Você está na página 1de 24

Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Prefácio

Caro Professor

É com imenso prazer que colocamos nas suas mãos os Programas do Ensino Secundário
Geral.

Com a introdução do Novo Currículo do Ensino Básico, iniciada em 2004, houve


necessidade de se reformular o currículo do Ensino Secundário Geral para que a integração
do aluno se faça sem sobressaltos e para que as competências gerais, tão importantes para
a vida continuem a ser desenvolvidas e consolidadas neste novo ciclo de estudos.

As competências que os novos programas do Ensino Secundário Geral procuram


desenvolver, compreendem um conjunto de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores
necessários para a vida que permitam ao graduado do Ensino Secundário Geral enfrentar o
mundo de trabalho numa economia cada vez mais moderna e competitiva.

Estes programas resultam de um processo de consulta à sociedade. O produto que hoje


tem em mãos é resultado do trabalho abnegado de técnicos pedagógicos do INDE e da
DINEG, de professores das várias instituições de ensino e formação, quadros de diversas
instituições públicas, empresas e organizações, que colocaram a sua sabedoria ao serviço
da transformação curricular e a quem aproveitamos desde já, agradecer.

Aos professores, de que depende em grande medida a implementação destes programas,


apelamos ao estudo permanente das sugestões que eles contêm e que convoquem a vossa
e criatividade e empenho para levar a cabo a gratificante tarefa de formar hoje os jovens
que amanhã contribuirão para o combate à pobreza.

Aires Bonifácio Baptista Ali.

Ministro da Educação e Cultura

Página 0 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

1. Introdução

A Transformação Curricular do Ensino Secundário Geral (TCESG) é um processo que se


enquadra no Programa Quinquenal do Governo e no Plano Estratégico da Educação e
Cultura e tem como objectivos:

 Contribuir para a melhoria da qualidade de ensino, proporcionando aos alunos


aprendizagens relevantes e apropriadas ao contexto socioeconómico do país.
 Corresponder aos desafios da actualidade através de um currículo diversificado,
flexível e profissionalizante.
 Alargar o universo de escolhas, formando os jovens tanto para a continuação dos
estudos como para o mercado de trabalho e auto emprego.
 Contribuir para a construção de uma nação de paz e justiça social.

Constituem principais documentos curriculares:


 O Plano Curricular do Ensino Secundário (PCESG) – documento orientador que
contém os objectivos, a política, a estrutura curricular, o plano de estudos e as
estratégias de implementação;
 Os programas de ensino de cada uma das disciplinas do plano de estudos;
 O regulamento de avaliação do Ensino Secundário Geral (ESG);
 Outros materiais de apoio.

1.1. Linhas Orientadoras do Currículo do ESG

O Currículo do ESG, a ser introduzido em 2008, assenta nas grandes linhas orientadoras
que visam a formação integral dos jovens, fornecendo-lhes instrumentos relevantes para
que continuem a aprender ao longo de toda a sua vida.

O novo currículo procura por um lado, dar uma formação teórica sólida que integre uma
componente pré-vocacional e por outro, permitir aos jovens a aquisição de competências
relevantes para uma integração plena na vida política, social e económica do país.

As consultas efectuadas apontam para a necessidade de a escola responder às exigências


do mercado cada vez mais moderno que apela às habilidades comunicativas, ao domínio
das Tecnologias de Informação e Comunicação, à resolução rápida e eficaz de problemas,
entre outros desafios.

Assim, o novo programa do ESG deverá responder aos desafios da educação, assegurando
uma formação integral do indivíduo que assenta em quatros pilares, assim descritos:

Saber Ser que é preparar o Homem moçambicano no sentido espiritual, crítico e


estético, de modo que possa ser capaz de elaborar pensamentos autónomos, críticos
e formular os seus próprios juízos de valor que estarão na base das decisões
individuais que tiver de tomar em diversas circunstâncias da sua vida;

Saber Conhecer que é a educação para a aprendizagem permanente de


conhecimentos científicos sólidos e a aquisição de instrumentos necessários para a
compreensão, a interpretação e a avaliação crítica dos fenómenos sociais,
económicos, políticos e naturais;

Saber Fazer que proporciona uma formação e qualificação profissional sólida, um


espírito empreendedor no aluno/formando para que ele se adapte não só ao meio
produtivo actual, mas também às tendências de transformação no mercado;

Página 1 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Saber viver juntos e com os outros que traduz a dimensão ética do Homem, isto
é, saber comunicar-se com os outros, respeitar-se a si, à sua família e aos outros
homens de diversas culturas, religiões, raças, entre outros.
Agenda 2025:129

Estes saberes interligam-se ao longo da vida do indivíduo e implicam que a educação se


organize em torno deles de modo a proporcionar aos jovens instrumentos para
compreender o mundo, agir sobre ele, cooperar com os outros, viver, participar e
comportar-se de forma responsável.

Neste quadro, o desafio da escola é, pois, fornecer as ferramentas teóricas e práticas


relevantes para que os jovens e os adolescentes sejam bem sucedidos como indivíduos, e
como cidadãos responsáveis e úteis na família, na comunidade e na sociedade, em geral.

1.2. Os desafios da Escola

A escola confronta-se com o desafio de preparar os jovens para a vida. Isto significa que o papel
da escola transcende os actos de ensinar a ler, a escrever, a contar ou de transmitir grandes
quantidades de conhecimentos de história, geografia, biologia ou química, entre outros. Torna-
se, assim, cada vez mais importante preparar o aluno para aprender a aprender e para aplicar os
seus conhecimentos ao longo da vida.

Perante este desafio, que competências são importantes para uma integração plena na
vida?

As competências importantes para a vida referem-se ao conjunto de recursos, isto é,


conhecimentos, habilidades atitudes, valores e comportamentos que o indivíduo mobiliza
para enfrentar com sucesso exigências complexas ou realizar uma tarefa, na vida
quotidiana. Isto significa que para resolver um determinado problema, tomar decisões
informadas, pensar critica e criativamente ou relacionar-se com os outros um indivíduo
necessita de combinar um conjunto de conhecimentos, práticas e valores.

