Você está na página 1de 26

Licenciamento Ambiental Municipal

de Empreendimentos Imobiliários em Áreas


Contaminadas na Cidade do Rio de Janeiro

Vinicius de Oliveira
Gerente de Licenciamento Ambiental
D.Sc. em Saúde Pública
Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Cidade do Rio de Janeiro

Desenvolvimento Imobiliário em Áreas Contaminadas no Estado do Rio de Janeiro


SINDUSCON-RIO – Novembro/2010 1
A SMAC e o GAC
 Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC)
 Coordenadoria Geral de Controle Ambiental
 Coordenadoria de Licenciamento Ambiental/
Gerências de Licenciamento Ambiental
 Empreendimentos Imobiliários
 Postos de Revenda e de Abastecimento de Combustíveis
 Indústrias e Estações de Tratamento

2
A construção civil
O aquecimento da construção civil
 Anteriormente
 Classes média e alta (zona oeste)
 Barra da Tijuca
 Recreio dos Bandeirantes
 Atualmente
 Classes baixa e média (zonas norte e oeste)
 Campo Grande
 Santa Cruz
 Pavuna

3
Na construção civil, a palavra de ordem é
sustentabilidade
 Conceitos de sustentabilidade de processos produtivos
chegaram à construção civil
 Construção sustentável
 Edifícios verdes

 Os projetos são desenvolvidos pensando na redução


dos impactos ambientais durante a vida útil do edifício
(construção, uso, operação, retrofit ou demolição)

 Eficiência energética, arquitetura bioclimática e


conforto, uso racional e reaproveitamento de água,
utilização de materiais, processos e tecnologias
sustentáveis e gestão de resíduos

4
Em tempos de mercado aquecido ...

Construção Civil e o Meio Ambiente, neste novo cenário


 Carência de áreas:
 Bem localizadas
 Com equipamentos de infra-estrutura (água, luz,
esgoto, telefonia e transportes) implantados
 Livres e desimpedidas
 Baixo custo

5
Em tempos de mercado aquecido ...
Nas décadas de 1980, 1990 e 2000 houve uma mudança
no perfil de uso e ocupação do solo na cidade com a
saída de várias indústrias localizadas nas regiões
central, norte e oeste da cidade.

 Disponibilidade de áreas:
 Extensas
 Degradadas
 Subutilizadas
 Com altos índices de violência
 Do ponto de vista ambiental, contaminadas
 Brownfields

6
... Rio de Janeiro (superaquecido)
Anos 2000
Déficit habitacional para populações de baixa renda (de 0
– 10 SM)
Qual o papel do poder público?
Desenvolver e/ou estimular projetos de interesse social
 PAR
 PAC
 MCMV
 Porto Maravilha
Facilitar o acesso da iniciativa privada as áreas de interesse
Conter a favelização
7
... Projetos em andamento na PCRJ

 Requalificação de áreas subutilizadas ou


abandonadas na zona norte
 Recuperação de áreas contaminadas
 Revitalização de áreas degradadas, mas com alto
potencial urbanístico
O poder público deve, o tempo todo, buscar a criação
ou adequação dos instrumentos disponíveis ao
licenciamento destas intervenções, sejam elas
executadas pelo próprio poder público ou pela
iniciativa privada

8
Do ponto de vista ambiental, como se
dá o licenciamento de uma obra
 Alvará de obras = Licença de Obras (SMU)
 Alvará para a supressão de vegetação (SMAC)
 Licenciamento Ambiental Municipal
 LMP – Projeto
 LMI – Liberação da construção (ponto de vista ambiental)
 LMO – Operação da ETE
 LMD – Atividade anterior
 LMS – Licenciamento ambiental simplificado
 LMS-H – MCMV

9
Alguns dispositivos legais importantes
no GAC
 Res. CONAMA 420/09 – solo
 Res. CONAMA 396/08 – água subterrânea
 Port. MS 518/2004 – potabilidade
 INEA – DZ, IT e o Dec. Est. Nº 42.159/09 com novas
modalidades de licenças ambientais (LP, LI, LO,
LAS, LPI, LIO, LAR e LOR) e Res. Nº 12/10
 SMAC – Dec. Mun. Nº 28.329/07 e o Convênio
10.01.2007 entre a FEEMA (INEA) e a PCRJ/Termo
Aditivo/10 (LMP, LMI, LMO e LMD) e Res. 464/09
(LMS-H)

10
Construção em Área Contaminada
 Possível ou impossível?
 Possível
 Viável ou inviável?
 Depende
 Depende do quê?
 Nível de conhecimento do sítio
 Nível de contaminação (aspectos qualitativos e
quantitativos)
 Técnicas de remediação que serão adotadas
 Projeto de arquitetura
 Técnicas engenharia que serão adotadas
 Relação custo-benefício
Passivo Ambiental ... Começam os problemas

Licenças ambientais simplificadas não se


aplicam a áreas contaminadas
Tempo na obtenção das licenças, em particular,
da licença ambiental
 Limitações técnicas e de pessoal dos órgãos
ambientais
 Baixa qualidade dos relatórios apresentados
e dos RT
 Incompletos e inconsistentes

12
Passivo Ambiental ...
Como identificar a presença de passivo ambiental?
 Investigação preliminar
 Investigação confirmatória
 Investigação detalhada e delimitação da pluma de
contaminação
 Análise de risco à saúde humana
 Remediação ambiental
 Monitoramento Analítico

