Você está na página 1de 17

Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação, De 2005, Vol. 4, N ° 1, 75-91.

................................................................... . ....................................................................................................

Teorias de Gestão maus estão


destruindo Boa Gestão
práticas
Sumantra Ghoshal
Instituto Avançado de Management Research (AIM), Reino Unido e London Business School

Os escândalos corporativos nos Estados Unidos têm estimulado um interesses pessoais, que são perigosos para o bem ou mal”Keynes
frenesi de atividades nas escolas de negócios em todo o mundo. Deans (1953: 306).
estão exaltando o quanto seus currículos se concentrar em ética nos Este é precisamente o que aconteceu com a gestão. Obcecado
negócios. Novos cursos estão sendo desenvolvidos na como eles estão com o “mundo real” e cética como a maioria deles
responsabilidade social corporativa. , casos altamente elogiosas velhas são de todas as teorias, os gestores não são excepção à
no En- ron e Tyco estão sendo apressadamente reescrito. “O que mais escravidão intelectual dos “homens práticos” para que Keynes
devemos fazer?”, A faculdade está pedindo por si próprias em grave referidos. Muitos dos piores excessos de práticas de gestão
seminários e mais mesas de almoço (Bartůněk, 2002). recentes têm suas raízes em um conjunto de ideias que surgiram a
partir de acadêmicos de escolas de negócios ao longo dos últimos
30 anos.
As escolas de negócios não precisa fazer muito mais para ajudar a
prevenir futuras Enrons; eles só precisam parar de fazer um monte fazem Em cursos sobre governança corporativa fundamentada na teoria
atualmente. Eles não precisam de criar novos cursos; eles precisam da agência (Jensen e Meckling, 1976) temos ensinado aos nossos
parar simplesmente ensinando algumas das antigas. Mas, antes de fazer alunos que os gerentes não podem ser confiáveis ​para fazer seus
qualquer disto, nós, como escola de negócios do corpo docente em trabalhos-o que, naturalmente, é maximizar e de valor que, para
necessidade de possuir até nosso próprio papel na criação Enrons. superar “problemas de agência de acionistas, ”interesses e incentivos
Nossas teorias e idéias têm feito muito para fortalecer as práticas de dos gestores devem estar alinhados com os dos acionistas, por
gestão que todos nós estamos agora tão alto condenando.
exemplo, tornando as opções de ações de uma parte significativa do
seu salário. Em cursos sobre o projeto de organização,
fundamentadas na economia dos custos de transação, temos
pregado a necessidade de monitoramento e controle de pessoas
Nossas teorias e idéias têm feito muito para apertado para evitar o “comportamento oportunista” (Williamson,
1975). Nos cursos de estratégia, foi apresentado o “cinco forças”
fortalecer as práticas de gestão que todos nós
quadro (Porter, 1980) para sugerir que as empresas devem competir
estamos agora tão alto condenando.
não só com os seus concorrentes, mas também com seus
fornecedores, clientes, funcionários e órgãos reguladores.

“As idéias de economistas e filósofos políticos, tanto quando eles


estão certos e quando estão erradas, são mais poderosas do que é
comumente entendido”, escreveu John Maynard Keynes (1953: estudantes de MBA não estão sozinhos em ter aprendido, ao
306). “Ato In- o mundo é governado por pouco mais. homens longo de décadas, essas teorias de gestão. Milhares de fato,
práticos, que acreditam-se ser bastante isentos de quaisquer centenas de milhares-de executivos que participaram de cursos de
influências intelectuais geralmente são escravos de algum negócios aprenderam as mesmas lições, embora as teorias reais
economista defunto. . . . É idéias, não muitas vezes não foram apresentados tão diretamente a eles.
Mesmo aqueles que nunca frequentaram uma escola de negócios
aprenderam a pensar dessa maneira porque essas teorias têm sido
no ar, legitimando algumas ações e comportamentos dos gestores,
Nota do editor. Sumantra Ghoshal morreu inesperadamente após a elaboração deste deslegitimar outros, e geralmente moldar a ordem intelectual e
manuscrito. Nossa gratidão pertence a seu filho, Ananda Ghoshal, sua secretária,
normativo dentro do qual todo o dia-a- decisões do dia foram feitas.
Sharon Wilson, e seu aluno, Felipe Monteiro, todos os quais foram instrumentais em
trazer este trabalho para publicação. Para um relato mais detalhado da gênese deste
artigo, consulte o A partir do Editor coluna.

75
76 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

Por que então nos sentimos surpresos pelo fato de que os prática de gestão. Essas influências têm sido menos no nível de
executivos de Enron, Global Crossing, Tyco, e dezenas de outras adoção de uma teoria particular e mais a incorporação, dentro da
empresas concedeu-se opções de ações cessive ex, tratavam seus cosmovisão dos gestores, de um conjunto de idéias e suposições
funcionários muito mal, e tomou os seus clientes para um passeio que passaram a dominar grande parte da pesquisa de gestão. Mais
quando podiam? Além disso, a má conduta criminal de gestores em especificamente, eu sugiro que propagando teorias amorais
algumas empresas não é realmente a questão crítica. De muito ideologicamente inspirado, escolas de negócios libertaram
maior preocupação é a deslegitimação geral das empresas como ativamente seus alunos a partir de qualquer senso de
instituições e da gestão como uma profissão ( O economista: responsabilidade moral.

25-31 outubro de 2003) causaram, pelo menos em parte, pela adoção


destas ideias como tomadas como concedidos ele- mentos de prática Ao propagar teorias amorais ideologicamente inspirado,
de gestão. escolas de negócios libertaram ativamente seus alunos
Vários estudiosos têm recentemente expressaram suas preocu- a partir de qualquer senso de responsabilidade moral.
pações sobre o estado atual da gestão de re- pesquisa e pedagogia
(por exemplo, Porter & McKibbin, 1988; Leavitt, 1989; Hambrick,
1994; Mintzberg e Gosling, 2002; Donaldson, 2002; Pfeffer & Fong ,
A Figura 1 fornece um mapa dos argumentos que se seguem. Tal
2002). Em geral, os seus argumentos têm-se centrado sobre a falta como tem sido extensivamente documentado na literatura (por
de impacto da pesquisa em administração na prática de gestão ea exemplo, Friga, Bettis, e Sullivan,
falta de eficácia da gestão da educação para os negócios desem- 2003), nos últimos 50 anos a escola de negócios de busca re- tem
penho dos estudantes. cada vez mais adotado o modelo de um “científica” abordagem que
Hayek (1989) descreveu como “a pretensão de conhecimento.”
Neste artigo, eu levantar uma questão muito diferente: Eu Esta pretensão exigiu teorização com base na parcialização de
argumentam que a pesquisa acadêmica relacionada com a conduta análise, o exclusão de qualquer papel para tentionality in- humano
de con- de negócios e gestão teve algumas influências muito ou escolha, e o uso de as- afiada
significativos e negativos sobre o

FIGURA 1
O Processo de Bad Teorias Destruir Boas Práticas
2005 Ghoshal 77

sumptions e raciocínio dedutivo (Bailey & Ford, A pretensão DO CONHECIMENTO


1996). Desde a moralidade ou ética, é inseparável da intencionalidade
Nosso esforço principal como ics academ- escola de negócios ao
humana, uma condição prévia para fazer estudos de negócios a
longo do último meio século tem sido fazer estudos de negócios um
ciência tem sido a negação de quaisquer considerações morais ou
ramo das ciências sociais (Schlossman, Sedlak, & Wechsler, 1998).
éticos em nossas teorias e, portanto, em nossas prescrições para a
Rejeitando o que vimos como o “romantismo” de analisar
prática ment GESTÃO DE.
comportamentos corporativos em termos de escolhas, ções ac-, e
as realizações de indivíduos (por exemplo, Drews An-, 1980),
Ao mesmo tempo, uma ideologia particular, tem in- vez mais
adotamos a abor- dagem “científica” de tentar descobrir padrões e
penetrado a maioria das disciplinas em que teorias de gestão estão
leis, e substituíram todas as noções de intencionalidade humana
enraizadas. Descrito por Milton Friedman (2002) como “liberalismo”,
com uma firme crença no determinismo causal para ex- plaining
neste ology IDE-se essencialmente baseada em um conjunto de
todos os aspectos do desempenho corporativo. Com efeito, que
pressupostos tic pessimis- sobre os indivíduos e as institui- ções-a
professamos que o negócio é redu- ible a um tipo de física em que
“visão sombria” (Hirschman, 1970) que vê o propósito primário da
mesmo se os gerentes individuais que desempenham um papel,
teoria social como um de resolver o “problema negativa” de
pode seguramente ser tomado como determinado pelas leis lógicas
restringir os custos sociais decorrentes das imperfeições humanas.
econômicas, sociais e psico que inevitavelmente moldam povos '
Combinado com a pretensão de conhecimento, essa ideologia
ações.
levou pesquisa de gestão aumen- vez mais no sentido de fazer
reivindicações de verdade excessivas com base na análise parcial
e suposições ISTIC e tendenciosas unreal-.

