Você está na página 1de 15

Associação das Igrejas Batista Regulares do Brasil

APOSTILA DE ESTUDOS PARA DIÁCONOS

Introdução:

Quando a igreja decide consagrar uma pessoa ao ministério diaconal é porque


reconheceu suas qualidades espirituais, morais, intelectuais e teológicas, bem
como sua disposição em responder à chamada divina para o desempenho da
tarefa de servir. A Palavra de Deus explica que o diaconato nasceu de uma
preocupação social. O livro dos Atos dos Apóstolos no seu capítulo 6 registra as
razões para a instituição desses oficiais na igreja, o desvio dos pastores de suas
funções com a preocupação com necessidades matérias.
A - A origem do Diaconato.

A crise econômica em Jerusalém criou um problema para a nova igreja. Atos 5.32-36.

1. Alguns dos membros vendiam seus bens para distribuir entre os outros, At 2: 44-45.

2. As contribuições foram dadas voluntariamente, At 5:4.

3. As viuvas foram ajudadas, mais havia desentendimento entre elas, At 6:1.

4. Isto criou murmuração e reclamação, provocando uma assembleia geral dos membros
da igreja, At. 6:1-2.

5. Os apóstolos distribuíram estes bens, assim gastando demasiadamente seu tempo,

vs. 2.

6. Os apóstolos resolveram o problema, criando o diaconato para cuidar da parte material

da igreja, vs. 3-4.

7. A igreja e não os apóstolos, escolheu os candidatos, vs. 2.

8. Os apóstolos decidiram quais as qualificações necessárias para ser diácono, vs. 3.

9. Tinham que ser homens, vs. 3.

10. Tinham que ser homens que todos conheciam e com bom testemunho, vs. 3.

11. Tinham que ser sábios e espirituais, vs. 3, porque teriam que fazer decisões com o

dinheiro da igreja, vs. 3. Foi chamado “este negócio,” vs. 3.

12. Os homens escolhidos pela igreja foram ordenados pelos apóstolos com a imposição

das mãos, vs. 6.


1
13. Os apóstolos ficaram livres para a oração e o ministério da palavra.

As atividades dos apóstolos eram totalmente espirituais. Hoje é assim no caso do pastor.
Ele não é apóstolo, mas é o líder espiritual, não material. a distribuição diária.

B - Quais são as atividades dos diáconos na igreja?


O “ministério cotidiano“ era tratar das necessidades materiais das viúvas na igreja, At. 6:1.

1. A igreja deve contribuir para o sustento das suas viúvas verdadeiras.

2. A igreja deve decidir quem vai receber tal sustento.

B. Paulo definiu a viúva verdadeira que merece ajuda financeira regular, I Tm. 5:3-16.

1. Uma viúva desamparada, sem família para ajudá-la, vs. 4-5,16.

2. Uma mulher com a idade mínima de sessenta anos, casada uma só vez , vs. 9.

3. Uma mulher consagrada a Deus e sua obra, vs. 6,7,10.

4. Uma mulher hospitaleira, vs. 10.

5. Uma mulher que criou filhos, vs. 10.

6. Uma mulher de muita oração, vs. 5.

7. Uma mulher não maldizente, vs. 13.

C. Ele paga as contas da igreja.

1. O diácono não paga as contas com o seu próprio dinheiro.

2. Ele deve ter muito cuidado na distribuição das ofertas, pois são contribuições dos membros da

igreja.

3. Ele é responsável pelo dinheiro e deve saber fazer a contabilidade.

4. Ele não é dono da igreja, mas é um mordomo dela.

5. Ele é um membro igual aos outros. Tem um voto só. Ele é servo da igreja, não mestre. Deve

dar a sua contribuição também como qualquer outro membro.

C – Perguntas Diagnósticas ao Chamado do diaconato.

