Você está na página 1de 7

Portfólio e acadêmicos de enfermagem

AS POTENCIALIDADES E FRAGILIDADES DO PORTFÓLIO REFLEXIVO NA VISÃO DOS ESTUDANTES DE ENFERMAGEM

POTENTIALITIES AND WEAKNESSES OF THE REFLECTIVE PORTFOLIO ACCORDING TO NURSING STUDENTS

LAS POTENCIALIDADES Y FRAGILIDADES DEL PORTFOLIO REFLEXIVO EN LA VISIÓN DE LOS ESTUDIANTES DE ENFERMERÍA

Suzelaine Tanji I Carmen Maria S.L.M. Dantas da Silva II

RESUMO:RESUMO:RESUMO:RESUMO:RESUMO: O estudo tem por objetivo demonstrar as potencialidades e dificuldades da utilização do portfólio reflexivo como instrumento de aprendizagem. A metodologia utilizada versa sobre pesquisa qualitativa, a coleta de dados ocorreu no mês de novembro de 2006, foi utilizado formulário com perguntas abertas e fechadas e os resultados foram analisa- dos e descritos em categorias temáticas. A primeira categoria apresenta o portfólio como ferramenta do processo de ensino-aprendizagem - oferece uma estrutura que permite refletir sobre esse processo; a segunda categoria relaciona o portfólio como ferramenta para interação individual e grupal, pois pode socializar a construção do conhecimento; a terceira categoria indica o portfólio como ferramenta de ajuda, identificando as potencialidades de sua utilização. As fragilidades da confecção dos portfólios representam as dificuldades relativas ao tempo e à habilidade escrita. Conclui- se que as potencialidades da utilização do portfólio reflexivo se sobrepõem às fragilidades apontadas. Palavras-ChavePalavras-ChavePalavras-ChavePalavras-ChavePalavras-Chave: Enfermagem; ensino-aprendizagem; estudante; ensino universitário.

ABSTRACTABSTRACTABSTRACTABSTRACTABSTRACT::::: The study aims at identifying potentialities and difficulties of the use of the reflective portfolio, as a learning tool. The methodology used addresses qualitative research; the collection of data occurred in November, 2006; a form with open and closed questions was used, and the results have been analyzed and described on thematic categories. The first category presents the portfolio as a tool in the teaching-learning process. It offers a structure that allows for thinking over that process; the second category associates the portfolio to a tool for individual and group interaction because it can socialize construction of knowledge; the third category regards the portfolio as an aid tool, identifying potentialities of its use. The weaknesses about the confection of portfolios mirror the difficulties related to time and to the written skill. In conclusion, potentialities of the use of the reflective portfolio overpass the weaknesses exposed. KeywordsKeywordsKeywordsKeywordsKeywords: Nursing; teaching-learning; student; undergraduate teaching.

RESUMEN:RESUMEN:RESUMEN:RESUMEN:RESUMEN: El estudio tiene por objetivo demostrar las potencialidades y las dificultades del uso del portfolio reflexivo como instrumento de aprendizaje. La metodología usada versa sobre investigación cualitativa, la recogida de datos ocurrió en el mes de noviembre de 2006, el instrumento con preguntas abiertas y cerradas fue utilizado y los resultados fueron analizados y descritos en categorías temáticas. La primera categoría presenta el portfolio como herramienta del proceso de enseñanza-aprendizaje – ofrece una estructura que permite reflexionar sobre ese proceso; la segunda categoría relaciona el portfolio como herramienta para interacción individual y grupal, pues puede socializar la construcción del conocimiento; la tercera categoría indica el portfolio como herramienta de ayuda, identificando las potencialidades de su utilización. Las fragilidades de la confección de los portfolios representan las dificultades relativas al tiempo y a la habilidad escrita. Se concluye que las potencialidades del empleo del portfolio reflexivo se sobreponen a las fragilidades señaladas. PalabrasPalabrasPalabrasPalabrasPalabras Clave:Clave:Clave:Clave:Clave: Enfermería; enseñanza-aprendizaje; estudiante; enseñaza universitaria.

