Você está na página 1de 184

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA


INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL

Marcela Aparecida Cucci Silvestre


Maria Edileuda do Rêgo Sarmento
Maria Kassimati Milanez

PRÁTICAS DE
LEITURA E ESCRITA
INGLÊS
SOBRE O LIVRO

O livro “Práticas de Leitura e Escrita – Inglês”, das autoras Marcela Aparecida


Cucci Silvestre (UFRN), Maria Edileuda do Rêgo Sarmento (UFRN) e Maria
Kassimati Milanez (IFRN) é fruto das observações das necessidades dos alunos,
pelas autoras e professoras de Língua Inglesa, mais especificamente de Inglês para
Fins Específicos (IFE) para universitários da área tecnológica e de cursos técnicos
de nível médio. A obra é o terceiro volume de uma coleção – Práticas de Leitura e
Escrita –, composta de dois volumes anteriores, a respeito da prática de leitura e
escrita em português, voltada para alunos universitários e de nível técnico e tec-
nológico que necessitam ler textos nas áreas de informática, engenharias, etc. Este
volume é dividido em dez capítulos, cada um abordando estratégias de leitura que
vão desde a leitura superficial de um texto em inglês até a mais detalhada. Para
isso, as autoras abordam os aspectos estruturais e semânticos da língua inglesa
de forma acessível e objetiva, com uma linguagem dialogada. Assim, o aluno é
conduzido a resolver exercícios de interpretação de textos em inglês após apren-
der sobre o tema do capítulo por meio de textos explicativos, exemplos de textos
autênticos, imagens, esquemas semânticos e atividades resolvidas e comentadas,
de forma independente e autodidata.
REITORA
Ângela Maria Paiva Cruz
VICE-REITOR
José Daniel Diniz Melo

DIRETORIA ADMINISTRATIVA DA EDUFRN


Luis Álvaro Sgadari Passeggi (Diretor)
Wilson Fernandes de Araújo Filho (Diretor Adjunto)
Judithe da Costa Leite Albuquerque (Secretária)

Conselho Editorial
Luis Álvaro Sgadari Passeggi (Presidente) Luciene da Silva Santos
Alexandre Reche e Silva Márcia Maria de Cruz Castro
Amanda Duarte Gondim Márcio Zikan Cardoso
Ana Karla Pessoa Peixoto Bezerra Marcos Aurélio Felipe
Anna Cecília Queiroz de Medeiros Maria de Jesus Goncalves
Anna Emanuella Nelson dos Santos Cavalcanti da Rocha Maria Jalila Vieira de Figueiredo Leite
Arrailton Araujo de Souza Marta Maria de Araújo
Carolina Todesco Mauricio Roberto Campelo de Macedo
Christianne Medeiros Cavalcante Paulo Ricardo Porfírio do Nascimento
Daniel Nelson Maciel Paulo Roberto Medeiros de Azevedo
Eduardo Jose Sande e Oliveira dos Santos Souza Regina Simon da Silva
Euzébia Maria de Pontes Targino Muniz Richardson Naves Leão
Francisco Dutra de Macedo Filho Roberval Edson Pinheiro de Lima
Francisco Welson Lima da Silva Samuel Anderson de Oliveira Lima
Francisco Wildson Confessor Sebastião Faustino Pereira Filho
Gilberto Corso Sérgio Ricardo Fernandes de Araújo
Glória Regina de Góis Monteiro Sibele Berenice Castella Pergher
Heather Dea Jennings Tarciso André Ferreira Velho
Jacqueline de Araujo Cunha Teodora de Araújo Alves
Jorge Tarcísio da Rocha Falcão Tercia Maria Souza de Moura Marques
Juciano de Sousa Lacerda Tiago Rocha Pinto
Julliane Tamara Araújo de Melo Veridiano Maia dos Santos
Kamyla Alvares Pinto Wilson Fernandes de Araújo Filho

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA


Secretária de Educação a Distância Conselho Técnico-Científico – SEDIS
Maria Carmem Freire Diógenes Rêgo Maria Carmem Freire Diógenes Rêgo – SEDIS (Presidente)
Secretária Adjunta de Educação a Distância Aline de Pinho Dias – SEDIS
Ione Rodrigues Diniz Morais André Morais Gurgel – CCSA
Antônio de Pádua dos Santos – CS
Coordenadora de Produção de Materiais Didáticos
Célia Maria de Araújo – SEDIS
Maria Carmem Freire Diógenes Rêgo
Eugênia Maria Dantas – CCHLA
Coordenadora de Revisão Ione Rodrigues Diniz Morais – SEDIS
Maria da Penha Casado Alves Isabel Dillmann Nunes – IMD
Coordenador Editorial Ivan Max Freire de Lacerda – EAJ
José Correia Torres Neto Jefferson Fernandes Alves – SEDIS
Gestão do Fluxo de Revisão José Querginaldo Bezerra – CCET
Rosilene Paiva Lilian Giotto Zaros – CB
Revisão Linguístico-textual Marcos Aurélio Felipe – SEDIS
Marcela Aparecida Cucci Silvestre Maria Cristina Leandro de Paiva – CE
Projeto Gráfico, Capa e Diagramação Maria da Penha Casado Alves – SEDIS
Edinara Medeiros de Araújo Nedja Suely Fernandes – CCET
Isabela Muniz Batista Ricardo Alexsandro de Medeiros Valentim – SEDIS
José Antonio Bezerra Junior Sulemi Fabiano Campos – CCHLA
Wicliffe de Andrade Costa – CCHLA
Revisão Tipográfica
Letícia Torres
Renata Ingrid de Souza Paiva

ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA – ECT


Diretor geral
Douglas do Nascimento Silva
Vice-diretor
José Josemar de Oliveira Junior

INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL


Diretor geral
José Ivonildo do Rêgo
Vice-diretor
Adrião Duarte Dória Neto
Diretoria de Ensino
Daniel Sabino Amorim de Araújo
Setor de Produção Multimídia
Danise Suzy da Silva Oliveira
Catalogação da Publicação na Fonte. Bibliotecária Verônica Pinheiro da Silva CRB-15/692.

Silvestre, Marcela Aparecida Cucci.


Práticas de leitura e escrita – inglês [recurso eletrônico] / Marcela Aparecida
Cucci Silvestre, Maria Edileuda do Rêgo Sarmento e Maria Kassimati Milanez. –
Natal: SEDIS-UFRN, 2018.
1 PDF.

ISBN 978-85-93839-54-2
Modo de acesso: http://repositorio.ufrn.br

1. Leitura. 2. Escrita. 3. Inglês. I. Sarmento, Maria Edileuda do Rêgo. II. Mila-


nez, Maria Kassimati. III. Título.

CDU 028.1
S587p

Todos os direitos desta edição reservados à EDFURN - Editora da UFRN


Av. Senador Salgado Filho, 3000 | Campus Universitário
Lagoa Nova | 59.078-970 | Natal/RN | Brasil
e-mail: contato@editora.ufrn.br | www.editora.ufrn.br
Telefone: (84) 3342-2221
APRESENTAÇÃO

O Inglês para Fins Específicos (IFE), também conhecido como Inglês Instru-
mental, correspondente ao English for Specific Purposes (ESP), tem como objetivo
atender às necessidades comunicativas específicas em Língua Inglesa, de públicos
diferentes, nas diversas áreas de interesse. Uma das necessidades do público da
área técnica e tecnológica é desenvolver a habilidade de leitura, isto é, de com-
preensão de textos específicos de sua área de conhecimento escritos em língua
inglesa. Para isso, o leitor deve saber utilizar algumas das principais estratégias
de leitura e ter noções relativas aos diversos níveis da língua.
Para Hutchinson e Waters (2009), o ESP não foi um movimento planejado e
coerente, e sim um fenômeno que se deu a partir de três situações convergentes
iniciadas no século XX. A primeira delas refere-se ao fato de que, com o desenvol-
vimento do comércio e da tecnologia, o inglês passa a ser a principal língua aceita
internacionalmente. Além disso, os novos estudos na área da Linguística passaram
a enfocar o uso da língua em situações reais de comunicação, em detrimento de
suas características formais. Emerge, então, a ideia de que, se a linguagem varia de
acordo com as situações de uso, é possível determinar as principais características
de cada uma delas para construir as bases de cursos de línguas que atendem a ne-
cessidades específicas das mais diversas áreas de conhecimento. Em terceiro lugar,
pode-se apontar o desenvolvimento da Psicologia Educacional, que teve como
foco principal os aprendizes e suas atitudes durante o processo de aprendizagem.
Acredita-se que o IFE tenha surgido com a necessidade de comunicação rápida
e eficaz em vários contextos mundiais. Durante a Segunda Guerra, por exemplo, os
soldados precisavam aprender o idioma do inimigo para se comunicarem em caso
de necessidade e até para a sua sobrevivência, motivos pelos quais eles tinham de
estudar um vocabulário básico no avião, navio ou nos campos de batalha.
No Brasil, a partir do início da década de 1980, com o apoio do British Council e
em conjunto com a PUC-SP, surgiu o Projeto Nacional Ensino de Inglês Instrumen-
tal em Universidades Brasileiras, sob a coordenação da professora Maria Antonieta
Celani. Com base em um levantamento de necessidades realizado com alunos em
algumas universidades federais e alguns institutos técnicos federais em todas as
regiões do país, concluiu-se que a necessidade principal desses alunos, naquele
momento, era a leitura de textos em Língua Inglesa e, a partir dessa constatação,
iniciou-se uma série de seminários nessas instituições a fim de capacitar profes-
sores para compreenderem o que seria IFE e, em conjunto, elaborarem materiais
para o seu ensino nas instituições públicas de nível superior e técnico.
Um desses seminários foi ministrado na Universidade Federal do Rio Grande
do Norte (UFRN), com a participação de docentes da instituição que logo come-
çaram a trabalhar em sala de aula utilizando IFE. A professora Maria Edileuda do
Rêgo Sarmento, uma das autoras deste livro, estava presente no seminário da
UFRN e, a partir daí, identificou-se com o IFE e se envolveu cada vez mais com
essa abordagem de ensino até os dias de hoje.
A professora Maria Kassimati Milanez entrou em contato com o IFE em 2005,
quando, então, atuou como professora substituta na UFRN pela primeira vez.
Sob a coordenação e as orientações da professora Maria Edileuda, iniciou seu
envolvimento com essa abordagem, à qual continuou ensinando na instituição
até 2014, quando passou a ser professora efetiva do IFRN. Em 2013, atuando como
professora substituta na Escola de Ciência e Tecnologia (ECT) da UFRN, trabalhou
com a professora Marcela Aparecida Cucci Silvestre, que já vinha ensinando IFE
na ECT desde 2010 e que havia sido convidada a escrever este livro.
Através da troca de experiências, da identificação de propósitos em comum
com relação ao ensino da abordagem de IFE e do reconhecimento de sua im-
portância na instituição e fora dela, as três professoras, a convite da professora
Marcela Silvestre, uniram-se com o objetivo de compartilhar seu conhecimento
e experiência na elaboração deste livro, fruto de seu comprometimento com o
IFE e com a sua divulgação como abordagem reconhecidamente relevante para
atender às necessidades específicas de qualquer área, notadamente a área técnica
e tecnológica da UFRN, mas não se limitando a essa instituição ou área.
PREFÁCIO

É com imensa satisfação que apresento à comunidade acadêmica, alunos,


professores, pesquisadores e demais interessados ou envolvidos com o ensino
e com a aprendizagem de Inglês para Fins Específicos (IFE) o volume 3 de
Práticas de Leitura e Escrita – Inglês, obra produzida por Marcela A. C. Silvestre,
Maria Edileuda do Rêgo Sarmento e Maria Kassimati Milanez.
Vivemos em um mundo repleto de pet shops, home theaters, playgrounds, coffee
breaks, workshops, shopping centers, posts, notebooks, emails, LAN houses, LCD TVs, HD-TVs,
check-ins, check-outs, sundaes, frozen yogurts, brownies, cookies, hot dogs, cheese burgers,
hi=p-hops, RAPs, funks, dentre uma infinidade de outras palavras inglesas presen-
tes em nosso dia a dia nas mais diversas áreas. Isso mostra como o inglês vem se
tornando a cada vez mais a língua da globalização, da internacionalização e, em
nossas universidades, é imprescindível que os alunos estejam aptos a interagir com
o mundo nessa língua, principalmente por meio da leitura ou da escrita, em função
da grande quantidade de conhecimentos produzidos em todo o mundo, por autores
de diferentes nacionalidades e de diferentes línguas que escrevem em inglês, já que
esta se tornou a língua de divulgação da ciência.
Esta obra, dessa forma, vai proporcionar ao aluno conhecimentos linguísticos
e discursivos necessários à compreensão de textos produzidos em língua inglesa,
auxiliando na tarefa de desvendar aspectos dessa língua tão presente no cotidiano
de nós brasileiros e, mais especificamente, no contexto acadêmico.
O livro, como se perceberá, é o proveitoso resultado das experiências das três
autoras com o ensino de IFE na universidade e suas práticas de ensino e de pesquisa
sobre os diversos aspectos da língua e sua utilização para o ensino de inglês com
propósitos específicos, já que as autoras abordam os principais recursos linguísticos
do inglês necessários para que o leitor esteja apto a explorar um texto em inglês e
dele possa extrair sentidos para serem usados em suas experiências universitárias.
O material aborda os principais conceitos da área de IFE e os recontextua-
liza para a prática de leitura e escrita, preparando tanto aqueles que têm ou
tiveram pouco contato com a língua inglesa, para que possam (re)construir os
sentidos nos textos, até aqueles que já conhecem o idioma e que poderão utilizar
os recursos apresentados para otimizar o processo de leitura e a construção
de sentidos nos textos utilizados. São abordados, dessa forma, desde aspectos
extratextuais, como a relação do texto com seu contexto de produção, até as-
pectos linguístico-gramaticais, como a estrutura verbal e nominal do inglês e
sua relevância para a leitura, além de aspectos textuais e discursivos e outros
relacionados à leitura, como o uso de dicionários.
Meu prazer em apresentar esta obra ao leitor e, de certo modo, fazer parte
dessa aventura, é imenso, pois, além da rica partilha de experiências com Marcela
A. C. Silvestre sobre a produção de materiais didáticos, aspectos relacionados
à leitura em inglês, ao cotidiano do ensino na universidade e participação em
eventos científicos, tive a grata satisfação de orientar a dissertação de mestrado
A análise de necessidades de Inglês para Fins Específicos em um curso de graduação em
turismo, pesquisa desenvolvida por Maria Edileuda do Rêgo Sarmento, e a tese de
doutorado Histórias de professores universitários sobre ensinar inglês para fins especí-
ficos, produzida por Maria Kassimati Milanez, ambas sobre aspectos relacionados
ao ensino de IFE. A capacidade das três autoras e sua preocupação com o desenvol-
vimento dessa área, desse modo, parte representada por este material, em muito
contribuirão para o ensino e a aprendizagem de IFE.
Que o trabalho com este livro seja proveitoso e que dele surjam muitas e novas
experiências relacionadas à aprendizagem da língua inglesa e que estas despertem
outras tantas, na instigante tarefa de aprender uma língua estrangeira.

Natal, 12 de dezembro de 2014.

Prof. Dr. Orlando Vian Jr.


Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras
Modernas e Programa de Pós-Graduação em
Estudos da Linguagem da UFRN
SUMÁRIO
1 Conhecimento prévio 10
2 A importância do contexto 24
3 Estratégias de leitura 33
4 Estrutura Verbal da língua inglesa 50
5 Grupos nominais 73
6 Elementos Conectores e
Coesivos nas Orações 86
7 Cognatos e Falsos Cognatos 100
8 Gêneros Discursivos 111
9 Formação de Palavras 122
10 Uso de Dicionários 145
Respostas 158
Referências 180
1 Conhecimento prévio
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...o que é conhecimento prévio e sua importância no processo de construção


do sentido de um texto durante a leitura.

OBJETIVOS
»»Compreender a importância da utilização consciente do conhe-
cimento prévio no ato da leitura.
»»Conceituar conhecimento prévio.
»»Entender a existência de leituras adequadas e inadequadas, ten-
do em vista a possibilidade de um enunciado não estar aberto a
qualquer interpretação.
»»Perceber a leitura como atividade consciente que envolve diver-
sas habilidades e conhecimentos do leitor.
»»Aplicar o conhecimento teórico às práticas de leitura e escrita.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Por muito tempo, a leitura foi entendida como decifração de códigos de um


texto. Hoje, defende-se a ideia de que ler envolve um intenso processo de inte-
ração entre o leitor e o próprio texto. Muitas vezes, esse processo se dá de forma
inconsciente mas, se prestarmos atenção, sem essa interação, a compreensão de
um texto simplesmente não acontece.
Isso ocorre porque, ao lermos, estabelecemos relação entre nossos conheci-
mentos acumulados ao longo da vida e as novas informações trazidas pelo texto.
Podemos afirmar, então, que o significado é construído pelo leitor a partir de suas
próprias experiências e valores, que chamamos de conhecimento prévio.
Para Araújo (2010, p. 21), o conhecimento prévio é um recurso fundamental no
processo de compreensão, pois possibilita a formulação de hipóteses e inferências
pertinentes ao significado do texto e diz respeito às redes de conhecimento que
devem ser ativadas durante a leitura. Assim, quando estamos lendo um texto sobre
determinado assunto, nosso cérebro acessa, quase que de maneira imediata, as
experiências anteriores sobre o assunto tratado a fim de que as novas informações
sejam, primeiramente, relacionadas a elas e, possivelmente, mais tarde, incorpo-
radas ao acervo de conhecimentos do leitor.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 10


Exemplo 1

Observe a imagem a seguir:

Fonte: <http://banzeiros.blogspot.com.br/2009/10/gp-brasil-de-formula-1.html>.
Acesso em: 19 jul. 2016.

Vamos ver se você entendeu a imagem do Exemplo 1:


Se você pensou em Fórmula 1, Rubinho Barrichello, Projeto Tamar, Equipe
Honda, tartarugas marinhas, velocidade, carro e outras coisas relacionadas a esses
temas, já verificou como é fácil acionar seu conhecimento prévio.
Se você concluiu que se trata de uma brincadeira com o ex-piloto de Fórmula 1,
Rubinho Barrichello, acertou mais uma vez. Note que a imagem do esportista está
atrelada à de uma tartaruga, já que sua escuderia estaria patrocinando o Projeto
Tamar, que tem o intuito de preservar as tartarugas marinhas da costa brasileira.
Você já havia parado para pensar em quantas referências, imagens e
informações lhe vieram à mente para que o texto fosse compreendido?
Agora, ficou mais fácil entender o que é conhecimento prévio. Trata-se de
todos esses pensamentos relacionados ao texto que vêm à tona quando tentamos
compreendê-lo. Muitas vezes, não estamos atentos ao acionamento desses conhe-
cimentos que podem ser desperdiçados ou ignorados durante a leitura. Por isso,
é importante que essa atividade de resgate das informações pré-existentes em
nosso cérebro se torne intencional e consciente.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 11


Atividade 1

Observe o texto a seguir e responda às questões:

Fonte: <http://joaobasilio.blogspot.com.br/search?updated-min=2009-01-01T00:00:00-
08:00&updated-max=2010-01-01T00:00:00-08:00&max-results=12>. Acesso em: 19 jul. 2016.

1. Faça uma lista das principais palavras que vieram em sua mente ao observar a
imagem:

................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................

2. Descreva as ideias que lhe ocorreram durante sua observação:


................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 12


3. Descreva quais foram os conhecimentos prévios acessados para a compreensão:
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

4. É possível alguém não ter compreendido a imagem? Procure explicar o que


pode ter ocorrido nesse caso.
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

ACIONAMENTO DO CONHECIMENTO PRÉVIO

Você deve ter percebido que as pessoas que conseguiram compreender as


imagens e até riram das situações apresentadas acima têm conhecimento acerca
de Fórmula 1 e da novela “A favorita”. Sem a interação entre esse conhecimento
prévio do leitor, praticamente não haveria a compreensão das imagens.
Isso quer dizer que você deve estar sempre atento a todas as informações
que estão à sua volta, pois ninguém sabe quando podemos utilizá-las novamente.
Mas, esse processo só ocorre com textos imagéticos, como vimos nos exem-
plos, ou também pode ser aplicado a um texto exclusivamente verbal?
Com certeza, sim! É fácil percebermos como a simples menção de uma palavra
consegue nos remeter a uma série de pensamentos e ideias prévias sobre o objeto
mencionado. As palavras são igualmente capazes de acionar nosso conhecimento
prévio. Vejamos o próximo exemplo:

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 13


Atividade 2

PROBLEMA NA CLAMBA

Naquele dia, depois de plomar, fui ver drão o Zé queria ou não ir comigo lá na
clamba. Achei melhor grulhar-lhe. Mas, na hora de tungar a ficha, vi-o passando
com a golipesta – e me dei conta de que ele já tinha outro programa. Então resolvi
ir sozinho à clamba. Ao chegar, estacionei o zulpinho bem nacinho, pus a chave
no bolso e desci correndo para aproveitar ao chinta aquele sol gostoso e o tode pli
sulapente. Não parecia haver nem galpo na clamba. Tirei os grispes, pus a bangou-
la. Estava pli quieto ali que até me saltipou. Mas esqueci logo das saltipações no
prazer de nadar no tode, inclusive tirei a bangoula para ficar mais à vontade. Não
sei quanto tempo fiquei nadando, siltando, corriscando, até estopando no tode.
Foi depois, na hora de voltar à clamba, que vi que nem os grispes nem a bangoula
estavam mais onde eu tinha deixado. O que fazer?

Fonte: Texto adaptado de Scott (1981).

Primeiramente, precisamos esclarecer que, apesar de estar escrito em nossa


língua materna, esse texto contém várias palavras “inventadas”, ou seja, que não
fazem parte do vocabulário da Língua Portuguesa. Apesar disso, certamente mui-
tas ideias devem ter pipocado em sua mente durante a leitura.

1. Procure enumerá-las a seguir, mesmo que você não tenha certeza absoluta se
compreendeu o texto todo:
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 14


2. O que aconteceu para que, mesmo com tantas palavras desconhecidas no texto,
você tenha compreendido seu sentido geral?
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

3. Como você lidou com as palavras desconhecidas?


................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

4. Em que medida as palavras conhecidas puderam ajudá-lo na compreensão geral


do texto?
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

5. Procure recuperar as estratégias que você utilizou para chegar a uma interpre-
tação satisfatória.
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 15


NÍVEIS DE CONHECIMENTO PRÉVIO

Para tentar explicar esse fenômeno, é preciso ter em mente que, durante
a leitura, nossa compreensão não se processa “palavra por palavra”, mas sim
em blocos de informação. Isso quer dizer que não precisamos conhecer todas as
palavras de um texto para entendê-lo.
A partir dessas constatações, pode-se afirmar que, com o conhecimento de
algumas palavras-chave e de algumas estruturas linguísticas, além da utilização de
certas estratégias de leitura (que serão apresentadas em capítulos subsequentes),
é possível ler qualquer texto, mesmo que em língua estrangeira.
O conhecimento prévio é, portanto, a interação de diversos níveis de conhe-
cimento, como o conhecimento linguístico, o textual e o conhecimento de mundo
(KLEIMAN, 2013, p. 15). O conhecimento linguístico “abrange desde o conhecimen-
to sobre como pronunciar português, passando pelo conhecimento de vocabulário
e regras da língua, chegando até o conhecimento sobre o uso da língua” (KLEIMAN,
2013, p. 15). Trata-se de conhecer o vocabulário, as relações sintáticas e o uso da
língua como, por exemplo, os cognatos, os afixos, as principais formas verbais
e as referências pronominais, que serão assunto de nossos próximos capítulos.
O conhecimento textual refere-se ao conjunto de noções e conceitos sobre o texto,
como a questão da tipologia textual (narração, descrição ou dissertação) e dos gê-
neros, que também será abordada mais adiante neste livro. Já o conhecimento de
mundo pode ser adquirido tanto de maneira formal (por meio de leituras e estudos
específicos das diversas áreas de conhecimento) como informal (em conversas,
trocas de experiências vividas e entretenimento).
Para Kleiman (2013, p. 18), quando há problemas no processamento em um
nível, outros tipos de conhecimento podem ajudar a desfazer a ambiguidade ou
obscuridade, “num processo de engajamento da memória e do conhecimento do
leitor que é, essencialmente, interativo e compensatório; isto é, quando o leitor é
incapaz de chegar à compreensão através de um nível de informação, ele ativa outros
tipos de conhecimento para compensar as falhas momentâneas”.
Por último, é importante lembrar que, durante nossas leituras, o leitor desem-
penha papel ativo no processo de interação com o texto, partindo de seus próprios
conhecimentos sobre o assunto, relacionando-os com as novas informações e
estabelecendo inferências a fim de compreender integralmente seu conteúdo.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 16


Vamos colocar em prática seus conhecimentos prévios na compreensão do
texto abaixo:

Atividade 3

WHAT IS MIGRAINE?

A migraine is characterized by an intense throbbing headache, often on one


side of the head, plus 2 or more of the following symptoms:
- Increased sensitivity to light, sound and/or smells;
- Nausea and/or vomiting and/or diarrhea;
- Other neurological symptoms such as visual disturbances, pins and needles
or numbness on the affected side – these symptoms are known as migraine aura.
Not all sufferers experience all of the above symptoms and sufferers are
symptom-free between attacks. The frequency of attacks varies, but the average
is 13 per year.

Fonte: Adaptado de <http://www.migraine.org.uk/information/>. Acesso em: 19 jul. 2016.

PARTE A: Responda às seguintes questões sobre seus conhecimentos prévios:

1. Liste as palavras que você já conhecia e explique como você as conheceu:


.............................................   ..............................................................................................................
.............................................   ..............................................................................................................
.............................................   ..............................................................................................................
.............................................   ..............................................................................................................

2. Faça uma lista das palavras que você não conhece:


................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 17


3. Faça uma lista das palavras que, mesmo sem ter visto anteriormente, você
conseguiu reconhecer com facilidade:
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

4. Releia o texto e verifique se há palavras cujos significados você conseguiu en-


tender com a ajuda do contexto e anote abaixo:
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

5. Procure descrever em que medida as palavras desconhecidas influenciaram na


compreensão do texto como um todo:
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PARTE B: De acordo com o texto, responda:

1. O que é migraine?
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 18


2. Quais são os principais sintomas dessa doença?
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

3. Quantas crises o paciente pode ter?


................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Depois de tudo o que foi visto e discutido nesta aula, você pode estar se
perguntando como podemos adquirir esse tal conhecimento prévio, tão valioso
durante o processo da leitura. A resposta é simples: o leitor precisa ter não só o
conhecimento enciclopédico, que é aquele adquirido de maneira formal em livros
ou durante os estudos, mas também um conhecimento mais geral, ou seja, precisa
se interessar por informações das mais diversas áreas do conhecimento, culturas,
gêneros, línguas, etc. Por isso, quanto mais contato com textos diferentes, seja
por meio da televisão, do rádio, da internet, de chats, etc., maior será a gama de
conhecimentos disponíveis na hora de ler um texto e maior será o número de
conexões possíveis entre os assuntos conhecidos e as ideias novas, aumentando
as possibilidades de compreensão dos textos.

PARA SABER MAIS

* Livro
KLEIMAN, A. Texto e leitor – aspectos cognitivos da leitura. 15ª ed.
Campinas: Pontes, 2013.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 19


RESUMO DA AULA

Nesta aula, discutimos a respeito do conceito de conhecimento prévio.


Entendemos que a leitura é um processo de interação entre o texto e o leitor, que
constrói seu entendimento relacionando seu conhecimento prévio com as novas
informações propostas no texto. Vimos que o conhecimento prévio abrange o
conhecimento linguístico, o conhecimento textual e o conhecimento de mundo,
além da utilização de algumas estratégias de leitura. Finalmente, por meio de
exemplos e exercícios, expusemos a importância do resgate consciente do conhe-
cimento prévio para uma compreensão mais efetiva dos textos.