Naturalmente que o desenvolvimento das competências não cabe apenas à escola, mas
também à sociedade, a quem cabe definir quais deverão ser consideradas importantes,
tendo em conta a realidade do país.

Neste contexto, reserva-se à escola o papel de desenvolver, através do currículo, não só as


competências viradas para o desenvolvimento das habilidades de comunicação, leitura e
escrita, matemática e cálculo, mas também, as competências gerais, actualmente
reconhecidas como cruciais para o desenvolvimento do indivíduo e necessárias para o seu
bem estar, nomeadamente:

a) Comunicação nas línguas moçambicana, portuguesa, inglesa e francesa;


b) Desenvolvimento da autonomia pessoal e a auto-estima; de estratégias de
aprendizagem e busca metódica de informação em diferentes meios e uso de
tecnologia;
c) Desenvolvimento de juízo crítico, rigor, persistência e qualidade na realização e
apresentação dos trabalhos;
d) Resolução de problemas que reflectem situações quotidianas da vida económica
social do país e do mundo;
e) Desenvolvimento do espírito de tolerância e cooperação e habilidade para se
relacionar bem com os outros;
f) Uso de leis, gestão e resolução de conflitos;
g) Desenvolvimento do civismo e cidadania responsáveis;

Página 2 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

h) Adopção de comportamentos responsáveis com relação à sua saúde e da


comunidade bem como em relação ao alcoolismo, tabagismo e outras drogas;
i) Aplicação da formação profissionalizante na redução da pobreza;
j) Capacidade de lidar com a complexidade, diversidade e mudança;
k) Desenvolvimento de projectos estratégias de implementação individualmente ou em
grupo;
l) Adopção de atitudes positivas em relação aos portadores de deficiências, idosos e
crianças.

Estas competências são relevantes para que o jovem, ao concluir o ESG esteja preparado
para produzir o seu sustento e o da sua família e prosseguir os estudos nos níveis
subsequentes.

Perspectiva-se que o jovem seja capaz de lidar com economias em mudança, isto é,
adaptar-se a uma economia baseada no conhecimento, em altas tecnologias e que exigem
cada vez mais novas habilidades relacionadas com adaptabilidade, adopção de perspectivas
múltiplas na resolução de problemas, competitividade, motivação, empreendedorismo e a
flexibilidade de modo a ter várias ocupações ao longo da vida.

1.3. A Abordagem Transversal

A transversalidade apresenta-se no currículo do ESG como uma estratégia didáctica com


vista um desenvolvimento integral e harmonioso do indivíduo. Com efeito, toda a
comunidade escolar é chamada a contribuir na formação dos alunos, envolvendo-os na
resolução de situações-problema parecidas com as que se vão confrontar na vida.

No currículo do ESG prevê-se uma abordagem transversal das competências gerais e dos
temas transversais. De referir que, embora os valores se encontrem impregnados nas
competências e nos temas já definidos no PCESG, é importante que as acções levadas a
cabo na escola e as atitudes dos seus intervenientes sobretudo dos professores constituam
um modelo do saber ser, conviver com os outros e bem fazer.

Neste contexto, toda a prática educativa gravita em torno das competências acima
definidas de tal forma que as oportunidades de aprendizagem criadas no ambiente escolar
e fora dele contribuam para o seu desenvolvimento. Assim, espera-se que as actividades
curriculares e co-curriculares sejam suficientemente desafiantes e estimulem os alunos a
mobilizar conhecimentos, habilidades, atitudes e valores.

O currículo do ESG prevê ainda a abordagem de temas transversais, de forma explícita, ao


longo do ano lectivo. Considerando as especificidades de cada disciplina, são dadas
indicações para a sua abordagem no plano temático, nas sugestões metodológicas e no
texto de apoio sobre os temas transversais.

1.4 As Línguas no ESG

A comunicação constitui uma das competências considerada chave num mundo globalizado.
No currículo do ESG, são usados a língua oficial (Português), línguas Moçambicanas, línguas
estrangeiras (Inglês e Francês).

As habilidades comunicativas desenvolvem-se através de um envolvimento conjugado de


todas as disciplinas e não se reserva apenas às disciplinas específicas de línguas. Todos os
professores deverão assegurar que alunos se expressem com clareza e que saibam adequar
o seu discurso às diferentes situações de comunicação. A correcção linguística deverá ser
uma exigência constante nas produções dos alunos em todas as disciplinas.

Página 3 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

O desafio da escola é criar espaços para a prática das línguas tais como a promoção da
leitura (concursos literários, sessões de poesia), debates sobre temas de interesse dos
alunos, sessões para a apresentação e discussão de temas ou trabalhos de pesquisa,
exposições, actividades culturais em datas festivas e comemorativas, entre outros
momentos de prática da língua numa situação concreta. Os alunos deverão ser encorajados
a ler obras diversas e a fazer comentários sobre elas e seus autores, a escrever sobre
temas variados, a dar opiniões sobre factos ouvidos ou lidos nos órgãos de comunicação
social, a expressar ideias contrárias ou criticar de forma apropriada, a buscar informações e
a sistematizá-la.

Particular destaque deverá ser dado à literatura representativa de cada uma das línguas e,
no caso da língua oficial e das línguas moçambicanas, o estudo de obras de autores
moçambicanos constitui um pilar para o desenvolvimento do espiríto patriótico e exaltação
da moçambicanidade.

1.5. O Papel do Professor

O papel da escola é preparar os jovens de modo a torná-los cidadãos activos e


responsáveis na família, no meio em que vivem (cidade, aldeia, bairro, comunidade) ou no
trabalho.

Para conseguir este feito, o professor deverá colocar desafios aos seus alunos, envolvendo-
os em actividades ou projectos, colocando problemas concretos e complexos. A preparação
do aluno para a vida passa por uma formação em que o ensino e as matérias leccionadas
tenham significado para a vida do jovem e possam ser aplicados a situações reais.

