço
 Pás e enxada
 Desempenadeira de madeira
 Sarrafo para calçada
 Régua de madeira ou metálica para sarrafear
 Tesoura
 Nível de mangueira ou laser
 Espaçador (cocada)
 Concreto usinado
 Linha de nylon
 Arame recozido
 Torquês
 Vibrador de imersão
51

2.4 EPI/EPC

 Capacete
 Luvas de couro
 Bota de couro e de borracha
 Óculos de proteção

3. Procedimento de execução de serviço

 Para a escavação em solo, caso utilizem equipamentos mecânicos, a


profundidade de escavação com esses equipamentos deve ser paralisada a
no mínimo 30 cm acima da cota de assentamento prevista, sendo a parcela
final removida manualmente. Para escavação em rocha quando forem
empregados marteletes, rompedores ou até mesmo explosivos, deverão ser
removidos eventuais blocos soltos.
• Montar as fôrmas de borda do radier, atentando para o seu nível de
referência, utilizando nível de mangueira ou laser.
• Uma vez delimitadas as bordas do radier, proceder à escavação das valas
de borda.
• Acertar o terreno de maneira a garantir a espessura mínima do radier.
• Executar um lastro de brita para impedir o contato direto com o solo de no
mínimo 5 cm.
• Montar a armação com tela ou barras de aço, armando também as valas de
borda.
 Montar a armação com tela ou barras de aço, armando também as valas de
borda.
• Para o lançamento do concreto, utilizar como referência as fôrmas de borda
do radier e/ou mestras intermediárias executadas com o próprio concreto do
radier e niveladas através de linha de náilon esticada entre as fôrmas de
borda.
• Lançar o concreto, espalhando-o com enxadas e pás e vibrá-lo em diversos
pontos, evitando o contato da agulha do vibrador com as fôrmas e não
vibrando o concreto pela armadura.
52

• Sarrafear o concreto com régua metálica ou de madeira utilizando como


referência as fôrmas de borda do radier e/ou mestras.
• Realizar o acabamento por meio de uma desempenadeira de madeira ou
rodo-float.
• Recomenda-se executar a calçada de borda do radier utilizando um sarrafo
que já tenha a marcação da largura da calçada e do caimento de projeto.
• Recomenda-se retirar as formas, sejam elas metálicas ou de madeira, assim
que iniciar a pega do concreto, para não danificá-las durante a desforma.
• Iniciar a cura úmida tão logo a superfície permita (secagem ao tato), ou
utilizar retentores de água como sacos de estopa ou algodão, areia ou
serragem saturada.
• Em regiões com incidência de sol intenso, recomenda-se cobrir o radier com
uma lona, a fim de minimizar a perda de água por evaporação.

4. Itens de avaliação do serviço

Item Método de verificação Tolerância

Locação com trena Desvio máx. 20mm


metálica

Fôrmas de borda
Nivelamento e
alinhamento com linha
Desvio máx. 5 mm
e nível a laser ou de
mangueira.

Diâmetro e
posicionamento das
barras, de acordo com -
Armadura
projeto. Amarração
firme, armadura sem
contato com as fôrmas
53

visualmente.

Largura e caimento
das calçadas de borda
Largura e caimento Desvio máx. 5 mm
com trena metálica e
nível de bolha.

Ausência de falhas,
Acabamento da manchas, armadura -
superfície exposta, ondulações
significativas.
54

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


SAPATA CORRIDA PES .11 01 05

1. Documentos de referência

 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações – Anexo A;


 NBR 6118- Projeto e Execução de obras em concreto armado;
 Planta de locação/forma;
 Especificações do contratante;
 Procedimentos de execução de serviço de formas;
 Procedimento de execução de serviços e montagem de armadura;
 Procedimento de execução de serviços de concretagem de peça estrutural.

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1. Serviços Anteriores

Estudo da necessidade de proteção dos edifícios vizinhos, de acordo com o


conhecimento do tipo e estado de conservação dos mesmos; como também a
análise da tolerância aos ruídos e vibrações são indispensáveis.
O serviço só deve ser iniciado após a conclusão e liberação, pelo menos
parcial, do serviço de escavação.

