Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS ESTRATÉGICOS


INTERNACIONAIS – PPGEEI

Disciplina: Novas Potências e Novos Atores no Sistema Internacional (EEI 17)


Professores: Jacqueline A.H. Haffner e Anna Carletti
Período letivo: 2014/1

1. EMENTA
Os determinantes históricos, as estratégias de desenvolvimento e os principais processos
políticos e econômicos dos países integrantes do grupo dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia,
China, e África do Sul). As relações do Brasil com os outros membros do grupo. O
impacto regional e internacional do grupo na atual ordem internacional.

2. OBJETIVO DA DISCIPLINA
Identificar as perspectivas individuais de cada país que compõe o grupo.
Evidenciar as características políticas e econômicas dos BRICS identificados como
potências emergentes enfatizando suas peculiaridades em relação a outros países em
ascensão.
Analisar a construção de projetos conjuntos entre os integrantes do grupo através de
relações bilaterais e multilaterais.

3. ABORDAGENS TEMÁTICAS

3.1 Apresentação da disciplina


3.2 Mudanças globais e países emergentes
3.2.1 O surgimento das economias emergentes
3.2.2 Os emergentes no sistema internacional
3.3 Os BRICS e as perspectivas da economia mundial do século XXI
3.3.1 China
3.3.2 Rússia
3.3.3 Índia
3.3.4 África do Sul
3.3.5 Brasil

3. METODOLOGIA
A disciplina será desenvolvida através de metodologia expressa na prática de debates e
discussões, estudo de textos e estudo de casos Nas atividades de pesquisa e apresentação
de trabalhos em grupo, a avaliação da aprendizagem obedecerá aos critérios da clareza e
estrutura, problematização, implicações para ações.

4. AVALIAÇÃO
Trabalhos apresentados e participação nas discussões em aula valendo 40% da nota. Um
artigo a ser entregue no final da disciplina, de caráter individual, equivalente a 60% da
nota total.
REFERENCIAS

ABI-SAD, Sérgio Mercador. A potência do Dragão. A Estratégia diplomática da China.


1 ed. Brasília: UnB, 1996.

ALVES, André Gustavo de Miranda (Org.). Uma longa transição. Vinte anos de
transformações na Rússia. Brasília: IPEA, 2011.

BIANCARELI, André M. A Festa dos Emergentes. Boletim Semestral de Estudos de


Conjuntura Econômica do Instituto de Economia da UNICAMP - Política Econômica em
foco. Campinas, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, maio/ out. 2004.

____________. Economias emergentes: no balanço das ondas. Suplemento 2 do Boletim


Semestral de Estudos de Conjuntura Econômica do Instituto de Economia da UNICAMP
- Política Econômica em foco. Campinas, Universidade Estadual de Campinas –
Unicamp,22 de Fevereiro 2005.

BESADA, Hany; TOK, Evren e WINTERS, Kristen. South Africa in the BRICS:
Opportunities, challenges and Prospects. In: Africa Insight Vol 42(4) – March
2013. Disponível em: http://www.nsi-ins.ca/wp-content/uploads/2013/10/2013-South-
Africa-in-the-BRICS.pdf. Acesso em: 20 mai. 2013.

CEPAL. Globalização e desenvolvimento. Brasília: Nações Unidas, 2002.

____________. Panorama da inserção internacional da América Latina e o Caribe. A


região na década das economias emergentes. Santiago de Chile: CEPAL, 2011.

Boletim de economia e política internacional/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.


Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais. – n.1, (jan./mar.
2010). Brasília: Ipea. Dinte, 2010

BOSSEN, Gerd D. et all. A Rússia no início da Era Putin. São Paulo: Fundação Konrad
Adenauer, 2000. (Cadernos Adenauer 5)

CASELLA, Paulo Borba. BRIC: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Uma
perspectiva de cooperação internacional. São Paulo: Atlas, 2011.

CARLETTI, Anna. Diplomacia e Religião. As relações entre a República Popular da


China e a Santa Sé de 1951 a 2005. Brasília: FUNAG, 2008.

CHESNEAUX, Jean. A Ásia oriental nos séculos XIX e XX. São Paulo: Pioneira, 1976.

CONFERÊNCIA Nacional de Política Externa e Política Internacional. O Brasil no


mundo que vem aí. Seminário Rússia. Brasília: FUNAG, 2007.

COTTERELL, Arthur. East Asia: from chinese predominance to the rise of the Pacific
Rim. Oxford: Oxford University Press, 1993.
DOMENACH, Jean-Luc. Oú va la Chine. Paris: Fayard, 2002.
EVANS, G. “Novos vizinhos – reflexão sobre a nova política mundial contemporânea da
África do Sul e do Brasil”. In: GUIMARÃES, S.P. (org.) África do Sul; visões
brasileiras. Brasília: Capes/Ipri/Funag, 2000.

FAIRBANK, John Kinh; GOLDMAN, Merle. China – Uma nova História. L&PM. Ed.
2. 2007.