INTRODUÇÃO

Durante nossa trajetória profissional como do- centes no Curso de Graduação em Enfermagem, te- mos observado que muitos acadêmicos apresentam grandes dificuldades na comunicação escrita, fato este transparente quando entregam a primeira ver- são do trabalho de conclusão de curso.

Diante desse contexto, emergiu a necessidade de buscar-se estratégias inovadoras para melhor aten- der e auxiliar no desenvolvimento da habilidade es- crita no estudante. Principalmente quando se tem que conciliar, para os estudantes, diretrizes em sua formação como responsabilidade pelo aprendizado,

I Enfermeira, Mestre em Enfermagem, Docente do Curso de Graduação em Enfermagem e Docente Tutora do Curso de Graduação de Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos – UNIFESO - Teresópolis RJ. Especialista em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde. E-mail: jrdahmer@terra.com.br. II Enfermeira, Mestre em Enfermagem, Docente do Curso de Graduação em Enfermagem e Docente Tutora do Curso de Graduação de Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos – UNIFESO - Teresópolis – RJ. Especialista em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde. E-mail: carmenmarielouis@hotmail.com.

p.392 •

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

e ao tentarmos romper com a resistência de falar, es-

crever, refletir e fortalecer neles a autonomia, confi-

ança, uma participação ativa, entre outras, as inda- gações surgem e nos levam a refletir sobre como e quem estamos formando. É importante destacar que a formação tradici- onal nos acompanhou durante décadas como única

e perfeita, cujo aprendizado baseado em uma educa-

ção bancária, centralizando no professor o poder do conhecimento, não possibilitando aos estudantes retornarem para transmitirem seus pontos críticos e reflexivos, possivelmente relevantes para um diálo- go aberto entre os sujeitos, e para o crescimento dos envolvidos. Porém, no desenvolvimento desta pesquisa, pretendemos apresentar uma estratégia de acompa- nhamento desse sujeito problematizador, em sua re- alidade acadêmica, ao resgatar a confecção do portfólio reflexivo, com a intenção de incutir nele a

prática diária do pensar e escrever, com toda a cer- teza já direcionada para uma reflexão critica ao visar

à melhoria do ensino. Ainda assim, é bom ressaltar

que o portfólio não é a única estratégia para que se possa vir a obter os aspectos acima delineados como essenciais na formação do perfil desse novo estudante, contudo, este ainda terá a oportunidade de apren- der a criá-lo com arte, sabedoria e zelo.

Todavia, as resistências são de natureza múlti- pla, ainda a inibição na expressão verbal e escrita desses estudantes, que preferem a maior parte das vezes silenciar o que pensam do que ter que externar seus sentimentos, conhecimentos e crescimentos adquiridos durante sua trajetória acadêmica. Após exaustivas discussões em torno da temática, chegou-se a um consenso de que a implan- tação da confecção do portfólio reflexivo poderia minimizar essa problemática. Porém é relevante o testemunho nesses rela- tos, que de tão pessoais edificam construções de peso para que possamos transmitir aos leitores a impor- tância do portfólio não somente como um compilar de trabalhos realizados durante um semestre letivo, bem como o estar subsidiando meios para uma ava- liação formativa / somativa no fluir do desenvolvi- mento do estudante. Assim, concepções de um conhecimento está- tico são hoje obsoletas perante o grande volume de informações emanadas dos meios de comunicação de massa, alguns aproveitados como tecnologias educativas ou, ainda, em cenários além do meio aca- dêmico.

