Você está na página 1de 6

BEM VINDO A

SELVA Por Fernando del Angeles

A história começa em algum ponto da rir outros concitos de personagens, como


floresta amazônica. O IPAM (Instituto de algum indígena da região para auxiliá-los
Pesquisas Ambiental da Amazônia) aliado como guia através da smatas.
a organizações de todo o mundo no in-
tuito de estudar as mudanças ambientais
na Amazônia, enviou um grupo de pes-
quisadores das mais variadas áreas para
Perdidos
A preocupação começa quando o grupo
estudar o impacto do desmatamento e da
que deveria buscar os pesquisadores não
emissão de gases carbono na floresta (or-
aparece. Os militares que estão com os
ganizaram uma equipe, com apoio de mi-
pesquisadores tentam contato via rádio
litares brasileiros da região, que deveria
sem sucesso – nem é preciso dizer que
passar de 2 a 3 meses na floresta a fim de
celulares não pegam na região. A partir
estudar todos os aspectos das mudanças
desse momento é necessário decidir o que
que tem afetado a floresta, incluindo uma
fazer. Alguns pesquisadores insistem em
visita a uma aldeia indígena).
esperar mais um dia pelo grupo, mas para
O grupo permanece em uma base mi- os soldados é melhor começar a levantar
litar improvisada na floresta, com alguns o acampamento e marchar em direção a
militares revezando-se, mas sempre com Manoel Urbano para finalizar a missão.
dois constantemente na base. Os pesqui-
Caso resolvam não esperar mais: Não será
sadores, ou pelo menos a maioria deles,
necessário caminhar até a cidade, há uma
permanecem por dias ou semanas dentro
pequena vila nas margens da floresta que
da mata, retornando a cidade de Manoel
tem um telefone que pode ser usado para
Urbano (220km de Rio Branco) com o
contatar para a bas, mas até lá, andando,
auxílio dos militares para serem trans-
são pelo menos três dias dentro da mata.
portados até a capital Acreana, onde há
Os militardes presentes conhecem bem
um pequeno avião pronto para levá-los
o caminho e dizem que as provisões são
para o Rio de Janeiro.
mais que suficientes, mas que todos terão
Protagonistas: O ideal é que os joga- que ajudar a carregar parte das coisas. Os
dores interpretem pesquisadores ou al- equipamentos mais pesados são deixados
gum dos militares (não é idela que o tods para trás, encaixotados e guardados, para
os eprsonagens sejam membros do Exér- serem resgatados mais tarde por uma
cito). Há a possibilidade também de inse- equipe maior.
Caso resolvam esperar: A espera só vai que diabos é isso... todo mundo ficou louco,
deixar os coadjuvantes mais preocupa- estão nos atacando e dev.... Deus me perdoe...
dos, já que não importa quantos dias [silêncio]. Há um caminho e um ônibus de
esperem, ninguém aparecerá e o contato transporte fora da cidade, mas não consegui-
via rádio continuará impossível. Para in- mos sair daqui, nossa comida está acabando
centivar os jogadores a tomar alguma de- e nossa munição não vai durar muito mais
cisão, o mestre dos mortos pode adiantar tempo. Eles derrubaram o portão, colocamos
um dos acontecimentos descritos abaixo. algumas tábuas e cadeiras para detê-los,
A caminhada na floresta é difícil, prin- mas não está dando certo... [barulho de tiro,
cipalmente para a maioria dos pesquisa- gritos]. Eles derrubaram a barricada [mais
dores, o que atrasa mais ainda a cami- gritos] precisamos de ajuda urgen [gritos
nhada. O que era previsto demorar três bem próximos] puta merda [tiro de pistola,
dias vai acabar levando um ou dois dias gritos]... [é possível escutar um crepitar seco
a mais. Essa demora acaba deixando as e úmido, um barulho horrível que logo vai
pessoas apreensivas, alguns insistem em se tornando em um barulho horrível quando
voltar e isso pode acabar gerando - se o começam a perceber o que ele é na verdade,
mestre dos mortos assim desejar - a con- alguém sendo devorado].
dição “nervos à flor da pele” e se necessário, Estes dois eventos exigem um teste de
principalmente para aqueles com Horror horror, dificultado se eles adquiram a
baixo, um teste para que seu horror não característica “Medo da floresta” na cena
aumente. Caso falhem, recebem a carac- anterior. Um fracasso, além de aumentar
terística “Medo da Floresta”, o que pode o horror, faz com que ganhem a condição
dificultar as rolagens futuras enqaunto “Em Pânico”.
no ambiente.