AVALIAÇÃO

Leia o texto abaixo:

THE HISTORY OF CHOCOLATE

Centuries ago, the product was a bitter mixture drank by the Mayans and Aztecs

Delicious, delectable, soothing and American. Chocolate was a New World


discovery, one of the most sought-after treasures brought back to Europe from
the brave new land across the Atlantic.
Cacao, from which chocolate is created, is said to have originated in the
Amazon at least 4,000 years ago. The cacao tree was worshipped by the Mayan
civilization, who believed it to be of divine origin. Cacao is actually a Mayan word
meaning “God Food”, hence the tree’s modern generic Latin name Theobroma
cacao, meaning “Food of the Gods”. The word Cacao was corrupted into the more
familiar “Cocoa” by the early European explorers. The ancient Maya brewed a
spicy, bittersweet drink by roasting and grinding the seeds of cocoa beans with
maize and chili and letting the mixture ferment. This drink was reserved for use
in ceremonies as well as for drinking by the wealthy and religious elite.
The Aztecs of Central Mexico attributed the creation of the cacao beans to their
god Quetzalcoatl who, as the legend goes, descended from heaven on a beam of a
morning star carrying a cacao tree stolen from paradise. In fact, the Aztecs valued
the beans so much that they used them as currency: a hundred beans bought a
turkey or a slave, and taxes were paid in cocoa beans to Aztec emperors.
They prized Xocolatl well above gold and silver so much so that when
Montezuma was defeated by Cortez in 1519 and the victorious “conquistadors”
searched his palace for the Aztec treasury expecting to find gold and silver, all

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 20


they found were huge quantities of cocoa beans. The Aztecs, like the Mayans, also
enjoyed cacao as a beverage fermented from the raw beans, which again featured
prominently in rituals and as a luxury available only to the very wealthy. They
regarded chocolate as an aphrodisiac and their Emperor, Montezuma reputedly
drank it fifty times a day from a golden goblet and is quoted as saying of chocolate:
“The divine drink, which builds up resistance and fights fatigue. A cup of this
precious drink permits a man to walk for a whole day without food”.
Xocolatl or Chocolat or Chocolate, as it became known, was brought to Europe
by Cortez. By this time, the conquistadors had learnt to make the drink more
palatable to European tastes by mixing the ground roasted beans with sugar and
vanilla (a practice still continued today), thus balancing the spicy bitterness of
the brew the Aztecs drank.

Fonte: Adaptado de <http://www.aphrodite-chocolates.co.uk/history-chocolate/>. Acesso em:


19 jul. 2016.

De acordo com o texto, assinale a alternativa correta:

1. Os Astecas explicam a origem do cacau como:


a. Uma criação do deus Quetzalcoatl, que enviou a semente de cacau em um
raio de sol.
b. Uma invenção do Imperador Montezuma, que gostava de beber chocolate
todo dia.
c. Uma invenção dos Maias, que consideravam a própria semente como um
Deus.
d. Uma invenção do deus Quetzalcoatl, que trouxe a semente da Amazônia.
e. Uma criação do deus Quetzalcoatl, que desceu do céu carregando um pé de
cacau que ele havia retirado, sem permissão, do paraíso.

2. Pode-se afirmar que:


a. os Astecas e os Maias apreciavam a bebida feita a partir de cacau fermen-
tado, especialmente durante rituais.
b. S omente os Astecas consideravam o cacau como sendo de origem divina.
c. Somente os Maias usavam o cacau como moeda.
d. Os Maias e os Astecas preparavam chocolate com açúcar.
e. Os europeus aprenderam a apreciar o gosto picante do chocolate.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 21


3. Quando Cortez derrotou Montezuma em 1519, ele esperava:
a. conhecer os segredos da preparação do chocolate.
b. conhecer o palácio real e as plantações de cacau.
c. levar os pés de cacau de volta para a Europa.
d. encontrar metais preciosos no palácio real.
e. encontrar os grãos de cacau afrodisíacos.

4. No trecho “The cacao tree was worshipped by the Mayan civilization, who
believe it to be of divine origin” (2º parágrafo), o pronome “it” se refere:
a. aos Maias.
b. ao pé de cacau.
c. ao ato de adorar.
d. à civilização.
e. à origem divina.

5. Indique a única sentença VERDADEIRA.


a. A expressão “God Food” pode ser traduzida como “Deus do Alimento”.
b. Montezuma, o imperador dos Maias, apreciavam beber Xocolatl muitas vezes
por dia.
c. A melhor tradução para a palavra “beans” é “feijões”.
d. O autor infere que Cortez e seus soldados ficaram desapontados ao encon-
trar cacau no Palácio de Montezuma.
e. Os antigos Maias costumavam comer sementes cruas de cacau para desen-
volver mais resistência e combater a fadiga.

6. Localize no texto as palavras ou expressões equivalentes em inglês a:

a. Agridoce: ............................................................................

b. Disponível: .........................................................................

c. Descoberta: .........................................................................

d. Pelo menos: ........................................................................

e. Cansaço: ..............................................................................

f. Consideravam: ....................................................................

g. Adoravam, veneravam: ....................................................

h. Primeiros, antigos: ............................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 22


Responda às perguntas em Português:

7. Por que Cortez e seus soldados ficaram desapontados quando invadiram o Pa-
lácio de Montezuma? Por que o palácio estava cheio de grãos de cacau?
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

8. Como os antigos Maias preparavam e consumiam o cacau?


................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 23


2 A importância do contexto
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...porque devemos considerar o contexto para interpretar corretamente as


informações de um texto e que é possível usar o cotexto para deduzir o sentido
de algumas palavras desconhecidas.

OBJETIVOS

»»Compreender o que é contexto e cotexto.


»»Perceber a importância do contexto cultural em que o texto foi
produzido.
»»Entender como se pode deduzir o sentido de uma palavra ou ex-
pressão considerando-se o cotexto.
»»Aplicar esse conhecimento teórico na leitura e interpretação de um
texto na língua inglesa.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Como vimos no capítulo anterior, a leitura é um processo não linear, dinâmico


na inter-relação de vários componentes utilizados para o acesso ao sentido, e é
uma atividade essencialmente preditiva, de formulação de hipóteses, para a qual
o leitor precisa utilizar seu conhecimento linguístico, conceitual e sua experiência
(KLEIMAN, 1989). É um processo seletivo, no qual o (bom) leitor usa o seu conhe-
cimento prévio do mundo para levantar hipóteses que são confirmadas, ou não,
durante o desenvolvimento do processo.
A testagem das previsões acaba sendo eficiente devido à redundância existente
na linguagem natural, assim como à capacidade que o leitor tem de fazer as inferências
(deduções) a partir de seu conhecimento prévio. Citando Freire (2001, p. 8):
“a compreensão de um texto vai além do texto em si, englobando também o con-
texto. Essa compreensão se concretiza não no nível da manipulação mecânica das
palavras, mas numa relação dinâmica que envolve língua e realidade.”
Por isso, como você já deve ter percebido, o leitor é parte importantíssima no
processo de leitura de um texto, pois sem ele, o texto não faria sentido.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 24


CONSIDERANDO O CONTEXTO

A língua é uma representação do real e um sistema potencialmente capaz de


gerar significados, os quais somente se realizam no contexto. A construção dos
significados linguísticos é negociada e processual: não pertence isoladamente ao
falante (ou enunciador de qualquer tipo), à gramática da língua, ou ao contexto,
mas surge da relação dinâmica entre esses componentes, validados pela cultura
da comunidade linguística.

Contexto é o “ambiente” ou a “situação” em que está inserida uma informação.


De maneira mais ampla, refere-se à cultura em que a informação foi produzida. Já
o cotexto refere-se ao trecho do texto onde a palavra ou expressão estão inseridas.

Exemplo 1

Imaginemos uma informação do tipo “A velha é inútil.”. Dependendo do con-


texto em que ela foi transmitida, pode ter várias interpretações. Se o contexto
for uma conversa entre marido e mulher, no Brasil, a respeito da mãe dela, que
virá morar com eles, deduzimos que o termo “a velha” refere-se à sogra. Mas
se o contexto é uma conversa em uma oficina de automóveis, no Brasil ou nos
EUA, em que o mecânico está explicando ao dono do carro a razão da troca de
uma peça por uma nova, o termo “a velha” refere-se a uma peça do carro. Você
pode imaginar mil e uma situações (contextos) diferentes em que essa mesma
informação poderá ser interpretada de modos variados. Por isso, sempre devemos
considerar o contexto em que uma informação é dada, até mesmo em conversas
e não somente em textos escritos, pois isso poderá evitar muitos mal-entendidos.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 25


Exemplo 2

O mesmo ocorre se você passar por uma sala e ouvir alguém dizendo: “Temos
que matar a desgraçada!”. Você logo vai achar que se trata de uma trama para
assassinar alguém. No entanto, pode ser que as pessoas estejam falando sobre
uma barata, por exemplo, que estaria perturbando a reunião. Imagine a confusão
gerada se você fosse correndo à polícia denunciar a “quadrilha”. Tudo porque
você ouviu uma informação descontextualizada, isto é, “pegou o bonde andando”,
como popularmente se diz quando alguém ouve uma informação pela metade,
sem o contexto.

Em textos em língua materna ou língua estrangeira pode acontecer de você


deduzir o significado de uma palavra sem considerar o contexto em que ela está
inserida, com consequências bem menos trágicas, é claro, mas com prejuízos
ao entendimento. Portanto, quando se deparar com uma expressão ou palavra
desconhecida, não se esqueça de considerar todo o contexto e o cotexto, antes
mesmo de partir para um dicionário, porque o contexto ajudará, inclusive, na
escolha da opção de significado mais apropriada ao consultar uma palavra com
vários significados.
Tenha sempre em mente que, para se deduzir o sentido de uma palavra ou
expressão que desconhecemos, devemos considerar todas as outras palavras en-
volvidas na frase, ou trecho, que estamos lendo (cotexto). Por isso, precisamos
conhecer, pelo menos, algumas palavras do trecho para, então, deduzir as que
não conhecemos. Mais uma vez, ressaltamos o fato de que é necessário possuir
um vocabulário mínimo na língua inglesa para aplicar essa estratégia.

PARA SABER MAIS

* Livro
Instant Brazilian Portuguese Vocabulary Builder
Autor: Tom Means
Editora: Hippocrene Books
Ano: 2006
Neste livro, Tom Means relaciona 4000 palavras e 24 sufixos, ou terminações,
que podem facilitar muito a sua compreensão de bastantes palavras com radical
cognato em inglês. Deseja visualizar algumas páginas do livro antes de acessá-lo
por completo? Entre no site <http://books.google.com.br/books>. Digite o nome
do livro no campo de busca.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 26


O VOCABULÁRIO DE QUE VOCÊ PRECISA

É fato comum entre os teóricos o reconhecimento de que, para se adquirir


vocabulário é preciso se expor à língua, lendo o máximo de textos possível
(CELCE-MURCIA, 2001). A exposição às mesmas palavras em contextos e textos
diferentes é que lhe dará condições de aumentar cada vez mais o seu vocabulário
na língua inglesa.
Embora as estratégias de leitura existam para suprir eventuais falhas no
conhecimento de vocabulário em inglês, somente elas não dariam conta da inter-
pretação mais profunda de um texto em língua inglesa. Devido a essa constatação,
em alguns capítulos desse livro, estaremos direcionando você a ler outros textos
além dos expostos aqui. Da mesma maneira, esperamos que, por conta própria,
você tome a iniciativa de ler o máximo possível de textos em inglês a fim de
adquirir um vocabulário cada vez maior.
Leia o texto abaixo:

Atividade 1

HOW YOUR CELL PHONE HURTS YOUR RELATIONSHIPS

The mere presence of a phone affects how you relate to others

Most of us are no stranger to this scenario: A group of friends sits down to a


meal together, laughing, swapping stories, and catching up on the news – but not
necessarily with the people in front of them! Nowadays, it’s not unusual to have one’s
phone handy on the table, easily within reach for looking up movie times, checking
e-mails, showing off photos, or taking a call or two. It’s a rare person who doesn’t give
in to a quick glance at the phone every now and then. Today’s multifunctional phones
have become an indispensable lifeline to the rest of the world.
We might expect that the widespread availability of mobile phones boosts
interpersonal connections, by allowing people to stay in touch constantly.
But a recent set of studies by Andrew K. Przybylski and Netta Weinstein of the
University of Essex showed that our phones can hurt our close relationships.
Amazingly, they found that simply having a phone nearby, without even checking
it, can be detrimental to our attempts at interpersonal connection.
Przybylski and Weinstein asked pairs of strangers to discuss a moderately
intimate topic (an interesting event that had occurred to them within the last
month) for 10 minutes. The strangers left their own belongings in a waiting area

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 27


and proceeded to a private booth. Within the booth, they found two chairs facing
each other and, a few feet away, out of their direct line of vision, there was a desk
that held a book and one other item. Unbeknownst to the pair, the key difference
in their interactions would be the second item on the desk. Some pairs engaged
in their discussion with a nondescript cell phone nearby, whereas other pairs
conversed while a pocket notebook lay nearby. After they finished the discussion,
each of the strangers completed questionnaires about the relationship quality
(connectedness) and feelings of closeness they had experienced. The pairs who
chatted in the presence of the cell phone reported lower relationship quality and
less closeness.
Przybylski and Weinstein followed up with a new experiment to see, in which
contexts, the presence of a cell phone matters the most. This time, each pair of
strangers was assigned a casual topic (their thoughts and feelings about plastic
trees) or a meaningful topic (the most important events of the past year) to discuss
– again, either with a cell phone or a notebook nearby. After their 10-minute
discussion, the strangers answered questions about relationship quality, their
feelings of trust, and the empathy they had felt from their discussion partners.
The presence of the cell phone had no effect on relationship quality, trust, and
empathy, but only if the pair discussed the casual topic. In contrast, there were
significant differences if the topic was meaningful. The pairs who conversed with
a cell phone in the vicinity reported that their relationship quality was worse.  The
pairs also reported feeling less trust and thought that their partners showed less
empathy if there was a cell phone present.
Thus, interacting in a neutral environment, without a cell phone nearby, seems
to help foster closeness, connectedness, interpersonal trust, and perceptions of
empathy – the building-blocks of relationships.
Past studies have suggested that because of the many social, instrumental,
and entertainment options phones afford us, they often divert our attention from
our current environment, whether we are speeding down a highway or sitting
through a meeting. The new research suggests that cell phones may serve as a
reminder of the wider network to which we could connect, inhibiting our ability
to connect with the people right next to us. Cell phone usage may even reduce
our social consciousness.
Perhaps it would be going too far to prepare for important conversations by
throwing your cell phone into the closet, or leaving it in the car on first dates. But
if you are spending the day with people you really care about, you might want to
reconsider the next time you reach for your phone to reply to a text message or
check sports scores. Just having that phone nearby is bad enough.

Fonte: <http://www.scientificamerican.com/article/how-your-cell-phone-hurts-your-
relationships/>. Acesso em: 19 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 28


Baseado no contexto tecnológico em que vivemos hoje em dia, e de acordo
com o texto acima, responda:

1. Como o celular pode afetar as relações pessoais?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Os notebooks têm o mesmo efeito que os celulares nas relações pessoais?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Quais são as sugestões da autora para melhorar as relações com as pessoas com
quem você se importa?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PARA SABER MAIS


* Livros
As palavras mais comuns da língua inglesa
Autor: Rubens Queirós de Almeida
Editora Novatec
Ano: 2003
O livro contém as palavras mais frequentemente utilizadas na língua inglesa. É interessante tentar
conhecer aos poucos cada uma delas já que elas estão sempre sendo usadas em textos em inglês.

Inglês na ponta da língua. Método inovador para melhorar seu vocabulário


Autor: Denilso de Lima
Editora: Elsevier
Ano: 2004
Livro sobre como usar a combinação de palavras para entender melhor o inglês. O autor também
dá outras sugestões para melhorar o seu vocabulário.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 29


PARA SABER MAIS

* Site
<http://www.stories.org.br>
Ótimo site contendo narrativas em inglês e a tradução lado a lado. Uma boa maneira de aumentar o
seu vocabulário e de ler histórias interessantes.

Atividade 2

Sem consultar um dicionário, tente deduzir a partir do contexto e comente


o significado da palavra meaningful no trecho que se segue retirado do texto an-
terior. Observe que seu sentido se opõe (in contrast) ao da palavra casual, então a
dedução fica bem fácil.

The presence of the cell phone had no effect on relationship quality, trust,
and empathy, but only if the pair discussed a casual topic. In contrast, there were
significant differences if the topic was meaningful.

.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Gostaríamos de chamar a sua atenção para o fato de que, em uma língua


qualquer, as palavras não vêm sozinhas. Na maioria das vezes, elas vêm aos pa-
res, ou em grupos, formando um só significado. Esse fenômeno é chamado de
colocados (collocations em inglês), que quer dizer agrupamento (LEWIS, 1993). Ter
essa noção é importantíssimo para se ler um texto na língua, pois os alunos, em
geral, se preocupam demais com as palavras isoladas, quando deveriam perceber
que a nossa compreensão não se dá palavra por palavra, mas, sim, por grupos de
palavras (NUTTALL, 1998).

RESUMO DA AULA

Nesta aula aprendemos que o contexto e o cotexto são essenciais para


interpretarmos qualquer texto. Vimos também que é possível deduzir uma
palavra ou expressão que não sabemos considerando outras que estão ao redor

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 30


dela (cotexto). Para isso, precisamos ter um vocabulário básico mínimo em inglês
e podemos conseguir isso lendo textos na internet, por exemplo.

AVALIAÇÃO

Leia o texto abaixo e responda às questões:

ADVANCED MECHANICAL HORSE BUILT FOR THERAPY

While hippotherapy works to improve the quality of life for children and
adults with physical and mental impairments through riding a horse, just getting
some patients onto the horse can be a major obstacle. But now, Baylor University
researchers have built a custom mechanical horse to help those with physical and
mental impairments get the same benefit from hippotherapy without having to
actually get on to a horse.
“Our vision is that the mechanical horse can provide better access and can act
as a complementary tool to actual therapeutic horse riding,” said Dr. Brian Garner,
associate professor of mechanical engineering at Baylor and a biomechanics
expert. “If the patient is afraid of horses or it may not be safe for the patient to
ride a horse, the mechanical horse can act as stepping stone to build the patient
up to a level of stability so they can get onto a live horse.”
Garner said hippotherapy is unique and valuable as a therapeutic tool
because it produces three-dimensional rhythmic, repetitive movements, which
preliminary research has shown simulates the movements of the human pelvis
while walking. The movements promote many physical benefits like increased
circulation, development of balance and improved coordination among many
others. Therapeutic riding can help children and adults with various impairments
or delays in development, including those with cerebral palsy, spina bifida, Down
syndrome and autism.
Baylor’s prototype mechanical horse mimics a real horse by using a three-
dimensional system. The stationary device with a moving saddle surface can
move in virtually all directions in a cycling pattern, putting the body through a
complex of movements just like real hippotherapy. To make sure the mechanical
horse replicates as precisely as possible the movements of an actual horse, Baylor
engineering students took video-motion photography of several real horses
walking and used that data to create the mechanical horses’ movement patterns.
Garner and his research team will now conduct additional research using the
horse, studying the biomechanics of hippotherapy.

Fonte: <http://www.sciencedaily.com/releases/2009/05/090507184757.htm>. Acesso em: 19 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 31


1. O que é hipoterapia?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. O que o texto defende como sendo uma alternativa para o uso de animais no
tratamento de pessoas com problemas físicos ou mentais?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Em que aspectos o aparelho descrito no texto e o cavalo real se assemelham?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. Qual é a principal diferença entre o aparelho e o cavalo de verdade? Por que


isso representa uma vantagem para o aparelho?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

5. A que se refere a palavra horse no último parágrafo? Como você deduziu isso?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 32


3 Estratégias de leitura
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...o que são estratégias de leitura, quais são as mais utilizadas e sua importân-
cia durante a leitura de um texto em inglês.

OBJETIVOS

»»Conhecer e compreender diferentes estratégias de leitura.


»»Entender a importância da utilização de diferentes estratégias de
leitura dependendo das necessidades do leitor e do gênero textual
envolvido.
»»Perceber a leitura como atividade consciente que envolve diversas
habilidades e conhecimentos do leitor.
»»Aplicar o conhecimento teórico às práticas de leitura e escrita.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

De acordo com Solé (1998), as estratégias de leitura são ações (conscientes ou


inconscientes) que envolvem os aspectos cognitivo e meta-cognitivo da aprendiza-
gem, sendo adotadas pelo leitor para controlar e regular nossa atuação inteligente
em relação ao texto proposto. Em outras palavras, as estratégias de leitura podem
ser entendidas como as diferentes maneiras utilizadas pelos leitores para resolver
os problemas presentes nos textos durante o ato da leitura. Isso quer dizer que
todos nós utilizamos algum tipo de estratégia a fim de solucionar as questões
propostas nos textos escritos.
Para alguns estudiosos, toda e cada diferente solução encontrada pelos
leitores pode receber o nome de estratégia, seja ler o texto em voz alta, tentar
adivinhar o sentido de uma palavra usando o contexto ou até mesmo procurar
uma palavra no dicionário.
Uma vez que tais procedimentos visam à otimização da leitura e à redução
do tempo dispendido no processo, é essencial que o emprego das estratégias seja
fruto de reflexão e conscientização do leitor. Caso não sejam utilizadas de maneira
consciente, é bem possível que você se esqueça de estratégias que já se mostraram
eficazes ou tenda a repetir procedimentos não tão efetivos que foram aplicados
em outras situações.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 33


Isso implica na necessidade de se “ensinar” algumas estratégias, principal-
mente aquelas utilizadas pelos bons leitores. A partir de agora, você verá três das
principais estratégias de leitura.

SKIMMING

É uma estratégia de leitura em que se busca obter uma visão geral do texto.
É uma leitura rápida, que requer certa atenção aos cognatos, às palavras repetidas,
ao layout do texto, à distribuição dos parágrafos, às marcas tipográficas, sem
grandes preocupações com as palavras desconhecidas.
Trata-se de uma atividade mais completa, que exige uma visão geral do texto
e supõe uma leitura com entendimento global (GRELLET, 1981). Esse tipo de lei-
tura nos remete a uma visão panorâmica do texto através dos pontos principais,
deixando de lado o que não é relevante.
Para processar essa habilidade, o leitor deve ativar seu conhecimento de
mundo e levantar hipóteses sobre o conteúdo do texto.
Antes de lermos um texto sobre Adoção, vamos levantar algumas hipóteses
sobre o tema.

Atividade 1

1. O que você sabe sobre adoção?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Você conhece alguém que foi adotado?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 34


3. Qual a sua opinião sobre o assunto?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. Agora, utilizando o skimming, leia as cinco perguntas abaixo e relacione-as ao


fragmento do quadro seguinte que melhor corresponde ao seu conteúdo:
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

ADOPTION

1. How long do children wait to be adopted?


2. Can adoptive mothers breastfeed their babies?
3. What is open adoption?
4. How can my parents adopt my friend?
5. What effects does adoption have on a child? A parent?
In many cases, adoptive mothers have
had great success with breastfeeding, but
preparation needs to begin as far in advance
of placement as possible. For information,
support and resources, please visit our Adoptive
Breastfeeding site.
This depends on a variety of factors such as
age, location, & needs. It may be immediately
(as in the case of a mother placing her child
for adoption) or never. A child may grow up in
foster care or an orphanage without ever being
adopted.
If your friend is having problems with her/his
family, the best solution is to talk to their/his/
her parents, an older relative, a clergy person, or
a school counselor.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 35


Open adoption is an adoption that allows
for an ongoing relationship among the birth
family, adoptive family, and adoptee. Fully
open adoptions can often include extended
family members such as birth grandparents and
siblings. There are several degrees of openness,
and often, these are erroneously referred to as
“open” adoption; however, they are actually less
than fully open and range from an exchange of
names between placing and adopting parents, to
regular exchanges of letters and photos, either
directly or through a third party.
The effects of adoption on children and parents
(both adoptive and birth) can be generally
grouped into seven areas: loss, rejection, guilt and
shame, grief, identity, intimacy, and mastery/
control. To learn more about these issues and
how they affect each group, we recommend
starting by reading “Lifelong Issues in Adoption”
and then visiting our online Adoption Products
for books on the emotional impact of adoption.

Fonte: <http://adoption.com/how-to-adopt-a-child-guide >. Acesso em: 19 jul. 2016.

Atividade 2

Leia os parágrafos a seguir e ligue-os aos seus respectivos subtítulos.

1. Listen carefully
2. Look for compromise
3. Ask for help if you need it

4. Try to see their point of view


5. Don’t give up
6. Respond to criticism with empathy
7. Stay focused

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 36


HOW TO IMPROVE YOUR RELATIONSHIPS WITH
EFFECTIVE COMMUNICATION SKILLS

Conflict in a relationship is virtually inevitable. In itself, conflict isn’t a


problem; how it’s handled, however, can bring people together or tear them
apart. Poor communication skills, disagreements and misunderstandings can be
a source of anger and distance, or a springboard to a stronger relationship and
happier future. Next time you’re dealing with conflict, keep these tips on effective
communication skills in mind and you can create a more positive outcome.

a. ............................................................................ Sometimes it’s tempting to bring up


past seemingly related conflicts when dealing with current ones. Unfortunately,
this often clouds the issue and makes finding mutual understanding and a solution
to the current issue less likely, and makes the whole discussion more taxing and
even confusing. Try not to bring up past hurts or other topics. Stay focused on the
present, your feelings, understanding one another and finding a solution.

b. ............................................................................ People often think they’re listening,


but are really thinking about what they’re going to say next when the other person
stops talking. Truly effective communication goes both ways. While it might be
difficult, try really listening to what your partner is saying. Don’t interrupt. Don’t
get defensive. Just hear them and reflect back what they’re saying so they know
you’ve heard. Then you’ll understand them better and they’ll be more willing to
listen to you.

c. ............................................... In a conflict, most of us primarily want to feel heard


and understood. We talk a lot about our point of view to get the other person to
see things our way. Ironically, if we all do this all the time, there’s little focus on
the other person’s point of view, and nobody feels understood. Try to really see
the other side, and then you can better explain yours. (If you don’t ‘get it’, ask
more questions until you do.) Others will more likely be willing to listen if they
feel heard.

d. ............................................................................ When someone comes at you with


criticism, it’s easy to feel that they’re wrong, and get defensive. While criticism is
hard to hear, and often exaggerated or colored by the other person’s emotions,
it’s important to listen for the other person’s pain and respond with empathy
for their feelings. Also, look for what’s true in what they’re saying; that can be
valuable information for you.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 37


e. ........................................................................... Instead of trying to ‘win’ the
argument, look for solutions that meet everybody’s needs. Either through
compromise or a new solution that gives you both what you want most, this focus
is much more effective than one person getting what they want at the other’s
expense. Healthy communication involves finding a resolution that both sides
can be happy with.

f. ............................................................................ while taking a break from the


discussion is sometimes a good idea, always come back to it. If you both approach
the situation with a constructive attitude, mutual respect, and a willingness to
see the other’s point of view or at least find a solution, you can make progress
toward the goal of a resolution to the conflict. Unless it’s time to give up on the
relationship, don’t give up on communication.

g. ..................................................................... If one or both of you has trouble staying


respectful during conflict, or if you’ve tried resolving conflict with your partner
on your own and the situation just doesn’t seem to be improving, you might
benefit from a few sessions with a therapist. Couples counseling or family therapy
can provide help with altercations and teach skills to resolve future conflict. If
your partner doesn’t want to go, you can still often benefit from going alone.

Fonte: <https://www.verywell.com/managing-conflict-in-relationships-communication-
tips-3144967>. Acesso em: 19 jul. 2016.

SCANNING

Scanning é um termo usado na informática e que todos nós conhecemos.


Escanear é a adaptação de uma palavra inglesa para o português. No entanto, como
escanear, em informática, é copiar um texto ou imagem através de um scanner
para o computador, isso pode dar uma ideia errada do que seja a estratégia.
Nesse caso, seria melhor compreender como se dá o escaneamento para
entender o que essa palavra tem a ver com uma estratégia de leitura de textos.
Em inglês, scan significa esquadrinhar, perscrutar, examinar atentamente,
alcançar com a visão.
É isso que o scanner faz para copiar um texto ou figura para o computador:
ele esquadrinha, faz uma varredura no texto todo primeiro antes de transferir o
seu conteúdo para o computador. Ao usar a estratégia de scanning, é exatamente
isso o que fazemos: examinamos, esquadrinhamos o texto para encontrar alguma
informação específica.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 38


Você se lembra dos filmes “O exterminador do futuro” ou “Robocop”? Os
personagens-máquinas eram computadorizados e, toda vez que procuravam algo
ou alguém, a imagem que aparecia para nós era a de um scanner esquadrinhando
minuciosamente a cena até encontrar o alvo, parando e sinalizando que o achou.
É exatamente assim que nosso cérebro funciona quando está à procura de uma
palavra-chave, por exemplo: quando a encontramos, paramos de procurar e
lemos essa palavra (assim como a informação que está ao seu redor).
Essa é uma estratégia que também nos poupa tempo no caso de uma prova.
Ela é especialmente útil para encontrarmos informações específicas contidas em
enunciados, por exemplo, usando as palavras-chave da questão e procurando-as,
sem precisarmos ler o texto todo para isso. Por isso, uma boa dica é ler as questões
antes de ler o texto, porque, ao fazer isso, ficamos mais atentos a informações
específicas contidas nas questões da prova e ignoramos informações que não são
relevantes, ganhando, assim, mais tempo.

PALAVRAS-CHAVE

Chamamos de palavras-chave todas aquelas palavras que têm relação direta


com o tema central do texto e que, se não soubermos o seu significado, poderemos
ficar sem entender a ideia central.

