Você está na página 1de 3

Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

22.999
ESPUMA Rl%lDA DE POLIURETANO PARA FINS DE ISOLACAO
T&MICA - RESISTCNCIA A COMPRESSA NBR 8082

@ Mbtodo de ens& JUL/l993

1 OBJETIVO

Esta Norma prescreve o &todo para determinar a resist&cia a compress& em es-

pumas rigidas de poliuretano.

2 APARELHAGEM

A escala a ser utilizada dew permitir leituras corn precisao de (1,O + O,b5)mm.

2.2 MGquina de ensaio

2.2.1 A maquina de ensaio 6 provida de duas placas, uma fixa onde fica apoia-

do o corpo de prova e outra m6veI que comprime o mesmo, conforme Figura.

FIGURA - Maquina de enraio

Oripam: ABNT MB1341lB2


CB-22 - Cornit& Brasileiro de Iscda&~ TBrmica
CE-22:OZ.l - Comildo de Estudar da Isolantns T&mica h Base de Espuma Rlgida de Poliuretano

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROL00lA. NORMALIZACAO
DE NORMAS TECNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL
a

Pslavraschava: espuma - poliur~ano . isola@a I NER 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRAOA

CDU: 679.664490:620.173 Tadoa oa dimitw rservaloa 3 p6ginu


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
2 NBR 8082/1983

2.2.2 A placa de apoio consta de uma chapa metalica rigida horizontal. As di-

mens6es desta placa devem ser no minima 20 mm maiores que as do corpo de prove.

2.2.3 A mjquina de ensaio deve ser provida de urn dispositivo de carga capaz de

registrar a forga m&ima de compress& corn precisao de -+ 1%.

2.2.4 A maquina de ensaio deve ter urn dispositivo capaz de indicar continuamen

te ou registrar a distancia existente’entre a superficie superior da placa de

apoio e a superficie inferior da placa de compress& corn precisk de 0,5 rmn.

2.2.5 A msquina de ensaio 6 acionada de mode a permitir uma compress& unifor-

me e regul& I.

3 GEOMETRIA DOS CORPOS DE PROVA

3.1 Admite-se a utiliza& de corpos de prove quadrados ou circulares, corn di-

mens6es diferentes, recortados de pe~as que assim o exijam, desde que a irea

das bases nao seja menor que 25 cm2 ou maior do que 225 cm2.

3.2 A altura minima do corpo de prova e de 2,5 cm e a altura maxima 60 pode

ser major do que a largura ou di:metro do corpo de prova.

3.3 Quando a fonte dos corpos de prova 60 apresentar espessura suficiente pa-

ra completar a altura determinada em 3.2, esta pode ser obtida pelo empilhamen-

to de varias camadas do mesmo material sem a utiliza& de adesivo.

4 EXEClJCdO DO ENSAIO

4.1 0 material permanece no minima 40 horas a temperatura de (23 -+ 2)OC e

(50 -+ 5)% de umidade relativa.

4.2 60 ensaiados no minima cinco corpos de prova.

4.3 OS corpos de prove sao marcados para respectiva identi fica& e sues ireas

calculadas.

4.4 Anotar a jrea e colocar o corpo de protia sobre a plataforma de apoio de

rmdo a ficar centrado na placa.

4.5 0 contato 6 feito corn uma forsa de (5 + 1) N. Nessa ncasik i feita a lei-

tura referente a espessura do corpo de prova, CWII a velocidade de(0,25’+ 0,025)


cm/min.

4.6 Em seguida a mjquina de ensaio 6 novamente acionada, para reduzii a espes-

sut-a do corpo de prove em 10%. E anotada entao a forCa de compress& correspon-

dente a essa deforma&.

5 RESULTAOOS

5.1 OS resultados sao expresses coma resistkia a compress& a 10% de defor-


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 9082/1993 *
-

5.2 A resistincia a compress% a 10% de deform@ i expressa em Pa e calcula-

da pela express&:

f
Rc =-

Rc = resistkia S compress& a 10% de deforma@ (Pa);

f = for$a anotada (N);

A = area do corpo de prova (m2).

IMPRESSA NA ABNT - sAo PAUL0

Você também pode gostar