Em algum momento destes 4-5 dias no
meio da mata, o mestre pode inserir dois
acontecimentos na ordem que desejar:
Inferno
Apesar dos contratempos, o grupo - ou
Ataque da onça: Ao anoitecer, uma onça parte dele - chega a pequena cidade e en-
ataca o grupo. O ataque de uma onça a um contra corpos no chão, alguns cortados
grupo grande já é algo fora do comum, ou baleados, outros devorados (mais um
mas o que mais chama atenção é o estado teste de horror pode ser feito nesta si-
do animal. A onça está com o corpo bem tuação). Ao longe o grupo vê um homem
destruído, marcas de tiros, uma das patas cambaleando pela rua, ao perceber o gru-
quebradas, um olho saindo da órbita, es- po, ele se vira e, lentamente, segue de en-
coriações por todo o corpo. A onça está contro a eles. Quando ele está há uns 15
zumbificada, por isso mais agressiva e só metros do grupo eles notam que ele está
irá parar quando for atingida na cabeça. sem a mandíbula, metade de seu pesco-
SOS: durante uma hora de repouso, ço está devorado, o peito com marcas de
os militares tentam de novo contato via tiros e todo manchado de sangue. Quem
rádio, e escutam um pedido de socorro, estiver sobre os efeitos da falha dos tes-
mas infelizmente o locutor não consegue tes de horror, não terá condições reais de
escutar, provavelmente problema na re- realizar alguma ação que não seja entrar
cepção do sinal: “Aqui é o Tenente Silva, em pânico. Os militares (coadjuvantes)
alguém na escuta? [silêncio] Só escuto está- podem tentar atirar contra o zumbi, mas
tica, alguém na escuta? Se houver alguém sem muito sucesso.
escutando isso, nos ajudem. Estamos em Ma- Se nenhum dos jogadores conseguir
noel Urbano, somos 10 militares e cerca de 50 fazer algo contra ele, um tiro irá estourar
civis, estamos escondidos numa pequena esco- a cabeça do zumbi. O tiro vem de uma
la, estamos cercados por... meu deus do céu, o janela aberta onde se vê apenas o vulto
de um homem e o cano de uma escopeta, lho, e seu barulho, conseguiu chamar a
agora apontando para o grupo. atenção dos zumbis nas entradas da cida-
Caso os jogadores consigam liquidar de. Agora o grupo está a minutos do céu
com o zumbi, eles escutam o barulho de ou do inferno.
uma janela se abrindo e a mesma cena do Cabe ao mestre definir a dificuldade
vulto apontando a arma. do conflito aumentando ou diminuindo
Os militares mandam o estranho lar- a quantidade de zumbis e inserindo/re-
gar a arma mas ele se mantém impassí- tirando os zumbis especiais do conflito.
vel: Não sei quem são vocês e vocês parecem Recomendo 5 zumbis comuns para cada
não saber o que aconteceu aqui, mas é melhor jogador e um zumbi especial para cada 3
irem embora antes que eles percebam vocês e jogadores. Este combate não tem o intui-
voltem. to de acabar com a sessão, mas não tenha
medo de frustrar os jogadores e aumen-
O estranho não baixa a arma em ne-
te o desafio se assim desejar. Lembre-se
nhum momento, e se perguntado, res-
também que estes não são os únicos zum-
ponde algumas dúvidas, um pouco con-
bis nos arredores, mas sim os mais pró-
tra sua vontade, mais na tentativa de
ximos, se o combate se prolongar demais
expulsar logo os estranhos do local que
faça com que mais zumbis apareçam.
