Você está na página 1de 56

Pág: 1 de 56

Portaria 40, Art.32. § 2º A instituição manterá em página eletrônica própria, e também na biblioteca, para consulta dos alunos ou interessados,
registro oficial devidamente atualizado das informações referidas no § 1º, além dos seguintes elementos:
I - projeto pedagógico do curso e componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de avaliação;

Identificação do Curso
Curso de Graduação em Engenharia Elétrica – Habilitação
Eletrônica
Modalidade EAD

Identificação do Corpo Diretivo


Reitor Prof. Dr. Benhur Gaio
Vice-Reitor Prof. Dr. Alvino Moser
Pró-Reitor de Pós-Graduação,
Prof. Dr. Nelson Castanheira
Pesquisa e Extensão
Pró-Reitor de Graduação Prof. Dr. Benhur Gaio
Pró-Reitor de Tecnologias
Prof. Dr. Marco Antonio Masoller Eleutério
Educacionais
Coordenação do Curso Profª. Me. Kamile Fuchs

Identificação Dados do Curso


O Curso de Engenharia Elétrica – Habilitação em Eletrônica na modalidade a
Atos Legais distância foi aprovado na reunião do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão
do Centro Universitário Internacional UNINTER, resolução 93/2014
Mínimo = 5 anos
Duração
Máximo = 9 anos
Turno Não se aplica na modalidade EaD.
Carga Horária Modalidade EaD possui 4.720 horas - COM LIBRAS

Investimento
MENSALIDADES na MODALIDADE EAD PARA O ANO LETIVO DE 2017
Valor integral Com desconto Convênios para
60 parcelas pagamento
R$ 650,00 até o 5º dia útil

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 2 de 56
DOCENTE TITULAÇÃO REGIME DE REGIME DE
TRABALHO TRABALHO
EM HORAS

ALINE PURCOTE MESTRADO 16 HORISTA


ANA CAROLINA TEDESCHI GOMES ABRANTES MESTRADO 40 INTEGRAL
ANDRÉ ROBERTO GUERRA MESTRADO 40 INTEGRAL
BRUNO ANDRÉ CHARNESKI DOUTORADO 12 HORISTA
CHARLES WAY HUN FUNG MESTRADO 21 PARCIAL

CLAUDIO APARECIDO DE OLIVEIRA MESTRADO 20 PARCIAL

CRISTIANO CANCELA DA CRUZ MESTRADO 40 INTEGRAL


DAYANE PEREZ BRAVO MESTRADO 40 INTEGRAL
DAYSE MENDES MESTRADO 40 INTEGRAL
EDERSON CICHACZEWSKI MESTRADO 40 INTEGRAL
ELIZANETE FÁVARO ESPECIALIZAÇÃO HORISTA
FELIPE NEVES SOUZA DOUTORADO 40 INTEGRAL
FRANCIELLY ELIZABETH DE CASTRO SILVA MESTRADO 40 INTEGRAL
FRANK COELHO DE ALCANTARA MESTRADO 40 INTEGRAL
FREDERICO MARIANO AGUIAR MESTRADO 40 INTEGRAL
JULIANO DE MELLO PEDROSO MESTRADO 40 INTEGRAL
KAMILE FUCHS MESTRADO 40 INTEGRAL
LUCIANO FRONTINO DE MEDEIROS DOUTORADO HORISTA
LUIS GONZAGA DE PAULO MESTRADO 40 INTEGRAL
LUIZ AUGUSTO POLYDORO MESTRADO 40 INTEGRAL
MARCELO STAFF ESPECIALIZAÇÃO 12 HORISTA
MARCOS BARONCINI PROENÇA DOUTORADO 40 INTEGRAL
MARCOS WURZER MESTRADO 40 INTEGRAL
RAFAEL VILAS BOAS WIECHETECK MESTRADO 40 INTEGRAL
RICARDO ALEXANDRE ZANARDINI MESTRADO 40 INTEGRAL
VINICIUS POZZOBON BORIN MESTRADO 40 INTEGRAL
VIVIANA RAQUEL ZURRO MESTRADO 40 INTEGRAL

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 3 de 56

Grade da Modalidade EAD

Grade Curricular
Aulas em Vídeo Aulas Práticas Presenciais Interatividade Avaliação
Engenharia da Computação
Total de
Atividades de
Atividades
Autoestudo
Chat (em horas)
Ampliação do Laboratório Fórum PI
Curso EAD - Blended Teóricas Práticas com Apol Objetiva Discursiva
Conhecimento de Prática Permanente (APP)
Rádio

10 20 50 20

MÓDULO INTRODUTÓRIO 120

Formação Inicial em
4 30 40
EaD

Relações Étnico-Raciais
6 4 62 72
e Cultura Afro Brasileira

UTA - Fundamentos da Engenharia


288

Introdução à
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Engenharia Eletrônica
Pré-Cálculo
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Desenho Técnico
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Geometria Analítica
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Princípios da Engenharia 288

6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Introdução

Física - Mecânica
Química Geral
6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Cálculo Diferencial e
Integral a uma Variável 6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Ferramentas
Matemáticas Aplicadas 6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Instrumentação para Engenharia 288

Lógica de Programação
6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
e Algoritmos
Princípios de Mecânica
e Resistência dos
Materiais 6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Física - Eletricidade
6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Ciências do Ambiente e
Sustentabilidade 6 72 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Conceitos Aplicados à Engenharia 288

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Materiais Elétricos
Eletricidade
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Cálculo Diferencial e
Integral a Várias
Formação Básica

Variáveis 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Eletromagnetismo
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Ciências Aplicadas 288

Física - Termodinâmica 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
e Ondas

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Métodos Numéricos

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 4 de 56
Aplicados

Linguagem de
Programação 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Análise de Circuitos
Elétricos 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Eletrônica Básica 288

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Eletrônica Analógica
Eletrônica Digital
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Instalações Elétricas 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Máquinas Elétricas
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Arquitetura de Sistemas Computacionais 288

Arquitetura de
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Computadores

Microprocessadores e
Microcontroladores 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Probabilidade e
Estatística 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Física - Ótica e
Princípios de Física
Moderna 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Formação Específica - Hardware

UTA - Ferramentas básicas da Engenharia Eletrônica 288

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Pesquisa Operacional
Métodos Quantitativos
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Instrumentação
Eletrônica 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Projeto de Sistemas
Microprocessados 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Dinâmica de Sistemas e Princípios de Eletrotécnica 288

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Equações Diferenciais
Transformadas: Tempo
Contínuo e Discreto 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Conversão de Energia
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Geração, Transmissão e
Distribuição de Energia 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Tópicos Avançados em Engenharia Eletrônica 448

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Sinais e Sistemas
Controle Contínuo
Formação Específica - Software

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Sistemas Embarcados
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Lógica Programável
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Estágio Supervisionado
160

UTA - Aplicações em Ambientes Industriais 288

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Gestão da Qualidade

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 5 de 56
Empreendedorismo
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Redes Industriais 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Automação Industrial e
Robótica 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Convergência Digital 288

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Controle Discreto
Dispositivos Móveis
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Sistemas Operacionais
6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Redes de
Computadores 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Gestão de Organizações Tecnológicas 328

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Gestão de Projetos
Administração
Estratégica 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Legislação e
Propriedade Intelectual 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Gestão da Inovação e
Tecnologia 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Trabalho de Conclusão
de Curso - Projeto 40

UTA - Princípios de Comunicações 288


Formação Complementar

Fundamentos de
Sistemas de 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Comunicações

Comunicações Digitais 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Processamento Digital
de Sinais 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Processamento de
Imagens 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

UTA - Atualidades em Eletrônica Aplicada 256

6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72
Eletrônica de Potência
Tópicos Especiais em
Engenharia Eletrônica 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Optativas (Libras) * 6 4 42 6 6 2 6 3 1 1 3 72

Trabalho de Conclusão
de Curso - 40
Implementação

Carga Horária de Unidades Curriculares 4600

Atividades Complementares 120

CARGA HORÁRIA TOTAL 4720


Disciplinas Optativas *

Libras 6 4 67 3 80

Inglês Instrumental 6 4 57 2 6 3 1 1 80

Espanhol Instrumental 6 4 57 2 6 3 1 1 80

Informática
6 4 57 2 6 3 1 1 80
Instrumental

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 6 de 56
Matemática Aplicada 6 4 57 2 6 3 1 1 80

Relacionamento
6 4 57 2 6 3 1 1 80
Interpessoal

Tópicos Especiais e
6 4 57 2 6 3 1 1 80
Prática Profissional

Marketing de
6 4 57 2 6 3 1 1 80
Relacionamento

Marketing Pessoal 6 4 57 2 6 3 1 1 80

A grade de disciplinas para o curso de Engenharia Elétrica com habilitação em Eletrônica


na modalidade EaD com duração de 5 anos (14 módulos + introdutório) possui a seguinte
estrutura:

Bacharelado em Engenharia Elétrica


Hora
EAD Relogio

UTA - Fundamentos da Engenharia 288,00


Fase II Fase I
1

Introdução à Engenharia Eletrônica 72,00


Mod A

Pré-Cálculo 72,00
3

Desenho Técnico 72,00


4

Geometria Analítica 72,00

UTA - Princípios da Engenharia 288,00


Primeiro Ano

Fase II Fase I
5

Física - Mecânica 72,00


Mod B

Química Geral 72,00


7

Cálculo Diferencial e Integral a uma Variável 72,00


8

Ferramentas Matemáticas Aplicadas 72,00

UTA - Instrumentação para Engenharia 288,00


Fase II Fase I
12 11 10 9

Lógica de Programação e Algoritmos 72,00


Mod C

Princípios de Mecânica e Resistência dos Materiais 72,00


Física - Eletricidade 72,00
Ciências do Ambiente e Sustentabilidade 72,00
Segundo

UTA - Conceitos Aplicados à Engenharia 288,00


Mod A
Ano

14 13
Fase I

Materiais Elétricos 72,00


Eletricidade 72,00

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 7 de 56

16 15
Fase II
Cálculo Diferencial e Integral a Várias Variáveis 72,00
Eletromagnetismo 72,00

UTA - Ciências Aplicadas 288,00

20 19 18 17
Fase II Fase I Física - Termodinâmica e Ondas 72,00
Mod B

Métodos Numéricos Aplicados 72,00


Linguagem de Programação 72,00
Análise de Circuitos Elétricos 72,00

UTA - Eletrônica Básica 288,00


24 23 22 21
Fase II Fase I

Eletrônica Analógica 72,00


Mod C

Eletrônica Digital 72,00


Instalações Elétricas 72,00
Máquinas Elétricas 72,00

UTA - Arquitetura de Sistemas Computacionais 288,00


28 27 26 25

Arquitetura de Computadores
Fase II Fase I

72,00
Mod A

Microprocessadores e Microcontroladores 72
Probabilidade e Estatística 72
Física - Ótica e Princípios de Física Moderna 72

UTA - Ferramentas básicas da Engenharia Eletrônica 288


Terceiro Ano

32 31 30 29
Fase II Fase I

Pesquisa Operacional 72
Mod B

Métodos Quantitativos 72
Instrumentação Eletrônica 72,00
Projeto de Sistemas Microprocessados 72,00

UTA - Dinâmica de Sistemas e Princípios de


Eletrotécnica 288,00
36 35 34 33
Fase II Fase I

Equações Diferenciais 72,00


Mod C

Transformadas: Tempo Contínuo e Discreto 72,00


Conversão de Energia 72,00
Geração, Transmissão e Distribuição de Energia 72,00
Qu
art

An
Mo
dA
o

UTA - Tópicos Avançados em Engenharia Eletrônica 448,00

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 8 de 56

40 39 38 37
Fase II Fase I
Sinais e Sistemas 72,00
Controle Contínuo 72,00
Sistemas Embarcados 72,00
Lógica Programável 72,00

Estágio Supervisionado 160,00


UTA - Aplicações em Ambientes Industriais 288,00
44 43 42 41
Fase II Fase I

Gestão da Qualidade 72,00


Mod B

Empreendedorismo 72,00
Redes Industriais 72,00
Automação Industrial e Robótica 72,00

UTA - Convergência Digital 288,00


48 47 46 45
Fase II Fase I

Controle Discreto 72,00


Mod C

Dispositivos Móveis 72,00


Sistemas Operacionais 72,00
Redes de Computadores 72,00

UTA - Gestão de Organizações Tecnológicas 328,00


52 51 50 49
Fase II Fase I

Gestão de Projetos 72,00


Mod A

Administração Estratégica 72,00


Legislação e Propriedade Intelectual 72,00
Gestão da Inovação e Tecnologia 72,00
Trabalho de Conclusão de Curso - Projeto 40,00
UTA - Princípios de Comunicações 288,00
Quinto Ano

56 55 54 53
Fase II Fase I

Fundamentos de Sistemas de Comunicações 72,00


Mod B

Comunicações Digitais 72,00


Processamento Digital de Sinais 72,00
Processamento de Imagens 72,00

UTA - Atualidades em Eletrônica Aplicada 376,00


59 58 57
Fase II Fase I

Eletrônica de Potência 72,00


Mod C

Tópicos Especiais em Engenharia Eletrônica 72,00


Optativas (Libras) * 72,00
Atividades Complementares 120,00
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 9 de 56

Trabalho de Conclusão de Curso - Implementação 40


Formação Inicial em EaD 40
Educação das Relações Étnico-Raciais para o Ensino de
História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena 72
Total de Horas 4720,00

Sistema de Avaliação

Modalidade a Distância

O centro Universitário UNINTER aplica as seguintes atividades avaliativas ao longo do curso:

a) Avaliação – Atividade pedagógica online (APOL): esta atividade avaliativa, tem por
objetivo, ressaltar aspectos de processualidade na avaliação, em 5 momentos
distintos ao longo do período de oferta. Os alunos serão avaliados sobre os
conteúdos teóricos das unidades curriculares, com questões objetivas, corrigidas
automaticamente pelo sistema, com peso de 20% da nota final da disciplina. Para
cada APOL recomenda-se ao menos 01 hora de estudos, no total pelo menos 03
horas de estudo por unidade curricular para esta atividade;

b) Avaliação – Prova Objetiva (PO): esta atividade avaliativa será realizada ao final do
período de oferta da unidade curricular, com 10 questões objetivas, randomizadas
de um banco de questões com 100 questões previamente elaboradas. A atividade
tem duração prevista de 60 a 90 minutos dependendo da complexidade da disciplina
e peso de 30% na nota final da unidade curricular;

c) Avaliação – Prova Discursiva (PD): esta atividade avaliativa também será realizada
ao final da unidade curricular com mínimo de 4 questões discursivas, com peso de
30% da nota da unidade curricular. O tempo previsto para realização desta atividade
é de 60 a 90 minutos dependendo da complexidade da disciplina;

d) Avaliação – Atividade Prática (AP): esta atividade avaliativa é realizada no decorrer

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 10 de
56

da unidade curricular, e terá peso de 20% da nota final da unidade curricular. Essa
AP é aplicada a todas as disciplinas e poderão ser dos seguintes tipos:

1. Caderno de exercícios com questões que envolvem todo o conteúdo teórico da


disciplina e aplicados diretamente no sistema AVA.