Tanji S, Silva CMSLMD

A elaboração do portfólio segue um padrão pre- determinado, para que isso possa auxiliar na organi- zação deste documento, bem como se estabelece li- mite para a data de entrega de forma a disciplinar conduta, no caminhar desse processo de ação – re- flexão – ação. Outrossim, é importante destacar nesse processo de contínua reflexão que os estudantes por si mes- mos explicam como constroem a sua aprendizagem, como dialogam com os problemas ao (re) avaliarem em que medidas superaram as dificuldades, ou se, após as valorizarem, o continuar aprendendo configura a forte justificativa, para prosseguirem adiante. Essa iniciativa agregou fortes motivos por se compreender, mais do que nunca, a imperiosa ne- cessidade de formar competentes profissionais críti- cos - reflexivos. Esse raciocínio é demonstrado quando Freire ressalva que “ensinar não é transferir conhecimen- to, mas criar as possibilidades para sua própria pro- dução ou a sua construção” 1:11 . Desse modo, como tudo na seara da pesquisa necessita ser (re) avaliado mesmo quando inovador sugere esta, a realização de estudos mais sistematiza- dos e contínuos que visem ampliar o repertório de conhecimentos sobre os pontos de contato, entre os prós e os contras aflorados no cerne deste trabalho como fragilidades / potencialidades em matéria da aplicabilidade do portfólio e sua elaboração propos- ta já abraçada pelas autoras. Dessa forma, o presente estudo teve como ob- jetivo demonstrar as potencialidades e dificuldades da utilização do portfólio reflexivo como instrumento de aprendizagem para o estudante de enfermagem.

REFERENCIAL TEÓRICO

Em uma narrativa pontual de fatos históricos, nunca é demais trazer no teor do texto todos os as- pectos inerentes no que tange, na atualidade, a um assunto moderno e polêmico, para o qual as autoras vão seguidamente apresentar, por vivenciarem em seus cenários de educação as ditas metodologias ati- vas, inovadoras e todo um arsenal educativo que com elas se faz acompanhar designado como portfólio. Do que se trata, para que serve sem dúvida, tolda a nossa mente sempre fértil em questiona- mentos acerca do desconhecido. Sendo o portfólio (termo retirado do inglês portfolio) uma modalidade de avaliação subtraída do campo das artes, e que sur- ge com o objetivo de criar novas formas de avalia-

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

• p.393

Portfólio e acadêmicos de enfermagem

ção para o desenvolvimento das inteligências artís- ticas 2 . Outrossim, para além de se poderem compro- var os trabalhos individuais exemplares, as suas ca- pacidades criadoras e artísticas sobressaem como li- nhas norteadoras na sua elaboração. Assim, por porta-fólios (no Canadá) se entende como uma amostra do dossiê. O dossier (do francês) é

a pasta onde se guardam todos os materiais produzidos

pelo estudante, por ordem cronológica, então o port-

fólio é uma seleção representativa do dossiê, é aquilo que realmente via formal se pode apresentar para uma avaliação. Por certo, a síntese proposta no porta-fólio, com contribuições de pesquisa e investigação peda- gógica, é exeqüível ao permitir que o trabalho do dia

a dia seja efetivamente conhecido na sua globalidade

por todos os intervenientes no processo de formação 3 .

Outrossim, concepções de portfólio se desta- cam em nossas leituras, entre elas de que o portfólio

é um instrumento que compreende a compilação de

todos os trabalhos realizados pelos estudantes durante

o curso ou disciplina 4 , que a título de analise critico

- reflexiva no liame do entendimento anteriormen- te apresentado, se vislumbra para além desses limites de mais uma tarefa realizada.