I. Quarenta e Três Perguntas ao Diaconato.

Observação: Antes de fazermos o diagnóstico ao chamado ao ministério diaconal,


precisamos examinar o significado Bíblico do termo.
 O diácono,(δια´Κoνoς), que é encontrada cerca de 30 vezes no Novo
Testamento. Diákono significa: servo, serviçal, garçom, atendente ou servente.
2
 É alguém que faz o serviço de diácono, com a responsabilidade de cuidar das
necessidades dos cristão-diácono é alguém que ajuda os cristãos. Diácono portanto
é aquele que serve, se não serve com atitude de servo,não serve.
 Cf Lucas 22.24-27 Jesus ensinava que o papel dos seus discípulos , como Dele
mesmo,podia ser apropriadamente comparado com o daquele que serve às
refeiões.
 Os primeiros diáconos foram nomeados assistentes dos apóstolos. Há dois
ministérios na igreja: a diaconia das mesas (At 6.1-6).
 A ênfase bíblico-teológica, no entanto, não está na posição ou cargo hierárquico da
pessoa, mas em relação ao seu TRABALHO.
 A duração para ministério diaconal não é especifica na Bíblia.
É verdade que no meio batista o cargo de diácono é relativamente vitalício (pois o
diácono pode ser definitivamente afastado do cargo se deixar de ter as qualificações
bíblicas exigidas). Porém, isso não significa que alguém que foi consagrado ao
diaconato exercerá necessariamente a função em qualquer igreja de que se tornar
membro.
 Se ocorrer de um diácono mudar de igreja, continuará sendo diácono, pois foi
consagrado a esse cargo e investido nele por quem legitimamente tinha poder para
tanto. Porém, será diácono de direito, não de fato. Para ser diácono de fato,
exercendo suas funções, deverá ser convidado pelo pastor e ter sua indicação
aprovada pela igreja. Nesse caso, não haverá necessidade de nova cerimônia de
consagração.

1. Fale sobre sua experiência de conversão ao evangelho de Jesus Cristo.

2. Quais são os oficiais de uma Igreja Batista? R: Pastores e Diáconos.

3. Cite alguns textos bíblicos que mostram a existência do Ministério

Diaconal?

R: Atos 6.1-7 / I Timóteo 3.9-13 / Romanos 16.1,2 / Filipenses 1.1

4. Quais os requisitos espirituais exigidos para o diaconato?


R: 1) Ser crente fiel ao Senhor, como: Cooperador do Evangelho; Dizimista; Zeloso
e firme doutrinariamente. 2) Ser cheio do Espírito Santo. 3) Ser homem de fé,
sabedoria e de boa reputação.

3
5. Quais os princípios Bíblico ao chamado do Diáconos?

Quais são as qualificações dos diáconos? As quatro qualificações que se seguem


tratam do comportamento, da fala, do uso do álcool e da atitude em relação ao
dinheiro. Esses quatro atributos revelam que os diáconos devem ter controle de si
mesmos.
 Respeitáveis (3.8a). Os diáconos precisam ser dignos de respeito, ter caráter
impoluto, vida irrepreensível e conduta ilibada.

 De uma só palavra (3.8b). Os diáconos precisam ser verdadeiros, íntegros


em suas palavras e consistentes em sua vida. Não são boateiros dados a
mexericos. Não dizem uma coisa aqui e outra acolá. Não são maledicentes
nem jogam uma pessoa contra a outra. Sua palavra tem peso.Eles são
absolutamente confiáveis no que dizem.

 Não inclinados a muito vinho (3.8c). Os diáconos devem ser cheios do


Espírito (At 6.3), e não cheios de vinho (Ef 5.18). Quem é governado pelo
álcool não pode administrar a casa de Deus.

 Não cobiçosos de sórdida ganância (3.8d). Os diáconos lidam com as


ofertas do povo de Deus e administram os recursos financeiros da igreja na
assistência aos necessitados. Não podem ser como um Judas Iscariotes que
rouba a bolsa. A ênfase neste versículo 8 é de alguém que furta, que abraça
uma boa causa movido pelo amor à vantagem material. E o homem de
espírito mercenário que se entrega por inteiro na busca de riquezas, ansioso
por aumentar suas posses sem importar se os métodos são justos ou maus.

