Você está na página 1de 13

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ – SEMA

FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ - FAMA

ROGÉRIO DA COSTA SILVA

O PERFIL DO EMPREENDEDOR

MACEIÓ – AL
2017

1
ROGÉRIO DA COSTA SILVA

O PERFIL DO EMPREENDEDOR

Trabalho de pesquisa sobre


Empreendedorismo – O PERFIL DO
EMPREENDEDOR, elaborado para
obtenção de nota parcial, da disciplina de
“Gestão de Pessoas”, do curso de
administração, da Faculdade De Ciências
Jurídicas E Sociais de Maceió – FAMA, sob
a orientação do professora Kássia.

MACEIÓ – AL
2017

2
SÚMARIO

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................ 4
1. EMPREENDEDORISMO ................................................................................................... 5
2. TIPOS DE EMPREENDEDORES ..................................................................................... 7
3. O PERFIL DO EMPREENDEDOR ................................................................................... 9
CONCLUSÃO......................................................................................................................... 12
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 13

3
INTRODUÇÃO

Este trabalho abordará o tema empreendedorismo, focando especificamente e de forma


sintética o perfil do empreendedor.
Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e
habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem
origem no termo empreender que significa realizar, fazer ou executar.
O empreendedor é aquele que apresenta determinadas habilidades e competência para
criar, abrir e gerir um negócio, gerando resultados positivos.
Como características do empreendedor, podemos citar a criatividade, a capacidade de
organização e planejamento, a capacidade de liderança, a habilidade para trabalhar em equipe,
a visão de futuro e coragem para assumir riscos, o interesse em buscar novas informações,
soluções e inovações para o seu negócio, a persistência (não desistir nas primeiras
dificuldades encontradas), o saber ouvir as pessoas e a facilidade de comunicação e expressão,
dentre outras que serão destacadas nos próximos capítulos.
O empreendedorismo é essencial para a geração de riquezas dentro de um país,
promovendo o crescimento econômico e melhorando as condições de vida da população. É
também um fator importantíssimo na geração de empregos e renda.

4
1. EMPREENDEDORISMO

Considera-se o empreendedorismo como o ato de identificar oportunidades e alavancar


mudanças, ou seja, o ato de empreender é um ato de transformação da ordem dominante.
Assim, inovação e empreendedorismo, embora diferentes, são conceitos profundamente
relacionados. É possível dizer que o empreendedorismo é o ato de criar e utilizar inovações de
forma a gerar novas oportunidades. O ato de empreender significa mudar as condições
vigentes em um determinado ambiente, utilizando novos recursos ou os recursos disponíveis
de novas maneiras.
Além disso, o empreendedorismo é fundamental para a geração de empregos e renda
dentro de um país como já citado na introdução deste trabalho. Por meio dele, o crescimento
econômico, a diversificação de negócios e a melhoria das condições de vida da população são
de um modo geral, aprimoradas.
Empreendedorismo é o processo de iniciativa de implementar novos negócios ou
mudanças em empresas já existentes. É um termo muito usado no âmbito empresarial e muitas
vezes está relacionado com a criação de empresas ou produtos novos, normalmente
envolvendo inovações e riscos.
Pessoas como Bill Gates e Steve Jobs são consideradas empreendedoras por terem
inovado no ramo da tecnologia, como no desenvolvimento de Sistemas Operacionais, no caso
de Bill Gates.
O empreendedorismo está muito relacionado com a questão de inovação, na qual há
determinado objetivo de se criar algo dentro de um setor ou produzir algo novo. Diversas
startups, por exemplo, inovam-se dentro de um setor existente. Uma grande startup hoje, que
teve inovações dentro de um setor existente, é a Uber, que deu novas possibilidades no
mercado dos táxis.
O conceito "Empreendedorismo" foi popularizado pelo economista Joseph Schumpeter,
em 1945, como a base de sua teoria da Destruição Criativa. Segundo Schumpeter, o
empreendedor é alguém versátil, que possui as habilidades técnicas para saber produzir, e
capitalista, que consegue reunir recursos financeiros, organizar as operações internas e
realizar as vendas da sua empresa. De fato, Schumpeter chegou a escrever que a medida para
uma sociedade ser considerada capitalista é saber se ela confia seu processo econômico ao
homem de negócios privado.
Mais tarde, em 1967, com Kenneth E. Knight, e, em 1970, com Peter Drucker, foi
introduzida ao empreendedorismo a ideia da necessidade de arriscar em algum negócio para
montar uma organização. Já em 1985, com Gifford Pinchot III, foi introduzido o conceito de
intra-empreendedor, ou seja, uma pessoa empreendedora, mas que trabalha dentro de uma
organização.
Para Frank (1967) e Peter Drucker (1970), o empreendedorismo refere-se a assumir riscos.
Schumpeter amplia o conceito, afirmando que "o empreendedor é a pessoa que destrói a
ordem econômica existente graças à introdução no mercado de novos produtos/serviços, pela
criação de novas formas de gestão ou pela exploração de novos recursos, materiais e
5
tecnologia". Assim, os empreendedores "não são simplesmente provedores de mercadorias ou
de serviços, mas fontes de energia que assumem riscos em uma economia em constante
transformação e crescimento." (CHIAVENATO, 2007, p.18).
Uma das definições mais aceitas hoje em dia é dada pelo estudioso Robert D. Hisrich, em
seu livro “Empreendedorismo”. Segundo ele, "empreendedorismo é o processo de criar algo
diferente e com valor, dedicando tempo e esforço necessários, assumindo os riscos
financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas
da satisfação econômica e pessoal".
Para se tornar um empreendedor de sucesso, é preciso reunir:

FONTE: SEBRAE

6
2. TIPOS DE EMPREENDEDORES

Os empreendedores podem ser muito diferentes um dos outros. Por conta disso,
podemos classificá-los em diversos “tipos” de empreendedores. Isso dificulta a nomeação,
porém mostra que qualquer pessoa pode ser um empreendedor independente de suas
características. Seguem abaixo vários tipos de empreendedores:

Empreendedor nato
Os empreendedores natos (mitológicos), o quais são geralmente os mais conhecidos e
reverenciados. Normalmente são pessoas que começaram a trabalhar desde muito cedo, com
poucas condições, e acabaram criando grandes empresas. Como desde muito jovens esses
empreendedores iniciaram a sua jornada de trabalho, acabaram adquirindo a habilidade de
negociação e venda. São visionários, otimistas, estão sempre à frente de seu tempo e
comprometem-se 100% para realizar os seus sonhos.

Empreendedor que aprende


O empreendedor que aprende pode ser caracterizado por ser aquele que, ao se deparar
com uma oportunidade de negócio, decide aprender a gerir seu próprio empreendimento.
Normalmente são aquelas pessoas que, quando menos esperava, se depararam com uma
oportunidade de negócio e tomaram a decisão de mudar o que faziam na vida para se
dedicarem ao próprio negócio. Logo, eles caracterizam-se pelo inesperado. Muitas vezes, esse
tipo de empreendedor imaginava que seria sempre um empregado e não gostava de assumir
riscos; mas, quando surge a oportunidade, ele vê-se entusiasmado. E, então, vem a tomada de
decisão, que para esse tipo de empreendedor pode levar um pouco mais de tempo para que ele
possa decidir, mas ele acaba assumindo o risco e criando seu próprio negócio, ou fazendo
algum tipo de parceria ou sociedade. É o caso clássico de quando a oportunidade “bate na
porta”. Um ponto importante a se levantar é que o empreendedor que aprende necessita do
surgimento de uma oportunidade. Sua característica é de ter uma maior cautela que os demais
empreendedores; e, por isso, quando ele se depara com a oportunidade, ele não assume o risco
imediatamente, mas, sim, depois de ver as possibilidades e a viabilidade do negócio ou da
ideia.

Empreendedor serial
O empreendedor serial é aquele que cria um negócio para vendê-lo. Dessa forma, o
capital ganho com essa ideia inicial é utilizado para criar outro, vendê-lo novamente e
produzir algo novo sempre, tornando-se uma atividade cíclica. Assim, a venda é parte do fim
de um empreendimento e o começo de um novo.

