Você está na página 1de 462

3

7

 -&XVWLoD
ROtFLD

ULEXQDOGH LYLO3$
0LQDV
Ui *HUDLV
 Ì1',&(

LÍNGUA PORTUGUESA
Ortografia: emprego das letras; divisão silábica; acentuação gráfica; abreviaturas e siglas;
sinônimos, antônimos, homônimos e parônimos; notações léxicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01

Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

Substantivo: classificação, formação, flexão e emprego. Adjetivo: classificação, formação,


flexão e emprego; locução adjetiva; adjetivos que indicam nacionalidade (gentílicos).
Pronome: classificação, formação, flexão e emprego; colocação dos pronomes oblíquos.
Verbo: conjugação dos verbos regulares, irregulares e defectivos; verbos abundantes;
classificação, formação, flexão (modos, formas nominais, tempos, número, pessoa e voz);
locução verbal. Advérbio: classificação e emprego.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Análise sintática: termos da oração; estrutura do período (coordenação e subordinação);


orações.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

Sintaxe: concordância verbal e nominal; regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Ocorrência de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Interpretação de texto: informações literais e inferências possíveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

Ponto de vista do autor.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Significação contextual de palavra e expressões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

Estruturação do texto: relações entre ideias e recursos e coesão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

Redação oficial: utilização adequada, normas fundamentais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71


Ì1',&(  7ULEXQDOGH
 -XVWLoD0LQDV*HUDLV

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
Conceitos Básicos de Hardware e Software . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01

Sistema operacional Microsoft Windows 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Arquivos Digitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Broffice (Antigo Openoffice) ou Libreoffice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Libreoffice – Writer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

Libreoffice – Calc. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Libreoffice – Impress . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e


procedimentos associados à Internet e Intranet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Correio Eletrônico Webmail . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

Navegação Segura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Noções de Certificação Digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

Testes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

Gabarito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
3
7

 -&XVWLoD
ROtFLD

ULEXQDOGH LYLO3$
0LQDV
Ui *HUDLV
 Ì1',&(

12d¯(6
'(

',5(,72
/&RQVWLWXLomRGD5HS~EOLFD)HGHUDWLYDGR%UDVLOGH
&RQVWLWXLomRGD5HS~EOLFD)HGHUDWLYDGR%UDVLOGH
'RVSULQFtSLRVIXQGDPHQWDLV DUWVžDž                          
'RVGLUHLWRVHJDUDQWLDVIXQGDPHQWDLV DUWVžDR                  
'DRUJDQL]DomRGR(VWDGR DUWVHD                    
'DRUJDQL]DomRGRV3RGHUHV DUWVDDD        
'DIDPtOLDGDFULDQoDGRDGROHVFHQWHHGRLGRVR DUWVD       

/&RQVWLWXLomRGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLVGH
&RQVWLWXLomRGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLVGH
'RVVHUYLGRUHVS~EOLFRV DUWD                             
'DRUJDQL]DomRGRV3RGHUHV DUWVD                  

//HLGH2UJDQL]DomRH'LYLVmR-XGLFLiULDVGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLV
/HLGH2UJDQL]DomRH'LYLVmR-XGLFLiULDVGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLV
/HLGH2UJDQL]DomRH'LYLVmR-XGLFLiULDVGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLV
/HL&RPSOHPHQWDUHVWDGXDOQžGHGHMDQHLURGH
'DVFLUFXQVFULo}HV DUWVžDž                                 
'RVyUJmRVGHMXULVGLomR DUWž                                 
'R7ULEXQDOGH-XVWLoD DUWVDD                       
'D-XULVGLomRGH3ULPHLUR*UDX DUWVDD%              
'D0DJLVWUDWXUDGD-XVWLoD&RPXP DUW                       
'DGLVFULPLQDomRGRVyUJmRVDX[LOLDUHV DUWVD               
'RVyUJmRVDX[LOLDUHVGRV7ULEXQDLV DUWVD                 
'RVyUJmRVDX[LOLDUHVGRVMXt]RV DUWVD                     
'RVGLUHLWRVGRVHUYLGRU DUWVD                          
'DLQFRPSDWLELOLGDGHGRLPSHGLPHQWRHGDVXVSHLomR DUWVD     
'DVXEVWLWXLomR DUWVD                                
'RUHJLPHGLVFLSOLQDUGRVVHUYLGRUHVGR3RGHU-XGLFLiULR DUWVD   
'DVLQGLFkQFLDHGRSURFHVVRGLVFLSOLQDU DUWVD             
'LVSRVLo}HV*HUDLV DUW                                   
Ì1',&(  7ULEXQDOGH
 -XVWLoD0LQDV*HUDLV
/5HJLPHQWR,QWHUQRGR7-0*
5HJLPHQWR,QWHUQRGR7-0*
5HJLPHQWR,QWHUQRGR7-0*
5HVROXomRGR7ULEXQDO3OHQRQžGHGHMXOKRGH
3UHkPEXOR DUWVžHž                                       
'DFRQVWLWXLomRGDRUJDQL]DomR
HGRIXQFLRQDPHQWRGRVyUJmRV DUWVžDžDD           
'RVUHFXUVRVFtYHLV DUWVD                              
'RVUHFXUVRVFULPLQDLV DUWVD                           

//HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLV
/HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLV/HLQžGHGHVHWHPEURGH
/HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLV
'LVSRVLo}HVJHUDLV DUWVžHž                                  
'RV-XL]DGRV(VSHFLDLV&tYHLV DUWVžD                        
'RV-XL]DGRV(VSHFLDLV&ULPLQDLV DUWVD                     

//HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLVGD)D]HQGD3~EOLFD
/HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLVGD)D]HQGD3~EOLFD
/HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLVGD)D]HQGD3~EOLFD
/HLQžGHGHGH]HPEURGH
$UWVžžHž                                               

/(VWDWXWRGRLGRVR
(VWDWXWRGRLGRVR/HLQžGHžGHRXWXEURGH
(VWDWXWRGRLGRVR
'LVSRVLo}HVSUHOLPLQDUHV DUWVžHž                            
'RDFHVVRj-XVWLoD DUWVD                                

//HLVREUHD,QIRUPDWL]DomRGRSURFHVVRMXGLFLDO
/HLVREUHD,QIRUPDWL]DomRGRSURFHVVRMXGLFLDO
/HLVREUHD,QIRUPDWL]DomRGRSURFHVVRMXGLFLDO
/HLQžGHGHGH]HPEURGH                            

/6LVWHPD3URFHVVR-XGLFLDO(OHWU{QLFR3MH
6LVWHPD3URFHVVR-XGLFLDO(OHWU{QLFR3MH
6LVWHPD3URFHVVR-XGLFLDO(OHWU{QLFR3MH
5HVROXomRGR&1-QžGHGHGH]HPEURGH                   


3
7(67(6FRP  

(VWD$SRVWLODIRLHODERUDGDULJRURVDPHQWH
(VWD$SRVWLODIRLHODERUDGDULJRURVDPHQWHGHDFRUGRFRPR3URJUDPD2ILFLDOGR&RQFXUVR
ULJRURVDPHQWHGHDFRUGRFRPR3URJUDPD2ILFLDOGR&RQFXUVR
'DWDGD(GLomR
2VVtPERORVHPEOHPDVGLVWLQWLYRVHGHQRPLQDo}HVXWLOL]DGRVVmRPHUDPHQWHLOXVWUDWLYRVQmRVLJQLILFDQGR
DSRLRFRODERUDomRDXWRUL]DomRRXDERQRGDUHVSHFWLYD(QWLGDGH 
HVyIRUDPHPSUHJDGRVSDUDEHPLGHQWLILFDUR&RQFXUVRDTXHVHUHIHUHHVWD$SRVWLOD
3
7

 -&XVWLoD
ROtFLD

ULEXQDOGH LYLO3$
0LQDV
Ui *HUDLV
 Ì1',&(

$726'(2)Ì&,2
3$5$2&$5*2'(2),&,$/'($32,2-8',&,$/

/3URFHVVRV
3URFHVVRV
FRQFHLWRHVSpFLHVWLSRVGHSURFHGLPHQWR                                  
GLVWULEXLomR                                                         
DXWXDomR                                                           
UHJLVWUR                                                             
SURWRFRORSHWLomRLQLFLDO                                              
QXPHUDomRHUXEULFDGDVIROKDVQRVDXWRVJXDUGDFRQVHUYDomR                
UHVWDXUDomRGRVDXWRV                                                 
H[DPHHPFDUWyULR                                                   
PDQLIHVWDomRHYLVWD                                                  
UHWLUDGDGRVDXWRVSHORDGYRJDGR                                        
FDUJDEDL[D                                                        
FRQFOXVmR                                                          
UHFHELPHQWR                                                        
UHPHVVD                                                           
DVVHQWDGD                                                          
MXQWDGD                                                            
SXEOLFDomR                                                         
ODYUDWXUDGHDXWRV                                                   
ODYUDWXUDGHFHUWLG}HVHPJHUDO                                         
WUDVODGR                                                           
FRQWHVWDomR                                                        
/7HUPRVSURFHVVXDLVFtYHLVHFULPLQDLVHDXWRV
7HUPRVSURFHVVXDLVFtYHLVHFULPLQDLVHDXWRV
FRQFHLWRVFRQWH~GRIRUPDHWLSRV                                       
/$WRVGRMXL]
$WRVGRMXL]VHQWHQoDGHFLVmRLQWHUORFXWyULDHGHVSDFKRDFyUGmR
$WRVGRMXL]                 
/$WRVSURFHVVXDLV
$WRVSURFHVVXDLV
IRUPD                                                             
QXOLGDGH                                                           
FODVVLILFDomRHSXEOLFLGDGHSURFHVVRVTXHFRUUHPHPVHJUHGRGHMXVWLoD          
/&LWDomRHLQWLPDomR
&LWDomRHLQWLPDomR
FRQFHLWRUHTXLVLWRV                                                   
PRGDOLGDGHVGHFLWDomR                                               
Ì1',&(  7ULEXQDOGH
 -XVWLoD0LQDV*HUDLV
ÚYLDSRVWDO                                                         
ÚPDQGDGR                                                         
ÚSRUHGLWDO                                                         
FDUWDVSUHFDWyULDURJDWyULDHGHRUGHP                                   
,QWLPDomR                                                          
ÚQDFDSLWDOHQDVFRPDUFDVGRLQWHULRULQWLPDomRGR0LQLVWpULR3~EOLFR          
ÚFRQWDJHPGRSUD]RGHLQWLPDomR                                       
/3UD]RV
3UD]RV
FRQFHLWRFXUVRGRVSUD]RVSUD]RVGDVSDUWHVGRMXL]HGRVHUYLGRU              
SURFHVVRVTXHFRUUHPHPUHFHVVRV                                       
/$SHQVDPHQWRGHDXWRV
$SHQVDPHQWRGHDXWRV
SURFHGLPHQWR                                                       
UHTXLVLWRVGDH[HFXomRSURYLVyULD                                        
/$XWRVVXSOHPHQWDUHV
$XWRVVXSOHPHQWDUHVVREUHREULJDWRULHGDGHSHoDVHJXDUGD
$XWRVVXSOHPHQWDUHV                     
/&XVWDVHHPROXPHQWRV
&XVWDVHHPROXPHQWRV                                                  
/'LVWULEXLomRGHIHLWRV
'LVWULEXLomRGHIHLWRV
FULWpULRVSDUDGLVWULEXLomRHHVFDODGHYDORUHV                              
Do}HVTXHQmRGHSHQGHPGHGLVWULEXLomR                                 
/&RQGLomRDVHUREVHUYDGDSDUDDGLVWULEXLomRGHSHWLomRLQLFLDO
&RQGLomRDVHUREVHUYDGDSDUDDGLVWULEXLomRGHSHWLomRLQLFLDOH[FHomR
&RQGLomRDVHUREVHUYDGDSDUDDGLVWULEXLomRGHSHWLomRLQLFLDO         
/'LVWULEXLomRGHIHLWRVSRUGHSHQGrQFLD
'LVWULEXLomRGHIHLWRVSRUGHSHQGrQFLDFRQFHLWRHFDVRVHPTXHRFRUUH
'LVWULEXLomRGHIHLWRVSRUGHSHQGrQFLD          
/3URFHGLPHQWRVQRV-XL]DGRV(VSHFLDLV&tYHLV
3URFHGLPHQWRVQRV-XL]DGRV(VSHFLDLV&tYHLV                               
'RVDWRVSURFHVVXDLV                                                 
'RSHGLGR'DVFLWDo}HVHLQWLPDo}HV                                    
'DUHYHOLD'DFRQFLOLDomRHGRMXt]RDUELWUDO                              
'DLQVWUXomRHMXOJDPHQWR'DUHVSRVWDGRUpX                             
'DVSURYDV                                                        
'DVHQWHQoD                                                       
'RVHPEDUJRVGHGHFODUDomR                                          
'DH[WLQomRGRSURFHVVRVHPMXOJDPHQWRGRPpULWR                         
'RFXPSULPHQWRGHVHQWHQoD                                          
'DVGHVSHVDVHKRQRUiULRV                                            
/3URFHGLPHQWRVQRV-XL]DGRV(VSHFLDLV&ULPLQDLV
3URFHGLPHQWRVQRV-XL]DGRV(VSHFLDLV&ULPLQDLV                            
'DFRPSHWrQFLDHGRVDWRVSURFHVVXDLV                                   
'DIDVHSUHOLPLQDU                                                  
'RSURFHGLPHQWRVXPDUtVVLPR                                         
'DH[HFXomR'DVGHVSHVDVSURFHVVXDLV                                  

/HJLVODomR
&yGLJRGH3URFHVVR3HQDO'HFUHWROHLQžGHGHRXWXEURGH
&yGLJRGH3URFHVVR&LYLO/HLQžGHGHMDQHLURGH
/HLGRV-XL]DGRV(VSHFLDLV/HLQžGHGHVHWHPEURGH DUWVDHD 
/HLGHFXVWDVGHYLGDVDR(VWDGRQRkPELWRGD-XVWLoD(VWDGXDOGHSULPHLURHVHJXQGRJUDXV/HLHVWDGXDOQžGHGHGH]HPEURGH
&yGLJRGH1RUPDVGD&RUUHJHGRULD*HUDOGH-XVWLoDGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLV3URYLPHQWRQžGHžGHVHWHPEURGHFRPDVDOWHUDo}HV
SRVWHULRUHV
5HJLPHQWRGH&XVWDV3URYLPHQWR&RQMXQWRGR7-0*QžGHGHDEULOGH



37(67(6
7(67(6FRP          

(VWD$SRVWLODIRLHODERUDGDULJRURVDPHQWH
(VWD$SRVWLODIRLHODERUDGDULJRURVDPHQWHGHDFRUGRFRPR3URJUDPD2ILFLDOGR&RQFXUVR
ULJRURVDPHQWHGHDFRUGRFRPR3URJUDPD2ILFLDOGR&RQFXUVR
'DWDGD(GLomR
2VVtPERORVHPEOHPDVGLVWLQWLYRVHGHQRPLQDo}HVXWLOL]DGRVVmRPHUDPHQWHLOXVWUDWLYRVQmRVLJQLILFDQGR
DSRLRFRODERUDomRDXWRUL]DomRRXDERQRGDUHVSHFWLYD(QWLGDGH 
HVyIRUDPHPSUHJDGRVSDUDEHPLGHQWLILFDUR&RQFXUVRDTXHVHUHIHUHHVWD$SRVWLOD
PORTUGUÊS
Escrevem-se com a letra E
- A sílaba final de formas dos verbos terminados em
–uar: continue, habitue, pontue, etc.
- A sílaba final de formas dos verbos terminados em
–oar: abençoe, magoe, perdoe, etc.
- As palavras formadas com o prefixo ante– (antes,
anterior): antebraço, antecipar, antedatar, antediluviano,
antevéspera, etc.
- Os seguintes vocábulos: Arrepiar, Cadeado, Candeeiro,
Cemitério, Confete, Creolina, Cumeeira, Desperdício,
Destilar, Disenteria, Empecilho, Encarnar, Indígena,
1) Ortografia: emprego das letras; Irrequieto, Lacrimogêneo, Mexerico, Mimeógrafo,
divisão silábica; acentuação gráfica; Orquídea, Peru, Quase, Quepe, Senão, Sequer, Seriema,
abreviaturas e siglas; sinônimos, Seringa, Umedecer.
antônimos, homônimos e parônimos;
notações léxicas. Emprega-se a letra I
- Na sílaba final de formas dos verbos terminados em –
air/–oer /–uir: cai, corrói, diminuir, influi, possui, retribui,
Ortografia sai, etc.
- Em palavras formadas com o prefixo anti- (contra):
A palavra ortografia é formada pelos elementos antiaéreo, Anticristo, antitetânico, antiestético, etc.
gregos orto “correto” e grafia “escrita” sendo a escrita - Nos seguintes vocábulos: aborígine, açoriano, artifício,
correta das palavras da língua portuguesa, obedecendo artimanha, camoniano, Casimiro, chefiar, cimento, crânio,
a uma combinação de critérios etimológicos (ligados à criar, criador, criação, crioulo, digladiar, displicente,
origem das palavras) e fonológicos (ligados aos fonemas erisipela, escárnio, feminino, Filipe, frontispício, Ifigênia,
representados). inclinar, incinerar, inigualável, invólucro, lajiano, lampião,
Somente a intimidade com a palavra escrita, é que pátio, penicilina, pontiagudo, privilégio, requisito, Sicília
acaba trazendo a memorização da grafia correta. Deve-se (ilha), silvícola, siri, terebintina, Tibiriçá, Virgílio.
também criar o hábito de consultar constantemente um
dicionário. Grafam-se com a letra O
abolir, banto, boate, bolacha, boletim, botequim,
Emprego da letra H bússola, chover, cobiça, concorrência, costume, engolir,
Esta letra, em início ou fim de palavras, não tem valor goela, mágoa, mocambo, moela, moleque, mosquito,
fonético; conservou-se apenas como símbolo, por força da névoa, nódoa, óbolo, ocorrência, rebotalho, Romênia,
etimologia e da tradição escrita. Grafa-se, por exemplo, tribo.
hoje, porque esta palavra vem do latim hodie.
Emprega-se o H: Grafam-se com a letra U
- Inicial, quando etimológico: hábito, hélice, herói, bulir, burburinho, camundongo, chuviscar, cumbuca,
hérnia, hesitar, haurir, etc. cúpula, curtume, cutucar, entupir, íngua, jabuti,
- Medial, como integrante dos dígrafos ch, lh e nh: jabuticaba, lóbulo, Manuel, mutuca, rebuliço, tábua,
chave, boliche, telha, flecha companhia, etc. tabuada, tonitruante, trégua, urtiga.
- Final e inicial, em certas interjeições: ah!, ih!, hem?,
hum!, etc. Parônimos: Registramos alguns parônimos que se
- Algumas palavras iniciadas com a letra H: hálito, diferenciam pela oposição das vogais /e/ e /i/, /o/ e /u/.
harmonia, hangar, hábil, hemorragia, hemisfério, Fixemos a grafia e o significado dos seguintes:
heliporto, hematoma, hífen, hilaridade, hipocondria,
hipótese, hipocrisia, homenagear, hera, húmus; área = superfície
- Sem h, porém, os derivados baiano, baianinha, baião, ária = melodia, cantiga
baianada, etc. arrear = pôr arreios, enfeitar
arriar = abaixar, pôr no chão, cair
Não se usa H: comprido = longo
- No início de alguns vocábulos em que o h, embora cumprido = particípio de cumprir
etimológico, foi eliminado por se tratar de palavras que comprimento = extensão
entraram na língua por via popular, como é o caso de erva, cumprimento = saudação, ato de cumprir
inverno, e Espanha, respectivamente do latim, herba, costear = navegar ou passar junto à costa
hibernus e Hispania. Os derivados eruditos, entretanto, custear = pagar as custas, financiar
grafam-se com h: herbívoro, herbicida, hispânico, deferir = conceder, atender
hibernal, hibernar, etc. diferir = ser diferente, divergir
delatar = denunciar
Emprego das letras E, I, O e U dilatar = distender, aumentar
Na língua falada, a distinção entre as vogais átonas /e/ descrição = ato de descrever
e /i/, /o/ e /u/ nem sempre é nítida. É principalmente discrição = qualidade de quem é discreto
desse fato que nascem as dúvidas quando se escrevem emergir = vir à tona
palavras como quase, intitular, mágoa, bulir, etc., em que imergir = mergulhar
ocorrem aquelas vogais. emigrar = sair do país
imigrar = entrar num país estranho

1
PORTUGUÊS
emigrante = que ou quem emigra Representação do fonema /S/
imigrante = que ou quem imigra O fonema /s/, conforme o caso, representa-se por:
eminente = elevado, ilustre
iminente = que ameaça acontecer - C, Ç: acetinado, açafrão, almaço, anoitecer, censura,
recrear = divertir cimento, dança, dançar, contorção, exceção, endereço,
recriar = criar novamente Iguaçu, maçarico, maçaroca, maço, maciço, miçanga,
soar = emitir som, ecoar, repercutir muçulmano, muçurana, paçoca, pança, pinça, Suíça,
suar = expelir suor pelos poros, transpirar suíço, vicissitude.
sortir = abastecer - S: ânsia, ansiar, ansioso, ansiedade, cansar, cansado,
surtir = produzir (efeito ou resultado) descansar, descanso, diversão, excursão, farsa, ganso,
sortido = abastecido, bem provido, variado hortênsia, pretensão, pretensioso, propensão, remorso,
surtido = produzido, causado sebo, tenso, utensílio.
vadear = atravessar (rio) por onde dá pé, passar a - SS: acesso, acessório, acessível, assar, asseio,
vau assinar, carrossel, cassino, concessão, discussão, escassez,
vadiar = viver na vadiagem, vagabundear, levar vida escasso, essencial, expressão, fracasso, impressão, massa,
de vadio massagista, missão, necessário, obsessão, opressão,
pêssego, procissão, profissão, profissional, ressurreição,
Emprego das letras G e J sessenta, sossegar, sossego, submissão, sucessivo.
Para representar o fonema /j/ existem duas letras; g e - SC, SÇ: acréscimo, adolescente, ascensão, consciência,
j. Grafa-se este ou aquele signo não de modo arbitrário, consciente, crescer, cresço, descer, desço, desça, disciplina,
mas de acordo com a origem da palavra. Exemplos: gesso discípulo, discernir, fascinar, florescer, imprescindível,
(do grego gypsos), jeito (do latim jactu) e jipe (do inglês néscio, oscilar, piscina, ressuscitar, seiscentos, suscetível,
jeep). suscetibilidade, suscitar, víscera.
- X: aproximar, auxiliar, auxílio, máximo, próximo,
Escrevem-se com G proximidade, trouxe, trouxer, trouxeram, etc.
- Os substantivos terminados em –agem, -igem, -ugem: - XC: exceção, excedente, exceder, excelência,
garagem, massagem, viagem, origem, vertigem, ferrugem, excelente, excelso, excêntrico, excepcional, excesso,
lanugem. Exceção: pajem excessivo, exceto, excitar, etc.
- As palavras terminadas em –ágio, -égio, -ígio, -ógio,
-úgio: contágio, estágio, egrégio, prodígio, relógio, Homônimos
refúgio.
- Palavras derivadas de outras que se grafam com g: acento = inflexão da voz, sinal gráfico
massagista (de massagem), vertiginoso (de vertigem), assento = lugar para sentar-se
ferruginoso (de ferrugem), engessar (de gesso), faringite acético = referente ao ácido acético (vinagre)
(de faringe), selvageria (de selvagem), etc. ascético = referente ao ascetismo, místico
- Os seguintes vocábulos: algema, angico, apogeu, cesta = utensílio de vime ou outro material
auge, estrangeiro, gengiva, gesto, gibi, gilete, ginete, sexta = ordinal referente a seis
gíria, giz, hegemonia, herege, megera, monge, rabugento, círio = grande vela de cera
sugestão, tangerina, tigela. sírio = natural da Síria
cismo = pensão
Escrevem-se com J sismo = terremoto
- Palavras derivadas de outras terminadas em –já: empoçar = formar poça
laranja (laranjeira), loja (lojista, lojeca), granja (granjeiro, empossar = dar posse a
granjense), gorja (gorjeta, gorjeio), lisonja (lisonjear, incipiente = principiante
lisonjeiro), sarja (sarjeta), cereja (cerejeira). insipiente = ignorante
- Todas as formas da conjugação dos verbos terminados intercessão = ato de interceder
em –jar ou –jear: arranjar (arranje), despejar (despejei), interseção = ponto em que duas linhas se cruzam
gorjear (gorjeia), viajar (viajei, viajem) – (viagem é ruço = pardacento
substantivo). russo = natural da Rússia
- Vocábulos cognatos ou derivados de outros que têm
j: laje (lajedo), nojo (nojento), jeito (jeitoso, enjeitar, Emprego de S com valor de Z
projeção, rejeitar, sujeito, trajeto, trejeito). - Adjetivos com os sufixos –oso, -osa: gostoso, gostosa,
- Palavras de origem ameríndia (principalmente tupi- gracioso, graciosa, teimoso, teimosa, etc.
guarani) ou africana: canjerê, canjica, jenipapo, jequitibá, - Adjetivos pátrios com os sufixos –ês, -esa: português,
jerimum, jiboia, jiló, jirau, pajé, etc. portuguesa, inglês, inglesa, milanês, milanesa, etc.
- As seguintes palavras: alfanje, alforje, berinjela, - Substantivos e adjetivos terminados em –ês,
cafajeste, cerejeira, intrujice, jeca, jegue, Jeremias, feminino –esa: burguês, burguesa, burgueses, camponês,
Jericó, Jerônimo, jérsei, jiu-jítsu, majestade, majestoso, camponesa, camponeses, freguês, freguesa, fregueses, etc.
manjedoura, manjericão, ojeriza, pegajento, rijeza, - Verbos derivados de palavras cujo radical termina em
sabujice, sujeira, traje, ultraje, varejista. –s: analisar (de análise), apresar (de presa), atrasar (de
- Atenção: Moji, palavra de origem indígena, deve ser atrás), extasiar (de êxtase), extravasar (de vaso), alisar
escrita com J. Por tradição algumas cidades de São Paulo (de liso), etc.
adotam a grafia com G, como as cidades de Mogi das - Formas dos verbos pôr e querer e de seus derivados:
Cruzes e Mogi-Mirim. pus, pusemos, compôs, impuser, quis, quiseram, etc.
- Os seguintes nomes próprios de pessoas: Avis,
Baltasar, Brás, Eliseu, Garcês, Heloísa, Inês, Isabel, Isaura,

2
PORTUGUÊS
Luís, Luísa, Queirós, Resende, Sousa, Teresa, Teresinha, Verbos terminados em –ISAR e –IZAR
Tomás, Valdês. Escreve-se –isar (com s) quando o radical dos nomes
- Os seguintes vocábulos e seus cognatos: aliás, anis, correspondentes termina em –s. Se o radical não terminar
arnês, ás, ases, através, avisar, besouro, colisão, convés, em –s, grafa-se –izar (com z): avisar (aviso + ar), analisar
cortês, cortesia, defesa, despesa, empresa, esplêndido, (análise + ar), alisar (a + liso + ar), bisar (bis + ar),
espontâneo, evasiva, fase, frase, freguesia, fusível, gás, catalisar (catálise + ar), improvisar (improviso + ar),
Goiás, groselha, heresia, hesitar, manganês, mês, mesada, paralisar (paralisia + ar), pesquisar (pesquisa + ar),
obséquio, obus, paisagem, país, paraíso, pêsames, pisar, repisar (piso + ar), frisar (friso + ar), grisar (gris
pesquisa, presa, presépio, presídio, querosene, raposa, + ar), anarquizar (anarquia + izar), civilizar (civil +
represa, requisito, rês, reses, retrós, revés, surpresa, izar), canalizar (canal + izar), amenizar (ameno + izar),
tesoura, tesouro, três, usina, vasilha, vaselina, vigésimo, colonizar (colono + izar), vulgarizar (vulgar + izar),
visita. motorizar (motor + izar), escravizar (escravo + izar),
cicatrizar (cicatriz + izar), deslizar (deslize + izar),
Emprego da letra Z matizar (matiz + izar).
- Os derivados em –zal, -zeiro, -zinho, -zinha, -zito,
-zita: cafezal, cafezeiro, cafezinho, avezinha, cãozito, Emprego do X
avezita, etc. - Esta letra representa os seguintes fonemas:
- Os derivados de palavras cujo radical termina em –z:
cruzeiro (de cruz), enraizar (de raiz), esvaziar (de vazio), Ch – xarope, enxofre, vexame, etc.
etc. CS – sexo, látex, léxico, tóxico, etc.
- Os verbos formados com o sufixo –izar e palavras Z – exame, exílio, êxodo, etc.
cognatas: fertilizar, fertilizante, civilizar, civilização, etc. SS – auxílio, máximo, próximo, etc.
- Substantivos abstratos em –eza, derivados de S – sexto, texto, expectativa, extensão, etc.
adjetivos e denotando qualidade física ou moral: pobreza
(de pobre), limpeza (de limpo), frieza (de frio), etc. - Não soa nos grupos internos –xce- e –xci-: exceção,
- As seguintes palavras: azar, azeite, azáfama, azedo, exceder, excelente, excelso, excêntrico, excessivo, excitar,
amizade, aprazível, baliza, buzinar, bazar, chafariz, inexcedível, etc.
cicatriz, ojeriza, prezar, prezado, proeza, vazar, vizinho, - Grafam-se com x e não com s: expectativa, experiente,
xadrez. expiar, expirar, expoente, êxtase, extasiado, extrair, fênix,
texto, etc.
Sufixo –ÊS e –EZ - Escreve-se x e não ch:
- O sufixo –ês (latim –ense) forma adjetivos (às Em geral, depois de ditongo: caixa, baixo, faixa, feixe,
vezes substantivos) derivados de substantivos concretos: frouxo, ameixa, rouxinol, seixo, etc. Excetuam-se caucho e
montês (de monte), cortês (de corte), burguês (de burgo), os derivados cauchal, recauchutar e recauchutagem.
montanhês (de montanha), francês (de França), chinês Geralmente, depois da sílaba inicial en-: enxada,
(de China), etc. enxame, enxamear, enxaguar, enxaqueca, enxergar,
- O sufixo –ez forma substantivos abstratos femininos enxerto, enxoval, enxugar, enxurrada, enxuto, etc.
derivados de adjetivos: aridez (de árido), acidez (de Excepcionalmente, grafam-se com ch: encharcar (de
ácido), rapidez (de rápido), estupidez (de estúpido), charco), encher e seus derivados (enchente, preencher),
mudez (de mudo) avidez (de ávido) palidez (de pálido) enchova, enchumaçar (de chumaço), enfim, toda vez que
lucidez (de lúcido), etc. se trata do prefixo en- + palavra iniciada por ch.
Em vocábulos de origem indígena ou africana: abacaxi,
Sufixo –ESA e –EZA xavante, caxambu, caxinguelê, orixá, maxixe, etc.
Usa-se –esa (com s): Nas seguintes palavras: bexiga, bruxa, coaxar, faxina,
- Nos seguintes substantivos cognatos de verbos graxa, lagartixa, lixa, lixo, mexer, mexerico, puxar, rixa,
terminados em –ender: defesa (defender), presa oxalá, praxe, vexame, xarope, xaxim, xícara, xale, xingar,
(prender), despesa (despender), represa (prender), xampu.
empresa (empreender), surpresa (surpreender), etc.
- Nos substantivos femininos designativos de títulos Emprego do dígrafo CH
nobiliárquicos: baronesa, dogesa, duquesa, marquesa, Escreve-se com ch, entre outros os seguintes vocábulos:
princesa, consulesa, prioresa, etc. bucha, charque, charrua, chavena, chimarrão, chuchu,
- Nas formas femininas dos adjetivos terminados cochilo, fachada, ficha, flecha, mecha, mochila, pechincha,
em –ês: burguesa (de burguês), francesa (de francês), tocha.
camponesa (de camponês), milanesa (de milanês),
holandesa (de holandês), etc. Homônimos
- Nas seguintes palavras femininas: framboesa, Bucho = estômago
indefesa, lesa, mesa, sobremesa, obesa, Teresa, tesa, Buxo = espécie de arbusto
toesa, turquesa, etc. Cocha = recipiente de madeira
Coxa = capenga, manco
Usa-se –eza (com z): Tacha = mancha, defeito; pequeno prego; prego de
- Nos substantivos femininos abstratos derivados de cabeça larga e chata, caldeira.
adjetivos e denotando qualidades, estado, condição: Taxa = imposto, preço de serviço público, conta, tarifa
beleza (de belo), franqueza (de franco), pobreza (de Chá = planta da família das teáceas; infusão de folhas
pobre), leveza (de leve), etc. do chá ou de outras plantas
Xá = título do soberano da Pérsia (atual Irã)
Cheque = ordem de pagamento

3
PORTUGUÊS
Xeque = no jogo de xadrez, lance em que o rei é um erro de ortografia.
atacado por uma peça adversária II. A diferença de grafia se dá devido “gilete”, do título,
ser um nome comum e “Gillette”, do primeiro parágrafo,
Consoantes dobradas um nome próprio.
- Nas palavras portuguesas só se duplicam as consoantes III. Há diferença entre as formas por “Gillette” ser
C, R, S. parte do nome de um problema recorrente em economia
- Escreve-se com CC ou CÇ quando as duas consoantes chamado síndrome do “Gillette”.
soam distintamente: convicção, occipital, cocção, fricção, IV. Há diferença entre as formas por “gilete” ser a
friccionar, facção, sucção, etc. designação de qualquer lâmina descartável de barbear
- Duplicam-se o R e o S em dois casos: Quando, e “Gillette”, uma lâmina descartável de uma marca
intervocálicos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ específica.
sibilante, respectivamente: carro, ferro, pêssego, missão,
etc. Quando a um elemento de composição terminado em Estão corretas apenas as afirmativas
vogal seguir, sem interposição do hífen, palavra começada (A) I e III.
com /r/ ou /s/: arroxeado, correlação, pressupor, (B) II e III.
bissemanal, girassol, minissaia, etc. (C) II e IV.
(D) III e IV.
Questões
03. (IFC - Auxiliar administrativo - IFC).
01. (TJ/SP - Assistente Social - VUNESP). Assinale a opção em que todas as palavras são vocábulos
Assinale a alternativa em que todas as palavras estão de sentidos iguais ou aproximados:
grafadas segundo a ortografia oficial. (A) Escopo; Intento; Mira; Tronco.
(A) Diante da paralização das atividades dos agentes (B) Adiado; Adiantado; Delongado; Moroso.
dos correios, pede-se a compreenção de todos, pois ouve (C) Dúctil; Madeira; Lenha; Brando.
exceções na distribuição dos processos. (D) Branco; Níveo; Cândido; Alvo.
(B) O revesamento dos funcionarios entre o Natal e o (E) Tangerina; Bergamota; Jambo; Mexerica.
Ano Novo será feito mediante sorteio, para que não ocorra
descriminação. 04. (TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário -
(C) Durante o período de recessão, os chefes serão Prova versão 1 - VUNESP)
encumbidos de controlar a imissão de faxes e copias xerox. Que mexer o esqueleto é bom para a saúde já virou até
(D) A concessão de férias obedece a critérios legais, sabedoria popular. Agora, estudo levanta hipóteses sobre
o mesmo ocorrendo com os casos de rescisão contratual. ........................ praticar atividade física..........................
(E) É certo que os cuidados com o educando devem benefícios para a totalidade do corpo. Os resultados
dobrar durante a adolecencia, para que o jovem haja podem levar a novas terapias para reabilitar músculos
sempre de acordo com a lei. contundidos ou mesmo para .......................... e restaurar
a perda muscular que ocorre com o avanço da idade.
02. (CIAAR - Capelão Militar Católico - CIAAR)
(Ciência Hoje, março de 2012)
O “gilete” dos tablets
As lacunas do texto devem ser preenchidas, correta e
Num mundo capitalista como este em que vivemos, respectivamente, com:
onde as empresa concorrem para posicionar suas marcas (A) porque … trás … previnir
e fixar logotipos e slogans na cabeça dos consumidores, a (B) porque … traz … previnir
síndrome do “Gillete” pode ser decisiva para a perpetuação (C) porquê … tras … previnir
de um produto. É isso que preocupa a concorrência do (D) por que … traz … prevenir
iPad, tablet da Apple. (E) por quê … tráz … prevenir
Assim como a marca de Lâminas de barbear tornou-se
sinônimo de todas categoria de barbeadores, eclipsando
05. Assinale a opção que completa corretamente as
o nome das marcas que ofericiam produtos similares, o lacunas da frase abaixo: Não sei o _____ ela está com os
mesmo pode estar acontecendo com o tablet, lançado por
olhos vermelhos, talvez seja _____ chorou.
Steve Jobs. O maior temor do mercado é que as pessoas
passem a se referir aos tablets como “iPad” em geral, (A) porquê / porque;
dizendo “iPad da Samsung” ou “iPad da Motorola”, e assim (B) por que / porque;
por diante. (C) porque / por que;
[...] O mesmo se deu com os lenços Kleenex, os (D) porquê / por quê;
curativos Band-aid e as fotocopiadoras Xerox. Resta saber (E) por que / por quê.
se os consumidores se habituarão com outros nomes para
o produto tecnológico. 06. Identifique a alternativa em que a justificativa
sobre o explicitado esteja incorreta:
No texto I, a palavra “gilete” (com inicial minúscula e (A) Em” ...combate à pobreza e à fome...” o acento
apenas uma letra “L” na segunda sílaba) compõe o título, ao indicativo de crase foi posto pela mesma razão do
passo que no primeiro parágrafo tem-se a forma “Gillette” existente em “A adequação à vida é uma questão de saber
(com inicial maiúscula e duas letras “L” na segunda sílaba). ultrapassar obstáculos.”
Julgue as afirmativas a respeito dessa diferença. (B) “Não há como ser diferente.” O verbo “Haver”
possui idêntico sentido na oração: “Há muito tempo que
I. A diferença de grafia entre as duas formas é fruto de vivemos em uma fuga constante de nosso ego.”

4
PORTUGUÊS
(C) “...com a coordenação do Estado que assume...” com o substantivo “motivo” que é sinônimo de “porquê”.
pondo-se “coordenadores” em vez de “coordenação” e A segunda lacuna dá claramente a ideia de causa, logo
“quem “em lugar de “que”, ter-se-ão duas possibilidades deve ser utilizada a conjunção “porque”.
de concordância “quem assume” e “quem assumem”.
(D) “...organizava como podia...” trocando-se “como” 06. Resposta B
por “conforme” não há nenhuma alteração de sentido. Em “Não há como ser diferente.”, o verbo haver,
(E) Pode-se afirmar que o texto é dissertativo e quando sinônimo de existir, constrói-se de modo diverso
injuntivo, uma vez que nos incita a encetarmos um deste. Nesta acepção, haver não tem sujeito e é transitivo
trabalho em uma ação conjunta, objetivando aumentar o direto, sendo o seu objeto o nome da coisa existente ou,
índice de inclusão social. a substituí-lo, o pronome pessoal o (a, os, as). Existir, ao
contrário, é intransitivo e possui sujeito, expresso pelo
07. (Unimep – SP) “Se você não arrumar o fogão, nome da coisa existente. Agora, no caso “Há muito tempo
além de não poder cozinhar as batatas, há o perigo que vivemos em uma fuga constante de nosso ego.”, como
próximo de uma explosão.” impessoal o verbo “haver” é utilizado em expressões que
As palavras destacadas podem ser substituídas por: indicam tempo decorrido, assim como o verbo “fazer”.
(A) concertar – coser – iminente
(B) consertar – cozer – eminente 07. Resposta C
(C) consertar – cozer – iminente Consertar – reparo, ato ou efeito de consertar.
(D) concertar – coser – iminente Cozer – cozinhar.
(E) consertar – coser – eminente Iminente – que ameaça acontecer.

Respostas Sílaba

01. Resposta D A palavra felicidade está dividida em grupos de fonemas


a) Diante da paralização das atividades dos agentes pronunciados separadamente: fe – li – ci – da - de. A cada
dos correios, pede-se a compreenção de todos, pois ouve um desses grupos pronunciados numa só emissão de voz
exceções na distribuição dos processos. (paralisação - dá-se o nome de sílaba. Em português, o núcleo da sílaba
compreensão - houve) é sempre uma vogal, não existe sílaba sem vogal e nunca
b) O revesamento dos funcionarios entre o Natal e há mais do que uma vogal em cada sílaba.
o Ano Novo será feito mediante sorteio, para que não Dessa forma, para sabermos o número de sílabas de
ocorra descriminação. (revezamento - funcionários - uma palavra, devemos perceber quantas vogais tem essa
discriminação) palavra.
c) Durante o período de recessão, os chefes serão Atenção: as letras i e u (mais raramente com as letras
encumbidos de controlar a imissão de faxes e copias e e o) podem representar semivogais.
xerox. (incumbidos - emissão - cópias)
d) A concessão de férias obedece a critérios legais, Classificação das palavras quanto ao número
o mesmo ocorrendo com os casos de rescisão contratual. de sílabas
e) É certo que os cuidados com o educando devem
dobrar durante a adolecencia, para que o jovem haja Monossílabas: palavras que possuem apenas uma
sempre de acordo com a lei. (adolescência - aja) sílaba.
Exemplos: pé, pó, luz, mês.
02. Resposta C
A palavra “gilete” significa apenas uma lâmina de Dissílabas: palavras que possuem duas sílabas.
barbear, já a palavra “Gillette” está diretamente relacionada Exemplos: me/sa, lá/pis.
a uma marca de lâminas de barbear, escreve-se com letra
maiúscula porque trata-se de um nome próprio. Trissílabas: palavras que possuem três sílabas.
Exemplos: ci/da/de, a/tle/ta.
03. Resposta D
Nesta alternativa todas as palavras significam algo Polissílabas: palavras que possuem quatro ou mais
claro, branco. sílabas.
Exemplos: es/co/la/ri/da/de, ad/mi/ra/ção.
04. Resposta D
Por que - equivale a “por qual razão”; Divisão Silábica
- Não se separam:
Traz -na oração o “traz” está no sentido de trazer, Ditongos e Tritongos
portanto com Z sem acento pois acentua-se os monossílabos Exemplos: foi-ce, a-ve-ri-guou;
tônicos apenas se estes terminarem com A,E,O (s). Dígrafos ch, lh, nh, gu, qu.
Trás - com S apenas se a oração der por entender que Exemplos: cha-ve, ba-ra-lho, ba-nha, fre-guês, quei-
o “trás” está em sentido de posição posterior. xa;
Encontros consonantais que iniciam a sílaba.
05. Resposta B Exemplos: psi-có-lo-go, re-fres-co;
A partícula “o” é um pronome demonstrativo, - Separam-se:
equivalendo a aquilo, e funciona como antecedente do Vogais dos hiatos.
pronome relativo: “Não sei aquilo pelo qual ela está com Exemplos: ca-a-tin-ga, fi-el, sa-ú-de;
os olhos vermelhos”. A primeira impressão é a de que seria
um artigo, mas não faria sentido preenchermos a lacuna Letras dos dígrafos rr, ss, sc, sç xc.

5
PORTUGUÊS
Exemplos: car-ro, pas-sa-re-la, des-cer, nas-ço, ex- 02. Assinale o item em que a separação silábica é
ce-len-te; incorreta:
(A) psi-có-ti-co;
Encontros consonantais das sílabas internas, excetuando- (B) per-mis-si-vi-da-de;
se aqueles em que a segunda consoante é l ou r. (C) as-sem-ble-ia;
Exemplos: ap-to, bis-ne-to, con-vic-ção, a-brir, a-pli- (D) ob-ten-ção;
car. (E) fa-mí-lia.

Acento Tônico 03. Assinale o item em que todos os vocábulos têm as


Ao pronunciar uma palavra de duas ou mais sílabas, sílabas corretamente separadas:
percebe-se que há sempre uma sílaba de maior intensidade (A) al-dei-a, caa-tin-ga , tran-si-ção;
sonora em comparação com as demais. (B) pro-sse-gui-a, cus-tó-dia, trans-ver-sal;
calor - a sílaba lor é a de maior intensidade. (C) a-bsur-do, pra-ia, in-cons-ci-ên-cia;
faceiro - a sílaba cei é a de maior intensidade. (D) o-ccip-tal, gra-tui-to, ab-di-car;
sólido - a sílaba só é a de maior intensidade. (E) mis-té-rio, ap-ti-dão, sus-ce-tí-vel.

Classificação da sílaba quanto à intensidade 04. Assinale o item em que todas as sílabas estão
-Tônica: é a sílaba pronunciada com maior intensidade. corretamente separadas:
- Átona: é a sílaba pronunciada com menor intensidade. (A) a-p-ti-dão;
- Subtônica: é a sílaba de intensidade intermediária. (B) so-li-tá-ri-o;
Ocorre, principalmente, nas palavras derivadas, (C) col-me-ia;
correspondendo à tônica da palavra primitiva. (D) ar-mis-tí-cio;
(E) trans-a-tlân-ti-co.
Classificação das palavras quanto à posição
da sílaba tônica 05. Assinale o item em que a divisão silábica está
errada:
De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos (A) tran-sa-tlân-ti-co / de-sin-fe-tar;
da língua portuguesa que contêm duas ou mais sílabas são (B) subs-ta-be-le-cer / de-su-ma-no;
classificados em: (C) cis-an-di-no / sub-es-ti-mar;
(D) ab-di-ca-ção / a-bla-ti-vo;
Oxítonos: são aqueles cuja sílaba tônica é a última. (E) fri-is-si-mo / ma-ci-is-si-mo.
Exemplos: avó, urubu, parabéns.
06. Existe erro de divisão silábica no item:
Paroxítonos: são aqueles cuja sílaba tônica é a (A) mei-a / pa-ra-noi-a / ba-lai-o;
penúltima. Exemplos: dócil, suavemente, banana. (B) oc-ci-pi-tal / ex-ces-so / pneu-má-ti-co;
(C) subs-tân-cia / pers-pec-ti-va / felds-pa-to;
Proparoxítonos: são aqueles cuja sílaba tônica é a (D) su-bli-nhar / su-blin-gual / a-brup-to;
antepenúltima. Exemplos: máximo, parábola, íntimo. (E) tran-sa-tlân-ti-co / trans-cen-der / tran-so-ce-â-ni-
co.
Observações:
- São palavras oxítonas: cateter, mister, Nobel, novel, 07. A única alternativa correta quanto à divisão
ruim, sutil, transistor, ureter. silábica é:
- São palavras paroxítonas: avaro, aziago, boêmia, (A) ma-qui-na-ri-a / for-tui-to;
caracteres, cartomancia, celtibero, circuito, decano, (B) tun-gs-tê-nio / ri-tmo; ;
filantropo, fluido, fortuito, gratuito, Hungria, ibero, (C) an-do-rin-ha / sub-o-fi-ci-al;
impudico, inaudito, intuito, maquinaria, meteorito, (D) bo-ê-mi-a / ab-scis-sa;
misantropo, necropsia (alguns dicionários admitem (E) coe-são / si-len-cio-so.
também necrópsia), Normandia, pegada, policromo, pudico,
quiromancia, rubrica, subido (a). 08. Indique a alternativa em que as palavras “sussurro”,
- São palavras proparoxítonas: aerólito, bávaro, ”iguaizinhos” e “gnomo”, estão corretamente divididas em
bímano, crisântemo, ímprobo, ínterim, lêvedo, ômega, sílabas:
pântano, trânsfuga. (A) sus - su - rro, igu - ai - zi - nhos, g - no - mo;
- As seguintes palavras, entre outras, admitem dupla (B) su - ssu - rro, i - guai - zi - nhos, gno - mo;
tonicidade: acróbata/acrobata, hieróglifo/hieroglifo, (C) sus - su - rro, i - guai - zi - nhos, gno - mo;
Oceânia/Oceania, ortoépia/ortoepia, projétil/projetil, (D) su - ssur - ro, i - gu - ai - zi - nhos, gn - omo;
réptil/reptil, zângão/zangão. (E) sus - sur - ro, i - guai - zi - nhos, gno - mo.

Questões Respostas

01. Assinale o item em que a divisão silábica é 01. Resposta E


incorreta:
(A) gra-tui-to; 02. Resposta C
(B) ad-vo-ga-do;
(C) tran-si-tó-rio; 03. Resposta E
(D) psi-co-lo-gi-a;
(E) in-ter-stí-cio. 04. Resposta D

6
PORTUGUÊS
05. Resposta C planície, nódua, Márcio, régua, árdua, espontâneo, etc.
- i, is, us, um, uns: táxi, lápis, bônus, álbum, álbuns,
06. Resposta D jóquei, vôlei, fáceis, etc.
- l, n, r, x, ons, ps: fácil, hífen, dólar, látex, elétrons,
07. Resposta A fórceps, etc.
- ã, ãs, ão, ãos, guam, guem: ímã, ímãs, órgão,
08. Resposta E bênçãos, enxáguam, enxáguem, etc.
Não se acentua um paroxítono só porque sua vogal
Acentuação gráfica tônica é aberta ou fechada. Descabido seria o acento
gráfico, por exemplo, em cedo, este, espelho, aparelho,
Tonicidade cela, janela, socorro, pessoa, dores, flores, solo, esforços.
Num vocábulo de duas ou mais sílabas, há, em
geral, uma que se destaca por ser proferida com mais Acentuação dos Vocábulos Oxítonos
intensidade que as outras: é a sílaba tônica. Nela recai Acentuam-se com acento adequado os vocábulos
o acento tônico, também chamado acento de intensidade oxítonos terminados em:
ou prosódico. Exemplos: café, janela, médico, estômago, - a, e, o, seguidos ou não de s: xará, serás, pajé, freguês,
colecionador. vovô, avós, etc. Seguem esta regra os infinitivos seguidos
O acento tônico é um fato fonético e não deve ser de pronome: cortá-los, vendê-los, compô-lo, etc.
confundido com o acento gráfico (agudo ou circunflexo) - em, ens: ninguém, armazéns, ele contém, tu conténs,
que às vezes o assinala. A sílaba tônica nem sempre é ele convém, ele mantém, eles mantêm, ele intervém, eles
acentuada graficamente. Exemplo: cedo, flores, bote, intervêm, etc.
pessoa, senhor, caju, tatus, siri, abacaxis.
As sílabas que não são tônicas chamam-se átonas Acentuação dos Monossílabos
(=fracas), e podem ser pretônicas ou postônicas, conforme Acentuam-se os monossílabos tônicos: a, e, o, seguidos
apareçam antes ou depois da sílaba tônica. Exemplo: ou não de s: há, pá, pé, mês, nó, pôs, etc.
montanha, facilmente, heroizinho.
De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos Acentuação dos Ditongos
com mais de uma sílaba classificam-se em: Acentuam-se a vogal dos ditongos abertos éi, éu, ói,
quando tônicos.
Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, Segundo as novas regras os ditongos abertos “éi” e “ói”
rapaz, escritor, maracujá. não são mais acentuados em palavras paroxítonas:
Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: assembléia, platéia, idéia, colméia, boléia, Coréia, bóia,
mesa, lápis, montanha, imensidade. paranóia, jibóia, apóio, heróico, paranóico, etc. Ficando:
Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a Assembleia, plateia, ideia, colmeia, boleia, Coreia, boia,
antepenúltima: árvore, quilômetro, México. paranoia, jiboia, apoio, heroico, paranoico, etc.
Nos ditongos abertos de palavras oxítonas
Monossílabos são palavras de uma só sílaba, conforme terminadas em éi, éu e ói e monossílabas o acento
a intensidade com que se proferem, podem ser tônicos ou continua: herói, constrói, dói, anéis, papéis, troféu, céu,
átonos. chapéu.

Monossílabos tônicos são os que têm autonomia Acentuação dos Hiatos


fonética, sendo proferidos fortemente na frase em que A razão do acento gráfico é indicar hiato, impedir a
aparecem: é, má, si, dó, nó, eu, tu, nós, ré, pôr, etc. ditongação. Compare: caí e cai, doído e doido, fluído e
fluido.
Monossílabos átonos são os que não têm autonomia - Acentuam-se em regra, o /i/ e o /u/ tônicos em hiato
fonética, sendo proferidos fracamente, como se fossem com vogal ou ditongo anterior, formando sílabas sozinhas
sílabas átonas do vocábulo a que se apoiam. São palavras ou com s: saída (sa-í-da), saúde (sa-ú-de), faísca, caíra,
vazias de sentido como artigos, pronomes oblíquos, saíra, egoísta, heroína, caí, Xuí, Luís, uísque, balaústre,
elementos de ligação, preposições, conjunções: o, a, os, juízo, país, cafeína, baú, baús, Grajaú, saímos, eletroímã,
as, um, uns, me, te, se, lhe, nos, de, em, e, que. reúne, construía, proíbem, influí, destruí-lo, instruí-la, etc.
- Não se acentua o /i/ e o /u/ seguidos de nh: rainha,
Acentuação dos Vocábulos Proparoxítonos fuinha, moinho, lagoinha, etc; e quando formam sílaba
Todos os vocábulos proparoxítonos são acentuados na com letra que não seja s: cair (ca-ir), sairmos, saindo,
vogal tônica: juiz, ainda, diurno, Raul, ruim, cauim, amendoim, saiu,
- Com acento agudo se a vogal tônica for i, u ou a, contribuiu, instruiu, etc.
e, o abertos: xícara, úmido, queríamos, lágrima, término, De acordo com as novas regras da Língua Portuguesa
déssemos, lógico, binóculo, colocássemos, inúmeros, não se acentua mais o /i/ e /u/ tônicos formando hiato
polígono, etc. quando vierem depois de ditongo: baiúca, boiúna, feiúra,
- Com acento circunflexo se a vogal tônica for fechada ou feiúme, bocaiúva, etc. Ficaram: baiuca, boiuna, feiura,
nasal: lâmpada, pêssego, esplêndido, pêndulo, lêssemos, feiume, bocaiuva, etc.
estômago, sôfrego, fôssemos, quilômetro, sonâmbulo etc. Os hiatos “ôo” e “êe” não são mais acentuados: enjôo,
vôo, perdôo, abençôo, povôo, crêem, dêem, lêem, vêem,
Acentuação dos Vocábulos Paroxítonos relêem. Ficaram: enjoo, voo, perdoo, abençoo, povoo,
Acentuam-se com acento adequado os vocábulos creem, deem, leem, veem, releem.
paroxítonos terminados em:
- ditongo crescente, seguido, ou não, de s: sábio, róseo,

7
PORTUGUÊS
Acento Diferencial do seu e, por isso, podem lhe apresentar novas pessoas
Emprega-se o acento diferencial como sinal distintivo e ampliar seus horizontes – gerando uma renovação de
de vocábulos homógrafos, nos seguintes casos: ideias que faz bem a todos os relacionamentos, inclusive
- pôr (verbo) - para diferenciar de por (preposição). às amizades antigas. O problema é que a maioria
- verbo poder (pôde, quando usado no passado) das redes na Internet é simétrica: se você quiser ter
- é facultativo o uso do acento circunflexo para acesso às informações de uma pessoa ou mesmo falar
diferenciar as palavras forma/fôrma. Em alguns casos, o reservadamente com ela, é obrigado a pedir a amizade
uso do acento deixa a frase mais clara. Exemplo: Qual é a dela. Como é meio grosseiro dizer “não” ________ alguém
forma da fôrma do bolo? que você conhece, todo mundo acaba adicionando todo
mundo. E isso vai levando ________ banalização do
Segundo as novas regras da Língua Portuguesa não conceito de amizade. É verdade. Mas, com a chegada de
existe mais o acento diferencial em palavras homônimas sítios como o Twitter, ficou diferente. Esse tipo de sítio
(grafia igual, som e sentido diferentes) como: é uma rede social completamente assimétrica. E isso faz
- côa(s) (do verbo coar) - para diferenciar de coa, coas com que as redes de “seguidores” e “seguidos” de alguém
(com + a, com + as); possam se comunicar de maneira muito mais fluida. Ao
- pára (3ª pessoa do singular do presente do indicativo estudar a sua própria rede no Twitter, o sociólogo Nicholas
do verbo parar) - para diferenciar de para (preposição); Christakis, da Universidade de Harvard, percebeu que
- péla (do verbo pelar) e em péla (jogo) - para seus amigos tinham começado a se comunicar entre si
diferenciar de pela (combinação da antiga preposição per independentemente da mediação dele. Pessoas cujo único
com os artigos ou pronomes a, as); ponto em comum era o próprio Christakis acabaram
- pêlo (substantivo) e pélo (v. pelar) - para diferenciar ficando amigas. No Twitter, eu posso me interessar pelo
de pelo (combinação da antiga preposição per com os que você tem a dizer e começar a te seguir. Nós não nos
artigos o, os); conhecemos. Mas você saberá quando eu o retuitar ou
- péra (substantivo - pedra) - para diferenciar de pera mencionar seu nome no sítio, e poderá falar comigo. Meus
(forma arcaica de para - preposição) e pêra (substantivo); seguidores também podem se interessar pelos seus tuítes
- pólo (substantivo) - para diferenciar de polo e começar a seguir você. Em suma, nós continuaremos
(combinação popular regional de por com os artigos o, não nos conhecendo, mas as pessoas que estão ________
os); nossa volta podem virar amigas entre si.
- pôlo (substantivo - gavião ou falcão com menos de
um ano) - para diferenciar de polo (combinação popular Adaptado de: COSTA, C. C.. Disponível em:
regional de por com os artigos o, os); <http://super.abril.com.br/cotidiano/como-internet-
estamudando-amizade-619645.shtml>.
Emprego do Til Acesso em: 1º de outubro de 2012.
O til sobrepõe-se às letras “a” e “o” para indicar vogal
nasal. Pode figurar em sílaba: Considere as seguintes afirmações sobre acentuação
- tônica: maçã, cãibra, perdão, barões, põe, etc; gráfica.
- pretônica: ramãzeira, balõezinhos, grã-fino, I. A palavra têm recebe acento gráfico pela mesma
cristãmente, etc; regra que prescreve o uso do acento em alguém.
- átona: órfãs, órgãos, bênçãos, etc. II. A palavra você é acentuada pela mesma regra que
determina o uso do acento em saberá.
Trema (o trema não é acento gráfico) III. A palavra tuítes, distintamente da palavra fluida,
Desapareceu o trema sobre o /u/ em todas as palavras recebe acento gráfico porque apresenta duas vogais
do português: Linguiça, averiguei, delinquente, tranquilo, contíguas que pertencem a sílabas diferentes.
linguístico. Exceto em palavras de línguas estrangeiras:
Günter, Gisele Bündchen, müleriano. Quais estão corretas
(A) Apenas I.
Questões (B) Apenas II.
(C) Apenas III.
01. (MPE/RS - Técnico Superior de Informática) (D) Apenas II e III.
Um estudo feito pela Universidade de Michigan (E) I, II e III.
constatou que o que mais se faz no Facebook, depois de
interagir com amigos, é olhar os perfis de pessoas que 02. (TJ/AC - Analista Judiciário -
acabamos de conhecer. Se você gostar do perfil, adicionará Conhecimentos Básicos - Cargos 1 e 2 - CESPE)
aquela pessoa, e estará formado um vínculo. No final, A água, ingrediente essencial à vida, certamente é
todo mundo vira amigo de todo mundo. Mas, não é bem o recurso mais precioso de que a humanidade dispõe.
assim. As redes sociais têm o poder de transformar os Embora se observe pelo mundo tanta negligência e falta
chamados elos latentes (pessoas que frequentam o mesmo de visão com relação a esse bem vital, é de se esperar
ambiente social, mas não são suas amigas) em elos fracos que os seres humanos procurem preservar e manter os
– uma forma superficial de amizade. Pois é, por mais que reservatórios naturais desse líquido precioso. De fato, o
existam exceções _______qualquer regra, todos os estudos futuro da espécie humana e de muitas outras espécies
mostram que amizades geradas com a ajuda da Internet pode ficar comprometido, a menos que haja uma melhora
são mais fracas, sim, do que aquelas que nascem e se significativa no gerenciamento dos recursos hídricos.
desenvolvem fora dela. Isso não é inteiramente ruim. Os Entre esses fatores que mais têm afetado esse recurso
seus amigos do peito geralmente são parecidos com você: estão o crescimento populacional e a grande expansão
pertencem ao mesmo mundo e gostam das mesmas coisas. dos setores produtivos, como a agricultura e a indústria.
Os elos fracos, não. Eles transitam por grupos diferentes Essa situação, responsável pelo consumo e também pela

8
PORTUGUÊS
poluição da água em escala exponencial, tem conduzido positiva de 0,23%. Entretanto, a demanda do transporte
à necessidade de reformulação do seu gerenciamento. No aéreo internacional de passageiros das empresas aéreas
ambiente agrícola, as perspectivas de mudança decorrem brasileiras apresentou redução de 2,43% em setembro de
das alterações do clima, que afetarão sensivelmente não só 2012 em relação ao mesmo mês de 2011.
a disponibilidade de água, mas também a sobrevivência de http://www.anac.gov.br/Noticia.aspx?ttCD_
diversas espécies de animais e vegetais. O atual estado de CHAVE=765
conhecimento técnico-científico nesse âmbito já permite
a adoção e implementação de ténicas direcionadas para Com relação às ideias e a aspectos linguísticos do texto
o equilíbrio ambiental, porém o desafio está em colocá- acima, julgue os próximos itens.
las em prática, uma vez que isso implica mudança de
comportamento e de atitude por parte do produtor, As palavras “início” e “série” recebem acento gráfico
aliadas à necessidade de uma política pública que valorize com base em regras gramaticais distintas.
a adoção dessas medidas. Certo ( )
Errado ( )
Marco Antonio Ferreira Gomes e Lauro Charlet
Pereira. Água no século XXI: desafios e oportunidade. 05. (TJ/RR - Auxiliar Administrativo - CESPE)
Internet: www.agsolve.com.br (com adaptações)
Mídias sociais
As palavras “negligência”, “reservatórios”, “espécie”
e “equilíbrio” apresentam acentuação gráfica em O que você está lendo, fazendo, pensando, seguindo,
decorrência da mesma regra gramatical. vendo, ouvindo? Onde você está? Quem é você? Essas
Certo ( ) são algumas perguntas que sdimentam e configuram
Errado ( ) aplicativos como Foursquare, Orkut, Facebook, Twitter,
MSN, Skype, blogs e afins, que promovem a expansão
03. (TJ/SP - Assistente Social - VUNESP) das relações interpessoais, mantendo e ampliando os
Observe as palavras acentuadas, em destaque no seguinte laços sociais, a visibilidade pessoal e a propagação da
texto: informação. O uso desses aplicativos, que constituem as
novas mídias sociais, ou redes sociais digitais, representam
A Itália empreende atualmente uma revolução em sua um novo momento para as relações interpessoais, não
indústria vinícola, apresentando modernos e dinâmicos só por modificar a maneira como as pessoas se veem,
vinhos, não abandonando seu inigualável caráter consomem e se comunicam, mas também a forma como
gastronômico. se comportam. Visualizar algo divertido ou curioso já
não é suficiente. É preciso compartilhar a informação,
Assinale a alternativa cujas palavras são acentuadas, contas a novidae para o maior número possível de amigos.
respectivamente, segundo as regras que determinam a Nesse sentido, as mídias sociais tornam-se Verdadeiras
acentuação das palavras destacadas no texto. companheiras para quem deseja consumir Informação em
(A) Saída; mostrará; hífen. tempo real e, principalmente, dizer ao Mundo tudo aquilo
(B) Comprá-la; político; nível. que lhe vier à cabeça.
(C) Ócio; fenômeno; inútil.
(D) Dá-lo; anônima; estéril. Wesley Moura. Mídias Sociais. In: Informativo Folha
(E) Eólica; órfã; ninguém. Verde, Brasília, nº 5, maio de 2012 com adaptações.