agora está seguro. Ele fala que de repente
pessoas mortas começaram a se levantar e Os jogadores podem muito bem tentar
atacar os vivos, isso pegou as pessoas des- contornar os zumbis, mas isso os distan-
preparadas e logo a cidadezinha estava ciará ainda mais do caminho que tem de
dominada pelos mortos vivos. A maioria fazer até a escola onde estão alguns so-
fugiu, mas ele se escondeu ali até que as breviventes que podem ajudar o grupo,
criaturas desapareceram, indo atrás dos principalmente a chegar até o transporte.
fugitivos. O estranho deixa bem claro que Os militares que acompanham o grupo,
não quer nenhum deles ali, mesmo após caso estejam vivos, sabem onde deve ficar
choro e lamurias de alguns coadjuvantes o transporte, assim não seria necessário
e pode chegar a ser hostil caso continuem passar pelo colégio e ver se há sobrevi-
chamando a atenção. Ele está sozinho ventes, mas eles insistem em fazer isso,
dentro de casa e pode ser facilmente sub- apesar de serem minoria.
jugado, mas ele irá continuar defendendo
o local até que expulse os estranhos ou
morra.
caminho entre os
mortos
A intenção dos militares é seguir ca-
minho até Manoel Urbano e conseguir
um transporte para sair daquele inferno. Os jogadores e os NPCs sobreviventes
O grupo consegue pegar um carro velho podem tentar chegar até o local onde está
abandonado que, aparentemente, tem o transporte dos militares ou passar antes
gasolina suficiente para chegar à cidade, na escola para ver se ainda existe algum
que fica, de carro, há três horas de via- sobrevivente. De qualquer forma o ca-
gem. minho até dentro da cidade é complica-
O caminho segue tranquilamente, ape- do, existem muitos errantes pela cidade
sar do grupo ter que se apertar. Já é pos- e caso sejam descuidados podem acabar
sível ver a cidade, bem maior que a vila chamando a atenção de vários deles.
que o grupo conseguiu o carro, mas nada No pátio do colégio, é possível ver que
comparado às grandes cidades, quando houve uma verdadeira batalha, muitos
o carro para, por falta de gasolina. A boa corpos, alguns já em estado avançado de
notícia é que a cidade está a uma curta decomposição, outros devorados. Um ou
distância. A má notícia é que o carro ve- outro zumbi cambaleando pelo pátio,
sem representar perigo imediato. O pe- sante aqui. Mas os tiros com certeza irão
rigo maior é dentro do colégio nos cor- chamar a atenção de um grande grupo,
redores e salas onde o espaço é apertado principalmente os que estão dentro do
e fugir pode não se tornar uma opção - colégio, assim eles podem ter que enfren-
aproveite bem esse elemento. tar zumbis ainda nos corredores da escola
O grupo é chamado a atenção por baru- e/ou na saída.
lho de vozes vindo de dentro do colégio,
provavelmente os sobreviventes. Ao se-
guir as vozes, o grupo se encaminha para estrada para o
o último andar do colégio e a conversa se
torna mais audível e clara, até que notam paraíso... ou não.
que não é uma conversa e sim uma pessoa Após passar por inúmeras dificuldades,
conversando sozinha. incluindo alguns errantes por dentro da
cidade, os jogadores finalmente chegam
“Eu já ouvi... Sei exatamente onde eles
na pequena base militar improvisada, po-
estão! CALA A PORRA DA BOCA... eu
rém, o ónibus que deveria levar o grupo
vou matar todos eles. Eu não matei todos?
para Rio Branco não está ali. Por outro
não nos deixei em segurança? Esses monstros
lado, apesar da destruição e da aparen-
de merda não vão mais nos atormentar. Eles
te fuga em massa, a pequena base ainda
querem nos matar, querem nos roubar, querem
possuí algumas poucas armas, munição e,
nos transformar em monstros... todos, todos
principalmente transporte que pode tirar
viraram monstros, mas eu vou te proteger...”
os jogadores desta cidade pequena.
Ao chegar ao local, um grande corredor
O narrador, tem duas opções, se ainda
repleto de corpos, a maioria não parece
tiver tempo, coloque mais algum desafio
estar zumbificada, mas estão com várias
antes de deixar com que os jogadores fi-
marcas de disparo. Entre eles há alguns
nalmente saiam de Manoel Urbano. Caso
militares, mas nenhuma arma com eles.
já esteja com pouco tempo, ou seja bonzi-
No final do corredor, existe uma porta
nho demais, permita que eles fujam, para,
bem danificada, quase caindo. Pelas fres-
quem sabe, continuar e fazer com que os
tas é possível ver que há uma barricada
jogadores descobram o que realmente
mantendo-a fechada e que há movimento
aconteceu.
no interior desta sala.