Porém, traz no teor deste texto um entendi- mento acerca do que possa vir a ser um portfólio, o que é pertinente e o fazem as autoras quando o defi- nem “como sendo um continente de diferentes clas- ses de documentos” 5:10 (notas pessoais, experiências de aula, trabalhos pontuais, controle de aprendiza- gem, conexões com outros temas fora da escola, re- presentações visuais, etc.) que proporciona evidên- cias do conhecimento que foi construído, das estra- tégias utilizadas e da disposição de quem o elabora em continuar aprendendo. O uso de portfólio como uma estratégia de aprendizagem na educação, surge para procurar corresponder à necessidade de aprofundar o conhe- cimento numa relação ensino-aprendizagem, de modo a assegurar uma compreensão maior e de ele- vado nível de qualidade 6 . Bem surgem questões no mundo da educação contemporânea diante do qual o estudante é o prin- cipal responsável, por mediar a construção de seu conhecimento ora problematizador, instigante prin- cipalmente, melhor. A salientar quando nos apre- senta paradigmas entre um passado, cujo saber se tra- duzia como um amontoar desconfigurado de infor- mações, ou de mensagens codificadas, desembocan- do em uma aprendizagem de repetição escrita dos conteúdos transmitidos pelo professor, não havendo

p.394 •

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

lugar para novas propostas de educação que hoje apelam e exigem um ensino a sério 7 .

Também é considerada uma das formas que tem demonstrado efeitos positivos e que cumpre requisi- tos da avaliação formativa no processo de aprendi- zagem. É um instrumento que permite ao instrutor observar no educando a capacidade de resolver pro- blemas e o desenvolvimento de competências especí- ficas através dos projetos que propõe e participa, além de fornecer uma série de outras informações sobre o conhecimento e atitudes 8 .

O importante não é o portfólio em si, mas sim

o que o educando aprendeu ao criá-lo, e que nele

deve ser registrada a compilação apenas dos traba- lhos que o educando entenda como mais relevan- tes, após um processo de análise crítica e devida fun- damentação escrita 3 . Outrossim, ao selecionar as melhores amostras de seus trabalhos a serem incluídos no portfólio, é re- alizada uma avaliação crítica e cuidadosa do educan- do que envolve o julgamento da qualidade da produ- ção e das estratégias de aprendizagem utilizada 2 , bem como, ao descrever seus momentos de aprendizagem, conseguem por sua vez o re-significar de seus conhe- cimentos, e refletir sobre sua história acadêmica.

Nesse prisma, o portfólio reflexivo permite a apreciação da relação das partes com o todo, consti- tuindo-se em um recurso para relacionar a prática- teoria-prática, já que o instrumento permite descre- ver todo um caminho percorrido, nos diversos ce- nários de aprendizagem. Depresbiteris 4 e Alvarenga 8 enfatizam que o portfólio é uma coleção dos trabalhos realizados pelo educando que permite acompanhar seu próprio de-

senvolvimento. Permite ainda analisar, avaliar, exe- cutar e apresentar produções resultantes das ativida- des desenvolvidas em um determinado período, onde

o educando arquiva e apresenta as evidências das

habilidades, atitudes e conhecimento definidos.

educar não é arquivar o que se deposita,

mas criar a partir do conhecimento em ação a mudança de transformar o mundo a partir de si mesmo ao colocar-se perante os questionamentos, na busca desafiadora do educar-aprender numa relação dialética entre o aluno e professor 1:38 .

O portfólio reflexivo evidencia ao mesmo tem-

po, tanto para o educando quanto para o educador, processos de auto-reflexão. São laboratórios nos quais

os estudantes constroem significados, a partir de sua experiência acumulada. É um resumo da trajetó- ria de aprendizagem 6 .

] [

Contudo, um portfólio reflexivo contém o tra- balho que o educando tem compilado, refletido, se- lecionado e apresentado para mostrar o seu cresci- mento e sua mudança em um determinado período de tempo, como diálogo reflexivo, aberto, amplo, que mantém consigo mesmo, a respeito de uma de- terminada situação 8 . Como modalidade de avaliação é reflexiva, pois, para sua construção, os estudantes precisam consi- derar suas aprendizagens significativas; fazer buscas literárias sobre o assunto a ser descrito, ampliando seus conhecimentos acerca da temática, utilizar as redes multimídia; consultar outras pessoas que te- nham vivenciado esse processo; investigar temas interdisciplinares. E como resultado, um expressivo investimento pessoal e acadêmico significativo.

