Você está na página 1de 70

nrsmo

de Carvalho
Advento do Cristianismo
Aula 8

por Olavo de Carvalho

coleçâo

História
Essencial da
Filosofia
do cristiânismo
^ftento
por Oloro de Câwãlho

cole{áo flistóna Essencial ita Fito$fâ


Àcoúprrha estâ publicâçáo uÍl D1'D,
que náo pld€ §er veídido §e!&adüEnte.

úspllsso no Brâú ahil de 2007


Copydght @ 2003 by Olâvo de caryalho

foto OIâío de clÍâlho


Mário CaliêUo

Edllor
Edson Manoel de oliveiB Filho

Proisro Gúíco
MoDique §chenLel§ e Dqgúlr Rlízolo
Dla$e.§io
Dàgui Dosig!

tr!D!.rt@

aê.Ea ,úúh laurengo PeEtra

Os diEitos iutõIáis destâ edisÁo perten em à

É&aliz3lo€s Editom, LiÍ.râria € DstÍiluido.â Lt&.


CâiE Postd: 45321
CEP: 04010€70 - São Paúlo - §P
Iêlefâ* Gl) 5572-536!
EÍsil e@erlslizaco€§.com.br
§ePwcrcáli4coe§.com.t(

B.!i@rto. iodos s !üEitli! í€l! ohE hhiü todr e qú,kú6 ÉFr$d!$o d§lô cdiçáo pü
qldqu§ reio d {omo, Ei. ela EleIrónid e r4,ntá, blaór|., ,nvii;ro ou qulquú reio
Advento do Cristianismo
Aula 8

por Olavo de Carvalho

coleçáo

História
Essencial ila
Filoso fia
eole§áú HiBtódà *§§ênêial ds Pilioída
46o6n16 tro Crisüarii§qo , Aila 8
po Ohvo ile Curdhn

{,J ,edgdo eonfu§o (e'decqrnpo§iSo itâ iiiiditiêich


sqbre Àql1êh

8regâ, o i,É&d} fifó§qfcêoÊnb tlâo tq4 lmPodâactu, n4 ht§i'ôÍlq!


mtátê É muilsilus.f{tivoi úe§So e4,çeito§ alpêúo dêI)r6liÍlaé!'.itiÉ
el( qü9 vtÍsqro§- o§iílE8p§ oilrqüeúts oü §Ê§§rnt{ áno$ Íotan rimá
époeÊÍaulbéúdedüooqpodcáaqa bteli8êttciàfik6ófica. t§loéta§tanxa
vitive! arsim.quece eo4pgra, corn s dúvêrdncíit diáditr&da prim6irr
lmet4lê fu !éqioXX- &t6D, o cstiido d(MÉi{ôdo!ô§üeiicÊdÓlri@eü
- §6ç!at€§,I{atÂq Êôtiúótêles *é trllrlto élú€idátilit !âr!i ó§
o problgns á qüe.sr tÉoriàt criililàe í€s§ali ptíodôt §áo niútor(ülii
dtfi@i§,de 6onUn@idà ihtelêctüàhiLeiitê dô qsq,r§ glandc§ ilo§oüa§;
evideúkmêIlte, poiqiie'sus ,Ílôdraiâô é nilitô rÔhplttá, náo é um
Ínotivs$o ftosófica nítida. Tbda filoso§â é um e§ÍÔr§D que por §i Ú€s-
mo htêltg(vel rir 3ei àm'eiI6t(jó i l, bü§(a ds htçle!§áo.9 e$qiçÔ
é
propli!úeti& ãho é oB simêltüô bt§âüê tntÊligÍ$eli nrüʧe @ qu€
E§,Frêirú§.iatüâdpioêriÍErido í§tti- a§60 tiétrdoí{o'c ulÍo,:nee9s§ids&
hrrtiim firnd&nÉidàI.
f4ac qtiêÍdó ciirÍ@rÍ 4 t?árotê! tênria§ ɧgiri§tteq sogr9 a.{uelâ
de que de\,eúo! üveÍ como um raió solüo @ meio do deserto, é didcil
§tl,lii,dr Ér{ àt idêsmo$jd'qua § &rôih úêg0ü 4 pçn§s isto.Á fun-
dbioaútá@ Ílo§óúú4 n§o d,sc6drnia; entao; ten-§q quo âpalar paiÉ 4
ersltc.$ó,1úie,lóSfê,.E$aexpüiie§á9 é bs!áâate cqrresíurál, pory$
lrê têút polrqúíislÍIos dêda§§rú&4Íida ilêr§ss pê§roai E, àsiozes,
e motivaçâo póicdógiaâ também n8o é ru§cient!, entiio paÍte-6e psrâ
a.pdôr!4tológic& garte.§e.pqraa eqpüte§ão soAri,tido ÍiroQôtólútleq
*{oe!ça e$idiuÀ e *ssite pordlsntÊ. No fini il⧠cont§s' a{àüdi'no§ é
náo entendendo por que os suieitos disseram essas coisas - o máximo
que chegâmos a dizer é que ali nâo há muito o que entender Nâo en-
tendemos, mas iambén náo havia muito o que cntcnder; é anotar que
islo aconteceu, ficar um pouco perplexo e passar adiânte.
Isso náo qucrdizcr quc dcssss estados patológicos, psicopatológicos
ou noopatológicos, nadâ se âproveitâ, porque tüdo isso fdz parie dâ
experiência humana. Náo vale como doutrina, nAo vale como teoria,
náo vale como idóia. lnas vale como traslado- Como tcstcmunho dc
experiênciâ vivida, às vezes chega a ser lundamentâl- Creioque muitos
scrcs humanos se sentiram mais como Diórgenes do que como Platáo,
cerlâmente. PâÍa sent;r-se como Dióryenes, basta esiar desesperado;
pâra scnlir-!c como Platâo, precisa algo mais,
Todo csse pcríodoquc cstudamos vcnl dcsdc muito antcsdo cristia-
nismo e se prolongâ depois; mâs há outros proccssos conconlitanles.
Temos quc nos rcsguardardcssa idóia dc conlinuidadc lincarna Hisiória.
Na verdade, tem-se vários movimentos s;multáneos que às vezes não
apenas sc contradizem, mas até se ignoÍam completamente, passam
unsàmârgemdos outros. Enumperíododeum século antcrior ao cris-
tianismo até uns dois séculos já na era cristã, exisie um Ilorescimento
de movimentos muito estranhos, seiias rcligiosas, algumas vindas do
Oriente, outras improvisadas com a costura de vários elementos, tudo
isso dcnotândo uma conseqüência daqueles lenômenos que já dissemos:
a decomposiçào dâ polis e â angústiâ generalizâda de náo ter a que se
ater (as pessoas não têm um ponto de orientaçáo na existência).
Essc periodo, cvidentcmentc, náo era muiio favorável àespeculaçâo
filosófica, pois esta prcssupÕe, por um lado, ummotivo, e essemotivoé,
por certo, uma dúvida, um espanto, uma perplexidade: pressupõe, por
ouiro lâdo, âlguns meios. Os motivos existiam nesse período, querdizer
a pcrplexidade náo Ialtava. mas faltavam os meios, Os meios seriam,
em pdmeiro lugâr aquilo que assinalamos iá no comcço da Filosofia,
uma csrta elaborâçáo prévia leita em nivel retórico; as questõcs públi-
cas têm que estar mais ou menos ariiculâdas retoricâmente para que
dclas se possa fazer entáo umâ elaboraçâo filosófica. Mas quando as
perplexidades sáo muilas, e a conlusáo também ó muita, essas várias
linhas de pcnsamento náo chegâm â se âlticulaÍ em discursos retóricos
que possâm seÍ de êlguma maneiÍa con{ronlados.

