Você está na página 1de 10

16/05/2017

Anatomia do Sistema Vestibular Periférico

A orelha interna agrupa dois órgãos sensoriais


distintos: o vestíbulo, órgão do equilíbrio e a
cóclea, órgão da audição. Possuem a mesma
origem embrionária e partilham propriedades
morfológicas e fisiológicas como o líquido
UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA endolinfático, as células ciliadas e as suas
propriedades de transdução.
2017.1

Estruturas da orelha interna


1. Canal semicircular (csc) superior
(anterior)
2. Ampola (do csc superior)
3. Ampola (csc lateral ou horizontal)
4. Sáculo
5. Canal coclear
6. Helicotrema
7. Canal sc lateral (horizontal)
8. Canal sc posterior
9. Ampola (canal posterior)
10. Janela do vestíbulo (oval)
11. Janela coclear (redonda)
12. Rampa vestibular
13. Rampa timpânica
14. Utrículo

Anatomia do Sistema Vestibular Periférico

O sistema vestibular
periférico está
localizado no interior
da orelha interna,
margeado
lateralmente pela
orelha média e
medialmente pelo
osso temporal.

1
16/05/2017

Labirinto ósseo / Labirinto membranoso Labirinto ósseo

 Está preenchido por líquido


(perilinfa: +Na -K).
 As partes que compreendem
o labirinto ósseo:
 Vestíbulo
 Canais semicirculares
 Cóclea, meato acústico
interno

Labirinto ósseo - vestíbulo


• Mede aproximadamente
5 x 3 mm.

• É contínuo com a cóclea e


canais semicirculares.

• Sua parede lateral separa a


cavidade timpânica do
vestíbulos (janela ova e
redonda)

Labirinto ósseo – canais semicirculares Canais semicirculares


• Constituem três túneis ósseos
em semicírculo (2/3) com
comprimentos diferentes e
diâmetros de 1,5 mm. • Apresentam ângulo de 90
• Situam-se posteriormente ao graus entre si.
vestíbulo.
• Cada um apresenta uma
extremidade alargada (ampolas • O CSC lateral
ósseas). está disposto 30
graus em relação ao
• Abrem-se no vestíbulo por plano horizontal.
cinco orifícios (abertura não
ampular, comum do CSC
anterior e posterior).

2
16/05/2017

Canais semicirculares – pares sinérgicos Meato acústico interno

• Conduto de 1 mm de
Canais laterais comprimento.
direito e esquerdo
• Nele transitam do VII pc,
Anterior direito e
VIII pc e a artéria
posterior esquerdo
labiríntica.
Anterior esquerdo e
posterior direito • As dimensões fetais são
mantidas no adulto

Labirinto membranoso Sáculo

• Trata-se de uma vesícula


Compreende o espaço arredondada, menor que o
endolinfático e o seu utrículo.
conteúdo (-Na +K).
• Ligado ao utrículo por um
pequeno tubo denominado
 Sáculo ductus reuniens (de Hensen).
 Utrículo
• Provido por uma estrutura
 Ductos semicirculares sensorial denominada mácula do
 Ducto utrículosacular sáculo.

Utrículo Ductos (canais) semicirculares

• É uma formação saculiforme • Ocupam os canais


achatada no sentido transversal. semicirculares e possuem ¼ de
• Ocupa a parede medial do diâmetro dos canais ósseos.
vestíbulo.
• Os três ductos abrem-se no
• Serve de base para os canais utrículo (ampola).
semicirculares por meio de cinco
aberturas. • Cada ampola possui uma prega,
• Seu assoalho é ocupado por uma chamada crista ampolar
estrutura sensorial denominada (terminação periférica do nervo
mácula do utrículo. vestibular)

3
16/05/2017

Ductos semicirculares Cristas ampulares

• As cristas estão recobertas


• Dentro de cada ampola por uma camada
está localizada a estrutura gelatinosa denominada
sensorial (crista) CÚPULA.

• Cada crista abriga um • Essa camada é responsável


conjunto de células por variação nos
ciliadas que decodificam a diferenciais de pressão
energia mecânica em endolinfática, associadas
estímulo elétrico. aos movimentos cefálicos

Cristas ampulares Órgãos otolíticos (sáculo e utrículo)

• A estrutura sensorial do
utrículo localiza-se no
assoalho da sua estrutura e
no sáculo está localizado
na parede lateral.

• Cada célula é inervada por


um neurônio aferente
localizado no Gânglio de
Scarpa.

http://blausen.com/en/video/equilibrium-the-ampulla-in-the-posterior-semicircular-
canal/

Sáculo e Utrículo Máculas


• As camadas otolíticas são similares as cúpulas acrescidas de
Uma pequena área do
revestimento do sáculo e cristais de carbonatos de cálcio denomidados otocônias
do utrículo se diferencia (otólitos). A massa que decorre das otocônias permite que as
em órgão sensorial, a máculas sejam estruturas mais sensíveis a gravidade.
mácula.

