Você está na página 1de 33

ALIMENTO DA FÉ

01 DE MAIO DE 2018

ENCONTRANDO A PAZ EM CRISTO

Leia João 14: 27 – 31.

“Deixo a paz a vocês; a minha paz dou a vocês. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o
seu coração, nem tenham medo”. João 14: 27.

A maioria dos nossos dias é preenchida com tantas urgências que parece que estamos passando
por um redemoinho. Desta forma não podemos desfrutar da tão almejada paz.
Creio que precisamos ter em nossas agendas diariamente “espaço para Deus”. Não significa
que não teremos adversidades, pois certa dose de estresse sempre nos acompanhará, mesmo sendo
discípulos de Cristo.
No entanto, será perigoso se o estresse saudável que nos mantém em movimento começar a
piorar nosso compromisso de sermos cristãos, em casa, no trabalho ou com nossos amigos e parentes.
Quando isso acontece e nos sentimos oprimidos pelos deveres diários de nossos ombros, é
porque nos esquecemos de que outro "ombro" compartilha nosso fardo diário conosco, a saber,
Cristo! Ele não quer ser apenas uma parte da nossa vida cotidiana, mas sim o centro dela. Somente
N’Ele podemos encontrar a paz profunda que excede a toda compreensão.
Um dos mais raros de todos os sentidos é o senso comum. O senso comum às vezes é tão
simples que o rejeitamos e junto com ele tudo o que é razoável - até que a experiência nos leve de
volta ao que sempre conhecemos, a saber, o que é verdade e uma boa avaliação. Acima de tudo, isso
deve ser dito sobre a paz que Jesus nos prometeu. A oração é a porta para Jesus. Se tomarmos a
melhor hora do dia, para nos dedicarmos a oração com certeza sempre teremos a porta aberta e pleno
acesso a Cristo e assim desfrutarmos da paz. O senso comum nos diz que quanto mais
responsabilidade temos, mais tempo devemos passar com Cristo em oração, recebendo D’Ele forças
para continuarmos em nossa caminhada.
Entreguemos toda às nossas preocupações a Ele. Os reinos deste mundo serão estabelecidos e
se desintegrarão, mas um reino que durará até o fim dos tempos é o reino do Pai. Jesus nos leva ao
Pai, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis. Diante de todas as necessidades podemos
facilmente perder de vista o essencial. Como é frequentemente o caso, esquecemos que Cristo é o
Senhor da história e que ele nos previu que tudo o que foi criado retornará ao Pai.
Não deixemos que nossos corações se encham de preocupação e medo; em vez disso, vamos
preenchê-lo com confiança em Deus.
Que hoje tomemos a resolução de termos um momento diário para nos comprometermos a
conversarmos com Cristo, creio que podemos começar com 15 minutos.

Oração: Senhor, quão maravilhosa é a vida quando Tu és o centro de todas as coisas. Suas
palavras de paz são tão bem-vindas ao nosso coração. Venha ao nosso coração e encha-nos com o
desejo de buscá-lo a cada dia. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

02 DE MAIO DE 2018

PERMANEÇA EM CRISTO.

Leia João 15: 1 – 11.

“Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês...”. João 15: 4.

Deus sempre cuida dos Seus filhos. Talvez o amor dos pais para com os seus filhos seja o
maior exemplo do amor humano. Pois o relacionamento de amor da mãe ou do pai para com o filho
corresponde ao amor que existe entre as pessoas da Santíssima Trindade. O próprio Cristo refere-se
constantemente ao Pai, sabendo que ele está sempre sob o Seu olhar amoroso e cuidadoso.
Quão diferente é a nossa vida, embora nem sempre percebamos, Deus, o Pai, está sempre de
olho em nós! Do nosso levantar, até o nosso deitar na cama no final do dia, somos alvos do cuidado
do Pai Celestial.
Portanto, um cristão deve ter uma fé tremenda quando a autenticidade de sua fé vivenciada
está sendo testada. É assim que o salmista nos lembra: “Mesmo quando eu andar por um vale de
trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me
protegem”. Salmo 23: 4.
O amor de Deus por Seus filhos é exigente. Saiba o amor não pode ser real se não for exigente.
Como um pai amoroso Ele repreende seus filhos e filhas. Não é fácil inclinar a cabeça e ceder à Sua
vontade. Além disso, quanto mais velhos vamos nos tornando, mais resistimos às condições do seu
amor. Por que resistimos Àquele que sabemos ser um Pai amoroso? Porque nosso coração está cheio
de orgulho e autoconfiança e independência insalubre.
Queremos ser adultos maduros, independentes da liderança do Pai amoroso, nos esquecendo
que sem Sua presença a vida humana não somente produz dor, mas é algo vazio e sem sentido. Assim
como o filho pródigo precisamos recuperar o bom senso e nos deixar guiar ao retorno para o lar, onde
poderemos com certeza perceber a segurança e o amor do Pai bondoso, pois somente N’Ele
encontramos a felicidade duradoura.
Precisamos passar pela Escola do Amor de Deus. Diz o ditado que: “É melhor ter amado e
perdido do que nunca ter amado”. Amar é o que nos torna mais humanos e revela o quanto somos
parecidos com o Pai Celestial. Fomos feitos e somos mantidos pelo Amor do Pai.
Deus nos deixou neste mundo, pois aqui é a nossa escola onde devemos praticar o amor.
Devemos começar com nossos pais e com a família e depois expandir o amor por nossos parentes e
amigos. Ao longo de nossas vidas, temos experiências de amor. Cada vez que abrimos nossos
corações para amar uns aos outros, somos necessariamente livres para amar a nós mesmos; Ao fazer
isso, abraçamos o amor altruísta. Esta é a nossa vocação cristã: amar uns aos outros como Cristo nos
amou. Todo caso de amor nos aproxima do cumprimento de nossa alegria final: o eterno abraço de
nosso Pai Celestial.
Que possamos neste dia expressarmos uma conversa inspirada pelo amor de Deus.

Oração: Senhor independente de nossa idade, possamos nos tornar como crianças e encontramos
em Teus braços o aconchego da paz. Que mesmo diante das dúvidas acreditemos que Tu sempre
estás conosco. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

03 DE MAIO DE 2018

A PORTA DA CONSCIÊNCIA.

Leia João 10: 1 – 10.

“Eu vim para que eles tenham vida e a tenham em abundância”. João 10: 10b

O evangelista João pinta uma imagem do que está acontecendo ao redor do redil, além de
distribuir o papel do Pastor. A parábola, em última análise, coloca a questão: O que é o melhor para
as ovelhas (humanidade)? O que é o melhor para nós? Quem pode realmente nos levar a ter "vida em
abundância"? A resposta parece óbvia; No entanto, Jesus com veemência nos fala do Coração de
Deus. Quantas vezes Deus tem que observar as dúvidas que temos sobre Ele e as agonias que
permitimos adentrar o nosso coração. "Deus não quer que eu seja feliz", Ele ouve as pessoas
sussurrando; "Ele não sabe quão bem isso ou aquilo me faria. Sua oferta é tão irritante".
Um monte de coisas vem para nós todos os dias: fotos, vozes, barulho, ideais, notícias,
perguntas, alegações e muito mais. E nem sempre é tão claro se o que está batendo a porta do nosso
coração é bom ou ruim.
Cristo é a porta. Assim como as ovelhas aprenderam em quem confiar, nosso coração precisa
desenvolver um instinto pelo qual reconheçamos se um pensamento, uma ação ou uma situação é
válida ou não. Tudo àquilo que me impeça de aproximar de forma integral de Cristo, ou contradiga
Suas Palavras isso é “ladrão”, que não produz vida, antes objetiva tirar.
Jesus chama a todos nós “individualmente pelo nome”. O reconhecimento desta verdade na
vida do "cristão" não é apenas formado através do aprendizado de normas e pelo estudo do material
da fé. Nasce de uma relação pessoal com Cristo, onde a nossa consciência passa a ser cristocêntrica,
Ele passa a ser o centro de tudo o que somos, fazemos ou obtemos.
Através da vida de oração, das disciplinas cristãs, poderemos de forma mais clara
reconhecermos que o problema não é o sermos ovelhas, mas se temos reconhecido o Bom Pastor.
Que as nossas escolhas sejam dirigidas por uma visão cristocêntrica.

Oração: Deus, nesta oração, abrimos espaço para a Sua graça. Queremos ter a consciência de
onde o Senhor se encontra e do que está dizendo. Aguce nossa audição e dê à nossa consciência a
capacidade de distinguir sua voz de outras vozes.
ALIMENTO DA FÉ

04 DE MAIO DE 2018

QUEM É JESUS PARA VOCÊ?

Leia Mateus 16: 13 – 20.

“E vocês?", perguntou ele (Jesus). "Quem vocês dizem que eu sou?" Mateus 16: 15.

Quem é Jesus? A maioria das pessoas de nosso tempo considera que Jesus é um grande
homem que deixou ensinamentos muito bons, incluindo o mandamento da caridade. Muitos diriam
que Jesus foi de algum modo iluminado por Deus. Já o fato de que Ele pudesse fazer maravilhas é
algo que causa dúvidas em muitas pessoas.
Para os muçulmanos, Jesus é um dos grandes profetas, que, a propósito, é mais comum no
Alcorão do que Maomé.
Quem é Jesus para você? Se eu abordar essa questão de uma maneira muito pessoal, qual é a
minha resposta? Poderia então, com convicção interior, dizer algo como Pedro: Jesus é o Filho do
Deus vivo!
As Consequências... Se Jesus é verdadeiramente o Filho de Deus para mim, então essa
convicção deve ter um efeito concreto na forma como eu vivo. Meu estilo de vida deve deixar claro
que acredito em Jesus.
Os primeiros cristãos foram reconhecidos acima de tudo pelo alto grau de seu amor e
comprometimento com Cristo. Qual é a minha marca de identificação? Onde na minha forma de viver
acreditar que Jesus é o Filho de Deus, faz a diferença?
Para nos ajudar a responder tais indagações, podemos fazer um exercício muito simples, mas
creio que muito eficaz. Podemos pegar um caderno e em uma das folhas fazermos duas colunas. Na
primeira devo colocar a seguinte pergunta: Como eu viveria se não conhecesse Jesus? Comece a
enumerar as coisas que você poderia fazer ou deixar de fazer se tal questão fosse verdadeira em sua
vida. Na segunda coluna a pergunta seria: O que estou fazendo porque acredito em Jesus? Será que
posso expressar de forma categórica tudo o que tenho feito e que estas ações expressam minha vida
de fé e confiança em Cristo?
Que através da ação do Espírito Santo possamos não somente chegar à conclusão de quem é
Cristo, mas que isto seja uma realidade profunda de uma convicção interior, refletida em todas as
nossas ações: “Jesus Tu és verdadeiramente o filho do Deus vivo, meu Senhor e redentor”.

Oração: Pai Celestial, Tu nos deste o dom da fé. Ilumine os olhos de nossos corações para que
possamos conhecê-lo melhor a cada momento e assim em momento nenhum deixemos que a
dúvida nos impeça de continuarmos a nossa caminhada. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

05 DE MAIO DE 2018

PRECISÃO NO LUGAR ERRADO.

Leia Mateus 23: 13 – 22.