2.2. Indicação de uso e características do método

 Os equipamentos e /ou ferramentas de produção devem estar em condições


adequadas de uso;
 Os projetos de fundação devem estar disponíveis e as peças da fundação
locadas;
 O fundo da cava deve estar a pelo menos 5,0cm abaixo da conta do fundo
da sapata.
55

2.3. Ferramentas / Equipamentos

 Carro de mão ou gerica ;


 Betoneira;
 Torquesa;
 Trena metálica;
 Pás e enxadas;
 Martelo e serrote;
 Prumo de centro;
 Vibrador e mangote;
 Policorte ou arco serra;
 Padiolas e apiloador.

2.4. EPI/EPC

 Bota;
 Luva de raspa;
 Capacete;
 Óculos de segurança;
 Protetor auricular.

3. Procedimento de Execução do Serviço

3.1. Escavação

• Iniciar a abertura da vala, com largura de aproximadamente 20 cm maior do


que a largura da sapata, e escavar até a cota de apoio da fundação;
• Marcação do eixo e faces laterais no terreno (base da sapata);
• Escavação da sapata (com ou sem escoramento lateral);
• Verificação se o solo previsto para a cota de apoio é compatível com a
capacidade de carga do projeto;
• Garantir o correto nivelamento do fundo da vala utilizando nível a laser ou de
mangueira, a partir do nível de referência;
56

• Regularizar e compactar o fundo da vala até aproximadamente 05 cm abaixo


da cota de apoio, utilizando soquete ou compactador mecânico, tipo "sapo";
• Regularizar a superfície, atentando para que não fique nenhum material
solto.

3.2. Fôrmas

• Execução da forma da base da sapata;


• Preparar as fôrmas da borda da base da sapata, apoiando-as em estacas
cravadas no fundo e nas laterais da vala, atentando para o correto
nivelamento dos topos das formas laterais;
• Verificar o alinhamento e esquadro das peças de madeira para manter a
largura e o comprimento da sapata constantes;
• Uma vez montadas as fôrmas de borda, determinar a altura do começo do
pilar, atentando para o correto ângulo de inclinação das laterais da sapata.
57

3.3. Armação e Concretagem

 Colocação das ferragens da base e ferragens dos pilares;


 Posicionar a armadura da sapata conforme projeto de fundações;
 Lançar o concreto vibrando em diversos pontos evitando o contato da agulha
do vibrador com as fôrmas e não vibrando o concreto pela armadura;
 Os procedimentos de concretagem devem obedecer às especificações do
projeto estrutural, sendo obrigatório o controle tecnológico do aço e do
concreto, conforme normas específicas;

4. Itens de Avaliação do Serviço

Item de Verificação Tolerância Recomendações


Posicionamento das Não pode haver Verificar antes da
formas e armaduras diferença em relação ao concretagem e
projeto reposicionar as formas
em caso de desacordo
com o projeto.
Nivelamento, - Verificar antes da
alinhamento e prumo concretagem e
reposicionar as formas
em caso de desacordo
com o projeto.
Slump test 6,0cm ± 1,0 cm Caso o concreto seja
58

produzido em canteiro,
corrigir o traço, caso
seja usinado rejeitar o
concreto quando o
mesmo não atender ao
critério de tolerância.
Deslocamento da Não pode haver Verificar o
armadura do arranque diferença em relação ao posicionamento da
do pilar projeto armadura após a
vibração e corrigir
possíveis
deslocamentos.
59

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


TUBULÃO PES . 12 01 06

1. Documentos de Referência

 NBR 6122 - Projeto e execução de fundações;


 NBR 6118- Projeto e execução de obras de concreto armado;
 Planta de locação/forma;
 Projeto de fundações;
 Especificações do contratante;
 Procedimentos de execução de serviços de montagem de armadura;
 Procedimentos de execução de serviços de concretagem de peça estrutural.

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1. Serviços Anteriores

Estudo da necessidade de proteção dos edifícios vizinhos, de acordo com o


conhecimento do tipo e estado de conservação dos mesmos; como também a
análise da tolerância aos ruídos e vibrações são indispensáveis.
O serviço só deve ser iniciado após a conclusão e liberação do serviço de
locação da obra.