Empreendedor corporativo
O empreendedor corporativo tem ganhado importância nos últimos anos devido ao
crescimento de multinacionais e à necessidade de inovação e de continuarem evoluindo. São
executivos que se destacam e que buscam crescer dentro da empresa, trazendo bons frutos
para a organização. Possuem grande conhecimento em ferramentas administrativas e sabem
gerenciar uma equipe com excelência. Também são considerados ótimos vendedores e
7
negociadores, pois sabem vender a sua ideia e trabalhar em situações limitadas, nas quais a
empresa não dá toda a liberdade para o empreendedor agir. Esse tipo de empreendedor possui
o perfil que é considerado ideal para ele [o empreendedor] trabalhar em grandes empresas,
inclusive eles são muito procurados por tais organizações. Ele sabe desenvolver seu
networking dentro e fora da empresa para trazer pessoas à equipe e também gerar novas
oportunidades. Na maioria das vezes, são pessoas que sabem autopromover-se e são muito
confiantes, adorando trabalhar com grandes metas e com aquelas que geram grandes
recompensas.

Empreendedor social
O empreendedor social vem de qualquer setor que seja sem fins lucrativos, possuindo
as características dos empreendedores tradicionais de criatividade, visão e determinação. Ele
busca a inovação social no lugar do dinheiro por meio do emprego e da focalização na
inovação, almejando o benefício social que ela pode trazer, além de utilizarem de suas
experiências organizacionais e empresariais para ajudar os outros. Os empreendedores sociais
podem trabalhar em negócios éticos, órgãos governamentais, públicos, voluntários e
comunitários.

Empreendedor por necessidade


Empreendedores por necessidade são aqueles que iniciaram um empreendimento
autônomo por não possuírem melhores opções para o trabalho e precisam abrir um negócio a
fim de gerar renda para si e suas famílias. O empreendedorismo por necessidade é
evidentemente aquele que está visivelmente menos fadado ao sucesso, embora existam, sim,
alguns casos de sucesso. A maioria desses empreendedores entram no mercado totalmente
despreparados, sem conhecimento dos verdadeiros riscos e totalmente expostos ao fracasso.

Empreendedor herdeiro
O empreendedor herdeiro é motivado desde cedo a empreender. Ele tem a missão de
continuar o legado da família, administrando a empresa e os recursos nela envolvidos a fim de
que o empreendimento se sustente por mais tempo. Atualmente é comum que executivos
sejam contratados para gerir empresas familiares, mas o empreendedor herdeiro sempre
acompanha de perto as atividades a fim de dar suas impressões e sugestões. O perfil de
empreendedor herdeiro não é único. Existem os tipos mais inovadores, que tendem a buscar
medidas diferentes das que estão atuando na empresa e que são mais visionários. Por outro
lado, existem o tipo mais conservador, que tende a manter as coisas como estão e tem uma
gestão muito mais próxima da gestão anterior.

Empreendedor normal (planejador)


O empreendedor normal (planejado) é aquele que busca capacitar-se, preocupando-se
com os próximos passos da organização, minimizando os riscos, que possui clara visão do
futuro e de suas metas para a organização. O planejamento aumenta a capacidade do negócio
ser bem sucedido. Logo, o empreendedor normal seria o mais completo e uma referência a ser
seguida, mas que não representa uma quantidade expressiva de empreendedores na prática.