“Cegos! Que é mais importante: a oferta, ou o altar que santifica a oferta? Mateus 23: 19.

Precisamos ter a mente de Cristo, para que possamos viver a cada dia em novidade de vida.
Pois, podemos desenvolver uma comunhão com Deus de forma inadequada.
O que foi tão ruim na maneira como os fariseus praticavam a religião? Foi a sua precisão e
severidade que os tornaram insensíveis, tendo como foco coisas secundárias a meticulosa observância
das coisas exteriores e das muitas prescrições detalhadas, fizeram que ficassem cegos para com o
amor gracioso de Deus refletido a toda vida humana.
Em nossa comunhão também é preciso aprender a olhar as coisas da vida dentro da perspectiva
do olhar de Cristo.
A denúncia que Jesus faz é de que o legalismo dos fariseus, eles passaram a crer mais nos
rituais do que na essência que é Deus. Contentaram-se em recitar frases religiosas, do que manter um
diálogo com o criador. O orgulho tornou o coração destas pessoas, endurecido, exagerado,
idiossincrático (ensimesmados) e cegos.
Quantas vezes a nossa “Precisão” nos afasta da simplicidade que há em Cristo, e passamos a
olhar as pessoas e este mundo, sem os olhos misericordiosos de Deus? Deixamos de crer que não
existe nenhum coração que seja tão difícil que não possa ser tocado e transformado pelo amor do
Senhor Jesus!
Como parte do corpo de Cristo nos constituímos uma Igreja composta de pecadores,
arrependidos, que precisam manter-se assim. Esse é um lado da moeda. Mas a desvantagem é
igualmente verdadeira quando nós pecadores sem arrependimento; somos aqueles que querem visitar,
transformar, até mesmo santificar sem a real presença de Jesus!
Precisamos sempre estar na presença de Cristo, é que através D’Ele tenhamos luz em nossos
corações ao invés da dureza do legalismo. Que a presença do Espírito Santos nos leve a termos os
pensamentos, palavras e ações que transmitam o amor que recebemos do Pai Celestial.
Que possamos perceber quando temos uma atitude farisaica em nós mesmos e desta forma
através da oração e presença do Senhor venhamos a mudar a forma de vermos este mundo e as pessoas
que são alvos do amor de Deus.

Oração: Senhor queremos ouvir o que Tu dizes a nós como Igreja. Suas Palavras produzem uma
qualidade de vida insuperável. Que não haja em nossos corações a arrogância de que sabemos
tudo e não precisamos de mais nada. Conduza-nos sempre em Seu caminho de amor e sabedoria.
ALIMENTO DA FÉ

06 DE MAIO DE 2018

AS APARÊNCIAS ENGANAM.

Leia Mateus 23: 27 – 32.

“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: bonitos por
fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundície”. Mateus 23: 27.

Muitas vezes deixamos de ouvir a voz de Deus para ouvirmos o que outras pessoas dizem e
assim nos afastamos do viver adequado que aprendemos sendo discípulos de Cristo.
Por favor: Fortaleça-nos, Senhor, através do seu Espírito Santo, para que não nos conformemos com
a mente das pessoas, mas vivamos consistentemente da maneira que você disse aos seus discípulos.
Todos nós desejamos ser aceitos e apreciados pelos outros. Se, no entanto, esse desejo nos
levar a prestar atenção apenas à nossa "imagem" e negligenciarmos a essência da vida cristã, como o
amor, a devoção e a nossa comunhão com Cristo, então a vida interior morrerá. E embora
mantenhamos a aparência, o que estará no interior será apenas "ossos, sujeira e decadência".
Qual realmente é o nosso propósito na vida? Jesus nos lembra no texto do Evangelho acima
citado que há uma importância absolutamente essencial em nossa vida interior. Pois do nosso interior
é revelado o quanto realmente desejamos agradar a Deus, e nos tomar a forma de Cristo como modelo
e inspiração para as nossas ações. Revela a quem queremos agradar e se nosso alvo primeiro é o Reino
de Deus. Mateus 6: 33.
Muitas vezes a nossa a nossa devoção é uma coreografia desprovida de essência espiritual.
Nossas orações são discursos vazios ocos de sentido, mas que ocupam muito espaço e não cede lugar
para a vontade soberana de Deus. Como diz um antigo adágio popular: “Lata vazia faz mais barulho.
Balde com pouca água é fácil de tirar do poço”. Que nossos corpos não revelem apenas que somos
“bonecos de barro”, mas Templo do Espírito Santo. Que não sejamos apenas uma embalagem bonita,
mas que revelemos a rica essência que é Cristo em nós.
Que não somente haja preocupação com a exterioridade, mas com a expressão de um conteúdo
renovado, e que se renova todos os dias.
É necessário sermos autênticos, sem nenhuma pretensão de aparência, mas sim do desejo de
sermos bons exemplos, sermos sal e luz em todos os momentos do nosso viver.
Que possamos estar sempre atentos para que a nossa conduta seja condizente com a expressão
da nossa fé. Sendo o nosso falar reflexo do falar interior de Deus e que a forma como vivemos seja
extensão da vida Plena de Cristo.

Oração: Senhor nos dissestes que o nosso sim e o nosso não precisa proceder de um coração
íntegro e sincero. Dê-nos coragem para vivermos desta forma. Continue a nos encher com o Teu
amor para que não venhamos ter vergonha do Evangelho e também para não envergonharmos o
Seu Evangelho. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

07 DE MAIO DE 2018

A CONCRETUDE DO AMOR.

Leia João 15: 9 – 11.

“Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor”. João 15: 9.

Diante das adversidades da vida, muitas vezes o nosso coração parece ficar vazio, frio e
indiferente. Precisamos ser agitados pela ação do Espírito Santo. Que ele derrame o amor em nossos
corações, amor para com Deus, nós mesmos e para com os outros.
O início da criação tem como base o amor de Deus. Tudo começa com o amor de Deus, o
universo, nossas vidas o projeto de salvação. O fato de o Senhor nos amar com tal intensidade revela
que está é Sua essência, e não somente isso, demonstra que Ele deseja que este amor seja presente no
coração de todos os seus filhos e filhas.
Que tipo de amor Jesus espera que tenhamos? Ele não deixa nenhuma margem para dúvidas
quanto a isso. Ele viveu e pautou toda a sua vida em fazer a vontade do Pai e através disto alcançar o
coração das pessoas através do amor. Seu amor não foi seletivo e não dependia das circunstâncias,
pois até mesmo na hora de maior agonia, a morte e morte de cruz, Ele libera perdão para os seus
algozes. Jesus espera que sigamos o seu exemplo, fazer a vontade do Pai e demonstrar amor em todos
os momentos da vida e vivenciar este amor com todas as pessoas que fazem parte dos nossos
relacionamentos. Isso é o amor real, a materialização do amor que se torna em atos concretos e não
apenas palavras vazias e sem sentido. O amor que Jesus demonstrou e nos ensinou é totalmente
diferente do padrão humano.
Os maiores objetivos pelos quais as pessoas são classificadas hoje, passa pela ideia da
meritocracia, produtividade, lucro e sucesso. Jesus tem objetivos diferentes quando nos chama para
guardar os Seus mandamentos, Ele objetiva que estes ensinamentos se tornem em realidade, que
encha os corações e não somente a mente. Pois, quando este amor enche os nossos corações, produz
uma alegria tão profunda que mesmo entristecidos não desmoronamos diante das adversidades,
sabendo que as tempestades da vida são passageiras.
Nestes dias turbulentos ouvimos que existem muitas coisas que são indispensáveis, então
passamos a existir em função da busca de tais coisas. Deixamo-nos enganar por elas, e muitas vezes
de forma inconsciente, acreditamos que elas são mais importantes do que o amor de Deus. Ledo
engano.

Oração: Senhor que possamos demonstrar o nosso amor para contigo através do guardar os Teus
mandamentos. Ajuda-nos a permanecermos sempre contigo, percebendo que Teu amor é muito
mais do mero sentimento, é Tua presença em nós. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

08 DE MAIO DE 2018

ENTENDENDO NOSSO TEMPO.

Leia Êxodo 13: 17 – 18.

"Pois conheço os pensamentos que penso em relação a ti, diz o Senhor, pensamentos de paz, e não
de mal, para te dar um fim esperado". (Jeremias 29:11.

Existe uma ideia de que a vida sem reflexão não vale a pena. Creio que no momento em que
deixamos de pensar a vida e entender seus momentos, nos tornamos vulneráveis ao acaso e
dependentes mais das opiniões de terceiros, o que muitas vezes acrescenta pouco ou quase nada a
nossas vidas.
A vida reflexiva é aquela que possui foco e mantêm a sua integridade, que é pautada pela fé
na pessoa de Cristo, e não se deixa enredar nas teias dos sentimentos e emoções.
Mesmo agindo desta forma, não existem garantias de que não haverá momentos em que não
conseguiremos entender as circunstâncias que nos impede de avançar.
Nestes momentos a nossa reflexão irá nos levar a perceber que Deus é Senhor do tempo e da
vida, e mesmo naqueles momentos em que Ele silencia, não significa que está distante. Então se faz
necessário não se deixar dominar pelas inquietações, mas esperar pacientemente o Kairós, o tempo
de Deus. Serão momentos de ensino que começa com a paciência que nos levará a nos
comprometermos mais com Ele, mesmo quando as dúvidas insistem em aparecer, é o amadurecer da
nossa fé.
Muitas vezes por sermos tão imediatistas, não entendemos o agir de Deus. Temos que entender
que um aspecto do caráter do Senhor é a soberania: “Ele faz o que quer do jeito quer, na hora em
que quer”.
Por exemplo, quando os israelitas deixaram o Egito, o Senhor os enviou para a terra prometida
pelo caminho mais longo (Êxodo 13: 17-18). Enquanto isso, ele os preparou, ensinou e os desafiou a
viver em santidade.
Nestes dias acelerados, queremos que tudo seja feito rapidamente. Mas, às vezes, o plano de
Deus é diferente. Vamos buscar a ajuda do Senhor e aprender a aceitar cada um dos seus momentos,
lembrando que seus planos serão sempre de paz e de bem; como diz a Palavra: “Porque conheço os
pensamentos que penso em ti, diz o Senhor, pensamentos de paz e não de mal, para te dar o fim
que esperas”.

Oração: Senhor ajuda-nos a aceitar e entender os momentos da vida, de acordo com os teus planos
e não os nossos. Que nos momentos em que as dúvidas aparecerem, possamos parar e ouvir a Sua
voz, confiando que independente das circunstâncias nós já somos mais do que vencedores por
intermédio de Cristo. Amém
ALIMENTO DA FÉ

09 DE MAIO DE 2018

A QUALIDADE DA COLHEITA.

Leia João 15: 1 – 8.

“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor”. João 15:1.

