Você está na página 1de 6

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

Tratados III
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

TRATADOS III

CLASSIFICAÇÃO DOS TRATADOS

• Tempo
• Número de partes
• Natureza jurídica
• Procedimento

Com relação ao procedimento, os tratados podem ser:


• Complexos: precisam de ratificação. A assinatura nesse tipo de tratado
significa que as negociações estão encerradas, embora possam estar pre-
vistas reservas e emendas posteriores. Os tratados complexos podem ser
bilaterais ou multilaterais.
• Simplificados: o principal ato é a assinatura, que tem o condão de colocar
os tratados em vigor. Não passam pelo Congresso, sendo que o Executivo
tem mais liberalidade, e não podem versar sobre assuntos gravosos que
tragam ônus para o país ou que sejam de alta complexidade.

Não se pode confundir o tratado simplificado com certos tratados emanados


nos Estados Unidos, quando saem autorizações para que o Executivo possa
fazer acordos – porque esses possuem uma autorização prévia. Na verdade, os
acordos simplificados, em poucos países, constam nos dispositivos constitucio-
nais.
No Brasil constam, mas na prática, por exemplo, no que tange ao estabeleci-
mento ou aumento de um dado privilégio diplomático ou algo nesse sentido.
Os tratados simplificados são bilaterais.

ATOS DE CELEBRAÇÃO (TRATADOS COMPLEXOS)

NEGOCIAÇÃO
PLANO EXTERNO
ASSINATURA
ANOTAÇÕES

1
www.grancursosonline.com.br
DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO
Tratados III
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

APROVAÇÃO → PLANO INTERNO

A aprovação é feita pelo Congresso Nacional, ad referendum.

RATIFICAÇÃO

A ratificação de um tratado não é feita pelo Congresso. A responsabilidade é


do Executivo e é um momento externo. O Executivo ratifica um tratado ad refe-
rendum.
PUBLICAÇÃO → PLANO INTERNO
A publicação é obrigatória, oponível e conhecida em todo o território nacional
e para os cidadãos que dele fazem parte.
TROCA DE INSTRUMENTOS
No caso de tratados bilaterais.
DEPÓSITO
No Estado depositário, quando se trata de tratados multilaterais.
REGISTRO
O registro é feito no âmbito da ONU e não é obrigatório. Se os Estados opta-
rem por não fazer esse registro, a única consequência é que esse tratado não
poderá ser elencado, invocado perante os órgãos oficiais das Nações Unidas. A
ideia hoje é de transparência e de publicidade desses tratados.

CONSENTIMENTO

1) Assinatura;
2) Ratificação;
3) Troca dos instrumentos constitutivos do tratado;
4) Aceitação;
5) Aprovação;
6) Adesão.
Há alguns atos que geram a vinculação do Estado, lembrando que a assina-
tura do Estado em tratados complexos é a rogo.
ANOTAÇÕES

2
www.grancursosonline.com.br
DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO
Tratados III
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

O Estado que não participou das negociações também pode participar pos-
teriormente.
Nos tratados multilaterais o interesse é agregar o maior número de pares,
tornar público, congregar com vistas à cooperação.

VIGÊNCIA DOS TRATADOS

1) Simplificado
Versa sobre assuntos do interesse do Executivo. A Divisão de Atos do Ita-
maraty (DAI) possui um sistema que permite a consulta dos tratados online e
versam sobre interpretações e execução de um tratado anterior, relações diplo-
máticas ou consulares, assuntos simples que não necessitam passar pelo crivo
do parlamento.
Os professores Francisco Rezek e Accioly discriminam esses atos.
2) Complexo
• Ratificação:
–– Bilateral;
–– Multilateral.

VIGÊNCIA DOS TRATADOS

1) Vigência Interna;
2) Vigência Internacional.
Para a vigência interna há a necessidade de uma publicação e para a vigên-
cia internacional há a necessidade da ratificação.

RATIFICAÇÃO

• Sistema de competência exclusiva do Poder Executivo;


• Sistema de competência exclusiva do Poder Legislativo;
• Sistema misto.
O Brasil utiliza o sistema misto de ratificação. É a conjunção da vontade do
Congresso Nacional mais a expressão da vontade do Presidente da República.
ANOTAÇÕES

3
www.grancursosonline.com.br
DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO
Tratados III
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

INCORPORAÇÃO DE TRATADOS COMPLEXOS NO BRASIL

Decreto Legislativo Decreto Administrativo


+ +
D.O.U E.D.C.N D.O.U
ART. 49 C/C 59 VI ART.84 IV E VIII
DA CF CF

Entre o decreto legislativo (aprovação) e o decreto administrativo (promulga-


ção) há a ratificação.

PROCEDIMENTO DE APROVAÇÃO DE TRATADOS COMPLEXOS

Ministro das
MRE Projeto Presidente Congresso
Relações
Representante de Aprecia Nacional
Exteriores
Negocia Mensagem
aprecia MENSAGEM
+ Câmara dos
CÓPIA DE deputados
TEXTO (presidente)
+
EXPOSIÇÃO Comissão de
DE MOTIVOS Relações Exte-
riores e Defesa
Nacional

Projeto de
decreto
legislativo

Comissão de
Constituição e
Justiça

PLENÁRIO

Quando o processo não dá tão certo e surgem questões que envolvam reser-
vas (suspensão da aplicabilidade de uma dada cláusula) ou emendas (reescri-
tura do tratado, algo como o Congresso adentrar na competência do Execu-
ANOTAÇÕES

4
www.grancursosonline.com.br
DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO
Tratados III
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

tivo), solicitadas pelo parlamento quanto a modificações no texto, segue-se uma


série de debates e vários autores, como Celso Albuquerque Mello, fazem o seu
posicionamento. Essas reservas e emendas retornam para o presidente, que
repassa para o Ministério das Relações Exteriores no sentido de avaliar a possi-
bilidade dessas alterações.

PROCEDIMENTO DE APROVAÇÃO DE TRATADOS COMPLEXOS

SENADO
REJEITA
APROVA COM
ALTERAÇÕES PRESIDENTE DO SENADO
PROMULGA DECRETO RATIFICAÇÃO DO
APROVA
TOTALMENTE LEGISLATIVO NO D.O.U E PRESIDENTE DA
NO D.C.N. REPÚBLICA

PUBLICAÇÃO DO
DECRETO NO D.O.U

Caso seja rejeitado, é arquivado.

RATIFICAÇÃO

• Ato indelegável do PR;


• Discricionário;
• Irretratável;
• Formal;
• Expresso.
O mais comum é que seja feito por meio de Nota Diplomática.
ANOTAÇÕES

5
www.grancursosonline.com.br
DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO
Tratados III
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

INCORPORAÇÃO DE TRATADOS SIMPLIFICADOS NO BRASIL

NEGOCIAÇÃO

ASSINATURA OU TROCA DE NOTAS

PUBLICAÇÃO NO D.O.U.

VIGÊNCIA INTERNACIONAL

Depósito dos Instrumentos


• Número mínimo de depositários para que entre em vigor.
• Convenção de Viena de 1969

ARTIGO 27. Direito interno e observância dos tratados. Uma parte não pode
invocar as disposições de seu direito interno para justificar o inadimplemento de
um tratado (...)”

CONDIÇÕES DE VALIDADE

• Sujeito capaz;
• Habilitação dos representantes;
• Objeto lícito e possível;
• Ausência de vícios do consentimento.

�Este material foi elaborado pela equipe pedagógica do Gran Cursos Online, de acordo com a
aula preparada e ministrada pela professora Blenda.
ANOTAÇÕES

6
www.grancursosonline.com.br