Você está na página 1de 33

1

Elementos que geram a música

- Harmonia, Melodia e Ritmo.

Harmonia – A junção de sons simultâneos, é a concordância dos sons, tornando-os agradáveis


ao ouvido e à sensibilidade do ouvinte, exemplo de vários instrumentos tocando ao mesmo
tempo de forma harmoniosa.

Melodia - Sequência de notas ou sons que se relacionam reciprocamente de modo a formar


um todo harmônico; linha melódica.

Ritmo - Sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com intervalos regulares.

-Propriedades físicas do som

Altura – é a propriedade que define o som a ser grave, médio ou agudo.

Intensidade – caracteriza do som ser fraco ou forte, por exemplo; A força com que se fere a
corda do violão, ou tocando forte ou fraco.

Timbre – a qualidade de som, permitindo conhecer sua origem, como por exemplo o som do
violão e contrabaixo. De certa forma trata-se da identidade de um corpo sonoro.

Tonalidade – sistema de sons baseado nas escalas maior, menor, menor harmônica, menor
melódica e menor natural. Ao ouvir uma escala observe que os sentidos das notas repousam
em certos graus, devidos as atrações que exercem sobre outros. O repouso absoluto é feito no
I grau (função tônica), centro de todos movimentos.

Tom – é a altura onde se realiza a tonalidade, já que existem uma serie de tons em diferentes
alturas. Por exemplo; se a tônica de uma música for a nota la, quer dizer que a tonalidade se
realiza no tom de La maior ou podendo ser também menor.

Cifra - Formada pelas 7 primeiras letras do alfabeto, e da ao executante menos poluição visual
da cifra e estabelece uma livre escolha na execução de um acorde.

A = La / B = Si / C = Do / D = Ré / E = Mi / F = Fa / G = Sol

Prof. Daniel Macarine


2

Escala cromática - escala Formadas por semitons contendo 12 notas ,tendo naturais,
sustenidos e bemóis.
Semitom - é a menor distância entre duas notas.
tom – a junção de dois semitons

 ( #) Sustenido

acidentes # - C# D# F # G# A#
E. diatônica - C | D | E - F | G | A | B - C
acidentes b - Db Eb Gb Ab Bb

( b )  Bemol

Com a visualização dos Sustenidos : C C# D D# E F F# G G# A A# B C C# D D#...


Com a visualização dos Bemóis: C Db D Eb E F Gb G Ab A Bb B C...

Escrever a escala cromática no quadro a baixo que representa o braço do violão.

Escala diatônica - Pertencente ao tom, contendo 8 notas, sendo 5 intervalos de tom e dois de
semitons .
T T ST TTT ST - C D E F G A B C
D E F# G A ...

Prof. Daniel Macarine


3

-ESCALA-
A escala cromática formada por semitons e a diatônica por tom e semitom na seguinte ordem.
T T ST T T T ST, gerando assim I II III IV V VI VII , que chamamos de graus.
- Se pegarmos a escala cromática e usarmos a fórmula, montamos a escala diatônica.

- Então assim ficou a escala de Dó com seus respectivos graus.

- Exercício -

1)- Com base na construção da escala a partir da cromática, construa a escala diatônica das
demais notas.

Exemplo mostrado

Prof. Daniel Macarine


4

Construir escala de Ré

Construir escala de Mi

Construir escala de Fá

Construir escala de Sol

Construir escala de Lá

Construir escala de Si

Conhecendo o braço do nosso instrumento, a formação de acordes, arpejos e escalas


começam a ser os pontos chaves junto a técnica para se trabalhar um improviso ou até
mesmo um tema.

Prof. Daniel Macarine


5

-Conhecemos neste método a escala maior por parte teórica.


Agora utilizaremos estas escalas no instrumento para começar a trabalhar toda parte de
teoria à prática.
-Como vimos, a escala maior tem sua fórmula para que possamos monta-la.

Do# Re#
T-T-ST-T-T-T-ST T – Tom   Do - Re / Re – Mi

ST – Semitom   Do – Do# / Do – Reb / Mi – Fa / Si – Do

-Através da escala cromática montamos a escala diatônica.

E seguindo dessa formula partindo de cada nota da escala cromática, formamos as escalas das
7 notas .

Dó – C D E F G A B Sol – G A B C D E F#

Ré – D E F# G A B C# La – A B C# D E F# G#

Mi – E F# G# A B C# D# Si – B C# D# E F# G# A#

Fa – F G A Bb C D E

- E podemos ter no violão e na guitarra cinco formas diferentes, regiões distinta de fazer uma
mesma escala, conhecido por muitos como sistema CAGED.
Formularemos agora o desenho da escala no braço do instrumento, e usaremos tablatura para
mostrar a região.
Os exemplos serão em Do maior para melhor compreensão do braço e da escala.
As bolinhas brancas representam as fundamentais da escala.

Prof. Daniel Macarine


6

_____________________________________N°1_______________________________

_____________________________________N° 2______________________________

____________________________________N°3________________________________

____________________________________N°4________________________________

Prof. Daniel Macarine


7

____________________________________N°5________________________________

_______________________________________________________________________

Dica: solfeje as notas da escala quando for estudar suas estruturas, como por exemplo; ao
executar o primeiro desenho da escala de, cante cada nota pois isso te ajudara a compreender
a estética da escala diatônica. Faça isso com as demais notas, em outros tons, até porque se
tratando shape (forma) essas estruturas serão iguais para qualquer outra tonalidade.

Prof. Daniel Macarine


8

- Intervalo, tom e semitom -


. Intervalo : É a distancia entre dois sons
. Semitom : O menor intervalo entre dois sons
. Tom : É o intervalo formado por dois semitons

- Pegando um exemplo da 6° corda, podemos entender melhor como funcionam os intervalos.


Sendo nesse caso um intervalo de tom e semitom. Fa para Fa#/Solb - intervalo de semitom e
de Fá para o Sol - intervalo de tom.

Classificação dos intervalos

Os intervalos estão presentes nas escalas e através deles podemos identificar melhor a ordem
que a compõe, como por exemplo, Dó - Sol, temos uma relação intervalar de quinta justa.

Prof. Daniel Macarine


9

-Além dos intervalos maiores e Justos, temos também os intervalos menores, aumentados e
os diminutos.

Relação intervalar da 2° segunda.................................................................................................

Relação intervalar da 5° quinta.......................................................................................................

Relação intervalar da 7° sétima.....................................................................................................

O intervalo de 7° dim, é enarmônico ao intervalo de 6° maior.

Prof. Daniel Macarine


10

-Os intervalos podem ser ascendentes ou descendentes, melódicos ou harmônicos, simples e


composto, natural e invertido.

- O primeiro som mais grave que o próximo – Ascendente

- O primeiro som sendo mais agudo que o próximo – Descendente

- Quando os sons são escutados em sequência – Melódicos

- Quando os sons são escutados juntos, ao mesmo tempo – Harmônicos

- Quando o som esta dentro da oitava – Simples

- Quando o intervalo ultrapassa a oitava – Composto

- Quando o intervalo é pertencente a sua tonalidade – Natural

Prof. Daniel Macarine


11

- Quando as posições das notas são trocadas - Invertido

- Quando os intervalos se invertem, seus nomes e suas ordens na relação intervalar também
são alterados, como no caso a cima.
- No exemplo abaixo, podemos observar com mais clareza.

Com isso, percebemos que na inversão de intervalos, ocorrem o seguinte na troca das
posições:

. Os maiores se tornam menores e vice-versa


. Os aumentados em diminutos e vice-versa
. E os justos permanecem justos

Relação da distância dos intervalos

Prof. Daniel Macarine


12

Segunda menor

Segunda maior

Prof. Daniel Macarine


13

Terça menor

terça maior

Prof. Daniel Macarine


14

Quarta Justa

Quarta aumentada/ Quinta diminuta

Quinta Justa

Prof. Daniel Macarine


15

Quinta aumentada/ sexta menor

Sexta Maior

Sétima menor

Prof. Daniel Macarine


16

Sétima Maior

Oitava Justa

Prof. Daniel Macarine


17

- Quadro dos intervalos usado nos acordes e para identificar a nota na sua posição da
escala cromática.

( significado de enarmonia - no sistema de temperamento igual, a mesma nota com nomes diferentes )

( As ideias propostas nesse método sobre intervalos, teve como fonte o livro de Almir Chediak, na parte sobre
intervalos. )

Prof. Daniel Macarine


18

1)- As escalas são a base para que possamos reconhecer os intervalos.


Com base nas escalas construída e no quadro de intervalos, indique o intervalo
correspondente.

a) Exemplo b) c)

d) e) f)

g) h) i)

j) k) l)

m) n) o)

p) q) r)

s) t) u)

v) x) z)

Prof. Daniel Macarine


19

2)-Os intervalos tem seus respectivos nomes, como pode ser melódico, ascendente,
descendente, etc... isso em apenas uma classificação.
-Classifique os intervalos de acordo com a figura.

a) b) c)

d) e)

3) – Descreva os intervalos citados no inicio do capitulo e fale sobre eles .

4) - Escreva as escalas musicais das 7 notas , Do,re,mi,fa,sol,la e si para melhor


visualização no instrumento.

Do ( C ) Escala – C D E F G A B

Prof. Daniel Macarine


20

Re ( D ) Escala – D E F# G A B C#

Mi ( E ) Escala – E F# G# A B C# D#

Fa ( F ) Escala – F G A Bb C D E

Sol ( G ) Escala – G A B C D E F#

Prof. Daniel Macarine


21

La ( A ) Escala – A B C# D E F# G#

Si ( B ) Escala – B C# D# E F# G# A#

5)- Descreva a relação intervalar da escala de Dó citada abaixo, todos pensados


ascendentes.

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó

a) De Dó pra Ré :_______ b) De Ré pra Fá: ________ c) De Mi pra Fá : ____________

c) De Sol pra Dó : __________ d ) De Lá pra Si : __________ e) De Dó pra Si : ________

f) De Mi pra Sol : _________ g) De Fá pra Dó : ________ h) De Fá pra Si : _________

i) De Ré pra Sol : ______ j) De Dó pra Dó : ________ k) De Ré pra Dó : __________

-Neste tópico demos início ao que se refere a escala, no sentido de que precisamos
dela para entender determinados pontos de início na música. Através dessa ideia
citada, na construção da escala Maior, podemos encontrar a escala menor. Não
colocamos ainda como forma de técnica, totalmente pratica no instrumento, mas
estará em um tópico mais à frente.

Dica: Ao tocar uma música, juntamente com seu professor busque entender a escala,
os intervalos gerado entre os acordes, entre as notas que geram esse acorde, pois
assim já passamos assimilar melhor a geometria envolvida na música.

Prof. Daniel Macarine


22

-ACORDES-
-As escalas formam acordes, através de um empilhamento de terças podendo ser
tríades ou tétrades , que podem ser maiores, menores, aumentados e diminutos,
quando falamos de tríades.
Quando falamos de tétrades, acordes de quatro sons, temos; Maior com sétima
maior, menor com sétima, Dominante, Diminuta, Sétima maior e quinta aumentada,
menor com sétima maior e Meio diminuta.
Dentro da escala os acordes são formados pela 1 3 5 quanto tríade e no caso da
tétrade adiciona-se uma sétima (7 ).

Exemplo:

C D E F G A B C

C D E F G A B C ( Logo vemos que essas três notas juntas


1 3 5 Formaram o acorde de Dó maior e quando
tocadas ao mesmo tempo, temos a sonoridade de um Dó.)

*Como saber se o acorde está maior, menor, aumentado, etc...?

- As escalas possuem sua ordem, por isso denomina-se escala, com essa ordem
classificada numericamente, podemos conhecer a origem desse acorde, por exemplo.

formação de um acorde :

1 3 5
Maior : 1 3 5 - C D E F G A B

Menor : 1 b3 5 C Eb G

Aumentado: 1 3 #5 C E G#

Diminuto : 1 b3 b5 C Eb Gb

Prof. Daniel Macarine


23

Podemos ver que se tratando da terça e quinta, houve alterações , onde era 3, virou
b3, onde era 5,virou b5 , e quando chegamos nesse aspecto, é que pensamos junto a
escala cromática.
Exemplo:

1 3 5
C D E F G A B
C#/Db D#/Eb F#/Gb G#/Ab A#/Bb

. A ordem da escala determinará se a nota do acorde será sustenido ou bemol, como


por exemplo, a terça de C (dó) será sempre E ( mi ), então caso a nota E venha ter
alteração dentro do acorde de C, independente dela ir para baixo, será sempre a terça
de C, assim podendo ter alteração de estar como Eb e não D#, e ai entra o caso de
enarmonia.
( significado de enarmonia - no sistema de temperamento igual, a mesma nota com nomes diferentes )

Os acordes são formados pelas suas respectivas escalas, ou seja, dentro das escalas
encontramos a formação de cada acorde. Como demos o exemplo de Dó ( C ).

Escalas Maiores e os acordes gerados por elas.

1 3 5
| | |
C D E F G A B - C Maior

D E F# G A B C# - D Maior

E F# G# A B C# D# - E Maior

F G A Bb C D E - F Maior

G A B C D E F# - G Maior

A B C# D E F# G# - A Maior

B C# D# E F# G# A# - B Maior

Prof. Daniel Macarine


24

Podemos ver por exemplo nos acordes Maiores, menores e nos demais como funciona
no instrumento por exemplo.
As notas que formam esses acordes dentro das formas ( shape ) que conhecemos.

Acordes maiores

Acordes menores

Prof. Daniel Macarine


25

Exercício de técnica para sincronismo das mãos com a escala cromática.