Tudo isso ainda não conduziria a quaisquer consequências


negativas para a prática de gestão, mas para o traço distintivo da
dupla hermenêutica que caracteriza a relação entre teoria e prática
em domínios sociais. Ao contrário das teorias nas ciências físicas,
Adoção de métodos científicos, sem dúvida, produziu alguns benefícios significativos
as teorias das ciências sociais tendem a ser auto-realizável
tanto para a nossa busca re- e nossa pedagogia, mas os custos também têm sido
(Gergen, 1973).
elevadas. Infelizmente, como filosofia da ciência deixa claro, é um erro de fingir que

A teoria das partículas subatômicas ou do universo com o botão themethods das ciências físicas pode ser indiscriminadamente aplica- para estudos de

direito ou errado-não altera os haviors ser- dessas partículas ou do negócios porque tal pretensão ignora algumas diferenças fundamentais que existem

universo. Se uma teoria pressupõe que o sol gira em torno da terra, tween ser- as diferentes disciplinas acadêmicas. A Figura 2, reproduzida de Elster (1983),

isso não muda o que o sol realmente faz. Assim, se a teoria está fornece uma maneira de entender estas diferenças. Como Elster argumenta, a partir da

errada, a verdade é preservada para a descoberta por outra perspectiva da filosofia da ciência, é preciso primeiro distinguir entre as ciências naturais

pessoa. Em contraste, uma teoria-se GESTÃO DE ment ele ganha e as ciências humanas. Dentro das ciências naturais, existe uma necessidade de

moeda-suficiente muda o comportamento dos gestores que distinguir o estudo de natureza inorgânica, tais como física, e o estudo de natureza

começam ACT- ing, de acordo com a teoria. Uma teoria que orgânica, tal como a biologia. Dentro das ciências humanas, da mesma forma, uma

assume que as pessoas podem se comportar de forma oportunista distinção precisa ser feita entre as ciências sociais, como a economia e a psicologia e

e tira as suas conclusões de gestão de pessoas com base nessa disciplinas estéticas, como a arte. Abstendo-se para o momento em que os argumentos

suposição pode induzir ações gerenciais que são susceptíveis de daqueles que classifymanagement como uma arte que pratica (por exemplo, Eccles &

melhorar o comportamento oportunista entre as pessoas (Ghoshal Nohria, 1992), vamos AC- CEPT a visão mais comum e considerar as teorias

e Moran, 1996). Uma teoria que desenha prescrições em ernance relacionadas com o mento gesta~o como parte das ciências sociais . Seus interesses

gover- corporativa no pressuposto de que os gestores não se pode limitados às preocupações acadêmicas de bolsa de estudos, Elster argumenta que a

confiar pode fazer gerentes menos confiáveis ​(Osterloh & Frey, diferença fundamental entre estes diferentes campos reside ther Nenhum referia no

2003). Seja certo ou errado, para começar, a teoria pode se tornar método de investigação nem nos interesses que servem; encontra-se em vez do modo de

direita como agers-que-homem são ambos seus súditos e os explicação Abstendo-se para o momento em que os argumentos daqueles que

consum- ERS-se adaptar os seus comportamentos em classifymanagement como uma arte que pratica (por exemplo, Eccles & Nohria, 1992),

conformidade com a doutrina. Como vou demonstrar aqui, este é vamos AC- CEPT a visão mais comum e considerar as teorias relacionadas com o mento

pré precisamente o que aconteceu com a prática de gestão ao gesta~o como parte das ciências sociais . Seus interesses limitados às preocupações

longo das últimas décadas, convertendo o nosso pessimismo acadêmicas de bolsa de estudos, Elster argumenta que a diferença fundamental entre

lectivo col- sobre gestores em patologias realizados em estes diferentes campos reside ther Nenhum referia no método de investigação nem nos

comportamentos de gestão. interesses que servem; encontra-se em vez do modo de explicação Abstendo-se para o

momento em que os argumentos daqueles que classifymanagement como uma arte que

pratica (por exemplo, Eccles & Nohria, 1992), vamos AC- CEPT a visão mais comum e

considerar as teorias relacionadas com o mento gesta~o como parte das ciências sociais .

Seus interesses limitados às preocupações acadêmicas de bolsa de estudos, Elster argumenta que a diferenç
78 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

FIGURA 2
Os diferentes modos de explicação para as Ciências diferente.
Nota. A partir de Explicando mudança técnica, por J. Elster, 1983, Cambridge, Inglaterra: Cambridge University
Pressione. Adaptado com permissão.

ção e teorização que é apropriado para cada um. A categorização ação guiada por alguma intenção. Na presença de tal
de tais modos como causal, funcional, e intencional, Elster intencionalidade, as teorias funcionais são Pect sus-, exceto em
demonstrado por isso que para as ciências de matéria inorgânica, algumas circunstâncias especiais e relativamente raros, porque não
como física, o único modo aceitável de explicação é o modo causal. há nenhuma lei geral nas ciências sociais comparáveis ​à lei da
explicações funcionais, com base em noções como benefícios, seleção ral natu- em biologia. Como explicado Elster, adaptação
evolução, ou o progresso não têm nenhum papel na física, nem há intencional difere de adaptação funcional
qualquer espaço para explicações cionais ou teleológicas
intenções, tais como aqueles baseados em alguma noção de
imaginação ator ou vontade. explicações funcionais, no entanto,
desempenhar um papel impor- tante nas ciências de matéria em que o primeiro pode ser dirigido para o futuro tant dis-, ao
orgânica, como a biologia. Tudo o que tem que fazer para explicar passo que o último é tipicamente Opic meu- e oportunistas.
uma característica particular de um organismo, ou algum aspecto seres intencionais podem empregar tais estratégias como
de sua havior ser-, é demonstrar que o recurso ou ior compor- “um passo back-ala, dois passos à frente”, que são
aumenta a sua aptidão reprodutiva. A razão tais explicações realizadas apenas por acidente na evolução biológica (1983:
funcionais são adequados, como- nunca, reside na disponibilidade
de uma teoria causal abrangente: a da seleção natural. Não há 36).
papel da intencionalidade dentro da biologia porque o processo de
evolução é impulsionada pelo erro aleatório ou mutação, sobre as Há, naturalmente, um papel para as teorias causais nas ciências
quais as fontes de variação ou as unidades de seleção têm sociais, mas é relativamente limitado, adequado, por exemplo, para
qualquer influência. O bloco de construção básico nas ciências a análise de fenômenos envolvendo a interação entre um número
sociais, a unidade elementar de explicação, é individual muito grande de diversos atores (por exemplo, capital de merca-
dos), onde as intenções dos atores individuais podem ser ignoradas
(semelhante aos Nings underpin- analíticos da mecânica quântica
estatísticos que faz
2005 Ghoshal 79

não pretendem explicar os resultados para partículas individuais face de forças externas, é a desumanização de prática que eles
mas faz estimativas estatísticas de resultados de agregação dos recorrem. Quando eles afirmam que os mercados de competição
porta). No entanto, para uma vasta gama de questões relevantes ou de capital são implacáveis ​em suas demandas, e que as
para o estudo da gestão, tais Con- dições não são atingidos. Para empresas e os gestores individuais não têm possibilidades de
estas questões, intenções humanas importa. E, intenções são escolhas, é sobre a força da falsa premissa do determinismo que
estados mentais; Então, dizer que uma determinada ação de um se libertar de qualquer senso de responsabilidade moral ou ético
indivíduo foi causado por uma intenção particular não é uma para Suas ações. Não é só a moral, no entanto, que foi vítima deste
explicação causal. Para citar Elster, “usando explicação causal, esforço de acadêmicos de negócios para tornar a gestão de uma
podemos falar sobre tudo o que existe, incluindo os fenômenos ciência; senso comum, também, sofreu um pedágio. É a este custo
mentais, mas não deve ser capaz de destacar os fenômenos de perder a sabedoria do senso comum que Donald Campbell
mentais de que mais há” (1983). (1988) se referiu quando ele forneceu inúmeras ples exem- de
como a aplicação de teorias sociais levou a decisões de políticas
públicas pobres nos Estados Unidos. Como ele escreveu,
teorias de gestão, actualmente, são overwhelm- vez mais causal
ou funcional nos seus modos de explicação. Ética ou moral, no
entanto, são fenômenos mentais. Como resultado, eles tiveram que
ser cluídos ex- da nossa teoria e das práticas que tais teorias
moldaram. Em outras palavras, uma pré-condição para fazer
negócios estuda uma ciência, bem como uma conseqüência da
crença resultando em determinismo tem sido a negação explícita de
qualquer função de considerações morais ou éticos na Tice Prac de
gestão. Ninguém expressou essa negação mais fortemente do que
Milton Friedman: “Poucas tendências poderiam tão completamente
minar ções muito fundações da nossa sociedade livre como a
aceitação por funcionários porados cor- de uma responsabilidade Friedrich von Hayek dedicou toda a sua Nobel Lecture Memorial
social que não para fazer tanto dinheiro para seus acionistas para o perigo representado pela pretensões científicas na análise
quanto possível”(2002: 133). dos fenômenos sociais. Falando como um economista e
reconhecendo que “como uma profissão que fizemos uma confusão
de coisas,” ele colocou a culpa em “a pretensão de conhecimento”,
que é como ele intitulou seu discurso (1989: 3-7). “Parece-me que
Para tanto os gestores e da gestão AC- ademics que professam esta falha de economistas para orientar a política pública com mais
essas crenças, refiro-me as palavras de Isaiah Berlin: “Pode-se sucesso está claramente relacionada com sua propensão a imitar,
argumentar sobre o grau de diferença que a influência deste ou tanto quanto possível os procedimentos das ciências físicas
daquele indivíduo feita na formação de eventos. Mas para tentar brilhantemente bem-sucedidas”, disse Hayek. devido às suas
reduzir os comportamentos dos indivíduos ao de forças sociais própria natureza dos fenômenos sociais, que Hayek descrito como
impessoais não mais analisáveis ​sobre a conduta de homens que. . “fenômenos de complexidade nizadas orga-”, a aplicação de
. fazer história. . . é uma forma de falsa consciência dos burocratas métodos científicos para tais fenômenos “são muitas vezes o mais
e administradores que fecham os olhos a tudo o que mostra-se não-científica, e, além disso,
incapaz de quantificação, e, assim, cometem absurdos na teoria e
na ção dehumanisa- na prática”(2002: 26).

Quando Richard Posner afirma que a justiça é im- portante só Como um exemplo de como esta pretensão da ciência afeta a
porque leva à prevenção de resíduos, ele comete absurdos em prática de gestão, considere o ditado de Milton Friedman que
teoria, como ação in- apontado por Todd Buchholtz (1999), quando alguns gerentes de hoje pode questionar publicamente, que seu
ele descreveu essa reivindicação como uma “observação fraca por trabalho é maximizar valor para os acionistas. Onde é que a
um homem brilhante”(p. 199). Quando Gary Becker (1993) afirma enorme tainty cer- que esta afirmação parece carregar vem?
que o roubo é prejudicial apenas porque ishes dimin- produtividade,
ele fecha os olhos a tudo o que mostra-se incapaz de quantificação
e é vítima da “falsa consciência”, ao que Isaiah Berlin se refere. Afinal, sabemos que os acionistas não possuem a empresa, não no
sentido de que eles próprios suas casas ou seus carros. Eles
simplesmente possuir um direito dos fluxos de caixa residuais da
empresa, que não é de todo a mesma coisa que é proprietária da
Da mesma forma, quando os gerentes, incluindo CEOs, jus- empresa. Eles não têm nenhum direito de propriedade sobre os ativos
tificar suas ações alegando impotência na reais ou
80 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

negócios da empresa, que são de propriedade da própria empresa, Entradas de capital por acionistas, uma commodity pura que é talvez
como uma “pessoa jurídica”. Na verdade, é esta separação em excesso de oferta (Quinn, 1992). Como Grossman e Hart (1986)
fundamental entre a propriedade de ações e apropriação dos bens, mostrou, uma vez que admitir contratos incompletos, direitos sidual
recursos e as responsabilidades associadas de uma empresa que re- de controle são perfeitamente realizada pelo partido cujos
distingue empresas públicas de navios proprietor- ou parcerias. A investimentos são mais importantes em termos de criação de valor.
noção de navio proprietário-real da empresa não é simplesmente Se estas verdades são reconhecidos, não pode haver nenhuma
compatível com a prevenção responsabilidade Sabemos também base para afirmar o princípio de valor para o acionista maximização.
que o valor de uma empresa cria é produzida através de uma Simplesmente não há nenhum argumentos invocados.
combinação de recursos contribuíram por diferentes círculos
eleitorais “responsabilidade limitada.”: Ees empregabilidade,
incluindo gerentes, contribuir com seu capital humano, por
exemplo, enquanto os acionistas contribuir capital financeiro. Se a
criação de valor é conseguido através da combinação dos recursos A verdade é, é claro, exatamente o oposto. A maioria dos acionistas
de ambos os balhadores em- e acionistas, por que o favor podem vender suas ações muito mais facilmente do que a maioria
distribuição de valor apenas o último? Por que o mainstream da dos funcionários pode encontrar outro emprego.
nossa teoria ser premissa maximi- ing os retornos para apenas um
desses vários utors contri-?

