Você está na página 1de 75

Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

NILSON MASCOLO
&
CINTHIA MASCOLO

Método de
Inicialização
em
Flauta Transversal
Teoria e pratica passo a passo
Lições com comentários

Nova Edição

Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 1


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Índice
Introdução............................................................................................................................................3

Parte I: introdução Teórica


Breve História da Flauta........................................................................................................4
A Flauta e suas partes...........................................................................................................5
Montagem do Instrumento..................................................................................................6
Procedimento de secagem e limpeza...................................................................................7
Pontos de sustentação (apoio) da Flauta.............................................................................7
Posições Corretas das mãos.................................................................................................8
Posições Corretas do Corpo................................................................................................11
Sobre afinação da Flauta....................................................................................................11
Sobre a respiração e maior capacidade de sopro..............................................................13
Embocadura.......................................................................................................................14
Primeiro som......................................................................................................................15
Três dicas para ser um grande flautista..............................................................................16

Parte II: Lições progressivas:


Lições progressivas da Primeira à Segunda Oitava.............................................................17
Articulação: Golpe de linha simples....................................................................................22
Ligadura...............................................................................................................................23
Lições progressivas da Primeira, Segunda à Terceira Oitava...............................................24

Estudo de Vibrato..............................................................................................................................49
Estudo de Dinâmica...........................................................................................................................50

Parte III: Duetos e Trio


Dueto I....................................................................................................................................51
Dueto II...................................................................................................................................51
Dueto III..................................................................................................................................52
Dueto VI..................................................................................................................................53
Trio I........................................................................................................................................54

Parte IV – Exercícios diários Sonoridade e Escala

Breve Estudo diário de Sonoridade


Estudo da primeira oitava.......................................................................................56
Estudo da primeira oitava.......................................................................................57
Estudo da primeira oitava.......................................................................................58

Estudo diário de escala


1 - Estudo de Escala: Estudo de Escala Maior........................................................60
2 - Estudo de intervalos.........................................................................................62
3 - Estudo de Escalas Cromáticas...........................................................................66
4 - Estudo de Escalas e Intervalos .........................................................................67

Tabela da Digitação da Flauta.................................................................................................................68


Lista de músicas para ouvir.....................................................................................................................70
Os Grandes Flautistas..............................................................................................................................71
Apêndice de teoria musical para flautistas.............................................................................................72
Grandes fabricantes de flauta.................................................................................................................75
Conserto/Ajuste de Flauta/ Luthier de flauta .........................................................................................75

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 2


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Introdução

Este método tem por objetivo ensinar desde o início como tocar Flauta Transversal, por isso o
chamamos de Inicialização em Flauta Transversal, ele o levará, passo a passo, nota por nota, ao
aprendizado deste maravilhoso Instrumento. Desenvolvemos cada lição de forma progressiva
analisando as dificuldades intrínsecas do instrumento. Siga passo a passo, todas as instruções teóricas e
os estudos diariamente, e assim terá um excelente aprendizado.

O Método de Inicialização em Flauta Transversal foi divido em dois volumes, no Volume I você irá
adquirir domínio do instrumento com uma excelente sonoridade, técnica e leitura; no Volume II você
continuará se desenvolvendo para um nível ainda maior, abordando conhecimentos e elementos mais
avançados na performance da flauta.

A sequência deste método de Inicialização em Flauta Transversal – Volume 1, está dividida em quatro
partes, na primeira parte temos uma introdução teórica sobre a flauta e a correta forma de tocá-la, logo
a seguir na segunda parte, às lições de forma progressiva, levando ao aprendizado da digitação da
flauta, sonoridade e leitura. Na terceira parte temos alguns duos e trio para tocar com professor e
amigos; na quarta parte temos exercícios diários Sonoridade e Escala. Por fim temos uma Tabela da
digitação da flauta, lista de músicas para ouvir, lista dos grandes flautistas, apêndice de teoria musical
para flautistas, lista dos grandes fabricantes de flauta e indicação de Luthier de flauta.

Esperamos que este método por nós produzido o envolva, seguindo todas suas instruções e executando
cuidadosamente suas lições e que, ao final deste percurso, você se sinta ainda mais motivado para
aprofundar os conhecimentos adquiridos, não há segredo e nem fórmula mágica, basta apenas que você
se coloque em atitude, disposição, curiosidade, determinação e interesse.

Cinthia Mascolo e Nilson Mascolo

Nova Edição e Revisão: dezembro 2016


Este método de Inicialização a Flauta Transversal foi revisado e atualizado com comentários teóricos e
práticos, visando um aprendizado mais efetivo com uma linguagem simples e didática. Fora também
acrescentada estudos de Sonoridade e novos estudos de Escalas.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 3


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Parte I - Introdução teórica


Na primeira parte temos uma introdução teórica sobre a flauta e a correta forma de toca-la, você deve
estudar a primeira parte atentamente antes de começar a segunda.

Breve História da Flauta


A Flauta é um dos instrumentos mais antigos, arqueólogos encontraram flautas de ossos de animal,
casca de arvore e outros materiais. Na Bíblia Sagrada encontramos referência a Jubal, "pai de todos os
que tocam harpa e flauta" (Gênesis 4:21 - NVI). Recentemente o arqueólogo Nicholas Conard
encontrou uma flauta de osso de pássaro, ela foi descoberta em uma caverna da Alemanha, o
arqueólogo acredita que a flauta foi entalhada cerca de 35 mil anos e é o mais antigo instrumento
musical artesanal já descoberto.

Foto da flauta encontrada por Nicholas Conard (Foto agência AP.)

Com o desenvolvimento do homem e novas técnicas, a flauta foi evoluindo, algumas flautas eram
tocadas verticalmente como são as flautas doces modernas, outras eram tocadas transversalmente
como são hoje as flautas transversais, ambas eram construídas em um único tubo de madeira com
orifícios que eram tapados pelos dedos. Até Idade Média, a flauta vertical foi a mais utilizada do que a
flauta transversal.

Nos Séculos XVII e XVIII com a evolução do período Barroco, a música instrumental foi enfatizada
exigindo melhorias e avanços nos instrumentos de madeiras, e com isso a flauta transversal ganhou seu
espaço, sendo agora mais utilizada do que a flauta doce (recorder). Como escreve Sávio Araújo
"Claramente a flauta doce (recorder) não servia mais para essas funções e a flauta transversal tomou
seu lugar, face à sua sonoridade mais brilhante e às maiores possibilidades de sua tessitura." (ARAUJO,
Sávio; Evolução histórica da Flauta até Boehm, 1999)

Diversas modificações foram feitas na flauta sem acrescentar grandes melhorias até que Theobald
Boehm (1794-1881), virtuoso flautista alemão, compositor e físico, desenvolveu uma nova flauta que
depois de vários estudos e criações, construiu em 1847 a flauta transversal na qual usamos até hoje, por
isso nossas flautas transversais modernas são conhecidas como flautas de sistema Boehm.

Theobald Boehm(1794-1881)

A flauta de Boehm de 1847 foi construída em prata, tinha seu corpo cilíndrico, veja abaixo foto
retirada do excelente artigo ‘A Evolução histórica da Flauta até Boehm’ de Sávio Araujo.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 4


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Foto: ARAUJO, Sávio; Evolução histórica da Flauta até Boeh, 1999

Em 1847, Teobald Boehm vendeu os direitos de fabricação de seu último modelo a Rudall & Rose
para Clair Godfroy e para seu enteado, Louis Lot. Os franceses, em 1848, produziram modelos com
perfurações nas chaves nos quais nossos dedos conseguem fechar, para proporcionar uma maior
ventilação aos orifícios e agradar aos que estavam acostumados a tocar com as flautas mais antigas com
furos diretos na madeira. Estes modelos com chaves vazadas se tornaram conhecidas como flauta com
“chaves abertas” ou “Estilo Francês”.

Foto: ARAUJO, Sávio; Evolução histórica da Flauta até Boehm, 1999

Questões:
1) Quem foi Theobald Boehm?
2) Por que a flauta necessitou evoluir?

A Flauta e suas partes


A flauta transversal é composta por três partes, o Bocal (headjoint) o Corpo (body) e Pé (footjoint).

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 5


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Bocal (headjoint):
O bocal, também conhecido como Cabeça, é a parte onde o som da
Flauta é produzido. No bocal temos o Porta-lábio onde apoiamos
nosso queixo e lábio inferior e Riser, que é o orifício onde assopramos
para produzir o som. Confira figura ao lado de um corte do bocal.

Corpo (body ou middle Joint):


O corpo é a parte central onde contém o maior número de chaves do mecanismo da Flauta.

Pé (footjoint):
O pé da Flauta é o componente de menor tamanho, e nele está o restante das chaves. Algumas flautas
possuem o pé que produz até a nota Dó, e por isso a chamamos de Flauta de Pé em Dó, outras Flautas
produzem uma nota mais grave do que o Dó, a nota Si, portanto a chamamos de Flauta de Pé em Si. As
flautas com o pé em Si possuem uma Chave a mais. Veja a fotos abaixo.

Sapatilhas:
As Sapatilhas têm função de vedar a passagem de ar quando chaves estão
apertadas, elas são confeccionadas de pele de peixe ou feltro e fica na parte
internas das chaves.

Questões:
1) Como a flauta é dividida?
2) Como chama- se a flauta que possui uma chave a mais?

* Encontre no Site Estudantes de Flauta-Transversal um Glossário completo do mecanismo e partes da


Flauta.

Agora vamos apreender como montar seu belo instrumento e como deve desmonta-lo e limpa-lo antes
de guardar na caixa. Esse passo é importante para a vida útil da sua flauta seja mais prolongada.

Montagem do Instrumento
Para montagem do instrumento, coloque o estojo em local seguro onde não possa
cair (mesa, balcão). Evite colocar o estojo sobre o colo para
montar a flauta.

Retire da caixa o corpo da flauta segurando com a mão


direita e o bocal com a mão esquerda e encaixe-os. Evite
segurar o corpo pelo mecanismo visto que é uma parte
frágil, segure o corpo pela parte superior onde está gravada
a marca da flauta. Próximo passo é retirar o pé da flauta e encaixa-lo no corpo da
flauta. Segure o Pé da flauta na sua parte inferior onde não possui mecanismo.

Com a flauta montada, é necessário alinhar o furo do bocal em direção à primeira chave do corpo da
flauta e o eixo do pé ao meio da última chave do corpo da flauta. Confira a foto abaixo onde a linha
indica o correto alinhamento.

Questões:
1) Porque precisamos ter um cuidado especial na montagem da flauta?
2) Quais os procedimentos de montagem da flauta?

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 6


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Procedimento de Secagem e Limpeza


Após o estudo, é importante secar a parte interna da flauta e limpar a parte externa de suor e gordura
das nossas mãos.

Limpeza Interna: Para limpeza interna, é necessária uma pequena fralda de algodão.

Passe pela agulha da vareta da flauta, a ponta da fralda de algodão e


enrole sobre a vareta.

Desmonte a flauta e enxugue por partes separadamente,


começando com o pé da flauta. Insira a vareta com a fralda de
algodão de baixo para cima, depois faça o mesmo com o corpo e
bocal.

Tome sempre cuidado com mecanismo, não segure a flauta por ele.

Limpeza Externa
Para limpeza externa, é necessária uma flanela macia para não riscar a flauta.
Passe levemente a flanela sobre a flauta, tome cuidado de não encostar a
flanela na sapatilha.

Questões:
1) Porque temos que ter um cuidado com o mecanismo na hora da limpeza?
2) Como é feita a limpeza interna e externa da Flauta?

