Você está na página 1de 4

Autor: MİNE AKSOY

Conselheiro: PROF. DR. ÖZCAN DEMİREL


Universidade:
Departamento da Universidade de Ankara : Instituto de Ciências Sociais
Número da Página: 251
Palavras-chave: Sucesso acadêmico = Sucesso acadêmico; Sucesso = Sucesso; Estudo de línguas; Ansiedade =
ansiedade; Estratégia = Estratégia; Timidez = Timidez; Escala de Ansiedade em Sala de Aula de Língua Estrangeira; Estudo
estrangeiro de idiomas; Estratégias de aprendizagem de línguas estrangeiras; Aprendizagem = Aprendizagem; Métodos de
Aprendizagem = Métodos de Aprendizagem

Resumo: Neste estudo, pretende-se investigar a relação entre ansiedade, timidez, estratégia e desempenho acadêmico em língua
estrangeira. Aprendizagem de línguas estrangeiras Escala de Ansiedade para esta finalidade, foi utilizada Timidez Escala e Língua
Estratégia de Aprendizagem, incluindo a questão de saber se eles são tímidos no final desta escala para determinar a consistência
dos resultados emergentes da Escala escala timidez. A fim de determinar o nível de desempenho em línguas estrangeiras, os
alunos do exame KET foram solicitados a responder aplicando. Os resultados das escalas foram avaliados estatisticamente
separadamente e os resultados da pesquisa mostraram que a ansiedade em língua estrangeira dos estudantes era geralmente
baixa. Estudantes do sexo feminino sentem mais ansiedade de língua estrangeira do que estudantes do sexo masculino. Houve
uma relação positiva significativa entre ansiedade e timidez na aprendizagem de línguas estrangeiras. Geralmente, os níveis de
ansiedade dos alunos não tímidos são baixos. Os estudantes que se mostraram tímidos estão preocupados em aprender línguas
estrangeiras. Enquanto os estudantes geralmente usam estratégias com frequência moderada, preferem usar a estratégia de
remuneração e preferem usar uma estratégia afetiva. Como os alunos aprendem inglês como língua estrangeira, não precisaram
de muito para usar a estratégia. No entanto, não foi encontrada relação estatisticamente significante entre a ansiedade em língua
estrangeira e as estratégias utilizadas pelos estudantes. Os estudantes preferem estratégias com taxas diferentes de acordo com
os níveis de ansiedade em língua estrangeira. A timidez não afetou o uso de estratégias de aprendizado de idiomas pelos
alunos. Em geral, os alunos não tímidos e tímidos afirmaram que usam todas as seis estratégias na subescala da escala de
estratégias de aprendizagem de idiomas e frequentemente usam estratégias corretivas e, pelo menos frequentemente, estratégias
afetivas. A ansiedade no aprendizado de línguas estrangeiras afetou negativamente o desempenho acadêmico. O aproveitamento
acadêmico de estudantes com ansiedade de língua estrangeira foi baixo. Embora exista uma relação estatisticamente significativa
e negativa entre os tipos de ansiedade que constituem os componentes da ansiedade e da realização da aprendizagem de línguas
estrangeiras, A relação entre sucesso e sucesso é maior que a dos outros. Em geral, os alunos não tímidos e tímidos afirmaram
que usam todas as seis estratégias na subescala da escala de estratégias de aprendizagem de idiomas e frequentemente usam
estratégias corretivas e, pelo menos frequentemente, estratégias afetivas. A ansiedade no aprendizado de línguas estrangeiras
afetou negativamente o desempenho acadêmico. O aproveitamento acadêmico de estudantes com ansiedade de língua
estrangeira foi baixo. Embora exista uma relação estatisticamente significativa e negativa entre os tipos de ansiedade que
constituem os componentes da ansiedade e da realização da aprendizagem de línguas estrangeiras, A relação entre sucesso e
sucesso é maior que a dos outros. Em geral, os alunos não tímidos e tímidos afirmaram que usam todas as seis estratégias na
subescala da escala de estratégias de aprendizagem de idiomas e frequentemente usam estratégias corretivas e, pelo menos
frequentemente, estratégias afetivas. A ansiedade no aprendizado de línguas estrangeiras afetou negativamente o desempenho
acadêmico. O aproveitamento acadêmico de estudantes com ansiedade de língua estrangeira foi baixo. Embora exista uma
relação estatisticamente significativa e negativa entre os tipos de ansiedade que constituem os componentes da ansiedade e da
realização da aprendizagem de línguas estrangeiras, A relação entre sucesso e sucesso é maior que a dos outros. pelo menos
muitas vezes eles usaram suas estratégias afetivas. A ansiedade no aprendizado de línguas estrangeiras afetou negativamente o
desempenho acadêmico. O aproveitamento acadêmico de estudantes com ansiedade de língua estrangeira foi baixo. Embora
exista uma relação estatisticamente significativa e negativa entre os tipos de ansiedade que constituem os componentes da
ansiedade e da realização da aprendizagem de línguas estrangeiras, A relação entre sucesso e sucesso é maior que a dos
outros. pelo menos muitas vezes eles usaram suas estratégias afetivas. A ansiedade no aprendizado de línguas estrangeiras
afetou negativamente o desempenho acadêmico. O aproveitamento acadêmico de estudantes com ansiedade de língua
estrangeira foi baixo. Embora exista uma relação estatisticamente significativa e negativa entre os tipos de ansiedade que
constituem os componentes da ansiedade e da realização da aprendizagem de línguas estrangeiras, A relação entre sucesso e
sucesso é maior que a dos outros. Preocupação com a Classe de Língua Estrangeira? A relação entre sucesso e sucesso é maior
que a dos outros. Preocupação com a Classe de Língua Estrangeira? A relação entre sucesso e sucesso é maior que a dos
outros.