METODOLOGIA

A pesquisa emana da ciência, avança as rela- ções existentes entre as pessoas que convivem nos cenários de ensino-aprendizagem e fortalecida em Minayo 9 que apresenta a pesquisa social como sen- do a seara para reflexões de posições frente à reali- dade, preocupações e interesses em grupos 9 . Assim, para uma melhor compreensão do estudo em tela, é mister salientar que este se insere nos liames da pes- quisa social na área de educação em enfermagem. Desse propósito, a abordagem metodológica utiliza- da foi a pesquisa qualitativa. Ela permite dar signifi- cado aos atos, relações e estruturas sociais de que, por se transformarem pela ação dos sujeitos, resul- tam construções humanas significativas, desenvol- vendo neles aspirações, valores e atitudes 9 . Salientamos que foi solicitada a prévia permis- são dos participantes seguindo as orientações da Resolução nº196/96, do Conselho Nacional da Saú- de, em seus princípios básicos de autonomia, benefi- cência, não-maleficência e justiça, mediante a assi- natura do termo de Consentimento Livre e Esclare- cido, após autorização do Comitê de Ética em Pes- quisa. O cenário do presente estudo foi uma institui- ção de Ensino Superior Privada da Região Serrana de um dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro, realizada no mês de novembro de 2006. Os sujeitos foram os estudantes da disciplina de História de Enfermagem do segundo período do Curso de Graduação em Enfermagem, pois naquele momento era a disciplina que se encontrava traba- lhando com portfólio reflexivo. O grupo compunha um total de 58 alunos, mas somente 35 aceitaram

Tanji S, Silva CMSLMD

participar do estudo. O procedimento de coleta de dados ocorreu em um único momento de encontro com os estudantes em sala de aula. Cabe ressaltar que a coleta dos dados para a pesquisa efetivou-se a partir de um instrumento, semi-estruturado com perguntas abertas e fechadas. Este se compôs das seguintes questões: Qual foi a sua reação ao receber a informação que deveria cons- truir um portfólio? Você encontrou alguma dificul- dade em construir o portfólio? Caso a resposta ante- rior for sim, aponte quais foram às dificuldades? Quais os aspectos positivos e negativos de um portfólio? Você visualiza algum benefício que a construção do portfólio pode trazer para você enquanto acadêmi- co de enfermagem? Nessa modalidade, o sujeito discorre acerca da temática sem condições de respostas pré-elaboradas pelo pesquisador 9 . Ainda, como o trabalho contem- pla a pesquisa qualitativa, a abordagem dos questio- nários foi submetida à análise e descrita em catego- rias temáticas. Essa modalidade de análise foi consi- derada adequada porque permitiu a identificação dos núcleos de sentido ou temas que compuseram os dis- cursos dos depoentes. Para resguardar a identidade dos sujeitos da pesquisa, foram atribuídos a eles códigos formados pela letra E seguida de um número crescente.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Quando indagamos qual foi a sua reação ao re- ceber a informação que deveria construir um portfólio, a grande maioria sinalizou de forma posi- tiva sobre a construção do portfólio reflexivo, por entender que o portfólio é um instrumento que potencializa a reflexão das práticas, assegurando a construção do conhecimento, do desenvolvimento pessoal e profissional dos envolvidos (docentes e dis- centes). O portfólio é um instrumento que potencializa

a reflexão das práticas, assegurando a construção do conhecimento, do desenvolvimento pessoal e pro- fissional dos envolvidos (educador e educando). É um instrumento que auxilia no crescimento do edu- cando, já que o objetivo da construção do portfólio

é que se leia mais e reflita sobre o que leu, bem como

se posicione a partir de sua reflexão e amplie a busca

de respostas 10 .

É considerada uma das formas que tem demons- trado efeitos positivos e que cumpre requisitos da avaliação formativa no processo de aprendizagem.