A flauta transversal é o único instrumento de sopro tocado lateralmente e em função disto temos alguns
desafios para sustentar e equilibrar a flauta. Segue abaixo instruções a seguir para adquirir o bom
equilíbrio da flauta e o conforto do corpo no desempenho da flauta transversal.

Pontos de sustentação (apoio) da Flauta:


Existem quatro pontos de apoio para segurarmos a flauta, o polegar da mão direita, o dedo mínimo da
mão direita, o dedo indicador da mão esquerda e a região do queixo.

1 – Polegar da mão direita: O primeiro apoio de sustentação é o polegar da mão direta. O polegar da
mão direta é o apoio mais firme para segurar a flauta, ele deve estar abaixo da chave do ‘Fá’.

2 – Dedo mínimo da mão direita: O segundo apoio de sustentação é o dedo mínimo da mão direita. O
dedo mínimo da mão direita na maioria das notas permanece apertando a chave do (Ré#/Mib):

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 7


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

3 – Dedo indicador da mão esquerda: O terceiro apoio de sustentação é à base do osso falange proximal
do dedo indicador, podemos dizer também que é a base
inferior do dedo indicador.
Observe a figura ao lado, o tubo da flauta fica apoiado
sobre a base do osso falange proximal do dedo
indicador da mão esquerda. Neste lugar há um
pequeno degrau onde a flauta encontra apoio.
Podemos dizer também que o início da terceira parte
macia do dedo indicador da mão esquerda deve ser o
apoio do tubo da flauta.

É importante observar que diferente da mão direita, o polegar da mão esquerda não tem função de
apoio e sustentação da flauta.

4 – Região do queixo e lábio inferior: O quarto apoio de sustentação é a região do queixo e do lábio
inferior.

É importante não cometer o erro de pressionar excessivamente a flauta contra o


queixo, machucando a parte interna dos lábios pressionada contra os dentes
inferiores.

Questões:
1) Quais são os quatros pontos de apoio para segurarmos a flauta?
2) Porque não podemos pressionar excessivamente a flauta contra o nosso queixo?

Posições corretas das mãos


As mãos têm um papel fundamental na performance da Flauta Transversal, é por ela que seguramos a
flauta e obtemos a digitação das notas. Quanto mais perfeita for à posição das mãos do flautista, maior
e melhor resultado técnico e sonoro se obterá, além de aumentar a vida útil do flautista por se prevenir
lesões. Vamos analisar separadamente a mão direita e a esquerda.

Mão Direita
A mão direta tem funções primordiais, nela está o ponto de sustentação mais firme para segurar a flauta
e o apertar da chave de apoio. Ter uma postura correta desta mão direita é essencial para evolução dos
estudos. Uma postura incorreta da mão direita implicará em dificuldades em segurar a flauta, rigidez na
movimentação dos dedos e dores musculares.

1) A mão direita precisa ter a posição da Letra ‘C’.

Esta posição em ‘C’ da mão direita é uma posição confortável porque os tendões
da mão não ficam esticados e nem retraídos demasiadamente.

2) A mão direita precisa estar alinhada perpendicularmente a Flauta.


Manter a mão perpendicular à flauta permite que
fique alinhada com o punho e antebraço e os
dedos tenham livre ação e flexibilidade. A mão
direta nesta posição permite um conforto para os
tendões, músculos da mão e punho.

Inclinar a mão direita para o lado, debruçando sobre a flauta é incorreto


porque o pulso é forçado, os dedos ficam rígidos e o antebraço é tencionado.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 8


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

3) As chaves da flauta devem ser apertadas em sua parte central, pela polpa dos dedos.

4) O Polegar da mão direta é o apoio mais firme para segurar a flauta, ele deve estar abaixo da chave do
‘Fá’.

5) O dedo mínimo da mão direita não pode estar esticado e tensionado. Observe a posição correta do
dedo mínimo na foto abaixo.

O dedo mínimo permanece na maioria das notas apertando a chave de apoio (Ré#/Mib), mas quando
não estiver apertando, ele deve ficar próximo à chave. Não levante o dedo mínimo para cima como uma
antena de rádio.

6) Quando os dedos não estiverem apertando as chaves, deixe-os próximo a ela em torno de um
centímetro.

Não deixe os dedos elevados para cima.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 9


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Mão Esquerda
A Mão esquerda precisa de uma atenção especial visto que geralmente entre os iniciantes duas
dificuldades sempre estão presentes: o apoio de sustentação e a posição do polegar.

1) A mão esquerda tem um formato diferente em relação à direita, posso ilustrar como um formato em
‘C‘ mais quadrado:

2) A base inferior do dedo indicador é o apoio de sustentação da flauta na mão esquerda.


O tubo da flauta deve ficar apoiado sobre a base do
osso falange proximal do dedo indicador da mão
esquerda. Neste lugar há um pequeno degrau onde a
flauta encontra apoio. Podemos dizer também que o
início da terceira parte macia do dedo indicador da mão
esquerda deve ser o apoio do tubo da flauta. É
importante observar que diferente da mão direita, na
mão esquerda o polegar não tem função de apoio e
sustentação da flauta.

3) O Polegar da mão esquerda fica um pouco inclinado para dentro.

É frequente entre iniciantes o erro de usar o polegar da mão esquerda


como um apoio para sustentação da flauta, apertando demais a chave do
Si. Portanto, tenha cuidado para não usar o polegar da mão esquerda como
um apoio, lembre-se, o polegar da mão esquerda não serve de apoio.

4) O dedo médio, anelar e mínimo deve estar curvado sobre a flauta e sua polpa apertando a parte
central das chaves.

Quando os dedos não estão apertando as chaves, eles devem ficar próximos, em
torno de um centímetro e tome cuidado especial com o dedo mínimo que tende
a ficar elevado para cima como uma antena de rádio.

Para finalizar minhas instruções aqui sobre a boa postura das mãos ao tocar
Flauta Transversal, nunca tencione os dedos e mãos, sempre os deixe relaxado e
com toques suaves sobre as chaves. Toque com Suavidade.

Questões:
1) Porque precisamos ter uma correta posição das mãos ao tocar a flauta?
2) Como é feita a posição correta da mão direita e da mão esquerda?
3) O polegar da mão esquerda é usado como apoio?

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 10


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Postura Correta do Corpo


A posição do corpo deve ser confortável, evitando posturas que cause dores musculares e de coluna.

Para que sua coluna permaneça reta, é necessário inclinar o corpo aproximadamente 15 graus à direita
em relação à partitura, virando-se somente o pescoço e com o instrumento um pouco para frente.

Postura de Pé:
Na posição de pé, a coluna deve permanecer reta, os pés devem estar um pouco afastados, e o peso do
corpo distribuído igualmente entre as duas pernas. Os braços devem estar afastados do tórax e a cabeça
elevada como se observasse a linha do horizonte. Embora o
bocal da flauta se apoie sobre o queixo, a cabeça deve estar
como se estivesse flutuando, sem tencionar os músculos do
pescoço para segurá-la. É comum tencionar os músculos do
pescoço e ombros, por isso, esteja sempre atento a estes
músculos.

Postura Sentada:
Na posição sentada, vale o que descrevemos sobre a postura
de pé e acrescentamos que, o abdômen e a parte lombar das costas devem estar eretos, evitando
posturas curvadas. Analise as figuras abaixo.

Ombros e Antebraços:
A flauta é um instrumento leve e em função disso não há necessidade de forçar os músculos dos ombros
e antebraços para segurá-la. Se você tencionar os músculos dos ombros e antebraços, isto afetará
diretamente seu som, sua digitação, além de causar dores musculares.

Cabeça e pescoço:
A cabeça deve estar como se estivesse flutuando, sem tencionar os músculos do pescoço para segurá-la.

Questões:
1) Como podemos obter uma posição correta do corpo e confortável, evitando posturas que
cause dores musculares?
2) Descreva a postura correta de pé e sentada ao tocar a flauta?

Sobre afinação da Flauta


A afinação é essencial para todo instrumento musical. Sem estar afinado não é possível tocar com mais
de um instrumento e soar agradável.

Para afinar seu instrumento você precisa ter uma referência, seja um piano/órgão ou um afinador
digital, a nota ‘Lá’ é a nota usada para afinar os instrumentos. Normalmente o Lá adotado é 442Hz, mas
existem instrumentos e orquestras que também usam o Lá 440Hz como referência de afinação. Você
precisa saber qual ‘Lá’ sua orquestra irá utilizar ou instrumento, e afinar igualmente.

Na flauta transversal temos dois pontos de afinação, uma afinação principal e outro móvel.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 11


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

A Afinação principal:
A afinação principal da flauta, também chamada de afinação fixa, é a posição da parede superior do
bocal à 17mm do centro do furo do porta-lábio, conforme a figura abaixo. Para isso, use a vareta ou
haste que vem com as flautas aonde existe uma marcação indicando os 17mm, no qual deve usar para
afinar sua flauta. Para ajustar a altura desta parede você deve rosquear a Coroa(Crown) ou empurra-la
para dentro. Caso o marcador da haste esteja abaixo do centro do furo, rosqueia a Coroa(Crown) da
flauta para que a parede superior suba e vá o marcador da haste para o centro. Caso o marcador da
haste esteja acima do centro do furo, então desrosquei a Coroa e empurre para dentro da flauta e
ajuste até que o marcador fique ao centro do furo do porta-lábio.
Coroa(Crown)

Afinação móvel:
Além da afinação principal e fixa apresentada acima, um outro ajuste necessário para afinação da flauta
está no encaixe do bocal da flauta em seu corpo. Chamamos de afinação móvel porque é variável na
quantidade do encaixe e conforme cada embocadura e flauta particularmente.

Mesmo que você tenha ajustado a afinação principal corretamente, um outro ajuste é necessário
conforme seu tipo de embocadura e flauta. E essa afinação e feita encaixando menos ou mais o bocal no
corpo da flauta. Veja figura abaixo.

Encaixamos mais para dentro para corrigir afinação baixa.

Encaixamos mais para fora para corrigir afinação alta.

Quando nossa afinação estiver baixa, encaixamos o bocal da flauta mais para dentro, e quando a
afinação estiver mais alta, encaixamos mais para fora. Veja figura acima.

A pratica da Afinação pode ser feito de ouvido ou “visual” com um afinador digital. Peça para um Piano
afinado ou outro instrumento afinado tocar a nota Lá e você simultaneamente toque sua nota Lá. Pela
percepção auditiva você poderá sentir a necessidade de afinar sua flauta. Outra forma de afinar é
utilizar um afinador eletrônico que ao tocar a nota Lá indicará em seu visor digital se sua nota está com
a afinação baixa ou alta, e assim você poderá fazer os devidos ajustes de afinação em sua flauta. Existem
inúmeros aplicativos para celulares com afinadores digitais, aprenda a usá-los, eles são eficientes e
fáceis de usar.
Uma observação importante é que a nota Lá que você irá tocar para afinar sua flauta não deve ser feita
tocando forte e nem piano, mas sim numa altura média, confortável, natural, sem forçar a sonoridade.

Questões:
1) O que devo fazer se afinação da minha flauta existe alta?
2) O que devo fazer se afinação da minha flauta existe baixa?

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 12


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Sobre a respiração e maior capacidade de sopro


Como todos os instrumentos de sopro, para ter um lindo som com sua flauta, sua qualidade respiratória
é muito importante. A qualidade respiratória se refere a dois pontos, a capacidade pulmonar (maior
quantidade de ar) e o controle na emissão de ar. Na capacidade pulmonar devemos exercitá-lo de
modo a conseguir usar maior quantidade de ar nos pulmões e no controle da emissão de ar, saber
direcionar e dosar a quantidade, volume e velocidade do ar. No início do estudo de Flauta Transversal, é
comum o iniciante sentir tonturas, isso acontece por estar acostumado a fazer respirações curtas de
pouco ar. À medida que avança em seus estudos, sua capacidade pulmonar vai aumentando de modo a
não sentir mais tonturas. Para que sua capacidade pulmonar aumente são necessários alguns exercícios
simples que segue abaixo. Antes da explicação destes exercícios, vamos relembrar o que é Inspiração e
Expiração.

