Você está na página 1de 1

ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 3º CEB GIL EANES

PORTUGUÊS – 10º ANO – ANO LECTIVO 2005/2006

1. Atenta no seguinte poema:

1.1. “O amor vive de si mesmo”.


1.1.1. Constrói o campo semântico da palavra destacada no
verso.
1.1.2. Constrói também o campo lexical de “amor”.

1.2. “e por estas suplanta a natureza”.


1.2.1. Enumera quatro hipónimos de “natureza”.

1.3. Indica um sinónimo adequado para os vocábulos


sublinhados no poema.

1.4. Considerando a grafia, a pronúncia e o significado, classifica


as palavras sublinhadas nas frases transcritas.

a) O amor “Nada exige nem pede.”


O Ricardo nada bem.

b) “(…) o tempo desmorona/aquilo que foi grande e


deslumbrante”
Ele é muito teimoso.

c) Segue o meu conselho: vive para amar!


Não há no concelho rapaz mais bonito do que este!

d) Quem ama emerge da escuridão.


Ele imerge no sofrimento sempre que ela o deixa.

2. No excerto que se segue, atente nas expressões a negrito.

O menino apareceu certa manhã húmida de Março à porta do convento. Era de idade à volta dos seis anos,
feições mistas de chinês e europeu, pele clara. Uma criança perfeita, embrulhada em flanelas encarnadas e
um amuleto.
Naturalmente que as rezas se atrasaram no coro, essa manhã. Necessário alimentar o menino, que chorava
alto chupando o dedo, trocar-lhe as roupas frias por panos aquecidos. Um alvoroço entre as monjas mais
novas. Preocupação e dó no rosto severo da abadessa.

2.1. Detecte a relação de sinonímia, antonímia, hiperonímia ou hiponímia que se actualiza no primeiro
elemento de cada par de vocábulos (em relação ao segundo):

a) menino – criança d) alimentar - amamentar g) chupando – chuchando


b) feições – traços e) abadessa – religiosa h) rezas - orações
c) clara - escura f) roupas - agasalhos i) dó – pena