04. (ANAC - Técnico Administrativo - CESPE) Com relação aos sentidos e às estruturas linguísticas
A demanda por transporte aéreo doméstico de do texto, julgue os itens que se seguem.
passageiros cresceu 7,65% em setembro desde ano em
relação ao mês de setembro de 2011. Trata-se do maior As palavras “mídias”, “número” e “possível” são
nível de demanda para o mês de setembro desde o início acentuadas de acordo com a mesma regra gramatical.
da série de medições, em 2000. De janeiro a setembro Certo ( )
de 2012, a demanda acumulada apresentou crescimento Errado ( )
de 7,30% e a oferta ampliou-se em 5,52% em relação ao Respostas
mesmo período de 2011. Entretanto, a oferta (assentos-
quilômetros oferecidos – ASK), no mês de setembro, 01. Resposta D
apresentou queda de 2,13%, após oito anos consecutivos As afirmativas que compõem a questão acima podem
de crescimento, sendo essa a primeira redução de oferta ser respondidas sem que o candidato domine as “novas
para o mês de setembro desde 2003. A taxa de ocupação regras”.
dos voos domésticos de passageiros alcançou 75,57% em Na afirmativa I, o verbo TER, na terceira pessoa do plural
setembro de 2012, enquanto, no mesmo mês, em 2011, recebe o acento circunflexo por causa da concordância; o
essa taxa foi de 68,71%, o que representou uma melhora motivo, portanto, de acentuação dessa forma verbal não
de 9,99%. A taxa de ocupação registrada é a mais alta é o mesmo que justifica o acento em ALGUÉM, oxítona
para o mês de setembro desde o início da série em 2000. terminada em EM com mais de uma sílaba.
De janeira a setembro de 2012, a taxa de ocupação cresceu Na afirmativa II, VOCÊ e SABERÁ são acentuadas por
1,69%, passando de 70,81%, em 2011, para 72,01%, serem oxítonas terminadas em E e A, respectivamente.
em 2012. A taxa de ocupação dos voos internacionais Atendem as exigências da regra das oxítonas.
operados por empresas brasileiras alcançou 82,80% em Na afirmativa III, a palavra TUÍGUES é acentuada
setembro de 2012, ao passo que, no mesmo mês, em porque apresenta um hiato formado pelas vogais U e I, ao
2011, a taxa foi de 82,60%, o que representa uma variação contrário de FLUIDA, que tem um ditongo crescente.

9
PORTUGUÊS
02. Resposta “CERTA” regras para se fazer uma abreviatura da maneira correta
Essas palavras são acentuadas por serem paroxítonas (prevista na gramática).
terminadas em ditongo oral, seguidas ou não de “s”.
Regra Geral: primeira sílaba da palavra + a primeira
03. Resposta C letra da sílaba seguinte + ponto abreviativo. Exemplos:
terminada em ditongo; (Itália = Ócio) adj. (adjetivo), num. (numeral).
Proparoxítona; (vinícola = fenômeno)
Paroxítona terminada em L. (inigualável = inútil) Outras Regras:
- Nunca se deve cortar a palavra numa vogal, sempre
04. Resposta ”ERRADA” na consoante. Caso a primeira letra da segunda sílaba seja
I-NÍ-CIO = Paroxítona terminada em ditongo; vogal, escreve-se até a consoante.
SÉ-RIE = Paroxítona terminada em ditongo. - Se a palavra tiver acento na primeira sílaba, ele é
Exemplos: conservado.
História, ignorância, relógio, sábia, comentário,
critério... núm. (número)
lóg. (lógica)
05. Resposta “ERRADA”
MÍDIAS = Paroxítona - acentua por ser terminada em - Caso a segunda sílaba se inicie por duas consoantes,
ditongo crecente utiliza-se as duas na abreviatura.
NÚMERO = proparoxítona - acentuam-se todas
POSSÍVEL = paroxítona - acentua por ser terminada Constr. (construção)
em L Secr. (secretário)
Portanto, são acentuadas por regras gramaticais diversas.
- O ponto abreviativo também serve como ponto final,
Abreviatura1 sendo assim, se a abreviatura estiver no final da frase, não
há necessidade de se utilizar outro ponto. Ex: Comprei
Atualmente, com a globalização, o avanço nas frutas, verduras, legumes, etc.
comunicações e o uso da internet, tudo se tornou muito
rápido. As pessoas sentem mais do que nunca a necessidade - Alguns gramáticos não admitem que as flexões sejam
de acompanharem o ritmo dos acontecimentos e de marcadas na abreviatura.
realizarem o maior número de tarefas possível no
intervalo de tempo de que dispõem. A língua não poderia Profª (professora)
ficar de fora desta dinâmica, já que é por meio dela que Págs. (páginas)
nos comunicamos, e é aí que entra uma “saída” ainda
não completamente aceita como norma, mas totalmente Algumas palavras, mesmo não seguindo as regras
aderida: as abreviaturas. descritas acima, são aceitas pela gramática normativa, é
Quem já entrou em algum chat ou mandou um e-mail o caso de:
apressado para um colega, enviou um torpedo do celular
ou deixou um bilhetinho pra alguém na porta da geladeira a.C. ou A.C. (antes de Cristo)
com certeza já fez uso delas, vejamos algumas das mais ap. ou apto. (apartamento)
utilizadas na atualidade, especialmente pelos mais jovens: bel. (bacharel)
cel. (coronel)
- Bjs (beijos) Cia. (Companhia)
- c/ (com) cx. (caixa)
- msg (mensagem) D. (Dom, Dona)
- msm (mesmo) Ilmo. (Ilustríssimo)
- ñ (não) Ltda. (Limitada)
- obg (obrigado) p. ou pág. (página) e pp. Págs. (páginas)
- p/ (para) pg. (pago)
- pq (porque) vv. (versos, versículos)
- tb (também)
Mesmo sabendo que estas siglas são permitidas e
A maioria das pessoas, quando vão abreviar as palavras reconhecidas pela gramática, ao escrevermos textos
o fazem de qualquer maneira, mas os mais cuidadosos oficiais, artigos, trabalhos, redações, não devemos utilizá-
devem se perguntar: como eu faço para abreviar esta las abusivamente, pois acabará atrapalhando a clareza
palavra? Existe regra pra isso? da comunicação. Em textos informais, no entanto, não
A resposta é simples. Existem algumas regras para há nenhuma restrição, a abreviatura pode ser utilizada
abreviar as palavras, porém a maioria das abreviaturas quando quisermos.
que ganham o gosto do público são aquelas que, mesmo Sigla
sem seguir as regras preditas pela gramática, são usuais,
práticas. É o caso, por exemplo, do famoso “VC”, criado Existe uma outra maneira de abreviarmos, a sigla.
nos sites de bate-papo. Esta abreviatura não é reconhecida Esta é também reconhecida por muitos gramáticos como
pela gramática como norma, porém é reconhecida por um processo de formação de palavras, pois a sigla acaba
quase todos usuários da língua. Vejamos, pois, algumas tomando um significado próprio. As siglas são a junção
1 Fontes: http://www.folhanet.com.br/portrasdasletras/; Gramática Normati- das letras iniciais de um termo composto por mais de uma
va da Língua Portuguesa (Rocha Lima); ARAUJO, Ana Paula - http://www.infoescola. palavra:
com/portugues/abreviaturas/.

10
PORTUGUÊS
EUA (Estados Unidos da América) BNH – Banco Nacional de Habitação
USA (United States of America) BOVESPA – Índice da Bolsa de Valores de São Paulo
P.S. (pós escrito = escrito depois)
S.A. (Sociedade Anônima) CACEX – Carteira de Comércio Exterior do Banco do
S.O.S. (Save Our Souls = salvai nossas almas) Brasil
IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) CADIN – Cadastro de Inadimplentes
CAN – Correio Aéreo Nacional
Convencionou-se dizer que se a sigla tiver até três letras, cap.; caps. – capítulo; capítulos
ou se todas as letras forem pronunciadas individualmente, CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal
todas ficam maiúsculas. de Nível Superior
CC – Código Civil
ONU, MEC, USP, PM, PMDB, INSS, CNBB. c/c ou c. c. – combinado com; com cópia; conta-
corrente
Se, porém, a sigla tiver a partir de quatro letras, e CDC – Código de Defesa do Consumidor; Crédito
nem todas forem pronunciadas separadamente, apenas a Direto ao Consumidor
primeira letra será maiúsculas, e as seguintes minúsculas: CDDPH – Conselho de Defesa dos Direito
CE – Constituição Estadual; Comunidade Européia
Aids, Embrapa, Detran, Unesco. CEASA – Centro Estadual de Abastecimento S/A
CEBRAP – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
Outros exemplos de abreviaturas e siglas: CEF – Caixa Econômica Federal
CETRAN – Conselho Estadual de Trânsito
A – ampère(s) CGT – Central Geral dos Trabalhadores; Confederação
A. – autor; AA. – autores Geral dos Trabalhadores
a/a ou a. a. – ao ano CHC – Centro de Habilitação de Condutores
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas c.ia ou cia. – companhia
ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados CNBB – Confederação Nacional dos Bispos do Brasil
ABRAVE – Associação Brasileira de Distribuidores de CNC – Confederação Nacional do Comércio
Veículos CNDM – Conselho Nacional dos Direitos da Mulher
ABRH – Associação Brasileira de Recursos Humanos CNH – Carteira Nacional de Habilitação
abr. – abril CNI – Confederação Nacional da Indústria
ADIn – Ação Direta de Inconstitucionalidade CNP – Conselho Nacional do Petróleo
ADVB – Associação dos Dirigentes de Vendas e CNPq – Conselho Nacional de Pesquisa
Marketing do Brasil CNS – Conselho Nacional de Saúde
AGERGS – Agência Reguladora dos Serviços Públicos CNT – Código Nacional de Trânsito (forma oficial)
Delegados CNTI – Confederação Nacional dos Trabalhadores na
ago. – agosto Indústria
agte. – agravante CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente
AI – Anistia Internacional conf. ou cfe. – conforme
ALALC – Associação Latino-Americana de Livre CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito
Comércio CP – Código Penal
alv. – alvará CPC – Código de Processo Civil
AMB – Associação Médica Brasileira CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito
ANATEL – Agência Nacional de Telecomunicações CPP – Código de Processo Penal
ANDE – Associação Nacional de Educação CRV – Certificado de Registro de Veículo
ANDIB – Associação Nacional dos Bancos de CTB – Código de Trânsito Brasileiro (forma variante)
Investimento e Desenvolvimento CTN – Código Tributário Nacional
ANDIMA – Associação Nacional das Instituições do
Mercado Aberto d – dia(s)
ANJ – Associação Nacional de Jornais D. – Digno(a); Dom; Dona
ap. – apud DD. – Digníssimo(a)
ap. ou apart. – apartamento DAP – Departamento de Abastecimento e Preços
art.; arts. – artigo; artigos DATAPREV – Empresa de Processamento de Dados da
Av. – Avenida (toponimicamente) Previdência Social
DECON – Departamento Estadual de Polícia do
BACEN – Banco Central do Brasil Consumidor
BB – Banco do Brasil S/A DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito
b.el (bel.), bel.ª (bela.), b.éis (béis.) – bacharel, DENTEL – Departamento Nacional de Telecomunicações
bacharela, bacharéis dep. – departamento
BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento Des. – Desembargador (Desembargadores)
BIM – Boletim Informativo Mensal Desa., Des.ª (Desas., Des.ªs) – Desembargadora
BIRD – Banco Internacional de Reconstrução e (Desembargadoras)
Desenvolvimento – Banco Mundial dez. – dezembro
BIS – Banco para Compensações Internacionais DNPDC – Departamento Nacional de Proteção e Defesa
BM & F – Bolsa de Mercadorias e Futuros do Consumidor
BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento DOE – Diário Oficial do Estado
Econômico e Social DOPS – Departamento de Ordem Política e Social

11
PORTUGUÊS
DOU – Diário Oficial da União min – minuto(s)
DPVAT – Danos Pessoais Causados por Veículos MM. – Meritíssimo(a)
Automotores em Vias Terrestres MP – Ministério Público; medida provisória
dr. (drs.) – doutor (doutores) MS – Mandado de Segurança
dra., dr.ª (dras., drªs.) – doutora (doutoras)
nov. – novembro
ECA – Estatudo da Criança e do Adolescente
Embraer – Empresa Brasileira de Aeronáutica OAB – Ordem dos Advogados do Brasil
Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária obs. – observação, observações
Embratel – Empresa Brasileira de Telecomunicações of. – ofício
Embratur – Empresa Brasileira de Turismo OMS – Organização Mundial da Saúde
EMFA – Estado-Maior das Forças Armadas ONG – Organização Não-Governamental (pl.: ONGs)
EOAB – Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil ONU – Organização das Nações Unidas
Ex.mo (Exmo.) – Excelentíssimo OPEP – Organização dos Países Exportadores de
Petróleo
FEBEM – Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte
Febraban – Federação Brasileira das Associações de out. – outubro
Bancos
Fenaban – Federação Nacional dos Bancos par. ou §, pars. ou §§ – parágrafo, parágrafos
fev. – fevereiro PF – Polícia Federal
FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço p. ex. – por exemplo
FGV – Fundação Getúlio Vargas p./pp. – página, páginas
fl.; fls. – folha; folhas pg. – pago, pagou
FMI – Fundo Monetário Internacional PIB – Produto Interno Bruto
Funai – Fundação Nacional do Índio PIS – Plano de Integração Social
pq. – porque
g – grama(s) Pq. – Parque (toponimicamente)
GLP – Gás Liquefeito de Petróleo Procon – Programa Estadual de Defesa do Consumidor
Proconve – Programa de Controle de Poluição do Ar
h – hora(s) por Veículos Automotores
ha – hectare(s) prof. (profs.) - professor (professores)
HC – habeas corpus (hábeas, hábeas-córpus) prof.ª (prof.ªs), profa. (profas.) – professora
HD – habeas data (professoras)

IAA – Instituto do Açúcar e do Álcool ql. – quilate(s)


IAB – Instituto dos Advogados Brasileiros
Ibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R. –Rua (toponimicamente)
Recursos Naturais Renováveis R., RR. – réu, réus
IBOPE – Instituto Brasileiro de Opinião Pública e reg. – regimento; regular
Estatística rel. – relatório
ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Renavam – Registro Nacional de Veículos Automotores
Serviços reqdo. – requerido
IML – Instituto Médico Legal reqte. – requerente
INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma RISTJ – Regimento Interno do Superior Tribunal de
Agrária Justiça
INPM – Instituto Nacional de Pesos e Medidas RSTJ – Revista do Superior Tribunal de Justiça
INSS – Instituto Nacional do Seguro Social
IOF – Imposto sobre Operações Financeiras S. A. ou S/A – sociedade anônima (ex.: Banco do Brasil
IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados S/A)
SA – sociedade anônima (sigla da empresa mercantil;
jan. – janeiro p. ex.: Lei dasSAs)
jul. – julho sal. min. ou SM – salário mínimo
jun. – junho s – segundo(s)
kg – quilograma(s) s. d. – sem data
km – quilômetro(s) SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e
Pequenas Empresas
LADV – Licença para Aprendizagem de Direção Veicular SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial
LDA – Lei dos Direitos Autorais SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
LEP – Lei de Execução Penal SERASA – Centralizadora dos Serviços dos Bancos S/A
LICC – Lei de Introdução ao Código Civil (nova razão social de: Serviços de Assessoria S/A)
set. – setembro
m – metro(s) SIMPLES – Sistema Simplificado de Pagamento de
mai. – maio (preferir a forma por extenso) Impostos
mar. – março s. n. – sem nome
MCE – Mercado Comum Europeu SPC – Serviço de Proteção ao Crédito
Mercosul – Mercado Comum do Cone Sul STF – Supremo Tribunal Federal

12
PORTUGUÊS
STJ – Superior Tribunal de Justiça - Translúcido e diáfano.
STM – Supremo Tribunal Militar - Semicírculo e hemiciclo.
- Contraveneno e antídoto.
t – tonelada(s) - Moral e ética.
tb. – também - Colóquio e diálogo.
TCE – Tribunal de Contas do Estado - Transformação e metamorfose.
TCU – Tribunal de Contas da União - Oposição e antítese.
TEC – Tarifa Externa Comum do Mercosul
tel. – telefone O fato linguístico de existirem sinônimos chama-se
test. – testemunha sinonímia, palavra que também designa o emprego de
TFR – Tribunal Federal de Recursos sinônimos.
TJ – Tribunal de Justiça
da região, p. ex.: TRF-4ª) Antônimos: são palavras de significação oposta.
TRT – Tribunal Regional do Trabalho (seguida da Exemplos:
região, p. ex.: TRT-4ª) - Ordem e anarquia.
TSE – Tribunal Superior Eleitoral - Soberba e humildade.
TST – Tribunal Superior do Trabalho - Louvar e censurar.
- Mal e bem.
UDR – União Democrática Ruralista
UNE – União Nacional dos Estudantes A antonímia pode originar-se de um prefixo de sentido
Unesco – Organização das Nações Unidas para a oposto ou negativo. Exemplos: bendizer/maldizer,
Educação, Ciência e Cultura simpático/antipático, progredir/regredir, concórdia/
Unicef – Fundo das Nações Unidas para a Infância discórdia, explícito/implícito, ativo/inativo, esperar/
desesperar, comunista/anticomunista, simétrico/
V – volt assimétrico, pré-nupcial/pós-nupcial.
V. Ema. Revma. – Vossa Eminência Reverendíssima
(Cardeal) Homônimos: são palavras que têm a mesma
V. Exa. – Vossa Excelência (pl.: V. Exas.) pronúncia, e às vezes a mesma grafia, mas significação
V. Exa. Revma. – Vossa Excelência Reverendíssima diferente. Exemplos:
(Arcebispo e Bispo) - São (sadio), são (forma do verbo ser) e são (santo).
V. Maga. – Vossa Magnificência (Reitor de Universidade) - Aço (substantivo) e asso (verbo).
vol., vols. – volume, volumes
V. S. – Vossa Santidade (Papa) Só o contexto é que determina a significação dos
V. Sa. (V. Sas.), V. S.ª (V. S.ªs) – Vossa Senhoria (Vossas homônimos. A homonímia pode ser causa de ambiguidade,
Senhorias) por isso é considerada uma deficiência dos idiomas.
O que chama a atenção nos homônimos é o seu aspecto
ZH – Zero Hora fônico (som) e o gráfico (grafia). Daí serem divididos em:

Significação das Palavras Homógrafos Heterofônicos: iguais na escrita e


diferentes no timbre ou na intensidade das vogais.
Quanto à significação, as palavras são divididas nas - Rego (substantivo) e rego (verbo).
seguintes categorias: - Colher (verbo) e colher (substantivo).
- Jogo (substantivo) e jogo (verbo).
Sinônimos: são palavras de sentido igual ou - Apoio (verbo) e apoio (substantivo).
aproximado. Exemplo: - Para (verbo parar) e para (preposição).
- Alfabeto, abecedário. - Providência (substantivo) e providencia (verbo).
- Brado, grito, clamor. - Às (substantivo), às (contração) e as (artigo).
- Extinguir, apagar, abolir, suprimir. - Pelo (substantivo), pelo (verbo) e pelo (contração
- Justo, certo, exato, reto, íntegro, imparcial. de per+o).

Na maioria das vezes não é indiferente usar um Homófonos Heterográficos: iguais na pronúncia e
sinônimo pelo outro. Embora irmanados pelo sentido diferentes na escrita.
comum, os sinônimos diferenciam-se, entretanto, uns dos - Acender (atear, pôr fogo) e ascender (subir).
outros, por matizes de significação e certas propriedades - Concertar (harmonizar) e consertar (reparar,
que o escritor não pode desconhecer. Com efeito, estes emendar).
têm sentido mais amplo, aqueles, mais restrito (animal - Concerto (harmonia, sessão musical) e conserto (ato
e quadrúpede); uns são próprios da fala corrente, de consertar).
desataviada, vulgar, outros, ao invés, pertencem à esfera - Cegar (tornar cego) e segar (cortar, ceifar).
da linguagem culta, literária, científica ou poética (orador - Apreçar (determinar o preço, avaliar) e apressar
e tribuno, oculista e oftalmologista, cinzento e cinéreo). (acelerar).
A contribuição Greco-latina é responsável pela - Cela (pequeno quarto), sela (arreio) e sela (verbo
existência, em nossa língua, de numerosos pares de selar).
sinônimos. - Censo (recenseamento) e senso (juízo).
- Cerrar (fechar) e serrar (cortar).
Exemplos: - Paço (palácio) e passo (andar).
- Adversário e antagonista. - Hera (trepadeira) e era (época), era (verbo).

13
PORTUGUÊS
- Caça (ato de caçar), cassa (tecido) e cassa (verbo cãibra e câimbra
cassar = anular). enfarte e infarto
- Cessão (ato de ceder), seção (divisão, repartição) e carnegão e carnição
sessão (tempo de uma reunião ou espetáculo). engambelar e engabelar
carroçaria e carroceria
Homófonos Homográficos: iguais na escrita e na enlambuzar e lambuzar
pronúncia. catorze e quatorze
- Caminhada (substantivo), caminhada (verbo). entoação e entonação
- Cedo (verbo), cedo (advérbio). entretenimento e entretimento
- Somem (verbo somar), somem (verbo sumir). louro e loiro
- Livre (adjetivo), livre (verbo livrar). enumerar e numerar
- Pomos (substantivo), pomos (verbo pôr). maltrapilho e maltrapido
- Alude (avalancha), alude (verbo aludir). espuma e escuma
maquiagem e maquilagem
Parônimos: são palavras parecidas na escrita e estalar e estralar
na pronúncia: Coro e couro, cesta e sesta, eminente e marimbondo e maribondo
iminente, tetânico e titânico, atoar e atuar, degradar este e leste
e degredar, cético e séptico, prescrever e proscrever, melancólico e merencório
descrição e discrição, infligir (aplicar) e infringir exorcizar e exorcismar
(transgredir), osso e ouço, sede (vontade de beber) e menosprezo e menospreço
cede (verbo ceder), comprimento e cumprimento, deferir flauta e frauta
(conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, divergir, mobiliar, mobilhar e mobilar
adiar), ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, flecha e frecha
corrigir), vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) neblina e nebrina
e vultuoso (congestionado: rosto vultuoso). fleuma e flegma
nenê, neném e nenen
Formas variantes - São formas duplas ou múltiplas, flocos e frocos
equivalentes, no que diz respeito à escrita das palavras. parêntese e parêntesis
Não ferirá a língua culta aquele que usar uma ou outra. gengibirra e jinjibirra
No entanto, o bom senso recomenda a estrutura mais percentagem e porcentagem
corrente, evitando, dessa forma, que “os menos avisados” geringonça e gerigonça
achem que uma gafe esteja sendo cometida. As principais, peroba e perova
conforme pesquisas feitas em fontes diversas, estão abaixo gorila e gorilha
relacionadas. pitoresco, pinturesco e pintoresco
Conheçam algumas: hem? e hein?
plancha e prancha
abdome e abdômen hemorroidas e hemorroides
catucar e cutucar pólen e polem
Afeminado e efeminado impingem e impigem
chipanzé e chimpanzé presépio e presepe
aluguel e aluguer imundícia, imundície e imundice
clina e crina quadriênio e quatriênio
aritmética e arimética intrincado e intricado
cociente e quociente radioatividade e radiatividade
arrebitar e rebitar lantejoula e lentejoula
cota e quota rastro e rasto
arremedar e remedar limpar e alimpar
cotidiano e quotidiano registro e registo
assoalho e soalho lisonjear e lisonjar
cotizar e quotizar relampear, relampejar, relampadejar, relampaguear,
assobiar e assoviar relampadar e relampar
covarde e cobarde louça e loiça
assoprar e soprar remoinho e redemoinho
cuspe e cuspo terremoto e terramoto
azalea e azaleia ridiculizar e ridicularizar
degelar e desgelar tesoura e tesoira
bêbado e bêbedo salobra e salobre
demonstrar e demostrar tesouro e tesoiro
bilhão e bilião seção e secção
dependurar e pendurar toicinho e toucinho
bílis e bile selvageria e selvajaria
desenxavido e desenxabido transvestir e travestir
biscoito e biscouto sobressalente e sobresselente
elucubração e lucubração treinar e trenar
bravo e brabo surripiar e surrupiar
empanturrar e empaturrar tríade e tríada

14
PORTUGUÊS
taberna e taverna cidade. Infelizmente, como fora dito, esta festa também
trilhão e trilião tem perdido suas forças, mas nada que não possa ser
taramela e tramela resolvido com força de vontade e investimentos efetivos
várzea, várgea, vargem e varge nos setores de educação e cultura, principalmente.
televisar e televisionar No distrito da Galena também existe uma festa
volibol e voleibol tradicional que é a Festa de Reis, em devoção aos Três Reis
que visitaram o menino Jesus após o seu nascimento, ela
Fonte: http://portugues.uol.com.br/colunistas/ acontece a partir do dia 25 de dezembro, quando começa
aprenda-portugues-pesquisando-formas-variantes.html a visita da folia nas casas e nas fazendas e no dia 05 de
janeiro (dia dos Santos Reis) o dia da Festa, quando todos
Questões se reúnem para rezar e comemorar o dia dos Santos Reis.

HISTÓRIA E CULTURA DE PRESIDENTE (Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre)


OLEGÁRIO
01. (Câmara Municipal de Presidente Olegário/
O calendário de eventos da cidade de Presidente MG - Técnico em Informática – FUMARC) Pode-se
Olegário conta com algumas festas, religiosas e profanas. inferir que “profano” e “sagrado” a que se refere o texto
O evento de maior tradição é a Festa de Nossa Senhora são ideias
da Abadia de Andrequicé, localidade situada cerca de 60 (A) similares.
km da sede; esta festa acontece no mês de agosto, e a (B) sinonímicas.
comemoração propriamente dita tem lugar no dia 15 deste (C) antagônicas.
mês. É importante lembrar que a Romaria de Andrequicé (D) próximas.
(festa irmã da Romaria de Água Suja), tem origens no
final do século XIX, quando da doação do terreno e início TEXTO
das celebrações e peregrinações em homenagem à Nossa
Senhora da Abadia. 1 As práticas judiciais e penais mobilizaram boa
Nos dias hodiernos, a romaria conta com a presença parte do debate sobre a Inquisição dos séculos XVI, XVII
de romeiros de diferentes partes do Estado de Minas e XVIII. O Santo Ofício afirmou-se desde cedo como um
Gerais e de filhos da terra residentes em outros estados tribunal que se sobrepunha 4 a todos os privilégios de
e distritos. Ainda no âmbito das festas religiosas, durante jurisdição existentes, mas a afirmação do seu poder contra
o mês de janeiro, o município conta com uma gama de os interesses de Estados particulares suscitou protestos,
Folias de Reis, realizadas em diferentes localidades rurais nomeadamente em Veneza, em Nápoles e nos Países 7
e no distrito sede. Em janeiro acontece também a Festa em Baixos. A prática de condenação na base de testemunha
Louvor a São Sebastião, que tem lugar na localidade de singular deflagrou a grande controvérsia penal do século
Pissarrão. Até bem pouco tempo, contávamos ainda com XVIII.
a Congada em Louvor a Nossa Senhora do Rosário, festa
bonita e interessante por sua natureza e constituição mas Francisco Bethencourt . Muito além do catolicismo.
que, por motivos outros, deixou de acontecer nesta cidade In: Revista de História, ano 7, n.º 73, out./2011 (com
gloriosa e triste pelo esquecimento de algumas tradições. adaptações).
Outra tradição que malgradamente caiu no ocaso foi
a bela Contradança dos Godinhos, folguedo iniciado em 02. (Instituto Rio Branco - Diplomata - Bolsa-
princípios do século XX pela família que dá nome à dança e prêmio de vocação para a Diplomacia - Objetiva
que transita entre o sagrado e o profano, constituindo um – CESPE) A expressão “todos os privilégios” (L.4) poderia
joguete em que homens constituem pares nos quais a outra ser substituída por todas as prerrogativas, sem prejuízo
parte é um homem vestido de mulher (talvez em protesto para o sentido do período em questão e sem a necessidade
ao arraigado patriarcalismo católico cristão do estado das de ajustes gramaticais no texto.
Gerais), dançando ao som de uma sanfona, baixos e um A) Certo
violão e ciceroneados por um palhaço. É interessante notar B) Errado
que a profanação está justamente no vestir-se de mulher
e questionar os tabus estabelecidos pelos costumes civis e TEXTO
religiosos e a sagração, ou seja, a manutenção do sagrado
nos símbolos sagrados do catolicismo estampados nas 1 Olinda é conhecida no mundo inteiro pela fama dos
vestimentas dos participantes. A tradição, infelizmente, seus mamulengos e bonecos carnavalescos gigantes, que,
vem se perdendo, em parte por falta de investimentos de sendo tão populares, também participam dos festejos 4 da
recursos públicos, através das secretarias de cultura, em Semana Santa. A origem da arte de fazer bonecos gigantes
parte pelo crescente afastamento das gerações hodiernas em Olinda remete à Europa de séculos atrás, onde, durante
em manifestações culturais tradicionais, de forma a Idade Média, eram criadas figuras 7 enormes e malignas
que há apenas uma pessoa que ainda detém parte do para criticar a repressão da Inquisição. A criação e a
conhecimento desta Contradança. execução dos bonecos constituem uma arte que, passada
Outra interessante Festa, que vem perdendo, de geração para geração 10 familiar, é preservada por
infelizmente, suas forças ao longo dos anos, é a Festa iniciativas como a do Museu do Mamulengo. Esse museu,
da Produção, durante a qual o município, através da além de realizar apresentações diárias, conta com cerca
Prefeitura Municipal e do Sindicado dos Produtores Rurais, de mil e quinhentas peças em seu 13 acervo.
expõe, discute e negocia os produtos agropecuários da
cidade, além de promover shows musicais no parque de Priscila Gorzoni. Olinda e a tradição dos bonecos. In:
exposições e atrações culturais em diferentes pontos da Língua Portuguesa, ed. 21 (com adaptações).

15
PORTUGUÊS
aprender novas técnicas. Enfim, ter acesso ao que de
TEXTO melhor a humanidade produziu na ciência e na arte. De
acordo com a parlamentar, um dos objetivos da instituição
1 Os telejornais, de grande audiência em todas as é ampliar 25 os cursos de formação na área de políticas
camadas da população, nem sempre dedicam espaço à públicas para capacitar os servidores públicos ao melhor
política. Nos jornais impressos de circulação nacional — atendimento à população.
considerados Internet: <www.al.ce.gov.br> (com adaptações).
4 os principais divulgadores da atividade legislativa
e dos fatos de natureza política —, o noticiário, 04. (AL/CE - Analista Legislativo - Língua
naturalmente, não abrange todas as atividades de Portuguesa – Gramática Normativa e Revisão
plenário, das comissões e muito menos Ortográfica – CESPE) No trecho “define a educação
7 dos parlamentares individualmente. O espaço como princípio da democratização de um povo, da
dedicado aos assuntos políticos nos meios de comunicação manutenção” (L.11-13), o recurso de repetição do
é insuficiente para dar ampla cobertura e adequada elemento “da” deve-se à preservação do paralelismo
divulgação às atividades sintático na oração.
10 do Congresso. Jornalistas políticos de destaque, A) Certo
como o veterano Villas Boas Corrêa, já se manifestaram de B) Errado
maneira incisiva a respeito: “Acho que a imprensa merece
seus puxões TEXTO
13 de orelha porque não faz nenhum esforço para cobrir
aquilo que ainda remanesce de importante no Congresso, 1 O governo do estado do Ceará, por meio da Secretaria
como, por exemplo, o trabalho das comissões...”, disse o de Planejamento e Gestão, apresenta a segunda edição,
jornalista, em revisada, do Manual do Servidor Público Estadual, com
16 depoimento ao Centro de Pesquisas e Documentação o 4 objetivo de orientar e facilitar o entendimento de
da Fundação Getúlio Vargas, em 1995. assuntos relacionados à área de pessoal no que concerne
aos direitos e deveres, às concessões e obrigações, tendo
Sérgio Chacon. Congresso, imprensa e opinião pública: em vista as 7 constantes alterações da legislação aplicável
o caso da CPMI dos Sanguessugas, 2008. Internet:<www. ao servidor. As informações inseridas no documento
bd.camara.gov.br> (com adaptações). apresentam-se de forma objetiva e em linguagem clara,
garantindo às pessoas o 10 conhecimento permanente
03. (AL/CE - Analista Legislativo - Língua dessas informações para que não venham a sofrer
Portuguesa – Gramática Normativa e Revisão prejuízo de qualquer natureza. Importa ressaltar que esse
Ortográfica – CESPE) O período “O espaço dedicado instrumento está aberto a 13 mudanças, para evitar a
aos assuntos políticos nos meios de comunicação é obsolescência e de modo a proporcionar aos servidores
insuficiente para dar ampla cobertura e adequada uma dinâmica eficiente das atividades e a possibilidade
divulgação às atividades do Congresso” (L.7-10) poderia de cooperação intelectual. 16 O governo espera que o
ser deslocado para a posição inicial do parágrafo, sem manuseio deste manual possa servir como importante
prejuízo para a organização e a coerência do texto. instrumento de fortalecimento da conduta ética no trato
A) Certo dos assuntos relacionados ao serviço 19 público estadual,
B) Errado como fonte permanente de consulta para dirimir dúvidas
e também como mecanismo facilitador dos procedimentos
TEXTO administrativos.
Internet: <www.gestaodoservidor.ce.gov.br> (com
1 As universidades corporativas surgiram no mercado adaptações).
educacional com o intuito de capacitar os funcionários de
instituições e grandes empresas. No caso da Universidade 05. (AL/CE - Analista Legislativo - Língua
do 4 Parlamento Cearense (UNIPACE), um dos seus Portuguesa – Gramática Normativa e Revisão
principais focos foi contribuir com a educação dos Ortográfica – CESPE) A expressão “tendo em vista”
servidores públicos. Criada em 2007, ela surgiu para (L.6) poderia ser substituída por haja vista, sem prejuízo
aperfeiçoar a atuação do 7 funcionalismo estadual, para os sentidos do texto, uma vez que ambas as expressões
promovendo atividades direcionadas à formação e estabelecem relação de causalidade entre ideias.
qualificação profissional dos servidores e agentes políticos A) Certo
vinculados às assembleias legislativas e às câmaras 10 B) Errado
municipais conveniadas. A presidente da UNIPACE, Respostas
Patrícia Saboya, define a educação como princípio da
democratização de um povo, da 13 manutenção da 01. Resposta C
cultura e das tradições. Em consonância com o discurso A alternativa “C” é a correta, pois define exatamente a
do escritor e economista César Benjamin, que afirma: “O contrariedade de sentido entre “profano” e “sagrado”.
maior patrimônio de um país é seu próprio povo, e o maior Profano= tudo que é estranho à religião.
16 patrimônio de um povo é a sua cultura”, ela acredita
que a cultura permite ao cidadão comum expressar melhor 02. Resposta A
conceitos e sentimentos, conhecer bem a língua que fala, Alternativa “A” privilégios=prerrogativas=concessões
reconhecer sua 19 identidade e ampliar seu horizonte =vantagens dadas ao réu no mundo jurídico.
de direitos. O resultado disso, segundo a deputada, é
um aumento de sua capacidade de organização e de 03. Resposta A
comunicar-se melhor consigo e com outros 22 povos, A alternativa “A” é a correta, pois mesmo se deslocando

16
PORTUGUÊS
o período para o início do parágrafo, o sentido será o
mesmo e não afeta sua estrutura.

04. Resposta A
A alternativa “A” é a correta porque ao se repetir a
preposição de ou sua combinação há a preservação do
paralelismo sintático na oração. 2) Pontuação.

05. Resposta B
A alternativa “B” é a correta porque “tendo Pontuação
em vista” = aspirando, destinando-se, intentando,
planejando, pretendendo; Os sinais de pontuação são sinais gráficos empregados
na língua escrita para tentar recuperar recursos específicos
“haja vista” = tendo em conta, tendo em vista, a julgar da língua falada, tais como: entonação, jogo de silêncio,
por. É uma expressão que tem uma estrutura semântica pausas, etc.
invariável, e permanece inalterada independentemente
da frase onde está inserida. Ponto ( . )
- indicar o final de uma frase declarativa: Lembro-me
A substituição de uma pela outra prejudicaria o muito bem dele.
entendimento do texto pois estabeleceria uma outra - separar períodos entre si: Fica comigo. Não vá
relação (consequência). embora.
- nas abreviaturas: Av.; V. Ex.ª
Notações Léxicas
Vírgula ( , ): É usada para marcar uma pausa do
Para representar os fonemas, muitas vezes há enunciado com a finalidade de nos indicar que os termos
necessidade de recorrer a sinais gráficos denominados por ela separados, apesar de participarem da mesma frase
notações léxicas. ou oração, não formam uma unidade sintática: Lúcia,
esposa de João, foi a ganhadora única da Sena.
Emprego do Til ( ~ ) Podemos concluir que, quando há uma relação sintática
entre termos da oração, não se pode separá-los por meio
O til sobrepõe-se sobre as letras a e o para indicar de vírgula. Não se separam por vírgula:
vogal nasal. - predicado de sujeito;
- objeto de verbo;
Pode aparecer em sílaba: - adjunto adnominal de nome;
Tônica: balão, corações, maçã - complemento nominal de nome;
Pretônica: balõezinhos, grã-fino - predicativo do objeto;
Átona: órgão, bênçãos - oração principal da subordinada substantiva (desde
que esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa).
Outros Exemplos: Capitães, limão, mamão, bobão,
chorão, devoções, põem, etc. A vírgula no interior da oração

Observação: Se a sílaba onde figura o til for átona, É utilizada nas seguintes situações:
acentua-se graficamente a sílaba predominante. Por - separar o vocativo: Maria, traga-me uma xícara de
Exemplo: Órfãos, acórdão café; A educação, meus amigos, é fundamental para o
progresso do país.
Emprego do Apóstrofo ( ´ ) - separar alguns apostos: Valdete, minha antiga
empregada, esteve aqui ontem.
O uso deste sinal gráfico pode: - separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado:
Chegando de viagem, procurarei por você; As pessoas,
- Indicar a supressão de uma vogal nos versos, por muitas vezes, são falsas.
exigências métricas. Ocorre principalmente entre poetas - separar elementos de uma enumeração: Precisa-se de
portugueses. pedreiros, serventes, mestre-de-obras.
Exemplos: - isolar expressões de caráter explicativo ou corretivo:
minh’alma (minha alma) Amanhã, ou melhor, depois de amanhã podemos nos
d’água (da água) encontrar para acertar a viagem.
- separar conjunções intercaladas: Não havia, porém,
- Reproduzir certas pronúncias populares. motivo para tanta raiva.
Exemplos: - separar o complemento pleonástico antecipado: A
Olh’ele aí...(Guimarães Rosa) mim, nada me importa.
Não s’enxerga, enxerido! (Peregrino Jr.) - isolar o nome de lugar na indicação de datas: Belo
Horizonte, 26 de janeiro de 2014.
- Indicar a supressão da vogal da preposição de em - separar termos coordenados assindéticos: “Lua, lua,
certas palavras compostas lua, lua, por um momento meu canto contigo compactua...”
Exemplos: (Caetano Veloso)
copo d´água, estrela d›alva, caixa d›água - marcar a omissão de um termo (normalmente o
verbo): Ela prefere ler jornais e eu, revistas. (omissão do

17
PORTUGUÊS
verbo preferir) opressora asma cardíaca; os lábios grossos, o inferior um
Termos coordenados ligados pelas conjunções e, tanto tenso (...)” (Visconde de Taunay)
ou, nem dispensam o uso da vírgula: Conversaram
sobre futebol, religião e política. Não se falavam nem Dois-Pontos ( : )
se olhavam; Ainda não me decidi se viajarei para Bahia - iniciar a fala dos personagens: Então o padre
ou Ceará. Entretanto, se essas conjunções aparecerem respondeu: - Parta agora.
repetidas, com a finalidade de dar ênfase, o uso da vírgula - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações
passa a ser obrigatório: Não fui nem ao velório, nem ao ou sequência de palavras que explicam, resumem ideias
enterro, nem à missa de sétimo dia. anteriores: Meus amigos são poucos: Fátima, Rodrigo e
Gilberto.
A vírgula entre orações - antes de citação: Como já dizia Vinícius de Morais:
“Que o amor não seja eterno posto que é chama, mas que
É utilizada nas seguintes situações: seja infinito enquanto dure.”
- separar as orações subordinadas adjetivas explicativas:
Meu pai, de quem guardo amargas lembranças, mora no Ponto de Interrogação ( ? )
Rio de Janeiro. - Em perguntas diretas: Como você se chama?
- separar as orações coordenadas sindéticas e - Às vezes, juntamente com o ponto de exclamação:
assindéticas (exceto as iniciadas pela conjunção “e”: Quem ganhou na loteria? Você. Eu?!
Acordei, tomei meu banho, comi algo e saí para o trabalho;
Estudou muito, mas não foi aprovado no exame. Ponto de Exclamação ( ! )
- Após vocativo: “Parte, Heliel!” ( As violetas de Nossa
Há três casos em que se usa a vírgula antes da Sra.- Humberto de Campos).
conjunção: - Após imperativo: Cale-se!
- quando as orações coordenadas tiverem sujeitos - Após interjeição: Ufa! Ai!
diferentes: Os ricos estão cada vez mais ricos, e os pobres, - Após palavras ou frases que denotem caráter
cada vez mais pobres. emocional: Que pena!
- quando a conjunção e vier repetida com a finalidade
de dar ênfase (polissíndeto): E chora, e ri, e grita, e pula Reticências ( ... )
de alegria. - indicar dúvidas ou hesitação do falante: Sabe...eu
- quando a conjunção e assumir valores distintos queria te dizer que...esquece.
que não seja da adição (adversidade, consequência, por - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente
exemplo): Coitada! Estudou muito, e ainda assim não foi incompleta: Alô! João está? Agora não se encontra. Quem
aprovada. sabe se ligar mais tarde...
- separar orações subordinadas adverbiais - ao fim de uma frase gramaticalmente completa com
(desenvolvidas ou reduzidas), principalmente se a intenção de sugerir prolongamento de ideia: “Sua tez,
estiverem antepostas à oração principal: “No momento alva e pura como um foco de algodão, tingia-se nas faces
em que o tigre se lançava, curvou-se ainda mais; e fugindo duns longes cor-de-rosa...” (Cecília- José de Alencar)
com o corpo apresentou o gancho.” (O selvagem - José de - indicar supressão de palavra (s) numa frase transcrita:
Alencar) “Quando penso em você (...) menos a felicidade.”
- separar as orações intercaladas: “__Senhor, disse (Canteiros - Raimundo Fagner)
o velho, tenho grandes contentamentos em a estar
plantando...”. Essas orações poderão ter suas vírgulas Aspas ( “ ” )
substituídas por duplo travessão: “Senhor __ disse o velho - isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta,
__ tenho grandes contentamentos em a estar plantando...” como gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos,
- separar as orações substantivas antepostas à principal: arcaísmos e expressões populares: Maria ganhou um
Quanto custa viver, realmente não sei. apaixonado “ósculo” do seu admirador; A festa na casa de
Lúcio estava “chocante”; Conversando com meu superior,
Ponto-e-Vírgula ( ; ) dei a ele um “feedback” do serviço a mim requerido.
- indicar uma citação textual: “Ia viajar! Viajei. Trinta
- separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma e quatro vezes, às pressas, bufando, com todo o sangue
petição, de uma sequência, etc: na face, desfiz e refiz a mala”. (O prazer de viajar - Eça
Art. 127 – São penalidades disciplinares: de Queirós)
I- advertência;
II- suspensão; Se, dentro de um trecho já destacado por aspas, se
III- demissão; fizer necessário a utilização de novas aspas, estas serão
IV- cassação de aposentadoria ou disponibilidade; simples. ( ‘ ‘ )
V- destituição de cargo em comissão;
VI- destituição de função comissionada. (cap. V das Parênteses ( () )
penalidades Direito Administrativo) - isolar palavras, frases intercaladas de caráter
explicativo e datas: Na 2ª Guerra Mundial (1939-1945),
- separar orações coordenadas muito extensas ou ocorreu inúmeras perdas humanas; “Uma manhã lá no
orações coordenadas nas quais já tenham tido utilizado a Cajapió (Joca lembrava-se como se fora na véspera),
vírgula: “O rosto de tez amarelenta e feições inexpressivas, acordara depois duma grande tormenta no fim do verão”.
numa quietude apática, era pronunciadamente vultuoso, o (O milagre das chuvas no nordeste- Graça Aranha)
que mais se acentuava no fim da vida, quando a bronquite Os parênteses também podem substituir a vírgula ou
crônica de que sofria desde moço se foi transformando em o travessão.

18
PORTUGUÊS
Travessão (__ ) 6 Mas é certo que a primavera chega. É certo que a
- dar início à fala de um personagem: O filho perguntou: vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita
__Pai, quando começarão as aulas? para as festas da sua perpetuação.
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __ 7 Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum
Doutor, o que tenho é grave? __Não se preocupe, é uma dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem,
simples infecção. É só tomar um antibiótico e estará bom. no momento em que quiserem, independentes deste ritmo,
- unir grupos de palavras que indicam itinerário: A desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão
rodovia Belém-Brasília está em péssimo estado. outros, com outros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos
Também pode ser usado em substituição à virgula, que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo
em expressões ou frases explicativas: Xuxa – a rainha dos aquilo que, outrora, se entendeu e amou.
baixinhos – é loira. 8 Enquanto há primavera, esta primavera natural,
prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que
Parágrafo dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que
Constitui cada uma das secções de frases de um andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que
escritor; começa por letra maiúscula, um pouco além do ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente
ponto em que começam as outras linhas. estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a
eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa
Colchetes ( [] ) vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias
Utilizados na linguagem científica. ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores
agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Asterisco ( * ) 9 Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser
Empregado para chamar a atenção do leitor para lançado ao vento, - por fidelidade à obscura semente,
alguma nota (observação). ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a
primavera, dona da vida - e efêmera.
Barra ( / )
Aplicada nas abreviações das datas e em algumas (MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em
abreviaturas. Prosa?
Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
+tIHQ ï
Usado para ligar elementos de palavras compostas e “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que
para unir pronomes átonos a verbos. Exemplo: guarda- ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar
roupa sua vida para a primavera que chega” (1º §)

Questões No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas


para:
01. (CLIN – Auxiliar de Enfermagem do (A) marcar termo adverbial intercalado.
Trabalho – COSEAC - 2015). (B) isolar oração adjetiva explicativa.
(C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
Primavera (D) separar termo em função de aposto.

1 A primavera chegará, mesmo que ninguém mais 02. (PC – CE - Escrivão da Policia Civil de
saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua 1ª classe – VUNESP - 2015). Assinale a alternativa
jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando correta quanto ao uso da vírgula, considerando-se a
outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas norma-padrão da língua portuguesa.
naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam (A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos
a preparar sua vida para a primavera que chega. avisar, que demoraria tanto, informaram-nos de que a
2 Finos clarins que não ouvimos devem soar por gravidez, era algo demorado.
dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e (B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar
arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria que demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez
de nascer, no espírito das flores. era algo demorado
3 Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão (C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos
todos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas avisar que demoraria tanto, informaram-nos de que a
de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais gravidez era algo demorado.
de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas (D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar
apressam-se pelos ares, - e certamente conversam: mas que, demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez
tão baixinho que não se entende. era algo demorado.
4 Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto (E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos
inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, avisar que demoraria tanto, informaram-nos de que a
alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o gravidez, era algo demorado.
primeiro raio de sol.
5 Esta é uma primavera diferente, com as matas 03. (TJ/SP - Assistente Social - VUNESP) Observe
intactas, as árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, o texto dos quadrinhos.
entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada
de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços
carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido,
de incessante luz.

19
PORTUGUÊS
03. Resposta D
O pronome de tratamento Vossa Excelência e Sua
Excelência tem uso distinto.
Vossa Excelência = usar para falar com a autoridade.
Sua Excelência = usar para falar da autoridade. Logo, não
poderia ser a alternativa “b” ou “c”.

a) O vereador Formigão é aposto explicativo, logo


deveria estar entre vírgulas, e não se admite usar travessão
antes do “pois”.

d) Correta
Considerando a norma-padrão de pontuação e
de emprego dos pronomes de tratamento, assinale a e) Se tiver adjunto adverbial deslocado, a vírgula é
alternativa que expressa com correção a notícia dada pelo obrigatória, exceto se for de curta extensão (formada por
repórter, à vista do texto dos quadrinhos. 1 ou 2 palavras)
Portanto, o correto seria: “Em sua entrevista, Sua
(A) Em sua entrevista, Sua Senhoria o vereador Excelência...”
Formigão declara que: a crise continua e ele, também –
pois são inseparáveis. 04. Resposta A
(B) Em sua entrevista, Vossa Senhoria o ministro A vírgula aqui, está corretamente empregada pois
Formigão declara que, a crise continua, e ele também: trata-se de um Vocativo, um “chamamento” .
pois são inseparáveis.
(C) Em sua entrevista, Vossa Excelência o deputado 05. Resposta C
Formigão, declara que a crise continua e ele, também; “Portanto” é uma conjunção coordenada
pois são inseparáveis. conclusiva. O objetivo dela é trazer duas ideias,
(D) Em sua entrevista, Sua Excelência, o senador fazendo da segunda uma conclusão da primeira.
Formigão, declara que a crise continua, e ele, também, Outras do mesmo valor semântico: Logo, por isso, então...
pois são inseparáveis.
(E) Em sua entrevista Sua Excelência o Diretor-
Presidente da empresa Formigão, declara que a crise
continua; e ele também, pois, são inseparáveis.

04. (IFC - Auxiliar administrativo - IFC). 3) Substantivo: classificação,


Assinale dentre as alternativas a frase que apresenta formação, flexão e emprego. 4)
pontuação adequada: Adjetivo: classificação, formação,
(A) Mãe, venha até meu quarto. flexão e emprego; locução adjetiva;
(B) Curitiba 27 de outubro de 2012. adjetivos que indicam nacionalidade
(C) O menino, sentia-se mal. (gentílicos). 5) Pronome: classificação,
(D) Onde estão os nossos: pais, vizinhos. formação, flexão e emprego; colocação
(E) Assim permite-se roupas, curtas. dos pronomes oblíquos. 6) Verbo:
conjugação dos verbos regulares,
05. (IFC - Auxiliar administrativo - IFC). irregulares e defectivos; verbos
Assinale a opção em que o uso da vírgula é utilizado em abundantes; classificação, formação,
uma expressão conclusiva. flexão (modos, formas nominais,
(A) O tempo está feio, isto é, choverá ainda esta manhã. tempos, número, pessoa e voz); locução
(B) Daqui a pouco, iremos todos ao mercado. verbal. 7) Advérbio: classificação e
(C) O tempo está feio, portanto, choverá em breve. emprego.
(D) Gabriela, a bonita garota, está cheia de alegria.
(E) Cheios de esperança, os meninos saíram alegres.

Respostas SUBSTANTIVO

01. Resposta D Substantivo é tudo o que nomeia as “coisas” em geral.


O trecho que está entre vírgulas é um aposto explicativo. Substantivo é tudo o que pode ser visto, pego ou
Ele remete-se ao termo “habitantes da mata” explicando sentido.
quem estes são. Substantivo é tudo o que pode ser precedido de artigo.

02. Resposta B Classificação e Formação


A frase apresenta um inversão de termos, sua ordem
direta seria: Os amigos informaram-nos de que a gravidez Substantivo Comum: Substantivo comum é aquele
era algo demorado, apesar de terem esquecido de nos que designa os seres de uma espécie de forma genérica. Por
avisar que demoraria tanto. exemplo: pedra, computador, cachorro, homem,
Deste modo, quando há inversão dos termos de uma caderno.
frase deve-se separá-lo por vírgulas. Substantivo Próprio: Substantivo próprio é
aquele que designa um ser específico, determinado,

20
PORTUGUÊS
individualizando-o. Por exemplo: Maxi, Londrina, cionalidade do ser. Por exemplo: brasileiro, cambuiense,
Dílson, Ester. O substantivo próprio sempre deve ser etc.
escrito com letra maiúscula.
Locução Adjetiva
Substantivo Concreto: Substantivo concreto É toda expressão formada de uma preposição mais
é aquele que designa seres que existem por si só ou um substantivo, equivalente a um adjetivo. Por exemplo,
apresentam-se em nossa imaginação como se existissem homens com aptidão (aptos), bandeira da Irlanda (irlan-
por si. Por exemplo: ar, som, Deus, computador, desa).
Ester.
Gêneros dos Adjetivos
Substantivo Abstrato: Substantivo abstrato é aquele Biformes - têm duas formas, sendo uma para o masculi-
que designa prática de ações verbais, existência no e outra para o feminino. Por exemplo, mau e má, judeu
de qualidades ou sentimentos humanos. Por e judia. Se o adjetivo é composto e biforme, ele flexiona
exemplo: saída (prática de sair), beleza (existência do no feminino somente o último elemento. Por exemplo, o
belo), saudade. motivo sócio-literário e a causa sócio-literária. Exceção =
surdo-mudo e surda-muda.
Formação dos substantivos
PRONOME
Substantivo Primitivo: É primitivo o substantivo
que não se origina de outra palavra existente na língua A palavra que acompanha (determina) ou substitui um
portuguesa. Por exemplo: pedra, jornal, gato, nome é denominada pronome. Ex.: Ana disse para sua
homem. irmã: - Eu preciso do meu livro de matemática. Você não o
encontrou? Ele estava aqui em cima da mesa.
Substantivo Derivado: É derivado o substantivo - eu substitui “Ana”
que provém de outra palavra da língua portuguesa. - meu acompanha “o livro de matemática”
Por exemplo: pedreiro, jornalista, gatarrão, - o substitui “o livro de matemática”
homúnculo. - ele substitui “o livro de matemática”

Substantivo Simples: É simples o substantivo Flexão: Quanto à forma, o pronome varia em gênero,
formado por um único radical. Por exemplo: pedra, número e pessoa:
pedreiro, jornal, jornalista.
Gênero (masculino/feminino)
Substantivo Composto: É composto o substantivo Ele saiu/Ela saiu
formado por dois ou mais radicais. Por exemplo: pedra- Meu carro/Minha casa
sabão, homem-rã, passatempo.
Número (singular/plural)
Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no Eu saí/Nós saímos
singular que indica diversos elementos de uma mesma Minha casa/Minhas casas
espécie.
- abelha - enxame, cortiço, colmeia Pessoa (1ª/2ª/3ª)
- acompanhante - comitiva, cortejo, séquito Eu saí/Tu saíste/Ele saiu
- alho - (quando entrelaçados) réstia, enfiada, Meu carro/Teu carro/Seu carro
cambada
- aluno - classe Função: O pronome tem duas funções fundamentais:
- amigo - (quando em assembleia) tertúlia
Substituir o nome: Nesse caso, classifica-se como
ADJETIVO pronome substantivo e constitui o núcleo de um grupo
nominal. Ex.: Quando cheguei, ela se calou. (ela é o núcleo
É a classe gramatical de palavras que exprimem do sujeito da segunda oração e se trata de um pronome
qualidade, defeito, origem, estado do ser. substantivo porque está substituindo um nome)

Classificação dos Adjetivos Referir-se ao nome: Nesse caso, classifica-se como


pronome adjetivo e constitui uma palavra dependente do
Explicativo - exprime qualidade própria do ser. Por grupo nominal. Ex.: Nenhum aluno se calou. (o sujeito
exemplo: neve fria. “nenhum aluno” tem como núcleo o substantivo “aluno” e
Restritivo - exprime qualidade que não é própria do ser. como palavra dependente o pronome adjetivo “nenhum”)
Ex: fruta madura.
Primitivo - não vem de outra palavra portuguesa. Por Pronomes Pessoais: São aqueles que substituem os
exemplo: bom e mau. nomes e representam as pessoas do discurso:
Derivado - tem origem em outra palavra portuguesa. 1ª pessoa - a pessoa que fala - eu/nós
Por exemplo: bondoso. 2ª pessoa - a pessoa com que se fala - tu/vós
Simples - formado de um só radical. Por exemplo: bra- 3ª pessoa - a pessoa de quem se fala - ele/ela/eles/elas
sileiro.
Composto - formado de mais de um radical. Por exem- Pronomes pessoais retos: são os que têm por
plo: franco-brasileiro. função principal representar o sujeito ou predicativo.
Pátrio - é o adjetivo que indica a naturalidade ou a na-

21
PORTUGUÊS
Pronomes pessoais oblíquos: são os que podem Pronomes Possessivos: São aqueles que indicam
exercer função de complemento. ideia de posse. Além de indicar a coisa possuída, indicam
a pessoa gramatical possuidora.

Existem palavras que eventualmente funcionam como


pronomes possessivos. Ex.: Ele afagou-lhe (seus) os
cabelos.
Pronomes Oblíquos
- Associação de pronomes a verbos: Os pronomes Pronomes Demonstrativos: Os pronomes
oblíquos o, a, os, as, quando associados a verbos demonstrativos possibilitam localizar o substantivo em
terminados em -r, -s, -z, assumem as formas lo, la, los, relação às pessoas, ao tempo, e sua posição no interior de
las, caindo as consoantes. Ex.: Carlos quer convencer seu um discurso.
amigo a fazer uma viagem; Carlos quer convencê-lo a
fazer uma viagem.
Pronomes Espaço Tempo Ao dito Enumeração
- Quando associados a verbos terminados em ditongo
nasal (-am, -em, -ão, -õe), assumem as formas no, na, nos, Perto de Presente Referente Referente
nas. Ex.: Fizeram um relatório; Fizeram-no. quem aquilo que ao último
fala (1ª ainda não elemento
- Os pronomes oblíquos podem ser reflexivos e quando pessoa). foi dito. citado em
isso ocorre se referem ao sujeito da oração. Ex.: Maria uma enume-
olhou-se no espelho; Eu não consegui controlar-me diante este, ração.
do público. esta, Ex.: Não Ex.: Neste Ex.: Esta Ex.: O
isto, gostei ano, tenho ƒϐ‹”ƒ­ ‘ homem e a
- Antes do infinitivo precedido de preposição, o estes, deste realizado me deixou mulher são
pronome usado deverá ser o reto, pois será sujeito do estas livro bons surpresa: massa-
verbo no infinitivo. Ex.: O professor trouxe o livro para aqui. negócios. gostava de crados
mim. (pronome oblíquo, pois é um complemento); O química. pela cultura
atual, mas
professor trouxe o livro para eu ler. (pronome reto, pois
esta é mais
é sujeito) oprimida.

Pronomes de Tratamento: São aqueles que Perto de Passado Referente


substituem a terceira pessoa gramatical. Alguns são quem ou futuro aquilo que
ouve (2ª próximos já foi dito.
usados em tratamento cerimonioso e outros em situações
pessoa).
de intimidade. Conheça alguns: esse,
- você (v.): tratamento familiar essa, Ex.: Não Ex.: Nesse Ex.:
- senhor (Sr.), senhora (Srª.): tratamento de respeito esses, gostei último ano, Gostava de
essas desse realizei bons química.
- senhorita (Srta.): moças solteiras
livro negócios Essa
- Vossa Senhoria (V.Sª.): para pessoa de cerimônia que está ƒϐ‹”ƒ­ ‘
- Vossa Excelência (V.Exª.): para altas autoridades em tuas me deixou
- Vossa Reverendíssima (V. Revmª.): para sacerdotes mãos. surpresa
- Vossa Eminência (V.Emª.): para cardeais
Perto Passado ou Referente
- Vossa Santidade (V.S.): para o Papa
da 3ª futuro ao primeiro
- Vossa Majestade (V.M.): para reis e rainhas pessoa, remotos elemento
- Vossa Majestade Imperial (V.M.I.): para imperadores distante citado
- Vossa Alteza (V.A.): para príncipes, princesas e duques dos em uma
interlocu- enumeração.
1- Os pronomes e os verbos ligados aos pronomes aquele, tores.
de tratamento devem estar na 3ª pessoa. Ex.: Vossa aquela,
aquilo, Ex.: Não Ex.: Tenho Ex.: O
Excelência já terminou a audiência? (nesse fragmento se gostei boas homem e a
aqueles,
está dirigindo a pergunta à autoridade) aquelas daquele recordações mulher são
2- Quando apenas nos referimos a essas pessoas, sem livro que de 1960, massacrados
que estejamos nos dirigindo a elas, o pronome “vossa” a Roberta pois naquele pela cultura
se transforma no possessivo “sua”. Ex.: Sua Excelência trouxe. ano realizei atual, mas
já terminou a audiência? (nesse fragmento não se está bons esta é mais
dirigindo a pergunta à autoridade, mas a uma terceira negócios. oprimida que
pessoa do discurso) aquele.