Quândo hoie examinamos, por cxcmplo, algumas doutrinas ditas


gnósticas quc apareceram nesse periodo, elas sAo tao complicadas, c tão
estramboticâmente mitológicas. queàsvezestemos dificuldadecm sâb€r
do que estão falando. Elcs começam a enumerar divindades inle(medi-
árias que nos pârecem merâs ligutas de lingüagem, que cstão tratando
comose fossementidades reais. Mas sáo cntidades esquisitíssimas, que
náotêm paranós amenorpreseÍça, nem mesmo a consistência poética
dos deuses dâ mitologiâ; então a impressão quc temos é estar lidando
co frguras de pesâdelo.
Aí havia a motivâçáo, mâs náo havia a condição, náo havia os ins-
trumentos. Mas náo podemos dizcr que cssc cstado lbi geral e que iodo
mundo Íoi contaminado porele. Nào, houvc nesse período pelo menos
um esforço filosófico dos mais noiáveis, cquc surgc dc uma situaçáode
perplexidade que é daquclas tipicâs que geram à motivaçãc filosófica,
uma confrontaçáo, unla contradiçáo cntrcduas coÍrcntcs de idéias quc
estáo perleitamente delincadas.
Na época, havia muitos iudeus espalhados por toda a parte do
Ocidente, e â religião iudaica estava nunr acclcrado processo de disso-
luçáo. Esrava todo mundo âderindo a uulra cuisâ. mais ou menos como
acontcccu iambém aos judeus modernos nos séculos XIX e XX, uma
espécie de debandada geral: üm €ntra para a maçonariâ, outro entra
para o Partido Comunista, evai sc integrando em outros esqsemas sem
deixar de ser jüdeu e ter alguma raiz na comunidade judâicâ.
Nessa altura, havia então cntre os porta-vozes, representantes da
grande cÔm esiâ confusáo-
tradiçáo judâica, uma preocüpaçao müito
Elcs temiâm quc as novas iudcus ia ná'J c{rnse8uis§em
Seraçõf'dc
sequeÍ compre€naler alo que Moisé5
cstavâ fâlando mesmo porqüe a