O apóstolo Paulo afirma que nos últimos dias haveriam homens arrogante e amantes de si
mesmos. Creio que estamos vivendo neste tempo. Então indagamos: Será que temos o desejo de
sermos realmente humildes, seguindo o exemplo de Cristo? Temos buscado D’Ele a clareza e o
discernimento para entendermos e colocarmos em prática as Suas Palavras. Estamos dispostos a
deixarmos de lado todas as distrações que pode nos manter longe do Senhor?
Que em todo o momento tenhamos a força e a coragem de percorrer o caminho proposto por
Deus, ao invés de seguirmos a nossas próprias vontades, baseados em sentimentos desprovidos da
sabedoria dos altos céus.
No texto do Evangelho de João no capítulo 15, aparece a comparação da vida cristã com a
videira. A imagem da videira com seu viticultor, que o apóstolo descreve aqui, é muito vívida. Quem
sabe um pouco sobre isso, ou possa ter visitado uma vinha antes, sabe o quão difícil é cuidar de cada
videira, a fim de trazer bons frutos. Cada cacho de uva é único e importante. Jesus nos apresenta o
Pai como sendo o agricultor que cuida da videira, que limpa os ramos, poda-os. Tudo isto para que
no final ricas frutas possam ser colhidas.
Mas, até este processo acontecer é preciso que o fruto se mantenha saudável. A única forma
proposta por Cristo para manter a saúde do fruto é a permanência na videira. Trazendo para a via
cristã, a única forma de sermos saudáveis é permanecermos unidos com o Senhor, através de um
discipulado que não seja apenas coreografia religiosa, mas reflexo do nosso andar como Ele andou,
e nos santificarmos assim como Ele é Santo. Se nos separarmos D’Ele não apenas não iremos
frutificar, como também em nada contribuiremos na hora da colheita.
O que é reconfortante é que, se permanecermos N’Ele, existirá a possibilidade de vivermos
de forma harmoniosa e confiante, sabendo que Ele cuidará de tudo o que for necessário para o nosso
crescimento, mesmo que alguns galhos dos nossos maus hábitos precisem ser podados.
O produto final é a produção de vinho. Vinho é símbolo de alegria, comunhão e expressão
maior do significado do sangue de Cristo que não somente nos purifica, mas abre o novo e vivo
caminho, para caminharmos em segurança mesmo diante das inseguranças deste mundo.
Devemos nos perguntar: Estamos produzindo frutos maduros, bons e saudáveis na vinha do
Senhor? Deus está sempre em nós, Ele vive em nossos corações, mas estamos permanecendo
diariamente N’Ele?

Oração: Senhor obrigado pelo Teu amor e cuidado. Que sejamos nutridos e sustentados como
ramos da videira e assim produzirmos frutos que glorifiquem o Seu nome. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

10 DE MAIO DE 2018

AMOR RELACIONAL.

Leia João 14: 21 – 26.

“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama
será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele”. João 14:21.

Quando lemos os evangelhos que descreve o relacionamento do Mestre com os Seus


discípulos, percebemos a Sua fidelidade e amor. Isto deve nos inspirar a mantermos para com Ele a
nossa lealdade e amor, pois em muitos momentos falhamos de forma miserável. Precisamos renovar
a nossa confiança e amor para com o Senhor a cada momento. Para isso não solte das mãos do Mestre
da Galileia.
No Princípio era o verbo... Nossa Meditação não tem como objetivo falar apenas sobre
mandamentos, mas do nosso relacionamento com Àquele para quem os mandamentos apontam.
Jesus é a Palavra de Deus que toma forma e traz sentido ao coração humano. Que sendo um
com o Pai revela para nós, Sua essência e intenção de manter com as pessoas um relacionamento,
tendo como base o amor.
Deus não apenas demonstra as qualidades do Filho, como também traz a ideia Ele ser o
mediador. Se lermos o texto com muito cuidado, perceberemos que Jesus e o Pai são um. Então todos
devemos unirmo-nos a Ele através da fé, então poderemos ter uma percepção muito maior e melhor
das coisas concernentes a vida espiritual. Através da ação do Espírito Santo nos ajudando trilharemos
a caminhada do discipulado com mais seriedade e disposição em cumprir a vontade de Deus, movidos
por amor.
Lemos no livro de Hebreus que: “A fé é a firmeza daquilo que se espera a convicção de coisas
que não se vê". Jesus fala da Palavra de Deus e dos mandamentos que devemos seguir e obedecer.
Podemos ler a Palavra de Deus quando abrimos a Bíblia. Tudo está lá, preto no branco. Nós lemos
isso. Mas isso é suficiente? Nós fechamos a Bíblia e depois? Acreditamos no que estamos lendo?
Pensamos que Deus sempre nos ama, que Ele está sempre lá, mesmo quando caímos? Se acreditarmos
em tudo isso, nosso maior desejo deverá ser viver de acordo com essa crença, construindo um
relacionamento vivo com Deus.
Nós O amamos porque Ele nos amou primeiro. Quem ama, entra em um relacionamento com
Ele. Assim é com Deus. Deus nos amou antes de nascermos. Ele nos ama de eternidade a eternidade.
Se quisermos retribuir Seu amor do fundo do nosso coração, então seremos fieis a Ele, ouvindo sua
Palavra, guardando Seus mandamentos; porque tudo o que Ele diz é o melhor para nossas vidas.
Nosso amor deve ser puro, desinteressado. Muitas vezes vai doer muito porque Deus purificará a
forma que nosso amor toma. Quanto mais semelhante nosso amor se torna semelhante ao amor de
Deus, mais crescerá em nós o anseio de nos entregar inteiramente a Ele e ao nosso próximo.

Oração: Jesus que possamos permanecer apaixonados por Ti, não importando quão grandes sejam
os desafios que enfrentamos. Purifique meu coração para que nossas ações possam se tornar
sinceras, desinteressadas e não intencionais. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

11 DE MAIO DE 2018

RETORNO.

Leia João 14: 27 – 31.

“Ouvistes que eu vos disse: Vou, e venho para vós. Se me amásseis, certamente exultaríeis
porque eu disse: Vou para o Pai; porque meu Pai é maior do que eu”. João 14:28.

Este é a última parte do discurso de despedida de Jesus aos Seus discípulos. A hora de ir estava
chegando. Cremos, porém que há outros destinatários para estas Palavras de Jesus. São para todos os
cristãos, cuja fé deve ser aprofundada e desenvolvida, para que eles continuem crendo, mesmo quando
não “sentem” a presença de Jesus. Que entendam que Àquele que disse que iria é o mesmo que
retornou em Espírito e Verdade, para nos ajudar em nossa caminhada e continuar revelando o amor
do Pai aos nossos corações.
Jesus precisava ir até o final de Seu compromisso, a morte e morte de cruz. Muitos cristãos
não consegue ler todo o texto do evangelho, pois fazem leitura seletiva. O mesmo Jesus que disse que
iria, anuncia que não estaremos sozinhos, Ele enviaria o Espírito Santo, que tem como finalidade
primeira nos guiar a toda Verdade, a Verdade que é Cristo. Então a certeza de que podemos deixar
de ter o coração atribulado e mantermos a paz e crer no retorno de Jesus é algo real e não uma ilusão.
Isto produz esperança ao coração dos discípulos de ontem e de todos os tempos.
Todos ansiamos pela paz, mas até que ponto sentimos que a paz está longe de nós? Para muitos
Jesus às vezes parece estar em um lugar distante, e por isso aparece a “saudade”. Precisamos da Paz
que gera cura e afasta as falsas percepções.
Ele não deixará os nossos corações desanimados e perturbados. Essa paz, a paz de Cristo, é
seu presente na Sua presença, Seu legado para nós. Deus nos deu Jesus como Sua paz. Ele está sempre
entre nós, os que cremos, podemos descobri-lo, segui-lo, independente dos momentos e dos
sentimentos que muitas vezes procuram gerar duvidas em nossos corações.

Oração: Jesus queremos estar contigo, sentar-se aos Seus pés, ouvi-lo. Que Suas palavras ilumine
nossas vidas, dissipando todo o receio, aqueça nosso coração e sacie o nosso desejo pela Tua Paz.
Amém.
ALIMENTO DA FÉ

12 DE MAIO DE 2018

JESUS: O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA.

Leia João 14: 6 – 14.

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”.
João 14:6.

Jesus fez a melhor oferta para a nossa vida. Se andarmos por Ele, que é o Caminho e o
conhecermos como A Verdade, nos dirigiremos rumo ao coração do Pai que é a essência da vida
humana. Cristo em Sua presença nos traz uma visão mais profunda e transformadora da vida,
mostrando sempre o Caminho mais excelente.
Porém, para que isto aconteça precisamos andar de mãos dadas com o Mestre. Ele não disse
que “mostraria” para nós o caminho certo, ou “conheço’ o caminho certo para o Pai. Sua afirmação
é: “EU SOU O CAMINHO”. Com está declaração Ele responde claramente sobre a questão da
salvação. Ele é o único caminho que nos levará para perto do coração do Pai. A única ponte segura
que nos ajudará a sairmos das trevas para o Reino da Luz. A única segurança que temos da
possibilidade de um relacionamento vivo e real com Deus, o criador e sustentador da vida. Desta
forma nunca estaremos sozinhos, pois o caminho é Cristo.
Jesus se revela como sendo a Verdade. Ele não dá uma palestra sobre a verdade. Ele afirma:
“Eu Sou a verdade”. Ao se declarar como sendo a verdade Jesus se revela como Deus. N’Ele a verdade
sobre Deus torna-se tangível, visível e reconhecível. Ela ganhou um rosto N’Ele. Ele é, por assim
dizer, a verdade encarnada sobre Deus. A este respeito, a mais alta verdade não é aprendida, educada
ou treinada por si mesma, mas é um presente na pessoa de Jesus Cristo. Ele quer ser a nossa verdade.
Todo o ser humano com exceção de Jesus nasceu tendo engendrado em si o pecado original.
Para nos resgatar desta tragédia o Mestre entrega Sua vida para que pudéssemos receber uma nova
vida através da fé N’Ele. Nova vida significa uma vida espiritual. Trata-se de aceitar N’Ele uma nova
identidade: Cristo. O Eu Sou precioso, redimido e justificado. Jesus Cristo quer ser nossa vida. Não
há nada maior que isso! É pura graça, favor imerecido, não merecemos.

Oração: Jesus, quantas vezes somos infiéis e egoístas? O Senhor nos dá vida todos os dias, e
quantas não reconhecemos isto. Tão somente porque queremos andar pelos nossos próprios
caminhos e fazer a nossa vontade. Por favor, nos perdoe!
ALIMENTO DA FÉ

13 DE MAIO DE 2018

O QUANTO AMAMOS?

Leia João 15: 12 – 17.