2.2. Indicação de uso e características do método

A execução de fundações com tubulões é indicada especialmente para obras


com cargas consideradas elevadas (acima de 3 mil kN), - como, por exemplo,
pontes, viadutos e prédios de grande porte - para solos com presença de lençol
freático e que apresentam riscos de desabamento.Os tubulões são elementos de
fundação profunda em concreto moldado in loco que transmitem as cargas
estruturais para os solos de maior capacidade de suporte.
60

2.1.1 Vantagens

 Os custos de mobilização e de desmobilização são menores que os de


bate estacas e outros equipamentos;
 As vibrações e ruídos provenientes do processo construtivo são de baixa
intensidade, praticamente inexistentes;
 Pode-se identificar o solo retirado durante a escavação e compará-lo às
condições do subsolo previstas no projeto;
 O diâmetro e o comprimento do tubulão podem ser modificados durante a
escavação para compensar condições de solo diferentes das previstas;
 As escavações podem atravessar solos com pedras e matacões, sendo
possível penetrar em vários tipos de materiais, inclusive em rochas.

1.1.1 Desvantagens

 Grau de periculosidade elevado para o trabalhador, uma vez que pode haver
desmoronamentos durante a escavação (provenientes de erros na
execução), envenenamento do ar por lençol freático contaminado, riscos
com descompressão acelerada que podem levar desde a paralisia até a
morte do trabalhador por embolia;
 Sua execução deve ser acompanhada com muito rigor para evitar acidentes
que podem ser fatais, incluindo a necessidade de equipamentos e de mão-
deobra especializada;
 Limitações: o tubulão a céu aberto pode ser limitado em função do lençol
freático, caso não seja possível esgotar a água; o tubulão a ar comprimido é
limitado em 34 metros abaixo no nível de lençol freático, por questão da
compressão e os riscos que ela proporciona.

2.3. Ferramentas / Equipamentos

 Mangueira de nível ou aparelho de nível a laser;


 Concreto;
 Trado manual ou mecânico;
61

 Pá, Enxada e Cavadeira;


 Camisa de revestimento de acordo com o projeto;
 Ponteiro;
 Trena metálica;
 Prumo de centro;
 Carrinho de mão ou gerica.

2.4. EPI/EPC

 Bota;
 Luva de raspa;
 Capacete;
 Cinto de segurança tipo pára-quedista.

3. Procedimento de Execução do Serviço

3.1. Escavação de Tubulão a Céu Aberto

 Iniciar a escavação dos fustes dos tubulões manualmente ou com trado


mecânico;
 As escavações manuais somente deverão ser executadas acima do lençol
freático ou em casos especiais, em que seja possível bombear a água sem o
risco de desmoronamento;
 No caso de escavações mecânicas abaixo do nível da água, utilizar lama
bentonítica para manter o furo estável;
 Ao atingir a cota ou condições de suporte previstas em projeto, alargar a
base manual ou mecanicamente até que a base tenha até três vezes o
diâmetro do fuste;
 Proteger as bocas dos fustes contra a entrada de água, inclusive de chuva.
62

3.2. Encamisamento

 A depender da análise da coesão do solo, realizar o encamisamento de


proteção do fuste contra desmoronamento, controlando a verticalidade da
camisa através do prumo de face;
 A camisa do fuste deverá ser convenientemente escorada durante os
trabalhos de alargamento da base do tubulão, visando impedir sua descida.

3.3. Concretagem e Armadura

 O intervalo entre o término do alargamento da base e sua concretagem não


deverá exceder 24 horas;
 Limpar o fundo da escavação com a remoção de material solto e camadas
amolecidas pela exposição ao tempo;
 Posicionar a armadura, garantindo que a mesma não se deforme durante a
concretagem;
 Quando a armadura penetrar na base, ela deve ser projetada de modo a
permitir a concretagem adequada da base, devendo existir aberturas na
armadura de pelo menos 30 cm x 30 cm;
 Lançar o concreto com resistência de (fck ≥ 20 Mpa) através de tubo tipo
tremonha, evitando que o concreto bata nas paredes do fuste;
 A concretagem é feita com o concreto simplesmente lançado da superfície,
através de funil com comprimento mínimo de 1,5 m;
63

 Não é necessário o uso de vibrador. Por esta razão o concreto deve ter
plasticidade suficiente para assegurar a ocupação de todo o volume da
base;
 Não paralisar o serviço de concretagem no meio de uma estaca;

3.4. Blocos de Coroamento

 Antes da execução dos blocos de coroamento, preparar as cabeças das


estacas, limpando a ferragem do topo e a área de projeção do bloco;
 Apicoar superficialmente a cabeça da estaca para garantir melhor aderência;
 Ligar as extremidades superiores das estacas com vigas e blocos de
fundação de coroamento, de concreto armado, conforme definido em
projeto.