mâioria deles já não sabia falar hebÍaicoi e âeducação era inteiramente


que, não sabendo
Iatina ou grega. E foi justamenie um desses camaradâs
falar hcbrâico mas se considerandd um iudeu de coração, tenta fazer

uma conírontação entre a tradição júdaica e a


filosofia grc8a, tomando
já com todôs os comen'
a tradiçâo judâicâ na sua expressáo biblicâ e
tradicionais ponanto, tem'se aíuma doutrina perfeitamcnte
tários
exposrarbemconhccida- ca lradi(áogrcga navcrsáuqucapare(iâ
na Academia plâtônicâ.
E5sa éuma situaçào de contradiçAo e de perplexidade, mas náo de
tôrãl confusáo - a toial confusáo náo podc ser elaborada filosoficâmente,
poélico_retó_
tem qúe ter uma pÍirneira claboração num nívelpelomenos
mas filosoficamente
rico. Nestecaso, ó uma contradiçào, umaconfusão,
elàborável. Entáo apârece csse cidadào,
que se chamavâ Filon, da
judaísmo nos termos
cidade de Álexandria, que tenta expressar o
da filosofia grega, com a ialéia de que
mais ou menos tudo aquilo que
já estava, pelo menos em
os gÍegos tinham descobeÍto e elaborado
germe, dentro da BÍblia. Ele esüeve um livro quc §e chama A ciaÇào

do filndoseeundo Moisés, que é úm do§ grandes livros filos(ificos de


todosostempos, no qual ele usa intcrpíetações simbólicas ealegóricas
para buscar a ialcntidadc cntre as doutrina§ híhlicâs e o ensinâmeniÔ
de Platáo e de Aristóíelcs, |nâs padicularmente
o de Plaiáo, tal como

apaÍece no livro O Tineu-


Essa expressáo de umâ aloutrinabíblica em termos frlosólicos gregos
ou vice_versa, de uma Iilosofia gÍerâ em termos bíblicos, é uma coisa
quevamosver reaparecer mtlito mais tarde, deniro do contexto cristáo'
Durâ,1le loda a históriâ do cristianitmo, haverá umâ elaboraqáo muito
profunda da técnica da inlerprela(àoalegorica. e o curioso i ver que uma

el
boa pârte disso já está em Filon de Alexandria, antes do cristianismo-
Filon nasceu uns quarentâ anos antes de Cristo e moffeu uns quarenta
anos depois. Ele não teve contato com o cristiânismo apârentemcnte
náo ficou sabendo; pode ser que tenha ficado sabendo, mas na obra
cscrita nâo aparcce nada disso-, então ele está lidândo exclüsivamente
com o Ântigo Testamento c com o materiâl grego,
Existem muitos autores que vêem nessa obra de Filon algum arti-
ficialismo, como se ele estivesse fazcndo um truque pâÉ a,eitar uma
coisa à outra. Mas é o tal negócio: o primejÍo suieiio qu€ faz alSumâ
coisa nunca faz direito. Essâ iécnica da intcrpretâçâo alc'góricâ teve qüe
scr muito âprofundada, criticadâ e claborada, e só vamos verum pleno
domín io disso nos gland(:s escolásticos, como HugodcSáoVitot Santo
Tomás dcÂquino. Mâs, considerando quc Filon estavâ trabalhando até
antes do cristianismo, aquilo é uma coisâ de gigante mesmo.
Müiias vczcs, o historiâdor com uma excelente bagag{:m lilosófica,
mas sem muitâ compreensão justamente destâ linguagem simbólica e
âlegórica, enxerga contradiçóes na Íilosofia de Filon. Muitos autores
dizem que Filon confunde duas coisas, por cxcmplo, as hierâÍquias
angélicâs com a hierarquia das idéias, que sáo incompatívcis. Na ver-
dade, não são incompaiíveis, não sáo teorias allernativas - âfinal de
contas, âs idéias eternas sáo o conteúdo do LoSos divino, o conteúdo
dâ Inteligência divina. EIas náo tén1 nâda a ver coÍn o modus opeÍa di
da açáo divina. Dessâ maneira, se você cxplicou todas as coisas exis_
tent€s a paúiÍ de aÍquéiipos eternos que estáo na Inteligência divina,
ou seja, asfamosas formas ou idéias, é como se tivesse exposto a planta
daCriaçáo, omâpa daCriâÇão, cnáoo scu modo de construção. Entáo,
a rigo! náo há nenhuma contradiçáo entre â ,déia das formas eternas
platônicas e as hierarquias angélicâs, seiamelas como Filon as descleve,
se,a de qualquer outra maneira.
Outra coisa também notabilissimà em Filon é que ele sintetizâ, de
algum modo, aidéiâdo Supremo Bem platônico (em Platáo, a realidade
pÍimeira e inicial é o que ele chama de Suprcmo Bem) com o Primeiro
Motor Imóvel de Aristóteles. Tâmbém náo sáo düas idéias antagônicas,
náo sáo teorias. O pÍimeiro princípio é o Supremo Bcm ou éo Primeiro
Motor Imóvcl? É o Primeiro Motor lmóvel, o qual é o próprio Supremo
Bem. E Filon já diz isso de mâneira explícita. Para clc, Dcus é o Supre-
mo Bem e, ao mesmo tempo, o Primciro Motor Inóvel dc Arislóteles.
Isso corresponde a se falar de Deus numa l;nguagem moral ou numa
linguagem metalisica, mas, no fim, sc está falando da mesma coisa.
Essa obra de Filon (creio que em lidâ até a década de 1930 ou 1940
doséculo xX) pareciâ uma coisa, mas, nos anos que se seguiram, hou-
ve um progresso imenso da interyretaçáo dos lextos sacÍos, graças a
autores como Henry Corban, Friijof Schüon, Seyyed Hossein Nasr E
quânto mais isto progride, mais sevô quc aqucle univcrso de !-ilon íaz
muito scntido.
Tiatâ'se, entáo, de uma época de extrcma dccadôncia filosófica, de
confusão, de degradação. Mas tem ali um camârâdâ que não paÍticipa
inteimmente do âmbiente de degradaçao, poÍque pertencia a uma outra
comunidade. Ele náo podia se considerar um individuo que estivesse
desorientado âpenas por câusa da queda da polr's. Ele não estavadeso-
rientado coisíssima nenhuma. estava com a Lei de Moisés debaixo do
brâço, sabia pcdeitamente o que estavâ fâzendo, então não padece
pessoâlmente da confusáo ambiente.
Note bem que todo problcma, parâ poder ser fllosoficamente elabo-
rado, precisa quc o filósofo mântenha umâ certa distânciaem relaçao a
ele, senao não tem nem a linguagcm para expressá-lo. Todo problema que
nos acerta no coraçào ou [o figado só pode ser expresso poeticamente;
se náo tem nem â expressão poética, ele não tem elabomção alguma, a
coisa náo tem nem nome. E quando se iratâ deum problema existencial
dircto, quer seja pessoal, queÍ seja da comunidade, a primeira expressáo