Sáculo Rágata

Utrículo Lápidus

4
16/05/2017

Sistema vestibular periférico

Sistema vestibular periférico

SVC SVP

5
16/05/2017

Fisiologia do sistema vestibular


Estrutura
Estrutura Resposta
sensorial
central motora
As células ciliadas dos canais semicirculares (CSC) e periférica
órgãos otolíticos convertem a energia mecânica,
gerada pelo movimento cefálico e do corpo, em
energia elétrica (descargas neurais), que serão
encaminhadas a áreas específicas do tronco encefálico NV Superior
e cerebelo. Em virtude de suas orientações os CSC e
CSC RVO
e Medial
órgão otolíticos são capazes de responder
seletivamente aos diferentes movimentos cefálicos.
Órgãos NV Lateral e
RVE
Otolíticos Descendente

Células ciliadas
Os cílios estão ligados por
filamentos e esta condição faz
Cada célula: com que funcionem como um
bloco.
• Presença de vários cílios
(estereocílios)
• Presença de um cílio maior
(cinocílio) Tipo I: É mais difícil de ser
ativada, acurada percepção de
• Estão distribuídos de acordo velocidade.
com o tamanho (do menor
para o maior) Tipo II: formato cilíndrico, mais
facilmente estimulada,
• Movimentos geram mudanças associada à percepção de
no potencial de repouso das integrações espaciais e
células ciliadas gravitacionais.

Corrente
endolinfática

Mudança na posição
dos cílios

Trocas iônicas

Impulso elétrico

Nervo vestibular

Tronco encefálico

Resposta motora

6
16/05/2017

Teoria hidrodinâmica das correntes endolinfáticas com


Fisiologia do sistema vestibular excitantes das cristas ampulares

Ductos semicirculares O deslocamento da cúpula modifica a posição de repouso dos cílios


Fornecem informações sensoriais sobre a Corrente ampulípeta: corrente endolinfática em direção da ampola. A
velocidade, e desencadeiam o reflexo inclinação das células ciliadas em direção ao cinocílio leva a despolarização
vestíbulo ocular (RVO) que produz um (excitar) causando o aumento dos impulsos no nervo vestibular.
movimento ocular cuja velocidade é igual
a do movimento cefálico. O resultado é Corrente ampulífuga: corrente endolínfática em direção contrária a ampola.
que os olhos permaneçam imóveis após A inclinação dos estereocílios em direção contrária ao cinocílio leva a
o movimento permitindo uma visão clara hiperpolarização (inibir) das células ciliadas e a diminuição dos impulsos no
(ex: corrida). – sensores de velocidade VIII pc.

Fisiologia do sistema vestibular Fisiologia do sistema vestibular

Movimento EXCITAÇÃO Movimento em INIBIÇÃO


em direção direção ao
Corrente ao cinocílio Despolarizaçã (aumento Hiperpolari
Corrente contrária ao (diminuição
ampulípeta o das células dos cinocílio zação das
Direção da ampulífuga dos
Direção contrária células
ampola implusos) da ampola impulsos)

Fisiologia do sistema vestibular

Enquanto o outro é
um lado é inibido.
excitado...

7
16/05/2017

Fisiologia do sistema vestibular Fisiologia do sistema vestibular


Órgãos otolíticos
Fornecem informações sensoriais
sobre a gravidade, e desencadeiam o
reflexo vestíbulo espinhal (RVE). O
neuroepitélio do utrículo está
orientado horizontalmente e o sáculo
verticalmente. As máculas utriculares
e saculares possuem, ambas, uma
superfície curva e as células estão
dispostas em um mosaico que
seguem um padrão em várias
direções.

Fisiologia do sistema vestibular Fisiologia do sistema vestibular

As setas indicam a orientação ou polarização dos cinocílios, ou


seja, a inclinação que causam despolarizações nas células
sensoriais.

Fisiologia vestibular Vascularização


Nervo vestibular
• Transmite sinais aferentes dos labirintos através do canal auditivo interno
(CAI). O CAI percorre a porção petrosa do osso temporal, abrindo na fossa
posterior na altura da ponte. O nervo vestibular penetra no tronco
encefálico, no sulco bulbo-pontino.
• No CAI também encontram-se a porção coclear do VIII pc, nervo facial e
artéria labiríntica.

8
16/05/2017

Processamento central da informações


vestibulares
Existem dois destinos para as informações vestibulares
aferentes: complexo nuclear vestibular e cerebelo.

• Complexo nuclear vestibular: É o principal processador de


informações vestibulares. Implementa conexões diretas e
rápidas entre as informações derivadas dos aferentes e
resposta motora dos neurônios.

• Cerebelo: é um processador adaptativo. Monitora o


desempenho vestibular e reajusta o processamento vestibular
central, se necessário.

Processamento central da informações Processamento central da informações


vestibulares vestibulares
Cerebelo
Complexo nuclear
vestibular
É o principal receptor do
O processamento das escoamento do complexo nuclear
informações no complexo vestibular. Apesar de não ser
nuclear superior ocorre exigido nos reflexos vestibulares,
simultaneamente ao das estes se tornam descalibrados e
extravestibulares. ineficazes quando o cerebelo é
(proprioceptivas, visuais, táteis removido.
e auditivas)

9
16/05/2017

Resposta motora dos neurônios do sistema


Respostas motoras vestibular
Reflexo vestíbulo espinhal
Reflexo vestíbulo ocular (RVO) (RVE)

Reflexo vestíbulo
Distribui os estímulos Distribui informações
ocular predominantemente dos predominantemente do
canais semicirculares para o utrículo e sáculo para
tronco cerebral, objetivando controle da musculatura dos
estabilizar o olhar durante o membros inferiores
movimento. necessários da manutenção
Reflexo vestíbulo da postura bípede.
espinhal

Reflexo vestíbulo ocular Reflexo vestíbulo espinhal

Estabilização do olhar para Manutenção do centro


promover a imagem na de gravidade e postura
retina durante os
movimentos da cabeça e
do corpo.

10