Você está na página 1de 2

Avaliação – Módulo VII

Heresiologia II
1) É correto afirmar que o catolicismo romano nasceu com a igreja apostólica?
Por quê?
R= Não, porque o catolicismo romano nasceu das relações entre o império romano – através do
imperador Constantino – e o cristianismo. As relações oficiais entre Igreja e Estado marcaram o início
da organização eclesiástica e das doutrinas da igreja católica apostólica romana.

2) Quais foram as consequências, para a Igreja cristã, da conversão do


imperador Constantino?
R= A paganização da igreja, o contraste entre a simplicidade do culto cristão e os complicados e
pomposos rituais pagãos, onde os pagãos começaram a introduzir elementos de seus cultos no culto
cristão, o sacerdócio suntuoso, rituais incrementados, a presença de imagens, a veneração dos mártires,
água-benta, incenso, a doutrina do purgatório, e de um modo geral, a salvação pelas obras.

3) O que significa a doutrina do purgatório? O que a bíblia diz a respeito?


R= Significa para os católicos a existência de um lugar intermediário entre o céu e o inferno onde as
almas que não receberam a salvação fiam em estado de punição até poderem ir para o paraíso. Não se
encontra na Bíblia qualquer referência a este local. E os católicos se baseiam em um citação do livro
apócrifo de 2 Macabeus para defender tal doutrina.

4) Quais são os dogmas católicos acerca de Maria?


R= Maternidade divina, onde Maria não é só considerada mãe de Jesus, mas sim mãe de Deus.
Virgindade perpétua, onde Maria permaneceu virgem até a sua morte contrariando o que as Escrituras
dizem a respeito de sua relação com seu esposo José com quem teve filhos. Imaculada Conceição, onde
Maria nasceu sem ser afetada pelo pecado original, contrariando a Palavra de Deus, que diz que todos
pecaram e carecem da glória de Deus. Assunção aos céus, onde Maria teria subido aos céus em corpo e
alma.

5) Qual é o sentido que a Bíblia dá para santidade?


R= O sentido de separação, ou seja, as pessoas são santas quando são separadas para Deus, isto implica
uma mudança em todas as esferas da vida, tanto pessoal quanto religiosa.

6) Quais são os ensinamentos bíblicos enfatizados pela Reforma Protestante


contrários às doutrinas católicas?
R= A autoridade suprema das Escrituras, defendida pelos protestantes, mas colocada em pé de
igualdade com as tradições católicas e os ensinamentos papais. Salvação pela graça mediante a fé, para
os reformadores, Cristo é o único e suficiente salvador, e concede essa salvação a aqueles que creem
mesmo que estes não mereçam; enquanto para os católicos havia a necessidade de sacrifícios e
penitências em rituais complicados, além das indulgências como formas do homem obter a salvação.
Sacerdócio universal de todos os crentes, ou seja, não há necessidade de mediadores entre os homens e
Deus, enquanto que a igreja romana possui vários mediadores na relação entre os homens e Deus. Todos
os crentes devem ler e interpretar as Escrituras com a ajuda do Espírito Santo, para os protestantes
todas as pessoas deveriam ler e interpretar as Escrituras com a inspiração do Espírito Santo, enquanto
que, para a igreja romana, seus fiéis deveriam permanecer analfabetos, pois assim seria mais fácil
controla-los.
7) Quais são as principais heresias espíritas? Rebata-as com textos bíblicos.
R= Ensinamentos revelados por Deus, segundo o seu fundador, o espiritismo seria a terceira revelação
de Deus a humanidade, sendo o judaísmo e o cristianismo as duas anteriores. Segunde ele o cristianismo
havia se afastado dos ensinamentos de Jesus, e o espiritismo veio para reestabelecer esses ensinamentos.
A palavra nos diz: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá
além do que temos pregado, seja anátema” (Gálatas 1.8). Em relação a Bíblia, o espiritismo kardecista
não crê na inspiração divina da Bíblia e nem em sua infalibilidade, não a considera a palavra de Deus e
nem uma revelação sobrenatural. Em relação a Deus, Kardec declara que existe um Deus, uma
inteligência suprema, bom, justo, eterno, imutável, porem nega a Trindade, pois a considera
incompreensível racionalmente. Em relação a Jesus Cristo, os kardecistas não creem na divindade de
Jesus, sendo Ele considerado um espírito evoluído e puro. Ele não ressuscitou fisicamente e seus
milagres eram manifestações mediúnicas. Quanto a sua divindade lemos em João 1.1-3: “No princípio
era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas
as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez”. Em relação ao Espírito Santo, o
espiritismo não cre no Espírito Sano como Deus com o Pai e o Filho, mas como como uma falange de
espíritos superiores contrariando as Escrituras como em João 14.17, I Coríntios 2.10, 11, e outras
passagens. Em relação a salvação, no espiritismo a salvação se dá por meio das obras e da reencarnação
para que os espíritos possam alcançar a perfeição por meio dos sofrimentos e das boas obras; já a
Palavra de Deus nega tanto um quanto o outro, pois quanto a salvação: “Porque pela graça sois salvos,
mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se gorie”(Efésios
2.8-9); e quanto a reencarnação, a palavra a nega como está escrito: “E, como aos homens está ordenado
morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo, assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar
os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação”(Hebreus
9.27-28).

8) Qual é a soteriologia do candomblé e da umbanda? Contraste-a com a


soteriologia cristã.
R= No candomblé não existe propriamente uma doutrina da salvação, visto que não existe a conceito de
pecado, a salvação é consequência da harmonia dos mundos paralelos (Ayie e Orun), que é alcançada
através dos rituais realizados nos terreiros. Já a umbanda recebendo forte influência do espiritismo
kardecista, ensina a necessidade da constante evolução, por meio da reencarnação, como um meio de
purificação, até alcançar o estado de espírito livre e puro.

9) Quais são os principais ensinamentos dos movimentos ligados a “teologia


da prosperidade”?
R= O sofrimento como falta de fé, a riqueza material como sinal de fé e a doença como falta de fé.

10) Faça uma consideração pessoal sobre o significado bíblico de


prosperidade na vida do crente.
R= Como podemos ler em Filipenses 4.12-13: “Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda
a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter
abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece”. A
prosperidade do crente não está firmada no sucesso financeiro, na perfeita saúde ou na bonança
constante, mas sim na confiança de que em qualquer que situação enfrentarmos, seja ela, fome ou
fartura, doença ou saúde, tribulação ou paz, Cristo é quem nos fortalece e que nenhuma situação nem
poder poderá nos separar de seu amor e de seu cuidado.