Inspiração: A inspiração é o processo de sugar o ar para dentro do organismo, é introduzir o ar


atmosférico nos pulmões (sugar o ar).

Expiração: Expiração é liberar o ar contido nos pulmões para fora do corpo, é expelir o ar dos pulmões
(assoprar).

Para tocar flauta, saber inspirar e expirar são igualmente importantes.

Exercício simples de respiração

1- Exercício 1 – Inspiração profunda


Passos:
1. Fique de pé
É necessária ficar em pé com uma postura ereta e relaxada.
2. Inspirar profundamente e lentamente
Sugue lentamente para dentro dos pulmões a maior quantidade possível de ar, expandindo a
caixa torácica.
3. Repouse a mão em suas costelas
Repouse a mão em suas costelas para sentir e observar seus movimentos.
4. Expirar todo o ar dos pulmões
Assopre lentamente para fora todo o ar dos pulmões, relaxando-se todos os músculos
utilizados para a inspiração.

2- Exercício 1 – Inspiração rápida e forçada


Passos:
5. Fique de pé
É necessária ficar em pé com uma postura ereta e relaxada.
6. Inspirar rápida e forçada
Sugue rapidamente para dentro dos pulmões a maior quantidade possível de ar, com força,
expandindo a caixa torácica.
7. Repouse a mão em suas costelas
Repouse a mão em suas costelas para sentir e observar seus movimentos.
8. Expirar todo o ar dos pulmões
Assopre rapidamente para fora todo o ar dos pulmões, relaxando-se todos os músculos
utilizados para a inspiração.

Faça estes exercícios respiratório diariamente, de 5 a 10 vezes, seja antes de estudar ou mesmo
naqueles minutos de folga, no banho ou em outros momentos possíveis. Estes exercícios são
importantes quando estamos em nossos primeiros passos, são simples e contribuíram para desenvolver
maior qualidade e capacidade respiratória. Posteriormente, com avanços, realizará exercícios mais
complexos e avançando.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 13


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Embocadura
Embocadura é a correta posições dos lábios sobre o bocal da
flauta para se produzir som. Para o bom desenvolvimento da
embocadura, é importante compreender como o som da flauta é
produzido. O som da flauta é produzido quando o ar que
assopramos sobre o bocal da flauta se choca sobre o riser, e
vibrações acontecem no ar e no metal, causando ondas que
produzem o som da flauta (veja figura ao lado). A emissão do
som na flauta tem uma relação direta com a qualidade do nosso
ar, sua velocidade, volume, ângulo e outras relações. Com a
dedicação aos estudos, aos poucos vamos adquirimos o controle sobre a embocadura para produzir o
som na flauta e com qualidade.

Posição da embocadura:
Para formar a Embocadura da Flauta, repousamos nosso lábio
inferior sobre o porta-lábio da flauta cobrindo 1/4 do furo do
bocal e com o lábio superior mais a
frente, assopramos para dentro da
flauta, de modo que a maior parte
do ar se choque com a parede da
chaminé do furo do bocal (Riser) e
a menor parte do ar vá ao ar livre. Veja as figuras ao lado.

Os Lábios devem estar centralizados no furo do bocal e ter um formato natural, sem esticar os cantos
com excessiva tensão, ou comprimi-lo. Veja ilustração abaixo.

Errado Correto Errado

Embora cada pessoa tenha sua anatomia e por isso desenvolve formatos de embocadura diferentes,
segue fotos da embocadura de grandes Mestres da flauta para observação e aprendizado.

Foto da Embocadura de alguns grandes Mestres da Flauta

Jean-Pierre Rampal Marcel Moyse Claude-Paul Taffanel

James Galway Emmanuel Pahud Aurele Nicolet

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 14


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Julius Baker William Bennett Altamiro Carrilho

Para emitir notas graves e agudas, algumas modulações na embocadura são necessárias; nas notas
graves o sopro precisa de maior volume, menor velocidade, direcionando para baixo e com a
embocadura mais relaxada. Nas notas mais agudas o sopro precisa de menos volume, maior velocidade,
direcionando o sopro para frete. À medida que as notas vão ficando mais agudas, o lábio inferior vai
cobrindo mais o bocal e a embocadura vai ficando mais firme, no entanto, sem excesso de tensão nos
lábios sem exprimir os lábios e o som. É importante que a garganta esteja sempre aberta para o livre
fluxo de ar e a língua repousada sobre dente inferior. Veja figura em corte da correta embocadura.

Questões:
1) Explique como formamos a correta embocadura da flauta?
2) Como emitimos os sons graves e agudos?

Primeiro som
Para desenvolver a embocadura em seus primeiros passos, segue dois exercícios iniciais, o primeiro
utilizando uma garrafa e o segundo apenas o bocal da flauta.

1. Exercícios com uma garrafa


A forma de se produzir o som em uma garrafa de gargalo estreito é
muito semelhante a forma de se produzir o som na flauta, deste modo,
produzir o som em uma garrafa irá contribuir no aprendizado da
embocadura na flauta.

Passos do exercício:
1. Pegue uma garrada de vidro com gargalo estreito e posicione
sua borda sobre o lábio inferior, conforme foto ao lado. Observe que a
borda do gargalo estreito da garrafa deve estar posicionada bem abaixo
onde termina o lábio inferior.

2. Sopre através do gargalo estreito de modo que parte do ar se choque na borda interna do
gargalo, produzindo o som. Não estique os lábios além do necessário para formação da
embocadura.

3. Faça este exercício com a garrafa vazia e com a garrafa cheia de água até a metade e observe a
diferença no som. Tente variar o volume e a velocidade do ar e observe as mudanças que isso
causa no som.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 15


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

2. Exercícios apenas com o bocal


Agora com apenas com o bocal da flauta iremos produzir o seu
primeiro som na flauta. O primeiro som realizado na garrafa de gargalo
estreito é semelhante a emissão do som apenas com o bocal da flauta.

1. Pegue apenas o bocal da sua flauta


e posicione o maior lado do porta-lábio sob
o lábio inferior. O porta-lábio deve estar
centralizado aos lábios e cobrindo pelo lábio inferior 1/4 do furo do
bocal. Não cubra muito o bocal para que o som não soe espremido e estrangulado.

2. Com o lábio superior mais à frente, assopre para dentro da flauta com o
objetivo que o ar se choque na parede frontal do riser, conforme figura ao
lado. Não estique os lábios além do necessário para formação da
embocadura, conforme vimos acima.

4. Tire som apenas com o bocal e repita muitas vezes, até que se sinta seguro e natura em emitir
a sonoridade na flauta apenas com o bocal. Tente variar a velocidade do ar, o volumo e o
ângulo e observe as mudanças que isso causa no som.

3. Somente com o bocal, a nota emitida é Sol sustenido. Faça apenas com o bocal os exercícios a
seguir e respeite os tempos.

Três dicas para ser um grande flautista: A primeira pergunta, mesmo antes de começar as aulas de
flauta, sempre é: quando estarei tocando bem? Em quanto tempo? -Esta resposta sempre está
relacionada ao modo como você vai levar seus estudos com a flauta e seu amor pelo instrumento. Deixo
aqui algumas dicas não técnicas, mas de atitudes que você deve tomar para que tenha um bom
desenvolvimento no estudo da flauta transversal.
1) Continuidade: A flauta é um instrumento que exigem estudo continuo. Não adianta estudar
cinco horas em apenas um dia na semana, o importante é estudar todos os dias. Você terá maior
desenvolvimento estudando 40 minutos todos os dias da semana do que 5 horas em único dia da
semana.
2) Estudar o proposto: É essencial seguir os estudos propostos pelo professor. É comum alunos
deixar de lado os estudos necessários exigidos pelo professor para tocar músicas a gosto próprio.
Agir assim retarda o desenvolvimento. É bom e saudáveis tocas as músicas que gostamos, mas
desde que não deixe de lado os estudos pedidos pelo professor.

3) Ouvir flauta: É importantíssimo ouvir grandes mestres da flauta diariamente. Você encontra em
nosso site Estudantes de Flauta uma grande quantidade de gravações dos grandes Mestres da
flauta como Jean-Pierre Rampal e muitos outros indicados na página 69. Ouça essas gravações
diariamente e o faça com apreciação e como aprendizado; preste minuciosa atenção no som deles,
na forma de interpretar a música, na forma de respirar, suas posturas e etc. Alimentar a paixão
pela flauta apreciando os grandes Mestres é essencial.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 16


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Parte II - Lições de forma progressiva


Na segunda parte estão as lições de forma progressiva, nota por nota, levando ao aprendizado da
digitação da flauta, sonoridade e leitura. É muito importante que tenha estudado atentamente toda a
introdução teórica da Parte I para fazer a Parte II.
Desde o início observe a si mesmo e procure uma perfeita postura das
mãos e do corpo, conforme expomos na Parte I. Você pode usar um
1. Nota Si
espelho para se observar e se corrigir. Leve seu professor muito a sério
quando ele corrigir sua postura. Uma perfeita técnica só pode ser
construída sobre uma correta postura.

Para uma boa sonoridade, o controle do nosso sopro é essencial.


2. Nota Lá Assopre de forma continua, volumosa e controlada. Pense em um
sopro que balança as chamas de uma vela, mas sem apaga-la, ao
invés de um sopro brusco e cuspido que apaga as chamas da vela.

3. Si e Lá = 4 tempos = 2 tempos = 1 tempo

A leitura ritma é importante, portanto, conte os tempos corretamente. A leitura das


notas deve ser feita dinamicamente, ou seja, não tente ler os nomes das notas
mentalmente, associe a nota no pentagrama direto a sua digitação no instrumento.
4.

É essência decorar os nomes das notas no pentagrama.

5.

6. = Pausa de 1 tempo. Pausa é nota que não tem som, mas tem duração.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 17


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Quanto mais grave a nota, maior volume de ar é necessário


7. Nota Sol
para soar a nota. É importar desenvolver uma maior
capacidade respiratório, portanto, faça os exercícios
propostos na página 13: Exercício simples de respiração.
.

Fique atento para a correta posturas das mãos e do corpo!


8. Si, Lá, Sol

Ouvir é aprender, ouça os Concertos indicados abaixo. Encontre grátis no Site Estudantes de flauta.
9. (1) Mozart, Flute Concerto No. 1 in G major, K313. (2) Mozart, Flute Concerto No.2 in D major, K314.

Intervalo é a distância entre as notas. A medida que vamos aprendendo novas notas,
intervalos maiores vão surgindo. A formação da embocadura correta, sem tensões excessivas
nos lábios e músculos da face, é importar para desenvolver flexibilidades para tocar intervalos
10. com facilidade e boa sonoridade.

11.

12. Fique atento a correta leitura rítmica.

13. = Pausa de 2 tempo. Pausa é nota que não tem som, mas tem duração.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 18


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Na nota dó da segunda oitava, não digitamos o polegar da


14. Dó mão esquerda. Não cometa o erro de pensar que o polegar
da mão esquerda é um apoio para sustentação da flauta,
apertando com força a chave. Quando não estiver digitando
com o polegar da mão esquerda, deixe-o próximo a chave.