Mais uma vez, Milton Friedman (1953) tem pro- vided um


contra-argumento convincente: Não se preocupe se os
pressupostos de nossas teorias não refletem a realidade; o que
A resposta, a única resposta que é realmente Val-id-se que esta importa é que essas teorias podem prever com precisão os
suposição ajuda na estruturação e resolução de modelos resultados. As teorias são válidos por causa de seu poder
matemáticos agradáveis. Fundição acionistas no papel de explicativo e preditivo, independentemente do quão absurdo os
“princípios”, que são equivalentes aos proprietários ou proprietários pressupostos pode olhar a partir da perspectiva do senso comum. O
e gerentes como “agentes” que são auto-centrado e só estão que é interessante é que a teoria da agência, que subjaz a todo o
interessados ​em usar os recursos da empresa em proveito próprio edifício intelectual em apoio de valor para o acionista maximização,
é justificada simplesmente porque, com este pressuposto, a tem pouco planatory ex- ou poder preditivo. Sua solução para o
matemática elegantes de modelos de agente principal-pode ser modelo de agência produz algumas prescrições da ala
aplicado para as questões econômicas, sociais e morais relativamente straightfor-: Expandir o número ea in- fluência de
enormemente complexas re- lacionados à governança das conselheiros independentes sobre os conselhos de administração
corporações ções públicas gigantes que têm tão enorme influência para que eles possam efetivamente a gestão da polícia; dividir as
sobre a vida de milhares, muitas vezes milhões-de pessoas. Mas funções do presidente do conselho e executivo-chefe, de modo a
então, para tornar o modelo deu uma solução, mais alguns reduzir o poder deste último; criar mercados para o controle
pressupostos têm de ser feitas. Assim, a teoria pressupõe que os corporativo, isto é, para aquisições hostis, para que invasores
mercados de trabalho são perfeitamente eficientes, em outras podem se livrar dos gestores de desperdício; e pagar gestores em
palavras, os salários de todos os funcionários representam opções de ações para garantir que eles incansavelmente perseguir
plenamente o valor de suas contribuiç~oes para a empresa e, se os interesses dos acionistas. Os fatos são que nenhum desses
não o fizessem, o empregado poderia imediatamente e sem custo fatores tem a previsão dos efeitos do desempenho corporativo.
passar para outro emprego. Com esta premissa, os accionistas
podem ser assumida como carregando o maior risco, tornando
assim a sua contribuição do capital mais importante do que a
contribuição do capital humano fornecido por gerentes e outros
funcionários e, portanto, é suas declarações que devem ser maxi- Uma revisão de 54 estudos sobre os efeitos da composição do
rentabiliza (Jensen e Meckling, 1976). conselho de desempenho mostra que a proporção de conselheiros
independentes no conselho não tem efeito icant signifi- sobre o
desempenho corporativo. Uma revisão similar de 31 estudos sobre
os efeitos da separação de funções de liderança demonstra que se
os mesmos ou diferentes indivíduos ocupam os cargos de
A verdade é, é claro, exatamente o oposto. A maioria dos acionistas presidente e CEO não afeta o desempenho das empresas de
podem vender suas ações muito mais facilmente do que a maioria dos qualquer forma. Estes estudos cobrir presas com- baseados em
funcionários pode encontrar outro emprego. Em cada sentido substantivo, diferentes países, e as con- clusões são válidos independentemente
funcionários de uma empresa transportar mais riscos do que fazer os de desem- penho é avaliado em termos de valor da empresa ou de
acionistas. Além disso, as suas contribuições de conhecimentos, habilidades contabilidade medidas de mercado, como o retorno
e empreendedorismo são tipicamente mais importante do que o
2005 Ghoshal 81

sobre o capital empregado (Dalton, Daily, Ellstrand, & Johnson,


1998). Por que não fundamentalmente repensar a questão de
A evidência empírica sobre os efeitos de um mercado para o governança corporativa?
controle corporativo é altamente ambígua. E até mesmo Michael
Jensen, o proponente da teoria, foi forçado a admitir que as opções
de ações não têm funcionado da mesma maneira como ele esperava A resposta honesta é porque um tiva tal pers- não pode ser
( O economista, 16 de novembro de 2002: 66). elegantemente-modelado a matemática não existe. Tal teoria não
seria prontamente deu, proposições testáveis ​afiados, nem seria
hipóteses irrealistas e inválida ções-ainda prescrip-, a teoria e a fornecer prescrições simples, reducionistas. Com essa premissa, a
máxima que leva a permanecer absoluta. Como Margaret Blair pretensão do conhecimento não pode ser protegido. O negócio não
(1995) mostrou, é esta teoria, amplificado pelo poder de pode ser tratado como um ence sci-, e nós teríamos que voltar a
investidores institucionais e os seus apoiantes académicas políticas cair o dom wis- de senso comum que combina informações sobre
e aca-, que influenciaram tanto as mudanças regulatórias e “o que é” com a imaginação de “o que deveria ser” para
decisões judiciais nos Estados Unidos, em última análise, ceder ao desenvolver tanto um entendimento prático de e alguns preceitos
argumento de um nível de gitimacy le- ea certeza de que alguns pragmáticos para “fenômenos de complexidade organizada” que a
gestores ou demics aca- agora ousa pergunta. Ao mesmo tempo, questão da governança taxa Corpo- representa. Isso também é
como Thomas Kochan observou, a causa raiz dos recentes bolsa de estudos, mas produz teoria que não fingir ser leis
escândalos corporativos nos Estados Unidos encontra-se neste científicas, mas serve apenas como temporários “bengalas” -in de
“excesso de ênfase corporações americanas foram obrigadas a dar Fritz Ro- ethlisberger (1977) termos-para auxiliar a tomada de
nos últimos anos para maxi- mizing valor para os acionistas sem sentido à medida que avançamos, para ser usado apenas até uma
levar em conta o efeitos de suas ações sobre outras partes melhor bengala pode ser encontrado. E, se a associação de arship
interessadas”(2002: schol- com o senso comum parece ser uma oxymo- ron, é só por
causa da definição extremamente restritiva do termo Bolsa de
estudos que a pretensão de conhecimento tem straight-revestido
139). nos para. Ao descrever a si mesmo e seu trabalho, Sigmund Freud
O que é mais curioso é que, apesar da falta de ambos validade de face e suporte escreveu: “[Y] OU muitas vezes me estimar demasiado altamente.
empírico, teoria da agência continua a dominar a pesquisa acadêmica sobre governança Eu não sou realmente um homem de ciência, não um MIntroduza
corporativa (Daily, Dalton, e Can- nella, 2003). Ao mesmo tempo, apesar das ções aberra- expe-, e não um pensador. Eu não sou nada, mas por
que ocorreram em empresas que totalmente conformado com as prescrições desta temperamento um conquistador-um aventureiro, se você quiser
teoria-como na Enron que tinha carregado seu conselho com muitos (80%) de alto perfil traduzir o termo, com a curiosidade, a coragem e a tenacidade que
conselheiros independentes que presidiu as comissões mais importantes , separou o pertencem a esse tipo de ser”(In Jones, 1964: 171). abordagem
homem da cadeira e papéis executivo, concedeu opções de ações generosas para seus indutiva e iterativo de Freud para sentir fazendo, muitas vezes
administradores, e operado na economia com o mercado mais avançado para empresas criticado por ser ad hoc e não científico, foi bolsa de bom senso.
de controle de-todos os comentários reguladoras de governança corporativa, como pela Então, na verdade, era de Darwin, que também praticavam um
SEC na Estados Unidos, por Derek Higgs no Reino Unido, e pela Comissão modelo de pesquisa como o trabalho de um detetive, não de um
Narayanamurthy na Índia, estão confiando ainda mais fortemente na rigorosa execuçªo perimenter ex, que foi impulsionado pelas paixões de um
das mesmas prescrições desacreditados! Por que não fundamentalmente repensar a aventureiro, não aqueles de um matemático. navio Scholar- de
questão de governança taxa Corpo-? Por que não fazer que o conhecimento realmente senso comum é a epistemologia da imaginação ciplined dis-,
AC- em nossas teorias que as empresas sobreviver e prosperar quando,

simultaneamente, prestar aten- ção aos interesses de clientes, funcionários, acionistas e,

talvez, até mesmo as comunidades em que operam? Tal ponto de vista é dis- poníveis,

em teoria administração, por exemplo, (Davis, Schoorman, e Donaldson, 1997); Por que

então nós tão esmagadoramente adotar o modelo de agência em nossa pesquisa sobre

governança corporativa, ignorando essa proposição muito mais sensato? Por que não

fundamentalmente repensar a questão de governança taxa Corpo-? Por que não fazer

que o conhecimento realmente AC- em nossas teorias que as empresas sobreviver e

prosperar quando, simultaneamente, prestar aten- ção aos interesses de clientes,

funcionários, acionistas e, talvez, até mesmo as comunidades em que operam? Tal ponto

de vista é dis- poníveis, em teoria administração, por exemplo, (Davis, Schoorman, e