8
3. O PERFIL DO EMPREENDEDOR

A definição da palavra empreendedor varia de autor para autor, mas há uma


intercessão na definição que todos concordam. No dicionário de ciências sócias encontramos
que o termo empreendedor denota a pessoa que exercita total ou parcialmente as funções de:
a) iniciar, coordenar, controlar e instituir maiores mudanças no negócio de empresa
e/ou,
b) assumir riscos nessa operação que decorrem da natureza dinâmica da sociedade e do
conhecimento imperfeito do futuro e que não pode ser convertido em certos custos através de
transferência, cálculo ou eliminação.
Segundo o dicionário Webster empreendedor é a pessoa que organiza e gere um
negócio, assumindo o risco em favor do lucro. Então cabem aqui as perguntas: Quem na
verdade é um empreendedor? Quais são as suas características mais marcantes?
Em primeiro lugar vamos descrever o que não é uma pessoa empreendedora. A revista
exame de 24 de julho de 2002 publicou um artigo intitulado as falsas verdades sobre
empreendedores. No artigo são destacados seis mitos a cerca do empreendedorismo:
O primeiro é “Não é possível desenvolver o empreendedorismo, você deve nascer
empreendedor”. Nos Estados Unidos, os maiores responsáveis pelo surgimento de novos
negócios são os profissionais que foram demitidos de seus empregos e precisaram encontrar
uma forma de sobreviver. São gestores que viraram empreendedores por necessidade.
O segundo mito é “Todo empreendedor inventou algo na garagem de casa, quando
jovem, e tem uma personalidade esquisita?” O empreendedor americano médio tem entre 35 e
45 anos, dez anos de experiência numa grande empresa e um perfil psicológico rico.
Necessariamente não inventaram nada, apenas souberam aproveitar uma oportunidade de um
salto tecnológico, por exemplo. Não há nada de esquisito neles. Apenas tiveram iniciativa.
São pessoas normais, como eu e você, não são extraterrestres, são deste mundo mesmo.
O terceiro mito é “O objetivo de todo empreendedor é ser milionário”. Todos os
empreendedores entrevistados, mesmo os que ficaram ricos, afirmam que isso não é verdade.
O que os motivou foi a vontade de criar algo novo e não a pergunta. Bom, o que eu posso
fazer para ficar rico?
O quarto mito é “Empreendedores não são muito confiáveis”. Essa visão era muito
comum quando eu era jovem. Agora responda: onde estão acontecendo os maiores crimes do
mundo dos negócios? Nas grandes empresas. Não faz sentido dizer que um empreendedor
deve ser menos respeitado do que um CEO?
O quinto mito é “Um empreendedor precisa tomar riscos enormes”. Como investem o
próprio dinheiro, empreendedores tendem a ser muito conservadores. Os maiores riscos são
tomados pelos principais executivos das grandes empresas. Vários já me disseram que
apostariam um milhão de dólares numa nova idéia. Nenhum empreendedor faria isso.

9
E por último, “Fazer um MBA é a melhor forma de se transformar num
empreendedor”. Minha recomendação aqui é: economize seu dinheiro. O conhecimento sobre
gestão vai fazer falta depois que sua empresa atingir certo tamanho. Nessa hora pode ser uma
boa idéia contratar alguém com um MBA, se for caro, contrate alguém experiente e com
formação adequada, não necessariamente com um MBA. Mas é bom se lembrar de pedir
ajuda a um consultor no inicio do projeto, ajuda a evitar erros rotineiros.
Então como podemos identificar uma pessoa empreendedora? Várias são as
características que fazem parte do perfil de uma pessoa empreendedora, dentre elas podemos
citar:
1. Autoconfiança. Sentir-se seguro em relação aos seus propósitos, ao seu projeto.
Mesmo tendo muitas opiniões contrárias podendo agir com firmeza e determinação
para atingir o seu objetivo.
2. Automotivação. Não necessita do “empurrão” de outros para se animar. Encontra
forças em si mesmo diante dos desafios. Mesmo diante de algum fracasso encontra
sempre um motivo para recomeçar.
3. Criatividade. Capacidade de encontrar soluções viáveis para solução de problemas.
Capacidade de criar novos produtos e serviços. Capacidade de encontrar novos
caminhos, novos processos. Tem sempre uma sugestão, mesmo que não seja a melhor.
4. Flexibilidade. Pessoas inflexíveis têm muitos problemas para o recomeço quando
necessário. A flexibilidade habilita para rever posições, assumir o novo, ceder quando
preciso. Ouvir as idéias e sugestões e aceitá-las quando for o caso, mesmo que isso
signifique uma grande mudança no projeto.
5. Energia. Que tem seu negócio próprio, dificilmente trabalhará oito horas por dia.
Serão doze, senão catorze horas de trabalho diariamente. É preciso ter “pique”, muita
energia até o negócio poder caminhar sem necessidade de acompanhamento “full
time”. Tem que suar a camisa.
6. Iniciativa. Capacidade para agir de maneira oportuna e adequada sobre a realidade,
apresentando soluções, influenciando acontecimentos e se antecipando às situações.
7. Perseverança. Capacidade de manter-se firme e constante em seus propósitos,
porém, sem perder a objetividade e clareza frente às situações (saber perceber limites).
8. Resistência à frustração. Este é um item de muita importância no perfil do
empreendedor. Não são poucos que abrem um negócio que não tem vida longa. Há
sempre um recomeço. Este item está muito ligado à perseverança e a motivação.
9. Disposição para assumir riscos. São muitos os riscos que o empreendedor assume
ao criar seu negócio. Risco do abandono do emprego, riscos financeiros, riscos
psicológicos pela possibilidade de fracassar.