No exercício 15 temos uma escala e é importante que ao descer a escala, não deixe a
15. sonoridade cair, ficar baixinha (piano). Faça toda escala com a mesma sonoridade e intensidade.

16.

Não se preocupe com velocidade, faça os exercícios de forma lenta. É na execução lenta que
17. aprendemos mais rápido. Preste atenção na perfeita digitação e sonoridade das notas.

18.

19.

20. Duo - O Aluno deve fazer a primeira flauta e o professor a segunda flauta.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 19


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal
Quanto mais grave as notas, mais ar se exige porque maior distância o ar
precisa percorrer dentro da flauta. Para uma boa sonoridade nos graves, o
21. Fá
sopro precisa de maior volume, portanto abra mais o espaçamento
entre os lábios e direcione o ar mais para baixo e com a
embocadura mais relaxada.

22.

23.

24. Duo - O Aluno deve fazer a primeira flauta e o professor a segunda flauta.

A partir da lição 25, vamos aprender paulatinamente a digitações de bemóis


e sustenidos. Em uma escala natural, a distância entre notas é de 1 tom
(exceto entre o fá-mi e si-dó), o bemol altera a altura da nota para ½ tom
mais grade e o sustenido para meio tom mais agudo. Bemóis e sustenidos
25. Si bemol são usados para execução de escalas maiores e menores. O bemol e o
sustenido alteram a nota por todo o compasso.
Sustenido = Bemol =

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 20


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Quando o bemol está entre a clave e a formula de compasso,


todas as notas nos quais o bemol repousa, será bemol por toda a
26. Escala de Fá maior partitura. Idem para o sustenido.

27. Música Tradicional de Natal (Faça de forma muito melódica e sentimental).

Ouvir é aprender, ouça os Concertos indicados abaixo. Encontre grátis


28. Fa# no Site Estudantes de flauta.
(1) Pergolesi, Concerto para Flauta em G maior.
(2) Mozart, Flute and Harp Concerto in C major, K.299.

Ao estudar escalas e arpejos da lição 29, busque uma sincronia perfeita


entre as notas, além de excelentes afinação e sonoridade e todas as notas.
29. Escala de Sol Maior

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 21


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

A música da lição 30 tem uma simples e bela melodia. Não faça de forma mecânica,
se envolva a música e procure se expressar de forma sentimental.
30. Musica

31. Articulação: Golpe de linha simples


O “Golpe de Língua” é um modo de atacar o som na Flauta usando a língua como uma válvula que
interrompe a passagem de ar e logo em seguida libera este ar interrompido. No “Golpe de Língua” nossa
língua que antes em repouso, se move suavemente e sua ponta encosta contra a face interna do dente
superior e logo em seguida voltam a sua posição de repouso. Este movimento da língua é semelhante à
movimentação da língua quando pronunciamos a silaba “T”, por isso, usamos a silaba “T” para fazer o
Golpe de Língua. Veja abaixo as três fases do golpe de língua:

1º Fase: Na primeira fase, a Língua está em repouso e o ar fluindo em direção a Flauta.


2º Fase: Na segunda fase, a Língua se move suavemente e sua ponta encosta contra a face interna do
dente superior como se pronunciasse a sílaba “T”.
3º Fase: Na terceira fase a Língua retorna a sua posição de repouso e o ar acumulado, somado com ar
que continua vindo da garganta, flui em direção a Flauta, produzindo um ataque no som.

É importante lembrar que a função da língua no Golpe de Língua é interromper e liberar a passagem de
ar, por isso o movimento da língua não é de força, mas de suavidade, leveza e flexibilidade. A língua
precisa sempre fazer pequenos, rápidos e suaves movimentos. Além da sílaba "T", podemos usar a
sílaba "D" para fazer um ataque mais suave.

32.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 22


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Ouça o Concerto indicado abaixo para apreciar uma excelente articulação. Ouça grátis no Site
Estudantes de flauta. (1) Paganini, Moto Perpetuo (for flute) na performance do Flautista James Galway.
33. Colcheia – A partir de agora, sempre deve usar articulação do Golpe de língua (T).

34.

Embora possa seguir em frete nas lições, no período de um a dois meses, faça diariamente as lições 31 a
34 por 15min. Isso é importante para que se desenvolva uma clara e precisa articulação de golpe simples.

35. Ligadura
Na ligadura, atacasse com golpe de língua (T) apenas a primeira nota da sequência legada e as demais
notas dentro da ligadura são executadas sem ataque. O sopro deve ser continuo da primeira à última
nota. Para boa sonoridade nas ligaduras, a garganta deve estar bem aberta como um cantor tenor
cantando “Ô”, para o livre fluxo do ar e ressonância do som.

36. Estudo de Ligadura (Cuidado para não fechar a garganta, deixe-a aberta e relaxada para o livre fluxo do ar)

Fique atento para a correta posturas das mãos e do corpo!


37. Ligadura em colcheia

Para uma boa sonoridade nos graves, o sopro precisa de maior


38. Mi
volume, portanto abra mais o espaçamento entre os lábios e
direcione o ar mais para baixo e com a embocadura mais
relaxada.

39. Escala

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 23


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

40. Faça com sonoridade homogenia, não deixe a sonoridade cair, ficar baixinha (piano) nas notas mais graves.

41. Duo Flute (melodia James D. Vaughan) - O Aluno de fazer a primeira flauta e o professor a segunda.

41. Ré
Na nota Ré da primeira oitava, o dedo mínimo da
mão esquerda não aperta a chave, no entanto,
evite levantá-lo para cima como uma antena de
rádio. Ele deve ficar próximo a chave (Ré#).

42. Exercício para Ré

43. Duo - Melodia de R. Schumann - O Aluno deve fazer a primeira flauta e o professor a segunda flauta.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 24


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal
Está nota exigem um volume maior de ar que deve preencher todo
tubo da flauta, até chegar ao pé da flauta. Não sopre com força e
velocidade, mas com volume e um ângulo de sopro mais para baixo. É
44. Dó da primeira oitava
importar desenvolver uma maior capacidade respiratório, portanto,
não deixe de praticar os exercícios propostos na página 13: Exercício
simples de respiração.

45. Exercício Dó

46. Duo Flute - O Aluno deve fazer a primeira flauta e o professor a segunda flauta.

Está nota não exige um sopro veloz e forte. Para que soe bem, não
sopre com força nesta nota. A dificuldade desta nota está em sua
47. Ré da segunda oitava
difícil digitação quando intercalada com outras notas. Estude
primeiramente lento e com perfeita digitação, e somente depois que
se sentir seguro, sem que as notas se atropelem, siga para as
próximas lições.

48. Exercícios do Ré

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 25


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

49. Minueto de Bach – Preste atenção com digitação e sonoridade do Ré da segunda oitava, para que
seja perfeito em digitação e sonoridade.

50. Duo - Beethoven, Hino à Alegria.

51. Escala em Fá maior: No estudo de escala busque uma sincronia perfeita entre as notas, além de
excelentes afinação e sonoridade. Comece o estudo de escala lentamente e aumente a velocidade à
medida que se sentir seguro.

O ‘etc.’ inscrito no quarto compasso, indica que devemos usar a mesma ligadura
dos compassos iniciais, por toda a escala. Esta pratica permite uma partitura limpa.
52. Escala em Sol maior

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 26


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

53. Amazing Grace

Embora cada pessoa tenha sua anatomia e por isso desenvolve formatos de embocadura diferentes,
segue fotos da embocadura de grandes Mestres da flauta para observação e aprendizado.

Jean-Pierre Rampal Marcel Moyse Claude-Paul Taffanel

James Galway Emmanuel Pahud Aurele Nicolet

Julius Baker William Bennett Altamiro Carrilho

54. Controle de oitavas


Antes de continuar o estudo da segunda oitava, é importante desenvolver a sonoridade apenas com o
bocal. Tocando apenas com o bocal, sem tapar sua extremidade, a nota que soará será o Sol sustenido.
Toque apenas com o bocal a nota Sol sustenido em duas oitavas, conforme as lições 1 a 3 abaixo. Nestes
exercícios é necessário produzir as notas das duas oitavas sem assoprar mais forte, apenas controlando
a embocadura. Este exercício será difícil, mas é fundamental que o desenvolva bem antes de seguir em
frente.

Veja ao lado, figura que ilustrar o fechamento entre os


lábios de uma oitava mais grave em relação a uma oitava
mais aguda.

1) Faça lentamente usando apenas o bocal, sem tapar suas extremidade.

2) Faça lentamente usando apenas o bocal, sem tapar suas extremidade, respeitando a ligadura.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 27


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

3) Faça lentamente usando apenas o bocal, sem tapar suas extremidade, respeitando a ligadura.

É importante executar intervalos apenas com o controle da embocadura, sem assoprar mais ar.
No entanto, para homogeneizar o som, é necessário em algumas notas assoprar mais ar e em
outras menos. Mas isso só poderá ser feito corretamente se antes for adquirido o domínio de
fazer intervalos sem assoprar mais forte, apenas com o controle da embocadura.

Embora possa seguir em frete nas lições, no período de um mês, faça diariamente a lição 54 por 15min.
Isso é importante para que se desenvolva uma flexibilidade na embocadura e tocar diferentes oitavas.

Jean-Pierre Louis Rampal era francês e foi um dos maiores


flautistas de todos os tempos, um dos artistas clássicos de maior
sucesso e popularidade e certamente com a maior discografia
(mais de 300 gravações!). Sua sonoridade cristalina, técnica
extraordinária e grande sensibilidade musical o fizeram um dos
maiores solistas de flauta de todos os tempos. Sua carreira
internacional o levou aos quatro cantos do mundo e a qualquer
cidade onde existisse uma orquestra que pudesse acompanhá-
lo, chegando a realizar mais de 200 apresentações por ano
(quase uma a cada dois dias), muitas vezes viajando longas
horas de avião e tendo apenas alguns minutos para os ensaios.
Foi Rampal quem fez da flauta um instrumento solo junto ao
Piano e ao Violino. Rampal tocava com duas grandes flautas,
uma flauta Louis Lot de ouro 18k e a partir de 1958 uma flauta
Haynes de ouro 14k. Leia Biografia mais completa de Jean-
Pierre Rampal no site Estudantes de flauta.

É importantíssimo ouvir e apreciar o grande mestre Jean-Pierre Rampal. Ouça e assista suas gravações
com apreciação e aprendizado; preste minuciosa atenção no som dele, na forma de interpretar a
música, na forma de respirar, sua postura e etc. No site Estudantes de flauta encontre grátis gravações.

55. Mi da Segunda oitava - A digitação do Mi da segunda oitava é igual ao da primeira oitava.

56. Exercício do Mi

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 28


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

57. Tema de Mozart

58. Fá da segunda oitava - A digitação do Fá da segunda oitava é igual ao da primeira oitava.

Fique atento para a correta posturas das mãos e do corpo!


59. Exercício do Fá

Ouça o Concerto indicado abaixo para apreciar uma excelente articulação. Ouça grátis no Site
Estudantes de flauta. (1) Vivaldi, Flute Concerto No. 1 in F major, RV 433, Op.10 - "La tempesta di
mare". Na performance de Jean Pierre Rampal
(2) Vivaldi, Concerto for 2 Flutes and Orchestra in C Major, RV533. Na performance de Jean Pierre
Rampal e Shigenori Kudo
60. Procure uma articulação clara e bem destacada

61. Sol da segunda oitava - A digitação do Sol da segunda oitava é igual ao da primeira oitava.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 29


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Não se preocupe com a velocidade, faça os exercícios de forma lenta. É na


execução lenta que aprendemos mais rápido. Procure uma perfeita digitação e
uma sonoridade bela e homogenias entre as notas.
62. Exercício com Sol

63. Chopin, Fantaisie Impromptu – Essa música exige um bom controle de ar por ter notas longas e ser
lenta, portanto, fique atento a sua respiração. Não faça de forma mecânica, se envolva a música e
procure se expressar de forma sentimental. Fique atento a correta leitura rítmica.