 íntegros na teologia e na vida. — Conservando o mistério da fé com


consciência limpa (3.9). O termo “mistério” significa “verdades outrora ocultas,
mas agora reveladas por Deus”.23 Os diáconos precisam compreender a
doutrina cristã, crer na doutrina cristã e viver a doutrina cristã. Sua vida, sua
família e seu ministério precisam ser pautados pela Palavra de Deus. Não
basta participar das reuniões e decidir como "administrar a igreja". Devem
basear suas decisões na Palavra de Deus e corroborar essas decisões com
uma vida piedosa.

4
 Um diácono que não vive de acordo com a Palavra de Deus, mas que
tem uma "consciência corrompida", não pode administrar a Igreja de
Deus. Só porque um membro da igreja é benquisto por todos, tem
sucesso nos negócios ou é um contribuinte generoso não significa que
seja qualificado para servir como diácono.

 Provados e experimentados (3.10). Os candidatos ao diaconato precisam


ser primeiramente experimentados, passando por tempo probatório. O
treinamento precede a escolha e a ordenação. Primeiro a prova, depois o
exercício do ministério.

 Convém notar que vários líderes mencionados nas Escrituras foram


provados antes como servos. José foi um servo no Egito durante treze
anos antes de se tornar o segundo no poder sobre aquela terra.
Moisés cuidou de ovelhas durante quarenta anos antes de ser
chamado por Deus. Josué foi servo de Moisés antes de se tornar seu
sucessor. Davi cuidava das ovelhas de seu pai quando Samuel o ungiu
rei de Israel. Até mesmo Jesus veio como servo e trabalhou como
carpinteiro; e o apóstolo Paulo fazia tendas. Primeiro um servo; depois
um líder.

6. O que é Igreja Batista?


R: É um grupo de pessoas regeneradas, lavadas pelo sangue de Jesus Cristo, que
se reúnem num mesmo lugar, e sobre a orientação do Espírito Santo de Deus,
proclamam o Evangelho, louvam ao Senhor e vivem de forma que Cristo seja visto
através de suas vidas.

7. Como nos filiamos a Igreja Batista?


R: Batismo / Carta de Transferência / Reconciliação / Declaração ou Aclamação –
Em casos especiais.

8. Quais as maneiras de demissão de membros de uma Igreja Batista?


R: Exclusão / Carta Dimensória / Morte. 2

9. O que a Igreja deve aos membros?


R: Amor – todos devem se amar mutuamente. / Oração – os crentes devem
interceder uns pelos outros. / Instrução – a Igreja deve educar seus membros. /
Fortalecimento e Compreensão – a Igreja deve procurar dialogar com seus

5
membros procurando ajudá-los. / Conservar os Laços de Fraternidade – viver em
unidade.

10. O que os membros devem a Igreja?


R: Lealdade – deve ser defensor honesto da Igreja. / Generosidade – deve dar o
melhor para a Igreja. / Serviço – deve ser produtivo (I Co 15.59). / Amor – falar da
Igreja com muito carinho e respeito. / Oração – colocar a Igreja na presença de
Deus.

11. Qual a forma de governo da Igreja?


R: Congregacional ou Democrático – É um governo exercido pelo povo e para o
povo. É o governo exercido pela Congregação. Quem decide é o voto.

12. Cite as demais formas de governo?


R: Monárquico – é o tipo da Igreja Romana, aceita seu chefe supremo, o papa,
como infalível. / Episcopal – é um tipo de governo dotado por várias
denominações, como metodista, o Bispo e seus auxiliares dirigem os negócios,
deliberam. / Oligárquico – é aquele que a Igreja é dirigida por um grupo de oficiais
chamados Presbíteros. Ex.: Presbiterianos, Pentecostais. Os membros não se
pronunciam nas decisões.

13. Cite passagens bíblicas que apoiam o governo democrático?


R: II Coríntios 2.5-7 / Mateus 18.17-18 / Atos 1.15-26 / Atos 6.1-5

14. Qual o valor da disciplina na Igreja?


R: Para manter a Igreja dentro da pureza apostólica, evitando que ela se corrompa,
caindo a vida espiritual, e se tornando como a Igreja de Laodicéia, como nos
ensina Apocalipse 3.14-22.