PALAVRAS REPETIDAS

Muitas vezes, observamos, ao passar os olhos rapidamente por um texto, que


algumas palavras se repetem ao longo dele. Esse fato já é uma poderosa dica de que
elas são palavras-chave relacionadas ao tema principal do texto. Essa repetição
acaba se constituindo em uma marca tipográfica, já que podemos percebê-la sem
precisar ler todo o texto, tendo uma ideia do tema central logo desde o primeiro
contato. Por isso, fique atento a essas palavras e, se souber o seu significado, você
já poderá ter uma ideia do que trata o texto que está para ler.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 39


Leia o texto a seguir:

Atividade 3

ECOTOURISM: HOW COMMUNITY TOURISM


SAFEGUARDS PRISTINE PLACES

Community based tourism refers to situations in which local people – usually


those that are poor or economically marginalized in very rural parts of the world
– open up their homes and communities to visitors seeking sustainably achieved
cultural, educational or recreational travel experiences.
Under a community-based tourism arrangement, unique benefits accrue to
both the traveler and the hosts: Travelers usually accustomed to chain hotels and
beachfront resorts discover local habitats and wildlife and learn about traditional
cultures and the economic realities of life in developing countries. And the host
communities are able to generate lucrative revenues that can replace income
previously earned from destructive resource extraction operations or other
unsustainable forms of economic support.
Locals earn income as land managers, entrepreneurs or food and service
provider - and at least part of the tourist income is set aside for projects which
provide benefits to the community as a whole. And just as important, says
ResponsibleTravel.com, which promotes community based tourism in a
partnership with Conservation International, the communities become “aware
of the commercial and social value placed on their natural and cultural heritage
through tourism,” thus fostering a commitment to resource conservation.
Travelers indulging in a community based tourism trip might follow a local
guide deep into his tribe’s forest to spot other worldly wildlife, eat exotic regional
delicacies around rough-hewn tables, watch and even take part in celebrations of
local culture, and sleep on straw mats at the homes of local families.

Fonte: <https://www.scientificamerican.com/article/ecotourism-safeguards-pristine-places/>.
Acesso em: 19 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 40


Utilizando a estratégia de scanning, vamos tentar encontrar a definição da
expressão community based tourism?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

Assinalamos no texto onde as palavras turismo comunitário aparecem. Essas são


as partes em que seus olhos devem parar quando estiver usando o scanning para
procurar a definição de turismo comunitário.
Você faz uma varredura no texto, para nas palavras Community based tourism
do primeiro parágrafo e lê o trecho ao redor dessas palavras (cotexto) para saber
o que o texto declara sobre elas.
Com isso, você descobre que: turismo de base comunitária se refere a situações
em que as pessoas locais – geralmente aqueles que são pobres ou economicamente
marginalizados em zonas rurais do mundo – abrem suas casas e comunidades para os
visitantes que procuram experiências de viagem culturais, educacionais e recreacio-
nais geradas de maneira sustentável. O restante do texto você nem lê, porque não lhe
interessa no momento.

Atividade 4

Agora, encontre palavras que se repetem no texto e que têm relação com o
turismo comunitário:

a. .......................................................................
b. .......................................................................
c. .......................................................................
d. .......................................................................
e. .......................................................................

Usando a estratégia de scanning, você percebe que as seguintes palavras se


repetem ao longo do texto: community/communities; based; tourism/tourist; travel/
traveler; culture/cultural.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 41


Note que, sem saber o significado dessas palavras, fica difícil entender o texto,
porque todas elas se relacionam diretamente com o tema tratado. Se você não sou-
ber o seu significado, esse é o momento de tentar deduzi-las pelo contexto ou, se
não conseguir, consultar um dicionário e verificar o que elas significam.

Leia o texto abaixo e utilize a estratégia de scanning para responder às questões:

Atividade 5

5 COMMON COMPUTER MISTAKES TO AVOID

Mistake #1: Clicking on Advertisements


This isn’t the case for all ads, of course. Clicking on the ads of reputable
companies won’t damage your computer and might provide you with some useful
products or information. It’s the really awesome-sounding ones that might. So
the next time you’re tempted to click on an ad that promises an easy way to lose
20 pounds in 2 days, think twice!
Mistake #2: Visiting Dark Corners of the Internet
The best advice I have for this problem is to use websites you know can be
trusted; and if you must venture out into the wild west of the Internet, I suggest
using Google to see whether you can find any reviews for a specific website. Just
try typing the website in question into the Google search box, followed by some of
the following words: “security,” “reviews,” and “problems.” If there is a problem
with the website, you will see some startling results appear very quickly!
Mistake #3: Opening Email from Someone You Don’t Know
Opening email from someone you don’t know can have very harmful
consequences. Watch out for very generic subject lines on an email, such as “Hey,
I thought you might like this!” or “Check out these awesome pictures!” And never,
EVER click on a link in an email. Copy and paste right into your browser instead.
Mistake #4: Using Weak Passwords
My advice is to use a strong password of 8 or more characters and change it
up a little bit for every different account you have online. Having a weak password
while surfing the net can leave you high and dry when someone has access to all
of your files!

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 42


Mistake #5: Not Using an Antivirus
The remedy here is to make sure you have an updated antivirus! The key
word here is “updated.” It does you no good to have an antivirus that hasn’t been
updated for a year; that’s like trying to catch a fish with a net full of holes.

Fonte: Adaptado de <http://www.quickanddirtytips.com/tech/computers/5-common-computer-


mistakes-avoid>. Acesso em: 19 jul. 2016.

1. Quais são as sugestões do texto para se criar uma senha segura?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. O que devemos observar cuidadosamente antes de abrir um e-mail de um


desconhecido?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. O que é importante observar com relação aos antivírus?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. O que devemos fazer com relação aos anúncios na internet?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 43


PREDICTING

Como vimos no capítulo sobre conhecimento prévio, a leitura de um texto re-


quer a participação ativa do leitor, ou seja, quando lemos, estamos estabelecendo
relações entre os nossos conhecimentos e as novas informações presentes no texto.
Assim, ao prever o assunto de um texto, por exemplo, você está atuando como
sujeito no processo de compreensão, posicionando-se de maneira ativa na leitura.
É como se estivéssemos assistindo a um filme! Você já prestou atenção ao fato
de que, a todo o momento, estamos tentando prever o que vai acontecer nas próxi-
mas cenas do filme, procurando evidências para tecer uma teoria que solucione o
mistério ou desvendando a narrativa para antever o destino final dos personagens
da história? Da mesma maneira, ao lermos um texto, também fazemos previsões a
respeito de palavras, frases ou parágrafos que estão por vir.
Como são feitas as previsões? Para Araújo (2010, p. 19), quando inferimos o
conteúdo de um texto utilizamos, além do conhecimento prévio sobre o tema, o
contexto semântico (palavras de um mesmo grupo, por exemplo: hospital, nurse,
doctor, ambulance), o contexto linguístico (pistas gramaticais), o contexto não
linguístico (gravuras, gráficos, tabelas, números, etc.) e o conhecimento sobre a
estrutura do texto (layout, título, subtítulo, divisão de parágrafos, etc.).
Fazer previsões constitui um importante exercício durante a leitura, porque
é por meio dele que o leitor estabelece uma conexão com o que já foi lido e os
acontecimentos que virão a seguir, e essa conexão ajudará o leitor a construir
sentidos para o que lê.
Mas será que sempre fazemos previsões que se confirmam? Nem sempre!
Apesar disso, devemos ter em mente que, caso não tenhamos acertado em alguma
previsão, não quer dizer que previmos mal, mas que pensamos apenas em uma
dentre as várias possíveis interpretações que o texto proporciona aos leitores.
Por esse motivo, o leitor deve tentar fazer previsões durante todo o processo
da leitura, já que, assim, ele consegue organizar melhor seus pensamentos a cada
informação adquirida, utilizando-a para formular novas previsões.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 44


Exemplo 2

Observe a imagem a seguir:

Fonte: <http://www.smashingmagazine.com/2008/04/14/excellent-book-covers-and-
paperbacks/>. Acesso em: 19 jul. 2016.

Imagine que você está em uma livraria e a capa de um livro chama a sua atenção.
Então, você começa a tentar inferir o conteúdo do livro a partir de elementos visuais
tais como o título, a fonte, as cores, etc. Escreva as previsões que podem ser extraídas
a partir dessa capa.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 45


Atividade 6

Agora é com você! Observe o texto a seguir e escreva as previsões que puder
extrair dele.

Fonte: <http://www.smashingmagazine.com/2008/04/14/excellent-book-covers-and-
paperbacks/>. Acesso em: 19 jul. 2016.

.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 46


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Lembre-se de que a atitude correta diante de um texto em língua inglesa é


essencial para entendê-lo: levar em conta sempre o que já sabemos e não nos deixar
desanimar pelo que ainda não sabemos. Nesse ponto, nunca é demais ressaltar que
as pessoas sabem mais palavras na língua inglesa do que imaginam, já que a expo-
sição ao inglês nestes tempos de globalização é enorme, portanto, não se subestime
com relação ao seu conhecimento.
Também é importante esclarecer que as estratégias devem ser utilizadas de
acordo com variáveis como, por exemplo, o propósito da sua leitura que, pode ser,
desde uma simples curiosidade por determinada informação, como a necessidade de
compreensão de um texto em uma prova de concurso. Da mesma forma, escolhemos
a melhor estratégia dependendo do gênero discursivo ao qual o texto pertence, ou
seja, podemos empregar o scanning para encontrar informações pontuais a respeito
de um convite para um concerto musical e fazer um skimming na leitura de um
e-mail e determinar sua relevância.

RESUMO DA AULA

As estratégias de leitura são procedimentos adotados pelos leitores com o


intuito de melhorar a eficácia durante o ato da leitura. São inúmeras as estratégias
que podem ser utilizadas, dependendo dos objetivos propostos com a leitura ou
do gênero do texto em questão. Quanto mais estratégias o leitor tiver em seu
repertório, maiores serão suas chances de fazer uma leitura eficiente e rápida,
mesmo que o texto esteja escrito em língua estrangeira.

PARA SABER MAIS

* Sites
English Made in Brazil
<http://www.sk.com.br/sk-readl.html>
Neste site, você poderá encontrar textos para praticar as estratégias apre-
sentadas neste capítulo.
Inglês Online
<http://www.inglesonline.com.br/category/compreensao-de-texto/>
Neste endereço, você encontrará pequenos textos com glossário para
ajudá-lo a aumentar o seu vocabulário.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 47


AVALIAÇÃO

Leia o texto a seguir utilizando, dentre as estratégias de leitura aprendidas


neste capítulo, aquelas que forem mais adequadas e responda às perguntas:

ENERGY DRINKS CAUSE IRREVERSIBLY DAMAGED TEETH

A new study has found that energy drinks and sports drinks cause irreversible
damage to teeth, with energy drinks being twice as damaging as sports drinks. A
report recently published in the journal “General Dentistry” found that the high
acidity levels in the drinks erode tooth enamel, the glossy outer layer that protects
the tooth. Lead author Dr Poonam Jain said: “Young adults consume these drinks
assuming that they will improve their sports performance and energy levels and
that they are ‘better’ for them than soda….Most of these patients are shocked to
learn that these drinks are essentially bathing their teeth with acid.” This has led
to an increase in tooth decay and the need for fillings.
The report says 30 to 50 per cent of American teenagers regularly consume
sports and energy drinks, with as many as 62 per cent drinking at least one sports
drink a day. It also says brushing teeth after drinking one of the drinks does
more harm than good as this will spread the acid over the tooth enamel. The
doctors advised people to wait at least an hour before brushing your teeth. Dr
Jennifer Bone of America’s Academy of General Dentistry recommended people
chew sugar-free chewing gum and rinse the mouth with water after drinking the
drinks. She said: “Both tactics increase saliva flow, which naturally helps to return
the acidity levels in the mouth to normal.”

Fonte: <http://www.breakingnewsenglish.com/1205/120507-energy_drinks.html>. Acesso em:


19 jul. 2016.

1. Indique “V” para verdadeiro ou “F” para falso, de acordo com o texto.
a. (  ) As bebidas energéticas causam mais danos aos seus dentes do que as
bebidas isotônicas.
b. (  ) Os ácidos presentes nas bebidas energéticas causam danos ao esmalte
dos nossos dentes.
c. (  ) Um médico disse que os adolescentes sabem sobre os danos que as
bebidas energéticas causam aos dentes.
d. (  ) O artigo contém a informação de que as bebidas energéticas levam as
pessoas a ter mais cáries.
e. (  ) Mais de 50% dos adolescentes americanos bebem, pelo menos, uma
bebida isotônica por dia.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 48


f. (  ) Um médico aconselhou a escovar os dentes logo após tomar bebida
isotônica.
g. (  ) Um outro médico recomendou mascar qualquer tipo de chiclete.
h. (  ) Enxaguar a boca com água ajuda a manter os níveis de acidez da boca.

2. Encontre no texto um sinônimo, em inglês, para:


a. irreparable: ..................................................................
b. young adults: ...............................................................

3. De acordo com o texto, responda:


a. Qual o significado da expressão “twice as damaging”?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

b. Em que as pessoas acreditam quando tomam bebidas energéticas?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

c. Por que o Dr. Bone recomenda goma de mascar depois de beber essas bebidas?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 49


4 Estrutura Verbal da língua inglesa

VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...como se apresenta a estrutura sintática das orações da língua inglesa. Também


verá os verbos modais e auxiliares e os tempos verbais mais usados nessa língua.

OBJETIVOS

»»Conhecer como se apresenta a estrutura sintática de uma oração


na língua inglesa.
»»Perceber, a partir do verbo ou grupo verbal, o sujeito, os comple-
mentos e as circunstâncias de uma oração.
»»Entender o uso e o significado dos tempos verbais na língua inglesa.
»»Interpretar corretamente os verbos auxiliares modais na língua
inglesa.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Você já percebeu que em qualquer texto formado por orações há sempre


alguém (quem) fazendo alguma coisa (o quê) dentro de alguma circunstância?
Por isso, torna-se importante sabermos identificar esses componentes nas ora-
ções para podermos compreender do que trata um texto. Cada língua tem sua
estrutura sintática, isto é, as posições, dentro da oração, do sujeito, do verbo com
seus complementos e dos advérbios. Por isso, é importante conhecer a estrutura
sintática da língua inglesa.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 50


A estrutura sintática das orações em inglês é semelhante à do português:

sujeito + verbo (e complemento) + circunstâncias

Essa formulação pode ser simplificada da seguinte maneira:

Quem? + O quê? + Como?/Quando?/Onde?/Por quê?

Uma oração em inglês (e também em português) possui alguém ou algo (Quem)


que faz ou sofre alguma coisa (O quê) em uma determinada circunstância (Como/
Quando/Onde/Por quê). Por exemplo:

John eats a sandwich everyday. (John come um sanduíche todo dia).

Quem? = John

O quê? = eats a sandwich

Quando? = everyday

Diferentemente do que acontece no português, a ordem dos elementos desta


estrutura é mais ou menos fixa em inglês. Nossa língua permite muitas inversões
e nunca se pode garantir que esses três termos venham sempre na ordem direta,
isto é, Quem + O quê + Como/Quando/Onde/Por quê.

Exemplo 1

Todo dia, John come um sanduíche.

Come um sanduíche todo dia o John.

Um sanduíche John come todo dia.

Um sanduíche todo dia John come.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 51


Em inglês, a única alternativa possível para esta frase na ordem direta e,
(mesmo assim, não é muito usada) seria:

Every day, John eats a sandwich.

Existem outras posições para algumas circunstâncias de tempo (Quando) em


inglês e veremos alguns desses exemplos mais adiante. Cremos que você deve
estar percebendo que, pelo fato de o inglês não ser tão flexível quanto a nossa
língua, fica mais fácil descobrir esses três elementos essenciais de uma oração na
língua inglesa.
Nas frases afirmativas, como a do exemplo anterior, Quem vem sempre antes
de O quê e Como/Quando/Onde/Por quê vêm geralmente por último, podendo vir
também no início. Já que Quem e O quê vêm sempre na mesma ordem, mesmo que
as circunstâncias (Como/Quando/Onde/Por quê) venham deslocadas, fica mais fácil
descobri-las, porque serão as que restarem depois de identificados o sujeito (Quem)
e o verbo com seu complemento - se for um verbo transitivo - (O quê).

Observe as circunstâncias de tempo (em negrito) em posições variadas:

Exemplo 2

The girls always come to school.


(As meninas sempre vêm para a escola.)

This bus is never early. (Este ônibus nunca está adiantado.)

Sometimes, I go to the movies. (Às vezes, eu vou ao cinema.)

I sometimes go to the movies. (Eu, às vezes, vou ao cinema.)

I go to the movies sometimes. (Eu vou ao cinema às vezes.)

Sometimes é o único advérbio (circunstância) em inglês que pode aparecer em


tantas posições dentro da oração, mas é uma exceção.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 52


Atividade 1

1. Vamos tentar encontrar nos próximos exemplos Quem e O quê?

a. The girls always come to school.

..................................................................................................................

b. This bus is never early.

..................................................................................................................

c. I often go to the movies.

..................................................................................................................

VERBOS E GRUPOS VERBAIS EM INGLÊS

Depois dos substantivos, os verbos são a segunda categoria de palavras mais


importante em uma oração. Os verbos fazem parte do O quê na estrutura oracional.
Sempre existirá algo ou alguém fazendo alguma coisa. Isso pode ser chamado de
processo, ou ação (embora nem todos os verbos representem uma ação, como no
caso dos verbos de ligação, por isso, processo é um termo mais adequado). Em inglês,
existem grupos verbais, como em português (verbo auxiliar + verbo principal).

Exemplo 3

Dolphins can swim very fast.


(Golfinhos podem nadar muito rápido.)

O verbo can é o auxiliar e o verbo swim é o principal. Nas frases afirmativas,


em inglês, o verbo vem sempre depois do sujeito (Quem) e logo após vem seu
complemento, se houver (esses dois juntos são O quê).
No entanto, em inglês, nas frases interrogativas, o verbo auxiliar vem antes do
sujeito e o verbo principal vem depois do sujeito e logo após o seu complemento
(O quê), se houver.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 53


Observe os verbos auxiliares em negrito e os principais sublinhados (O quê);
o sujeito (Quem) está em itálico:

Exemplo 4

Can you do me a favour? (Você pode me fazer um favor?)

Do you know Paris? (Você conhece Paris?)

Did they see the robbering? (Eles viram o assalto?)

Is Bob a nice man? (Bob é um homem legal?)

Will inflation rise next year?


(A inflação subirá no próximo ano?)

Were you sick last week?


(Você estava doente na semana passada?)

Would Julian give me a present on my birthday?


(Julian me daria um presente no meu aniversário?)

Note que o verbo be, por ser um verbo de ligação e irregular, pode ter a função
de auxiliar ou de principal.
Os auxiliares do, does, did, would e will indicam, respectivamente, o tempo pre-
sente, passado, futuro do pretérito e futuro do presente. Os auxiliares do e did são
usados em interrogativas e negativas.
As frases negativas em inglês também possuem estrutura peculiar: a partícula
not (advérbio de negação) vem sempre logo depois do verbo auxiliar e pode ser
contraída em textos informais. A estrutura é basicamente igual à frase afirmativa,
com exceção do acréscimo de not depois do auxiliar.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 54


Exemplo 5

Observe:

Frank isn´t happy with his salary.


(Frank não está feliz com o seu salário.)

Dylan did not come to my party.


(Dylan não veio à minha festa.)

Sue can´t pay for this apartment.


(Sue não pode pagar por este apartamento.)

They will not vote for that dishonest man.


(Eles não votarão neste homem desonesto.)

Atividade 2

Leia o texto a seguir e responda às questões:

MINERALS

Do you remember the last time you picked up a pebble? Maybe it was as clear
as glass. Minerals formed the colors and patterns in the pebble. A mineral is a
solid, nonliving substance that occurs naturally in rocks or in the ground. Every
mineral has unique properties. Earth’s surface is rock, a solid substance made of
minerals. Rock can be made of many minerals or of one mineral with different-
sized grains.
There are more than 4000 minerals. Many of them look alike. Scientists use
the minerals’ physical properties to tell them apart. For example, scientists can
compare the hardness of two minerals by how easily they can be scratched.
Gypsum and calcite can look alike, but gypsum is easier to scratch than calcite.
The way a mineral reflects light is its luster. Two minerals may be the same
color, but one may have a shiny luster and the other a dull luster.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 55


When you rub a mineral across a surface, the mineral leaves a streak of powder.
This colored streak can help scientist identify two minerals that look alike.
Minerals have other properties, too. Is the mineral magnetic? What shape
are its crystals? Two minerals might look alike and share some properties, but
they don’t share all properties. Gold and pyrite are both shiny and gold in color.
Pyrite is sometimes called ‘fools gold’ because people have mistaken it for gold.
Gold is much softer than pyrite. Gold leaves a golden streak. Pyrite’s streak is
greenish black.

Fonte: <http://education.jlab.org/reading/minerals_01.htm>. Acesso em: 19 jul. 2016.

1. Qual a definição de mineral segundo o texto?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Quando dois minerais se parecem, como se pode diferenciá-los de acordo com


o texto?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Encontre as frases que estão na forma interrogativa e destaque os verbos au-


xiliares.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 56


4. Em que tempo verbal e em que pessoa (1ª, 2ª ou 3ª) estão esses verbos?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

VERBOS MODAIS

Em inglês, verbos auxiliares modais são verbos que só ocorrem na presença de


outro verbo, não têm passado nem futuro (com exceção de can, que tem passado
e condicional, e de to have que tem todos os tempos verbais).
Devido à alta frequência desses verbos na língua inglesa, o estudo dos verbos
modais torna-se imprescindível para se compreender um texto.
Veja aqui os principais:

Can - Could

– significando habilidade: I can speak English.


(Eu consigo falar inglês.)

– significando permissão: Can I smoke here?


(Posso fumar aqui?)

– significando possibilidade: It can happen to anyone.


(Pode acontecer com qualquer um.)

Obs.: Para possibilidade é sempre melhor usar may e might.

Could pode funcionar como passado ou como futuro do pretérito de can:

– passado: I couldn’t speak English before going to England.


(Eu não sabia falar inglês antes de ir para a Inglaterra.)

– futuro do pretérito: You could have called me.


(Você poderia ter me ligado.)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 57


Obs.: Could também pode ser usado para indicar polidez: Could you sit here,
please? (Poderia sentar aqui, por favor?)

May

– significando permissão: May I smoke here?


(Posso fumar aqui?)

Obs.: Como o can também pode ser usado com essa conotação, a diferença é
que, com may, o pedido fica mais formal.

– significando possibilidade: It may rain today.


(Pode ser que chova hoje.)

Obs.: Quando temos certeza de algo que acontecerá no futuro, usamos o modal
will sem nenhum complemento adverbial de dúvida.

It will be a nice day. (Será um ótimo dia.)

– para expressar um desejo: May all your dreams come true. (Que todos os
seus sonhos se realizem.) Esta ocorrência é restrita a uma linguagem mais formal.

Might

– significando possibilidade remota: It might rain this weekend. (Pode ser que
chova no próximo fim de semana.)

Obs.: Na prática, não existe diferença entre may e might, pois ambos indicam
incerteza no futuro enquanto que will, que será explicado a seguir, indica maior
certeza.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 58


Will

Will é o auxiliar para a formação do future simple (futuro do presente).

Obs. 1: Quando fazemos previsões, usamos o modal will. Já quando vamos


falar de uma possibilidade usamos may ou might. Observe os exemplos a seguir:

It will be a great day. (Será um ótimo dia.)

It may be a great day. (Deve ser um ótimo dia)

It might be a great day. (Talvez seja um ótimo dia.)

Obs. 2: Quando falamos sobre planos para o futuro, usamos be going to em vez
de will. No entanto, o futuro intencional (going to) é um tempo verbal mais usado
em situações informais, escritas ou faladas, como o diálogo a seguir:

A: Where are you going to spend your next vacations? (Onde você vai passar
suas próximas férias?)

B: I´m going to travel to Greece. (Vou viajar para a Grécia.)

A: Wow! Who are you going with? (Uau! Com quem você vai?)

B: I´m going by myself. It´s going to be unforgettable! (Vou sozinha. Vai ser
inesquecível!)

Should

– significando conselho, sugestão: You should study more. (Você deveria estudar
mais.)
He shouldn´t have told her the truth. (Ele não deveria ter-lhe contado a verdade.)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 59


Shall
– significando sugestão: Shall we go to the movies? (Que tal irmos ao cinema?/
Vamos ao cinema?) - predominante no inglês britânico.

Obs.: Shall ocorre apenas na primeira pessoa do singular (I) ou do plural (we).

Ought to

Tem o mesmo significado de should, significando conselho: You ought to obey your
parents. (Você deve obedecer a seus pais.)

Obs.: Atenção à estrutura desse modal, pois ele é um dos poucos que tem a
preposição “to” antes do verbo principal.

Must

– significando obrigação: You must stop smoking.


(Você tem que parar de fumar.)
– significando proibição (sempre na negativa): You mustn’t get out of bed. (Você
não pode sair da cama.)
– significando dedução lógica: He has a Ferrari. He must be very rich. (Ele tem
uma Ferrari. Ele deve ser muito rico.)

Have to

Tem o mesmo significado de obrigação de must além de também significar


urgência.

She has to pay her bills. (Ela tem que pagar as suas contas.)
I have to go now. (Tenho que ir agora.)

– Na negativa significa desobrigação.

You don’t have to obey your wife. (Você não tem que obedecer a sua esposa.)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 60


Obs.: Atenção à estrutura desse modal, pois ele é também um dos poucos modais
que tem o “to” antes do verbo principal. Atenção quando ele for usado na 3ª pessoa
do singular do presente simples (has).

Would

Would é também o auxiliar do futuro do pretérito (Condicional).


If you studied more you would get better grades.
(Se você estudasse mais, tiraria notas melhores.)
Would pode também ser usado para expressar formalidade, polidez.
Would you like some more tea, sir?
(O senhor gostaria de um pouco mais de chá, senhor?)

Atividade 3

Volte ao texto anterior, Minerals, e identifique todos os verbos modais presen-


tes. Qual o significado de cada um deles, nas frases em que aparecem, de acordo
com o que você aprendeu nesta seção?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

VERBOS FRASAIS

Além das famosas expressões idiomáticas da língua inglesa, compostas


normalmente por substantivos, temos também outras, compostas por verbos,
chamadas phrasal verbs, ou expressões idiomáticas verbais. Normalmente são
verbos seguidos de uma partícula adverbial, que muda o significado do verbo
sozinho, formando uma só unidade linguística, e que deve ser entendida como
um novo verbo. Não se deve traduzir o verbo e a partícula adverbial isolada-
mente, mas, sim, considerar o conjunto todo como tendo apenas um significado.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 61


Exemplo 6

try on – experimentar uma roupa

She´s in the changing room, trying on a dress.


(Ela está no provador experimentando um vestido.)

call off – cancelar

The game was called off due to the heavy rain.


(O jogo foi cancelado devido à forte chuva.)

break down – parar de funcionar

S usie was going to work when her car broke down. (Susie estava indo ao trabalho
quando seu carro parou de funcionar.)

get over – se recuperar de algum problema

I hope you get over his death soon.


(Espero que você se recupere da morte dele em breve.)

give in – ceder

The two boys fought until one gave in.


(Os dois garotos brigaram até que um deles cedeu.)

give up – parar de, desistir de, abandonar

He gave up football. (Ele desistiu do futebol.)

let down – desapontar alguém

Don´t let me down! (Não me desaponte!)

put off – adiar

Never put off till tomorrow what you can do today.


(Não adie para amanhã o que pode fazer hoje.)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 62


Atividade 4

No texto Minerals, tente deduzir qual o significado do verbo preposicionado


look alike que aparece muitas vezes, especialmente nos parágrafos 3 e 4. Outro
phrasal verb que aparece nesse trecho é tell apart, que significa diferenciar e isso
poderá lhe ajudar a deduzir o significado de look alike. Não se esqueça de usar o
contexto e o seu conhecimento prévio sobre minerais.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRINCIPAIS TEMPOS VERBAIS DA LÍNGUA INGLESA

No texto a seguir, podemos observar vários tempos verbais da língua inglesa.

