Você está na página 1de 5

Da Cooperação Internacional

1) Disposições gerais
- Inspiração no Projeto de Código Modelo de Cooperação
Interjurisdicional para a Ibero-América (aprovado em
2008 em Lima, no Peru, pelo Instituto Ibero-Americano
de Direito Processual.
- Art. 26 – a cooperação será regida por tratado que
observará as condições descritas nos incisos deste
dispositivo.
- São vedados atos de cooperação que possam contrariar
direitos fundamentais (art. 26, §3º).
Da Cooperação Internacional

1) Disposições gerais
- Art. 27 – Objeto da cooperação jurídica
internacional.

O rol contido no art. 27 é taxativo ou


exemplificativo?

- O fluxo da cooperação se dá por intermédio da


autoridade central (Ministério da Justiça, na
ausência de designação específica) – art. 26, §4º.
Da Cooperação Internacional
2) Auxílio direto
- Instituto dotado de menor formalismo que dispensa
a prévia homologação pelo STJ.
- Possui tramitação mais ágil que a carta rogatória.
- Pode ser ativo ou passivo.
- Só pode ser utilizado se o ato não depender do juízo
de delibação (homologação pelo STJ).
- O auxílio deve ser solicitado à autoridade central (art.
29).
- Matéria de auxílio direto – art. 30.
Competência Interna

1) Conceito e Generalidades
 Conceito legal – art. 42 do NCPC.
 Marinoni: “Jurisdição é poder; competência é a
capacidade de exercer poder outorgada pela
Constituição e pela legislação infraconstitucional”.
 Fontes para determinação da competência - vide art.
44 do NCPC.
 Competências implícitas (implied power) – admitida
pelo STF.
 Regra da KOMPETENZKOMPETENZ – qualquer juízo tem
competência para julgar a sua própria competência.

PROFESSOR: RODRIGO CHINDELAR 4


Competência Interna

2) Perpetuação da competência (perpetuatio jurisdictionis).


- Art. 43, CPC – A competência é determinada no
momento do registro ou da distribuição da
petição inicial. Exceções:
• Supressão de órgão judiciário; e
• Alteração da competência absoluta.

Enunciado da Súmula nº 58 do STJ: “Proposta a


execução fiscal, a posterior mudança de domicílio
do executado não desloca a competência já fixada”.