Donaldson, 1997); Por que então nós tão esmagadoramente adotar o modelo de agência Para proteger a pretensão de conhecimento, criamos condições
em nossa pesquisa sobre governança corporativa, ignorando essa proposição muito mais em que este tipo de arship schol- já não pode florescer em nossa
sensato? Por que não fundamentalmente repensar a questão de governança taxa Corpo-? comunidade. Isto é verdade para todas as disciplinas das ciências
Por que não fazer que o conhecimento realmente AC- em nossas teorias que as sociais, mas, curiosamente, talvez seja mais intensamente verdade
empresas sobreviver e prosperar quando, simultaneamente, prestar aten- ção aos nas escolas ness empre- onde, em nosso desejo para o respeito dos
interesses de clientes, funcionários, acionistas e, talvez, até mesmo as comunidades em estudiosos em outros campos, que se tornaram ainda
que operam? Tal ponto de vista é dis- poníveis, em teoria administração, por exemplo, (Davis, Schoorman, e Donaldson, 1997); Por que então nós tão esmagadoramente adotar o modelo de agência em nossa
82 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

mais intolerante da bolsa de bom senso do que aqueles cujo vista simistic da natureza humana, sobre o papel das empresas na
respeito buscamos (Bailey & Ford, 1996). “Pedimos ao leitor a sociedade, e dos processos de adaptação porados cor- e mudança.
considerar se as provas fornecidas por pessoas como Freud, Marx Estas suposições negativos são manifestas na forma forte de
ou Darwin iria atender às dards Standards empíricas das principais minism deter- em ambos ecológico
revistas em busca re- organizacional”, perguntou Robert Sutton e (Por exemplo, Hannan &
Barry Staw (1995: 371-384 ). No mesmo sentido pode-se perguntar: Freeman, 1977) e institucional (por exemplo, DiMaggio e Powell, 1983) a análise das

“Será que os argumentos de Hayek, a McGregor, ou um Barnard organizações; na nial de- da possibilidade de adaptação dirigida proposital e objetivo-em

atender os padrões pelos quais estas revistas eval- teoria uate?” teorias comportamentais da empresa (por exemplo, Cyert & março de 1963); no foco na

Em seu livro Scholarship reconsiderada, Ernest Boyer (1990) apropriação de valor, em vez de criação de valor na maioria das teorias de estratégia (por

descreveu quatro tipos diferentes de bolsa: A bolsa de descoberta exemplo, Porter, 1980); e nas suposições sobre fugir, oportunismo e inércia na análise

(investigação), a bolsa de estudos de integração (síntese), a bolsa económica das empresas (por exemplo, Alchian & Demsetz, 1972; Williamson, 1975). Em

de estudos de prática (aplicação), e a bolsa de estudos do ensino seu artigo “The Search for Paradigmas como um obstáculo para a compreensão,” Albert

(pedagogia). Historicamente, as escolas de negócios têm celebrado Hirschman (1970) traçou a origem deste pessimismo ao que ele chama de um “baseado

e acomodados como iguais os praticantes de todos os quatro tipos em paradigma visão sombria” que, como o título de seu artigo sugere, ele vistas como

de arship schol-. Ao longo dos últimos 30 anos, perdemos esse uma barreira fundamental para o desenvolvimento de compreensão efetiva dos

gosto pelo pluralismo. O que começou como um esforço fenômenos sociais complexos. Com base es- sentially em uma ideologia, essa visão

inteiramente justificada pela introdução da bolsa de descoberta sombria está profundamente enraizado nas teorias como iniciar suposições-que, portanto,

para o estudo do negócio acabou no excesso de eliminar todas as são isentos da necessidade de conformar tanto ao senso comum ou evidências e são

outras formas de bolsa de estudos do mundo das escolas de essas suposições pessimistas empíricos que têm, através do processo de ing auto-fulfill-

negócios. Aqueles com interesses primários em síntese, aplicação que descrevemos, limitou a capacidade dos gestores para jogar um papel mais positivo

ou pedagogia foram eliminados do nosso meio, ou, na melhor das na sociedade. Considere, por exemplo, os pressupostos indepen- ing natureza humana.

hipóteses, Como Herbert Simon observou: “Nada é mais fundamental na definição de nossa agenda

de pesquisa e informar ods nossa pesquisa metanfetamina do que a nossa visão da

natureza dos seres humanos cujos comportamentos que estamos estudando. . . Ele faz a

diferença para pesquisa, mas também faz a diferença para o projeto adequado de. . .

instituições”(1985: esta visão sombria está profundamente enraizado nas teorias como

hipóteses-que de partida, portanto, são isentos da necessidade de conformidade, quer

para o senso comum, ou a evidência empírica e é nestes pressupostos pessimistas que

têm, através do processo ing auto-fulfill- descrevemos, limitou a capacidade dos gestores

para jogar um papel mais positivo na sociedade. Considere, por exemplo, os

O que aconteceria se inverteu esta tendência de modo a pressupostos indepen- ing natureza humana. Como Herbert Simon observou: “Nada é

proporcionar algum espaço para essas pessoas? Eles existem, mais fundamental na definição de nossa agenda de pesquisa e informar ods nossa

muitas vezes fora do mainstream- acadêmica e é em seu trabalho pesquisa metanfetamina do que a nossa visão da natureza dos seres humanos cujos

que se baseiam principalmente para atender nossas exigências de comportamentos que estamos estudando. . . Ele faz a diferença para pesquisa, mas

ensino. O que se in- cluídos-los novamente no mainstream, como também faz a diferença para o projeto adequado de. . . instituições”(1985: esta visão

iguais para membros julgá-los não em seus dentials cria- sombria está profundamente enraizado nas teorias como hipóteses-que de partida,

científicos, mas em seu conhecimento prático? E se no portanto, são isentos da necessidade de conformidade, quer para o senso comum, ou a

reconhecimento do “auxílio à pesquisa para generalistas e evidência empírica e é nestes pressupostos pessimistas que têm, através do processo ing auto-fulfill- descreve

generalism” (Pfeffer & Fong, 2002: 88), que concedeu a posse 293).
generalistas, permitiu-lhes para preparar os outros como eles, e mainstream economics tem, no essencial, sempre trabalhou na
para interagir com os cientistas na mesa alta ? Ele iria comprometer suposição de Homo Economicus modelo -a de pessoas como ers
a pretensão de conhecimento, mas não criaria um ambiente mais maximi- auto-interesse racional. Embora recentemente,
rico para a criação de conhecimento? Será que não nos ajudar a principalmente no campo da economia comportamental, atenção tem
eliminar uns dos outros dities absur- na teoria e, assim, sido dada a desvios sistemáticos de racionalidade no
comportamento humano, tais atenção tem sido em grande parte
limitado a “loucura” e não a qualquer aspecto do outro- preferências
que o auto-interesse dos indivíduos (por exemplo, KAHNEMAN,
Slovic, & TVERSKY, 1982). Mesmo praticantes de sociologia e
psicologia, os pontos de partida dos quais como campos acadêmicos
foram definidos pelo reconhecimento de que o comportamento
-IDEOLOGY baseado em visão SOMBRIO
humano pode ser moldado por outros que scious con-,
teorias atualmente influentes de negócios e span gestão de auto-interesse racional fatores, têm adotado cada vez mais a noção
diversas disciplinas acadêmicas, incluindo psicologia, sociologia, e, de comportamento como sendo ing auto-SEEK- como seu
é preeminente course- de todo-economia. Coletivamente, como- pressuposto fundamental. Amizade
nunca, eles têm cada vez mais convergentes em uma pes-
2005 Ghoshal 83

laços de pessoas estão agora analisado pelos sociólogos como “Preferências de auto-respeito respeito às individualização consumo
meios para que os indivíduos usam redes sociais para aumentar a próprio e outros resultados da al, outros- sobre preferências dizem
sua influência pessoal, poder ou pagamento (por exemplo, Burt, respeito ao consumo e os resultados dos outros, e as
1997). E os psicólogos sociais aumen- vez mais recorrem à mesma preferências-relação de processos dizem respeito à maneira pela
suposição sobre a natureza humana quando se estuda como as qual o individual indi- em questão e os outros se comportam,
pessoas interagem com os outros (por exemplo, Homans, 1961; incluindo o maneiras pelas quais eles atingem resultados de
Thibaut e Kelley, 1959). O senso comum tem, é claro, sempre interesse”(p. 7). Além disso, essas preferências não ficar em uma
reconhe- nizadas que o comportamento humano pode ser hierarquia, mas representam
influenciado por outros motivos. Cada vez mais, a evidência humano independente
empírica fornece apoio esmagador para que o senso comum precisa. Como Amartya Sen observa, “em reconhecer a
sugere. Não é só em comportamentos tais como mães cuidando de possibilidade de explicação prudencial das appar- conduta cantes
seus filhos, as pessoas leav- ing uma ponta após uma refeição em moral, não devemos cair na armadilha de presumir que a suposição
restaurantes são pouco provável para visitar novamente, de interesse próprio puro é, em qualquer sentido, mais elementar
de assumir outros valores. preocupações morais ou sociais pode
ser tão básico ou elementar”(1998: xii). James Q. Wilson (1993) vai
ainda mais longe: “Em ance bal-, acho que outros em consideração
características da natureza humana superam os auto-respeito.” Se
tanto o senso comum e evidências empíricas sugerem o contrário,
por que o modelo pessimista de pessoas como seres puramente
auto-interessado ainda teorias relacionadas ao gerenciamento de
modo dominam? A resposta não está em evidência, mas na
ideologia. Teorias de fenômenos sociais são, e tem que ser,
Considere, por exemplo, o “jogo do ultimato”, no qual um jogador, ideologicamente motivado. Apesar da pretensão de ser
designado como o proponente, é dada a oportunidade de propor valores-livre, nenhuma teoria social pode ser valores-livres. E,
uma divisão de uma certa soma um presente-entre ela e um outro embora nenhuma disciplina de ciências sociais faz uma afirmação
jogador, designado como o respondedor. Se o Sponder re- aceita a mais forte para a objetividade do que a economia, nenhum domínio
proposta, a soma é dividida conforme proposto. Se ele rejeita a das ciências sociais é mais valores-laden em ambos os seus
proposta, nenhum jogador recebe nada. Em qualquer variante do pressupostos e sua linguagem de economia e todos os seus
modelo baseado na auto-interesse do comportamento humano, o derivados, incluindo grande parte do financiamento e gestão
proponente deve oferecer apenas uma quantia simbólica para a moderna teorias (Frank-furter & McGoun, 1999). Como Robert
resposta, mantendo a maior parte da quantidade de auto ela-, e o Nelson (2001) observou, “[a] s antecessores mais próximos para o
respondedor deveria aceitar a posal pro-, uma vez que mesmo uma aluguel membros Cur- da profissão de economia não são cientistas
soma simbólica é mais do que ing comunicação nada, que é a única como Albert Einstein ou Issac Newton; Em vez disso, os
alternativa disponível para ele. Para o desespero de todos os economistas são mais verdadeiramente os herdeiros de Thomas
adeptos fervorosos da Homo Economicus modelo, incluindo aqueles Acquinas e Martin Luther.”Mas o que é a conexão entre a ideologia
que propuseram algumas versões relativamente mais sofisticados e pessimismo? Porque é que a ideologia pessimista? Mais uma
do modelo (por exemplo, Jensen e Meckling, vez, Milton Friedman (2002) forneceu a resposta mais honesta e
direta. Ele classificou a ideologia como “liberalismo,

1994), este resultado quase nunca se materializa em experimentos


(Camerer & Thaler, 1995). ofertas simbólicas raramente são feitas, e
ainda mais raramente aceitos. Muitas vezes os proponentes oferecem
uma divisão 60:40, aproveitando-se de sua posição como primeiro
motor, mas não explorar essa vantagem totalmente por causa de suas
preocupações para o respondedor. Mais frequentemente, como-
nunca, eles propõem uma divisão 50:50, a partir de uma noção de
justiça, o que sugere que inesperadas, ou seja, os ganhos não
mereceu através de contribuições, mas por acaso, deve ser distribuído
igualmente entre os envolvidos no evento.