Investigação
da Ansiedade da Lição de Linguagem Estrangeira em Diferentes Amostras e Antropologia do Desenvolvimento
( Diferentes Termos e Condições de Evolução )
autor : Murat TUNCER Egemen Akmençe
Ano de impressão : 2018
número: Volume 6, edição 1
página : 358-370
Número DOI: : 10.18298 / ijlet.2495
Cite: Murat TUNCER Egemen Akmençe, (2018). Investigação da ansiedade na aula de língua estrangeira em
diferentes instâncias e perspectivas de desenvolvimento. Revista Internacional de Ensino e Ensino de Idiomas ,
volume 6, edição 1, p. 358-370. Doi: 10.18298 / ijlet.2495.
68 52
Baixe o texto completo

resumo
O objetivo geral desta pesquisa é investigar a ansiedade do desenvolvimento de aulas de língua estrangeira em
diferentes amostras. Na pesquisa realizada segundo o modelo de triagem, utilizou-se a escala de Ansiedade do Curso
de Língua Estrangeira como ferramenta de coleta de dados. Análise de variância unidirecional, teste U de Mann
Whitney, teste de Kruskall Wallis H, análise de correlação e regressão foram usados para analisar os dados de
estudantes do ensino médio e universitários. Como resultado da pesquisa, determinou-se que os alunos que
constituíram a amostra tinham baixo nível de aulas de língua estrangeira em geral e não fizeram diferença
significativa no nível de escolaridade dos pais no ensino médio. Uma diferença significativa foi encontrada na
subescala de estrangeiros para estrangeiros em termos de status de educação materna em nível de graduação. A
análise de regressão para o nível de graduação revelou que 89% da variância total da ansiedade de fala no curso de
idiomas e 93% da variância no curso de idiomas foram explicados. Resultados semelhantes foram obtidos no ensino
médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que os alunos que se perdem no nível razoável podem motivar os
alunos e aumentar seus ganhos. Tornar os alunos uma ferramenta para usar idiomas estrangeiros na vida real e
permitir que eles se comuniquem com pessoas com inglês nativo ou idiomas estrangeiros aumentará seu interesse no
idioma de destino. Planejar e encorajar atividades de fala, especialmente em aulas de idiomas, terá um efeito sobre a
ansiedade. Resultados semelhantes foram obtidos no ensino médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que
os alunos que se perdem no nível razoável podem motivar os alunos e aumentar seus ganhos. Tornar os alunos uma
ferramenta para usar idiomas estrangeiros na vida real e permitir que eles se comuniquem com pessoas com inglês
nativo ou idiomas estrangeiros aumentará seu interesse no idioma de destino. Planejar e encorajar atividades de fala,
especialmente em aulas de idiomas, terá um efeito sobre a ansiedade. Resultados semelhantes foram obtidos no
ensino médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que os alunos que se perdem no nível razoável podem
motivar os alunos e aumentar seus ganhos. Tornar os alunos uma ferramenta para usar idiomas estrangeiros na vida
real e permitir que eles se comuniquem com pessoas com inglês nativo ou idiomas estrangeiros aumentará seu
interesse no idioma de destino. Planejar e encorajar atividades de fala, especialmente em aulas de idiomas, terá um
efeito sobre a ansiedade.