Na sala há apenas um homem, um cabo
do exército que estava na cidade e que
iria garantir o transporte dos pesquisado-
res. Ele se refugiou na escola com alguns
sobreviventes, mas no último ataque ele
aparentemente enlouqueceu, começou a
falar sozinho e atacou todos, incluindo
os vivos que estavam com ele, dizendo
que eram todos monstros. Ele pegou o
maior número de armas que pode e ago-
ra quer defender esta sala a todo o custo.
Assim que perceber que tem pessoas no
corredor ele começa a atirar que nem um
maluco, achando que são zumbis e não
importa o que digam, ele irá defender o
corredor e sua sala.
Os jogadores podem muito bem ir em-
bora e deixá-lo lá, não há nada de interes-
antagonistas Zumbis Especiais
Os zumbis especiais nada mais são do
Onça Zumbi que zumbis com algumas características
De alguma forma, este animal foi afeta- que os destacam dos zumbis comuns e,
do pela epidemia zumbi (diferentemente algumas vezes, até mesmo dos huma-
do que é visto na maioria dos títulos do nos. Não é nossa intenção colocar fichas
gênero e do próprio Terra Devastada). A de vários zumbis diferentes, mas apoiar
manifestação do vírus zumbi preservou a criação de novas criaturas. Para isso
muitas das características naturais do segue uma lista com algumas caracterís-
predador, e a fome insaciável que acom- ticas para zumbis especiais que podem
panha esta condição o torna ainda mais simplesmente ser adicionadas à ficha aci-
perigoso. ma. Acrescente quantas achar necessário
ou simplesmente role um dado para defi-
Características: nir qual usar
• Reflexos felinos • Capa de correr
• Sentidos aguçados • Sentidos aguçados
• Instintos animais • Caçador Nato
• Furtivo • Força descomunal
• Fedor pútrido • Capaz de usar armas
• Garras e presas afiadas • Garras
• Corpo em decomposição • Gás pútrido paralisante
• Sempre com fome • Saltador

Andarilho Trôpego Maluco da Vila


(Terra Devastada, pg. 98) “Sempre me virei bem sozinho!”
Após a zumbificação, esta criatura, en- Ao chegar à uma pequena cidade o gru-
quanto emite gemidos de extrema agonia, po se depara com este homem sozinho e
passou a caminhar de forma lenta e desa- defendendo seu terreno a todo custo. Ele
jeitada, sempre à procura de presas. se trancou dentro de casa quando come-
Características: çou a infestação e só saiu de lá quando
• Andar trôpego; se certificou que a cidade já estava mais
tranquila. Sua ideia é manter-se na ci-
• Gemido agonizante;
dade e a inicio viver de assaltos as casas
• Aparentemente inofensivo; abandonadas.
• Desajeitado; • Lobo solitário
• Mordida feroz; • Seringueiro
• Lerdo; • Sabe atirar
• Sem nenhuma habilidade; • Sempre me virei sozinho
• Aspecto constante de sofrimento; • Semi analfabeto
• Péssima coordenação motora; • Teimoso
• Ótimo faro; • Com uma escopeta nas mãos
• Agarrão poderoso. • Apesar de pouco tempo sozinho,
isso já afetou sua mente
Último Soldado de Manoel
Urbano
“Senhor, sim, Senhor!”
Este soldado está na escola é acredita
estar protegendo ele e mais um último so-
brevivente, porém, sua mente não aguen-
tou o que aconteceu e acabou matando
todos os vivos, inclusive os personagens
que tentarem o salvar.
• Soldado
• Acostumado a missões na floresta
• Bom atirador
• Medo de altura
• Ordens foram feitas para serem
cumpridas
• Filho de Militar
• Rato de academia
• Não come há dias
• Portando Fuzis e Pistolas
• Deve proteger uma criança imagi-
nária