Não seja displicente com sua postura, observe a si mesmo e


procure uma perfeita postura das mãos e do corpo,
conforme temos ensinado. Uma perfeita técnica só pode ser
construída sobre uma correta postura. A posição das mãos e
do corpo devem ser confortáveis. Ao lado observe a foto do
Mestre Rampal como exemplo de excelente postura.

64. Dó Sustenido/ Ré bemol (Faça Lentamente o exercício)


Primeira Oitava Segunda Oitava

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 30


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

65. Mi bemol/Ré Sustenido (Faça Lentamente o exercício)


Primeira Oitava Segunda Oitava

66. Sol Sustenido/Lá bemol (Faça Lentamente o exercício)

*O sol sustenido/Lá bemol tem a mesma digitação para a primeira e segunda oitava.

Ouvir é aprender, ouça os Concertos indicados abaixo. Encontre


67. Lá da segunda oitava grátis no Site Estudantes de flauta.
(1) Mercadante, Flute Concerto in E Minor.
(2) Franz Benda, Flute Concerto in E minor.

68.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 31


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Fique atento a correta leitura rítmica.


69. House of the Rising Sun (Música folclórica Americana)

70. Si da terceira oitava. A digitação do Si da segunda oitava é igual ao da primeira oitava.


A medida que avançamos, novas notas são acrescentadas e maior controle da embocadura é exigido.
Lembre-se que em relação as notas graves, as notas mais agudas devem ter um sopro com ângulo mais
para frente, um sopro mais veloz adquirido pelo leve fechamento entre os lábios, conforme vimos na
lição 54.

71. Exercícios do si. Faça lentamente, procurando uma rica e homogenia sonoridade em todas as notas.

72. Jean-Baptiste Lully, Au Clair De La Lume

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 32


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

73. Novo ritmo: Semínima pontuada

Exercício melódico

74. Lowell Mason: Nearer, My God To Thee (Música do Filme Titanic)

75. Largo da Sinfonia Novo Mundo de Dvorak. Fique atento a correta leitura rítmica.

76. Novo ritmo: colcheia pontuada

Chopin, Prelúdio, Op. 28, Nº 7. - Não faça essa bela peça de forma mecânica, se envolva a música e
procure se expressar de forma sentimental. Fique atento a correta leitura rítmica.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 33


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

É importante não confundir o ritmo de com . É muito comum o erro de


77. O Tannenbaum executar como ou vise versa. Portanto fique atendo na correta leitura rítmica!

78. Dó da terceira oitava Na nota dó da segunda e terceira oitava, não digitamos o polegar da mão
*Dó da terceira tem a mesma
esquerda. Não cometa o erro de pensar que o polegar da mão esquerda é
digitação da segunda.
um apoio para sustentação da flauta, apertando com força a chave.

79. Exercícios do Dó

80. Cluck, Dance of the Blessed Spirits (primeira parte) – Essa música exige um bom controle de ar por
ter notas longas e ser lenta, portanto, fique atento a sua respiração. Não faça de forma mecânica, se
envolva a música e procure se expressar de forma sentimental. Fique atento a correta leitura rítmica.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 34


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

81. Exercícios de diferentes tipos de ligaduras. Apenas com o uso de diferentes tipos de ligadura, o
resultado musical é bem variado. Algumas ligaduras são mais fáceis e outras mais difíceis. Segue alguns
tipos de ligaduras das mais utilizadas e as execute como se fossem peças melódicas.

As Lições 82 a 88 são exercícios de técnica. Faça cada lição com muita atenção, busque uma sincronia
perfeita entre as notas e uma excelente afinação e sonoridade. No começo de cada ligadura, a
articulação na primeira nota deve ser muito definida, precisa e clara. Mesmo após passar estas lições,
você deverá refaze-las para aperfeiçoamento no período de um a dois meses.
82. Exercícios: As ligaduras aparecem apenas nos primeiros compassos e o etc indica que todos os
demais compassos devem continuar ligados igualmente.

*refaça este exercício com tipos de ligadura C, D e E apresentado na Lição 81.


83. Exercícios

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 35


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal
A essa altura dos estudos, esperamos que tenha desenvolvido uma correta postura do
corpo e mãos. Procure sempre a perfeita, natural e confortável postura para tocar.
84. Exercícios

*refaça este exercício com seguinte tipo de ligadura:


85. Exercício: Faça este exercício com os seguintes tipos de ligadura.

86. Exercício: Faça este exercício com os seguintes tipos de ligadura.

87. Exercício

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 36


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

*refaça este exercício com tipos de ligadura C, D e E apresentado na Lição 81.


88.

Embora possa seguir em frete nas lições, no período de um a dois meses, faça diariamente as lições 82
e 88. Isso é importante para que seu desenvolvimento técnico motor.

A partir da lição 89 da Parte II, você poderá fazer simultaneamente o Estudo de Dinâmica na página 50.

89. Novo Ritmo: Sincopa

Musica: Harold Lowden, Moderato (Sincopa tipo A)

90. Exercício de Sincopa (Sincopa tipo B)

91. Edward Elgar, Pomp and Circumstance

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 37


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal
As notas da terceira oitava possuem digitações diferentes, complexa e uma
embocadura mais fechada e firme. As notas da terceira oitava são as mais agudas
92. Ré da terceira oitava
da flauta e o sopro precisa de maior velocidade e direcionado mais para frente.
Ao passo que as notas vão se tornando mais agudas, a embocadura vai ficando
mais firme, no entanto, sem excesso de tensão nos lábios de modo a espremer os
lábios e o som. Refazer a lição 54 contribuirá no aprendizado da terceira oitava.

93. Escala com Ré da terceira oitava. Faça bem lentamente para desenvolver a sonoridade e digitação.

94. When the Saints Go Marching In

95. Mozart, Menuet od Mr. Duport

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 38


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

A partir da lição 96 da Parte II, você poderá fazer simultaneamente a Parte


96. Beethoven, Minuet III – Duos e Trio e a Parte IV - Exercícios diários de sonoridade e escala.

97. J. S. Bach, Gavotte

98. Novo Ritmo: Semicolcheias

99. Trecho do Concerto para Flauta em Sol maior de Pergolesi.

100. Trecho da Sonata para flauta em Fá maior de Telemann.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 39


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal
O Mi da terceira oitava é uma nota difícil de emitir por ter maior resistência para
soar, para superar essa dificuldade, sopre com maior intensidade, mas sem
101. Mi da terceira oitava gritar a nota. Algumas flautas possuem um dispositivo chamado Mi mecânico ou
G Disc/NEL/ G Insert que facilitam a emissão desta nota. Confira este dispositivo
no Glossário do mecanismo e partes da Flauta no site Estudantes de Flauta.

102. Escala com Mi da terceira oitava. Faça bem lentamente para desenvolver a sonoridade e digitação.

103. Exercício melódico

104.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 40


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Na terceira oitava as notas tendem a uma afinação mais alta, preste atenção
105. Fá da terceira oitava na afinação e a corrija sobrando mais pare dentro quando afinação ficar alta.
Como escreveu Taffanel: “Ao executar qualquer exercício, por mais difícil que
seja, recorde sempre que antes de se preocupar com os dedos, se preocupe
com a pureza do som e uma rigorosa afinação”.

106. Escala com Fá da terceira oitava. Faça bem lentamente para desenvolver a sonoridade e digitação.

107. Carnaval de Veneza

108. Compasso Composto: Offenbach, Barcarolle

* Confira na página 75 como funciona os ritornelos em forma de casas 1 e 2.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 41


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Fique atento a correta leitura rítmica.


109. Martini, Plaisir D’Amour

110. Reinecke, Flute Concerto. Trecho simplificado

* Mi Sustenido é igual Fá natural


111. Vivaldi, Cantabile

112. Mozart, Aria from ‘The Magic Flute’. O Staccato é indicado por um ponto acima ou abaixo da nota ( ) e
sua execução encurta a duração da nota acrescida de silencio até somar o valor total. Staccato nos soa como saltos
ou pulsos curtos. No staccato articule com muita clareza, precisão e bela sonoridade logo no início da cada nota.

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 42


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

A terceira oitava é naturalmente mais alta e vibrante, mas o grande


113. Sol da terceira oitava desafio é tocá-la sem gritar as notas. Controle sua emissão de ar sobre
a nota e tome cuidado com o excesso de tensão nos lábios de modo a
espremer a embocadura e o som. Procure uma sonoridade agradável.

114. Escala com Sol da terceira oitava. Faça bem lentamente para desenvolver a sonoridade e digitação.

115. Ovid Young, Minha fé vive

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 43


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

116. Alguns acidentes da terceira oitava

Ré #/ Mi b da 3ª oitava Fá # / Sol b da 3ª oitava Sol #/ Lá b da 3ª oitava

Faça lentamente

Musica: Trecho de Hummel, Trio for Flute, Cello and Piano, Op. 78.

117. Sibelius, Finlândia Op. 26

118. Lá da terceira oitava

Método de Iniciação em Flauta Transversal - Nova Edição 44


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

119. Escala com Lá da terceira oitava. Faça bem lentamente para desenvolver a sonoridade e digitação.

120. Beethoven, Ode To Joy – Procure um som intenso, alegre e brilhante.

121. Trecho simplificado do solo de Ravel, Daphnis et Chloé suite no.2.

* Mi # é igual a Fá natural.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 45


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

122. Exercício Melódico

123. Si natural da terceira oitava


* A digitação ideal do Si da terceira oitava é com a chave do Re#/Mi b apertada, mas para
facilitar sua emissão, pode-se não apertá-la. Mas para tocar essa nota sem apertar a chave
do Re#/Mi b, é necessário corrigir com a embocadura a afinação desta nota.

124. Exercício Melódico

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 46


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

125. Passagem difícil com # variado. Trecho melódico simplificado do Concerto para Flauta de Nielsen.

* Para novos sustenidos (#), pesquise a digitação na tabela de digitação no fim do método.

125. Si b da terceira oitava

126. Exercício Melódico para Si b.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 47


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

As Lições 127 a 130 são exercícios de técnica para notas da terceira oitava. Faça cada lição com muita
atenção e busque uma sincronia perfeita entre as notas, uma excelente afinação e sonoridade.

127.

128.

129.

130.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 48


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Estudo de Vibrato
O vibrato é importante para dar mais sentimento a nossa sonoridade. O vibrato deve ser feito com
controle; você precisa saber executá-lo com ondas mais longas e curtas, mais rápido e lento. Todos os
flautistas têm seu próprio vibrato, com suas próprias caraterísticas; é possível reconhecer um flautista
em função de seu vibrato. Você deve construir o seu próprio vibrato a seu gosto pessoal. Uma
observação importante é que o vibrato não deve ser a razão do som, devemos saber tocar qualquer
frase musical com ou sem o vibrato.

Como Fazer o Vibrato: O Vibrato é a variação da coluna de ar através da garganta. No vibrato o ar se


alterna entre uma maior e menor quantidade, como se fossem pulsos de ar, mas com a coluna de ar
sempre continua, sem interrupção de seu fluxo.