PEOPLE MOSTLY TO BLAME FOR RECENT GLACIER MELT

Human activity was responsible for two-thirds of glacial melt, which increased
sea levels by 69 millimeters across the world in the past two decades, according
to a newstudy published in Science yesterday.
The rest of the observed glacial melt was due to natural causes. This is the
first time scientists have attributed a certain portion of the glacial melt and the
resulting sea-level rise to humans. As such, the study is a landmark as well as a
preliminary effort; the scientists are just 85 percent confident of their values.
But the reason behind glacier melt has been difficult to resolve. “It seems
so obvious that it is getting warm because of anthropogenic emissions and if it’s
getting warmer, glaciers are melting,” Ben Marzeion, a climate scientist at the
University of Innsbruck in Austria and lead author of the study, said over the
phone. “The problem with that is nobody had shown robustly that these glaciers
are melting because of anthropogenic emissions.”
A major step toward resolving some of the unknowns came last year when
scientists released the Randolph Glacier Inventory of all the glaciers in the world.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 63


The inventory was a huge step forward and was used by the IPCC in its latest
report released last year, Tobias Bolch, a senior glaciologist at the University of
Zurich who helped assemble the inventory, said over the phone.
Marzeion and his colleagues used the inventory to create a model of how
glaciers behave. They then input the results of the glacier model into 12 different
climate models. This allowed the scientists to explore the impacts of climate
change on glacial evolution.
They found that from 1851 to 2010, glaciers contributed 99 millimeters of
global sea-level rise without anthropogenic influence. And with the influence,
glaciers contributed 133 millimeters.

Fonte: <http://www.scientificamerican.com/
search/?q=People+mostly+to+blame+for+recent+glacier+melt>. Acesso em: 19 jul. 2016.

FORMAS NOMINAIS

São assim chamadas porque geralmente funcionam como um substantivo


(nome) ou adjetivo e possuem uma só forma, isto é, não são conjugadas como
verbos, conforme a pessoa (1ª, 2ª ou 3ª) e o tempo (passado, presente ou futuro).
Todos os tempos verbais em inglês derivam do infinitivo sem o “to”.

Infinitivo: com ou sem a partícula “to”: to love (love), to print (print), to run
(run), to delete (delete), to buy (buy), to search (search), to browse (browse), etc.
No texto temos:

Infinitivo com o “to”: to blame, to resolve, to create, to explore


Infinitivo sem o “to”: …who helped assemble the inventory…

Particípio passado: loved, printed, deleted, searched, browsed (a maioria


termina em -ed (para os verbos regulares)), bought, run, came (verbos irregu-
lares, consulte a lista no site sugerido em Para Saber Mais).
No texto temos:

…according to a new study published in Science yesterday.


The rest of the observed glacial melt…
…in its latest report released last year…

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 64


Gerúndio: loving, printing, running, deleting, buying, searching, browsing.
No texto temos:

It is getting warm...

TEMPOS VERBAIS

Presente Simples: usado em orações indicando hábitos no presente, verda-


des universais ou fatos. Formado a partir do infinitivo sem o “to” para todas as
pessoas, exceto para a terceira pessoa do singular, já que é necessário acrescentar
“-s” ou “-es”:

Exemplo 7

This is the first time…


As such, the study is a landmark as well as a preliminary effort; the scientists are just
85 percent confident of their values.
It seems so obvious…
The problem with that is…
...how glaciers behave.

Presente Contínuo: Usado para indicar que uma ação está em progressão,
ocorrendo no instante em que se fala. Formado pelo verbo be no presente simples
mais um verbo principal (infinitivo sem “to”) acrescido de “-ing”.

Exemplo 8

...it is getting warm because of anthropogenic emissions and if it’s getting warmer,
glaciers are melting…
…these glaciers are melting because of anthropogenic emissions.

Passado simples: usado para indicar uma ação iniciada e completada em um


passado específico. Muito comum em narrativas, como é o caso de parte do texto
anterior. Formado acrescentando-se “-ed” ao infinitivo sem o “to” dos verbos
regulares. Para os irregulares, consulte a lista no site sugerido ao final do capítulo.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 65


Exemplo 9

Human activity was responsible for two-thirds of glacial melt, which increased sea
levels by 69 millimeters across the world in the past two decades.
…glacial melt was due to natural causes.
…a climate scientist at the University of Innsbruck in Austria and lead author of the
study, said over the phone.
…came last year when scientists released the Randolph Glacier Inventory of all the
glaciers in the world.
The inventory was a huge step forward…
Tobias Bolch, a senior glaciologist at the University of Zurich who helped assemble
the inventory, said over the phone.
Marzeion and his colleagues used the inventory...
They then input the results of the glacier model into 12 different climate models. This
allowed the scientists…
They found that from 1851 to 2010, glaciers contributed 99 millimeters of global
sea-level rise without anthropogenic influence. And with the influence, glaciers contrib-
uted 133 millimeters.

Passado contínuo: usado para indicar uma ação em progressão no passado.


É formado pelo verbo be no passado simples mais o infinitivo do verbo principal
acrescido de “-ing”.

Exemplo 10

He was talking on the phone when his mother arrived.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 66


Presente Perfeito: este é um dos tempos verbais bastante usados na língua
inglesa e para o qual temos mais de um tempo verbal correspondente em por-
tuguês, dependendo do seu uso. É usado para indicar uma ação ocorrida em um
passado não especificado, ou em um passado muito recente (quando se usa a
circunstância de tempo just) ou em uma ação que começou no passado e continua
até o momento em que se fala/escreve (quando se usa since ou for para indicar um
período de tempo ou o início dele). Sua estrutura é composta de um verbo auxiliar
no presente simples (have/has) e de um verbo principal no particípio passado. De
modo geral, tem o mesmo significado do pretérito perfeito em português, a não ser
que se use alguma circunstância de tempo. Quando ela não é usada ou não estiver
implícita, o grupo verbal have/has + particípio do verbo principal será traduzido
como um verbo só, no pretérito perfeito, como nos exemplos retirados do texto:

…scientists have attributed a certain portion of the glacial melt and the resulting
sea-level rise to humans. (atribuíram)
But the reason behind glacier melt has been difficult to resolve. (foi)

Obs.: Vejamos outros exemplos do presente perfeito com circunstâncias de


tempo:

Exemplo 11

The plane has just landed. (O avião acabou de aterrissar.)


I have been here since two o´clock. (Eu estou aqui desde as duas horas.)
James has stayed in bed for two days. (James ficou de cama por dois dias.)
We´ve lived in this house for 20 years. (Moramos nesta casa faz dois anos.)

Passado Perfeito: usado para indicar que uma ação no passado aconteceu antes
de outra, mais recente, normalmente também no passado. Corresponde ao pretérito
mais que perfeito composto em português. Sua estrutura é formada pelo passado
simples do verbo have (had) mais o particípio passado do verbo principal.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 67


Exemplo 12

…nobody had shown robustly that these glaciers are melting because of anthropogenic
emissions. (ninguém tinha mostrado)
The movie had started when we arrived at the movie theater. (O filme tinha co-
meçado quando chegamos ao cinema.)
When I finally decided to go out with Katie she had already gone home. (Quando
eu finalmente decidi sair com Katie, ela já tinha ido para casa.)

MODO IMPERATIVO

Como em português, usado para dar ordens, instruções, sugestões, conselhos,


fazer pedidos. É o único modo verbal na língua inglesa que não possui sujeito
explícito, pois este é a pessoa ou pessoas a quem nos dirigimos, ficando, portanto,
implícito. Deriva do infinitivo sem o “to”. O imperativo negativo é formado pelo
auxiliar do mais o advérbio de negação not.

Exemplo 13

Pay attention to the class! (Preste atenção à aula!)


Don´t shout in the hospital. (Não grite no hospital.)

Atividade 5

Encontre os verbos no imperativo e no futuro no texto a seguir. Sublinhe-os


e traduza-os conforme aparecem no texto.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 68


SAFETY PRECAUTIONS

The following safety precautions will increase the life of the Notebook PC.
Follow all precautions and instructions. Except as described in this manual, refer
all servicing to qualified personnel.
Disconnect the AC power and remove the battery pack(s) before cleaning.
Wipe the Notebook PC using a clean cellulose sponge or chamois cloth dampened
with a solution of nonabrasive detergent and a few drops of warm water and
remove any extra moisture with a dry cloth.
DO NOT expose to dirty or dusty environments.
DO NOT operate during a gas leak.
DO NOT place or drop objects on top and do not shove any foreign objects
into the Notebook PC.

Fonte: Adaptado de PC Notebook User Manual (2009).

.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PARA SABER MAIS

* Livro
Gramática Inglesa para leigos
Geraldine Woods
2ª Edição revisada
Alta Books, 2010
Lista de verbos irregulares em inglês: tradução, presente, passado e par-
ticípio passado

* Site
<http://www.aprendeingles.net16.net/verbosirregulares.html>. Acesso
em: 10 nov. 2014.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 69


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Você percebeu como conhecer os tempos verbais e os verbos modais pode


fazer uma grande diferença na interpretação de um texto? Afinal, além de saber
quem está fazendo o quê e em que circunstância, é essencial localizar essa ação
(ou processo) no tempo: presente, passado ou futuro. Além disso, é preciso que
se perceba, através dos verbos modais usados, o ponto de vista do autor do texto
sobre determinada ação ou processo: se é uma afirmação, uma suposição ou uma
probabilidade, por exemplo. Por isso, precisamos reconhecer os tempos verbais e
os auxiliares modais em uma oração para que a interpretemos com mais precisão.

RESUMO DA AULA

Neste capítulo vimos que a estrutura verbal da língua inglesa é bem parecida
com a do português. Também vimos os verbos auxiliares modais que possuem uma
interpretação que pode influenciar no entendimento de um texto. Além disso,
aprendemos a reconhecer uma oração na interrogativa e na negativa. Finalmente,
conhecemos os principais tempos verbais e seu uso na língua inglesa.

AVALIAÇÃO

1. No texto anterior, destaque um grupo verbal e duas diferentes formas nominais


de verbos. Retextualize em português a primeira frase do segundo parágrafo e a
última frase do texto.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Leia o texto a seguir e encontre o sujeito (Quem) e as circunstâncias dos grupos


verbais e dos verbos em negrito e também classifique esses verbos e grupos ver-
bais, segundo o seu contexto, em passado, presente ou futuro:

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 70


WHY THE #$%! DO WE SWEAR? FOR PAIN RELIEF

Bad language could be good for you, a new study shows. For the first time,
psychologists have found that swearing may serve an important function in
relieving pain. The study, published today in the journal NeuroReport, measured
how long college students could keep their hands immersed in cold water. During
the chilly exercise, they could repeat an expletive of their choice or chant a
neutral word. When swearing, the 67 student volunteers reported less pain and
on average about 40 seconds longer.
Although cursing is notoriously decried in the public debate, researchers are
now beginning to question the idea that the phenomenon is all bad. “Swearing is
such a common response to pain that there has to be an underlying reason why we
do it,” says psychologist Richard Stephens of Keele University in England, who led
the study. And indeed, the findings point to one possible benefit: I would advise
people, if they hurt themselves, to swear,” he adds. How swearing achieves its
physical effects is unclear, but the researchers speculate that brain circuitry
linked to emotion is involved. Earlier studies have shown that unlike normal
language, which relies on the outer few millimeters in the left hemisphere of the
brain, expletives hinge on evolutionary ancient structures buried deep inside
the right half.
One such structure is the amygdale, an almond-shaped group of neurons
that can trigger a fight-or-flight response in which our heart rate climbs and we
become less sensitive to pain. Indeed, the students’ heart rates rose when they
swore, a fact the researchers say suggests that the amygdale was activated.
But cursing is more than just aggression, explains Timothy Jay, a psychologist
at the Massachusetts College of Liberal Arts who has studied our use of profanities
for the past 35 years. “It allows us to vent or express angers, joy, surprise,
happiness,” he remarks. “It’s like the horn on your car, you can do a lot of things
with that, and it’s built into you.” In extreme cases, the hotline to the brain’s
emotional system can make swearing harmful, as when road rage escalates into
physical violence. But when hammer slips, some well-chosen swearwords might
help dull the pain.

Fonte: <http://www.scientificamerican.com/article/why-do-we-swear/>. Acesso em: 19 jul. 2016.

.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 71


Responda às questões de acordo com o texto:

3. Para que serve, segundo os psicólogos, o ato de xingar?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. Segundo os pesquisadores, que parte do cérebro é ativada quando xingamos?


Que benefício isso traz?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

5. A que Timothy Jay compara o ato de xingar? Segundo ele, o que pode ajudar a
diminuir a dor quando martelamos o dedo, por exemplo?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 72


5 Grupos nominais
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...o que são grupos nominais e sua importância para se entender um texto na
língua inglesa. Além disso, aprenderá como reconhecer um grupo nominal e aplicar
a estratégia de leitura reversa a fim de interpretá-lo corretamente.

OBJETIVOS

»»Compreender o que é um grupo nominal.


»»Perceber a diferença entre a estrutura de um grupo nominal na
língua inglesa e na língua portuguesa.
»»Conhecer as combinações possíveis que formam os principais tipos
de grupos nominais na língua inglesa.
»»Reconhecer os grupos nominais em um texto de língua inglesa.
»»Aplicar a estratégia de leitura reversa na interpretação de um gru-
po nominal em inglês.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

No capítulo anterior, sobre a estrutura verbal, você deve ter notado que,
dentro de uma estrutura maior, a oração, aparecem estruturas menores, que
fazem parte do Quem e do O quê. Também pôde observar que, normalmente, essas
estruturas possuem um verbo (O quê) ou um substantivo (Quem) como palavra
mais importante (núcleo) no que se refere ao sentido.
Em um texto, existem mais substantivos, acompanhados ou não de seus
respectivos adjetivos, do que verbos, que são a segunda categoria de palavras
significativas mais comum em textos. Isso acontece porque os substantivos e os
verbos são as categorias de palavras mais importantes das línguas. É a partir delas
que construímos o significado.
Quando um substantivo não é bastante específico para o que se pretende
comunicar, acrescentamos os modificadores (adjetivos ou palavras com função
adjetiva), a fim de construirmos uma referência mais específica.
“Modificador é um termo técnico em linguística que não significa mu-
dar realmente algo e sim limitar, restringir ou caracterizar o significado”
(KURLAND, 2003, p. 2).

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 73


Para Taylor (2002), um grupo nominal é composto por um núcleo (um substan-
tivo), podendo ter um modificador, ou modificadores (adjetivos, substantivos, ou
verbos, com função adjetiva), e/ou determinantes (artigos, pronomes, numerais,
etc). Grupos nominais são os substantivos mais os seus modificadores (adjetivos
e palavras com função de adjetivo).

Em alguns aspectos, certas estruturas da língua inglesa são bem diferentes das
do português. É o que acontece com os grupos nominais que possuem adjetivos
onde o modificador antecede o núcleo. Este é o tipo de grupo nominal mais comum
na língua inglesa. A interpretação dos grupos nominais em português, assim como
de toda nossa língua, dá-se da esquerda para a direita, diferentemente deste tipo
de grupo nominal em inglês, cuja interpretação dá-se da direita para esquerda.
A estrutura sintática mais comum dos grupos nominais na língua portuguesa é:

(DETERMINANTE(S)) + NÚCLEO + MODIFICADOR(ES)

Exemplo 1

Uma mulher interessante.


Determinante (artigo indefinido): uma
Núcleo (substantivo): mulher
Modificador (adjetivo): interessante

Na língua inglesa, no entanto, o grupo nominal possui a estrutura:

(DETERMINANTE(S)) + MODIFICADOR(ES) + NÚCLEO

Exemplo 2

Five different boxes. (Cinco caixas diferentes.)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 74


Determinante (numeral): Five
Núcleo (substantivo): boxes
Modificador (adjetivo): different

O fato de a ordem dos elementos desta estrutura em inglês ser diferente da


do português pode acarretar dificuldades de interpretação por parte de leitores
brasileiros de textos escritos na língua inglesa. Vejamos quais são os tipos de
determinantes que podem iniciar um grupo nominal em inglês:

»»Especificação: a, the, very (um, uma, o, os, a, as, muito (a));


»»Designação: this, that, those, these (este, esta, isto, aquele, aquela, aquilo,
esse, essa, isso, aqueles, aquelas, esses, essas, estes, estas);
»»Possessivo: my, your, its, their, Mary´s (meu, seu, dele, dela, deles, delas,
de Mary);
»»Número: one, ten, many, some (um, dez, muitos, alguns).

O grupo nominal é uma das unidades lexicais mais comuns nas frases da lín-
gua inglesa. Isso pode ser comprovado tomando-se qualquer trecho de um texto
escrito em língua inglesa, não importa o gênero, em que podemos encontrar vários
grupos nominais do tipo que estamos estudando neste capítulo. Observe os grupos
nominais em negrito no texto seguinte:

Exemplo 3

Attention to materials and processes at the design stage can help. Lifecycle
assessment software packages help give engineers pertinent supplier and
material information. “It’s all about comparisons,” says Terry Swack, chief
executive officer of Sustainable Minds. “The software lets the product
development team model the potential effects of sustainability so they can
make rapid tradeoff decisions as they’re exploring different options.”

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 75


Você notou que há diferentes tipos de grupos nominais em um simples
trecho? Uns têm determinantes, outros não; alguns têm um adjetivo como
modificador, outros um substantivo e ainda outros possuem adjetivos e subs-
tantivos como modificadores. Uns são curtos, outros são mais longos, enfim,
essas estruturas merecem ser estudadas mais detalhadamente para sua melhor
identificação e compreensão.

TIPOS DE MODIFICADORES EM UM GRUPO NOMINAL

Com relação aos tipos de modificadores que podem aparecer em um grupo no-
minal, eles podem ser: adjetivos e/ou substantivos funcionando como adjetivos. São
quatro as principais estruturas com tipos de modificadores diferentes, em inglês,
para os grupos nominais:

»»adjetivon + substantivo
»»a djetivo n + substantivon + substantivo ou substantivon + adjetivon +
substantivo
»»substantivon + substantivo
»»substantivon + ´s + substantivo

Todos os outros tipos e combinações existentes de grupos nominais partem


desses quatro tipos básicos. O sobrescrito n refere-se ao número de modificadores
que podem variar de um a mais de um.

MODIFICADORES SUBSTANTIVOS EM INGLÊS

Quanto aos substantivos que funcionam como modificadores, existem duas


estruturas de grupos nominais em que só aparecem substantivos:

(A) substantivon + substantivo


(B) substantivon + ´s + substantivo

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 76


As estruturas A e B são importantes, porque, em português, não existem nessa
forma e, por isso, causam muita confusão para quem as quer interpretar. Na ocor-
rência de mais de um modificador representado por substantivo, como no exemplo
a seguir, onde temos três substantivos funcionando como modificadores, a única
maneira de identificá-los como tal é a sua posição à esquerda do núcleo, pois eles
não estão acompanhados de preposição como em português:

Exemplo 4

toy Formula-1 race car


(carro de corrida de Fórmula 1 de brinquedo)

As locuções adjetivas, que aparecem após o núcleo, em português, são compostas


de preposição (em negrito) e substantivo, o que torna mais fácil o reconhecimento
do núcleo “carro”, pois em português ele está mais à esquerda. O mesmo não ocorre
em inglês com os modificadores antes do núcleo, onde temos apenas a sucessão de
substantivos, um após outro, e cabe ao leitor perceber a relação entre o substantivo
mais à direita (núcleo) e os outros substantivos modificadores à esquerda.
Mesmo quando se possui um vocabulário razoável na língua inglesa, você
ainda precisa lidar com o fato de que, ao interpretar os grupos nominais com
modificadores substantivos antes do núcleo, precisará interpretá-los incluindo
preposições que indicarão o tipo de relação que o modificador possui com este
núcleo. Isso requer não só o conhecimento da estrutura gramatical da língua
inglesa e das relações mais comuns entre modificador e núcleo, mas também o
conhecimento de sua própria língua para escolher quais preposições em portu-
guês indicarão essas relações.

Exemplo 5

A) substantivon + substantivo
A bicycle factory (uma fábrica de bicicletas)
A war film (um filme de guerra)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 77


Exemplo 6

B) substantivon + ´s + substantivo
My sister’s car (o carro de minha irmã)
The bird’s nest (o ninho do pássaro)

Observe que essa estrutura é bem diferente da do português, em que usamos


a preposição “de” para estabelecer a relação de posse entre dois substantivos e em
que a coisa possuída vem primeiro e o possuidor (sublinhado) vem depois da pre-
posição, exatamente o contrário do que ocorre na língua inglesa, daí a dificuldade
de se interpretar os casos possessivos, pois eles também formam grupos nominais.

MODIFICADORES ADJETIVOS EM INGLÊS

Assim como em português, não podemos dizer se uma palavra é um adjetivo


apenas olhando para ela isoladamente, pois a forma não indica necessariamente
a sua função.
Alguns adjetivos até possuem sufixos (veja mais detalhes no Capítulo 9 sobre
formação de palavras) que os caracterizam, como, por exemplo, os sufixos -ous,
-able em generous, sociable (generoso, sociável), ou -y, nos adjetivos derivados de
substantivos, como cloudy, sunny (nublado, ensolarado). No entanto, outros adje-
tivos muito comuns não possuem nenhuma identificação em sua forma: good, bad,
old, thin (bom, mau, velho, magro), por exemplo.
A maioria dos adjetivos pode ser modificada por um intensificador, um ad-
vérbio de intensidade (em negrito), como em português:

Exemplo 7

very happy children (crianças muito felizes)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 78


Os adjetivos podem também tomar a forma comparativa e superlativa. Veja
essas estruturas com maior detalhamento no capítulo sobre formação de palavras.

Exemplo 8

The children are happier now.


(As crianças estão mais felizes agora.)
They are the happiest people I know.
(Eles são as pessoas mais felizes que conheço.)

Uma característica importante dos adjetivos é o fato de alguns serem deri-


vados do particípio passado ou do particípio presente (-ing) de verbos, como nos
exemplos a seguir:

Exemplo 9

his surprising views (suas visões surpreendentes)


the offended man (o homem ofendido)

Esses adjetivos possuem a mesma forma dos verbos de que se originam, já que
derivam deles, o que causa grande dificuldade aos leitores brasileiros de textos
em língua inglesa, pois, comumente, eles são confundidos com os verbos que lhes
deram origem.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 79


Atividade 1

Encontre no texto a seguir um grupo nominal que contenha modificador


derivado de particípio presente (-ing) e um grupo nominal no caso genitivo.

Determining the impact a product has on the environment means giving


every aspect of production intense inspection. “One thing you have to look at is
the footprint of all the energy that went into producing everything in it,” said
Peter Bilello, vice president of the product lifecycle management consulting firm
CimData, “And an OEM won’t be responsible for all of that content. The suppliers
produced a lot of the product’s content. So then you have to get all that energy use
information from the supplier. Then you have to think of shipping and you need to
account for shipping the part to the plant and then the product to where it’s going.”

Fonte: <https://www.asme.org/engineering-topics/articles/environmental-engineering/
designing-with-the-environment-in-mind>. Acesso em: 19 jul. 2016.

.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

ESTRATÉGIA DE LEITURA DE UM GRUPO NOMINAL

Quando você encontrar um grupo nominal durante a leitura de um texto em


inglês, precisará identificar onde ele começa e onde termina e, então, você deverá
usar a estratégia a seguir, principalmente nas vezes em que tiver que interpretar
um grupo nominal com substantivos funcionando como modificadores, para evi-
tar uma interpretação equivocada.
Caso o grupo nominal inicie com um determinante, sua leitura deve começar
por ele e depois continuar com a palavra mais à direita (núcleo) e, em seguida,
você deve ler todos os modificadores da direita para a esquerda. Se houver um
intensificador (advérbio), este deverá ser lido antes do adjetivo a que se refere.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 80


DICA: Identificado o grupo nominal, nossa sugestão é que você
o leia da direita para a esquerda (leitura reversa), a fim de
entendê-lo corretamente, e adicione os conectores (preposi-
ções), se necessário, de acordo com a relação existente entre
cada substantivo funcionando como adjetivo.

Exemplo 10

The United States = Os Estados Unidos


some very funny stories = algumas histórias muito engraçadas
(very = intensificador)
a day care center = um centro de cuidados diários

Atividade 2

As siglas na língua inglesa são sempre grupos nominais. Algumas são bem
conhecidas. Tente traduzi-las, usando a estratégia da leitura reversa:

AIDS – Acquired immunological deficiency syndrome

.............................................................................................................

CBS – Columbia Broadcasting System

.............................................................................................................

CEO – Chief Executive Officer

.............................................................................................................

FBI – Federal Bureau of Investigation

.............................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 81


CIA – Central Intelligence Agency

.............................................................................................................

UNESCO – United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization

.............................................................................................................

VIP – Very Important Person

.............................................................................................................

WC – Water Closet

.............................................................................................................

RPG – Role Playing Games 

.............................................................................................................

COMO RECONHECER UM GRUPO NOMINAL EM UM TEXTO EM INGLÊS

Você deve estar se perguntando: como vou saber se um grupo de palavras é


um grupo nominal no meio de tantas outras estruturas de um texto? A maioria dos
grupos nominais possui determinantes (reveja os tipos na seção 2 deste capítulo)
e estes sempre marcam o início do grupo nominal. Portanto, quando que você
encontrar um determinante (artigo, pronome demonstrativo, numeral, pronome
possessivo, etc.) saberá que um substantivo virá a seguir, podendo formar um
grupo nominal, caso possua pelo menos um modificador.
E se o grupo nominal não possuir um determinante? Como vou saber o seu
início? Existem várias maneiras de limitar um grupo nominal sem determinante,
mas a mais prática é lançando mão do conhecimento sobre a estrutura geral do
grupo nominal (modificador + núcleo) e dos seus conhecimentos sobre a estrutura
da oração em inglês, que vimos no capítulo anterior, procurando identificar os
seguintes componentes da oração:

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 82


»»Quem? – será sempre representado por um pronome, por um substantivo
ou por um grupo nominal;
»»O quê? – terá sempre como núcleo um verbo, seguido ou não, de um grupo
nominal simples ou complexo, funcionando como seu complemento, caso
seja um verbo transitivo.
»»Como?/Onde?/Quando?/Por quê? – são as circunstâncias de tempo, lugar,
modo representadas por advérbios ou locuções adverbiais que, na maioria
dos casos, também podem ser grupos nominais.

Você terá que recorrer ao seu conhecimento da estrutura verbal da língua in-
glesa e identificar os grupos verbais (O quê). Se a oração for afirmativa e aparecer
um grupo de palavras antes do grupo verbal, será um grupo nominal e se aparecer
um grupo de palavras depois do grupo verbal também será um grupo nominal.

PARA SABER MAIS

* Artigo
TOSTES, S. C. A compreensão de grupos nominais em inglês como LE.
Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, v. 4, n. 1, 2004.

Atividade 3

Vamos encontrar e sublinhar todos os grupos nominais com modificadores


no texto a seguir:

A SIP OF WATER

Miguel Nicolelis, the Brazilian neuroscientist, is a pioneer in the field. In the


1990s, he helped build the first mind-controlled arm. Rats learned that they could
manipulate the device to get a drink of water simply by thinking about doing so.
In that project, an electronic chip was embedded in the part of each rodent’s
brain that controls voluntary muscle movements. Rows of wires that stuck out
from the chip like bristles on a brush picked up electrical impulses generated by
brain cells and relayed those signals to a computer.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 83


Researchers studied the signals as the rats pushed a lever to guide the arm
that gave them water, and they saw groups of neurons firing at different rates
as the rats moved the lever in different directions. An algorithm was developed
to decipher the patterns, discern the animal’s intention at any given moment
and send commands from the brain directly to the arm instead of to the lever.
Eventually, rats could move the arm without pushing the lever at all.
Using similar brain-machine interfaces, Nicolelis and his colleagues learned to
translate the neural signals in primate brains. In 2000, they reported that an owl
monkey connected to the Internet had controlled an arm located 600 miles away.
Eight years later, the team described a rhesus monkey that was able to dictate the
pace of a robot jogging on a treadmill half a world away in Japan.
Small groups of neurons, it seemed, were surprisingly capable of
communicating with digital devices. Individual cells learn to communicate with
computer algorithms more effectively over time by changing their firing patterns,
as revealed in a study of a mouse’s brain published last year in Nature. “You
can count on this plasticity when designing a prosthetic,” says Jose Carmena, a
neuroscientist at the University of California at Berkeley. “You can count on the
brain to learn.”

Fonte: <https://www.washingtonpost.com/national/health-science/mind-controlled-prostheses-
offer-hope-for-disabled/2013/05/03/fbc1018a-8778-11e2-98a3-b3db6b9ac586_story.html>. Acesso
em: 19 jul. 2016.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Você notou como o estudo dos grupos nominais da língua inglesa é imprescin-
dível para uma correta interpretação de um texto, já que a maioria das palavras
que aparecem em um texto qualquer são os substantivos acompanhados de seus
modificadores. Deve ter também entendido que é um pouco trabalhoso reconhe-
cer os grupos nominais em um texto e interpretá-los usando a leitura reversa. Isso
realmente acontece no início, quando ainda não se tem a prática e a familiarização
com os grupos nominais, mas com o tempo e treino, eles começam a ficar bem
mais transparentes aos nossos olhos e, por conseguinte, sua interpretação também
será mais fácil, pois o nosso cérebro já se terá acostumado a lê-los da direita para
esquerda. Então, não desista frente aos primeiros desafios, pois o domínio dessa
estratégia muito irá lhe beneficiar em suas leituras de textos na língua inglesa.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 84


RESUMO DA AULA

Vimos neste capítulo que a língua inglesa possui estruturas lexicais diferentes
das do português. Por isso, os grupos nominais em inglês devem ser interpretados
utilizando uma estratégia própria, diferente da usada em português.