É um instrumento que permite, ao instrutor, obser-

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

• p.395

Portfólio e acadêmicos de enfermagem

var no educando a capacidade de resolver proble- mas e o desenvolvimento de competências específi- cas através dos projetos que propõe e participa, além de fornecer uma série de outras informações sobre o conhecimento e atitudes 8 .

Outro questionamento realizado aos sujeitos da pesquisa foi sobre quais os benefícios que a constru- ção do portfólio reflexivo pode trazer para a vida acadêmica, profissional e pessoal, e desses depoimen- tos emergiram as categorias temáticas: ferramenta do processo de ensino-aprendizagem; ferramenta para interação individual e grupal; ferramenta de ajuda.

A primeira categoria temática, o portfólio como

uma ferramenta do processo de ensino-aprendiza- gem, foi apontado pelos sujeitos com maior representatividade. Acredita-se que os portfólios, de fato, constituem uma ferramenta de aprendizagem porque oferecem uma estrutura que permite refletir sobre o processo de aprendizagem e para desenvol-

ver atitudes e habilidades. O que podemos observar nas falas abaixo:

[

[

(E4)

]

]

(E31)

para ampliar o conhecimento que temos [

me ajuda a refletir e memorizar [

]

]

O portfólio baseia-se no detalhamento docu-

mentado dos conhecimentos adquiridos pelos en- volvidos, além de selecionar e ordenar evidências de aprendizagem do aluno possibilita, também, iden- tificar questões relacionadas ao modo como os estu- dantes e os educadores refletem sobre quais os reais objetivos de sua aprendizagem, quais foram cumpri- dos e quais não foram alcançados 11 .

É um instrumento que auxilia no crescimento

do aluno, já que o objetivo da construção do portfólio é que se leia mais e reflita sobre o que leu, bem como se posicione a partir de sua reflexão e amplie a busca de respostas e vem sendo proclama- do como a mais recente e valiosa contribuição no processo de ensino-aprendizagem 11 .

A segunda categoria, o portfólio como uma fer-

ramenta para interação individual e grupal, foi tam-

bém destacada pelos sujeitos, por conceber que o portfólio contém o trabalho que o educando tem reunido, refletido, selecionado e apresentado para mostrar o seu crescimento e sua mudança em um determinado período de tempo, como diálogo refle- xivo, aberto, amplo, que mantém consigo mesmo, a respeito de uma determinada situação.

juntar informações, aprender com as histórias dos colegas. (E5)

[

]

p.396 •

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

[

]

refletir sobre a própria vida. (E10)

[

]

observar meus erros e acertos. (E21)

[

]

rever a própria história.(E3)

O portfólio evidencia, tanto para o educando quanto para o educador, processos de auto-reflexão, que os conduz a profundas mudanças tanto pessoais como profissionais em constante formação para a prática do cuidar. Contudo, os portfólios são labora- tórios nos quais os estudantes constroem significa- dos a partir de sua experiência acumulada, na vida pessoal e profissional, é um resumo da trajetória de aprendizagem 6 . Acrescentaria, porém, o desafio que permeia a consciência reflexiva do educando, de modo que esta venha a ser estimulada continuamente, frente à ne- cessidade de aprender a refletir sobre a sua própria realidade 12 . A terceira categoria, o portfólio como uma fer- ramenta de ajuda, foi expressada por uma minoria dos depoentes; entender que, com base nas descri- ções do acadêmico, o docente pode ter uma noção de como auxiliar no desenvolvimento de suas ativi- dades.

porque alguns professores podem nos ajudar em nossa dificuldade. (E5)

Tem como maior objetivo ajudar o educando a desenvolver a habilidade de avaliar seu próprio tra-

balho. O grande mérito do portfólio reflexivo é sua tendência a centrar a reflexão na prática, já que esta