O economista austríaco Joseph A. Schumpeter , no livro “Capitalismo, socialismo e


democracia”, publicado em 1942 associa o empreendedor ao desenvolvimento econômico.
Segundo ele, o sistema capitalista tem como característica inerente, uma força que ele
denomina de processo de destruição criativa, fundamentando-se no princípio que reside no
10
desenvolvimento de novos produtos, novos métodos de produção e novos mercados; em
síntese, trata-se de destruir o velho para se criar o novo.
Pela definição de Schumpeter, o agente básico desse processo de destruição criativa
está na figura do que ele denominou de empreendedor. Numa visão mais simplista, podemos
entender como empreendedor aquele que inicia algo novo, que vê o que ninguém vê, enfim,
aquele que realiza antes, aquele que sai da área do sonho, do desejo, e parte para a ação. “Um
empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões” Filion,1999, pág. 19.

11
CONCLUSÃO

Ser empreendedor significa, acima de tudo, ser um realizador que produz novas ideias
através da congruência entre criatividade e imaginação. Seguindo este raciocínio; a professora
Maria Inês Felippe defende a ideia de que o empreendedor, em geral, é motivado pela auto -
realização e pelo desejo de assumir responsabilidades e ser independente. Considera
irresistíveis os novos empreendimentos e propõe sempre ideias criativas, seguidas de ação. A
auto - avaliação, a autocrítica e o controle do comportamento são características do
empreendedor que busca o autodesenvolvimento. Para se tornar um empreendedor de sucesso,
é preciso reunir imaginação, determinação, habilidade de organizar, liderar pessoas e de
conhecer tecnicamente etapas e processos.
Maria Inês define empreendedor como sendo:
“aquele capaz de deixar os integrantes da empresa
surpreendidos, sempre pronto para trazer e gerir novas ideias,
produtos, ou mudar tudo o que já existe. É um otimista que vive
no futuro, transformando crises em oportunidades e exercendo
influência nas pessoas para guiá-las em direção às suas ideias. É
aquele que cria algo novo ou inova o que já existe e está sempre
pesquisando. É o que busca novos negócios e oportunidades
com a preocupação na melhoria dos produtos e serviços. Suas
ações baseiam-se nas necessidades do mercado.”
Podemos concluir que um empreendedor não é fruto de uma herança genética, são
pessoas comuns que podem ter uma capacidade nata para negócios inovadores ou podem ser
formadas, porém se destacarão pela sua capacidade, pela sua ousadia, pelas suas quedas e pelo
seu recomeço, pelo sucesso e pelo seu insucesso, são esforçadas, fazem a diferença no mundo
dos negócios, ou seja, um empreendedor vê o que ninguém vê, sempre inova, toma iniciativa,
não se detém a terra dos sonhos, não se conforma com a zona de conforto, mas sai para a ação
da realização e torna real o que visualizou.

12
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOMBO, Adriane Alvarenga da R. O QUE É SER EMPREENDEDOR. Balcão Sebrae-DF.


Disponível em 24/05/2017, no site < https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/bis/o-que-
e-ser-empreendedor,ad17080a3e107410VgnVCM1000003b74010aRCRD>.
OLIVEIRA, Cezar A. O PERFIL DO EMPREENDEDOR. Disponível em 24/05/2017, no
site <http://www.professorcezar.adm.br/Textos/O%20perfil%20do%20empreendedor.pdf>.
EMPREENDEDORISMO. Disponível em 24/05/2017, no site <
https://pt.wikipedia.org/wiki/Empreendedorismo>.
AUDY, Jorge e FERREIRA, Gabriela Cardoso. O QUE É EMPREENDEDORISMO,
Disponível em 24/05/2017 no site <http://www.carreiraspucrs.com.br/empreendedorismo-e-
inovacao/o-que-e-empreendedorismo/>.
EMPREENDEDORISMO. Disponível em 24/05/2017, no site
<http://www.suapesquisa.com/o_que_e/empreendedorismo.htm>.

13