Para poder aprender o vibrato, podemos usar algumas semelhanças e ele é semelhante ao tossir
suavemente com a garganta aberta, sobrando a vogal “Ô”. Outra semelhança é o rou rou rou do Papai
Noel. No vibrato é muito importante manter a garganta sempre aberta para livre fluxo de ar. Para o
aprendizado do vibrato, faça o exercício com papel antes de fazê-lo em sua flauta. Segue três exercícios:

1) Exercício com papel


Utilizando um pequeno papel de tamanho aproximado de 8x8cm, segure pela sua parte inferior e
assopre na parte superior do papel como se estivesse executando o vibrato na flauta. Observe a
oscilação do papel que se curvará para frente com o fluxo de ar e voltará a sua posição original quando
diminuído o fluxo de ar. Faça este exercício de modo que a oscilação do papel seja uniforme e regular.
Comece com ritmo lento e aumente sua velocidade aos poucos.

2) Exercício com a flauta


Abaixo das notas, representamos as seis oscilações de ondas do vibrato que você deve executar. Faça o
exercício na primeira oitava, conforme escrito, e refaça oitavando na segunda oitava.

Um bom exercício no aprendizado do vibrato é ouvir atentamente os grandes mestres da flauta


prestando muita atenção em seus vibratos. No site Estudantes de Flauta procure gravações dos
Mestres: Jean-Pierre Rampal, Shigenori Kudo, Claudi Arimay, James Galway, Maxence Larrieu, Peter-
Lukas Graf, András Adorján, Julius Baker, Emmanuel Pahud, Aurelio Nicolet, Alan Marion, Patrick Gallois,
e muitos outros.

3) Refaça as seguintes lições, mas COM O USO DO VIBRATO.


53. Amazing Grace 80. Cluck, Dance of the Blessed Spirits
63. Chopin, Fantaisie Impromptu 91. Edward Elgar, Pomp and Circumstance
74. Lowell Mason: Nearer, My God To Thee 95. Mozart, Menuet od Mr. Duport
75. Largo da Sinfonia Novo Mundo de Dvorak 107. Carnaval de Veneza
76. Chopin, Prelúdio, Op. 28, Nº 7. - 111. Vivaldi, Cantabile
77. O Tannenbaum (German Chirstmas) 117. Sibelius, Finlândia Op. 26

Faça também as músicas da Parte III - Duos e Trio com uso do vibrato.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 49


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Estudo de Dinâmica
Para boa interpretação e musicalidade, a variação do volume do som é essencial, você precisa adquirir o
domínio de tocar mais forte e mais baixo(piano) com sua flauta. Confira os sinais de Representação da
Intensidade na página 75. Este exercício lhe ajudará a adquirir a capacidade de variar o volume de sua
sonoridade nas diversas formas de dinâmica. Neste estudo de dinâmica, é importante procurar uma
bela sonoridade, limpa, clara e muito bem projetada no forte e piano. Faça o exercício de forma lenta e
atente a afinação, quando mais forte o som, mais tende a uma afinação alta e quando mais piano o som
tende a uma afinação baixa e, você deve corrigir isto com sua embocadura. Quando crescendo ao forte,
você deve aumentar espaçamento entre lábios por onde assopramos e cobrir um pouco mais o bocal,
assoprando mais para dentro da flauta, - mas com muito muito cuidado guiado por sua percepção da
afinação; quando decrescendo ao piano, o volume da coluna de ar deve ser menor, diminuindo o
espaçamento entre lábios, mantendo a mesma pressão e velocidade, assoprando mais para fora, - mas
tudo com muito muito cuidado guiado por sua percepção da afinação.

Faça lento e com seguintes articulações:

Exercício A

Exercício B

Exercício C

Exercício D

Refaça as músicas que mais gostou na Parte II, variando em dinâmica, da forma que achar mais
bonito.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 50


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Parte III – Duos e Trio


Na terceira parte estão alguns duos e trios para tocar com seu professor e/ou amigo. Afine as flautas
entre si e não faça dos duetos um duelo, uma disputa ou um estudo individual. Ouça atentamente seu
parceiro flautista e homogenize sua sonoridade com ele.

Dueto I: Danny Boy for two Flute

FL1

FL2

Dueto II: Devienne, Duo 1, Op. 82 - Allegro

FL1

FL2

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 51


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Dueto III: Devienne, Duo 2, Op. 82 - Moderato

FL1

FL2

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 52


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Dueto IV: Devienne, Duo 4, Op. 82 - Andante

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 53


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Trio I: Bach, Menuet in G major

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 54


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Parte IV – Exercícios diários Sonoridade e Escala


Nesta quarta parte do método, segue os breves exercícios diários para aprender e desenvolver sua
sonoridade e técnica através da pratica de escala, ambos devem ser praticados simultaneamente.

Breve Estudo diário de Sonoridade


Estudo da primeira oitava.....................................................................................................................56
Estudo da primeira oitava.....................................................................................................................57
Estudo da primeira oitava.....................................................................................................................58

Estudo diário de escala


1 - Estudo de Escala: Estudo de Escala Maior......................................................................................60
2 - Estudo de intervalos.......................................................................................................................62
3 - Estudo de Escalas Cromáticas.........................................................................................................66
4 - Estudo de Escalas e Intervalos .......................................................................................................67

Para os flautistas que já tocam, mas não tiveram uma formação mais técnica e apurada, instruímos que
além desta quarta parte, façam as primeiras partes deste método para eventuais correções de uma
incompleta ou errada formação, correção da incorreta posição, embocadura e digitação, além de
adquirir uma melhor leitura no desenvolver de cada lição.

Os estudos diários são divididos em duas partes, estudos de sonoridade e estudos de escalas. Ambos os
estudos devem ser feitos paralelamente, ambos os estudos devem ser feitos diariamente.

Quanto de tempo devo me dedicar diariamente ao estudo de sonoridade e ao estudo de escala?


Os estudos de sonoridade e os estudos de escala devem serem feitos juntos e diariamente, e o tempo
dedicado a cada um deles está sugerido no quadro abaixo segundo o tempo que você poderá reservar
diariamente.
20 minutos 40 minutos 60 minutos 90 minutos 120 minutos
diários diários diários diários diários
Estudo de 10 minutos 15 minutos 20 minutos 30 minutos 30 minutos
Sonoridade
Estudo de 10 minutos 25 minutos 40 minutos 60 minutos 90minutos
Escala

Exercícios diários de Sonoridade


O estudo de sonoridade tem como objetivo melhorar o nosso som, deixando-o mais bonito. Ele se
baseia em notas longas, e deve ser executado de forma lenta e com muita atenção. Cada flautista tem
sua própria sonoridade. Ouça todos com frequência e em cima do que tem ouvido e apreciado construa
sua própria sonoridade, com sua personalidade. No site Estudantes de Flauta-Transversal encontre na
seção de Áudios/Vídeos centenas de gravações com os grandes mestres da flauta.

Para desenvolver uma bela sonoridade, evite dois tipos de embocadura; a Embocadura do sorriso e a
embocadura do beijo selinho.

Embocadura do sorriso: Um dos problemas comuns de embocadura é a “embocadura do sorriso”. Ela


consiste em esticar e tencionar de forma excessiva os cantos dos lábios. Veja a
figura da ‘embocadura do sorriso’ onde as setas vermelhas indicam as tensões
excessivas nos cantos dos lábios

Embocadura beijo selinho: Outro problema de embocadura menos comum é a “embocadura beijo
selinho”. Ela consiste em comprimir de forma excessiva o lábio superior. Veja
figura da embocadura do beijo selinho onde as setas vermelhas indicam a
excessiva tensão dos lábios superior.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 55


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

A boa Embocadura: A correta e boa embocadura deve ter uma forma natural, sem tencionar os cantos
dos lábios excessivamente como se faz na embocadura do sorriso e nem
comprimir o lábio superior como a embocadura beijo selinho. Na embocadura
correta, os cantos dos lábios são levemente esticados, de forma natural, o
necessário para a abertura entre os lábios para o assopro.

É importante manter a garganta sempre aberta, para o livre fluxo do ar, como um Tenor cantando “Ô”.

Propriedades como cor, brilho, projeção, volume, afinação e pureza do som são tratadas no estudo de
sonoridade; procure melhorar o som em cada uma destas propriedades. O primeiro passo no estudo
de Sonoridade é homogeneizar a intensidade de todas as notas, concentre-se em seu som e não deixe
que as notas mais graves fiquem piano (baixa) e as agudas estridentes. Depois de obter progresso na
homogeneização da intensidade das notas, concentre-se na cor de seu som, tente executar com cores
quentes ou frias; cores a seu gosto. Outro aspecto importante da sonoridade é a projeção, você precisa
projetar o som para longe, não deve se fechar em si mesmo, mas projetar seu som para a plateia. Os
demais aspectos do som como brilho, volume e pureza também se deve procurar nestes estudos de
sonoridade. É difícil perceber estas propriedades do som no início, visto que é algo abstrato, mas todas
essas propriedades estão presentes. No estudo de Sonoridade, mais do que apenas praticar as lições, o
ouvir e discernir o próprio som é fundamental. Quanto mais aplicar seus ouvidos e se concentrar em sua
sonoridade, melhor e mais rápido se desenvolverá. No desenvolver de todas essas propriedades do som,
lembre-se que deve ser feita em cima da mais apurada afinação.

No começo o estudo de sonoridade pode ser difícil, cansativo e monótono, mas persista porque esse é o
caminho para obter um belo som. Ao estudar sonoridade não o faça de modo mecânico: envolva-se
com cada nota, pense nela como sendo a nota mais importante e bela de um concerto.

Primeira Oitava:
1) Faça lentamente

* Somente Flauta com Pé em Si


2) Faça lentamente

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 56


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

* Somente Flauta com Pé em Si


Segunda Oitava:
Antes de continuar o estudo da segunda oitava, é importante desenvolver a sonoridade apenas com o
bocal. Tocando apenas com o bocal, sem tapar sua extremidade, a nota que soará será o Sol sustenido.
Toque apenas com o bocal a nota Sol sustenido em duas oitavas, conforme as lições 1 a 2 abaixo. Nestes
exercícios é necessário produzir as notas das duas oitavas sem assoprar mais forte, apenas controlando
a embocadura.
1) Faça lentamente usando apenas o bocal, sem tapar sua extremidade, respeitando a ligadura.

2) Faça lentamente usando apenas o bocal, sem tapar suas extremidade, respeitando a ligadura.

É importante executar intervalos apenas com o controle da embocadura, sem assoprar mais forte. No
entanto, para homogeneizar o som, é necessário em algumas notas assoprar mais ar e em outras
menos. Mas isso só poderá ser feito corretamente se antes for adquirido o domínio de fazer intervalos
sem assoprar mais forte, apenas com o controle da embocadura. Agora com a flauta completa, faça as
seguintes lições:

1) Faça lentamente

2) Faça Lentamente

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 57


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Terceira Oitava:
Antes de continuar o estudo da terceira oitava, é importante desenvolver a sonoridade de intervalos
com notas harmônicas ( ). No exercício com notas harmônicas, com apenas uma única digitação
tocamos três notas diferentes, sem assoprar mais ar, apenas controlando a embocadura. Por exemplo, o
primeiro exercício com nota Sol, com apenas a digitação da nota Sol e com a mesma coluna de
ar, tocamos as três notas: Sol da primeira oitava, Sol da segunda oitava e Ré da terceira oitava.
Faça todos os exercícios primeiramente com as notas harmônicas e depois com seus dedilhados
correspondentes, conforme indicado na partitura.