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei”. João
15:12.
Cremos que o amor é o caminho mais excelente proposto por Cristo. No final da nossa vida,
uma única pergunta que Deus nos fará será a mais importante. Ele perguntara: “O quanto nós
amamos?” Ele não perguntará: “Quanto tempo oramos, quantos cultos participamos e a quanto
encontros fomos”. Mas, “O quanto amamos, a Deus, nós mesmo e ao nosso próximo. Entendendo
que o “próximo” pode ser entendido como sendo àquele que é diferentes de nós.
Em face do caminho difícil que Jesus estava trilhando, Ele diz a seus discípulos que não há
amor maior do que quando alguém dá a vida por seus amigos. Jesus já não chama seus discípulos
servos, Ele declara que os 12 são Seus amigos. Continua dizendo que os escolheu e não o contrário.
Ele os escolheu para dar frutos, ele tem grande fé neles e em seus seguidores. Sim, ele confia muito
neles e, ao mesmo tempo, garante a ajuda do Pai. Cremos que está foi uma grande expressão de
apreciação, motivação e amor por parte de Jesus, mesmo vivendo um momento existencial muito
complicado, sabendo que a morte era o final de Sua caminhada.
Sempre há em nós o desejo de amar. Desejamos amar nossos filhos, esposo, esposa ou quem
sabe alguma outra pessoa que “achamos legal”. Mas e àqueles “casos difíceis”? Não é fácil, pois para
exercitarmos o amor assim como Cristo é preciso abrir mãos dos nossos conceitos e preconceitos. O
verdadeiro amor é custoso, sendo um golpe ao nosso egoísmo. Jesus nos diz claramente: "Amem uns
aos outros como Eu Vos amei".
Isto é, Ele se entregou Sua vida, deixou ser morto por amor a nós. Ele deu tudo! Se realmente
decidirmos segui-lo, devemos inevitavelmente matar nosso amor-próprio. Para amar uma pessoa que
pode ter nos machucado, achamos muito difícil. Portanto, é importante que estejamos sempre
conscientes de ver Jesus em cada pessoa, este é um passo precioso que podemos dar. E nosso Pai
Celestial nos ajudará se pedirmos a Ele.
Para termos está qualidade de amor se faz necessário abrir mão do nosso amor próprio. É
preciso pedir a Cristo que nossos corações possa se expandir e preenchido com o amor Celestial, que
nos possibilite estender a mão ajudando nosso próximo e pedir perdão quando necessário para a
preservação deste amor.

Oração: Jesus sabemos que fomos completamente e incondicionalmente aceito e amado por Ti.
Somente o Senhor pode continuar a satisfazer o anseio do nosso coração por esse amor. Que não
somente sejamos realizados por este amor, mas que o amor seja a inspiração para todas as nossas
ações diárias. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

14 DE MAIO DE 2018

ODIADOS PELO MUNDO.

Leia João 15: 18 – 21.

“Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim". João 15:18.

Qual o relacionamento mais importante na nossa vida? No início de Seus ensinamentos, Jesus
fala sobe o nosso relacionamento com Ele. Ele nos escolheu, nós pertencemos a Ele. Este deve ser o
relacionamento mais importante e intenso em nossas vidas. Nada é mais importante do que estar em
Sua presença, ligado a Ele, da mesma forma que os ramos estão ligados a videira. Assim, podemos
dar frutos como cristãos e prosseguir mesmo diante dos rancores e ódios deste mundo, que se opõe
diretamente a uma vida de amor.
Assim como o amor a questão de fé não é algo privado, precisamos uns dos outros para sermos
fortes. Como cristãos caminhamos juntos em Amor é Fé. Comunitariamente como corpo de Cristo
somos mais fortes e podemos expressar com mais vigor o amor, mesmo diante das pressões egoísticas
deste sistema que jaz no maligno.
Como cristãos devemos nos importar uns com os outros e nos renovarmos diariamente com o
amor de Deus. Os que agem e querem viver de forma individualista, dificilmente pode defender-se
contra o ódio deste mundo. Somente onde mostramos realmente esse amor será possível suportar a
rejeição do mundo do qual Jesus fala.
É preciso compreender está profunda mensagem de Cristo. "Ódio" na verdade significa
"perseguir com ódio". Assim como Saulo costumava perseguir os discípulos para matá-los, os cristãos
são perseguidos hoje e mortos por sua fé.
Aquele que caminha com Cristo vive em liberdade por conhecer a Verdade. O mundo não
quer ser confrontado com a Verdade porque é desconfortável ou exige sacrifício, um golpe à vida
egoísta daqueles que são amantes de si mesmos.
Não devemos nos desesperar quando nos deparamos com rejeição ou ódio, porque então
saberemos com certeza: nós vivemos neste mundo, mas não somos deste mundo, pois nós
pertencemos ao Pai, que está no céu, que nos ama, e para o qual estamos autorizados a voltar. Essa
compreensão deve ser um grande conforto para nós.
Devemos ser gratos a Cristo por conhecê-lo, sermos Seus discípulos. Dizer o quanto é bom
podermos desfrutar de Sua presença, ouvi-Lo, sendo fortalecidos e motivados a continuar a
compartilhar a mensagem deste amor, mesmo neste mundo trevoso. Que possamos repartir com as
outras pessoas o quanto nossa Fé N’Ele nos preenche e nos cura.

Oração: Jesus estamos em Tua presença para aprender com o seu amor. Que Seu amor seja o
nosso mais alto padrão de vida. Preencha-nos, para que sejamos um canal do Seu amor.
Fortalecendo-nos a enfrentar o ódio deste mundo através do Teu amor que é derramado em nosso
corações, através do Espírito Santo. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

15 DE MAIO DE 2018

A VOZ E OUTRAS VOZES.

Leia João 10: 11 – 18.

“Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido”. João 10:14.

Existem muitas vozes que ecoam nestes dias, mas precisamos aprender a ouvir a voz de Jesus,
de forma clara e atenciosa, para assim obtermos a direção que tanto precisamos.
Sim existe muitas vozes em nossa vida diária. A voz do lobo, do mercenário da minha própria
consciência que não deixa arranhar meu orgulho e insiste em uma auto justificação. É lógico que está
voz soa mais agradável, pois se de um lado não queremos parecer maus, por outro gostamos da
conveniência de mantermos a nossas certezas mesmo que sejam incoerentes.
Mas quando procuramos com esmero fazer a distinção destas vozes, com a intuição de um
coração convertido – passamos a ver que, a longo prazo, seguir essas vozes, e não a voz de Cristo nos
destrói e também aos outros, pois perpetua a justiça própria em vez da verdade que liberta e traz a
reconciliação.
Dentre as vozes, Jesus nos diz que existe a do mercenário, àquele que faz as coisas desde que
lhe traga proveito próprio. Este quando chega o perigo abandona as ovelhas e foge, As ovelhas podem
ouvi-lo, porém não confiar. Na voz de Jesus, podemos confiar cem por cento e confiar N’Ele
completamente. Ele nunca nos decepcionará.
Acreditar nisso é muitas vezes muito difícil, especialmente porque, na vida espiritual
progressiva, muitos momentos de escuridão ou dor no coração insistem em aparecer, o que causa
resistência interior. Mas quando aprendemos que a voz interior é a voz de Deus, Sua graça nos
ajudará. Seremos sustentados por Suas mão de poder, mesmo que pareça que Ele tenha nos
abandonado. Desta forma não cedermos às vozes que tentam nos levar descrer neste momento, então
não ficaremos desapontados.
Já lemos muitas vezes sobre o rebanho de ovelhas, que são guiados de um lugar para o outro,
para encontrarem pastagem. Assim que o pastor se aproxima do rebanho, as ovelhas levantam a
cabeça e correm em direção a ele. Enquanto caminhantes que estão muito mais perto do rebanho do
que o pastor, não provocam nenhuma reação nas ovelhas. As ovelhas gostam de seus pastores e por
isso se aproximam dele. Temos que nos perguntar: “Como reagimos à voz de Jesus”; “Posso
distinguir a voz do Bom Pastor, das outras muitas vozes que estão soando por aí”.
Que em nossas vidas Jesus seja o Bom Pastor e que nós como ovelhas do Seu pastoreio
possamos estar atentos ao Seu falar e com alegria abrirmos o nosso coração a Ele. Que observemos a
cada dia quais são as vozes que nos fazem agir.

Oração: Jesus, Tu nos conhece por completo. Conhecemos ao Senhor, mas confessamos que
muitas vezes deixamos de ouvi-lo, e por isso duvidamos. Que a cada momento possamos reconhecer
Seu falar e obedecer. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

16 DE MAIO DE 2018

CÉU E VIDA ABUNDANTE.

Leia João 10: 1 – 10.

“... Eu vim para que tenha vida e tenham em abundância”. João 10:10b.

Jesus diz que Ele é a porta. É óbvio que você pode entrar na casa por uma porta ou sair de
casa. Uma porta aberta é um sinal de boas-vindas; uma porta fechada nos convida a bater. "Eu sou a
porta; quem entrar por mim será salvo! "Essa declaração é ainda mais profunda: não se trata da entrada
em uma casa comum, é sobre a salvação. Sem Jesus, sem salvação. Eu tenho que "passar por Ele"
para ganhar a salvação. Sem Jesus, sem céu! Em Jesus encontramos nosso real propósito, N’Ele
podemos descansar. Ele é nosso destino.
Ele afirma que todos os que vieram antes D’Ele e prometeram redenção ao homem são ladrões
e salteadores. Eles não trouxeram salvação. Eles não queriam ajudar realmente as pessoas. O ladrão
procura enriquecer-se; ele rouba, tira a vida. Jesus, por outro lado, tem boas coisas em mente. Será
que não existe ladrões em nossa vida que poderiam nos separar do céu? Que nos tiram do nosso
destino final?
"Eu vim para que tenham vida e vida em abundância". Através do pecado original estávamos
mortos, havia trevas em nossos corações.
Nas Crônicas de Nárnia, A Viagem do Amanhecer, há uma cena com a personagem Lucy, que
está diante do espelho e deseja ser como sua irmã mais velha. Quanto mais ela se olha no espelho,
mais cresce nela o ciúme e a inveja. Neste momento é descrito que uma névoa cinzenta se ergue no
ambiente da cabana. Podemos comparar esta névoa cinzenta como sendo a imagem da escuridão
quando o coração do ser humano não se contenta consigo mesmo, e com a forma que lhe foi dada
pelo criador e passa a invejar e desejar ser como o criador, não em paridade, mas em igualdade.
Jesus veio para tirar o poder do mal dos corações. Ele nos dá a vida. Não só isso, Ele nos dá
em abundância. O que isso significa? A vida na medida completa. Nunca mais ficaremos sem conforto
em nossa vida – poderemos ir para o céu, onde Deus enxugará toda lágrima.
Que bom que somos aceitos por Cristo e cuidados sempre em amor. Não podemos esquecer
que temos um destino. Começa com a Vida Abundante aqui e termina lá no céu na presença de Cristo.

Oração: Que possamos ouvir as Palavras de Jesus e adentrarmos pela porta e assim encontrarmos
em Sua presença tudo àquilo que precisamos para viver e gostar da vida. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

17 DE MAIO DE 2018

JESUS.

Leia João 10: 22 – 30.

“Eu e o Pai somos um". João 10:30.