O ensino - aprendizagem das diferentes disciplinas que constituem o currículo fará mais
sentido se estiver ancorado aos quatro saberes acima descritos interligando os conteúdos
inerentes à disciplina, às componentes transversais e às situações reais.

Tendo presente que a tarefa do professor é facilitar a aprendizagem, é importante que este
consiga:

 organizar tarefas ou projectos que induzam os alunos a mobilizar os seus


conhecimentos, habilidades e valores para encontrar ou propor alternativas de
soluções;
 encontrar pontos de interligação entre as disciplinas que propiciem o
desenvolvimento de competências. Por exemplo, envolver os alunos numa
actividade, projecto ou dar um problema que os obriga a recorrer a conhecimentos,
procedimentos e experiências de outras áreas do saber;
 acompanhar as diferentes etapas do trabalho para poder observar os alunos,
motivá-los e corrigi-los durante o processo de trabalho;
 criar, nos alunos, o gosto pelo saber como uma ferramenta para compreender o
mundo e transformá-lo;
 avaliar os alunos no quadro das competências que estão a ser desenvolvidas, numa
perspectiva formativa.

Este empreendimento exige do professor uma mudança de atitude em relação ao saber, à


profissão, aos alunos e colegas de outras disciplinas. Com efeito, o sucesso deste programa
passa pelo trabalho colaborativo e harmonizado entre os professores de todas as
disciplinas. Neste sentido, não se pode falar em desenvolvimento de competências para
vida, de interdisciplinaridade se os professores não dialogam, não desenvolvem projectos
comuns ou se fecham nas suas próprias disciplinas. Um projecto de recolha de contos
tradicionais ou da história local poderá envolver diferentes disciplinas. Por exemplo:

Página 4 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

- Português colaboraria na elaboração do guião de recolha, estrutura, redacção e


correcção dos textos;
- História ocupar-se-ia dos aspectos técnicos da recolha deste tipo de fontes;
- Geografia integraria aspectos geográficos, físicos e socio-económicos da região;
- Educação Visual ficaria responsável pelas ilustrações e cartazes.

Com estes projectos treinam-se habilidades, desenvolvem-se atitudes de trabalhar em


equipa, de análise, de pesquisa, de resolver problemas e a auto-estima, contribuindo assim
para o desenvolvimento das competências mais gerais definidas no PCESG.

As metodologias activas e participativas propostas, centradas no aluno e viradas para o


desenvolvimento de competências para a vida pretendem significar que, o professor não é
mais um centro transmissor de informações e conhecimentos, expondo a matéria para
reprodução e memorização pelos alunos. O aluno não é um receptáculo de informações e
conhecimentos. O aluno deve ser um sujeito activo na construção do conhecimento e
pesquisa de informação, reflectindo criticamente sobre a sociedade.

O professor deve assumir-se como criador de situações de aprendizagem, regulando os


recursos e aplicando uma pedagogia construtivista. O seu papel na liderança de uma
comunidade escolar implica ainda que seja um mediador e defensor intercultural,
organizador democrático e gestor da heterogeneidade vivencial dos alunos.

As metodologias de ensino devem desenvolver no aluno: a capacidade progressiva de


conceber e utilizar conceitos; maior capacidade de trabalho individual e em grupo;
entusiasmo, espírito competitivo, aptidões e gostos pessoais; o gosto pelo raciocínio e
debate de ideias; o interesse pela integração social e vocação profissional.

Página 5 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

2. O Ensino-Aprendizagem na Disciplina de Educação Visual

A disciplina de Educação Visual é na sua essência uma disciplina prática que visa
desenvolver nos alunos a destreza manual, através de diferentes técnicas de expressão, o
sentido de organização de espaços físicos e pictóricos, de estética e gosto pelo belo, entre
outras qualidades, como a analítico-crítica de comunicação através da IMAGEM.

Tendo em conta os quatro pilares saber conhecer, saber fazer, saber ser e saber viver
juntos e com os outros, o currículo, num processo de Educação Integral e Interdisciplinar,
deverá garantir competências, conhecimentos, aptidões e atitudes socialmente relevantes e
aproximar os programas de ensino da vida quotidiana.

Nesta disciplina privilegiam-se os métodos de observação, experimentação e interpretação


dos diferentes conceitos aprendidos. Assim, espera-se que os alunos sejam observadores
activos, com capacidade para investigar, experimentar, fazer e intervir aprofundando os
seus conhecimentos nos domínios da Natureza e da Sociedade.

Este programa fornece dados que podem ajudar o professor a orientar os alunos a ver,
observar, reconhecer, interpretar e criar para melhor Comunicar e Produzir. Criar
significa, procurar a maneira adequada de dizer aos outros, através da representação
plástica, aquilo que vemos, sentimos e projectamos.

O programa retoma alguns conteúdos e actividades já abordados no programa do Ensino


Básico, por forma a permitir um melhor domínio das técnicas e do desenvolvimento pleno
das capacidades expressivas dos alunos.

As estratégias e actividades de ensino-aprendizagem, privilegiam o papel do professor


enquanto orientador, apoiante e facultador de meios, assim como a participação activa dos
alunos nos projectos e estudos enquanto sujeitos da aprendizagem. Em termos de
materiais pedagógico-didácticos impera a sua variedade e utilização de recursos existentes
na comunidade.
A organização do espaço de trabalho é importante numa aula. Para se realizar uma boa
aula deverão ser observados vários aspectos que vão desde a organização das carteiras, o
posicionamento do professor em relação aos alunos durante o processo de explicação ou
demonstração de um certo conteúdo, interrelacionamento dos temas abordados na aula
com elementos da vida quotidiana. Deve-se procurar levar os estudantes a encontrar
respostas positivas às perguntas que poderão surgir, como:
O porquê e para quê estou a aprender isto?
Que importância tem este conteúdo para a resolução de problemas do dia-a-
dia?

