Você está na página 1de 8

O presente material é proveniente de um resumo realizado

to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

 DIREITO CIVIL

 Aula 07

1.1.1.1.3 Extinção da personalidade da pessoa natural (continuação).

Morte presumida com declaração de ausência:

A ausência está disciplinada no CC/02, do art. 22 ao 39:

CAPÍTULO III
DA AUSÊNCIA
Seção I
Da Curadoria dos Bens do Ausente

Art. 22. Desaparecendo uma pessoa do seu domicílio sem


dela haver notícia, se não houver deixado representante ou
procurador a quem caiba administrar-lhe os bens, o juiz, a
requerimento de qualquer interessado ou do Ministério
Público, declarará a ausência, e nomear-lhe-á curador.

Art. 23. Também se declarará a ausência, e se nomeará


curador, quando o ausente deixar mandatário que não queira
ou não possa exercer ou continuar o mandato, ou se os seus
poderes forem insuficientes.

Art. 24. O juiz, que nomear o curador, fixar-lhe-á os


poderes e obrigações, conforme as circunstâncias,
observando, no que for aplicável, o disposto a respeito dos
tutores e curadores.

Art. 25. O cônjuge do ausente, sempre que não esteja


separado judicialmente, ou de fato por mais de dois anos
antes da declaração da ausência, será o seu legítimo curador.
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

§ 1o Em falta do cônjuge, a curadoria dos bens do ausente


incumbe aos pais ou aos descendentes, nesta ordem, não
havendo impedimento que os iniba de exercer o cargo.

§ 2o Entre os descendentes, os mais próximos precedem


os mais remotos.

§ 3o Na falta das pessoas mencionadas, compete ao juiz a


escolha do curador.

Seção II
Da Sucessão Provisória

Art. 26. Decorrido um ano da arrecadação dos bens do


ausente, ou, se ele deixou representante ou procurador, em se
passando três anos, poderão os interessados requerer que se
declare a ausência e se abra provisoriamente a sucessão.

Art. 27. Para o efeito previsto no artigo anterior, somente


se consideram interessados:

I - o cônjuge não separado judicialmente;

II - os herdeiros presumidos, legítimos ou testamentários;

III - os que tiverem sobre os bens do ausente direito


dependente de sua morte;

IV - os credores de obrigações vencidas e não pagas.

Art. 28. A sentença que determinar a abertura da


sucessão provisória só produzirá efeito cento e oitenta dias
depois de publicada pela imprensa; mas, logo que passe em
julgado, proceder-se-á à abertura do testamento, se houver, e
ao inventário e partilha dos bens, como se o ausente fosse
falecido.
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

§ 1o Findo o prazo a que se refere o art. 26, e não


havendo interessados na sucessão provisória, cumpre ao
Ministério Público requerê-la ao juízo competente.

§ 2o Não comparecendo herdeiro ou interessado para


requerer o inventário até trinta dias depois de passar em
julgado a sentença que mandar abrir a sucessão provisória,
proceder-se-á à arrecadação dos bens do ausente pela forma
estabelecida nos arts. 1.819 a 1.823.

Art. 29. Antes da partilha, o juiz, quando julgar


conveniente, ordenará a conversão dos bens móveis, sujeitos
a deterioração ou a extravio, em imóveis ou em títulos
garantidos pela União.

Art. 30. Os herdeiros, para se imitirem na posse dos bens


do ausente, darão garantias da restituição deles, mediante
penhores ou hipotecas equivalentes aos quinhões respectivos.

§ 1o Aquele que tiver direito à posse provisória, mas não


puder prestar a garantia exigida neste artigo, será excluído,
mantendo-se os bens que lhe deviam caber sob a
administração do curador, ou de outro herdeiro designado pelo
juiz, e que preste essa garantia.

§ 2o Os ascendentes, os descendentes e o cônjuge, uma


vez provada a sua qualidade de herdeiros, poderão,
independentemente de garantia, entrar na posse dos bens do
ausente.

Art. 31. Os imóveis do ausente só se poderão alienar, não


sendo por desapropriação, ou hipotecar, quando o ordene o
juiz, para lhes evitar a ruína.
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

Art. 32. Empossados nos bens, os sucessores provisórios


ficarão representando ativa e passivamente o ausente, de
modo que contra eles correrão as ações pendentes e as que
de futuro àquele forem movidas.