AVALIAÇÃO

Usando o que aprendemos neste capítulo, retextualize em português (inter-


prete e traduza) os grupos nominais destacados por você no texto anterior A sip
of water. Não se esqueça de usar a estratégia de leitura reversa.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PARA SABER MAIS

* Livro
Gramática prática da língua inglesa: o inglês descomplicado
Autor: Nélson Torres
Editora: Saraiva
Ano: 2007
Em linguagem acessível e informal, este livro é uma excelente obra
de consulta, adequada como material de apoio para quem está
aprendendo inglês instrumental e geral, graças às suas vantagens:
tem explicações em português, aborda as dúvidas comuns dos
estudantes brasileiros, apresenta as traduções de todos os textos e
traz um índice geral que permite a localização rápida do tema ou
assunto a ser consultado.

* Artigo
<http://www. letras.ufmg.br/rbla/2004_1/10 SimoneCor.pdf>. Acesso
em: 29 jan. 2018.
Neste artigo, você poderá encontrar mais exemplos em inglês de
grupos nominais e o resultado de uma pesquisa sobre esse assunto
com relação à dificuldade de interpretação dessas unidades espe-
ciais na língua inglesa por parte de alunos universitários brasileiros.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 85


6 Elementos Conectores e
Coesivos nas Orações
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...as principais relações entre as partes do texto através do uso dos elos coesivos
e dos conectores, uma vez que os termos da oração se conectam por elementos de
conexão e coesão.

OBJETIVOS

»»Entender as relações entre as partes do texto.


»»Conhecer as relações lógicas entre sentenças e parágrafos.
»»Compreender como uma ideia se conecta à outra através da co-
nexão e coesão.
»»Reconhecer o sentido e a função dos elementos conectores e
coesivos.
»»Ser capaz de aplicar esses elementos no entendimento das ideias
e fatos.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Neste capítulo, apresentaremos alguns conhecimentos sobre os elementos


que sinalizam as relações entre as ideias, expressas através de frases, orações,
sentenças e parágrafos.
Tomando como ilustração as estações de trem, pode-se inferir que cada uma,
em si mesma, é independente; porém existe um fio condutor, o trilho, que as une,
compondo a ferrovia. Nesse contexto, tem-se em mente que um texto é feito de
sentenças integradas, não independentes, numa teia ou conjunto de enunciados
de comunicação discursiva. Debruçado sobre ele, você, como leitor, recorrerá
a esses para perceber o emaranhado das ideias. É aqui que se contempla a sua
importância como sinais ou marcadores da função entre um termo dependente e
um principal. São eles que direcionam o sentido, ou seja, levam ao entendimento.
Assim como as placas de sinalização, que indicam a direção a ser tomada,
esses elementos também dirigem o pensamento e levam o leitor à compreensão
do texto. É preciso, portanto, conhecê-los e, depois, compreendê-los no contexto,
visto que eles contêm significados variados conforme a situação.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 86


Entenda-se aqui o texto como um conjunto de ideias interdependentes (sin-
tagmas) expresso através de palavras. Nele, destacam-se o elemento principal ou
determinado e o secundário, ou determinante. Um texto é formado pela soma de
vários elementos que se completam tendo em vista ser ele um todo homogêneo.

Exemplo 1

Computers are used in education / for a variety of purposes.

Observe que, no exemplo acima, existem dois segmentos que formam um


todo, uma oração, ou um sintagma. O termo determinado está sublinhado; o
determinante, em negrito. Veja que o último completa o primeiro, através da
palavra “for”, dando ideia de finalidade; juntos, eles formam um sentido com-
pleto, um enunciado, um sintagma.
Retomando a ilustração da via férrea – os vagões são interligados e trafegam
no trilho, unindo as estações até o seu destino. Deduzimos, portanto, que os sin-
tagmas se integram num determinado contexto, levando a um resultado final, à
compreensão, que tem como base os elementos a seguir:

Fonte: Imagem ilustrada por Edinara Medeiros

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 87


Veja algumas questões a serem apresentadas:
»»O que são elementos de coesão?
»»Quais são os elementos de coesão?
»»O que são elementos de referência?
»»Quais os elos coesivos que você conhece?
»»Qual o papel da substituição no contexto?
»»O que é elipse?
»»O que você entende por coesão lexical?
»»O que são marcadores do discurso?

ELEMENTOS DE COESÃO TEXTUAL

Os elementos de coesão são termos que garantem a sequência de ideias


do texto, tornando-o homogêneo, por ligar uma frase a outra. Esses elementos
dividem-se em: elementos de referência e substituição, elipse e coesão lexical.

ELEMENTOS DE REFERÊNCIA

Os elementos de referência dirigem o leitor para um termo antecedente


ou posterior que possam ser substituídos por um pronome ao qual estão ligados.
Quando a referência recai sobre um termo anterior, temos a anáfora; quando recai
sobre um termo posterior, catáfora. Esses elementos de referência estão para o
entendimento do texto assim como os elos de uma corrente; quebrado um deles,
desfaz-se a corrente. Também no contexto – se mal colocado, perde-se o sentido.
Conhecer esses elementos não só contribui para melhorar a eficiência da
leitura e da compreensão de textos em nossa língua materna como também em
língua inglesa, que é o enfoque do nosso livro. Por isso, caso seja necessário, é
importante revisar conteúdos tais como os pronomes pessoais e oblíquos, os pos-
sessivos, os demonstrativos e os reflexivos. Você pode encontrar facilmente esses
conteúdos em McCarthy (1991) e em bons sites na Internet!

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 88


Leia o trecho abaixo e identifique os elementos de referência que tornam o
texto coeso.

Atividade 1

NEW EDUCATIONAL REQUIREMENTS

Current changes in educational practice are a result of complex global forces.


These (1) effects (2) are felt through the changes made at the economic, social,
cultural and political levels that (3) influence teachers and students as well as the
whole field of academia. Systemic educational national reform is a manifestation
of globalization which (4) significantly impacts teacher education and teacher
work.

Fonte: <www.elsevier.com/locate/compedu >. Acesso em: 25 jul. 2016.

Observe as seguintes relações e, a seguir, escolha as referências corretas de


acordo com o trecho acima.

These (1) (  ) forças globais complexas; (  ) mudanças atuais;


...effects (2) (  ) resultado; (  ) prática educacional;
...that (3) (  ) níveis; (  ) efeitos;
...which (4) (  ) globalização; (  ) manifestação.

OUTROS ELEMENTOS DE REFERÊNCIA

Além dos pronomes citados acima, temos também outros termos que desempe-
nham funções semelhantes como both, other, the first, the second, the former...
the latter, one e ones. Esses últimos sempre substituem um substantivo e dão ideia
de contraste. Não têm tradução, pois seu significado varia de acordo com o contexto.
Muito cuidado para não confundi-los com o uso de one como numeral ou como
pronome indefinido que significa um ou alguém.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 89


Veja os exemplos a seguir:

Exemplo 2

“While there are a number of qualitative studies on the use of computers, quan-
titative ones are, at present, scarce. The uses of these technologies are based on
the assumption that computers, either in school or at home, help students learn.”

Fonte: <www.elsevier.com/locate/compedu >. Acesso em: 25 jul. 2016.

Exemplo 3

No exemplo acima, o termo ones substitui o termo studies.

“Adolescence represents a window of opportunity to prepare for a healthy adult


life. During adolescence, nutritional problems originating earlier in life can po-
tentially be corrected, in addition to addressing current ones.”

Fonte: <www.elsevier.com/locate/compedu >. Acesso em: 25 jul. 2016.

Ones refere-se aos “problemas”.

Exemplo 4

“Cardone and Mardone had lunch at a restaurant. The former ate meat; the
latter had fish.”

Aqui, the former refere-se a Cardone; the latter refere-se a Mardone.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 90


Leia o fragmento abaixo e responda às questões:

Atividade 2

HOT WATER FREEZES FASTER THAN COLD – AND NOW WE KNOW WHY.

Hot water seems to freeze faster than cold water, known as the Mpemba
effect. The effect was named after the Tanzanian student who (1) in 1963 noticed
that hot ice cream mix freezes faster than a cold one (2). The effect was first
observed by Aristotle in the 4th century BC, then later Francis Bacon and René
Descartes. Mpemba published a paper on his (3) findings in 1969.
Theories for the Mpemba effect have included: faster evaporation of hot
water, therefore reducing the volume left to freeze; formation of a frost layer on
cold water, insulating it (4); and different concentrations of solutes such as carbon
dioxide, which (5) is driven off when the water is heated. Unfortunately the effect
doesn’t always appear – cold water often does actually freeze faster than hot, as
you would expect. But this Mpemba effect occurs regularly, and no one has ever
been able to definitively answer why.

Fonte: <http://www.iflscience.com/chemistry/hot-water-freezes-faster-cold-and-now-we-know-
why >. Acesso em: 25 jul. 2016.

1. Que fenômeno pouco usual pôde ser verificado por um estudante. Explique?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Que impasse observa-se nas teorias do efeito Mpemba?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 91


3. Identifique a relação entre o termo em negrito e os referenciados.

who (1)... refere-se a (  ) efeito Mpemba (  ) estudante;


one (2)... refere-se a (  ) sorvete (  ) mistura;
his (3 )... refere-se a (  ) Descartes (  ) Mpemba;
it (4)... refere-se a (  ) água fria (  ) camada de gelo;
which (5)… refere-se a (  ) dióxido de carbono (  ) gelo.

ELIPSE

A elipse é a omissão de um termo facilmente subentendido, levando em conta


o contexto. Vamos entender melhor o que isso significa. Suponhamos um bolo
feito com ovos, açúcar, manteiga, etc. Embora esses elementos não sejam perceptí-
veis na sua individualidade, ao degustarmos o bolo, percebemos que eles existem.
Da mesma forma, o termo elíptico é perceptível e imprescindível ao leitor, embora
não esteja presente no contexto.
Na elipse, podem ser detectados nomes, verbos ou frases que foram omitidos
sem prejudicar a compreensão. Ela é uma escolha do enunciador, porém seu inter-
locutor compreende perfeitamente o enunciado, apesar de faltarem alguns termos.

Exemplo 5

Lardone likes the green apples; Jardone prefers the yellow.

Note que, na frase, houve a supressão do substantivo “apples”, permanecen-


do apenas o adjetivo referente ao termo omitido, sem, no entanto, prejudicar o
entendimento. É um tipo de elipse nominal.

Exemplo 6

“I cannot see you today, but I can tomorrow”


“I have forgotten the address. I have too”.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 92


Nos exemplos acima, os verbos principais “see” e “forget” foram suprimidos e
substituídos pelos seus auxiliares “can” e “have”. Isso reduz o número de palavras,
evitando a redundância, sem, no entanto, prejudicar o sentido.

Exemplo 7

They said they would take early retirement as soon as they could and they did.

No exemplo acima, a expressão verbal substituiu a sentença sublinhada. Mes-


mo assim, o entendimento não foi prejudicado, tornando o texto conciso.

COESÃO LEXICAL

A coesão lexical ocorre quando, numa relação de substituição, os termos em


evidência pertencem a uma mesma categoria gramatical. Num texto, citamos o
nome completo de uma pessoa. Mais adiante, podemos nos referir a ela só por um
dos nomes ou por um título que possua.

Exemplo 8

Curie completed her master’s degree in physics in 1893 and earned another
degree in mathematics the following year. Around this time, the scientist
received a commission to do a study on different types of steel and their magnetic
properties. Curie needed a lab to work in, and a colleague introduced her to French
physicist Pierre Curie. A romance developed between the brilliant pair, and they
became a scientific dynamic duo.

Fonte: <http://www.biography.com/people/marie-curie-9263538#early-life>. Acesso em: 25 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 93


Observe que, no fragmento textual acima, houve uma coesão lexical por
substituir o nome próprio Curie por “the scientist”. Curie e o físico Pierre são
referenciados duas vezes: “brilliant pair” e “duo”. Essas substituições garantem
a coesão textual.

MARCADORES DO DISCURSO

Os marcadores do discurso têm seu uso quando ajudam o leitor a compreen-


der determinada parte do texto e/ou sua relação com outras partes do mesmo,
semelhante ao semáforo, cujas cores, vermelho, amarelo e verde orientam as
pessoas no sentido de fazê-los parar, esperar ou prosseguir.

STOP

WAIT

GO

Fonte: <http://www.dreamstime.com/free-photos-images/semaphore.htm>. Acesso em: 25 jul.


2016. Adaptado por José Junior.

Da mesma forma, esses marcadores orientam o leitor em direção a termos já


utilizados, bem como ao posicionamento do autor, além de outros elementos do
texto. Levem-se em conta a sequência coerente das ideias (o uso de first, next, then,
the following day, etc); as relações entre as partes do texto (apart from, as we said,
in other words, etc.) e a forma como foi organizado sob o ponto de vista do autor
(however, though, furthermore, etc). Esses marcadores do discurso levam em conta
o contexto; daí porque, dependendo dele, podem mudar de sentido.
Embora eles pertençam a classes gramaticais distintas, muitos deles
incluem-se entre as conjunções.
As conjunções estabelecem uma sequência entre os segmentos do discurso.
Quando se diz sequência, isso não quer dizer que ela é um referente, visto que não
estabelece uma função de referência, mas de interdependência entre um termo
anterior e outro posterior.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 94


Leia o fragmento abaixo, retirado do texto, cujo título é Water management
presents challenges, brings opportunities:

Exemplo 9

Handling water isn’t a new problem for the oil and gas industry. In fact (1), oil
companies have been producing brine, along with crude oil, since (2) the earliest
days of industry. Many early fields were uneconomic, because (3) there was no
way to separate saleable oil from waste water. A hundred years ago (4), oilfield
chemicals and electrical methods were introduced to separate the two fluids, but
(5) disposing of the brine has remained on ongoing challenge.

Fonte: <http://www.worldoil.com/magazine/2014/march-2014/shale-technology-review/water-
management-presents-challenges-brings-opportunities>. Acesso em: 14 mar. 2018.

No fragmento acima, temos os seguintes marcadores: in fact (1) tem a fun-


ção reiterativa em relação ao que foi dito antes; since (2) demonstra um limite
temporal a partir dos primórdios da indústria; because (3) sinaliza uma noção de
causa relacionada ao termo uneconomic, economicamente inviável (antecedente)
e o termo consequente, porque (because) não havia maneira de separar o óleo
vendável das águas residuais; a hundred years ago (4) informa uma noção de
tempo passado que situa a época em que foram utilizados recursos para separar os
dois fluidos; but (5) contrasta o descarte da salmoura como um desafio contínuo.

Atividade 3

Leia o texto a seguir e responda:

“Another study, carried out at Santo André city (São Paulo State) in 2006,
describes computer use at primary and secondary schools (ARAÚJO & GOULART,
2006). Sixty-four public and private schools were enrolled, and the following
features were analyzed: number of computer laboratories and their functionality,
use of computers by students, use of computers by teachers, as well as (1) certain
other positive and negative characteristics. Only four of the 64 schools studied had
no computer laboratory at all, although (2) all of them had sufficient space and

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 95


equipment. Two important findings were the inadequacy of computer maintenance
and the critical need for teacher training (ARAÚJO & GOULART, 2006). In addition
(3), no educational software was used in any of the laboratories. In this study,
computer usage was based on Internet search and Microsoft Office usage.”

Fonte: <www.elsevier.com/locate/compedu>. Acesso em: 25 jul. 2016.

1. O que se constatou como resultado de um estudo envolvendo o uso do compu-


tador nas escolas primárias em Santo André?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Tendo em vista o uso do computador na internet, o que dizer do uso de softwares


didáticos?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Que conclusões foram tiradas do estudo em questão?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. Preste muita atenção aos marcadores em negrito e substitua o termo grifado


pelo seu correspondente no contexto:

(1) as well as................ (even though, since, likewise);


(2) although................ (in spite of, besides, because);
(3) In addition............. (furthermore, even if, whether).

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 96


PARA SABER MAIS

* Livro
GRELLET, Françoise. Developing Reading Skills. A practical guide to
reading comprehension exercises. Cambridge: Cambridge University Press,
1981.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

É bom lembrar que a linguagem de um texto envolve elementos que dire-


cionam seu entendimento. Não podemos pensar no texto como um emaranhado
de frases e sentenças isoladas ou fragmentos, mas como um continuum de ideias
transportadas pelos elementos coesivos (pronomes, advérbios, numerais, prepo-
sições, conjunções).

RESUMO DA AULA

Neste capítulo, aprendemos que o texto é um todo homogêneo, formado por


partes ou itens integrados. De acordo com McCarthy (1991), os referentes, a elipse
e a substituição possibilitam um envolvimento maior do leitor com as ideias conti-
das no texto. É como se houvesse um fio condutor ligando as palavras à sua mente,
passando pelos olhos. São eles os elementos responsáveis pela ligação entre as
ideias que levam ao entendimento. Além disso, o conhecimento dos marcadores
do texto (as conjunções) permite a você compreendê-lo, tanto no aspecto formal
como no aspecto interpretativo. Ou seja, as informações contidas no texto pres-
supõem uma sequência entre os segmentos do discurso que vai além do que está
escrito, do diálogo textual: a interação entre leitor e escritor.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 97


AVALIAÇÃO

Leia o texto e responda:

IRANIAN BECOMES FIRST WOMAN TO EVER


WIN THE “NOBEL PRIZE” OF MATHEMATICS

The International Mathematical Union established an award to honor


excellence in mathematicians under the age of 40. The award was named after
Canadian mathematician John C. Fields, and has often been described as the “Nobel
Prize of mathematics.” The Fields Medal has been awarded every four years since
1936. Up to four outstanding mathematicians can be honored at once, but 2014 is
the first time a woman has been honored with the prize. Maryam Mirzakhani is a
professor at Stanford University who(1) was recognized for «her(2) outstanding
contributions to the dynamics and geometry of Riemann surfaces and their(3)
moduli spaces.”
Born in Tehran, Iran, Mirzakhani’s excellence in math extends back to
when she (4) was in high school. She earned gold medals at the International
Mathematical Olympiad—the world’s most distinguished math tournament for
pre-collegiate students—not once, but twice. Her showing in 1995 resulted in a
perfect score for her; a most impressive accomplishment.
“It (5) is fun – it’s like solving a puzzle or connecting the dots in a detective
case,” she explained to the Stanford Report. “I felt that this (6) was something I
could do, and I (7) wanted to pursue this path.”
She completed her undergraduate degree at Sharif University of Technology
in Tehran and earned her PhD at Harvard University while studying under Curtis
McMullen, who was awarded the Fields Medal himself back in 1998.
Mirzakhani is being honored for her work with finding the volume of moduli
spaces in complex one-dimensional planes known as Riemann surfaces. However,
she is quite talented in many areas mathematics, with research interests in
“Teichmüller theory, Hyperbolic geometry, Ergodic theory, [and] Symplectic
geometry.”
“I don’t have any particular recipe [for creating new proofs],” she stated. “It is
the reason why doing research is challenging as well as attractive. It is like being
lost in a jungle and trying to use all the knowledge that you can gather to come
up with some new tricks, and with some luck you might find a way out.”

Fonte: <http://www.iflscience.com/technology/iranian-becomes-first-woman-ever-win-nobel-
prize-mathematics>. Acesso em: 25 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 98


1. O que há de notável no Prêmio Nobel de matemática e seu ganhador?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. A que ou a quem se refere(m) as palavras negritadas do texto? Ligue-as a seus


referentes.

(1) Who (__) surfaces

(2) Her (__, __, __, ___) Mirzakhani

(3) Their (__, __) Mirzakhani’s accomplishment

(4) She

(5) It

(6) This

(7) I

3. Releia o texto da página anterior, observando o sentido das palavras grifadas


no contexto.

Elementos conjuntivos Sentido


And
Since
Up to
When
While
However
As well as

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 99


7 Cognatos e Falsos Cognatos
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...o que são cognatos e falsos cognatos e a importância de seu reconhecimento


durante a leitura de um texto em inglês.

OBJETIVOS

»»Compreender o conceito de cognatos e falsos cognatos em inglês.


»»Entender a importância da utilização do contexto para as possí-
veis dúvidas causadas pela presença de falsos cognatos em um
texto.
»»Perceber a leitura como atividade consciente que envolve diver-
sas habilidades e conhecimentos do leitor.
»»Aplicar o conhecimento teórico às práticas de leitura e escrita.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Ao ler um texto em inglês, todos nós já observamos inúmeras palavras que são
facilmente reconhecidas, dadas suas semelhanças com a Língua Portuguesa. Isso
ocorre pelo fato de nossa língua ter advindo do latim que, por sua vez, também
teve grande influência na formação do inglês. Historicamente, o latim exerceu
essa influência desde o período das invasões romanas em terras celtas e, de ma-
neira mais contundente, por meio do francês, com as invasões normandas de
1066 à Inglaterra. Por isso, quando nos deparamos com palavras como department,
information, paper, history, etc., torna-se quase que automática sua tradução.
Outra informação digna de nota tem a ver com o número elevado de palavras
que foram incorporadas à Língua Portuguesa diretamente do inglês, decorrentes
da influência da hegemonia política, econômica e tecnológica dos países de língua
inglesa, principalmente a partir do século XIX. Isso explica a presença de uma
quantidade ainda maior de palavras facilmente identificáveis quando estamos
lendo textos técnicos na área de informática como, por exemplo, computer, internet
e scanner, entre outras.
Por essa razão, até mesmo leitores que não acreditam ser capazes de ler um
texto em inglês podem se aventurar e fazê-lo com grandes chances de êxito.
Chamamos de COGNATOS as palavras que têm grafias idênticas ou muito

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 100


parecidas em duas ou mais línguas e cujos significados também se equivalem
nessas línguas.
Vamos ler o texto a seguir, prestando atenção aos cognatos:

Exemplo 1

JEANS THAT CLEAN THE AIR

An innovative blend of fashion and science has resulted in the design of a


new technology in jeans that cleans the air. Helen Storey, professor of fashion
and science at The London College of Fashion, teamed up with Dr Tony Ryan,
pro-vice-chancellor for the Faculty of Science at the University of Sheffield, to
create what could be a groundbreaking solution to our environmental problems.
They discovered that when denim is coated with tiny particles of the chemical
titanium dioxide, it reacts with air and light to absorb and break down harmful
emissions in the environment. The emissions become harmless and are washed
away when the jeans are cleaned. This means we can help clean the air simply by
going for a walk.
Mrs Storey and Dr Ryan have created a company to showcase their invention,
called Catalytic Clothing. Their website says: “Catalytic Clothing seeks to explore
how clothing and textiles can be used as a catalytic surface to purify air, employing
existing technology in a new way”. The technology is similar to how a catalytic
converter in a car helps clean the fuel mix. Ryan makes bold claims about how
effective the innovation could be. He maintains that if all of Sheffield’s half a
million residents wore the jeans to become walking air filters, the dangerous
chemical nitrogen oxide in the city would disappear. The improvement in air
quality could significantly reduce deaths and respiratory illnesses such as asthma.

Fonte: <http://www.breakingnewsenglish.com/1210/121022-jeans.htm>. Acesso em: 31 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 101


Faça uma lista com as palavras que são idênticas ou semelhantes às da Língua
Portuguesa que sejam importantes para a compreensão da ideia geral do texto:
Perceba que, na maioria dos textos e, principalmente em textos técnicos, o
número de cognatos é grande, o que facilita a leitura mesmo daqueles que não
têm um vasto vocabulário da língua inglesa.
...........................................................................   ........................................................................
...........................................................................   ........................................................................
...........................................................................   ........................................................................
...........................................................................   ........................................................................
...........................................................................   ........................................................................
...........................................................................   ........................................................................

Por essa razão, devemos aproveitar a presença de cognatos a nosso favor


durante o ato da leitura, evitando desanimar diante de palavras desconhecidas. Os
cognatos podem, inclusive, nos ajudar a entender essas palavras desconhecidas,
com a utilização do contexto, estudado na Capítulo 2 deste livro.

Vamos ler mais um texto para comprovar a presença de vários cognatos que
podem contribuir para a compreensão:

Leia o texto e responda à questão a seguir:

Atividade 1

CAN 3D PRINTING TRANSFORM CITIES?

3D printing is already leading to innovation in manufacturing and design. It’s


been used to build houses, create ultra-customized shoes, and even build human
tissue-like materials. The rise of 3D printing will have an impact on a broad array
of industries, but could it also transform the way our cities function?
That’s Neal Peirce’s vision. Writing for Citiwire, Peirce says that with 3D
printing “cities may well once again be the world’s manufacturing workshops.”
With 3D printing, physical goods can be produced on-demand using a digital
design. All you need is a 3D printer (which are becoming more affordable), printing
materials, and a design. With this technology, Peirce envisions self-sustaining

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 102


cities in which the production and distribution of products is “deglobalized” and
the supply chain becomes local.
This could spell big cutbacks in massive container ships and their ports,
together with fuel-guzzling truck rigs crisscrossing continents. The United States’
heavy reliance on overseas manufacturing, especially from China, could be cut
back dramatically. The carbon footprint of today’s manufacturing and transport
could be reduced substantially. 3D involves dramatically reduced waste and use of
toxic materials in manufacturing and can ease the demand for such nonrenewable
resources as rare earth minerals. But that doesn’t mean cities will become isolated
places, he says, because designs and solutions to local problems can still be created
and used around the world.

Fonte: <http://www.smartplanet.com/blog/bulletin/can-3d-printing-transform-cities/17056 >.


Acesso em: 31 jul. 2016.

Faça uma lista com as palavras que são idênticas ou semelhantes às da Língua
Portuguesa que sejam importantes para a compreensão da ideia geral do texto:

................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................
................................................................................  ............................................................................

Mas será que todas as palavras em inglês que se parecem com o Português são
cognatas? A resposta é NÃO. Existe um pequeno número de palavras que podem
confundir o leitor menos experiente, uma vez que apresentam formas muito se-
melhantes a palavras em nossa língua, mas que têm significados diferentes. São
os chamados FALSOS COGNATOS ou FALSOS AMIGOS.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 103


Exemplo 2

Observe as imagens a seguir:

P P
U U
S L
H L

Fonte: <http://www.pushpullsigns.com/news.html>. Acesso em: 31 jul. 2016.


Imagem adaptada por José Junior.

DANGER
SHOCK
HAZARD
Fonte: <http://bournemouthnews.info/news/jobs-workers-too-scared-to-complain-about-
safety/>. Acesso em: 31 jul. 2016. Imagem adaptada por José Junior.

Os verbos push e pull são cognatos? Ao observar a primeira imagem, fica fácil
perceber que não! Se fossem cognatos, as ações que eles indicam não correspon-
deriam às imagens. Isso quer dizer que push não significa puxar, mas empurrar,
e pull não é pular, e sim, puxar. Portanto, estamos diante de dois falsos cognatos.
Na segunda imagem, não é possível interpretarmos a palavra hazard como azar
pois, de acordo com o contexto, esse significado não se encaixaria. O mais interes-
sante neste exemplo é que, mesmo sem termos conhecido a palavra previamente,
não fica difícil deduzir que seu significado é risco.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 104


Exemplo 3

Leia a frase a seguir:

I intended to attend a lecture in which a city-RN mayor would address subjects


about retired people in that city.

Intended parece entendido, mas significa pretendia. Attend assemelha-se à


palavra atender, mas o seu significado real é comparecer; lecture parece leitu-
ra, mas significa palestra. Da mesma forma, mayor, parece maior, mas significa
prefeito. Subjects é parecido com sujeitos, mas nessa frase significa assuntos;
retired assemelha-se a retirado, mas quer dizer aposentado.
Será que você seria capaz de entender o texto acima sem conhecer o verdadeiro
significado das palavras em negrito? Com certeza, não.
Então, como conhecer os falsos cognatos? Com o tempo, vamos aprendendo
aqueles que mais se repetem em nosso dia a dia e memorizando o sentido.
E como fazemos para identificar um falso cognato? Nesse caso, precisamos
verificar se tais palavras fazem sentido ou não no texto, levando-se em conside-
ração o contexto.

Atividade 2

Leia o quadro abaixo, observando os falsos cognatos. A seguir, procure nos


verbetes os respectivos significados.