Neste texto lemos que Jesus caminha pelo Pórtico de Salomão. Este Pórtico era um hall de
entrada que fica no lado sul do templo. Provavelmente neste momento Jesus estaria sentindo frio,
pois era inverno nesta época. Com esta simples reflexão queremos dizer sobre a humanidade de Jesus.
Jesus Cristo sente frio como nós. Não somente o frio, o Mestre sente as “temperaturas” das relações
humanas. O frio que é causado pela dureza dos corações que se fecham em suas próprias opiniões.
Apesar da frieza que Jesus estava sentindo, Ele não deixa de demonstrar o calor de Seu amor
para com àqueles que não tinham nenhuma consideração por Ele.
Os Judeus o cercam e o questiona: “Os judeus reuniram-se ao redor dele e perguntaram:
"Até quando nos deixará em suspense? Se é você o Cristo, diga-nos abertamente". João 10:24
Jesus estava sendo assediado por todos os lados. Eles certamente, queriam uma resposta clara
a respeito deste assunto. Na verdade, seria muito simples, mas também está claro para Jesus que o
povo judeu está esperando um Messias diferente do que Ele é.
Eles estão procurando alguém para libertá-los dos romanos e trazê-los de volta aos dias de
glória do rei Davi e Salomão. "O meu reino não é deste mundo" (Jo 18: 36).
Através de parábolas e muitas palavras, Jesus tenta explicar ao seu povo quem Ele é e por que
ele veio. "Mesmo antes de Abraão, eu sou!" (João 8:58)
Jesus não pode expressar-se de forma mais clara a fim de testificar que Ele próprio é Deus,
que veio em forma humana para nos redimir. "Eu sou o bom pastor ..." (Jo 10: 11). Contudo, Jesus
não desiste e explica aos judeus: "Eu e o Pai somos um". Isso significa: Eu sou o Seu Deus e quero
enxugar cada lágrima do seu rosto e amá-los para sempre. "Lhes darei a Vida Eterna".
“Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha
mão”. João 10:28. Que declaração maravilhosa e profunda! Quando nós entregamos inteiramente
tudo o que temos e somos nas mãos do Mestre, permaneceremos seguros em Suas fortes mãos. Ele
nos defenderá de todo o mal, segurará de maneira firme se algo quiser nos separar D’Ele, sustentará
as nossas vidas se viermos a cair. Resumindo, nada pode nos separar realmente deste amor que está
em Cristo Jesus. Por sermos compreendidos por Cristo, passamos a compreendermos a nós mesmos
e aos outros.

Oração: Senhor que possamos reconhecer Sua presença em todos os momentos. Que nossos
sentimentos, pensamentos sejam voltados inteiramente para Ti. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

18 DE MAIO DE 2018

“EM MEU NOME”.

Leia Marcos 16: 15 – 20.

“Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome...”. Marcos 16: 17.

“Preguem o Evangelho”! O que é Evangelho? Evangelho é a Boa Notícia do amor de Deus


para com a humanidade. É falar de Cristo que veio a este mundo, entregando Sua vida, através da
morte na cruz e vencendo a morte através da ressurreição. Será que temos compreendido o Evangelho
de Deus? Estas Boas Novas tem produzido alegria ao nosso coração? Será que não temos ouvido
demais e vivido de menos, que nos acostumamos a ouvir tantos “evangelhos”, que deixamos de
perceber a simplicidade do “EVANGELHO” de Cristo. Será que temos percebido que as Boas Novas
fala sobre salvação? A palavra salvação em grego “SOZO” traz a ideia de obtermos através da obra
de Deus, tudo àquilo que for necessário para vivermos o aqui e agora e a preparação para vivermos o
lá e o depois (eternidade).
Por isso somos desafiados a anunciar as Boas Novas. Como poderíamos ser egoístas e guardar
isto somente para nós mesmos? Se agirmos desta forma de maneira indireta estamos declarando que
não queremos que ninguém mais, tenha a possibilidade e a oportunidade adentre a salvação e
posteriormente a vida eterna. Estaremos condenando as pessoas a viverem a vida sem um propósito.
Nestes dias em que o materialismo parece imperar ficamos como que constrangidos em falar
de vida após a morte, das coisas sobrenaturais. Não queremos parecer loucos ou desprovidos de
inteligência, por isso, precisamos não somente ter fé, mas também a coragem de mantê-la, apesar das
circunstâncias. Precisamos ter a confiança para indo, pregar o Evangelho. Anunciar através de atos e
palavras que Deus é amor, e preparou para nós a eternidade, um lugar chamado céu.
Em meu nome... "Em meu nome, eles expulsarão demônios; eles falarão em novas línguas;
se tocarem em cobras ou beberem veneno mortal, isso não os ferirá; e os enfermos em quem puserem
as mãos se recuperarão". Não queremos ressaltar aqui algumas dessas ações em particular, mas quem
nos autoriza e garante que isto seja possível. O próprio nome de Jesus está comprometido, avalizando
que tudo isto é possível. Será que acreditamos N’Ele? Tendo como base a autoridade do Seu nome,
estou disposto a exercitar a fé? A certeza que temos através destas Palavras é que em nome de Jesus
podemos derrotar o mal, experimentarmos o sobrenatural e continuarmos nossa caminhada rumo a
eternidade.

Oração: Senhor nos ajude a sempre crermos em Ti e esperarmos no Teu amor. Que possamos
compartilhar da vida sobrenatural e em Seu nome cooperar para salvação do mundo (pessoas que
estão ao nosso redor”. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

19 DE MAIO DE 2018

“LAVA-PÉS”.

Leia João 13: 16 – 20.

“Pois bem, se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés, vocês também devem lavar
os pés uns dos outros”. João 13: 14.

Neste texto João descreve um dos momentos mais significativos do ministério de Jesus, o
“Lava Pés”. Lavar os pés dos discípulos não somente revela o coração de servo de Cristo, como
demonstra o Seu desejo de se identificar com as pessoas de igual para igual “nenhum escravo é maior
que seu senhor”.
Jesus poderia ter reivindicado Sua superioridade diante dos discípulos e subjugá-los ao Seu
bel prazer, porém Ele abre mão desta prerrogativa e se coloca como exemplo a ser seguido.
“Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as praticarem". Jesus nos desafia a
fazermos o mesmo para com as pessoas que nos cercam. Porém queremos destacar aqui que não é
apenas fazer o que Ele fez e sim fazer “como” foi feito. Aqui não é apenas uma questão de semântica
e sim de intenção da ação. Podemos lavar os pés como as mais variadas intenção, uma delas é como
pretexto de humildade. Podemos ter os gestos desprovidos da intenção de servir. Então este momento
passa a ser mais uma encenação do que real demonstração de humildade e desejo de ser como Jesus.
Em seu comentário sobre esta passagem Bíblica, Barclay nos diz que a lavagem dos pés era a
cerimônia que precedia a entrada à casa a qual as pessoas eram convidadas. Ao fazermos “como”
Jesus, estamos estendendo a possibilidade do entrar na “casa do Pai” para muitas pessoas.
Estamos dispostos a lavar aos pés daqueles que fazem parte do nosso convívio. E através deste
gesto demonstrar que somos enviados por Cristo e desejamos fazer Sua vontade. Será que temos sido
benção na vida das outras pessoas? Temos sido compassivos?
"Não estou me referindo a todos vocês”. Ao se referir desta forma cremos que não foi
somente para Judas. Jesus está ciente de que nem todos terão a graça de viver o amor da vida e fazer
o bem, de crescer além de si mesmos e de se reconciliarem. Infelizmente, há também os lados escuros
em nossos corações que impedem tudo isso. Há também o mal que quer impedir.
Que o amor de Cristo nos impeça de nos envolver com tudo àquilo que O desagrada e
resistirmos ao mal e demonstrar, fazendo “como” Ele fez.

Oração: Senhor muitas vezes fazemos as coisas da vida cristã apenas como uma coreografia
desprovida da essência que é o amor. Que assim “como” nos fizestes possamos fazer o bem para
os outros. Que ao lavarmos os pés uns dos outros, possamos ser limpos de todos os sentimentos que
impede de sermos humildes.
ALIMENTO DA FÉ

20 DE MAIO DE 2018

“CAMINHO, VERDADE E VIDA”.

Leia João 14: 1 – 14.

“Jesus respondeu: "Você não me conhece, Filipe, mesmo depois de eu ter estado com vocês
durante tanto tempo? Quem me vê, vê o Pai. Como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’? João
14: 9.

Precisamos da graça de Deus para podermos entender e participar da vida divina e a cada dia
conhecê-Lo melhor, como o verdadeiro caminho, profunda e absoluta verdade e vida real.
Como o verdadeiro caminho Cristo prepara um lugar para nós. Por não termos intimidade com
Ele, e em muitos momentos duvidarmos, nosso coração passa a se perturbar e entristecer.
Como Tomé muitas vezes dizemos ao Senhor: "Senhor, não sabemos para onde vais; como
então podemos saber o caminho?”. Isto se deve ao fato de não passarmos por uma quebra de
paradigmas. Queremos entender e conhecer a Deus dentro da nossa limitada capacidade. Não
compreendemos que Deus é maior e muito diferente do que a nossa lógica concebe. Como dizia um
autor: “Quando pensamos que Deus é um, Ele já é outro”. Em outras palavras: Deus é tão maior e
intenso que somente podemos chegar a conhece-Lo através de Cristo, o verbo que virou gente, e se
tornou o caminho.
Através deste caminho que é Cristo, passamos a ter a possibilidade de retornarmos ao convívio
com o Pai Celestial. “Estou voltando para meu Pai e Pai de vocês, para meu Deus e Deus de vocês".
João 20: 17.
Podemos conhecer a Cristo como verdade profunda e absoluta. Então não precisaremos
perguntar como Pilatos: “Que é a verdade”. João 18: 38.
Na história da filosofia, ética e moralidade, essa questão é repetidamente levantada. Por
exemplo, fala-se de uma verdade absoluta, de uma verdade subjetiva ou objetiva. Jesus é a verdade
em pessoa - nele encontramos toda a verdade. Isso significa que ninguém na terra tem a verdade
perfeita e estamos todos no "caminho" de entender a verdade. Em Jesus, encontramos a profunda,
absoluta e a mais perfeita verdade. O que isso significa para nossa vida? Que podemos nos apegar a
Jesus com toda a fé e esperança. Colocar em Suas mãos toda a nossa vida, e viver em plena liberdade.
“E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará". João 8: 32.
Vida real. Em Jesus podemos encontrar a vida que tanto nossa alma anseia. O viver e gostar
da vida, tendo significância e objetividade. Isto por que neste momento temos condições de andar
pelo caminho que nos leva até o nosso criador. Àquele que conhece todos os nossos dilemas e
angústias. Que tem o desejo e o poder de transformar nosso viver neste mundo e preparar-nos para a
eternidade. A vida eterna que é um dom inimaginavelmente grande.
Que diariamente sejamos agradecidos a Deus, por nos ter sido mostrado através de Cristo, o
Caminho a Verdade e a Vida. Isto nos capacitará a vencermos os momentos sombrios e continuarmos
nossa caminhada.

Oração: Senhor que através da presença do Espírito Santo, do Seu poder e doçura, sejamos
iluminados em nossos corações, pois sem Ti não conseguiremos entender nem perceber, muito
menos compreende-Lo como o caminho a verdade e vida. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

21 DE MAIO DE 2018

MEU PAI.

Leia João 14: 7 – 14.

“Disse Filipe: "Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta". João 14: 8

Pai nosso que estás no céu...