13
Passivo Ambiental
Investigação preliminar
 História do sítio
 Atividades anteriormente instaladas no local – atividades
potencialmente poluidoras
 Solo
 Água subterrânea
 Edificação
 Práticas adotadas pelas indústrias nas décadas de 1960, 1970
e 1980
 Áreas potencialmente contaminadas
 Áreas suspeitas de contaminação
 Áreas contaminadas
 Área em monitoramento para reabilitação
 Área reabilitada para o uso declarado

14
Passivo Ambiental
Investigação confirmatória
 Análises químicas são fundamentais na
comprovação da contaminação de uma área
contaminada
 Cor, odor e sabor não são bons critérios para
avaliação da água subterrânea
 Identificação qualitativa
 Metodologia
 Sondagem/PM, coleta, transporte, análise e
interpretação dos resultados

15
Passivo Ambiental
Investigação detalhada e delimitação da pluma de
contaminação
 Identificação quantitativa
 DD da CETESB nº 263/2009

Análise de risco à saúde humana e incertezas no


processo analítico
 Ausência de risco à saúde de futuros moradores do
novo empreendimento e dos seus vizinhos
 Ausência de dados
 Dados incorretos ou não confiáveis
 DD da CETESB nº 263/2009

16
Passivo Ambiental
Remediação ambiental
Uma barreira a mais ao bom andamento das obras
 Incertezas quanto aos SSTL’s
 Incertezas técnicas
 Incertezas quanto ao tempo – meses ou anos
 Incertezas quanto aos custos
 Certeza quanto às responsabilidades civis
(compradores, poder judiciário, opinião pública, ...) e
regulamentos jurídicos complexos

17
Passivo Ambiental
Plano de Intervenção
Remediação e intervenção na área contaminada
 medidas já adotadas ou a serem adotadas
 construção de subsolo
 rebaixamento do lençol freático
 construção do poço do elevador
 ações de emergências
 destinação adequada de solo e/ou água contaminada
removidos do local
 padrão de lançamento do efluente tratado
 uso de EPI
 demais ações relevantes previstas para a construção e
para o uso futuro (medida de controle de engenharia
e/ou institucional)
18
Passivo Ambiental
Monitoramento Analítico
 2 ciclos hidrogeológicos
 histórico do sítio
 construção, destruição e distribuição dos poços de
monitoramento
 qualidade dos resultados da coleta a análise (cadeia
de custódia)
 comparação dos resultados obtidos com o histórico
de cada poço de monitoramento, além da
comparação com os valores-alvos adotados na
análise de risco
 representação da pluma de contaminação atual e a
sua evolução
19
Passivo Ambiental
Monitoramento Analítico
 avaliação das vias de exposição consideradas na
análise de risco e o cenário atual a fim de validar a
conclusão do relatório de monitoramento sobre a
inexistência ou o aparecimento do risco à saúde
humana em função das novas análises
 justificativa para a diminuição e/ou aumento na
concentração de contaminantes
 conclusão pela adoção de medidas de intervenção
ou do monitoramento periódico do sítio

20
Áreas contaminadas
Mercado imobiliário é regido por uma lógica bem desenhada
 Baixo custo de aquisição de terrenos
 Ao adquirir um terreno com contaminação
 Aumentos dos riscos se as avaliações ambientais e os
projetos de remediação não forem bons
 Passivo ambiental pode ser um custo (direto ou indireto)
significativo ($$ ou tempo)
 O custo da remediação deve estar embutido no preço do
terreno

21
Novo vocabulário do empresário da
construção civil
Para fazer um boa estimativa de prazos e ações é
necessário que “alguém” da empresa de construção
civil deve conhecer
 CQI  FR
 BTEX  FL
 PAH  Pluma de contaminação
 TPH  Remediação
 FD  PM/PE/PB

Guia para a avaliação de contaminação em imóveis


CETESB/GTZ (2003)
22
A grande questão
Construir x Remediação
Seqüencial ou concomitante?
 Cada caso é um caso
 Manutenção dos PM, PE, PB, ... (Plano de Intervenção)
 Paralisação da obra mesmo depois de liberada (LMI)
 Conclusão (ou complicação) da remediação e do
encerramento de um caso
 Monitoramento
 habite-se

23
Bom negócio para o empreendedor
 O empreendedor da construção civil deve estar
seguro de que
 Sua equipe escolheu a empresa de consultoria
ambiental mais capacitada a atender a sua
demanda específica
 Identificar de forma clara o passivo ambiental

 Quali-quantitativamente
 Remediar de forma eficaz e eficiente

24
Bom negócio para a sociedade
 Órgãos ambientais devem ganhar competência
neste campo e estar alinhados nas suas
avaliações
 INEA
 Grupo de Gerenciamento de Áreas Contaminadas
 Revisão da DZ 1841 e IT 1842
 SMAC
 Integration (SMAC, SMU e SMH)
 Revisão das normas de licenciamento em
alinhamento com o Decreto Estadual
25
Equipe SMAC
Gerência de Licenciamento Ambiental
Postos de Revenda e de Abastecimento de
Combustíveis
 D.Sc. Quim. Vinicius de Oliveira – Gerente
 vinicius.oliveira@smac.rio.rj.gov.br
 M.Sc. Eng. Quim. Maria de Fátima Ebole
 Esp. Arquiteto André de Oliveira Cabral
 Esp. Geólogo Roberto Carlos Diniz
 Esp. Eng. Civil Darlan Miranda
Boa Tarde!

26