Palavras-chave
Ansiedade do Curso de Língua Estrangeira, Ansiedade, Ensino de Inglês, Ensino Médio e Estudantes de Graduação,
Análise de Regressão

abstrato
O objetivo geral desta pesquisa é investigar a ansiedade de aulas de língua estrangeira em diferentes amostras
desenvolvidas no desenvolvimento. Escala de ansiedade foi utilizada como ferramenta de coleta de dados. Análise de
variância unidirecional, teste U de Mann Whitney, teste Kruskall Wallis H, análise de Correlação e Regressão foram
utilizados para analisar os dados. Como resultado da pesquisa, foi determinado que os alunos tinham um baixo nível
de aulas de língua estrangeira em geral. Uma diferença significativa foi encontrada nas sub-dimensões dos
estrangeiros falantes em termos de educação materna em nível de graduação. A análise de regressão para o nível de
graduação revelou que a ansiedade de linguagem nos Cursos de Linguagem explica 89% da variância total e quando a
subdimensão de Interesse em Língua Estrangeira é adicionada, explica 93% da variância. Resultados semelhantes
foram obtidos no ensino médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que os alunos que possuem um nível
razoável de ansiedade podem motivar os alunos e aumentar seus ganhos. Fazer uma língua estrangeira é uma
ferramenta para os alunos usarem na vida real e permite que eles se comuniquem com o inglês nativo ou falem
inglês como segunda língua aumentará seu interesse no idioma. A análise de regressão para o nível de graduação
revelou que a ansiedade de linguagem nos Cursos de Linguagem explica 89% da variância total e quando a
subdimensão de Interesse em Língua Estrangeira é adicionada, explica 93% da variância. Resultados semelhantes
foram obtidos no ensino médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que os alunos que possuem um nível
razoável de ansiedade podem motivar os alunos e aumentar seus ganhos. Fazer uma língua estrangeira é uma
ferramenta para os alunos usarem na vida real e permite que eles se comuniquem com o inglês nativo ou falem
inglês como segunda língua aumentará seu interesse no idioma. A análise de regressão para o nível de graduação
revelou que a ansiedade de linguagem nos Cursos de Linguagem explica 89% da variância total e quando a
subdimensão de Interesse em Língua Estrangeira é adicionada, explica 93% da variância. Resultados semelhantes
foram obtidos no ensino médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que os alunos que possuem um nível
razoável de ansiedade podem motivar os alunos e aumentar seus ganhos. Fazer uma língua estrangeira é uma
ferramenta para os alunos usarem na vida real e permite que eles se comuniquem com o inglês nativo ou falem
inglês como segunda língua aumentará seu interesse no idioma. Resultados semelhantes foram obtidos no ensino
médio. Como resultado da pesquisa, considera-se que os alunos que possuem um nível razoável de ansiedade podem
motivar os alunos e aumentar seus ganhos. Fazer uma língua estrangeira é uma ferramenta para os alunos usarem na
vida real e permite que eles se comuniquem com o inglês nativo ou falem inglês como segunda língua aumentará seu
interesse no idioma. Resultados semelhantes foram obtidos no ensino médio. Como resultado da pesquisa,
considera-se que os alunos que possuem um nível razoável de ansiedade podem motivar os alunos e aumentar seus
ganhos. Fazer uma língua estrangeira é uma ferramenta para os alunos usarem na vida real e permite que eles se
comuniquem com o inglês nativo ou falem inglês como segunda língua aumentará seu interesse no idioma.

Palavras-chave
Ansiedade do Curso de Língua Estrangeira, Ansiedade, Ensino de Inglês, Ensino Médio e Estudantes de Graduação,
Análise de Regressão

Referências
Aida, Y. (1994). Exame da ansiedade de linguagem estrangeira de Horwitz, Horwitz e Cope: o caso dos estudantes de
japonês. Modern Language Journal, 78, 155-167.