As respostas são muito importantes para que o aluno encontre incentivos na sua realização
pessoal tanto presente como futura, por forma a evitar desinteresse e desmotivação
durante as aulas.

O espaço de ensino deve ser adaptado às situações concretas. Uma boa aula não se
circunscreve somente à sala de aula, mas também fora desta, num espaço informal como:
o pátio da escola, área de interesse dentro da comunidade local, (Museus, Galeria de Arte,
Casa de Cultura, etc.). Para além dos locais referidos anteriormente, o professor poderá
aproveitar todas as oportunidades para fazer visitas de estudos, por forma que os alunos
consolidem os conhecimentos, habilidades e atitudes adquiridos.

Página 6 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

A abordagem da técnica pela técnica não servirá de nada, se quisermos que a


aprendizagem seja significativa. A materialização das actividades propostas deve partir de
situações concretas em que se faça sentir a sua necessidade.

Se o aluno percebe a aplicação prática do seu conhecimento para a resolução dos


problemas pessoais ou da comunidade (emprego e auto emprego), estará então, em
melhores condições para mobilizar a sua energia e atenção para aprender mais.

A escolha de um método de ensino depende de vários factores, como por exemplo, a idade
e/ou comportamento dos alunos, a experiência do professor, a natureza do conteúdo ou o
trabalho prático a ser realizado, os instrumentos e materiais (locais e/ou convencionais) e
equipamento disponíveis, o período de decurso da aula (manhã, tarde, noite), etc.

A opção final deve ser o resultado de uma avaliação cuidada da situação conjuntural feita
pelo professor, propondo-se a exploração dos seguintes métodos:
 Elaboração Conjunta (forma-função: análise de vários aspectos funcionais e estéticos;
descodificação de mensagens dadas através da imagem e/ou cor; aulas de introdução,
de revisão ou específicas).
 Trabalho em grupo, como oportunidade de consolidar de forma prática os pilares
saber, saber ser; saber trabalhar em equipe, cooperação e respeito mútuo (exercitação
dos conhecimentos na impossibilidade de cada aluno poder experimentar todas as fases
de execução de um projecto).
A composição dos grupos deve ser equilibrada, no sentido de aglutinar os alunos com
diferentes ritmos de aprendizagem. Esta disposição facilita a colaboração e o espírito de
entreajuda. Os aluno mais habilitados poderão funcionar como monitores, ajudando os
colegas mais fracos e também ao professor na gestão de turmas numerosas.
 Expositivo (numa aula de 90 minutos a transmissão de conhecimentos não deve
exceder o tempo de 20 minutos; isto pressupõe que não deve haver nenhuma aula
exclusivamente expositiva).

As situações que devem ser postas aos alunos podem ser resolvidas essencialmente com
base:
 Na reprodução (por exemplo de formas apresentadas)
 Criatividade (organização de uma forma “módulo” numa composição)
 Na interpretação (dos passos de execução de um dado trabalho, através de um
texto-enunciado-esquema indicativo, através de setas com a ordem sequencial
indicada).

A concepção de pequenos projectos poderá constituir um estímulo para o desenvolvimento


da imaginação e espírito criador, servindo igualmente para desenvolver, nos alunos,
habilidades para a resolução de problemas.

O Ambiente Escolar é parte inseparável da Educação Estética. A criação de um ambiente


agradável e estético constitui, além de uma preocupação, uma actividade conjunta entre os
professores e seus alunos e os alunos entre si.

As possibilidades de trabalho em comum são facilitadas pela realização de exposições que


contribuem na educação do colectivo. A realização de exposições é uma componente básica
da ambientação escolar e contribui para o desenvolvimento do espírito crítico, auto-estima
e valorização do seu trabalho. Destaca-se o seu valor como meio educativo porque reflecte
o trabalho criativo dos alunos constituindo uma motivação, um incentivo para progredir. Ele
fortalecem os laços afectivos com a sua escola e estimula seu interesse não só pela
disciplina de Desenho mas, pelo estudo em geral.
A exposição constitui também uma referência visual da avaliação do desempenho dos
alunos e do professor, porque reflecte o grau de domínio de materiais, instrumentos e
técnicas propostas nos programas de ensino.

Página 7 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Uma exposição pode ter lugar desde a própria sala de aula passando por um espaço da
escola até na comunidade onde a escola está inserida.

Os debates ou a apreciação conjunta dos trabalhos desenvolve habilidades de comunicação,


o espírito crítico, etc.
Seria conveniente que o professor aproveitasse a riqueza dos conteúdos da disciplina para
desenvolver conteúdos transversais. Por exemplo no conteúdo que aborda a comunicação
visual poder-se-ia desenvolver actividades práticas de criação de cartazes, símbolos,
logótipos, abordando temas sobre prevenção de doenças, preservação do ambiente,
combate as drogas, direitos humanos, etc.

A marcação de TPCs deve ser uma tarefa obrigatória e sempre que se revelar oportuno o
professor poderá aproveitar os TPCs para consolidar as aprendizagens, para assinalar uma
data comemorativa/festiva, caso o tempo lectivo não seja suficiente. Desta forma
contribuir-se-á para o fortalecimento do espírito cívico e patriótico.