FERNANDES, Luís. URSS, ascensão e queda: a economia política das relações da URSS
com o mundo capitalista. São Paulo: Anita Garibaldi, 1991.

GIPOULOUX, François. A China do século XXI: uma nova superpotência? Porto Alegre:
Instituto Piaget, 2007.

GUIMARÃES, Samuel P. Brasil e China: Multipolaridade. Brasília: IPRI/ FUNAG,


1999.
_______. (org.) África do Sul; visões brasileiras. Brasília: Capes/Ipri/Funag, 2000.

GUMEDE, Wiliam. South Africa in BRICS: Salvation or ruination? Tafelberg Short,


2013.

HALLIDAY, Fred. Génesis de la Segunda Guerra Fria. México: Fondo de Cultura


Economica, 1989.

___. Repensando as Relações Internacionais. Porto Alegre: Ed. da


Universidade/UFRGS/FAPA, 1999.

HEWITT, Vernon. The new international politics of South Asia. Manchester: Manchester
University Press, 1997.

HSIUNG, James C. Twenty-first Century World Order and Asia Pacific: Value chang,
Exigencies and Power realignment. Palgrave, 2001.

HURREL, Andrew. Os BRICS e a Ordem Global. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

IPEA. Relações comerciais e de investimentos do Brasil com os demais países do BRICS.


Comunicados IPEA: Brasília, 2011.

KORNEGAY, F. & DADA, J. (orgs). A África do Sul e o Ibas: desafios da segurança


humana. Porto Alegre: UFRGS/FUNAG/MRE (Coleção Sul-Africana/Cesul), 2007.

KISHORE, Mahbubani. Le Défi Asiatique. Paris: Fayard, 2008.

KISSINGER, Henry. Sobre a China. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

Lai-Ha Chan; Pak K. Leeb; Gerald Chan. Rethinking global governance: a China model
in the making? In: Contemporary Politics. Vol.14,No.1,March2008,3–19.

LAWRANCE, Alan. Chinese´s Foreign Relations. Rkp, 1975.


LYRIO, Maurício Carvalho. A ascensão da China como potência: fundamentos políticos
internos. Brasília: FUNAG, 2010.

MEDEIROS, Evan S; FRAVEL, Taylor M. China´s New Diplomacy. In: Foreign Affairs.
Nov/Dec. 2003.

OSVALDO ROSALES. La globalización y los nuevos escenarios del comercio


internacional. Santiago de Chile: Revista de la CEPAL 97, Abril 2009.

PEREIRA, Danielevicz. A África do Sul pós-apartheid: limites e possibilidades de uma


potência emergente. In: BRICS: as potências emergentes. Petropolis: Editora Vozes,
2013, p. 163-198.

PIO PENNA FILHO. Brasil e África do Sul – Perspectiva Histórica. In: ZHEBIT,
Alexandre (org.). Brasil-Índia-África do Sul. Rio de Janeiro: Gramma Editora, 2010.

______ . África do Sul e Brasil: diplomacia e comércio (1918-2000). In: Rev. Bras. Polít.
Int. 44 (1) – 2001, p. 69-93.

QUINTELLA, Thereza Maria Machado (Org.). Brasil-Rússia: fortalecimento de uma


parceria. Brasília: FUNAG, 2005.

ROZMAN, Gilbert. Chinese Strategic Thought toward Asia. Palgrave, 2010.

SEGRILLO, Ângelo. O fim da URSS e a Nova Rússia: de Gorbachev ao pós-Yeltsin.


Petrópolis: Vozes, 2000.

TODD, Emmanuel. A queda final: a decomposição do sistema soviético. Rio de Janeiro:


Record, 1976.

______. Depois do Império. A decomposição do sistema americano. Rio de Janeiro/São


Paulo: Record, 2003.

VISENTINI, Paulo. As Relações diplomáticas da Ásia. Belo Horizonte: Fino Traço,


2012.

_____. (org.) BRICS: as potências emergentes China, Rússia, Índia, Brasil e África do
Sul. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

VISENTINI, P. & PEREIRA, A.D. África do Sul: história, Estado e Soceidade. Brasília:
Funag, 2010.

VOLCHKOVA, Natalya; RYABSTSEVA, Maria. Russia-South Africa relations:


Collaboration in BRICS and the G-20. In: SAIIA Occasional Paper. N. 35. February ,
2013. Disponível em: http://www.africaportal.org/dspace/articles/russia-south-africa-
relations-collaboration-brics-and-g-20. Acesso em: 10 out. 2013.
ZHEBIT, Alexander (Org.). Brasil – Índia – África do Sul: Emergência do Sul global.
Rio de Janeiro: Grama, 2010.

_________ Brasil-Rússia: história, política, cultura. Rio de Janeiro: Gramma, 2009.


(Série BRIC)

___. Repensar a Rússia: uma proposta sobre o reposicionamento da Rússia nas Relações
Internacionais. In: VIZENTINI, P; WIESEBRON, M. (orgs.). Neohegemonia americana
ou multipolaridade? Pólos de poder e sistema internacional. Porto Alegre: Ed. da UFRGS,
2006.