Você está na página 1de 24

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

INSTITUTO DE TECNOLOGIA
FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA
PROJETO EM ENGENHARIA QUÍMICA

ESTUDOS DE CASO

Belém
2018
INGRID VASCONCELOS CURCINO - 201207540043
LEANDRO SANTOS MONTEIRO - 201207540069
NIAN IURY FERRÃO QUEIROZ - 201207540062
RAYLIME LOUISE TAVARES COSTA - 201207540048

ESTUDOS DE CASO

Soluções referentes aos estudos de caso 1


a 5 apresentadas como requisito
necessário para obtenção de nota parcial
para aprovação na disciplina Projeto em
Engenharia Química, no Curso de
Engenharia Química, na Universidade
Federal do Pará.

Docente: Prof. Dr. Rui Nelson Otoni


Magno.

Belém
2018
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

DRE Demonstrativo de Resultados de Exercício


FCD Fluxo de Caixa Descontado
FCN Fluxo de Caixa Nominal
IL Índice de Lucratividade
MVE Maior Valor Esperado
PBD Payback Descontado
PBS Payback Simples
Pj Preço de venda
Qi Quantidade produzida
TER Taxa Externa de Retorno
TIR Taxa Interna de Retorno
TMA Taxa Mínima de Atratividade
VPL Valor Presente Líquido
ESTUDO DE CASO 1

Está sendo estudado um projeto para implementar uma fábrica de artefatos de


fibra de vidro. E é pedido que de acordo com os dados do projeto, que seja realizada
uma análise de viabilidade da fábrica, segundo o critério VPL. Os dados do projeto
são:

- Horizonte do projeto: 10 Anos

- TMA: 25%

- Terreno: R$ 50.000,00

- Construção Civil: R$ 90.000,00

- Máquinas e Equipamentos: R$ 260.000,00

- Ativo Financeiro: R$ 20.000,00

- Valor residual: R$ 50.000,00

- Preço de venda unitário: R$ 50.000,00

- Custo fixo: R$ 50.000,00

O custo Variável unitário e a quantidade produzida possuem três valores


possíveis cada, para três probabilidades diferentes, de acordo com a tabela abaixo:

Tabela 1.1 - Dados prováveis.

Probabilidade Custo Variável Quantidade Produzida


50% R$ 152,00 560.000,00
30% R$ 168,00 420.000,00
20% R$ 140,00 640.000,00
Fonte: Própria.

SOLUÇÃO:

A fim de calcular o VPL, construiu-se o fluxo de caixa nominal da fábrica de


vidro para o horizonte de 10 anos, levando em consideração a receita bruta e os
custos do projeto.
Figura 1.1 - Fluxo de caixa nominal

Fonte: Própria.

Sendo,
No tempo 0, tem-se todos gastos do projeto mais o ativo financeiro, totalizando
R$420.000,00.
No tempo de 1 ao 9, tem-se três fluxos de caixa, sendo o primeiro a receita
bruta dada pelo produto, preço de venda multiplicando a quantidade produzida (Qi). O
segundo fluxo do custo fixo de R$ 56.000,00. E o terceiro representa o custo variável,
dado pelo preço (Pj) multiplicando a quantidade produzida (Qi). Sendo os índices i e j
variando de 1 a 3.
No tempo 10, além dos fluxos nos horizontes de 1 a 9, também estão presentes
o valor residual e o ativo financeiro, da importância de R$ 50.000,00 e R$20.000,
respectivamente.
Para auxiliar na escolha da implementação ou não do projeto e análise da
melhor combinação, foi montada a árvore de tomada de decisão, representada na
Figura 1.2.
Figura 1.2 - Árvore de tomada de decisão.

Fonte: Própria.

Conforme a figura 1.2, a tomada de decisão recai sobre: investir (ponto de risco
1) ou não investir (VPL igual a zero). Essa decisão será determinada em função dos
valores de VPL dos demais pontos de risco.

O cálculo do VPLk, sendo k variando de 1 a 9, será realizado pela seguinte


expressão, considerando uma TMA de 25%.