3. Competências da disciplina de Educação Visual no ESG1

1. Apresenta mensagens visuais e experiências, através de relatos e demonstrações na


sala de aulas, em grupos de trabalho e na comunidade;
2. Recolhe informação sobre os hábitos, usos e costumes dos moçambicanos nas várias
línguas;
3. Pesquisa e sistematiza informação sobre assuntos relacionados com a disciplina nos
diferentes meios de informação;
4. Reage de forma crítica a mensagens visuais (cartazes, painéis, obras de Arte);
5. Analisa criticamente o ambiente visual envolvente;
6. Aprecia/avalia trabalhos inter-escolas, inter-turmas, inter-grupos, e individuais;
7. Idealiza projectos para a melhoria da qualidade de vida das comunidades;
8. Promove debates sobre as matérias apreendidas;
9. Observa as regras de higiene e segurança na elaboração e apresentação dos
trabalhos;
10.Produz trabalhos que transmitam mensagens educativas e contribuam para
melhorar a qualidade visual do ambiente escolar e da comunidade;
11.Realiza e participa em exposições/venda dos trabalhos elaborados para colectar
fundos para obras de benificiência;
12.Pesquisa e utiliza materiais alternativos nos seus trabalhos;
13.Realiza trabalhos colectivos (pintura de murais, organização de eventos, decoração
dos espaços na escola, etc;
14.Divulga informação através dos meios de comunicação visual, que apelem ao uso de
leis, gestão e resolução pacífica de conflitos;

Página 8 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

15.Divulga na escola e na comunidade informações que retratem situações de civismo e


cidadania responsáveis através dos meios de comunicação visual;
16.Elabora pictogramas com significados educativos, apelativo e informativos para uso
nas escolas, comunidade e empresa;
17.Planifica e produz meios de comunicação visual, para sensibilização da comunidade
sobre os cuidados a ter com a saúde (vícios, uso correcto das casas de
banho/latrinas);
18.Organiza e participa em feiras comunitárias;
19.Planifica e organiza os espaços da escola e da comunidade (localização dos edifícios,
hortas , pátio, espaço de lazer, campo de jogos, etc.);
20.Formula respostas individuais ou colectivas aos problemas concretos colocados
aplicando uma sequência lógica do trabalho para a resolução de um problema;
21.Divulga projectos de investigação para a melhoria da qualidade de vida das
comunidades;
22.Realiza projectos colectivos para a melhoria da qualidade de vida das comunidades;
23.Concebe acções de solidariedade e apoio aos portadores de deficiência, idosos e
crianças;
24.Produz cartazes que apelem a não descriminação e estigmatização da pessoa
portadora deficiência;
25.Produz material escolar para outras áreas disciplinares.

4. Objectivos Gerais da disciplina de Educação Visual no ESG

Ao terminar o ESG o aluno deve ser capaz de:

 Aplicar os conhecimentos, as capacidades e habilidades na escola na família e nas


comunidades, de forma criativa crítica e competente;
 Desenvolver o sentido social identificando fontes de informação para resolver
problemas inter/extra e escolares;
 Conhecer a importância da Arte no desenvolvimento integral do ser humano;
 Conhecer a Arte Universal;
 Conhecer a Arte Moçambicana;
 Comunicar através da imagem;
 Desenvolver a sensibilidade ao mundo visual;
 Utilizar vários tipos de materiais nas representações plásticas;
 Utilizar vários tipos de ferramentas/instrumentos nas experimentações plásticas;
 Utilizar as Tecnologia de Informação e Comunicação;
 Desenvolver a destreza manual;
 Desenvolver a capacidade criadora;
 Desenvolver a capacidade de observação, análise e representação do real;
 Avaliar de um modo crítico, inovador e construtivo, trabalhos das artes plásticas;
 Desenvolver o sentido artístico e estético;

Página 9 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

 Manifestar a auto-estima;
 Desenvolver o espírito de colaboração e entreajuda;
 Aplicar as normas básicas de higiene e segurança no trabalho;
 Valorizar o uso de materiais locais;
 Apreciar as manifestações artísticas da sua comunidade, de Moçambique e do
Mundo;
 Participar nas manifestações artísticas da sua comunidade, de Moçambique e do
Mundo.

6. Visão Geral dos Conteúdos do ESG1

8ª Classe
1ª Unidade: Arte
2ª Unidade: MEIOS E TÉCNICAS DE EXPRESSÃO GRÁFICA
3ª Unidade: COMUNICAÇÃO VISUAL
4ª Unidade: Estudo da forma
5ª Unidade: Desenho Geométrico

9ª Classe
1ª Unidade: Arte
2ª Unidade: Desenho Geométrico
3ª Unidade: Projecções ortogonais
4ª Unidade: FORMAS EM AXONOMETRIA
5ª Unidade: Comunicação visual
6ª Unidade: Estudo da forma

10ª Classe
1ª Unidade: Arte
2ª Unidade: Forma-função
3ª Unidade: Projecções ortogonais
4ª Unidade: Cotagem das formas
5ª Unidade: Formas em axonometria
6ª Unidade: Formas em perspectiva visual
7ª Unidade: Formas em perspectiva rigorosa

Página 10 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

7. Objectivos da disciplina de Educação Visual na 8ª Classe

Ao terminar esta classe, o aluno deve ser capaz de:


 Conhecer a Arte Universal;
 Caracterizar a Arte Moçambicana;
 Interpretar uma obra de arte;
 Explicar as formas de expressão artística predominante em Moçambique;
 Distinguir os tipos de desenho;
 Reconhecer a importância da textura, da cor e influências da luz e sombra nas
formas;
 Uso de materiais locais;
 Explorar criativamente as possibilidades expressivas dos materiais e técnicas de expressão
gráfica;
 Usar material natural e reciclável;

 Executar projectos de comunicação visual utilizando diferentes sistemas de representação;

 Reconhecer a importância das imagens no comportamento das pessoas;

 Desenhar formas naturais e artificiais, segundo os requisitos das técnicas elementares;

 Usar com intencionalidade os elementos formais da linguagem visual.