l0
é necessariamente poética. A elaboraçáo filosóficâ iinha que ser muito
posterior a isso, iá supondo o dor nio dos instrumentos lingüísticos ne_
cessifuios para nomcar, classiicaÍ as coisás, ctc.
Filon pôde ser um graode filósofo nurn período de decadência filo_
sófica precisamente por esiar poupado da dcgradâçáo coletiva, mas, ao
mesmo tempo, por ter nâ máo um problemâ lllosófrco passivel dc ser
equacionado e tratado, que é o problemâ exatamente da relaçáo enlÍe
a sabedoria judaica e a sabedoÍia grega.
Notc bem que até ho,e, de vez cm quando, súÍgem esscs Problemas
ale influência de uma tmdiçáo na outra. É evidcntc que o delensoÍ ou
porta-voz de umatradiçáo lenta mostrar quc a deleé majs antiga, mais
bonita: "Tudo o que elcs sabemaprenderam comagente...". Se i§so for
interpÍetado historicâmente, tudoo que Filon disse está errado, porque
não há nenhumâ prova de quealgum suieito discípulo de Moisés tenha
ido até a Crécia ensinar algo; náo há nada, nada- Historicamente, isso
não faz sentido; o que Iâz sentido ó uma prioridade de certo modo
ontológica.
oconhecimento que os iudeus tinham de Deus, podemos dizer, foi
feito por umâ experiência históricâ. Todo o tra,eto dosiudeustinta sido
um constante diálogo com Deus. A história é praticâmente sempre a
mesmar Deus os mandâ fazer alguma coisa, quc eles não fazcm direito,
daívoliam para trás, consertam, começam de novo..- Sáo cinco n lanos
assim; então cles têm uma experiência disso. E, por outro lado, como
estavam muito interessados na sua própria história e nas suas rclâções
comDeus, elestinham relativâmente pouco intffess€ pelo univeÍso físico

vejâ que praticamente a totalidade dos assuntos com que lidamos


pode ser articulada numa cruzi temos, por um lado, o úlo supeíor dâ
realidade (châme Deus, Infinito ouAbsoluto, como quciÉ);poÍ outo, o
pólo inferior/interio! queé â âlma humana, nós mesmos; na horizontal,