2. Desenvolvimento de trabalhos relativos ao conteúdo estudado ao longo da


oferta, por meio de pesquisas, visitas etc, que culminam em um relatório técnico,
postado no AVA para correção por professores contratados exclusivamente a
esse trabalho.

3. Realização de experimentos nos laboratórios virtuais, ou nos laboratórios


pessoais (Kits), que resultam em relatórios técnicos, postados no AVA para
correção por professores contratados exclusivamente a esse trabalho.

Obs. Todas as questões e/ou trabalhos que constam nas atividades avaliativas são
elaboradas pelo professor regente da disciplina e revisados/atualizados pelos professores
tutores, os quais são devidamente treinados para a elaboração.

e) Exame:
Consiste em uma prova discursiva (peso 6.0) e uma prova objetiva on-line (peso 4.0); o
aluno não precisa solicitar e pagar taxa; com a média da nota obtida entre as duas provas, é
realizada a média final; é realizada mediante agendamento junto ao Polo, cumprindo o
período estabelecido em cronograma de aula.
f) Recuperação de Conceito Paga:
Consiste em uma prova objetiva on-line, por disciplina composta por 10 questões objetivas de
múltipla escolha; o aluno deve solicitar no ÚNICO e pagar a taxa do protocolo; a nota obtida é
substitutiva da Média Final; é realizada no AVA e a data deverá ser agendada com o Polo
cumprindo o período estabelecido em cronograma de aula; realizada presencialmente no PAP
e sem consulta.

Portaria 40, Art.32. § 2º A instituição manterá em página eletrônica própria, e também na biblioteca, para consulta dos alunos ou interessados,
registro oficial devidamente atualizado das informações referidas no § 1º, além dos seguintes elementos:
II - conjunto de normas que regem a vida acadêmica, incluídos o Estatuto ou Regimento que instruíram os pedidos de ato autorizativo junto ao MEC;

Normas Acadêmicas
As normas acadêmicas que regem a vida acadêmica do aluno estão descritas nos
seguintes documentos:

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 11 de
56

Manual do Aluno, disponível no link:


http://www.uninter.com/vestibular/adistancia/arquivos/manual-aluno.pdf

Resolução 93/2014 – CEPE , disponível no link:


http://www.grupouninter.com.br/centrouniversitario/informacoes.php#avaliacao

Portaria 40, Art.32. § 2º A instituição manterá em página eletrônica própria, e também na biblioteca, para consulta dos alunos ou interessados, registro
oficial devidamente atualizado das informações referidas no § 1º, além dos seguintes elementos:
III - descrição da biblioteca quanto ao seu acervo de livros e periódicos, relacionada à área do curso, política de atualização e informatização, área física disponível e
formas de acesso e utilização;

Biblioteca
Bibliografia Básica

ABREU, Estela dos Santos; TEIXEIRA, José Carlos Abreu. Apresentação de Trabalhos
Monográficos de Conclusão de Curso. 6. ed. Niterói: EdUFF, 2003.

ALBUQUERQUE, Pedro U. B. de; ALEXANDRIA, Auzuir Ripardo de. Redes industriais:


aplicações em sistemas digitais de controle distribuído protocolos industriais, aplicações
SCADA. 2. ed. São Paulo: Ensino Profissional, 2009.

ALENCAR, Marlúcia Cereja de Alencar; ASSEFF, Vera Raimunda Amério. Construindo o


Trabalho Monográfico. Rio de Janeiro: Campos dos Goytacazes, 2002.

ALENCASTRO, Mario Sergio Cunha. Ética e meio ambiente – construindo as bases para
um futuro sustentável. Curitiba: InterSaberes, 2015.

ALEXANDER, Charles K.; SADIKU, Matthew N. O. Fundamentos de Circuitos Elétricos. 5


ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

AMMERAAL, L.; ZHANG, K. Computação Gráfica para Programadores Java. São Paulo:
LTC, 2008.
ARENALES, M.; ARMENTANO, V.; MORABITO, R.; YANASSE, H. Pesquisa operacional
para cursos de engenharia. Campus, 2007.

ASCENCIO, Ana Fernanda Gomes; CAMPOS, Edilene Aparecida Veneruchi de. Estrutura
de dados: Algoritmos, análise da complexidade e implementações em JAVA e C/C++.
São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

ASHENDEN, P.J. The designer's guide to VHDL. 3ª Ed. Boston: Morgan Kaufmann, 2008.
AURA CONCI, A.; AZEVEDO E.; LETA, F. Computação Gráfica: Processamento de
Imagens Digitais. Vol. 2. São Paulo: Elsevier, 2007.

AZEVEDO, Celicina Borges. Metodologia científica ao alcance de todos. 2ª Edição.


Barueri-SP: Manole, 2009.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 12 de
56

B. P. Lathi, Sistemas de Comunicação, Ed. Guanabara, 1987

BARBI, Ivo. & MARTINS Denizar Cruz. Conversores CC-CC básicos não-isolados, 1ª
edição, UFSC, Florianópolis, 2001.

BARBOSA, M. A.; ZANARDINI, R. A. D. Iniciação à Pesquisa Operacional. Curitiba:


InterSaberes, 2013.

BARNEY, J.; HESTERLY, W. Administração estratégica e vantagem competitiva: casos


brasileiros cedidos pela Central de Cases ESPM. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BARROS, A. J. S.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia Científica. 3ª ed.


São Paulo: Pearson, 2007.

BASTOS, João Pedro Assumpção. Eletromagnetismo para Engenharia, Estática e quase-


estática. Ed. da UFSC,2004

BEER, F.; JOHNSTON, E. R. Mecânica dos materiais. 7ª Ed. Mc Graw Hill, 2015.

BERNARDES, Cyro; MARCONDES, Reynaldo Cavalheiro. Criando empresas para o


sucesso: empreendedorismo na prática. 3. São Paulo: Saraiva, 2004.

BERTÉ, Rodrigo. Gestão sócio ambiental no Brasil – uma análise ecocêntrica. Curitiba:
InterSaberes, 2012.

BOLTON, William. Mecatrônica: Uma abordagem multidisciplinar. 4 ed. Porto Alegre:


Bookman, 2010.

BOYCE, William E; DIPRIMA, Richard C. Equações diferenciais elementares e problemas


de valores de contorno. 10 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

BOYLESTAD, R. Introdução à Análise de Circuitos. 12ª ed. São Paulo: Pearson Prentice
Hall, 2012.

BOYLESTAD, R. L.; NASHELSKY. L. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 8ª


ed. Rio de Janeiro: Pearson, 2004.

BRONSON, Richard; COSTA, Gabriel. Equações Diferenciais. 3 ed. Porto Alegre:


Bookman, 2008.

BRUNETTI, F. Mecânica dos fluidos. 2ª ed. São Paulo: Pearson, 2008.

BURIAN JR, Yaro. Circuitos elétricos. São Paulo: Pearson, 2006.

CALLISTER, W. D. Ciência e engenharia de materiais: uma introdução. 5ª ed. Editora


John Wiley & Sons – 2002.

CAPRON, H.L; JOHNSON, J.A. Introdução à Informática. 8ª Edição. São Paulo-SP:


Pearson. 2004.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 13 de
56

CARVALHO, M. M.; PALADINI, E. P. Gestão da qualidade: teoria e casos. Rio de Janeiro:


Elsevier, 2006.

CASTANHEIRA, N. P. Estatística aplicada a todos os níveis. 1ª ed. Curitiba: InterSaberes,


2012.

CASTANHEIRA, Nelson Pereira. Métodos quantitativos. Curitiba: InterSaberes, 2013.

CASTANHERIA, N. P; ROCHA, Alex; MACEDO, Luiz Roberto Dias de. Tópicos de


Matemática Aplicada. Curitiba: InterSaberes, 2013.

CASTOR, Belmiro Valverde Jobim. Tamanho não é documento: estratégias para a


pequena e a microempresa brasileira. Curitiba: EBEL, 2006.

CASTRO, Claudio de Moura. Como redigir e apresentar um trabalho científico. São Paulo:
Pearson, 2011.

CASTRO, Cláudio de Moura. Estrutura e apresentação de publicações científicas. São


Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil, 1976.

CAVALIN, G. & CERVELIN, S. - Instalações elétricas prediais - 10ª ed. - São Paulo -
Editora Érica – 2010.

CHRISTENSEN, Clayton M.; RAYNOR, Michael E. O Crescimento pela inovação – Como


crescer de forma sustentada e reinventar o sucesso. Campus, 2003, 344 p.

COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial - Direito de Empresa. 22ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2010.

CORRÊA, Rosa Lydia Teixeira. Cultura e Diversidade. Curitiba: InterSaberes, 2012.

COSTA, C. Projetos de circuitos digitais com FPGA. 1ª Ed. São Paulo: Érica, 2009.

COTRIM, Ademaro A, - Instalações elétricas - 5ª ed. – Editora Prentice Hall - Rio de


Janeiro.

DEITEL, H.M. Sistemas Operacionais. 3ª Edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

DEL TORO, Vicent. Fundamentos de máquinas elétricas. Rio de Janeiro: LTC, c1994.
550 p.

DEMANA, F. D.; WAITS, B. W.; FOLEY, G. D.; KENNEDY, D. Pré-Cálculo. 2ª ed. São
Paulo: Pearson, 2013.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 22ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

DINIZ, Paulo S. R.; SILVA, Eduardo A. B.; NETTO, Sergio L. Processamento Digital de
Sinais - Projeto e Análise de Sistemas. 2ª ed. Bookman, 2014.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios.


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 14 de
56

Rio de Janeiro: Campus, 2005.

DOWER, Nelson Godoy Bassil. Instituições de Direito Público e Privado. 13ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2008.

DRUCKER, P. F.; Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e


princípios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

EHRLICH, P. J. Pesquisa operacional – Curso introdutório. Atlas, 1991.

FARRER, Harry; BECKER, Christiano Gonçalves; FARIA, Eduardo Chaves; MAIA, Miriam
Lourenço; MATOS, Helton Fábio de; SANTOS, Marcos Augusto dos. Algoritmos
estruturados: programação estruturada de computadores. 2ª ed. Belo Horizonte: LTC,
1989.

FERNANDES, Sueli. Educação de surdos. Curitiba: InterSaberes, 2012.

FIGUEIREDO, D. G. Análise de Fourier e equações diferenciais parciais. Rio de Janeiro:


IMPA/CNPq, 1997.

FITZGERALD, A. E.; KINGSLEY, Charles; UMANS, Stephen D. Máquinas elétricas: com


introdução à eletrônica de potência. 6.ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 648 p.

FLEMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo A: funções, limite, derivação e integração.


6ª ed. São Paulo: Pearson, 2006.

FLEMMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo B: funções de várias variáveis, integrais


múltiplas, integrais curvelíneas e de superfície. 2ª ed. São Paulo: Pearson, 2007.

FLOYD, Thomas. Sistemas Digitais: Fundamentos e Aplicações. 9ª Edição. Bookman,


2007.

FOLLADOR, Dolores. Tópicos especiais de ensino de matemática: tecnologias e


tratamento da informação. Curitiba: InterSaberes, 2012.

FOROUZAN, Behrouz A. Comunicação de dados e redes de computadores. 4ª ed. São


Paulo: McGraw-Hill, 2008.

FRANCO, N. B. Cálculo Numérico. São Paulo: Pearson, 2006.

FRANCO, S. Design With Operational Amplifiers and Analog Integrated Circuits. Boston:
Wcb/Mcgraw-Hill, 1998.

FREITAS, C. A. De. Introdução à Engenharia. São Paulo: Pearson, 2014.

FRENCH, T. E.. Desenho Técnico. São Paulo: Globo, 8ed., 2005.

GAONKAR, Ramesh S. Microprocessor Architecture, Programming and Applications with


the 8085. 4th edition. Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1999.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 15 de
56

GEORGE, B. T. Cálculo Vol. 1. 12ª ed. São Paulo: Pearson, 2012.

GIMENEZ, Salvador P. Microcontroladores 8051: teoria do Hardware e do Software:


aplicações em controle digital: laboratório e simulação. São Paulo: Pearson Education,
2002.

GONZALEZ, Rafael C.; WOODS, Richard E. Processamento Digital de Imagens. 3ª Ed.


São Paulo: Prentice Hall, 2010.

GUEDES, Sérgio. Lógica de Programação Algorítmica. São Paulo: Pearson, 2014.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de física: eletromagnetismo. 8ª


ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

HAYKIN, S., VAN VENN, B. Sinais e sistemas, Porto Alegre: Bookman, 2001.

HAYKIN, S.; VEEN, B. Sinais e sistemas. Porto Alegre: Bookman, 2001.

HAYT Junior, William H. Eletromagnetismo. 6ª Edição, Ed. LTC, 2003.

HEATH, Steve. Microprocessor Architectures RISC, CISC and DSP. 2nd edition. Oxford:
Newnes, 1995.

HIBBELER, R. C. Resistência dos Materiais. 7ª Ed. Pearson.

HITT, M.; IRELAND, D; HOSKISSON. Administração estratégica. 7ª Ed. São Paulo:


CENCAGE Learning, 2007.

HOFFMANN, L. D.; BRADLEY, G. L.; SOBECKI, D.; PRICE, M. Cálculo: Um curso


moderno com aplicações. 11ª ed. vol. 1. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

IDOETA, I. V.; CAPUANO, F. G. Elementos de Eletrônica Digital. 30ª ed. São Paulo:
Érica, 2000.

JORDÃO, Rubens Guedes. Máquinas síncronas. São Paulo: LTC- Livros Técnicos e
Científicos/ Editora da Universidade de São Paulo, 1980. 215p.

KNUDSEN, Jonathan. Wireless Java: developing with J2ME, 2 ed. Berkeley: Apress,
2003.

Kuo, C. Benjamin C. – Automatic Control Systems, 7ª edição, Prentice-Hall Englewood


Cliffs, NJ, 1995.

KUROSE, James F.; ROSS, Keith W. Redes de computadores e a internet: uma


abordagem top-down. 3ª ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2009.

LARSON, R.; FARBER, B. Estatística Aplicada. 4ª ed. São Paulo: Pearson, 2009.

LECHETA, Ricardo R. Google Android: Aprenda a criar aplicações para dispositivos


móveis com o Android SDK. 2 edrev. São Paulo: Novatec, 2010.
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 16 de
56

LIPSSCHUTZ, S. Probabilidade. 4ª ed. São Paulo: Makron Books, 1994.

LUGLI, Alexandre Baratella; SANTOS, Max Mauro Dias. Sistemas fieldbus para
automação Industrial: deviceNet, CANopen, SDS e Ethernet. São Paulo: Editora Erica,
2009.

MACHADO, Francis Berenger; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de Sistemas Operacionais.


2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

MAIA, D. J.; BIANCHI, J.C. de A. Química Geral- Fundamentos. 2a.ed. São Paulo:
Pearson, 2007.

MALVINO, Albert; BATES, David J. Eletrônica Vol. 1. 7ª ed. McGraw Hill, 2008.

MAMEDE, J, F, - Instalações elétricas industriais – Editora LTC São Paulo.

MANZANO, José Augusto N.G.; OLIVEIRA, Jayr Figueiredo de. Algoritmos: lógica para
desenvolvimento de programação de computadores. 12ª ed. São Paulo: Érica, 2001.

MARCELI, M. T. Desenho Técnico Básico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2004.

MARIOTTO, P. Análise de Circuitos Elétricos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

McFEDRIES, Paul. Fórmulas e funções com Microsoft Office Excel 2007. São Paulo:
Pearson Prentice Hall, 2009.

MERIAM, J. L.; KRAIGE, L. G. Mecânica - Estática. 5 ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros
Técnicos e Científicos Editora S.A., 2004.

MICHALISZYN, Mario Sergio. Relações étnico-raciais para o ensino da identidade e da


diversidade cultural brasileira. Curitiba: InterSaberes, 2014.

MIKELL P. GROOVER. Automação industrial e sistemas de manufatura. 3 ed. São Paulo:


Pearson, 2011.

MUCHOW, John W. Core J2ME: Tecnologia & MIDP. São Paulo: Makron Books, 2004.

MUHAMMAD, Rashid. Eletrônica de potência; Editora: Makron Books, 1999.

MULLER, Arnaldo C. Hidrelétricas, Meio Ambiente e Desenvolvimento, Editora Makron


Books do Brasil Ltda, São Paulo, 1996.

MUNHOZ, A. S. Responsabilidade e autoridade social das empresas. Curitiba:


InterSaberes, 2015.

NAGLE, R. Kent; SAFF, Edward B.; SNIDER, Arthur David. Equações Diferenciais. 8ª ed.
São Paulo: Pearson, 2012.

NALON, J. A. Introdução ao processamento digital de sinais, Rio de Janeiro: LTC, 2009.


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 17 de
56

NEUFELD, J. Estatística aplica à Administração usando Excel. São Paulo: Prentice Hall,
2003.

NEWTON, R. O. Gestor de projetos. 2ª ed. São Paulo: Pearson, 2011.

NILSSON, J; RIEDEL, S. Circuitos Elétricos. 8ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,
2009.

OGATA, K. Engenharia de controle moderno, 4ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

OLIVEIRA, B. G. MS Project 2010 & Gestão de Projetos. São Paulo: Pearson, 2012.

OPPENHEIM, Alan V. e SCHAFER, Ronald W. Processamento em Tempo Discreto de


Sinais. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

ORLICKAS, E. Modelos de gestão: das teorias da administração à gestão estratégica.


Curitiba: InterSaberes, 2012.

PACHECO, Marco A. C.; NETO, Omar P. V. Nanotecnologia computacional inteligente:


concebendo a Engenharia em Nanotecnologia. Editora PUC-Rio, 512 p.

PALADINI, E. P. Gestão da qualidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
PARHAMI. Arquitetura de Computadores. McGraw Hill, 2008.

PEDRONI, V.A. Eletrônica digital moderna e VHDL. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

PEREIRA, Fábio. Microcontroladores PIC: programação em C. 3ª edição. São Paulo:


Érica, 2004.

PEREIRA, Maria Cristina da Cunha; CHOI, Daniel; VIEIRA, Maria Inês; GASPAR,
Priscilla; NAKASATO, Ricardo. Libras: Conhecimento além dos sinais. 1ª ed. São Paulo:
Pearson, 2011.

PERTENCE JR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos. 6ª ed. São Paulo:


Bookman, 2003.

PICOLO, K. C. A. Química Geral. São Paulo: Pearson, 2014.

R. RESCNICK, D. HALLIDAY, e J. MERRILL. Fundamentos de Física - Mecânica. 9ª ed.


vol 1. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

R. RESCNICK, D. HALLIDAY, e J. MERRILL. Fundamentos de Física - Mecânica. 9ª ed.


vol 2. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

REIS, Lineu Belico Dos; FADIGAS, Eliane A. Amaral; CARVALHO, Cláudio Elias.
Energia, recursos naturais e a prática do desenvolvimento sustentável, Editora Manole,
Barueri, SP, 2005.

RIBEIRO, A. C.; PERES, M. P.; IZIDORO, N. Desenho técnico e auto cad - Editora
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 18 de
56

PEARSON.

ROSÁRIO, João Mauricio. Princípios de Mecatrônica. São Paulo: Pearson, 2005.

RUGGIERO, M.A.G. e LOPES, V.L.R. Cálculo Numérico, Aspectos Teóricos e


Computacionais. 3ª ed. São Paulo: Pearson, 2014.

RUZZI, Maurizio. Física Moderna: Teorias e Fenômenos. 2ª ed rev. e atual. Curitiba:


InterSaberes, 2012.
SCHULER, Charles. Eletrônica II. Série Tekne. 7ª ed. McGraw Hill, 2013.

SEDRA, A.; SMITH, K. C. Microeletrônica. 5ª ed. São Paulo: Pearson, 2005.

SELEME, R. Gestão da qualidade e ferramentas essenciais. Curitiba, Ed. IBPEX 2010.

SERTEK, Paulo. Responsabilidade Social e Competência Inter-Pessoal. 2ª ed. Curitiba:


InterSaberes, 2013.

SHACKLFORD, J. F. Introdução à ciência dos materiais para engenheiros. 6ª ed. São


Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.

SILVA, Cláudio E.; SANTIAGO, Arnaldo J.; MACHADO, Alan F.; ASSIS, Altair Souza.
Eletromagnetismo: Fundamentos e simulações. São Paulo: Pearson Education, 2014.

SINCICH, McClave Benson. Estatística para administração e economia. 10ª Ed. São
Paulo: Pearson, 2009.

SMITH, Adam; GEIGER, Paulo. A mão invisível. São Paulo: Penguin Classics Companhia
das Letras, 2013.

SMITH, W. F. Princípios de ciência e engenharia dos materiais 3ª ed. São Paulo Mc Graw
Hill 1998.

SOARES, Luiz Fernando G.; LEMOS, Guido; COLCHER, Sérgio. Redes de


computadores: das 49 LAN’S, MAN’s e WANs às redes ATM. 2.ed. Rio de Janeiro:
Campus, 1995.

SOFFNER, Renato. Algoritmos e programação em linguagem C. 1ª Ed. São Paulo,


Saraiva, 2013.

SOUZA, Davi José. Desbravando o PIC – Ampliado e Atualizado para PIC 16F628A. 12ª
Edição. Érica, 20
STADLER, A.; MAIOLI, M.R. Organizações e Desenvolvimento Sustentável. Curitiba:
InterSaberes, 2012.

STALLINGS, W. Arquitetura e organização de computadores. 8ª Edição. São Paulo:


Pearson Prentice - Hall, 2010.

STALLINGS, William. Advances in local and metropolitan area networks. 1994.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 19 de
56

STEINBRUCH, A.; WINTERLE, P. Geometria Analítica. 2ª ed. São Paulo: Pearson, 2014.

TANENBAUM, A. S. Organização estruturada de computadores. 5ª Edição. São Paulo:


Pearson Prentice - Hall, 2007.

TANENBAUM, A. S. Redes de computadores. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

THEODORE l. B.; LEMAY, E. H.Jr; BURSTEN, E. B. Química, a Ciência Central. 9ª ed.


São Paulo: Pearson, 2005.

TIPLER, P. A. Física: eletricidade e magnetismo, ótica. 6ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

TOCCI, Ronald J.; WIDMER, Neal S.; MOSS, Gregory L. Sistemas Digitais: princípios e
aplicações. 11ª edição. São Paulo: Pearson, 2011.

VAHID, Frank. Sistemas Digitais: Projeto, Otimização e HDLs. Bookman, 2008.

VALERIANO, D. Moderno Gerenciamento de Projetos. São Paulo: Pearson, 2005.

VELLOSO, Fernando de Castro. Informática: conceitos básicos. 4ª Edição revisada e


atualizada. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

WEBER, Otávio José. Ética, educação e trabalho. Curitiba: InterSaberes, 2013.

WEBER, Raul Fernando. Fundamentos de Arquitetura de Computadores. 3ª Edição.


Editora Sagra-Luzzatto, 2004.

WERNECK, M. M. Transdutores e Interfaces. Rio de janeiro: LTC, 1996.

WINTERLE, P. Vetores e geometria analítica. São Paulo: Pearson, 2014.

YOUNG, H. D e FREEDMAN, R. A.; Sears e Zemansky. Física I - Mecânica. 12ª ed. São
Paulo: Pearson, 2008.

YOUNG, H. D e FREEDMAN, R. A.; Sears e Zemansky. Física II - Termodinâmica e


ondas. 12ª ed. São Paulo: Pearson, 2008.

YOUNG, H. D e FREEDMAN, R. A.; Sears e Zemansky. Física III: Eletromagnetismo. 12ª


ed. São Paulo: Pearson, 2009.

YOUNG, Hugh D. e FREEDMAN, Roger A. Física IV - Ótica e Física Moderna. 12ª


edição. Pearson, 2009.

Bibliografia Complementar

AGUIRRE, L. A. Fundamentos da Instrumentação. São Paulo: Pearson, 2013.

AHMED, Ashfaq. Eletrônica de potência; Editora: Prentice Hall, 1a edição, 2000.

ALBUQUERQUE, Rômulo O.; SEABRA, Antonio C. Utilizando Eletrônica com AO, SCR,
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 20 de
56

TRIAC, UJT, PUT, CI 555, LDR, LED, FET e IGBT. 2ª ed. Érica, 2012.

ALDABÓ, Ricardo. Sistemas de redes para controle e automação. Rio de Janeiro: Book
Express, 2000.
ALENCASTRO, M. S. C. Empresas, ambiente e sociedade – Introdução à gestão
socioambiental corporativa. Curitiba: InterSaberes, 2012.

ALLEN, S. M. and Thomas E.L. Materials science and engineering: An Introduction


Editora John Wiley & Sons. São Paulo 1999.

ALMEIDA, M. I. R. Manual de Planejamento Estratégico: desenvolvimento de um plano


estratégico com a utilização de planilhas Excel. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ALONSO, M. & FINN, E. J. Física Um Curso Universitário. 2ª ed. São Paulo: Ed. Edgard
Blücher, 1972.

ALVES, Luiz. Comunicação de dados. 2. ed., rev. e ampl. São Paulo: Makron Books,
1994.

ANDERSON, Al; BENEDETTI, Ryan. Redes de Computadores - Use a Cabeça! Alta


Books, 2010.

ANDERSON, D.; SWEENEY, D.; WILLIAMS, T. Estatística aplicada à administração e


economia. 2ª ed. São Paulo: CENGAGE Learning, 2007.

ANDRADE, E. L. Introdução à pesquisa operacional: métodos e técnicas para análise de


decisão. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho cientifico. São Paulo: Atlas,


1996.

ANTUNES, Maria Tereza. Ética. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

ARAÚJO, C. de; CHUI, W. S. Praticando Eletrônica Digital. 2ª ed. São Paulo: Érica, 1997.

ASHLEY, Patrícia Almeida. Ética e responsabilidade social nos negócios. 5ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2014.

ATKINS, P. W.; JONES, L. Princípios de Química. Questionando a Vida Moderna e o


Meio Ambiente. 5ª ed. São Paulo: Bookman, 2012.

B. P. Lathi, Modern Digital and Analog Communication Systems - 3a Ed., 1998.

BALLESTERO-ALVAREZ, M. E. (Cood.). Administração da qualidade e da produtividade:


abordagens do processo administrativo. São Paulo: Atlas, 2001.

BARBI, Ivo; SOUZA, Fabiana Pöttker de. Conversores CC-CC isolados de alta frequência
com comutação suave. Florianópolis: 1999.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Introdução ao cálculo e aplicações. São Paulo: Contexto,


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 21 de
56

2015.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Modelagem matemática – teoria e prática. São Paulo:


Contexto, 2015.

BAZZO, Walter Antonio, PEREIRA, Luiz Teixeira do Vale. Introdução á Engenharia:


Conceitos, Ferramentas e Comportamentos. Florianópolis-SC: Ed da UFSC, 2006.

BEER, F. P.; JUNIOR, E. R. J. Mecânica Vetorial para Engenheiros: v2 - Cinemática e


Dinâmica. 5 ed. São Paulo: Makron Books, 1994.

BEER, F. P.; JUNIOR. E. R. J. Mecânica Vetorial para Engenheiros: v1 - Estática. 5 ed.


São Paulo: Makron Books, 1994.

BIANCHI, J. C. A.; MAIA, D. J. Química Geral. São Paulo: Pearson, 2007.

BIRD, John. Circuitos elétricos: teoria e tecnologia. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

BITTAR, Carlos Alberto. Direitos do consumidor: código de defesa do consumidor. 3ª Ed.


Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

BORNIA, A. C. Estatística para cursos de engenharia e informática. São Paulo: Atlas,


2010.

BOSE, B. K. Power electronics and AC drives. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1986.

BOULOS, P. Cálculo diferencial e integral Vol. 1. São Paulo: Makron Books, 1999.

BOULOS, P. Introdução a Geometria Analítica no espaço. São Paulo: Makron Books do


Brasil, 1997.

BOYETT, Joseph; BOYETT, Jimmie. O guia dos gurus II: as melhores ideias e casos de
sucesso dos maiores empreendedores do mundo. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

BOYLESTAD, R. L. Introdução à Análise de Circuitos. 12ª Ed. São Paulo: Prentice Hall,
2012.

BOYLESTAD, R.; NASHELSKY, L. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 11ª ed.


São Paulo: Pearson, 2013.

BRAGA, N. C. Fórmulas e Cálculos para eletricidade e eletrônica. São Paulo: NCB, 2013.

BRANNAN, James. R.; BOYCE, William E. Equações diferenciais uma introdução a


Métodos Modernos e suas aplicações. Rio de Janeiro :LTC, 2008.

BRAUNER, M. C. C.; DURANTE, V. Ética ambiental e bioética – proteção jurídica da


biodiversidade. Caxias do Sul, RS: Educs, 2012.

BRUICE, P. Y. Química Orgânica. 4ª ed. vol. 2. São Paulo: Pearson, 2006.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 22 de
56

BURDEN, R.; FAIRES, J. Douglas. Análise numérica. São Paulo: Pioneira, 2003.

BURIAN JR., Y.; LYRA, Ana Cristina C. Circuitos Elétricos. São Paulo: Pearson Prentice
Hall, 2006.

BURIAN, R., HETEM JUNIOR, A. Cálculo Numérico. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

CAPRON, H. L. JOHNSON. J.A. Introdução a Informática. 8ª Edição. São Paulo: Pearson


Prentice Hall, 2004.

CARR, D. K.; LITTMAN, I. D. Excelência nos serviços públicos: gestão da qualidade total
na década de 90. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998.

CARUSO, Francisco; OGURI, Vitor. Física Moderna – Exercícios Resolvidos. Campus,


2009.

CARVALHO, J. L. M. Sistemas de controle automático. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

CASELLA, G.; BERGER, R. Inferência Estatística. 2ª ed. São Paulo: CENGAGE


Learning, 2011.

CASTANHERIA, N. P; ROCHA, Alex; MACEDO, Luiz Roberto Dias de. Tópicos de


Matemática Aplicada. Curitiba: InterSaberes, 2013.

CATFIELD, C. JOHNSON, T. Passo a passo: Microsoft Project 2003. Porto Alegre:


Bookman, 2006.
Çengel, Yunus A.; PALM III, William J. Equações Diferenciais. Porto Alegre: AMGH, 2014.

CERTO, S. Administração estratégica: planejamento e implantação da estratégia. 2ª Ed.


São Paulo: Pearson Education Brasil, 2005.

CHAVES, A. e SAMPAIO, J. L. Física básica: gravitação, fluidos, ondas, termodinâmica.


vol. 2. São Paulo: LTC, 2007.

CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor:


empreendedorismo e viabilização de novas empresas: um guia compreensivo para iniciar
e tocar seu próprio negócio. São Paulo: Saraiva, 2006.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 9ª Ed. Barueri, SP:


Manole, 2014.

CHIAVERINI, V. Aços e ferros fundidos. 6ª ed. São Paulo Editora da ABM 1990.

CISCO. NETACAD. Disponível em: http://www.cisco.com/web/learning/netacad/index.html


COMER, Douglas E. Redes de computadores e internet: abrange transmissão de dados,
ligação Inter redes e web e aplicações. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

CONDE, A. Geometria Analítica. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2004.

CONFEA. Profissionais da Engenharia e da Agronomia – Resolução 1048/2013. 2ª


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 23 de
56

Tiragem. 2014.

CREDER, Helio – Instalações elétricas - 15ª ed. – São Paulo – Editora LTC – 2013.

CRISTOVAM, Buarque. Da ética à ética: minhas dúvidas sobre ciência econômica.


Curitiba: InterSaberes, 2012.

CRUZ, E. C. A.; SALOMÃO; C. Jr. Circuitos Sequenciais e Memórias. São Paulo: Érica,
1994.
D´azzo, John J. Houpis, Constantine H. – Análise e Projeto de Sistemas de Controle
Lineares, 2ª Edição, editora McGraw-Hill, 1984.

DAVENPORT, Thomas, et al. Tecnologia e gestão da informação. Biblioteca de Gestão.


Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

DEITEL, H.M. Como programar. 6ª ed. São Paulo: Pearson, 2011.

DEITEL, H.M. Sistemas Operacionais. 3ª Edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

DEMANA, F. D.; WAITS, B. K.; FOLEY, G. D.; KENNDI, D. Pré-cálculo. 2ª ed. São Paulo:
Pearson, 2013.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1996.

DIAS, José de Aguiar; DIAS, Rui Berford. Da responsabilidade civil. 11ª Ed. Rio de
Janeiro: Renovar, 2006.

DIAS, M. S.; MORETTI, V. D. Números e Operações. 1ª ed. Curitiba: InterSaberes, 2012


.
DIAS, M. Sistemas Digitais - Princípios e Prática.1ª Ed. São Paulo: FCA, 2010.

DIMARZIO, Jerome F. Android: A programmer’s guide. Macgraw Hill, 2008.

DINIZ, P., SILVA, E., NETTO, S. Processamento digital de sinais: projeto e análise de
sistemas. Porto Alegre: Bookman, 2004.

Dorf, Richard C., Bishop, Robert H. – Modern Control Systems, 8ª edição, Addison-
Wesley, 1998.
DYM, C.; LITTLE, P.; ORWIN, E.; SPJUT, E. Introdução à Engenharia Uma Abordagem
Baseada em Projeto. 3ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

EISBERG, R. RESNICK. Física Quântica – Átomos, Moléculas, Sólidos, Núcleos e


Partículas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

ERCEGOVAC, M.; LANG, Thomas; MORENO, J. Introdução aos Sistemas Digitais. Porto
Alegre: Bookman, 2000.

FACCIN, Giovani Manzeppi. Elementos de cálculo diferencial e integral. Curitiba:


InterSaberes, 2015.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 24 de
56

FACHIN, LUIZ EDSON; GOMES, ORLANDO. Direitos Reais. 19ª Ed. Revista, Atualizada
e Aumentada de acordo com o Código Civil de 2002. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

FACION, José Raimundo. Inclusão Escolar e suas implicações. Curitiba: InterSaberes,


2012.

FELIPE, Tanya A., MONTEIRO, Myrna S. Libras em contexto: curso básico, livro do
professor instrutor. Brasília: Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos
MEC/SEESP, 2001.

FELIZARDO, Aloma Ribeiro. Ética e direitos humanos – uma perspectiva profissional.


Curitiba: InterSaberes, 2012.

FERREIRA, M. P. Estratégia em Diferentes Contextos Empresariais: Fundamentos,


Modelos e Perspectivas. São Paulo: Atlas, 2010.

FEYNMAN, R. Lectures on Physics. v. 3. Addison Wesley, 1971.

FINNEY, Ross L.; WEIR, Maurice D.; GIORDANO, Frank R.; THOMAS, George B.
Cálculo Vol. 1. 10 ed. São Paulo: Pearson, 2002.

FINNEY, Ross L.; WEIR, Maurice D.; GIORDANO, Frank R.; THOMAS, George B.
Cálculo Vol. 2. 10 ed. São Paulo: Pearson, 2003.

FLEMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo B: Função de variáveis variavel. 2ª ed.


São Paulo: Pearson, 2007.

Flemming, D. M.; Gonçalves, M. B. Cálculo A. 5ª ed. São Paulo: Makron Books, 1992.

FLOYD, Thomas. Sistemas Digitais: Fundamentos e Aplicações. 9ª Edição. Bookman,


2007.

FONSECA, A. . Curso de Mecânica - Estática.

FORBELLONE, André Luiz Villar; EBERSPÄCHER, Henri Frederico. Lógica de


Programação: A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados. 3ª Ed. São Paulo:
Prentice Hall, 2005.

GARCIA, P.A.; MARTINI, J.S.C. Eletrônica Digital - Teoria e Laboratório. 1ª Ed. São
Paulo: Érica, 2006.

GEORGE, B. T. Cálculo Vol. 1. 12ª ed. São Paulo: Pearson, 2012.

GEORGE, B. T. Cálculo Vol. 2. 12ª ed. São Paulo: Pearson, 2012.

GHEMAWAT, P. Redefinindo Estratégia Global. Porto Alegre: Bookman, 2008.

GIMENEZ, Salvador P. Microcontroladores 8051: teoria do Hardware e do Software:


aplicações em controle digital: laboratório e simulação. São Paulo: Pearson Education,
2002.
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 25 de
56

GIROD, B. Sinais e sistemas. São Paulo: LTC, 2003.

GOMES, A. A. A. – Instalações elétricas de baixa tensão - 1ª ed. – Editora Publindustria –


2013.

GOMES, Jonas, M.; VELHO, Luiz. Computação Gráfica. Volume 1. Rio de Janeiro:
IMPA/SBM, 1998.

GOMES, Orlando; THEODORO JÚNIOR, Humberto. Obrigações. 15ª ed. Rio de Janeiro:
Forense, 2007.

GOODDRICH, Michael T.; TAMASSIA, Roberto. Estrutura de Dados e Algoritmos em


Java. 2ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.

GRIFFITHS, David J. Eletrodinâmica. 3ª Ed. São Paulo: Pearson, 2011.

GRUITER, A. F. Amplificadores Operacionais: Fundamentos e Aplicações. São Paulo:


Mcgraw-Hill, 1988.
GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Cálculo Vol 1. 5ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

GUIMARÃES, K. P. Ensino da Matemática. 1ª ed. Curitiba: InterSaberes, 2012.

HANDY, A. T. Pesquisa Operacional. 8ª ed. São Paulo: Pearson, 2007.

HASHIMOTO, M. Espírito Empreendedor nas organizações. São Paulo: Saraiva, 2007.

HAYES, J .P. Computer Architecture and Organization. 3rd edition. McGraw-Hill, 1998.

HAYES, Monson H. Processamento Digital de Sinais. Coleção Schaum. Bookman, 2006.

HAYKIN, Simon. Sistemas de comunicação: analógicos e digitais. 4. ed. Porto Alegre:


Bookman, 2004.

HAYKIN, Simon; MOHER, Michael. Introdução aos Sistemas de Comunicação. 2 ed.


Porto Alegre: Bookman, 2008.

HELD, Gilbert. Comunicação de dados. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

HIBBELER, R. C. Mecânica - Estática. 12 ed. Rio de Janeiro: Pearson, 2011.

HIBBELER, R.C. Estática: mecânica para engenharia. São Paulo: Pearson, 2011.

HILLIER, F. S. Introdução à pesquisa operacional. Campus, 1988.

HONIG, C. S. Introdução às funções de uma variável complexa. Rio de Janeiro:


Guanabara Dois, 1981.

HSU, H. Teoria e problemas de sinais e sistemas. Porto Alegre: Bookman, 2008.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 26 de
56

IDOETA, I. V.; CAPUANO, F. G. Elementos de eletrônica digital. 40ª Ed. São Paulo:
Érica, 2007.

IEEE Transactions on Mobile Computing. ISSN: 1536-1233. Disponível no portal de


periódicos da CAPES
J. G. Proakis & M. Salehi, Communication Systems Engineering, 2a Ed., Prentice Hall,
2002.

JAMSA, Kris; KLANDER, Lars. Programando em C/C ++: a bíblia. São Paulo: Makron
Books, 1999.

JOHNSON, C. D. Process Control Instrumentation Technology. Upper Saddle River:


Prentice Hall, 2000.
KAPLAN, W. Calculo avançado. São Paulo: Editora Edgard Blucher: Editora da
Universidade de São Paulo, 1972.
KERNIGHAN, Brian W.; RITCHIE, Dennis M. C: a linguagem de programação. Rio de
Janeiro: Campus, 1998.

KESSELRING, Thomas. Ética, política e desenvolvimento humano: a justiça na era da


globalização. 2ª Ed. Caxias do Sul, RS: Educs, 2011.

KLEITZ, W. Digital electronics - A Practical Approach with VHDL. 9ª Ed. Estados Unidos
da América: Prentice Hall, 2011.

KOZLOWSKI, Lorena. Percepção Auditiva e Visual da Fala. Rio de Janeiro: Revinter,


1997.

KUROSE, James F.; ROSS, Keith W. Ross. Redes de computadores e a Internet: uma
nova abordagem. São Paulo: Addison Wesley, 2003.

LACHTERMACHER, G. Pesquisa operacional na tomada de decisões. 3ª ed. Campus,


2006.

LAKATOS, E. M., MARCONI, M. de A. Metodologia do trabalho científico. São Paulo:


Atlas, 1996.

LECHEDA, Ricardo R. Google Android para tablets: Aprenda a desenvolver aplicações


para o Android, de smarthphone a tablets. São Paulo: Novatec, 2012.

LEITHOLD, L. Cálculo com geometria analítica. 3ª ed. vol. 1. Editora Harbra, 1994.

LEONARDI, Fabrizio. Controle essencial. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

LINDEBURG, Michael R. Fundamentos de Engenharia – Teoria e Prática. Vol. 3. São


Paulo: LTC, 2013.

LUCHESI, Maria Regina Chirichela. Educação de pessoas surdas: Experiências vividas,


histórias narradas. São Paulo: Papirus, 2012.

LÜCK, Heloísa. Metodologia de projetos: uma ferramenta de planejamento e gestão.


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 27 de
56

Petrópolis: Vozes, 2003.

M. Schwartz, Transmissão da Informação, Modulação e Ruído, Guanabara Dois, 1979.

MADY, Eliane Batista. Pesquisa de Mercado. Curitiba: InterSaberes, 2014.

MALVINO, A. P. Eletrônica. São Paulo: Makron Books, 1997.

MALVINO, A. P.; LEACH, D. P. Eletrônica Digital: Princípios e Aplicações. São Paulo:


McGraw-Hill, 1988.

MALVINO, Albert; BATES, David J. Eletrônica - Vol. 2. 7ª ed. McGraw Hill, 2008.

MARQUES, A. E. B.; CRUZ, E. C. A.; CHOEIRE JÚNIOR, S. Dispositivos


Semicondutores: Diodos e Transistores. Coleção: Estude e Use. Série Eletrônica
Analógica. 1ª ed. São Paulo: Érica, 1996.

MARTINS, Ives Gandra da Silva; PASSOS, Fernando. Manual de iniciação ao Direito.


São Paulo: Pioneira, 1999.

MARTINS, T.S.; GUINDANI, R.A.; RESIS, J.A.F.; CRUZ, J.A.W. Incremento a estratégia:
uma abordagem ao balanced scorecard. Curitiba: InterSaberes, 2012.

MAXIMIANO, A. C. A. Administração para empreendedores: fundamentos da criação e da


gestão de novos negócios. São Paulo: Prentice-Hall, 2006.

MCCLELLAN, J. & OUTROS. Computer-Based Exercises for Signal Processing Using


Matlab 5R. Prentice Hall, 1998.

McPHERSON, George; LARAMORE, Robert D. An introduction to electrical machines and


transformers. New York: John Wiley & Sons, 1990. 571 p.

MENDES, Candido. Pluralismo Cultural, identidade e globalização. Rio de Janeiro:


Record, 2001.

MENESES, Paulo Roberto, ALMEIDA, Tati de. Introdução Ao Processamento De


Imagens De Sensoriamento Remoto. Brasília: UNB, 2012.

MERCÊ, A. L. R. Iniciação à Química Analítica Quantitativa não Instrumental. Curitiba:


InterSaberes, 2012.
MILENO, G. Estatística geral e aplicada. São Paulo: CENGAGE Learning, 2003.

MILOS, E.; LANG, T.; MORENO, J. H. Introdução aos Sistemas Digitais. 1ª Ed. São
Paulo: Bookman, 2000.
MIRSHAWKA, V. Aplicações de pesquisa operacional. Nobel, 1981.

MITRA, S. Digital Signal Processing - A Computer-Based Approach. Mac Graw-Hill, 1998.

MIZRAHI, Victorine V. Treinamento em Linguagem C. São Paulo: Pearson Prentice Hall,


2008.
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 28 de
56

MONAGHAN, John; TROUCHE, Luc; BORWEIN, Jonathan M. Tools and Mathematics -


Instruments for learning. Springer, 2016.

MONTEIRO, Mário A. Introdução à organização de computadores. 5. ed. Rio de Janeiro:


LTC, 2007.

MONTENEGRO, G. A. A perspectiva dos Profissionais. São Paulo: Edgard Blucher, 1983.

NAGLE, R. K. ; SAFF, E. B. ; SNIDER, A. D. Equações Diferenciais. 8ª ed. São Paulo:


Pearson, 2012.

NALON, José A. Introdução ao Processamento Digital de Sinais. 1ª ed. LTC, 2009.

NASAR, Syed A. Máquinas elétricas. São Paulo: McGraw-Hill, 1984. 217 p. (Coleção
Schaum).
NASH, W. A. Resistência dos Materiais. McGraw-Hill . 2001.

NEARING, James. Mathematical Tools for Physics. Dover Publications, 2010.

NEMETH, Evi. Manual Completo do Linux. São Paulo: Pearson Makron Books, 2004.

Nicolosi, Denis E. C. Laboratório de Microcontroladores Família 8051. São Paulo: Érica,


2002.

NILSSON, James W.; RIEDEL, Susan A. Circuitos Elétricos. 8 ed. São Paulo: Pearson,
2009.

NISKIER, J. – Instalações elétricas - 6ª ed. - – São Paulo – Editora LTC – 2013.

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul, RS:
Educs, 2010.

NULL, Linda; LOBUR, Julia. Princípios básicos de arquitetura e organização de


computadores. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica 1 - Mecânica. 4ª ed. São Paulo: Edgard


Blucher, 2002.

NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica. São Paulo - 3ª ed. vol. III: Edgard Blucher,
1996.

OGATA, Katsuhiko. Engenharia de controle moderno. 4ª Ed. São Paulo: Prentice Hall,
2003.

OGLETREE, Terry William. Dominando o Windows XP. Pearson Education do Brasil,


2002.

O'HANLON, T. Auditoria da qualidade. São Paulo.SARAIVA, 2007.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 29 de
56

OLIVEIRA, Luiz Antonio Alves de. Comunicação de dados e teleprocessamento. São


Paulo: Érica, 1993.

PADILHA, F. Angelo The Structure of Materials Editora Hemus Ltda. São Paulo 1997.

PALZ, Wolfgang. Energia Solar e Fontes Alternativas, Editora Hemus, Curitiba, 1981.

PAQUET, Diane. Construindo Redes Cisco Escalonáveis. São Paulo: Pearson Education
do Brasil, 2003.
PARANHOS, F. M. Gestão da Produção Industrial. Curitiba: InterSaberes, 2012.

PARHAMI, Behrooz. Arquitetura de computadores: de microprocessadores a


supercomputadores. São Paulo: McGraw-Hill, 2007.

PARHAMI. Arquitetura de Computadores. McGraw Hill, 2008.

PAVIANI, Jayme. Estudos de ética: da aprendizagem à religião. Caxias do Sul, RS:


Educs, 2011.

PES, João Hélio Ferreira. A constitucionalização de Direitos Elencados em Tratados. Ijuí:


Unijuí, 2010.

Phillips, Harbor – Feedback Control System, Prentice Hall.

PINHEIRO, V. A. Ao livro Técnico S/A, 1º e 2º Vol., Rio de Janeiro 1985.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da


concorrência. São Paulo: Campus, 1986.

PORTILHO, Evelise. Como se Aprende? Estratégias, Estilos e Metacognição. Curitiba:


Wak Editora, 2009.
POSSI, M. Capacitação em gerenciamento de projetos - guia de referência didática. Rio
de Janeiro: Brasport, 2004.

PRINCIPE, J. A. R. Noções de Geometria Descritiva, vol. 1 e 2. São Paulo : Nobel, 1983.

PROAKIS, J; MANOLAKIS, D. Digital Signal Processing – Principles, Algorithms and


Applications. Prentice Hall, 1996.

PROVENZA, Francesco. Desenhista de máquinas. São Paulo: F. Provenza.

PROVENZA, Francesco. Projetista de Máquinas. São Paulo: Provenza, 1960.

RADOMSKY, G.; PENAFIEL, A. Desenvolvimento e sustentabilidade. Curitiba:


InterSaberes, 2013.

RAMOS, Fernando Henrique. Empreendedores: histórias de sucesso. São Paulo:


Saraiva, 2005.

REIS, G.; SILVA, W. Geometria Analítica. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1996.
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 30 de
56

RESNICK, R.; HALLIDAY, D. ; KANE, K.S. Física Vol. III. 4ª ed. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Científicos, 1994.

ROBERTS, M. J. Fundamentos em sinais e sistemas. Porto Alegre: MCgraw Hill - Artmed,


2009.

RUGGIERO, M.A.G. e LOPES, V.L.R. Cálculo Numérico, Aspectos Teóricos e


Computacionais. 3ª ed. São Paulo: Pearson, 2014.

S. Haykin, An Introduction to Analog and Digital Communication, John Wiley & Sons,
1988.

S. Haykin, Communication Systems, John Wiley & Sons, 2a Ed., 1983.

SADIKU, M.; ALEXANDER, C. Fundamentos de Circuitos Elétricos. 5ª Ed. Porto Alegre:


Bookman, 2013.

SADIKU, Matthew N. O. Elementos de eletromagnetismo. 3ª Edição,Ed. Bookman, 2004.

SCHULER, Charles. Eletrônica I. Série Tekne. 7ª ed. McGraw Hill, 2013.

SEDRA, A.; SMITH, K. C. Microeletrônica. 5ª ed. São Paulo: Pearson, 2005.

SERTEK, Paulo. Empreendedorismo. Curitiba: IBPEX, 2006.

SERTEK, Paulo. Responsabilidade social e competência interpessoal. Curitiba:


InterSaberes, 2013.

SERWAY, J. Princípios de Física Vol 3. 1ª ed. São Paulo:Thomson, 2006.

SERWAY, R. A. Física para Cientistas e Engenheiros com Física Moderna. 3ª ed. vol.2.
Rio de Janeiro: LTC, 1979.

SERWAY, R.A. Física para Cientistas e Engenheiros com Física Moderna. 3ª. ed. vol.3.
Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 1979.

SHACKELFORD, J. F. Ciência dos materiais - edição 6 - Editora PEARSON.

SHAMES, I. H.; FARIA, M. T. C. Dinâmica Mecânica para Engenharia Vol. 2. São Paulo:
Prentice Hall, 2003.

SILBERSCHATZ, Abraham; GAGNE, Greg; GALVIN, Peter. Sistemas operacionais:


conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

SIMONE, Gilio A., Centrais e Aproveitamentos Hidrelétricos, Editora Erica, São Paulo,
2000.

SIMONE, Gilio Aluisio. Máquinas de corrente contínua: teoria e exercícios. São Paulo:
Érica, 2000. 325 p.
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 31 de
56

SKLIAR, Carlos. Atualidade da Educação Bilíngue para Surdos. Porto Alegre: Editora
Mediação, 1999.

SLACK, N. Administração da Produção. 3ª ed. Editora Atlas, 2009.

SOARES NETO, Vicente. Comunicação de dados: conceitos fundamentais. São Paulo:


Érica, 1991.

SOLOMON, Sabrie. Sensores e Sistemas de Controle na Indústria. E ed. Rio de Janeiro:


LTC, 2012.

SOUZA, J. N. Lógica para Ciência da Computação. São Paulo: Campus, 2008.

SOUZA, Marco Antônio Furlan de. Algoritmos e lógica de programação. São Paulo:
Cengage Learning, 2011.

SOUZA, Zulcy de. FUCHS, Rubens D. Santos. AFONSO, H. M., Centrais Hidro e
Termoelétricas, Editora Edgard Blücher Ltda, São Paulo, 1983.

SPERANDIO, D. Cálculo Numérico. 2ª ed. São Paulo: Pearson, 2014.

SPIEGEL, M. R. Variáveis complexas: resumo da teoria, 379 problemas resolvidos, 973


problemas propostos, com uma introdução as transformações conformes e suas
aplicações. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil; Brasília: INL, 1973.

STADLER, A.; HALICKI, Z.; ARANTES, E. C. Empreendedorismo e responsabilidade


social. 2ª Ed. Curitiba: InterSaberes, 2014.

STADLER, H., SELEME, R. Sistema de Avaliação e Qualidade. Curitiba: Editora IBPEX,


2007.

STALLINGS, W. Arquitetura e organização de computadores. 8ª Edição. São Paulo:


Pearson Prentice - Hall, 2010.

STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 8ª Edição. Pearson,


2010.

STEWART, J. Cálculo. 5ª ed. vol. 1. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2008.

SUTTER, Herb. Programação Avançada em C++. São Paulo: Pearson Makron Books,
2006.

SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com geometria analítica. 2ª ed. vol. 1. São Paulo: Makron
Books, 1994.

TANENBAUM, Andrew S. & AUSTIN, Todd. Organização Estrutura de Computadores. 6.


ed. São Paulo-SP: Pearson, 2013.

TANENBAUM, Andrew S. Organização estruturada de computadores. 3. ed. Rio de


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 32 de
56

Janeiro: LTC, 2000.

TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 2ª Edição. São Paulo:


Prentice Hall, 2003.

TANENBAUM, Andrew S; WOODHULL, Albert S. Sistemas Operacionais: projeto e


implementação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial.


5ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

THOMAS, G. B. Cálculo Volume 1. 11ª ed. São Paulo: Pearson, 2009.

TIJONOV, A.; SAMARSKI, A. Equaciones de la Física Matemática. Mir, 1972.

TIPLER, P. A. Física para Cientistas e Engenheiros. Vol. IV. Rio de Janeiro: LTC, 1995.

TIPLER, P. A., LLEWELLYN, R. A. Física Moderna. 5ª edição. Rio de Janeiro: LTC


Editora, 2010.

TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física para cientistas e engenheiros - Mecânica, Oscilações e


Ondas, Termodinâmica. 5ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

TOCCI, R.J.; WIDMER, N.S.; MOSS, G.L.; MARTINS, C.S. (tradutora). Sistemas Digitais -
Princípios e Aplicações, 10ª Ed. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2007.

TOCCI, Ronaldo J. Sistemas Digitais: princípios e aplicações - 10ª edição. São Paulo:
Pearson Prentice Hall, 2007.

TOLEDO, J. C. Sistemas de Medição e Metrologia. Curitiba: InterSaberes, 2014.

TOLEDO, José Carlos de. Sistemas de medição e metrologia. Curitiba: InterSaberes,


2014.

TOLMASQUIM, Mauricio T. Geração de Energia Elétrica no Brasil, Rio de Janeiro, Editora


Interciência Synergia, 2005.

TORRES, Gabriel. Redes de computadores: curso completo. Rio de Janeiro: Axcel Books
do Brasil, 2001.

VAHID, Frank. Sistemas Digitais: Projeto, Otimização e HDLs. Porto Alegre: Bookman,
2008.

VELHO, Luiz; GOMES, Jonas M. Sistemas Gráficos 3D. Rio de Janeiro: IMPA/SBM,
2001.

VILLALVA, Marcelo G; GAZOLI, Jonas R. Energia solar fotovoltaica – Conceitos e


Aplicações. Érica, 2012, 224 p.

WADLOW, Thomas A. Segurança de redes: projeto e gerenciamento de redes seguras.


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 33 de
56

Rio de Janeiro: Campus, 2001.

WAKAMATSU, André. Matemática financeira. São Paulo: Pearson, 2012.

WAKERLY, J. F. Microcomputer Architecture and Programming: the 68000 family. John


Wiley, 1989.

WALDMAN, H.; YACOUB, M.D. Telecomunicações - princípios e tendências; São Paulo:


Érica, 1999.

WALPOLE, R. E.; MYERS, R. H.; MYERS, S. L.; YE, K; VIANNA, L. F. P. Probabilidade e


estatística para engenharia e ciências. 8ª Ed. São Paulo: Pearson, 2009.

WALPOLE; MEYURS. Probabilidade e Estatística para engenharia e ciências. 8ª ed. São


Paulo: Pearson, 2008.

WEBER, R. F. Arquitetura de computadores pessoais. 2ª Edição. Bookman, 2008.

Wilkie, Jacqueline, Johnson, Michael, Katebi, Reza. – Control Engineering, an


Introductory Course, Editora Palgrave, 2002.

WIRTH, Almir. Eletricidade e eletrônica básica. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2013.

WREDE, R. e SPIEGEL, M. R. Teoria e problemas de cálculo avançado. 2. ed. Porto


Alegre: Bookman, 2004.

XAVIER, Carlos Magno da S. Gerenciamento de Projetos: como definir e controlar o


escopo do projeto. São Paulo. Saraiva, 2005.

ZILL, D. G.; CULLEN, M. R. Equações diferenciais. Vol. 1 e 2. São Paulo: Makron Books,
2001.

ZILLER, Roberto M. Microprocessadores: conceitos importantes. 2ª edição. Florianópolis:


Ed. do Autor, 2000.

Periódicos

Os alunos também possuem acesso ao Sistema Integrado de Bibliotecas do Centro


Universitário Internacional UNINTER. O Sistema Integrado de Bibliotecas possui uma
página on-line (http://biblioteca.grupouninter.com.br ) que, além da consulta ao acervo,
disponibiliza um banco de “links” para pesquisa, entre eles: bases de dados de teses,
dissertações e monografias; Bibliotecas Virtuais, bases referenciais e links para Periódicos
eletrônicos e para “sites interessantes” de diversas áreas do conhecimento, bem como,
sites de busca, tradutores, dicionários e editoras, sites de universidades nacionais e
internacionais.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 34 de
56

Política de atualização e informatização, formas de acesso e utilização – Resolução


1/2011 – CEPE

Considerando a necessidade de formalizar o Regulamento do Sistema


Integrado de Bibliotecas das Faculdades mantidas pelo Cenect - Centro Integrado de
Educação Ciência e Tecnologia S/S Ltda, o CEPE – Conselho de Ensino, Pesquisa e
Extensão aprovou e eu, Diretor Acadêmico, sanciono a presente resolução:

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS


CAPÍTULO I
DA BIBLIOTECA E SUAS FINALIDADES

Art. 1º O Sistema Integrado de Bibliotecas é um órgão suplementar de apoio acadêmico


das Faculdades mantidas pelo CENECT, e tem por finalidade reunir, organizar,
divulgar e manter atualizado, preservado e em permanentes condições de uso,
todo o acervo bibliográfico e audiovisual existente e os que venham a ser
adquiridos, necessários para o desenvolvimento dos programas de ensino,
pesquisa e extensão do Grupo.

§1º Para efeito de sua administração, a Biblioteca Central pode manter Bibliotecas
Setoriais em "campi" pertencentes à estrutura do Grupo, sob sua direta
supervisão, coordenação e controle.
§ 2º A Biblioteca Central da Instituição é responsável pela guarda e controle de
todo acervo bibliográfico, audiovisual e digital da Faculdade, tanto aquele
constante em suas instalações centrais quanto aqueles alocados nas Bibliotecas
Seccionais.

Art. 2ºO Sistema Integrado de Bibliotecas, diretamente subordinada à Direção Acadêmica


compete:
I. Reunir, organizar, divulgar, manter atualizado e em condições
de uso todo o acervo bibliográfico e audiovisual, bem como
outras documentações, necessárias para o desenvolvimento
dos programas acadêmicos;
II. Elaborar serviços bibliográficos, atender à comunidade
acadêmica e ao público em geral, na forma deste regulamento,
prestando informações que contribuam para o desenvolvimento
dos programas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade e
para a socialização da cultura;
III. Estabelecer e manter intercâmbio científico-cultural com
pessoas físicas e jurídicas, instituições governamentais e de
ensino público e privado, com vistas à implantação de redes de
informações bibliográficas especializadas.

SEÇÃO I
DO ESPAÇO FÍSICO

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 35 de
56

Art. 3º O espaço físico das Bibliotecas da IES corresponde a 1.526,57m², assim


distribuídos:

I. Sala de chefia da seção;


II. Balcão de circulação e referência;
III. Estação de Pesquisa;
IV. Sala de estudo individual;
V. Sala de estudo em grupo;
VI. Sala de multimídia;
VII. Área do acervo (estanteria);
VIII. Sala de Processamento Técnico.

SEÇÃO II
DAS INSTALAÇÕES PARA O ACERVO

Art. 4º As instalações do acervo da IES constam, atualmente, com 1.526,57 m², assim
distribuídos entre as estanterias, salas de estudos em grupo, área de estudo
individual, área de circulação de funcionários e atendimento aos seus usuários.

SEÇÃO III
DAS INSTALAÇÕES PARA ESTUDOS INDIVIDUAIS

Art. 5º A Biblioteca Central, localizada na unidade Divina Rua do Rosário, 147 – Centro -
disponibiliza aos usuários áreas reservadas para estudos individuais contendo:
primeiro piso – 02 terminais de consulta ao acervo, 13 cabines de estudo
individual, 02 salas de multimídia e no segundo piso (sala 23) – 11 cabines para
Internet.

Art. 6º A Biblioteca Setorial Tiradentes, localizada na Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro
- disponibiliza: 02 terminais de consulta ao acervo, 01 sala de vídeo, 16 cabines
para Internet, 20 cabines de estudo individual.

Art. 7º A Biblioteca Setorial Garcez, localizada na Av. Luiz Xavier, 103 – Centro -
disponibiliza 03 terminais de consulta ao acervo, 02 salas de multimídia, 18
cabines para Internet, 22 cabines individuais de estudos.

Art. 8º A Biblioteca Setorial Carlos Gomes, localizada na Rua Pedro Ivo, 504 – Centro –
disponibiliza: 02 terminais de consulta ao acervo, 03 salas de multimídia, 15
cabines para Internet e estudo individual.

SEÇÃO IV
DAS INSTALAÇÕES PARA ESTUDO EM GRUPOS

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 36 de
56

Art. 9 º A Biblioteca Central disponibiliza aos usuários áreas reservadas ao estudo em


grupo, com 06 salas de estudo em grupo, com 13 mesas, mais 03 mesas na área
de estudos coletivos, totalizando 126 cadeiras, entre as de estudo individual,
Internet e grupo.

Art.10 A Biblioteca Setorial Tiradentes disponibiliza aos seus usuários áreas reservadas ao
estudo em grupo, com 02 salas com 02 mesas e 08 cadeiras e na área de estudo
09 mesas com 54 cadeiras.

Art. 11 A Biblioteca Setorial Garcez disponibiliza aos seus usuários áreas reservadas ao
estudo em grupo: 06 salas, com 07 mesas e 39 cadeiras mais 15 mesas, na área
de estudos coletivos, com 75 cadeiras.

Art. 12 A Biblioteca Setorial Carlos Gomes disponibiliza aos seus usuários áreas
reservadas ao estudo em grupo: 03 salas, com mesas e 12 cadeiras e na área de
estudos coletivos, 04 mesas com 16 cadeiras.

CAPÍTULO II
DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO

Art. 13 A consulta local se efetua mediante apresentação da Carteira Institucional do


Grupo ou da Carteira de identidade, sendo lícita sua recusa de atendimento na
hipótese de não apresentação destes documentos.

Art. 14 A informatização da Biblioteca Central e suas seccionais permitem ao usuário


localizar as publicações desejadas acessando terminais do sistema de
informatizações bibliográficas, utilizando código como Autor, Título, Assunto, Série
ou Idioma.

Art. 15 A Biblioteca Central, para efeitos de sua administração, centralizará todo o acervo
bibliográfico e audiovisual, podendo manter bibliotecas seccionais em outros
"campi", sob a coordenação, supervisão e controle da Biblioteca Central.

Art. 16 O Acervo do Sistema de Bibliotecas do Grupo e suas Seccionais incluirão:


I. Obras bibliográficas atualizadas e julgadas necessárias ao
apoio das atividades acadêmicas do Grupo Educacional;
II. Periódicos de todas as áreas do conhecimento ministrado pelo
Grupo Educacional;
III. Obras especiais, assim entendidas advindas de doações;
IV. Materiais audiovisuais.

Art. 17 Todo o acervo bibliográfico e audiovisual adquirido ou recebido por doação será
incorporado ao patrimônio do Grupo, sob a responsabilidade da Biblioteca Central.

Art. 18 A Biblioteca Central se constitui na depositária de todo o material bibliográfico,


audiovisual ou digital que seja produzido pela Instituição.
Parágrafo Único – Todo e qualquer material documental recebido pelas Bibliotecas
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 37 de
56

Seccionais deverão ser encaminhados à Biblioteca Central para processamento e


competente registro, para incorporação ao patrimônio da Instituição.

SEÇÃO I
LIVROS

Art. 19 A utilização dos livros para alunos da Instituição, tanto os de graduação como os
de pós-graduação, é um investimento de extrema importância para a comunidade
acadêmica, juntamente com os recursos de Informática que são complementares e
indispensáveis.
Parágrafo Único - O livro moderno não anula nem substitui o antigo, e da mesma forma,
um meio eletrônico ou digital não anula nem substitui o recurso impresso (livro,
revista, panfleto ou carta).

SEÇÃO II
DOS PERIÓDICOS

Art. 20 Compete a Seção de Periódicos registrar e organizar a coleção de periódicos


adquiridos e promover a catalogação analítica dos periódicos de maior interesse dos
usuários; promover acesso à comutação bibliográfica COMUT.
Parágrafo Único: A aquisição e atualização de periódicos, fitas de vídeos e de CD-
ROMS, a cada início de período letivo, é realizada pelos Coordenadores e
Professores de cada Curso, por ocasião do planejamento semestral, que deverão
solicitar os títulos a serem adquiridos junto ao setor de Compras, devendo
privilegiar os apontados pelas agências de fomento científico e que atendam, áreas
de conhecimento globalmente, observando-se os seguintes critérios:

 Proporcionalidade equitativa entre periódicos e CDs nacionais e internacionais;


 Prioridade para itens/títulos indicados pela CAPES e/ou Comissões de
Especialistas do MEC;

Art. 21 Caberá ao bibliotecário responsável pelo setor o acompanhamento e a renovação


de assinaturas de periódicos indicados pelos professores e coordenadores de cada curso.

Art. 22 As avaliações da coleção são revistas e atualizadas periodicamente e estão em


sintonia temática com as linhas e os projetos de pesquisas desenvolvidos pela
comunidade acadêmica.

SEÇÃO III
DA MULTIMÍDIA

Art. 23 Compete a Biblioteca Central preparar, organizar e colocar ao alcance do público


Teses e Dissertações, TCC, Fitas de Vídeo, Fitas cassetes, Mapas, DVDs, CD-
ROM, e acesso à INTERNET.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 38 de
56

SEÇÃO IV
DO USO DA INTERNET

Art. 24 Os usuários poderão dispor dos computadores da Biblioteca para acesso a sites da
Internet pelo tempo que for necessário, obedecidos aos horários e disponibilidades
da Biblioteca.
Parágrafo único. Nos momentos de intensa procura, o uso será controlado, ficando cada
usuário autorizado a usar os terminais por períodos de até uma hora.
Art. 25 É expressamente proibido:
 acessar sites pornográficos, de jogos e de bate-papo;
II. baixar arquivos e programas da Internet na própria máquina em uso.

SEÇÃO V
DO ACESSO A BASES DE DADOS E PUBLICAÇÕES ELETRÔNICAS

Art. 26 A Biblioteca oferece os seguintes acessos:


 As bases de dados referenciais ou full-text, disponíveis on-line via página da
biblioteca ou em CD-ROM;
 À internet, vedado o acesso que não tenha finalidade educativa e/ou científica;
 As publicações eletrônicas, disponíveis on-line via página da biblioteca ou em CD-
ROM.

§ 1º O resultado obtido em pesquisa pode ser enviado para e-mail de interesse do


usuário, gravado em dispositivo de propriedade do usuário ou encaminhado
para impressão via e-mail da fotocopiadora.

§ 2º É expressamente proibido:
 Fazer alterações das configurações do sistema instalado nos computadores;
 Fazer alterações dos padrões dos aplicativos disponibilizados;
 Consultar conteúdos de CD-ROM que não façam parte do acervo da Biblioteca.

§ 3º O usuário que incorrer nas proibições previstas no parágrafo anterior ficará


sujeito às penalidades previstas no Regimento da Instituição, além da vedação
do acesso aos equipamentos da sala multimídia e da indenização pelos danos
materiais causados.

SEÇÃO VI
DA COMUTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA

Art. 27 Permite ao usuário obter cópias de documentos (periódicos, teses, anais de


congressos e partes de documentos) localizados nas principais bibliotecas do país e
do exterior.
Site: http://comut.ibict.br/comut/do/index?op=filtroForm

Art. 28 O Comut (Programa de Comutação Bibliográfica), gerenciado pelo IBICT (Instituto


Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 39 de
56

Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), e o SCAD (Serviço


Cooperativo de Acesso ao Documento), oferecido pela BIREME (Centro Latino-
Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde), fornecem
fotocópias de artigos de periódicos, teses e anais de eventos, de diversas áreas do
conhecimento.
Art. 29 Os serviços do Comut e do SCAD são cobrados do usuário, conforme valores
definidos pelas instituições provedoras.

§ 1º O usuário que não fizer o pagamento no prazo de 5 (cinco) dias após o aviso do
recebimento do material solicitado, terá seu Cartão de Usuário bloqueado no
sistema da Biblioteca.
§ 2º Depois de enviados aos órgãos responsáveis pelo fornecimento da cópia, os
pedidos não poderão ser cancelados pelos usuários solicitantes e os valores pagos
não serão devolvidos.

Art. 30 O serviço de obtenção de cópias de país estrangeiro será cobrado previamente do


usuário, conforme valores definidos pelas instituições provedoras.
Parágrafo único. Os valores pagos não serão devolvidos em qualquer hipótese e, no caso
de pedidos de cópias previstos no caput deste artigo não atendidos, os valores
pagos pelo usuário serão creditados em seu nome para uso em solicitações
futuras.

CAPITULO III
DA AQUISIÇÃO DO ACERVO

Art. 31 No intuito de viabilizar uma política de gestão participativa, visando com que o
Grupo atinja os objetivos e metas estabelecidos em plano estratégico de trabalho,
foi definido o estabelecimento formal de aquisição, visando atualização e
qualificação dos acervos, como uma das metas constantes na Instituição.

Art. 32 A indicação de bibliografia efetiva por professores e coordenadores, devem


agregar às solicitações de compras de livros, continuamente, as indicações
procedidas por professores, pesquisadores e alunos, além dos títulos de destaque
referenciados por pesquisas realizadas junto às editoras, ou ainda, que devam ser
atualizadas por questões temporais de reedições recentes.
Parágrafo Único – Os números de exemplares de cada novo título devem, respeitados os
referenciais orçamentários em cada período, obedecer aos indicativos contidos em
orientações emanadas pelos órgãos oficiais e homologados pela Direção
Acadêmica.

Art. 33 Quanto à aquisição de livros, efetuam-se no inicio de cada período letivo,


sistematicamente por ocasião da realização de reuniões de planejamento, os
professores de cada disciplina apresentam ao respectivo Coordenador a indicação
dos títulos a serem adquiridos, observando-se os parâmetros legais estabelecidos.

CAPÍTULO IV
DA ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DO ACERVO

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 40 de
56

Art. 34 A presente Política de Atualização e Expansão do Acervo do Sistema Integrado de


Bibliotecas e Setoriais regulamentam a forma e periodicidade de ações com vistas
ao aprimoramento contínuo da qualidade dos recursos disponibilizados à
comunidade acadêmica do Grupo.

Art. 35 Entende-se por Bibliotecas Setoriais as células descentralizadas do acervo,


organizadas em função de cursos e localizadas nos “campi” em outras unidades da
Instituição.

Art. 36 A atualização e expansão do acervo do Sistema Integrado de Bibliotecas e


Setoriais, tanto no que diz respeito a livros e periódicos como de outros recursos
informacionais, ocorre por meio de:
 Pesquisas realizadas continuamente pelo pessoal técnico da Biblioteca;
 lndicação de Professores, Coordenadores de Cursos (Graduação e Pós -
Graduação), e Alunos;
 lndicação de Editoras e funcionários administrativos.

CAPÍTULO V
DOS SERVIÇOS

SEÇÃO I
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Art. 37 Salvo situações especiais, as bibliotecas obedecem ao seguinte expediente de


funcionamento:

I. Unidade Divina
Segunda a sexta-feira, das 8h às 22h15
Sábado, das 9h às 12h45

II. Unidade Garcez


Segunda a sexta-feira, das 13h às 22h15
Sábado, das 9h às 16h45

III. Unidade Tiradentes


Segunda a sexta-feira, das 13h às 22h15
Sábado, não há expediente.

III. Unidade Carlos Gomes


Segunda a sexta-feira, das 13h às 22h15
Sábado, das 9h às 12h45.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 41 de
56

Parágrafo Único - Horários especiais que sejam necessários estabelecer em razão de


eventos não rotineiros, serão estabelecidos pelo Bibliotecário Chefe com a
anuência da Direção Acadêmica.