 Aplicar a normalização nas representações;


 Utilizar com rigor os materiais para Desenho Geométrico;
 Reconhecer formas geométricas na natureza, ;
 Relacionar o estudo dos arcos arquitectónicos com a arquitectura moçambicana

8. Visão Geral dos Conteúdos da 8ª Classe

I Trimestre
Nº Tempos
Unidade Temática lectivos
I Arte 6
II Meios e Técnicas de expressão gráfica 12
Revisão e Avaliação 6
Total 24

II Trimestre

Nº Tempos
Unidade Temática lectivos
III Comunicação Visual 8
IV Estudo da forma 10
Revisão e Avaliação 6

Página 11 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Total 24

III Trimestre

Nº Tempos
Unidade Temática lectivos
V Desenho Geométrico 18
Revisão e Avaliação 6
Total 24

Carga horária da classe 72

Página 12 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

9. Mapa Temático

Unidade Temática 1: Arte


Objectivos Específicos Competências Básicas Horas
Conteúdos
(O aluno deve ser capaz de) (O aluno:) Lectivas

 Descrever a importância da Arte no  Importância da Arte no desenvolvimento integral  Compara diferentes formas de
desenvolvimento integral do ser humano; do ser humano expressão artística
 Formas de expressão artística (pintura, escultura,
 Distinguir as diferentes formas de expressão arquitectura)  Apresenta relatos sobre
artística moçambicanas;  Universal: actividade artística local
Leonardo Da Vinci (pintura, escultura, arquitectura),
 Reconhecer a arte Universal; Picasso (pintura), Miguel Ângelo (pintura)
 Elabora relatórios de pesquisa 6
 Enumerar nomes de artistas moçambicanos e Moçambicanas (Pintura rupestre (em todo País) Arte sobre Arte
locais; Makonde (Psikhelekedana (Maputo)
 Participa na elaboração do
 Fazer entrevistas a artífices;  Elementos para leitura de obras de Arte: Guião de entrevistas
- Tipo de expressão artística;
 Interpretar uma obra de arte; - Técnica e materiais utilizado na obra;  Interpreta uma obra de Arte
- Tema da obra

Sugestões Metodológicas

Depois do professor se referir à importância da Arte no desenvolvimento do ser humano, nesta unidade, poderá falar da Arte como
manifestação artística integrada na vida quotidiana patente nas cerimónias festivas, fúnebres ou religiosas, isto é, a pintura e a escultura
sempre estiveram ligadas à vida do Homem moçambicano desde a antiguidade/época primitiva. De seguida, o professor poderá falar de
alguns artistas internacionais e nacionais e das formas de expressão artística a que pertencem. Os alunos devem falar sobre formas de
expressão artística existentes localmente.
Para materializar esta unidade, os alunos poderão a fazer visitas de estudo a museus, artesãos, artistas, exposições de Arte com a
finalidade de colher informações, (que podem ser obtidas através de entrevistas, aplicação de inquéritos) sobre as características dos
produtos artísticos produzidos por estes. Outra estratégia possível é convidar um artífice ou especialista para ir à escola fazer ou falar da
sua Arte. A anteceder esta actividade, os alunos elaborarão um guião de questões a serem colocadas. Posteriormente os alunos apresentam
em grupos ou individualmente os resultados da pesquisa efectuada.

Página 13 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Na visitas de estudo, os alunos podem sugerir um título para a obra em causa.

Indicadores de Desempenho

- Distingue as diferentes formas de expressão artística?


- Apresenta oral/escrita os relatórios de pesquisa sobre Arte?
- Formula questões para o guião de entrevistas?
- Caracteriza as formas de expressão gráfica da sua comunidade?

Página 14 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Unidade Temática 2: Meios e Técnicas de expressão gráfica


Objectivos Específicos Competências Básicas Horas
Conteúdos
(O aluno deve ser capaz de) (O aluno:) Lectivas
 Seleccionar os meios e técnicas de  Desenho/ Pintura
expressão gráfica adequadas aos trabalhos  Analisa a representação
a realizar o Exploração de vários materiais (lápis gráfica do ambiente
esferográfica, carvão, guaches, aguarelas, envolvente
 Explorar criativamente as possibilidades marcadores...)
expressivas dos materiais e técnicas de  Apresenta propostas para o
expressão gráfica o Representação gráfica do ambiente melhoramento do ambiente
envolvente envolvente (equipamento,
 Reconhecer os meios e técnicas de habitação, paisagem)
expressão gráfica o Análise do levantamento gráfico realizado
 Faz composições, figurativas
 Usar material natural e reciclável nas e não figurativas usando 6
o Elaboração de propostas para o
técnicas mistas melhoramento do ambiente envolvente técnicas mistas;
(equipamento, habitação, paisagem)
 Elaborar painéis colectivos  Elabora painéis colectivos
utilizando técnicas mistas
 Observar regras de higiene e segurança no  Técnicas Mistas
trabalho o Exploração de vários materiais combinados
o (Riscadores, recortados, construídos, colados)

Painéis Colectivos

Sugestões Metodológicas

Depois da descrição dos materiais, o aluno deve ser incentivado, a experimentar o mais variado leque de materiais com o objectivo de
descobrir as potencialidades expressivas e limitações de cada um. Este exercício confere ao aluno a capacidade de seleccionar o material e a
técnica mais adequada a utilizar em função do resultado desejado.
Depois dos alunos representarem graficamente o meio envolvente, passam à análise dessas representações que poderá ser feita
individualmente ou em pequenos grupos, o que permitirá uma interacção nas propostas apresentadas para o melhoramento do ambiente
envolvente.

Página 15 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

O aluno poderá combinar diferentes técnicas (colagem, impressão, desenho, pintura, etc), e diferentes materiais (naturais, recicláveis e
convencionais). Este exercício poderá ser realizado em grupos na criação painéis colectivos.

Indicadores de Desempenho

- Representa graficamente o ambiente envolvente?


- Formula e apresenta sugestões para melhorar o ambiente visual através de imagens ou textos?
- Explora variados materiais, incluindo os naturais/locais nas técnicas mistas?
- Interage com os colegas nos trabalhos em grupo, respeitando as diferenças?