é a referência para construção, reconstrução e socia-

lização do conhecimento 8 . Vale ressaltar que o portfólio reflexivo apresen- ta um conjunto de propósitos que evidenciam o pro- cesso desenvolvido e os resultados da aprendizagem, possibilitando assim a realização de uma avaliação formativa, somativa e contínua, permitindo que tan- to o educador quanto os educandos entendam as atividades e reflitam de forma contextualizada e sis- tematizada. É importante lembrar que o portfólio reflexivo

difere também do tradicional caderno em que são feitas anotações relativas ao conteúdo das aulas. Cons- titui-se, portanto, em uma espécie de memória onde

o processo de aprendizagem fica registrado quase que

com movimentos, porque, sem o compromisso mui- to formal, poderá, e deverá se possível, incluir rotas alternativas de reflexão, comentários a partir de si- tuações domésticas, particulares, todas as que, afi- nal, são o somatório de experiências e vivências dos

indivíduos.

[

]

A apreciação do portfólio reflexivo é realizada constantemente pelo educador, exigindo pareceres continuados por parte deste ao produzir uma nova concepção de avaliação, diferente daquela à qual todos em geral nos habituamos de provas, e exercí- cios rígidos, limitados. Desse modo, finalizamos ressaltando que:

o uso do portfólio em educação constitui

uma estratégia que procura atender à necessi- dade de aprofundar o conhecimento sobre a re- lação ensino e aprendizagem, assegurando aos alunos e professores uma compreensão maior do que foi ensinado e, desse modo a atingir índices mais elevados de qualidade 7:153 .

Os resultados também apontaram para algumas dificuldades na organização e estruturação do portfólio reflexivo, no entanto, apesar deste enig- ma, o reconhecem como um importante instrumen- to reflexivo, não apenas para sua formação, como também para o professor avaliar o desenvolvimento do estudante.

Entre as fragilidades da confecção do portfólio, destacamos algumas dificuldades apontadas pelos sujeitos da pesquisa: dificuldade relativa ao tempo,

o que se justifica pelo fato de que um número signi-

ficativo de acadêmicos serem trabalhadores da área de saúde e dificuldade da habilidade escrita; dificul-

dade operacional para a confecção do portfólio em redigir, organizar e estruturar. Todavia, o reconhe- cem como um importante instrumento reflexivo, não apenas para sua formação, como também para a ava- liação do professor. Assim o portfólio é constantemente aprecia- do pelo professor, exigindo pareceres continuados

por parte deste ao produzir uma nova concepção de avaliação, diferente daquela, à qual todos em geral nos habituamos de provas, e exercícios rígidos, limi- tados. Essa modalidade desafiadora aponta um novo olhar do professor sobre o que planeja com os estu- dantes, com toda a certeza, no entanto, para ambos,

a eterna questão jamais deixará de nos inquietar re-

quan-

ciprocamente, ou seja, e a nota, professor !

, do a cultura e o status de medida ainda tem bastante

peso nos meios acadêmicos da globalização contem- porânea.

] [

CONCLUSÃO

As três categorias elaboradas para discussão dos resultados estão em consonância com os objetivos para a confecção do portfólio, que subsidiam o pro- cesso ensino-aprendizagem, ao servirem como fer-