SEÇÃO II
SERVIÇOS E CONDIÇÕES DE ACESSO AO ACERVO

Art. 38 O serviço de empréstimo domiciliar é restrito às obras e publicações do acervo


bibliográfico e aos usuários componentes dos corpos docentes, discente, técnico-
administrativo e de apoio a Faculdade, mediante a matrícula e/ou rematrícula na
Instituição.
Parágrafo único - É vedado o direito do uso do serviço de empréstimo domiciliar aos
usuários que não possuam vínculo com a Faculdade, com exceção daqueles
abrigados por convênios interinstitucionais.

Art. 39 A Carteira Institucional é de uso exclusivamente individual e intransferível,


sujeitando-se aquele que ceder para uso de terceiros à pena de suspensão do
direito de acesso ao acervo ou a qualquer outro serviço prestado pelas Bibliotecas
e a penalidade disciplinar prevista no Manual do aluno.

Art. 40 A perda ou danificação da Carteira Institucional do Grupo deve ser imediatamente


comunicada por escrito à Biblioteca Central ou a uma das Bibliotecas Setoriais,
para imediato bloqueio.

Art. 41 Os usuários com direito ao serviço de empréstimo domiciliar e que tenham vínculo
com a Faculdade são classificados nas seguintes categorias:

I. Alunos da graduação;
II. Alunos da pós-graduação;
III. Professores;
IV. Funcionários.

Art. 42 O uso dos serviços prestados pelas Bibliotecas submete os usuários ao


cumprimento das seguintes normas:

I. Manter silêncio no recinto de estudos e pesquisas bibliográficas;


II. Abster-se de ingerir qualquer alimento sólido ou liquido em
qualquer das dependências das Bibliotecas;
III. Obedecer aos horários de entrada e saída;
IV. Abster-se de utilizar tesouras, estiletes, colas e armas de
qualquer espécie;
V. Acatar as ordens emanadas dos funcionários lotados nas
Bibliotecas.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 42 de
56

Parágrafo Único – A infringência das normas deste artigo submete o infrator que tenha
vínculo com a Faculdade às penalidades constantes no Regimento Geral, e os
usuários não vinculados às penalidades da lei civil ou penal.

SEÇÃO III
DOS EMPRÉSTIMOS

Art. 43 O usuário com direito a empréstimos, por categoria:

I. Alunos da graduação
Livros: 03 livros por 07 dias corridos;
Periódicos: 1 periódico anterior ao último que constar do acervo da biblioteca por 3
dias corridos;
Vídeos: 01 fita de vídeo por 03 dias corridos.

II. Alunos da pós-graduação


Livros: 03 livros por 14 dias corridos;
Periódicos: 01 periódico anterior ao último que constar do acervo da biblioteca por
03 dias corridos;
Vídeos: 01 fita de vídeo por 03 dias corridos.

III. Professores
Livros: 05 livros por 14 dias corridos;
Periódicos: 02 periódicos anteriores ao último que constar do acervo da biblioteca
por 7 dias corridos;
Vídeos: 02 fitas de vídeo por 07 dias corridos.

IV. Funcionários
Livros: 03 livros por 07 dias corridos;
Periódicos: 01 periódico anterior ao último que constar do acervo da biblioteca por
03 dias corridos;
Vídeos: 01 fita de vídeo por 03 dias corridos.

§ 1º Não poderão ser retiradas da biblioteca obras de referência (dicionários,


enciclopédias, etc.), assim como livros que possuam apenas um exemplar,
identificada como consulta interna.
§ 2º É vedada a renovação do empréstimo, no momento da sua devolução, exceto no
caso da existência de outros exemplares no acervo.
§ 3º É vedado o empréstimo domiciliar de Enciclopédias, Dicionários, Obras de
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 43 de
56

Coleção, Atlas, Almanaques e Periódicos, exceto para docentes.


§ 4º Será considerado em atraso o usuário que não devolver o material tomado por
empréstimo no prazo estabelecido.

SEÇÃO IV
PESSOAL TÉCNICO E ADMINISTRATIVO

Art. 44 A Biblioteca Central do Sistema de Bibliotecas Integradas da Instituição, para


consecução de suas atividades administrativas, contará com a seguinte estrutura:

I. Um Bibliotecário Chefe;
II. Bibliotecários Auxiliares;
III. Pessoal de Apoio: Auxiliares de biblioteca e Assistentes de
biblioteca.

Art. 45 O Bibliotecário Chefe é designado para o exercício de suas funções por Ato
Especial do Diretor Geral, competindo-lhe:

I. Planejar, administrar, coordenar e supervisionar todas as


atividades inerentes à consecução dos objetivos e finalidades
da Biblioteca Central e das Bibliotecas Seccionais;
II. Representar a Biblioteca Central e suas Seccionais, perante as
autoridades em geral e em especial as universitárias;
III. Indicar, para apreciação e designação pelo Diretor Geral,
substituto eventual em lista triplico, se possível para os seus
impedimentos, bem como funcionários técnico-administrativos;
IV. Elaborar o Plano Anual de Trabalho e submetê-lo a apreciação
da Direção Acadêmica;
V. Estabelecer horário especial de expediente das Bibliotecas
conforme as demandas institucionais, ouvindo-se a Direção
Acadêmica, e na sua falta, a Direção Geral;
VI. Manter permanente articulação das Bibliotecas com os demais
órgãos e segmentos da Faculdade;
VII. Zelar pela ordem, eficiência, presteza e disciplina das atividades
desenvolvidas;
VIII. Promover e intensificar o intercâmbio científico - cultural com
órgãos congêneres;
IX. Elaborar relatórios semestral e anual sobre as atividades
desenvolvidas pelas Bibliotecas, submetendo-se à apreciação
do Diretor Geral.
X. Exercer as demais atividades que lhe forem solicitadas
inerentes à sua função.
XI. Dar visibilidade à biblioteca através da aquisição de novos
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 44 de
56

títulos, cartilha de usuários entre outras ações que incentivem


os segmentos acadêmicos no exercício do seu uso.

Art. 46 Compete aos Bibliotecários Auxiliares:

I. Substituir quando necessário e por designação da Direção


Acadêmica ou Geral o Bibliotecário Chefe, caso não haja
instrumento legal com este fim;
II. Participar e cooperar com o Bibliotecário Chefe na elaboração
do Plano Anual de Trabalho e nos planos institucionais;
III. Atender, orientar e prestar informações aos usuários da
Biblioteca Central e suas seccionais, com presteza, cortesia e
eficácia;
IV. Zelar pela ordem e eficiência das atividades desenvolvidas,
mantendo a disciplina nas Bibliotecas em que atuem;
V. Responder pelas Bibliotecas Seccionais, mediante indicação do
Bibliotecário Chefe e designação pelo Diretor Geral;
VI. Apresentar ao Bibliotecário Chefe sugestões que visem a
otimizar os serviços da Biblioteca em que atuem;
VII. Exercer as demais atividades:
a) Gerência das unidades:
i. Estar em sintonia com a coordenação do sistema
de bibliotecas, repassando todas as informações
e acontecimentos referentes à unidade de
gerência;
ii. Deliberar sobre assuntos referentes a pagamentos
e/ou liberações de multas;
iii. Receber, conferir e enviar, diariamente, o dinheiro
referente ao pagamento de multas para a
coordenação;
iv. Gerenciar e supervisionar o staff de sua unidade,
atentando para faltas, atrasos ou qualquer outra
situação que traga prejuízo ao desenvolvimento
das atividades;
v. Delegar funções e atividades para os setores
competentes, sempre que solicitadas pela
coordenação;
vi. Solicitar e repassar informações necessárias para
a otimização da comunicação interna dos
sistemas de bibliotecas;
vii. Participar de reuniões e eventos formalizados pela
coordenação.
b) Processo técnico:
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 45 de
56

i. Preparar de acordo com as normas relativas à


classificação, catalogação e preparo físico de
todos os materiais recebidos pela instituição;
ii. Classificar e catalogação de materiais:
 Receber, conferir e registrar o material
bibliográfico adquirido por compra, doação
ou permuta e dar-lhe baixa quando
autorizado;
 Classificar, indexar e catalogar os materiais
informativos recebidos;
 Repassar os materiais informativos para
cadastro no acervo e preparo físico;
 Encaminhar ao setor de Circulação os
materiais informativos devidamente
preparados para consulta e empréstimo.
iii. Catalogação na fonte:
 Receber o material, anotando todos os
dados necessários para a posterior
entrega;
 Preparar a ficha catalográfica segundo as
normas AACR2;
iv. Preparo físico:
 Preparar todo o material informacional, no
que se refere a identificação do mesmo
(carimbo, etiquetas, papeletas e bolso,
quando necessário).

v. Organização e manutenção de bens:


 Alimentar a base de dados e promover
correções quando necessárias, a fim de
otimizá-la e mantendo a atualização
necessária para atender a demanda
informacional da instituição.
vi. Pesquisa bibliográfica:
 Realizar pesquisa bibliográfica como auxilio
ao desenvolvimento dos trabalhos dos
usuários;
 Realizar pesquisa de listas de bibliografias
básicas e complementar, solicitadas pelos
coordenadores de cursos.
vii. Desenvolvimento do acervo:

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 46 de
56

 Desenvolver e aplicar políticas de seleção,


aquisição e descarte em conjunto com a
direção acadêmica e/ou equipe
multidisciplinar (Comissão de Seleção de
material bibliográfico);
 Supervisionar e revisar as atividades do
levantamento do acervo, comunicando o
resultado à chefia da biblioteca.
viii. Indexação e periódicos e artigos de periódicos:
 Receber, conferir, registrar e controlar todas
as publicações periódicas adquiridas por
compra ou permuta;
 Classificar e catalogar a coleção de
periódicos;
 Proceder à catalogação analítica dos artigos
de periódicos considerados de interesse
dos cursos do Grupo;
 Realizar o cadastramento e o preparo físico
dos periódicos
 Organizar e manter o controle de
vencimento das assinaturas das
publicações periódicas;
 Retirar os periódicos mais antigos da
estante e encaminhar para depósito de
acordo com os critérios da biblioteca;
 Separar e preparar os periódicos a serem
encadernados e restaurados;
 Colaborar com o Catálogo Coletivo Nacional
de Periódicos (Publicações Seriadas –
CCN – coordenado pelo IBICT), enviando
anualmente os dados necessários;
 Realizar levantamentos bibliográficos das
publicações periódicas nas áreas
solicitadas dos serviços executados;
 Realizar a estatística dos serviços
executados.
ix. Restauro de materiais:
 Promover a conservação e qualidade dos
materiais do acervo, utilizando técnicas
especializadas.
x. Normalização bibliográfica:
 Orientar os usuários quando normalização
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 47 de
56

de trabalhos acadêmicos, segundo as


normas da ABNT e/ou determinações da
instituição.

Art. 47 Compete ao Auxiliar de Biblioteca (Auxiliar Administrativo) - Presencial:

 Auxiliar com relação à aquisição de materiais bibliográficos e assinaturas de


periódicos;
 Controlar documentos e correspondências;
 Auxiliar em pequenos projetos quando designado;
 Auxiliar e atender aos alunos em suas dúvidas e questionamentos através de e-
mails recebidos;
 Elaborar relatórios estatísticos e dos serviços realizados por todos os setores do
Sistema Integrado de Bibliotecas;
 Auxiliar nas pesquisas bibliográficas e no inventário de bens patrimoniais da
Biblioteca;
 Atendimento aos usuários no setor de circulação;
 Informar sobre os serviços disponíveis na biblioteca e sobre as normas de
empréstimos;
 Cadastrar os usuários junto à biblioteca;
 Operar o sistema de empréstimo, devolução, renovação e reserva de materiais
bibliográficos;
 Ordenar os materiais bibliográficos nos seus locais próprios para armazenagem;
 Manter organizado o setor de empréstimo;
 Auxiliar no preparo físico de livros e outros materiais (carimbar, colar etiquetas e
cartão de empréstimo, conferir, separar e encaixotar para encaminhar ao campus
destinatário);
 Auxiliar no inventário dos bens patrimoniais da biblioteca;
 Realizar serviços de digitação em geral (cadastramento de livros, periódicos e
outros materiais afins).

Art. 48 Compete ao Auxiliar de Biblioteca (Auxiliar Administrativo) – Polos - EAD:

 Realizar pesquisa e o cadastramento dos livros para as bibliotecas dos polos;


 Atender por e-mail ou telefone, usuários dos polos do ensino a distância;
 Atendimento aos usuários no setor de circulação;
 Informar sobre os serviços disponíveis na biblioteca e sobre as normas de
empréstimos;
 Cadastrar os usuários junto à biblioteca;

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 48 de
56

 Operar o sistema de empréstimo, devolução, renovação e reserva de materiais


bibliográficos;
 Ordenar os materiais bibliográficos nos seus locais próprios para armazenagem;
 Manter organizado o setor de empréstimo;
 Auxiliar no inventário dos bens patrimoniais da biblioteca;
 Auxiliar no preparo físico dos livros e outros materiais do ensino presencial bem
como do EAD (carimbar, colar etiquetas e cartão de empréstimo, conferir, separar e
encaixotar para encaminhar as unidades Garcez, Tiradentes e Divina Providência e
aos polos);
 Realizar serviços de digitação em geral (cadastramento de livros, periódicos e
outros materiais afins);
 Atendimento aos usuários no setor de Circulação;
 Informar sobre os serviços disponíveis na biblioteca e sobre as normas de
empréstimos;
 Cadastrar os usuários junto à biblioteca;
 Operar o sistema de empréstimo, devolução, renovação e reserva de materiais
bibliográficos;
 Ordenar os materiais bibliográficos nos seus locais próprios para armazenagem;
 Auxiliar no inventário dos bens patrimoniais da biblioteca;
 Auxiliar no preparo físico de livros e outros materiais (carimbar, colar etiquetas e
cartão de empréstimo, conferir);
 Separar e encaixotar para encaminhar ao campus destinatário;
 Realizar serviços de digitação em geral (cadastramento de livros, periódicos e
outros materiais afins);
 Executar outras tarefas operacionais.

Art. 49 Assistente de Biblioteca (Técnico Administrativo):

 Disseminar informações impressas e digitais como o objetivo de facilitar o acesso à


geração do conhecimento;
 Identificar, localizar e disponibilizar informação;
 Explorar as redes de informação tradicionais e eletrônicas;
 Intercambiar informação entre sistemas existentes;
 Avaliar a qualidade das fontes de informação;
 Atender às solicitações de pesquisa do corpo docente e discente (via web);
 Auxiliar no desenvolvimento, alimentação e atualização do PORTAL DA
INFORMAÇÃO do Sistema integrado de Bibliotecas;
 Realizar pesquisas bibliográficas (coordenadores/professores/alunos) e COMUT –
Programa de Comutação Bibliográfica;

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 49 de
56

 Diagnosticar e propor soluções para problemas de informações dos usuários;


 Cadastrar materiais bibliográficos no sistema de gerenciamento de bibliotecas;
 Atender aos usuários virtuais (através de e-mail) e aos presenciais (empréstimos,
devoluções e auxílio à pesquisa no acervo);
 Auxiliar na elaboração de cartilhas e manuais de procedimentos para que os
atendentes possam ter um atendimento único da informação a ser repassada aos
usuários;
 Realizar estatísticas dos serviços executados no setor;
 Emitir relatórios sobre o desempenho da biblioteca;
 Executar atividades afins ao ambiente da Biblioteca, quando solicitado.