É importante executar intervalos apenas com o controle da embocadura, sem assoprar mais ar. No
entanto, para homogeneizar o som, é necessário em algumas notas assoprar mais ar e em outras

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 58


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

menos. Mas isso só poderá ser feito corretamente se antes for adquirido o domínio de fazer intervalos
sem assoprar mais forte, apenas com o controle da embocadura.
1) Lento e Ligado

2) Lento e Ligado

3) Lento e Ligado

Continue desenvolvendo sua sonoridade no Método de Sonoridade Volume I e II de Nilson Mascolo & Cinthia
Mascolo. Acesse o Site Estudantes de Flauta-Transversal.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 59


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Exercícios diários de Escala


O estudo de escala é essencial para o desenvolvimento técnico e sonoro, seja você iniciante ou super
flautista profissional. Ao executar cada estudo em forma de escalas e intervalos, busque uma sincronia
perfeita entre as notas, além de uma excelente afinação e sonoridade. Comece seus estudos de escala e
intervalo lentamente e aumente a velocidade à medida que se sentir seguro. Nosso corpo aprende por
repetições, portanto, é necessário executar diariamente as lições deste livro para obter progresso
satisfatório. Faça as lições na ordem apresentada no livro e só siga para próxima ao ter obtido excelente
progresso. Tocar flauta é fazer música: esteja executando uma única nota ou uma escala, coloque sua
musicalidade nela.
A postura do corpo e das mãos é essencial para o bom desenvolvimento técnico, portanto, confira sua
postura e procure corrigir de imediato quaisquer erros. Para conferir a correta posições estude
atentamente a primeira parte deste método.

1 - Estudo de Escala: Estudo de Escala Maior


Faça as escalas com as diferentes formas de ligadura indicadas abaixo:

Escala de Sol maior

Escala de Ré maior

Escala de Lá maior

Escala de Mi maior

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 60


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Escala de Si maior

Escala de Fá maior

Escala de Si b maior

Escala de Mi b maior

Escala de Lá b maior

Escala de Ré b maior

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 61


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Escala de Dó maior

Como um estudo mais avançado, refaça este 1 - Estudo de Escala em uma oitava acima
(oitavando). Oitavar/Oitavando: oitavar é tocar a nota com se fosse sua próxima
repetição mais aguda, conforme exemplo abaixo:

2 - Estudo de intervalos
Estudo de intervalos em escalas maiores.
Faça o estudo de intervalos com as diferentes formas de articulação indicadas abaixo:

Escala de Fá maior

Escala de Si b maior

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 62


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Escala de Mi b maior

Escala de Lá b maior

Escala de Ré b maior

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 63


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Escala de Sol maior

Escala de Ré maior

Escala de Lá maior

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 64


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Escala de Mi maior

Escala de Si maior

Escala de Fá # maior

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 65


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Escala de Dó maior

* Executar Dó para flauta pé em Dó e Si para flauta Pé em Si

Como um estudo mais avançado, refaça este 2 - Estudo de intervalos uma oirava acima
(oitavando).

3 - Estudo de Escalas Cromáticas:


1. Faça como está escrito
2. Refaça toda a escala cromática com as diferentes formas de ligadura indicadas abaixo:

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 66


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

4 - Estudo de Escalas e Intervalos:


Faça este estudo com todas as opções de tonalidades indicadas abaixo, uma a uma, começando com
opção 1 e indo até a opção 9.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 67


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Como um estudo mais avançado, refaça este 4 - Estudo de Escalas e Intervalos uma oirava
acima (oitavando).

Continue seus estudos de escalas nos grandes Métodos para estudos de Escala e Técnica, indicados
abaixo. As indicações estão em grau de dificuldade:
1 - Mascolo, Método de Técnica baseado em escalas e intervalos - Volume I
2 - Mascolo, Estudo de Técnica baseado em escalas e intervalos - Volume II
3 - Trevor Wye, Técnica para Flauta
4 - Trevor Wye, Estudos de Perfeccionamento
5 - Reichert, 7 Exercicios Diários para Flauta, Op. 5.
6 - Taffanel, Grands Exercices Journaliers de Mécanisme (EJ)

Tabela de Digitação da Flauta


No decorrer das lições do método, as digitações de cada nota são
apresentadas, no entanto, segue tabela no qual poderá consultar todas as
digitações da flauta. Na tabela das posições regulares das notas da flauta
transversal estão representadas apenas as chaves nos quais apertamos
com os dedos. As Chaves pintadas representam as que devemos fechar e as não pitadas as que devemos
deixar abertas.

Tabela 01 de 02

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 68


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Tabela 02 de 02

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 69


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Lista de músicas para ouvir: Ouvir é aprender, ouça todos os Concertos indicados abaixo.
Flute Concerto Poulenc, Sonata For Flute and Piano.
Mozart, Flute Concerto No.1 em G maior, K313 Sergei Prokofiev, Sonata para Flauta e Piano, N.2 op. 94.
Mozart, Flute Concerto No.2 em D maior, K314. Philippe Gaubert, Sonata No.3 para Flauta.
Mozart, Flute Concerto for Flute, Harp e Orchestra, K299 Telemann, Sonata para Flauta em G maior.
Vivaldi, Flute Concerto No. 1 in F major, RV 433, Op.10 - "La C. Franck, Sonata em A maior.
tempesta di mare". Donizetti, Sonata em C maior para Flauta e Piano.
Vivaldi, Flute Concerto No. 2 in G minor, RV 439, Op. 10 - Carl Reinecke, Sonata Op. 167 "Undine",
"La notte". Pierre Sancan, Sonatine para Flauta e Piano.
Vivaldi, Flute Concerto No. 3 in D major, RV 428, Op. 10 - "Il C. M. Widor, Suite for flute and piano.
gardellino".
Vivaldi, Flute Concerto No. 4 in G major, RV 435, Op. 10. Trios, Quartetos
Vivaldi, Flute Concerto No. 5 in F major, RV 434, Op. 10. Mozart, Quartet in D major K. 285
Vivaldi, Flute Concerto No. 6 in G major, RV 437, Op. 10. Mozart, Quartet in G major K. 285a
Vivaldi, Concerto for 2 Flutes and Orchestra in C Major, Mozart, Quartet in C major K. 285b
RV533. Mozart, Quartet in A major K. 298
Vivaldi, Concierto en Re Mayor Rv 427. Friedrich Kuhlau, Trio in G major, Op. 119.
Vivaldi,Concierto en Sol Mayor Rv 414. Kuhlau, Flute Trio in G minor, Op. 13, No. 2.
Mercadante, Flute Concerto in E Minor. Trois duos de Mendelssohn et Lachner.
Franz Benda, Flute Concerto in E minor.
C.P.E. Bach, Flute Concerto in D Minor. Outras belas Composições para Flauta
Carl Philipp Emanuel Bach, Flute Concerto in G major. Mozart, Andante for Flute and Piano in C major, K. 315.
Carl Philipp Emanuel Bach, Sonata for Flute solo in A minor. Mozart, Andante for Flute & Orchestra in C major, K. 315 (K.
Ibert, Flute Concerto 285e)
Devienne, Flute Concerto N.7. Mozart, Rondò K. Anh. 184 (D Major).
Devienne, Sinfonia Concertante in G major for 2 flutes and C.Chaminade, Concertino Op.107.
orchestra, op. 76. Genin, Carnaval de Veneza.
Bernhard Romberg, Flute Concerto op.17. Genin, Fantasia su La Traviata op. 18 di G.Verdi.
Carl Stamitz, Flute Concerto in G major. Taffanel, Fantaisie for flute.
Boccherini, Flute Concerto in D, Op. 27 (G.489). Taffanel, Fantasie "Francesca da Rimini".
Reinecke, Flute Concerto in D major, Op 283. Taffanel, Grande Fantasie on the Themes from 'Mignon.
Cimarosa, Concerto para 2 flautas em G maior. Bizet, Entr'acte from Bizet's Carmen.
Khachaturian, Concerto para Flauta e Orquestra. Bizet-Borne, Carmen Fantasy.
J.S. Bach, Brandenburg Concerto no. 5. Jules Mouquet, La Flute de Pan, Op.15.
Carl Nielsen, Flute Concerto and Orchestra. J.S. Bach, Arioso.
Giovanni Battista Pergolesi, Concerto para Flauta e G maior. J.S. Bach, Badinerie.
Joaquín Rodrigo, Concerto Pastoral para Flauta e Orquestra. J. S. Bach, Aria na quarta Corda.
Franz Danzi, Flute Concerto No. 1 op. 30 in G major. Doppler, Duettino Americain, Op. 37.
André Jolivet, Concerto per flauto e orchestra d'archi No.1 Doppler, Andante e Rondo.
(1949). Doppler, Fantasie Pastorale Hongroise, Op 26.
Doppler, Rigoletto Fantasie para duas Flautas e Piano, Op.
Sonatas e Suites para Flauta 38.
J. S. Bach, Partita para Flauta Solo, BWV 1013. Doppler, Paraphrase La Sonnambula op.42 for two flutes
J. S. Bach, Sonata para Flauta em G menor, BWV 1020. and piano.
J. S. Bach, Sonata para Flauta em B menor, BWV 1030. Doppler , Airs Valaques Op.10.
J. S. Bach, Sonata para Flauta em E bemol, BWV 1031. Jules Massenet, Méditation from Thais.
J. S. Bach, Sonata para Flauta em A maior, BWV 1032. Debussy, Clair de Lune.
J. S. Bach, Sonata para Flauta em C maior, BWV 1033. Debussy, Syrinx.
J.S. Bach, Sonata em E menor para Flauta, BWV 1034. Claude Debussy, Prélude à l'après-midi d'un faune
J. S. Bach, Sonata para Flauta em E maior, BWV 1035. Debussy, En Bateau.
J.S. Bach, Sonata in G Major BWV 1039. F Enesco, Cantabile Presto.
J. S. Bach, 2 Flutes Sonata BWV 1039. Gabriel Fauré, Berceuse Op.16.
C.P.E.Bach, Triosonata D-moll. G. Fauré, Pavane, Op.50.
Mozart, Sonata em C maior, K. 14. Gabriel Faure, Sicilienne Op.78.
Mozart, Sonata for 2 Pianos (2 Flautas) in D major, K. 448, Gabriel Faure, Fantaisie, Op 79.
Claude Debussy, Sonata for Flute, Viola & Harp. Gabriel Fauré, Morceau de Concours.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 70