22
PORTUGUÊS
Pronomes Indefinidos: São pronomes que para Paris”. Antecedente: menina; Pronome relativo
acompanham o substantivo, mas não o determinam de antecedido de preposição: de quem.
forma precisa: algum, bastante, cada, certo, diferentes, Os pronomes relativos cujo, cuja sempre precedem
diversos, demais, mais, menos, muito nenhum, outro, a um substantivo sem artigo e possuem o significado
pouco, qual, qualquer, quanto, tanto, todo, tudo, um, “do qual”, “da qual”. Ex.: “O livro cujo autor não me
vários. recordo.”
Os pronomes relativos quanto(s) e quanta(s)
Algumas locuções pronominais aparecem geralmente precedidos dos pronomes
indefinidas: cada qual, qualquer um, tal e qual, seja indefinidos tudo, tanto(s), tanta(s), todos, todas. Ex.:
qual for, sejam quem for, todo aquele, quem (que), quer “Você é tudo quanto queria na vida.”
uma ou outra, todo aquele (que), tais e tais, tal qual, seja O pronome relativo onde tem sempre como
qual for. antecedente palavra que indica lugar. Ex.: “A casa onde
moro é muito espaçosa.”
Uso de alguns pronomes indefinidos: O pronome relativo que admite diversos tipos de
antecedentes: nome de uma coisa ou pessoa, o pronome
Algum: demonstrativo ou outro pronome. Ex.: “Quero agora
- quando anteposto ao substantivo dá ideia de aquilo que ele me prometeu.”
afirmação. “Algum dinheiro terá sido deixado por ela.” Os pronomes relativos, na maioria das vezes, funcionam
- quando posposto ao substantivo dá ideia de negação. como conectivos, permitindo-nos unir duas orações
“Dinheiro algum terá sido deixado por ela.” em um só período. Ex.: A mulher parece interessada. A
mulher comprou o livro. (A mulher que parece interessada
O uso desse pronome indefinido antes ou depois do comprou o livro.)
verbo está ligado à intenção do enunciador.
Pronomes Interrogativos: Os pronomes
Demais: Este pronome indefinido, muitas vezes, é interrogativos levam o verbo à 3ª pessoa e são usados
confundido com o advérbio “demais” ou com a locução em frases interrogativas diretas ou indiretas. Não existem
adverbial “de mais”. Ex.: pronomes exclusivamente interrogativos e sim que
“Maria não criou nada de mais além de uma cópia do desempenham função de pronomes interrogativos, como
quadro de outro artista.” (locução adverbial) por exemplo: que, quantos, quem, qual, etc. Ex.:
“Maria esperou-os demais.” (pronome indefinido = os “Quantos livros teremos que comprar?”; “Ele perguntou
outros) quantos livros teriam que comprar.”; “Qual foi o motivo
“Maria esperou demais.” (advérbio de intensidade) do seu atraso?”
VERBO
Todo: É usado como pronome indefinido e também
como advérbio, no sentido de completamente, mas
Quando se pratica uma ação, a palavra que representa
possuindo flexão de gênero e número, o que é raro em um essa ação e indica o momento em que ela ocorre é o verbo.
advérbio. Ex.: Exemplos:
“Percorri todo trajeto.” (pronome indefinido)
“Por causa da chuva, a roupa estava toda molhada.” - Aquele pedreiro trabalhou muito. (ação – pretérito)
(advérbio) - Venta muito na primavera. (fenômeno – presente)
- Ana ficará feliz com a tua chegada. (estado - futuro)
Cada: Possui valor distributivo e significa todo, - Maria enviuvou na semana passada. (mudança de es-
qualquer dentre certo número de pessoas ou de coisas. Ex.: tado – pretérito)
“Cada homem tem a mulher que merece”. Este pronome - A serra azula o horizonte. (qualidade – presente)
indefinido não pode anteceder substantivo que esteja em
plural (cada férias), a não ser que o substantivo venha Conjugação Verbal: Existem 3 conjugações verbais:
antecedido de numeral (cada duas férias). Pode, às vezes, - A 1ª que tem como vogal temática o ‘’a’’. Ex: cantar,
ter valor intensificador: “Mário diz cada coisa idiota!” pular, sonhar etc...
- A 2ª que tem como vogal temática o ‘’e’’. Ex: vender,
Pronomes Relativos: São aqueles que representam comer, chover, sofrer etc...
nomes que já foram citados e com os quais estão - A 3ª que tem como vogal temática o ‘’i’’. Ex: partir,
relacionados. O nome citado denomina-se antecedente do dividir, sorrir, abrir etc...
pronome relativo. Ex.: “A rua onde moro é muito escura à
noite.”; onde: pronome relativo que representa “a rua”; a 1º COJUGAÇÃO 2º COJUGAÇÃO 3º CONJUGAÇÃO
rua: antecedente do pronome “onde”. verbos terminados verbos terminados verbos terminados
em AR em ER em IR
Alguns pronomes que podem funcionar como cantar vender partir
pronomes relativos: Masculino (o qual, os quais, amar chover sorrir
quanto, quantos, cujo, cujos). Feminino (a qual, as quais, sonhar sofrer abrir
quanta, quantas, cuja, cujas). Invariável (quem, que,
onde). OBS: O verbo pôr, assim como seus derivados (com-
por, repor, depor, etc.), pertence à 2º conjugação, porque
O pronome relativo quem sempre possui como na sua forma antiga a sua terminação era em er: poer. A
antecedente uma pessoa ou coisas personificadas, vem vogal “e”, apesar de haver desaparecido do infinitivo, re-
sempre antecedido de preposição e possui o significado vela-se em algumas formas de verbo: põe, pões, põem etc.
de “o qual”. Ex.: “Aquela menina de quem lhe falei viajou

23
PORTUGUÊS
Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa são abordadas em 2 situa- Pessoal: Quando se refere às pessoas do discurso.
ções: singular e plural. Neste caso, não é flexionado nas 1ª e 3ª pessoas do singu-
Primeira pessoa do singular – eu; ex: eu canto lar e flexionadas nas demais:
Segunda pessoa do singular – tu; ex: tu cantas Falar (eu) – não flexionado
Terceira pessoa do singular – ele; ex ele: canta Falares (tu) – flexionado
Primeira pessoa do plural – nós; ex: nós cantamos Falar (ele) – não flexionado
Segunda pessoa do plural – vós; ex: vós cantais Falarmos (nós) – flexionado
Terceira pessoa do plural – eles; ex: eles cantam Falardes (voz) – flexionado
Falarem (eles) – flexionado
Tempos e Modo de Verbo
Ex: É conveniente estudares (é conveniente o estudo);
- Presente. Fato ocorrido no momento em que se É útil pesquisarmos (é útil a nossa pesquisa)
fala. Ex: Faz
- Pretérito. Fato ocorrido antes. Ex: Fez Aspecto: Aspecto é a maneira de ser ação.
- Futuro. Fato ocorrido depois. Ex: Fará
O Pretérito Perfeito Composto: indica um fato
O pretérito subdivide-se em perfeito, imperfeito e concluído, revela de certa forma a ideia de continuidade.
mais-que-perfeito. Ex: Eu tenho estudado (eu estudei até o presente momen-
- Perfeito. Ação acabada. Ex: Eu li o ultimo romance to). Os verbos invocativos (terminados em “ecer” ou “es-
de Rubens Fonseca. cer”) indica uma continuidade gradual. Ex: embranquecer
- Imperfeito. Ação inacabada no momento a que se é começar a ficar grisalho e envelhecer é ir ficando velho.
refere à narração. Ex: Ele olhava o mar durante horas e
horas. O Presente do Indicativo pode:
- Mais-que-perfeito. Ação acabada, ocorrida antes - indicar frequência. Ex: O sol nasce para todos.
de outro fato passado. Ex: Para poder trabalhar melhor, - ser empregado no lugar do futuro. Ex: amanhã vou
ela dividira a turma em dois grupos. ao teatro. (irei); Se continuam as indiretas, perco a pa-
ciência. (continuarem; perderei)
O futuro subdivide-se em futuro do presente e futuro - ser empregado no lugar do pretérito (presente histó-
do pretérito. rico). Ex: É 1939: alemães invadem o território polonês
- Futuro do Presente. Refere-se a um fato imediato (era; invadiram)
e certo. Ex: Comprarei ingressos para o teatro.
- Futuro do Pretérito. Pode indicar condição, re- O Pretérito Imperfeito do Indicativo pode:
ferindo-se a uma ação futura, vinculada a um momento - Substituir o futuro do pretérito. Ex: Se eu soubesse,
já passado. Ex: Aprenderia tocar violão, se tivesse ouvido não dizia aquilo. (diria)
para a música (indica condição); Eles gostariam de convi- - Expressar cortesia ou timidez. Ex: O senhor podia fa-
dá-la para a festa. zer o favor de me emprestar uma caneta? (pode)

Modos Verbais Futuro do Presente pode:


- Indicar probabilidade. Ex: Ele terá, no máximo, uns
- Indicativo. Apresenta o fato de manei- 70 quilos.
ra real, certa, positiva. Ex: Eu estudo geografia - Substituir o imperativo. Ex: Não matarás. (não ma-
Iremos ao cinema; Voltou para casa. tes)
- subjuntivo. Pode exprimir um desejo e apresenta
o fato como possível ou duvidoso, hipotético. Ex: Queria Tempos Simples e Tempos Compostos: Os tem-
que me levasses ao teatro; Se eu tivesse dinheiro, com- pos são simples quando formados apenas pelo verbo
praria um carro; Quando o relógio despertar, acorda-me. principal.
- Imperativo. Exprime ordem, conselho ou súplica.
Ex: Limpa a cozinha, Maria; Descanse bastante nestas fé- Indicativo:
rias; Senhor tende piedade de nós. Presente - canto, vendo, parto, etc.
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc.
As formas nominais do verbo são Três: infinitivo, Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc.
gerúndio e particípio. Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira,
etc.
Infinitivo: Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc.
Pessoal - cantar (eu), cantares (tu), vender (eu), ven- Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc.
deres (tu), partir (eu), partires (tu)
Impessoal - cantar, vender, partir. Subjuntivo:
Gerúndio - cantando, vendendo, partindo. Presente - cante, venda, parta, etc.
Particípio - cantado, vendido, partido. Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc.
Futuro - cantar, vender, partir.
Impessoal: Uma forma em que o verbo não se refe-
re a nenhuma pessoa gramatical: é o infinitivo impessoal Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o
quando não se refere às pessoas do discurso. Exemplos: fato verbal pode expressar negação ou afirmação. São,
viver é bom. (a vida é boa); É proibido fumar. (é proibido portanto, duas as formas do imperativo:
o fumo) - Imperativo Negativo: Não falem alto.
- Imperativo Afirmativo: Falem mais alto.

24
PORTUGUÊS
Imperativo negativo: É formado do presente do adjetivo acrescentando a eles uma circunstância. Por
subjuntivo. circunstância entende-se qualquer particularidade que
determina um fato, ampliando a informação nele contida.
1º 2º 3º Ex.: Antônio construiu seu arraial popular ali; Estradas
CONJUGAÇAO CONJUGAÇÃO CONJUGAÇÃO tão ruins.
CANT - AR VEND - ER PART - IR
Advérbio modificando outro advérbio: Ocorre
Não partas quando o advérbio modifica um adjetivo ou outro
Não cantes Não vendas
advérbio, geralmente intensificando o significado. Ex.:
Não parta Grande parte da população adulta lê muito mal.
Não cante Não venda
Não parta- Advérbio modificando uma oração inteira:
Não cantemos Não vendamos
mos Ocorre quando o advérbio está modificando o grupo
Não canteis Não vendais formado por todos os outros elementos da oração,
Não partais indicando uma circunstância. Ex.: Lamentavelmente o
Não cantem Não vendam Brasil ainda tem 19 milhões de analfabetos.
Não partam
Locução Adverbial: É um conjunto de palavras que
Imperativo afirmativo: Também é formado do pre- pode exercer a função de advérbio. Ex.: De modo algum
sente do subjuntivo, com exceção da 2º pessoa do singular irei lá.
e da 2º pessoa do plural, que são retiradas do presente do
indicativo sem o “s”. Ex: Canta – Cante – Cantemos – Can- Tipos de Advérbios
tai – Cantem
- de modo: Ex.: Sei muito bem que ninguém deve
O imperativo não possui a 1º pessoa do singular, pois passar atestado da virtude alheia. Bem, mal, assim,
não se prevê a ordem, o pedido ou o conselho a si mesmo. adrede, melhor, pior, depressa, acinte, debalde, devagar, ás
pressas, às claras, às cegas, à toa, à vontade, às escondas,
Tempos são compostos quando formados pelos aos poucos, desse jeito, desse modo, dessa maneira, em
auxiliares ter ou haver. geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de cor, em vão e
a maior parte dos que terminam em -mente: calmamente,
Indicativo: tristemente, propositadamente, pacientemente,
Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho amorosamente, docemente, escandalosamente,
vendido, tenho partido, etc. bondosamente, generosamente.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado,
tinha vendido, tinha partido, etc. - de intensidade: Ex.: Acho que, por hoje, você
Futuro do presente composto - terei cantado, terei ven- já ouviu bastante. Muito, demais, pouco, tão, menos,
dido, terei partido, etc. em excesso, bastante, pouco, mais, menos, demasiado,
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria quanto, quão, tanto, assaz, que (equivale a quão), tudo,
vendido, teria partido, etc. nada, todo, quase, de todo, de muito, por completo, bem
(quando aplicado a propriedades graduáveis).
Subjuntivo:
Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha - de tempo: Ex.: Leia e depois me diga quando pode
vendido, tenha partido, etc. sair na gazeta. Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora,
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse canta- amanhã, cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes,
do, tivesse vendido, tivesse partido, etc. doravante, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já,
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, tiver enfim, afinal, amiúde, breve, constantemente, entrementes,
partido, etc. imediatamente, primeiramente, provisoriamente,
sucessivamente, às vezes, à tarde, à noite, de manhã,
Infinitivo: de repente, de vez em quando, de quando em quando,
Pretérito impessoal composto - ter cantado, ter vendi- a qualquer momento, de tempos em tempos, em breve,
do, ter partido, etc. hoje em dia.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) cantado, ter
(teres) vendido, ter (teres) partido. - de lugar: Ex.: A senhora sabe aonde eu posso
Gerúndio pretérito composto - tendo cantado, tendo encontrar esse pai-de-santo? Aqui, antes, dentro, ali,
vendido, tendo partido. adiante, fora, acolá, atrás, além, lá, detrás, aquém, cá,
Regulares: Regulares são verbos que se conjugam de acima, onde, perto, aí, abaixo, aonde, longe, debaixo,
acordo com o paradigma (modelo) de cada conjugação. algures, defronte, nenhures, adentro, afora, alhures,
Cantar (1ª conjugação) vender (2ª conjugação) partir (3ª nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distancia,
conjugação) todos que se conjugarem de acordo com es- a distancia de, de longe, de perto, em cima, à direita, à
ses verbos serão regulares. esquerda, ao lado, em volta.
ADVÉRBIO - de negação: Ex.: De modo algum irei lá. Não, nem,
nunca, jamais, de modo algum, de forma nenhuma,
Palavra invariável que modifica essencialmente o tampouco, de jeito nenhum.
verbo, exprimindo uma circunstância.
Advérbio modificando um verbo ou adjetivo: - de dúvida: Ex.: Talvez ela volte hoje. Acaso,
Ocorre quando o advérbio modifica um verbo ou um

25
PORTUGUÊS
porventura, possivelmente, provavelmente, quiçá, talvez, - comparativo de inferioridade. Ex.: Chegaremos
casualmente, por certo, quem sabe. menos cedo que você.

- de afirmação: Ex.: Realmente eles sumiram. Sim, - Grau Superlativo: nesse caso, a circunstância
certamente, realmente, decerto, efetivamente, certo, expressa pelo advérbio aparecerá intensificada. O grau
decididamente, realmente, deveras, indubitavelmente. superlativo do advérbio pode ser formado tanto pelo
processo sintético (acréscimo de sufixo), como pelo
- de exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, processo analítico (outro advérbio estará indicando o grau
somente, simplesmente, só, unicamente. superlativo).
- superlativo (ou absoluto) sintético: formado com o
- de inclusão: Ex.: Emocionalmente o indivíduo acréscimo de sufixo. Ex.: Cheguei tardíssimo.
também amadurece durante a adolescência. Ainda, até, - superlativo (ou absoluto) analítico: expresso com
mesmo, inclusivamente, também. o auxilio de um advérbio de intensidade. Ex.: Cheguei
muito tarde.
- de ordem: Depois, primeiramente, ultimamente.
Quando se empregam dois ou mais advérbios
- de designação: Eis terminados em –mente, pode-se acrescentar o sufixo
apenas no ultimo. Ex.: Nada omitiu de seu pensamento;
- de interrogação: Ex.: E então? Quando é que falou clara, franca e nitidamente.
embarca? onde? (lugar), como? (modo), quando? Quando se quer realçar o advérbio, pode-se antecipá-
(tempo), porque? (causa), quanto? (preço e intensidade), lo. Ex.: Imediatamente convoquei os alunos.
para que? (finalidade).
Questões
Palavras Denotativas: Há, na língua portuguesa,
uma série de palavras que se assemelham a advérbios. 01. Assinale o par de frases em que as palavras
A Nomenclatura Gramatical Brasileira não faz nenhuma sublinhadas são substantivo e pronome, respectivamente:
classificação especial para essas palavras, por isso elas são (A) A imigração tornou-se necessária. / É dever
chamadas simplesmente de palavras denotativas. cristão praticar o bem.
- Adição: Ex.: Comeu tudo e ainda queria mais. Ainda, (B) A Inglaterra é responsável por sua economia. /
além disso. Havia muito movimento na praça.
- Afastamento: Ex.: Foi embora daqui. Embora. (C) Fale sobre tudo o que for preciso. / O consumo de
- Afetividade: Ex.: Ainda bem que passei de ano. drogas é condenável.
Ainda bem, felizmente, infelizmente. (D) Pessoas inconformadas lutaram pela abolição. /
- Aproximação: quase, lá por, bem, uns, cerca de, Pesca-se muito em Angra dos Reis.
por volta de. (E) Os prejudicados não tinham o direito de
- Designação: Ex.: Eis nosso novo carro. Eis. reclamar. / Não entendi o que você disse.
- Exclusão: Ex.: Todos irão, menos ele. Apenas, salvo,
menos, exceto, só, somente, exclusive, sequer, senão. 02. Observe as palavras grifadas da seguinte frase:
- Explicação: Ex.: Viajaremos em julho, ou seja, nas “Encaminhamos a V. Senhoria cópia autêntica do
férias. Isto é, por exemplo, a saber, ou seja. Edital nº 19/82.” Elas são, respectivamente:
- Inclusão: Ex.: Até ele irá viajar. Até, inclusive, (A) verbo, substantivo, substantivo
também, mesmo, ademais. (B) verbo, substantivo, advérbio
- Limitação: Ex.: Apenas um me respondeu. Só, (C) verbo, substantivo, adjetivo
somente, unicamente, apenas. (D) pronome, adjetivo, substantivo
- Realce: Ex.: E você lá sabe essa questão? É que, cá, (E) pronome, adjetivo, adjetivo
lá, não, mas, é porque, só, ainda, sobretudo.
- Retificação: Ex.: Somos três, ou melhor, quatro. 03. Assinale a opção em que a locução grifada tem
Aliás, isto é, ou melhor, ou antes. valor adjetivo:
- Situação: Ex.: Afinal, quem perguntaria a ele? (A) “Comprei móveis e objetos diversos que entrei a
Então, mas, se, agora, afinal. utilizar com receio.”
(B) “Azevedo Gondim compôs sobre ela dois artigos.”
Grau dos Advérbios: Os advérbios, embora (C) “Pediu-me com voz baixa cinquenta mil réis.”
pertençam à categoria das palavras invariáveis, podem (D) “Expliquei em resumo a prensa, o dínamo, as
apresentar variações com relação ao grau. Além do serras...”
grau normal, o advérbio pode-se apresentar no grau (E) “Resolvi abrir o olho para que vizinhos sem
comparativo e no superlativo. escrúpulos não se apoderassem do que era delas.”

- Grau Comparativo: quando a circunstância 04. “Saberão que nos tempos do passado o doce amor
expressa pelo advérbio aparece em relação de comparação. era julgado um crime.”
O advérbio não é flexionado no grau comparativo. Para (A) 1 preposição
indicar esse grau utilizam as formas tão…quanto, mais… (B) 3 adjetivos
que, menos…que. Pode ser: (C) 4 verbos
- comparativo de igualdade. Ex.: Chegarei tão cedo (D) 7 palavras átonas
quanto você. (E) 4 substantivos
- comparativo de superioridade. Ex.: Chegarei mais
cedo que você.

26
PORTUGUÊS
05. As expressões sublinhadas correspondem a um Oração: é todo enunciado linguístico dotado de
adjetivo, exceto em: sentido, porém há, necessariamente, a presença do verbo.
(A) João Fanhoso anda amanhecendo sem A oração encerra uma frase (ou segmento de frase), várias
entusiasmo. frases ou um período, completando um pensamento
(B) Demorava-se de propósito naquele complicado e concluindo o enunciado através de ponto final,
banho. interrogação, exclamação e, em alguns casos, através de
(C) Os bichos da terra fugiam em desabalada carreira. reticências.
(D) Noite fechada sobre aqueles ermos perdidos da Em toda oração há um verbo ou locução verbal (às
caatinga sem fim. vezes elípticos). Não têm estrutura sintática, portanto não
(E) E ainda me vem com essa conversa de homem da são orações, não podem ser analisadas sintaticamente
roça. frases como:
Socorro!
06. Em “__ como se tivéssemos vivido sempre juntos”, Com licença!
a forma verbal está no: Que rapaz impertinente!
(A) imperfeito do subjuntivo; Muito riso, pouco siso.
(B) futuro do presente composto; “A bênção, mãe Nácia!” (Raquel de Queirós)
(C) mais-que-perfeito composto do indicativo;
(D) mais-que-perfeito composto do subjuntivo; Na oração as palavras estão relacionadas entre si,
(E) futuro composto do subjuntivo. como partes de um conjunto harmônico: elas formam os
termos ou as unidades sintáticas da oração. Cada termo
07. Assinale a alternativa que completa adequadamente da oração desempenha uma função sintática. Geralmente
a frase: “___ em ti, mas nem sempre ___ dos outros”. apresentam dois grupos de palavras: um grupo sobre o
(A) creias - duvides; qual se declara alguma coisa (o sujeito), e um grupo
(B) crê - duvidas; que apresenta uma declaração (o predicado), e,
(C) creais - duvidas; excepcionalmente, só o predicado. Exemplo:
(D) creia - duvide;
(E) crê - duvides. A menina banhou-se na cachoeira.
A menina – sujeito
08. Se ele ____ (ver) o nosso trabalho _____ (fazer) banhou-se na cachoeira – predicado
um elogio.
(A) ver – fará; Choveu durante a noite. (a oração toda é predicado)
(B) visse – fará;
(C) ver – fazerá; O sujeito é o termo da frase que concorda com o verbo
(D) vir – fará; em número e pessoa. É normalmente o «ser de quem se
(E) vir – faria. declara algo”, “o tema do que se vai comunicar”.
Respostas O predicado é a parte da oração que contém “a
informação nova para o ouvinte”. Normalmente, ele se
01. Resposta E refere ao sujeito, constituindo a declaração do que se
atribui ao sujeito.
02. Resposta C
Observe: O amor é eterno. O tema, o ser de quem se
03. Resposta E declara algo, o sujeito, é “O amor”. A declaração referente
a “o amor”, ou seja, o predicado, é «é eterno».
04. Resposta E
Já na frase: Os rapazes jogam futebol. O sujeito é “Os
05. Resposta B rapazes”, que identificamos por ser o termo que concorda
em número e pessoa com o verbo “jogam”. O predicado é
06. Resposta D “jogam futebol”.

07. Resposta E Núcleo de um termo é a palavra principal (geralmente


um substantivo, pronome ou verbo), que encerra a
08. Resposta D essência de sua significação. Nos exemplos seguintes as
palavras “amigo” e “revestiu” são o núcleo do sujeito e do
predicado, respectivamente:
“O amigo retardatário do presidente prepara-se para
desembarcar.” (Aníbal Machado)
A avezinha revestiu o interior do ninho com macias
8) Análise sintática: termos da oração;
8 plumas.
estrutura do período (coordenação e
subordinação); orações. Os termos da oração da língua portuguesa são
classificados em três grandes níveis:
- Termos Essenciais da Oração: Sujeito e
Predicado.
A Análise Sintática examina a estrutura do período, - Termos Integrantes da Oração: Complemento
divide e classifica as orações que o constituem e reconhece Nominal e Complementos Verbais (Objeto Direto, Objeto
a função sintática dos termos de cada oração. indireto e Agente da Passiva).

27
PORTUGUÊS
- Termos Acessórios da Oração: Adjunto do caso reto (eu, tu, ele, etc.). Se o sujeito se refere a um
Adnominal, Adjunto Adverbial, Aposto e Vocativo. objeto da terceira pessoa, sua representação pode ser feita
através de um substantivo, de um pronome substantivo ou
Termos Essenciais da Oração: São dois os de qualquer conjunto de palavras, cujo núcleo funcione,
termos essenciais (ou fundamentais) da oração: sujeito e na sentença, como um substantivo.
predicado. Exemplos: Exemplos:

Sujeito Predicado Eu acompanho você até o guichê.


eu: sujeito = pronome pessoal de primeira pessoa
Pobreza não é vileza. Vocês disseram alguma coisa?
Os sertanistas capturavam os índios. vocês: sujeito = pronome pessoal de segunda pessoa
Marcos tem um fã-clube no seu bairro.
Um vento áspero sacudia as árvores. Marcos: sujeito = substantivo próprio
Ninguém entra na sala agora.
Sujeito: é equivocado dizer que o sujeito é aquele ninguém: sujeito = pronome substantivo
que pratica uma ação ou é aquele (ou aquilo) do qual O andar deve ser uma atividade diária.
se diz alguma coisa. Ao fazer tal afirmação estamos o andar: sujeito = núcleo: verbo substantivado nessa
considerando o aspecto semântico do sujeito (agente oração
de uma ação) ou o seu aspecto estilístico (o tópico da
sentença). Já que o sujeito é depreendido de uma análise Além dessas formas, o sujeito também pode se
sintática, vamos restringir a definição apenas ao seu papel constituir de uma oração inteira. Nesse caso, a oração
sintático na sentença: aquele que estabelece concordância recebe o nome de oração substantiva subjetiva:
com o núcleo do predicado. Quando se trata de predicado
verbal, o núcleo é sempre um verbo; sendo um predicado É difícil optar por esse ou aquele doce...
nominal, o núcleo é sempre um nome. Então têm por É difícil: oração principal
características básicas: optar por esse ou aquele doce: oração substantiva
- estabelecer concordância com o núcleo do predicado; subjetiva
- apresentar-se como elemento determinante em
relação ao predicado; O sujeito é constituído por um substantivo ou pronome,
- constituir-se de um substantivo, ou pronome ou por uma palavra ou expressão substantivada. Exemplos:
substantivo ou, ainda, qualquer palavra substantivada.
O sino era grande.
Exemplos: Ela tem uma educação fina.
Vossa Excelência agiu como imparcialidade.
A padaria está fechada hoje. Isto não me agrada.
está fechada hoje: predicado nominal
fechada: nome adjetivo = núcleo do predicado O núcleo (isto é, a palavra base) do sujeito é, pois,
a padaria: sujeito um substantivo ou pronome. Em torno do núcleo podem
padaria: núcleo do sujeito - nome feminino singular aparecer palavras secundárias (artigos, adjetivos, locuções
adjetivas, etc.) Exemplo:
Nós mentimos sobre nossa idade para você. “Todos os ligeiros rumores da mata tinham uma voz
mentimos sobre nossa idade para você: predicado para a selvagem filha do sertão.” (José de Alencar)
verbal
mentimos: verbo = núcleo do predicado O sujeito pode ser:
nós: sujeito
Simples: quando tem um só núcleo: As rosas têm
No interior de uma sentença, o sujeito é o termo espinhos; “Um bando de galinhas-d’angola atravessa a
determinante, ao passo que o predicado é o termo rua em fila indiana.”
determinado. Essa posição de determinante do sujeito em Composto: quando tem mais de um núcleo: “O
relação ao predicado adquire sentido com o fato de ser burro e o cavalo nadavam ao lado da canoa.”
possível, na língua portuguesa, uma sentença sem sujeito, Expresso: quando está explícito, enunciado: Eu
mas nunca uma sentença sem predicado. viajarei amanhã.
Exemplos: Oculto (ou elíptico): quando está implícito, isto
é, quando não está expresso, mas se deduz do contexto:
As formigas invadiram minha casa. Viajarei amanhã. (sujeito: eu, que se deduz da desinência
as formigas: sujeito = termo determinante do verbo); “Um soldado saltou para a calçada e aproximou-
invadiram minha casa: predicado = termo determinado se.” (o sujeito, soldado, está expresso na primeira oração
e elíptico na segunda: e (ele) aproximou-se.); Crianças,
Há formigas na minha casa. guardem os brinquedos. (sujeito: vocês)
há formigas na minha casa: predicado = termo Agente: se faz a ação expressa pelo verbo da voz ativa:
determinado O Nilo fertiliza o Egito.
sujeito: inexistente Paciente: quando sofre ou recebe os efeitos da ação
expressa pelo verbo passivo: O criminoso é atormentado
O sujeito sempre se manifesta em termos de sintagma pelo remorso; Muitos sertanistas foram mortos pelos
nominal, isto é, seu núcleo é sempre um nome. Quando índios; Construíram-se açudes. (= Açudes foram
esse nome se refere a objetos das primeira e segunda construídos.)
pessoas, o sujeito é representado por um pronome pessoal

28
PORTUGUÊS
Agente e Paciente: quando o sujeito realiza a ação termo determinado (ou principal). Não se trata, portanto,
expressa por um verbo reflexivo e ele mesmo sofre ou de definir o predicado como “aquilo que se diz do sujeito”
recebe os efeitos dessa ação: O operário feriu-se durante como fazem certas gramáticas da língua portuguesa,
o trabalho; Regina trancou-se no quarto. mas sim estabelecer a importância do fenômeno da
Indeterminado: quando não se indica o agente concordância entre esses dois termos essenciais da oração.
da ação verbal: Atropelaram uma senhora na esquina. Então têm por características básicas: apresentar-se como
(Quem atropelou a senhora? Não se diz, não se sabe quem elemento determinado em relação ao sujeito; apontar
a atropelou.); Come-se bem naquele restaurante. um atributo ou acrescentar nova informação ao sujeito.
Exemplos:
Observações:
- Não confundir sujeito indeterminado com sujeito Carolina conhece os índios da Amazônia.
oculto. sujeito: Carolina = termo determinante
- Sujeito formado por pronome indefinido não é predicado: conhece os índios da Amazônia = termo
indeterminado, mas expresso: Alguém me ensinará o determinado
caminho. Ninguém lhe telefonou.
- Assinala-se a indeterminação do sujeito usando- Todos nós fazemos parte da quadrilha de São
se o verbo na 3ª pessoa do plural, sem referência a João.
qualquer agente já expresso nas orações anteriores: Na sujeito: todos nós = termo determinante
rua olhavam-no com admiração; “Bateram palmas predicado: fazemos parte da quadrilha de São João =
no portãozinho da frente.”; “De qualquer modo, foi uma termo determinado
judiação matarem a moça.”
- Assinala-se a indeterminação do sujeito com um verbo Nesses exemplos podemos observar que a concordância
ativo na 3ª pessoa do singular, acompanhado do pronome é estabelecida entre algumas poucas palavras dos dois
se. O pronome se, neste caso, é índice de indeterminação termos essenciais. No primeiro exemplo, entre “Carolina” e
do sujeito. Pode ser omitido junto de infinitivos. “conhece”; no segundo exemplo, entre “nós” e “fazemos”.
Aqui vive-se bem. Isso se dá porque a concordância é centrada nas palavras
Devagar se vai ao longe. que são núcleos, isto é, que são responsáveis pela
Quando se é jovem, a memória é mais vivaz. principal informação naquele segmento. No predicado o
Trata-se de fenômenos que nem a ciência sabe núcleo pode ser de dois tipos: um nome, quase sempre
explicar. um atributo que se refere ao sujeito da oração, ou um
verbo (ou locução verbal). No primeiro caso, temos
- Assinala-se a indeterminação do sujeito deixando- um predicado nominal (seu núcleo significativo é
se o verbo no infinitivo impessoal: Era penoso carregar um nome, substantivo, adjetivo, pronome, ligado ao
aqueles fardos enormes; É triste assistir a estas cenas sujeito por um verbo de ligação) e, no segundo, um
repulsivas. predicado verbal (seu núcleo é um verbo, seguido, ou
não, de complemento(s) ou termos acessórios). Quando,
Normalmente, o sujeito antecede o predicado; todavia, num mesmo segmento o nome e o verbo são de igual
a posposição do sujeito ao verbo é fato corriqueiro em importância, ambos constituem o núcleo do predicado
nossa língua. Exemplos: e resultam no tipo de predicado verbo-nominal
É fácil este problema! (tem dois núcleos significativos: um verbo e um nome).
Vão-se os anéis, fiquem os dedos. Exemplos:
“Breve desapareceram os dois guerreiros entre as
árvores.” (José de Alencar) Minha empregada é desastrada.
“Foi ouvida por Deus a súplica do condenado.” predicado: é desastrada
(Ramalho Ortigão) núcleo do predicado: desastrada = atributo do sujeito
“Mas terás tu paciência por duas horas?” (Camilo tipo de predicado: nominal
Castelo Branco)
O núcleo do predicado nominal chama-se predicativo
Sem Sujeito: constituem a enunciação pura e do sujeito, porque atribui ao sujeito uma qualidade ou
absoluta de um fato, através do predicado; o conteúdo característica. Os verbos de ligação (ser, estar, parecer,
verbal não é atribuído a nenhum ser. São construídas com etc.) funcionam como um elo entre o sujeito e o predicado.
os verbos impessoais, na 3ª pessoa do singular: Havia
ratos no porão; Choveu durante o jogo. A empreiteira demoliu nosso antigo prédio.
Observação: São verbos impessoais: Haver (nos predicado: demoliu nosso antigo prédio
sentidos de existir, acontecer, realizar-se, decorrer), Fazer, núcleo do predicado: demoliu = nova informação
passar, ser e estar, com referência ao tempo e Chover, ventar, sobre o sujeito
nevar, gear, relampejar, amanhecer, anoitecer e outros que tipo de predicado: verbal
exprimem fenômenos meteorológicos.
Os manifestantes desciam a rua desesperados.
Predicado: assim como o sujeito, o predicado é predicado: desciam a rua desesperados
um segmento extraído da estrutura interna das orações núcleos do predicado: desciam = nova informação
ou das frases, sendo, por isso, fruto de uma análise sobre o sujeito; desesperados = atributo do sujeito
sintática. Nesse sentido, o predicado é sintaticamente o tipo de predicado: verbo-nominal
segmento linguístico que estabelece concordância com
outro termo essencial da oração, o sujeito, sendo este o Nos predicados verbais e verbo-nominais o verbo é
termo determinante (ou subordinado) e o predicado o responsável também por definir os tipos de elementos que

29
PORTUGUÊS
aparecerão no segmento. Em alguns casos o verbo sozinho “A pobreza e a preguiça andam sempre em
basta para compor o predicado (verbo intransitivo). companhia.” (Marquês de Maricá)
Em outros casos é necessário um complemento que,
juntamente com o verbo, constituem a nova informação Observações: Os verbos intransitivos podem vir
sobre o sujeito. De qualquer forma, esses complementos acompanhados de um adjunto adverbial e mesmo de
do verbo não interferem na tipologia do predicado. um predicativo (qualidade, características): Fui cedo;
Entretanto, é muito comum a elipse (ou omissão) do Passeamos pela cidade; Cheguei atrasado; Entrei
verbo, quando este puder ser facilmente subentendido, em em casa aborrecido. As orações formadas com verbos
geral por estar expresso ou implícito na oração anterior. intransitivos não podem “transitar” (= passar) para a voz
Exemplos: passiva. Verbos intransitivos passam, ocasionalmente, a
transitivos quando construídos com o objeto direto ou
“A fraqueza de Pilatos é enorme, a ferocidade indireto.
dos algozes inexcedível.” (Machado de Assis) (Está - “Inutilmente a minha alma o chora!” (Cabral do
subentendido o verbo é depois de algozes) Nascimento)
“Mas o sal está no Norte, o peixe, no Sul” (Paulo - “Depois me deitei e dormi um sono pesado.” (Luís
Moreira da Silva) (Subentende-se o verbo está depois de Jardim)
peixe) - “Morrerás morte vil da mão de um forte.”
“A cidade parecia mais alegre; o povo, mais contente.” (Gonçalves Dias)
(Povina Cavalcante) (isto é: o povo parecia mais - “Inútil tentativa de viajar o passado, penetrar no
contente) mundo que já morreu...” (Ciro dos Anjos)

Chama-se predicação verbal o modo pelo qual o Alguns verbos essencialmente intransitivos: anoitecer,
verbo forma o predicado. crescer, brilhar, ir, agir, sair, nascer, latir, rir, tremer, brincar,
Há verbos que, por natureza, tem sentido completo, chegar, vir, mentir, suar, adoecer, etc.
podendo, por si mesmos, constituir o predicado: os verbos
de predicação completa são denominados intransitivos. Transitivos Diretos: são os que pedem um
Exemplo: objeto direto, isto é, um complemento sem preposição.
Pertencem a esse grupo: julgar, chamar, nomear, eleger,
As flores murcharam. proclamar, designar, considerar, declarar, adotar, ter, fazer,
Os animais correm. etc. Exemplos:
As folhas caem. Comprei um terreno e construí a casa.
“Os inimigos de Moreiras rejubilaram.” (Graciliano “Trabalho honesto produz riqueza honrada.”
Ramos) (Marquês de Maricá)
“Então, solenemente Maria acendia a lâmpada de
Outros verbos, pelo contrário, para integrarem o sábado.” (Guedes de Amorim)
predicado necessitam de outros termos: são os verbos
de predicação incompleta, denominados transitivos. Dentre os verbos transitivos diretos merecem destaque
Exemplos: os que formam o predicado verbo nominal e se constrói
com o complemento acompanhado de predicativo.
João puxou a rede. Exemplos:
“Não invejo os ricos, nem aspiro à riqueza.” (Oto Consideramos o caso extraordinário.
Lara Resende) Inês trazia as mãos sempre limpas.
“Não simpatizava com as pessoas investidas no O povo chamava-os de anarquistas.
poder.” (Camilo Castelo Branco) Julgo Marcelo incapaz disso.

Observe que, sem os seus complementos, os verbos Observações: Os verbos transitivos diretos, em
puxou, invejo, aspiro, etc., não transmitiriam informações geral, podem ser usados também na voz passiva; Outra
completas: puxou o quê? Não invejo a quem? Não aspiro característica desses verbos é a de poderem receber
a quê? como objeto direto, os pronomes o, a, os, as: convido-o,
Os verbos de predicação completa denominam- encontro-os, incomodo-a, conheço-as; Os verbos
se intransitivos e os de predicação incompleta, transitivos diretos podem ser construídos acidentalmente
transitivos. Os verbos transitivos subdividem-se com preposição, a qual lhes acrescenta novo matiz
em: transitivos diretos, transitivos indiretos e semântico: arrancar da espada; puxar da faca; pegar de
transitivos diretos e indiretos (bitransitivos). uma ferramenta; tomar do lápis; cumprir com o dever;
Além dos verbos transitivos e intransitivos, quem Alguns verbos transitivos diretos: abençoar, achar, colher,
encerram uma noção definida, um conteúdo significativo, avisar, abraçar, comprar, castigar, contrariar, convidar,
existem os verbos de ligação que entram na formação desculpar, dizer, estimar, elogiar, entristecer, encontrar,
do predicado nominal, relacionando o predicativo com o ferir, imitar, levar, perseguir, prejudicar, receber, saldar,
sujeito. socorrer, ter, unir, ver, etc.
Quanto à predicação classificam-se, pois os verbos em:
Transitivos Indiretos: são os que reclamam um
Intransitivos: são os que não precisam de complemento regido de preposição, chamado objeto
complemento, pois têm sentido completo. indireto. Exemplos:
“Três contos bastavam, insistiu ele.” (Machado de “Ninguém perdoa ao quarentão que se apaixona por
Assis) uma adolescente.” (Ciro dos Anjos)
“Os guerreiros Tabajaras dormem.” (José de Alencar) “Populares assistiam à cena aparentemente apáticos

30
PORTUGUÊS
e neutros.” (Érico Veríssimo) O cego não vê. (intransitivo)
“Lúcio não atinava com essa mudança instantânea.” O cego não vê o obstáculo. (transitivo direto)
(José Américo)
“Do que eu mais gostava era do tempo do retiro Deram 12 horas. (intransitivo)
espiritual.” (José Geraldo Vieira) A terra dá bons frutos. (transitivo direto)

Observações: Entre os verbos transitivos indiretos Não dei com a chave do enigma. (transitivo indireto)
importa distinguir os que se constroem com os pronomes Os pais dão conselhos aos filhos. (transitivo direto e
objetivos lhe, lhes. Em geral são verbos que exigem indireto)
a preposição a: agradar-lhe, agradeço-lhe, apraz-lhe,
bate-lhe, desagrada-lhe, desobedecem-lhe, etc. Entre Predicativo: Há o predicativo do sujeito e o
os verbos transitivos indiretos importa distinguir os que predicativo do objeto.
não admitem para objeto indireto as formas oblíquas lhe,
lhes, construindo-se com os pronomes retos precedidos de Predicativo do Sujeito: é o termo que exprime um
preposição: aludir a ele, anuir a ele, assistir a ela, atentar atributo, um estado ou modo de ser do sujeito, ao qual se
nele, depender dele, investir contra ele, não ligar para ele, prende por um verbo de ligação, no predicado nominal.
etc. Exemplos:
Em princípio, verbos transitivos indiretos não A bandeira é o símbolo da Pátria.
comportam a forma passiva. Excetuam-se pagar, perdoar, A mesa era de mármore.
obedecer, e pouco mais, usados também como transitivos O mar estava agitado.
diretos: João paga (perdoa, obedece) o médico. O médico A ilha parecia um monstro.
é pago (perdoado, obedecido) por João. Há verbos
transitivos indiretos, como atirar, investir, contentar- Além desse tipo de predicativo, outro existe que entra
se, etc., que admitem mais de uma preposição, sem na constituição do predicado verbo-nominal. Exemplos:
mudança de sentido. Outros mudam de sentido com a O trem chegou atrasado. (=O trem chegou e estava
troca da preposição, como nestes exemplos: Trate de sua atrasado.)
vida. (tratar=cuidar). É desagradável tratar com gente O menino abriu a porta ansioso.
grosseira. (tratar=lidar). Verbos como aspirar, assistir, Todos partiram alegres.
dispor, servir, etc., variam de significação conforme sejam Marta entrou séria.
usados como transitivos diretos ou indiretos.
Observações: O predicativo subjetivo às vezes está
Transitivos Diretos e Indiretos: são os que preposicionado; Pode o predicativo preceder o sujeito e
se usam com dois objetos: um direto, outro indireto, até mesmo ao verbo: São horríveis essas coisas!; Que
concomitantemente. Exemplos: linda estava Amélia!; Completamente feliz ninguém
No inverso, Dona Cléia dava roupas aos pobres. é.; Raros são os verdadeiros líderes.; Quem são esses
A empresa fornece comida aos trabalhadores. homens?; Lentos e tristes, os retirantes iam passando.;
Oferecemos flores à noiva. Novo ainda, eu não entendia certas coisas.; Onde está a
Ceda o lugar aos mais velhos. criança que fui?

De Ligação: Os que ligam ao sujeito uma palavra ou Predicativo do Objeto: é o termo que se refere ao
expressão chamada predicativo. Esses verbos entram na objeto de um verbo transitivo. Exemplos:
formação do predicado nominal. Exemplos: O juiz declarou o réu inocente.
A Terra é móvel. O povo elegeu-o deputado.
A água está fria. As paixões tornam os homens cegos.
O moço anda (=está) triste. Nós julgamos o fato milagroso.
Mário encontra-se doente.
A Lua parecia um disco. Observações: O predicativo objetivo, como vemos
dos exemplos acima, às vezes vem regido de preposição.
Observações: Os verbos de ligação não servem apenas Esta, em certos casos, é facultativa; O predicativo objetivo
de anexo, mas exprimem ainda os diversos aspectos sob geralmente se refere ao objeto direto. Excepcionalmente,
os quais se considera a qualidade atribuída ao sujeito. O pode referir-se ao objeto indireto do verbo chamar.
verbo ser, por exemplo, traduz aspecto permanente e o Chamavam-lhe poeta; Podemos antepor o predicativo
verbo estar, aspecto transitório: Ele é doente. (aspecto a seu objeto: O advogado considerava indiscutíveis os
permanente); Ele está doente. (aspecto transitório). direitos da herdeira.; Julgo inoportuna essa viagem.; “E
Muito desses verbos passam à categoria dos intransitivos até embriagado o vi muitas vezes.”; “Tinha estendida
em frases como: Era (=existia) uma vez uma princesa.; a seus pés uma planta rústica da cidade.”; “Sentia ainda
Eu não estava em casa.; Fiquei à sombra.; Anda com muito abertos os ferimentos que aquele choque com o
dificuldades.; Parece que vai chover. mundo me causara.”

Os verbos, relativamente à predicação, não têm Termos Integrantes da Oração


classificação fixa, imutável. Conforme a regência e o
sentido que apresentam na frase, podem pertencer ora a Chamam-se termos integrantes da oração os que
um grupo, ora a outro. Exemplo: completam a significação transitiva dos verbos e nomes.
O homem anda. (intransitivo) Integram (inteiram, completam) o sentido da oração,
O homem anda triste. (de ligação) sendo por isso indispensável à compreensão do enunciado.
São os seguintes:

31
PORTUGUÊS
- Complemento Verbais (Objeto Direto e Objeto - Quando precisamos assegurar a clareza da frase,
Indireto); evitando que o objeto direto seja tomado como sujeito,
- Complemento Nominal; impedindo construções ambíguas: Convence, enfim,
- Agente da Passiva. ao pai o filho amado.; “Vence o mal ao remédio.”;
“Tratava-me sem cerimônia, como a um irmão.”; A qual
Objeto Direto: é o complemento dos verbos de delas iria homenagear o cavaleiro?
predicação incompleta, não regido, normalmente, de - Em expressões de reciprocidade, para garantir a
preposição. Exemplos: clareza e a eufonia da frase: “Os tigres despedaçam-se uns
As plantas purificaram o ar. aos outros.”; “As companheiras convidavam-se umas às
“Nunca mais ele arpoara um peixe-boi.” (Ferreira outras.”; “Era o abraço de duas criaturas que só tinham
Castro) uma à outra”.
Procurei o livro, mas não o encontrei. - Com nomes próprios ou comuns, referentes a pessoas,
Ninguém me visitou. principalmente na expressão dos sentimentos ou por amor
da eufonia da frase: Judas traiu a Cristo.; Amemos a
O objeto direto tem as seguintes características: Deus sobre todas as coisas. “Provavelmente, enganavam
- Completa a significação dos verbos transitivos diretos; é a Pedro.”; “O estrangeiro foi quem ofendeu a Tupã”.
- Normalmente, não vem regido de preposição; - Em construções enfáticas, nas quais antecipamos
- Traduz o ser sobre o qual recai a ação expressa por o objeto direto para dar-lhe realce: A você é que não
um verbo ativo: Caim matou Abel. enganam!; Ao médico, confessor e letrado nunca
- Torna-se sujeito da oração na voz passiva: Abel foi enganes.; “A este confrade conheço desde os seus mais
morto por Caim. tenros anos”.
- Sendo objeto direto o numeral ambos(as): “O
O objeto direto pode ser constituído: aguaceiro caiu, molhou a ambos.”; “Se eu previsse que
- Por um substantivo ou expressão substantivada: O os matava a ambos...”.
lavrador cultiva a terra.; Unimos o útil ao agradável. - Com certos pronomes indefinidos, sobretudo
- Pelos pronomes oblíquos o, a, os, as, me, te, se, nos, referentes a pessoas: Se todos são teus irmãos, por que
vos: Espero-o na estação.; Estimo-os muito.; Sílvia olhou- amas a uns e odeias a outros?; Aumente a sua felicidade,
se ao espelho.; Não me convidas?; Ela nos chama.; tornando felizes também aos outros.; A quantos a
Avisamo-lo a tempo.; Procuram-na em toda parte.; vida ilude!.
Meu Deus, eu vos amo.; “Marchei resolutamente para a - Em certas construções enfáticas, como puxar (ou
maluca e intimei-a a ficar quieta.”; “Vós haveis de crescer, arrancar) da espada, pegar da pena, cumprir com o dever,
perder-vos-ei de vista.” atirar com os livros sobre a mesa, etc.: “Arrancam das
- Por qualquer pronome substantivo: Não vi ninguém espadas de aço fino...”; “Chegou a costureira, pegou do
na loja.; A árvore que plantei floresceu. (que: objeto pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha
direto de plantei); Onde foi que você achou isso? Quando na agulha e entrou a coser.”; “Imagina-se a consternação
vira as folhas do livro, ela o faz com cuidado.; “Que teria de Itaguaí, quando soube do caso.”
o homem percebido nos meus escritos?”
Observações: Nos quatro primeiros casos estudados
Frequentemente transitivam-se verbos intransitivos, a preposição é de rigor, nos cinco outros, facultativa. A
dando-se-lhes por objeto direto uma palavra cognata ou substituição do objeto direto preposicionado pelo pronome
da mesma esfera semântica: oblíquo átono, quando possível, se faz com as formas o(s),
“Viveu José Joaquim Alves vida tranquila e patriarcal.” a(s) e não lhe, lhes: amar a Deus (amá-lo); convencer ao
(Vivaldo Coaraci) amigo (convencê-lo); O objeto direto preposicionado,
“Pela primeira vez chorou o choro da tristeza.” é obvio, só ocorre com verbo transitivo direto; Podem
(Aníbal Machado) resumir-se em três as razões ou finalidades do emprego
“Nenhum de nós pelejou a batalha de Salamina.” do objeto direto preposicionado: a clareza da frase; a
(Machado de Assis) harmonia da frase; a ênfase ou a força da expressão.
Em tais construções é de rigor que o objeto venha
acompanhado de um adjunto. Objeto Direto Pleonástico: Quando queremos
dar destaque ou ênfase à idéia contida no objeto direto,
Objeto Direto Preposicionado: Há casos em que o colocamo-lo no início da frase e depois o repetimos ou
objeto direto, isto é, o complemento de verbos transitivos reforçamos por meio do pronome oblíquo. A esse objeto
diretos, vem precedido de preposição, geralmente a repetido sob forma pronominal chama-se pleonástico,
preposição a. Isto ocorre principalmente: enfático ou redundante. Exemplos:
- Quando o objeto direto é um pronome pessoal tônico: O dinheiro, Jaime o trazia escondido nas mangas da
Deste modo, prejudicas a ti e a ela.; “Mas dona Carolina camisa.
amava mais a ele do que aos outros filhos.”; “Pareceu-me O bem, muitos o louvam, mas poucos o seguem.
que Roberto hostilizava antes a mim do que à ideia.”; “Seus cavalos, ela os montava em pêlo.” (Jorge
“Ricardina lastimava o seu amigo como a si própria.”; Amado)
“Amava-a tanto como a nós”.
- Quando o objeto é o pronome relativo quem: “Pedro Objeto Indireto: É o complemento verbal regido
Severiano tinha um filho a quem idolatrava.”; “Abraçou de preposição necessária e sem valor circunstancial.
a todos; deu um beijo em Adelaide, a quem felicitou Representa, ordinariamente, o ser a que se destina ou se
pelo desenvolvimento das suas graças.”; “Agora sabia que refere à ação verbal: “Nunca desobedeci a meu pai”. O
podia manobrar com ele, com aquele homem a quem na objeto indireto completa a significação dos verbos:
realidade também temia, como todos ali”.

32
PORTUGUÊS
- Transitivos Indiretos: Assisti ao jogo; Assistimos compositor de músicas, etc. É regido pelas mesmas
à missa e à festa; Aludiu ao fato; Aspiro a uma vida preposições usadas no objeto indireto. Difere deste apenas
calma. porque, em vez de complementar verbos, complementa
nomes (substantivos, adjetivos) e alguns advérbios em
- Transitivos Diretos e Indiretos (na voz ativa –mente. Os nomes que requerem complemento nominal
ou passiva): Dou graças a Deus; Ceda o lugar aos correspondem, geralmente, a verbos de mesmo radical:
mais velhos; Dedicou sua vida aos doentes e aos amor ao próximo, amar o próximo; perdão das injúrias,
pobres; Disse-lhe a verdade. (Disse a verdade ao moço.) perdoar as injúrias; obediente aos pais, obedecer aos
pais; regresso à pátria, regressar à pátria; etc.
O objeto indireto pode ainda acompanhar verbos de
outras categorias, os quais, no caso, são considerados Agente da Passiva: é o complemento de um verbo
acidentalmente transitivos indiretos: A bom entendedor na voz passiva. Representa o ser que pratica a ação
meia palavra basta; Sobram-lhe qualidades e recursos. expressa pelo verbo passivo. Vem regido comumente pela
(lhe=a ele); Isto não lhe convém; A proposta pareceu- preposição por, e menos frequentemente pela preposição
lhe aceitável. de: Alfredo é estimado pelos colegas; A cidade estava
cercada pelo exército romano; “Era conhecida de
Observações: Há verbos que podem construir-se com todo mundo a fama de suas riquezas.”
dois objetos indiretos, regidos de preposições diferentes:
Rogue a Deus por nós.; Ela queixou-se de mim a seu O agente da passiva pode ser expresso pelos
pai.; Pedirei para ti a meu senhor um rico presente; substantivos ou pelos pronomes:
Não confundir o objeto direto com o complemento nominal As flores são umedecidas pelo orvalho.
nem com o adjunto adverbial; Em frases como “Para mim A carta foi cuidadosamente corrigida por mim.
tudo eram alegrias”, “Para ele nada é impossível”, os Muitos já estavam dominados por ele.
pronomes em destaque podem ser considerados adjuntos
adverbiais. O agente da passiva corresponde ao sujeito da oração
na voz ativa:
O objeto indireto é sempre regido de preposição, A rainha era chamada pela multidão. (voz passiva)
expressa ou implícita. A preposição está implícita nos A multidão aclamava a rainha. (voz ativa)
pronomes objetivos indiretos (átonos) me, te, se, lhe, Ele será acompanhado por ti. (voz passiva)
nos, vos, lhes. Exemplos: Obedece-me. (=Obedece a Tu o acompanharás. (voz ativa)
mim.); Isto te pertence. (=Isto pertence a ti.); Rogo-lhe
que fique. (=Rogo a você...); Peço-vos isto. (=Peço isto Observações: Frase de forma passiva analítica sem
a vós.). Nos demais casos a preposição é expressa, como complemento agente expresso, ao passar para a ativa,
característica do objeto indireto: Recorro a Deus.; Dê isto terá sujeito indeterminado e o verbo na 3ª pessoa do
a (ou para) ele.; Contenta-se com pouco.; Ele só pensa plural: Ele foi expulso da cidade. (Expulsaram-no
em si.; Esperei por ti.; Falou contra nós.; Conto com da cidade.); As florestas são devastadas. (Devastam
você.; Não preciso disto.; O filme a que assisti agradou as florestas.); Na passiva pronominal não se declara o
ao público.; Assisti ao desenrolar da luta.; A coisa agente: Nas ruas assobiavam-se as canções dele pelos
de que mais gosto é pescar.; A pessoa a quem me refiro pedestres. (errado); Nas ruas eram assobiadas as
você a conhece.; Os obstáculos contra os quais luto são canções dele pelos pedestres. (certo); Assobiavam-se
muitos.; As pessoas com quem conto são poucas. as canções dele nas ruas. (certo)

Como atestam os exemplos acima, o objeto indireto Termos Acessórios da Oração


é representado pelos substantivos (ou expressões
substantivas) ou pelos pronomes. As preposições que o Termos acessórios são os que desempenham na oração
ligam ao verbo são: a, com, contra, de, em, para e por. uma função secundária, qual seja a de caracterizar
um ser, determinar os substantivos, exprimir alguma
Objeto Indireto Pleonástico: à semelhança do circunstância. São três os termos acessórios da oração:
objeto direto, o objeto indireto pode vir repetido ou adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.
reforçado, por ênfase. Exemplos: “A mim o que me
deu foi pena.”; “Que me importa a mim o destino de Adjunto adnominal: É o termo que caracteriza ou
uma mulher tísica...? “E, aos brigões, incapazes de se determina os substantivos. Exemplo: Meu irmão veste
moverem, basta-lhes xingarem-se à distância.” roupas vistosas. (Meu determina o substantivo irmão: é
um adjunto adnominal – vistosas caracteriza o substantivo
Complemento Nominal: é o termo complementar roupas: é também adjunto adnominal).
reclamado pela significação transitiva, incompleta, de O adjunto adnominal pode ser expresso: Pelos adjetivos:
certos substantivos, adjetivos e advérbios. Vem sempre água fresca, terras férteis, animal feroz; Pelos artigos:
regido de preposição. Exemplos: A defesa da pátria; o mundo, as ruas, um rapaz; Pelos pronomes adjetivos:
Assistência às aulas; “O ódio ao mal é amor do bem, e nosso tio, este lugar, pouco sal, muitas rãs, país cuja
a ira contra o mal, entusiasmo divino.”; “Ah, não fosse história conheço, que rua?; Pelos numerais: dois pés,
ele surdo à minha voz!” quinto ano, capítulo sexto; Pelas locuções ou expressões
adjetivas que exprimem qualidade, posse, origem, fim ou
Observações: O complemento nominal representa o outra especificação:
recebedor, o paciente, o alvo da declaração expressa por - presente de rei (=régio): qualidade
um nome: amor a Deus, a condenação da violência, o - livro do mestre, as mãos dele: posse, pertença
medo de assaltos, a remessa de cartas, útil ao homem, - água da fonte, filho de fazendeiros: origem

33
PORTUGUÊS
- fio de aço, casa de madeira: matéria O aposto não pode ser formado por adjetivos. Nas frases
- casa de ensino, aulas de inglês: fim, especialidade seguintes, por exemplo, não há aposto, mas predicativo
- homem sem escrúpulos (=inescrupuloso): do sujeito:
qualidade Audaciosos, os dois surfistas atiraram-se às ondas.
- criança com febre (=febril): característica As borboletas, leves e graciosas, esvoaçavam num
- aviso do diretor: agente balé de cores.

