Você está na página 1de 2

Principais traduções (protestantes) da Bíblia

em português do Brasil usadas na atualidade


A Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida, Edição Revista e Corrigida (COR)
Não é a mesma traduzida por JFA e impressa em 1753. É na realidade uma edição brasileira onde
foram tirados os lusitanismos e adaptado para o português do Brasil. Ela foi publicada em 1898
pela Sociedade Bíblica Britânica. A 2ª edição foi publicada pela Sociedade Bíblica do Brasil em
1969. A 3ª edição foi publicada em 1995. A 4ª edição data de 2009 (ARC).

A Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida, Edição Revista e Atualizada no Brasil (ATU)
É uma revisão de Almeida, independente da Revista e Corrigida, que foi encomendada a uma
equipe de tradutores brasileiros e publicada pela SBB em 1956. Ela conserva as características
principais da tradução à equivalência formal de Almeida. Sua revisão foi feita à luz dos
manuscritos mais antigos que não estavam à disposição de Almeida. Em 1993 ela passou por uma
2ª revisão pela SBB (ARA). Publicada também pelas Edições Vida Nova (edição de 1976 com
muitas referências e notas explicativas) e pela Imprensa Batista Regular do Brasil (“Bíblia de
Scofield” com referências e anotações lançada em 1983).

A Bíblia Sagrada – Versão Revisada (VRe)


Publicada pela Imprensa Bíblica Brasileira primeiramente em 1967 e na sua 2ª edição em 1986. É
baseada na tradução de Almeida. Ela segue mais a forma da COR, porém mais natural.
Em 2005 foi lançada Almeida Século 21, baseada na Versão Revisada. É publicada por um
consórcio formado por Imprensa Bíblica Brasileira/JUERP, Edições Vida Nova, Editora Hagnos e
Editora Atos.

Edição Contemporânea Almeida (ECA ou AEC)


Publicada pela Editora Vida em 1990, é uma atualização da Almeida Revista e Corrigida, buscando
eliminar arcaísmos e ambiguidades dos texto original de Almeida.

Almeida Corrigida, Fiel (ACF)


O nome original é Almeida Corrigida e Revisada, Fiel ao Texto Original. Publicada pela Sociedade
Bíblica Trinitariana, baseada 100% no Textus Receptus (TR). Pequena revisão em 1995.

Nova Versão Internacional (NVI)


Publicada em 2001 pela Sociedade Bíblica Internacional. Ela segue um princípio intermediário
entre o da equivalência dinâmica e o da tradução literal.

Bíblia King James Atualizada (KJA)


Publicada em parceria pela Abba Press e Sociedade Bíblica Ibero-Americana (data incerta), apesar
de ter o nome da famosa bíblia em inglês, King James Version (KJV), ela não é uma tradução do
inglês e não usa os mesmo textos originais que a KJV.

A Bíblia na Linguagem de Hoje (BLH)


Publicada pela Sociedade Bíblica Brasileira no fim de 1988 com uma linguagem contemporânea e
simples. Ela segue o princípio de tradução da equivalência dinâmica. A tradução do Novo
Testamento foi aprovada pela Igreja Católica.

A Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)


Uma revisão profunda da BLH publicada em 2000 pela Sociedade Bíblica Brasileira.
A Bíblia Viva (VIV)
Publicada em 1981 pela Editora Mundo Cristão. A versão em inglês foi concebida para ser
entendida pelas crianças. Ela foi tão bem recebida que foi traduzida para muitas outras línguas. Ela
não é na realidade uma tradução, mas sim, uma paráfrase; ou seja, ela toma muitas liberdades na
tradução e insere algum comentário. Em certos trechos ela foge um pouco das regras de tradução
geralmente aceitas.

A Mensagem (MEN)
É uma paráfrase, traduzida para o inglês por Eugene Peterson (The Message). Publicada no Brasil
pela Editora Vida em 2011. Esta tradução usa o conceito da tradução dinâmica, não da literal. Ela
procura entender o que o texto original diz e depois traduz a ideia para o português usando as
expressões idiomáticas do português contemporâneo.