Página 16 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Unidade Temática 3: Comunicação Visual


Objectivos Específicos Competências Básicas Horas
Conteúdos
(O aluno deve ser capaz de:) (O aluno:) Lectivas
 Importância da
Comunicação  Cria formas a partir de sua imaginação
 Reconhecer a importância da Comunicação Visual; Visual utilizando intencionalmente os elementos
 Conceber sinalizações ( de serviços de circulação, de perigo, visuais
etc.)  Meios de
comunicação  Interpreta e produz um juízo critico sobre
 Reconhecer a importância das imagens no comportamento das visual produtos da comunicação visual
pessoas
 codificação e  Representa Banda Desenhada que
 Executar projectos de comunicação visual utilizando diferentes descodificação; transmite contos, fábulas e lendas
6
sistemas de representação (códigos visuais, moçambicanas
sinais, símbolos,
 Enunciar formas de comunicação visual; ícones, índices,  Elabora cartazes e banda desenhada com
 Caracterizar a comunicação visual pictogramas, cartaz, temas transversais
 identificar os signos visuais; Banda Desenhada);
 Identificar os agentes da comunicação visual;
 Desenhar os signos visuais;  Cria logótipo, emblema e marcas
 Elaborar cartazes; comerciais
 Reconhecer as novas Tecnologia Informação e Comunicação;
 Observar regras de higiene e segurança no trabalho.

Sugestões Metodológicas

Sempre que possível, identificar na cidade, distrito ou vila em que vive, a aplicação dos códigos visuais e propor a criação de pictogramas
para facilitar a circulação nos espaços.
A explicação e discussão dos conteúdos desta unidade, deve apoiar-se em cartazes, devendo os elementos constituintes ser identificados e
descodificadas as mensagens que procuram vincular. O professor de Língua Portuguesa, poderá contribuir nesta actividade relativamente ao
texto no âmbito da interdisciplinaridade e realização de projectos comuns.

Página 17 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Posteriormente seguir-se-á a fase do esboço e desenho de cartazes vinculando diferentes mensagens com utilização de diversas técnicas e
materiais. Esses exercícios serão feitos obedecendo todas as particularidades que garantem a qualidade comunicativa do cartaz. e apoiar-se-ão
nos Temas Transversais.
Recomenda-se que os alunos desenvolvam 4 a 5 temas a serem tratados, por exemplo. Consoante o número de temas formar-se-ão grupos em
que cada aluno trabalhará , individualmente, no tema atribuído ao grupo para que cada um tenha a oportunidade de experimentar a tarefa e
contribuir no conjunto. No final desta actividade garante-se que se abarque inúmeros temas. É importante que os cartazes desenhados sejam
apreciados criticamente dentro da turma ou inter-turmas.

Como painel de motivação os alunos poderão recolher em casas cartazes podendo igualmente recorrer as Tecnologia Informação e
Comunicação (vídeo, computador, máquina fotográfica, etc.).

Indicadores de Desempenho

- Executa projectos que veiculam mensagens educativas utilizando cartazes, banda desenhada, desenho ou pintura?
- Nos logótipos respeita as regras de execussão das letras?
- Produz um juízo crítico sobre produtos da Comunicação Visual?
- Apresenta as mensagens visuais através da escrita ou da oralidade?
- Distingue os diferentes meios de comunicação visual?

Página 18 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Unidade Temática 4: Estudo da forma


Objectivos Específicos Competências Básicas Horas
Conteúdos
(O aluno deve ser capaz de) (O aluno:) Lectivas
Importância da forma função
Perspectiva visual
 Reconhece a importância da forma-função;  Enquadramento das formas  Aplica os elementos da
 Identificar os elementos visuais; que definem a perspectiva nas
forma  Proporções representações;
 Sobreposições
 Desenhar formas naturais e artificiais, segundo os  Escala de valores ao nível do cinzento  Representa formas de
requisitos das técnicas elementares;  Forma objectos utilitários
o Obtenção da forma deduzidas de formas
 Representar no objecto desenhado as zonas de o Enquadramento da forma. básicas;
luz/sombra; o Composições 8
 Cor  Cria composições
 Interpretar mensagens transmitidas através da cor; o Importância da cor pictóricas usando cores
o Classificação da cor obtidas por mistura;
 Representar a textura partindo da observação de  Textura
objectos naturais e artificiais; o Tipos de texturas e sua função;  Cria texturas utilitárias
ou decorativas
o Texturas naturais, artificiais e mistas;
 Observar regras de higiene e segurança no trabalho.
 Classificação de superfícies, quanto a sua textura
 Elementos gráficos texturais
 Processos para obtenção da texturas.

Sugestões Metodológicas

Importa levar a compreensão dos alunos a formação de um plano ou de qualquer superfície através do processo convencional de sequência
de posições de cada um dos elementos básicos de comunicação gráfica - ponto, linha e plano.

Deverá caracterizar-se as formas bi e tridimensionais e realçar-se exercícios com formas de cada um dos tipos, numa primeira fase , e mais
tarde conjugando-as numa única composição. Estas composições deverão ser valorizadas, (sem muita exigência técnica), com tons de
cinzento, textura e cor depois de uma breve explicação, como introdução da unidade seguinte.

No aspecto da escala numérica natural, de redução e de ampliação poder-se-á salientar a importância da escala em termos da sua
vantagem em estudos de pormenores (ampliação) e no desenho de corpos de grandes dimensões em papel de pequenas dimensões

Página 19 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

(redução).Os exercícios deverão consistir na ampliação e redução de variadas formas com apoio de malhas reticuladas. O professor poderá
fazer uso deste conteúdo para estabelecer ligações interdisciplinares com a Geografia e Física. A cor é um meio que contribui para aumentar
a comunicação, pelo que resulta num meio expressivo, dentro de um contexto específico, podendo ter determinadas significações.

No que diz respeito à importância da cor deve ser relacionada com o facto de constituir um factor de comunicação visual em diferentes
áreas da vida do Homem, como por exemplo na regulação do trânsito, para além do factor estético e de protecção de superfícies.

O estudo do círculo cromático visa essencialmente fazer recordar nos alunos os conteúdos mais relevantes da teoria da cor, pois este tema
já foi abordado nas classes anteriores

Os trabalhos práticos referentes ao estudo da teoria da cor deverão ser feitos basicamente com lápis de cor, aguarela ou guaches, lápis de
cera em que a obtenção de uma cor secundária ou terciária deverá ser conseguida por sobreposição das cores intervenientes(no caso do
lápis de cores), ou por mistura de pigmentos diluídos em agua,(no caso de aguarelas e guaches). Os alunos poderão pesquisar os vários
materiais naturais e recicláveis que permitem a obtenção de algumas cores.