ll

I
temos os dois dados do mundo externo, que sáo, um, a naturezasensível
e, ooutro, o mundo da sociedade, dahistória, etc. Podemos dizerque o
mundojudaico searticula todo emtorno de dois pólos: Deus ea história
do próprio povo iudeu. As referências à alma individual sáo pouca§, e
as reÍerência5 à nâiurcza lisica sáo purarnrnlc urasionais
Ora. a cultura grega é exatâmente ao conirário; ela está intores-
sada sobretudo na naturcza e na alma do indivíduo- Claro que esiá
inieÍessâda também na polis, na constituiçáo do Estado, etc., poÍém,
náo como um fenômeno que devesse ser estudado em si mcsmo, mas
como uma conseqúência normativa a serextraída do conhecimento da
nalureza e da alma humâna: r'Conhecendo â consiiluição do cosmos c
â constituiçáo da alma humana, daí deduzimos como deve ser a cons-
tituiçáo do Esiado". Mas náo sc vcrá nclcs, por exemplo, um inteÍesse
por sua sociedadc considcrâda historicamente. tal como se vô entrc os
judeus, que têm uma espócic dc qisiro da continuidade da história.
Náo é só um registro, clcs têm uma reflexâo histórica: "Olha, hoje está
acontccendo tal coisa porque há quinze anos Deus mandou fazer tal
negócio e não fizemos, dai deu tudo errado. \ámos tentâr de outro iei
to...". Há uma contínuâ reciclagem de sua consciência histórica; isto é
cdâcteístico do iudeü.
Hoie todos nós tentamos fazer isso, exceto o brâsileiro (o brasileiro,
quando âconteceu um negócio na semana passada, ele já csqucceu;
então, quando vem a conseqúência, clc nâo junta). Mas, de modo gerâI,
as sociedadcs modcrnas têm um grandc inleresse em saber a conexáo
histórica de causas e eÍeitos daqüilo que lhes esiá acontecendo. Os
judeus já tinham isso numa ópoca em quc ninguém tinha pensado, em
compcnsaçáo, náo tinham praticâmenle nenhuma ciência sistematizada
do cosmos, nem da âlma individual humana.
A ausôncia de interesse pela alma humana vem do faio de que o
destino de câda judeu era o destino da comunidade jüdaicâ: sc a co-
munidaale vai bem. ele vÂi bem; se elâ vai mal, ele vai mal O problema
nÍo eraa sâlvaçâo da alma, eraâ salvaçáo de Isracl. Maistarde, a I$cia
verá nisto também uma anâlogia da alma: tudo aqui,o que Deus fala â
propósito de Ísrael no Antigo ]b§iâmento pode ser interpÍetado, analo_
gicamente, como referido à alma do indiüduo, num outrc plano. Cada
um de nós também é esse povo iudeu, que é pÍemiado com o dom da
profecia, inerente ao seÍ humano (nenhum bicho fâz proÍeciâ). O ser
hümano é profeta poÍ vocaçáo, e essa vocaçâo apârcce de uma maneirâ
mais patenie no povo judeu, com üm chamâmento, com o anúncio de
uma vocaEáo, da quâl às vczes o povo se apÍoximâ no scntido da suâ
realizaçáo, às vezes a esquece e a trai. Aí tem toda umâ dialética da
vocâçAo, d€stino, realidade e proüdência.
Este era o mundojudaico. O mundo grego eÉ completamente dife_
rente- Era o mundo de, em primeiro lugar, dâdos da nâtureza. O grego
se interessavâ sobretudo pelo mundo fisicoemtorno, omundosensível,
qüe era para ele o gmnde enigma. 'Ibdos os Elósofos pré_socráticos, a
única coisa que eles pcrguntavam no fim das contas é: "Do que é feito
tualoisto?". Pergunta mais mâierial náo poderia ser Eles, desde oinicio,
tôm algumas preocupaçóes que scriam até científicar no sentidomodemo
da coisa, e outras náo tão modernas, mas, dcqualqueÍmodo, o tema €râ
o cosmos, a oFdem do mundo físico. Por outro lâdo, há uma ordem da
alma, qüer dizer: "Como se organiza o que está organizâdo, o cosmos,
e como orgânizo â minha almâ para estâr mais ou menos encaixado
dentro dele?", É claro que âs respostâs quc se davirm â es§a pergunta
variâvam enormemente, desde aquela idéiâ da ascese platônicâ aié, no
outÍo extremo. a degradação que vcmos com os filósofos cínicos' Mas
a pergunta que estavam fazendo era a mesmâ, tanto em Platáo
quanto

cm Diórg€nes: "Cono é que esiá organizado o cosmos e como é que


me encaixo ordenadamente dentro dele?". Á pergunta é a mesma,
mas a Íespostâ pode ir desde a genial até a idiota- Este é o âssunto