Observações: Não confundir o adjunto adnominal Os apostos, em geral, destacam-se por pausas,
formado por locução adjetiva com complemento nominal. indicadas, na escrita, por vírgulas, dois pontos ou
Este representa o alvo da ação expressa por um nome travessões. Não havendo pausa, não haverá vírgula, como
transitivo: a eleição do presidente, aviso de perigo, nestes exemplos:
declaração de guerra, empréstimo de dinheiro, Minha irmã Beatriz; o escritor João Ribeiro; o
plantio de árvores, colheita de trigo, destruidor de romance Tóia; o rio Amazonas; a Rua Osvaldo Cruz;
matas, descoberta de petróleo, amor ao próximo, o Colégio Tiradentes, etc.
etc. O adjunto adnominal formado por locução adjetiva “Onde estariam os descendentes de Amaro vaqueiro?”
representa o agente da ação, ou a origem, pertença, (Graciliano Ramos)
qualidade de alguém ou de alguma coisa: o discurso do O aposto pode preceder o termo a que se refere, o qual,
presidente, aviso de amigo, declaração do ministro, às vezes, está elíptico. Exemplos:
empréstimo do banco, a casa do fazendeiro, folhas de Rapaz impulsivo, Mário não se conteve.
árvores, farinha de trigo, beleza das matas, cheiro Mensageira da idéia, a palavra é a mais bela
de petróleo, amor de mãe. expressão da alma humana.
“Irmão do mar, do espaço, amei as solidões sobre
Adjunto adverbial: É o termo que exprime uma os rochedos ásperos.” (Cabral do Nascimento) (refere-se
circunstância (de tempo, lugar, modo, etc.) ou, em outras ao sujeito oculto eu).
palavras, que modifica o sentido de um verbo, adjetivo
ou advérbio. Exemplo: “Meninas numa tarde brincavam O aposto, às vezes, refere-se a toda uma oração.
de roda na praça”. O adjunto adverbial é expresso: Exemplos:
Pelos advérbios: Cheguei cedo.; Ande devagar.; Maria Nuvens escuras borravam os espaços silenciosos, sinal
é mais alta.; Não durma ao volante.; Moramos aqui.; de tempestade iminente.
Ele fala bem, fala corretamente.; Volte bem depressa.; O espaço é incomensurável, fato que me deixa atônito.
Talvez esteja enganado.; Pelas locuções ou expressões Simão era muito espirituoso, o que me levava a preferir
adverbiais: Às vezes viajava de trem.; Compreendo sem sua companhia.
esforço.; Saí com meu pai.; Júlio reside em Niterói.;
Errei por distração.; Escureceu de repente. Um aposto pode referir-se a outro aposto:
“Serafim Gonçalves casou-se com Lígia Tavares, filha
Observações: Pode ocorrer a elipse da preposição antes do velho coronel Tavares, senhor de engenho.”
de adjuntos adverbiais de tempo e modo: Aquela noite, (Ledo Ivo)
não dormi. (=Naquela noite...); Domingo que vem não
sairei. (=No domingo...); Ouvidos atentos, aproximei- O aposto pode vir precedido das expressões explicativas
me da porta. (=De ouvidos atentos...); Os adjuntos isto é, a saber, ou da preposição acidental como:
adverbiais classificam-se de acordo com as circunstâncias Dois países sul-americanos, isto é, a Bolívia e o
que exprimem: adjunto adverbial de lugar, modo, tempo, Paraguai, não são banhados pelo mar.
intensidade, causa, companhia, meio, assunto, negação, Este escritor, como romancista, nunca foi superado.
etc; É importante saber distinguir adjunto adverbial de
adjunto adnominal, de objeto indireto e de complemento O aposto que se refere a objeto indireto, complemento
nominal: sair do mar (ad.adv.); água do mar (adj.adn.); nominal ou adjunto adverbial vem precedido de
gosta do mar (obj.indir.); ter medo do mar (compl. preposição:
nom.). O rei perdoou aos dois: ao fidalgo e ao criado.
“Acho que adoeci disso, de beleza, da intensidade
Aposto: É uma palavra ou expressão que explica ou das coisas.” (Raquel Jardim)
esclarece, desenvolve ou resume outro termo da oração. De cobras, morcegos, bichos, de tudo ela tinha medo.
Exemplos:
D. Pedro II, imperador do Brasil, foi um monarca Vocativo: (do latim vocare = chamar) é o termo
sábio. (nome, título, apelido) usado para chamar ou interpelar
“Nicanor, ascensorista, expôs-me seu caso de a pessoa, o animal ou a coisa personificada a que nos
consciência.” (Carlos Drummond de Andrade) dirigimos:
“No Brasil, região do ouro e dos escravos, “Elesbão? Ó Elesbão! Venha ajudar-nos, por favor!”
encontramos a felicidade.” (Camilo Castelo Branco) (Maria de Lourdes Teixeira)
“No fundo do mato virgem nasceu Macunaíma, herói “A ordem, meus amigos, é a base do governo.”
de nossa gente.” (Mário de Andrade) (Machado de Assis)
O núcleo do aposto é um substantivo ou um pronome “Correi, correi, ó lágrimas saudosas!” (fagundes Varela)
substantivo: “Ei-lo, o teu defensor, ó Liberdade!” (Mendes Leal)
Foram os dois, ele e ela.
Só não tenho um retrato: o de minha irmã. Observação: Profere-se o vocativo com entoação
O dia amanheceu chuvoso, o que me obrigou a ficar exclamativa. Na escrita é separado por vírgula(s). No
em casa. exemplo inicial, os pontos interrogativo e exclamativo

34
PORTUGUÊS
indicam um chamado alto e prolongado. O vocativo se 06. (UFAL – Técnico de Laboratório – COPEVE/
refere sempre à 2ª pessoa do discurso, que pode ser uma UFAL/2014)
pessoa, um animal, uma coisa real ou entidade abstrata Numa noite em que voltei para casa muito bêbado de
personificada. Podemos antepor-lhe uma interjeição de uma de minhas andanças pela cidade, achei que o gato
apelo (ó, olá, eh!): evitava minha presença.
“Tem compaixão de nós , ó Cristo!” (Alexandre POE, Edgar Allan. Histórias extraordinárias. São
Herculano) Paulo: Larousse Jovem, 2005.
“Ó Dr. Nogueira, mande-me cá o Padilha, amanhã!”
(Graciliano Ramos) A oração “que o gato evitava minha presença”,
“Esconde-te, ó sol de maio, ó alegria do mundo!” sintaticamente, é
(Camilo Castelo Branco) (A) o sujeito do verbo “achar”.
(B) um complemento verbal.
O vocativo é um tempo à parte. Não pertence à (C) um complemento nominal.
estrutura da oração, por isso não se anexa ao sujeito nem (D) um predicativo.
ao predicado. (E) um aposto.
Questões
07. (UNIRIO - Analista de Tecnologia da
01. (PC-ES – Escrivão de Polícia – FUNCAB/2013) Informação - Segurança da Informação - UNIRIO)
O termo em destaque é adjunto adverbial de intensidade Texto 1
em:
(A) pode aprender e assimilar MUITA coisa Escravidão
(B) enfrentamos MUITAS novidades José Roberto Pinto de Góes
(C) precisa de um parceiro com MUITO caráter
(D) não gostam de mulheres MUITO inteligentes Uma fonte histórica importante no estudo da escravidão
(E) assumimos MUITO conflito e confusão no Brasil são os “relatos de viajantes”, geralmente de
europeus que permaneciam algum tempo no Brasil e,
02. Assinale a alternativa correta: “para todos os depois, escreviam sobre o que haviam visto (ou entendido)
males, há dois remédios: o tempo e o silêncio”, os nesses trópicos. Existem em maior número para o
termos grifados são respectivamente: século XIX. Todos se espantaram com a onipresença da
(A) sujeito – objeto direto; escravidão, dos escravos e de uma população livre, mulata
(B) sujeito – aposto; e de cor preta. O reverendo Roberto Walsh, por exemplo,
(C) objeto direto – aposto; que desembarcou no Rio de Janeiro em finais da década
(D) objeto direto – objeto direto; de 1820, deixou o seguinte testemunho: “Estive apenas
(E) objeto direto – complemento nominal. algumas horas em terra e pela primeira vez pude observar
um negro africano sob os quatro aspectos da sociedade.
03. (EEAR – Sargento Administração – Pareceu-me que em cada um deles seu caráter dependia
Aeronáutica/2014). Assinale a alternativa em que o da situação em que se encontrava e da consideração que
termo destacado é objeto indireto. tinham com ele. Como um escravo desprezado era muito
(A) “Quem faz um poema abre uma janela.” (Mário inferior aos animais de carga... soldado, o negro era
Quintana) cuidadoso com a sua higiene pessoal, acessível à disciplina,
(B) “Toda gente que eu conheço e que fala comigo / hábil em seus treinamentos, com o porte e a constituição
Nunca teve um ato ridículo / Nunca sofreu enxovalho de um homem branco na mesma situação. Como cidadão,
(...)” (Fernando Pessoa) chamava a atenção pela aparência respeitável... E como
(C) “Quando Ismália enlouqueceu / Pôs-se na torre a padre... parecia até mais sincero em suas ideias, e mais
sonhar / Viu uma lua no céu, / Viu uma lua no mar.” correto em suas maneiras, do que seus companheiros
(Alphonsus de Guimarães) brancos”.
(D) “Mas, quando responderam a Nhô Augusto: Em apenas algumas horas caminhando pelo Rio de
‘– É a jagunçada de seu Joãozinho Bem-Bem, que está Janeiro, Walsh pôde ver, pela primeira vez (quantos
descendo para a Bahia.’ – ele, de alegre, não se pôde lugares o reverendo terá visitado?), indivíduos de cor
conter.” (Guimarães Rosa) preta desempenhando diversos papéis: escravo, soldado,
cidadão e padre. Isso acontecia porque a alforria era muito
04. “Recebeu o prêmio o jogador que fez o gol”. Nessa mais recorrente aqui do que em outras áreas escravistas
frase o sujeito de “fez”? da América, coisa que singularizou em muito a nossa
(A) o prêmio; história.
(B) o jogador; Robert Walsh escreveu que os escravos eram inferiores
(C) que; aos animais de carga. Se quis dizer com isso que eram
(D) o gol; tratados e tidos como tal, acertou apenas pela metade.
(E) recebeu. Tratados como animais de carga eram mesmo, aos
olhos do reverendo e aos nossos, de hoje em dia. Mas
05. Assinale a alternativa correspondente ao período é muito improvável que tenha sido esta a percepção
onde há predicativo do sujeito: dos proprietários de escravos. Não era. Eles sabiam que
(A) como o povo anda tristonho! lidavam com seres humanos e não com animais. Com
(B) agradou ao chefe o novo funcionário; animais tudo é fácil. A um cavalo, se o adestra. A outro
(C) ele nos garantiu que viria; homem, faz-se necessário convencê-lo, todo santo dia, a
(D) no Rio não faltam diversões; se comportar como escravo. O chicote, o tronco, os ferros,
(E) o aluno ficou sabendo hoje cedo de sua aprovação. o pelourinho, a concessão de pequenos privilégios e a

35
PORTUGUÊS
esperança de um dia obter uma carta de alforria ajudaram -- Mas, senhora, apesar de tudo isso, que sou eu mais do
o domínio senhorial no Brasil. Mas, me valendo mais uma que uma simples escrava? Essa educação, que me deram,
vez de Joaquim Nabuco, o que contava mesmo, como ele e essa beleza, que tanto me gabam, de que me servem?...
disse, era a habilidade do senhor em infundir o medo, o são trastes de luxo colocados na senzala do africano. A
terror, no espírito do escravo. senzala nem por isso deixa de ser o que é: uma senzala.
O medo também era um sentimento experimentado -- Queixas-te da tua sorte, Isaura?...
pelos senhores, pois a qualquer hora tudo poderia ir pelos -- Eu não, senhora; não tenho motivo... o que quero
ares, seja pela sabotagem no trabalho (imagine um canavial dizer com isto é que, apesar de todos esses dotes e
pegando fogo ou a maquinaria do engenho quebrada), vantagens, que me atribuem, sei conhecer o meu lugar.
seja pelo puro e simples assassinato do algoz. Assim, uma
espécie de acordo foi o que ordenou as relações entre Fonte: GUIMARÃES, Bernardo. A Escrava Isaura. [1ª
senhores e escravos. Desse modo, os escravos puderam ed. 1875]. Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro .
estabelecer limites relativos à proteção de suas famílias, Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/
de suas roças e de suas tradições culturais. Quando essas download/texto/bv000057.pdf. Acesso em ago.2012
coisas eram ignoradas pelo proprietário, era problema na
certa, que resultava quase sempre na fuga dos cativos. Texto 3
A contar contra a sorte dos escravos, porém, estava o Cotas: continuidade da Abolição
tráfico transatlântico intermitente, jogando mais e mais Eloi Ferreira de Araújo
estrangeiros, novatos, na população escrava. O tráfico
tornava muito difícil que os limites estabelecidos pelos Sancionada em 13 de maio de 1888, a Lei Áurea foi
escravos à volúpia senhorial criassem raízes e virasse um responsável pela libertação de cerca de um milhão de
costume incontestável. escravos ainda existentes no País. Representou a longa
campanha abolicionista de mais de 380 anos de lutas. No
Fonte: GÓES, José Roberto Pinto de. Escravidão. entanto, aos ex-cativos não foram assegurados os benefícios
[fragmento]. Biblioteca Nacional, Rede da Memória dados aos imigrantes, que tiveram a proteção especial do
Virtual Brasileira. Disponível em http://bndigital.bn.br/ Estado Imperial e mais tarde da República. Foram mais
redememoria/escravidao.html. Acesso em ago. 2012. de 122 anos desde a abolição, sem que nenhuma política
pública propiciasse a inclusão dos negros na sociedade, os
Texto 2 quais são cerca de 52% da população brasileira.
A primeira lei que busca fazer com que o Estado
A escrava Isaura brasileiro inicie a longa caminhada para a construção da
Bernardo Guimarães igualdade de oportunidades entre negros e não negros
Malvina aproximou-se de manso e sem ser pressentida só veio a ser sancionada, em 2010, depois de dez anos
para junto da cantora, colocando-se por detrás dela de tramitação. Trata-se do Estatuto da Igualdade Racial,
esperou que terminasse a última copla. que oferece as possibilidades, através da incorporação
-- Isaura!... disse ela pousando de leve a delicada das ações afirmativas ao quadro jurídico nacional, de
mãozinha sobre o ombro da cantora. reparar as desigualdades que experimentam os pretos e
-- Ah! é a senhora?! - respondeu Isaura voltando-se pardos. Este segmento que compõe a nação tem em sua
sobressaltada. ascendência aqueles que, com o trabalho escravo, foram
-- Não sabia que estava aí me escutando. responsáveis pela pujança do capitalismo brasileiro, bem
-- Pois que tem isso?.., continua a cantar... tens a voz como são contribuintes marcantes da identidade nacional.
tão bonita!... mas eu antes quisera que cantasses outra Ressalte-se que não há correspondência na apropriação dos
coisa; por que é que você gosta tanto dessa cantiga tão bens econômicos e culturais por parte dos descendentes
triste, que você aprendeu não sei onde?... de africanos na proporção de sua contribuição para o País.
-- Gosto dela, porque acho-a bonita e porque... ah! não O Supremo Tribunal Federal foi instado a decidir
devo falar... sobre a adoção de cotas para pretos e pardos no ensino
-- Fala, Isaura. Já não te disse que nada me deves superior público, e também no privado, na medida em
esconder, e nada recear de mim?... que o ProUni foi também levado a julgamento. A mais
-- Porque me faz lembrar de minha mãe, que eu não alta Corte do país decidiu que estas ações afirmativas
conheci, coitada!... Mas se a senhora não gosta dessa são constitucionais. Estabeleceu assim, uma espécie
cantiga, não a cantarei mais. Não gosto que a cantes, de artigo 2º na Lei Áurea, para assegurar o ingresso de
não, Isaura. Hão de pensar que és maltratada, que és pretos e pardos nas universidades públicas brasileiras, e
uma escrava infeliz, vítima de senhores bárbaros e cruéis. reconheceu a constitucionalidade também do ProUni. (...)
Entretanto passas aqui uma vida que faria inveja a muita O Brasil tem coragem de olhar para o passado e lançar
gente livre. Gozas da estima de teus senhores. Deram-te sem medo as sementes de construção de um novo futuro.
uma educação, como não tiveram muitas ricas e ilustres Desta forma, podemos interpretar que tivemos o fim
damas que eu conheço. És formosa, e tens uma cor linda, da escravidão como o artigo primeiro do marco legal.
que ninguém dirá que gira em tuas veias uma só gota de A educação com aprovação das cotas para ingresso no
sangue africano. Bem sabes quanto minha boa sogra antes ensino superior como o artigo segundo. Ainda faltam
de expirar te recomendava a mim e a meu marido. Hei de mais dispositivos que assegurem a terra e o trabalho com
respeitar sempre as recomendações daquela santa mulher, funções qualificadas. Daí então, em poucas décadas, e
e tu bem vês, sou mais tua amiga do que tua senhora. Oh! com a implementação das ações afirmativas, teremos de
não; não cabe em tua boca essa cantiga lastimosa, que fato um Estado verdadeiramente democrático, em que
tanto gostas de cantar. -- Não quero, -- continuou em tom todos, independentemente da cor da sua pele ou da sua
de branda repreensão, -- não quero que a cantes mais, etnia, poderão fruir de bens econômicos e culturais em
ouviste, Isaura?... se não, fecho-te o meu piano. igualdade de oportunidades.

36
PORTUGUÊS
Fonte: Governo Federal. Fundação Cultural Palmares. o substantivo “espinhos” tem, respectivamente, função
Disponível em http://www.palmares.gov.br/cotas- sintática de,
continuidade-da-abolicao/. Acesso em ago. 201 (A) objeto direto/objeto direto.
(B) sujeito/objeto direto.
O tráfico tornava muito difícil que os limites (C) objeto direto/sujeito.
estabelecidos pelos escravos à volúpia senhorial criassem (D) objeto direto/objeto indireto.
raízes e virasse um costume incontestável (E) sujeito/objeto indireto.
[Texto 1]
Respostas
No período acima, a função sintática do adjetivo
grifado é: 01. Resposta D
(A) Sujeito Os advérbios modificam os verbos, os adjetivos ou
(B) Objeto direto outros advérbios e são invariáveis.
(C) Predicativo do sujeito. Alternativa A – Muita modifica o substantivo: coisa
(D) Complemento nominal Alternativa B – Muitas é um pronome adjetivo que
(E) Predicativo do objeto direto modifica o substantivo novidades
Alternativa C – Muito está modificando o substantivo
08. (TJ/SP - Assistente Social - VUNESP/2012) caráter
Alternativa D – Muito é um advérbio de intensidade
Nas últimas três décadas, as milícias, organizações que modifica o adjetivo inteligentes
criminosas lideradas por policiais e ex- policiais, vêm se Alternativa E – Muito é um pronome adjetivo que
alastrando no Rio de Janeiro. Elas avançaram sobre os modifica o substantivo conflito
domínios do tráfico, passaram a comandar territórios da
cidade e consolidaram seu poder à base do assistencialismo 02. Resposta C
e do medo. Como têm centenas de milhares de pessoas O verbo haver (sentido de existir) é transitivo direto,
sob seu jugo, essas gangues de farda ganham força em seu complemento é o objeto direto que na frase apresenta-
períodos eleitorais, quando são procuradas por candidatos se por “dois remédios”.
em busca de apoio, arbitram sobre quem faz campanha “O tempo e o silêncio” é o aposto explicativo de dois
em seu pedaço e lançam nomes egressos de suas próprias remédios.
fileiras.
03. Resposta D
(Veja, 26.09.2012. Adaptado) O verbo responder é transitivo indireto, responder
a alguém ou a alguma coisa, seu completo é o objeto
Sabendo que o aposto é empregado para precisar, indireto que nesta frase expressa-se por “a Nhô Augusto”.
explicar um termo antecedente, assinale a alternativa
contendo passagem do texto com essa função. 04. Resposta C
(A) …quem faz campanha em seu pedaço… Na frase há duas orações:
(B) …nomes egressos de suas próprias fileiras. Oração 1: O jogador recebeu o prêmio.
(C) …centenas de milhares de pessoas sob seu jugo… Oração 2: que fez o gol.
(D) …quando são procuradas por candidatos em busca Na primeira oração, o sujeito do verbo “recebeu” é
de apoio… “jogador”.
(E) …organizações criminosas lideradas por policiais Na segunda, o sujeito do verbo “fez” ´é o pronome
e ex-policiais… relativo “que” que retorna ao sujeito “jogador” da primeira
oração.
09. (TJ-PA - MÉDICO PSIQUIATRA - VUNESP -
2014) Assinale a alternativa em que a seguinte passagem 05. Resposta A
– Mas o vento foi mais ágil e o papel se perdeu. (terceiro O verbo “anda” exprime na frase um estado do sujeito, o
parágrafo) – está reescrita com o acréscimo de um termo estado de “tristonho”, deste modo, o vocábulo “tristonho”
que estabelece uma relação de conclusão, consequência, é o predicativo do sujeito.
entre as orações.
(A) mas o vento foi mais ágil e, contudo, o papel se 06. Resposta B
perdeu. A oração “que o gato evitava minha presença” completa
(B) mas o vento foi mais ágil e, assim, o papel se o sentido do verbo “achei”, portanto, é um complemento
perdeu. verbal.
(C) mas o vento foi mais ágil e, todavia, o papel se
perdeu 07. Resposta E
(D) mas o vento foi mais ágil e, entretanto, o papel se O predicativo do objeto é o termo da oração que
perdeu. complementa e caracteriza, principalmente, o objeto
(E) mas o vento foi mais ágil e, porém, o papel se direto, atribuindo-lhe uma qualidade. Pode caracterizar
perdeu. também o objeto indireto, sendo contudo mais raro,
apenas utilizado com o verbo chamar. Aparece apenas
10. (CASAL/AL - ADMINISTRADOR DE REDE - com o predicado verbo-nominal.
COPEVE/UFAL/2014) Na afirmação abaixo, de Padre A função de predicativo do objeto pode ser
Vieira, desempenhada:
“O trigo não picou os espinhos, antes os espinhos o - Por um adjetivo ou uma locução adjetiva:
picaram a ele... Cuidais que o sermão vos picou a vós”

37
PORTUGUÊS
Exemplos: (artigo, numeral, pronome adjetivo) concordam em
Ele a viu sorridente. gênero e número com o nome a que se referem.
Todos acusaram-no de desmotivado.
- Por um substantivo: Esta / observação / curta / desfaz o equívoco.

Exemplos: Esta (pronome adjetivo – feminino – singular)


A direção elegeu-o presidente. observação (substantivo – feminino – singular)
Todos chamam-lhe mãe. curta (adjetivo – feminino – singular)

Exemplos de predicativo do objeto direto: - Um só adjetivo qualificando mais de um


Nós consideramos esta funcionária dispensável. substantivo.
Ontem vi minha vizinha muito preocupada.
Adjetivo posposto: quando um mesmo adjetivo qualifica
Exemplos de predicativo do objeto indireto: dois ou mais substantivos e vem depois destes, há duas
Eu chamei-lhe de falsa. construções:
Os alunos chamaram-lhe incompetente.
1- o adjetivo vai para o plural: Agia com calma e
08. Resposta E pontualidade britânicas.
APOSTO: 2- o adjetivo concorda com o substantivo mais próximo:
É o termo da oração que se refere a um substantivo, a Agia com calma e pontualidade britânica.
um pronome ou a uma oração, para explicá-los, ampliá-
los, resumi-los ou identificá-los. Mais comumente o aposto Sempre que se optar pelo plural, é preciso notar o
é marcado por uma pausa entre o termo que se refere, seguinte: se entre os substantivos houver ao menos um no
mas não é regra geral. masculino, o adjetivo assumirá a terminação do masculino:
Exemplos: Fez tudo com entusiasmo e paixão arrebatadores.
Àquela hora a avenida Brasil estava intransitável. Quando o adjetivo exprime uma qualidade tal que só
O resto, isto é, as louças, os cristais e os talheres, irá cabe ao último substantivo, é óbvio que a concordância
nas caixas menores. obrigatoriamente se efetuará com este último:
Alimentavam-se de arroz e carne bovina.
09.. Resposta B
Nas alternativas A, C, D e E são apresentadas conjunções Adjetivo anteposto: quando um adjetivo qualifica dois
adversativas – que nos dão ideia contrária à apresentada ou mais substantivos e vem antes destes, concorda com
anteriormente; já na B, temos uma conjunção conclusiva o substantivo mais próximo: Escolhestes má ocasião e
(assim). lugar.

10. Resposta C Quando o adjetivo anteposto aos substantivos


Analisemos: O trigo não picou quem? Resposta: os funcionar como predicativo, pode concordar com o mais
espinhos = objeto direto (sem preposição) próximo ou ir para o plural:
...antes os espinhos o picaram a ele = os espinhos, Estava quieta a casa, a vila e o campo.
aqui, praticam a ação, ou seja, funcionam como sujeito Estavam quietos a casa, a vila e o campo.
da oração. Temos, então: objeto direto e sujeito,
respectivamente. - Verbo ser + adjetivo: Nos predicados nominais
em que ocorre o verbo ser mais um adjetivo, formando
expressões do tipo é bom, é claro, é evidente, etc., há duas
construções possíveis:

1- se o sujeito não vem precedido de nenhum


modificador, tanto o verbo quanto o adjetivo ficam
9) Sintaxe: concordância verbal e invariáveis: Pizza é bom; É proibido entrada.
nominal; regência verbal e nominal. 2- se o sujeito vem precedido de modificador, tanto o
verbo quanto o predicativo concordam regularmente: A
pizza é boa; É proibida a entrada.
Concordância Nominal e Verbal
- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há
Concordância é o mecanismo pelo qual algumas palavras que ora têm função de advérbio, ora de adjetivo.
palavras alteram suas terminações para adequar- Quando funcionam como advérbio são invariáveis: Há
se à terminação de outras palavras. Em português, ocasiões bastante oportunas.
distinguimos dois tipos de concordância: nominal, que Quando funcionam como adjetivo, concordam com
trata das alterações do artigo, do numeral, dos pronomes o nome a que se referem: Há bastantes razões para
adjetivos e dos adjetivos para concordar com o nome a confiarmos na proposta.
que se referem, e verbal, que trata das alterações do Estão nesta classificação palavras como pouco, muito,
verbo, para concordar com o sujeito. bastante, barato, caro, meio, longe, etc.

Concordância Nominal - Expressões “anexo” e “obrigado”: são palavras


adjetivas e, como tais, devem concordar com o nome a
- Regra Geral: o adjetivo e as palavras adjetivas que se referem. Exemplos:

38
PORTUGUÊS
Seguem anexas as listas de preços. (C) Houve ____ razões para eu não voltar lá. (bastante/
Seguem anexos os planos de aula. bastantes)
Muito obrigado, disse ele. (D) Encontrei ____ a sala e os quartos. (vazia/vazios)
Muito obrigada, disse ela. (E) A dona do imóvel ficou ____ desiludida com o
Obrigadas, responderam as cantoras da banda. inquilino. (meio/ meia)

Podemos colocar sob a mesma regra palavras como 04. “Na reunião do Colegiado, não faltou, no momento
incluso, quite, leso, mesmo e próprio. em que as discussões se tornaram mais violentas,
argumentos e opiniões veementes e contraditórias.” No
1- Alerta e menos são sempre invariáveis: trecho acima, há uma infração as normas de concordância.
Estamos alerta. (A) Reescreva-o com devida correção.
Há situações menos complicadas. (B) Justifique a correção feita.
Há menos pessoas no local.
05. Reescrever as frases abaixo, corrigindo-as quando
2- Em anexo é sempre invariável: necessário.
Seguem, em anexo, as fotografias. (A) “Recebei, Vossa Excelência, os processos de nossa
estima, pois não podem haver cidadãos conscientes sem
- Expressões só e sós: quando equivale a somente, educação.”
é advérbio e invariável; quando equivale a sozinho, é (B) “Os projetos que me enviaram estão em ordem;
adjetivo e variável. devolvê-los-ei ainda hoje, conforme lhes prometi.”
Só eles não concordam.
Eles saíram sós. 06. Como no exercício anterior.
(A) “Ele informou aos colegas de que havia perdido os
A expressão a sós é invariável: Gostaria de ficar a sós documentos cuja originalidade duvidamos.”
por uns momentos. (B) “Depois de assistir algumas aulas, eu preferia mais
Questões ficar no pátio do que continuar dentro da classe.”

01. (PREFEITURA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO 07. (TJ/SP – PSICÓLOGO – VUNESP) Assinale a
EM SAÚDE – LABORATÓRIO – VUNESP/2014) Se alternativa em que a concordância nominal está de acordo
usadas no plural as palavras destacadas nas frases – Talvez com a norma-padrão.
seja programa de quem vive em uma cidade cinzenta, na (A) Ainda não identificada pela polícia, as pessoas
qual é difícil enxergar o céu. / Duvido que exista paisagem responsáveis pelo assalto estão à solta.
dominical mais urbana. – elas assumem versão correta em (B) Já foi divulgado na mídia alguma coisa a respeito
(A) Talvez seja programa de quem vive em cidades do acidente?
cinzenta na qual é difícil enxergar o céu./ Duvido que (C) Vê-se que ficou assegurado à família a guarda do
exista paisagens dominical mais urbanas. menor.
(B) Talvez seja programa de quem vive em cidades (D) Se foi incluso no contrato, a cláusula não pode ser
cinzentas, nas quais é difícil enxergar o céu./ Duvido que desconsiderada.
exista paisagens dominicais mais urbanas. (E) Fica claro que o problema atinge os setores público
(C) Talvez seja programa de quem vive em cidades e privado.
cinzentas, na qual é difícil enxergar o céu./ Duvido que
existam paisagens dominicais mais urbana. Respostas
(D) Talvez seja programa de quem vive em cidades
cinzentas, nas quais são difíceis enxergar o céu./ Duvido 01. Resposta E
que existam paisagens dominical mais urbana. Reescrevendo a passagem no plural:
(E) Talvez seja programa de quem vive em cidades Talvez seja programa de quem vive em cidades
cinzentas, nas quais é difícil enxergar o céu./ Duvido que cinzentas, nas quais é difícil enxergar o céu. / Duvido que
existam paisagens dominicais mais urbanas. existam paisagens dominicais mais urbanas.

02. (PREFEITURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ/ 02. Resposta C


SC – GUARDA MUNICIPAL – FEPESE/2014) Assinale (A) Ela mesmo (mesma) fez a entrega da encomenda.
a alternativa correta quanto à concordância nominal. (B) Estou meia (meio) preocupada, disse a jovem
(A) Ela mesmo fez a entrega da encomenda. senhora ao seu colega de trabalho.
(B) Estou meia preocupada, disse a jovem senhora ao (C) É proibida a entrada de mercadorias ilegais nesta
seu colega de trabalho. cidade. = correta
(C) É proibida a entrada de mercadorias ilegais nesta (D) “Muito obrigado”, (obrigada) respondeu-me
cidade. aquela senhora.
(D) “Muito obrigado”, respondeu-me aquela senhora. (E) Custou (custaram) muito caro, naquele contexto,
(E) Custou muito caro, naquele contexto, as despesas as despesas assumidas pelo casal. (caro –quando advérbio
assumidas pelo casal. é invariável; quando adjetivo, concorda com o substantivo.
Por exemplo: As calças custaram caro. As roupas estavam
03. Complete os espaços com um dos nomes colocados caras).
nos parênteses.
(A) Será que é ____ essa confusão toda? (necessário/
necessária)
(B) Quero que todos fiquem ____. (alerta/ alertas)

39
PORTUGUÊS
03. a) necessária b) alerta c) bastantes d) - Sujeito composto posposto ao verbo: quando o
vazia e) meio sujeito composto vem depois do verbo, há duas construções
igualmente certas.
04. a) “Na reunião do colegiado, não faltaram, no
momento em que as discussões se tornaram mais violentas, 1- o verbo vai para o plural: Brilhavam o sol e a lua.
argumentos e opiniões veementes e contraditórias.” 2- o verbo concorda com o núcleo mais próximo:
b) Concorda com o sujeito “argumentos e opiniões”. Brilhava o sol e a lua.

05. a) “Receba, Vossa Excelência, os protestos de Quando, porém, o sujeito composto vem posposto e
nossa estima, pois não pode haver cidadãos conscientes o núcleo mais próximo está no plural, o verbo só pode,
sem a educação.” obviamente, ir para o plural: Já chegaram as revistas
b) A frase está correta. e o jornal.

06. a) “Ele informou aos colegas que havia perdido - Sujeito composto de pessoas gramaticais
(ou: ele informou os colegas de que havia perdido os diferentes: quando o sujeito composto é formado de
documentos de cuja originalidade duvidamos.” pessoas gramaticais diferentes, o verbo vai para o plural,
b) “Depois de assistir algumas aulas, eu preferia sempre na pessoa gramatical de número mais baixo.
ficar no pátio a continuar dentro da classe.” Assim, quando ocorrer:
1ª e 2ª – o verbo vai para a 1ª do plural.
07. Resposta E 2ª e 3ª – o verbo vai para a 2ª do plural.
(A) Ainda não identificada pela polícia, as pessoas 1ª e 3ª – o verbo vai para a 1ª do plural.
responsáveis pelo assalto estão à solta.
Correto : identificadas Eu, tu e ele ficaremos aqui.
(B) Já foi divulgado na mídia alguma coisa a respeito
do acidente? Quando o sujeito é formado pelo pronome tu mais uma
Correto: divulgada 3ª pessoa, o verbo pode ir também para a 3ª pessoa do
(C) Vê-se que ficou assegurado à família a guarda do plural. Isto se deve à baixa frequência de uso da segunda
menor. pessoa do plural: Tu e ele chegaram (ou chegastes) a
Correto: assegurada tempo.
(D) Se foi incluso no contrato, a cláusula não pode ser
desconsiderada. - Verbo acompanhado do pronome se
Correto: inclusa apassivador: quando o pronome se funciona como
(E) Fica claro que o problema atinge os setores público partícula apassivadora, o verbo concorda regularmente
e privado. com o sujeito, que estará sempre presente na oração.
Concordância Verbal Vende-se apartamento.
Vendem-se apartamentos.
- Regra Geral: o verbo concorda com seu sujeito em
pessoa e número. - Verbo acompanhado do pronome se
Eu contarei convosco. indicador de indeterminação do sujeito: quando
Tu estavas enganado. a indeterminação do sujeito é marcada pelo pronome se,
Os alunos saíram tarde. o verbo fica necessariamente no singular: Precisa-se de
reforços (sujeito indeterminado).
- Sujeito composto anteposto ao verbo: quando
o sujeito composto vem anteposto ao verbo, este vai para o - Verbos dar, bater, soar: na indicação de horas,
plural: O sol e a lua brilhavam. Há casos em que, mesmo concordam com a palavra horas, que é o sujeito dos
com o sujeito composto anteposto, justifica-se o singular. respectivos verbos.
Isto ocorre basicamente em três situações: Bateram dez horas.
1- quando o sujeito é formado de palavras sinônimas Soou uma hora.
ou que formam unidade de sentido: A coragem e o
destemor fez dele um herói. É bom notar que, no mesmo Pode ser que o sujeito deixe de ser o número das horas
caso, vale também o plural. O singular, aqui, talvez se e passe a ser outro elemento da oração, o instrumento
explique pela facilidade que temos em juntar, numa só que bate as horas, por exemplo. No caso, a concordância
unidade, conceitos sinônimos. mudará: O relógio bateu dez horas.
2- quando o sujeito é formado por núcleos dispostos em - Sujeito coletivo: quando o sujeito é formado
gradação (ascendente ou descendente): Uma palavra, por um substantivo coletivo no singular, o verbo fica no
um gesto, um mínimo sinal bastava. No mesmo caso, singular, concordando com a forma do substantivo e não
cabe também o plural. A construção com o verbo no com a ideia: A multidão aplaudiu o orador. Nesse caso,
singular é compreensível: nas sequências gradativas, o pode ocorrer também o plural em duas situações:
último elemento é sempre mais enfático, o que leva o
verbo a concordar com ele. 1- quando o coletivo vier distanciado do verbo: O povo,
3- quando o sujeito vem resumido por palavras como apesar de toda a insistência e ousadia, não conseguiram
alguém, ninguém, cada um, tudo, nada: Alunos, mestres, evitar a catástrofe.
diretores, ninguém faltou. Aqui não ocorre plural. É que 2- quando o coletivo, antecipado ao verbo, vier seguido
o valor sintetizante do pronome (ninguém) é tão marcante de um adjunto adnominal no plural: A multidão dos
que só nos fica a ideia do conjunto e não das partes que peregrinos caminhavam lentamente.
o compõem.

40
PORTUGUÊS
- Nomes próprios plurais: quando o sujeito é concorda com o numeral que se segue à expressão.
formado por nomes próprios de lugar que só têm a forma Mais de um aluno saiu.
plural, há duas construções: Mais de dois alunos saíram.
Mais de dois casos ocorreram.
1- se tais nomes vierem precedidos de artigo, o verbo
concordará com o artigo. Com a expressão mais de um pode ocorrer o plural em
Os Estados Unidos progrediram muito. duas situações:
O Amazonas corre volumoso pela floresta.
1- quando o verbo dá ideia de ação recíproca: Mais de
2- se tais nomes não vierem precedidos de artigo, o um veículo se entrechocaram.
verbo ficará sempre no singular: Ø Minas Gerais elegeu 2- quando a expressão mais de vem repetida: Mais
seu senador. de um padre, mais de um bispo estavam presentes.

Quanto aos títulos de livros e nomes de obras, mesmo - Expressões um e outro, nem um nem outro:
precedidos de artigo, são admissíveis duas construções: quando o sujeito é formado pelas expressões um e outro,
Os lusíadas foi a glória das letras lusitanas. nem um nem outro, o verbo fica no singular ou plural.
Os lusíadas foram a glória das letras lusitanas. Nem um nem outro concordou.
Nem um nem outro concordaram.
- Sujeito constituído pelo pronome relativo
que: quando o sujeito for o pronome relativo que, o O substantivo que segue a essas expressões deve ficar
verbo concorda com o antecedente desse pronome. no singular: Uma e outra coisa me atrai.
Fui eu que prometi. Quando núcleos de pessoas diferentes vêm precedidos
Foste tu que prometeste. de nem, o mais usual é o verbo no plural, na pessoa
Foram eles que prometeram. gramatical prioritária (a de número mais baixo): Nem eu
nem ele faltamos com a palavra.
- Sujeito constituído pelo pronome relativo
quem: quando o sujeito de um verbo for o pronome - Sujeito constituído por pronome de
relativo quem, há duas construções possíveis: tratamento: quando o sujeito é formado por pronomes
de tratamento, o verbo vai sempre para a 3ª pessoa
1- o verbo fica na 3ª pessoa do singular, concordando (singular ou plural).
regularmente com o sujeito (quem): Fui eu quem falou. Vossa Excelência se enganou.
2- o verbo concorda com o antecedente: Fui eu quem Vossas Excelências se enganaram.
falei.
- Núcleos ligados por ou: quando os núcleos
- Pronome indefinido plural seguido de do sujeito vêm ligados pela conjunção ou, há duas
pronome pessoal preposicionado: quando o sujeito construções:
é formado de um pronome indefinido (ou interrogativo)
no plural seguido de um pronome pessoal preposicionado, 1- o verbo fica no singular quando o ou tem valor
há possibilidade de duas construções: excludente: Pedro ou Paulo será eleito papa. (a eleição de
um implica necessariamente a exclusão do outro)
1- o verbo vai para a 3ª pessoa do plural, concordando 2- o verbo vai para o plural, quando o ou não for
com o pronome indefinido ou interrogativo: Alguns de excludente: Maça ou figo me agradam à sobremesa.
nós partiram. (ambas as frutas me agradam)
2- o verbo concorda com o pronome pessoal que se
segue ao indefinido (ou interrogativo): Alguns de nós - Silepse: ocorre concordância siléptica quando o
partimos. verbo não concorda com o sujeito que aparece expresso
na frase, mas com um elemento implícito na mente de
Quando o pronome interrogativo ou indefinido estiver quem fala: Os brasileiros somos improvisadores. Está
no singular, o verbo ficará, necessariamente, na 3ª pessoa implícito que o falante (eu ou nós) está incluído entre os
do singular. brasileiros.
Alguém de nós falhou?
Qual de nós sairá? - Expressão haja vista: na expressão haja vista, a
palavra vista é sempre invariável. O verbo haja pode ficar
- Expressões um dos que, uma das que: quando invariável ou concordar com o substantivo que se segue à
o sujeito de um verbo for o pronome relativo que, nas expressão.
expressões um dos que, uma das que, o verbo vai para o Haja vista os últimos acontecimentos.
plural (construção dominante) ou fica no singular. Hajam vista os últimos acontecimentos.
Ele foi um dos que mais falaram.
Ele foi um dos que mais falou. Admite-se ainda a construção:
Cada uma das construções corresponde a uma Haja vista aos últimos acontecimentos.
interpretação diferente do mesmo enunciador.
Ele é um dentre aqueles que mais falaram. - Verbo parecer seguido de infinitivo: o verbo
Ele é um que mais falou dentre aqueles. parecer, seguido de infinitivo, admite duas construções:

- Expressões mais de, menos de: quando o sujeito for 1- flexiona-se o verbo parecer e não se flexiona o
constituído das expressões mais de, menos de, o verbo infinitivo: Os montes parecem cair.

41
PORTUGUÊS
2- flexiona-se o infinitivo e não se flexiona o verbo Questões
parecer: Os montes parece caírem.
01. (TRE/MS - ESTÁGIO – JORNALISMO - TRE/
- Verbo impessoais: os verbos impessoais ficam MS – 2014) Aponte a alternativa cuja concordância
sempre na 3ª pessoa do singular. verbal está correta:
Haverá sóis mais brilhantes. (A) A alta dos preços dos combustíveis irritam o povo.
Fará invernos rigorosos. (B) Os Estados Unidos fica na América do Norte.
Também não se flexiona o verbo auxiliar que se põe (C) Minhas costas está doendo.
junto a um verbo impessoal, formando uma locução (D) Ela foi uma das que chegou a tempo
verbal. (E) A maioria dos brasileiros gosta de futebol.
Deve fazer umas cinco horas que estou esperando.
Costuma haver casos mais significativos. 02. (PREFEITURA DE OSASCO/SP - MOTORISTA
Poderá fazer invernos menos rigorosos. DE AMBULÂNCIA – FGV/2014) “existe um protocolo
para identificar os focos”. Se colocássemos o termo “um
O verbo haver no sentido de existir ou de tempo protocolo” no plural, uma forma verbal adequada para a
passado e o verbo fazer na indicação de tempo substituição da forma verbal “existe” seria:
transcorrido ou fenômeno da natureza são impessoais. (A) hão.
O verbo existir nunca é impessoal: tem sempre sujeito, (B) haviam.
com o qual concorda normalmente: Existirão protestos; (C) há.
Poderão existir dúvidas. (D) houveram.
Quando o verbo haver funciona como auxiliar de (E) houve.
outro verbo, deve concordar normalmente com o sujeito:
Os convidados já haviam saído. 03. (PREFEITURA DE RIBEIRÃO PRETO/SP –
AGENTE DE ADMINISTRAÇÃO – VUNESP/2014 -
- Verbo ser: a concordância do verbo ser oscila adaptada) Considerando a concordância verbal, assinale
frequentemente entre o sujeito e o predicativo. Entre a alternativa em que a frase do texto, reescrita, obedece à
tantos casos, podemos ressaltar: norma-padrão da língua portuguesa.
(A) Chamou a minha atenção, nos dois sujeitos altos,
Quando o sujeito e o predicativo são nomes de coisas esguios e endinheirados, um trambolho grande.
de números diferentes, o verbo concorda, de preferência, (B) À minha frente, no caixa, haviam dois holandeses
com o que está no plural. com vestes diferentes.
Tua vida são essas ilusões. (C) As verdadeiras intenções do forasteiro era
Essas vaidades são o teu segredo. conhecida da comissária de bordo brasileira.
(D) Seria de muito valor se algumas lições do Mundial
Nesse caso, muitas vezes, faz-se a concordância com o fosse aproveitadas pelo povo brasileiro.
elemento a que se quer dar destaque. (E) A lição que os japoneses nos deixaram trarão um
ganho histórico para o país.
Quando um dos dois (predicativo ou sujeito) é nome
de pessoa, a concordância se faz com a pessoa. 04. (LIQUIGÁS – PROFISSIONAL JÚNIOR –
Você é suas decisões. CIÊNCIAS CONTÁBEIS – CEGRANRIO/2014) A
Suas preocupações era a filha. concordância verbal está de acordo com a norma-padrão
EXCETO em:
O verbo concorda com o pronome pessoal, seja este (A) As análises revelam que o valor das correlações
sujeito, seja predicativo. entre a vazão dos rios e anomalias de temperatura do mar
O professor sou eu. são pequenos.
Eu sou o professor. (B) Cerca de 20% das cavernas catalogadas em diversas
regiões do Brasil situam-se nos geossistemas ferruginosos.
Nas indicações de hora, data e distância, o verbo ser, (C) Medidas têm sido tomadas para avaliar a influência
impessoal, concorda com o predicativo. das mudanças do clima que comprometem a geração de
É uma hora. energia.
São duas horas. (D) Mudança anormal de variações que afetam a matriz
É uma légua. energética nacional constitui motivo de preocupação.
São duas léguas. (E) Os problemas que associam a energia nuclear
É primeiro de maio. à possibilidade de acidentes e ao risco da confecção de
São quinze de maio. bombas atômicas podem ser resolvidos.

Neste último caso (dias do mês) o verbo ser admite 05. (POLÍCIA MILITAR/SP – OFICIAL
duas construções: ADMINISTRATIVO – VUNESP/2014) Considere o
É (dia) treze de maio. trecho a seguir.
São treze (dias) de maio. Já __________ alguns anos que estudos a respeito
da utilização abusiva dos smartphones estão sendo
O verbo ser, seguido de um quantificador, nas desenvolvidos. Os especialistas acreditam _________
expressões de peso, distância ou preço, fica invariável. motivos para associar alguns comportamentos dos
Quinze quilos é bastante. adolescentes ao uso prolongado desses aparelhos, e
Três quilômetros é muito. _________ alertado os pais para que avaliem a necessidade
Cem reais é suficiente. de estabelecer limites aos seus filhos.

42
PORTUGUÊS
De acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, 05. Resposta A
as lacunas do texto devem ser preenchidas, correta e Já FAZ (sentido de tempo: não sofre flexão) alguns
respectivamente, com: anos que estudos a respeito da utilização abusiva dos
(A) faz … haver … têm smartphones estão sendo desenvolvidos. Os especialistas
(B) fazem … haver … tem acreditam HAVER (sentido de existir: não varia) motivos
(C) faz … haverem … têm para associar alguns comportamentos dos adolescentes ao
(D) fazem … haverem … têm uso prolongado desses aparelhos, e TÊM (concorda com o
(E) faz … haverem … tem termo “os especialistas”) alertado os pais para que avaliem
a necessidade de estabelecer limites aos seus filhos.
Respostas Temos: faz, haver, têm.

01. Resposta E Regência Nominal e Verbal


Correções:
A) A alta dos preços dos combustíveis irritam o povo Regência Nominal
= irrita Assim como há verbos de sentido incompleto
B) Os Estados Unidos fica na América do Norte = (transitivos), há também nomes de sentido incompletos.
ficam (há a presença do artigo determinante, portanto o Substantivos, adjetivos, e, certos advérbios, também
verbo deve ir para o plural. Se não houvesse, teríamos: podem, como no caso dos verbos, solicitarem um
Estados Unidos fica). complemento (complemento nominal) para ampliar, ou
C) Minhas costas está doendo = estão mesmo, completar seu sentido: Tenho amor (nome de
D) Ela foi uma das que chegou a tempo = uma das que sentido incompleto) aos livros (compl. Nominal).
chegaram O substantivo amor rege um complemento nominal
E) A maioria dos brasileiros gosta de futebol = correta precedido da preposição (a). Portanto, a relação particular,
(poderia ser “gostam”, também) entre o nome e seu complemento, vem sempre marcada
por uma preposição: Estava ansioso para ouvir música.
02. Resposta C Contudo, cabe observar, que certos substantivos e
O verbo “haver”, quando utilizado no sentido de adjetivos admitem mais de uma regência, ou seja, mais de
“existir” – como proposto no enunciado – não sofre flexão, uma preposição. A escolha desta ou daquela preposição
não vai para o plural. Teríamos “existem protocolos”, mas deve, no entanto, obedecer às exigências da clareza, da
“há protocolos”. eufonia e adequar-se as diferentes nuanças do pensamento.
Ao aprender a regência do verbo, você estará
03. Resposta A praticamente aprendendo a regência do nome cognato
Correções à frente: (que vem da mesma raiz do verbo). É o caso, por exemplo,
A) Chamou a minha atenção, nos dois sujeitos altos, do verbo obedecer e do nome obediência. O verbo
esguios e endinheirados, um trambolho grande. = correta obedecer exige a preposição (a), que é a mesma exigida
B) À minha frente, no caixa, haviam dois holandeses = pelo nome obediência. De maneira, que a regência deste
havia dois holandeses verbo e deste nome resume-se na mesma preposição (a).
C) As verdadeiras intenções do forasteiro era conhecida Na regência nominal, não há tantos desencontros
= eram conhecidas entre a norma culta e a fala popular. Em todo caso, segue
D) Seria de muito valor se algumas lições do Mundial aqui uma lista de nomes acompanhados das respectivas
fosse aproveitadas = fossem preposições:
E) A lição que os japoneses nos deixaram trarão =
trará Acesso (a) - acessível [a, para] - acostumado [a, com]
- adequado [a] - admiração [a, por] - afável [com, para
04. Resposta A com] - afeição [a, por] - aflito [com, por] - alheio [a, de]
Cuidado com a pegadinha! EXCETO. Vamos às - aliado [a, com] - alusão [a] – amante [de] – amigo [de]
alternativas – teremos quatro corretas. - amor [a, de, para com, por] – amoroso [com] - análogo
A) As análises revelam que o valor das correlações [a] - ansioso [de, para, por] - antipatia [a, contra, por] –
entre a vazão dos rios e anomalias de temperatura do mar aparentado [com] - apologia [de] - apto [a, para] - assíduo
são pequenos = é pequeno. [a, em] - atenção [a] - atento [a, em] - atencioso [com,
B) Cerca de 20% das cavernas catalogadas em diversas para com] - aversão [a, para, por] - avesso [a] - ávido [de,
regiões do Brasil situam-se nos geossistemas ferruginosos. por] - benéfico [a] - benefício [a] – bom [para].
= correta
* Regra: quando o sujeito é formado por expressão que Cobiçoso [de] - capacidade [de, para] - capaz [de,
indica quantidade aproximada (cerca de, mais de, menos para] – cego [a] - certeza [de] - coerente [com] – comum
de, perto de...) seguida de numeral e substantivo, o verbo [de] - compaixão [de, para com, por] - compatível [com]
concorda com o substantivo. - concordância [a, com, de, entre] - conforme [a, com] –
C) Medidas têm sido tomadas para avaliar a influência contemporâneo [de] - constituído [com, de, por] - consulta
das mudanças do clima que comprometem a geração de [a] - contente [com, de, em, por] - contíguo [a] – constante
energia. = correta [em] – convênio [entre] - cruel [com, para, para com]
D) Mudança anormal de variações que afetam a matriz – cuidadoso [com] – cúmplice [em] - curioso [de, por]
energética nacional constitui motivo de preocupação. = - desacostumado [a, com] - desatento [a] – descontente
correta [com] - desejoso [de] - desfavorável [a] – desleal [a] -
E) Os problemas que associam a energia nuclear à desrespeito [a] - desgostoso [com, de] - desprezo [a,
possibilidade de acidentes e ao risco da confecção de de, por] - devoção [a, para, com, por] - devoto [a, de] –
bombas atômicas podem ser resolvidos. = correta diferente [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno

43
PORTUGUÊS
[de] - discordância [com, de, sobre] – disposição [para] (C) a, para, menos
- dotado [de] - dúvida [acerca de, em, sobre]. (D) do que, com, menos
(E) do que, para, menos
Equivalente [a] - empenho [de, em, por] – entendido
[em] – erudito [em] – escasso [de] – essencial [para] – 03. Assinale a opção em que todos adjetivos podem
estreito [de] - exato [em] - fácil [a, de, para] - facilidade ser seguidos pela mesma preposição:
[de, em, para] - falho [de, em] - falta [a] - fanático [por] - (A) ávido, bom, inconsequente
favorável [a] - fiel [a] - feliz [de, com, em, por] - fértil [de, (B) indigno, odioso, perito
em] – forte [em] - fraco [em, de] – furioso [com] - grato (C) leal, limpo, oneroso
[a] - graduado [a] - guerra [a] - hábil [em] - habituado (D) orgulhoso, rico, sedento
[a] - horror [a, de, por] - hostil [a, contra, para com] - ida (E) oposto, pálido, sábio
[a] – idêntico [a] - impaciência [com] – impossibilidade
[de, em] - impotente [para, contra] - impróprio [para] - 04. “As mulheres da noite,......o poeta faz alusão a
imune [a, de] - inábil [para] - inacessível [a] – incansável colorir Aracaju,........coração bate de noite, no silêncio”.
[em] - incapaz [de, para] – incerto [em] - inconsequente A opção que completa corretamente as lacunas da frase
[com] – indeciso [em] - indiferente [a] – indigno [de] acima é:
- indulgente [com, para com] - inerente [a] – infiel [a] (A) as quais, de cujo
– influência [sobre] - ingrato [com] – insensível [a] - (B) a que, no qual
intolerante [com] - invasão [de] – inútil [para] - isento (C) de que, o qual
[de] - junto [a, de] - leal [a] - lento [em] – liberal [com]. (D) às quais, cujo
(E) que, em cujo
Maior [de] – manifestação [contra] - medo [de, a]
– menor [de] – misericordioso [com] - morador [em] - 05. Assinale a alternativa correta quanto à regência:
natural [de] - necessário [a] - necessidade [de] – nobre (A) A peça que assistimos foi muito boa.
[em] - nocivo [a] - obediente [a] - ódio [a, contra] - ojeriza (B) Estes são os livros que precisamos.
[a, por] - oposto [a] – orgulhoso [de, com] - paixão [de, (C) Esse foi um ponto que todos se esqueceram.
por] – pálido [de] - parecido [a, com] - paralelo [a] – (D) Guimarães Rosa é o escritor que mais aprecio.
parecido [a, com] - pasmado [de] - passível [de] - peculiar (E) O ideal que aspiramos é conhecido por todos.
[a] – perito [em] – prático [em] - preferência [a, por] –
preferível [a] - preste [a, para] - pendente [de] – prodigo 06. Assinale a alternativa que contém as respostas
[em, de] - propício [a] - próximo [a, de] - pronto [para, corretas.
em] - propensão [para] - próprio [de, para]. I. Visando apenas os seus próprios interesses, ele,
involuntariamente, prejudicou toda uma família.
Querido [de, por] – queixa [contra] - receio [de] - II. Como era orgulhoso, preferiu declarar falida a firma
relação [a, com, de, por, para com] - relacionado [com] a aceitar qualquer ajuda do sogro.
- rente [a, de, com] - residente [em] - respeito [a, com, III. Desde criança sempre aspirava a uma posição de
para com, por] – responsável [por] - rico [de, em] – sábio destaque, embora fosse tão humilde.
[em] - satisfeito [com, de, em, por] - semelhante [a] - IV. Aspirando o perfume das centenas de flores que
simpatia [a, para com, por] - sito [em] - situado [a, em, enfeitavam a sala, desmaiou.
entre] - solidário [com] - superior [a] – surdo [a, de] - (A) II, III, IV
suspeito [a, de] - tentativa [contra, de, para, para com] (B) I, II, III
– triunfo [sobre] - último [a, de, em] - união, [a, com, (C) I, III, IV
entre] – único [em] - útil [a, para] – vazio [de] - versado (D) I, III
[em] – visível [a] - vizinho [a, de, com] – zelo [a, de, por]. (E) I, II

Regência de Advérbios: Merecem menção estes 07. Assinale o item em que há erro quanto à regência:
três advérbios: longe [de], perto [de] e proximamente [a, (A) São essas as atitudes de que discordo.
de]. Todos os advérbios formados de adjetivos + sufixo (B) Há muito já lhe perdoei.
[-mente], tendem a apresentar a mesma preposição dos (C) Informo-lhe de que paguei o colégio.
adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com]. (D) Costumo obedecer a preceitos éticos.
Relativo [a]; relativamente [a] (E) A enfermeira assistiu irrepreensivelmente o doente.

Questões 08. Dentre as frases abaixo, uma apenas apresenta a


regência nominal correta. Assinale-a:
01. O projeto.....estão dando andamento é (A) Ele não é digno a ser seu amigo.
incompatível.....tradições da firma. (B) Baseado laudos médicos, concedeu-lhe a licença.
(A) de que, com as (C) A atitude do Juiz é isenta de qualquer restrição.
(B) a que, com as (D) Ele se diz especialista para com computadores
(C) que, as eletrônicos.
(D) à que, às (E) O sol é indispensável da saúde.
(E) que, com as
09. (TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário -
02. Quanto a amigos, prefiro João.....Paulo,.....quem Prova versão 1 - VUNESP)
sinto......simpatia. Assinale a alternativa em que o período, adaptado da
(A) a, por, menos revista Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto
(B) do que, por, menos quanto à regência nominal e à pontuação.

44
PORTUGUÊS
(A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, Transitivos Indiretos: Também não possuem
rapidamente, seu espaço na carreira científica ainda que o sentido completo, logo precisam de um complemento, só
avanço seja mais notável em alguns países, o Brasil é um que desta vez este complemento é acompanhado de uma
exemplo, do que em outros. preposição. São chamados de objetos indiretos. Ex. Gosto
(B) Não há dúvida que as mulheres ampliam de filmes.
rapidamente, seu espaço na carreira científica, ainda que, “De filmes” é o complemento exigido pelo verbo
o avanço seja mais notável em alguns países (o Brasil é um gostar, e ele está acompanhado por uma preposição (de).
exemplo) do que em outros. Este complemento é chamado de objeto indireto. O verbo
(C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam gostar é transitivo indireto
rapidamente seu espaço na carreira científica; ainda que o
avanço seja mais notável, em alguns países, o Brasil é um Transitivos Diretos e Indiretos: Exigem 2
exemplo!, do que em outros. complementos. Um com preposição, e outro sem. Ex. O
(D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam garoto ofereceu um livro ao colega.
rapidamente seu espaço, na carreira científica, ainda que O verbo oferecer é transitivo direto e indireto. Quem
o avanço seja mais notável, em alguns países: o Brasil é oferece, oferece alguma coisa a alguém. Ofereceu alguma
um exemplo, do que em outros. coisa = Um brinquedo (sem preposição). Ofereceu para
(E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam alguém = ao colega (com preposição). ao = combinação
rapidamente seu espaço na carreira científica, ainda que o da preposição a com o artigo definido o.
avanço seja mais notável em alguns países – o Brasil é um
exemplo – do que em outros. Intransitivos: não possuem complemento. Ou seja,
os verbos intransitivos possuem sentido completo. Ex:
Respostas “Ele morreu.” O verbo morrer tem sentido completo.
Algumas vezes o verbo intransitivo pode vir acompanhado
01. Resposta B de algum termo que indica modo, lugar, tempo, etc. Estes
termos são chamados de adjuntos adverbiais. Ex. Ele
02. Resposta A morreu dormindo. Dormindo foi a maneira, o modo que
ele morreu. Dormindo é o adjunto adverbial de modo.
03. Resposta D
Existem verbos intransitivos que precisam vir
04. Resposta D acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para darem
um sentido completo para a frase. Ex. Moro no Rio de
05. Resposta D Janeiro.
O verbo morar é intransitivo, porém precisa do
06. Resposta A complemento “no RJ’ para que a frase tenha um sentido
completo. “No RJ” é o adj. adverbial de lugar.
07. Resposta C
Aspirar: O verbo aspirar pode ser transitivo direto ou
08. Resposta C transitivo indireto.
Transitivo direto: quando significa “sorver”, “tragar”,
09. Resposta E “inspirar” e exige complemento sem preposição.
Quem tem dúvida, tem dúvida “DE” alguma coisa (já - Ela aspirou o aroma das flores.
elimina a alternativa A e B) - Todos nós gostamos de aspirar o ar do campo.
as mulheres ampliam. Transitivo indireto: quando significa “pretender”, “de-
Não se separa o sujeito do verbo (elimina a alternativa sejar”, “almejar” e exige complemento com a preposição
C e D). “a”.
Só sobra alternativa E. - O candidato aspirava a uma posição de destaque.
- Ela sempre aspirou a esse emprego.
Regência Verbal
Quando é transitivo indireto não admite a substituição
O estudo da regência verbal nos ajuda a escrever pelos pronomes lhe(s). Devemos substituir por “a ele(s)”,
melhor. Quanto à regência verbal, os verbos podem ser: “a ela(s)”.
- Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) - Aspiras a este cargo?
para que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos - Sim, aspiro a ele. (e não “aspiro-lhe”).
Diretos; Transitivos Indiretos; Transitivos Diretos e
Indiretos. Assistir: O verbo assistir pode ser transitivo indireto,
- Verbos Intransitivos. transitivo direto e intransitivo.
Transitivo indireto: quando significa “ver”, “presen-
Transitivos Diretos: Não possuem sentido ciar”, “caber”, “pertencer” e exige complemento com a
completo, logo precisam de um complemento (objeto). preposição “a”.
Esses complementos (sem preposição) são chamados de - Assisti a um filme. (ver)
objetos diretos. Ex.: Maria comprou um livro. - Ele assistiu ao jogo.
“Um livro” é o complemento exigido pelo verbo. Ele - Este direito assiste aos alunos. (caber)
não está acompanhado de preposição. “Um livro” é o Transitivo direto: quando significa “socorrer”, “ajudar”
objeto direto. Note que se disséssemos: “Maria comprou.” e exige complemento sem preposição.
a frase estaria incompleta, pois quem compra, compra - O médico assiste o ferido. (cuida)
alguma coisa. O verbo comprar é transitivo direto.

45
PORTUGUÊS
Nesse caso o verbo “assistir” pode ser usado com a pre- Assis, por exemplo, fez uso dessa construção várias vezes.
posição “a”. - Esqueceu-me a tragédia. (cair no esquecimento)
- Assistir ao paciente. - Lembrou-me a festa. (vir à lembrança)
O verbo lembrar também pode ser transitivo direto e
Intransitivo: quando significa “morar” exige a prepo- indireto (lembrar alguma coisa a alguém ou alguém de
sição “em”. alguma coisa).
- O papa assiste no Vaticano. (no: em + o)
- Eu assisto no Rio de Janeiro. Preferir: É transitivo direto e indireto, ou seja, possui
“No Vaticano” e “no Rio de Janeiro” são adjuntos ad- um objeto direto (complemento sem preposição) e um
verbiais de lugar. objeto indireto (complemento com preposição)
- Prefiro cinema a teatro.
Chamar: O verbo chamar pode ser transitivo direto - Prefiro passear a ver TV.
ou transitivo indireto. Não é correto dizer: “Prefiro cinema do que teatro”.
É transitivo direto quando significa “convocar”, “fazer
vir” e exige complemento sem preposição. Simpatizar: Ambos são transitivos indiretos e exi-
- O professor chamou o aluno. gem a preposição “com”.
É transitivo indireto quando significa “invocar” e é - Não simpatizei com os jurados.
usado com a preposição “por”.
- Ela chamava por Jesus. Querer: Pode ser transitivo direto (no sentido de “de-
Com o sentido de “apelidar” pode exigir ou não a pre- sejar”) ou transitivo indireto (no sentido de “ter afeto”,
posição, ou seja, pode ser transitivo direto ou transitivo “estimar”).
indireto. - A criança quer sorvete.
Admite as seguintes construções: - Quero a meus pais.
- Chamei Pedro de bobo. (chamei-o de bobo)
- Chamei a Pedro de bobo. (chamei-lhe de bobo) Namorar: É transitivo direto, ou seja, não admite
- Chamei Pedro bobo. (chamei-o bobo) preposição.
- Chamei a Pedro bobo. (chamei-lhe bobo) - Maria namora João.
Não é correto dizer: “Maria namora com João”.
Visar: Pode ser transitivo direto (sem preposição) ou
transitivo indireto (com preposição). Obedecer: É transitivo indireto, ou seja, exige
Quando significa “dar visto” e “mirar” é transitivo di- complemento com a preposição “a” (obedecer a).
reto. - Devemos obedecer aos pais.
- O funcionário já visou todos os cheques. (dar visto) Embora seja transitivo indireto, esse verbo pode ser
- O arqueiro visou o alvo e atirou. (mirar) usado na voz passiva.
Quando significa “desejar”, “almejar”, “pretender”, “ter - A fila não foi obedecida.
em vista” é transitivo indireto e exige a preposição “a”.
- Muitos visavam ao cargo. Ver: É transitivo direto, ou seja, não exige preposição.
- Ele visa ao poder. - Ele viu o filme.
Nesse caso não admite o pronome lhe(s) e deverá ser
substituído por a ele(s), a ela(s). Ou seja, não se diz: viso- Questões
-lhe.
01. (IFC - Auxiliar Administrativo - IFC). Todas
Quando o verbo “visar” é seguido por um infinitivo, a as alternativas estão corretas quanto ao emprego correto
preposição é geralmente omitida. da regência do verbo, EXCETO:
- Ele visava atingir o posto de comando. (A) Faço entrega em domicílio.
(B) Eles assistem o espetáculo.
Esquecer – Lembrar: (C) João gosta de frutas.
- Lembrar algo – esquecer algo (D) Ana reside em São Paulo.
- Lembrar-se de algo – esquecer-se de algo (pronomi- (E) Pedro aspira ao cargo de chefe.
nal)
No 1º caso, os verbos são transitivos diretos, ou seja 02. Assinale a opção em que o verbo
exigem complemento sem preposição. chamar é empregado com o mesmo sentido que
- Ele esqueceu o livro. apresenta em __ “No dia em que o chamaram de Ubirajara,
No 2º caso, os verbos são pronominais (-se, -me, etc) e Quaresma ficou reservado, taciturno e mudo”:
exigem complemento com a preposição “de”. São, portan- (A) pelos seus feitos, chamaram-lhe o salvador da
to, transitivos indiretos. pátria;
- Ele se esqueceu do caderno. (B) bateram à porta, chamando Rodrigo;
- Eu me esqueci da chave. (C) naquele momento difícil, chamou por Deus e pelo
- Eles se esqueceram da prova. Diabo;
- Nós nos lembramos de tudo o que aconteceu. (D) o chefe chamou-os para um diálogo franco;
(E) mandou chamar o médico com urgência.
Há uma construção em que a coisa esquecida ou lem-
brada passa a funcionar como sujeito e o verbo sofre leve 03. Assinale a opção em que o verbo assistir é
alteração de sentido. É uma construção muito rara na lín- empregado com o mesmo sentido que apresenta em “não
gua contemporânea, porém, é fácil encontrá-la em textos direi que assisti às alvoradas do romantismo”.
clássicos tanto brasileiros como portugueses. Machado de (A) não assiste a você o direito de me julgar;

46
PORTUGUÊS
(B) é dever do médico assistir a todos os enfermos; informações de que necessitamos;
(C) em sua administração, sempre foi assistido por (E) os processos onde podemos encontrar dados para
bons conselheiros; o relatório estão arquivados
(D) não se pode assistir indiferente a um ato de
injustiça; Respostas
(E) o padre lhe assistiu nos derradeiros momentos.
01.Resposta B
04. Em todas as alternativas, o verbo grifado foi A frase correta seria “Eles assistem ao espetáculo”
empregado com regência certa, exceto em: O verbo “assistir” causa dúvidas porque pode ser
(A) a vista de José Dias lembrou-me o que ele me transitivo direto ou indireto. No primeiro caso não
dissera. admitirá preposição, já no segundo sim.
(B) estou deserto e noite, e aspiro sociedade e luz. Portanto, quando a pergunta (a quê?) for feita ao verbo,
(C) custa-me dizer isto, mas antes peque por excesso; este será transitivo indireto e quando o complemento do
(D) redobrou de intensidade, como se obedecesse a verbo vir de forma direta, será transitivo direto.
voz do mágico; Veja:
(E) quando ela morresse, eu lhe perdoaria os a) A enfermeira assistiu o paciente. (Assistiu quem?
defeitos. O paciente! Ou seja, a pergunta é respondida diretamente,
sem intermediários, sem preposição)
05. O verbo chamar está com a regência incorreta b) João assistiu ao programa do Jô! (Assistiu a quê?
em: Ao programa! Logo, preposição a + artigo o)
(A) chamo-o de burguês, pois você legitima a submissão
das mulheres; 02. Resposta A
(B) como ninguém assumia, chamei-lhes de
discriminadores; 03. Resposta D
(C) de repente, houve um nervosismo geral e
chamaram-nas de feministas; 04. Resposta B
(D) apesar de a hora ter chegado, o chefe não chamou
às feministas a sua seção; 05. Resposta D
(E) as mulheres foram para o local do movimento, que
elas chamaram de maternidade. 06. Reposta B

06. Assinale o exemplo, em que está bem empregada 07. Reposta B


a construção com o verbo preferir:
(A) preferia ir ao cinema do que ficar vendo televisão; 08. Reposta E
(B) preferia sair a ficar em casa;
(C) preferia antes sair a ficar em casa; 09.Resposta B
(D) preferia mais sair do que ficar em casa;
(E) antes preferia sair do que ficar em casa.