Em outras palavras, as pessoas têm preferências que, na


linguagem da Avner Ben-Ner e homem Louis Putter- (1998), podem No coração desta ideologia reside duas convicções. Em primeiro
ser classificados como auto-respeito, outros- sobre e-sobre o lugar, nas palavras de Friedman, “um grande objetivo do liberal é
processo. Como eles escreveram, deixar o problema ético para o indi-
84 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

individual a lutar com.”Em outras palavras, ele pode e, de fato, deve ence em pesquisa de gestão tem sido largamente mediada pela Universidade de Chicago.

ser excluída da teoria social. A maneira de fazer isso é basear todas as É em e através desta instituição que a economia “liberalismo”, como homem Fried-

teorias sobre a suposição do comportamento humano homogêneo chamou, penetrou, lei, a Sociologia, psicologia social e da maioria dos outros ciplines dis-

baseado no interesse próprio. E, em segundo, “as concebe liberais de núcleo, produzindo teorias, como a teoria da agência, economia dos custos de transação,

homens como seres imperfeitos. . . e considera que o problema da teoria dos jogos, análise de redes sociais, teorias de dilemas sociais, e assim por diante,

organização social para ser tanto um problema tiva nega- de prevenir que agora rotineiramente desenhar em ambos, o individualismo radical eo liberalismo de

más pessoas de causar danos como de permitir que as pessoas boas Friedman, para enquadrar a nossa investigação e para orientar nosso ensino. Em sua

para fazer o bem. . .”(P. análise do desenvolvimento da teoria ment gestões em termos do que eles descreveram

como o “antinomia fato-valor”, Eastman e Bailey (1998) identificaram o surgimento de

12). E, dado que grande parte das ciências sociais até então focada abordagens de valor-partidária, em teoria, no final do século 20 . Enquanto eles identificou

na segunda parte do pro- blema, a agenda de cientistas sociais que corretamente a polarização da teoria em torno de diferentes conjuntos de valores, que

nela, ou seja, nos últimos 40 anos tem-se centrado na primeira talvez un derestimated a medida em que a “agenda Chicago” tem gradualmente penetrou

parte, isto é, o “negativo problema.”Daí a mismo pessi-, a visão em todas as diferentes disciplinas-uma observação que também foi feita por Donaldson

sombria baseada em ideologia. Jeffrey Pfeffer (1993), entre outros, (1990). Nietzche distinguiu entre estudiosos e trabalhadores acadêmicos; aumen- vez

criticou estudiosos de gestão para proliferar teorias lugar in- de mais a maioria de nós servir o último papel, levando a visão sombria baseada em

buscar um consenso sobre uma digm para- particular. Ele está ideologia de campo para campo, e da área aplicada à área aplicada. Combine visão

certo sobre a proliferação de diversas teorias, mas errado em sombria baseada em ideologia com o processo de profecia auto-realizável e é fácil ver

assumir que um paradigma dominante não está emergindo. como as teorias podem induzir alguns dos comportamentos mento gesta~o e seus

Enquanto dentro de campos individuais, tais como a teoria da problemas associados que temos assistido. Considere, por exemplo, o caso da economia

organização ou gestão estratégica, os autores podem fazer e dos custos de transação a que me referi no eles talvez un derestimated a medida em que

publicar pesquisas baseadas em diferentes hipóteses e as a “agenda Chicago” tem gradualmente penetrou em todas as diferentes disciplinas-uma

tradições, A versão de Friedman do liberalismo foi, de fato colonizar observação que também foi feita por Donaldson (1990). Nietzche distinguiu entre

todas as disciplinas relacionadas com a gestão ao longo do último estudiosos e trabalhadores acadêmicos; aumen- vez mais a maioria de nós servir o último

meio século (ver Fig. 3). As raízes da mentira ideologia na filosofia papel, levando a visão sombria baseada em ideologia de campo para campo, e da área

do individualismo radical articulada, entre outros, por Hume, aplicada à área aplicada. Combine visão sombria baseada em ideologia com o processo

Bentham, e Locke (Berlim, 2002). Enquanto a filosofia tem de profecia auto-realizável e é fácil ver como as teorias podem induzir alguns dos

influenciado o trabalho de muitos estudiosos em muitas instituições comportamentos mento gesta~o e seus problemas associados que temos assistido.

diferentes, a sua influ- Considere, por exemplo, o caso da economia dos custos de transação a que me referi no

eles talvez un derestimated a medida em que a “agenda Chicago” tem gradualmente

penetrou em todas as diferentes disciplinas-uma observação que também foi feita por

Donaldson (1990). Nietzche distinguiu entre estudiosos e trabalhadores acadêmicos;

aumen- vez mais a maioria de nós servir o último papel, levando a visão sombria baseada em ideologia de cam

FIGURA 3
A propagação Creeping de uma ideologia em teorias relacionadas com a gestão
2005 Ghoshal 85

o início deste artigo. Oliver Williamson (1975), o campeão mais Surveillants vir a desconfiar de seus alvos, como resultado
ardente desta teoria, começou a partir da posição Friedman: de sua própria vigilância e alvos de fato tornar-se
Algumas pessoas são oportunistas, não apenas auto-interessado, desmotivado e não confiável. O alvo está agora a tua
mas pior. Eles fazem promessas sabendo muito bem que, se os comprovadamente untrustwor- e requer vigilância mais
benefícios de quebrá-los exceder os custos, eles iriam fazê-lo em intensiva, e as idades do aumento da vigilância ainda DANO
um instante. Eles mentir e enganar. Enquanto a maioria das o alvo. Confiança e credibilidade tanto se deteriorar.
pessoas pode não ser assim, alguns são, e não é possível separar,
ex-ante, aqueles que são daqueles que não são. O “problema
negativa” esta teoria, em seguida, concentra-se em é
howorganizations precisam de ser geridas de modo a evitar que Combine teoria da agência com os custos de transação
essas pessoas “más” de fazer mal aos outros. economia, adicionar em versões padrão da teoria dos jogos e
análise de negociação, ea imagem do gestor que emerge é aquele
que é agora muito familiar na prática: o impiedosamente
O que se segue a partir da teoria é bastante simples. A tarefa do hard-condução, estritamente top-down, comando-e-controle
gerente é a utilização de autoridade hierárquica para impedir que os concentrado, acionista-valor obcecado, win-at-qualquer-custo
oportunistas de beneficiar à custa de outros. Para garantir uma empre- ness líder do que de Scott Paper “Chainsaw” Al Dunlap e da
coordenação eficaz, os gestores devem saber o que todos Tyco Dennis Kozlowski são apenas os exemplos mais extremos.
deveriam estar fazendo, dar-lhes instruções estritas para fazer Isto é o que Isaiah Berlin implícito quando ele escreveu sobre
absurdos na teoria levando a desumanização da prática. “Como
essas coisas, e usar sua habilidade de monitorar e controlar e
não há um grau de depravação na humanidade que requer um
recompensar e punir para garantir que todo mundo faz o que ele ou
certo grau de cautela e desconfiança, por isso existem outras
ela é dito para fazer . Este é o exercício do “fiat”.
qualidades da natureza humana que justificam uma certa porção de
estima e confiança”, escreveu James Madison na Papers eralist
Fed- ( No. 55). O que aconteceria se nós reconhecemos essa
Qual é o resultado de uma tal abordagem de gestão? É provável
complexidade da natureza humana em nossas teorias, esta
que seja e não há evidência significativa de que ele de fato é,
combinação de bem e mal, em vez de se concentrar apenas em
exatamente o oposto do que a teoria de Williamson prevê: Em vez
“problema negativa” de Friedman? O que aconteceria se nós reco-
de controlar e reduzir o comportamento oportunista de pessoas, é
gumes a existência de outros e-sobre o processo de preferências,
provável que realmente criar e reforçar tais comportamentos
juntamente com os auto-respeito, em nossas suposições sobre a
(Ghoshal e Moran, 1996). Para os gestores, a consequência líquida
natureza humana? Seria muito mudar a nossa teoria. A boa notícia
de adotar o conselho de Williamson é o que Strickland (1958)
é que o esforço parece já ter começado. No campo da logia
descreveu como “o dilema do supervisor”: A situação em que o uso
psychol-, Martin Seligman-in sua qualidade de ident pres- da
de vigilância, monitoramento e autoridade leva a desconfiança dos
American Psychological Association, em 1998, patrocinado uma
funcionários da administração e percepção de um aumento
nova iniciativa que ele se referiu como psicologia positiva. Seligman
necessidade de mais vigilância e controle. Porque todo o
argumentou que desde a Segunda Guerra Mundial, a pesquisa em
comportamento é visto pelos gestores como motivados pelos
psicologia tinha sido fundamentada no que ele descreveu como
controles no lugar, eles desenvolvem uma visão preconceituosa
“um modelo de doença da natureza humana.” Os seres humanos
dos seus povos. eram vistos como “falho e frágil, vítimas de ambientes cruel ou má
genética, e se não em negação, em seguida, na melhor das
hipóteses na recuperação.”de fato, para os psicólogos, qualquer-
coisa positiva sobre as pessoas-esperança, otimismo, al- truísmo,
Para os empregados, o uso de controles de sinais hierárquicos coragem, alegria e realização, tornou-se suspeito. Enquanto este
que eles não são nem confiável nem confiável para se comportar foco nas patologias tinha pro- duzido progressos importantes na
de forma adequada sem tais controles. Vigilância que é percebido compreensão, ing trata- e prevenir discórdias psicológicos, homem
como controladora ameaça sentido pessoal dos povos de Selig- argumentou que o progresso tinha chegado em alguns
autonomia e diminui sua motivação intrínseca. É danos sua custos significativos. É negligenciado forças humanas e ignorou o
auto-percepção. Uma das prováveis ​consequências de atitudes que poderia dar certo com as pessoas (Peterson & Seligman,
erosão é uma mudança de cooperação consumada e voluntária ao 2003).
cumprimento superficial.

O resultado destas sentimentos negativos de ambos os gestores


e colaboradores é uma relação patológica em espiral, que foi
descrito por psicólogos Michael Enzle e Samuel Anderson (1993)
como se segue:
86 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

psicologia positiva, como emoldurado por Seligman e seus coisa, o domínio é cada vez mais forte como a influência intelectual da
associados, propõe que é hora de corrigir esse desequilíbrio e para “agenda Chicago” está se espalhando para todas as principais áreas
desafiar as suposições difundidas do modelo de doença. de pesquisa escola de negócios. A perspectiva positiva não vai
“Chamadas OGY psychol- positivos para tanto foco na força como progredir menos que muitos estudiosos, incluindo estudiosos mais
na debilidade, tanto interesse em construir as melhores coisas da jovens, redirecionar seu trabalho, em risco considerável para suas
vida como em reparar o pior, e tanta atenção ao cumprimento das carreiras. Para eles, para assumir tais riscos, muito tem de ser feito
vidas de pessoas saudáveis ​como para curar as feridas dos aflitos por muitos, de modo a inverter a tendência global dos últimos 50
“. no campo da economia, também, tal esforço parece estar em anos.
andamento como evidenciado, por exem- plo, pela Conferência
sobre Economia, Valores e Organização, que teve lugar na
Universidade de Yale, em abril de 1996. o volume recolhido de pers
Invertendo a tendência
conferência pa-, juntamente com um preâmbulo de Amartya Sen e
um epílogo por Douglass North, explora “o caminho a interação de Kurt Lewin argumentou que “nada é tão prático como uma boa
dois entre arranjos econômicos ou instituições e preferências, teoria” (1945: 129). O anverso também é verdadeiro: Nada é tão
incluindo os que o manuseio status social, o bem-estar dos outros, perigoso quanto uma teoria ruim. Eu tenho até agora desenvolvido
e os princípios éticos” (Ben-Ner & Putterman, 1998). Como os a proposição de que as teorias de gestão ruins são, neste
editores de volume argumentam, o tempo chegou “quando as momento, destruindo boas práticas de gestão. Eu já traçaram a
questões de valores e instituições pode começar a ser atacado origem da “maldade” a duas tendências que têm poderosamente
usando disponível e emerg- ing ferramentas analíticas, sem perda influenciado a natureza da pesquisa re- baseado em escola de
de rigor, mas com muito ganho de relevância e generalidade.” Não negócios ao longo de várias décadas. Por um lado, o que Clegg e
só em os campos da psicologia e ics econom- é o predomínio do Ross-Smith (2003) descreveram como “a arrogância da inveja da
“problema negativa” sendo desafiados. Em dezembro de 2001, sob física” levou-nos a in- vez mais adotar uma versão limitada do
o campeonato de Kim Cameron, Jane Dutton, e Robert Quinn, uma positivismo, juntamente com métodos científicos relativamente
conferência foi realizada na Universi- dade de Michigan Business pouco sofisticadas para desenvolver causal e teorias testáveis. Por
School, intitulado “Pós- Scholarship Organizacional tivo. outro lado, o domínio crescente de uma ideologia particular tem-se
centrado nos em resolver o problema “negativa” de conter os custos
de homem imperfeições HU.

Devo enfatizar, porém, que por esta análise não me em tudo a


2003), intenção de implicar tanto que devemos abandonar o esforço para
desenvolver a teoria sistemática em matéria de gestão ou que não
Scholarship organizacional positivo (POS) está preocupado devemos estudar alguns dos aspectos mais desagradáveis ​do
principalmente com o estudo dos resultados positivos individual indi- e comportamento organizacional. Minha distinção
especial- mente, processos e tributos AT- de organizações e entre bons e maus teoria não deve ser tomado para significar que
seus membros. O POS não representam uma única teoria, as implicações normativas de uma teoria ficar no isolamento de
mas centra-se na dinâmica que normalmente são a descrita seus méritos positivos. A teoria deve iluminar e explicar e, se ele
por palavras como excelência, próspera, florescente, não pode fazer essas coisas, não é uma teoria, nem bom nem mau.
abundância, resiliência, ou ousness virtu- ”(Ênfase no Desejos e esperanças não são teoria. Sermões e pregações não
original). são teoria também. Mas o problema com as ciências sociais é que
a lógica de falsificação, que é tão essencial para a epistemologia do
positivismo, é muito difícil de aplicar com qualquer grau de rigor e
Com contribuições de 38 académicos bem conhecidos a partir de crueldade no domínio das teorias sociais. Normalmente, não Theo-
diversas disciplinas e uma vasta gama de insti- tuições, esta ry-que são todos, por definição, parcial-explica um “fenômeno da
conferência e o volume editado representam claramente amajor passo complexidade organizada” totalmente, e muitos As teorias
em frente no invertendo a tendência por reconstrução de um equilíbrio diferentes e mutuamente inconsistentes explicar o mesmo
entre os pressupostos AtivE positivos e negligenciar- na análise de fenômeno, muitas vezes em graus muito semelhantes. Como
Business-, ganization- or-, e questões relacionadas com a gestão. Mas resultado, nada pode ser eliminados
estes são, até agora, os esforços nascentes de alguns. O mainstream
da teoria de gestão ainda é dominado pela visão de fato sombrio, se
qualquer-
2005 Ghoshal 87

fora nem, muito diferentes enquadramentos dado, qualquer coisa pode ser fazer progressos investigando independentemente ambos os
combinada com qualquer outra coisa, a não ser de uma forma muito sintética personagens de luz, assim também devemos fazer progressos em
e forma ad hoc. ambos os negativos e os problemas positivos descritos por
A escolha entre teorias, então, cai muito sobre as preferências Friedman. Meu argumento é que a pretensão de conhecimento
pessoais de um estudioso em vez de em cada disciplina da levou-nos a in- vez mais focar somente o problema negativo como
estimativa empírica ou o rigor da lógica formal, dedutivo. resultado do que temos feito pouco progresso analítico nos últimos
Combinado com a possibilidade de profecia auto-realizável, é essa 30 anos sobre o problema positivo, a um custo considerável para os
ambigüidade que, nas ciências sociais, dá vida à distinção entre nossos alunos , para presas com-, e para a sociedade. Sugiro
bons e maus teorias. Excessivas de verdade alegações baseadas também que a ad- vestir o problema positivo, é preciso moderar a
em suposições extremas e análise parcial do complexo fenômenos pretensão de conhecimento e reengage com as bolsas de
pode ser ruim mesmo quando eles não são gether Alto- errado. Em integração, aplicação e agogy ped- para construir teorias de gestão
essência, os cientistas sociais têm uma responsabilidade social e que são mais amplo e mais rico do que o cial reducionista e par-
moral ainda maior do que aqueles que trabalham nas ciências teorias temos vindo a desenvolver ao longo dos últimos 30 anos.
físicas porque, se eles se escondem ideologia no pretexto de
ciência, eles podem causar muito mais dano.

Em última análise, se a tendência na teoria de gestão está a ser


revertido, apenas acadêmicos da escola de negócios pode fazê-lo.
Isso não vai ser fácil. A natureza do processo acadêmico
Em essência, os cientistas sociais têm uma naturalmente favorece a construção no edifício existente da teoria,
responsabilidade social e moral ainda maior do que em vez de começar de novo, num solo. As teorias atualmente
aqueles que trabalham nas ciências físicas porque, se dominantes têm muito compromisso neles investida que a tentação
eles se escondem ideologia no pretexto de ciência, eles da maioria dos estudiosos seria de se adaptar de forma incremental
estas teorias, se e como Essary ne-, ao invés de começar de novo
podem causar muito mais dano.
na agenda mais positiva.

Meu argumento aqui é que este é precisamente o que os acadêmicos As barreiras para um novo começo são quase demasiado alto (Pfeffer & Fong, 2002).

escola de negócios têm feito ao longo dos últimos 30 anos. Todo o caminho da estrutura das treinamento PhD aos requisitos para institui pub- nos

principais jornais, a partir dos critérios de recrutamento do corpo docente para os

Da mesma forma, a crítica de pressupostos negativos não de processos de concessão de mandato, as estruturas institucionais dentro e em torno de

qualquer maneira se relacionam com o que os teóricos optar por estudar escolas de negócios são rigidamente construído em torno do dom- modelo inant. No

ou as conclusões a que chegam; Não estou sugerindo que os entanto, se quisermos ter uma influência na construção de um mundo melhor para o

acadêmicos da escola de negócios deve restringir-se de qualquer forma futuro, adaptando as teorias pessimistas, deterministas não vai nos levar até lá. Se

a partir do espírito de livre investigação. Minha preocupação refere-se realmente deseja reinstituir preocupações éticas ou morais na prática da gestão, temos

apenas ao Tice Prac de considerar as premissas como ções, muitas que primeiro reinstituir-los à nossa teoria mainstream. Se quisermos que nossos alunos

vezes suposições básicas nem mesmo explicitamente declarado-em vez contribuem para construir o que Warren Bennis (2000) descreveu como “organizações

de tratá-los como proposições testáveis. Tratando-os como premissas, deliciosos, ”Vamos ter que ensinar-lhes as teorias que descrevem como eles podem

os teóricos isentar seus próprios preconceitos ideológicos da fazê-lo. Apesar de todas as pressões individuais e institucionais que nos levam a Mity

necessidade de qualquer justificação theoret- iCal ou validação confor- paradigmático, como pesquisadores e professores que temos de definir e adotar

empírica, e ainda os mesmos pressupostos, através do processo de um caminho diferente. Thomas Kuhn (1962) estava certo em argumentar que a mera

auto-realização da dupla hermenêutica, influenciar os comportamentos refutação ou desafio sem desaloja um paradigma dominante; apenas uma alternativa

sociais e morais das pessoas . melhor faz. Não seria, portanto, ser for caso totalmente inapropriados para descartar

minhas preocupações como um discurso irrelevante porque eu apresento nenhuma

dessas alternativas (embora, juntamente com colegas, tentei apresentar Thomas Kuhn