15. Quais os tipos de disciplina?


R: 1) Formativo – esta disciplina vem para os crentes através da mensagem, dos
estudos e das orientações em geral. / 2) Corretivo – é a que vem corrigindo as
falhas. Paulo nos ensina isso em Gálatas 6.1. Essa disciplina é exercida através de
comissões. Só pode exercer essa disciplina crente de gabarito espiritual. Veja o
que Jesus ensinou em Mateus 7.4,5. / 3) Cirúrgica – é melhor perder um dedo do
que a mão.

16. O que significa a palavra Disciplina?


R: Ação de instruir, educação, ensino. Uma Igreja disciplinada é uma Igreja
instruída, educada e ensinada.

6
17. A forma Bíblica para a manutenção da Igreja.?
R: O Plano de Deus para o sustento da sua igreja é o dízimo dos dízimos que visa
a contribuir para o sustento das Igrejas Batista Regulares, tanto local e cooperar
com Associação, no Estado, no Brasil e no mundo.

18. Os irmãos concordam com o Ecumenismo? Por quê?

19. Por que guardamos o domingo?

R: a) Porque foi nesta data que o Senhor Jesus ressuscitou – Marcos 16.9. / b)
Porque se tornou o dia de culto dos cristãos primitivos – Atos 20.7. / c) Porque era
o dia da celebração da ceia – Atos 20.7,11. / d) Porque relembra o dia da nossa
redenção assim como o sábado celebra o dia da criação. / e) Porque foi neste dia
que se deram tatos memoráveis – Aparições de Jesus, num total de 11 vezes.

20. Quais os títulos que expressam o Ministério Pastoral?

R: Presbítero – Termo de Dignidade. É o ancião, sempre os anciãos merecem


respeito em virtude de suas experiências de vida. Não só respeito, mas honra. O
termo ocorre em Atos 11.30 e Tiago 5.14. / Bispo – Termo de Superintendência: é
o Administrador. O termo Bispo no Novo Testamento é usado no sentido de
“Guardião de Almas”. / Pastor – Termo de Ternura. O nome mais antigo é o de
presbítero, mas o que mais se arraigou é o de Pastor. Todas as referências feitas a
Jesus como pastor, mostram que dedica um afeto, um cuidado especial pelas
ovelhas. O obreiro como Presbítero, dá sábios conselhos, orienta e mostra a
dignidade do cargo. Como Bispo, ele preside os trabalhos, as reuniões, organiza e
supervisiona tudo. Como Pastor, ele apascenta o rebanho, preparando-lhe
pastagens verdejantes (sermões espirituais e contatos), e os guia à águas
tranqüilas, proporcionado-lhes um ambiente espiritual, agradável e alegre. Sendo
assim esses títulos são conferidos a uma mesma pessoa, o Obreiro de Deus – O
Pastor.

21. O diácono é ordenado para o ministério da denominação ou da Igreja?


R: Da Igreja, a não ser que seja reconhecido pela Igreja onde se tornou membro.

22. Por qual razão a Igreja escolhe diáconos?


R: a) Para o serviço; b) Para ajudar o ministério pastoral; c) Para realizar o
ministério da benevolência; d) Para permitir que o pastor tenha mais tempo de
preparar alimento mais sólido para o rebanho; e) Para atuar na realização da
visitação e de tantos assuntos que favoreçam ao Pastor no cumprimento da Obra
do Senhor.
7
23. Qual o relacionamento que deve existir entre Pastor e Diácono?
R: Um relacionamento de respeito mútuo, devemos ter um tratamento que
demonstre grande estima e consideração. Devemos lembrar que somos todos
crentes, servos de Jesus Cristo, e por isso nossa convivência deve ser baseada no
amor que nos une a Cristo e em Cristo. Esse bom relacionamento mostra que
somos amadurecidos e conhecemos a Jesus Cristo. Um relacionamento de
amizade.