Art. 33. O descendente, ascendente ou cônjuge que for


sucessor provisório do ausente, fará seus todos os frutos e
rendimentos dos bens que a este couberem; os outros
sucessores, porém, deverão capitalizar metade desses frutos e
rendimentos, segundo o disposto no art. 29, de acordo com o
representante do Ministério Público, e prestar anualmente
contas ao juiz competente.

Parágrafo único. Se o ausente aparecer, e ficar provado


que a ausência foi voluntária e injustificada, perderá ele, em
favor do sucessor, sua parte nos frutos e rendimentos.

Art. 34. O excluído, segundo o art. 30, da posse provisória


poderá, justificando falta de meios, requerer lhe seja entregue
metade dos rendimentos do quinhão que lhe tocaria.

Art. 35. Se durante a posse provisória se provar a época


exata do falecimento do ausente, considerar-se-á, nessa data,
aberta a sucessão em favor dos herdeiros, que o eram àquele
tempo.

Art. 36. Se o ausente aparecer, ou se lhe provar a


existência, depois de estabelecida a posse provisória, cessarão
para logo as vantagens dos sucessores nela imitidos, ficando,
todavia, obrigados a tomar as medidas assecuratórias
precisas, até a entrega dos bens a seu dono.

Seção III
Da Sucessão Definitiva
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

Art. 37. Dez anos depois de passada em julgado a


sentença que concede a abertura da sucessão provisória,
poderão os interessados requerer a sucessão definitiva e o
levantamento das cauções prestadas.

Art. 38. Pode-se requerer a sucessão definitiva, também,


provando-se que o ausente conta oitenta anos de idade, e que
de cinco datam as últimas notícias dele.

Art. 39. Regressando o ausente nos dez anos seguintes à


abertura da sucessão definitiva, ou algum de seus
descendentes ou ascendentes, aquele ou estes haverão só os
bens existentes no estado em que se acharem, os sub-rogados
em seu lugar, ou o preço que os herdeiros e demais
interessados houverem recebido pelos bens alienados depois
daquele tempo.

Parágrafo único. Se, nos dez anos a que se refere este


artigo, o ausente não regressar, e nenhum interessado
promover a sucessão definitiva, os bens arrecadados passarão
ao domínio do Município ou do Distrito Federal, se localizados
nas respectivas circunscrições, incorporando-se ao domínio da
União, quando situados em território federal.

A ausência ocorre quando alguém desaparece do local em que tem


domicílio sem deixar informações sobre seu paradeiro. O magistrado sempre
analisará a situação de ausência a partir do caso concreto, ou seja, depende dos
hábitos da pessoa ausente. O que é ausência para uma pessoa pode não ser
para outra.
O instituto da ausência é um instituto patrimonialista. Ninguém está
preocupado com o ausente; a preocupação é com o patrimônio do ausente. O
processo de ausência tem como objetivo a declaração de morte presumida, a
fim de que possa ser feita a transmissão, a sucessão hereditária do patrimônio
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

que o ausente deixou. O ausente, onde quer que ele esteja, se vivo estiver,
praticará todos os atos na ordem civil, atos que existem e que são válidos, atos
que produzem efeitos… O ausente, não é como no Código Civil de 1916, um
incapaz. Portanto, o instituto é completamente patrimonial.
O processo de ausência disciplinado no Código Civil é dividido em três
fases bem definidas:
- Fase da curadoria dos bens do ausente;
- Fase da sucessão provisória e,
- Fase da sucessão definitiva.
Qualquer interessado na sucessão do ausente pode requerer a declaração
de ausência e a abertura do processo de ausência.
O magistrado não é obrigado a aceitar o requerimento e a inaugurar o
processo de ausência. Ele deverá examinar, no caso concreto, se efetivamente
ocorreu o desaparecimento da pessoa, sem que a mesma tenha deixado
informações acerca de seu paradeiro.
Se o magistrado entender que é caso ausência, ele aceitará o
requerimento e inaugurará o processo de ausência com a fase de curadoria dos
bens do ausente. Nessa fase, o juiz declara a ausência e nomeia um curador(não
para representar o ausente, mas sim para administrar os bens que o ausente
deixou). E quem pode ser esse curador? As pessoas elencadas no art. 25, do
CC/02. Nessa decisão, na qual o juiz nomeia o curador, o mesmo fixará os
poderes do curador. Agora, se o ausente deixou um procurador, o juiz não
precisará nomear um curador, exceto se os poderes forem insuficientes para a
administração dos bens ou se houver renúncia aos poderes (art. 23, do CC/02).
Cada uma dessas fases do processo de ausência tem um prazo mínimo de
duração. Lembre-se: a esperança é sempre que o ausente volte. O prazo mínimo
de duração da fase de curadoria dos bens do ausente é de um ano (art. 26, do
CC/02). Se o ausente deixou um procurador, é necessário passar pela fase de
curadoria dos bens do ausente? Não; se o ausente deixou um procurador, três
após o seu desaparecimento, os interessados podem requerer direto a abertura
da fase de sucessão provisória e a declaração de ausência (art. 27, CC/02).
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