O objetivo final deve ser para ir a partir do pré-tenso à substância (1962) estava certo em argumentar que a mera refutação ou desafio sem desaloja um

do conhecimento. Os físicos continuam a procurar uma grande paradigma dominante; apenas uma alternativa melhor faz. Não seria, portanto, ser for

teoria unificadora que iria combinar a partícula ea natureza caso totalmente inapropriados para descartar minhas preocupações como um discurso

ondulatória da luz. Nós também deve procurar o mesmo no que diz irrelevante porque eu apresento nenhuma dessas alternativas (embora, juntamente com

respeito aos diferentes e contraditórias facetas da natureza humana colegas, tentei apresentar Thomas Kuhn (1962) estava certo em argumentar que a mera

e comportamento organizacional. Mas, assim como uma grande refutação ou desafio sem desaloja um paradigma dominante; apenas uma alternativa

unificação tais iludiu ics phys- até agora, por isso é provável que melhor faz. Não seria, portanto, ser for caso totalmente inapropriados para descartar

iludir-nos por um longo tempo. Entretanto, assim como a física minhas preocupações como um discurso irrelevante porque eu apresento nenhuma

continuou a dessas alternativas (embora, juntamente com colegas, tentei apresentar


88 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

algumas propostas modestas em outros lugares ver, por exemplo, pated em uma reunião do comitê de posse. O desafio para os
Nahapiet & Ghoshal, 1998; Moran & Ghoshal, 1999; e Ghoshal, decanos é restabelecer esse gosto, não só em termos de teoria e
Bartlett, & Moran, 1999). Sugiro, porém, que uma teoria como metodologia, mas também em termos do que questões de pesquisa
alternativa só pode emergir dos esforços coletivos de muitos, e que são feitas e onde as respostas são publicadas. Como uma escola de
o primeiro passo para estimular esse esforço coletivo encontra-se negócios acadêmico, eu sempre acreditei firmemente que o papel
na reformulação da estrutura e contexto em que o trabalho dos governadores de uma escola deve ser estritamente limitado a
faculdade escola de negócios. O paradigma atual está angariação de fundos e atividades cerimoniais. Em particular, eu
profundamente enraizado no contexto que nos rodeia; para uma nunca poderia conceber defendendo um papel do conselho ing
mudança significativa nas nossas prioridades, algumas governos que tocaria nem remotamente sobre a santidade da
significativas de apoio, recursos e garantias são necessárias para liberdade acadêmica. Mas eu não me sinto tão segura mais. Acredito
mudar esse contexto (Pfeffer & Fong, 2002; Friga, Bettis, & que, como acadêmicos, que pode ter sido culpado de explorar
Sullivan, 2003). Em parte, esse apoio deve vir da liderança das excessivamente o nosso dom livre-.
escolas de negócios. Se decanos realmente pretende infundir uma
preocupação para a ética e para a gestão responsável na pesquisa
e ensino que são realizadas em suas instituições, eles têm que
reconhecer que o simbolismo de adicionar um curso sobre ética
não vai atingir seus objetivos. Enquanto todos os outros cursos
Acredito que, como acadêmicos, que pode ter sido
continuarem como estão, um único, stand-alone curso sobre
responsabilidade social corporativa não vai mudar a situação de culpado de superexploração nossa liberdade.
qualquer maneira. Deans tem que ter liderança, talvez mesmo à
custa de algum desagrado de alguns dos professores seniores que
estão mais embutido no momento dominante perspectiva na
No desejo de criar e proteger a pretensão de conhecimento em nossa
adaptação dos processos de recrutamento e promoção em suas
empresa para fazer negócios tensos estudos ies uma ciência-que pode
escolas. Na medida em que eles têm alguma discrição sobre
ter ido longe demais em ignor- ing as consequências não só para os
pesquisa e outros recursos, eles têm que alocar uma parte desses
nossos alunos, mas também para a sociedade. Dado o poder quase
recursos para a construção da agenda positiva,
absoluto que particularmente aqueles de nós na faculdade tenured têm
sobre todos os assuntos académicos, uma poderosa força tervailing
Con- seria necessário para qualquer redirecionamento icant signifi- em
nossa pesquisa e ensino. haps per- os conselhos de administração das
diferentes escolas representam a única fonte possível de uma força tal
compensação. Para a maioria das escolas de negócios,

o governo
board-por qualquer nome, representa talvez o pior caricatura de
órgãos sociais ineficazes. A maioria dos membros são irregulares em
sua dança aten-; aqueles que freqüentam tendem a ver as reuniões
A tarefa não é um dos deslegitimar abordagens de investigação do conselho como ocasiões essencialmente sociais. As realidades
existentes, mas uma das relegitimizing pluralismo (Clegg & Tual ac- da escola raramente são revelados nas reuniões do
Ross-Smith, 2003). A ideologia que Milton Friedman descrito como conselho. A agenda normalmente se concentra na angariação de
“liberalismo” é mais uma manifestação da busca humana duradoura fundos, relações externas, ou em declarações de visão vazias e afins.
para a utopia. O problema com qualquer versão do utopia é que o Talvez governadores escolas de negócios precisam se envolver mais
conceito em si não consegue reconhecer os dilemas que se no sentido de garantir que o ric rheto- externa das instituições são, na
colocam por causa dos conflitos entre diferentes valores desejados verdade, reflete em suas decisões internas e escolhas. Isso não
e preferências, e entre os diferentes resultados desejados. A única significa que os governadores devem definir a pesquisa ou teach-
alternativa para qualquer forma de absolutismo ideológica reside na agenda ing para a faculdade ou departamentos individuais nem que
pluralidade intelectual, que é susceptível de conduzir tanto para eles devem ter uma influência directa sobre os processos de
melhor pesquisa (Weick, 1989) e a utilidade alargada (Lawrence, recrutamento ou promoção acadêmicos. Não estou sugerindo que
1992). Como afirmei no início deste artigo, as ciências sociais, em eles desempenham o papel de policiamento que as reservas teoria da
geral, e escolas de negócios, em particular, agência para os membros dos órgãos sociais. O papel que vejo
governadores da escola de negócios jogo é mais um dos
envolvidos-mordomia, SUP-
2005 Ghoshal 89

portabilidade, e um desafio, em vez de individual e controlo. Como REFERÊNCIAS


representantes seniores da externa (e, às vezes, internos) Alchian, AA, e Demsetz, H. 1972. Produção, custos de informação
comunidades escolas de negócios servem, eles podem e organização econômica. American Economic Review,
vigorosamente trazer diferentes perspectivas e informação externa 62 (5): 777-795. Andrews, KR 1980. O conceito de estratégia corporativa. Casa-

no mundo altamente insular do corpo docente da escola de


negócios. Dada a influência extremamente limitado de alunos, terra, IL: Irwin.

funcionários e outros grupos ligados diretamente com escolas de Bailey, J., & Ford, C. 1996. Administração como ciência versus man-

negócios, é apenas os governadores que podem ter a legitimidade agement como prática no ensino de negócios pós-graduação.
Estratégia de Negócios Review, 7 (4): 7-12. Bartunek, J. 2002. Os escândalos
e poder para desafiar o dogma dominante com informações
corporativos: Como deve Academy of
disconfirming e perspectiva, e, assim, fortalecer as mãos do
membros da administração responder? Academy of Management Executive, 16:
decanos.
138.

Becker, G. 1993. A maneira econômica de olhar para o comportamento,


(Nobel Lecture). Journal of Political Economy, 101 (3) de junho: 385-409.
As empresas e os gestores em geral também pode entrar em
cena. Afinal, o empreendimento de fazer estudos de negócios uma Ben-Ner, A., & Putterman, L. (Eds.). 1998. Economia, valores e
ciência tem feito o progresso que tem apenas por causa da organização: 7. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press. Bennis,
quantidade significativa de recursos escolas de negócios têm W. 2000. Gerenciando o sonho: Reflexões sobre liderança
recebido através de brindes corporativos e individuais. Sem a folga
criado por doações generosas, acadêmicos da escola de negócios e mudar. New York: Perseus. Berlim, I. 2002. Liberdade: 26. ( Henry Hardy,

não teria sido capaz de separar suas pesquisas a partir das Ed.). Oxford, Inglaterra:
Imprensa da Universidade de Oxford. Blair, M. 1995. Posse e controlo. Washington,
necessidades práticas dos seus alunos ou as necessidades
positivas da sociedade tão completamente como muitos têm feito. DC: O
Brookings Institution. Boyer, SR 1990. Scholarship reconsiderada:
Se os gerentes se preocupam com a condução das suas empresas
e sobre a legitimidade de seus próprios papéis na sociedade, o que Prioridades do pro-
fessoriate. Princeton, NJ: A Fundação Carnegie para o avanço de ensinar.
é claramente uma questão importante na maioria dos países ao
Buchholtz, T. 1999. Novas idéias de economistas mortos. Nova york:
redor do mundo, talvez eles precisam para se tornar um pouco mais
exigente sobre a sua doação. Tanto como indivíduos e
Pluma.
colectivamente,
Burt, R. 1997. O valor contingente do capital social. adminis-
trativo Science Quarterly, 42: 340. Camerer, C., & Thaler, RH 1995.