 1, 25 10  1  70.000


VPLK  (420.000)   200* Qi    56.000  Pj * Qi   *   (01)
 1, 2510 *0, 25  1, 25 10
 

Tabela 1.2 - Valores de VPL,


VPLk P(j) [$] Q(i) [Un] R$
VPL1 152,00 560.000,00 95.362.695,92

VPL2 152,00 420.000,00 71.368.913,94

VPL3 152,00 640.000,00 109.073.428,48


Fonte: Própria.
Tabela 1.2 - Valores de VPL (Continuação)
VPLk P(j) [$] Q(i) [Un] R$
VPL4 168,00 560.000,00 63.370.986,62

VPL5 168,00 420.000,00 47.375.131,96

VPL6 168,00 640.000,00 72.511.474,99

VPL7 140,00 560.000,00 119.356.477,90

VPL8 140,00 420.000,00 89.364.250,42

VPL9 140,00 640.000,00 136.494.893,59


Fonte: Própria.

Segundo o critério VPL o projeto é viável e deve ser implementado, pois, em


todos os cenários estudados os valores de VPL são positivos.
De acordo, com a metodologia para análise utilizando a árvore de decisão será
utilizado a equação do maior valor esperado (MVE), Equação 1.2, para cada um dos
três pontos de risco.

3
MVE i   %i % k VPLk (1.2)
k 1

Sendo:
%i - Probabilidade de ocorrência dos cenários de custo variável;
%k - Probabilidade de ocorrência do cenário de demanda/produção.

Calculando os três valores de MVE tem-se a Tabela 1.3.

Tabela 1.3 - Valores de MVE.


MVE R$
1 45.453.353,92
2 22.757.298,56
3 18.120.098,37
Fonte: Própria.

RESPOSTA:
O estudo do projeto para implementação de uma fábrica de artefatos de fibra
de vidro, conclui-se que deve ser implementado. Segundo o critério VPL, todos os
cenários discutidos retornaram um valor presente liquido positivo, conferindo um
caráter atrativo.

O melhor cenário é o ponto de risco 1 que possui o maior valor de MVE, de


R$45.453.353,92. A maior contribuição para o MVE1 é de R$23.840.673,98 atribuída
a uma produção de 560.000 unidades por ano e a um custo variável de R$152,00,
ambos com 50% de probabilidade de ocorrer.
ESTUDO DE CASO 2

Considere os seguintes dados para o projeto de construção de uma fábrica para a


produção de um determinado produto:

Investimento Fixo: R$ 1.000.000,00;

Capital de Giro: R$ 100.000,00;

Vida Estimada: 10 anos;

Produção Anual: 10.000 t;

Preço de Venda: R$ 90,00/t;

Custos Operacionais Totais: R$ 450.000,00/ano;

Valor Residual: R$ 60.000,00;

Depreciação: 10% a.a.;

Retorno Pretendido após I.R.: 14% a.a. (TMA);

Alíquota do I.R.: 30%;

Verificar a atratividade do projeto (VPL, TIR, TER, PBD e IL) e as sensibilidades do


projeto para variações negativas no preço de venda e para acréscimos do valor do
investimento fixo.

SOLUÇÃO:

A partir dos dados fornecidos no estudo de caso, elaborou-se o DRE cujo qual
é apresentado, resumidamente, na Tabela 2.1.
Tabela 2.1 - Demonstrativo do resultado do exercício do estuco de caso 2.
Através do DRE obteve-se o valor do lucro líquido o qual foi adicionado no fluxo
de caixa do projeto, assim como outros dados fornecidos que são apresentados,
resumidamente, na Tabela 2.2.

Tabela 2.2 – Resumo do fluxo de caixa de projeto.


R$ 0 1 2-9 10
ENTRADAS - 345.000,00 345.000,00 405.000,00
Lucro Líquido - 245.000,00 245.000,00 245.000,00
Empréstimos - -
Depreciação - 100.000,00 100.000,00 100.000,00
Valor Residual - - - 60.000,00

SAÍDAS 1.000.000,00 - - -
INVESTIMENTOS 1.000.000,00 - - -

CAPITAL DE GIRO 100.000,00 100.000,00 100.000,00 -

VARIAÇÃO DO
100.000,00 - - -100.000,00
CAPITAL DE GIRO
Fonte: Própria.

A Tabela 2.3 contém o resumo do fluxo de caixa final o qual é apresentado


em forma de diagrama de fluxo de caixa através da Figura 2.1.

Tabela 2.3 – Resumo do fluxo de caixa final.

FLUXO DE CAIXA NOMINAL FLUXO DE CAIXA ACUMULADO


n
(R$)
0 - 1.100.000,00 - 1.100.000,00
1 345.000,00 -755.000,00
2 345.000,00 - 410.000,00
3 345.000,00 - 65.000,00
4 345.000,00 280.000,00
5 345.000,00 625.000,00
6 345.000,00 970.000,00
7 345.000,00 1.315.000,00
8 345.000,00 1.660.000,00
9 345.000,00 2.005.000,00
10 505.000,00 2.510.000,00
Fonte: Própria.
FiguraTítulo
2.1 - Diagrama do fluxo de caixa.
do Gráfico
600000 R$ 100000,00
R$ 345000,00 R$ 60000,00
400000

200000

0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
-200000

-400000 R$ 1100000,00
-600000

-800000

-1000000

-1200000
Fonte: Própria.

Utilizando os valores do fluxo de caixa pontual, calculou-se o fluxo de caixa


descontado cujos valores estão dispostos na Tabela 2.4.

Tabela 2.4 – Fluxo de caixa descontado.

FLUXO DE CAIXA DESCONTADO FLUXO DE CAIXA ACUMULADO


n
(R$)
0 - 1.100.000,00 -1100000,00
1 302.631,58 -797368,42
2 265.466,30 -531902,12
3 232.865,17 -299036,95
4 204.267,70 -94769,26
5 179.182,19 84412,93
6 157.177,36 241590,29
7 137.874,88 379465,17
8 120.942,87 500408,04
9 106.090,24 606498,28
10 136.220,62 742718,91
Fonte: Própria.

Através dos valores fornecidos e das Tabelas 2.3 e 2.4, calculou-se o PBD,
VPL, TIR, IL e TER. Os valores obtidos são apresentados na Tabela 2.5.

Tabela 2.5 - Critérios de avaliação de investimento.


PBS(anos) 3,19
PBD(anos) 4,53
VPL14% R$ 742.718,91
TIR 29%
IL 1,68
TER 21%
Fonte: Própria.
A fim de analisar a sensibilidade do projeto em relação ao preço de venda do
produto e o valor do investimento fixo, utilizou-se a ferramenta SOLVER do Excel
2013, obtendo-se, então, os valores para os quais o projeto seria inviável, ou seja,
VPL<0. Esses valores são apresentados através da Tabela 2.6.

Tabela 2.6 - Análise de sensibilidade.


Preço de Venda R$69,66
Investimento Fixo R$ 1880503,09
Fonte: Própria.

RESPOSTA:

Através dos valores da Tabela 2.5 pode-se concluir que para uma TMA igual a
14%, o projeto pode ser considerado viável visto que o valor do VPL foi positivo, a TIR
foi maior que a TMA, ou seja, a taxa de remuneração do investimento é superior a
apresentada no mercado. O retorno do valor investido (PBS) aconteceria em 3 anos
e alguns meses enquanto a agregação de valor ao investimento (PBD) foi igual a 4
anos e alguns meses, ou seja, em menos da metade do horizonte de operação o valor
do investimento será recuperado e em pouco mais de 4 anos o investimento agregará
mais valor. O IL foi superior a 1, indicando lucratividade no projeto e o valor obtido
para TER foi maior que a TMA, corroborando a viabilidade do projeto.
Em relação à análise de sensibilidade, Tabela 2.6, para valores de preço de
venda inferiores à R$69,66, mantendo-se o investimento fixo, o VPL é negativo,
inviabilizando a implementação do projeto. Para o investimento fixo, valores maiores
que R$ 1880503,09, mantendo-se o preço de venda, resultam em VPL negativo e,
consequentemente, inviabilizando a implementação do projeto.
ESTUDO DE CASO 3

Uma empresa está considerando a possibilidade de lançar um novo produto no


mercado. A instalação da nova linha requererá um gasto de R$55.000,00 para
investimentos fixos e R$ 5.000,00 para capital de giro.
Estima-se uma vida econômica, para o projeto, de 10 anos. A empresa espera
vender uma produção anual de 5.000 toneladas a um preço unitário de R$10,00. Os
custos operacionais anuais foram estimados em R$35.000,00. Se a firma pretende
um retorno após os impostos de, no mínimo, 10% ao ano, pede-se:

1- Verificar a atratividade do projeto.


2- Analisar a sensibilidade do projeto para uma variação negativa de 15% no
preço de venda.
3- Calcular o preço de venda mínimo para obtenção da rentabilidade requerida.
4- Verificar a sensibilidade do projeto para um acréscimo de 20% no valor do
investimento fixo.

A taxa de imposto de renda é de 35% e a taxa máxima de depreciação é de 10%.

SOLUÇÃO:

Para verificar a atratividade do projeto, inicia-se elaborando o DRE, apresentado


na Tabela 3.1.
Após a obtenção do lucro líquido do projeto, obtido através do DRE, calcula-se os
FCN, FCD, PBS e PBD, apresentados na Tabela 3.2 e a Figura 3.1 apresenta um
diagrama dos fluxos de caixas nominais.
Figura 3.1 – Diagrama dos fluxos de caixas nominais.

Fonte: Própria.

Por meio dos fluxos de caixa realizados anteriormente, foi possível calcular os
critérios de viabilidade econômica, expostos na Tabela 3.3.

Tabela 3.3 - Critérios de viabilidade econômica.

PBS(anos) 5,14
PBD(anos) 7,58
VPL 10% R$ 13665,5374
TIR 14,93%
TER 12,28%
IL 1,23
Fonte: Própria.

Com uma variação negativa de 15% no preço de venda, o mesmo assume o valor
de R$ 8,50 e apresenta os critérios de viabilidade econômica expostos na Tabela 3.4.

Tabela 3.4 - Critérios de viabilidade econômica.

PBS(anos) 8,8235
PBD(anos) 15,4781
VPL 10% R$ -16289,2272
TIR 4%
TER 6,57%
IL 0,7285
Fonte: Própria.
Com um acréscimo de 20% no investimento fixo do projeto, esse, assume o valor
de R$ 66.000,00 e apresenta os critérios de viabilidade econômicos na tabela 3.5.

Tabela 3.5 - Critérios de viabilidade econômica.

PBS(anos) 5,8872
PBD(anos) 9,1839
VPL 10% R$ 5031,1957
TIR 12%
TER 10,76%
IL 1,0709
Fonte: Própria.

RESPOSTA:

Item 01:

Os critérios de viabilidade econômica, apresentados na Tabela 3.3, indicam que o


projeto é atrativo, ou seja, viável, uma vez que seus parâmetros se mostraram
adequados para realização de um investimento lucrativo.
O VPL apresentou um valor positivo, indicando um retorno maior que a
rentabilidade. A TIR e a TER, que são taxas relacionadas diretamente ao projeto,
sendo que uma considera o valor presente e a outra o valor futuro dos fluxos de caixa,
respectivamente, assumiram valores maiores que a TMA, mostrando o quão atrativo
é o projeto, já que as taxas exclusivas do projeto são superiores a taxa mínima que o
mercado apresenta. O IL apresentou um valor maior que 1, assim, reafirmando a
lucratividade do projeto.
Tanto o PBS, que não considera o valor do dinheiro no tempo nem a taxa de
mercado, quanto o PBD, que considera os fatores citados, apresentaram valores
menores que o horizonte, mostrando que o retorno do investimento se dará antes do
término da duração do projeto.

Item 2:

Observa-se que o projeto se torna inviável com a alteração proposta, de acordo


com todos os critérios de viabilidade apresentados na Tabela 3.4, já que o VPL
assume um valor negativo, indicando que não haverá rentabilidade no projeto; a TIR
e a TER apresentam valores menores que a TMA, além de apresentar um IL menor
que 1, ratificando que o projeto não é atrativo, pois suas taxas assumiram valores
menores que a do mercado e o capital investido estará sendo destruído. Outro critério
que confirma a inviabilidade do projeto é o PBD, que assumiu um valor maior que a
duração do projeto, indicando que não haverá retorno do investimento durante a
duração do mesmo.

Item 03:

O preço mínimo de venda para que não ocorra prejuízo é obtido quando o VPL é
igual a 0, e esse valor para o problema proposto é igual a R$ 9,32. Valores menores
que esse resulta em VPL negativo, retornando menos que a rentabilidade.