O que acontece na fase de sucessão provisória? Nessa fase ocorre a


partilha provisória dos bens do ausente. No que diz respeito à imissão da posse,
desde que isso ocorra nos termos do art. 30, do CC/02, os herdeiros se imitiram
na posse dos respectivos bens. Caso o ausente retorne na fase de sucessão
provisória, ele tem direito de reaver os bens na condição que os deixou. Os
herdeiros necessários (art. 30, parágrafo 2°, do CC/02) podem ser imitidos na
posse independentemente de qualquer garantia. Se o ausente deixou bens que
dão frutos e rendimentos, nos termos do art. 33, os herdeiros necessários
poderão ter acesso a esses frutos e rendimentos e, os que não são herdeiros
necessários, a 50% deles. Entretanto, se o ausente retornar, perderá em favor
do sucessor sua parte nos frutos e rendimentos. Se a ausência foi involuntária e
justificada, o ausente tem acesso a esses frutos e rendimentos.
Obs.: De acordo com o art. 28, do CC/02, a sentença que inaugura a fase de
sucessão provisória só produz efeitos após 180 dias de sua publicação. Quanto
tempo no mínimo dura a fase de sucessão provisória? De acordo com o art. 37,
do CC/02, o prazo mínimo de sucessão provisória é de 10 anos, a contar do
término dos 180 dias da publicação da sentença (180 dias + 10 anos= prazo
mínimo da sucessão provisória). Nos termos do art. 38, pode-se requerer a
sucessão definitiva se for provado que o ausente, se vivo estiver, conta com
mais de 80 anos e há 05 anos que não se tem mais notícias dele.
Quem pode requerer a abertura da fase de sucessão definitiva? Qualquer
interessado pode requerer. A partir dessa fase, a partilha se torna definitiva. De
acordo o art. 39, o prazo de duração dessa fase é de 10 anos. Se o ausente
retorna durante esse período de sucessão definitiva, ele ainda tem direito de
reaver os seus bens, só que no estado em que se encontrarem. O ausente, em
caso de retorno, não tem direito de reaver os rendimentos e frutos. Se chegar à
fase de sucessão definitiva e ninguém reivindicar os bens que o ausente deixou,
os bens serão incorporados ao patrimônio do Município, Distrito Federal ou
União, nos termos do parágrafo único.
O objetivo do processo de ausência é declarar a morte presumida. Em que
momento do processo de ausência ocorre a declaração de morte presumida? O
O presente material é proveniente de um resumo realizado
to pela equipe de monitores do curso ALCANCE, a partir da aula

_____________________________________________________________________________________

art. 6º, do CC/02, traz a resposta: no momento de abertura da sucessão


definitiva.
Por fim, a propriedade que se transfere na fase de sucessão definitiva é
resolúvel (caso o ausente retorne, o bem retorna para o seu patrimônio).

1.1.1.2. Capacidade.
1.1.1.2.1. Espécies de Capacidade.

A capacidade civil pode ser:


- de direito, também conhecida como uma capacidade genérica ou jurídica e,
- de fato, também conhecida como uma capacidade de exercício.
Qual é o conceito de capacidade de direito?
Conceito de capacidade de direito se confunde com o conceito de
personalidade na perspectiva patrimonial (aptidão genérica para adquisição de
direitos e deveres na ordem civil). A única diferença é que a capacidade de
direito pode sofrer limitações; a personalidade não. Por exemplo, a idade mínima
para casar é 16 anos, logo, um menor com 15 anos não pode se casar (tem
personalidade na perspectiva patrimonial, mas não tem capacidade de direito).
Qual a diferença entre personalidade, capacidade de direito e legitimação?
A legitimação tem uma natureza mais externa (é a aptidão que tem a
pessoa para integrar determinada relação jurídica). Por exemplo, art. 497, do
CC/02.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx