Você está na página 1de 23

PEQUENO

GUIA PRÁTICO
AGRICULTURA
PARA A URBANA
...............................................................................................................................................
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE
SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL E CIDADANIA AMBIENTAL
DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS
E PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O MEIO AMBIENTE

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL


Presidente
MICHEL TEMER

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE


Ministro
SARNEY FILHO

SECRETARIA EXECUTIVA
Secretário-Executivo
EDSON GONÇALVES DUARTE

SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL E CIDADANIA AMBIENTAL


Secretária substituta
THATY ANNIE BARRETO TAVARES DE SOUZA

DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS


Diretora BRASÍLIA
REJANE PIERATTI MMA
2018
...............................................................................................................................................
5

SUMÁRIO
© 2018 Ministrério do Meio Ambiente - MMA
Permitida a reprodução sem fins lucrativos, parcial
ou total, por qualquer meio, se citados a fonte do
Coordenação Geral
Ministério do Meio Ambiente ou sítio da Internet no
qual pode ser encontrado o original em: PERFEITO FORTUNA
http://www.mma.gov.br/publicacoes-mma VANESSA DAMASCO
http://www.guiaagriculturaurbana.com.br/
Coordenação Editorial e Ilustração 1. APRESENTAÇÃO ................................................................................................... 07
DANIEL GABRIELLI

Texto e Pesquisa 2. SOBERANIA ALIMENTAR ....................................................................................... 09


COLETIVO ORGANICIDADE:
ALICE WORCMAN
DANIEL GABRIELLI 3. POR QUE É IMPORTANTE PLANTAR NA CIDADE? ........................................................ 12
DIANA GRIMMER
RICARDO ANTONIO
4. RECONHECENDO O TERRENO ................................................................................ 14
ISABELA BAPTISTA

Fotos
ACERVO ORGANICIDADE 5. PARTINDO PARA A AÇÃO ...................................................................................... 22
Revisão Técnica e Apoio
CONSELHO EMPRESARIAL
BRASILEIRO PARA 6. COLHENDO OS FRUTOS ....................................................................................... 32
O DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL (CEBDS)
7. BIBLIOGRAFIA ..................................................................................................... 41
Projeto Gráfico e Diagramação
ESTÚDIO TIÊ
7

1. APRESENTAÇÃO

O engajamento ambiental depende As cidades, sobretudo as grandes, Esta cartilha mostra como é possível
de uma postura de responsabilidade dessensibilizam seus moradores para esse reencontro dos cidadãos
para com as futuras gerações, da a natureza, por seu ritmo frenético, urbanos com o meio ambiente.
compreensão de que os recursos seu excesso de concreto, trânsito e A maneira como apresenta a
naturais são finitos e de que a trabalho, pelo convívio cotidiano com importância da produção nas
humanidade – e toda a vida no a violência. cidades, em contraposição ao papel
Planeta – não será viável, se não for de mero consumidor de recursos,
garantida a capacidade de renovação A agricultura urbana é uma forma de leva à reflexão que desperta para a
desses recursos. ocupação sensível do espaço, um consciência de que temos em nossas
resgate da nossa humanidade, pelo mãos o poder de tornar o mundo
Mas, para além do bom senso e desejo de uma alimentação saudável. mais sustentável.
dos dados científicos, nossa luta E trata-se de um ciclo virtuoso:
depende de muita sensibilidade, as famílias se alimentam melhor,
da empatia que nos permite zelar convivem mais em comunidade,
BOA LEITURA
pelo outro como por nós mesmos e multiplicam a experiência. A cidade, E BONS CULTIVOS!
enxergar a Terra como nossa casa por sua vez, respira um ar melhor,
comum, como tão bem a define o absorve melhor as águas que recebe José Sarney Filho
Papa Francisco. das chuvas, fica mais bonita. Ministro do Meio Ambiente

...............................................................................................................................................
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 9
A FOME NÃO É UMA 11
COMO A PRODUÇÃO CONSEQUÊNCIA DE SE PRODUZIR
DE ALIMENTOS É FEITA EM POUCO ALIMENTO.
ZONAS RURAIS, NORMALMENTE O TRANSPORTE E
DISTANTES DOS GRANDES ARMAZENAGEM DAS ZONAS Ao longo do tempo, a o próprio alimento e ter em suas
CENTROS, SÃO APLICADOS DE PRODUÇÃO, CADA VEZ MAIS mãos as ferramentas necessárias
população do mundo cresceu e,
INÚMEROS ARTIFÍCIOS QUÍMICOS, DISTANTE DO CONSUMIDOR,
COMO PESTICIDAS CONTABILIZAM A PERDA DE consequentemente, a prática da para se capacitar cada vez mais e
E FERTILIZANTES, 1,3 BILHÃO DE TONELADAS agricultura também. Porém, existe compartilhar o conhecimento com
EXTREMAMENTE NOCIVOS DE ALIMENTO, 1/3 DO TOTAL
PARA O AMBIENTE E A NOSSA uma contradição: ao mesmo tempo todos a sua volta.
PRODUZIDO NO MUNDO.
SAÚDE, PARA QUE ESSE em que temos desperdício de
ALIMENTO CHEGUE NA MESA DO DEGRADAÇÃO CAUSADA
CONSUMIDOR COM APARÊNCIA
alimentos existe também a fome em
PELOS ATUAIS MÉTODOS
DE FRESCO, APESAR DE TER SIDO diferentes locais.
COLHIDO, MUITAS DAS VEZES, DE MONOCULTURAS EM LARGA
VÁRIOS DIAS ATRÁS. ESCALA // RISCO DE NÃO
A CIDADE VIROU
CONSEGUIR ALIMENTAR
UM LOCAL ONDE TODAS AS PESSOAS.
SÓ SE CONSOME, Áreas degradadas, consideradas
E NADA SE PRODUZ. não agricultáveis, necessitarão de
recuperação para voltar a produzir.
Então, como dar a todos os Com a implementação de sistemas
meios necessários para produzir de produção regenerativos, como as
comida localmente e evitarmos o agroflorestas sintrópicas, é possível
HOJE, 70% DA desperdício e o uso de produtos recuperar áreas degradadas e ao
POPULAÇÃO químicos? mesmo tempo ter grande produção.
MUNDIAL VIVE
NOS CENTROS .............................................
A RESPOSTA É: CONHECIMENTO!
URBANOS. Por isso, gostaríamos de conduzi- PARA SABER MAIS SOBRE AGROFLORESTA,
lo por essas páginas para mostrar ACESSE AS INDICAÇÕES DE LEITURA EM
como você pode começar a plantar WWW.GUIAAGRICULTURAURBANA.COM.BR
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 13

3. POR QUE É IMPORTANTE PLANTAR NA CIDADE?

PERMEABILIZA O SOLO // GERA COMIDA, TRABALHO, FÁRMACIA CASEIRA //


MENOS ALAGAMENTOS RENDA // MENOS GASTOS PREVENÇÃO E COMBATE A
COM COMPRAS NO MERCADO DOENÇAS DE FORMA NATURAL
CONTROLA TEMPERATURA
E UMIDADE DO AR // TRAZ MAIS VIDA PARA ESTIMULA ATIVIDADE FÍSICA //
CLIMA MAIS AGRADÁVEL; A CIDADE (PLANTAS REDUZ DOENÇAS CARDÍACAS E
FILTRAGEM DA POLUIÇÃO DO AR E ANIMAIS) // PROTEGE RESPIRATÓRIAS
A BIODIVERSIDADE E
TORNA ESPAÇOS PÚBLICOS PROPORCIONA MAIOR SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL
MAIS ATRATIVOS, ESPAÇOS DE CONTATO COM A NATUREZA // ENGAJAMENTO NA
CONVÍVIO // SOCIALIZAÇÃO EM CONSERVAÇÃO AMBIENTAL
ESPAÇOS ABERTOS REAPROVEITAMENTO
DE RESÍDUOS // MENOS PROPORCIONA SOMBRA //
CONTAMINAÇÃO DO MEIO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA
MENOS CUSTOS COM DESCARTE E DO SOLO (VIDA)

SOBERANIA ALIMENTAR // VALORIZA O ENTORNO //


SEGURANÇA ALIMENTAR REDUZ STRESS, BEM ESTAR
E EMPODERAMENTO DA PSICOLÓGICO
COMUNIDADE E DO INDIVÍDUO
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 15
PLANTAR É UM
ATO QUE CRIA QUEM DEVEMOS PROCURAR? o contato com os líderes comu- PLANTAR EXIGE CUIDADO,
4. RECONHECENDO O TERRENO É UMA ÓTIMA
RAÍZES E É PARA FERRAMENTA
SE REALIZAR EM nitários, associação de moradores, É MUITO IMPORTANTE DAR
SOCIAL DE
CONJUNTO. INCLUSÃO, ANTES DE proprietários ou síndicos, para que a UMA VOLTA PELA HORTA
PARA TERMOS ESTREITAMENTO proposta seja apresentada a todos e pelo menos uma vez por dia
UMA CIDADE MAIS DE LAÇOS ESCOLHERMOS por eles aprovada. e observar as necessidades das
COMUNITÁRIOS,

VERDE, QUE DEIXE SENSO DE O QUE PLANTAR plantas, da terra, do local.


PERTENCIMENTO.
ORGANIZAÇÃO DO GRUPO
DE SER APENAS É IMPORTANTE REALIZE MUTIRÕES, CONVOCANDO
CONHECERMOS O Com o local escolhido e aprovado, VOLUNTÁRIOS PARA AÇÕES
CONSUMIDORA
é hora de pensar na organização do MAIORES como a preparação do
E PASSE A SER ESPAÇO ESCOLHIDO. espaço e manejos mais pesados.
grupo responsável pela implemen-
TAMBÉM PRODUTORA tação do espaço de cultivo. Os mutirões são essenciais para
Caso seja um espaço público essas ações, que ficariam longas
DE ALIMENTOS, (canteiros urbanos, terrenos baldios, Algumas sugestões: e trabalhosas se tivessem que ser
VALORIZANDO O praças), é necessário entrar em
ORGANIZE AS PESSOAS
feitas por você sozinho.
contato com a prefeitura ou órgão
PAPEL DO AGRICULTOR responsável pelo espaço, para que
PELAS SUAS HABILIDADES, ENCONTRE RESPONSÁVEIS
pelo tempo que têm disponível PELA MANUTENÇÃO DIÁRIA
NA VIDA DE CADA haja uma autorização formal de
e pelas atividades em que sentem DO ESPAÇO. Incentive a comunidade
uso e para que o plantio não seja
UM, DEVEMOS TOMAR interditado mais tarde.
mais prazer de executar; para o acompanhamento dos
ALGUNS CUIDADOS PRODUZ QUALIDADE
REALIZE REUNIÕES PERIÓDICAS
plantios. As confraternizações
DE VIDA E SAÚDE Caso seja um espaço privado nos dias de colheita são uma
ANTES DE DECIDIR DURANTE O PROCESSO, PARA AS ADEQUAÇÕES
ótima forma de atrair pessoas
ALÉM DE INCENTIVAR (dentro do seu condomínio, em ter-
entre o planejado e a realidade.
ONDE E COMO A AUTONOMIA E renos de terceiros) é importante interessadas.
A PRODUÇÃO DE
REALIZAR NOSSO ALIMENTOS LIVRES
DE VENENOS.
PLANTIO.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 17

ESPÉCIES INDICADORAS EXEMPLOS DE PLANTAS QUE


JURUBEBA
NASCEM EM SOLOS POBRES:
É preciso que você conheça bem a área a
ser trabalhada. Observe o local e busque Tiririca - solo ácido, adensado.
NOS SOLOS QUE AINDA
identificar as espécies que já existem ali, CONSEGUEM TER ALGUMA
isso vai orientar o trabalho a ser feito. VIDA, É POSSÍVEL
Jurubeba - subsolo adensado. TIRIRICA

RECONHECER ALGUMAS
ESPÉCIES INDICADORAS.
Carqueja - solo compactado.
ELAS NOS MOSTRAM AS
CONDIÇÕES DAQUELE SOLO
EM QUE ESTÃO. EXEMPLOS DE PLANTAS QUE
NASCEM EM SOLOS FÉRTEIS:
É POSSÍVEL PERCEBER
CARQUEJA
ALGUNS ASPECTOS DO SOLO Beldroega - solo bem
A PARTIR DA OBSERVAÇÃO estruturado, com umidade e BELDROEGA CARIRU
DAS PLANTAS QUE NASCEM
matéria orgânica.
ALI OU DEIXAM DE NASCER.
O MAIS COMUM, NAS Cariru - solo bem estruturado,
GRANDES CIDADES, É VERMOS
com umidade e matéria
TERRENOS ONDE O SOLO FICA
EXPOSTO AO TEMPO E NADA orgânica.
CONSEGUE NASCER ALI. ISSO
Mamona - terra boa, porém
SIGNIFICA UM SOLO SEM VIDA,
DURO, NECESSITANDO SER deficiente em potássio. URTIGA
RECUPERADO.
Urtiga - solo rico em matéria
orgânica.
MAMONA
.........................................................
CONHEÇA MAIS ESPÉCIES NAS
INDICAÇÕES DE LEITURA DO SITE:
WWW.GUIAAGRICULTURAURBANA.COM.BR
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 19

DESENHO DOS CANTEIROS OUTROS CUIDADOS: VENTO ÁGUA


// SE FOR UM TERRENO // É IMPORTANTE TER ACESSO
O desenho dos canteiros SOL DESCAMPADO, UMA BOA A ÁGUA PARA A IRRIGAÇÃO DAS
dependerá do espaço disponível e // DE PREFERÊNCIA OS SOLUÇÃO É PENSAR EM CERCAS MUDAS. O LOCAL DO PLANTIO
da criatividade dos envolvidos. CANTEIROS DEVEM ESTAR VIVAS PARA PROTEGER O DEVE ESTAR PERTO DE UM
DIRECIONADOS NO SENTIDO CULTIVO DO VENTO FORTE. PONTO DE ÁGUA PARA EVITAR
É imprescindível alcançar todas
NORTE-SUL. ISSO IMPEDIRÁ ALÉM DE DANIFICAR PLANTAS GASTO DE ENERGIA PARA A
as plantas que estão dentro do
QUE UMA PLANTA FAÇA SOMBRA MAIS SENSÍVEIS, O VENTO MANUTENÇÃO DA HORTA.
canteiro, você estando fora
NAS DEMAIS DURANTE O ROUBA A ÁGUA DAS PLANTAS.
dele. Não se deve pisar
PERCURSO DO SOL. HORTALIÇAS
dentro dos canteiros ÁGUA SE PLANTA!
E TOMATE PREFEREM O SOL DA METRAGEM
para não compactar
MANHÃ, JÁ O MARACUJÁ E AS // MEDIR O ESPAÇO PARA COM A ESCOLHA
a terra!
FRUTAS EM GERAL, GOSTAM DO CALCULAR A QUANTIDADE DE ADEQUADA DAS
SOL DA TARDE. INSUMOS, MUDAS E FORMATO
DO CULTIVO. ESPÉCIES, GERANDO
MATÉRIA ORGÂNICA
QUE, COM O PASSAR
DO TEMPO E COM AS
PODAS, VAI SENDO
INCORPORADA AO SOLO,
CULTIVAMOS UMIDADE
E MELHORAMOS O
AMBIENTE!
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 21

LISTA DE MATERIAIS Adquirindo as mudas através de orgânica para fazer a cobertura do LANÇA PÁ
DE INSUMOS contatos com os produtores nas solo, você está fortalecendo a teia de Tem a função de quebrar camadas Para abrir buracos e movimentar
feiras ou perguntando sobre os organismos que mantém saudáveis mais compactadas, pedregulhos e grandes partes de terra ou matéria
espaços de revendas dos seus as plantas. Através de podas das concreto do solo. orgânica.
produtos, você ajuda a fortalecer espécies de crescimento mais
a rede de agricultura urbana. rápido e das partes envelhecidas CAVADEIRA ARTICULADA ENXADÃO
das plantas, você estimula novas Tem a função de cavar camadas Com a face mais estreita que uma
MATÉRIA ORGÂNICA
brotações no sistema gerando o mais profundas do solo e retirar enxada, essa ferramenta funciona
Folhas e galhos em abundância são ciclo de nutrientes para alimentar o bem para afofar futuros canteiros,
pedregulhos para a inserção de
o maior presente que um plantio seu plantio. aerando a terra. PÁ DE MÃO
SEMENTEIRA mudas maiores.
pode receber. Sejam de grama, Para transplantar mudas ou brotos
Utilizando sua criatividade você ENXADA
árvores, arbustos, podas em geral UTENSÍLIOS E FERRAMENTAS GARFO de novas plantas, além de fazer
pode reutilizar qualquer objeto que
de qualquer material natural que Para movimentar por áreas maiores Funciona bem para organizar pequenos buracos.
seria descartado para transformar CARRINHO DE MÃO
sirva para não deixar o solo exposto. grandes partes de matéria orgânica. e movimentar partes de terra, além
em sementeira, como caixas de Para transportar material, insumos e TESOURA DE PODA
Manejando o seu plantio de forma de aerar o solo.
ovos, ou qualquer outro tipo de substratos.
que nele nunca falte matéria Para fazer pequenas podas, manejos
embalagem. Ter suas próprias
MANGUEIRA/REGADOR e colheitas, além de picotar folhas e
sementes e transformar qualquer
pequenos gravetos.
cantinho em seu viveiro é a maior Para regar o seu plantio.
riqueza que você pode oferecer para SERROTE DE MÃO
o seu plantio. E ARCO DE SERRA
MUDAS Para podar galhos maiores e trabalhar
podas.
Escolhendo as mudas mais
adequadas às condições do seu FACÃO
local, você pode garantir o sucesso
Para podar, abrir caminhos e abaixar
do seu plantio.
a matéria orgânica.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 23

5. PARTINDO PARA A AÇÃO

AS TÉCNICAS Dessa forma, estamos ao mesmo Plantaremos mais de uma espécie velocidade de crescimento, imitando
tempo produzindo comida e de planta por canteiro. Elas se as plantas de diversas alturas que
QUE ABORDAREMOS alimentando o solo, preservando a ajudam e trocam nutrientes entre si vivem juntas nas florestas, as maiores
NESTE GUIA AGROFLORESTA biodiversidade. pela teia de raízes e fungos debaixo
da terra. Quanto maior a diversidade
fornecendo sombra e proteção para
as mudas que nascem perto do chão.
TRABALHAM “AGRO” SIGNIFICA CAMPO, TERRENOS CULTIVÁVEIS
Como na floresta, o solo será de espécies, mais rico o ambiente
coberto por folhas e galhos, essa se torna, atraindo os polinizadores, Dessa forma, conseguiremos criar as
EM PARCERIA camada é chamada de serapilheira. condições para o plantio de diversos
essenciais para a formação dos
COM A TECNOLOGIA A sua decomposição fornece nossos legumes e frutas. alimentos em um pequeno espaço,
CULTIVAR FLORESTAS alimento para todos os organismos aumentando nossa produção nos
DA FLORESTA DE ALIMENTOS que vivem debaixo da terra, e esses Organizaremos o plantio em andares escassos pedaços de terra das
por sua vez alimentam as plantas. de acordo com o tamanho e a cidades.
APLICADA
ÀS CIDADES.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 25

PREPARAÇÃO DOS NINHOS SE VOCÊ PERCEBER QUE O na decomposição da camada


TIPO DE SOLO ONDE VOCÊ VAI orgânica e assim, aos poucos, DESSA FORMA CRIAMOS
Os ninhos são os nossos canteiros espécies que estão no centro, de OS MATERIAIS PARA A
PLANTAR, ESTÁ MUITO POBRE, os nutrientes vão sendo liberados É MUITO IMPORTANTE PRECISAMOS
preparados de forma para juntar os crescimento mais lento. CONSTRUÇÃO DE CADA
ADUBE O SOLO: absorvidos pelas plantas. Além TRABALHARMOS BEM SEPARAR ESSE
nutrientes em um só lugar. Lembra ETAPA DOS NINHOS,
A MATÉRIA ORGÂNICA MATERIAL ENTRE
Geralmente, usamos as bordas disso, a cobertura evitar a perda de TRONCOS E GALHOS
INICIANDO COM OS
um ninho de passarinho. A sua 1. Planeje a poda inicial do PARA APROVEITARMOS TRONCOS E GALHOS MAIS
para plantas rasteiras (batata água pelo calor do sol. AO MÁXIMO OS MAIS GROSSOS,
borda, feita com matéria orgânica terreno. Caso não haja plantas GALHOS E GRAVETOS
GROSSOS PARA A BORDA,
(troncos cobertos com folhas secas), doce, espinafre, agrião); o meio NUTRIENTES DA PODA
E AS FOLHAGENS.
ESTRUTURANDO A VOLTA
nesse espaço, organize o plantio QUE FIZEMOS. COM OS GRAVETOS E
é mais alta do que o nível do terreno para as plantas de pequeno e
de espécies de adubação verde GALHOS MENORES E, POR
e dentro plantamos às espécies que médio porte (mandioca, couve, FIM, AS FOLHAGENS PARA
antes e durante o primeiro
desejamos. Esse formato berinjela, inhame, taioba); e COBRIR.
plantio.
ajuda a absorver mais o centro para plantas de QUANDO OS TRONCOS E
GALHOS FICAM EXPOSTOS
água e nutrientes que maior porte (bananeiras, 2. Cubra o solo sempre com ELES NÃO SE DECOMPÕEM
poderiam ser levados com pitangueiras, amoreiras, matéria orgânica (até nos DA FORMA CORRETA, NÃO

a chuva para outro local, aroeiras, abacateiros, caminhos!). Depois de colocar a GERANDO OS NUTRIENTES
NECESSÁRIOS PARA
além de proteger as castanhas, cobertura inicial é sempre bom CUMPRIREM SUA FUNÇÃO.
goiabas). verificar de quanto em quanto POR ISSO, É MUITO
IMPORTANTE QUE TODA
tempo a matéria orgânica começa A ÁREA DO NINHO SEJA
a desaparecer. Isso vai depender se COBERTA.
faz muito ou pouco calor, porque
a velocidade de decomposição
muda com a temperatura: quanto
mais quente, mais rapidez na
decomposição. É preciso manter a
terra sempre coberta, para que os
microrganismos do solo trabalhem
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 27

ESCOLHA DE ESPÉCIES SUCESSÃO NO TEMPO Cada espécie tem um tempo o plantio com os adubos verdes e com relação à ocupação do espaço,
Para escolher as espécies que irá SUCESSÃO É UM PROCESSO diferente de desenvolvimento e plantas mais resistentes. É preciso à necessidade de água, luz e
NO QUAL ESPÉCIES VÃO
plantar, leve em conta o seguinte: SUBSTITUINDO OUTRAS, PARA ESCOLHER necessita de nutrientes específicos. criar as condições para as plantas nutrientes, e também pela liberação
SEQUENCIALMENTE, NO Entender as diferenças e mais sensíveis e exigentes. de componentes químicos que
ESTRATIFICAÇÃO DECORRER DO TEMPO. AS ESPÉCIES QUE semelhanças entre as plantas que
A SEQUÊNCIA É A podem agradar ou afastar, não
Procure colocar plantas próximas TECNOLOGIA DA NATUREZA, VOCÊ VAI PLANTAR, você deseja cultivar e a condição do PLANTAS COMPANHEIRAS
só outras plantas, mas também
ONDE AS PRIMEIRAS solo é essencial para determinar a
que ocupem alturas diferentes. CRIAM AS CONDIÇÕES É NECESSÁRIO Existem plantas que têm certa insetos e outros animais. Por isso,
sequência do seu plantio. As plantas
Considere não só na fase adulta PARA O NASCIMENTO
DAS PRÓXIMAS, E ASSIM AVALIAR AS indicadoras comunicam o estado do afinidade umas com as outras. procure colocar juntas essas plantas
da planta, mas também todo o seu
SUCESSIVAMENTE,
solo. Se ele estiver pobre, inicia-se Elas se ajudam e se complementam companheiras!
processo de crescimento. CRIANDO CADA VEZ MAIS CONDIÇÕES
BIODIVERSIDADE.
............................................. DO SOLO.
VOCÊ PODE SABER MAIS SOBRE
ESTRATIFICAÇÃO E EXEMPLOS DE
CONSÓRCIOS NAS INDICAÇÕES DE
LEITURA, ACESSE
WWW.GUIAAGRICULTURAURBANA.COM.BR

No consórcio de milho, feijão e abóbora, o milho fica no andar mais alto e serve de haste para o feijão subir, enquanto a abóbora O feijão quando colhido e podado fornecerá o nitrogênio necessário para o milho, que frutificará com 3 meses. A abóbora pode ser
é rasteira, não atrapalhando o desenvolvimento das outras plantas. O feijão será o primeiro a frutificar com 2 meses. colhida com 5 meses. Esse é um exemplo da agricultura mais antiga das américas.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 29
MAIS DE 300
ESPÉCIES DE PANC
SAO DESCRITAS NO
LIVRO PLANTAS
ALIMENTÍCIAS NÃO
CONVENCIONAIS

O QUE ESCOLHA ESSAS, CLARO! MAS brotando em calçadas, terrenos (PANC) NO BRASIL DE CHANANA
VALDELY KINUPP.
TAMBÉM PROCURE CONHECER abandonados e paisagens rurais.

VOCÊ DESEJA
ALGUMAS ESPÉCIES COMESTÍVEIS Outras já não são assim, precisam TRAPOERABA
NOVAS, ELAS PODEM CONQUISTAR ser cultivadas com os cuidados BELDROEGA

adequados. Fato esse, que vai


COMER?
O SEU PALADAR TAMBÉM!
variar de acordo com a região
As PANC (Plantas Alimentícias onde você se encontra. Essas
Não Convencionais) são folhas, plantas, muitas vezes são “primas”
DENTRE AS frutos, cascas, sementes, flores, daquelas que já conhecemos, e
CARURU
raízes e outras partes de plantas têm propriedades nutricionais
ESPÉCIES POSSÍVEIS MAJOR
que não são normalmente parecidas, algumas, até superiores. GOMES
DE SEREM consumidas ou comercializadas, A variedade de alimentos do
PRODUZIDAS NO além de partes dos alimentos planeta é muito maior do que a TREVINHO CARIRU

do dia-a-dia que geralmente que encontramos nas prateleiras


SEU TERRENO, são jogadas fora. São também dos mercados. Se quisermos
QUAIS AS QUE VOCÊ aquelas plantas que nascem conservar a biodiversidade,
espontaneamente e são antigas precisamos conhecer e valorizar
MAIS GOSTA DE conhecidas das populações rurais sua existência. Muitas PANC vão
COMER? pelo seu potencial alimentício. nascer espontaneamente no seu MARIA
PRETINHA
Muitas delas podemos encontrar plantio, procure conhecê-las!
TANCHAGEM

ERVA PEPINO ORIRI TAIOBA


PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 31
VIVEIROS PÚBLICOS COBERTURA VEGETAL
ONDE CONSEGUIR MATERIAIS? ENTRE EM CONTATO COM QUEM REALIZA
MUITAS PREFEITURAS E ÓRGÃOS
ESTADUAIS POSSUEM VIVEIROS O SERVIÇO DE PODA DAS ÁRVORES DA
UM DOS PRINCÍPIOS DE MUDAS PARA REPOSIÇÃO SUA CIDADE, NA MAIORIA DOS CASOS
DO PAISAGISMO URBANO E ELAS ACABAM SENDO JOGADAS EM
DA SUSTENTABILIDADE TAMBÉM ESPÉCIES NATIVAS PARA LIXÕES OU EM ATERROS. ISSO GERA UM
CUSTO ALTO COM TRANSPORTE E MÃO
É GASTAR MENOS REFLORESTAMENTO DE ÁREAS
DEGRADADAS. DE OBRA AO MUNICÍPIO. ESSE MATERIAL

ENERGIA PARA CONSEGUIR ESPÉCIES QUE PODE SERVIR PARA COBRIR O SOLO,
REDUZINDO O CUSTO DO SEU PLANTIO.
ATRAEM A FAUNA NATIVA
BANCOS DE SEMENTE
EXECUTAR O MAIOR É DE GRANDE VALIA PARA
ÓRGÃOS PÚBLICOS COMO A RECONSTITUIÇÃO DO
NÚMERO DE TAREFAS A EMBRAPA POSSUEM ESTOQUES ECOSSISTEMA DA CIDADE.
DE SEMENTES PARA VARIADAS VALE LEMBRAR QUE O
POSSÍVEL, GERANDO FINALIDADES E DESENVOLVEM ELEMENTO ARBÓREO PARA

O PRÓPRIO RECURSO DIVERSAS PESQUISAS


QUE PODEM CONTRIBUIR
O CULTIVO URBANO É DE
GRANDE IMPORTÂNCIA PARA A
OU BUSCANDO O MAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DIMINUIÇÃO DA TEMPERATURA
DO PLANTIO. CONSEGUIR NO SOLO E PROTEÇÃO DO
PRÓXIMO DE VOCÊ. ESPÉCIES DE ADUBAÇÃO VERDE, CULTIVO CONTRA VENTOS E
COMO FEIJÃO GUANDU, FEIJÃO CHUVAS MAIS FORTES.
DE PORCO, CROTALÁRIA, ENTRE
Observar e aproveitar o que o
OUTROS, SÃO UMA BOA OPÇÃO.
ambiente em que se está inserido PARA SOLOS DEGRADADOS
oferece é a melhor forma de diminuir (MUITO COMUM NAS CIDADES) É
os custos do plantio. Reutilizar e IMPORTANTE TRABALHAR COM AS
LEGUMINOSAS NO PRIMEIRO CICLO
reaproveitar são atitudes essenciais
DO PLANTIO, ELAS DEVOLVEM AO
para torná-lo possível, inclusive SOLO NUTRIENTES QUE SERÃO
através de parcerias com os órgãos UTILIZADOS PELOS CULTIVOS
públicos. POSTERIORES.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 33

6. COLHENDO OS FRUTOS

DEPOIS DE PLANTAR, PODA PLANTIO COLHEITA

É PRECISO CUIDAR. Não tenha medo de cortar galhos e O plantio pode ser feito por mudas, Cada espécie tem um tempo
folhas que estejam com aparência estacas e sementes, dependendo da específico de crescimento, como já
ALGUMAS DICAS de velhos. A poda deve ser feita espécie, e deve ser feito na época mencionado, por isso o tempo que
periodicamente para gerar matéria certa do ano. Cada espécie tem leva desde o plantio até a colheita
SOBRE O DIA-A-DIA orgânica para cobrir e adubar o solo, o seu momento ideal de plantio. varia de planta para planta. Informe-
DO MANEJO DO SEU além de estimular novos brotos Algumas espécies são plantadas se sobre os períodos de frutos,
a crescerem. Várias espécies no verão, outras na primavera, raízes ou folhas de cada planta.
PLANTIO: produzem mais quando podadas etc. Converse com os feirantes e
regularmente, como a banana, a uva, descubra a época das plantas que
o manjericão, o maracujá, o café, você quer cultivar.
A IMPORTÂNCIA DA LUA
entre muitos outros.
COMO SABEMOS A LUA REGE DICA: PROCURE PLANTAR NA LUA
AS MARÉS DOS OCEANOS.
DICA: APROVEITE A LUA CHEIA, POIS ELA ESTIMULA A
MAS NÃO É APENAS ISSO,
ELA INFLUENCIA TAMBÉM MINGUANTE PARA REALIZAR BROTAÇÃO E DIMINUI O TEMPO DE
A ÁGUA PRESENTE EM A PODA, FAÇA SEMPRE UM ADAPTAÇÃO DO CULTIVO.
TODOS OS SERES. COM AS
CORTE LIMPO, EVITANDO
PLANTAS NÃO É DIFERENTE. .............................................
DURANTE A LUA MINGUANTE RACHADURAS E LASCAS NO
À LUA NOVA, A SEIVA SE CAULE. ASSIM A PLANTA SE VOCÊ PODE ENCONTRAR UMA LISTA DE
CONCENTRA NAS RAÍZES RECUPERA MAIS RÁPIDO E NÃO ESPÉCIES E SUAS ÉPOCAS DE PLANTIO
E DA LUA CRESCENTE
À LUA CHEIA, NOS CAULES
GASTA TEMPO E ENERGIA PARA NAS INDICAÇÕES DE LEITURA, ACESSE
E FOLHAS. CICATRIZAR O CORTE. WWW.GUIAAGRICULTURAURBANA.COM.BR
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 35

CROTALÁRIA
IRRIGAÇÃO ADUBAÇÃO nosso dia-a-dia, mas que têm papel
fundamental, gerando nutrientes e
A melhor hora do dia para se regar e outras menos. Alguns cuidados os automáticos sofisticados Diferentes técnicas para adubação impedindo a compactação do solo.
é no início da manhã ou final da devem ser tomados, de acordo com aos alternativos, que utilizam são utilizadas nos mais diversos
tarde, quando o sol não está muito o tipo de planta, como, por exemplo, peças de baixo custo e materiais sistemas de cultivo ao redor do De acordo com os princípios
forte e a temperatura está mais evitar regar as folhas, como no reaproveitados (PET, cotonete). mundo, pois cada região exige um da sustentabilidade, um plantio
baixa, para evitar a evaporação caso do tomate e do peixinho; regar Porém a irrigação manual é a que tipo de cuidado específico, que deve correto é aquele que não só possui FEIJÃO
GUANDU
da água. A frequência da rega em abundância, como é o caso tem melhor razão custo/benefício ser respeitado. Em regiões quentes capacidade de alimentar quem
dependerá das espécies cultivadas, do jambu e da bertalha. Existem em curto prazo, apesar de exigir (como a maior parte do Brasil), é plantou, mas também de alimentar
algumas necessitam de mais água vários métodos de irrigação, desde mais trabalho. necessário cobrir o solo com a o solo com nutrientes vindos do
serrapilheira (troncos, galhos e folhas próprio local. O solo deve produzir e
secas), que forma uma camada receber alimento. A matéria orgânica
protetora que ajuda a manter a gerada a partir da poda realizada por
DURANTE A PARTE temperatura, diminuir a perda da animais e pelo homem, e também as
GIRASSOL

MAIS QUENTE água por evaporação e proteger folhas, frutos e sementes que caem
os pequenos seres que vivem no das árvores, tudo isso volta à terra,
DO DIA AS PLANTAS
solo, que nem percebemos no enriquecendo o solo.
FECHAM SEUS
POROS PARA EVITAR QUANDO FALAMOS EM ADUBAÇÃO VERDE, ESTAMOS FALANDO DE UMA TÉCNICA FEIJÃO-DE-
CONHECIDA HÁ MILÊNIOS PELAS POPULAÇÕES CAMPESINAS DOS MAIS DIFERENTES PORCO
PERDER MUITA LUGARES. SUA PRÁTICA CONSISTE EM CONSORCIAR, ISSO É, JUNTAR PLANTAS QUE
DISPONIBILIZEM NUTRIENTES NO SOLO COM AS PLANTAS DESEJADAS.
ÁGUA. ELA PODE SER FEITA DE INÚMERAS MANEIRAS, COMO PLANTADAS EM CONJUNTO NO
MESMO CANTEIRO OU EM CANTEIROS SEPARADOS. UM DOS EXEMPLOS MAIS ANTIGOS
DESSE CONSÓRCIO É O PLANTIO DO MILHO COM O FEIJÃO. TODOS OS FEIJÕES, ASSIM
COMO TODA PLANTA QUE PRODUZ VAGEM, SÃO CONSIDERADOS LEGUMINOSAS. ESSAS
PLANTAS, EM ESPECIAL, DISPONIBILIZAM MAIS FACILMENTE NUTRIENTES PARA AS BRAQUIÁRIA
OUTRAS, E SÃO ESPECIALMENTE UTILIZADAS PARA ADUBAÇÃO VERDE.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 37

COMPOSTAGEM

O composto orgânico desempenha Em geral, a ação da decomposição BENEFÍCIOS


o mesmo papel do adubo verde. A libera calor, o composto precisa
A COMUNIDADE
A compostagem caseira, também produz o chorume, aquele
produção pode ser feita de forma ser revolvido e umedecido TAMBÉM PODE 1. Gera um adubo de ótima
líquido cor de café que sai da matéria orgânica, e este pode
caseira, em baldes, tambores periodicamente, sendo considerado qualidade enriquecido com
e outros recipientes. Deve-se pronto quando não houver mais SER ENVOLVIDA organismos que irão colonizar
ser coletado e utilizado como biofertilizante na proporção de 1
parte de chorume para 8 de água.
o solo, disponibilizando
respeitar a proporção de 1 parte de percepção de calor. NA ATIVIDADE, ainda mais nutrientes para
resíduo (cascas, folhas, alimentos
em decomposição) para 2 partes ............................................. ATRAVÉS DA alimentar nossas plantas .
de matéria seca (folhas, serragem, O solo vivo é essencial para
palha). O tempo de decomposição SAIBA MAIS SOBRE COMPOSTAGEM NAS PARCERIA COM as relações entre as plantas.
pode variar bastante, dependendo da INDICAÇÕES DE LEITURA:
CONDOMÍNIOS
região e época do ano. WWW.GUIAAGRICULTURAURBANA.COM.BR 2. Reduz a quantidade de lixo
E VIZINHOS QUE que tem que ser transportado
para aterros sanitários.
CONTRIBUEM
DOANDO RESÍDUO 3. Gera chorume,
bio-fertilizante e adubo foliar
ORGÂNICO, dependendo da diluição.
GERANDO MAIOR O SOLO VIVO É
COMO UMA GRANDE
4. Fecha o ciclo do
QUANTIDADE DE resíduo orgânico, criando
REDE, ATRAVÉS
DE FUNGOS AS
PLANTAS TROCAM
COMPOSTO. sustentabilidade para INFORMAÇÕES E
a produção do seu plantio. NUTRIENTES E CRIAM
UMA CONEXÃO QUE
AS FORTALECE E
BENEFICIA.
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 39

PLANTIO EM VASOS

Para plantar em vasos, deve-se levar germinados de hortaliças e legumes. COLOQUE NO VASO: material para Você pode aproveitar materiais que
em consideração a necessidade de Existem também soluções verticais não deixar a água acumular no iriam para o lixo, como garrafas
espaço de cada espécie. Se tiver para espaços pequenos, como vasos fundo (pedrisco ou argila expandida), pets, galões de água, potes de
vasos grandes e boa quantidade suspensos ou de parede. Uma boa manta de drenagem (pode ser um margarina, para fazer vasos. Além
de iluminação, pode-se escolher forma de otimizar o cultivo vertical tecido velho), substrato (terra + fibra de ser uma solução de baixo custo,
espécies maiores, como árvores é a escolha do substrato, sempre de coco) e finalize com a cobertura é também uma ajuda para a redução
frutíferas consorciadas com quase priorizando os materiais naturais vegetal. Está pronto para plantar! Se da quantidade de resíduos, que, se
todo tipo de hortaliças e temperos. mais leves e nutritivos (dica: misturar utilizar pratinhos embaixo dos vasos, não tratados adequadamente, vão
Para essas condições, pode-se uma parte de substrato de fibra de lembre-se de pôr areia, para evitar a contaminar nossos solos e oceanos.
aproveitar materiais maiores que coco para duas de terra.) proliferação do mosquito transmissor Pinte seus recipientes, revista com
seriam descartados ou estão da dengue e outras doenças. tecidos ou enfeite como desejar. Você
inutilizados, como caixas d’água, pode inclusive colocá-los suspensos
estruturas de piscina, banheiras, como cortinas verdes.
bombonas, tonéis, ou qualquer COBERTURA VEGETAL
outro recipiente que você encontrar. AS GARRAFAS PET PODEM SE
Deve-se tomar cuidado com o peso TRANSFORMAR EM ÓTIMOS VASOS
do vaso e o tamanho do cultivo, FREÁTICOS. Esses vasos demandam
SUSBSTRATO menos frequência de rega, pois a água
dependendo da estrutura do local.
fica acumulada em um recipiente
Se tiver pouco espaço, pode-se fechado. A água chega na terra por
cultivar mini raízes em jardineiras MANTA DE DRENAGEM meio de um barbante, conforme a
pequenas. Se tiver pouca iluminação PEDRISCOS PARA
necessidade da planta.
ESCOAR ÁGUA
também, invista em brotos e
PRATO COM AREIA
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 41

LISTA DAS ESPÉCIES CITADAS NO PEQUENO GUIA PRÁTICO PARA A AGRICULTURA URBANA:
7. BIBLIOGRAFIA
NOME POPULAR NOME CIENTÍFICO UTILIZAÇÃO
Beldroega Portulaca oleracea L. Indicadora e PANC
ALTIERI, M. A. Agroecologia: a dinâmica produtiva da BRASIL, Portal. Agricultura familiar produz 70% DERANI, C. Alimento e biodiversidade: fundamentos de
[3]

Braquiária Brachiaria humidicola (Rendle) Schweick Adubação agricultura sustentável. 5 ed. Porto Alegre: Editora da dos alimentos consumidos por brasileiro. 2015. uma normatização. Hiléia: Revista de Direito Ambiental da
UFRGS, 1998. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/economia-e- Amazônia. Manaus, 2006, v. 3, p. 53-86.
Cariru Talinum fruticosum (L.) Juss. Indicadora e PANC
emprego/2015/07/ agricultura-familiar-produz-70-dos-
ANGELO, C. Floresta regenerada é esponja de carbono. DILLEHAY, T. D. et al. Preceramic adoption of peanut,
Carqueja Baccharis trimera (Less.) DC. Indicadora O Eco. 04 fev. 2016. Disponível em: <http://www.oeco.
alimentos-consumidos-por-brasileiro>. Acesso em: 10
squash, and cotton in northern Peru. Science, 2007. v.
out. 2017.
org.br/reportagens/floresta-regenerada-e-esponja-de- 316, n. 5833, p. 1890-1893.
Caruru Amaranthus viridis L. PANC
carbono/>. Acesso em: 13 set. 2017 BRASIL, Portal. Áreas úmidas são essenciais para a
EIROA, C.; POTASCHEFF, A. Você come mato?. Trip, 25 abr.
Chanana Turnera subulata Sm. PANC ARMANDO, M. S. et al. Agrofloresta para agricultura
biodiversidade. 2015. Disponível em: <http://www.
2016. Disponível em: <https://revistatrip.uol.com.br/trip/
brasil.gov.br/meio-ambiente/2015/02/areas-umidas-
familiar. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e as-pancs-plantas-alimenticias-nao-convencionais-sao-
Crotalária Crotalaria juncea L. Adubação sao-essenciais-para-a-biodiversidade>. Acesso em: 21
Biotecnologia, 2002. Circular Técnica 16. alimentos-democraticos>. Acesso em: 02 set. 2017.
out. 2017.
Erva pepino Parietaria debilis G.Forst. PANC BARBOSA, V. Dinheiro nasce em árvore, sim — e a ELIAS, J. Chocolate da Amazônia faz bem para as
CARDIM, R. Queda de árvores em São Paulo e a
Califórnia fez a conta. Exame, 27 jun. 2016. Disponível em: pessoas e para a floresta. Época, 17 out. 2017. Disponível
Feijão de Porco Canavalia ensiformis (L.) DC. Adubação caça às bruxas. Árvores de São Paulo, 16 mar. 2010.
<https://exame.abril.com.br/economia/dinheiro-nasce- em: <http://epoca.globo.com/ciencia-e-meio-ambiente/
Disponível em: <https://arvoresdesaopaulo.wordpress.
Feijão Guandu Cajanus cajan (L.) Millsp. Adubação em-avore-sim-e-a-california-fez-a-conta/>. Acesso em:
com/2010/03/16/queda-de-arvores-em-sao-paulo-e-a-
blog-do-planeta/festival-origem/noticia/2017/10/
11 nov. 2017. chocolate-da-amazonia-faz-bem-para-pessoas-e-para-
Girassol Helianthus annuus L. Adubação caca-as-bruxas/>. Acesso em 19 set. 2017.
floresta.html>. Acesso em: 30 out. 2017.
BENEFITS of urban trees: infográfico. Disponível
CARVALHO A. C. A.; MOCHIUTTI, S. Leguminosas para
Jurubeba Solanum paniculatum L. Indicadora em: <http://www.fao.org/resources/infographics/
adubação verde e cobertura do solo no Estado do Amapá.
ESCOBAR, H. Biodiversidade vale mais que soja e carne
infographics-details/en/c/411348/?utm_ na Amazônia, diz pesquisador. Estadão, 18 out. 2017.
Major gomes Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn. PANC Macapá: Embrapa CPAF, 1992. 11p.
source=faohomepage&utm_medium=web&utm_ Disponível em: <http://ciencia.estadao.com.br/blogs/
campaign=featurebar>. Acesso em: 11 nov. 2017. CARVALHO A. M. et al. Manejo de adubos verdes no herton-escobar/biodiversidade-vale-mais-que-soja-e-
Mamona Ricinus communis L. Indicadora cerrado. Planaltina: Embrapa Cerrado, 1999. 28p. carne-na-amazonia-diz-pesquisador/>. Acesso em: 30
BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe
Maria Pretinha Solanum americanum Mill. PANC out. 2017.
sobre as sanções penais e administrativas derivadas de CHONCHOL, J. A soberania alimentar. Estudos Avançados.
condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá São Paulo, 2005. v. 19, n. 55, p. 33-48. ESPÍNDOLA, J. A. A.; GUERRA, J. G. M.; ALMEIDA, D. L.
Oriri Peperomia pellucida (L.) Kunth PANC outras providências. Uso de Leguminosas Herbáceas para adubação verde. In:
COELHO, E. F. et al. Circular 106 - Sistemas de irrigação
Taioba Xanthosoma sagittifolium (L.) Schott PANC Agroecologia: Princípios e Técnicas para uma Agricultura
BRASIL. Recomendação nº 14, de 26 de abril de 2012. para a agricultura familiar. Cruz das Almas, Bahia:
Orgânica Sustentável. Brasília, DF: Embrapa, 2005.
Recomenda a adoção da Estratégia Nacional de Embrapa, 2012. 7p.
Tanchagem Plantago major L. PANC Comunicação e Educação Ambiental em Unidades de FALLET, J. Como as raízes do Cerrado levam água a
COSTANZA, R. et al. The value of the world’s ecosystem
Tiririca Cyperus rotundus L. Indicadora Conservação - ENCEA. torneiras de todas as regiões do Brasil. BBC, Brasília,
services and natural capital. Nature, v. 387, n. 6630, p.
27 mar. 2017. Disponível em: <http://www.bbc.com/
253-260, 1997.
Trapoeraba Commelina erecta L. PANC portuguese/brasil-39391161>. Acesso em: 11 out. 2017.

Trevinho Oxalis spp. PANC


Urtiga Laportea glandulosa (Wedd.) V.C.Lima Indicadora
...............................................................................................................................................
PEQUENO GUIA PRÁTICO
PARA A AGRICULTURA URBANA 43

GONDIM, A. Catálogo brasileiro de hortaliças. Brasília: MIWA, J. Brasil permite consumo de 14 agrotóxicos
[2] PELEARI, L. M. Plantas Ruderais: o mato que alimenta,
Embrapa, 2010. proibidos mundialmente.The Greenest Post, 01 mar. 2016. protege e embeleza o ambiente. Botucatu, SP: Rede SANS.
Disponível em: <http://thegreenestpost.bol.uol.com.br/ PRIMAVESI, A. O solo: a base da vida em nosso globo.
GÖTSCH, E. O renascer da agricultura. 2.ed. Rio de
brasil-permite-consumo-de-14-agrotoxicos-proibidos- Itaí, SP: 2001.
Janeiro: Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura
mundialmente/>. Acesso em: 06 out. 2017.
Alternativa, 1996. PRIMAVESI, A. Manual do solo vivo. São Paulo: Expressão
MOLLISON, B. Introdução à permacultura: Panfletos Popular, 2016.
LIVNI, E. The Japanese practice of ‘forest bathing’ is
da série curso de design em permacultura. Tradução
scientifically proven to improve your health. Quartz, 12 PENEIREIRO, F. M. et al. Apostila do educador agroflorestal
Cássio P. Octaviani. Estados Unidos: Yankee
out. 2016. Disponível em: <https://qz.com/804022/ - Introdução aos sistemas agroflorestais: um guia
Permaculture, 1998 e 2001.
health-benefits-japanese-forest-bathing/>. Acesso em: técnico. Rio Branco: Editora da Universidade/UFAC, 2002.
03 out. 2017. MONBIOT, G. If children lose contact with nature
they won’t fight for it. The Guardian, 19 nov. 2012. REIS, A.; ZANBONIN, M. N.; NAKAZONO, E. M. Recuperação
LOPES, O. M. N. Feijão de porco: Leguminosa para de áreas florestais degradadas utilizando a sucessão e
Disponível em: <https://www.theguardian.com/
adubação verde e cobertura de solo. Belém: Embrapa as interações animal-planta. São Paulo: CETESB,1999.
commentisfree/2012/nov/19/children-lose-contact-with-
Amazônia Oriental, 1998. 4p. Caderno 14. v. 1 45p.
nature>. Acesso em: 10 out. 2017.
MATSUURA, S. Desmatamento pode colocar Amazônia ROSSI, M. O “alarmante” uso de agrotóxicos no
[1]
MORI, E. S. et. al. Sementes florestais: guia para
em ‘ciclo mortal’, diz estudo. O Globo, 03 abr. 2017. Brasil atinge 70% dos alimentos. El País, São Paulo, 30
germinação de 100 espécies nativas. São Paulo: Instituto
Disponível em: <https://oglobo.globo.com/sociedade/ abr. 2015. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/
Refloresta, 2012.
sustentabilidade/desmatamento-pode-colocar- brasil/2015/04/29/politica/1430321822_851653.html>.
amazonia-em-ciclo-mortal-diz-estudo-21144582>. NAIME, R. Microclimas urbanos e arborização. Acesso em: 03 set. 2017.
Acesso em: 14 set. 2017 EcoDebate, 16 nov. 2017. Disponível em: <https://www.
ecodebate.com.br/2017/11/16/microclimas-urbanos- SOUZA, D. C. J. et al. Avaliação da cobertura do solo e
MCPHERSON, E. G.; VAN DOORN, N.; DE GOEDE, J. acúmulo de biomassa e de nutrientes em leguminosas.
e-arborizacao-artigo-de-roberto-naime/>. Acesso em:
Structure, function and value of street trees in California, Belém: Congresso Brasileiro de Agroecologia, 2015. 5p.
20 nov. 2017.
USA. Urban Forestry & Urban Greening, v. 17, p. 104-
115, 2016. NOBRE, A. D. O futuro climático da Amazônia: Relatório SOUZA, G. M. et al. Bioenergy & sustainability: bridging
de avaliação científica. 1 ed. São José dos Campos, SP: the gaps. São Paulo: SCOP, 2015. p. 978-2.
MENEGASSI, D. A cada R$1 investido em conservação
Articulación Regional Amazônica, 2014. STELLA, R. Estudo traz dados inéditos para restauração
voltam R$7 para economia, aponta estudo do ICMBio.
Wikiparques, 01 nov. 2017. Disponível em: <http://www. NOBRE, C. A. et al. Land-use and climate change risks de florestas. USP, Ribeirão Preto, 07 abr. 2015. Disponível
wikiparques.org/a-cada-r1-investido-em-conservacao- in the Amazon and the need of a novel sustainable em: <http://www5.usp.br/90236/estudo-traz-dados-
voltam-r7-para-economia-aponta-estudo-do-icmbio/>. development paradigm. Proceedings of the National ineditos-para-restauracao-de-florestas/>. Acesso em:
Acesso em: 03 nov. 2017. Academy of Sciences, 2016. v. 113, n. 39, p. 10759-10768. 22 set. 2017

MEIRA, A. M.; CAZZONATTO, A. C.; SOARES, C. A. Manual NOVION, H. P. I. Pagamento por serviços ambientais. WUTKE, E. B. et al. Bancos comunitários de sementes
básico de compostagem–série: conhecendo os resíduos. Unidades de Conservação no Brasil, 2010. Disponível de adubos verdes: informações técnicas. Brasília:
Piracicaba - SP: USP Recicla, 2003. em: <https://uc.socioambiental.org/sustentabilidade- Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
financeira/pagamento-por-servi%C3%A7os-ambientais>. (MAPA), 2007. 57p.
MEIRELLES, L. R.; RUPP, L. C. D. Agricultura ecológica:
Acesso em: 29 out. 2017
princípios básicos. Centro ecológico, 2005.

...............................................................................................................................................
INDICAÇÕES DE
LEITURA, MAPEAMENTO
DE INICIATIVAS DE
AGRICULTURA URBANA,
VÍDEOS, E MUITAS OUTRAS
INFORMAÇÕES VOCÊ
ENCONTRA NO SITE

..............................................

.......................................................................................................................................
PARCERIA: REALIZAÇÃO:

LAPA - RJ