SEÇÃO V
APOIO NO LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO E DE INFORMAÇÕES PARA
TRABALHOS ACADÊMICOS

Art. 50 O serviço de orientação ao usuário auxilia a consulta ao catalogo on-line,


localização de material bibliográfico e esclarece eventuais dúvidas quanto à
utilização dos serviços oferecidos pela Biblioteca, isto é, Serviço de Referência e
Levantamento Bibliográfico.

Art. 51 O serviço de referência auxilia a busca de materiais e orienta os usuários em


relação ao conteúdo do acervo, atendendo às seguintes tarefas:

§1º Fornecimento de informações sobre a estrutura organizacional e serviços


oferecidos;
§2º Auxílio na utilização dos terminais de consulta;
§ 3° Normalização bibliográfica: proporciona orientação para a normalização de
trabalhos acadêmicos, em observância às normas da ABNT;
§ 4º COMUT (Comutação Bibliográfica) possibilita a obtenção de materiais
bibliográficos que não fazem parte do acervo da biblioteca. É possível
solicitar cópias de artigos de periódicos técnico-científicos (revistas, jornais,
etc.), teses, dissertações, anais de congressos e capítulos de livros
existentes em bibliotecas de todo o país.

Art. 52 O levantamento bibliográfico manual e automatizado, um dos serviços oferecidos


pelo setor de referência, é um serviço de pesquisa realizado nas bases de dados
e nas redes de informação que possibilita a recuperação de informações acerca
dos materiais disponíveis na biblioteca e também em bibliotecas de outras
instituições. A pesquisa é realizada pelo Setor de Referência junto ao usuário a
partir de buscas pelos termos e palavras-chave.

CAPÍTULO VI
DAS SEÇÕES

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 50 de
56

Art. 53 A Biblioteca Central, para efeitos operacionais, compreenderá as seguintes seções:


I. Seção de Processamento Técnico;
II. Seção de Periódicos;
III. Seção de Circulação;
IV. Seção de Restauro;
V. Seção de Referência;
VI. Seção de Seleção e Aquisição;
VII. Seção de Pesquisa e Comutação Bibliográfica.

Art. 54A Seção de Processamento Técnico tem como atribuições:

I. Selecionar, encomendar, receber, conferir e registrar o material


adquirido por compra, doação e permuta;
II. Enviar sugestões aos docentes e especialistas, para a seleção
de materiais bibliográficos, audiovisuais e digitais a serem
adquiridos;
III. Organizar e manter atualizado o cadastro das Entidades que
mantenham intercâmbio com a Biblioteca Central;
IV. Catalogar e classificar todo o material bibliográfico componente
do acervo que seja recebido, procedendo a seu cadastramento
no sistema PERGAMUM ou outro que venha a substituí-lo;
V. Normatizar os trabalhos técnicos e científicos que sejam
editados pela Faculdade;
VI. Encaminhar às Bibliotecas Seccionais, o material bibliográfico
preparado para ser incorporado aos respectivos acervos;
VII. Promover restaurações e encadernação de obras bibliográficas,
sempre que se fizer necessário.

Art. 55A Seção de Referência:

I. Disponibilizar a informação ao alcance do público interno e


externo;
II. Promover o intercâmbio nacional e estrangeiro;
III. Coordenar os serviços de comutação bibliográfica;
IV. Controlar e preservar a produção intelectual dos docentes da
Instituição;
V. Elaborar pesquisas bibliográficas;
VI. Elaborar e encaminhar ao Bibliotecário Chefe a estatística do
movimento diário da Biblioteca;
VII. Controlar os pedidos de reserva.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 51 de
56

Art. 56 Compete a Seção de Seleção e Aquisição:


I. Enviar sugestões aos docentes e especialistas com vistas à
seleção de materiais bibliográficos, audiovisuais e digitais a
serem adquiridos;
II. Selecionar, encomendar receber e conferir o material adquirido
por compra ou doação.
Parágrafo Único – As aquisições deverão ser efetuadas mediante solicitação formal do
corpo docente, ouvida a coordenação de curso.

Art. 57 Compete a Seção de Pesquisa e Comutação bibliográfica:


I. Promover acesso à comutação bibliográfica COMUT;
II. Atender pedidos para realização de pesquisa bibliográfica ao
sistema ou outro que venha a substituí-lo;
III. Atender pedidos para realização de pesquisas e solicitação de
material bibliográfico através do Sistema Latino-Americano e do
Caribe de Informação e Ciência da Saúde – Sistema BIREME.

Art. 58 Compete a Seção de Restauro:


I. Zelar pela recuperação, restauro e preservação das obras;
II. Analisar e avaliar os critérios de raridade das obras para manter
um perfil específico de preservação;
III. Prestar assessoramento às bibliotecas seccionais do grupo com
vistas à identificação de obras danificadas existentes em seus
acervos.

CAPÍTULO VII
DOS USUÁRIOS

Art. 59 Constituem-se em usuários da Biblioteca Central e suas Setoriais:


I. Corpo docente;
II. Corpo discente regularmente matriculado nos cursos de
graduação ou pós-graduação;
III. Corpo técnico – administrativo e de apoio;
IV. Egressos dos cursos do Grupo;
V. Comunidade em geral.

Art. 60 São direitos dos usuários:


a) Usuários Internos

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 52 de
56

I. Requerer a Carteira Institucional;


II. Beneficiar-se do treinamento de usuário;
III. Consultar o acervo bibliográfico no âmbito das Bibliotecas;
IV. Utilizar o serviço de empréstimos domiciliar do acervo
bibliográfico;
V. Consultar e usar o acervo de vídeos com acesso à sala própria;
VI. Requerer e receber orientações bibliográficas;
VII. Requerer a realização e receber o resultado de pesquisas
bibliográficas
Parágrafo Único – A suspensão do uso do empréstimo domiciliar não impede o direito de
consulta local do acervo.
b) Usuários externos
I. Consultar o acervo bibliográfico nas dependências das
bibliotecas do Grupo;
II. Requerer a realização e receber o resultado de levantamentos
bibliográficos.

Art. 61 São deveres dos usuários:


I. Identificar-se com a Carteira Institucional do Grupo sempre que
desejar utilizar os serviços do Sistema de Bibliotecas Integradas
do Grupo;
II. Cumprir os prazos definidos neste Regulamento para devolução
das obras ou publicações tomadas por empréstimos;
III. Manter e devolver em perfeito estado de conservação as obras
ou publicações retiradas;
IV. Portar-se no recinto das Bibliotecas de acordo com as normas
do convívio social, em especial respeitando os direitos dos
demais usuários;
V. Observar as demais normas contidas neste regulamento ou em
determinações específicas da Biblioteca Central.

Art. 62 O não cumprimento das normas definidas nos incisos II e III do artigo anterior
implicará na aplicação das seguintes penalidades:
I. Suspensão do uso do direito de empréstimos domiciliares, além
do pagamento de multa na forma definida neste Regulamento;
II. Indenização cível à Biblioteca com a reposição de exemplar da
mesma publicação em última edição, no caso de danificação ou
perda da publicação;
III. Em caso de furto, roubo, perda, extravio danificação ou
mutilação de obras tomadas por empréstimo ou consulta, o

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 53 de
56

usuário deverá obedecer aos critérios dos incisos I II, não


ficando dispensado da multa, nos casos de atraso.
a) Livros e Gravações em Fita de Vídeo – reposição do
mesmo título. Na impossibilidade da aquisição do mesmo
titulo perdido ou extraviado, o usuário deverá apresentar
comprovante da falta do material no mercado, através de
03 (três) notificações de diferentes editora/empresa.
Neste caso o usuário devera repor um título do mesmo
assunto, ou previamente indicado pela Biblioteca Central,
ouvido a coordenação de curso de interesse.
b) Periódicos – Reposição do fascículo perdido ou
extraviado, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a contar
da data do registro de saída do periódico da biblioteca
onde este esteja armazenado.
§ 1º Será considerado em atraso o usuário que não devolver a publicação, até um
(01) dia após a data carimbada na publicação tomada por empréstimo.
§ 2º A infringência do disposto nos incisos IV e V do artigo anterior, sujeita o
infrator às penalidades constantes no Regimento;
§ 3º A multa a que se refere à parte final do inciso I deste artigo, será
correspondente a R$1,00 ( hum real ) ao dia, por material em atraso.
§ 4º O usuário que causar dano a qualquer espécie de equipamento posto à sua
disposição, ou deles se utilizar para ações que caracterizem infringência de lei,
do Regulamento do Sistema de Bibliotecas Integradas do Grupo, estará sujeito
às penalidades legais e regimentais pertinentes, independentemente do dever
de indenizar os danos materiais e morais causados.

CAPÍTULO VIII
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 63 Até o mês de outubro de cada exercício a biblioteca terá que apresentar um plano
de trabalho para o exercício seguinte, contendo entre outros elementos: títulos
atualizados para serem adquiridos de acordo com os Projetos Pedagógicos dos
Cursos, com estimativa de custos e incentivos de quem forneça o material.

Art. 64 Os casos omissos porventura surgidos no decorrer da aplicação deste regulamento


serão resolvidos pela Direção Acadêmica, sendo, ouvido antes o Bibliotecário
Chefe.

Art. 65 Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as


disposições anteriores.

Curitiba, 19 de Dezembro de 2011.

PROF. BENHUR GAIO


Presidente do CEPE

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 54 de
56

Identificação Área Física Localização


Biblioteca Prédio Tiradentes 389,76 m2 Rua Saldanha Marinho, 131
Biblioteca Prédio Divina Providência 477,90 m2 Rua do Rosário, 147
Biblioteca Prédio Garcez 546,91 m2 Av. Luiz Xavier, 103
Biblioteca Carlos Gomes 112,00 m2 Rua Pedro Ivo, 504

Portaria 40, Art.32. § 2º A instituição manterá em página eletrônica própria, e também na biblioteca, para consulta dos alunos ou interessados,
registro oficial devidamente atualizado das informações referidas no § 1º, além dos seguintes elementos:
IV - descrição da infraestrutura física destinada ao curso, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação.

Infraestrutura Física do Curso (Elencar itens aplicáveis ao contexto do curso)


429 Polos de Apoio de Aprendizagem – PAPs localizados em todo o território
nacional

Perfil do Egresso
O Centro Universitário Internacional UNINTER, com base em estudos de
auscultação do mercado de trabalho, definiu o perfil de conclusão para o Engenheiro
Eletrônico. Para essa definição considerou-se as expectativas do mercado de trabalho
quanto ao que o empregador espera do nosso egresso para o desempenho de suas
funções no ambiente profissional. Fazem parte do perfil desejado do egresso os
conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências (conforme a
Resolução CNE/CES 11). As habilidades e competências desse profissional foram
divididas em disciplinares e multidisciplinares.
As habilidades e competências disciplinares envolvem:
 aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à
Engenharia;
 projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
 conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
 planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia;
 identificar, formular e resolver problemas de engenharia;
 desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;
 supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;
 avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;
 comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;
 atuar em equipes multidisciplinares;
 compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais;
Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 55 de
56

 avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental;


 avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;
 assumir a postura de permanente busca de atualização profissional.
 habilidades para pesquisar, analisar e interpretar cenários econômicos e sociais,
internos e externos à organização;
 habilidades de identificar, modelar e resolver problemas;
 ter visão sistêmica organizacional;
 promover o desenvolvimento de competências organizacionais e individuais;
 Habilidades de trabalhar em equipes multidisciplinares;
 interpretar resultados de estudos de mercados, econômicos e/ou tecnológicos,
utilizando-os no processo de gestão e na ampliação das competências
organizacionais;
 empregar o vocabulário técnico específico na comunicação com os diferentes
profissionais das diversas áreas de uma organização;
 empregar a tecnologia adequada nos diversos processos organizacionais;
 delegar e controlar;
 possuir o embasamento teórico e prático necessário para atender às exigências da
moderna gestão das organizações;
 aplicar recursos para desenvolver um clima organizacional propício para a
motivação;
 possuir formação técnica, humanística e ética e os conhecimentos que
caracterizam o indivíduo, como ser humano, diante da sociedade;
 domínio de técnicas computacionais;
As habilidades e competências multidisciplinares envolvem:
 desenvolver e implantar hardware e software;
 definir requisitos e funcionalidade de ambientes computacionais fixos, embarcados
ou móveis;
 projetar e especificar a arquitetura de ambientes computacionais complexos;
 selecionar ambientes computacionais, modelos, técnicas e ferramentas de
desenvolvimento de hardware e de software;
 especificar e desenvolver hardware, programas e componentes de equipamentos,
sistemas e programas de computador;
 administrar ambientes computacionais complexos e informatizados;
 prestar suporte técnico de todos os níveis aos usuários de equipamentos

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER
Pág: 56 de
56

computacionais e software;
 elaborar documentação técnica e conduzir treinamentos;
 estabelecer padrões, coordenar projetos e liderar equipes de desenvolvimento de
hardware e de software;
 propor soluções para ambientes computacionais completos e informatizados;
 realizar pesquisas em infraestrutura, hardware e tecnologia e sistemas de
informação.
 acompanhar os avanços metodológicos e tecnológicos, tornando-se apto ao
exercício profissional em consonância com as demandas sociais;
 acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os e colocando-os a serviço da
demanda das empresas e da sociedade;
 utilizar ferramental matemático e estatístico para modelar sistemas computacionais
e auxiliar na tomada de decisões;
 projetar, implementar e aperfeiçoar sistemas, produtos e processos, levando em
consideração os limites e as características das comunidades envolvidas.

Mercado de Trabalho
Em cada unidade curricular há a possibilidade de emprego de seus conhecimentos em
função da análise crítica e também profissional tanto do que se registra na bibliografia ao
qual tem acesso assim como nos encontros que assiste; o aluno se profissionaliza a partir
do momento que desenvolve senso crítico como um profissional – a cada momento que é
confrontado com a realidade e a ela responde, indaga, reage e avalia.
Na metodologia as práticas profissionais estão profundamente alicerçadas nos projetos
multidisciplinares e nas atividades de prática em laboratório presenciais, onde o aluno
arregimenta informações da realidade onde está inserido e as alia aos conteúdos
programáticos na construção e reconstrução do saber. Como estão envolvidas a
consecução de objetivos e a avaliação do processo formativo, o aluno é levado a
apresentar desempenho consoante a ações profissionais plenas.

Documento criado com base nas exigências da Portaria 40/2010, Art. 32. § 2º.
Coordenação de Curso – Centro Universitário Internacional UNINTER