Item 04:

Observa-se que o projeto se torna viável com a alteração proposta, de acordo com
todos os critérios de viabilidade apresentados na tabela 3.5. O VPL assume um valor
positivo, indicando rentabilidade, a TIR e a TER apresentam valores maior que a da
TMA, além de apresentar um IL maior que 1, confirmando a atratividade do projeto. O
PBS apresentou um valor menor que a duração do projeto, assim como o PBD,
garantindo o retorno do investimento antes do término do mesmo, ressaltando-se que
segundo o último critério citado esse retorno aconteceria apenas no último ano de
projeto.
ESTUDO DE CASO 4

Duas opções mutuamente excludentes estão sendo avaliadas por uma indústria
petroquímica que utiliza uma TMA de 15%. A opção “A” exige um investimento fixo de
R$ 150000,00 e gera um lucro líquido de R$60000,00/ano durante 7 anos. A opção B
requer um investimento de R$ 190000,00 que consegue gerar um lucro líquido de R$
70000,00/ano durante 7 anos. Com os dados fornecidos, determine:

a) Qual o limite de aceitabilidade da Opção A?


b) Qual o limite de aceitabilidade da Opção B?
c) Verifique se ocorre inconsistência de ordenação das opções A e B pelos
critérios VPL e TIR.
d) Qual a melhor opção de investimento pelos dois critérios de avaliação?

SOLUÇÃO:

A Figura 4.1 representa os diagramas de fluxos de caixas nominais conforme


os dados fornecidos no texto.

Figura 4.1 - Diagrama de fluxo de caixa: (a) Projeto A. (b) Projeto B.


(a)
100000,00
R$ 60000,00
50000,00

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7
-50000,00

-100000,00 R$ 150000,00

-150000,00

-200000,00
(b)
100000,00
R$ 70000,00
50000,00

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7
-50000,00

-100000,00 R$ 190000,00

-150000,00

-200000,00 Fonte: Própria.


A diferença entre os fluxos de caixas do Projeto B(minuendo) e Projeto
A(subtraendo), sendo a seleção de minuendo e subtraendo relacionada ao valor do
investimento, resulta no fluxo de caixa incremental o qual é exposto na Figura 4.2 que
representa o diagrama de fluxo de caixa incremental

Figura 4.2 - Diagrama (b)


de fluxo de caixa incremental (B-A).
100000,00
R$ 10000,00
50000,00

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7
-50000,00

-100000,00 R$ 40000,00

-150000,00

-200000,00 Fonte: Própria.

Através dos valores do fluxo de caixa incremental, calculou-se os valores do


fluxo de caixa descontado. Esses valores são expostos, resumidamente, através da
Tabela 4.1.

Tabela 4.1 - Fluxo de caixa incremental (B-A).

n/R$ 0 1 2 3 4 5 6 7
FCNA -150000,00 60000,00 60000,00 60000,00 60000,00 60000,00 60000,00 60000,00
FCNB -190000,00 70000,00 70000,00 70000,00 70000,00 70000,00 70000,00 70000,00
FCDA -150000,00 48000,00 38400,00 30720,00 24576,00 19660,80 15728,64 12582,91
FCDB -190000,00 56000,00 44800,00 35840,00 28672,00 22937,60 18350,08 14680,06
FCN(B-A) -40000,00 10000,00 10000,00 10000,00 10000,00 10000,00 10000,00 10000,00
FCD(B-A) -40000,00 8000,00 6400,00 5120,00 4096,00 3276,80 2621,44 2097,15
Fonte: Própria.

Através dos valores dos FCN e FCD obteve-se os seguintes valores para
análise de viabilidade.

Tabela 4.2 - Critérios de avaliação de investimento.


Tx. de
R$ VPL25% TIR
Fisher
A 39 668,35 35%
B 31 279,74 31%
(B-A) - 8388,61 - 16%
Fonte: Própria.
RESPOSTA:

a) O limite de aceitabilidade para o projeto A é uma taxa interna de retorno, no


mínimo, igual a 35%.
b) O limite de aceitabilidade para o projeto B é uma taxa interna de retorno, no
mínimo, igual a 31%;
c) Não ocorre inconsistência de ordenação das opções de projetos, visto que tanto
a VPL quanto a TIR do Projeto A são superiores aos valores obtidos para o
Projeto B;
d) Segundo os critérios VPL e TIR, o Projeto A é a melhor opção pois os valores
dos critérios de avaliação foram superiores aqueles obtidos para o Projeto B.
Além disso, a VPL do fluxo de caixa incremental de (B-A) resultou em valor
negativo e a taxa de Fisher obtida foi menor que a TMA, ou seja, indicando que
a melhor opção é o projeto na posição de subtraendo, o Projeto A. Vale
ressaltar que a taxa de Fisher apenas foi calculada a fim de ratificar o resultado
afirmado anteriormente, mesmo que não tenha ocorrido inconsistência de
ordenação.
ESTUDO DE CASO 5