A doutrina da Trindade percorreu já vários séculos. Foi uma tentativa de tentar explicar o que
é inexplicável, mas que de certa forma nos dá uma compreensão do quão profundo é a essência de
Deus o Pai.
Percebemos que existe uma unidade essencial entre Deus, o Pai, Deus o Filho, e Deus o
Espírito Santo, é irrestrita, embora todos os três sejam pessoas distintas. Isto não é fácil de entender.
"Você não acredita que eu estou no Pai e que o Pai está em mim?". Jesus tenta resumir em pobres
palavras humanas o que significa para Ele como o Filho de Deus, em unidade e harmonia com o Pai
(e agora também nosso Pai) Através de sua humanidade Jesus nos mostrou a face do Pai. E através
da pessoa de Cristo o Pai realiza a Sua obra de salvação, trazendo vida e vida Plena.
Jesus nos leva ao Pai. “Ninguém vem ao Pai”. A expressão “vem” é do verbo vir e não do
“ir”. Isto significa que Cristo é Deus, e quando O encontramos podemos contemplar a face do Pai.
Através das Palavras e Ações do Mestre, reconhecemos que pertencemos a família de Deus,
pois o abismo que existia pode ser transposto através da cruz. Estamos curados por causa das feridas
do Senhor e restaurados pelo poder da ressurreição.
A ação do Espírito Santo e de nos guiar e nos ajudar a permanecermos na presença do Pai. Ele
nos guia a toda a verdade que é Jesus. O Espírito Santo nos faz procurar pelo meu Pai, trabalha em
nossos pensamentos, no coração e na nossa alma, produzindo a realidade da filiação, a certeza de que
pertencemos inteiramente a Deus. Ele traz para nós a possibilidade da vivermos de modo
sobrenatural, crescermos na graça e conhecimento de Cristo.

Oração; Obrigado Jesus, pois através de Ti podemos ver e desfrutar da presença do Pai. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

22 DE MAIO DE 2018

INCONSISTÊNCIA DA FÉ.

Leia João 14: 7 – 14.

“Jesus lhes disse: "Venham comer". Nenhum dos discípulos tinha coragem de lhe perguntar:
"Quem és tu? " Sabiam que era o Senhor. João 21: 12.

Jesus após a ressurreição tem um encontro com os discípulos. Para estes homens foi algo
inesperado, pois pensavam que o Mestre estava morto, por isso retornaram a sua antiga atividade, a
pesca.
João o discípulo amado descreve que esta não é a primeira vez que Jesus aparece após vencer
a morte. Já havia notícias e um bom grupo dos seguidores de Cristo já o haviam visto. Porém,
percebemos a inconsistência da fé ao ver os discípulos retornando aos seus afazeres, embora tivessem
o conhecimento da ressurreição de Jesus.
Percebemos então que o conhecimento se não for misturado com fé, não resulta em vida Plena.
Estes homens que conheceram e andaram com o Mestre, estavam tão frustrados, que resolveram
pescar e mesmo sendo experientes nesta arte não conseguiram nada. Embora tivessem o
conhecimento da ressurreição estavam agindo como se não fosse verdade.
Em muitos momentos somos assim também, temos muito conhecimento, mas agimos tendo
como base os nossos sentimentos, neste momento revelamos que há uma inconsistência em nossa
forma de crer.
Nossa vida com Deus não se sustenta apenas com informações, pois existem coisas na
caminhada cristã que são incompreensíveis. Ter uma dose de conhecimento é bom, mas quando
misturamos com fé, se torna experiencial. Como afirma o apóstolo Paulo: “Ele nos capacitou para
sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o
Espírito vivifica”. II Coríntios 3: 6.
A fé não é apenas um acessório para o conhecimento, ela é fundamental para termos uma
percepção de vida que não poderemos obter de uma outra forma. Jesus disse aos Seus discípulos: “O
espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos digo são espírito e
vida”. João 6: 63.
Os discípulos que voltaram a pesca tinham conhecimento de que certos fatos inexplicáveis
haviam acontecido, Jesus havia se manifestado de várias formas, e que a morte não conseguiu impedir
Sua missão, porém tal compreensão gerou apenas uma fé inconsistente.
Para ser cristão é preciso ter fé, fé não é um salto no escuro. A fé é um salto para os braços do
Pai, mesmo quando a escuridão nos impede de enxergá-Lo. A fé não é um antídoto contra todas as
mazelas da vida, mas sim a convicção de que: “ainda que andemos pelo vale da sombra da morte,
não temeremos mal algum”.
Os discípulos são orientados a jogarem a rede do lado direito do barco, e assim o fizeram,
então obtiveram peixes em abundância. Então eles chegam a conclusão “É o Senhor”. Àqueles que
antes estavam entristecidos se alegram, porém queremos ressaltar que a fé veio, mas foi sustentada
no compartilhar da refeição. “Venham comer”.
No livro de Apocalipse nos diz que o Senhor bate à porta do coração e quando alguém abre
Ele irá cear com ele. Apocalipse 3:20. Neste texto é descrito o tipo de refeição. Aqui se fala do
jantar; na antiguidade está refeição era a mais importante, pois era o momento em que as famílias
estavam reunidas, desfrutando de comunhão, contando suas histórias, repartindo suas vidas.
Além do conhecimento para termos uma fé mais consistente precisamos de passar mais tempo
em oração e comunhão com o Senhor. Os momentos em que passamos indo a igreja, não revela nem
10% da nossa espiritualidade. Na verdade quando vamos para o templo, o objetivo é de expressarmos
a nossa espiritualidade, é um reflexo da nossa busca diária pela presença e vontade soberana do
Senhor. E a nossa caminhada solitária representa mais de 90% da nossa vida cristã. A fé se torna mais
vigorosa no encontro com Cristo diariamente.

Oração: Senhor que a cada dia possamos desfrutar de Tua presença, e que através deste
relacionamento possamos ser revigorados na fé, esperança e amor. Sabemos que todas as manhãs
Tu estás conosco, que através desta comunhão encontremos força para prosseguirmos. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

23 DE MAIO DE 2018

GENTE COMO A GENTE!

Leia Mateus 13: 54 – 58.

“Não é este o filho do carpinteiro? O nome de sua mãe não é Maria, e não são seus irmãos Tiago,
José, Simão e Judas?”. Mateus 13: 55.

Temos percebido que Cristo quer ter um relacionamento mais profundo com todos nós? Ele
afirma aos discípulos Sua intenção: “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz
seu senhor; mas Eu vos tenho chamado amigos, pois tudo o que ouvi de meu Pai Eu compartilhei
convosco”. João 15:15.
Como nos relacionamos com um amigo verdadeiro? Escondemos as coisas ou somos o mais
transparente possível.
Desde o início da caminha da igreja sempre houve dúvidas. Jesus é homem ou é Deus? O
docetismo negava a humanidade de Cristo. J.I. Packer descreve isto com grande propriedade ao
afirmar: “Não é de admirar que pessoas ponderadas achem difícil crer no Evangelho de Jesus Cristo, pois
as realidades ali apresentadas ultrapassam o entendimento humano... Aqui há dois mistérios pelo preço de
um — a pluralidade de pessoas na unidade de Deus e a união da divindade e da humanidade na pessoa de
Jesus. (Livro - Conhecimento de Deus)
Cristo como Deus. Precisamos nos relacionar com Ele tendo como base a adoração a fé e a
obediência. Quando temos a dimensão da humanidade de Jesus, entendemos que Ele foi gente como
a gente, por isso tem a capacidade de compreender a dor humana e não somente isso, proporcionar
consolo nos momentos mais inconsoláveis da vida.
Ele é Deus, mas também foi o filho do carpinteiro, que viveu, se alegrou, sofreu, ganhou e
perdeu como todos nós. Por isso Ele entende a maneira que somos, mesmo quando a dúvida impera
Jesus não desiste de ser nosso amigo, embora muitos desistiram de tê-lo.
A pergunta que fazemos. Como nos relacionamos com Jesus, o Cristo? Como alguém que está
distante muito distante, e parece que não se importa, ou como aquele que está sempre presente, até a
“consumação dos séculos”. Temos podido de desfrutar de uma familiaridade com o Senhor? Nos
vemos como estranhos em nossa comunhão com Ele? Saiba Cristo se torna homem para restaurar em
nós a vida espiritual, àquela que é sobrenatural, além da materialidade.
Outa incompreensão humana é vermos a Cristo apenas como o “filho do carpinteiro” e não
como Messias. Algo que fecha a porta da graça e a possibilidade de nos tornarmos Seus amigos. Ele
se tronou homem, para que pudéssemos crer no divino.
Saiba Cristo escolheu ser uma pessoa. Se torna humano, amável, humilde e compreensível. A
Sua humanidade nos permite revelar muito sobre Deus, desde que olhemos para ela com fé. Jesus
cresceu em uma família aparentemente normal e de uma maneira completamente humana, falando
literalmente a linguagem que todos os seres humanos podem entender. O pré-requisito é acreditar que
Jesus é Deus e nosso amigo. Quando acreditamos em Jesus, em que Ele foi e É, não será muito difícil
tratá-lo, e tratá-lo forma adequada.

Oração: Senhor, tornaste humano para revelar o amor divino. Que a cada dia possamos crescer
em graça e comunhão contigo. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

24 DE MAIO DE 2018

DO QUE PRECISAMOS PARA TER FÉ.

Leia João 6: 30 – 35.

“Então lhe perguntaram: "Que sinal miraculoso mostrarás para que o vejamos e creiamos em
ti? Que farás?” João 6: 30.

Em alguns momentos de nossa caminhada cristã, precisamos orar como àquele pai que chega
até a presença de Jesus e pede para que o filho seja curado, e quando indagado se possui fé para que
isto aconteça ele é sincero e diz: “Imediatamente o pai do menino exclamou: "Creio, ajuda-me a
vencer a minha incredulidade!". Marcos 9: 24.
No texto que que lemos a multidão quer acreditar em Jesus. Talvez eles percebam, que na vida
precisamos de muito mais, do que simplesmente satisfazermos as “necessidades básicas”.
Neste momento eles afirmam que se o Mestre fizer algum sinal que seja sobrenatural, que não
se possa explicar então crerão. A proposta vem com uma citação do Antigo Testamento, quando Deus
envia para o povo o “maná”; uma expressão hebraica que podemos interpretar como sendo “o que é
isto”?
Todos nós em algum momento da vida já tivemos está atitude: Precisamos de um sinal para
saber se devemos fazer tal coisa ou não. Queremos um sinal para entendermos a vontade de Deus.
Um sinal que nos ajude a decidir de forma correta, para que no futuro evitemos preocupações. Não
se preocupe, na vida de todo o ser humano em algum momento essa demanda às vezes surge.
Jesus entendendo a necessidade destas pessoas de ter um sinal, afirma: “Eu sou o pão da vida.
Aquele que vem a mim nunca terá fome; aquele que crê em mim nunca terá sede”. João 6: 35. Ele
sabe que a multidão precisa ser nutrida. Da mesma forma que o pão alimenta o corpo, nosso espírito
precisa de um alimento que nutra a fé. A multidão sente isso, eles estão com fome de um
fortalecimento de sua fé. E como o pão para o corpo vem da terra, o pão para o espírito procede dos
altos céus.
A multidão sente isso e sabe que eles não podem adquirir este pão; ela pede a Jesus por isso.
Porque Jesus foi o único que desceu do céu; Ele mesmo é o sinal de que a multidão está morrendo de
fome. A multidão reconheceu isso aqui. Em vez de repreender, Jesus se abre para a multidão e
responde das profundezas de seu divino coração, EU SOU O SINAL QUE VOCÊS BUSCAM.
Ele é o Pão da Vida, foi para isso que Ele veio, sua missão, nutrir os corações com fé, e levar-
nos a caminharmos rumo a eternidade. Jesus se revela como a origem e a meta de todo ser humano,
como o caminho, a verdade e vida.
A fé precisa somente de uma interação plena com a pessoa de Jesus. Nenhum outro sinal será
necessário quando temos a convicção de que Cristo é tudo o que diz Ser e pode fazer tudo o que Ele
disse que poderia fazer.
“Jesus respondeu-lhes: ‘Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal
lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas” Mateus 12: 39.
Que sinal é este que Jesus afirma já ter dado? A comparação aqui é bem simples. Na história
vemos que Jonas é engolido por um peixe grande, e fica um período de três dias, e depois é lançado
novamente a terra.
Jesus morreu, ficou três dias no sepulcro, mas depois deste período ressurgiu dentre os mortos,
para trazer uma nova vida para todos nós, a experiência do NOVO NASCIMENTO.
Lemos no livro de Efésios “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem
de vocês, é dom de Deus;”. Efésios 2: 8. Alguns estudiosos se perguntavam quanto a este texto: “O
que não vem de nós?”. Então chegaram à conclusão que nem a graça nem a fé vem de nós, ambas as
coisas são dons de Deus. Por isso não precisamos mais de sinais para crermos. Jesus é o maior sinal
de Deus para nós.