07. Assinale a opção em que o verbo lembrar está


empregado de maneira inaceitável em relação à norma
culta da língua:
(A) pediu-me que o lembrasse a meus familiares; 10) Ocorrência de crase.
(B) é preciso lembrá-lo o compromisso que assumiu
conosco;
(C) lembrou-se mais tarde que havia deixado as chaves Crase
em casa;
(D) não me lembrava de ter marcado médico para Crase é a superposição de dois “a”, geralmente a
hoje; preposição “a” e o artigo a(s), podendo ser também a
(E) na hora das promoções, lembre-se de mim. preposição “a” e o pronome demonstrativo a(s) ou a
preposição “a” e o “a” inicial dos pronomes demonstrativos
08. O verbo sublinhado foi empregado corretamente, aqueles(s), aquela(s) e aquilo. Essa superposição é
exceto em: marcada por um acento grave (`).
(A) aspiro à carreira militar desde criança; Assim, em vez de escrevermos “entregamos a
(B) dado o sinal, procedemos à leitura do texto. mercadoria a a vendedora”, “esta blusa é igual a a que
(C) a atitude tomada implicou descontentamento; compraste” ou “eles deveriam ter comparecido a aquela
(D) prefiro estudar Português a estudar Matemática; festa”, devemos sobrepor os dois “a” e indicar esse
fato com um acento grave: “Entregamos a mercadoria à
(E) àquela hora, custei a encontrar um táxi disponível. vendedora”. “Esta blusa é igual à que compraste”. “Eles
deveriam ter comparecido àquela festa.”
09. Assinale o mau emprego do vocábulo “onde”: O acento grave que aparece sobre o “a” não constitui,
(A) todas as ocasiões onde nos vimos às voltas com pois, a crase, mas é um mero sinal gráfico que indica ter
problemas no trabalho, o superintendente nos ajudou; havido a união de dois “a” (crase).
(B) por toda parte, onde quer que fôssemos, Para haver crase, é indispensável a presença da
encontrávamos colegas; preposição “a”, que é um problema de regência. Por isso,
(C) não sei bem onde foi publicado o edital; quanto mais conhecer a regência de certos verbos e nomes,
(D) onde encontraremos quem nos forneça as mais fácil será para ele ter o domínio sobre a crase.

47
PORTUGUÊS
Não existe Crase preposição esteja presente, a crase é facultativa.
Quando o nome próprio feminino vier acompanhado
- Antes de palavra masculina: Chegou a tempo de uma expressão que o determine, haverá crase porque
ao trabalho; Vieram a pé; Vende-se a prazo. o artigo definido estará presente. Dedico esta canção à
Candinha do Major Quevedo. [A (artigo) Candinha do
- Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou Major Quevedo é fanática por seresta.]
a ter alucinações. - Antes de pronome adjetivo possessivo feminino
singular: Pediu informações à minha secretária; Pediu
- Antes de artigo indefinido: Levamos a mercadoria informações a minha secretária. A explicação é idêntica
a uma firma; Refiro-me a uma pessoa educada. à do item anterior: o pronome adjetivo possessivo aceita
artigo, mas não o exige (“Minha secretária é exigente.”
- Antes de expressão de tratamento introduzida Ou: “A minha secretária é exigente”). Portanto, mesmo
pelos pronomes possessivos Vossa ou Sua ou com a presença da preposição, a crase é facultativa.
ainda da expressão Você, forma reduzida de Vossa
Mercê: Enviei dois ofícios a Vossa Senhoria; Traremos a - Com o pronome substantivo possessivo
Sua Majestade, o rei Hubertus, uma mensagem de paz; feminino singular, o uso de acento indicativo de
Eles queriam oferecer flores a você. crase não é facultativo (conforme o caso será proibido ou
- Antes dos pronomes demonstrativos esta e obrigatório): A minha cidade é melhor que a tua. O acento
essa: Não me refiro a esta carta; Os críticos não deram indicativo de crase é proibido porque, no masculino, ficaria
importância a essa obra. assim: O meu sítio é melhor que o teu (não há preposição,
- Antes dos pronomes pessoais: Nada revelei a apenas o artigo definido). Esta gravura é semelhante à
ela; Dirigiu-se a mim com ironia. nossa. O acento indicativo de crase é obrigatório porque,
- Antes dos pronomes indefinidos com exceção no masculino, ficaria assim: Este quadro é semelhante ao
de outra: Direi isso a qualquer pessoa; A entrada nosso (presença de preposição + artigo definido).
é vedada a toda pessoa estranha. Com o pronome
indefinido outra(s), pode haver crase porque ele, às vezes, Casos Especiais
aceita o artigo definido a(s): As cartas estavam colocadas
umas às outras (no masculino, ficaria “os cartões estavam - Nomes de localidades: Dentre as localidades,
colocados uns aos outros”). há as que admitem artigo antes de si e as que não o
- Quando o “a” estiver no singular e a palavra admitem. Por aí se deduz que, diante das primeiras, desde
seguinte estiver no plural: Falei a vendedoras desta que comprovada a presença de preposição, pode ocorrer
firma; Refiro-me a pessoas curiosas. crase; diante das segundas, não. Para se saber se o nome
- Quando, antes do “a”, existir preposição: Ela de uma localidade aceita artigo, deve-se substituir o verbo
compareceu perante a direção da empresa; Os papéis da frase pelos verbos estar ou vir. Se ocorrer a combinação
estavam sob a mesa. Exceção feita, às vezes, para até, “na” com o verbo estar ou “da” com o verbo vir, haverá
por motivo de clareza: A água inundou a rua até à casa de crase com o “a” da frase original. Se ocorrer “em” ou “de”,
Maria (= a água chegou perto da casa); se não houvesse o não haverá crase: Enviou seus representantes à Paraíba
sinal da crase, o sentido ficaria ambíguo: a água inundou (estou na Paraíba; vim da Paraíba); O avião dirigia-se a
a rua até a casa de Maria (= inundou inclusive a casa). Santa Catarina (estou em Santa Catarina; vim de Santa
Quando até significa “perto de”, é preposição; quando Catarina); Pretendo ir à Europa (estou na Europa; vim
significa “inclusive”, é partícula de inclusão. da Europa). Os nomes de localidades que não admitem
artigo passarão a admiti-lo, quando vierem determinados.
- Com expressões repetitivas: Tomamos o remédio Porto Alegre indeterminadamente não aceita artigo: Vou
gota a gota; Enfrentaram-se cara a cara. a Porto Alegre (estou em Porto Alegre; vim de Porto
Alegre); Mas, acompanhando-se de uma expressão que a
- Com expressões tomadas de maneira determine, passará a admiti-lo: Vou à grande Porto Alegre
indeterminada: O doente foi submetido a dieta leve (estou na grande Porto Alegre; vim da grande Porto
(no masc. = foi submetido a repouso, a tratamento Alegre); Iríamos a Madri para ficar três dias; Iríamos à
prolongado, etc.); Prefiro terninho a saia e blusa (no Madri das touradas para ficar três dias.
masc. = prefiro terninho a vestido).
- Pronomes demonstrativos aquele(s),
- Antes de pronome interrogativo, não ocorre aquela(s), aquilo: quando a preposição “a” surge diante
crase: A que artista te referes? desses demonstrativos, devemos sobrepor essa preposição
à primeira letra dos demonstrativos e indicar o fenômeno
- Na expressão valer a pena (no sentido de mediante um acento grave: Enviei convites àquela
valer o sacrifício, o esforço), não ocorre crase, sociedade (= a + aquela); A solução não se relaciona
pois o “a” é artigo definido: Parodiando Fernando àqueles problemas (= a + aqueles); Não dei atenção
Pessoa, tudo vale a pena quando a alma não é pequena... àquilo (= a + aquilo). A simples interpretação da frase já
nos faz concluir se o “a” inicial do demonstrativo é simples
A Crase é Facultativa ou duplo. Entretanto, para maior segurança, podemos
usar o seguinte artifício: Substituir os demonstrativos
- Antes de nomes próprios feminino: Enviamos aquele(s), aquela(s), aquilo pelos demonstrativos este(s),
um telegrama à Marisa; Enviamos um telegrama a Marisa. esta(s), isto, respectivamente. Se, antes destes últimos,
Em português, antes de um nome de pessoa, pode-se ou surgir a preposição “a”, estará comprovada a hipótese do
não empregar o artigo “a” (“A Marisa é uma boa menina”. acento de crase sobre o “a” inicial dos pronomes aquele(s),
Ou “Marisa é uma boa menina”). Por isso, mesmo que a aquela(s), aquilo. Se não surgir a preposição “a”, estará

48
PORTUGUÊS
negada a hipótese de crase. Enviei cartas àquela empresa./ ao ensaio, o violinista faz as vezes de regente (= o
Enviei cartas a esta empresa; A solução não se relaciona violinista substitui o maestro).
àqueles problemas./ A solução não se relaciona a estes
problemas; Não dei atenção àquilo./ Não dei atenção a - Sempre haverá crase em locuções que
isto; A solução era aquela apresentada ontem./ A solução exprimem hora determinada: Ele saiu às treze
era esta apresentada ontem. horas e trinta minutos; Chegamos à uma hora. Cuidado
para não confundir a, à e há com a expressão uma hora:
- Palavra “casa”: quando a expressão casa significa Disseram-me que, daqui a uma hora, Teresa telefonará
“lar”, “domicílio” e não vem acompanhada de adjetivo de São Paulo (= faltam 60 minutos para o telefonema de
ou locução adjetiva, não há crase: Chegamos alegres Teresa); Paula saiu daqui à uma hora; duas horas depois,
a casa; Assim que saiu do escritório, dirigiu-se a casa; já tinha mudado todos os seus planos (= quando ela saiu,
Iremos a casa à noitinha. Mas, se a palavra casa estiver o relógio marcava 1 hora); Pedro saiu daqui há uma hora
modificada por adjetivo ou locução adjetiva, então haverá (= faz 60 minutos que ele saiu).
crase: Levaram-me à casa de Lúcia; Dirigiram-se à casa
das máquinas; Iremos à encantadora casa de campo da - Quando a expressão “à moda de” (ou “à
família Sousa. maneira de”) estiver subentendida: Nesse caso,
mesmo que a palavra subsequente seja masculina, haverá
- Palavra “terra”: Não há crase, quando a palavra crase: No banquete, serviram lagosta à Termidor; Nos
terra significa o oposto a “mar”, “ar” ou “bordo”: Os anos 60, as mulheres se apaixonavam por homens que
marinheiros ficaram felizes, pois resolveram ir a terra; Os tinham olhos à Alain Delon.
astronautas desceram a terra na hora prevista. Há crase,
quando a palavra significa “solo”, “planeta” ou “lugar onde - Quando as expressões “rua”, “loja”, “estação
a pessoa nasceu”: O colono dedicou à terra os melhores de rádio”, etc. estiverem subentendidas: Dirigiu-
anos de sua vida; Voltei à terra onde nasci; Viriam à Terra se à Marechal Floriano (= dirigiu-se à Rua Marechal
os marcianos? Floriano); Fomos à Renner (fomos à loja Renner);
Telefonem à Guaíba (= telefonem à rádio Guaíba).
- Palavra “distância”: Não se usa crase diante
da palavra distância, a menos que se trate de distância - Quando está implícita uma palavra feminina:
determinada: Via-se um monstro marinho à distância Esta religião é semelhante à dos hindus (= à religião dos
de quinhentos metros; Estávamos à distância de dois hindus).
quilômetros do sítio, quando aconteceu o acidente. Mas:
A distância, via-se um barco pesqueiro; Olhava-nos a - Não confundir devido com dado (a, os, as):
distância. a primeira expressão pede preposição “a”, havendo
crase antes de palavra feminina determinada pelo artigo
- Pronome Relativo: Todo pronome relativo tem um definido. Devido à discussão de ontem, houve um mal-
substantivo (expresso ou implícito) como antecedente. estar no ambiente (= devido ao barulho de ontem,
Para saber se existe crase ou não diante de um pronome houve...); A segunda expressão não aceita preposição “a”
relativo, deve-se substituir esse antecedente por um (o “a” que aparece é artigo definido, não havendo, pois,
substantivo masculino. Se o “a” se transforma em “ao”, crase): Dada a questão primordial envolvendo tal fato
há crase diante do relativo. Mas, se o “a” permanece (= dado o problema primordial...); Dadas as respostas, o
inalterado ou se transforma em “o”, então não há crase: é aluno conferiu a prova (= dados os resultados...).
preposição pura ou pronome demonstrativo: A fábrica a
que me refiro precisa de empregados. (O escritório a Excluída a hipótese de se tratar de qualquer um dos
que me refiro precisa de empregados.); A carreira à qual casos anteriores, devemos substituir a palavra feminina
aspiro é almejada por muitos. (O trabalho ao qual aspiro por outra masculina da mesma função sintática. Se ocorrer
é almejado por muitos.). Na passagem do antecedente “ao” no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se
para o masculino, o pronome relativo não pode ser ocorrer “a” ou “o” no masculino, não haverá crase no “a” do
substituído, sob pena de falsear o resultado: A festa a que feminino. O problema, para muitos, consiste em descobrir
compareci estava linda (no masculino = o baile a que o masculino de certas palavras como “conclusão”, “vezes”,
compareci estava lindo). Como se viu, substituímos festa “certeza”, “morte”, etc. É necessário então frisar que não
por baile, mas o pronome relativo que não foi substituído há necessidade alguma de que a palavra masculina tenha
por nenhum outro (o qual etc.). qualquer relação de sentido com a palavra feminina: deve
apenas ter a mesma função sintática: Fomos à cidade
A Crase é Obrigatória comprar carne. (ao supermercado); Pedimos um favor à
diretora. (ao diretor); Muitos são incensíveis à dor alheia.
- Sempre haverá crase em locuções prepositivas, (ao sofrimento); Os empregados deixam a fábrica. (o
locuções adverbiais ou locuções conjuntivas que escritório); O perfume cheira a rosa. (a cravo); O professor
tenham como núcleo um substantivo feminino: à chamou a aluna. (o aluno).
queima-roupa, à maneira de, às cegas, à noite, às tontas,
à força de, às vezes, às escuras, à medida que, às pressas, Questões
à custa de, à vontade (de), à moda de, às mil maravilhas,
à tarde, às oito horas, às dezesseis horas, etc. É bom não 01. (PM-BA - Soldado da Polícia Militar - FCC)
confundir a locução adverbial às vezes com a expressão “Se os cachorros correm livremente, por que eu não
fazer as vezes de, em que não há crase porque o “as” posso fazer isso também?”, pergunta Bob Dylan em
é artigo definido puro: Ele se aborrece às vezes (= ele “New Morning” . Bob Dylan verbaliza um anseio sentido
se aborrece de vez em quando); Quando o maestro falta por todos nós, humanos supersocializados: o anseio de

49
PORTUGUÊS
nos livrarmos de todos os constrangimentos artificiais 03. (TJ/SP - Assistente Social - VUNESP/2012)
decorrentes do fato de vivermos em uma sociedade Observe o trecho a seguir e assinale a alternativa que
civilizada em que às vezes nos sentimos presos a uma preenche, correta e respectivamente, suas lacunas.
correia. Um conjunto cultural de regras tácitas e inibições
está sempre governando as nossas interações cotidianas ________ pouco mais de um mês da próxima eleição
com os outros. presidencial dos Estados Unidos, o favoritismo de Barack
Uma das razões pelas quais os cachorros nos atraem é o Obama sofreu um arranhão. Não________que estranhar a
fato de eles serem tão desinibidos e livres. Parece que eles dificuldade de Obama quando tem de falar de improviso
jogam com as suas próprias regras, com a sua própria lógica ou exercer________queima-roupa o contraditório. Obama
interna. Eles vivem em um universo paralelo e diferente é instado, agora,______preparar-se muito melhor para os
do nosso - um universo que lhes concede liberdade de dois outros debates.
espírito e paixão pela vida enormemente atraentes para
nós. Um cachorro latindo ao vento ou uivando durante a (A) Há … há … à … à
noite faz agitar-se dentro de nós alguma coisa que também (B) Há … à … a … a
quer se expressar. (C) À … a … à … à
Os cachorros são uma constante fonte de diversão para (D) A … há … à … a
nós porque não prestam atenção as nossas convenções (E) A … a … a … à
sociais. Metem o nariz onde não são convidados, pulam
para cima do sofá, devoram alegremente a comida que 04. (MPE/RS - Técnico Superior de Informática
cai da mesa. Os cachorros raramente se refreiam quando - MPE)
querem fazer alguma coisa. Eles não compartilham
conosco as nossas inibições. Suas emoções estão ã flor da Um estudo feito pela Universidade de Michigan
pele e eles as manifestam sempre que as sentem, constatou que o que mais se faz no Facebook, depois de
interagir com amigos, é olhar os perfis de pessoas que
(Adaptado de Matt Weistein e Luke Barber. acabamos de conhecer. Se você gostar do perfil, adicionará
Cão que late não morde. aquela pessoa, e estará formado um vínculo. No final, todo
Trad. de Cristina Cupertino. S.Paulo: Francis, 2005. p mundo vira amigo de todo mundo. Mas, não é bem assim.
250) As redes sociais têm o poder de transformar os chamados
elos latentes (pessoas que frequentam o mesmo ambiente
Os cachorros são uma constante fonte de diversão para social, mas não são suas amigas) em elos fracos - uma
nós porque não prestam atenção às nossas convenções forma superficial de amizade. Pois é, por mais que existam
sociais. exceções ______ qualquer regra, todos os estudos mostram
que amizades geradas com a ajuda da Internet são mais
Sem prejuízo da correção, a crase empregada na frase fracas, sim, do que aquelas que nascem e se desenvolvem
acima poderá ser mantida caso o segmento grifado seja fora dela. Isso não é inteiramente ruim. Os seus amigos
substituído por: do peito geralmente são parecidos com você: pertencem
(A) obedecem. ao mesmo mundo e gostam das mesmas coisas. Os elos
(B) aceitam. fracos, não. Eles transitam por grupos diferentes do seu
(C) conhecem. e, por isso, podem lhe apresentar novas pessoas e ampliar
(D) acatam. seus horizontes - gerando uma renovação de ideias que
(E) seguem. faz bem a todos os relacionamentos, inclusive às amizades
antigas. O problema é que a maioria das redes na Internet
02. (TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - é simétrica: se você quiser ter acesso às informações
Prova versão 1 - VUNESP) de uma pessoa ou mesmo falar reservadamente com
No Brasil, as discussões sobre drogas parecem limitar- ela, é obrigado a pedir a amizade dela. Como é meio
se ...................... aspectos jurídicos ou policiais. É como grosseiro dizer “não’ ________ alguém que você conhece,
se suas únicas consequências estivessem em legalismos, todo mundo acaba adicionando todo mundo. E isso vai
tecnicalidades e estatísticas criminais. Raro ler................. levando ________ banalização do conceito de amizade. É
respeito envolvendo questões de saúde pública como verdade. Mas, com a chegada de sítios como O Twitter,
programas de esclarecimento e prevenção, de tratamento ficou diferente. Esse tipo de sítio é uma rede social
para dependentes e de reintegração desses ..................... completamente assimétrica. E isso faz com que as redes
vida. Quantos de nós sabemos o nome de um médico ou de “seguidos” de alguém possam se comunicar de maneira
clínica ............................ quem tentar encaminhar um muito mais fluida. Ao estudar a sua própria rede no
drogado da nossa própria família? Twitter, o sociólogo Nicholas Christakis, da Universidade
de Harvard, percebeu que seus Amigos tinham começado
(Ruy Castro, Da nossa própria família. Folha de a se comunicar entre si Independentemente da mediação
S.Paulo, 17.09.2012. Adaptado) dele. Pessoas cujo único ponto em comum era o próprio
Christakis acabaram ficando amigas. No Twitter eu posso
As lacunas do texto devem ser preenchidas, correta e me interessar pelo que você tem a dizer e começar a te
respectivamente, com: seguir. Nós não nos conhecemos Mas você saberá quando
(A) aos … à … a … a eu o retuitar ou mencionar seu nome no sítio, e poderá falar
(B) aos … a … à … a comigo. Meus seguidores também podem se interessar
(C) a … a … a … a pelos seus tuítes e começar a seguir você. Em suma, nós
(D) a … a … à … à continuaremos não nos conhecendo, mas as pessoas que
(E) à … à … à … à estão _______ nossa volta podem virar amigas entre si.

50
PORTUGUÊS
Assinale a alternativa que preenche corretamente as 09. TEXTO
lacunas das linhas, respectivamente.
(A) a – a – à – à 1 No estudo da história, tem-se a impressão de que,
(B) a – à – a – à quanto mais se recua no tempo, mais dura parece ter
(C) à – a – à – a sido a vida das crianças do passado — e mais privilegiada
(D) à – à – à – a parece a da garotada de 4 hoje. Quando se pensa em como
(E) à – a – a – a era a infância séculos atrás, uma das primeiras imagens
que vêm à cabeça é a de meninos dando duro em minas
05. (IFC - Assistente Administrativo - IFC) ou limpando chaminés. A ideia de que essa fase da vida 7
O trecho a seguir reproduz uma parte de verbete do era simplesmente ignorada e de que as pessoas passavam
Michaelis - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. de bebês a trabalhadores, do dia para a noite, é reforçada
As.sis.tir (lat assistere) vti 1 Comparecer, estar por inúmeras pinturas antigas retratando crianças sérias,
presente: Assistir a um ofício divino. Tendo como base tristemente vestidas como 10 mini adultos. As fontes de
somente a informação gramatical acima, assinale a seguir informações medievais, entretanto, quando analisadas de
a única alternativa de acordo com a norma padrão para a perto, não oferecem evidência alguma de que as pessoas
língua escrita. daquela época tivessem, com relação às crianças, atitudes
(A) Eu assisti a queda das torres gêmeas em 2001. 13 muito diferentes das de hoje — com exceção, talvez,
(B) Quando ela gritou eu assisti a cobra subindo. apenas do uso em excesso de castigos físicos, que, de
(C) Ele assistiu o jogo do Brasil ontem. qualquer modo, também eram aplicados em adultos.
(D) Ela assistiu à apresentação do balé municipal. Apesar de o estilo de vida da época ser 16 muito diferente
(E) Ele assistiu a criança brincando. do nosso, as crianças medievais cresciam, em muitos
aspectos, de maneira semelhante à de seus “primos”
06. (IFC - Analista de Tecnologia da Informação modernos.
- IFC)
Leia os períodos: Nicholas Orme e Fernanda M. Bem. Pequenos na
I) Os alunos saíram mais cedo da aula para assistir ao Idade Média. In: BBC História, ano 1, ed. Nº 4 (com
novo episódio de Jornada nas Estrelas. adaptações).
II) Sou Frankenstein, o terrível, e sempre consigo o
que estou a fim. (Instituto Rio Branco - Diplomata - Bolsa-
III) Prefiro rosas, meu amor, à espinhos. prêmio de vocação para a Diplomacia - Objetiva
IV) Depois da manifestação na prefeitura, os alunos – CESPE) Na linha 17, é facultativo o emprego do acento
retornaram à escola. indicativo de crase, dada a possibilidade contextual de
V) A estrada corre paralelamente a ferrovia e chega a emprego, apenas, da preposição a, exigida pela regência
cidadezinha. de “semelhante”.
(A) Certo
Assinale a alternativa CORRETA: (B) Errado
(A) somente a afirmativa I está correta.
(B) somente as afirmativas II, III e IV estão corretas. Respostas
(C) somente as afirmativas I, II, IV e V estão corretas.
(D) somente as afirmativas I e IV estão corretas. 01. Resposta A
(E) somente as afirmativas I e II estão corretas.
Basta identificar a transitividade do verbo.
07. Leia a frase e assinale a alternativa que contém A) VTI - exige como complemento um objeto indireto,
os termos que preenchem, correta e respectivamente, as no caso a preposição (A). QUEM OBEDECE, OBEDECE A
lacunas. ALGO OU OBEDECE A ALGUÉM. Uma vez que há fusão
da preposição(A) + artigo(A), tem-se a crase
Entre os brasileiros_____ frente de negócios próprios B) VTD - exige um objeto direto como complemento,
abertos______ menos de quatro anos, a porcentagem dos não necessita de nenhuma preposição. QUEM ACEITA,
que___ de 45___ 54 anos dobrou nesta década – de 7% ACEITA ALGO OU ACEITA ALGUMA COISA. Portando,
em 2001 para 15% hoje. (Veja, 15.07.2009) não há a crase
(A) à … à … têm … à C) VTD
(B) a … a … tem … à D) VTD
(C) à … há … têm … a E) VTD
(D) a … a … tem … a
(E) a … há … têm … à 02. Resposta B
CASOS EM QUE SE EMPREGA A CRASE NA
08. Assinale a opção em que o uso do acento grave FRASE:
indicativo da crase constituiria erro: O que é crase? É a fusão de (a+a = à), portanto
(A) Fez uma proposta a diretora; o verbo pedirá uma posição junto com uma palavra
(B) Fez uma proposta as diretoras; feminina.
(C) Fez uma proposta a nossa diretora; Ex: Irei à festa de Sabrina. (à = a+a)
(D) Fez uma proposta a essa diretora; Comemos a maçã inteira.
(E) Fez uma proposta a competente diretora; Regra geral: Se der para trocar a palavra feminina
por uma masculina e para obter coerência na frase for
preciso usar (ao), haverá crase no A.
Ex: Refiro-me às candidatas do concurso. ( aos

51
PORTUGUÊS
candidatos) 06. Resposta D
Emprego da Crase: II incorreto, a frase certa é: sempre consigo o que
1) Na indicação de LUGAR: quero. III incorreto, a frase certa é: a espinhos (sem crase)
> Se vou “a” e volto “da”, crase no à. > Se vou “a” e V incorreto, a frase certa é: à cidadezinha (a com crase)
volto “de”, crase pra que ? (a).
Ex: Cheguei a São Paulo. 07. Resposta C
Fomos à Itália. À frente – acento grave obrigatório por se tratar de
2) Na indicação de HORAS: > Se der para trocar uma locução adverbial feminina.
as horas por “ao meio-dia” = À Há – ideia de passado.
> Se der para trocar as horas por “ o meio-dia” = A Têm – no plural, pois concorda com o sujeito
Ex: Voltamos às duas horas da madrugada. (Voltamos (brasileiros), que também está no plural.
ao meio-dia) A – sem acento grave, pois antes de numerais não há
Estou aqui desde as cinco da manhã. (Estou aqui o encontro vocálico, salvo uma regra de exceção, que
desde o meio-dia) aqui não se encaixa. (o número tem de representar ou se
3) Antes das locuções verbais femininas: referir a uma palavra feminina. Veja um exemplo em que
>Indicam tempo, modo, lugar, dúvida. Ex: Virei à há crase: “Eu li o texto da página 3 à 12”. No exemplo, o
esquerda da rua. Gosto de andar a pé. > (pronome número 12 significa “a página 12”, portanto há crase.)
masculino) Comprei à vista.
4)Nas expressões que indicam “A MODA DE”: 08. Resposta D
Ex: Fez um gol à Ronaldinho. Antes dos pronomes demonstrativos “este” e
Bife à cavalo. “esse” – e suas variantes – nunca haverá crase. A
OBS.: Só se usa crase antes da palavra “Casa”, crase é a fusão de duas letras “a”, logo só existe com a
se estiver especificando. preposição “a” junto à partícula “a” – artigo ou pronome
Ex: Volto a casa desanimado. demonstrativo – ou junto ao demonstrativo “aquele”,
Fomos à casa de Pedro ontem. ou suas variantes – as, aquela, aqueles, aquelas.
Nas frases das opções “A”, “B” e “E”, a crase é obrigatória.
CASOS EM QUE NÃO OCORRE A CRASE NA Na frase da opção “C”, a crase é opcional, pois é opcional
FRASE: a presença do artigo antes de pronomes possessivos em
Antes de verbo: função adjetiva.
Ex: Comecei a chorar, quando cheguei.
Voltamos a caminhar, ontem à noite. 09. Resposta B
Entre palavras repetidas: A alternativa “B” é a correta, pois não é facultativo o
Ex: Face a face. uso da crase nesta situação e sim obrigatório, pois há
Boca a boca. Dia a dia. acento indicativo de crase em: a maneira semelhante à
Antes de palavras no plural, mantendo-se no (vida) de seus “primos” modernos.
singular. Ex: Adoro assistir a comédias.
(Se o “a” fosse colocado no plural, receberia crase.
Ficando assim > “às”)

03. Resposta D
___A_____ pouco mais de um mês o Tempo futuro 11) Interpretação de texto:
(a),Tempo passado (há) informações literais e inferências
Não____há____que estranhar a dificuldade o Verbo possíveis.
haver sentido existir exercer___à_____queima- oupa o
Expressão adverbial feminina ___A___preparar-se muito
melhor o Nunca haverá crase antes de verbo Interpretação de Texto

04. Resposta A “O senhor... Mire veja: o mais importante e bonito, do


A palavra crase é de origem grega e significa “fusão”, mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda
“mistura”. Na língua portuguesa, é o nome que se dá à não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando.
“junção” de duas vogais idênticas. É de grande importância Afinam e desafinam. Verdade maior. É o que a vida me
a crase da preposição “a” com o artigo feminino “a” (s), ensinou. Isso que me alegra, montão.”
com o pronome demonstrativo “a” (s), com o “a” inicial
dos pronomes aquele (s), aquela (s), aquilo e com o “a” do (em Grande Sertão: Veredas, Guimarães Rosa)
relativo a qual (as quais). Na escrita, utilizamos o acento
grave ( ` ) para indicar a crase. O uso apropriado do Escrever para matar o tempo. Escrever por obrigação.
acento grave, depende da compreensão da fusão das duas Escrever por profissão. Escrever para tornar presente a
vogais. É fundamental também, para o entendimento da ausência. Escrever para manter próximos os elos distantes.
crase, dominar a regência dos verbos e nomes que exigem Escrever para vencer o espaço e o tempo. Escrever para se
a preposição “a”. Aprender a usar a crase, portanto, encontrar ou se perder de vez. Escrever para dar vida eterna
consiste em aprender a verificar a ocorrência simultânea ao instante efêmero. Escrever para se sentir solitário, mas
de uma preposição e um artigo ou pronome. escrever para ter companhia na solidão. Escrever para se
conhecer nas entranhas, mas escrever para romper a espessa
05. Resposta D crosta da individualidade. Escrever para criar pontes em
Na alternativa D foi usada corretamente a crase por busca do outro. Escrever para ter a marca registrada do
isso é a alternativa correta. ser pensante. Escrever para explodir ou domar a paixão.

52
PORTUGUÊS
Escrever como treino de inteligência ou para admirar a Essas perguntas devem ser revistas durante as eta-
loucura da lucidez. Escrever para criar um ritual em que pas que se seguem, procurando usar de imparcialidade
o homem é a própria magia. Escrever para se firmar como quanto ao ponto de vista do autor, e o assunto, evitando
uma voz distinta no mundo. Escrever para aceitar, negar e preconceitos. Se você se propuser a ler um texto sem inte-
transformar o mesmo mundo. Escrever para se sentir vivo resse, com olhar crítico, rejeitando-o antes de conhecê-lo,
e renovar o grande estoque de palavras-mundo que há em provavelmente o aproveitamento será muito baixo. Ler é
nós. Daqui surgem os textos. armazenar informações; desenvolver; ampliar horizontes;
compreender o mundo; comunicar-se melhor; escrever
A maioria das pessoas fala enquanto faz alguma coisa. melhor; relacionar-se melhor com o outro.
Numa partida de futebol, os jogadores não só correm e
chutam, mas gritam, advertem, perguntam. Difícil é ler e O Terceiro Nível é conhecido como analítico. Depois
ao mesmo tempo fazer outra coisa. Ao lermos, a realidade de vasculharmos bem o texto na pré-leitura, analisamos.
em torno de nós tende a sumir de nossa atenção, porque Para isso, é imprescindível que saibamos em qual gênero
ficamos concentrados naquilo que o texto nos diz. o texto se enquadra: trata-se de um romance, um tratado,
uma notícia de jornal, revista, entrevista, neste caso, existe
“Na leitura, é importante descobrir o que é relevante em apenas teoria ou são inseridas práticas e exemplos. No
cada texto e conseguir situar-se convenientemente no ponto caso de ser um texto teórico, que requeira memorização,
de observação escolhido pelo autor, compreendendo suas procure criar imagens mentais sobre o assunto, ou seja,
intenções e propósitos”. veja, realmente, o que está lendo, dando vida e muita
criatividade ao assunto. Note bem: a leitura efetiva vai
A importância dada às questões de interpretação acontecer nesta fase, e a primeira coisa a fazer é ser capaz
de textos deve-se ao caráter interdisciplinar, o que de resumir o assunto do texto em duas frases. Já temos
equivale dizer que a competência de ler texto interfere algum conteúdo para isso, pois o encadeamento das ideias
decididamente no aprendizado em geral, já que boa parte já é de nosso conhecimento. Procure, agora, ler bem o
do conhecimento mais importante nos chega por meio da texto, do início ao fim. Esta é a leitura efetiva, aproveite
linguagem escrita. A maior herança que a escola pode legar bem este momento. Fique atento! Aproveite todas as in-
aos seus alunos é a competência de ler com autonomia, formações que a pré-leitura ofereceu. Não pare a leitura
isto é, de extrair de um texto os seus significados. Num para buscar significados de palavras em dicionários ou su-
texto, cada uma das partes está combinada com as outras, blinhar textos, isto será feito em outro momento.
criando um todo que não é mero resultado da soma das
partes, mas da sua articulação. Assim, a apreensão do O Quarto Nível de leitura é o denominado de contro-
significado global resulta de várias leituras acompanhadas le. Trata-se de uma leitura com a qual vamos efetivamente
de várias hipóteses interpretativas, levantadas a partir da acabar com qualquer dúvida que ainda persista. Normal-
compreensão de dados e informações inscritos no texto mente, os termos desconhecidos de um texto são explicita-
lido e do nosso conhecimento do mundo. dos neste próprio texto, à medida que vamos adiantando a
leitura. Um mecanismo psicológico fará com que fiquemos
Os diferentes níveis de leitura com aquela dúvida incomodando-nos até que tenhamos a
resposta. Caso não haja explicação no texto, será na eta-
Para que isso aconteça, é necessário que haja matu- pa do controle que lançaremos mão do dicionário. Veja
ridade para a compreensão do material lido, senão tudo bem: a esta altura já conhecemos bem o texto e o ato de
cairá no esquecimento ou ficará armazenado em nossa interromper a leitura não vai fragmentar a compreensão
memória sem uso, até que tenhamos condições cognitivas do assunto como um todo. Será, também, nessa etapa que
para utilizar. De uma forma geral, passamos por diferen- sublinharemos os tópicos importantes, se necessário. Para
tes níveis ou etapas até termos condições de aproveitar to- ressaltar trechos importantes opte por um sinal discreto
talmente o assunto lido. Essas etapas ou níveis são cumu- próximo a eles, visando principalmente a marcar o local
lativas e vão sendo adquiridas pela vida, estando presente do texto em que se encontra, obrigando-o a fixar a cro-
em praticamente toda a nossa leitura. nologia e a sequência deste fato importante, situando-o.
O Primeiro Nível é elementar e diz respeito ao Aproveite bem esta etapa de leitura.
período de alfabetização. Ler é uma capacidade cerebral
muito sofisticada e requer experiência: não basta apenas Um Quinto Nível pode ser opcional: a etapa da
conhecermos os códigos, a gramática, a semântica, é repetição aplicada. Quando lemos, assimilamos o conteúdo
preciso que tenhamos um bom domínio da língua. do texto, mas aprendizagem efetiva vai requerer que
tenhamos prática, ou seja, que tenhamos experiência do
O Segundo Nível é a pré-leitura ou leitura que foi lido na vida. Você só pode compreender conceitos
inspecional. Tem duas funções específicas: primeiro, que tenha visto em seu cotidiano. Nada como unir a teoria
prevenir para que a leitura posterior não nos surpreenda à prática. Na leitura, quando não passamos pela etapa da
e, sendo, para que tenhamos chance de escolher qual repetição aplicada, ficamos muitas vezes sujeitos àqueles
material leremos, efetivamente. Trata-se, na verdade, de brancos quando queremos evocar o assunto. Observe agora
nossa primeira impressão sobre o texto. É a leitura que os trechos sublinhados, trace um diagrama sobre o texto,
comumente desenvolvemos “nas livrarias”. Nela, por meio esforce-se para traduzi-lo com suas próprias palavras.
do salteio de partes, respondem basicamente às seguintes Procure associar o assunto lido com alguma experiência
perguntas: já vivida ou tente exemplificá-lo com algo concreto, como
- Por que ler este livro? se fosse um professor e o estivesse ensinando para uma
- Será uma leitura útil? turma de alunos interessados. É importante lembrar
- Dentro de que contexto ele poderá se enquadrar? que esquecemos mais nas próximas 8 horas do que nos
30 dias posteriores. Isto quer dizer que devemos fazer

53
PORTUGUÊS
pausas durante a leitura e ao retornarmos ao texto, Terceiro Conceito do Texto: “Para este caminho de regresso
consultamos as anotações. Não pense que é um exercício às origens de um trauma, Freud se utilizou especialmente
monótono. Nós somos capazes de realizar diariamente da linguagem onírica dos pacientes, considerando os sonhos
exercícios físicos com o propósito de melhorar a aparência como compensação dos desejos insatisfeitos na fase de
e a saúde. Pois bem, embora não tenhamos condições de vigília.” Aqui, está explicitado que a descoberta das raízes
ver com o que se apresenta nossa mente, somos capazes de um trauma se faz por meio da compreensão dos sonhos,
de senti-la quando melhoramos nossas aptidões como o que seriam uma linguagem metafórica dos desejos não
raciocínio, a prontidão de informações e, obviamente, realizados ao longo da vida do dia a dia.
nossos conhecimentos intelectuais. Vale a pena se esforçar
no início e criar um método de leitura eficiente e rápido. Quarto Conceito do Texto: “Mas a grande novidade de
Freud, que escandalizou o mundo cultural da época, foi
Ideias Núcleo a apresentação da tese de que toda neurose é de origem
sexual.” Por fim, o texto afirma que Freud escandalizou
O primeiro passo para interpretar um texto consiste em a sociedade de seu tempo, afirmando a novidade de que
decompô-lo, após uma primeira leitura, em suas “ideias todo o trauma psicológico é de origem sexual.
básicas ou ideias núcleo”, ou seja, um trabalho analítico
buscando os conceitos definidores da opinião explicitada Questões
pelo autor. Esta operação fará com que o significado do
texto “salte aos olhos” do leitor. Exemplo: 01. (PM/BA - Soldado da Polícia Militar - FCC -
PM/BA - Soldado da Polícia Militar)
“Incalculável é a contribuição do famoso neurologista Desde o desenvolvimento da linguagem, há 5.000
austríaco no tocante aos estudos sobre a formação da anos, a espécie humana passou a ter seu caminho
personalidade humana. Sigmund Freud (1859-1939) evolutivo direcionado pela cultura, cujos impulsos foram
conseguiu acender luzes nas camadas mais profundas da superando a limitação da biologia e os açoites da natureza.
psique humana: o inconsciente e subconsciente. Começou Foi pela capacidade de pensar e de se comunicar que a
estudando casos clínicos de comportamentos anômalos humanidade obteve os meios para escapar da fome e da
ou patológicos, com a ajuda da hipnose e em colaboração morte prematura.
com os colegas Joseph Breuer e Martin Charcot (Estudos O atual empuxo tecnológico se acelerou de tal forma
sobre a histeria, 1895). Insatisfeito com os resultados que alguns felizardos com acesso a todos os recursos
obtidos pelo hipnotismo, inventou o método que até hoje é disponíveis na vanguarda dos avanços médicos, biológicos,
usado pela psicanálise: o das ‘livres associações’ de ideias tecnológicos e metabólicos podem realisticamente pensar
e de sentimentos, estimuladas pela terapeuta por palavras em viver em boa saúde mental e física bem mais do que
dirigidas ao paciente com o fim de descobrir a fonte das 100 anos. O prolongamento da vida saudável, em razão
perturbações mentais. Para este caminho de regresso às de uma velhice sem doenças, já foi só um exercício de
origens de um trauma, Freud se utilizou especialmente da visionários. Hoje é um campo de pesquisa dos mais sérios
linguagem onírica dos pacientes, considerando os sonhos e respeitados.
como compensação dos desejos insatisfeitos na fase de vigília. Robert Fogel, o principal formulador do conceito da
Mas a grande novidade de Freud, que escandalizou o evolução tecnofísica, e outros estudiosos estão projetando
mundo cultural da época, foi a apresentação da tese de que os limites dessa fabulosa caminhada cultural na qualidade
toda neurose é de origem sexual.” de vida dos seres humanos. Quando se dedicam a essa
(Salvatore D’Onofrio) tarefa, os estudiosos esbarram, em primeiro lugar, nas
desigualdades de renda e de acesso às inovações. Fazem
Primeiro Conceito do Texto: “Incalculável é a contribuição parte das conjecturas dos estudiosos a questão ambiental
do famoso neurologista austríaco no tocante aos estudos e a necessidade urgente de obtenção e popularização de
sobre a formação da personalidade humana. Sigmund novas formas de energia menos agressivas ao planeta.
Freud (1859-1939) conseguiu acender luzes nas camadas (Adaptado de Revista Veja, 25 de abril de
mais profundas da psique humana: o inconsciente e 2012 p 141)
subconsciente.” O autor do texto afirma, inicialmente, que
Sigmund Freud ajudou a ciência a compreender os níveis ... a espécie humana passou a ter seu caminho evolutivo
mais profundos da personalidade humana, o inconsciente direcionado pela cultura, cujos impulsos foram superando
e subconsciente. a limitação da biologia ... (1º parágrafo)
Segundo Conceito do Texto: “Começou estudando casos
clínicos de comportamentos anômalos ou patológicos, com O sentido do segmento grifado acima está reproduzido
a ajuda da hipnose e em colaboração com os colegas Joseph com outras palavras, respeitando-se a lógica, a correção e
Breuer e Martin Charcot (Estudos sobre a histeria, 1895). a clareza, em:
Insatisfeito com os resultados obtidos pelo hipnotismo, (A) o caminho da evolução da humanidade, apesar
inventou o método que até hoje é usado pela psicanálise: o das limitações biológicas, passam ainda hoje pelo
das ‘livres associações’ de ideias e de sentimentos, estimuladas desenvolvimento c cultural, que as possibilita.
pela terapeuta por palavras dirigidas ao paciente com o fim (B) o desenvolvimento cultural da humanidade
de descobrir a fonte das perturbações mentais.” A segunda permitiu descobrir as causas de problemas que afetavam a
ideia núcleo mostra que Freud deu início a sua pesquisa saúde das pessoas, bem como combater as doenças.
estudando os comportamentos humanos anormais ou (C) os problemas de origem física, como uma doença,
doentios por meio da hipnose. Insatisfeito com esse nem sempre foi possível resolvê-la, com base nos
método, criou o das “livres associações de ideias e de problemas resultantes da biologia.
sentimentos”. (D) com o desenvolvimento da cultura humana,
descobriu-se as leis da biologia e do ambiente que viviam,

54
PORTUGUÊS
permitindo-os evoluir com mais saúde. seus Amigos tinham começado a se comunicar entre si
(E) as descobertas científicas da biologia veio permitir Independentemente da mediação dele. Pessoas cujo único
que a humanidade fosse se tornando mais capaz de evoluir ponto em comum era o próprio Christakis acabaram ficando
por um tempo mais longo e com saúde. amigas. No Twitter, eu posso me interessar pelo que você
tem a dizer e começar a te seguir. Nós não nos conhecemos.
02. (IBAM - Prefeitura de Praia Grande/SP - Mas você saberá quando eu o retuitar ou mencionar seu
Agente Administrativo - IBAM) nome no sítio, e poderá falar comigo. Meus seguidores
A historieta a seguir deverá ser utilizada para resolver também podem se interessar pelos seus tuítes e começar
a questão a seguir. a seguir você. Em suma, nós continuaremos não nos
conhecendo, mas as pessoas que estão _______ nossa
volta podem virar amigas entre si.

Considere as seguintes afirmações.


I. Através do uso do advérbio sim (L.08), o autor valida
a assertiva de que as redes sociais tendem a transformar
elos latentes (L.05) em elos fracos (L.06).
II. Por meio da frase Isso não é inteiramente ruim
Tendo por base a frase “Venha aqui, seu vagabundo”, (L.09), o autor manifesta-se favorável à afirmação de que
analise as afirmações seguintes. as melhores amizades são aquelas que descobrimos fora
I. Temos na oração, um verbo conjugado no modo das redes sociais.
imperativo. III. Mediante o emprego do segmento É verdade (L.17),
II. O vocábulo “seu”, no caso, é um pronome possessivo. o autor reitera sua opinião a respeito do caráter trivial que
III. A vírgula foi empregada para isolar o vocativo. a concepção de amizade vem assumindo nas redes sociais.
É correto o que se afirmou em: Quais estão corretas, de acordo com o texto?
(A) I, apenas. (A) Apenas I.
(B) I e III, apenas. (B) Apenas II.
(C) II e III, apenas. (C) Apenas III.
(D) I, II e III. (D) Apenas II e III.
(E) I, II e III.
03. (MPE/RS - Técnico Superior de Informática
- MPE) 04. (TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário -
Um estudo feito pela Universidade de Michigan Prova versão 1 - VUNESP) Leia a tira.
constatou que o que mais se faz no Facebook,
depois de interagir com amigos, é olhar os perfis
de pessoas que acabamos de conhecer. Se você
gostar do perfil, adicionará aquela pessoa, e estará
formado um vínculo. No final, todo mundo vira amigo de
todo mundo. Mas, não é bem assim. As redes sociais têm o
poder de transformar os chamados elos latentes (pessoas
que frequentam o mesmo ambiente social, mas não são
suas amigas) em elos fracos - uma forma superficial de
amizade. Pois é, por mais que existam exceções ______
qualquer regra, todos os estudos mostram que amizades
geradas com a ajuda da Internet são mais fracas, sim, do No segundo quadrinho, a fala da personagem revela:
que aquelas que nascem e se desenvolvem fora dela. (A) hesitação.
Isso não é inteiramente ruim. Os seus amigos do peito (B) indiferença.
geralmente são parecidos com você: pertencem ao mesmo (C) contradição.
mundo e gostam das mesmas coisas. Os elos fracos, não. (D) raiva.
Eles transitam por grupos diferentes do seu e, por isso, (E) exaltação.
podem lhe apresentar novas pessoas e ampliar seus
horizontes - gerando uma renovação de ideias que faz 05. (TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário -
bem a todos os relacionamentos, inclusive às amizades Prova versão 1 - VUNESP)
antigas. O problema é que a maioria das redes na Internet
é simétrica: se você quiser ter acesso às informações de Saber é trabalhar
uma pessoa ou mesmo falar reservadamente com ela, é
obrigado a pedir a amizade dela. Como é meio grosseiro Geralmente, numa situação de altos índices de
dizer “não’ ________ alguém que você conhece, todo desemprego, o trabalhador sente a necessidade de
mundo acaba adicionando todo mundo. E isso vai levando aprimorar a sua formação para obter um posto de
________ banalização do conceito de amizade. trabalho. As empresas buscam os mais qualificados em
É verdade. Mas, com a chegada de sítios como cada categoria e excluem os que não se encaixam no
O Twitter, ficou diferente. Esse tipo de sítio é uma perfil pretendido. Nos últimos anos, essa não tem sido a
rede social completamente assimétrica. E isso faz com lógica vigente no Brasil. Segundo a pesquisa de emprego
que as redes de “seguidos” de alguém possam se urbano feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de
comunicar de maneira muito mais fluida. Ao estudar Estatística e Estudos Socioeconômicos) e pela Fundação
a sua própria rede no Twitter, o sociólogo Nicholas Seade (Sistema Estadual De Análise de Dados), os níveis
Christakis, da Universidade de Harvard, percebeu que de pessoas sem emprego estão apresentando quedas

55
PORTUGUÊS
sucessivas de 2005 para cá. O desemprego em nove regiões esbarra em um ponto importante, aquela amizade de curtir
metropolitanas medido pela pesquisa era de 17,9% em fotos, comentários mas nada profundo com sentimento.
2005 e fechou em 11,9% em 2010.
A pesquisa do Dieese é um medidor importante, pois 04. Resposta B
sua metodologia leva em conta não só o desemprego Sim, o sentimento expresso no segundo quadrinho é
aberto (quem está procurando trabalho), como também de indiferença, visto que ele não se importa se a grama do
o oculto (pessoas que desistiram de procurar ou estão em vizinho é mais verde ou não.
postos precários). Uma das consequências dessa situação é
apontada dentro da própria pesquisa, um aumento médio 05. Resposta E
no nível de rendimentos dos trabalhadores ocupados. Segundo o texto, cada vez menos os candidatos a
A outra é a dificuldade que as empresas têm de encontrar uma vaga de emprego se especializam ou possuem um
mão de obra qualificada para os postos de trabalho que diferencial na hora de concorrer à uma vaga de emprego.
estão abertos. A Fundação Dom Cabral apresentou, em
março, a pesquisa Carência de Profissionais no Brasil. A
análise levou em conta profissionais dos níveis técnico,
operacional, estratégico e tático. Do total, 92% das
empresas admitiram ter dificuldade para contratar a mão
de obra de que necessitam.
(Língua Portuguesa, outubro de 2011, Adaptado) 12) Ponto de vista do autor.

De acordo com o texto “Saber é Trabalhar” responda:


Ponto de Vista do Autor
O texto revela que, no Brasil,
(A) as empresas estão mais rigorosas para selecionar O Ponto de Vista (PDV) na literatura é o ângulo sob
os mais qualificados. o qual o autor irá narrar sua trama. É o que muitos
(B) os índices de desemprego têm se elevado costumam definir como a Mosca na Parede; este inseto
continuamente nas regiões metropolitanas. somente visualiza o que está acessível a sua visão. Pode-se
(C) os trabalhadores têm investido mais do que o afirmar também que ele é como uma câmera fixa na testa
necessário em sua formação profissional. do personagem que conduz a ação em uma determinada
(D) as pesquisas sobre emprego são pouco consistentes cena.
e confiáveis.
(E) as empresas convivem com a carência de mão de Este instrumento só tem o poder de mergulhar no
obra qualificada. universo externo por meio dos seis sentidos do protagonista,
os cinco habituais somados a suas sensações e intuições.
Respostas O autor pode igualmente conferir ao seu personagem uma
habilidade extra-sensorial, um dom mágico.
01. Resposta B
“Caminho evolutivo direcionado pela cultura em Isto geralmente ocorre com os heróis dos quadrinhos
outras palavras”: o desenvolvimento cultural ou com seres fictícios como Harry Potter, o qual, por
exemplo, compreende e se comunica através da linguagem
02. Resposta B das cobras. Portanto, o escritor tem total liberdade para
SEU = pode ser empregado como pronome possessivo criar novos sentidos para suas criaturas.
ou como pronome de tratamento (forma utilizada na
questão acima). Acima de tudo, porém, o autor precisa definir se sua
narrativa será transmitida ao leitor por um ou vários
Observe abaixo um pouco do que diz o dicionário personagens. Quando a história é contada por mais de um
Houaiss sobre a utilização da palavra SEU como pronome ser fictício, a transição do PDV de um para outro deve ser
de tratamento: bem marcante, para que quem estiver acompanhando a
seu. senhor (‘tratamento respeitoso’) (Empregado leitura não fique confuso.
diante de nome de pessoa, ou de outro axiônimo, ou de
palavra designativa de profissão.) (seu Joaquim) (seu Um detalhe deve ficar bem claro. Um enredo não
doutor) (seu delegado). GRAM fem.: sinhá, sinha, siá, sia, precisa ser narrado por todos os personagens que o
senhora. Uso empregado também com valor afetivo (seu povoam, a não ser que a trama o exija. Assim sendo, o
bobinho!), de forma jocosa (p. ex.: aposto que seu Tiago criador tem que decidir qual personagem reterá o Ponto
saberá a resposta - sendo Tiago uma pessoa jovem) ou de Vista. Isso não quer dizer que um ou dois capítulos, por
disfêmica (seu pateta!), ou, ainda, com matiz interjetivo exemplo, não possam conter o PDV de outros personagens
(tinha coragem de me enfrentar nada, seu!); nestes casos, quando isso for essencial para o desenvolvimento da
há no Brasil os fem. sua, senha, sinha. história. Definido esse ponto, o escritor começa a escrever
Fonte: Dicionário Houaiss da língua portuguesa / contextualizando seu protagonista em uma determinada
Antônio Houaiss e Mauro de Salles Villar coordenada temporal e geográfica.
Logo em seguida o autor terá que se preocupar em
03. Resposta D criar afinidades com o leitor. Para tanto ele precisa se
No número II o autor deixa claro no texto, que as situar na posição ocupada pelo personagem e perceber o
amizades formadas por redes sociais não são duradoras mundo por meio de seu olhar. Se por acaso a pessoa cerrar
nem possuem uma base sólida. Já no número III, a seus olhos, ainda terá como ouvir, sentir, captar os cheiros,
concepção de amizade proveniente de redes sociais, embora não possa ver.

56
PORTUGUÊS
Para ficar mais claro, aí vai um exemplo. Em uma mudança de posição, pode-se consertar tudo. Neste
cena conduzida pelo Ponto de Vista do seu protagonista, diálogo, por exemplo:
o escritor não pode se referir aos cabelos dele, a não ser - Você não me conhece?
que ele se mire em um espelho, porém está livre para - Eu não. Nunca vi-te.
descrever a sensação dos cabelos encharcados de suor,
grudando na testa. A segunda fala, que nem parece português, ficaria
perfeita apenas com o deslocamento do pronome:
É tão importante a questão do Ponto de Vista, que no - Eu não. Nunca te vi.
mercado editorial norte-americano uma obra que não
apresente uma perfeita estruturação do PDV não é nem Bastam esses dois exemplos para demonstrar que a
mesmo levada em consideração por editores e agentes. posição das palavras não é indiferente no português,
Isso porque esse lapso indica que não se trata de um autor afetando tanto o sentido quanto outros aspectos da
profissional. comunicação que não podem ser deixados de lado.
O Ponto de Vista na literatura é o ângulo sob o qual o Problemas como esses são chamados de sintaxe de
autor irá narrar sua trama. Existem três formas básicas de colocação.
mostrar uma narração: primeira pessoa, segunda pessoa e
terceira pessoa. Colocação e Estrutura Sintática
A colocação interfere, muitas vezes, na estrutura da
1. Primeira pessoa frase, como se pode observar num dos versos da seguinte
Quando um personagem narra a história a partir estrofe:
de seu próprio ponto de vista, o escritor está usando a
primeira pessoa. Nesse caso, lemos o livro com a sensação Vou-me embora pra Pasárgada
de termos a visão do personagem podendo também saber Aqui eu não sou feliz
quais são seus pensamentos, o que causa uma leitura mais Lá a existência é uma aventura
íntima. Da mesma maneira que acontece nas nossas vidas, De tal modo inconsequente
existem algumas coisas das quais não temos conhecimento Que Joana a louca de Espanha
Rainha e falsa demente
e só descobrimos ao decorrer da história.
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive.
2. Segunda pessoa
Na segunda pessoa, o autor costuma falar diretamente
Manuel Bandeira
com o leitor, como um diálogo. É um caso mais raro e faz Tomemos o verso: Rainha e falsa demente.
com que o leitor se sinta quase como outro personagem Agora, troquemos a posição do e: Rainha falsa e
que participa da história. demente.
Como se vê, a simples mudança de lugar da conjunção
3. Terceira pessoa “e” altera a relação sintática entre os termos do enunciado
Esse ponto de vista coloca o leitor numa posição e afeta o sentido.
externa, como se apenas observasse a ação acontecer. Os No primeiro exemplo, falsa qualificando demente (é
diálogos não são como na narrativa em primeira pessoa, um adjunto adnominal). No segundo exemplo, o mesmo
já que nesse caso o autor relata as frases como alguém que termo continua sendo um qualificador; nessa posição,
estivesse apenas contando o que cada personagem disse. porém, não está mais associado a demente, mas a rainha,
colocando sob suspeita o título de majestade e não a
Fontes: http://www.infoescola.com/literatura/o- demência da soberana, como na versão original. Por aí se
ponto-de-vista-pdv-na-literatura/ vê que a alteração da ordem das palavras pode modificar
http://noticias.universia.com.br/destaque/ a estrutura sintática da frase.
noticia/2013/06/26/1032877/entenda-os-3-pontos- Evidentemente, nem toda mudança na colocação das
vista-literarios.html palavras interfere na estrutura sintática. Quando tratamos
dos marcadores de correlação entre as palavras da frase,
a mudança de colocação só afeta o sentido do enunciado
quando faltam outros marcadores de correlação.
Harmonia: a colocação interfere também na
sonoridade da frase. Observe os dois enunciados que
13) Significação contextual de palavra seguem:
e expressões.
Não se farão concessões.
Não farão-se concessões.
Colocação das Palavras
Mesmo sem apelar para conhecimentos especializados,
sentimos que o primeiro enunciado está totalmente
Quando falamos ou escrevemos, nem sempre nos
damos conta de que a simples mudança do lugar de uma enquadrado nos padrões de harmonia e melodia da frase:
palavra pode afetar consideravelmente o sentido de uma é agradável de ouvir. Por outro lado, o segundo enunciado
frase, como é o caso deste exemplo: nega completamente esses padrões. Isso nos leva a
Na festa dos bichos, só o sapo não veio. concluir que há disposições de palavras mais harmônicas
Na festa dos bichos, o sapo não veio só. do que outras.

Outras vezes, a posição das palavras não afeta em nada Clareza: a colocação interfere também na maior
o sentido, mas prejudica a sonoridade. Com uma simples ou menor clareza do enunciado. Há uma disposição das

57
PORTUGUÊS
palavras que exige menos esforço de compreensão que e o esposo para o jantar. – os termos destacados estão
outra. Vejamos os dois enunciados a seguir: substituídos pelo pronome pessoal oblíquo adequado,
A destruição pelas chuvas da ponte trouxe enormes segundo a norma-padrão, em:
prejuízos. (A) ... Convidaram-os para o jantar.
A destruição da ponte pelas chuvas trouxe enormes (B) ... Convidaram-los para o jantar.
prejuízos. (C) ... Convidaram-lhes para o jantar.
Como se pode perceber, o segundo enunciado, em (D) ... Convidaram-nos para o jantar.
matéria de clareza, é francamente preferível ao primeiro. (E) ... Convidaram-nas para o jantar.
Expressividade: a colocação, por fim, serve para
criar efeitos de sentido variados: o deslocamento de uma 02. (TRT/AL - ANALISTA JUDICIÁRIO -
palavra ou expressão pode conferir-lhe maior ou menor FCC/2014)
força de expressão. Veja os exemplos a seguir, em que foi cruzando os desertos do oeste da China ï TXH
trocada a posição do adjetivo em relação ao substantivo: contornam a ÍndiaïDGRWDPcomplexas providências
Dize-me para onde vais, solitário peregrino! Fazendo-se as alterações necessárias, os segmentos
Dize-me para onde vais, peregrino solitário! grifados acima foram corretamente substituídos por um
Confrontando os dois enunciados, fica evidente a pronome, respectivamente, em:
ênfase que ganha o adjetivo do primeiro enunciado pela (A) os cruzando - que contornam-lhe - adotam-as
sua anteposição ao substantivo. No segundo enunciado, (B) cruzando-lhes - que contornam-na - as adotam
o adjetivo posposto ao substantivo cria um efeito de mais (C) cruzando-os - que lhe contornam - adotam-lhes
objetividade, de neutralidade. No primeiro, enfatiza a (D) cruzando-os - que a contornam - adotam-nas
impressão subjetiva do enunciador. (E) lhes cruzando - que contornam-a - as adotam

Topicalização: é o mesmo que colocar no topo. 03. (SABESP/SP – AGENTE DE SANEAMENTO


Considera-se o início da frase como se fosse o topo. Assim, AMBIENTAL 01 – FCC/2014 - adaptada) O segmento
a colocação de uma palavra ou expressão no início é uma grifado está corretamente substituído pelo pronome
forma de destacá-la no enunciado. Exemplo: O casarão, correspondente em:
(A) Sem precisar atravessar a cidade = atravessar-lhe
não havia nada que chamasse mais atenção na paisagem.
(B) Eles serviriam para receber a enorme quantidade
de lixo = recebê-lo
Focalização: há palavras que se justapõem a outras
(C) Um grupo de pesquisadores da USP tem um projeto
para dar-lhes destaque, como se fossem um objeto
= tem-los
colocado sob o foco de luz num cenário. Exemplo: De
(D) O primeiro envolve a construção de uma série de
todas as peças do jogo, o rei é que recebe mais luz nesse portos = envolve-lhe
tabuleiro. (E) O Hidroanel Metropolitano pretende resolver o
problema em São Paulo = resolvê-lo
Princípio Geral
Nossos estudos gramaticais não dispõem ainda de 04. (EMDEC - ANALISTA DA MOBILIDADE
um conjunto fechado de normas sobre a colocação das URBANA I – IBFC/2014) Na oração “movendo-nos com
palavras no enunciado. Apesar disso, podemos pautar-nos desembaraço”, a posição do pronome átono é enclítica.
pela seguinte fórmula: A disposição ideal das palavras Assinale a opção em que o pronome também deveria estar
(salvo os casos sujeitos à expressividade) é aquela que empregado nessa mesma posição.
confere à frase maior clareza e sonoridade. Exemplo: (A) Nunca me convidam para os grandes eventos.
As críticas mais severas dos deputados ao (B) Embora te encontre, ainda sinto tua falta.
presidente vieram de seu próprio partido. (C) Não encontrei a reposta que me indicaram.
As críticas mais severas ao presidente dos (D) Assim, se resolvem os problemas.
deputados vieram de seu próprio partido.
Não há dúvida de que a disposição das palavras é mais 05. (PRODAM – AUXILIAR - MOTORISTA –
clara no primeiro do que no segundo exemplo. FUNCAB/2014) Assinale a opção em que o pronome
oblíquo foi corretamente colocado.
Questões (A) Ninguém avisou-me sobre isso.
(B) Quem contou-te o que aconteceu?
01. (SAAE/SP - FISCAL LEITURISTA - VUNESP (C) A pessoa que ajudou-me era muito simpática.
- 2014) (D) Quando nos viu, deu uma freada e parou.
(E) Não aproxime-se do alambrado.

