Você está na página 1de 5

Gêneros textuais acadêmicos

(Uerj – adaptada)

Crítica: O dia em que a Terra parou

O remake O dia em que a Terra parou, filme estrelado por Keanu


Reeves e com um orçamento de US$ 80 milhões, é um prato cheio para os
aficionados da ficção científica. [...] O que muitos não sabem é que o filme foi
baseado no conto Farewell to the Master, do escritor Harry Bates. Relevante no
aspecto “conscientização”, mas infantil em outros. Os efeitos especiais são
incríveis, e o gigante robô biológico Gort, que acompanha o alienígena Klaatu,
mesmo sem pronunciar palavra e ficando estático quase todo o tempo, dá um
show. O pequeno Jaden Smith, filho do ator Will Smith, fez boa interpretação, e
tenho certeza do promissor sucesso. Mas, como apaixonado por FC [ficção
científica], sou suspeito pra falar deste gênero. Confesso que, em “longos”
momentos, o filme foi parado: sem ação alguma. [...]
No filme, o alienígena Klaatu, diferente do que parece, não tem boas
intenções com os seres humanos. Sua única intenção é salvar o planeta Terra
de nós, que o estamos destruindo aos poucos, o que não deixa de ser verdade.
Interessante, com menos ação e violência que Guerra dos mundos, mas
igualmente impactante.
Recomendo.
www.cranik.com

O texto apresenta informações sobre o filme somadas às avaliações pessoais


do autor da resenha. A expressão que melhor enfatiza o papel de mediação
dessa resenha entre público e obra, a fim de convencer o leitor a assistir ao
filme, é:

a) “igualmente impactante”.
b) “tenho certeza do promissor sucesso”.
c) “sou suspeito pra falar deste gênero”.
d) “Recomendo”.
(Enem – adaptada)

Uma noite em 67, de Renato Terra e Ricardo Calil. Editora Planeta, 296
páginas.

Mas foi uma noite, aquela noite de sábado 21 de outubro de 1967, que
parou o nosso país. Parou pra ver a finalíssima do III Festival da Record,
quando um jovem de 24 anos chamado Eduardo Lobo, o Edu Lobo, saiu
carregado do Teatro Paramount em São Paulo depois de ganhar o prêmio
máximo do festival com Ponteio, que cantou acompanhado da charmosa e
iniciante Marília Medalha.
Foi naquela noite que Chico Buarque entoou sua Roda viva ao lado do
MPB-4 de Magro, o arranjador. Que Caetano Veloso brilhou cantando Alegria,
alegria com a plateia ao som das guitarras dos Beat Boys, que Gilberto Gil
apresentou a tropicalista Domingo no parque com os Mutantes.
Aquela noite que acabou virando filme, em 2010, nas mãos de Renato
Terra e Ricardo Calil, agora virou livro. O livro que está sendo lançado agora é
a história daquela noite [...].
VILLAS, A. Disponível em: www.cartacapital.com.br. Acesso em: 18 jun. 2014 (adaptado).

Considerando que algumas resenhas são textos de apresentação de objeto


cultural, este fragmento tem o intuito de

a) caracterizar o contexto musical brasileiro dos anos 1960.


b) criticar a produção musical brasileira nos anos 1960.
c) expor fatos sobre festivais de música no Brasil em 1967.
d) relatar experiências de artistas durante a década de 1960.
e) divulgar uma obra sobre a cena musical de 1967.

(Enem – adaptada)

João/Zero (Wagner Moura) é um cientista genial, mas infeliz porque há


20 anos atrás foi humilhado publicamente durante uma festa e perdeu Helena
(Alinne Moraes), uma antiga e eterna paixão. Certo dia, uma experiência com
um de seus inventos permite que ele faça uma viagem no tempo, retornando
para aquela época e podendo interferir no seu destino. Mas quando ele retorna,
descobre que sua vida mudou totalmente e agora precisa encontrar um jeito de
mudar essa história, nem que para isso tenha que voltar novamente ao
passado. Será que ele conseguirá acertar as coisas?
Disponível em: http://adorocinema.com. Acesso em: 4 out. 2011.

Nessa resenha, o emprego de verbos no presente do indicativo, como “retoma”


e “descobre” tem a função de

a) atualizar os eventos apresentados e despertar o interesse do leitor pelo


filme.
b) criar uma conexão entre fatos passados e presentes na trajetória do
protagonista.
d) evitar o emprego de uma linguagem rebuscada que afaste o leitor do
interesse pela obra.
e) estabelecer uma atmosfera de suspense em relação às personagens
centrais.

(Enem)

TEXTO I

Criatividade em publicidade: criatividade e reflexões


Resumo: O presente artigo aborda uma questão primordial na publicidade: a
criatividade. Apesar de aclamada pelos departamentos de criação das
agências, devemos ter a consciência de que nem todo anúncio é, de fato,
criativo. A partir do resgate teórico, no qual os conceitos são tratados à luz da
publicidade, busca-se estabelecer a compreensão dos temas. Para elucidar
tais questões, é analisada uma campanha impressa da marca XXXX. As
reflexões apontam que a publicidade criativa é essencialmente simples e
apresenta uma releitura do cotidiano.
DEPEXE, S. D. Travessias: Pesquisas em Educação, Cultura, Linguagem e Artes, n. 2, 2008.

TEXTO II
Homenagem ao Dia das Mães 2012. Disponível em: www.comunicacao.com.
Acesso em: 3 ago. 2012 (adaptado).

Os dois textos apresentados versam sobre o tema criatividade. O texto I é um


resumo de caráter científico e o texto II, uma homenagem promovida por um
site de publicidade. De que maneira o texto II exemplifica o conceito de
criatividade em publicidade apresentado no Texto I?

a) Fazendo menção ao difícil trabalho das mães em criar seus filhos.


b) Promovendo uma leitura simplista do papel materno em seu trabalho de criar
os filhos.
c) Explorando a polissemia do termo “criação”.
d) Recorrendo a uma estrutura linguística simples.
e) Utilizando recursos gráficos diversificados.

(Enem)

João Antônio de Barros (Jota Barros) nasceu aos 24 de junho de 1935,


em Glória de Goitá (PE). Marceneiro, entalhador, xilógrafo, poeta repentista e
escritor de literatura de cordel, já publicou 33 folhetos e ainda tem vários
inéditos. Reside em São Paulo desde 1973, vivendo exclusivamente da venda
de livretos de cordel e das cantigas de improviso, ao som da viola. Grande
divulgador da poesia popular nordestina no Sul, tem dado frequentemente
entrevistas à imprensa paulista sobre o assunto.
EVARISTO, M. C. O cordel em sala de aula. In: BRANDÃO, H. N. (Coord.). Gêneros do discurso na
escola: mito, conto, cordel, discurso político, diculgação científica. São Paulo: Cortez, 2000.

A biografia é um gênero textual que descreve a trajetória de determinado


indivíduo, evidenciando sua singularidade. No caso específico de uma biografia
como a de João Antônio de Barros, um dos principais elementos que a constitui
é

a) a estilização dos eventos reais de sua vida, para que o relato biográfico surta
os efeitos desejados.
b) o relato de eventos de sua vida em perspectiva histórica, que valorize seu
percurso artístico.
c) a narração de eventos de sua vida que demonstrem a qualidade de sua
obra.
d) uma retórica que enfatize alguns eventos da vida exemplar da pessoa
biografada.
e) uma exposição de eventos de sua vida que mescle objetividade e
construção ficcional.