1. AMASS 8. DECENT 15. GRACIOUS


2. RELATIVES 9. DEFENDANT 16. CONSISTENT
3. PARTICULAR 10. RECORD(ED) 17. FUTILE
4. AGENDA 11. POLICIES 18. TURKEY
5. CASUALITIES 12.EVENTUALLY
6. ANTICIPATE 13. GRIP
7. FACILITY 14. FORMIDABLE

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 105


PALAVRAS SIGNIFICADOS
people injured or killed in a serious accident or war.
a list of matters to be discussed at a meeting; a list of aims or possible future
achievements.
to get a large amount of something, especially money or information, by
collecting it over a long period.
Special.
someone who is related to you by birth rather than through marriage.
to keep information for the future, by writing it down or storing it on a
computer; information about someone or something which is stored by
the police or by a doctor.
to imagine or expect that something will happen, sometimes taking action
in preparation for it happening.

socially acceptable or good.


a set of ideas or a plan of what to do in particular situations that has been
agreed officially by a group of people, a business organization, a govern-
ment or a political party.
Opportunity; advantage.
Finally.
a person in a law case who is accused of having done something illegal.
a stupid or silly person.
(of actions) having no effect or achieving nothing; unsuccessful; useless.
Keep it under his control.
in agreement with other facts or with typical or previous behaviour, or ha-
ving the same principles as something else; always behaving or happening
in a similar, especially positive, way.
causing you to have fear or respect for something or someone because they
are impressive, powerful or difficult; very great and frightening; causing
anxiety.
behaving in a pleasant, polite, calm way.

Fonte: <http://dictionary.cambridge.org/dictionary/english>. Acesso em: 31 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 106


Agora que você já sabe o significado dos falsos cognatos acima, leia o texto a
seguir:

THE SUBTLE WAR

Nowadays, the high violence taxes are in agenda, in magazines and


newspapers, that amass themselves in particular context, family, among
relatives, resulting in many casualties. Victim is easy target, since the criminal
anticipates, waiting the best facility to act with success.
Society regrets the damages that result between the growing and frightening
taxes and recorded victims in this war in which the defendant never takes on
the blame. While authorities do not implement public policies applicable for this
problem, expectation will be the increasing of criminality.
Eventually, life needs to become less formidable; governments must keep firm
grip on their country’s foreign policies; besides, people need to be more gracious,
consistent and less futile and turkey, so that society will become decent.

(Maria Edileuda do R. Sarmento e José Mendes de Andrade, 2016)

PARA SABER MAIS

* Livro
CARVALHO, U. W. Dicionário das palavras que enganam em inglês: um
guia de palavras que parecem uma coisa e significam outra. 3ª ed. Rio de
janeiro: Elsevier, 2004.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como vimos, as semelhanças entre o inglês e o português se devem à influên-


cia que a língua inglesa sofreu do latim em diversos momentos de sua formação.
O grande número de cognatos presentes em textos, principalmente de áreas mais
técnicas, pode contribuir para uma leitura mais efetiva e precisa.
Embora o número de falsos cognatos seja pequeno, também é importante ficar
atento a eles durante a leitura, já que a interpretação errônea de uma palavra
pode induzir o leitor a uma compreensão equivocada do texto. Para evitar esse
problema, é bom fazer uma análise cuidadosa do assunto tratado no texto e fazer
um levantamento dos grupos semânticos nele presentes, ou seja, se você estiver

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 107


lendo um texto que aborda alguma doença, por exemplo, deve supor a presença
de palavras cujos significados estão relacionados a esse assunto, como: médico,
sintomas, remédio, hospital, cura, dores, etc.

RESUMO DA AULA

Neste capítulo, você aprendeu que os COGNATOS são palavras com grafia e
sentido igual ou muito semelhante em línguas diferentes. Essas palavras são muito
importantes e úteis para a compreensão de textos, uma vez que não oferecem
dificuldade na atribuição do sentido. Há, porém, algumas palavras que podem ser
confundidas com cognatos, mas que têm significado diferente do que se espera.
São os chamados FALSOS COGNATOS.

AVALIAÇÃO

Vamos aplicar os conceitos aprendidos neste capítulo para ler e compreender


o texto a seguir e responder às questões:

SALT

Salt is a mineral that consists mostly of sodium chloride (NaCl). It is an


essential nutrient for animals, yet it is toxic to most plants. In her novel Tongue,
author Kyung Ran Jo recounts this legend about salt: “A long time ago, a princess
told the king, ‘I love you as much as I love salt.’ Believing it to be an insult, the king
banished his daughter from his kingdom. But after a long time, the king realized
the value of salt and the depth of his daughter’s love for him.
Saltiness is one of the basic tastes perceived by the tongue, making it an
esteemed and ubiquitous food flavoring. It also “retains vegetables’ vivid colors
when parboiling, removes astringency from salad greens, freezes ice cream,
quickly cools boiling water, maintains the freshness of cut flowers, removes stains
on clothing, alleviates pain in your neck, is an ingredient in soap,” according to Jo.
Darlene McFarlane in her article “15 Household Uses for Table Salt” recommends
testing an egg’s freshness by placing it in a cup of salt water. An egg that floats
is not fresh. Ants will not venture onto a salt-covered surface, according to
McFarlane, so she suggests sprinkling it on windowsills and in doorways to repel
them from your residence.
Salt’s historical distinction lies not so much in its taste or any of its
aforementioned amazing talents, however, as in its suitability as a preservative.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 108


Salt has been used as a food preservative for centuries. One of the oldest
documented saltworks is the Xiechi Lake near Yuncheng in Shanxi, China. Salt
was harvested from its surface as early as 6000 B.C. Salt, along with salted birds
and salt fish, was unearthed with funeral offerings in ancient Egyptian tombs
from the third millennium B.C.
Less than half a century later, Egypt instituted exportation of salt fish to
the Phoenicians, who in turn traded Egyptian salt fish with their commercial
partners throughout North Africa, generating the establishment of wide-range
trade associations throughout the Mediterranean region. Similarly, in the first
millennium B.C., Celtic people exchanged salted meat for wine and other luxury
goods from ancient Greece and Rome. The wide expansion of the Celtic salt trade
is exemplified by the shared Celtic, Greek, and Egyptian root word for salt, hal,
which is confirmed in the names of saltworks throughout the region: Halle and
Schwäbisch Hall in Germany, Halych in Ukraine, and Galicia in Spain.
Throughout history, salt has been deemed a precious commodity. In fact, the
word “salary” is derived from the Middle English salaire, from the Latin salarium,
which means a payment made in salt (sal) or for salt, from salarius which means
“pertaining to salt.” Many historians agree that the Latin word salarium is related
to salt and soldiers, but stress that the original association is unclear. Some surmise
that soldiers were remunerated in salt. Some postulate that the word soldier itself
is derived from the word for salt. Even today, a hardworking employee might be
said to be “worth his salt” or might be commended for “soldiering on”.

Fonte: <http://englishforeveryone.org/PDFs/Advanced%20Critical%20Reading%20-%20Salt.pdf>.
Acesso em: 31 jul. 2016.

1. Marque “V” ou “F”, de acordo com o texto.


a. (   ) A princesa queria insultar seu pai comparando-o ao sal.
b. (    ) O sal é um elemento vital para a sobrevivência de plantas e animais.
c. (   ) O sal é historicamente importante, principalmente por causa do seu
uso para conservar comida.
d. (   ) Ao abrir tumbas no Egito, historiadores descobriram que que aqueles
pessoas já sabiam que o sal poderia ser usado para fazer a comida durar
mais.
e. (   ) Sem o sal, os Celtas não conseguiriam comercializar carne porque ela
provavelmente apodreceria durante as fases de transporte e negociação.
f. (   ) Os chineses foram os primeiros povos a comercializar sal.
g. (   ) Todos os historiadores concordam que os soldados da Roma Antiga
recebiam pagamento em sal, dando origem à palavra “salarium”.
h. (   ) Até hoje, o sal é considerado um bem valioso.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 109


2. Encontre no texto palavra(s) em inglês que são equivalentes a:
a. frescor ......................................................................................
b. gosto..........................................................................................
c. banir .........................................................................................
d. conservante .............................................................................
e. desenterrado ...........................................................................
f. amplo(a) ...................................................................................
g. enfatizar....................................................................................
h. bem, mercadoria......................................................................

3. Questões discursivas:
a. Por que o rei mencionado no texto se sentiu ofendido? Sua filha realmente quis
dizer isso? Explique.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

b. Dê dois usos para o sal, de acordo com Kyung Ran Jo.


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

c. Qual a importância do sal para o comércio nos tempos antigos? Dê um exemplo


tirado do texto.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

d. De acordo com o texto, explique porque o sal está relacionado com a palavra
“salário”.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 110


8 Gêneros Discursivos
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...o que são gêneros discursivos e sua importância no processo de interpreta-


ção do sentido de um texto durante a leitura.

OBJETIVOS

»»Compreender a importância da utilização do conhecimento sobre


os diversos gêneros discursivos durante a leitura.
»»Conceituar e exemplificar gêneros discursivos.
»»Perceber a existência de diversos gêneros discursivos em Língua
Portuguesa e aplicar esse conhecimento na leitura de textos em
outras línguas, como o inglês.
»»Entender que esses gêneros apresentam layout, formato, fonte e
outras características específicas que os distinguem dos demais,
e que seu reconhecimento envolve diversas habilidades e conhe-
cimentos do leitor.
»»Aplicar o conhecimento teórico às práticas de leitura e escrita.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Conforme vimos no Capítulo 1, o conhecimento prévio envolve vários tipos


de conhecimento para a leitura efetiva de um texto, como o linguístico, o estra-
tégico e o textual. Neste capítulo trataremos do conhecimento textual, que se
refere ao conjunto de noções e conceitos sobre o texto e, mais especificamente,
dos gêneros discursivos.
Os gêneros são tipos textuais (escritos ou orais) que apresentam funções co-
municativas definidas e certa regularidade no que diz respeito à forma (layout,
estrutura e vocabulário próprios), sendo socialmente situados e reconhecidos por
diferentes grupos da sociedade.
Isso quer dizer que somos capazes de reconhecer vários gêneros textuais
por identificarmos muitas de suas características que os distinguem de outros
gêneros. Um exemplo ocorre quando visualizamos uma bula de remédio e logo
determinamos seu gênero, uma vez que ela apresenta, pelo menos, duas partes
distintas: posologia e modo de usar, além de possuir vocabulário e layout próprios.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 111


É importante que o reconhecimento dos gêneros textuais seja uma tarefa
consciente do leitor, possibilitando ao leitor efetuar leituras mais eficientes,
permitindo, inclusive, que os conhecimentos adquiridos sejam utilizados no apren-
dizado de novos gêneros e na leitura de gêneros conhecidos escritos em outras línguas.

Exemplo 1

Observe o texto a seguir e responda às questões:

Fonte: <http://www.priberam.pt/dlpo/img/def_genio.png>.
Acesso em: 31 jul. 2016.

a. Identifique o gênero do texto acima:


.......................................................................................................................................................

b. Descreva algumas características formais do texto que lhe permitiram


identificá-lo (formato, recursos tipográficos, vocabulário, fonte, figuras, etc.):
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 112


c. Quais informações são possíveis extrair do texto?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

Agora ficou mais fácil entender o que são gêneros textuais e como a identifi-
cação de suas características pode ser útil para a compreensão de um texto.
Mas será que essa identificação também ocorre quando estamos analisando
um texto em outras línguas? Vejamos o próximo exemplo:
Observe o texto a seguir e responda às questões:

Exemplo 2

Fonte: Arquivo pessoal – John Swales. Imagem adaptada por Edinara Medeiros.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 113


a. Identifique o gênero do texto acima:
.......................................................................................................................................................

b. Descreva algumas características formais do texto que lhe permitiram


identificá-lo (formato, recursos tipográficos, vocabulário, fonte, figuras, etc.):
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

c. Qual é o nome do restaurante em questão?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

d. O que foi consumido neste dia?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

e. Como você conseguiu entender as informações acima?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

f. Em que data e hora foi emitido o cupom fiscal?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

g. Qual é a palavra utilizada no texto para designar o total consumido pelo cliente?
Como você obteve essa informação?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

h. Qual a tradução da última linha do texto apresentado? Como você chegou a


essa conclusão?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 114


Perceba que você foi capaz de ler a maioria das informações do texto,
mesmo estando escrito em croata, língua quase totalmente desconhecida pela
maioria dos brasileiros. Isso foi possível graças ao conhecimento que você já
tem de um cupom fiscal em português. Assim, podemos afirmar que os gêneros
conservam a maior parte de suas características independentemente da língua
em que estão escritos.

Vamos aplicar o conhecimento adquirido com os exemplos para fazer os


exercícios a seguir:

Atividade 1

Observe o texto a seguir e responda às questões:

Fonte: <http://www.eonline.com/news/227197/take-a-look-at-the-royal-wedding-invitation>.
Acesso em: 31 jul. 2016.

1. Identifique o gênero do texto acima:


.......................................................................................................................................................

2. Descreva algumas características formais do texto que lhe permitiram


identificá-lo (formato, recursos tipográficos, vocabulário, fonte, figuras, etc.):
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 115


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Quais informações são possíveis extrair do texto?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 116


Atividade 2

Leia o texto abaixo e responda:

Fonte: <http://www.aces.edu/pubs/docs/H/HE-0766/index2.tmpl>.
Acesso em: 31 jul. 2016.

1. Identifique o gênero do texto acima:


.......................................................................................................................................................

2. Descreva algumas características formais do texto que lhe permitiram


identificá-lo (formato, recursos tipográficos, vocabulário, fonte, figuras, etc.):
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 117


3. Quais informações são possíveis extrair do texto?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PARA SABER MAIS

* Livro
MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, Análise de gêneros e Compreen-
são. São Paulo: Parábola, 2008.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

É importante lembrar que o reconhecimento de gêneros discursivos requer,


mais uma vez, um conhecimento geral por parte do leitor, ou seja, quanto maior o
número de leituras pertencentes aos mais variados gêneros, maior será o conhe-
cimento disponível durante suas leituras, possibilitando uma compreensão mais
efetiva, segura e ágil dos textos.

RESUMO DA AULA

Nesta aula, tratamos dos gêneros discursivos e sua importância na leitura


e interpretação de textos. De acordo com Souza et al. (2005, p.11), os gêneros
textuais são tipos de texto cuja função comunicativa é reconhecida social e cultu-
ralmente por determinada comunidade. Além de terem essa função comunicativa
específica, os gêneros textuais se caracterizam por organização, estrutura gra-
matical e vocabulário específicos – assim como pelo contexto social em que
ocorrem. Reconhecer o gênero de um texto significa ter conhecimento de seu
layout (formato), isto é, das características próprias a ele, as quais o distinguem de
outros gêneros. Por exemplo, o gênero textual receita culinária contém uma lista
de ingredientes e um modo de fazer. Já o gênero resumo (ou abstract) de artigo de
revista científica apresenta em geral o(s) objetivo(s) da pesquisa, a metodologia,
os resultados alcançados e a conclusão. A familiaridade com o gênero textual
possibilita ao leitor efetuar leituras mais eficientes e direcionadas, pois permite
localizar informações mais rapidamente.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 118


AVALIAÇÃO

Leia o texto abaixo e responda às questões:

Fonte: <http://www.vectorgraphit.com/really-old-fashioned-vintage-ads/>.
Acesso em: 31 jul. 2016.

1. Identifique o gênero do texto acima:


.......................................................................................................................................................

2. Descreva algumas características formais do texto que lhe permitiram


identificá-lo (formato, recursos tipográficos, vocabulário, fonte, figuras, etc.):
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 119


3. Quais informações são possíveis extrair do texto?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. Qual é a contradição/ironia expressa pelo anúncio?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

.......................................................................................................................................................

5. O uso do Facebook é estimulado ou criticado no anúncio? Explique sua resposta


usando as dicas verbais e/ou não verbais presentes no texto.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

6. Qual é a frase do texto do anúncio que se mostra especialmente irônica, consi-


derando sua incompatibilidade com a figura?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 120


7. VERDADEIRO ou FALSO?

a. (   ) Uma das vantagens do Facebook proposta pelo anúncio é que você pode
usar essa ferramenta para trocar vídeos.

b. (   ) De acordo com o anúncio, o Facebook tem algumas aplicações no tra-


balho, sendo usado tanto na sua vida pessoal como na profissional.

c. (   ) O anúncio se baseia em uma situação real, retratando o uso que as


pessoas faziam dos computadores pessoais nos anos 50.

d. (   ) Estabelecer relações pessoais por meio do computador, que é a infor-


mação básica veiculada na figura, é ainda um dos usos da internet nos dias
de hoje.

e. (   ) Se o layout do anúncio fosse mudado, de modo que a figura refletisse a


época atual, não seria necessário mudar o texto, mas a interpretação geral
do anúncio não seria mais irônica.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 121


9 Formação de Palavras
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...como o conhecimento sobre a formação das palavras (vocabulário) em inglês


pode auxiliar no processo de compreensão de textos.

OBJETIVOS

»»Descobrir o significado das palavras desconhecidas.


»»Analisar as partes das palavras (prefixos, radical, sufixos e desi-
nências).
»»Usar dicas contextuais para deduzir o significado das palavras
desconhecidas através de sua análise ou de suas partes.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Conhecer os processos de formação de palavras pode auxiliar na compreensão


do significado de uma palavra desconhecida, pois tendo uma noção dos princi-
pais sufixos ou prefixos, por exemplo, é possível saber a categoria gramatical à
qual aquela palavra pertence ou até mesmo alterar o seu significado. No termo
“impossible”, o prefixo “im-“ mudou o sentido da palavra primitiva “possible”.
Ademais, ao ler um texto em inglês, não podemos olhar apenas para os
aspectos linguísticos. Pois, esses aspectos tanto transportam um significado dia-
lógico ao leitor, como o direcionam ao universo onde acontece a compreensão.
Sem dúvida, são elementos que vão completando o texto, levando o leitor até à
compreensão geral ou às secundárias.
Mas a leitura também requer o uso de outras habilidades, pois é difícil conhe-
cer todas as palavras de um texto; embora seja possível deduzir o significado de
muitas delas e chegar ao entendimento total do enunciado. Por isso, além de
conhecer os elementos linguísticos, vemos a importância de usar o contexto como
guia para entender o significado de uma palavra e entender as ideias do autor.
Apesar de não haver uma fórmula para melhorar sua capacidade de de-
duzir o significado das palavras desconhecidas, você deve levar em conta os
seguintes aspectos:

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 122


a. Quando você conhece o significado das outras palavras na sentença
ou parágrafo como um todo, você restringe o significado da palavra
desconhecida, adaptando-a ao contexto.

b. Você deve observar bem o valor dos sinais de pontuação que marcam
as relações entre as várias partes do enunciado.

c. Contente-se com a ideia geral sobre a palavra desconhecida, pois a de-


finição exata nem sempre é necessária, uma vez que existem palavras
cujos significados não têm tanta importância para o entendimento.

O vocabulário se enriquece através de processos formadores de novas pala-


vras. Veja como ocorrem esses processos:

PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS

Os principais processos de formação de palavras são:

1. Afixação – é a adição de prefixos e sufixos às palavras, como por exemplo: legal,


illegal (legal e ilegal); sleepy, sleepiness (sonolento, sonolência).
2. Conversão – é o uso de uma mesma palavra em outra categoria gramatical,
sem alterações. Por exemplo, run (verbo - correr): “Cardone doesn’t run on the
streets”; run (substantivo - corrida): “It’s a long run from here to Parnamirim.”
Esse é um dos processos mais comuns da língua inglesa e requer, do leitor,
analisar a oração em que está a palavra para deduzir sua categoria gramatical
(se é um verbo, um adjetivo ou substantivo).
3. Composição – união de palavras para formar uma terceira, por exemplo:
mail+man » mailman (carteiro), fire+place » fireplace (lareira).

Obs.: Atualmente, cada vez mais temos visto o uso de um tipo especial de
composição, o blending (combinação, literalmente, mas na verdade é uma com-
posição por aglutinação), que forma novas palavras por meio de duas ou mais
primitivas, mas eliminando sílabas de uma ou das duas palavras primitivas para
formar a derivada, como em: camcorder (camera + recorder); webinar (web + seminar);
telethon (telephone + marathon); cyborg (cybernetic + organism), brunch (breakfast +
lunch), significando, respectivamente: câmera gravadora de imagens, seminário
pela rede de computadores, maratona de telefonemas (normalmente para arre-
cadar fundos para alguma causa social); organismo robótico ou computadorizado
(como o personagem do filme “O Exterminador do Futuro” ou os “Transformers”,
por exemplo) e refeição que combina café da manhã com almoço. Tendo em vista

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 123


que a afixação é, dentre esses processos, o mais frequente, e por ser responsável
pelo surgimento do maior número de palavras novas a partir de um radical já
conhecido, esse processo terá prioridade no desenvolvimento do capítulo.
Por meio da afixação, um mesmo radical pode sofrer alterações de sentido
e de categoria gramatical, o que leva ao enriquecimento do vocabulário e con-
sequente compreensão ampliada do texto. No quadro a seguir, percebe-se como
se dá esse processo:

Honest
AFIXOS Pay (verbo) - RADICAL
(adjetivo) - RADICAL
PREFIXO Repay (verbo) Dishonest (adjetivo)
SUFIXO Payment (substantivo) Honestly (advérbio)

SUFIXOS

O sufixo em inglês pode ser uma ou mais letras acrescentadas após o radical
de uma palavra a fim de formar uma nova. Tal como ocorre em português, um
determinado sufixo não pode ser aplicado indistintamente a todas as palavras.
Quando um sufixo é acrescentado à palavra, esta pode, inclusive, mudar de
classe sem que haja mudança do significado contido no radical.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 124


Atividade 1

Leia o texto abaixo e, a seguir, responda às questões:

NEW DATA SUGGEST GLOBAL OCEAN WARMING RATES


MAY HAVE BEEN SEVERELY UNDERESTIMATED

Earth’s oceans have absorbed more than 90% of the warming caused by
greenhouse gases, researchers estimate, with the stored heat showing up as
warmer seawater. But a new analysis suggests scientists may have underestimated
the size of the heat sink in the upper ocean – which could have implications for
researchers trying to understand the pace and scale of past warming.
To address this issue, researchers from the Lawrence Livermore National
Laboratory in California used a combination of methods to investigate warming in
the top 700 meters of the ocean since 1970. Because water expands as it heats up,
they used sea level changes as measured by satellite data as a proxy for warming
where direct measurements were not available. They then combined this data
with model simulations and recently gathered temperature measurements.

Fonte: <http://www.iflscience.com/environment/new-data-suggests-global-ocean-warming-
rates-have-been-severely-underestimated>.Acesso em: 25 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 125


1. Em que os cientistas se basearam para sugerir que os índices de aquecimento
global do oceano podem ter sido gravemente subestimados?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Observe as palavras do texto com sufixos negritados e escreva no quadro a


seguir a categoria gramatical delas de acordo com o contexto:

Categoria gramatical
Absorbed
Warming
Caused
Researchers
Stored
Showing
Warmer
Scientists
Underestimated
Trying
Used
Expands
Measured
Recently
Gathered

Existem muitos sufixos em inglês, porém alguns são mais frequentes e es-
peciais (-ing e -ed), por formarem e assumirem diferentes classes gramaticais,
variando de acordo com o contexto. Veja:

-ed

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 126


a. Usado como verbo - passado simples
Leia o fragmento e observe que o verbo ‘warned’ expressa a ideia de que a
ação começou e terminou no passado, pois a terminação “-ed” nos possibilita
essa ideia, mesmo sem mencionar o tempo específico.

Exemplo 1

NEW YORK, 23 September 2013 – Global leaders from governments,


international organizations and civil society today warned that 28.5 million
children in countries affected by conflict are still being denied access to learning
– and that they must not be made to wait any longer for an education.

Fonte: <http://learningforpeace.unicef.org/media-center/stories/28-5-million>. Acesso em: 29


jan. 2018.

b. Usado como verbo – particípio passado


Observe o texto:

Exemplo 2

Traditionally, UNICEF’s program approaches and policies stress the


importance of gender equality, empowerment of women, and strengthening
of the family. Specifically, UNICEF’s efforts to address gender inequality have
focused on ensuring that girls have the opportunity to enroll in school, and that
they are provided with the necessary support to stay in school. Parent education
programs help address identified problems related to girls attending school.

Fonte: <http://www.unicef.org/childfamily/index_24039.html>. Acesso em: 25 jul. 2016.

Agora, note que o -ed é formador de particípio passado. Você já viu essa forma
verbal no Capítulo 4. Só o contexto vai mostrar sua diferença com a forma passada.
Sempre o particípio passado vem acompanhado de um verbo auxiliar, como to be
e to have.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 127


c. Usado como adjetivo
Faça uma leitura cuidadosa do fragmento:

Exemplo 3

Stunting can reflect chronic nutritional deficiencies. Stunting is responsible


for the death of one million children every year. For those who survive, stunting is
associated with impaired brain development, poor cognition, decreased learning
in childhood, lower productivity and reduced earnings in adulthood. It is a vicious
cycle – and it begins while the child is still in the womb.

Fonte: <http://blogs.unicef.org/2014/11/21/stunting-whats-the-big-deal/>. Acesso em: 25 jul.


2016.

Ao aprender os particípios passados dos verbos regulares e irregulares, você


está ampliando a capacidade de compreensão dos grupos nominais vistos no Ca-
pítulo 5. Nos exemplos acima, os verbos no particípio passado se transformaram
em adjetivos, formando um grupo nominal. É bom lembrar que eles antecedem
um substantivo. Muita atenção para não predizê-los como verbos.

-ing

a. Usado como substantivo


Leia atentamente o fragmento:

Exemplo 4

HIV/AIDS prevention programs that have balanced knowledge, attitudes


and skills related to HIV transmission have proven more effective in actually
changing behaviour than those that have focused on information alone.
Skills-based programs have proven more effective in delaying the age of first sexual
intercourse, and increasing safe sex behaviour among sexually active youth.

Fonte: <http://www.unicef.org/protection/57929_57972.html>. Acesso em: 25 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 128


É comum ouvirmos dizer que tudo que termina com “-ing” é gerúndio. Mas
isso não é verdade. Esse sufixo tem várias funções, que variam de acordo com o
contexto. Embora as palavras com o sufixo “-ing”, sublinhadas no fragmento
acima, sejam gerúndios, podem ser lidas ou traduzidas como verbo no infinitivo
(forma nominal) ou como substantivo. Observe também que nos dois primeiros
casos houve anteposição de uma preposição, o que caracteriza a formação do
gerúndio. No terceiro caso, a preposição está implícita. E tenha cuidado para não
transportar a tradução para o português com as terminações do nosso gerúndio
(-ando, -endo, -indo e -ondo).

b. Usado como presente contínuo


Leia com atenção:

Exemplo 5

Young people around the world are learning about human rights and
demonstrating their commitment to ensuring that these rights are met. These
young people act as a powerful force for change in their own households, in the
lives of their peers, and in the community. To continue the momemtum, young
people need adequate information, skills, motivation and inspiration to undertake
the action needed to make respect for human rights become a reality for all

Fonte: <http://www.unicef.org/lifeskills/index_human_rights.html/>. Acesso em: 25 jul. 2016.

No fragmento acima, você percebeu que existem três palavras com o sufixo
-ing? Pois bem, duas delas são formadoras do presente contínuo, as palavras subli-
nhadas. Você lembra que vimos no Capítulo 4 como se dá a formação desse tempo
verbal? Então, você precisa usar o verbo “to be”, mais o verbo principal e “-ing”.
Já a palavra com -ing, em itálico, é um exemplo de gerúndio, pois a preposição
‘to’ exige que o verbo esteja nesse tempo verbal, que funciona como substantivo.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 129


c. Usado como preposição

Exemplo 6

“Vince is talking to someone on the phone regarding a new business


opportunity”.
“The president of the company held a meeting regarding the progress of the
company over the last year”

Fonte: <http://www.learnamericanenglishonline.com/Prepositions/regarding.html>. Acesso em:


25 jul. 2016.

No exemplo acima, temos uma preposição com -ing, ligada à palavra regard.
Muitas vezes, no contexto, ela pode ter o significado de considerar, mas nos exem-
plos acima ela tem o sentido da preposição “sobre”. Para facilitar o entendimento,
é importante levantar hipóteses, pois o contexto direcionará você à compreensão
real do significado.

Atividade 2

Leia o texto a seguir e observe os usos de -ed e -ing. Esses sufixos desempe-
nham um papel importante na formação das palavras, bem como na sua com-
preensão como um todo. Elas se apresentarão de forma negritada para facilitar o
seu entendimento.

Fonte: <http://www. learningforpeace.unicef.org>. Acesso em: 25 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 130


Many countries in the East Asia and the Pacific region are facing significant
challenges of reducing conflict and building peace, while at the same time
addressing natural hazards and the effects of climate change. Ministries of
education and other education agencies and stakeholders have a central role
to play in helping prevent and reduce the impact of these challenges. UNICEF,
UNESCO and Seameo-Innotech are co-hosting a Regional Consultation Meeting
on Education and Resilience in East Asia and the Pacific – 4-7 November 2014,
in Quezon City, the Philippines. The meeting will address how education policy,
planning and programmes can strengthen the resilience of children, schools,
communities, and education systems through comprehensive school safety and
social cohesion approaches. Participants will make recommendations for regional
guidelines and how existing and new networks, platforms and tools can advance
the role of education in strengthening resilience.