Oração: Senhor te agradecemos por Ter feito tudo por nós, não precisamos de nenhum outro sinal,
o que queremos é mais intimidade contigo, para que possamos crescer na fé, fé que recebemos
como um dom. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

25 DE MAIO DE 2018

VIVENDO COMO CRISTÃOS.

Leia João 14: 6 – 14.

“Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho realizado. Fará
coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai”. João 14: 12.

Para agirmos como cristãos precisamos que Cristo indique para nós a direção e nos conduz
com Suas Palavras de verdade e vida.
“Eu estou no Pai e o Pai está em mim”. Aqui Jesus foi bem explícito quanto a Sua divindade.
Raramente percebemos isto nos outros textos como aqui, mesmo assim a descrença por parte dos
discípulos e as demais pessoas que o seguiam perdurava.
Eles viam Jesus como sendo um ser humano, que tinha certo poder de fazer coisas
extraordinárias, que possuía uma profundidade espiritual diferenciada; porém não conseguiram
perceber que em Cristo, Deus estava sendo revelado de uma forma simples, mas que todos poderiam
ter acesso.
Saiba isto não mudou. Para nós também hoje este é o verdadeiro objeto de nossa fé: Jesus é
Deus, Ele é onipotente, Ele nos conhece e quer Ser conhecido por todos nós.
Jesus é Deus, isto é fato. A questão é: “Ele é o nosso Deus hoje?”. Será que temos a noção
do que isto representa, quais a implicações de crermos em Jesus?
Queremos destacar que uma das implicações é de que precisamos andar através D’Ele,
somente Ele é o caminho a verdade e a vida.
Frank Sinatra foi um cantor muito famoso, podemos dizer que era conhecido por quase todo
o mundo. Suas canções eram marcantes e profundas. Porém, uma dessas músicas interpretada por ele
se destacou. Falamos da música My Way, que podemos traduzir como Meu caminho. Como cristãos
não andamos mais pelo nosso caminho, muito menos como diz a canção, fazemos as coisas “I did it
my way”; “Eu fiz do meu jeito”.
Cristo sendo nosso caminho, pressupõe que as coisas que fizermos precisa ser feito do jeito
D’Ele e não do nosso. Isto deve acontecer nos 7 dias da semana, momento a momento. Ele é a nossa
vida e somente através de Jesus podemos desfrutar de Plena alegria e paz, algo que muitos dos que
se dizem cristãos não possuem.
Quando acreditamos em Jesus temos uma fusão adequada com Ele. Quando Ele se torna nosso
"verdadeiro modo de vida", caminhamos com mais segurança, mesmo nos momentos mais
complicados de nossa existência. É neste momento que a teoria se torna prática, o formalismo é
quebrado dando lugar a uma comunhão mais profunda então a realidade; “Fará coisas ainda maiores
do que estas”. Isso significa que estamos vivendo no cristianismo – que está consonância com Cristo
e em Cristo.

Oração: Senhor que possamos viver de maneira consciente, fazendo as coisas do Teu jeito e não
do nosso. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

26 DE MAIO DE 2018

FELICIDADE.

Leia João 6: 44 – 51.

“Eu sou o pão da vida”. João 6: 48.

Jesus promete a vida eterna, mas como entendermos tal proposta quando estamos tão
enfronhados na transitoriedade deste mundo?
Cremos que nesta proposta está inserida de forma indiscutível a questão da felicidade. Quando
não temos mais preocupações com o futuro, podemos viver o presente, visto que o passado ficou no
passado, então é possível ter harmonia na vida e no viver.
A felicidade não é ausência de conflitos, nem viver sorrindo em todos os momentos. É uma
harmonia que proporcionará lucidez para não sermos tragados pelas situações, por mais complicadas
que possa parecer.
Esta felicidade é descrita da seguinte forma: “Se alguém comer deste pão, viverá para
sempre”. A felicidade não depende das coisas darem certo, mas sim com o que nos alimentamos? Ao
nos alimentarmos do próprio Cristo, internalizamos os valores do Reino de Deus, com certeza, não
teremos apenas momentos felizes, mas uma alegria plena. “Tenho-vos dito essas palavras para que
a minha alegria permaneça em vós e a vossa felicidade seja completa” João 15: 11.
“Eu sou o pão da vida”. A felicidade cristã tem como base a comunhão com a pessoa de
Jesus. A partir deste momento passamos a ter recursos interiores, “o bom tesouro no coração”.
Quebra-se a dimensão de espaço-tempo, a eternidade é vivenciada no aqui e agora, não precisamos
mais esperar o lá e o depois. Como dizia o antigo hino cristão: “É sempre céu com Cristo em mim”.
Este é o discipulado com Deus. Discipulado é andarmos com Deus e uns com os outros sendo
dirigidos pela Palavra de Deus e não nossos “ACHISMOS”. A pessoas não receberam dogmas a
serem seguidos, cartilha de discipulado ou qualquer outro esquema, simplesmente foram desafiados
a andarem com Cristo e confiarem plenamente em Sua pessoa. Esta seria a única forma de obterem
uma fé robusta, fé que agrada a Deus e nos conduz em segurança, mesmo em meio das incertezas da
vida. Então a felicidade deixa de ser uma busca para ser um desfrutar de alegria sem medida.
Que sejamos discípulos de Cristo. Que mantenhamos nossa confiança e nunca nos afastemos
D’Ele.

Oração: Senhor colocamos diante de Ti tudo àquilo que faz parte de nossa vida. Queremos
compartilhar nossas preocupações e não ficarmos ansiosos, através da fé em Tua pessoa. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

27 DE MAIO DE 2018

MUITO ALÉM DO PÃO E DO VINHO.

Leia João 6: 52 – 59.

“... assim aquele que se alimenta de mim viverá por minha causa”. João 6: 57.

A Santa Ceia é um meio de graça. Podemos dizer que é um símbolo, entendendo que a palavra
tem sua origem no grego, “sýmbolon”, que podemos interpretar “àquilo que une” e não apenas
representa algo. Na ceia passamos através do “novo e vivo caminho”, podemos desfrutar da
comunhão com Deus. A morte e ressurreição de Cristo é vivenciada e decretada de uma vez por todas.
Há confirmação de que o pecado e a morte foram rompidos pela vida abundante que é Jesus.
Ao comermos e bebermos dos elementos da Ceia celebramos que através da nossa união com
Cristo, não mais viveremos como escravos, somos livres em toda dimensão humana. O objetivo final
da Ceia não é expressar a dor e sofrimento que trouxe a morte, mas sim o romper com todas as
estruturas de opressão que roubou a paz e desumanizou as pessoas. É a celebração da vitória, da graça
do amor.
Por isso afirmamos que a Santa Ceia é muito mais símbolo, descreve uma realidade que pode
ser experienciada pela fé. Algo que penetra no coração humano e traz profunda satisfação que nos
faz viver e gostar da vida como um dom de Deus. “Porque quantas são as promessas de Deus, tantas
têm nele o sim; porquanto também por ele é o amém para glória de Deus, por nosso intermédio”.
II Coríntios 1: 20.
Através de Cristo as promessas na vida do cristão passam a ser realidades presentes de Deus.
A Santa Ceia traz para nós coisas que antes não era e que em Jesus se tornaram. A paz que excede a
toda compreensão! A alegria que é sem medida! A manifestação da graça! A vida real e significativa!
"Aquele que come este pão viverá para sempre". Jesus entregou na cruz Seu corpo e sangue,
por nós. Ele morreu, mas no terceiro dia ressuscitou. Portanto, participar da Santa Ceia significa
participar da vida de Cristo. Portanto, é um momento de extrema alegria e não de tristeza e nada pode
nos impedir de participar. Nem mesmo o pecado. O único pecado que nos impede de participar da
Santa Ceia é o pecado não confessado. Sendo a Santa Ceia um meio de graça, que traz a possibilidade
de sermos limpos e perdoados pela obra de Cristo, se não participarmos por algum outro motivo a
não ser o reconhecimento e negação em confessar o pecado, é uma declaração de que não acreditamos
em Cristo e na obra da Cruz.
A única preparação que precisamos para participar deste momento de graça, através da Santa
Ceia é a confiança em Cristo e em Sua obra.

Oração: Senhor que através da presença do Teu Santo Espírito possamos vivenciar a nova vida e
proclamar a todos a dimensão profunda do Seu amor. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

28 DE MAIO DE 2018

O QUE JESUS REQUER DE NÓS?

Leia João 6: 60 – 69.