06. A maior parte da água da chuva é interceptada


pela copa das árvores, ...... cobrem toda a região. ......
evapora rapidamente, causando mais chuva, o que não
ocorre em áreas desmatadas, ...... solo é pobre em matéria
orgânica. As lacunas da frase acima estão corretamente
preenchidas, respectivamente, por
(A) onde - A chuva - que o
(B) nas quais - Aquela chuva - cujo
(C) em que - A água da chuva - que o
(D) que elas - Essa chuva - aonde
(E) que - Essa água – cujo
Em - Os Stevensens, naquela noite, convidaram Helga

58
PORTUGUÊS
07. As razões ___ ele deverá invocar para justificar o (D) envolve a construção de uma série de portos =
que fez não alcançarão qualquer ressonância ___ membros envolve-lhe (envolve-a)
do Conselho, ___ votos ele depende para permanecer na (E) O Hidroanel Metropolitano pretende resolver o
empresa. Preenchem de modo correto as lacunas da frase problema em São Paulo = resolvê-lo
acima, respectivamente, as expressões:
(A) a que - para com os - de cujos 05. Resposta D
(B) de que - junto aos - cujos os Correções à frente:
(C) que - diante dos - de quem os (A) Nunca me convidam para os grandes eventos =
(D) às quais - em vista dos - em cujos correta.
(E) que - junto aos - de cujos (B) Embora te encontre, ainda sinto tua falta = correta.
(C) Não encontrei a reposta que me indicaram =
08. Sonhos não faltam; há sonhos dentro de nós e correta.
por toda parte, razão pela qual a estratégia Neoliberal (D) Assim, se resolvem os problemas = resolvem-se.
convoca esses sonhos, atribui a esses sonhos um
valor incomensurável, sabendo que nunca realizaremos 06. Resposta D
esses sonhos. Evitam-se as viciosas repetições dos (A) Ninguém avisou-me sobre isso. = ninguém me
elementos sublinhados na frase acima substituindo-os, na avisou
ordem dada, por: (B) Quem contou-te o que aconteceu? = quem te
(A) há eles - convoca-os - atribui-lhes - realizaremo-los contou
(B) os há - os convoca - lhes atribui - realizaremo-los (C) A pessoa que ajudou-me era muito simpática. =
(C) há-os - convoca-lhes - os atribui – realizá-los-emos que me ajudou
(D) há estes - lhes convoca - atribui-lhes - os (D) Quando nos viu, deu uma freada e parou. = correta
realizaremos (E) Não aproxime-se do alambrado. = não se aproxime
(E) há-os - os convoca - atribui-lhes - os realizaremos
07. Resposta E
09. (CEFET – ASSISTENTE DE ALUNOS –
CESGRANRIO/2014 - adaptada) A expressão 08. Resposta E
destacada está adequadamente substituída pelo pronome,
09. Resposta E
de acordo com a norma-padrão, em:
Há sonhos = há é VTD – sonhos = os
(A) “Para estimular crianças e jovens a escrever” - Convoca esses sonhos = convoca o quê? – convoca é
estimular-lhes VTD – esses sonhos = os
(B) “organizamos o pensamento segundo um código Atribui a esses sonhos = atribui é VTI – a esses sonhos
comum” - organizamos-lhe = lhes
(C) “Todo professor conhece este segredo” - conhece-o Nunca realizaremos esses sonhos = realizar é VTD
(D) “Mesmo ao escrever um diário secreto” - escrevo- – esses sonhos = os – Nunca = palavra de expressão
no negativa, exige que ocorra próclise
(E) “não importa há quantos anos exerça o magistério”
- exerça-lo 10. Resposta C
(A) “Para estimular crianças e jovens a escrever” -
Respostas estimular-lhes = estimulá-los
(B) “organizamos o pensamento segundo um código
01. Resposta D comum” - organizamos-lhe = organizamo-lo
Dica: quando o verbo terminar em “m”, lembre-se do (C) “Todo professor conhece este segredo” -
alfabeto: J, K, L,M – N – ou seja: levaraM-Na, venderaM- conhece-o = correta
Na, convidaraM-Nos. (D) “Mesmo ao escrever um diário secreto” -
escrevo-no = escrevê-lo
03. Resposta D (E) “não importa há quantos anos exerça o
Não podemos utilizar “lhes”, que corresponde ao magistério” - exerça-lo = exerça-o
objeto indireto (verbo “cruzar” pede objeto direto: cruzar
o quê?), portanto já desconsideramos as alternativas “B”
e “D”. Ao iniciarmos um parágrafo (já que no enunciado
temos uma oração assim) devemos usar ênclise: (cruzando-
os); na segunda oração temos um pronome relativo (dá
para substituirmos por “o qual”), o que nos obriga a usar 14) Estruturação do texto: relações
a próclise (que a contorna); “adotam” exige objeto direto entre ideias e recursos e coesão.
(adotam quem ou o quê?), chegando à Resposta: adotam-
nas (quando o verbo terminar em “m” e usarmos um
pronome oblíquo direto, lembre-se do alfabeto: JKLM – Coesão
N!).
Uma das propriedades que distinguem um texto de
04. Resposta E um amontoado de frases é a relação existente entre os
(A) atravessar a cidade = atravessar-lhe (atravessá-la) elementos que os constituem. A coesão textual é a ligação,
(B) receber a enorme quantidade de lixo = recebê-lo a relação, a conexão entre palavras, expressões ou frases
(recebê-la) do texto. Ela manifesta-se por elementos gramaticais, que
(C) tem um projeto = tem-los (tem-no)

59
PORTUGUÊS
servem para estabelecer vínculos entre os componentes São anafóricos ou catafóricos os pronomes
do texto. Observe: demonstrativos, os pronomes relativos, certos advérbios
ou locuções adverbiais (nesse momento, então, lá), o
“O iraquiano leu sua declaração num bloquinho comum verbo fazer, o artigo definido, os pronomes pessoais
de anotações, que segurava na mão.” de 3ª pessoa (ele, o, a, os, as, lhe, lhes), os pronomes
indefinidos. Exemplos:
Nesse período, o pronome relativo “que” estabelece
conexão entre as duas orações. O iraquiano leu sua “Ele era muito diferente de seu mestre, a quem sucedera
declaração num bloquinho comum de anotações e segurava na cátedra de Sociologia na Universidade de São Paulo.”
na mão, retomando na segunda um dos termos da
primeira: bloquinho. O pronome relativo é um elemento O pronome relativo “quem” retoma o substantivo
coesivo, e a conexão entre as duas orações, um fenômeno mestre.
de coesão. Leia o texto que segue:
“As pessoas simplificam Machado de Assis; elas o veem
Arroz-doce da infância como um descrente do amor e da amizade.”
Ingredientes
1 litro de leite desnatado O pronome pessoal “elas” recupera o substantivo
150g de arroz cru lavado pessoas; o pronome pessoal “o” retoma o nome Machado
1 pitada de sal de Assis.
4 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sobremesa) de canela em pó “Os dois homens caminhavam pela calçada, ambos
trajando roupa escura.”
Preparo
Em uma panela ferva o leite, acrescente o arroz, a pitada O numeral “ambos” retoma a expressão os dois homens.
de sal e mexa sem parar até cozinhar o arroz. Adicione o
açúcar e deixe no fogo por mais 2 ou 3 minutos. Despeje em “Fui ao cinema domingo e, chegando lá, fiquei
um recipiente, polvilhe a canela. Sirva. desanimado com a fila.”
Cozinha Clássica Baixo Colesterol, nº4.
São Paulo, InCor, agosto de 1999, p. 42. O advérbio “lá” recupera a expressão ao cinema.

Toda receita culinária tem duas partes: lista dos “O governador vai pessoalmente inaugurar a creche
ingredientes e modo de preparar. As informações dos funcionários do palácio, e o fará para demonstrar seu
apresentadas na primeira são retomadas na segunda. apreço aos servidores.”
Nesta, os nomes mencionados pela primeira vez na lista
de ingredientes vêm precedidos de artigo definido, o qual A forma verbal “fará” retoma a perífrase verbal vai
exerce, entre outras funções, a de indicar que o termo inaugurar e seu complemento.
determinado por ele se refere ao mesmo ser a que uma
palavra idêntica já fizera menção. - Em princípio, o termo a que “o” anafórico se
No nosso texto, por exemplo, quando se diz que se refere deve estar presente no texto, senão a coesão fica
adiciona o açúcar, o artigo citado na primeira parte. Se comprometida, como neste exemplo:
dissesse apenas adicione açúcar, deveria adicionar, pois se
trataria de outro açúcar, diverso daquele citado no rol dos “André é meu grande amigo. Começou a namorá-la há
ingredientes. vários meses.”
Há dois tipos principais de mecanismos de coesão:
retomada ou antecipação de palavras, expressões ou A rigor, não se pode dizer que o pronome “la” seja um
frases e encadeamento de segmentos. anafórico, pois não está retomando nenhuma das palavras
citadas antes. Exatamente por isso, o sentido da frase
Retomada ou Antecipação por meio de uma fica totalmente prejudicado: não há possibilidade de se
palavra gramatical - (pronome, verbos ou depreender o sentido desse pronome.
advérbios) Pode ocorrer, no entanto, que o anafórico não se refira
a nenhuma palavra citada anteriormente no interior do
“No mercado de trabalho brasileiro, ainda hoje não texto, mas que possa ser inferida por certos pressupostos
há total igualdade entre homens e mulheres: estas ainda típicos da cultura em que se inscreve o texto. É o caso de
ganham menos do que aqueles em cargos equivalentes.” um exemplo como este:

Nesse período, o pronome demonstrativo “estas” “O casamento teria sido às 20 horas. O noivo já estava
retoma o termo mulheres, enquanto “aqueles” recupera a desesperado, porque eram 21 horas e ela não havia
palavra homens. comparecido.”
Os termos que servem para retomar outros são
denominados anafóricos; os que servem para anunciar, Por dados do contexto cultural, sabe-se que o pronome
para antecipar outros são chamados catafóricos. No “ela” é um anafórico que só pode estar-se referindo à
exemplo a seguir, desta antecipa abandonar a faculdade palavra noiva. Num casamento, estando presente o noivo,
no último ano: o desespero só pode ser pelo atraso da noiva (representada
por “ela” no exemplo citado).
“Já viu uma loucura desta, abandonar a faculdade no
último ano?” - O artigo indefinido serve geralmente para introduzir

60
PORTUGUÊS
informações novas ao texto. Quando elas forem retomadas, Referência à força física que caracteriza o herói grego
deverão ser precedidas do artigo definido, pois este é que Hércules.
tem a função de indicar que o termo por ele determinado
é idêntico, em termos de valor referencial, a um termo já “Um presidente da República tem uma agenda de
mencionado. trabalho extremamente carregada. Deve receber ministros,
embaixadores, visitantes estrangeiros, parlamentares;
“O encarregado da limpeza encontrou uma carteira na precisa a todo o momento tomar graves decisões que afetam
sala de espetáculos. Curiosamente, a carteira tinha muito a vida de muitas pessoas; necessita acompanhar tudo o que
dinheiro dentro, mas nem um documento sequer.” acontece no Brasil e no mundo. Um presidente deve começar
a trabalhar ao raiar do dia e terminar sua jornada altas
- Quando, em dado contexto, o anafórico pode referir- horas da noite.”
se a dois termos distintos, há uma ruptura de coesão,
porque ocorre uma ambiguidade insolúvel. É preciso A repetição do termo presidente estabelece a coesão
que o texto seja escrito de tal forma que o leitor possa entre o último período e o que vem antes dele.
determinar exatamente qual é a palavra retomada pelo
anafórico. “Observava as estrelas, os planetas, os satélites. Os astros
sempre o atraíram.”
“Durante o ensaio, o ator principal brigou com o diretor
por causa da sua arrogância.” Os dois períodos estão relacionados pelo hiperônimo
astros, que recupera os hipônimos estrelas, planetas,
O anafórico “sua” pode estar-se referindo tanto à satélites.
palavra ator quanto a diretor.
“Eles (os alquimistas) acreditavam que o organismo
“André brigou com o ex-namorado de uma amiga, que do homem era regido por humores (fluidos orgânicos)
trabalha na mesma firma.” que percorriam, ou apenas existiam, em maior ou menor
intensidade em nosso corpo. Eram quatro os humores: o
Não se sabe se o anafórico “que” está se referindo ao sangue, a fleuma (secreção pulmonar), a bile amarela e
termo amiga ou a ex-namorado. Permutando o anafórico a bile negra. E eram também estes quatro fluidos ligados
“que” por “o qual” ou “a qual”, essa ambiguidade seria aos quatro elementos fundamentais: ao Ar (seco), à Água
desfeita. (úmido), ao Fogo (quente) e à Terra (frio), respectivamente.”
Ziraldo. In: Revista Vozes, nº3, abril de 1970, p.18.
Retomada por palavra lexical - (substantivo,
adjetivo ou verbo) Nesse texto, a ligação entre o segundo e o primeiro
períodos se faz pela repetição da palavra humores; entre
Uma palavra pode ser retomada, que por uma repetição, o terceiro e o segundo se faz pela utilização do sinônimo
quer por uma substituição por sinônimo, hiperônimo, fluidos.
hipônimo ou antonomásia. É preciso manejar com muito cuidado a repetição de
Sinônimo é o nome que se dá a uma palavra que palavras, pois, se ela não for usada para criar um efeito
possui o mesmo sentido que outra, ou sentido bastante de sentido de intensificação, constituirá uma falha de
aproximado: injúria e afronta, alegre e contente. estilo. No trecho transcrito a seguir, por exemplo, fica
Hiperônimo é um termo que mantém com outro uma claro o uso da repetição da palavra vice e outras parecidas
relação do tipo contém/está contido; (vicissitudes, vicejam, viciem), com a evidente intenção
Hipônimo é uma palavra que mantém com outra de ridicularizar a condição secundária que um provável
uma relação do tipo está contido/contém. O significado do flamenguista atribui ao Vasco e ao seu Vice-presidente:
termo rosa está contido no de flor e o de flor contém o de
rosa, pois toda rosa é uma flor, mas nem toda flor é uma “Recebi por esses dias um e-mail com uma série de piadas
rosa. Flor é, pois, hiperônimo de rosa, e esta palavra é sobre o pouco simpático Eurico Miranda. Faltam-me provas,
hipônimo daquela. mas tudo leva a crer que o remetente seja um flamenguista.”
Antonomásia é a substituição de um nome próprio
por um nome comum ou de um comum por um próprio. Segundo o texto, Eurico nasceu para ser vice: é vice-
Ela ocorre, principalmente, quando uma pessoa célebre presidente do clube, vice-campeão carioca e bi-vice-
é designada por uma característica notória ou quando campeão mundial. E isso sem falar do vice no Carioca de
o nome próprio de uma personagem famosa é usado futsal, no Carioca de basquete, no Brasileiro de basquete e
para designar outras pessoas que possuam a mesma na Taça Guanabara. São vicissitudes que vicejam. Espero
característica que a distingue: que não viciem.

“O rei do futebol (=Pelé) só podia ser um brasileiro.” José Roberto Torero. In: Folha de S. Paulo,
08/03/2000, p. 4-7.
“O herói de dois mundos (=Garibaldi) foi lembrado
numa recente minissérie de tevê.” A elipse é o apagamento de um segmento de frase que
pode ser facilmente recuperado pelo contexto. Também
Referência ao fato notório de Giuseppe Garibaldi haver constitui um expediente de coesão, pois é o apagamento
lutado pela liberdade na Europa e na América. de um termo que seria repetido, e o preenchimento do
vazio deixado pelo termo apagado (=elíptico) exige,
“Ele é um Hércules.” (=um homem muito forte). necessariamente, que se faça correlação com outros
termos presentes no contexto, ou referidos na situação em

61
PORTUGUÊS
que se desenrola a fala. paradoxo semântico, pois esse operador discursivo liga
Vejamos estes versos do poema “Círculo vicioso”, de dois segmentos com a mesma orientação argumentativa,
Machado de Assis: sendo o segmento introduzido por ele a conclusão do
anterior.
(...)
Mas a lua, fitando o sol, com azedume: - Gradação: há operadores que marcam uma
gradação numa série de argumentos orientados para uma
“Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela mesma conclusão. Dividem-se eles, em dois subtipos: os
Claridade imorta, que toda a luz resume!” que indicam o argumento mais forte de uma série: até,
Obra completa. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1979, mesmo, até mesmo, inclusive, e os que subentendem uma
v.III, p. 151. escala com argumentos mais fortes: ao menos, pelo menos,
no mínimo, no máximo, quando muito.
Nesse caso, o verbo dizer, que seria enunciado antes
daquilo que disse a lua, isto é, antes das aspas, fica “Ele é um bom conferencista: tem uma voz bonita, é
subentendido, é omitido por ser facilmente presumível. bem articulado, conhece bem o assunto de que fala e é até
Qualquer segmento da frase pode sofrer elipse. Veja sedutor.”
que, no exemplo abaixo, é o sujeito meu pai que vem
elidido (ou apagado) antes de sentiu e parou: Toda a série de qualidades está orientada no sentido
de comprovar que ele é bom conferencista; dentro dessa
“Meu pai começou a andar novamente, sentiu a pontada série, ser sedutor é considerado o argumento mais forte.
no peito e parou.”
“Ele é ambicioso e tem grande capacidade de trabalho.
Pode ocorrer também elipse por antecipação. No Chegará a ser pelo menos diretor da empresa.”
exemplo que segue, aquela promoção é complemento
tanto de querer quanto de desejar, no entanto aparece Pelo menos introduz um argumento orientado no
apenas depois do segundo verbo: mesmo sentido de ser ambicioso e ter grande capacidade
de trabalho; por outro lado, subentende que há
“Ficou muito deprimido com o fato de ter sido preferido. argumentos mais fortes para comprovar que ele tem as
Afinal, queria muito, desejava ardentemente aquela qualidades requeridas dos que vão longe (por exemplo,
promoção.” ser presidente da empresa) e que se está usando o menos
forte; ao menos, pelo menos e no mínimo ligam argumentos
Quando se faz essa elipse por antecipação com verbos de valor positivo.
que têm regência diferente, a coesão é rompida. Por
exemplo, não se deve dizer “Conheço e gosto deste livro”, “Ele não é bom aluno. No máximo vai terminar o
pois o verbo conhecer rege complemento não introduzido segundo grau.”
por preposição, e a elipse retoma o complemento inteiro, No máximo introduz um argumento orientado no
portanto teríamos uma preposição indevida: “Conheço mesmo sentido de ter muita dificuldade de aprender;
(deste livro) e gosto deste livro”. Em “Implico e dispenso supõe que há uma escala argumentativa (por exemplo,
sem dó os estranhos palpiteiros”, diferentemente, no fazer uma faculdade) e que se está usando o argumento
complemento em elipse faltaria a preposição “com” menos forte da escala no sentido de provar a afirmação
exigida pelo verbo implicar. anterior; no máximo e quando muito estabelecem ligação
Nesses casos, para assegurar a coesão, o recomendável entre argumentos de valor depreciativo.
é colocar o complemento junto ao primeiro verbo,
respeitando sua regência, e retomá-lo após o segundo - Conjunção Argumentativa: há operadores que
por um anafórico, acrescentando a preposição devida assinalam uma conjunção argumentativa, ou seja, ligam
(Conheço este livro e gosto dele) ou eliminando a indevida um conjunto de argumentos orientados em favor de uma
(Implico com estranhos palpiteiros e os dispenso sem dó). dada conclusão: e, também, ainda, nem, não só... mas
também, tanto... como, além de, a par de.
Coesão por Conexão
“Se alguém pode tomar essa decisão é você. Você é o
Há na língua uma série de palavras ou locuções que diretor da escola, é muito respeitado pelos funcionários e
são responsáveis pela concatenação ou relação entre também é muito querido pelos alunos.”
segmentos do texto. Esses elementos denominam-se
conectores ou operadores discursivos. Por exemplo: visto Arrolam-se três argumentos em favor da tese que é
que, até, ora, no entanto, contudo, ou seja. o interlocutor quem pode tomar uma dada decisão. O
Note-se que eles fazem mais do que ligar partes do último deles é introduzido por “e também”, que indica um
texto: estabelecem entre elas relações semânticas de argumento final na mesma direção argumentativa dos
diversos tipos, como contrariedade, causa, consequência, precedentes.
condição, conclusão, etc. Essas relações exercem função Esses operadores introduzem novos argumentos; não
argumentativa no texto, por isso os operadores discursivos significam, em hipótese nenhuma, a repetição do que já
não podem ser usados indiscriminadamente. foi dito. Ou seja, só podem ser ligados com conectores de
Na frase “O time apresentou um bom futebol, mas não conjunção segmentos que representam uma progressão
alcançou a vitória”, por exemplo, o conector “mas” está discursiva. É possível dizer “Disfarçou as lágrimas que o
adequadamente usado, pois ele liga dois segmentos com assaltaram e continuou seu discurso”, porque o segundo
orientação argumentativa contrária. Se fosse utilizado, segmento indica um desenvolvimento da exposição. Não
nesse caso, o conector “portanto”, o resultado seria um teria cabimento usar operadores desse tipo para ligar dois

62
PORTUGUÊS
segmentos como “Disfarçou as lágrimas que o assaltaram exatamente pela excelência em relação aos outros.
e escondeu o choro que tomou conta dele”. Suponhamos, agora, que o técnico tivesse invertido os
segmentos na sua fala:
- Disjunção Argumentativa: há também operadores
que indicam uma disjunção argumentativa, ou seja, fazem “__Qualquer atleta do time principal é tão bom quanto
uma conexão entre segmentos que levam a conclusões os das divisões de base.”
opostas, que têm orientação argumentativa diferente:
ou, ou então, quer... quer, seja... seja, caso contrário, ao Nesse caso, seu argumento seria contra a necessidade
contrário. da promoção, pois ele estaria declarando que os atletas do
time principal são tão bons quanto os das divisões de base.
“Não agredi esse imbecil. Ao contrário, ajudei a separar
a briga, para que ele não apanhasse.” - Explicação ou Justificativa: há operadores
que introduzem uma explicação ou uma justificativa em
O argumento introduzido por ao contrário é relação ao que foi dito anteriormente: porque, já que, que,
diametralmente oposto àquele de que o falante teria pois.
agredido alguém.
“Já que os Estados Unidos invadiram o Iraque sem
- Conclusão: existem operadores que marcam uma autorização da ONU, devem arcar sozinhos com os custos
conclusão em relação ao que foi dito em dois ou mais da guerra.”
enunciados anteriores (geralmente, uma das afirmações
de que decorre a conclusão fica implícita, por manifestar Já que inicia um argumento que dá uma justificativa
uma voz geral, uma verdade universalmente aceita): logo, para a tese de que os Estados Unidos devam arcar sozinhos
portanto, por conseguinte, pois (o pois é conclusivo quando com o custo da guerra contra o Iraque.
não encabeça a oração).
- Contrajunção: os operadores discursivos que
“Essa guerra é uma guerra de conquista, pois visa ao assinalam uma relação de contrajunção, isto é, que ligam
controle dos fluxos mundiais de petróleo. Por conseguinte, enunciados com orientação argumentativa contrária,
não é moralmente defensável.” são as conjunções adversativas (mas, contudo, todavia,
no entanto, entretanto, porém) e as concessivas (embora,
Por conseguinte introduz uma conclusão em relação à apesar de, apesar de que, conquanto, ainda que, posto que,
afirmação exposta no primeiro período. se bem que).
Qual é a diferença entre as adversativas e as
- Comparação: outros importantes operadores concessivas, se tanto umas como outras ligam enunciados
discursivos são os que estabelecem uma comparação com orientação argumentativa contrária?
de igualdade, superioridade ou inferioridade entre dois Nas adversativas, prevalece a orientação do segmento
elementos, com vistas a uma conclusão contrária ou introduzido pela conjunção.
favorável a certa ideia: tanto... quanto, tão... como, mais...
(do) que. “O atleta pode cair por causa do impacto, mas se levanta
mais decidido a vencer.”
“Os problemas de fuga de presos serão tanto mais
graves quanto maior for a corrupção entre os agentes Nesse caso, a primeira oração conduz a uma conclusão
penitenciários.” negativa sobre um processo ocorrido com o atleta,
enquanto a começada pela conjunção “mas” leva a uma
O comparativo de igualdade tem no texto uma função conclusão positiva. Essa segunda orientação é a mais forte.
argumentativa: mostrar que o problema da fuga de Compare-se, por exemplo, “Ela é simpática, mas não
presos cresce à medida que aumenta a corrupção entre os é bonita” com “Ela não é bonita, mas é simpática”. No
agentes penitenciários; por isso, os segmentos podem até primeiro caso, o que se quer dizer é que a simpatia é
ser permutáveis do ponto de vista sintático, mas não o são suplantada pela falta de beleza; no segundo, que a falta
do ponto de vista argumentativo, pois não há igualdade de beleza perde relevância diante da simpatia. Quando
argumentativa proposta, “Tanto maior será a corrupção se usam as conjunções adversativas, introduz-se um
entre os agentes penitenciários quanto mais grave for o argumento com vistas à determinada conclusão, para,
problema da fuga de presos”. em seguida, apresentar um argumento decisivo para uma
Muitas vezes a permutação dos segmentos leva a conclusão contrária.
conclusões opostas: Imagine-se, por exemplo, o seguinte Com as conjunções concessivas, a orientação
diálogo entre o diretor de um clube esportivo e o técnico argumentativa que predomina é a do segmento não
de futebol: introduzido pela conjunção.

“__Precisamos promover atletas das divisões de base “Embora haja conexão entre saber escrever e saber
para reforçar nosso time. gramática, trata-se de capacidades diferentes.”
__Qualquer atleta das divisões de base é tão bom
quanto os do time principal.” A oração iniciada por “embora” apresenta uma
orientação argumentativa no sentido de que saber escrever
Nesse caso, o argumento do técnico é a favor da e saber gramática são duas coisas interligadas; a oração
promoção, pois ele declara que qualquer atleta das principal conduz à direção argumentativa contrária.
divisões de base tem, pelo menos, o mesmo nível dos Quando se utilizam conjunções concessivas, a estratégia
do time principal, o que significa que estes não primam argumentativa é a de introduzir no texto um argumento

63
PORTUGUÊS
que, embora tido como verdadeiro, será anulado por outro - Retificação ou Correção: há ainda os que indicam
mais forte com orientação contrária. uma retificação, uma correção do que foi afirmado antes:
A diferença entre as adversativas e as concessivas, ou melhor, de fato, pelo contrário, ao contrário, isto é, quer
portanto, é de estratégia argumentativa. Compare os dizer, ou seja, em outras palavras. Exemplo:
seguintes períodos:
“Vou-me casar neste final de semana. Ou melhor, vou
“Por mais que o exército tivesse planejado a passar a viver junto com minha namorada.”
operação (argumento mais fraco), a realidade mostrou-se
mais complexa (argumento mais forte).” O conector inicia um segmento que retifica o que foi
“O exército planejou minuciosamente a operação dito antes.
(argumento mais fraco), mas a realidade mostrou-se mais Esses operadores servem também para marcar um
complexa (argumento mais forte).” esclarecimento, um desenvolvimento, uma redefinição do
conteúdo enunciado anteriormente. Exemplo:
- Argumento Decisivo: há operadores discursivos
que introduzem um argumento decisivo para derrubar “A última tentativa de proibir a propaganda de cigarros
a argumentação contrária, mas apresentando-o como nas corridas de Fórmula 1 não vingou. De fato, os interesses
se fosse um acréscimo, como se fosse apenas algo mais dos fabricantes mais uma vez prevaleceram sobre os da
numa série argumentativa: além do mais, além de tudo, saúde.”
além disso, ademais.
O conector introduz um esclarecimento sobre o que foi
“Ele está num período muito bom da vida: começou dito antes.
a namorar a mulher de seus sonhos, foi promovido na Servem ainda para assinalar uma atenuação ou
empresa, recebeu um prêmio que ambicionava havia muito um reforço do conteúdo de verdade de um enunciado.
tempo e, além disso, ganhou uma bolada na loteria.” Exemplo:

O operador discursivo introduz o que se considera a “Quando a atual oposição estava no comando do país,
prova mais forte de que “Ele está num período muito bom não fez o que exige hoje que o governo faça. Ao contrário,
da vida”; no entanto, essa prova é apresentada como se suas políticas iam na direção contrária do que prega
fosse apenas mais uma. atualmente.

- Generalização ou Amplificação: existem O conector introduz um argumento que reforça o que


operadores que assinalam uma generalização ou uma foi dito antes.
amplificação do que foi dito antes: de fato, realmente,
como aliás, também, é verdade que. - Explicação: há operadores que desencadeiam uma
explicação, uma confirmação, uma ilustração do que foi
“O problema da erradicação da pobreza passa pela afirmado antes: assim, desse modo, dessa maneira.
geração de empregos. De fato, só o crescimento econômico
leva ao aumento de renda da população.” “O exército inimigo não desejava a paz. Assim, enquanto
se processavam as negociações, atacou de surpresa.”
O conector introduz uma amplificação do que foi dito
antes. O operador introduz uma confirmação do que foi
afirmado antes.
“Ele é um técnico retranqueiro, como aliás o são todos os Coesão por Justaposição
que atualmente militam no nosso futebol.
É a coesão que se estabelece com base na sequência
O conector introduz uma generalização ao que foi dos enunciados, marcada ou não com sequenciadores.
afirmado: não “ele”, mas todos os técnicos do nosso Examinemos os principais sequenciadores.
futebol são retranqueiros.
- Sequenciadores Temporais: são os indicadores
- Especificação ou Exemplificação: também de anterioridade, concomitância ou posterioridade: dois
há operadores que marcam uma especificação ou uma meses depois, uma semana antes, um pouco mais tarde, etc.
exemplificação do que foi afirmado anteriormente: por (são utilizados predominantemente nas narrações).
exemplo, como.
“Uma semana antes de ser internado gravemente
“A violência não é um fenômeno que está disseminado doente, ele esteve conosco. Estava alegre e cheio de planos
apenas entre as camadas mais pobres da população. Por para o futuro.”
exemplo, é crescente o número de jovens da classe média
que estão envolvidos em toda sorte de delitos, dos menos aos - Sequenciadores Espaciais: são os indicadores de
mais graves.” posição relativa no espaço: à esquerda, à direita, junto de,
etc. (são usados principalmente nas descrições).
Por exemplo assinala que o que vem a seguir especifica,
exemplifica a afirmação de que a violência não é um “A um lado, duas estatuetas de bronze dourado,
fenômeno adstrito aos membros das “camadas mais pobres representando o amor e a castidade, sustentam uma cúpula
da população”. oval de forma ligeira, donde se desdobram até o pavimento
bambolins de cassa finíssima. (...) Do outro lado, há
uma lareira, não de fogo, que o dispensa nosso ameno clima

64
PORTUGUÊS
fluminense, ainda na maior força do inverno.” Observe-se que falta o predicado da primeira oração.
José de Alencar. Senhora. São Paulo, FTD, 1992, p. Quem escreveu o período começou a encadear orações
77. subordinadas e “esqueceu-se” de terminar a principal.
Quebras de coesão desse tipo são mais comuns
- Sequenciadores de Ordem: são os que assinalam em períodos longos. No entanto, mesmo quando se
a ordem dos assuntos numa exposição: primeiramente, em elaboram períodos curtos é preciso cuidar para que sejam
segunda, a seguir, finalmente, etc. sintaticamente completos e para que suas partes estejam
bem conectadas entre si.
“Para mostrar os horrores da guerra, falarei, inicialmente, Para que um conjunto de frases constitua um texto,
das agruras por que passam as populações civis; em seguida, não basta que elas estejam coesas: se não tiverem unidade
discorrerei sobre a vida dos soldados na frente de batalha; de sentido, mesmo que aparentemente organizadas, elas
finalmente, exporei suas consequências para a economia não passarão de um amontoado injustificado. Exemplo:
mundial e, portanto, para a vida cotidiana de todos os
habitantes do planeta.” “Vivo há muitos anos em São Paulo. A cidade tem
excelentes restaurantes. Ela tem bairros muito pobres.
- Sequenciadores para Introdução: são os que, Também o Rio de Janeiro tem favelas.”
na conversação principalmente, servem para introduzir
um tema ou mudar de assunto: a propósito, por falar nisso, Todas as frases são coesas. O hiperônimo cidade
mas voltando ao assunto, fazendo um parêntese, etc. retoma o substantivo São Paulo, estabelecendo uma
relação entre o segundo e o primeiro períodos. O pronome
“Joaquim viveu sempre cercado do carinho de muitas “ela” recupera a palavra cidade, vinculando o terceiro
pessoas. A propósito, era um homem que sabia agradar às ao segundo período. O operador também realiza uma
mulheres.” conjunção argumentativa, relacionando o quarto período
ao terceiro. No entanto, esse conjunto não é um texto,
- Operadores discursivos não explicitados: se pois não apresenta unidade de sentido, isto é, não tem
o texto for construído sem marcadores de sequenciação, coerência. A coesão, portanto, é condição necessária, mas
o leitor deverá inferir, a partir da ordem dos enunciados, não suficiente, para produzir um texto.
os operadores discursivos não explicitados na superfície
textual. Nesses casos, os lugares dos diferentes conectores Questões
estarão indicados, na escrita, pelos sinais de pontuação:
ponto-final, vírgula, ponto-e-vírgula, dois-pontos. 01. (TJ/RJ – Analista Judiciário – FGV/2014)

“A reforma política é indispensável. Sem a existência da Texto 1 – Bem tratada, faz bem
fidelidade partidária, cada parlamentar vota segundo seus
interesses e não de acordo com um programa partidário. Sérgio Magalhães, O Globo
Assim, não há bases governamentais sólidas.” O arquiteto Jaime Lerner cunhou esta frase
premonitória: “O carro é o cigarro do futuro.” Quem
Esse texto contém três períodos. O segundo indica a poderia imaginar a reversão cultural que se deu no
causa de a reforma política ser indispensável. Portanto consumo do tabaco?
o ponto-final do primeiro período está no lugar de um
porque. Talvez o automóvel não seja descartável tão facilmente.
Este jornal, em uma série de reportagens, nestes dias,
A língua tem um grande número de conectores e mostrou o privilégio que os governos dão ao uso do carro
sequenciadores. Apresentamos os principais e explicamos e o desprezo ao transporte coletivo. Surpreendentemente,
sua função. É preciso ficar atento aos fenômenos de houve entrevistado que opinou favoravelmente,
coesão. Mostramos que o uso inadequado dos conectores valorizando Los Angeles – um caso típico de cidade
e a utilização inapropriada dos anafóricos ou catafóricos rodoviária e dispersa.
geram rupturas na coesão, o que leva o texto a não ter Ainda nestes dias, a ONU reafirmou o compromisso
sentido ou, pelo menos, a não ter o sentido desejado. Outra desta geração com o futuro da humanidade e contra o
falha comum no que tange a coesão é a falta de partes aquecimento global – para o qual a emissão de CO2 do
indispensáveis da oração ou do período. Analisemos este rodoviarismo é agente básico. (A USP acaba de divulgar
exemplo: estudo advertindo que a poluição em São Paulo mata o
dobro do que o trânsito.)
“As empresas que anunciaram que apoiariam a campanha O transporte também esteve no centro dos protestos de
de combate à fome que foi lançada pelo governo federal.” junho de 2013. Lembremos: ele está interrelacionado com
a moradia, o emprego, o lazer. Como se vê, não faltam
O período compõe-se de: razões para o debate do tema.
- As empresas “Como se vê, não faltam razões para o debate do tema.”
- que anunciaram (oração subordinada adjetiva
restritiva da primeira oração) Substituindo o termo sublinhado por uma oração
- que apoiariam a campanha de combate à fome (oração desenvolvida, a forma correta e adequada seria:
subordinada substantiva objetiva direta da segunda (A) para que se debatesse o tema;
oração) (B) para se debater o tema;
- que foi lançada pelo governo federal (oração (C) para que se debata o tema;
subordinada adjetiva restritiva da terceira oração). (D) para debater-se o tema;
(E) para que o tema fosse debatido.

65
PORTUGUÊS
02. (TJ/RJ – Analista Judiciário – FGV/2014) Assinale a opção em que se indica, INCORRETAMENTE,
“A USP acaba de divulgar estudo advertindo que a o referente do termo em destaque.
poluição em São Paulo mata o dobro do que o trânsito”. (A) “quase US$ 1 bilhão de seu orçamento bianual”
A oração em forma desenvolvida que substitui correta (5º§) – organização
e adequadamente o gerúndio “advertindo” é: (B) “A agência passou a dar mais ênfase” (6º§) – OMS
(A) com a advertência de; (C) “Pesa contra o órgão da ONU”(7º§) – OMS
(B) quando adverte; (D) “Seus esforços iniciais foram limitados” (7º§) –
(C) em que adverte; gravidade da situação
(D) no qual advertia; (E) “A comunidade tem diante de si” (10º§) –
(E) para advertir. comunidade internacional

03. (PC/RJ – Papilocopista – IBF/2014) 04. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário –


Texto III - Corrida contra o ebola VUNESP-2014)

Já faz seis meses que o atual surto de ebola na Leia o texto para responder a questão.
África Ocidental despertou a atenção da comunidade As cotas raciais deram certo porque seus beneficiados
internacional, mas nada sugere que as medidas até agora são, sim, competentes. Merecem, sim, frequentar uma
adotadas para refrear o avanço da doença tenham sido universidade pública e de qualidade. No vestibular, que
eficazes. é o princípio de tudo, os cotistas estão só um pouco
Ao contrário, quase metade das cerca de 4.000 atrás. Segundo dados do Sistema de Seleção Unificada,
contaminações registradas neste ano ocorreram nas a nota de corte para os candidatos convencionais a
últimas três semanas, e as mais de 2.000 mortes atestam vagas de medicina nas federais foi de 787,56 pontos.
a força da enfermidade. A escalada levou o diretor do Para os cotistas, foi de 761,67 pontos. A diferença entre
CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos eles, portanto, ficou próxima de 3%. IstoÉ entrevistou
EUA, Tom Frieden, a afirmar que a epidemia está fora de educadores e todos disseram que essa distância é mais
controle. do que razoável. Na verdade, é quase nada. Se em uma
O vírus encontrou ambiente propício para se propagar. disciplina tão concorrida quanto medicina um coeficiente
De um lado, as condições sanitárias e econômicas dos de apenas 3% separa os privilegiados, que estudaram em
países afetados são as piores possíveis. De outro, a colégios privados, dos negros e pobres, que frequentaram
Organização Mundial da Saúde foi incapaz de mobilizar escolas públicas, então é justo supor que a diferença
com celeridade um contingente expressivo de profissionais mínima pode, perfeitamente, ser igualada ou superada no
para atuar nessas localidades afetadas. decorrer dos cursos. Depende só da disposição do aluno.
Verdade que uma parcela das debilidades da OMS se Na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), uma
explica por problemas financeiros. Só 20% dos recursos da das mais conceituadas do País, os resultados do último
entidade vêm de contribuições compulsórias dos países- vestibular surpreenderam. “A maior diferença entre as
membros – o restante é formado por doações voluntárias. notas de ingresso de cotistas e não cotistas foi observada
A crise econômica mundial se fez sentir também nessa no curso de economia”, diz Ângela Rocha, pró-reitora da
área, e a organização perdeu quase US$ 1 bilhão de seu UFRJ. “Mesmo assim, essa distância foi de 11%, o que,
orçamento bianual, hoje de quase US$ 4 bilhões. Para estatisticamente, não é significativo”.
comparação, o CDC dos EUA contou, somente no ano de (www.istoe.com.br)
2013, com cerca de US$ 6 bilhões.
Os cortes obrigaram a OMS a fazer escolhas difíceis. Para responder a questão, considere a passagem – A
A agência passou a dar mais ênfase à luta contra diferença entre eles, portanto, ficou próxima de 3%.
enfermidades globais crônicas, como doenças coronárias O pronome eles tem como referente:
e diabetes. O departamento de respostas a epidemias e (A) candidatos convencionais e cotistas.
pandemias foi dissolvido e integrado a outros. Muitos (B) beneficiados.
profissionais experimentados deixaram seus cargos. (C) dados do Sistema de Seleção Unificada.
Pesa contra o órgão da ONU, de todo modo, a demora (D) dados do Sistema de Seleção Unificada e pontos.
para reconhecer a gravidade da situação. Seus esforços (E) pontos.
iniciais foram limitados e mal liderados.
O surto agora atingiu proporções tais que já não é 05. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário –
mais possível enfrentá-lo de Genebra, cidade suíça sede VUNESP-2014)
da OMS. Tornou-se crucial estabelecer um comando Leia os quadrinhos para responder a questão.
central na África Ocidental, com representantes dos países
afetados.
Espera-se também maior comprometimento das
potências mundiais, sobretudo Estados Unidos, Inglaterra
e França, que possuem antigos laços com Libéria, Serra
Leoa e Guiné, respectivamente.
A comunidade internacional tem diante de si um
desafio enorme, mas é ainda maior a necessidade de agir
com rapidez. Nessa batalha global contra o ebola, todo
tempo perdido conta a favor da doença. Um enunciado possível em substituição à fala do
(Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ terceiro quadrinho, em conformidade com a norma-
opiniao/2014/09/1512104-editorial-corrida-contra-o- padrão da língua portuguesa, é:
ebola.shtml: Acesso em: 08/09/2014) (A) Se você ir pelos caminhos da verdade, leve um

66
PORTUGUÊS
capacete. O passarinho
(B) Caso você vá pelos caminhos da verdade, lembra- O oceano
se de levar um capacete. A vista na casa que a gente sentava no sofá
(C) Se você se mantiver nos caminhos da verdade, leve
um capacete. Adolescência
(D) Caso você se mantém nos caminhos da verdade,
lembre de levar um capacete. Aquele amor
(E) Ainda que você se mantêm nos caminhos da Nem me fale
verdade, leva um capacete.
Maturidade
Respostas
O Sr. e a Sra. Amadeu
01. (C) - As orações subordinadas desenvolvidas Participam a V. Exa.
possuem conjunção e verbos conjugados em modos e O feliz nascimento
tempos verbais. De sua filha
Na letra “a” o verbo está num tempo diferente da frase. Gilberta
Na letra “b” o verbo está no infinitivo o que caracteriza
como oração reduzida. Velhice
Na letra “c” a oração apresenta a conjunção “para que”
que exprime finalidade e o verbo está conjugado no tempo O netinho jogou os óculos
correto da frase. Na latrina
Na letra “d” não apresenta conjunção.
Na letra “e” o verbo está no particípio caracterizando Oswaldo de Andrade. Poesias reunidas.
oração reduzida. 4ª Ed. Rio de Janeiro
Portanto, a resposta certa é a letra “c”. Civilização Brasileira, 1974, p. 160-161.

02. (C) - “A USP acaba de divulgar estudo advertindo Talvez o que mais chame a atenção nesse poema, ao
que a poluição em São Paulo mata o dobro do que o menos à primeira vista, seja a ausência de elementos
trânsito”. de coesão, quer retomando o que foi dito antes, quer
Os verbos acabar e matar contidos na frase estão no encadeando segmentos textuais. No entanto, percebemos
presente do indicativo. Logo, o verbo advertir ficará no nele um sentido unitário, sobretudo se soubermos que o
presente do indicativo. EX: eu advirto, tu advertes, ele seu título é “As quatro gares”, ou seja, as quatro estações.
adverte. Com essa informação, podemos imaginar que se trata
de flashes de cada uma das quatro grandes fases da vida:
03. (D) - Pesa contra o órgão da ONU, de todo modo, a infância, a adolescência, a maturidade e a velhice. A
a demora para reconhecer a gravidade da situação. Seus primeira é caracterizada pelas descobertas (o oceano),
esforços iniciais foram limitados e mal liderados. por ações (o jarro, que certamente a criança quebrara; o
De quem foram os esforços? Da ONU, pois estes passarinho que ela caçara) e por experiências marcantes
formam limitados e mal liderados. (a visita que se percebia na sala apropriada e o camisolão
que se usava para dormir); a segunda é caracterizada por
04. (A) - “a nota de corte para os candidatos amores perdidos, de que não se quer mais falar; a terceira,
convencionais a vagas de medicina nas federais foi de pela formalidade e pela responsabilidade indicadas pela
787,56 pontos. Para os cotistas, foi de 761,67 pontos” participação formal do nascimento da filha; a última,
A DIFERENÇA ENTRE ELES é de 3%. pela condescendência para com a traquinagem do neto
eles quem ? (os candidatos convencionais e os (a quem cabe a vez de assumir a ação). A primeira parte
cotistas) que estão postos em relação a diferença de é uma sucessão de palavras; a segunda, uma frase em
NOTA . que falta um nexo sintático; a terceira, a participação
do nascimento de uma filha; e a quarta, uma oração
05. (C) completa, porém aparentemente desgarrada das demais.
(A) Se você ir (for) pelos caminhos da verdade, leve Como se explica que sejamos capazes de entender
um capacete. esse poema em seus múltiplos sentidos, apesar da falta de
(B) Caso você vá pelos caminhos da verdade, lembra- marcadores de coesão entre as partes?
se (lembre-se) de levar um capacete. A explicação está no fato de que ele tem uma qualidade
(C) Se você se mantiver nos caminhos da verdade, indispensável para a existência de um texto: a coerência.
leve um capacete. Que é a unidade de sentido resultante da relação que
(D) Caso você se mantém (mantenha) nos se estabelece entre as partes do texto. Uma ideia ajuda
caminhos da verdade, lembre de levar um capacete. a compreender a outra, produzindo um sentido global,
(D) Ainda que você se mantêm (mantenha) nos à luz do qual cada uma das partes ganha sentido. No
caminhos da verdade, leva (leve) um capacete. poema acima, os subtítulos “Infância”, “Adolescência”,
“Maturidade” e “Velhice” garantem essa unidade. Colocar
Coerência a participação formal do nascimento da filha, por
exemplo, sob o título “Maturidade” dá a conotação da
Infância responsabilidade habitualmente associada ao indivíduo
adulto e cria um sentido unitário.
O camisolão Esse texto, como outros do mesmo tipo, comprova
O jarro que um conjunto de enunciados pode formar um todo

67
PORTUGUÊS
coerente mesmo sem a presença de elementos coesivos, A surpresa implica o inesperado. Não se pode ser
isto é, mesmo sem a presença explícita de marcadores surpreendido com o que já se esperava que acontecesse.
de relação entre as diferentes unidades linguísticas.
Em outros termos, a coesão funciona apenas como um Coerência Argumentativa
mecanismo auxiliar na produção da unidade de sentido,
pois esta depende, na verdade, das relações subjacentes ao A coerência argumentativa diz respeito às relações de
texto, da não-contradição entre as partes, da continuidade implicação ou de adequação entre premissas e conclusões
semântica, em síntese, da coerência. ou entre afirmações e consequências. Não é possível alguém
A coerência é um fator de interpretabilidade do dizer que é a favor da pena de morte porque é contra tirar
texto, pois possibilita que todas as suas partes sejam a vida de alguém. Da mesma forma, é incoerente defender
englobadas num único significado que explique cada uma o respeito à lei e à Constituição Brasileira e ser favorável à
delas. Quando esse sentido não pode ser alcançado por execução de assaltantes no interior de prisões.
faltar relação de sentido entre as partes, lemos um texto Muitas vezes, as conclusões não são adequadas às
incoerente, como este: premissas. Não há coerência, por exemplo, num raciocínio
como este:
A todo ser humano foi dado o direito de opção entre a
mediocridade de uma vida que se acomoda e a grandeza de Há muitos servidores públicos no Brasil que são
uma vida voltada para o aprimoramento intelectual. verdadeiros marajás.
A adolescência é uma fase tão difícil que todos enfrentam. O candidato a governador é funcionário público.
De repente vejo que não sou mais uma “criancinha” Portanto o candidato é um marajá.
dependente do “papai”. Chegou a hora de me decidir!
Tenho que escolher uma profissão para me realizar e ser Segundo uma lei da lógica formal, não se pode concluir
independente financeiramente. nada com certeza baseado em duas premissas particulares.
No país em que vivemos, que predomina o capitalismo, o Dizer que muitos servidores públicos são marajás não
mais rico sempre é quem vence! permite concluir que qualquer um seja.
A falta de relação entre o que se diz e o que foi dito
Apud: J. A. Durigan, M. B. M. Abaurre e Y. F. Vieira anteriormente também constitui incoerência. É o que se
(orgs). vê neste diálogo:
A magia da mudança. Campinas, Unicamp, 1987, p.
53. “__ Vereador, o senhor é a favor ou contra o pagamento
Nesses parágrafos, vemos três temas (direito de opção; de pedágio para circular no centro da cidade?
adolescência e escolha profissional; relações sociais sob o __ É preciso melhorar a vida dos habitantes das grandes
capitalismo) que mantêm relações muito tênues entre si. cidades. A degradação urbana atinge a todos nós e, por
Esse fato, prejudicando a continuidade semântica entre as conseguinte, é necessário reabilitar as áreas que contam com
partes, impede a apreensão do todo e, portanto, configura abundante oferta de serviços públicos.”
um texto incoerente.
Há no texto, vários tipos de relação entre as partes que Coerência Figurativa
o compõem, e, por isso, costuma-se falar em vários níveis A coerência figurativa refere-se à compatibilidade
de coerência. das figuras que manifestam determinado tema. Para que
o leitor possa perceber o tema que está sendo veiculado
Coerência Narrativa por uma série de figuras encadeadas, estas precisam ser
A coerência narrativa consiste no respeito às implicações compatíveis umas com as outras. Seria estranho (para
lógicas entre as partes do relato. Por exemplo, para que dizer o mínimo) que alguém, ao descrever um jantar
um sujeito realize uma ação, é preciso que ele tenha oferecido no palácio do Itamarati a um governador
competência para tanto, ou seja, que saiba e possa efetuá- estrangeiro, depois de falar de baixela de prata, porcelana
la. Constitui, então, incoerência narrativa o seguinte finíssima, flores, candelabros, toalhas de renda, incluísse
exemplo: o narrador conta que foi a uma festa onde todos no percurso figurativo guardanapos de papel.
fumavam e, por isso, a espessa fumaça impedia que se
visse qualquer coisa; de repente, sem mencionar nenhuma Coerência Temporal
mudança dessa situação, ele diz que se encostou a uma Por coerência temporal entende-se aquela que concerne
coluna e passou a observar as pessoas, que eram ruivas, à sucessão dos eventos e à compatibilidade dos enunciados
loiras, morenas. Se o narrador diz que não podia enxergar do ponto de vista de sua localização no tempo. Não se
nada, é incoerente dizer que via as pessoas com tanta poderia, por exemplo, dizer: “O assassino foi executado na
nitidez. Em outros termos, se nega a competência para a câmara de gás e, depois, condenado à morte”.
realização de um desempenho qualquer, esse desempenho
não pode ocorrer. Isso por respeito às leis da coerência Coerência Espacial
narrativa. Observe outro exemplo: A coerência espacial diz respeito à compatibilidade
dos enunciados do ponto de vista da localização no
“Pior fez o quarto-zagueiro Edinho Baiano, do Paraná espaço. Seria incoerente, por exemplo, o seguinte texto:
Clube, entrevistado por um repórter da Rádio Cidade. O “O filme ‘A Marvada Carne’ mostra a mudança sofrida por
Paraná tinha tomado um balaio de gols do Guarani de um homem que vivia lá no interior e encanta-se com a
Campinas, alguns dias antes. O repórter queria saber o que agitação e a diversidade da vida na capital, pois aqui já não
tinha acontecido. Edinho não teve dúvida sobre os motivos: suportava mais a mesmice e o tédio”. Dizendo lá no interior,
__ Como a gente já esperava, fomos surpreendidos pelo o enunciador dá a entender que seu pronunciamento está
ataque do Guarani.” sendo feito de algum lugar distante do interior; portanto
Ernâni Buchman. In: Folha de Londrina. ele não poderia usar o advérbio “aqui” para localizar “a

68
PORTUGUÊS
mesmice” e “o tédio” que caracterizavam a vida interiorana - os mecanismos semânticos e gramaticais
da personagem. Em síntese, não é coerente usar “lá” e da língua: o conjunto dos conhecimentos sobre o
“aqui” para indicar o mesmo lugar. código linguístico necessário à codificação de mensagens
decodificáveis por outros usuários da mesma língua. O
Coerência do Nível de Linguagem Utilizado texto seguinte, por exemplo, está absolutamente sem
sentido por inobservância de mecanismos desse tipo:
A coerência do nível de linguagem utilizado é aquela
que concerne à compatibilidade do léxico e das estruturas “Conscientizar alunos pré-sólidos ao ingresso de uma
morfossintáticas com a variante escolhida numa dada carreira universitária informações críticas a respeito da
situação de comunicação. Ocorre incoerência relacionada realidade profissional a ser optada. Deve ser ciado novos
ao nível de linguagem quando, por exemplo, o enunciador métodos criativos nos ensinos de primeiro e segundo grau:
utiliza um termo chulo ou pertencente à linguagem estimulando o aluno a formação crítica de suas ideias as
informal num texto caracterizado pela norma culta formal. quais, serão a praticidade cotidiana. Aptidões pessoais serão
Tanto sabemos que isso não é permitido que, quando o associadas a testes vocacionais sérios de maneira discursiva
fazemos, acrescentamos uma ressalva: com perdão da a analisar conceituações fundamentais.”
palavra, se me permitem dizer. Observe um exemplo de Apud: J. A. Durigan et alii. Op. cit., p. 58.
incoerência nesse nível:
Fatores de Coerência
“Tendo recebido a notificação para pagamento da
chamada taxa do lixo, ouso dirigir-me a V. Exª, senhora - O contexto: para uma dada unidade linguística,
prefeita, para expor-lhe minha inconformidade diante funciona como contexto a unidade linguística maior que
dessa medida, porque o IPTU foi aumentado, no governo ela: a sílaba é contexto para o fonema; a palavra, para a
anterior, de 0,6% para 1% do valor venal do imóvel sílaba; a oração, para a palavra; o período, para a oração;
exatamente para cobrir as despesas da municipalidade o texto, para o período, e assim por diante.
com os gastos de coleta e destinação dos resíduos
sólidos produzidos pelos moradores de nossa cidade. “Um chopps, dois pastel, o polpettone do Jardim de
Francamente, achei uma sacanagem esta armação da Napoli, cruzar a Ipiranga com a Avenida São João, o
Prefeitura: jogar mais um gasto nas costas da gente.” “Parmera”, o “Curíntia”, todo mundo estar usando cinto de
segurança.”
Como se vê, o léxico usado no último período do texto
destoa completamente do utilizado no período anterior. À primeira vista, parece não haver nenhuma coerência
na enumeração desses elementos. Quando ficamos
Ninguém há de negar a incoerência de um texto como sabendo, no entanto, que eles fazem parte de um texto
este: Saltou para a rua, abriu a janela do 5º andar e deixou intitulado “100 motivos para gostar de São Paulo”, o que
um bilhete no parapeito explicando a razão de seu suicídio, aparentemente era caótico torna-se coerente:
em que há evidente violação da lei sucessivamente dos
eventos. Entretanto talvez nem todo mundo concorde que 100 motivos para gostar de São Paulo
seja incoerente incluir guardanapos de papel no jantar 1. Um chopps
do Itamarati descrito no item sobre coerência figurativa, 2. E dois pastel
alguém poderia objetivar que é preconceito considerá-los (...)
inadequados. Então, justifica-se perguntar: o que, afinal, 5. O polpettone do Jardim de Napoli
determina se um texto é ou não coerente? (...)
A natureza da coerência está relacionada a dois 30. Cruzar a Ipiranga com a av. São João
conceitos básicos de verdade: adequação à realidade e (...)
conformidade lógica entre os enunciados. 43. O “Parmera”
Vimos que temos diferentes níveis de coerência: (...)
narrativa, argumentativa, figurativa, etc. Em cada nível, 45. O “Curíntia”
temos duas espécies diversas de coerência: (...)
- extratextual: aquela que diz respeito à adequação 59. Todo mundo estar usando cinto de segurança
entre o texto e uma “realidade” exterior a ele. (...)
- intratextual: aquela que diz respeito à
compatibilidade, à adequação, à não-contradição entre os O texto apresenta os traços culturais da cidade, e todos
enunciados do texto. convergem para um único significado: a celebração da
capital do estado de São Paulo no seu aniversário. Os dois
A exterioridade a que o conteúdo do texto deve ajustar- primeiros itens de nosso exemplo referem-se a marcas
se pode ser: linguísticas do falar paulistano; o terceiro, a um prato
- o conhecimento do mundo: o conjunto de dados que tornou conhecido o restaurante chamado Jardim
referentes ao mundo físico, à cultura de um povo, ao de Napoli; o quarto, a um verso da música “Sampa”, de
conteúdo das ciências, etc. que constitui o repertório Caetano Veloso; o sexto e o sétimo, à maneira como os
com que se produzem e se entendem textos. O período dois times mais populares da cidade são denominados na
“O homem olhou através das paredes e viu onde os variante linguística popular; o último à obediência a uma
bandidos escondiam a vítima que havia sido sequestrada” lei que na época ainda não vigorava no resto do país.
é incoerente, pois nosso conhecimento do mundo diz que
homens não veem através das paredes. Temos, então, uma - A situação de comunicação:
incoerência figurativa extratextual. __A telefônica.
__Era hoje?