Este é um dos exercios de técnica nas quatro primeiras casas do instrumento.
A intenção é que se pratique com metronomo em andamento lento e ir aos poucos
aumentando, utilizando palhetada altenada.
É também um exercicio de sincronismo entre a mão direita e esquerda.

Exercio n°1.A

Exer. 1.B

Exer.1.C

Exer.1.D

Prof. Daniel Macarine


26

Exercício n°2 – Exercício de sincronismo com a mão direita e esquerdaonde busca se


explorar a extensão do braço da guitarra ou violão e no objetivo de ajudar na locomoção
horizontal. Estdar com metronomo de preferência.

Conhecendo o braço do nosso instrumento, a formação de acordes, arpejos e escalas começam a ser os
pontos chaves junto a técnica para se trabalhar um improviso ou até mesmo um tema.
Colocando os shapes em pratica, trabalhamos ligando esses shapes, para que nada soe muito monótono

Prof. Daniel Macarine


27

e possamos ter uma visualização e melhor exploração do braço do instrumento.


Exemplos: Dó, para melhor compreensão.
Ex : N° 1 / 6 – 5 – 4 | Ligando os 5 shapes na cordas citadas.

Dedos

Dedos

Dedos

Ex : N° 2 / 5 – 4 – 3 | Ligando os 5 shapes na cordas citadas.

Dedos

Prof. Daniel Macarine


28

Dica: estude bem devagar, com auxílio de um metrônomo e aos poucos aumentando a velocidade para
seu desempenho.

Padrão 1 e 2 – ligando desenho um e dois, cordas 6 , 5 e 4 do desenho um, a corda 3 ,2 e 1 do desenho


dois.

Padrão 2 e 1 ( invertendo ) – ligando o desenho dois e um, cordas 6 , 5 e 4 do desenho dois, a corda 3, 2
e 1 do desenho um.

Prof. Daniel Macarine


29

O Poder do V – I

Podemos sempre de alguma forma tentar harmonizar uma melodia com fundamental e
dominante.
Pegando por exemplo a escala de Dó maior.

Para vermos uma ideia interessante e quisesse harmonizar todas as notas dentro da
fundamental e dominte.

Adicionando as tensões

-Essa mesma ideia pode ser Harmonizada cromaticamente

Prof. Daniel Macarine


30

Harmonia Quartal

São os acordes que tem seu empilhamento em quartas ao invés de terças.


Podemos também harmonizar essa ideia dentro do próprio campo harmônico, sendo nesse
caso de dó.

Gerando também os possíveis blocos na guitarra.

Irá dar origem aos seguintes graus: I

Dará origem ao quarto grau : IV

Irá dar origem aos seguintes graus: II - III – VI – VII

Dará origem apenas ao quinto grau: V

Apesar de colocarmos essas origens nos blocos de acordes quartais,ele não se prendem
necessariamente aos graus,pois qualquer um dos blocos trazem boas ideias harmoônicas,devido a
sobreposição quartal.
Como por exemplo,o que designimos como primeiro grau pode ser uma inversão de Dm6(9)/C ,um Dm
dórico.

Prof. Daniel Macarine


31

Podemos também utilizar essas ideias andando apensas em três notas,eliminando os baixos para uma
locomoção mais tranquila.

Assim como nos acordes com intervalos de 3° , nos quartais também ocorrem as inversões.
Pegamos as três primeiras notas, contando com o baixo, como por exemplo C . F . B e
jogamos a nota mais grave para a ponta, ficando como F . B . C , gerando assim sua primeira
inversão.

Gerando esse shape.

E podemos também Harmonizar essa mesma ideia dentro do campo, trazendo a fundamental
para ponta.

Prof. Daniel Macarine


32

Assim como nos intervalos de 3°, nos quartais também encontramos sua segunda inversão.

Gerando esse shape

E podemos também Harmonizar essa mesma ideia dentro do campo, trazendo a fundamental
para ponta

Uma boa forma de movimentação de harmonização em quartas e de manter uma nota na


ponta e partindo dali fazer as possíveis movimentações.

Exemplo:

Harmonia quartal tem um amplo assunto, deixando essa base bem firme, podemos trabalhar
muitas coisas.
Um dos lances de começo é aproveitar um acorde pedal e utilizar todo campo harmônico em
quartas e percebendo uma vasta sequencia de sonoridades incríveis.
Tente essas ideias como dórico,sobre acordes menores,por exemplo; Temos dó menor,
baseia-se as ideias em quartas sobre a escala, o campo de Bb.

Prof. Daniel Macarine


33

Prof. Daniel Macarine