4. Itens de Avaliação do Serviço

 Identificação da obra e local, e nome do contratante e executor;


 Data e horário do início e fim da escavação, e da concretagem;
 Identificação ou número do tubulão;
 Cota do terreno;
 Cota de arrasamento;
 Dimensões do fuste e da base;
 Profundidade ou cota de apoio da base;
 Desaprumo e desvio de locação;
 Especificação dos materiais e insumos utilizados;
 Consumo de materiais por tubulão;
 Volume de concreto real e teórico;
 Anormalidade de execução.
64

Item de Verificação Tolerância Recomendações


Locação do tubulão Desvio máximo de
% do diâmetro do
fuste Consultar o
Prumo Desvio de projetista em caso
verticalidade de no de não atendimento
Maximo cm por aos critérios de
metro escalado de tolerância
tubulão
Deslocamento da Não pode haver
armadura de diferença em
arranque do pilar relação ao projeto
65

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ALVENARIA DE PEDRA PES . 13 01 03

1. Documentos de referência

 Planta de locação/forma
 Especificações do contratante
 Projeto de execução
 NBR 6122 - Projeto e Execução de Fundações.

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1 Serviços Anteriores

O serviço só deve ser iniciado após a conclusão e liberação do serviço de


escavação.

2.2 Indicação de uso e características do método

Na alvenaria de pedra, tem a vantagem em relação às outras pela sua rapidez


de execução, facilidade, método simples que não precisa de mão de obra
qualificada, porem tem uma grande desvantagem não é usada para transmitir
grandes cargas só pequenas, assim sendo usadas somente em edificações
menores.

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Pedra calcárea ou granítica;


 Trena metálica mangueira de nível;
 Carrinho de mão ou gerica;
 Colher de pedreiro;
66

 Argamassa;
 Marreta.

2.4 EPI/EPC

 Bota;
 Luva de raspa;
 Capacete;
 Óculos de proteção.

3. Procedimento de Execução do Serviço

Após a escavação, o fundo das cavas deve ser apiloado com placa vibratória
ou soquete manual de 3 a 5 kg.
Devem ser selecionadas pedras de boa qualidade, não sendo permitido o uso
de material em estado de decomposição ou provenientes de capa de pedreira.
O assentamento deve ser feito, preferencialmente, com argamassa no traço 1:5
(cimento e areia).
As pedras são colocadas lado a lado formando uma camada horizontal, em
seguida a superfície formada é umedecida em toda a sua extensão. Então lança-se
uma camada de argamassa de modo a possibilitar a aderência com a camada
subsequente de pedra. Os espaços maiores entre as pedras são preenchidos com
pedras menores, permitindo um melhor preenchimento dos vazios, aproveitando
racionalmente os materiais e aumentando a segurança da estrutura.
Desse modo, em camadas sucessivas, o maciço é executado até atingir a
altura indicada no projeto.
Ao concluir o assentamento das pedras, deve ser executada, no seu
coroamento, uma cinta de concreto armado com função de melhor distribuir as
cargas e evitar possíveis recalques diferenciais.
67

Fundação em alvenaria de pedra (Fonte:Google Imagens)

4. Itens de Avaliação do Serviço

 Verificar o traço utilizado;


 Conferir as medidas da alvenaria;
 Checar a cota de coroamento da alvenaria;
 Verificar se as pedras estam amarradas nas mudanças de direção;
 Verificar a limpeza após execução dos serviços.

Item de Verificação Tolerância Recomendações


Dimensões do maciço  3 cm de diferença conforme Cortar ou
as especificações de projeto complementar o
Cotas  1 cm de diferença conforme maciço até que atenda

as especificações de projeto as especificações


dimensionais
68

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE


PES - PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO PÁGS.


ESTACA STRAUSS PES . 14 01 04

1. Documentos de referência

 NBR 6122/2010. Projeto de locação e fundação;


 Planta de locação/forma;
 Especificações do contratante;
 Projeto de execução.

2. Providências e Verificações Preliminares

2.1 Serviços Anteriores

A área deve estar devidamente limpa e regularizada. Com o auxílio do gabarito,


deverão ser feitas a locação dos pontos de execução das estacas. Para o início da
escavação abre-se um furo no terreno com um soquete para colocação do primeiro
tubo.