69
PORTUGUÊS
Esse diálogo não seria compreendido fora da situação Muitos textos retomam outros, constroem-se com base
de interlocução, porque deixa implícitos certos enunciados em outros e, por isso, só ganham coerência nessa relação
que, dentro dela, são perfeitamente compreendidos: com o texto sobre o qual foram construídos, ou seja,
na relação de intertextualidade. É o caso desse poema.
__ O empregado da companhia telefônica que vinha Para compreendê-lo, é preciso saber que Alberto Caeiro
consertar o telefone está aí. é um dos heterônimos do poeta Fernando Pessoa; que
__ Era hoje que ele viria? heterônimo não é pseudônimo, mas uma individualidade
lírica distinta da do autor (o ortônimo); que para Caeiro
- O conhecimento de mundo: o real é a exterioridade e não devemos acrescentar-lhe
31 de março / 1º de abril impressões subjetivas; que sua posição é antimetafísica;
Dúvida Revolucionária que não devemos interpretar a realidade pela inteligência,
Ontem foi hoje? pois essa interpretação conduz a simples conceitos vazios,
Ou hoje é que foi ontem? em síntese, é preciso ter lido textos de Caeiro. Por outro
lado, é preciso saber que o ortônimo (Fernando Pessoa
Aparentemente, falta coerência temporal a esse ele mesmo) exprime suas emoções, falando da solidão
poema: o que significa “ontem foi hoje” ou “hoje é que foi interior, do tédio, etc.
ontem?”. No entanto, as duas datas colocadas no início
do poema e o título remetem a um episódio da História Incoerência Proposital
do Brasil, o golpe militar de 1964, chamado Revolução de
1964. Esse fato deve fazer parte de nosso conhecimento Existem textos em que há uma quebra proposital da
de mundo, assim como o detalhe de que ele ocorreu no coerência, com vistas a produzir determinado efeito de
dia 1º de abril, mas sua comemoração foi mudada para sentido, assim como existem outros que fazem da não
31 de março, para evitar relações entre o evento e o “dia coerência o próprio princípio constitutivo da produção de
da mentira”. sentido. Poderia alguém perguntar, então, se realmente
existe texto incoerente. Sem dúvida existe: é aquele em
- As regras do gênero: que a incoerência é produzida involuntariamente, por
inabilidade, descuido ou ignorância do enunciador, e não
“O homem olhou através das paredes e viu onde os usada funcionalmente para construir certo sentido.
bandidos escondiam a vítima que havia sido sequestrada.” Quando se trata de incoerência proposital, o enunciador
Essa frase é incoerente no discurso cotidiano, mas é dissemina pistas no texto, para que o leitor perceba que ela
completamente coerente no mundo criado pelas histórias faz parte de um programa intencionalmente direcionado
de super-heróis, em que o Super-Homem, por exemplo, para veicular determinado tema. Se, por exemplo, num
tem força praticamente ilimitada; pode voar no espaço texto que mostra uma festa muito luxuosa, aparecem
a uma velocidade igual à da luz; quando ultrapassa essa figuras como pessoas comendo de boca aberta, falando
velocidade, vence a barreira do tempo e pode transferir-se em voz muito alta e em linguagem chula, ostentando suas
para outras épocas; seus olhos de raios X permitem-lhe últimas aquisições, o enunciador certamente não está
ver através de qualquer corpo, a distâncias infinitas, etc. querendo manifestar o tema do luxo, do requinte, mas o
Nosso conhecimento de mundo não é restrito ao que da vulgaridade dos novos-ricos. Para ficar no exemplo da
efetivamente existe, ao que se pode ver, tocar, etc.: ele inclui festa: em filmes como “Quero ser grande” (Big, dirigido
também os mundos criados pela linguagem nos diferentes por Penny Marshall em 1988, com Tom Hanks) e “Um
gêneros de texto, ficção científica, contos maravilhosos, convidado bem trapalhão” (The party, Blake Edwards,
mitos, discurso religioso, etc., regidos por outras lógicas. 1968, com Peter Sellers), há cenas em que os respectivos
Assim, o que é incoerente num determinado gênero não o protagonistas exibem comportamento incompatível com a
é, necessariamente, em outro. ocasião, mas não há incoerência nisso, pois todo o enredo
converge para que o espectador se solidarize com eles, por
- O sentido não literal: sua ingenuidade e falta de traquejo social. Mas, se aparece
num texto uma figura incoerente uma única vez, o leitor
“As verdes ideias incolores dormem, mas poderão não pode ter certeza de que se trata de uma quebra de
explodir a qualquer momento.” coerência proposital, com vistas a criar determinado efeito
Tomando em seu sentido literal, esse texto é absurdo, de sentido, vai pensar que se trata de contradição devida a
pois, nessa acepção, o termo ideias não pode ser qualificado inabilidade, descuido ou ignorância do enunciador.
por adjetivos de cor; não se podem atribuir ao mesmo ser, Dissemos também que há outros textos que fazem
ao mesmo tempo, as qualidades verde e incolor; o verbo da inversão da realidade seu princípio constitutivo; da
dormir deve ter como sujeito um substantivo animado. incoerência, um fator de coerência. São exemplos as obras
No entanto, se entendermos ideias verdes em sentido não de Lewis Carrol “Alice no país das maravilhas” e “Através do
literal, como concepções ambientalistas, o período pode espelho”, que pretendem apresentar paradoxos de sentido,
ser lido da seguinte maneira: “As ideias ambientalistas subverter o princípio da realidade, mostrar as aporias da
sem atrativo estão latentes, mas poderão manifestar-se a lógica, confrontar a lógica do senso comum com outras.
qualquer momento.”
Reproduzimos um poema de Manuel Bandeira que
- O intertexto: contém mais de um exemplo do que foi abordado:
Falso diálogo entre Pessoa e Caeiro
Teresa
__ a chuva me deixa triste... A primeira vez que vi Teresa
__ a mim me deixa molhado. Achei que ela tinha pernas estúpidas
José Paulo Paes. Op. Cit., p 79. Achei também que a cara parecia uma perna

70
PORTUGUÊS
Quando vi Teresa de novo “A administração pública direta e indireta de qualquer
Achei que seus olhos eram muito mais velhos dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e
[que o resto do corpo dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência ( ... )”.
[que o resto do corpo nascesse)
A forma e o conteúdo da Redação Oficial devem
Da terceira vez não vi mais nada convergir na produção dos textos dessa natureza, razão
Os céus se misturaram com a terra pela qual, muitas vezes, não há como separar uma do
E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face outro. Indicamse, a seguir, alguns pressupostos de como
[das águas. devem ser redigidos os textos oficiais.
Poesias completas e prosa. Rio de Janeiro,
Aguilar, 1986, p. 214. Padrão culto do idioma

Para percebermos a coerência desse texto, é preciso, A redação oficial deve observar o padrão culto do
no mínimo, que nosso conhecimento de mundo inclua o idioma quanto ao léxico (seleção vocabular), à sintaxe
poema: (estrutura gramatical das orações) e à morfologia
(ortografia, acentuação gráfica etc.).
O Adeus de Teresa Por padrão culto do idioma devese entender a língua
A primeira vez que fitei Teresa, referendada pelos bons gramáticos e pelo uso nas
Como as plantas que arrasta a correnteza, situações formais de comunicação. Devem-se excluir da
A valsa nos levou nos giros seus... Redação Oficial a erudição minuciosa e os preciosismos
vocabulares que criam entraves inúteis à compreensão do
Castro Alves significado. Não faz sentido usar “perfunctório” em lugar
Para identificarmos a relação de intertextualidade de “superficial” ou “doesto” em vez de “acusação” ou
entre eles; que tenhamos noção da crítica do Modernismo “calúnia”. São descabidos também as citações em língua
às escolas literárias precedentes, no caso, ao Romantismo, estrangeira e os latinismos, tão ao gosto da linguagem
em que nenhuma musa seria tratada com tanta cerimônia forense. Os manuais de Redação Oficial, que vários órgãos
e muito menos teria “cara”; que façamos uma leitura não têm feito publicar, são unânimes em desaconselhar a
literal; que percebamos sua lógica interna, criada pela utilização de certas formas sacramentais, protocolares e de
disseminação proposital de elementos que pareceriam anacronismos que ainda se leem em documentos oficiais,
absurdos em outro contexto. como: “No dia 20 de maio, do ano de 2011 do nascimento
de Nosso Senhor Jesus Cristo”, que permanecem nos
registros cartorários antigos.
Não cabem também, nos textos oficiais, coloquialismos,
neologismos, regionalismos, bordões da fala e da
linguagem oral, bem como as abreviações e imagens
15) Redação oficial: utilização sígnicas comuns na comunicação eletrônica.
adequada, normas fundamentais. Diferentemente dos textos escolares, epistolares,
jornalísticos ou artísticos, a Redação Oficial não visa ao
efeito estético nem à originalidade. Ao contrário, impõe
Redação Oficial uniformidade, sobriedade, clareza, objetividade, no sentido
de se obter a maior compreensão possível com o mínimo
Conceito de recursos expressivos necessários. Portarias lavradas sob
forma poética, sentenças e despachos escritos em versos
Entende-se por Redação Oficial o conjunto de normas rimados pertencem ao “folclore” jurídico administrativo e
e práticas que devem reger a emissão dos atos normativos são práticas inaceitáveis nos textos oficiais. São também
e comunicações do poder público, entre seus diversos inaceitáveis nos textos oficiais os vícios de linguagem,
organismos ou nas relações dos órgãos públicos com as provocados por descuido ou ignorância, que constituem
entidades e os cidadãos. desvios das normas da língua padrão. Enumeram-se, a
A Redação Oficial inscreve-se na confluência de dois seguir, alguns desses vícios:
universos distintos: a forma rege-se pelas ciências da
linguagem (morfologia, sintaxe, semântica, estilística - Barbarismos: São desvios:
etc.); o conteúdo submete-se aos princípios jurídico - da ortografia: “advinhar” em vez de adivinhar;
administrativos impostos à União, aos Estados e aos “excessão” em vez de exceção.
Municípios, nas esferas dos poderes Executivo, Legislativo - da pronúncia: “rúbrica” em vez de rubrica.
e Judiciário. - da morfologia: “interviu” em vez de interveio.
Pertencente ao campo da linguagem escrita, a Redação - da semântica: desapercebido (sem recursos) em vez
Oficial deve ter as qualidades e características exigidas do de despercebido (não percebido, sem ser notado).
texto escrito destinado à comunicação impessoal, objetiva, - pela utilização de estrangeirismos: galicismo (do
clara, correta e eficaz. francês): “miseenscène” em vez de encenação; anglicismo
Por ser “oficial”, expressão verbal dos atos do poder (do inglês): “delivery” em vez de entrega em domicílio.
público, essa modalidade de redação ou de texto subordina-
se aos princípios constitucionais e administrativos - Arcaísmos: Utilização de palavras ou expressões
aplicáveis a todos os atos da administração pública, anacrônicas, fora de uso. Ex.: “asinha” em vez de ligeira,
conforme estabelece o artigo 37 da Constituição Federal: depressa.

71
PORTUGUÊS
- Neologismos: Palavras novas que, apesar de linguagem a certos padrões, sem o que cada texto seria
formadas de acordo com o sistema morfológico da língua, suscetível de inúmeras interpretações.
ainda não foram incorporadas pelo idioma. Ex.: “imexível” Por isso, a Redação Oficial não admite adjetivação. O
em vez de imóvel, que não se pode mexer; “talqualmente” adjetivo, ao qualificar, exprime opinião e evidencia um
em vez de igualmente. juízo de valor pessoal do emissor. São inaceitáveis também
a pontuação expressiva, que amplia a significação (! ... ),
- Solecismos: São os erros de sintaxe e podem ser: ou o emprego de interjeições (Oh! Ah!), que funcionam
- de concordância: “sobrou” muitas vagas em vez de como índices do envolvimento emocional do redator com
sobraram. aquilo que está escrevendo.
- de regência: os comerciantes visam apenas “o Se nos trabalhos artísticos, jornalísticos e escolares o
lucro” em vez de ao lucro. estilo individual é estimulado e serve como diferencial
- de colocação: “não tratava-se” de um problema sério das qualidades autorais, a função pública impõe a
em vez de não se tratava. despersonalização do sujeito, do agente público que emite
a comunicação. São inadmissíveis, portanto, as marcas
- Ambiguidade: Duplo sentido não intencional. Ex.: individualizadoras, as ousadias estilísticas, a linguagem
O desconhecido faloume de sua mãe. (Mãe de quem? Do metafórica ou a elíptica e alusiva. A Redação Oficial
desconhecido? Do interlocutor?) prima pela denotação, pela sintaxe clara e pela economia
vocabular, ainda que essa regularidade imponha certa
- Cacófato: Som desagradável, resultante da junção “monotonia burocrática” ao discurso.
de duas ou mais palavras da cadeia da frase. Ex.: Darei um Reafirma-se que a intermediação entre o emissor e
prêmio por cada eleitor que votar em mim (por cada e o receptor nas Redações Oficiais é o código linguístico,
porcada). dentro do padrão culto do idioma; uma linguagem
“neutra”, referendada pelas gramáticas, dicionários e
- Pleonasmo: Informação desnecessariamente pelo uso em situações formais, acima das diferenças
redundante. Exemplos: As pessoas pobres, que não individuais, regionais, de classes sociais e de níveis de
têm dinheiro, vivem na miséria; Os moralistas, que se escolaridade.
preocupam com a moral, vivem vigiando as outras pessoas.
Formalidade e Padronização
A Redação Oficial supõe, como receptor, um operador As comunicações oficiais impõem um tratamento polido
linguístico dotado de um repertório vocabular e de uma e respeitoso. Na tradição iberoamericana, afeita a títulos e
articulação verbal minimamente compatíveis com o a tratamentos reverentes, a autoridade pública revela sua
registro médio da linguagem. Nesse sentido, deve ser posição hierárquica por meio de formas e de pronomes de
um texto neutro, sem facilitações que intentem suprir tratamento sacramentais. “Excelentíssimo”, “Ilustríssimo”,
as deficiências cognitivas de leitores precariamente “Meritíssimo”, “Reverendíssimo” são vocativos que, em
alfabetizados. algumas instâncias do poder, tornaramse inevitáveis.
Como exceção, citam-se as campanhas e comunicados Entenda-se que essa solenidade tem por consideração o
destinados a públicos específicos, que fazem uma cargo, a função pública, e não a pessoa de seu exercente.
aproximação com o registro linguístico do público alvo. Vale lembrar que os pronomes de tratamento são
Mas esse é um campo que refoge aos objetivos deste obrigatoriamente regidos pela terceira pessoa. São erros
material, para se inserir nos domínios e técnicas da muito comuns construções como “Vossa Excelência sois
propaganda e da persuasão. bondoso(a)”; o correto é “Vossa Excelência é bondoso(a)”.
Se o texto oficial não pode e não deve baixar ao nível de A utilização da segunda pessoa do plural (vós), com
compreensão de leitores precariamente equipados quanto que os textos oficiais procuravam revestir-se de um
à linguagem, fica evidente o falo de que a alfabetização e tom solene e cerimonioso no passado, é hoje incomum,
a capacidade de apreensão de enunciados são condições anacrônica e pedante, salvo em algumas peças oratórias
inerentes à cidadania. Ninguém é verdadeiramente envolvendo tribunais ou juizes, herdeiras, no Brasil, da
cidadão se não consegue ler e compreender o que leu. O tradição retórica de Rui Barbosa e seus seguidores.
domínio do idioma é equipamento indispensável à vida Outro aspecto das formalidades requeridas na Redação
em sociedade. Oficial é a necessidade prática de padronização dos
expedientes. Assim, as prescrições quanto à diagramação,
Impessoalidade e Objetividade espaçamento, caracteres tipográficos etc., os modelos
Ainda que possam ser subscritos por um ente público inevitáveis de ofício, requerimento, memorando, aviso e
(funcionário, servidor etc.), os textos oficiais são expressão outros, além de facilitar a legibilidade, servem para agilizar
do poder público e é em nome dele que o emissor se o andamento burocrático, os despachos e o arquivamento.
comunica, sempre nos termos da lei e sobre atos nela É também por essa razão que quase todos os órgãos
fundamentados. públicos editam manuais com os modelos dos expedientes
Não cabe na Redação Oficial, portanto, a presença do que integram sua rotina burocrática. A Presidência da
“eu” enunciador, de suas impressões subjetivas, sentimentos República, a Câmara dos Deputados, o Senado, os Tribunais
ou opiniões. Mesmo quando o agente público manifesta- Superiores, enfim, os poderes Executivo, Legislativo e
se em primeira pessoa, em formas verbais comuns como: Judiciário têm os próprios ritos na elaboração dos textos e
declaro, resolvo, determino, nomeio, exonero etc., é nos documentos que lhes são pertinentes.
termos da lei que ele o faz e é em função do cargo que
exerce que se identifica e se manifesta. Concisão e Clareza
O que interessa é aquilo que se comunica, é o conteúdo, Houve um tempo em que escrever bem era escrever
o objeto da informação. A impessoalidade contribui para “difícil”. Períodos longos, subordinações sucessivas,
a necessária padronização, reduzindo a variabilidade da vocábulos raros, inversões sintáticas, adjetivação

72
PORTUGUÊS
intensiva, enumerações, gradações, repetições enfáticas Concordância nominal:
já foram considerados virtudes estilísticas. Atualmente, a Os adjetivos devem concordar com o sexo da pessoa a
velocidade que se impõe a tudo o que se faz, inclusive que se refere o pronome de tratamento.
ao escrever e ao ler, tornou esses recursos quase sempre Vossa Excelência ficou confuso. (para homem)
obsoletos. Hoje, a concisão, a economia vocabular, a Vossa Excelência ficou confusa. (para mulher)
precisão lexical, ou seja, a eficácia do discurso, são Vossa Senhoria está ocupado. (para homem)
pressupostos não só da Redação Oficial, mas da própria Vossa Senhoria está ocupada. (para mulher)
literatura. Basta observar o estilo “enxuto” de Graciliano Sua Excelência - de quem se fala (ele/ela).
Ramos, de Carios Drummond de Andrade, de João Cabral Vossa Excelência - com quem se fala (você)
de Melo Neto, de Dalton Trevisan, mestres da linguagem Emprego dos Pronomes de Tratamento
altamente concentrada.
Não têm mais sentido os imensos “prolegômenos” e As normas a seguir fazem parte do Manual de Redação
“exórdios” que se repetiam como ladainhas nos textos da Presidência da República.
oficiais, como o exemplo risível e caricato que segue: Vossa Excelência: É o tratamento empregado para as
“Preliminarmente, antes de mais nada, indispensável seguintes autoridades:
se faz que nos valhamos do ensejo para congratularmo-
nos com Vossa Excelência pela oportunidade da medida - Do Poder Executivo - Presidente da República;
proposta à apreciação de seus nobres pares. Mas, quem Vice-presidente da República; Ministros de Estado;
sou eu, humilde servidor público, para abordar questões de Governadores e vicegovernadores de Estado e do
tamanha complexidade, a respeito das quais divergem os Distrito Federal; Oficiais generais das Forças Armadas;
hermeneutas e exegetas. Embaixadores; Secretários executivos de Ministérios
Entrementes, numa análise ainda que perfunctória e demais ocupantes de cargos de natureza especial;
das causas primeiras, que fundamentaram a proposição Secretários de Estado dos Governos Estaduais; Prefeitos
tempestivamente encaminhada por Vossa Excelência, Municipais.
indispensável se faz uma abordagem preliminar dos - Do Poder Legislativo - Deputados Federais e
antecedentes imediatos, posto que estes antecedentes Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União;
necessariamente antecedem os consequentes”. Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos
Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras
Observe que absolutamente nada foi dito ou informado. Legislativas Municipais.
- Do Poder Judiciário - Ministros dos Tribunais
As Comunicações Oficiais Superiores; Membros de Tribunais; Juizes; Auditores da
A redação das comunicações oficiais obedece a preceitos Justiça Militar.
de objetividade, concisão, clareza, impessoalidade,
formalidade, padronização e correção gramatical. Vocativos
Além dessas, há outras características comuns à O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas
comunicação oficial, como o emprego de pronomes aos chefes de poder é Excelentíssimo Senhor, seguido
de tratamento, o tipo de fecho (encerramento) de uma do cargo respectivo: Excelentíssimo Senhor Presidente
correspondência e a forma de identificação do signatário, da República; Excelentíssimo Senhor Presidente do
conforme define o Manual de Redação da Presidência da Congresso Nacional; Excelentíssimo Senhor Presidente do
República. Outros órgãos e instituições do poder público Supremo Tribunal Federal.
também possuem manual de redação próprio, como a As demais autoridades devem ser tratadas com o
Câmara dos Deputados, o Senado Federal, o Ministério vocativo Senhor ou Senhora, seguido do respectivo
das Relações Exteriores, diversos governos estaduais, cargo: Senhor Senador / Senhora Senadora; Senhor
órgãos do Judiciário etc. Juiz/ Senhora Juiza; Senhor Ministro / Senhora Ministra;
Senhor Governador / Senhora Governadora.
Pronomes de Tratamento
A regra diz que toda comunicação oficial deve ser Endereçamento
formal e polida, isto é, ajustada não apenas às normas De acordo com o Manual de Redação da Presidência, no
gramaticais, como também às normas de educação e envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas
cortesia. Para isso, é fundamental o emprego de pronomes às autoridades tratadas por Vossa Excelência, deve ter a
de tratamento, que devem ser utilizados de forma correta, seguinte forma:
de acordo com o destinatário e as regras gramaticais. A Sua Excelência o Senhor
Embora os pronomes de tratamento se refiram à Fulano de Tal
segunda pessoa (Vossa Excelência, Vossa Senhoria), a Ministro de Estado da Justiça
concordância é feita em terceira pessoa. 70064900 Brasília. DF
Concordância verbal:
Vossa Senhoria falou muito bem. A Sua Excelência o Senhor
Vossa Excelência vai esclarecer o tema. Senador Fulano de Tal
Vossa Majestade sabe que respeitamos sua opinião. Senado Federal
70165900 Brasília. DF
Concordância pronominal:
Pronomes de tratamento concordam com pronomes A Sua Excelência o Senhor
possessivos na terceira pessoa. Fulano de Tal
Vossa Excelência escolheu seu candidato. (e não Juiz de Direito da l0ª Vara Cível
“vosso...”). Rua ABC, nº 123
01010000 São Paulo. SP

73
PORTUGUÊS
Conforme o Manual de Redação da Presidência, “em Respeitosamente: para autoridades superiores,
comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento inclusive o presidente da República.
digníssimo (DD) às autoridades na lista anterior. A Atenciosamente: para autoridades de mesma
dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo hierarquia ou de hierarquia inferior.
público, sendo desnecessária sua repetida evocação”.
“Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações
Vossa Senhoria: É o pronome de tratamento empregado dirigidas a autoridades estrangeiras, que atenderem a rito
para as demais autoridades e para particulares. O vocativo e tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual
adequado é: Senhor Fulano de Tal / Senhora Fulana de de Redação do Ministério das Relações Exteriores”, diz o
Tal. Manual de Redação da Presidência da República.
A utilização dos fechos “Respeitosamente” e
No envelope, deve constar do endereçamento: “Atenciosamente” é recomendada para os mesmos casos
Ao Senhor pelo Manual de Redação da Câmara dos Deputados e
Fulano de Tal por outros manuais oficiais. Já os fechos para as cartas
Rua ABC, nº 123 particulares ou informais ficam a critério do remetente,
70123-000 – Curitiba.PR com preferência para a expressão “Cordialmente”, para
encerrar a correspondência de forma polida e sucinta.
Conforme o Manual de Redação da Presidência, em
comunicações oficiais “fica dispensado o emprego do Identificação do Signatário
superlativo Ilustríssimo para as autoridades que recebem
o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É Conforme o Manual de Redação da Presidência do
suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor. República, com exceção das comunicações assinadas
pelo presidente da República, em todas as comunicações
O Manual também esclarece que “doutor não é forma de oficiais devem constar o nome e o cargo da autoridade
tratamento, e sim título acadêmico”. Por isso, recomenda- que as expede, abaixo de sua assinatura. A forma da
se empregá-lo apenas em comunicações dirigidas a identificação deve ser a seguinte:
pessoas que tenham concluído curso de doutorado. No
entanto, ressalva-se que “é costume designar por doutor (espaço para assinatura)
os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Nome
Medicina”. Chefe da Secretaria Geral da Presidência da República

Vossa Magnificência: É o pronome de tratamento (espaço para assinatura)


dirigido a reitores de universidade. Correspondelhe o Nome
vocativo: Magnífico Reitor. Ministro de Estado da Justiça
“Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a
Vossa Santidade: É o pronome de tratamento assinatura em página isolada do expediente. Transfira
empregado em comunicações dirigidas ao Papa. O para essa página ao menos a última frase anterior ao
vocativo correspondente é: Santíssimo Padre. fecho”, alerta o Manual.

Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima: Padrões e Modelos


São os pronomes empregados em comunicações
dirigidas a cardeais. Os vocativos correspondentes são: O Padrão Ofício
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou Eminentíssimo e
Reverendíssimo Senhor Cardeal. O Manual de Redação da Presidência da República lista
três tipos de expediente que, embora tenham finalidades
Nas comunicações oficiais para as demais autoridades diferentes, possuem formas semelhantes: Ofício, Aviso
eclesiásticas são usados: Vossa Excelência Reverendíssima e Memorando. A diagramação proposta para esses
(para arcebispos e bispos); Vossa Reverendíssima ou Vossa expedientes é denominada padrão ofício.
Senhoria Reverendíssima (para monsenhores, cônegos e O Ofício, o Aviso e o Memorando devem conter as
superiores religiosos); Vossa Reverência (para sacerdotes, seguintes partes:
clérigos e demais religiosos).
- Tipo e número do expediente, seguido da sigla
Fechos para Comunicações do órgão que o expede. Exemplos:
Of. 123/2002-MME
De acordo com o Manual da Presidência, o fecho das Aviso 123/2002-SG
comunicações oficiais “possui, além da finalidade óbvia Mem. 123/2002-MF
de arrematar o texto, a de saudar o destinatário”, ou
seja, o fecho é a maneira de quem expede a comunicação - Local e data. Devem vir por extenso com
despedir-se de seu destinatário. alinhamento à direita. Exemplo:
Até 1991, quando foi publicada a primeira edição
do atual Manual de Redação da Presidência da República, Brasília, 20 de maio de 2011
havia 15 padrões de fechos para comunicações oficiais. O
Manual simplificou a lista e reduziu-os a apenas dois para - Assunto. Resumo do teor do documento. Exemplos:
todas as modalidades de comunicação oficial. São eles:
Assunto: Produtividade do órgão em 2010.
Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.

74
PORTUGUÊS
- Destinatário. O nome e o cargo da pessoa a quem notas de rodapé;
é dirigida a comunicação. No caso do ofício, deve ser - para símbolos não existentes na fonte Times New
incluído também o endereço. Roman, poder-se-ão utilizar as fontes symbol e Wíngdings;
- é obrigatório constar a partir da segunda página o
- Texto. Nos casos em que não for de mero número da página;
encaminhamento de documentos, o expediente deve - os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser
conter a seguinte estrutura: impressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as
margens esquerda e direita terão as distâncias invertidas
Introdução: que se confunde com o parágrafo de nas páginas pares (“margem espelho”);
abertura, na qual é apresentado o assunto que motiva a - o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de
comunicação. Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, distância da margem esquerda;
“Tenho o prazer de”, “Cumpre-me informar que”,empregue - o campo destinado à margem lateral esquerda terá,
a forma direta; no mínimo 3,0 cm de largura;
- o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5
Desenvolvimento: no qual o assunto é detalhado; se cm;
o texto contiver mais de uma ideia sobre o assunto, elas - deve ser utilizado espaçamento simples entre as
devem ser tratadas em parágrafos distintos, o que confere linhas e de 6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor
maior clareza à exposição; de texto utilizado não comportar tal recurso, de uma linha
em branco;
Conclusão: em que é reafirmada ou simplesmente - não deve haver abuso no uso de negrito, itálico,
reapresentada a posição recomendada sobre o assunto. sublinhado, letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo,
bordas ou qualquer outra forma de formatação que afete a
Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto elegância e a sobriedade do documento;
nos casos em que estes estejam organizados em itens ou - a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em
títulos e subtítulos. papel branco. A impressão colorida deve ser usada apenas
para gráficos e ilustrações;
Quando se tratar de mero encaminhamento de - todos os tipos de documento do padrão ofício devem
documentos, a estrutura deve ser a seguinte: ser impressos em papel de tamanho A4, ou seja, 29,7 x
21,0 cm;
Introdução: deve iniciar com referência ao - deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de
expediente que solicitou o encaminhamento. Se a remessa arquivo Rich Text nos documentos de texto;
do documento não tiver sido solicitada, deve iniciar com a - dentro do possível, todos os documentos elaborados
informação do motivo da comunicação, que é encaminhar, devem ter o arquivo de texto preservado para consulta
indicando a seguir os dados completos do documento posterior ou aproveitamento de trechos para casos
encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e assunto análogos;
de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado, - para facilitar a localização, os nomes dos arquivos
segundo a seguinte fórmula: devem ser formados da seguinte maneira: tipo do
“Em resposta ao Aviso nº 112, de 10 de fevereiro de 2011, documento + número do documento + palavras chave do
encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de conteúdo. Exemplo:
2010, do Departamento Geral de Administração, que trata
da requisição do servidor Fulano de Tal.” “Of. 123 relatório produtividade ano 2010”

ou Aviso e Ofício (Comunicação Externa)

“Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa São modalidades de comunicação oficial praticamente
cópia do telegrama nº 112, de 11 de fevereiro de 2011, idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é
do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para
respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício
região Nordeste.” é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm
como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos
Desenvolvimento: se o autor da comunicação órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do
desejar fazer algum comentário a respeito do documento ofício, também com particulares.
que encaminha, poderá acrescentar parágrafos de Quanto a sua forma, Aviso e Ofício seguem o modelo
desenvolvimento; em caso contrário, não há parágrafos do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o
de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero destinatário, seguido de vírgula. Exemplos:
encaminhamento. Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
- Fecho. Senhora Ministra,
- Assinatura. Senhor Chefe de Gabinete,
- Identificação do Signatário
Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as
Forma de Diagramação seguintes informações do remetente:
- nome do órgão ou setor;
Os documentos do padrão ofício devem obedecer à - endereço postal;
seguinte forma de apresentação: - telefone e endereço de correio eletrônico.
- deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman
de corpo 12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas Obs: Modelo no final da matéria.

75
PORTUGUÊS
Memorando ou Comunicação Interna - na conclusão, novamente, qual medida deve
ser tomada, ou qual ato normativo deve ser editado para
O Memorando é a modalidade de comunicação solucionar o problema.
entre unidades administrativas de um mesmo órgão,
que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à
em nível diferente. Trata-se, portanto, de uma forma de exposição de motivos, devidamente preenchido, de acordo
comunicação eminentemente interna. com o seguinte modelo previsto no Anexo II do Decreto nº
Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser 4.1760, de 28 de março de 2010.
empregado para a exposição de projetos, ideias, diretrizes Anexo à exposição de motivos do (indicar nome do
etc. a serem adotados por determinado setor do serviço Ministério ou órgão equivalente) nº ______, de ____ de
público. ______________ de 201_.
Sua característica principal é a agilidade. A tramitação - Síntese do problema ou da situação que reclama
do memorando em qualquer órgão deve pautar-se providências;
pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos - Soluções e providências contidas no ato normativo ou
burocráticos. Para evitar desnecessário aumento do na medida proposta;
número de comunicações, os despachos ao memorando - Alternativas existentes às medidas propostas.
devem ser dados no próprio documento e, no caso de falta Mencionar:
de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento - se há outro projeto do Executivo sobre a matéria;
permite formar uma espécie de processo simplificado, - se há projetos sobre a matéria no Legislativo;
assegurando maior transparência a tomada de decisões, - outras possibilidades de resolução do problema.
e permitindo que se historie o andamento da matéria - Custos. Mencionar:
tratada no memorando. - se a despesa decorrente da medida está prevista na
Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo lei orçamentária anual; se não, quais as alternativas para
do padrão ofício, com a diferença de que seu destinatário custeá-la;
deve ser mencionado pelo cargo que ocupa. Exemplos: - se a despesa decorrente da medida está prevista na
lei orçamentária anual; se não, quais as alternativas para
Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração custeá-la;
Ao Sr. Subchefe para Assuntos Jurídicos. - valor a ser despendido em moeda corrente;
- Razões que justificam a urgência (a ser preenchido
Obs: Modelo no final da matéria. somente se o ato proposto for medida provisória ou
projeto de lei que deva tramitar em regime de urgência).
Exposição de Motivos Mencionar:
- se o problema configura calamidade pública;
É o expediente dirigido ao presidente da República ou - por que é indispensável a vigência imediata;
ao vice-presidente para: - se se trata de problema cuja causa ou agravamento
- informá-lo de determinado assunto; não tenham sido previstos;
- propor alguma medida; ou - se se trata de desenvolvimento extraordinário de
- submeter a sua consideração projeto de ato normativo. situação já prevista.
Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao - Impacto sobre o meio ambiente (somente que o ato
Presidente da República por um Ministro de Estado. ou medida proposta possa vir a tê-lo)
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um - Alterações propostas. Texto atual, Texto proposto;
Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada - Síntese do parecer do órgão jurídico.
por todos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão,
chamada de interministerial. Com base em avaliação do ato normativo ou da medida
Formalmente a exposição de motivos tem a apresentação proposa à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
do padrão ofício. De acordo com sua finalidade, apresenta A falta ou insuficiência das informações prestadas pode
duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que acarretar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos
tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a da Casa Civil, a devolução do projeto de ato normativo
que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato para que se complete o exame ou se reformule a proposta.
normativo. O preenchimento obrigatório do anexo para as
No primeiro caso, o da exposição de motivos que exposições de motivos que proponham a adoção de
simplesmente leva algum assunto ao conhecimento do alguma medida ou a edição de ato normativo tem como
Presidente da República, sua estrutura segue o modelo finalidade:
antes referido para o padrão ofício. - permitir a adequada reflexão sobre o problema que
Já a exposição de motivos que submeta à consideração se busca resolver;
do Presidente da República a sugestão de alguma medida - ensejar mais profunda avaliação das diversas causas
a ser adotada ou a que lhe apresente projeto de ato do problema e dos defeitos que pode ter a adoção da
normativo, embora sigam também a estrutura do padrão medida ou a edição do ato, em consonância com as
ofício, além de outros comentários julgados pertinentes questões que devem ser analisadas na elaboração de
por seu autor, devem, obrigatoriamente, apontar: proposições normativas no âmbito do Poder Executivo (v.
- na introdução: o problema que está a reclamar a 10.4.3.)
adoção da medida ou do ato normativo proposto; - conferir perfeita transparência aos atos propostos.
- no desenvolvimento: o porquê de ser aquela
medida ou aquele ato normativo o ideal para se solucionar Dessa forma, ao atender às questões que devem ser
o problema, e eventuais alternativas existentes para analisadas na elaboração de atos normativos no âmbito
equacioná-lo; do Poder Executivo, o texto da exposição de motivos e

76
PORTUGUÊS
seu anexo complementam-se e formam um todo coeso: encaminhamento dirigem-se aos membros do Congresso
no anexo, encontramos uma avaliação profunda e direta Nacional, e os respectivos avisos são endereçados ao
de toda a situação que está a reclamar a adoção de certa Primeiro Secretário do Senado Federal. A razão é que o
providência ou a edição de um ato normativo; o problema art. 166 da Constituição impõe a deliberação congressual
a ser enfrentado e suas causas; a solução que se propõe, sobre as leis financeiras em sessão conjunta, mais
seus efeitos e seus custos; e as alternativas existentes. O precisamente, “na forma do regimento comum”. E à frente
texto da exposição de motivos fica, assim, reservado à da Mesa do Congresso Nacional está o Presidente do
demonstração da necessidade da providência proposta: Senado Federal (Constituição, art. 57, § 5º), que comanda
por que deve ser adotada e como resolverá o problema. as sessões conjuntas.
Nos casos em que o ato proposto for questão de As mensagens aqui tratadas coroam o processo
pessoal (nomeação, promoção, ascenção, transferência, desenvolvido no âmbito do Poder Executivo, que
readaptação, reversão, aproveitamento, reintegração, abrange minucioso exame técnico, jurídico e econômico-
recondução, remoção, exoneração, demissão, dispensa, financeiro das matérias objeto das proposições por elas
disponibilidade, aposentadoria), não é necessário o encaminhadas.
encaminhamento do formulário de anexo à exposição de Tais exames materializam-se em pareceres dos diversos
motivos. Ressalte-se que: órgãos interessados no assunto das proposições, entre
- a síntese do parecer do órgão de assessoramento eles o da Advocacia Geral da União. Mas, na origem das
jurídico não dispensa o encaminhamento do parecer propostas, as análises necessárias constam da exposição
completo; de motivos do órgão onde se geraram, exposição que
- o tamanho dos campos do anexo à exposição de acompanhará, por cópia, a mensagem de encaminhamento
motivos pode ser alterado de acordo com a maior ou ao Congresso.
menor extensão dos comentários a serem alí incluídos.
- Encaminhamento de medida provisória: Para
Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constituição,
presente que a atenção aos requisitos básicos da Redação o Presidente da República encaminha mensagem ao
Oficial (clareza, concisão, impessoalidade, formalidade, Congresso, dirigida a seus membros, com aviso para o
padronização e uso do padrão culto de linguagem) deve Primeiro Secretário do Senado Federal, juntando cópia
ser redobrada. A exposição de motivos é a principal da medida provisória, autenticada pela Coordenação de
modalidade de comunicação dirigida ao Presidente da Documentação da Presidência da República.
República pelos Ministros. Além disso, pode, em certos
casos, ser encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou - Indicação de autoridades: As mensagens que
ao Poder Judiciário ou, ainda, ser publicada no Diário submetem ao Senado Federal a indicação de pessoas para
Oficial da União, no todo ou em parte. ocuparem determinados cargos (magistrados dos Tribunais
Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e diretores do
Mensagem Banco Central, Procurador Geral da República, Chefes de
Missão Diplomática etc.) têm em vista que a Constituição,
É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes no seu art. 52, incisos III e IV, atribui àquela Casa do
dos Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas Congresso Nacional competência privativa para aprovar
pelo Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para a indicação. O currículum vitae do indicado, devidamente
informar sobre fato da Administração Pública; expor assinado, acompanha a mensagem.
o plano de governo por ocasião da abertura de sessão
legislativa; submeter ao Congresso Nacional matérias que - Pedido de autorização para o presidente ou
dependem de deliberação de suas Casas; apresentar veto; o vice-presidente da República se ausentarem
enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto do País por mais de 15 dias: Trata-se de exigência
seja de interesse dos poderes públicos e da Nação. constitucional (Constituição, art. 49, III, e 83), e a
Minuta de mensagem pode ser encaminhada pelos autorização é da competência privativa do Congresso
Ministérios à Presidência da República, a cujas assessorias Nacional.
caberá a redação final. O presidente da República, tradicionalmente, por
As mensagens mais usuais do Poder Executivo ao cortesia, quando a ausência é por prazo inferior a 15
Congresso Nacional têm as seguintes finalidades: dias, faz uma comunicação a cada Casa do Congresso,
enviando-lhes mensagens idênticas.
- Encaminhamento de projeto de lei ordinária,
complementar ou financeira: Os projetos de lei - Encaminhamento de atos de concessão e
ordinária ou complementar são enviados em regime normal renovação de concessão de emissoras de rádio
(Constituição, art. 61) ou de urgência (Constituição, art. e TV: A obrigação de submeter tais atos à apreciação
64, §§ 1º a 4º). Cabe lembrar que o projeto pode ser do Congresso Nacional consta no inciso XII do artigo
encaminhado sob o regime normal e mais tarde ser objeto 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos legais
de nova mensagem, com solicitação de urgência. a outorga ou renovação da concessão após deliberação
Em ambos os casos, a mensagem se dirige aos Membros do Congresso Nacional (Constituição, art. 223, § 3º).
do Congresso Nacional, mas é encaminhada com aviso Descabe pedir na mensagem a urgência prevista no art.
do Chefe da Casa Civil da Presidência da República ao 64 da Constituição, porquanto o § 1º do art. 223 já define
Primeiro Secretário da Câmara dos Deputados, para que o prazo da tramitação.
tenha início sua tramitação (Constituição, art. 64, caput). Além do ato de outorga ou renovação, acompanha a
Quanto aos projetos de lei financeira (que mensagem o correspondente processo administrativo.
compreendem plano plurianual, diretrizes orçamentárias,
orçamentos anuais e créditos adicionais), as mensagens de

77
PORTUGUÊS
- Encaminhamento das contas referentes ao - proposta de modificação de projetas de leis financeiras
exercício anterior: O Presidente da República tem o (Constituição, art. 166, § 5º);
prazo de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa - pedido de autorização para utilizar recursos que
para enviar ao Congresso Nacional as contas referentes ficarem sem despesas correspondentes, em decorrência de
ao exercício anterior (Constituição, art. 84, XXIV), veto, emenda ou rejeição do projeto de lei orçamentária
para exame e parecer da Comissão Mista permanente anual (Constituição, art. 166, § 8º);
(Constituição, art. 166, § 1º), sob pena de a Câmara dos - pedido de autorização para alienar ou conceder terras
Deputados realizar a tomada de contas (Constituição, art. públicas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art.
51, II), em procedimento disciplinado no art. 215 do seu 188, § 1º); etc.
Regimento Interno.
As mensagens contêm:
- Mensagem de abertura da sessão legislativa: - a indicação do tipo de expediente e de seu número,
Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a horizontalmente, no início da margem esquerda:
situação do País e solicitação de providências que julgar
necessárias (Constituição, art. 84, XI). Mensagem nº
O portador da mensagem é o Chefe da Casa Civil
da Presidência da República. Esta mensagem difere das - vocativo, de acordo com o pronome de tratamento
demais porque vai encadernada e é distribuída a todos os e o cargo do destinatário, horizontalmente, no início da
congressistas em forma de livro. margem esquerda:

- Comunicação de sanção (com restituição de Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal,


autógrafos): Esta mensagem é dirigida aos membros do
Congresso Nacional, encaminhada por Aviso ao Primeiro - o texto, iniciando a 2 cm do vocativo;
Secretário da Casa onde se originaram os autógrafos. Nela - o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do
se informa o número que tomou a lei e se restituem dois texto, e horizontalmente fazendo coincidir seu final
exemplares dos três autógrafos recebidos, nos quais o com a margem direita. A mensagem, como os demais
Presidente da República terá aposto o despacho de sanção. atos assinados pelo Presidente da República, não traz
identificação de seu signatário.
- Comunicação de veto: Dirigida ao Presidente do
Senado Federal (Constituição, art. 66, § 1º), a mensagem Obs: Modelo no final da matéria.
informa sobre a decisão de vetar, se o veto é parcial,
quais as disposições vetadas, e as razões do veto. Seu Telegrama
texto vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União,
ao contrário das demais mensagens, cuja publicação se Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar
restringe à notícia do seu envio ao Poder Legislativo. os procedimentos burocráticos, passa a receber o título de
telegrama toda comunicação oficial expedida por meio de
- Outras mensagens: Também são remetidas ao telegrafia, telex etc. Por se tratar de forma de comunicação
Legislativo com regular frequência mensagens com: dispendiosa aos cofres públicos e tecnologicamente
- encaminhamento de atos internacionais que acarretam superada, deve restringir-se o uso do telegrama apenas
encargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. àquelas situações que não seja possível o uso de correio
49, I); eletrônico ou fax e que a urgência justifique sua utilização
- pedido de estabelecimento de alíquolas aplicáveis e, também em razão de seu custo elevado, esta forma de
às operações e prestações interestaduais e de exportação comunicação deve pautar-se pela concisão.
(Constituição, art. 155, § 2º, IV); Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a
- proposta de fixação de limites globais para o montante estrutura dos formulários disponíveis nas agências dos
da dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI); Correios e em seu sítio na Internet.
- pedido de autorização para operações financeiras
externas (Constituição, art. 52, V); e outros. Obs: Modelo no final da matéria.

Entre as mensagens menos comuns estão as de: Fax

- convocação extraordinária do Congresso Nacional O fax (forma abreviada já consagrada de facsímile)


(Constituição, art. 57, § 6º); é uma forma de comunicação que está sendo menos
- pedido de autorização para exonerar o Procurador usada devido ao desenvolvimento da Internet. É utilizado
Geral da República (art. 52, XI, e 128, § 2º); para a transmissão de mensagens urgentes e para o
- pedido de autorização para declarar guerra e decretar envio antecipado de documentos, de cujo conhecimento
mobilização nacional (Constituição, art. 84, XIX); há premência, quando não há condições de envio do
- pedido de autorização ou referendo para celebrara documento por meio eletrônico. Quando necessário o
paz (Constituição, art. 84, XX); original, ele segue posteriormente pela via e na forma de
- justificativa para decretação do estado de defesa ou praxe.
de sua prorrogação (Constituição, art. 136, § 4º);
- pedido de autorização para decretar o estado de sítio Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com
(Constituição, art. 137); cópia xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel,
- relato das medidas praticadas na vigência do estado em certos modelos, se deteriora rapidamente.
de sítio ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo
único); Os documentos enviados por fax mantêm a forma

78
PORTUGUÊS
e a estrutura que lhes são inerentes. É conveniente o - Texto, incluindo: Preâmbulo registro da situação
envio, juntamente com o documento principal, de folha espacial e temporal e participantes; Registro dos assuntos
de rosto, isto é, de pequeno formulário com os dados de abordados e de suas decisões, com indicação das
identificação da mensagem a ser enviada. personalidades envolvidas, se for o caso; Fecho termo de
encerramento com indicação, se necessário, do redator, do
Correio Eletrônico horário de encerramento, de convocação de nova reunião
etc.
O correio eletrônico (“email”), por seu baixo custo
e celeridade, transformou-se na principal forma de A ATA será assinada e/ou rubricada portodos os
comunicação para transmissão de documentos. presentes à reunião ou apenas pelo presidente e relator,
Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico dependendo das exigências regimentais do órgão.
é sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma A fim de se evitarem rasuras nas atas manuscritas,
rígida para sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso deve-se, em caso de erro, utilizar o termo “digo”, seguido
de linguagem incompatível com uma comunicação oficial. da informação correta a ser registrada. No caso de omissão
O campo assunto do formulário de correio eletrônico de informações ou de erros constatados após a redação,
mensagem deve ser preenchido de modo a facilitar a usa-se a expressão “Em tempo” ao final da ATA, com o
organização documental tanto do destinatário quanto do registro das informações corretas.
remetente.
Para os arquivos anexados à mensagem deve ser Obs: Modelo no final da matéria.
utilizado, preferencialmente, o formato Rich Text. A
mensagem que encaminha algum arquivo deve trazer Carta
informações mínimas sobre seu conteúdo.
Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso É a forma de correspondência emitida por particular,
de confirmação de leitura. Caso não seja disponível, ou autoridade com objetivo particular, não se confundindo
deve constar da mensagem pedido de confirmação de com o memorando (correspondência interna) ou o ofício
recebimento. (correspondência externa), nos quais a autoridade que
Nos termos da legislação em vigor, para que a assina expressa uma opinião ou dá uma informação
mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, não sua, mas, sim, do órgão pelo qual responde. Em
isto é, para que possa ser aceita como documento grande parte dos casos da correspondência enviada
original, é necessário existir certificação digital que ateste por deputados, deve-se usar a carta, não o memorando
a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei. ou ofício, por estar o parlamentar emitindo parecer,
opinião ou informação de sua responsabilidade, e não
Apostila especificamente da Câmara dos Deputados. O parlamentar
deverá assinar memorando ou ofício apenas como titular
É o aditamento que se faz a um documento com o de função oficial específica (presidente de comissão ou
objetivo de retificação, atualização, esclarecimento ou membro da Mesa, por exemplo). Estrutura:
fixar vantagens, evitando-se assim a expedição de um
novo título ou documento. Estrutura: - Local e data.
- Título: APOSTILA, centralizado. - Endereçamento, com forma de tratamento,
- Texto: exposição sucinta da retificação, esclarecimento, destinatário, cargo e endereço.
atualização ou fixação da vantagem, com a menção, se for - Vocativo.
o caso, onde o documento foi publicado. - Texto.
- Local e data. - Fecho.
- Assinatura: nome e função ou cargo da autoridade - Assinatura: nome e, quando necessário, função ou
que constatou a necessidade de efetuar a apostila. cargo.

Não deve receber numeração, sendo que, em caso de Se o gabinete usar cartas com frequência, poderá
documento arquivado, a apostila deve ser feita abaixo dos numerá-las. Nesse caso, a numeração poderá apoiar-se no
textos ou no verso do documento. padrão básico de diagramação.
Em caso de publicação do ato administrativo O fecho da carta segue, em geral, o padrão da
originário, a apostila deve ser publicada com a menção correspondência oficial, mas outros fechos podem ser
expressa do ato, número, dia, página e no mesmo meio usados, a exemplo de “Cordialmente”, quando se deseja
de comunicação oficial no qual o ato administrativo foi indicar relação de proximidade ou igualdade de posição
originalmente publicado, a fim de que se preserve a data entre os correspondentes.
de validade.
Obs: Modelo no final da matéria.
Obs: Modelo no final da matéria.
Declaração
ATA
É o documento em que se informa, sob responsabilidade,
É o instrumento utilizado para o registro expositivo algo sobre pessoa ou acontecimento. Estrutura:
dos fatos e deliberações ocorridos em uma reunião, sessão
ou assembleia. Estrutura: - Título: DECLARAÇÃO, centralizado.
- Título ATA. Em se tratando de atas elaboradas - Texto: exposição do fato ou situação declarada,
sequencialmente, indicar o respectivo número da reunião com finalidade, nome do interessado em destaque (em
ou sessão, em caixa alta. maiúsculas) e sua relação com a Câmara nos casos mais

79
PORTUGUÊS
formais. - Ementa (resumo do assunto).
- Local e data. - Texto, compreendendo: Histórico ou relatório
- Assinatura: nome da pessoa que declara e, no caso de (introdução); Parecer (desenvolvimento com razões e
autoridade, função ou cargo. justificativas); Fecho opinativo (conclusão).
- Local e data.
A declaração documenta uma informação prestada - Assinatura, nome e função ou cargo do parecerista.
por autoridade ou particular. No caso de autoridade, a
comprovação do fato ou o conhecimento da situação Além do Parecer Administrativo, acima conceituado,
declarada deve serem razão do cargo que ocupa ou da existe o Parecer Legislativo, que é uma proposição, e,
função que exerce. como tal, definido no art. 126 do Regimento Interno da
Declarações que possuam características específicas Câmara dos Deputados.
podem receber uma qualificação, a exemplo da “declaração O desenvolvimento do parecer pode ser dividido
funcional”. em tantos itens (e estes intitulados) quantos bastem ao
parecerista para o fim de melhor organizar o assunto,
Obs: Modelo no final da matéria. imprimindo-lhe clareza e didatismo.

Despacho Obs: Modelo no final da matéria.

É o pronunciamento de autoridade administrativa em Portaria


petição que lhe é dirigida, ou ato relativo ao andamento
do processo. Pode ter caráter decisório ou apenas de É o ato administrativo pelo qual a autoridade estabelece
expediente. Estrutura: regras, baixa instruções para aplicação de leis ou trata da
organização e do funcionamento de serviços dentro de
- Nome do órgão principal e secundário. sua esfera de competência. Estrutura:
- Número do processo. - Título: PORTARIA, numeração e data.
- Data. - Ementa: síntese do assunto.
- Texto. - Preâmbulo e fundamentação: denominação da
- Assinatura e função ou cargo da autoridade. autoridade que expede o ato e citação da legislação
pertinente, seguida da palavra “resolve”.
O despacho pode constituir-se de uma palavra, de uma - Texto: desenvolvimento do assunto, que pode ser
expressão ou de um texto mais longo. dividido em artigos, parágrafos, incisos, alíneas e itens.
- Assinatura: nome da autoridade competente e
Obs: Modelo no final da matéria. indicação do cargo.

Ordem de Serviço Certas portarias contêm considerandos, com as razões


que justificam o ato. Neste caso, a palavra “resolve” vem
É o instrumento que encerra orientações detalhadas depois deles.
e/ou pontuais para a execução de serviços por órgãos A ementa justifica-se em portarias de natureza
subordinados da Administração. Estrutura: normativa.
Em portarias de matéria rotineira, como nos casos
- Título: ORDEM DE SERVIÇO, numeração e data. de nomeação e exoneração, por exemplo, suprime-se a
- Preâmbulo e fundamentação: denominação da ementa.
autoridade que expede o ato (em maiúsculas) e citação
da legislação pertinente ou por força das prerrogativas do Obs: Modelo no final da matéria.
cargo, seguida da palavra “resolve”.
- Texto: desenvolvimento do assunto, que pode ser Relatório
dividido em itens, incisos, alíneas etc.
- Assinatura: nome da autoridade competente e É o relato exposilivo, detalhado ou não, do
indicação da função. funcionamento de uma instituição, do exercício de
atividades ou acerca do desenvolvimento de serviços
A Ordem de Serviço se assemelha à Portaria, porém específicos num determinado período. Estrutura:
possui caráter mais específico e detalhista. Objetiva, - Título RELATÓRIO ou RELATÓRIO DE...
essencialmente, a otimização e a racionalização de - Texto registro em tópicos das principais atividades
serviços. desenvolvidas, podendo ser indicados os resultados
parciais e totais, com destaque, se for o caso, para os
Obs: Modelo no final da matéria. aspectos positivos e negativos do período abrangido. O
cronograma de trabalho a ser desenvolvido, os quadros,
Parecer os dados estatísticos e as tabelas poderão ser apresentados
como anexos.
É a opinião fundamentada, emitida em nome pessoal - Local e data.
ou de órgão administrativo, sobre tema que lhe haja sido - Assinatura e função ou cargo do(s) funcionário(s)
submetido para análise e competente pronunciamento. relator(es).
Visa fornecer subsídios para tomada de decisão. Estrutura: No caso de Relatório de Viagem, aconselha-se registrar
uma descrição sucinta da participação do servidor
- Número de ordem (quando necessário). no evento (seminário, curso, missão oficial e outras),
- Número do processo de origem. indicando o período e o trecho compreendido. Sempre que

80
PORTUGUÊS
possível, o Relatório de Viagem deverá ser elaborado com Protocolo
vistas ao aproveitamento efetivo das informações tratadas
no evento para os trabalhos legislativos e administrativos O registro de protocolo (ou simplesmente
da Casa. “o protocolo“) é o livro (ou, mais atualmente, o suporte
Quanto à elaboração de Relatório de Atividades, deve- informático) em que são transcritos progressivamente
se atentar para os seguintes procedimentos: os documentos e os atos em entrada e em saída de um
sujeito ou entidade (público ou privado). Este registro, se
- abster-se de transcrever a competência formal das obedecerem a normas legais, têm fé pública, ou seja, tem
unidades administrativas já descritas nas normas internas; valor probatório em casos de controvérsia jurídica.
- relatar apenas as principais atividades do órgão; O termo protocolo tem um significado bastante amplo,
- evitar o detalhamento excessivo das tarefas executadas identificando-se diretamente com o próprio procedimento.
pelas unidades administrativas que lhe são subordinadas; Por extensão de sentido, “protocolo” significa também
- priorizar a apresentação de dados agregados, grandes um trâmite a ser seguido para alcançar determinado
metas realizadas e problemas abrangentes que foram objetivo (“seguir o protocolo”).
solucionados; A gestão do protocolo é normalmente confiada a
- destacar propostas que não puderam ser concretizadas, uma repartição determinada, que recebe o material
identificando as causas e indicando as prioridades para os documentário do sujeito que o produz em saída e
próximos anos; em entrada e os anota num registro (atualmente em
- gerar um relatório final consolidado, limitado, se programas informáticos), atruibuindo-lhes um número
possível, ao máximo de dez páginas para o conjunto da e também uma posição de arquivo de acordo com suas
Diretoria, Departamento ou unidade equivalente. características.
Obs: Modelo no final da matéria. O registro tem quatro elementos necessários e
obrigatórios:
Requerimento (Petição) - Número progressivo.
- Data de recebimento ou de saída.
É o instrumento por meio do qual o interessado requer - Remetente ou destinatário.
a uma autoridade administrativa um direito do qual se - Regesto, ou seja, breve resumo do conteúdo da
julga detentor. Estrutura: correspondência.
- Vocativo, cargo ou função (e nome do destinatário),
ou seja, da autoridade competente.
- Texto incluindo: Preâmbulo, contendo nome do —————————————————————————
requerente (grafado em letras maiúsculas) e respectiva —————————————————————————
qualificação: nacionalidade, estado civil, profissão,
documento de identidade, idade (se maior de 60 anos, —————————————————————————
para fins de preferência na tramitação do processo,
segundo a Lei 10.741/03), e domicílio (caso o requerente —————————————————————————
seja servidor da Câmara dos Deputados, precedendo à —————————————————————————
qualificação civil deve ser colocado o número do registro
funcional e a lotação); Exposição do pedido, de preferência —————————————————————————
indicando os fundamentos legais do requerimento e os
elementos probatórios de natureza fática. —————————————————————————
—————————————————————————
- Fecho: “Nestes termos, Pede deferimento”.
- Local e data. —————————————————————————
- Assinatura e, se for o caso de servidor, função ou
cargo. —————————————————————————
—————————————————————————
Quando mais de uma pessoa fizer uma solicitação,
reivindicação ou manifestação, o documento utilizado —————————————————————————
será um abaixoassinado, com estrutura semelhante
à do requerimento, devendo haver identificação das —————————————————————————
assinaturas.
—————————————————————————
A Constituição Federal assegura a todos, —————————————————————————
independentemente do pagamento de taxas, o direito
de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou —————————————————————————
contra ilegalidade ou abuso de poder (art. 51, XXXIV, “a”),
sendo que o exercício desse direito se instrumentaliza por —————————————————————————
meio de requerimento. No que concerne especificamente —————————————————————————
aos servidores públicos, a lei que institui o Regime
único estabelece que o requerimento deve ser dirigido —————————————————————————
à autoridade competente para decidi-lo e encaminhado
por intermédio daquela a que estiver imediatamente —————————————————————————
subordinado o requerente (Lei nº 8.112/90, art. 105). —————————————————————————
Obs: Modelo no final da matéria. —————————————————————————

81
PORTUGUÊS
Exemplo de Ofício

5 (Ministério)
cm
(Secretaria/Departamento/Setor/Entidade)
(Endereço para correspondência)
(Endereço – continuação)
(Telefone e Endereço de Correio Eletrônico)

Ofício nº 524/1991/SG-PR

Brasília, 20 de maio de 2011

A Sua Excelência o Senhor


Deputado (Nome)
Câmara dos Deputados
70160-900 – Brasília – DF
3 cm 297 mm
1,5 cm
Assunto: Demarcação de terras indígenas

Senhor Deputado,
2,5
cm
1. Em complemento às observações transmitidas pelo telegrama nº 154, de 24
de abril último, informo Vossa Excelência de que as medidas mencionadas em sua carta
nº 6708, dirigida ao Senhor Presidente da República, estão amparadas pelo procedimento
administrativo de demarcação de terras indígenas instituído pelo Decreto nº 22, de 4 de
fevereiro de 1991 (cópia anexa).
2. Em sua comunicação, Vossa Excelência ressalva a necessidade de que – na
definição e demarcação das terras indígenas – fossem levadas em consideração as
características sócio-econômicas regionais.
3. Nos termos do Decreto nº 22, a demarcação de terras indígenas deverá
ser precedida de estudos e levantamentos técnicos que atendam ao disposto no art. 231, §
1º, da Constituição Federal. Os estudos deverão incluir os aspectos etno-históricos,
sociológicos, cartográficos e fundiários. O exame deste último aspecto deverá ser feito
conjuntamente com o órgão federal ou estadual competente.
4. Os órgãos públicos federais, estaduais e municipais deverão encaminhas
as informações que julgarem pertinentes sobre a área em estudo. É igualmente
assegurada a manifestação de entidades representativas da sociedade civil.
5. Os estudos técnicos elaborados pelo órgão federal de proteção ao índio
serão publicados juntamente com as informações recebidas dos órgãos públicos e das
entidades civis acima mencionadas.
6. Como Vossa Excelência pode verificar, o procedimento estabelecido
assegura que a decisão a ser baixada pelo Ministro de Estado da Justiça sobre os limites e
a demarcação de terras indígenas seja informada de todos os elementos necessários,
inclusive daqueles assinalados em sua carta, com a necessária transparência e agilidade.

Atenciosamente,

(Nome)
(cargo)

210 mm

82
PORTUGUÊS
Exemplo de Aviso

5
cm

Aviso nº 45/SCT-PR

Brasília, 27 de fevereiro de 2011

A Sua Excelência o Senhor


(Nome e cargo)

3 cm 297 mm
1,5 cm
Assunto: Seminário sobre o uso de energia no setor público

Senhor Ministro,
2,5
cm
Convido Vossa Excelência a participar da sessão de abertura do Primeiro
Seminário Regional sobre o Uso Eficiente de Energia no Setor Público, a ser realizado
em 5 de março próximo, às 9 horas, no auditório da Escola Nacional de Administração
Pública – ENAP, localizada no Setor de Áreas Isoladas, nesta capital.
O Seminário mencionado inclui-se nas atividades do Programa Nacional das
Comissões Internas de Conservação de Energia em Órgãos Públicos, instituído pelo
Decreto nº 99.656, de 26 de outubro de 1990.

Atenciosamente,

(Nome do signatário)
(cargo do signatário)

210 mm

83
PORTUGUÊS
Exemplo de Memorando

5
cm

Mem. 118/DJ

Em 12 de abril de 2011

Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração


3
cm
Assunto: Administração, Instalação de microcomputadores
297 mm
1,5 cm
2,5
cm

1. Nos termos do Plano Geral de Informatização, solicito a Vossa


Senhoria verificar a possibilidade de que sejam instalados três microcomputadores neste
Departamento.
2. Sem descer a maiores detalhes técnicos, acrescento, apenas, que o ideal seria
que o equipamento fosse dotado de disco rígido e de monitor padrão EGA. Quanto a
programas, haveria necessidade de dois tipos: um processador de textos e outro
gerenciador de banco de dados.
3. O treinamento de pessoal para operação dos micros poderia ficar a cargo da
Seção de Treinamento do Departamento de Modernização, cuja chefia já manifestou seu
acordo a respeito.
4. Devo mencionar, por fim, que a informatização dos trabalhos deste
Departamento ensejará racional distribuição de tarefas entre os servidores e,
sobretudo, uma melhoria na qualidade dos serviços prestados.

Atenciosamente,

(Nome do signatário)

210 mm

84
PORTUGUÊS
Exemplo de Exposição de Motivos de Caráter Informativo

5 cm

EM nº 00146/1991-MRE

5 cm Brasília, 24 de maio de 2011

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

2,5 cm
O Presidente George Bush anunciou, no último dia 13, significativa mudança da

1,5 cm
posição norte-americana nas negociações que se realizam – na Conferência do
Desarmamento, em Genebra – de uma convenção multilateral de proscrição total das armas 297 mm
3 cm químicas. Ao renunciar à manutenção de cerca de dois por cento de seu arsenal químico até
a adesão à convenção de todos os países em condições de produzir armas químicas, os
Estados Unidos reaproximaram sua postura da maioria dos quarenta países participantes do
processo negociador, inclusive o Brasil, abrindo possibilidades concretas de que o tratado a
ser concluído e assinado em prazo de cerca de um ano. (...)

1 cm

Respeitosamente,

2,5 cm

(Nome)
(cargo)

210 mm

85
PORTUGUÊS
Exemplo de Mensagem

5 cm

Mensagem nº 118

4 cm

Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal,

2 cm

1,5 cm
3 cm
1,5 cm

Comunico a Vossa Excelência o recebimento das mensagens SM nºs 106 a 110, de


1991, nas quais informo a promulgação dos Decretos Legislativos nºs 93 a 97, de 1991, relativos à
exploração de serviços de radiodifusão.
297 mm

2 cm

Brasília, 28 de março de 2011

210
mm

86
PORTUGUÊS
Exemplo de Telegrama

[órgão Expedidorl
[setor do órgão expedidor]
[endereço do órgão expedidor]

Destinatário: _________________________________________________________
Nº do fax de destino: _________________________________ Data: ___/___/_____
Remetente: __________________________________________________________
Tel. p/ contato: ____________________Fax/correio eletrônico: ________________
Nº de páginas: esta + ______Nº do documento: _____________________________
Observações: _________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Exemplo de Apostila

APOSTILA

A Diretora da Coordenação de Secretariado Parlamentar do Departamento de Pessoal declara que o


servidor José da Silva, nomeado pela Portaria CDCC-RQ001/2004, publicada no Suplemento ao Boletim
Administrativo de 30 de março de 2004, teve sua situação funcional alterada, de Secretário Parlamentar
Requisitado, ponto n. 123, para Secretário Parlamentar sem vínculo efetivo com o serviço público, ponto n.
105.123, a partir de 11 de abril de 2004, em face de decisão contida no Processo n. 25.001/2004.

Brasília, em 26/5/2011

Maria da Silva
Diretora

87
PORTUGUÊS
Exemplo de ATA

CAMARA DOS DEPUTADOS


CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO
Coordenação de Publicações

ATA

As 10h15min, do dia 24 de maio de 2011, na Sala de Reunião do Cedi, a Sra. Maria da Silva, Diretora da
Coordenação, deu início aos trabalhos com a leitura da ala da reunião anterior, que foi aprovada, sem alterações.
Em prosseguimento, apresentou a pauta da reunião, com a inclusão do item “Projetos Concluídos”, sendo
aprovada sem o acréscimo de novos itens. Tomou a palavra o Sr. José da Silva, Chefe da Seção de Marketing,
que apresentou um breve relato das atividades desenvolvidas no trimestre, incluindo o lançamento dos novos
SURGXWRV(PVHJXLGDR6U0iULRGRV6DQWRV&KHIHGD7LSRJUD¿DUHVVDOWRXTXHQRV~OWLPRVPHVHVRVWUDEDOKRV
enviados para publicação estavam de acordo com as normas estabelecidas, parabenizando a todos pelos
resultados alcançados. Com relação aos projeXos concluídos, a Diretora esclareceu que todos mantiveramse
GHQWURGRFURQRJUDPDGHWUDEDOKRSUHHVWDEHOHFLGRHTXHVHUDRHQFDPLQKDGRVjJUi¿FDQDSUy[LPDVHPDQD¬V
11h45min a Diretora encerrou os trabalhos, antes convocando reunião para o dia 2 de junho, quarta-feira, às
10 horas, no mesmo local. Nada mais havendo a tratar, a reunião foi encerrada, e eu, Ana de Souza, lavrei a
presente ata que vai assinada por mim e pela Diretora.