Ultimatums, e ditadores
maneiras. Journal of Economic Perspectives, 9 (2): 209-219. Cameron, KS,

Dutton, JE, e Quinn, RE (Eds.). 2003. Positivo


bolsa organizacional. San Francisco: Berrett-Koehler. Campbell, DT 1988.
Instituições como a Academy of Management também terá de Podemos ser científica na Sociais Aplicadas
desempenhar um papel fundamental. Enquanto os líderes da Ciência? Em DT Campbell, Metodologia e Epistemologia de ciências
Academia têm devidamente expressaram suas preocupações sobre sociais: Selected papers: 315-333. [Originalmente publicado em Avaliação
os escândalos corporativos, eles podem fazer muito mais para criar Estudos Revisão Anual ( 1984):. 26-48] Chicago, IL: University of Chicago

uma nova agenda intelectual que iria apoiar (1992) a visão de Press. Clegg, SR, & Ross-Smith, A. 2003. A revisão dos limites:

James Coleman das ciências sociais que concedem ajuda real no


gestão da educação e aprendizagem em um mundo pós-positivista. Academia de
que ele descreveu como “o reconstrução racional da Gestão de Aprendizagem e Educação, 2 (1): 85-98.
sociedade.”Martin Seligman, através de suas ações no American
Psychological Association, já mostrou que algumas dessas ações Coleman, JS 1992. A reconstrução racional da sociedade. Amer-
pode ser. A Academia pode criar um comitê de direção de pessoas ican Sociological Review, 58: Cyert, RM, e março, JG 1963. A teoria
seniores para liderar o esforço e fornecer “cobertura aérea” para a comportamental da firma.
faculdade júnior que optar por participar. Líderes da Academia pode Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall. Diariamente, CM, Dalton, DR, & Cannella,

garantir que todas as revistas da Academia dedicar edições AA, Jr. 2003. Corporativo
especiais para legitimar a nova agenda intelectual . De fato, governança: Décadas de diálogo e de dados. Academy of Management
Review, 28 (3): 371-382. Dalton, DR, Daily, CM, Ellstrand, AE, & Johnson, JL
1998.
comentários Meta-analíticas da composição do conselho, estrutura de liderança
e desempenho financeiro. Strategic Management Journal, 19: 269-290.

Davis, JH, Schoorman, FD, & Donaldson, L. 1997. Rumo a uma


teoria eficácia da gestão. Academy of Management Review, 22: 20-47.
90 Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação marcha

Dimaggio, PJ, & Powell, WW 1983. A gaiola de ferro revisited: Jensen, ME, e Meckling, WH 1994. A natureza do homem. Diário
isomorfismo institucional e racionalidade coletiva em campos organizacionais. American of Applied Corporate Finance, Verão. Jones, E. 1964. A vida e obra de
Sociological Review, 48: 147-
Sigmund Freud. Londres:
160.
Penguin Books.
Donaldson, L. 1990. O lado etéreo: econom- organizacional
KAHNEMAN, D., Slovic, P., & TVERSKY, A. (Eds.). 1982. Julgamento
ics e teoria de gestão. Academy of Management Review, 15 (3): 369-381.
sob incerteza: heurística e vieses. Cambridge, Inglaterra: Cambridge
University Press. Keynes, JM 1953. A teoria geral do emprego, juros
Donaldson, L. 2002. Condenado por nossas próprias teorias: contradições
ções entre teorias e gestão da educação. Academia de Gestão de e dinheiro. New York: Harcourt Brace Jovanovich. Kochan, TA 2002.
Aprendizagem e Educação, 1 (1): 96-106. Eastman, W., & Bailey, J. 1998.
Dirigindo-se à crise de confiança na cor-
Mediar o valor de fato anti- porations: Causas, vítimas e estratégias para a reforma.
mony: Testes padrões na retórica gerencial e legal, 1890-1990. Academy of Management Executive, 16: 139-141. Kuhn, TS 1962. A
Organization Science, 9 (2): 232-245. Eccles, RG, e Nohria, N. 1992. Além do
estrutura da revolução científica. Chicago,
hype: Redescobrindo IL: University of Chicago Press. Lawrence, PR 1992. O desafio de re-orientada
a essência da gestão. Boston: Harvard Business School Press. Elster, J.
para o problema
1983. Explicando a mudança técnica. Cambridge, En-
pesquisa. Jornal de Inquérito Gestão, 1: 139-142. Leavitt, HJ 1989. Educar

nossos MBAs: em ensinar o que nós


glândula: Cambridge University Press.
não ter ensinado. California Management Review, 31 (3): 38-
Enzle, ME, & Anderson, SC 1993. intenções de vigilante e 50.
motivação intrínseca. Journal of Personality and Social Psychology, 64:
Lewin, K. 1945. O centro de pesquisa para a dinâmica de grupo em Mas-
257-266.
sachusetts Institute of Technology. Sociometry, 8: 126-135. Mintzberg, H., &
Frankfurter, GM, e McGoun, EG 1999. Ideologia ea
Gosling, J. 2002. gerentes Educadoras além
teoria da economia financeira. Jornal de Comportamento Económico e
fronteiras. Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação,
Organização, 39: 159-177. Friedman, M. 1953. Ensaios em economia positiva. Chicago: 1 (1): 64-76.
Uni- Moran, P., & Ghoshal, S. 1999. Os mercados, as empresas eo processo de
versidade de Chicago Press. Friedman, M. 2002. Capitalismo e Liberdade ( 40 º desenvolvimento Econômico. Academy of Management Review,
Aniversário 24 (3): 390-412.
Edição). Chicago: The University of Chicago Press. FRIGA, PN, Bettis, RA, & Nahapiet, J., & Ghoshal, S. 1998. O capital social, intelectual
Sullivan, RS 2003. Mudanças na de capital, ea vantagem organizacional. Academy of Management Review, 23
estratégias de educação de gestão de pós-graduação e nova escola de negócios (2): 242-266. Nelson, RH 2001. Economia como a religião. PA: The
para o 21 st século, Academia de Gestão de Aprendizagem e Educação, 2 (3): Pennsylvania
233-249. Gergen, KJ 1973. A psicologia social como história. Journal of Per- Universidade Estadual.

Osterloh, M., & Frey, BS 2003. A governança corporativa para


sonality e Psicologia Social, 26 (2): 309-320. Ghoshal, S., Bartlett, C., & bandidos? O caso para a virtude corporativa. documento de trabalho não publicado,
Universidade de Zurique,
Moran, P. 1999. Um novo manifesto para
gestão. Sloan Management Review, 40 (3): 9-20. Ghoshal, S., & Moran, P. Peterson, CM, & Seligman, MEP 2003. Positivo orga-
cionais Estudos: lições da psicologia positiva. Em KS Cameron, JE Dutton, &
1996. Bad para a prática: Uma crítica do
teoria dos custos de transação. Academy of Management Review,
R. E Quinn (Eds.). bolsa organizacional positivo. San Francisco, CA:

21 (1): 13-47. Berrett-Koehler. Pfeffer, J. 1993. As barreiras para o avanço da sci-


organizacional
Gordon, R., & Howell, J. 1959. ensino superior para os negócios. Novo
ence: desenvolvimento Paradigm como variável dependente.
York, NY: Columbia University Press.
Academy of Management Review, 18: 599-620. Pfeffer, J., & Fong, CT 2002.
Grossman, S., & Hart, O. 1986. Os custos dos benefícios do proprietário-
O fim das escolas de negócios? Menos
navio: A teoria da integração lateral e vertical. Journal of Political Economy, 94:
sucesso do que os olhos. Academia de Gestão de Aprendizagem e
691-719.
Educação, 1 (1): 78-95. Popper, KR 1968. A lógica da descoberta científica. Nova
Hambrick, DC 1994. E se a Academia realmente importava?
york:
Academy of Management Review, 19: 11-16. Hannan, MJ, & Freeman, J.
Harper and Row. Porter, ME 1980. Estratégia Competitiva: Técnicas para
1977. A ecologia populacional de analyz-
organizações. American Journal of Sociology, 82: 929-964. Hayek, FA Von. ing indústrias e empresas. New York: Free Press. Porter, LW, e McKibbin,
1989. A pretensão do conhecimento (Nobel Lec- LE 1988. gestão da educação e
tura). American Economic Review, Dezembro: 3-7. Hirschman, AO 1970. A desenvolvimento: Tração ou impulso para o 21 st século. New York: McGraw
busca de paradigmas como um obstáculo Hill. Quinn, JB 1992. empresa inteligente. New York: Free Press. Roethlisberger, FJ
para o entendimento. Políticas mundiais, Marcha. Homans, CG 1961. comportamento
1977. Os fenômenos indescritível. Boston, MA:
social: suas formas elementares. Novo
York: Harcourt, Brace, e do mundo. Harvard University Press.

Jensen, M., & Meckling, W. 1976. Teoria da firma: Managerial Schlossman, S., Sedlak, M., & Wechsler, H. 1998. O novo visual:
comportamento, custos de agência e estrutura de propriedade. Journal of Financial A Fundação Ford e a revolução na educação empresarial. seleções, 14 (3):
Economics, 3: 305-360. 8-27.
2005 Ghoshal 91

Sen, A. 1998. Prefácio. Em A. Ben-Ner & L. Putterman (Eds.), Sumantra Ghoshal Foi professor de
Economia, valores e organização: xii. Cambridge: Cambridge University gestão estratégica e internacional na
Press. London Business School (LBS). Ele
também serviu como o decano fundador
Simon, H. 1985. A natureza humana na política: O diálogo de psi- da Indian School of Business, em
chology com a ciência política. American Political Science Review, 79: Hyderabad, dos quais LBS é um parceiro,
293-304. e como membro do Comité de
Supervisores da Harvard Business School. Managing
Strickland, LH 1958. Vigilância e confiança. Journal of Person-
Across Borders: A Solução Transnacional, um
alidade, 26: 200-215.
livro que ele co-autoria com Christopher
Sutton, RI, e Staw, BM 1995. O que a teoria não é. adminis- Bartlett, foi listado no Financial Times como
tiva Science Quarterly, 40: 371-384. Thibaut, J., & Kelley, HH 1959. A um dos 50 livros de gestão mais influentes
e foi traduzido em nove idiomas. A Rede
psicologia social de grupos. Diferenciada: Organizar a multinacional de
New York: Wiley. Criação de Valor, um livro que ele
co-autoria com Nitin Nohria, ganhou o
Weick, KE construção 1989. Teoria como imagina- disciplinado
Prêmio Livro George Terry em
ção. Academy of Management Review, 14: 516-531. Williamson, OE 1975. Mercados

e hierarquias: Análise e
implicações antitruste. New York: Free Press. Wilson, JQ 1993. O

sentido moral. New York: Free Press.

1997. O Individualizado Corporation, co-autoria


com Christopher Bartlett, ganhou o Prêmio
de Igor Ansoff, em 1997, e foi traduzido
em sete línguas. O último livro de Dr.
Ghoshal, Gerir Mudança Radical, ganhou o
livro Gestão da concessão do ano na
Índia. Com doutorado, tanto da Escola of
Management do MIT e da Harvard
Business School, Sumantra atuou nos
conselhos editoriais de várias revistas
acadêmicas e tinha sido nomeado para as
bolsas de estudo no Academy of
Management, da Academia de Negócios
Internacionais, e do Fórum Econômico
Mundial .