1:l
grego por cxcclência.
Ora, como é que vâmos comparar cssas duas tradiçÕcs pam saber
qucm aprcndcu com quem? Náo lem nruito scnlido, e historicamcnic
náo se tem noticia dc uma i.fluôncia hislórica nrosaica exercida sobte
os grcgos. De qualquer modo, l_iloõ nào dcixa dc tcr razâo quândo
afirma a prioridadc da trâdição iüdaica pÍioridadc náo só no tempo,
mas ontológica, porque, afinal dccontas, cles 6c conccntrarêm nacoisa
principal. Dc loda csla quatem idade de que lalamos, o mâis imporrarte
é, evidentcmentc, o pólo supcrior: aqueie queiiver o conhedmeÍto de
DeUs le|ln, implicila rc le, o conhecimento do rcsto (cu dissc "iinplí'
cito", porquc, pcgar as coisas do Aniigo Testâncnto e deduzir dali â
ciência grega, bom, isso nào ó impossivcl, mas ó muiio foraadol).
Em quc scntido pÍ)dcúa haveruma unidâde ou umâ coerência profun-
dâ? tsonl, cxistc prilncirl) â coorúnciâ da própriavcÍdêdc. Se umâ coisâ
óvcrdade, ela dcve poder servista por csse lâdo ou por aquclc lado, ou
atgum rc'flcxo das vcrdadcs csscnciais nas vcrdadcs menores de ordem
cósmica sempre deve aparcccr. A afirmâçâo do rronotcísmo absoluto e
do caráier purâmente espiritüal dâ divindade está muito mais clarâ no
iudaisnodo que nosgrcgos, mâs tambóm cxistc cntrcos gregos. Então,
no {undo exisie uma convergênciâ.
Sc cntcndcrmos Filon não no seniido da patemidade históricâ, mâs
simplesmente da pÍioridâde ontológicâ, do próprioDeus sobrc o cosmos
- portanio, prioridade gnosiológica do conhecinenlo de Deus sobre o
conheoimenlo da rcalidâdc scnsÍvcl-, cntãonão é de iodo absu rdo dizer
quc, muito antcs dcosgrc8os descobr;ronr acoisa, clcs lambérn sabian.
Sabiam dc mancira implicita. conrpâctâda cexprcssacnr Iingüagem mi-
topoética, Drasquc cÍavalá, cstava. Sc náocstivcssc, náo scria possívcl
toda a ciência da i.rterprclaçao simbólicâ que, coDreçando com Filon,
depois vâi sc dcscnvolver muilo ató chcgar àquclcs grandcs cdifícios
da exegese medieval, cono os comcnlários à Bibliâ de Santo Tomás

t+
,1, \,ur!,.(l(!lu,-odcSaoVíloLDosqrrnistr(i(irrriir(larrrlerprcllçiir)
,rrlx,ll( l ir rncrccc rcalnrenlc o rn)rnc dc ri!irriâ, l){)11lrr. c rrrrr .(nrhc-
( rr(,rir) si5tcmálico, organizâdo c raui(nürl Mtrs (lrrrrrxli) sr rtrrrptrrll tr

, \Urse dc FilL,n com a dos mcdievâis, lrilorr rrat) siri pcrtlcrr(I) rrr(ril(),
ll,x)i (lc vcz cnr quando, iem umas coisas âbsuMas, Intrs. (r,rr(nrr(l(, (l lrt(
'
ri qüc clc tcz antes, e fcz sozinho. já é um grandc ncg(ici(,.
'lirndo enieÍdido direito a noção do Prcjeto socrático «)u scju, (,
(tuc c o proicto. o quc ó â ambiçáo filosófica básica, quais sao scu§
rr nponcntcs essenciais, quc seriâm: o cha]màlo panlo aryui édico
h sc dâ scgurança do conhecimento; o discillso racionale sistemático
(nr kn'no disso; c, por fiÍi,ã ação oi à élica coererTle com o discurso,
(rnnponcntcs mais ou menos pÍesentcs cnr ioda§ as filosofiâr, com-
prccnde se que ó inerente ao Proieto F'ilosófico a idéia do e§forço de
invcsligação-c, porlanto, da idéia da maturaçáo do própriofilósolb, da
pÍlpria personalidadc, dâ própÍia alma do filósofo, nâ medida crn quc
elc. reâlizando cssa unidade do conhccimento, apreende ncla aunidÀdc
dâ sua alma, do seu desiino. da sua pc§soa, c âdquiÍccnlaro os crilórios
parâ dar uma ünidadc cr)ercnte à suâ açáo nr{)ral
lssoqucrdizerquencnhumadoutúnâna(lu l rr (,scvciaricsl(,rço
dc investigâçáo e este csforço dc unilluaçfl{) c. Doú nt() tr disposiçà)
ds cnfrcntâr todas as contradiçÕcs - podc scr iurrrtri§ dila ünü ü)utriDa
iilosóíica. Uma doutrina quc vem pr(nrta ( (luc, (luând() cnlrcnlr âs
contradições, é somente no seniido dc d cn trhar r, âdvcrsá {), ou scja, de
rcjcitar a doüirina cortrária. nâo é doulina lllosólica dc jcito ncnhurn.
ou seráuma doutrinaesotéricâ, ou urÍà dortrina rcligiosa, uma doutrina
r(vclada. alp,uma coi\a a\5im rnas lil,,s,,li:r na,, (.
É Desse sentido que nao podcmos dircrr por cxemplo. que todas as
doulrinâs gna)slicas queaparccem ncssc pcriodo sáofilosóticas. Podem
tratar às vezes acidcntalmenle, dc assuntos filosólicos, mas sc trata de
doutrinas prontas, de seitas, que sáo transmitidas tais e quais aos scus