Tanji S, Silva CMSLMD

ramenta de interação individual e grupal, uma vez que através dele pode-se conhecer bem melhor o colega e a nós mesmos, bem como ajuda a refletir sobre situações que até então não haviam sido ex- postas, pela ousadia de que se reveste ao respeitar a singularidade e o crescimento de cada um dos inte- grantes do processo. Sendo assim, o portfólio é visto como facilitador da reconstrução e reelaboração, por parte de cada estudante, do processo de ensino-aprendizagem ao longo de um curso ou de um período de ensino, já que sua elaboração oferece oportunidade de refletir sobre o progresso dos estudantes na compreensão da realidade, ao mesmo tempo em que possibilita in- troduzir mudanças necessárias imediatas, quanto podem ainda contribuir para a auto-avaliação do próprio corpo docente 3 . Diante desse contexto, percebe-se que os aca- dêmicos têm uma concepção clara e concisa da im- portância da confecção do portfólio, e confirmaram os benefícios para os discentes e docentes. De rele- vância fundamental foi a descoberta da importância metodológica ao despertarem para o ato de obser- var, registrar e refletir. No entanto, cabe-nos salientar que, ao ser dada aos estudantes deste estudo a oportunidade de reve- lar suas ansiedades, medos e desejos, eles transpuse- ram os limites de escassas folhas de papel de um portfólio reflexivo, e o transformaram num media- dor de liberdade e alforria, tornando-os mais confi- antes, por ajudá-los a percorrer os meandros do cur- so, usando a confecção deste instrumento, como um grande desafio, a ser vencido. As evidências apontam para as potencialidades envolvidas na construção do portfólio, como ferra- mentas do processo de ensino-aprendizagem, da interação individual e grupal, e de ajuda, desvelan- do como fragilidades as inúmeras barreiras vencidas. Assim, sendo o maior dilema para os nossos estudantes, é, sem dúvida, a dificuldade mediada pela comunicação escrita quando chamados aos relatos de suas trajetórias de vida tanto pessoais, como nas travessias de aprendizagem se sentem aprisionados em si mesmos, ao longo do Curso de Graduação em Enfermagem. Finalizando, destacamos que na capacidade de discernir do homem está a raiz da consciência de sua temporalidade que atinge o ontem, reconhece o hoje e deslumbra o amanhã. A consciência tal como uma bússola direciona a transformação, e nela de- termina a mudança 11 .

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

• p.397

Portfólio e acadêmicos de enfermagem

REFERÊNCIAS

1.Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessá- rios à prática educativa. 31 a ed. São Paulo: Paz e Ter- ra; 2005. 2.Villas Boas BMF. Portfólio, avaliação e trabalho pe- dagógico. 3 a ed. Campinas (SP): Papirus; 2004. 3.Alves LP. Portfólios como instrumentos de avaliação dos processos de ensinagem. 2000. UNERJ. [citado em 14 de março de 2007]. Disponível em http://

www.anped.org.br/26/trabalhos/leonirpessatealves.rtf.

4.Depresbiteris L. Avaliação da aprendizagem: uma nova prática implica nova visão do ensino. In. Carrara K, Raphael HS, organizadores. Avaliação sob exame. Campinas (SP): Autores Associados; 2002. 5.Hernández F. Transgressão e mudança na educação:

os projetos de trabalho. Porto Alegre (RS): Artmed;

1998

6.Sá-Chaves I. Portfólios reflexivos: estratégia de for-

mação e de supervisão. Aveiro(Po): Universidade; 2000.

Recebido em: 12.07.2007 Aprovado em: 30.05.2008

p.398 •

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):392-8.

7.Vieira VMO. Portfólio: uma proposta de avaliação como reconstrução do processo de aprendizagem. R Psicol Esc Educ. 2002; 6 (2): [Scientific Economic Library Online] [citado em 20 mar 2007] Disponível em http://scielo.bvs-psi.org.br/scielo. 8.Alvarenga GM. Portfólio: o que é e a que serve? R Olho Mágico. 2001; 8 (1):19-21. 9.Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2004. 10.Ferreira MCI, Bueno ALG. O portfólio como avali- ação na educação superior: uma experiência de su- cesso em um curso de pedagogia. In: Santos CR, organizador. Avaliação educacional. São Paulo: Edi- tora Avercamp; 2005. p. 35-42

11.Seldin P. The teaching portfolio: a practical guide to improved performance and promotion/tenure decisions. Boston (MA) : Anker Publishing Company;

1997.

12.Freire P. Educação e mudança. 23 a ed. Rio de Ja- neiro: Paz e Terra; 1999.