2.2 Indicação de uso e características do método

Em relação as estacas pré moldadas é considerado uma vantagem pois o


concreto irá preencher todos os espaços vazios entre a estaca e o solo aumentando
o atrito lateral, o que não ocorre com as estacas pré moldadas. Na maioria dos
casos a estaca do tipo Strauss não é armada. A armadura utilizada serve somente
para arranque ou ancoragem. Não gera vibrações no solo suficientes para danificar
edificações vizinhas. No entanto, é sempre recomendado realizar laudo pericial em
todas as edificações no entorno da obra para evitar futuras reclamações sem
fundamentos de vizinhos que querem se aproveitar da situação.
Em relação às estacas pré moldadas, sofre desvantagem pois por ser uma
estaca escavada apresenta um empuxo ativo ocasionando menor atrito lateral entre
69

a estaca e o solo. Capacidade de carga baixa. Uma estaca Strauss pode ter até
metade da capacidade de carga de uma estaca pré moldada. Apresenta dificuldade
para escavar solo mole de areia fofa por causa do estrangulamento do fuste.

2.3 Ferramentas / Equipamentos

 Tripé com guincho;


 Pilão (ferramenta de escavação);
 Tubos de revestimento;
 Sonda/Piteira.

2.4 EPI/EPC

 Bota;
 Luva de raspa;
 Capacete;
 Óculos de proteção.

3. Procedimento de Execução do Serviço

O equipamento para a colocação da estaca Strauss é conhecido como bate-


estaca Strauss e consiste basicamente de um guincho, um tripé com uma roldana
fixada no topo, tubos guia, pilão e sonda.
A escavação é feita através de um tubo que pesa em torno de 700 kg com um
diâmetro um pouco menor do que o tubo de revestimento.
Para o início da escavação abre-se um furo no terreno com um soquete para
colocação do primeiro tubo.
Aprofunda-se o furo com golpes de sonda de percussão. Conforme a descida
do tubo, rosqueia-se o tubo seguinte até a escavação atingir a profundidade
determinada.
Atingida a cota prevista no projeto de fundação da edificação, o operador do
bate estacas Strauss faz a checagem se a piteira já não entra tanto no solo. Isso
ocorre quando atinge-se um nível em que o SPT é 20. Se isto acontecer, autoriza-se
70

a concretagem.
O concreto é, então, lançado no tubo e apiloa-se o material com o soquete na
base da estaca. Para formar o fuste o concreto é lançado na tubulação e apiloado,
enquanto que as camisas metálicas são retiradas com guincho manual.

Fundação em Estaca Strauss (Fonte:Google Imagens)

4. Itens de Avaliação do Serviço

Item de Verificação Método de verificação Tolerância


Armadura Diâmetro e posicionamento das -
barras e estribos, de acordo
com projeto. Amarração firme,
armadura sem contato com as
laterais visualmente.

Posicionamento Desvio máx. 10% do


Excentricidade diâmetro

Diâmetro Diâmetro da estaca com trena Desvio máx. 10 mm


metálica
71

Cota de arrasamento Cota de acordo com definições -


de projeto e sondagem
72

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 RRG. FVS – FUNDAÇÃO TIPO RADIER. FVS. 03ª, revisão 0. Disponível em