24. Quando o diácono não mais servir, como o Pastor deve se portar?
R: Apresentar o assunto a Igreja para que ela possa tomar a decisão.

25. O diácono pode cuidar de disciplina, tendo como base sua função?
R: Não, quem cuida da disciplina é a Igreja. Mateus 18.15-20

26. Em relação a um problema: o diácono deve levar até o fim sem


comunicar com o pastor?
R: Não. Deve haver uma boa harmonia entre eles de tal forma que o pastor seja
conhecedor do fato ainda dentro de sua tramitação.

27. Como diácono, os irmãos aceitam o divórcio?


R: Cremos que a Igreja não deve abrir as portas para isso, porque é nosso dever
preservar a família, mas se este caso surgir desejaremos primeiro ouvir a
orientação pastoral e por certo a Igreja julgará cada caso por sua vez tomando a
deliberação necessária.

28. Qual o assunto dentro das Regras Parlamentares que não se decide por
maioria?
R: Movimento de Membros – este assunto é por unanimidade.

29. Quem é o Cabeça da Igreja?

30. R: Cristo.

31. Quais os tipos de ceia?


R: Livre – Para todos os que salvos em Cristo pela fé; Restrita – para os
pertencentes a uma mesma fé e ordem; Ultra-restrita – só para a Igreja local.

32. Quais os conceitos sobre a ceia?


R: a) Transubstanciação – os elementos da ceia vão além da substância, se
transformam. b) Consubstanciação – sustentam que o corpo e o sangue
encontram-se em conexão com o pão e o vinho. c) Presença Mística – Cristo está
presente espiritualmente nos elementos da ceia. Por isso confere graças. d)
Memorial – tudo é feito em lembrança de Cristo. Nada se transforma.

8
33. Quais as funções do governo da Igreja?
R: Legislativo – esta função compete a Cristo. / Executivo – esta função pertence
ao ministério da Igreja, ao Pastor, ele o faz pela autoridade que a Igreja lhe
outorgou. / Judicial – esta função é da Igreja. Ela é quem dá a sentença.

34. Quais as leis que devem orientar a vida dos discípulos?


R: A Lei do Amor; A Lei das Confissões – Mateus 5.23-25; A Lei do Perdão –
Lucas 17.3-4.

35. Quais as ordenanças de Cristo?


R: Batismo e Ceia. 35. O que a Ceia significa? R: a) Memória do sacrifício físico de
Jesus; b) Memória do novo pacto de Deu com os homens; c) Memória da morte,
ressurreição e volta de Jesus.

36. Qual o propósito da Ceia Memorial?


R: a) fazer com que cada salvo saiba e reconheça o preço da sua salvação; b)
Mostrar que no sacrifício de Cristo, Deus está mudando o seu relacionamento com
o homem; c) Anunciar que o Senhor morreu pelos nossos pecados, mas
ressuscitou e está prestes a voltar.

37. Quando teve origem o Batismo Cristão? R: No Batismo de Jesus, Mt 3;13-17.

38. Qual o significado teológico do Batismo?


R: 1) Fala de um acontecimento externo, visível, de uma experiência interna com
Jesus – Regeneração (Romanos 6.1-5); 2) União com Cristo (João 15.1-5); 3)
Identificação na morte de Cristo (Filipenses 3.3-11); 4) Identificação com a
realidade da ressurreição visível de Cristo.

39. Quais as formas de Batismo? R: Imersão: Mergulhar. / Efusão: entornar


água sobre a cabeça da pessoa. Volume maior. / Aspersão: gotas d’água. Era
chamado de Batismo Clínico, começou no 3º século.

40. Qual a forma bíblica de batismo?


R: Imersão.

41. Qual o significado eclesiológico do Batismo?


R: Batismo é união à Igreja; Comprometimento com o Reino de Deus aqui na terra
– a Igreja; Batismo em nome de Jesus – o senhorio de Jesus Cristo na vida do
batizando; Batismo em nome da Trindade – é o batismo que aceita o Deus dos
Cristãos.