Com relação ao trabalho com textura realçar-se-ão os factores “estéticos” e práticos ou “funcionais”.O seu estudo deve igualmente iniciar
com a observação de objectos seguindo-se o desenho desses e as suas superfícies cuidadosamente caracterizadas com as respectivas
texturas e cores. Este trabalho será sistematizado em trabalhos de criação individual.

As formas, as cores e a textura dos objectos naturais ou artificiais, servirão de fontes inesgotáveis de motivação dos alunos na
aprendizagem de um determinado conteúdo programático.
Esta unidade presta-se à colaboração com as outras áreas disciplinares na produção de material escolar, pelo que os alunos poderão
identificar necessidades para a sua posterior criação, ex: mapas, tabelas periódicas, etc.

Indicadores de Desempenho

- Caracteriza as formas naturais e artificiais?


- Identifica os elementos visuais que definem a forma?
- Produz um juízo crítico sobre textura de vários objectos criados pelo Homem?
- Veicula informação útil à escola e comunidade?
-Respeita as regras de perspectiva na representação da forma?

Página 20 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

Unidade Temática 5: Desenho Geométrico


Objectivos Específicos Competências Básicas Horas
Conteúdos
(O aluno deve ser capaz de) (O aluno:) Lectivas

Normalização
Reconhecer a importância e aplicação da  Importância
normalização  Aplicação  Projecta protótipos
 Letras e algarismos (grades, motivos
Usar convenientemente as regras de normalização.  Esquadria decorativos nas mobílias,
tijoleiras, etc ) utilizando
 Explicar a importância e aplicação do Desenho  Importância e aplicação do Desenho Geométrico; construções geométricas
Geométrico; estudadas; 8
 Reconhecer na natureza, formas em espiral,  Traçado das espirais de dois, três e quatro centros;
óvulo e oval;  Identifica nos edifícios
 Enumerar os vários tipos de arcos  Traçado de oval e óvulo moçambicanos, formas
arquitectónicos; geométricas estudadas;
 Traçado dos: arco romano, arco árabe, ogiva
Observar regras de higiene e segurança no trabalho. perfeita, arco contra curvado, arco abatido;

Sugestões Metodológicas

Os conteúdos abordados nesta unidade são uma continuidade dos conhecimentos adquiridos pelos alunos no Ensino Básico pelo que os
alunos deverão incluir nas composições realizadas construções geométricas das classes anteriores para que não haja nenhum tipo de
dissociação.
Poder-se-á realizar composições decorativas figurativas e não figurativas.
Como forma de conciliar a teoria e a prática, os alunos farão protótipos de grades em material natural, artificial ou convencional, mas
devem inicialmente preparar o projecto do protótipo.
O rigor nos traçados deverá constituir uma constante nas aulas de Desenho Geométrico.

Indicadores de Desempenho

- Apresenta o projecto do protótipo de grades?


- Constrói o protótipo de acordo com o projecto?
- Nomeia as construções geométricas patentes nos edifícios da arquitectura moçambicana?

Página 21 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

10. Avaliação

A avaliação na disciplina de desenho deve ter uma função formativa e motivadora


e não punitiva.

Ela deve obedecer as formas específicas preconizadas pelo Regulamento de Avaliação do


Ensino Secundário Geral.

Para se avaliar poder-se-á recorrer a determinados itens que podem ser objecto de
verificação, tais como:
 Apresentação das folhas de trabalho (esquadria, legenda, organização e limpeza);
 Evolução progressiva no domínio de técnicas;
 Qualidade expressiva.

No item, Apresentação das folhas de trabalho, pretende-se avaliar a esquadria, legenda,


organização e limpeza. O professor poderá exigir um certo rigor neste parâmetro porque
estes conteúdos vêem sendo abordados desde o 3º Ciclo do Ensino Básico.

Evolução progressiva no domínio de técnicas. Lembre-se que existem conteúdos,


relacionados com Desenho e Pintura por exemplo, que foram retomados desde o Ensino
Básico. A sua repetição garante o melhor domínio das técnicas.

O item qualidade expressiva destina-se a valorizar aspectos dos traçados que, devido ao
meio riscador utilizado, não se encontram abrangidos por quaisquer disposições
normalizadoras: o enquadramento do desenho, a adequação das diferenciações
introduzidas nos tipos de traço utilizados, a regularidade do traço, o posicionamento e a
apresentação geral do objecto gráfico final.

Em resumo a avaliação dos resultados obtidos no processo de ensino-aprendizagem da


disciplina deverá realizar-se segundo os parâmetros que, seguidamente se apresentam:
 Criatividade;
 Domínio de técnicas;
 Utilização variada de materiais;
 Organização mental e do espaço;
 Valores e atitudes.
 Observância das regras de higiene e segurança no trabalho.

Além dos diferentes tipos de avaliação (oral, escrita) o professor poderá recorrer à
aplicação das várias estratégias, nomeadamente: auto-avaliação, avaliação que um aluno
faz ao trabalho do outro, avaliação que um aluno faz do resultado do trabalho de um grupo,
avaliação que um aluno faz do resultado do trabalho da turma.
A prática da hétero-avaliação será sempre enriquecedora para os alunos uma vez que, ela
própria, leva ao desenvolvimento do sentido crítico, auto-estima, respeito pelas diferenças,
ajuda mútua, entre outros aspectos formativos que concorrem para uma formação integral
do aluno.

Nestas avaliações poderá tomar-se em conta alguns aspectos como:


 a motivação para a escolha do tema;
 a organização do espaço de trabalho;
 as fontes e os tipos de materiais e ferramentas/instrumentos usados;
 o domínio técnico;
 as dificuldades encontradas no percurso da realização do trabalho bem como os
passos dados na elaboração do mes.

Página 22 de 16
Programa de Ensino da Disciplina de Educação Visual, 8ª classe

23