l5
discípulos, que estáo ali náo para di§cuiir, paü âssimilar âquilo inte-
lectualmente, mas pâÍâ Íealizar algo a pârtir de umâ doütdna plonta
Entáo, eslá aqui a doühna pronta que explica a origem do mal no mundo
e a porta de saída. Náo inieressa quâl seia (náo vamos nos apÍofundar
agora no estudo das doutrinâs gnó§ticas), basicamente a idéia é de
que a próp a Criaçáo do mündo é má: o mundo foi criâdo poÍ engano,
náo foi propriamente Deus E§Piritual que o criou, foi um outro, que
por sacânagem fez o mundo enos aprisionou aqui nestetúmulo, entáo
tcmos quc achâÍ uma sâídâ disto aqüi.
Existem muitas doutrinas gnósticas diJerentes e técnicas snósticas
diferentes, mas nenhuma delas podc ser considerada filosóficâporque'
se é incrcntc ao Proi€to Filosófico a idéia do esforço de investigâçao,
entáo é (ambélll incrente o ânlor à contradiçáo, o amor à investigaçáo
dialética. A objeção, para os filósofos, náo é exatamente como a obieÉo
é para um cÍente. Para uma doutrina religiosa, esotéricaoü ideológica,
a obieçáo é algo que tem que ser afastâdo, é um eÍro, ó um mal. Mas
ao filósofo ela pode ser preciosa, porque é exatamente lidando com â
obieçáo que ele vai descobrir algo que ainda náo sabe. Náo ó porque
ele tem uma doutrina pronta que ele tem quc refutar quem se oponhâ;
não, ele às veze§ não tem a doutÍina totalmente prontâ, e§tá tentando

Sócrates, se investigarmos tudo o que sobrcu para nós de suaüda,


náo tem pmpÍiamente uma doutrina Elc tem, por assim dizer, um mé-
toalo: "Eo vou ter um mótodo de invcstigaçáo e um méiodo de üver".
Mâs, se perguntarmo§: "O que você acha realmente disso?", Sócrates
diz: "Eü náo acho nada, estou aqui tentândo ver se descubro âlgüm
negócio", lsso aparece a todo momento em Sócrates, e náo quer dizer
que ele ignorasse tudo. Aquela história dc que "só sei que nada sei",
isso é dito assim cüm Srarro salis, e um pouco também por educaçáo:
"Eu náo sei nada. mas você sâbe muito menos do que eu".


Para um individuo scr um filósofo de pleno direito, náo é necessário
que ele tenha uma doutrina filosófica. Ele pode náo ler nenhuma. Basta
que estejâ trabalhando na direçáo caractcrisiicamentc filosólica) que
é a busca da unidade do conhecimento e, portanto, da integraçáo da
sua próp a alma dentro disso; que ele é um filósofo, mesmo quc não
chegue a conclusáo algüma. 'Ihnto que o próprio fundâdor do Proieto
Filosófico, que é Sócrates, tambóm náo chega â nerhuma conclusáo;
e, dos demais filósofos, eles chegâm a muitas conclusões, mas quando
moÍem, nos deixâm evidentemente mais perguntas do que respostas-
Ele respondeu. digamos. dez. quinzc pcrgunras. cdcixou mil. E normal
que seja assim-
Em todo esse período de que estamos falando, houve muiia disLussáo,
muitapolêmica, mas náo houve elaboraçáo filosóficâ. Etâ como se fosse
um confronto de dogmatismos, câdâ üm tentando provar que o outro
estava erlado. Você verá os primeiros cÍistáos impugnando as doutrinâs
gnósticas eusando, para impugná-lãs, técnicas aryumentâtivas aprendi-
dâs com Sócrates, Platáo, Aristóteles e os sofistâs; veÍá discussôes entrc
asváriasescolâs esotéricâs e, como no caso de Filon, umaconfrontaçáo
entre trâdiçáo judaica e filosofia grega. Mas isso náo qucr dizeÍque em
tudo houvesse filosofia. Náo, havia polênlica apcnas. A discussão náo
é filosófica se náo é umâ discussáo cieniÍÍlca voltada à dcscobcrta da
vêrdade, ou seja, se náo é uma discussão dialótica.
A dialética, segündo Aristóteles, iinha três uiilidades, e isso é es-
sencial para compreendermos o Projeto Filosófico. A primeira utilidad€
é, evidentemente, o treinamento da mente: a simplcs arte de, em face
de um assunto, de um tema ou de um problema, se fazer o repertódo
dos argumentos possíveis e dos conceitos pertinenies, classificálos e
ordená-los; isso é uma disciplinâ da mente. A segunda utilidade está,
eüdmiemente, nas discussóes públicas, para se rcsolver alguma questáo
que estives§e em discussáo.