9
42. Qual o valor do diácono no Ministério Pastoral?
R: Auxiliar na administração da Igreja; Ser companheiro do Pastor; Gozar da
confiança do pastor e demais membros da Igreja; Favorecer o Pastor para preparar
um melhor sustento para o rebanho.

43. Quais os deveres do diácono?


R: Servir as mesas: 1) Do Senhor – na distribuição da ceia;

2) Do Pastor – trata do sustento pastoral. É um dos deveres honrosos do diácono. O


Pastor, por uma questão de escrúpulo, não se dirige à Igreja para pedir nada. Mas
aos diáconos compete fazer um estudo minucioso das condições econômicas da
Igreja e das necessidades de seu Ministro, para manter-se condignamente na
função ministerial com “alegria e não gemendo” (Hebreus 13.17 e I Coríntios 9:13-14
e 1Tm 5. 17 -18 );

R: Os que servem ao evangelho têm o direito de receber o seu sustento pelo


trabalho que fazem. Um direito bíblico. De onde vem esse sustento? Do próprio
evangelho.
É evidente que existem igrejas muito pequenas que não têm condições de
sustentar integralmente o seu pastor. Nesse caso, a igreja e o pastor devem achar
uma melhor solução para o caso.
Pessoalmente, não gosto do termo salário para pastores, apesar de não achá-lo
errado. Prefiro o termo “honorário”, pois deriva da palavra honra. Quando a igreja
honra o seu pastor com um honorário financeiro que abençoa a sua vida e de sua
família, e que satisfaz as suas necessidades, cumpre o dever bíblico de honrar os
servos enviados por Deus.
Jesus recebeu sustento financeiro Lucas 8:1-3
Jesus e seus apóstolos foram sustentados pelas ofertas de certas senhoras ricas.
tudo foi dado voluntariamente.
Logo depois Pentecostes, os irmãos venderam suas possessões para suprir as
necessidades de outros. At 2.45; 4.32-37.

A. Paulo optou não usar o direito de receber ofertas pelo serviço que prestou às
igrejas como missionário. I Co 9.12.

1. Nesta passagem, Paulo defende seu apostolado que alguns tinham colocado em
dúvida. Ele não recebia sustento regular, como salário, das igrejas novas onde ele
trabalhava. Por isso, pensavam que não era um verdadeiro Apóstolo. Os outros
Apóstolos evidentemente recebiam sustento financeiro!

10
2. Ninguém serve o militar à sua própria custa. I Co 9.7.

3. Ninguém planta a vinha e não come do seu fruto. Idem.

4. Ninguém apascenta o gado sem tomar o leite! Idem.

5. A lei também ensina esta verdade. I Co 9.8-10. O boi que trabalha merece comer.

6. O ministro tem direito de receber seu salário. Paulo disse que outros usavam
“deste poder” sobre a igreja. I Co 9.12. A palavra “poder” quer dizer direito. O
ministro tem direito de receber salário ou dinheiro pelo serviço à igreja. Ele dá coisas
espirituais e deve receber coisas materiais. I Co. 9.11.

7. Dos Pobres – o problema social e filantrópico de uma Igreja absorve muito tempo
do obreiro, por isso, a Igreja a exemplo do que fizeram os crentes primitivos, elege
homens de sua congregação para servirem às mesas, para que o Pastor não fique
sobrecarregado e possa se dedicar ao Ministério da Palavra, como sabemos esta é
a alma de tudo.

B - O Diácono e sua Atuação na Igreja.

Pelo fato de serem responsáveis desde o princípio por facilitar o trabalho dos ministros da
Palavra, as funções dos diáconos se ampliaram com o passar do tempo à medida que as
responsabilidades dos ministros se tornavam mais numerosas. Hoje, suas funções se resumem
nas seguintes atribuições:

1. Cuidar dos necessitados. Como já dissemos, essa foi a primeira função dos
diáconos, sendo para o exercício dela que foram constituídos. Um conselho diaconal
que não exerce essa atividade dentro dos moldes bíblicos deve rever seus objetivos.