Fonte: < http://learningforpeace.unicef.org/blog/regional-consultation-meeting-on-education>.


Acesso em: 25 jul. 2016.

1. Que desafios significativos enfrentam países da Ásia e da região do Pacífico?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Quais temas serão abordados nas discussões no sentido de ajudar a prevenir o


impacto desses desafios?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Faça uma releitura do texto anterior observando as palavras com o uso de ‘-ing’.
A seguir, ligue-as às respectivas funções quanto à classificação gramatical.

(1) Substantivo (2) Presente Contínuo

a. ...are facing… ( )

b. …of reducing… ( )

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 131


c. …while at the same time addressing… ( )

d. …have a central role to play in helping… ( )

e. …UNESCO and Seameo-Innotech are co-hosting a… ( )

f. …Regional Consultation Meeting… ( )

g. The meeting will address… ( )

h. …planning and programmes can strengthen… ( )

i. …and how existing and new networks… ( )

j. …the role of education in strengthening resilience… ( )

Atividade 3

Leia o texto e responda às questões. Para facilitar a compreensão, preste aten-


ção às palavras negritadas. Todas elas têm afixos.

PROTECTING CHILDREN FROM VIOLENCE, EXPLOITATION AND ABUSE

All children have the right to be protected(1) from violence, exploitation(2)


and abuse. Yet, millions of children worldwide(3) from all socio-economic(4)
backgrounds, across all ages, religions and cultures suffer violence, exploitation
and abuse every day.
Millions more are at risk. Some girls and boys are particularly(5)
vulnerable(6) because of gender, race, ethnic origin or socio-economic status.
Higher(7) levels of vulnerability(8) are often associated with children with
disabilities, who are orphaned, indigenous(9), from ethnic minorities and other
marginalized(10) groups.
Other risks for children are associated with living(11) and working(12) on
the streets, living in institutions and detention, and living in communities where
inequality(13), unemployment(14) and poverty are highly(15) concentrated.
Natural disasters, armed conflict, and displacement(16) may expose children

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 132


to additional(17) risks. Child refugees, internally displaced children and
unaccompanied(18) migrant children are also populations of concern.
Vulnerability is also associated with age; younger(19) children are at greater(20)
risk of certain types of violence and the risks differ as they get older.
Violence, exploitation and abuse are often practiced by someone known to
the child, including parents, other family members, caretakers(21), teachers,
employers(22), law enforcement(23) authorities, state and non-state actors
and other children. Only a small proportion of acts of violence, exploitation
and abuse are reported and investigated, and few perpetrators(24) are held
accountable(25).
Violence, exploitation and abuse occur in the homes, families, schools,
care and justice systems, workplaces(26) and communities across all contexts,
including as a result of conflict and natural disasters. Many children are exposed
to various forms of violence, exploitation and abuse, including sexual abuse and
exploitation, armed violence, trafficking, child labour, gender-based violence,
bullying (see UNICEF, Too often in silence, 2010), cyber-bullying(27), gang
violence, female genital mutilation/cutting, child marriage, physically and
emotionally violent child discipline, and other harmful(28) practices.
There is significant evidence that violence, exploitation and abuse can affect
the child’s physical and mental health in the short and longer term, impairing their
ability to learn and socialize(29), and impacting their transition to adulthood(30)
with adverse consequences later in life.

Fonte: <http://www.unicef.org/protection/57929_57972.html>. Acesso em: 25 jul. 2016.

1. De acordo com o texto, que problemas enfrentam as crianças em todo o mundo?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

2. Que fatores tornam as crianças vulneráveis?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 133


3. Quem seriam os principais agentes dessa violência contra as crianças?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. A que riscos as crianças estão expostas?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

5. Enumere mais 5 fatores de exposição das crianças à violência, exploração e abuso.


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

6. Que consequências a violência e o abuso podem trazer para a criança?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

Você notou que as palavras sufixadas 19 a 22 têm algo em comum? Exatamen-


te! O sufixo -ER (seguido de -s na 21 e 22, porque são substantivos no plural, mas,
quando estão no singular, terminam em -ER apenas).
Em inglês, o sufixo -ER tem dois significados diferentes, dependendo da ca-
tegoria gramatical da palavra primitiva a partir da qual a derivada foi formada.

Comparativo de superioridade
Quando acrescentamos o sufixo -ER a um ADJETIVO, a nova palavra formada
é um adjetivo no grau COMPARATIVO de superioridade.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 134


young (jovem – adjetivo) -> younger (mais jovem – grau comparativo do ad-
jetivo young)
great (grande – adjetivo) -> greater (maior – grau comparativo do adjetivo
great)

Obs.: Fenômeno similar acontece com o sufixo -EST, como em greatest, que
significa “o/a maior”. Portanto, o sufixo -EST acrescentado a um ADJETIVO forma
um adjetivo no grau SUPERLATIVO.

Profissão ou função
Quando acrescentamos o sufixo -ER a um VERBO, a nova palavra formada é um
SUBSTANTIVO que se refere à pessoa ou objeto que realiza a função representada
pelo verbo da palavra primitiva. Assim, no texto anterior, caretakers e employers
são as pessoas que realizam a função de cuidar (to take care) e de empregar (to
employ): cuidadores e empregadores, que no singular seriam: caretaker e employer.
Ao adicionar o sufixo -er (e algumas vezes -or, como em governor) a um verbo, a
nova palavra derivada significará, normalmente, uma profissão ou função, po-
dendo ser uma pessoa ou objeto, como em dish washer (máquina de lavar pratos
(to dish wash)).

7. Após leitura cuidadosa do primeiro parágrafo do texto anterior, observe a for-


mação das palavras negritadas e os significados dos sufixos, pois esses enunciam
categorias gramaticais. Complete os espaços informando os sufixos, suas catego-
rias gramaticais e seus significados:
       SUFIXO   SIGNIFICADO   CATEGORIA DA PALAVRA

(1) Protected   .................  .......................  .............................................

(2) Exploitation .................  .......................  .............................................

8. Com relação à composição, observe que, no primeiro parágrafo do texto ante-


rior, existem palavras compostas. São vocábulos que, ligados, formam uma nova
palavra com um novo sentido. Separe os vocábulos formadores das palavras com-
postas a seguir, atribuindo-lhes significado separadamente e, em seguida, tente
deduzir o significado da palavra composta formada por eles:

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 135


SIGNIFICADO DA:    PALAVRA 1    PALAVRA 2     PALAVRA COMPOSTA

(3) Worldwide     .......................  ..............................   ..............................

(4) socio-economic   ........................  ............................   ..............................

9. Agora leia o segundo parágrafo, observando as palavras em negrito. Complete


os espaços com os sufixos e significados que estão faltando. Vale lembrar que -ly
pode ser um formador de advérbio ou adjetivo; -able e -ous formam adjetivos;
-ability substitui ‘-able’ no final de adjetivos para formar substantivos; e -ed como
formador de adjetivo.

SUFIXO SIGNIFICADO
(1) particularly -ly .......................................
(2) vulnerable ..................................... vulnerável
(3) higher -er .......................................
(4) vulnerability ..................................... vulnerabilidade
(5) indigenous gen (origem) + ous .......................................
(6) marginalized ..................................... marginalizado

10. Releia o 3º parágrafo, observando a formação das palavras negritadas. A seguir,


complete o quadro, separando o radical dos afixos, como mostra o modelo:

Prefixo Radical Sufixo Significado

1 …associated with living… - Live -ing vida

2 ...and working on the streets…

3 ...in communities where


inequality…

4 …unemployment and poverty…

5 …are highly concentrated…

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 136


6 …and displacement may expose…

7 …children to additional risks…

8 ...and unaccompanied migrant


children…

9 …younger children…

10 …are at greater risk…

11. Observe, do 4º ao 7º parágrafos do texto, a formação das palavras negritadas.


A seguir, complete a atividade de acordo com os respectivos significados. Essa
atividade, além de ampliar seu vocabulário, supõe o conhecimento das partes
formadoras das palavras.

(  ) ........................................ having attained full size and strength; grown up;


mature.
(  ) ........................................ to make social; make fit for life in companionship
with others.
(  )........................................ the act or process of putting or keeping in force;
compelling obedience to.
(  ) ........................................ the act of harassing someone online by sending or
posting mean messages, usually anonymously.
(  ) ........................................ people who take care of another.
(  ) ........................................ subject to the obligation to report, explain, or justify
something; responsible; answerable.
(  ) ........................................ people who perpetrate or commit an illegal, criminal
or evil act.
(  ) ........................................ causing or capable of causing harm; injurious.
(  ) ........................................ people, business, firms, etc, that employ workers.
(  ) ........................................ people’s places of employment.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 137


12. Encontre no texto uma palavra derivada por sufixação, que esteja no grau
comparativo, e outra que seja um substantivo representando uma profissão. As
duas deverão ser diferentes das negritadas no texto. Traduza essas palavras.
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PREFIXOS

Você já observou uma parede composta por tijolos? Eles são segmentos que,
unidos uns aos outros, formam o todo, ou seja, a parede. Também os prefixos são
como ‘tijolos’ na construção da palavra. É preciso conhecer o seu sentido, visto
que eles são decisivos para o entendimento da palavra como um todo no contexto.
Na etimologia, PREFIXO, é formado por dois elementos: o pre- quer dizer antes;
o -fix, significa fixar. Perceba que o elemento pre- alterou o sentido do radical
fixo, formando um novo sentido.
Pois bem, os prefixos são responsáveis pela mudança de significado das
palavras. Um dos processos mais comuns é a oposição; antepõe-se o prefixo de
negação à base da palavra. Por exemplo, o oposto de “equality” (igualdade) é
“inequality” (desigualdade).

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 138


Atividade 4

Leia o texto abaixo e responda às seguintes questões. Preste muita atenção às


palavras com prefixos, pois eles terão papel importante na compreensão do texto.

GENDER INEQUALITY AND WOMEN IN THE WORKPLACE

Gender stereotypes are hard to break, and like it or not, we are all prone to
engaging in stereotyping at one time or another. This is demonstrated in the
work of Mahzarin Banajihere at Harvard. As a society, we need to continue to
encourage people to go beyond stereotypes and recognize the contributions that
each individual, male or female, can make to the workplace and to relationships.
The necessity in many prestigious jobs is to put in very long work hours
and then leave the more mundane aspects of daily life – like cooking, grocery
shopping, and picking up the kids – to other people. This generally means that
women put many more hours into these household activities than men. This
greatly disadvantages women in the workplace. It is unrealistic to expect gender
equality if workplaces demand that women be available all the time.

Fonte: <http://www.summer.harvard.edu/blog-news-events/gender-inequality-women-
workplace>. Acesso em: 25 jul. 2016.

1. De acordo com o texto, qual é a causa da desigualdade de gênero?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 139


2. Qual é o maior obstáculo das mulheres nos locais de trabalho?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

No texto acima, observa-se que os prefixos sublinhados apresentam uma ideia


de sentido negativo. É preciso cuidado na leitura desses elementos, pois eles são
decisivos no entendimento do texto. O prefixo in-, quando usado antes de um
adjetivo dá um sentido negativo; mas quando anteposto a um substantivo indica
falta de alguma coisa, como por exemplo ‘inequality’- desigualdade.
Existem outros prefixos muito usuais em inglês com sentido negativo, como
por exemplo: illegal, immature, incorrect, irregular, non-alcoholic, entre outros.

Exemplo 7

Veja o diagrama abaixo. Observe a formação de palavras através das deriva-


ções prefixais e sufixais.

RESPECTFUL
RESPECTING (ADJ)
(P)
RESPECTABILITY
(S)

RESPECTER
(S)

RESPECTFULNESS
(S)
RESPECTABLY
(ADV)
RESPECT

DISRESPECTFUL
(ADJ)

DISRESPECTFULNESS
(S)
RESPECTFULLY
(ADV)

RESPECTABLE
(ADJ)

DISRESPECT RESPECTWORTH
(S) (ADJ)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 140


Atividade 5

Procure no dicionário a palavra SATISFY e construa um diagrama seguindo


os passos do exemplo anterior.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 141


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Assim como os tijolos são importantes para a estrutura de uma parede, tam-
bém os prefixos e sufixos, juntos a outros elementos formam “paredes” de senti-
dos. Saber identificá-los é essencial para o resultado final, que é o entendimento
do texto. Vale lembrar, também, que não se pode empregá-los aleatoriamente,
pois existe entre eles uma parceria em que um determinado radical exige um
determinado sufixo. Esse estudo serve para demonstrar a flexibilidade da língua
que permite a você, leitor, transferir palavras de uma classe para outra, bem como
mudar o sentido conforme o contexto.

RESUMO DA AULA

Nesta aula, vimos os processos de formação de palavras através da afixação, da


conversão e da composição. Conhecê-los é de ajuda relevante para o entendimen-
to do texto como um todo. Embora sejam muitos os sufixos e prefixos, você não
precisa “decorá-los”. A noção de contexto é que vai orientar seu entendimento.
É importante também identificar o sufixo mesmo quando não conhecemos a
palavra, pois ele nos dá dicas de sua categoria gramatical, além de facilitar o
entendimento com a ajuda da semântica. Também o prefixo nos informa como
se dá a mudança de sentido.

AVALIAÇÃO

A seguir, você lerá dois fragmentos textuais com temas diferenciados e com a
presença marcante de palavras afixadas. Responda às questões a seguir, de acordo
com os fragmentos.

FRAGMENTO 1

FUNCTIONAL ILLITERACY

“Functional illiteracy is imprecisely defined, with different criteria from


nation to nation, and study to study. However, a useful distinction can be made
between pure illiteracy and functional illiteracy. Purely illiterate persons cannot read
or write in any capacity, for all practical purposes. In contrast, functionally illiterate

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 142


persons can read and possibly write simple sentences with a limited vocabulary,
but cannot read or write well enough to deal with the everyday requirements of
life in their own society.”

Fonte: <http://en.wikipedia.org/wiki/Functional_illiteracy#Why_some_students_become_
functionally_illiterate>. Acesso em: 25 jul. 2016.

FRAGMENTO 2

OVEREATING AND MALNUTRITION

In many countries food security has existed for decades. Populations have
never had any difficulty with regard to the availability or accessibility of the foods
they require. Moreover many people, particularly children, associate food with
pleasure, often forgetting daily nutritive requirements, so that fast food, sugared
sodas, and foods rich in fat and carbohydrates become the preferred foods of
adolescents and younger children. Overeating and dietary excess have become
more and more common, and constitute a real threat to the health of children
and adults.
The primary consequence of this excess is obesity. Massive excess of weight
considerably increases the risk of developing certain illnesses: high blood
pressure, high cholesterol levels, growth problems brought about by excess
weight, risk of heart attack, cardiovascular illness…
Overeating and malnutrition linked to excessive eating do not only concern
developed countries. A significant number of developing countries today face the
problems associated with overeating, as well as undernourishment.

Fonte: <http://www.humanium.org/en/fundamental-rights/food/malnutrition/>. Acesso em:


25 jul. 2016.

1. No fragmento 1, qual a diferença entre os dois tipos de analfabetos citados?


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 143


2. No fragmento 2, qual o maior problema e suas consequências com relação aos
excessos alimentares entre jovens e adultos, na atualidade?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

3. Ainda no fragmento 2, o que tem afetado tanto os países desenvolvidos quanto


os em desenvolvimento?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

4. Complete o quadro a seguir com as palavras dos fragmentos acima, destacando


os prefixos e sufixos. Separe o radical, reescreva a nova palavra e dê o seu signi-
ficado.

Prefixos Significado Radical Nova palavra sufixos Significado


il- não literate illiterate - analfabeto
Im-
-ent
-ful
-ly

-ment
Over-
Mal-
-ability
-ive
-er
ness
Under-

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 144


10 Uso de Dicionários
VOCÊ VERÁ POR AQUI...

...que existem vários tipos de informações que podem ser extraídas do dicio-
nário para ajudar o leitor na compreensão de um texto em inglês.

OBJETIVOS

»»Conhecer os diferentes tipos de dicionário.


»»Familiarizar-se com o seu dicionário de uso corrente.
»»Entender que existem diferentes sentidos para uma mesma palavra.

INICIANDO NOSSA CONVERSA

Neste capítulo, você será orientado a usar o dicionário de maneira eficien-


te, pois haverá ocasiões em que poderá precisar do auxílio dele. É um recurso
importante que deverá ser usado quando se esgotarem todas as dicas como:
palavras cognatas, repetidas, predições, etc. Essas possibilitam um melhor de-
sempenho no processo de leitura, tornando–a mais eficiente, sem excessiva
dependência do dicionário.
Antes de consultar um dicionário, você precisa ter certeza de que isso é real-
mente necessário. Outra decisão importante é o que procurar no dicionário, e,
principalmente escolher qual será o objetivo da consulta. Para facilitar sua busca,
é importante entender a ordem alfabética e a distribuição das letras. Outro aspecto
relevante é inferir o significado do item procurado de acordo com o contexto e
daí identificar a categoria gramatical desse item.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 145


Vamos conhecer alguns tipos de dicionários.

Dicionário 1 Dicionário 2 Dicionário 3

Você os conhece?
Já manuseou alguma vez um dicionário em inglês?
Você sabe o que são dicionários monolíngues, bilíngues e híbridos?
Pois bem, o dicionário 1 é um tipo bilíngue (com duas línguas, português/ in-
glês – inglês/português); o monolíngue, o nº 2 (apenas uma língua); o nº 3, híbrido
(inglês/ inglês/ português).
Você sabia que no dicionário constam informações de natureza gramatical e
semântica? Saber encontrar essas informações facilita a compreensão da palavra
no contexto.
Vamos começar a conhecer seu dicionário inglês-português.

Atividade 1

1. Quais informações abaixo você encontraria no seu dicionário? Marque os itens


que você encontrou.

(  ) uma introdução que fornece passo a passo guia (  ) abreviações


para usar o dicionário
(  ) pontuação (  ) n
 omes de países
(  ) s ímbolos fonéticos
(  ) expressões idiomáticas
(  ) e xemplos de phrasal-verbs (  ) apresentação da estrutura
verbal
(  ) e xpressões numéricas (  ) e xemplos de contração
(  ) lista de afixos (prefixo e sufixo) (  ) nomes geográficos

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 146


(  ) l ista de verbos regulares e irregulares (  ) p
 esos e medidas
(  ) p
 ranchas ilustrativas (  ) n
 omes próprios
(  ) s inais especiais (  ) d
 ivisão silábica
(  ) I ndicações da pronúncia inglesa e americana

Vale salientar que a falta de conhecimento desses elementos vai dificultar o


processo de compreensão ao manusear o dicionário.
Nele, as palavras aparecem em ordem alfabética, impressas em negrito. São
chamadas palavras-chave. As informações explicando os significados e usos de
uma palavra-chave são os verbetes.

Exemplo 1

Fonte: Michaelis (2000).

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 147


COMPOSIÇÃO DO VERBETE

Ao observar o verbete do Exemplo 1, é necessário distinguir, inicialmente,


seus componentes relevantes e irrelevantes, fazendo um skimming rápido, uma vez
que nele, estão contidas informações que vão desde as convenções tipográficas, o
uso de símbolos, numeração e pontuação; formas derivadas, palavras compostas,
entre outras. Além disso, devemos interpretar as informações morfológicas e
sintáticas, bem como procurar entender os exemplos, que estão em itálico, para
facilitar nossa busca e compreender o significado da palavra.
Muitas vezes, é comum os verbetes apresentarem significados diferentes para
uma mesma categoria gramatical. Vejamos o exemplo a seguir:

Exemplo 2

Leia o fragmento abaixo, observando principalmente o sentido das palavras


em destaque.

Although your excellent February issue 1 on global health presents a


comprehensive picture of the work that North American academic health centers
(AHCs) are doing worldwide, it would have benefited from a discussion of ethical
issues2 in global health and the AHC’s responsibilities.

Fonte: <http://journals.lww.com/academicmedicine/Fulltext/2008/11000/Ethical_Issues_and_
Global_Health.5.aspx>. Acesso em: 25 jul. 2016.

No exemplo acima, a palavra issue1 (que significa edição), e o seu plural cor-
respondente, issues2 (que significa questões), tem sentido diferenciado, apesar
de pertencerem à mesma categoria gramatical. Ambas são substantivos. Preste
atenção ao contexto, pois é ele que determina essas mudanças de sentido.
Veja agora o que ocorre com a palavra die, no Exemplo 1.
Você deve ter reparado que, não só houve uma variação de significado, mas
também de categoria gramatical, ou seja, die pode significar dado (de jogo), azar,
sorte, fado, destino, etc., como substantivo, e morrer, como verbo.
Nesse mesmo exemplo, observe também que o verbete contempla os
phrasal-verbs, que são compostos a partir do verbo die. O phrasal-verb é formado
por um verbo acompanhado de uma preposição e/ou um advérbio, alterando
o significado original desse verbo como em die for, que significa almejar e die away,
que quer dizer desmaiar.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 148


Você sabia que o verbete também fornece expressões idiomáticas? Você conhe-
ce algumas expressões idiomáticas em inglês? Podemos chamá-las de “armadilhas”
que podem atrapalhar o seu entendimento do texto, já que são figuras de linguagem
em que um termo ou frase assume um significado diferente das palavras em forma
isolada. Por isso, não basta apenas saber o significado das palavras que formam uma
frase, mas é preciso olhar para o grupo de palavras que compõem a frase para, a
partir daí, entender do que se trata. Ao se deparar com uma expressão idiomática,
devemos, inicialmente, fazer uma análise do todo para tentar deduzir seu significa-
do. Senão, a solução é procurar no dicionário uma das palavras-chave.

Exemplo 3

No verbete a seguir existem várias expressões idiomáticas formadas a partir


do substantivo finger.

Fonte: Michaelis (2000).

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 149


Veja que, literalmente, a expressão “keep one’s fingers crossed”, significa
“manter os dedos de alguém cruzados”, mas seu sentido real é “ficar torcendo”.
Além de todos os itens já citados neste capítulo, os verbetes também contêm
outras informações importantes que podem contribuir para facilitar o processo
de leitura e compreensão de um texto. Por meio das próximas atividades, você se
familiarizará com essas informações. Vejamos:

Atividade 2

Observe os verbetes abaixo que foram extraídos dos dicionários Oxford Es-
colar e Michaelis . Vamos nomeá-los de dicionários 1 e 2:

Dicionário 01

Fonte: Oxford Pocket (2005).

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 150


Dicionário 02

Fonte: Michaelis (2000). Fonte: Michaelis (2000).

A seguir, preencha o quadro com as informações dos verbetes presentes nos


dicionários 1 e 2.

SLEEP DICIONÁRIO 1 DICIONÁRIO 2


a. 1ª categoria gramatical da palavra
b. 2ª categoria gramatical
c. P
 ronúncia representada
foneticamente
d. S ímbolos usados para evitar a
repetição da palavra
e. P
 reposição que muda o sentido do
verbo
f. A
 presenta grupos nominais? Quais?
g. A
 presenta abreviações? Quais?
Apresenta a forma literal?

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 151


h. P
 alavras compostas
i. Sufixos formadores de substantivos.
j. Sufixo formador de advérbio
l. Sufixo formador de comparativo
m. Sufixo formador de superlativo.
n. Partícula usada tanto para formar
tempos verbais, como substantivos
e adjetivos.
o. Apresenta sinais?

Atividade 3

Agora, vamos retomar o tópico tratado no Capítulo 9 sobre Formação de pa-


lavras. Releia os verbetes acima e, utilizando o que você já aprendeu sobre esse
assunto, preencha o quadro:

CATEGORIA
SUFIXO PALAVRA SIGNIFICADO
GRAMATICAL

-er o dorminhoco

-ing adjetivo

-less

-ness

-ly

-y

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 152


Atividade 4

Leia as sentenças abaixo, procurando compreendê-las. Escreva o significado


das palavras negritadas.

SENTENÇAS SIGNIFICADO
a. She has raised a large family.

b. We need to raise public awareness of the issue.

 e are raising money for charity.


c. W
d. If you paint your flat, that will raise the value of it
considerably.
e. We don’t raise pigs on this farm.
 he book raises many important questions.
f. T
g. The plans for the new development have raised angry
protests from local residents.
 e managed to raise him on his mobile phone.
h. W
i. Christians believe that God raised Jesus from the dead.

Atividade 5

Leia os verbetes abaixo e preencha os parênteses com as letras do exercício


anterior referentes ao sentido de cada frase expressa pela palavra raise:
(   ) to contact somebody and speak to them by radio or telephone.
(   ) to make somebody who has died come to life again.
(   ) to breed particular farm animals.
(   ) to care for a child or young animal until it is able to take care of itself.
(   ) to increase the amount or level of something.
(   ) to bring or collect money of people together.
(   ) to mention something for people to discuss or somebody to deal with.
(   ) to cause or produce something.
(   ) to lift or move something to a higher level.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 153


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por armazenar informações diversas e diversificadas da língua, o dicionário


é um rico e proveitoso banco de dados ao qual recorremos na busca de informa-
ções sobre a língua nas suas mais variadas dimensões. Vale salientar que não se
pode considerá-lo como uma muleta, mas como um mentor para nos auxiliar em
variados processos e momentos de aprendizagem.

RESUMO DA AULA

Neste capítulo, vimos como a aquisição de conhecimentos sobre o uso do


dicionário em inglês parte, inicialmente, da escolha que você faz no momento
de adquiri-lo. Conforme as palavras de Luís Fernando Veríssimo, o dicionário é
como um supermercado onde você entra para buscar uma coisa e sai sempre com
muito mais. Podemos comparar o dicionário a um mestre, sempre disponível e
disposto a ensinar. Nesse processo, você faz uma leitura introdutória através do
guia de orientação para se familiarizar com as informações nele contidas, pois ele
nos oferece múltiplas oportunidades de enriquecimento linguístico e cultural.

AVALIAÇÃO

Agora você vai ler o texto a seguir e responder às questões de compreensão,


procurando no dicionário somente as palavras consideradas difíceis para o enten-
dimento do texto:

THE IMPORTANCE OF VIDEO AND COMPUTER GAMES

It was only in the 1970 when video games started becoming a tool for
entertainment and fun. Ever since, the industry of video and computer games
has not looked back. The entertainment industry saw video games increase
at a galloping speed in the next few decades. In the world of technology and
innovation, computer games have played an important role.
They are constantly developing new strategies, techniques such that the
games become increasingly appealing and exciting. Interestingly video games
can be played on a hand device, mobile phones, dedicated consoles to gaming, and
computers among various other options. The interactiveness of the video games
is one which increases the popularity and growth of the industry.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 154


There are many different types of companies which makes computer games.
Usually most of the company’s indulge in specializing in a certain category of
games. Thus each of these companies usually addresses the needs of a certain and
specified age group. The variety of video games which are present on date is in fact
fascinating and an accomplishment. It surely deserves mention when we talk of this
booming industry. Games include adventure games, action games, educational and
knowledge games, simulations or role playing games, practice games, math games,
logical games, and strategy and management games among other types.
On the other hand, there is a huge investment of multimillion dollars which is
essential for the designing and development of these video games. However, still
the market is one which has exponential growth and is still booming.
Various experts and specialists have undertaken research in this domain. They
have come to the conclusion that these games are of extreme importance since they
are beneficial in the following ways:
»»Increase the player's skill and imagination level;
»»Moreover one becomes quicker and the speed of reaction is unimaginable;
»»They teach children and adolescents some basic skills in an enjoyable
fashion;
»»A child or even an adult acquires a very complex skill with the help of
computer games;
»»With the help of computer simulations educational institutions support
vocational and multi-disciplinary learning;
»»Interestingly research has proven that computer games have been an
exemplary tool to solve problems like confining spaces, heights and phobia;
»»Moreover, language and learning disabilities have also been cured with the
use of computer games.
Essentially the underlying factor is that the players should not get addicted
to the video games. In that case the benefits would work to the optimal level.
Moreover, the innocent children should not be misled to acts of aggression and
violence as many of the video games depict. Parents need to pay tremendous
attention that a video game should not affect their children’s behavior and
thinking in any adverse manner.
On an overall basis computer games should be indulged in a consistent and
measured manner. It surely leads to the sharpening of a player’s intelligence so
go buy computer games for your child today!
All in all, the future of the industry is phenomenal due to the actual benefits
and advantages which lies amongst these games!