Diretora

Secretária

88
PORTUGUÊS
Exemplo de Carta

CÂMARA DOS DEPUTADOS


GABINETE DA DEPUTADA MARIA DA SILVA

Brasília, 4 de maio de 2011.

Ao Senhor
José Maria da Silva
Rua Bulhões de Carvalho, 293, Copacabana
20350070 Rio de Janeiro – RJ

Prezado Senhor,

Em atenção à carta de V. Sa., informo que o processo de transferência de estudantes para as escolas técnicas
federais é feito de forma pública, com normas estabelecidas em editais e divulgadas pelas instituições. Cabe ao
candidato pleitear a vaga de acordo com os critérios estabelecidos.
Contando com a compreensão de V. Sª., colocome à disposição para sanar eventuais dúvidas quanto a esse assunto.

Cordialmente,

Maria da Silva
Deputada Federal

89
PORTUGUÊS
Exemplo de Declaração

CÂMARA DOS DEPUTADOS


DEPARTAMENTO DE PESSOAL
Coordenação de Registro Funcional

DECLARAÇÃO

'HFODURSDUD¿QVGHSURYDMXQWRDR6XSUHPR7ULEXQDO)HGHUDOTXH-26e'$6,/9$H[VHUYLGRUGD&kPDUDGRV
Deputados, teve declarada a vacância do cargo de Analista Legislativo atribuição Assistente Técnico, a partir de
2/1/2004 (DCD de 3/1/2004). O referido exservidor não usufruiu das férias relativas ao exercício de 2003 e, em
seus assentos funcionais, consta a concessão de 30 (trinta) dias de licença para capacitação, referente ao quinquênio
13/1/1995 a 26/1/2000 (Processo n. 5.777/2003, publicado no Boletim Administrativo n. 15, de 7/1/2004).

Brasília, 10 de fevereiro de 2011.

Maria José da Silva


Diretora

90
PORTUGUÊS
Exemplo de Despacho

CÂMARA DOS DEPUTADOS


PRIMEIRASECRETARIA

Processo n . .........
Em .... / .... /200 ...

Ao Senhor Presidente da Câmara dos Deputados, por força do disposto no inciso I do art. 70 do Regimento do Cefor,
c/c o art. 95, da Lei n. 8.112/90, com parecer favorável desta Secretaria, nos termos das informações e manifestações
dos órgãos técnicos da Casa.

Deputado José da Silva


PrimeiroSecretário

91
PORTUGUÊS
Exemplo de Ordem de Serviço

CÂMARA DOS DEPUTADOS


CONSULTORIA TÉCNICA

ORDEM DE SERVIÇO N. 3, DE 6/6/2010

O DIRETOR DA CONSULTORIA TÉCNICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas atribuições,


resolve:
$VVDODVHGD&RQVXOWRULD7pFQLFD¿FDPGHVWLQDGDVDUHXQL}HVGHWUDEDOKRFRPGHSXWDGRVFRQVXOWRUHVH
servidores dos setores de apoio da Consultoria Técnica.
2. As reuniões de trabalho serão agendadas previamente pela Diretoria da Coordenação de Serviços Gerais.
................................................................................................................................
6. Havendo mais de uma solicitação de uso para o mesmo horário, será adotada a seguinte ordem de preferência:
1 reuniões de trabalho com a participação de deputados;
11 reuniões de trabalho da diretoria;
111 reuniões de trabalho dos consultores;
IV . ..................................................................................................................................
V . ....................................................................................................................................
7. O cancelamento de reunião deverá ser imediatamente comunicado à Diretoría da Coordenação de Serviços Gerais.

José da Silva
Diretor

92
PORTUGUÊS
Exemplo de Parecer

PARECER JURÍDICO

De: Departamento Jurídico


Para: Gerente Administrativo

Senhor Gerente,

Com relação à questão sobre a estabilidade provisória por gestação, ou não, da empregada Fulana de Tal, passamos a
analisar o assunto.
2DUWLJROHWUD³E´GR$'&7DVVHJXUDHVWDELOLGDGHjHPSUHJDGDJHVWDQWHGHVGHDFRQ¿UPDomRGDJUDYLGH]DWpFLQFR
meses após o parto.
Nesta hipótese, existe responsabilidade objetiva do empregador pela manutenção do emprego, ou seja, basta comprovar
a gravidez no curso do contrato para que haja incidência da regra que assegura a estabilidade provisória no emprego. O
fundamento jurídico desta estabilidade é a proteção à maternidade e à infância, ou seja, proteger a gestante e o nascituro,
assegurando a dignidade da pessoa humana.
$FRQ¿UPDomRGDJUDYLGH]H[SUHVVmRXWLOL]DGDQD&RQVWLWXLomRUHIHUHVHjD¿UPDWLYDPpGLFDGRHVWDGRJHVWDFLRQDOGD
empregada e não exige que o empregador tenha ciência prévia da situação da gravidez. Neste sentido tem sido as reiteradas
decisões do C. TST, culminando com a edição da Súmula n. 244, que assim disciplina a questão:
I - O desconhecimento do estado gravídico pelo empregador não afasta o direito ao pagamento da indenização decorrente
da estabilidade. (art. 10, II, “b” do ADCT). (ex-OJ nº 88 – DJ 16.04.2004).
II - A garantia de emprego à gestante só autoriza a reintegração se esta se der durante o período de estabilidade. Do
contrário, a garantia restringe-se aos salários e demais direitos correspondentes ao período de estabilidade. (ex-Súmula nº
244 – Res 121/2003, DJ 19.11.2003).
III - Não há direito da empregada gestante à estabilidade provisória na hipótese de admissão mediante contrato de
experiência, visto que a extinção da relação de emprego, em face do término do prazo, não constitui dispensa arbitrária ou
sem justa causa. (ex-OJ nº 196 - Inserida em 08.11.2000).
1RFDVRFRORFDGRHPDQiOLVHSHUFHEHVHTXHQmRKDYLDFRQ¿UPDomRGDJHVWDomRDQWHVGDGLVSHQVD$RFRQWUiULRGLDQWH
da suspeita de gravidez, a empresa teve o cuidado de pedir a realização de exame laboratorial, o que foi feito, não tendo sido
FRQ¿UPDGDDJUDYLGH]$HPSUHVDVyGLVSHQVRXDHPSUHJDGDGHSRLVTXHOKHIRLDSUHVHQWDGRRUHVXOWDGRQHJDWLYRGRWHVWHGH
JUDYLGH]$FRQ¿UPDomRGRHVWDGRJHVWDFLRQDOVyYHLRDSyVDGLVSHQVD
$VVLPSDUDVROXomRGDTXHVWmRLPSRUWDQWHLQGDJDUVHJUDYLGH]FRQ¿UPDGDQRFXUVRDYLVRSUpYLRLQGHQL]DGRJDUDQWHRX
não a estabilidade.
O TST tem decidido (Súmula 371), que a projeção do contrato de trabalho para o futuro, pela concessão de aviso prévio
indenizado, tem efeitos limitados às vantagens econômicas obtidas no período de pré-aviso. Este entendimento exclui a
estabilidade provisória da gestante, quando a gravidez ocorre após a rescisão contratual.
A gravidez superveniente à dispensa, durante o aviso prévio indenizado, não assegura a estabilidade. Contudo, na
KLSyWHVHGRVDXWRVHPERUDDJUDYLGH]WHQKDVLGRFRQ¿UPDGDQRFXUVRGRDYLVRSUpYLRLQGHQL]DGRFHUWRpTXHDHPSUHJDGD
MiHVWDYDJUiYLGDDQWHVGDGLVSHQVDFRPRDWHVWDPRVH[DPHVWUD]LGRVDRVDXWRV$FRQFOXVmRGDXOWURVVRQRJUD¿DREVWpWULFD
D¿UPDTXHHPGHMXOKRGHDLGDGHJHVWDFLRQDOHFRJUD¿FDHUDGHSRXFRPDLVGHVHPDQDLVSRUWDQWRQDGDWDGR
afastamento a reclamante já contava com mais de 01 mês de gravidez.
Em face do exposto, considerando os fundamentos jurídicos do instituto da estabilidade da gestante, considerando que a
responsabilidade do empregador pela manutenção do emprego é objetiva e considerando que o desconhecimento do estado
gravídico não impede o reconhecimento da gravidez, conclui-se que:
a) não existe estabilidade quando a gravidez ocorre na vigência do aviso prévio indenizado;
E ¿FDDVVHJXUDGDDHVWDELOLGDGHTXDQGRHPERUDFRQ¿UPDGDQRSHUtRGRGRDYLVRSUpYLRLQGHQL]DGRDJUDYLGH]RFRUUH
antes da dispensa.
De acordo com tais conclusões, entendemos que a empresa deve proceder a reintegração da empregada diante da
estabilidade provisória decorrente da gestação.
É o parecer.

(localidade), (dia) de (mês) de (ano).

(assinatura)
(nome)
(cargo)

93
PORTUGUÊS
Exemplo de Portaria

CÂMARA DOS DEPUTADOS


DIRETORIAGERAL

PORTARIA N. 1, de 13/1/2010

Disciplina a utilização da chancela eletrônica nas requisições de passagens aéreas e diárias de viagens,
autorizadasem processos administrativos no âmbito da Câmara dos Deputados e assinadas pelo DiretorGeral.

O DIRETORGERAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 147, item
XV, da Resolução n. 20, de 30 de novembro de 1971, resolve:
Art. 11 Fica instituído o uso da chancela eletrônica nas requisições de passagens aéreas e diárias de viagens,
autorizadas em processos administrativos pela autoridade competente e assinadas pelo DiretorGeral, para
parlamentar, servidor ou convidado, no âmbito da Câmara dos Deputados.
Art. 21 A chancela eletrônica, de acesso restrito, será válida se autenticada mediante código de segurança e
acompanhada do atesto do Chefe de Gabinete da DiretoriaGeral ou do seu primeiro substituto.
Art. 31 Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Sérgio Sampaio Contreiras de Almeida


DiretorGeral

94
PORTUGUÊS
Modelo de Relatório

CÂMARA DOS DEPUTADOS


ÓRGÃO PRINCIPAL
órgão Secundário

RELATÓRIO

Introdução
Apresentar um breve resumo das temáticas a serem abordadas. Em se tratando de relatório de viagem, indicar a
denominação do evento, local e período compreendido.

Tópico 1
Atribuir uma temática para o relato a ser apresentado.
........................................................................................................................

Tópico 1.1
Havendo subdivisões, os assuntos subseqüentes serão apresentados hierarquizados à temática geral.
................................................................ ..............................

Tópico 2
Atribuir uma temática para o relato a ser apresentado.
.........................................................................................................................

&RQVLGHUDo}HV¿QDLV
.........................................................................................................................

Brasília, ........................... de de 201...

Nome
Função ou Cargo

95
PORTUGUÊS
Modelo de Requerimento

CÂMARA DOS DEPUTADOS


ÓRGÃO PRINCIPAL
Órgão Secundário

(Vocativo)
(Cargo ou função e nome do destinatário)

.................................... (nome do requerente, em maiúsculas) ..........................


 GHPDLVGDGRVGHTXDOL¿FDomR UHTXHU
............................................................................................................................................

Nestes termos,
Pede deferimento.

Brasília, ....... de .................. ................................................................. de 201.....

Nome
Cargo ou Função

96
PORTUGUÊS
Questões 04. A respeito dos padrões de redação de um ofício,
é INCORRETO afirmar que:
01. Analise: (A) Deve conter o número do expediente, seguido da
sigla do órgão que o expede.
1. Atendendo à solicitação contida no expediente acima (B) Deve conter, no início, com alinhamento à direita,
referido, vimos encaminhar a V. Sª. as informações referentes o local de onde é expedido e a data em que foi assinado.
ao andamento dos serviços sob responsabilidade deste setor. (C) Deverá constar, resumidamente, o teor do assunto
2. Esclarecemos que estão sendo tomadas todas as do documento.
medidas necessárias para o cumprimento dos prazos (D) O texto deve ser redigido em linguagem clara e
estipulados e o atingimento das metas estabelecidas. direta, respeitando-se a formalidade que deve haver nos
expedientes oficiais.
A redação do documento acima indica tratar-se (E) O fecho deverá caracterizar-se pela polidez, como
(A) do encaminhamento de uma ata. por exemplo: Agradeço a V. Sª. a atenção dispensada.
(B) do início de um requerimento. 05. Julgue (C) correto ou (E) errado.
(C) de trecho do corpo de um ofício. Haveria coerência com as ideias do texto e respeitaria
(D) da introdução de um relatório. as normas de redação de documentos oficiais se o texto
(E) do fecho de um memorando. apresentado fosse incluído como parágrafo inicial em um
ofício complementado pelo parágrafo final e os fechos
02. A redação inteiramente apropriada e correta de apresentados a seguir.
um documento oficial é:
Solicita-se, portanto, a divulgação desses dados junto
(A) Estamos encaminhando à Vossa Senhoria algumas aos órgãos competentes.
reivindicações, e esperamos poder estar sendo recebidos
em vosso gabinete para discutir nossos problemas salariais. Atenciosamente,
(B) O texto ora aprovado em sessão extraordinária
prevê a redistribuição de pessoal especializado em serviços Pedro Santos
gerais para os departamentos que foram recentemente Pedro Santos
criados. Secretário do Conselho
(C) Estou encaminhando a presença de V. Sª. este
jovem, muito inteligente e esperto, que lhe vai resolver os Respostas
problemas do sistema de informatização de seu gabinete.
(D) Quando se procurou resolver os problemas de 01-C / 02-B / 03-C / 04-E / 05-C (correta)
pessoal aqui neste departamento, faltaram um número
grande de servidores para os andamentos do serviço.
(E) Do nosso ponto de vista pessoal, fica difícil vos
informar de quais providências vão ser tomadas para
resolver essa confusão que foi criado pelos manifestantes.

03. A frase cuja redação está inteiramente correta e —————————————————————————


apropriada para uma correspondência oficial é:
—————————————————————————
(A) É com muito prazer que encaminho à V. Exª.
Os convites para a reunião de gala deste Conselho, em —————————————————————————
que se fará homenagens a todos os ilustres membros
—————————————————————————
dessa diretoria, importantíssima na execução dos nossos
serviços. —————————————————————————
(B) Por determinação hoje de nosso Excelentíssimo
Chefe do Setor, nos dirigimos a todos os de vosso —————————————————————————
gabinete, para informar de que as medidas de austeridade
—————————————————————————
recomendadas por V. Sa. já está sendo tomadas, para
evitar-se os atrasos dos prazos. —————————————————————————
(C) Estamos encaminhando a V. Sa. os resultados
a que chegaram nossos analistas sobre as condições de —————————————————————————
funcionamento deste setor, bem como as providências
a serem tomadas para a consecução dos serviços e o —————————————————————————
cumprimento dos prazos estipulados. —————————————————————————
(D) As ordens expressas a todos os funcionários
é de que se possa estar tomando as medidas mais do —————————————————————————
que importantes para tornar nosso departamento mais
eficiente, na agilização dos trâmites legais dos documentos —————————————————————————
que passam por aqui. —————————————————————————
(E) Peço com todo o respeito a V. Exª., que tomeis
providências cabíveis para vir novos funcionários para —————————————————————————
esse nosso setor, que se encontra em condições difíceis de
agilizar todos os documentos que precisamos enviar. —————————————————————————
—————————————————————————

97
PORTUGUÊS
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————
————————————————————————— —————————————————————————

98
A solução para seu concurso N oções de I nformática = 1
A sigla CPU vem do inglês Central Processor Unit e sig-

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
CONCEITOS BÁSICOS DE nifica Unidade Central de Processamento. Em português,
a sigla é UCP. A CPU é responsável por processar cálculos,
HARDWARE E SOFTWARE transformar dados em informações e responder a todas as
requisições dos usuários. Os dispositivos ligados à CPU são
Software classificados entre dispositivos de entrada, saída ou entrada e
saída. O processo da CPU é ilustrado na Figura.
A palavra software é um termo inglês que significa a par-
te lógica do computador (soft = leve), a parte abstrata que
corresponde aos programas de computadores. Os softwares
são classificados como softwares aplicativos ou utilitários.
Fluxo do processo de entrada e saída dos dados no com-
Os softwares aplicativos são sistemas de computação desti- putador. O processo de transformação é realizado pela CPU
nados aos usuários que utilizam o computador como meio para
alcançar seus resultados. Um Analista ou um Profissional da O referencial de entrada, saída ou ambos é a CPU. Para
área da saúde pode não entender muito de computação, mas que os dados entrem na CPU (para serem processados), os
pode ser especialista em trabalhar com algum software apli- mesmos deverão ser digitados ou copiados de algum disco.
cativo da sua área de conhecimento. Os softwares aplicativos A CPU processará os dados e os apresentará ao usuário por
mais comuns são os editares de textos, planilhas eletrônicas, meio de dispositivos de saída, ou os armazenará em disco.
Sistema de Informação Gerencial, dentre outros. Os dispositivos utilizados pelo usuário para dar entrada na
Os softwares utilitários são programas que tratam o instrução ou nos dados são considerados dispositivos de en-
computador como objetivo fim. Muitos utilitários são uti- trada. Por exemplo: o usuário utiliza o teclado para cadastrar
lizados com maior freqüência por profissionais da área de o seu nome em um formulário a ser processado pela CPU, ou
informática, por terem como finalidade a organização e a o mouse para dar a instrução à CPU de imprimir um arquivo.
manutenção do computador. Os softwares utilitários mais Os dispositivos utilizados pelo usuário para obter in-
comuns são programas para compactar arquivos, efetuar formações, de forma visual ou impressa são os dispositivos
cópias de segurança (backups), programas para formatação de saída. O usuário obtém um relatório do computador por
de discos, execução de mídias, dentre outros. meio de uma impressora ou do monitor (display). A Figura
Hardware representa o processo de entrada e saída.

A palavra hardware é um termo inglês que significa a parte


física do computador (hard = rígido), ou seja, a parte material
que pode ser tocada. Compreende o conjunto de componentes
eletrônicos, interligados por meio de circuitos digitais. A
Figura ilustra um computador e o conjunto de equipamentos.

Fluxo do processo de entrada e saída dos dados no computador.

Os dados, para não serem perdidos, devem ser gravados em


dispositivos de armazenamento. Os mais comuns são pendrives
ou discos rígidos (HD, de hard disk) fixos na estrutura interna
do computador. Os dados podem ser armazenados em discos
rígidos, flexíveis, pendrives, CDs ou DVDs. São periféricos
todos os equipamentos (dispositivos) que se conectam à CPU
para agregar recursos e aumentar a quantidade de serviços
(funcionalidades) que o computador poderá prover.
Periféricos
Denominam-se periféricos os dispositivos que estão à
margem da CPU, conectados a ela por tecnologias com ou
sem fio.
Um computador. Periféricos de entrada, saída e entrada e
saída. A CPU conectada a todos os periféricos, responsável pelo Como classificar os PERIFÉRICOS?
processamento das informações e a comunicação com os dispo- Os periféricos são classificados de acordo com o seu
sitivos para obtenção dos dados (teclado, scanner), apresentação propósito. A única função do teclado é a entrada de dados
(vídeo ou impressora) e/ou armazenamento (câmeras, PDA, dis- para a CPU, logo ele é classificado como periférico de en-
cos). Os periféricos são conectados à CPU por meio de interfaces. trada. A única função da impressora é imprimir os dados
2 = Noções de Informática A solução para seu concurso

processados pela CPU (entrados pelo teclado), logo é um Dispositivos de armazenamento...: todos os dispositivos

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
periférico de saída. No entanto, há equipamentos que utilizados para gravar dados. Discos rígidos (HDs), os flexí-
possuem funcionalidades para atuar como dispositivos de veis (disquetes), pendrives, cartões de memória, CDs e DVDs.
entrada e/ou saída. Câmera ............... : ou máquina fotográfica digital, é um
Periféricos de Entrada dispositivo cujo objetivo principal é
capturar imagens em um determinado
instante (foto). Este equipamento possui
uma interface para comunicação com
o computador. As fotos armazenadas
na máquina poderão ser transmitidas
para o computador. É possível transferir
fotos gravadas no computador para a
máquina fotográfica digital. Devido a esta
funcionalidade, o dispositivo poderá ser
Periféricos de entrada
classificado como de entrada e saída.

Teclado ............: é o dispositivo utilizado pelo usuário para dar PDA ....................... : também conhecido como computador de mão.
entrada nos dados. O texto é digitado pelo Possui um tamanho pouco maior a um celular,
teclado, um nome é cadastrado pelo teclado, mas tem boa capacidade de processamento e
os números a serem calculados são digitados armazenamento. Muito utilizado para agenda
por meio de um teclado. eletrônica, editores, planilhas, conexão à
Internet por meio de rede sem fio ou rede
Mouse ..............: é o dispositivo utilizado pelo usuário para dar cabeada. Conecta-se a computadores para
instruções para o computador. O clique em trocar ou atualizar informações.
um botão poderá representar, dentre outras,
uma instrução para fechar um programa, Celular ................ : os telefones celulares modernos
salvar um arquivo. possuem software que se comunicam
com o computador com a finalidade de
Scanner ...........: termo inglês para digitalizador. O scanner sincronizar e-mails, listas de contatos,
é o equipamento utilizado para digitalizar compromissos, além de terem acoplados
cartões de memória, o qual atua como
imagens ou documentos. Uma foto impressa
dispositivo de armazenamento de dados e
poderá ser digitalizada, ou seja, transformada
fotos. Alguns celulares também possuem
em arquivo, para ser tratada em softwares câmeras fotográficas digitais, e, neste caso,
específicos. são dispositivos de entrada.

Periféricos de Saída Modem ............... : a palavra modem é a junção das


palavras modulador/demodulador.
É um dispositivo eletrônico que modula
um sinal digital (dados) em uma linha
analógica (telefonia) e depois demodula
o sinal analógico para o formato digital.
Este equipamento é necessário para a
conexão com a Internet.

Periféricos, exclusivamente, de saída


Os avanços tecnológicos têm propiciado exceções, tais omo:
Monitor ...........: é o meio pelo qual o usuário visualiza as Monitores touth screen.................... : usado, principalmente,
informações. Do ponto de vista da CPU, a por Bancos, é possível
saídas. fazer a entrada de dados
por meio de teclados
Impressora .......: é o dispositivo utilizado pelo usuário para virtuais, apresentados no
imprimir documentos de texto, fotos, monitor e acionados por
imagens, gráficos ou qualquer tipo de meio do toque na tela.
documento eletrônico. Dispositivo Multifuncional ............. : equipamentos que
acumulam funções de
Periféricos de Entrada e Saída impressora e scanner
(digitalizadora de textos ou
imagens). O scanner é um
dispositivo de entrada, a
impressora de saída, como
as duas funções estão no
mesmo equipamento,
este é classificado como
periférico de entrada e
saída.
A solução para seu concurso N oções de I nformática = 3
Tipos de Dispositivos de Armazenamento Quadro 1.1. Unidades de medida da informação

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
Há diversos dispositivos de armazenamento, variáveis Unidade de Medida
em termos de praticidade, qualidade, de acordo com o pro-
pósito, e a capacidade de armazenamento. 8 bits 1 byte 20
Discos Rígidos (HD) ..: ........ possuem grande capacidade
de armazenamento, mas são 1 byte 1 caractere 210
grandes e fixos dentro da CPU.
HD externo ........................... : possuem grande capacidade 1024 bytes 1 kilobyte (KB) 220
de armazenamento, mas são
frágeis para manusear. 1024 KB 1 Megabyte (MB) 230
Pendrives.............................. : também conhecido como
disco removível ou Memória 1024 MB 1 Terabyte (TB) 240
USB flash drive, são práticos,
possuem capacidade média de 1024 TB 1 Petabyte (PB) 250
armazenamento que variam
de 1MB (os mais antigos) a 1024 PB 1 Exabyte (EB) 260
256GB. A entrada é por meio de
portas USB. 1024 EB 1 Zeltabyte (ZB) 270

CD-ROM (Compact Disk) ... : possui capacidade para 1024 ZB 1 Youtabyte (YB) 280
armazenamento de até
650MB. Há mídias preparadas
para gravar apenas 1 vez
(CD-R), outras regraváveis De acordo com o iDicionário Aulete1, o bit
(CD-RW). Recomendada é como se fosse um tijolinho de montar bytes.
para gravar músicas e dados O byte comporta 8 bits, ou seja, ele tem 8 espaços em que
que serão guardados para a
entram os dígitos zero e um, assim: 00000000, 00000001,
posteridade. A desvantagem
do uso é que são sensíveis a 00000010, 00000011, 00000100, 00000101 etc. São 256 com-
risco e, uma mídia riscada tem binações possíveis (que no sistema binário de numeração
comprometida a leitura de todos resultam em números de 0 a 255), o que significa que num
os dados gravados. sistema de bytes de 8 bits cada um estão disponíveis 256 sig-
nos de significado (letras, algarismos, sinais, símbolos etc.)
DVD (Digital Vídeo Disk) ... : possui capacidade de
armazenamento de até 8.5 que vão formar textos, fórmulas, instruções etc. Nas instru-
GB. Tem como benefício em ções ao processador de um computador podem ser usadas
relação ao CD-ROM a maior como unidade de informação conjuntos de até 64 bits.
capacidade de armazenamento
e a tecnologia usada para O armazenamento de documentos de textos, dados,
armazenamento de vídeo e áudio. fotos, vídeos ou qualquer outro tipo de dados deve ser feita
por meio de arquivos. Dependendo do tipo do arquivo e da
Blue-Ray............................... : capacidade de até 50GB. quantidade de informação que ele armazenar, impactará no
Corresponde ao estado da arte
espaço que será gasto para armazená-lo. A fim de facilitar a
em relação a armazenamento de
vídeos e músicas. compreensão, a Figura ilustra documentos que constituem
tipos de arquivos.
HD-DVD .............................. : (High Definition – Digital Video
Disc) Disco de Vídeo Digital de ARQUITETURA DO COMPUTADOR
Alta Definição O termo arquitetura de computadores corresponde ao
modo como o conjunto de componentes eletrônicos estão
Disquete ............................... : caiu em desuso devido à baixa organizados, conectados e se comunicam, visando ao pleno
capacidade de armazenamento funcionamento da parte física do computador: o hardware.
(máximo de 1.44MB).
A Figura abaixo apresenta a imagem de uma placa-
-mãe (motherboard), assim denominada, por ser a prin-
Unidades de medida da Informação
cipal placa da máquina eletrônica chamada computador.
A palavra Bit é a simplificação do termo inglês BInary DigiT, Todos os periféricos, tais como impressoras, unidades de
que significa dígito binário. Um bit pode ser expresso apenas pe- disco, monitor, dentre outros, para se comunicar com o
los dígitos 0 ou 1, e corresponde a menor unidade de informação computador, deverão estar conectados a placa-mãe. Nela,
que o computador é capaz de armazenar ou processar. há conexão para a fonte de energia, responsável por ali-
Um símbolo compreensível à leitura do homem, por mentar todos os componentes eletrônicos (HD interno,
exemplo, os símbolos do alfabeto, os numerais, dentre outros, placas de vídeo e rede) e os barramentos para conexão.
são também definidos como caracteres. Para formar um carac-
tere são necessários 8 bits. Um caractere é do tamanho de 1 1 AULETE C. . http://aulete.uol.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=load
byte. As unidades de medida estão disponíveis no Quadro 1.1. Verbete&pesquisa=1&palavra=bit. Acesso em Outubro 2010
4 = Noções de Informática A solução para seu concurso

Os processadores são diferenciados entre marcas e

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
modelos pela capacidade de processamento, menor aque-
cimento e silencioso.
Devido ao aquecimento durante o processamento, se
a máquina permanecer em uso por muito tempo, para
evitar travamentos durante a execução de uma tarefa,
uma ventoinha é colocada sobre o processador, a fim de
resfriá-lo.
Além do processador principal, é presente nos computa-
dores um processador aritmético. Este processador é respon-
sável por executar tarefas específicas de cálculos aritméticos.
Lembramos ainda que o núcleo do processador é dividido
em duas unidades principais.
UC – Unidade de Controle
ULA – Unidade Lógica e Aritmética

Overclock
O Processador Overclock é o aumento da freqüência do processador
O computador é uma máquina eletrônica, programada para que ele trabalhe mais rapidamente.
para processar dados, transformá-los em informações e
armazená-las para consultas futuras. O componente eletrô- A freqüência de operação dos computadores domésticos
nico que processa os dados é denominado processador. é determinada por dois fatores:
O processador é um circuito eletrônico, conectados à A velocidade de operação da placa-mãe, conhecida tam-
placa-mãe por meio de soquetes, responsável por executar bém como velocidade de barramento, que nos computadores
tarefas de processamento e controle do computador. Os Pentium pode ser de 50, 60 e 66 MHz.
processadores são caracterizados pela marca e capacidade
O multiplicador de clock, criado a partir dos 486 que
de processamento, ou seja, a velocidade do processador para
permite ao processador trabalhar internamente a uma velo-
responder requisições. A Figura abaixo ilustra dois tipos de
cidade maior que a da placa-mãe. Vale lembrar que os outros
processadores, de duas marcas fortemente conhecidas no
periféricos do computador (memória RAM, cache L2, placa
mercado.
de vídeo, etc.) continuam trabalhando na velocidade de
barramento.
Como exemplo, um computador Pentium 166 trabalha
com velocidade de barramento de 66 MHz e multiplicador
de 2,5x Fazendo o cálculo, 66  2,5 = 166, ou seja, o proces-
sador trabalha a 166 MHz, mas se comunica com os demais
componentes do micro à 66 MHz.

(a) (b) Tendo um processador Pentium 166 (como o do exemplo


acima), pode-se fazê-lo trabalhar a 200 MHz, simplesmente
Processadores (a) Processador AMD Phenom de 64MHz aumentando o multiplicador de clock de 2,5x para 3x. Caso
a placa-mãe permita, pode-se usar um barramento de 75 ou
(b) Processador Inter Core i até mesmo 83 MHz (algumas placas mais modernas supor-
tam essa velocidade de barramento). Neste caso, mantendo
Quanto mais rápido for o processamento de dados em o multiplicador de clock de 2,5x, o Pentium 166 poderia
informação, menor será o tempo de resposta. A velocidade trabalhar a 187 MHz (2,5  75) ou a 208 MHz (2,5  83).
do computador depende da capacidade de processamento As freqüências de barramento e do multiplicador podem ser
do processador, expressa em GHz e da quantidade de me- alteradas simplesmente através de jumpers de configuração
mória RAM. da placa-mãe, o que torna indispensável o manual da mesma.
Para facilitar a compreensão, imagine o usuário trabalhar O aumento da velocidade de barramento da placa-mãe pode
com um editor de texto para escrever seus relatórios, deixar criar problemas caso algum periférico (como memória RAM,
um programa utilitário de antivírus monitorando a máqui- cache L2, etc.) não suporte essa velocidade.
na contra ataques, imprimir, abrir um software de correio
eletrônico para receber mensagens enquanto escreve seus Quando se faz um overclock, o processador passa a
relatórios, gravar o relatório em disco, conectar-se à Internet e trabalhar a uma velocidade maior do que ele foi proje-
entrar em dois softwares de troca de mensagens instantâneas, tado, fazendo com que haja um maior aquecimento do
tais como o Skype (que troca voz, vídeo e texto) e o MSN. mesmo. Com isto, reduz-se a vida útil do processador
Adicionalmente, ainda deseja acessar um site da Internet e de cerca de 20 para 10 anos (o que não chega a ser um
ouvir músicas. problema já que os processadores rapidamente se tornam
obsoletos). Esse aquecimento excessivo pode causar
Para que o usuário possa desempenhar todas estas tarefas também frequentes "crashes" (travamento) do sistema
simultaneamente, sem comprometer o desempenho do equi- operacional durante o seu uso, obrigando o usuário a
pamento, é necessário ter um bom processador. reiniciar a máquina.
A solução para seu concurso N oções de I nformática = 5
Ao fazer o overclock, é indispensável a utilização de um Association. Os adaptadores ligados a este barramento são

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
cooler (ventilador que fica sobre o processador para reduzir divididos em duas partes, sendo uma igual ao barramento
seu aquecimento) de qualidade e, em alguns casos, uma pasta ISA e uma parte adicional. É compatível com os barramen-
térmica especial que é passada diretamente sobre a superfície tos anteriores, o EISA e ISA.
do processador. Barramentos PCI: é um barramento com capacidade de
32 ou 64 bits para transferência de dados, com freqüência de
Barramentos (ou slots) 33MHz a 133MHz. PCI é acrônomo de Peripheral Compo-
O barramento é um meio para comunicar ao proces- nents Interconnect. É presente nas arquiteturas modernas de
sador memórias e placas adaptadoras de dispositivos. Os computadores.
dispositivos podem ser placas adaptadoras de vídeo, redes, Barramento USB: acrônomo de Universal Serial
som, memórias, dentre outros. Os adaptadores são pequenos Bus, é um conector padronizado, capaz de conectar à
circuitos integrados, projetados em uma placa, compatível CPU vários tipos de aparelhos, tais como impressoras,
com um dos barramentos disponíveis na placa-mãe, para celulares, scanners, aparelhos musicais, leitoras de car-
comunicar-se com o processador. tões, HDs externos, mouses, teclados, MP3-players, câ-
meras digitais, dentre outros. A tecnologia USB tornou
Os barramentos são conhecidos como barramentos de
simples o processo de adicionar novos equipamentos ao
expansão, pois permitem conectar dispositivos adicionais, computador. Cita-se a seguir algumas das principais
que não acompanham a arquitetura básica do computador. características do padrão USB: oferece alimentação de
Um usuário poderá desejar visualizar a imagem do com- energia, facilidade de instalação, plug and play, ou seja,
putador em duas saídas de vídeo. Para isto, basta conectar conectar e usar, compatibilidade com vários dispositivos
dois adaptadores de vídeo e poderá conectar dois monitores eletrônicos.
simultaneamente.
A placa-mãe da Figura acima apresenta dois, dos tipos Cabeamentos
de barramentos existentes. A seguir, uma breve descrição de
cada tipo de barramento. Os cabos ilustrados na Figura abaixo servem para conec-
tar HD e unidades de discos à placa-mãe. Cada cabo possui
Barramentos ISA: é um barramento com capacidade uma quantidade específica de pinos. O cabo que conecta a
de 8 bits para transferência de dados, adaptado para 16 bits. unidade de CD à placa-mãe possui 40 pinos. O cabo que co-
Opera com clock de 8MHz. Úteis para conectar placas de necta a unidade de disco flexível (disquete) possui 20 pinos.
vídeo e disco rígido. ISA é acrônomo de Industry Standard Há cabos de 12 pinos, há outros de energia e para interligar
Architecture. portas USB, serial, porta paralela, dentre outras específicas
para ligar dispositivos.

Foto de um Barramento ISA

Barramentos EISA: é um barramento compatível com o


barramento ISA, com clock de 8MHz, mas com capacidade
de 32 bits para transferência de dados. EISA é acrônomo de
Extended Industry Standard Architecture.

Tipos de cabos

Placas de Rede
As placas de redes são adaptadores que se comunicam
com o processador por intermédio dos barramentos e têm
por objetivo propiciar e controlar a comunicação entre os
computadores interligados.
Barramento EISA Há dois tipos de placas de rede, as que conectam os
computadores à rede por meio de cabos e as que conectam
Barramentos VESA Local Bus: é um barramento com computadores por meio de rede sem fio (wireless). A Figura
capacidade de 32 bits para transferência de dados, projetado abaixo ilustra ambas, respectivamente. Diferenciadas no
inicialmente para melhorar o desempenho dos adaptadores mercado pela taxa de transmissão, tipo de barramento utili-
de vídeo, foi desenvolvido pela Vídeo Eletronics Standards zado e cabos de redes suportados.
6 = Noções de Informática A solução para seu concurso

Fonte de Alimentação

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
(a) (b)
Placas de rede.
(a) placa de rede com conector RJ45. (b) placa de rede sem fio.

Placa de Som
As placas adaptadoras de som são circuitos integrados
capazes de controlar sons com alta qualidade. Possuem Fonte de alimentação de 12 Volts.
entradas para microfone e caixas acústicas. Os cabos da fonte vêm fixos e há conexões específicas na placa-mãe.
O lado correto é preto com lado preto, caso contrário, dará curto.

Impressoras
As tecnologias de impressoras têm modernizado muito
e, com preços cada vez mais baixos e a qualidade cada vez
maior, as impressoras a laser e os equipamentos multifun-
cionais têm ganhado a preferência dos usuários domésticos
e corporativos.

Paca de som

Placa de Vídeo
Para que a imagem produzida seja refletida na tela do
monitor ou de uma TV com entrada RGB, é importante
conectar à placa-mãe uma placa de vídeo. Ela possui uma (a) (b)
entrada com 14 pinos fêmea. O cabo de vídeo transforma as
cores vermelho, verde e azul (RGB, de Red, Green e Blue,
respectivamente).

(c) (d)
(a) Impressora jato de tinta; (b) impressora a laser;

(c) impressora matricial; (d) multifuncional com função de impressora.

Placa de vídeo
HD ou Winchester
Memórias
Os discos rígidos podem ser internos, ligados por um
Memória ROM, de Random Access Memory é uma flat-cable de 40 pinos conectado diretamente à placa-mãe,
memória volátil, acessível pelo computador. ou externos, conectados por meio de portas USB. Os discos
rígidos (HDs) possuem alta capacidade de armazenamento.

(a)
(b)
Figura 2.12. Discos rígidos. (a) HD interno.
Memória RAM, DIMM barramento de 32 bits (b) HD externo
A solução para seu concurso N oções de I nformática = 7

Unidades de Disco (c)

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
Os discos rígidos podem ser internos, ligados por um
flat-cable de 40 pinos diretamente à placa-mãe, ou externos,
conectados por meio de portas USB. Os discos rígidos (HD’s)
possuem alta capacidade de armazenamento.

(d)

Placa de fax-modem. (a) onboard. (b) offboard.


(c) modem para celular. (d) modem para banda-larga

Swicth
(a)

Unidades de CD/DVD, disquete 1.44 MB

(b)
Placa de Fax Modem
A junção das palavras modulador e demodulador ori-
ginou a palavra modem. É um circuito integrado capaz de
converter sinais digitais para analógicos e vice-versa, esta-
belecendo assim a transmissão de dados por meio de canais
de telefonia.
(a)
(a)Esquema de montagem de Rede . (b) Swicth.

BIOS
Utilizado para dar o boot no computador, ou seja iniciá-lo
e reconhecer seu hardware cada placa-mãe possui sua bios
não funcionando em outra.
SETUP
Ele nos fornece acesso para configurar opções de hardwa-
re instalado, além de desempenho do sistema , senhas etc..
uma má configuração do setup pode tornar seu computador
uma carroça. Neste curso você aprenderá a maneira mais
fácil e rápida de configurá-lo tornando sua máquina mais
rápida tanto para iniciar quanto para trabalhar.
(b)
CMOS
Utilizado para armazenar os dados configurados no
setup para não perdê-los, o cmos contém aproximadamente
128 bytes de memória ram embutido no cartucho da bios, é
alimentado por uma bateria que evita a perda dos dados com
a máquina desligada.
POST
É uma parte da Memória que tem a finalidade de checar
o hardware durante o processo de inicialização, caso for en-
contrado alguma inconformidade o computador trava antes
de chegar na inicialização do sistema.
8 = Noções de Informática A solução para seu concurso

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
Impressão:
Conceitos de Impressão e Por padrão toda impressora, quando instalada, define
Digitalização de documentos automaticamente a impressão de 01 cópia de “Todo o docu-
mento”. Isto significa que ao clicar sobre um arquivo e mandar
imprimi-lo no Windows Explorer, ou em qualquer aplicativo do
Microsoft Office ou LibreOffice, clicar no botão de atalho da
IMPRIMIR DOCUMENTOS impressora, será impresso uma cópia do arquivo.
No Windows, como em qualquer Sistema Operacional, Como tudo em informática, esta configuração pode ser per-
é possível instalar quantas impressoras forem necessárias, sonalizada da melhor forma a atender seus objetivos. Na hora
porém, sempre haverá uma impressora que será a padrão. É da impressão você pode visualizar antes de imprimir, como dito
para esta impressora, a padrão, que serão encaminhados todos anteriormente, ou ainda utilizar a tela de impressão, presente em
os comandos para imprimir, caso não seja escolhida outra qualquer aplicativo, para definir:
impressora.
As impressoras podem ser locais ou em rede. As locais
são aquelas ligadas diretamente ao computador, sem passar
por um servidor de impressão. Já as impressoras de rede são
conectadas a um servidor de impressão e fica disponível para
qualquer dispositivo que também esteja conectado nesta mes-
ma rede.
Para imprimir um documento não é necessário abri-lo em
um aplicativo. Com o Windows Explorer escolha o arquivo
a ser impresso e basta clicar sobre ele com o botão secun-
dário do mouse, normalmente o direito, e escolher a opção
“Imprimir”.
O arquivo será aberto pelo aplicativo padrão que irá enviar
o arquivo à impressora e será fechado automaticamente pelo
Windows, desta forma você economiza tempo. Lembrando
que nenhum arquivo pode ser impresso fechado. Por isso ele é
aberto e fechado automaticamente pelo Windows.

Conceitos de Impressão e Digitalização de


documentos:
Impressão é transferir para o papel algo que você tenha no
modo digital, ou seja, em seu PC, smartphone, câmera digital,
tablete, páginas WEB, etc.
Se você estiver editando um documento ou uma planilha o
ideal é você visualizar a impressão antes de mandar imprimi-lo.
Desta forma você poderá fazer ajustes em margens ou tamanho
de imagens que resultarão em economia de folhas melhorar o • Qual impressora será enviado o arquivo: Como já
layout. dissemos, existe uma impressora padrão, caso você
decida enviar seu arquivo para ser impresso em outra
A digitalização é o inverso, transferir para um meio digital impressora basta defini-la aqui.
algo que você tenha no papel, como documentos, fotos, plani-
• Quantas cópias será impresso: Escolha quantas cópias
lhas, etc.
quer imprimir do arquivo.
A digitalização poderá ser feita transformando o arquivo • Quais páginas, ou intervalos, serão impresso: É possível
em uma foto, PDF ou ainda em um arquivo editável, como no imprimir uma parte do documento que estiver seleciona-
Word, graças ao uso do sistema OCR. da, imprimir a página atual, um intervalo ou sequência
Importante: Todas as configurações descritas aqui determinada, ou ainda, imprimir algumas informações
dependem do software da sua impressora/scanner. Cada sobre as propriedades do arquivo como: Propriedades,
modelo e fabricante podem trazer configurações e atributos Marcação, Estilos, Auto texto, Atribuição de teclas,
diferentes. somente paginas pares ou somente páginas impares.
A solução para seu concurso N oções de I nformática = 9

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
• Páginas: Digite números de páginas e/ou intervalos de Imprimindo Frente e verso (Duplex)
páginas separados por vírgula, contando do início do
Se sua impressora não der suporte à impressão duplex
documento ou da seção. Por exemplo, digite 1, 3, 5-12
automática, você terá duas outras opções. Você pode usar a
ou p1s1, p1s2, p1s3-p8s3.
impressão duplex manual ou pode imprimir páginas pares e
• Imprimir em Um Lado: Permite imprimir também nos ímpares separadamente.
Dois Lados (Inverter página na borda longa – Os dois
lados serão impressos na mesma orientação), ou nos
Dois Lados (Inverter página na borda curta – a segunda Imprimir usando duplex manual
folha ficará de ponta cabeça da folha 1) ou ainda impri- Se a impressora não der suporte à impressão duplex auto-
mir manualmente nos Dois Lados. mática, você poderá marcar a caixa de seleção Frente e Verso
• Agrupado – Desagrupado: manual na caixa de diálogo Imprimir. O Microsoft Office
Word imprimirá todas as páginas que aparecerem em um lado
do papel e pedirá que você vire a pilha e insira as páginas na
impressora novamente.

Imprimir páginas pares e ímpares


Você também pode usar o seguinte procedimento para
imprimir nos dois lados:
1. No seu aplicativo abra as opções de impressão.
2. Localize o comando de páginas e comande a impressão
das Páginas ímpares.
3. Clique em OK.
4. Depois que as páginas ímpares forem impressas, inverta a
pilha de páginas e, em seguida, selecione Páginas pares.

Repare que as duas opções são muito semelhante, e obri-


gam você a reinserir as páginas na impressora.

Para saber se sua impressora possui suporte a impressão


frente e verso, chamada de duplex, clique em Iniciar  Painel
de Controle  Hardware e Sons  Dispositivos e Impressoras
no Windows Vista e 7. Clique com o botão secundário do
mouse sobre a impressora desejada e clique em Propriedade
Esta função aplica-se quando forem impressos várias de Impressão.
cópias. Quando selecionamos “Agrupado” e imprimimos três Navegando nesta janela você saberá se sua impressora possui
cópias por exemplo, a impressora irá imprimir o documento a opção de imprimir frente e verso automático.
todo antes de iniciar outra copia. Quando selecionamos “De-
Abaixo, como exemplo, está a figura das Propriedade de
sagrupado” e solicitamos as mesmas três cópias, a impressora
Impressão da impressora Epson TX200.
irá imprimir três cópias da página 1, depois três cópias da
página 2 e assim por diante até imprimir três cópias da última
folha. Esta opção altera somente a sequência como as folhas
serão impressas.
• Orientação: Retrato ou paisagem
• Tamanho da página: Um erro comum é configurarmos
um documento do Word por exemplo, numa folha
tamanho A4, sulfite, e imprimirmos este documento
numa folha tamanho “carta” ou “letter”. O documen-
to sairá desconfigurado pois a folha “carta” é menor
e mais larga que a folha A4. Devemos observar se o
mesmo tipo de folha que elaboramos o documento é
o mesmo que está configurado e inserido na impres-
sora.
• Margens: É possível alterar as margens do documentos
através desta janela
• 1 Página por folha: Nesta configuração é possível im-
primir várias páginas numa mesma folha. Neste caso
o tamanho das páginas serão reduzidas até que caibam
todas as páginas que você escolher.
Como já mencionamos as opções de impressão irão depen-
der do software do seu dispositivo e do aplicativo utilizado.
Vamos ver algumas opções que são encontradas em diversos
dispositivos e analisar como eles funcionam.
10 = Noções de I nformática A solução para seu concurso

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
A primeira configuração que observamos é a de Qualidade Esta opção é eficaz especialmente para imagens com expo-
de impressão onde temos as seguintes opções: sição a mais ou a menos brilho. A exposição é afetada pelos
• Rascunho: Neste modo a impressora economiza tinta, níveis de luz sob os quais a fotografia foi tirada. (Se houver luz
aumenta a velocidade de impressão, porém a impres- extrema ou luz com sombra).
são fica bem clara, com as cores bastante reduzidas e • Imprimir Imagens de Baixa Resolução sem Problemas
apagadas. Pode imprimir os contornos de imagens de baixa resolução,
• Texto: Ideal para imprimir textos de boa qualidade. que aparecem com frequência em páginas Web, sem quaisquer
problemas.
• Texto e imagem: Opção para imprimir arquivos que
contenham figuras ou gráficos, onde a figura ficará com • Alterar o Padrão de Composição de Cores
uma boa exibição. Um padrão de composição de cores é um padrão de pontos
utilizado para simular uma cor ou sombra de uma imagem. Se
• Foto: Opção para imprimir suas fotos e deixa-las com
o padrão for alterado, as características da imagem também
excelente qualidade de impressão.
irão mudar. Pode selecionar um padrão adequado à imagem
• Foto de alta qualidade: Esta opção é recomendada para que pretende imprimir. A composição de cores é uma técnica
se usar juntamente com o papel fotográfico. Desta for- através da qual pequenos pontos são impressos em padrões para
ma esta opção produzirá um excelente resultado final. criar a ilusão de tons e de cores que não podem ser reproduzidos
fisicamente.
Podemos altera o tipo de papel e o tamanho do papel. Temos • Utilizar difusão de erros
ainda alguma opções de correção e configuração como corrigir
foto, corrigir olhos vermelhos (em fotos), Inverter ordem (im- A difusão de erros é um tipo de composição de cores que
primir da última para a primeira página) produz meios-tons imprimindo pontos de forma densa para
cores escuras e de forma difusa para cores claras. Selecione o
O uso de uma alta resolução de pontos por polegada (dpi)
padrão adequado à imagem que pretende imprimir. Consoante o
para impressão gera resultados de impressão de qualidade, mas
sistema operativo ou a aplicação, a difusão de erros poderá não
pode exigir mais tempo para imprimir. Você pode alterar as
ser impressa corretamente.
configurações de resolução para uma configuração inferior de
dpi, dependendo do tipo de impressora usado. • Alterar o Padrão de Perfis de Cor
Se a impressora usada oferecer suporte à qualidade de Pode selecionar um padrão de perfis de cor para ajustar o
impressão de rascunho, você poderá especificar essa qualidade tom das cores, no sentido de imprimir de acordo com as cores
de rascunho para imprimir mais rápido. A impressora deve ter apresentadas no monitor do computador. As cores do monitor do
pelo menos quatro cores e 600  600 dpi. Caso contrário, as computador são apresentadas utilizando as três cores RGB, mas
fotos ou imagens podem sair pixeladas (as bordas dos objetos as cores utilizadas para impressão são compostas pelas quatro
apresentam-se serrilhadas). cores CMYK. Na impressão, as cores RGB são convertidas para
cores CMYK.
É possível ajustar a qualidade de impressão e o tom das
cores de acordo com os dados de impressão. • Imprimir Imagens com Escala de Cinzentos Utilizando
o Preto ou CMYK
Para mais informações sobre se estes recursos estão disponí-
veis consulte a Ajuda da sua impressora. Pode imprimir as partes pretas ou cinzentas de uma imagem
utilizando o preto ou CMYK.
• Imprimir a Preto e Branco
• Imprimir Texto a Preto
Pode imprimir utilizando apenas preto.
Pode imprimir texto de outras cores a preto. Esta operação
Uma vez que a impressão a preto e branco é mais rápida do
é útil quando o texto que não esteja a preto fica mais claro
que a impressão a cores, esta é eficaz para imprimir documentos
quando impresso.
a cores que não têm de ser impressos a cores. Além disso, o
preto produzido pela impressão a preto e branco é mais notório • Utilizar a Função ICM
do que o produzido pela impressão a cores. Basta selecionar a Pode corrigir as cores utilizando a função ICM (Image
impressão a preto e branco se tiver especificado a impressão a Color Matching) do Windows. O sistema de gestão de cores
preto e branco na aplicação. ICM ajusta as cores entre dispositivos E/S. Utilize esta função
• Poupar Tinta de Cor Quando Imprimir para que as cores dos resultados de impressão se aproximem o
mais possível às cores apresentadas no monitor do computador.
Pode poupar tinta colorida através da impressão de gráficos
e imagens com menos quantidade de tinta do que o normal. O Para utilizar esta função, o perfil de cor tem de ser instalado na
texto é impresso como habitualmente para que se mantenha impressora.
nítido e de fácil leitura. (Rascunho) Pode encontrar o perfil de cor na pasta ICM guardada no
• Alterar o Método de Impressão de Imagem CD-ROM fornecido juntamente com o driver da impressora ou
baixado pela Internet no site do fabricante. Para informações
Na impressão de imagens, quanto mais elevada for a resolução,
sobre como adicionar um perfil de cor, procure as palavras “per-
mais tempo é necessário para a impressão. Pode imprimir com
fil de cor” na Ajuda do Windows e consulte o tópico adequado
prioridade à qualidade de impressão ou à velocidade de impressão.
na sua impressora.
• Corrigir a Tonalidade de Fotografias Digitais
• Ajustar o Brilho, o Contraste e a Saturação
A solução para seu concurso Noções de I nformática = 11

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
• Pode ajustar o brilho, o contraste e a saturação para a Ao clicar em Digitalizar será exibido uma janela para
impressão. definir onde será criado o arquivo. O nome como será criado, o
• Ajustar o Equilíbrio de Cor tipo de foto, extensão, que define seus atributos como vemos na
imagem abaixo:
• Pode ajustar o equilíbrio de cor alterando a combinação
de vermelho (R), verde (G) e azul (B).
• Imprimir com Cores CMYK Específicas
• Normalmente, é utilizada a paleta completa (CMYK)
para a impressão a cores. Pode imprimir utilizando
cores CMYK específicas. Estas definições não estão
disponíveis quando tiver especificado impressão a
preto e branco.
• Realçar o Negrito de Acordo com o Tamanho do Tipo
de Letra
Pode realçar o negrito de acordo com o tamanho do tipo de
letra.
Hoje em dia, pouco se fala em impressão monocromática
que normalmente imprime na cor preta, mas, podem ser usadas
outras cores como o azul ou amarelo por exemplo. Elas são
usadas para impressão de textos ou cartazes informativos, ou
ainda, um recurso para economizar uma determinada cor da
impressora.
Digitalização:
Para digitalizar um documento, foto, planilha, etc. pode ser
feito utilizando um computador ou utilizando apenas um scanner
de rede ou impressora multifuncional que poderá scannear para
uma pasta compartilhada em uma rede de dados ou diretamente
para um pendrive. Lembrando que estas possibilidades depen-
dem do dispositivo utilizado.
O Escaneamento pode converter um documento para um
arquivo no formato de foto (BMP, JPEG, GIF, TIFF, etc) ou Pronto! Você transformou uma matéria que se encontrava
para um arquivo que pode ser editado por aplicativo Office. em uma revista para uma foto em seu computador.
Vamos ver como um escanear um artigo convertendo para É possível ainda escanear um texto também em uma foto, ou
foto e para o MS-Word. Usarei, como exemplo, o software ainda, em um arquivo editável por programas Office.
Epson Scanner para converter para foto diretamente. Para isso, como exemplo vou utilizar um software que
Após colocar o objeto na “mesa escaneadora” utilizando utiliza a tecnologia OCR.
o software citado clique em Antever para escanear todo o Como funciona?
documento que está no escâner. Ao lado direito aparece uma Digamos que você quer digitalizar um artigo de uma revista
nova janela exibindo o arquivo. Selecione a área que pretende ou um contrato impresso. Você pode levar horas redigitando e
escanear, defina as configurações de cor e resolução e clique em então corrigindo os erros. Ou pode converter todos os materiais
Digitalizar. que deseja em formato digital em poucos minutos usando um
scanner e um software de Reconhecimento Óptico de Caracteres
(ou abreviado – OCR).
Reconhecimento Óptico de Caracteres, ou OCR, é uma tec-
nologia que permite converter tipos diferentes de documentos,
como papeis escaneados, arquivos em PDF e imagens captura-
das com câmera digital em dados pesquisáveis e editáveis.
Imagine que você possui um documento em papel – por
exemplo, um artigo de revista, uma brochura, um contrato em PDF
que um amigo lhe enviou por e-mail ou algo que você escreveu
no caderno da faculdade. Obviamente, o scanner não é suficiente
para disponibilizar essa informação para edição, digamos, no
Microsoft Word. Tudo o que um scanner pode fazer é criar uma
imagem ou um retrato do documento, que não é nada mais do que
uma coleção de pontos em preto e branco ou coloridos, conhecidos
como imagem formada por linhas. Para extrair e recolocar os dados
em documentos escaneados, imagens de câmera ou PDFs, você
precisa de um software de OCR que separe as letras da imagem,
coloque-as em palavras e então em sentenças, permitindo que você
acesse e edite o conteúdo do documento original.
12 = Noções de I nformática A solução para seu concurso

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas

Um OCR obtém a imagem através de um escâner normal. Após obter a imagem ele a converte para um arquivo editável.

Importando um arquivo com a Galeria de Fotos Uma nova caixa de diálogo aparecerá para poder ajustar os
do Windows diversos parâmetros. Na maioria dos casos, não há mudanças a
fazer.
Normalmente, a Galeria de Fotos do Windows é um
software fornecido na instalação do Windows. É um software Vejamos como preencher estes parâmetros. Acompanhe as
de classificação, organização e pequenos retoques de suas explicações das configurações, com a imagem abaixo.
imagens. No entanto, ele pode ser muito útil para digitalizar
Verifique o nome do scanner no qual a imagem vai ser di-
um documento.
gitalizada. Clique em Alterar, se for o caso de selecionar outro
scanner.
Importar e digitalizar
Agora verifique o Perfil e a Origem. Basta você clicar na
Em primeiro lugar, abra a Galeria de fotos do Windows.
pequena seta à direita do campo para abrir as opções de perfil
Depois, clique em Importar. Veja na imagem abaixo.
e Origem.
O formato de cor, também pode ser configurado ao clicar
na pequena seta à direita do campo. As opções dependem do
scanner.
A mesma coisa para o formato de arquivo da imagem
digitalizada. Clique na pequena seta para selecionar o formato
desejado.
Quanto ao brilho e o contraste, estes serão configurados com
um botão deslizante. O efeito é exibido à direita mostrando a
taxa de brilho e de contraste.
Depois de ter configurado, faça uma visualização da ima-
Uma janela de diálogo aparecerá para que você possa esco- gem a ser digitalizada para se certificar de que ela está como
lher o scanner. Selecione o scanner clicando em Importar. Se você idealizou. Depois disso, você poderá alterar, se for o caso,
o scanner não aparecer, verifique se ele está ligado e conectado o quadro da imagem que será digitalizada realmente. E final-
ao computador, depois clique em Atualizar. mente você pode Digitalizar.
A solução para seu concurso Noções de I nformática = 13

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
Agora, selecione o periférico correspondente ao scanner. Se
diversos dispositivos forem detectados, selecione o seu alvo.
E, se houver apenas um periférico conectado, esta janela pode
não aparecer e pular diretamente para a exibição da janela do
scanner.
Com a janela de seleção de imagem aberta, há duas possi-
bilidades, Visualizar e Digitalizar, como na imagem abaixo.

Depois de clicar em Digitalizar, a barra de progressão da


digitalização aparecerá.
Com a imagem digitalizada, uma janela aparecerá para dar
um nome a esta imagem. Geralmente, a imagem é salva em
uma pasta “Imagens” chamada de “a_data o_nome”.
Pronto, a imagem está pronta para ser enviada por e-mail,
visualizada ou até retocada.

Modificar a pasta de destino da imagem


Depois de achar que tudo está bem, clique em Digitalizar
Para modificar a pasta onde a imagem será salva, abra a:
para executar a operação.
Galeria de fotos do Windows e clique em Menu > Opções.
Pronto, a sua imagem foi digitalizada, pronta para ser com-
No o item Importar, altere os parâmetros para Scanner,
partilhada por e-mail!
ou outro.

Utilizando o Paint
O software Paint vem com todas as versões do Windows.
Além de simples de usar, ele permite a realização de muitos ANOTAÇÕES
desenhos de qualidade. Vamos ver como digitalizar um docu- ___________________________________________________
mento com este software.
___________________________________________________
Importar e digitalizar
Em primeiro lugar, abra o Paint. Para abri-lo faça, Menu ___________________________________________________
Iniciar  Todos os programas  Acessórios  Paint. ___________________________________________________
Depois, clique em Arquivo e em De uma câmera ou scanner
como na imagem abaixo, ___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
14 = Noções de I nformática A solução para seu concurso

Existem, também, as freqüências horizontal e vertical do

Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas Solução Apostilas
aparelho. A horizontal determinada em quilohertz é respon-
CONCEITOS GERAIS DE sável pela velocidade com que as linhas são escritas na tela.
EQUIPAMENTOS E Quanto maior a freqüência, maior o número de pontos que
podem ser desenhados numa linha e maior a resolução. A
OPERACIONALIZAÇÃO freqüência horizontal varia entre 30KHz e 38KHz.
Podemos encontrar o padrão do monitor de vídeo, conforme
sua resolução gráfica: Padrão Hércules, CGA, EGA, VGA e
SVGA (super VGA), garantindo uma melhor definição. Atual-
mente, o padrão mais utilizado é o VGA (video graphics array),
que possui resolução de 640 pontos (pixels) horizontais por 480
linhas.
Há também, o monitor Super VGA com maior resolução
gráfica que o VGA e pode chegar a uma resolução de 1024
por 768 pontos (pixels), ou seja, as telas dos monitores SVGA
têm 1024 pontos luminosos na horizontal e 768 na vertical.
Esse valor pode se elevar até 1280 por 1024, indicado apenas
para usuários de equipamentos maiores, acima de 17 pole-
gadas.

Um sistema de computação típico inclui os seguintes AS PLACAS DE VÍDEO


itens: o microprocessador, os disquetes, os drives, a impres-
sora, o teclado, o monitor de vídeo e os programas.
O microcomputador recebe seus comandos pelo teclado
que está ligado a ele. As mensagens podem ser endereçadas
a impressoras ou ao vídeo. Os programas a serem executados
estão gravados em disquetes que serão inseridos no drive.

O MONITOR DE VÍDEO

A função da placa controladora de vídeo é receber os


dados digitais vindos da CPU e convertê-lo em impulsos
analógicos, na forma de variações de voltagem, de modo que
o monitor de vídeo possa entendê-los e formar a imagem.
Além das informações de cor (cada ponto na tela é a “mistu-
ra” dos sinais respectivos das cores vermelho verde e azul),
a placa de vídeo envia sinais de sincronismo usados para
controlar a posição onde cada ponto será exibido.
Entre os elementos através dos quais pode-se comunicar
A resolução e a quantidade de cores que podem ser exibi-
diretamente com o sistema do microcomputador está o
das na tela dependem mais da placa de vídeo que do monitor,
monitor de vídeo, que mostra as informações para o usuário.
o qual é capaz de exibir muitas combinações de cores.
Encontramos monitor de vídeo capaz de apresentar
imagens com várias cores (Policromático). O monitor de Nos micros da linha IBM-PC existem basicamente dois
vídeo Monocromático (em desuso), utiliza apenas uma cor modos de se exibir dados no vídeo: modo texto e modo
sobre um fundo preto, branco, ou âmbar. gráfico. No modo texto, a placa de vídeo possui, gravado,
os desenhos de todos os caracteres. Basta a CPU enviar o
Os monitores de vídeo apresentam diferentes qualida-
código da letra que a placa manda o desenho da letra para o
des de imagens (resolução gráfica), em função do número
monitor. No modo gráfico, cada ponto na tela, chamado de
de pontos ou Pixels (Picture Elements), que contém a tela.
pixel, é controlado pela CPU, o que aumenta a flexibilidade
Um item muito importante, a saber, sobre monitores de dos programas, mas toma muito tempo da CPU.
vídeo é o dot pitch, que é a menor distância entre dois pontos
consecutivos de uma mesma cor. O dot pitch é responsável pela Por muito tempo, a tecnologia mais usada nos monitores
qualidade das cores e das imagens na tela. Quanto menor for a foi o CRT (Cathode Ray Tube), que está perdendo espaço
distância entre os pontos, maior será a quantidade de pontos para a tecnologia LCD (Liquid Crystal Display).
que compõem a imagem e, portanto, melhor será a qualidade. Os monitores CRT mais antigos apresentavam uma tela
A maioria dos monitores coloridos de 14 polegadas apre-