2. Participar dos processos disciplinares. Toda a igreja deve participar dos


processos disciplinares, conforme o ensino de Jesus em Mateus 18 e de Paulo em
1Coríntios 5. Contudo, a experiência mostra que muitas vezes a natureza do caso
exige o acompanhamento e a participação prévios de um grupo mais restrito de
pessoas maduras que tenham estrutura emocional e espiritual para analisar com
sigilo os diversos problemas em seus diversos ângulos, antes de tudo ser levado à
igreja. Essa atividade geralmente realizada pelos diáconos protege o pastor,
evitando que ele se exponha sozinho a situações perigosas ou que impliquem
imensas cargas emocionais.

11
3. Funcionar como grupo de conselheiros para o pastor. A Bíblia diz que na
multidão de conselheiros há segurança (Pv 11.14), bom êxito (Pv 15.22) e vitória (Pv
24.6). Daí o supremo valor de um conselho diaconal constituído de homens sérios,
experientes e maduros. Eles ajudarão o pastor a tomar decisões de modo que a
possibilidade de erro seja reduzida. Conversarão sobre os prós e os contras desta
ou daquela medida e, nos casos em que o problema deva ser levado à igreja, já terá
sido debatido vastamente e pode ser apresentado de forma mais objetiva, o que
poupará tempo e discussões inúteis na assembléia. Eventualmente, o conselho dos
diáconos também valerá nas horas em que o pastor tiver de tomar decisões
pessoais como, por exemplo, em que mês deverá tirar férias, se deve ou não aceitar
o convite para pregar noutro lugar num determinado domingo, ou se é conveniente
ausentarse da igreja para ir visitar um campo missionário. Os diáconos ainda
opinarão quanto a levantamento de ofertas especiais, realização de programas,
convite de preletores, associação da igreja a determinados eventos, aceitação de
pedidos de carta e de reconciliação, etc.

4. Zelar pela decência e ordem na igreja. Os diáconos atuam também como


auxiliares do pastor na manutenção da ordem e decência na igreja. É recomendável
que cada domingo sejam escalados diáconos de plantão, que observem com
atenção o desenrolar dos cultos, repreendendo com docilidade pessoas que estejam
conversando demais, pedindo que visitantes incrédulos não fumem nas
dependências da igreja, conduzindo para fora os perturbadores, supervisionando o
comportamento dos casais de namorados e restringindo a atuação dos que agem
com indecência. Tudo isso o diácono deve fazer com educação e brandura a fim de
que o Conselho Diaconal não seja conhecido como um grupo de homens mal-
humorados que agem como policiais e, desse modo, ganhe a antipatia dos jovens e
crie mais problemas em vez de resolver.

5. Resolver problemas de natureza econômico-administrativa. Agindo na área


de ação social e atuando como conselheiros do pastor, inúmeras vezes os diáconos
se verão às voltas com problemas de natureza econômico-administrativa. Nesses
casos terão de agir em conjunto com o Departamento de Finanças e outros órgãos
que tenham competência para atuar nas áreas em questão. Com que quantia a
igreja poderá ajudar a irmã que ficou viúva e desamparada? Durante quanto tempo
será dada a ajuda? A compra do terreno ao lado é viável? Dentro de que limites
podemos negociar? Em que termos a hipótese de compra deverá ser levada à
igreja? A taxa cobrada dos não-membros para o uso da igreja em casamentos é
12
razoável? A que essa taxa deve ser destinada? Todas essas questões, em meio às
quais o pastor muitas vezes se vê, serão discutidas pelos diáconos. Dentro ainda
desse tópico, há igrejas que conferem exclusivamente aos diáconos poderes para
deliberar acerca do salário do pastor e de outros ministros e funcionários. Essa
conduta, evita que o pastor e outras pessoas se sintam expostos e constrangidos
em discussões públicas acerca de quanto devem receber mensalmente.