Fonte: <http://ezinearticles.com/?The-Importance-of-Video-and-Computer-Games&id=4465187>.
Acesso em: 25 jul. 2016.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 155


1. Assinale V para verdadeiro ou F para falso.
(  ) O primeiro videogame foi criado em 1970.
(  ) Os videogames são jogados somente nos computadores, consoles e aparelhos
manuais.
(  ) Há muitos tipos de videogame e uma enorme variedade de empresas que,
geralmente, fazem um tipo específico de jogos.
(  ) Os jogos de computadores ajudam no desenvolvimento das crianças, mas
não funcionam muito bem para os adultos porque eles geralmente têm mais
problemas como a altura e as fobias.
(  ) Aqueles que jogam mais (que são viciados) adquirem conhecimento com mais
facilidade.

2. Responda às questões:

a. Explique a estratégia da indústria dos videogames para crescer no mundo:


.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

b. Que tipo de jogos podem ser prejudiciais para o desenvolvimento das crianças?
Por quê?
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................
.......................................................................................................................................................

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 156


3. Complete as frases com as palavras abaixo de maneira que não haja alteração
no significado da ideia geral do texto:

FUNCTION - WAY - ABILITIES - KINDS - LARGE - APPRECIATED

a. Games can improve player’s .............................................

b. There is a ............................................. investment of multimillion dollars for the


development of these games.

c. Computer games have been an exemplary ................................to solve problems.

d. Computer games should be ............................................. in a consistent and


measured manner.

e. In the world of technology and innovation, computer games have played an
important .......................................

f. There are many different ............................................. of companies which makes


computer games.

4. Assinale a alternativa correta:

Games do not help the development or improvement of:

a. Abilities
b. Phobias
c. Imagination
d. Languages

Parents must pay attention:

a. to games which stimulate the good way of thinking.


b. to children who play Math or logical games.
c. to the way children are acting while they sleep.
d. If children are getting aggressive.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 157


Respostas
Capítulo 1 – Conhecimento prévio

Atividade 3 – PARTE B:

1. Migraine é enxaqueca, caracterizada por uma intensa e pulsante dor de cabeça,


geralmente em um dos lados da cabeça.

2. A enxaqueca é caracterizada por gradual sensibilidade à luz, a sons e a odores;


náusea e/ou vômito e/ou diarreia; outros sintomas neurológicos como distúrbios
visuais, alfinetadas e agulhadas ou dormência no lado afetado.

3. A média de crises que um paciente de enxaqueca pode ter é de 13 por ano.

Avaliação

1. E

2. A

3. D

4. B

5. D

6.
a. BITTERSWEET

b. AVAILABLE

c. DISCOVERY

d. AT LEAST

e. FATIGUE

f. REGARD(ED)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 158


g. WORSHIP(PED)

h. ANCIENT

7. Porque eles esperavam encontrar ouro e prata lá, mas tudo o que acharam foram
sementes de cacau. Porque os astecas valorizavam o xocolatl (ou cacau) acima do
ouro e da prata.

8. Eles preparavam uma bebida picante e agridoce torrando e moendo as sementes


do cacau com milho e (pimenta) chilli, deixando a mistura fermentar e a bebiam
em cerimônias/rituais principalmente.

Capítulo 2 – A importância do contexto

Atividade 1

1. Nossos celulares podem prejudicar nossos relacionamentos. Só em ter um ce-


lular por perto, mesmo sem o ficar consultando, pode ser prejudicial às nossas
tentativas de conexão interpessoal.

2. Nos testes feitos com duplas que tinham um celular por perto e com outras
próximas a um notebook, as duplas que conversavam próximas a um celular
relataram que sentiram uma proximidade menor e uma menor qualidade de re-
lacionamento do que as que conversavam perto de um notebook.

3. Ela não aconselha a ir tão longe quanto a guardar o celular no armário, ou


deixá-lo no carro, em um primeiro encontro, por exemplo. Mas ela aconselha
que se pense melhor antes de responder a uma mensagem de texto ou consultar o
resultado do jogo de futebol no celular quando estiver com as pessoas com as quais
você se importa, pois só em ter o celular por perto já é ruim para o relacionamento.

Avaliação

1. A hipoterapia trabalha para melhorar a qualidade de vida de crianças e adultos


com deficiência física ou mental fazendo-os cavalgar um cavalo.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 159


2. Os pesquisadores construíram um cavalo mecânico customizado para ajudar as
pessoas com deficiência física e mental a obterem o mesmo benefício da hipote-
rapia sem terem que cavalgar um cavalo de verdade.

3. O protótipo do cavalo mecânico imita um cavalo de verdade usando um sistema


tridimensional. O dispositivo é fixo, mas com uma sela que se movimenta em todas
as direções seguindo um padrão cíclico que proporciona ao corpo uma série de
movimentos complexos da mesma forma que a hipoterapia com um cavalo de
verdade.

4. Se o paciente tem medo de cavalos talvez não seja seguro para ele cavalgar um
cavalo de verdade, então o cavalo mecânico pode atuar como uma fase preliminar
que levaria o paciente a um ponto de estabilidade a fim de que, posteriormente,
ele pudesse vir a cavalgar um animal de verdade.

5. Refere-se ao cavalo mecânico, pois o parágrafo menciona o pesquisador Gardner


e sua equipe que irão conduzir uma pesquisa adicional (as mesmas pessoas que
construíram o cavalo mecânico) para estudarem a biomecânica da hipoterapia.

Capítulo 3 – Estratégias de leitura

SKIMMING

Atividade 1

4. (2)
(1)
(4)
(3)
(5)

Atividade 2

a. 7
b. 1
c. 4
d. 6

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 160


e. 2
f. 5
g. 3

SCANNING

Atividade 3

Turismo de base comunitária se refere a situações em que as pessoas locais –


geralmente aqueles que são pobres ou economicamente marginalizados em partes
muito rurais do mundo – abrem suas casas e comunidades para os visitantes que
procuram experiências de viagem culturais, educacionais e recreacionais geradas
de maneira sustentável. O restante do texto você nem lê, porque não lhe interessa
no momento.

Atividade 4

community/communities based; tourism/tourist; travel/traveler; culture/


cultural.

Atividade 5

1. Criar uma senha de oito caracteres ou mais e mudá-la um pouco para cada conta
diferente que você possuir.

2. Observar se o assunto é muito genérico, do tipo “olha que fotos incríveis” e


jamais clicar em um link que consta de um e-mail. Em vez disso, você deve copiá-lo
e colá-lo em seu browser.

3. O seu antivírus deve sempre ser ATUALIZADO.

4. Evitar clicar em sites desconhecidos ou que oferecem facilidades demais. Entrar


em sites conhecidos e sérios não causará nenhum dano a seu computador.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 161


Avaliação

1.
a. V
b. V
c. F
d. V
e. V
f. F
g. V
h. V

2.
a. irreversible
b. teenager

3.
a. A expressão significa “duas vezes mais prejudicial”.
b. A s pessoas tomam bebidas energéticas acreditando que vão melhorar suas
performances nos esportes e seus níveis de energia.
c. O Dr. Bone recomenda mascar chiclete ou lavar a boca com água porque essas
medidas aumentam a produção de saliva, ajudando a retornar os níveis de aci-
dez ao normal.

Capítulo 4 – Estrutura verbal da língua inglesa

Atividade 1

a. Quem = the girls


O quê = come to school
Quando = always
b. Quem = this bus
O quê = is early
Quando = never
c. Quem = I
O quê = go to the movies
Quando = often

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 162


Atividade 2

1. Um mineral é uma substância sólida, inanimada, que ocorre naturalmente em


rochas ou no solo.

2. Através de suas propriedades, que não são todas iguais para minerais diferentes,
mesmo que sejam parecidos.

3. e 4. Do you remember the last time you picked up a pebble? (segunda pessoa do
singular, presente simples).
Is the mineral magnetic? (terceira pessoa do singular, presente simples).
What shape are its crystals? (terceira pessoa do plural, presente simples).
they don’t share all properties (terceira pessoa do plural, presente simples).

Atividade 3

 ock can be made of many minerals or of one mineral with different-sized


R
grains.
scientists can compare the hardness of two minerals.
by how easily they can be scratched.
Gypsum and calcite can look alike.
Two minerals may be the same color, but one may have a shiny luster and
the other a dull luster.
This colored streak can help scientist identify two minerals that look alike.
Two minerals might look alike and share some properties.

Atividade 4

Verbo parecer.

Atividade 5

follow – siga.
refere – refira-se.
disconnect – desconecte.
remove – remova.
wipe – limpe (passe um pano).
DO NOT expose – não exponha.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 163


DO NOT operate – não opera/ não use.
DO NOT place or drop – não coloque ou derrube.
do not shove – não enfie.
refer all servicing to qualified personnel.

Avaliação

1. described e cleaning.

Disconnect the AC power and remove the battery pack(s) before cleaning. (Desco-
necte a energia e remova a bacteria antes de limpar).

DO NOT place or drop objects on top and do not shove any foreign objects into the
Notebook PC. (Não coloque ou derrube objetos em cima e não enfie nenhum objeto
estranho dentro do Notebook PC.).

2. Quem (sublinhado) e circunstâncias (itálico):


Bad language could be good for you, a new study shows.
For the first time, psychologists have found that swearing may serve an
important function in relieving pain.
The study, published today in the journal NeuroReport, measured how long
college students could keep their hands immersed in cold water.
During the chilly exercise, they could repeat an expletive of their choice or
chant a neutral word.
When swearing, the 67 student volunteers reported less pain…
Although cursing is notoriously decried in the public debate, researchers are
now beginning to question the idea that the phenomenon is all bad.
“Swearing is such a common response to pain that there has to be an
underlying reason why we do it,” says psychologist Richard Stephens of Keele
University in England, who led the study.
And indeed, the findings point to one possible benefit: I would advise people,
if they hurt themselves, to swear,” he adds. How swearing achieves its physical
effects is unclear, but the researchers speculate that brain circuitry linked to
emotion is involved. Earlier studies have shown that unlike normal language, which
relies on the outer few millimeters in the left hemisphere of the brain, expletives hinge
on evolutionary ancient structures buried deep inside the right half.

3. Para amenizar a dor.

4. A amígdala. Ela dispara um mecanismo de defesa em que as batidas do coração


aumentam muito e nos tornamos menos sensíveis à dor por causa disso.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 164


5. Ele o compara à buzina do carro. Dizer alguns palavrões pode amenizar a dor
no momento de uma martelada no dedo assim como a buzina serve para aliviar
a tensão no trânsito.

Capítulo 5 – Grupos nominais

Atividade 1

Grupo nominal 1: the product lifecycle management consulting firm (modi-


ficador com -ing).
Grupo nominal 2: the product’s content (caso genitivo ou possessivo).

Atividade 2

AIDS – Acquired immunological deficiency syndrome


Síndrome da deficiência imunológica adquirida
CBS – Columbia Broadcasting System
Sistema de Transmissão Columbia
CEO – Chief Executive Officer
Oficial Executivo Chefe ou Chefe Executivo Oficial
FBI – Federal Bureau of Investigation
Escritório Federal de Investigação
CIA – Central Intelligence Agency
Agência Central de Inteligência
UNESCO – United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization
Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas
VIP – Very Important Person
Pessoa muito importante
WC – Water Closet
Armário de água (banheiro)
RPG – Role Playing Games 
Jogos de Representação de Papéis (ou Jogos de atuação)

Avaliação

the Brazilian neuroscientist – o neurocientista brasileiro


the first mind-controlled arm – o primeiro braço controlado pela mente

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 165


an electronic chip – um chip eletrônico
each rodent’s brain – o cérebro de cada roedor
muscle movements – movimentos musculares (ou dos músculos)
electrical impulses – impulsos elétricos
brain cells – células cerebrais (ou do cérebro)
different rates – taxas diferentes
different directions – direções diferentes
the animal’s intention – a intenção do animal
any given moment – qualquer dado momento
similar brain-machine interfaces – interfaces do cérebro com a máquina si-
milares (parecidas)
the neural signals – os sinais neurais
primate brains – cérebros de primatas
an owl monkey – um macaco-coruja
a rhesus monkey – um macaco rhesus
small groups – pequenos grupos
surprisingly capable – surpreendentemente capaz
digital devices – dispositivos digitais
individual cells – células individuais
computer algorithms – algoritmos de computador (ou computacionais)
their firing patterns – os seus padrões de disparo
a mouse’s brain – um cérebro de camundongo

Capítulo 6 – Elementos conectores e coesivos nas orações

Atividade 1

These (1) ( x ) forças globais complexas;


...effects (2) ( x ) resultado;
...that (3) ( x ) níveis;
...which (4) ( x ) globalização;

Atividade 2

1. Verificou-se que a água quente parece congelar mais rapidamente que a fria.

2. Apesar de se dizer que a água quente congela mais rapidamente, esse fenômeno
não ocorre sempre.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 166


3.
who (1)... ( x ) estudante.
one (2) ( x ) mistura.
his (3)... ( x ) Descartes.
it (4)... ( x ) água fria.
which … ( x ) dióxido de carbono.

Atividade 3

1. Inadequação da manutenção dos computadores e necessidades de formação de


professores.

2. Nenhum software foi utilizado.

3. Número de laboratórios de informática e suas funcionalidades, o uso de com-


putadores por estudantes e professores.

4.
(1) as well as................................. likewise.
(2) although………………………………….. in spite of.
(3) In addition………………………………… furthermore.

Avaliação

1. É a primeira vez que uma mulher ganha esse prêmio, por suas contribuições
referentes à dinâmica e geometria das superfícies Riemann e seus espaços mo-
dulares.

2.
1. Who ( 3 ) surfaces
2. Her (1, 2, 4, 7) Mirzakhani
3. Their (5,6) Mirzakhani’s accomplishment
4. She
5. It

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 167


6. This
7. I

3.
Elementos conjuntivos Sentido
And Adição
Since Tempo
Up to Tempo
When Tempo
While Tempo
However Contraste
As well as Adição

Capítulo 7 – Cognatos e falsos cognatos

transform; cities; innovation; manufacturing; used; create; human; materials;


impact; industries; function; vision; physical; produced; using; material;
technology; distribution; products; local; massive; ports; continents; especially;
dramatically; carbon; transport; reduced; substantially; involves; use; toxic;
demand; rare; minerals; isolated; solutions.

Atividade 2

5
4
1
3
2
10
6
8
11
7
12
9
18
17

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 168


13
16
14
15

Avaliação

1.

a. F

b. F

c. T

d. T

e. T

f. F

g. F

h. F

2.

a. FRESHNESS

b. TASTE

c. BANISH

d. PRESERVATIVE

e. UNEARTHED

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 169


f. WIDE

g. STRESS

h. GOODS/ COMMODITY

3.

a. Porque o rei achou que, ao compará-lo ao sal, sua filha o estava insultando. Mas
a princesa não quis insultá-lo, só estava exaltando o amor que sentia pelo pai,
dizendo que seu amor era tão valioso como o sal era naquela época.

b. O sal serve para conservar as cores vivas dos vegetais quando parboilizados,
remove a adstringência das saladas, congela o sorvete, rapidamente resfria água
fervente, mantém o frescor das flores cortadas, remove manchas das roupas, alivia
dores no pescoço, é um ingrediente do sabão.

c. O sal foi utilizado com conservante de alimentos por séculos. Ex.: Foram en-
contrados sal, pássaros e peixes salgados juntamente com oferendas fúnebres nas
antigas tumbas egípcias do ano de 3.000 a.C..

d. A palavra salário deriva da palavra latina salarium, que significa pagamento


em sal ou pelo sal e muitos historiadores acreditam que está associada a soldados,
que eram remunerados com sal.

Capítulo 8 – Gêneros discursivos

Exemplo 1

a. Verbete (o Capítulo 10 deste livro aborda mais questões sobre esse gênero).

b. Presença de abreviações; separação dos itens utilizando numerais; existência


de palavras em negrito e itálico; etc.

c. A palavra segurança significa ausência de perigo; trata-se de um substantivo


feminino ou de 2 gêneros, quando significar pessoa que protege outra; etc.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 170


Exemplo 2

a. Trata-se de um cupom fiscal.

b. Presença de numerais indicando preços, porcentagens e quantidades; nomes


de produtos consumidos; data e horário de permanência no estabelecimento; or-
ganização e estrutura do texto indicando nome do estabelecimento e respectivas
informações como endereço e telefone, além de saudação final.

c. Tifani.

d. Algum tipo de carne e 1 litro de alguma bebida.

e. 9 de dezembro de 2008 às 22h07.

f. UKUPNO.

g. Volte sempre/ obrigado pela preferência – porque é quase sempre a última


informação presente em um cupom fiscal, independentemente da língua em que
esteja escrito.

h. Resposta pessoal.

Atividade 1

1. Convite de casamento.

2. Fontes manuscritas, fotos do casal, endereço da cerimônia, data do evento,


distribuição do texto, layout da folha próprio de convites, tipo de traje necessário,
etc.

3. Data e local do evento, nome dos noivos, tipo de traje, para quem responder o
convite, etc.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 171


Atividade 2

1. Anúncio de classificados de jornal.

2. Presença de frases curtas e/ou com poucas informações, palavras em negrito,


telefones e horários para contato, disposição das informações típica do gênero, etc.

3. Há vagas para porteiros, instaladores de carpete e recepcionistas, período de


trabalho por dia, telefones e horários para contato, requisitos necessários para
cada emprego, pagamento, etc.

Avaliação

1. Anúncio do Facebook.

2. Presença de diferentes fontes, imagens, um slogan, uma assinatura no final,


distribuição do texto em forma de anúncio, etc.

3. A imagem mostra uma pessoa navegando no Facebook, provavelmente conver-


sando com seu namorado, cuja fotografia aparece em cima da mesa, ressaltando
a o produto como um excelente meio de comunicação e socialização. Além disso,
o texto trata de exaltar as características positivas do produto.

4. Apesar de o texto trazer informações e descrições de um produto moderno,


surgido a partir do século 21, as imagens não condizem com essa realidade, re-
tratando um ambiente próprio dos anos 50 do século 20, quando o computador
ainda não existia, muito menos a internet e o Facebook.

5. O uso do Facebook é estimulado, pois o texto mostra suas qualidades utilizando


adjetivos como milagroso e notável, alegando ser uma ótima ferramenta para
socialização tanto no trabalho como com amigos e familiares.

6. “Eloquent, economical and modern examples of communication adequate for our


times”.

7.
a. F
b. V
c. F
d. V
e. V

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 172


Capítulo 9 – Formação de palavras

Atividade 1

1. Os oceanos da Terra têm absorvido mais de 90% do aquecimento causado pelos


gases de efeito estufa. Segundo os pesquisadores com o calor armazenado, a água
do mar parece mais quente.

2.
Categoria gramatical
Absorbed Verbo
Warming Substantivo
Caused Verbo
Researchers Substantivo
Stored Adjetivo
Showing Verbo
Warmer Adjetivo
Scientists Substantivo
Underestimated Adjetivo
Trying Verbo
Used Verbo
Expands Verbo
Measured Verbo
Recently Advérbio
Gathered Verbo

Atividade 2

1. Redução de conflitos e construção da paz, além dos riscos naturais e os efeitos


de mudança climática.

2. Políticas de educação, planejamento e programas para fortalecer a resiliência


de crianças, escolas e comunidades e sistemas de ensino, através de abordagens
abrangente de segurança da escola e de coesão social.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 173


3.
a. 1
b. 2
c. 2
d. 2
e. 1
f. 1
g. 1
h. 1
i. 1
j. 1

Atividade 3

1. Violência, exploração e abuso sexual.

2. Gênero, raça, origem, etnia e deficiência.

3. Os pais, outros familiares, cuidadores, professores e empregadores.

4. Ao trabalho nas ruas, à vida nas instituições e detenções, e em comunidades


onde a desigualdade, o desemprego e a pobreza são altamente concentrados.

5. A violência armada, o tráfico, o trabalho infantil, a violência de gênero, o


bullying.

6. Podem afetar a saúde física e mental da criança, a curto e longo prazo, prejudi-
cando sua capacidade de aprender e se socializar, impactando em sua transição
para a vida adulta.

7.       SUFIXO   SIGNIFICADO  CATEGORIA DA PALAVRA


(1) Protected   -ed     protegidas        verbo
(2) Exploitation  -ation    exploração      substantivo

8. SIGNIFICADO DA:    PALAVRA 1    PALAVRA 2    PALAVRA COMPOSTA


(3) Worldwide      mundo     amplo       mundial
(4) socio-economic    social    econômico   sócio-econômico

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 174


9.
SUFIXO SIGNIFICADO
-ly particularmente
-able vulnerável
-er superior
-ability vulnerabilidade
-ous Inato/inerente
-ed marginalizado

10.
Prefixo Radical Sufixo Significado
- Live -ing vida
- work -ing trabalho
in- equality -ity desigualdade
Un-
Employ -ment desemprego
(not)
- high -ly altamente
dis-
Place -ment deslocamento
(not)
- addition -al adicional
un- accompany -ied desacompanhado
- young -er mais jovem
- Great -er maior

11.
ADULTHOOD
SOCIALIZE
ENFORCEMENT
CYBER-BULLYING
CARETAKER
ACCOUNTABLE
HARMFUL
EMPLOYERS
WORKPLACES

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 175


12.
older ou longer ou later - mais velhas, mais longos, mais tarde

teachers - professores

Atividade 4

1. As dificuldades de se romper com os estereótipos de gênero.

2. As tarefas diárias como cozinhar, ir ao supermercado e pegar as crianças.

Avaliação

1. Os puramente analfabetos não sabem ler nem escrever, e os analfabetos fun-


cionais têm vocabulário limitado, sabem ler ou escrever um pouco, mas não o
suficiente para atender às exigências da vida cotidiana.

2. O problema é a ingestão de fast food, refrigerante, alimentos ricos em gordura e


carboidratos; as consequências são uma ameaça real à saúde, obesidade, hiperten-
são arterial, colesterol alto, problemas de crescimento e risco de ataque cardíaco.

3. Os excessos alimentares e desnutrição.

4.
PREFIXOS SIGNIFICADO RADICAL NOVA PALAVRA SUFIXOS SIGNIFICADO
Il- não literate illiterate - analfabeto

Im- não precise imprecise -ly de forma imprecisa

- - differ - -ent diferente

- - use - -ful útil

- - functional - -ly funcionalmente

- - require - -ment exigência

Over- - eat - -ing comer demais

nutriens, nutrire
Mal- - malnutrition -ion desnutrição
(do latim)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 176


(Continuação)

- - available availability -ability disponibilidade

nutriens, nutrire
- - nutritive -ive nutritivo
(do latim)

- - high higher -er superior

- - ill illness -ness doença

Under- - nourish undernourish -ment subnutrição

Capítulo 10 – Uso de dicionários

Atividade 1
As respostas podem variar de acordo com o dicionário utilizado.

Atividade 2

DICIONÁRIO 1 DICIONÁRIO 2

a. verbo substantivo

b. substantivo verbo

c. /sli:p/ não apresentou pronúncia

d. não apresentou substituto da palavra-chave

e. in, on, off in, on, off

f. a heavy/light sleeper a refreshing sleep

s. (substantivo); pret. (pretérito);


g. vi (verbo intransitivo); sb (somebody)
pp. (particípio passado)

h. sleeping-car sleeping-bag

i. -er -er; -ness

j. ------- -ly

l. -er; (-ier) --------

m. -est; (-iest) --------

n. -------------- -ing

o. (:) (-)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 177


Atividade 3

CATEGORIA
SUFIXO PALAVRA SIGNIFICADO
GRAMATICAL

-er sleeper substantivo o dorminhoco

-ing sleeping adjetivo adormecido

-less sleepless adjetivo sem sono; insone

sleepiness substantivo sonolência


-ness
sleeplessness substantivo insônia

-ly sleepily advérbio sonolentamente

-y sleepy adjetivo sonolento

Atividade 4

a. educado
b. elevar
c. arrecadar
d. aumentará
e. crianças
f. levanta; suscita
g. causado
h. contactar
i. ressuscitar

Atividade 5

(h)
(i)
(e)
(a)
(b)
(c)
(f)
(g)
(d)

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 178


Avaliação

1.
F
F
V
F
F

2.
a. A interatividade dos vídeo games é um dos fatores que aumenta a popularidade
e crescimento da indústria, além da variedade de dispositivos onde os games
podem ser jogados.
b. Videogames violentos ou agressivos. A influência dos jogos na personalidade
das crianças pode ser tamanha a modificar suas ações e personalidade.

3.
a. Abilities
b. Large
c. Way
d. Appreciated
e. Function
f. Kinds

4.
b. Phobias
d. If children are getting aggressive

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 179


Referências
ALMEIDA, R. Q. de. As palavras mais comuns da língua inglesa. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2003.

ARAÚJO, A. E.; CUNHA, A. A. Mind your Reading – inglês instrumental com enfoque em leitura
acadêmica. Natal, 2010.

CARRELL, P. J. D.; ESKEY, D. Interactive approaches to second language reading. Cambridge:


CUP, 1990.

CARVALHO, U. W. Dicionário das palavras que enganam em inglês: um guia de palavras que
parecem uma coisa e significam outra. Rio de janeiro: Elsevier, 2004.

CELCE-MURCIA, M. Teaching English as a second or foreign language. 3. ed. London, Heinle


Heinle: Thomson Learning, 2001a.

COOK, G. Discourse in language teaching: a scheme for teacher education, Oxford: Oxford
University, 1989.

CUNHA, C. F. Gramática da língua portuguesa. Rio de Janeiro: FENAME, 1972.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e
Terra, 2001.

GRELLET, F. Developing reading skills: a practical guide to reading comprehension exercises. 1st
ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. London: Edward, Arnold Publ. 1985.

HUTCHINSON, T; WATERS, A. English for specific purposes – a learning centred approach.


Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

KLEIMAN, A. Texto e leitor – aspectos cognitivos da leitura. 15ª ed. Campinas: Pontes, 2013.

KOCH I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

KURLAND, D. Complete reference: the noun phrase. 2003. Disponível em: <http://criticalreading.
com/noun_phrase.htm>. Acesso em: 19 set. 2010.

LEWIS, M. The lexical approach. Hove: Language Teaching Publications, 1993.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 180


LIMA, D. de. Inglês na ponta da língua: método inovador para melhorar seu vocabulário. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2004.

McCARTHY, M. Discourse Analysis for language teachers. Cambridge: Cambridge University


Press, 1991.

MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, Análise de gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola,


2008.

MEANS, T. Instant Brazilian Portuguese vocabulary builder. New York: Hippocrene Books, 2006.

MICHAELIS: Moderno dicionário inglês-português. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 2000.

MILANEZ, M. K. A interpretação dos sintagmas nominais com adjetivos atributivos por alunos
de inglês instrumental. 158 f. Dissertação (Mestrado - Linguística Aplicada) - Programa de Pós-
graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de linguística aplicada: a natureza social e educacional dos
processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

MOTTA-ROTH, D. O processamento de sentido na leitura de textos em inglês como língua


estrangeira. Letras: [S.l.], v. 1, 1991.

MUNHOZ, R. Inglês Instrumental – estratégias de leitura. Módulo II. São Paulo: Textonovo, 2004.

NUTTALL, C. Teaching reading skills in a foreign language. 2nd ed. Oxford: McMillan
Heinemann, 1998.

OLIVEIRA, S. R. Estratégias de leitura para inglês instrumental. Brasília: Ed. UnB, 1994.

OXFORD POCKET: Dicionário bilíngue para brasileiros: português-inglês: inglês-portugues.


New York: Oxford, 2005.

QUIRK, R. et al. Comprehensive grammar of the English language. London: Longman, 1985.

SANTOS, A. S. dos. Guia prático da tradução inglesa. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cultrix, 1981.

SANTOS, D. Como ler melhor em inglês. São Paulo: Disal, 2011.

SCARINCI, R.; ZECHIN, J.; SCHUMACHER, C. Inglês: as 1.500 palavras indispensáveis. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2003.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 181


SCOTT, M. Projeto Nacional: working paper nº 1. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1981.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. trad. Cláudia Schilling. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUZA, A. et al. Leitura em língua inglesa – uma abordagem instrumental. São Paulo: Disal, 2005.

SWAN, M. Practical English usage. New York: Oxford University Press, 1995.

TAYLOR, J. R. Cognitive grammar. New York: Oxford University Press, 2002.

TORRES, N. Gramática prática da língua inglesa: o inglês descomplicado. 10. ed. São Paulo:
Saraiva, 2007.

TOSTES, S. C. A compreensão de grupos nominais em inglês como LE. Revista Brasileira de


Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 1, p. 217-230, 2004. Disponível em: <http://www.letras.
ufmg.br/rbla/2004_1/10SimoneCor.pdf>. Acesso em: 10 set. 2010.

TOTIS, V. P. Língua inglesa: leitura. São Paulo: Cortez, 1991.

WEST, C. Reading Techniques. Cambridge: CUP, 2008.

WOODS, G. Gramática inglesa para leigos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2010.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA INGLÊS 182


Este livro foi produzido pela Coordenadoria de
Produção de Materiais Didáticos da Secretaria
de Educação a Distância da Universidade
Federal do Rio Grande do Norte.