<
http://www.rrg.com.br/media/uploads/pdf/sistema_da_qualidade/4_fvs/FVS.03
%20a-%20Execu%C3%A7%C3%A3o%20de%20Radier.pdf>
 BARROS, Fernanda. Fundação tipo radier. PET Engenharia Civil
UFJP,2013. Disponível em < http://blogdopetcivil.com/2013/11/15/fundacao-
tipo-radier/>.
 LIMA, Eduardo Campos. Radiers. Pini: Equipe de Obra, 2011. Disponível em
< http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/42/fundacoes-radiers-
241672-1.aspx>.
 CICON CONTRUÇÕES. Procedimento de Execução de Serviço: execução
de fundações. PES 19, revisão 1, 2012. Disponível em <
http://www.cicon.com.br/wp-content/uploads/2014/01/107.pdf>.
 SEINFRA. Execução de fundação em estaca pré-moldada de concreto.
PES 021 V1. Disponível em:
<http://documentslide.com/documents/procedimento-de-execucao-de-
servico.html>
 https://docente.ifrn.edu.br/valtencirgomes/disciplinas/construcao-de-
edificios/nbr-06122-1996-projeto-e-execucao-de-fundacoes
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAqO8AG/engenharia-civil-apostila-
fundacoes-estacas
 http://www.lmsp.ufc.br/arquivos/graduacao/fundacao/apostila/04.pdf
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAqO8AG/engenharia-civil-apostila-
fundacoes-estacas
 https://www.escolaengenharia.com.br/tipos-de-estacas-para-fundacao/
 http://www.benaton.com.br/html/metodologia-execucao.htm
 http://www.set.eesc.usp.br/cadernos/nova_versao/pdf/cee44_129.pdf
 http://blog.construir.arq.br/tipos-fundacao-blocos-alicerces/
 http://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/2403/102/PES.%2025%20V01%20-
%20Execu%C3%A7%C3%A3o%20sapatas,%20blocos%20de%20funda%C3
%A7%C3%A3o%20e%20cintas.pdf
73

 https://docente.ifrn.edu.br/valtencirgomes/disciplinas/construcao-de-
edificios/fundacoes
 http://www.cicon.com.br/wp-
content/uploads/2016/01/PESFIS19FUNDAOR03.pdf
 http://www.rhesultado.com.br/intranet_gv/upload/galeria/860/FVS%20-
%20049-
01%20Concretagem%20de%20Bloco%20de%20Funda%C3%A7%C3%A3o.p
df
 http://www.rrg.com.br/media/uploads/pdf/sistema_da_qualidade/3_pes/PES.0
11%20R00%20-%20Estaca%20H%C3%A9lice%20Cont%C3%ADnua.pdf
 http://techne.pini.com.br/engenharia-civil/83/artigo286274-1.aspx.
 http://www.rrg.com.br/media/uploads/pdf/sistema_da_qualidade/3_pes/PES.0
07%20R00%20-%20Broca.pdf.
 https://www.vwffundacoes.com.br/estaca-tipo-broca/
 geodrill.com.br/engenharia/fundacoes-especiais-estaca-raiz/
 http://redefederal.mec.gov.br/images/pdf/setec_orientacoes_sobre_escolha_d
e_fundacoes.pdf
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAei7kAK/trabalho-estaca-raiz
 http://www.lmsp.ufc.br/arquivos/graduacao/fundacao/apostila/04.pdf
 http://www.rrg.com.br/institucional/sistema-da-qualidade/fichas-de-verificacao-
de-servico/
 https://www.escolaengenharia.com.br/sapatas-de-fundacao/
 http://wwwp.feb.unesp.br/pbastos/concreto3/Sapatas.pdf
 http://construcaociviltips.blogspot.com.br/2012/01/fundacoes-sapatas-
isoladas-em-concreto.html
 https://edificaacoes.files.wordpress.com/2011/04/apo-fundac3a7c3b5es-
completa.pdf
 http://www.allproject.com.br/gproj/gproj283/090/pes003.1-01-sapata-
isolada.pdf
 http://www.rhesultado.com.br/intranet_gv/upload/galeria/860/FVS%20-
%20045-01-%20Sapata%20Isolada.pdf
 http://www.allproject.com.br/gproj/gproj283/100/fvs003.1-01-sapata-
isolada.pdf
74

 http://wwwo.metalica.com.br/estacas-metalicas-fundacoes
 https://edificaacoes.files.wordpress.com/2011/04/apo-fundac3a7c3b5es-
completa.pdf
 http://www.civil.ist.utl.pt/~joaof/tcpb/06%20Estacas%20cravadas%20%207%C
2%AA%20e%208%C2%AA%20aulas%20te%C3%B3ricas.pdf
 http://187.17.2.135/orse/esp/ES00056.pdf
 http://cbca-iabr.org.br/upfiles/downloads/noticias/techne178.pdf
 ftp://ftp.sp.gov.br/ftpder/normas/ET-DE-G00-003_A.pdf
 http://www.rhesultado.com.br/intranet_gv/upload/galeria/860/FVS%20-
%20010-02-%20Estaca%20Met%C3%A1lica.pdf
 http://sete.eng.br/estacas-etalicas-1024-servico-10881#!prettyPhoto[gal]/5/