6. Supervisionar o procedimento, o ensino e as necessidades dos ministros.


Muitas vezes a igreja local fica à mercê de homens inescrupulosos que assumem o
cargo de pastor e causam grandes prejuízos à causa do Mestre. Freqüentemente
esses homens agem livremente, sem haver quem se coloque diante deles e os
impeça de continuar sua obra tão destruidora. Se ocorrer de algum membro sábio e
corajoso se insurgir contra o falso pastor, é logo excluído, não sem antes sofrer os
mais severos e injustos ataques. A igreja que conta com um bom Conselho Diaconal
está protegida dos ataques de falsos pastores. Percebendo que o pastor da igreja
tem mantido conduta escandalosa ou ensinado doutrinas estranhas ao cristianismo,
o grupo de diáconos se reunirá, independentemente de o pastor convocar a reunião
ou concordar com ela, e decidirá o que fazer diante de tão sério problema. Aliás, a
realização de reuniões do Conselho Diaconal sem a presença do pastor é prática
comum e legítima. Para se reunirem, os diáconos não precisam de autorização.
Basta que o presidente do Conselho Diaconal convoque o grupo para uma reunião
sempre que julgar inconveniente a presença do pastor em face do assunto que será
tratado. Nos diáconos o pastor encontrará também um grupo que estará atento às
suas necessidades físicas, emocionais, espirituais, sociais e profissionais.
Percebendo, por exemplo, que o pastor tem enfrentado sérios problemas na família,
os diáconos estudarão um modo de ajudá-lo tornando viável um tempo de licença
para ele poder resolver tudo com maior tranqüilidade, oferecendo-lhe apoio e
amizade ou assumindo a direção de algumas áreas para lhe proporcionar maior
alívio.

7. Cuidar da ceia do Senhor. Tradicionalmente são os diáconos que cuidam dos


preparativos e da distribuição da ceia do Senhor. Para melhor funcionamento desse
serviço é comum existirem escalas em que figurem os nomes dos que deverão
providenciar e distribuir os elementos. Quem geralmente faz essas escalas e as
comunica aos líderes é o presidente do Conselho Diaconal, um diácono escolhido
pelo próprio grupo com o fim de representá-lo.

13
 O Número de diáconos – O número de diáconos em exercício na igreja
deve ser proporcional ao número de membros. Cada igreja tem
necessidades diferentes. Cada igreja deve decidir quantos diáconos são
necessários para ela.

 As Funções dos Diáconos – Cabe ao diácono, em geral, funções


executivas e administrativas que cercam a vida e a realidade da igreja. Não
obstante, ele não está isento de sua missão primeira que é
o SACERDÓCIO universal de todo cristão.
 Auxiliar na introdução dos visitantes ao templo e na ordem do ambiente;
 Guardar a porta e perceber o fluxo externo à igreja durante os cultos para
evitar a invasão por animais e pessoas mal intencionadas;
 Aproximar-se de pessoas no interior do templo em situação de
vulnerabilidade, (emoção extrema, possessão, desequilíbrio);
 Auxiliar na ministração e distribuição dos elementos da ceia;
 Distribuir, a critério da junta diaconal e do Conselho Gestor, a beneficência ou
os auxílios aos necessitados da igreja;
 Visitas juntamente com o pastor ou a critério deste a hospitais, prisões e
velórios;
 Prestar relatórios ao pastor a respeito das necessidades comunicadas pelos
membros da igreja;
 Providenciar a manutenção de equipamentos ou das dependências da igreja
quando necessário.

A recompensa dos Diáconos – Pois os que desempenharem bem o diaconato


alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na FÉ em Cristo
Jesus. (ITm 3:13)
Cristo nosso maior exemplo de servir, como diácono.

Fil. 2:5-11 Como foi dito no princípio, a diaconia deve ser legitimada não somente como
uma função cristã, mas como o modo de ser da igreja. Deus foi o primeiro diácono ao se
esvaziar de sua inteira completude para que houvesse a CRIAÇÃO. Jesus Cristo se
esvaziou de sua glória para que houvesse SALVAÇÃO. O Espírito Santo se esvazia no
derramamento e plenitude de sua ação dentro de nós para que haja SANTIFICAÇÃO. O
diácono não é o chefe da igreja. O diácono não é um pastor.

14
C - O Diácono como resolução de problemas.

15