Aksoy, M. (2012) A Relação entre Ansiedade, Timidez, Estratégia e Realização Acadêmica em Educação de Língua
Estrangeira, Dissertação de Doutoramento Não-publicada. Universidade de Ankara, Instituição de Ciências Sociais.

Aydemir, O. (2011). Estudo sobre as mudanças nos níveis de ansiedade Língua Estrangeira experimentada pelos
alunos da Escola Preparatória da Universidade de Gazi durante o ano lectivo, Tese não publicada de mestrado,
Universidade Gazi, Institue de Ciências da Educação na.

Aydin, Y. (2016). Exame da ansiedade da língua estrangeira de estudantes do ensino médio em termos de diferentes
variáveis. Dissertação de mestrado não publicada, Instituto Universitário de Ciências Sociais Ahi Evran, Kırşehir.

Aydın, B. (2010). Uma investigação de variáveis que afetam as habilidades de comunicação na aprendizagem da
língua francesa como segunda língua estrangeira. Tese de doutoramento inédita, Instituto de Ciências Sociais da
Universidade de Hacettepe, Ancara.

Aydın, B. (1999). Um estudo de fontes de ansiedade em sala de aula de língua estrangeira em aulas de conversação e
escrita. Tese de Doutorado Inédito, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Anadolu, Eskisehir.

Aydın, S. & Zengin, B. (2008). Ansiedade na aprendizagem de línguas estrangeiras: uma revisão da literatura. A Revista
de Linguagem e Estudos Linguísticos, 4 (1), 81-94.

Chefe, G. (2014). Ansiedade sobre a aprendizagem de línguas estrangeiras em estudantes do ensino médio: uma
pesquisa qualitativa. Universidade de Pamukkale Jornal da Faculdade de Educação, número 36, 101-119.

Bayraktaroğlu, S. (2012). Não podemos ter sucesso na educação em línguas estrangeiras? Turquia em Trends ensino
de línguas estrangeiras Qual deve ser? 1. Proclamações do Workshop de Educação em Língua Estrangeira, 12-13 de
novembro de 2012. Publicações da Universidade de Hacettepe, 2014.

Esperando, N. (2004). A influência de professores e colegas na ansiedade em sala de aula em língua estrangeira.
Language Magazine, 123, 49-66.
Burger, A. (2011). O Papel da Motivação, Atitude e Ansiedade na Aprendizagem do Inglês como Língua Estrangeira.
Dissertação de Mestrado inédita, Universidade Kafkas, Instituição de Ciências Sociais.

Can, E. e Can, CI (2014). Os problemas encontrados no ensino de línguas estrangeiras na Turquia. Revista Trakya
University of Education, 4 (2), 43-63.

Chen, T.-Y. e Chang, GBY (2004). Ansiedade e dificuldades de aprendizagem. Anais de língua estrangeira, 37, 279-290.

Cheng, Y., Horwitz, E. e Schallert, D. (1999). Ansiedade da Linguagem: Diferenciando componentes de escrita e fala.
Language Learning, 49, 417-446.

Chu, HNR (2008). Timidez e Aprendizagem EFL em Taiwan: um estudo sobre o uso de estratégias por estudantes
universitários tímidos e não tímidos, ansiedade, motivação e disposição para comunicar-se em línguas estrangeiras.
ProQuest. https://books.google.com.tr/books

Cohen, J. (1988). Análise de poder estatístico para as ciências comportamentais (2ª ed.). Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Demir, E., Saatçioğlu, Ö. e Imrol, F. (2016). Exame de pesquisas educacionais publicadas em revistas internacionais em
termos de pressupostos de normalidade. Curr. Res. Educ., 2 (3), 130-148.
Demirdas, Ö. e Bozdoğan, D. (2013). Ansiedade da Linguagem Estrangeira e Desempenho de Aprendizes de Línguas
em Aulas Preparatórias, Revista Turca de Educação, 2 (3), 4-13.

Demirdas, Ö. (2012). Ansiedade de Linguagem Estrangeira e Desempenho de Alunos de Línguas em Aulas Turísticas
Preparatórias Turísticas, Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade Abant Izzet Baysal, Instituição de
Ciências da Educação.