Uma empresa pretende abrir uma filial em outro estado e levantou os seguintes
dados, com base no mercado local:

Investimento inicial: R$ 800.000,00;

Empréstimo: 70% do investimento total, em 4 anos, pelo sistema SAC, à taxa de 12%
ao ano, e 2 anos de carência, com pagamento de juros;

Receitas anuais previstas: R$ 540.000,00;

Crescimento das receitas: 5% ao ano, até o ano 5 e estabilidade até o final;

Impostos sobre a receita: 12%;

Custos anuais totais: 35% sobre as receitas;

Valor residual: R$ 80.000,00;

Imposto de renda e contribuição social: 30%

Depreciação: 60% do investimento inicial a 20% ao ano;

Horizonte de estudo: 10 anos.

Estude a viabilidade financeira do investimento VPL, TIR, PBD, IL e TER


sabendo-se que a TMA alavancada é de 15% ao ano. Faça os gráficos, de linhas para
o VPL e de barras para PBD.

SOLUÇÃO:

Para iniciar a análise da viabilidade econômica do projeto proposto, os juros e


as amortizações do empréstimo adquirido no valor de R$ 560.000,00, considerando
como acordo no contrato dois anos de carência sem pagamento de juros e quatro
anos pagando o empréstimo. Esses cálculos foram baseados no SAC e estão
expostos Tabela 5.1.
Em seguida, elaborou-se o DRE, apresentado na Tabela 5.2, e os FCN e FCD,
além do PBD, mostrados na Tabela 5.3.
Na Figura 5.1 é apresentado o diagrama dos fluxos de caixas nominais.

Figura 5.1 – Diagrama dos fluxos de caixas nominais.

Fonte: Própria.

Posteriormente, obtiveram-se os critérios de viabilidade econômica,


apresentados na Tabela 5.4.

Tabela 5.4 – Critérios de viabilidade econômica.

VPL 15% R$ 644221,89


TIR 79%
TER 31%
IL 3,68
PBD(Anos) 1,23
Fonte: Própria.

A Figura 5.2 apresenta o gráfico relacionado à variação do VPL e da TMA.


Figura 5.2- Gráfico que relaciona VPL e TMA.

1,000,000.00

900,000.00

800,000.00

700,000.00

600,000.00

500,000.00
VPL

400,000.00

300,000.00

200,000.00

100,000.00

-
- 0.20 0.40 0.60 0.80 1.00
(100,000.00)
TMA

Fonte: Própria

A Figura 5.3 apresenta o gráfico que relaciona o PBD e o horizonte do projeto.

Figura 5.3- Gráfico que relaciona PBD e o horizonte do projeto.

R$700,000.00
R$600,000.00
R$500,000.00
R$400,000.00
R$300,000.00
PBD

R$200,000.00
R$100,000.00
R$-
R$(100,000.00) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

R$(200,000.00)
R$(300,000.00)
Horizonte

Fonte: Própria.
RESPOSTA:

Constata-se que o projeto é viável economicamente de acordo com todos os


critérios de viabilidade apresentados na Tabela 5.4. O VPL apresentou um valor
positivo, indicando um retorno maior que a rentabilidade. A TIR e a TER, que são
taxas relacionadas diretamente ao projeto, sendo que uma considera o valor presente
e a outra o valor futuro dos fluxos de caixa, respectivamente, assumiram valores
maiores que a TMA, a qual é a taxa mínima imposta pelo mercado, assim, confirmando
a atratividade do projeto. O IL apresentou um valor maior que 1, ratificando a
lucratividade do projeto. O PBD, que considera o valor do dinheiro no tempo e a TMA,
apresentou um valor menor que o horizonte, mostrando que o retorno do investimento
se dará entre os primeiros anos de projeto.
A Figura 5.2 apresenta o gráfico relacionado à variação do VPL e da TMA.
Pode-se analisar que quando o VPL é igual a zero, a TMA torna-se igual a TIR,
ratificando o valor da TIR calculado numericamente através do Excel 2013 e
apresentado na Tabela 5.4. E a Figura 5.3, apresenta o gráfico que relaciona o PBD
e o horizonte do projeto, mostrando que entre o 1º e o 2° ano de projeto, como
apresentado na Tabela 5.4, haveria retorno do investimento com valor agregado.