“Nesse ponto, muitos dos seus seguidores voltaram atrás e O abandonaram”. João 6: 66. BV
"Então muitos discípulos se retiraram". Muitas pessoas querem seguir a Cristo, porém
permanecer em seus próprios caminhos, fazendo a própria vontade.
O sentimento é algo bom, mas não pode ser o nosso guia. Neste texto vemos que uma multidão
começou a seguir a Cristo, estavam entusiasmados com a possibilidade de receberem as bênçãos e
participarem de milagres. E isto aconteceu por um tempo, enquanto Jesus aos poucos se revelava
como Messias, o Filho de Deus, a fonte da vida Plena, o único caminho, o Pão que sacia a grande
fome existencial. Mesmo diante de tanta revelação, algumas pessoas resolveram ou abertamente ou
de forma velada abandonar Jesus. Mas, Jesus não os obrigou a permanecerem, para Ele ou as pessoas
somente poderiam segui-Lo de coração, por amor, de outra maneira não serviria.
Hoje em nosso relacionamento precisamos ter bem claro: “Acreditamos ou não em Cristo?”.
Além desta questão tão importante devemos ainda nos questionar: “Quais as consequências do nosso
andar com Cristo”?
Não podemos crer em Cristo e não aceitar os Seus imperativos: Sede Santos, Perdoai, Orai,
Jejuai, não servir a dois senhores, enfim poderíamos citar muito mais, mas creio que podemos através
destas informações, percebermos a seriedade do seguir a Cristo. Chegará o momento na vida daqueles
que querem seguir Jesus, em que haverá um convite para ir um pouco mais s além, dar o passo da fé,
só então e não antes é que o “mar se abrirá”.
Andar com Cristo é andar no desconhecido, para nós somente é revelado na caminhada.
Temos por exemplo os discípulos no caminho de Emaús, que tiveram os olhos abertos, quando
ouviram o Mestre e participaram da comunhão; do partir do Pão.
Como discípulos estaremos sujeitos a tropeçar e cair, porém sempre existirá a possibilidade
de recomeçarmos. Porém, para que isto aconteça, precisamos ter a percepção de que o chamado que
temos de Cristo implica em fazermos a vontade D’Ele e não a nossa, não existe outra possibilidade.
“Simão Pedro respondeu: "Mestre para quem iremos nós? Só o Senhor tem as palavras que dão a
vida eterna”
Quem pode fazer as coisas para nós de uma forma melhor? Somente Jesus pode! Esta foi a
conclusão de Pedro. Quando andamos com Cristo passamos a entender que não haverá nada neste
mundo, quer no passado, no presente ou no futuro, que trará algo que possa realmente promover plena
satisfação ao coração humano. Para isto precisamos percorrer o desconhecido revelado por Cristo que
é o novo e vivo caminho.
Cristo requer que tenhamos uma vida de entrega total. Este é o caminho para conhecermos as
coisas mais profundas: “Ó profundidade da riqueza, da sabedoria e do conhecimento de Deus!
Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” Romanos 11: 33.
Este conhecimento acontece quando passo a passo andamos com Cristo, dispostos a fazer
sempre o Seu querer. Pedro teve a ousadia de entregar a Jesus o comando integral de sua vida, sabendo
que através do Mestre e somente D’Ele poderia obter a vida, uma vida significativa.
Este é o começo da vida interior. É o caminho da verdadeira espiritualidade aberta a todos os
cristãos. Como responderemos a indagação de Jesus, a nós Seus discípulos. “Então Jesus interpelou
os doze: “Vós também desejais ir embora?” João 6: 67.

Oração: Senhor sabemos que sabemos que as Suas exigências não são complicas nem difíceis, pois
Tu mesmo nos ajuda e capacita a cumprirmos Tua vontade. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

29 DE MAIO DE 2018

PERDOANDO COMO SOMOS PERDOADOS.

Leia João 20: 19 – 31.

“22. Depois Jesus assoprou neles e disse: "Recebam o Espírito Santo. 23. Se vocês perdoarem os
pecados de alguém, eles estão perdoados. Se vocês se recusarem a perdoar, eles ficam sem perdão".
João 20: 22 – 23. BV

Ao receberem a presença interior do Espírito Santo em seus corações, veio também a


capacitação para perdoar. A vitória de Cristo através da morte e ressurreição decretou que o pecado
e morte não teriam mais a última palavra. A morte foi superada pela provisão da vida abundante que
recebemos através do sopro do Espírito do Mestre ressurreto, Jesus.
No “pacote” da conversão além de muitas coisas, como perdão, ser cheios do Espírito Santo
entre outras coisas, fomos capacitados a exercermos misericórdia, termos um coração “igual” ao de
Cristo. Saiba Jesus nunca se cansa de perdoar e nos dar sempre uma segunda chance. Será que tem
sido assim em nossas vidas?
A Bíblia é clara ao afirmar no texto de Romanos 8 que nada pode nos separar do amor de
Deus. Mas, o contexto em que Paulo escreve fala sobre os sofrimentos e dores que não podem ofuscar
a obra realizada por Cristo. Porém podemos nos separar do amor de Cristo, quando não exercitamos
um coração perdoador, pois a ausência de amor significa ausência de Deus, pois Deus é amor. Que o
Senhor sempre manifeste a Sua misericórdia e que possamos expressar esta verdade àqueles que
fazem parte do nosso convívio.
Como a misericórdia de Deus nos alcança? É um ato soberano de Sua vontade, é manifestação
profunda da graça, que não tem como base nenhuma forma de merecimento, não é uma retribuição e
sim uma atribuição.
O liberar da misericórdia de Deus não significa que todos irão para o céu, nem que o pecado
não terá a sua consequência. Da mesma forma o perdoar as pessoas que nos ofenderam, não significa
que elas não nos machucarão de novo, nem que as coisas mudarão. Então porque perdoar? Perdoamos
pois este é um imperativo de Cristo, pois ao perdoarmos estamos abrindo mão de nossa justiça própria
e nos colocando na esfera da justiça divina. Não estamos permitindo que através do não perdão nosso
coração venha a se contaminar e nos afastar da presença de Cristo. “Acima de tudo, amem
sinceramente uns aos outros, pois o amor perdoa muitos pecados”. I Pedro 4: 8.
Assim como desejamos sempre o perdão de Deus, quando o decepcionamos, temos que ter a
mesma disposição de perdoar os outros. Que tenhamos a humildade para pedirmos perdão e a mesma
humildade para liberarmos perdão a quem nos tem ofendido.

Oração: Senhor obrigado pela graça e misericórdia recebida, que a cada momento possamos
refletir Teu amor. Obrigado pelo perdão. Que através da ação do Espírito Santo tenhamos um
coração perdoador. Amém.
ALIMENTO DA FÉ

30 DE MAIO DE 2018

NASCIDO DO ESPÍRITO.

Leia João 3: 1 – 8.

“Jesus respondeu-lhe, declarando: “Em verdade, em verdade te asseguro que, se alguém não
nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3: 3. BKJ

Quando lemos este texto percebemos que precisamos muito mais coisas, pois a vida é muito
mais do que comer e beber, precisamos de uma vida espiritual e alimentá-la adequadamente.
Jesus nos fala sobre o Reino de Deus. Há muitos “Nicodemos”, e nós fomos um deles, que
precisam entender mais sobre as coisas sobrenaturais.
Nicodemos foi um líder entre os fariseus (um grupo de judeus devotos ao Torá, surgidos no
século II a. C). Podemos dizer que ele pensava que entendia sobre as questões de fé e de religiosidade.
Provavelmente era um homem bom que tinha preocupações de ajudar outras pessoas.
Porém no início da conversa com Jesus, percebemos que embora tivesse algum conhecimento,
Nicodemos estava distante da realidade. Ele fica atordoado com a extraordinária notícia e mensagem
do Mestre que ele não pode fazer nada com isso a princípio. Jesus revela a ele que todos os que são
nascidos de novo da água e do Espírito podem ver o reino de Deus, reino do qual certamente
Nicodemos sonha.
Diante desta mensagem devemos sempre nos questionar: “Será que nossa experiência com
Cristo, tem nos feito ver o Reino de Deus? Quais as implicações que temos a partir desta visão?
A nova vida no Espírito que é proposta pode ser resumida da seguinte maneira: “Precisamos
ser imitadores de Cristo, andar como Ele andou”. Jesus sempre procurou fazer a vontade do Pai
Celestial. Estava em todo momento conectado com Deus em oração, enfim tudo o que Jesus realizou
foi em parceria com Espírito Santo, o mistério da Trindade.
Para seguirmos o Seu exemplo se faz necessário andar no poder da nova vida. Este poder que
é a ação do Espírito Santo, nos ajudará a mantermos o foco interior, o que nos possibilitará seguir em
frente sem nos desviarmos. Nos ajudará em nossa vida de oração, leitura e compreensão da Bíblia
que é a Palavra de Deus. Por meio desse contato constante, nos tornamos mais atentos aos sussurros
do Espírito Santo.
A certeza do Novo Nascimento é percebido quando em nossos corações passamos a buscar
em primeiro lugar o Reino de Deus e Sua Vontade. Passamos a ouvir a voz no nosso interior que foi
renovado pela graça de Deus.
Infelizmente, podemos perder o foco da presença de Deus em nossas vidas e passarmos a
"adorar" e abrigar outros deuses em nossos corações, isto é muito mais fácil do que pensamos.
Precisamos nestes momentos indagar: “Qual o nosso principal objetivo na vida, onde investimos a
maior parte do nosso tempo?” “A vontade de Deus ou a minha, qual é a mais importante?”
Por termos recebido de Deus o Novo Nascimento, precisamos pedir a Ele que nos ajude a
caminharmos focados no Espírito Santo. A andarmos sempre em oração, e sempre o reconhecê-Lo
como único se suficiente salvador.

Oração: Venha, Espírito Santo e encha os nossos corações, reavive em nós o dom da Tua presença
e renove Seu amor. Dirija nossas vidas, ajude-nos a ouvir Sua voz e nos dê força para cumprir a
vontade do Pai sempre.
ALIMENTO DA FÉ

31 DE MAIO DE 2018

INDO SE SENDO.

Leia Marcos 16: 15 – 20.

“E lhes ordenou: “Enquanto estiverdes indo pelo mundo inteiro proclamai o Evangelho a toda
criatura”. Marcos 16: 15 – 20. BKJ

Os discípulos de Jesus são àqueles que indo pregam o evangelho, sendo exemplos e expressão
da Luz de Cristo. São os que aceitam o desfio da missão, de caminhar de uma forma diferente do
sistema que neste mundo tem sido instrumento de opressão e dor.
Anunciar a Boas Novas é um privilégio que os cristãos tem. Quando compartilhamos da
Palavra de Deus, estamos também repartindo nossas vidas com as pessoas. Estamos demonstrando
que amamos a Deus e ao próximo com a nós mesmos. Pregar o Evangelho, além de obediência aos
imperativos de Cristo é uma demonstração do amor de Deus para com as pessoas.
Isso significa que todo cristão deve proclamar o evangelho? Sim, esse é o ponto. Esta missão
não é para ser feita por uma classe sacerdotal, todos nós somos sacerdotes e precisamos nos
comprometer com o projeto de salvação de Deus. John Wesley afirmava que o mundo era a sua área
de ação e que ele não se restringiria a pregar apenas fechado entre as quatro paredes de um templo.
Algumas pessoas se empolgam com o texto de Marcos, diante do relato de coisas sobrenaturais
que poderão acontecer, deixando de perceber que alcançar vidas é o alvo mais importante. “22 Muitos
me dirão naquele dia: 'Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não
expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?' 23 Então eu lhes direi claramente:
Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês que praticam o mal!”. Mateus 7: 22 – 23.
Não negligenciamos os milagres e nem desacreditamos que Deus pode fazer o impossível.
Porém, mesmo que uma pessoas seja curada mais de dez vezes durante a sua vida, se não houver um
compromisso com Cristo, estes milagres não o credenciarão a ter uma vida eterna. Não somos
conhecido por Deus pelos milagres realizados ou recebido em Seu nome. O reconhecimento acontece
quando passamos a aceitar e obedecer a vontade do Pai Celestial, deixando de fazer as coisas do nosso
jeito, e passando a realizar o que agrada ao coração do Mestre.
Jesus quer que todos nós sejamos seus discípulos e que no “indo” possamos “ser” expressão
de Sua graça e amor a todas as pessoas que encontrarmos. Que possamos decidir segui-Lo momento
a momento.

Oração: Senhor que a nossa maior inspiração para proclamarmos as Boas Novas seja o que já
temos recebido de Ti, o fato de não sermos mais apenas servos, mas sim Seus amigos. Amém.

Você também pode gostar