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Kuhlau Brillant Duo No. 1 Op. 102 Beethoven, Duo Flutes in G major (WoO 26).
Friedrich Kuhlau, Trio in G major, Op. 119 Rachmaninoff, Vocalise.
Franz & Karl Doppler. Rigoletto Fantasie para duas Flauta e Jolivet, Chant de Linos.
Orquestra. Piazzolla, Café 1930 (Historia del Tango).
F. Kuhlau, Flute Trio in G minor, Op. 13, No. 2. Astor Piazzolla, Oblivion.
Robert Schumann, 3 Romance. Mozart, 12 Variations on "Ah vous dirais-je, Maman",
Schubert, Introduction and Variations flauta e piano. K.265.
Jacques Ibert, Entr'acte for flute & harp. Johann Pachelbel, Canon in D Major.
Godard, Suite de Trios Morceaux. Maurice Durufle, Prelude, Recitatif et variations, Op. 3.
Godard, Waltz (Pieces n.3) Op 116 from Suite Of Three Greensleeves para Flauta e Harpa.
Pieces. Danny Boy.
Tchaikovsky, Lesnsky Aria from Eugene Onegin para Flauta As 12 Fantasias para flauta solo de Telemann
e Orquestra. Claude Bolling , Flute Suite Jazz nº 1
Tchaikovsky, None but the Weary Heart, Op.6, Nº 6. Claude Bolling, Flute Suite Jazz nº 2
Tchaikovsky, Serenade Melancolique, Op. 26.
Pietro Mascagni, Intermezzo sinfonico, "Cavalleria Sinfonias com solos de flauta
Rusticana" (Ópera). Beethoven, Symphony No. 3 in E flat major, Op. 55 (Eroica).
E. Krakamp, Fantasy ou Verdi`s Traviata. Beethoven, Symphony No. 4 in B Major, Op. 60
Briccialdi, Carnival de Venice for Flute and Orchestra. Beethoven, Symphony No. 5 in C minor, Op. 67.
Chopin, Variations on a Theme by Rossini. Beethoven, Symphony No. 6 in F major, Op. 68 (Pastoral).
Grigoras Dinicu, Hora Staccato. Beethoven, Symphony No. 7 in A major, Op. 92.
Villa-Lobos, Assobio a Jato. J.S.Bach, Gloria.
Villa-Lobos, Bachianas Brasileiras No.6 Aria. Bizet, Entr'acte from Bizet's Carmen.
Villa Lobos, Chôros No.2. Brahms, Symphony No. 4
Villa-Lobos, Melodia Sentimental. Bruckner, Symphony No.4 in E-flat major, WAB 104.
Rimsky Korsakov, The Flight of the Bumble Bee. Bruckner Symphony No 7 E major (WAB 107).
Bazzini, La ronde de lutins. Debussy, Prelude to "The Afternoon of a Faun".
Theobald Boehm, Grand Polonaise, op. 16. Debussy, Prélude à l'Après-midi d'Un Faune.
Boehm, Souvenir des Alpes. Dvorák, Symphony No. 8, Solo da Flauta.
Dvorak, Humoresque, op.101,No.7. Antonín Dvořák , Cello Concerto in B minor, Op. 104, B. 191.
Dvorak, Czech Suite Op.39, Mendelssohn, Symphony No. 4 in A major, Op. 90.
Gluck, Dance of the Blessed Spirits. Sergei Prokofiew,Romeo and Julia.
E.Satie, Gymnopedies No 1. Ravel, Daphnis et Chloé suite no.2
Paganini, La Campanella Ravel, Bolero.
Paganini Moto Perpetuo. Rossini, Guillaume Tell.
Riccardo Drigo, Les Millions d'Arlequin. Rossini, La Gazza Ladra, Overture.
Gaubert, Nocturne & Allegretto Scherzando para Flauta e Rossini, William Tell Overture
Piano. Shostakovich, Symphony No. 5 in D minor, Op. 47.
Gaubert, Fantaisie para Flauta e Piano.
Gaubert, Madrigal.
Gaubert, Orientale. Ouça obrigatoriamente e grátis a cada uma
Gaubert, Nocturne et Allego scherzando for Flute and
Piano.
destas músicas no site Estudantes de Flauta
Beethoven, Romance in F major, Op.50.

Os Grandes Flautistas: Existem inúmeros grandes Mestres da Flauta e segue aqui uma pequena lista
com apenas alguns dos nomes, segundo gosto pessoal dos autores deste Método:

Jean-Pierre Rampal Shigenori Kudo Claudi Arimay

Alan Marion Emmanuel Pahud Jacques Zoon Paul Edmund-Davie


Maxence Larrieu Formisano Davide Ransom Wilson Felix Renggli
Peter-Lukas Graf Philippe Bernold Emily Beynon Gary Schocker
András Adorján Philippe Boucly Jeanne Baxtresser Paula Robison
Aurelio Nicolet Denis Bouriakov Robert Aitken Jim Walker
Julius Baker Raffaele Trevisani Robert Langewin Carol Wincenc
James Galway Juergen Franz Mathieu Dufour Dieter Flury
Patrick Gallois Wolfgang Schulz Michael Hasel Walter Auer
Marcel Moyse Bruno Meier Michael Cox Rogério Wolf
William Bennett Amy Porter Michel Bellavance José Ananias
Andreas Blau Karl-Heinz Schütz Jean-Louis Beaumadier Jeffrey Khaner
Michel Debost Philipp Jundt Julien Beaudiment Jasmine Choi

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 71


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Apêndice de teoria musical para flautistas:


Propriedades do Som:
A música é a arte do som. O Som possui quatro propriedades:
1) Duração: Tempo de produção do som que pode ser menor ou de maior duração.
2) Intensidade: propriedade de ser mais fraco ou mais forte, como faz o botão de volume do radio.
3) Altura: propriedade do som ser mais grave ou agudo. Por causa desta propriedade distinguimos voz fina e
voz grossa.
4) Timbre: a qualidade e característica do som, que nos permite identificar e distinguir sons diferentes uns
dos outros. Por causa do timbre podemos identificar a pessoa que fala ao telefone sem visualiza-la.

Notas e suas representações:


O Som musical é representado no papel por símbolos chamado Nota, conforme seu formato e sua posição no
pentagrama, ela representa a duração e a altura.

Representação da Duração:
Com diferentes notas, podemos representar o tempo de duração de um som.

Duração das notas com a Semínima como Unidade de Tempo


Veja abaixo valores de duração das notas, com a semínima como unidade de tempo.

É essência
decorar os
nomes e
valores das
notas.

É mais comum o uso da Semínima como a unidade de tempo, mas também o uso da Mínima como unidade de
tempo também é usado. Veja abaixo tabela com a Mínima como unidade de tempo.

Duração das notas com a Mínima como Unidade de Tempo


Veja abaixo valores de duração das notas, com a Mínima como unidade de tempo.

Pausa
Pausa é nota que não tem som, mas tem duração. Cada Nota tem sua pausa correspondente:

Nota

Pausa

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 72


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Representação da Altura

Para representação da altura, a nota precisa estar escrito no pentagrama e o pentagrama é um conjunto de cinco
linhas e cinco espaços.

Linhas Espaços

O som musical é representa por sete notas e na ordem crescente são: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si. Na
ordem decrescente é Si, Lá, Sol, Fá, Mi, Ré, Dó.

A Clave atribui nome as notas quando escritas no pentagrama. Flautistas utilizam a Clave de Sol.
Usando a Clave de Sol, as notas escritas no pentagrama recebem os seguintes nomes:

Clave de Sol É essência decorar


os nomes das notas
no pentagrama

DO Mi

Algumas notas são escritas fora do Pentagrama, por isso usam-se as linhas suplementares superiores e
inferiores.
Linhas suplementares superiores

Linhas suplementares inferiores

Oitava: Oitava é um conjunto de nota existente entre uma nota e sua primeira repetição acima ou
abaixo.

Oitava

Oitavar: Quando descrevemos para oitavar uma nota, queremos dizer que se deve tocar como se ela
fosse sua próxima repetição mais aguda.

Ligadura: É uma linha curva que une as notas de mesma altura, somando sua duração:

Quando uma ligadura une notas de altura diferentes, somente a primeira se articula e as demais tem o
mesmo sopro continuo. Ver página 19, lição 35.

Ponto de aumento: Ponto de aumento aumenta metade do seu valor.

Fermata: Fermata é um símbolo acima da nota que aumenta aproximadamente o dobro do seu
tempo.

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 73


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Compasso: é a divisão da música em pequenas partes de duração. Podemos chama-lo de organizador do


ritmo musical.

Os compassos mais comuns são os compassos binários, ternários e quaternários. Para organização dos
compassos utilizamos barras verticais sobre o pentagrama.

A Barra ‘A’ é a barra de compasso e serve para dividir os compassos da música.


A Barra ‘B’ serve para separar seções da música.
A Barra ‘C’ é a barra de Finalização da música e serve para indicar o final da Música.
A Barra ‘D’ é a barra de repetição, serve para indicar que devemos refazer aquele trecho.

Existem dois tipos de compassos, os Simples e os Compostos.


No Compasso simples a unidade de tempo é uma nota simples,
subdivisível em duas; no compasso composto a nota é composta,
subdivisível em três.

Para identificação dos compassos, usamos a formula de compasso, que indica o tipo de compasso e qual
a unidade de tempo usada na música. As formulas são diferentes para Compasso Simples e Compasso
Composto.

Formula de compasso para compasso Simples: A formula é composta de dois números, o número de
cima indica se o compasso é binários (2), ternário (3), quaternário (4); o número de baixo indica qual
nota será a unidade, ou seja, qual nota valerá um tempo. No compasso simples, a unidade do tempo é
uma nota de valor simples.
Número de
baixo da formula
Compasso Binário Simples
No Compasso Binário os tempos são divido em dois tempos. de compasso:
1 = Semibreve
Indica compasso Binário 2 = Mínima
4 = Semínima
Indica que a unidade é a Semínima 8 = Colcheia
Compasso Ternário
No Compasso ternário os tempos são divido em três tempos.

Compasso Quaternário.
No Compasso quaternário os tempos são divido em quatro tempos.

Formula de compasso para compasso Composto: A formula é composta de dois números, o número de
cima indica se o compasso é binários (6), ternário (9), quaternário (12); o número de baixo indica a nota
da subdivisão da unidade de tempo do valor composto. No compasso composto, a unidade do tempo é
uma nota de valor composto.

Indica compasso Binário Composto (6)

Indica qual é a nota subdivisão da unidade de tempo

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 74


Copyright Site Estudantes de Flauta-Transversal

Casa 1 e casa 2: para economizar escrever trechos repetitivamente, se utiliza sinal de casa 1 e casa 2,
onde na primeira execução se faz até casa 1 e retorna ao início da frase; na segunda execução pula-se a
casa 1 para casa 2.

Na segunda execução pula-se a casa 1

Representação da Intensidade: A intensidade é representada por sinais de dinâmica que indicam execução de som
mais forte ou mais fraco.

- Forte - Tocar forte, com maior intensidade.

- Mezzo forte - Tocar com força moderada (intensidade normal)

- Piano – Tocar mais baixo, com menor intensidade, mais suave.

- Fortíssimo - Tocar mais forte ainda do que o forte ( )


- Pianíssimo – Tocar mais baixo ainda que o piano ( )

Grandes fabricantes de flauta


Wm. S. Haynes Flute (USA) Altus Flute (Japan)
www.wmshaynes.com www.altusflutes.eu
Muramatsu Flute (Japan) Miyazawa Flute (Japan)
www.muramatsuflute.com www.miyazawa.com
Sankyo Flute (Japan) Burkart Flute (USA)
www.sankyoflute.com www.burkart.com
Powell Flute (USA) Yamaha Flute (Japan)
www.powellflutes.com http://jp.yamaha.com/
Pearl Flute (Japan) A Haynes, Altus, Powell e Burkart possuem
www.pearlflutes.com linhas de flautas mais acessíveis, destinadas aos
iniciantes e intermediários, chamadas:
Amadeus, Azumi, Sonaré e Resona.
Conheça a história, filosofia e os modelos de cada uma destas flautas no
Site Estudantes de Flauta-Transversal
Encontre no Site grandes Flautas à venda com excelentes preços e promoções

Conserto/Ajuste de Flauta/ Luthier de flauta


Uma flauta bem ajustada e sapatilhas com excelente vedação hermética é essencial para
o Flautista, além de outros detalhes importantes. Segue indicação do Luthier de flauta
Nilson Mascolo Filho para que possa com segurança levar sua Flauta para serviços de
limpezas, ajustes, desamassados, troca de sapatilhas e todo serviço para deixar sua
flauta como nova e perfeita.
Nilson Mascolo Filho - nilsonmascolo@gmail.com - (11) 99366-0470

Continue seus estudos nos demais Métodos de Nilson Mascolo Filho e Cinthia Mascolo,
acesse seção de Método do Site Estudantes de Flauta.

Site Estudantes de Flauta-Transversal


https://sites.google.com/site/estudantesflautastransversal/
Nilson Mascolo Filho - nilsonmascolo@gmail.com
(11) 99366-0470

Método de Inicialização em Flauta Transversal - Volume 1 - Nova Edição 75

Interesses relacionados