l7
A terceirautilidade, a dialética, é a mais inteÍessante Âristótelesdiz
que a alialética é o meio de você cncontrar as premissas nllm
assünto
aÍbitrâgem e
em que ainda náo as tenha, porque, em toda discussão
a

a solüÉo final são dadas em funçáo de


premissas quc iá estâo acciiâs
a disclissáo tem
Se você náo as tcm, como é que vai Ícsolver? Entáo
para
quc seguir, certo modo, ao contrário: emvez dcirparâ âdiante'
ale
plemissas
tiraÍ ar conclusóes, ela tem que ir parâ trás' para buscar as
Ea
que cstão ocultas ou náo decláÉdas, ou qüe cstÃo inconscientcs
e contradi-
alialética, iustamente a confrontâçáo das doutÍinas opostas
princípios'
tóriâs, é o que permite escâvar e encontÍar os
é o método
Nolundo, adialética éâ disciplina científica Iundamental'
cicntífico pÍopriâmenie dito, embora Aristóteles distinga o que é uma
ítiscussáo dialética de uma discussão científica A discussao científicâ'
paÍa cle, é a qüe já está cstruturâda dc maneira peÍfeitamente lógica

Enláo'
tem um problcma:comoó que sc chegâlá? Atrâvés dâ diâlética-
onale náo existe a clâborâBo dialética' não há
frlosofia, por mais que
o
paÍeça haver Muitas vezes parece náo haveli mas há' Müitas vezes
purâmente dogmá_
indivíaluo parecc estar afimando coisas de maneila
questáo de abreviaiura'
ticâ, mas ele está lazendo isso apenas por uma
lsso acontece fÍeqüentemente em Nictzsche Ele sofria
dc sífrlis terciâia
de cabeça ho$íveis, vivia doente, entáo tinhâ
poucos mo_
etinhadores
mentos ale paz e de lucidez por dia para trabalhar, aí aprcndeu a escrever
pârecem
compâctadamente em aforismos- Muitas vczes, os alorismos
pummente alogmá1icos, puramente afiÍmativos ou negativos, mâsneles
parece
está subentendida uma elaboração dialéticâ Em outros casos,
tem dialética
havet muitâ alialéticâ, porque tem muita discussão, mas nào
nenhuma. poÍqur há ap, nas â retutaçáo dc uma oposr(áo'
surge o cri§tianismo, surgem naturâlmente seus dcfensores'
Quanalo
como Santo lÍineu, Teduliâno, Orígenes, Clcmente de Alexãndria Nes_
§es, em uns sevê, de Íato, âlgo de filosofia;cm outros,
náo' CÍia_seuma

l8
siluação na qual o historiador da Filosoliâ não sabe propriamcnte se
csses indivíduos pertencem à sua disciplina ou nào. C{rm um pouquinho
dc paciênciâ se verá qüe a Históriâ da Filosofia lcm que mcncionar todo§
cstes, mas sem incorporêlos na própria disciplina; ela vai lcrqucdiscu-
ti-los iustamente para, às vezes, poder iirálos e dizcr: "Náo, isto aqui
cstá realmente lbrâ da Filosofia, embora tenha exeÍoido infl uência sobre
fil{isôfos" Erercido influônciâ. tomo? Esses camaradas defenderam
certas idéias- defenderam náo filosoficamentc, dc maneira puramente
rciórico-dogmática , mas isso dcpois deu âssunto para algum filósoio.
Entáo, aquilo que um suieitotratâ num plano retórico-dogmático pode
ser tratado filosoficamente poÍ ouiro.
Antes mesmo de lalar do própío cristianismo, vou tâar dos apologis-
tâs do cristianismo, quc é umâssunto mais externo, Entrc os primeiros
deies, a idéia básica é de que aquilo que tinha acabado de aconteceÍ, a
itevclaçáo cristã, é algo táo importante c táo fundamental, ião básico,
que peno dela "cessatudoo queaàntigamusa canta"; qucr dizet tudo
o que os filósofos fâlarâm náo interessa mais, é tudo bobâgem. Esta é
a primeira impressão por qüe passam os apologistas, São rustino, Sâo
lrineu.
A rejeiçáo à Filosofiâ chegâ, em Tcrtuliano, a exiremos de despre-
zo, de rancor, de ódio contra os 6lóso1'os. Tertuliâno é um dos grandes
escritores da humanidadc (mcsmo quando está dizendo bcstcira, é
absolutamente maravilhoso, pela lorça da cloqüênciâ). Ele ioga tudo
fora - aquilo náo apenas náo se aproveita, como é heÍesia, é pecami-
noso e lem que ser esquecido -, ao pâsso qüe outros, como Clcmente
deAlexandria, colneçâm a peÍcebeÍ que existeum elo de coítinuidade.
O mesmo elo de continuidade que Filon viu entre a revelaçáo antiga,
iudaicâ, e a fiiosofia grega, haveriâ entre a lilosolia gÍega e a nova Re-
velação. Se Moisés, de certo modo, antecipatoda a filosofia e a ciência
grega§ sob a forma compactada e simbólica dâ linguâgem do Pentatcuco,

l')
a fllosofra gregâ elabora e abre câminho PaÉ que a Revelaçáo cristá se
torne inteligívcl e aié possível. Entáo Clemcnte diz que â Filosofiâ é o
pedagogo que leva até Cristo.
Ora, essa é uma obseÍvaçáo muitissimo interessante. Lembmm_se
da transiçáo dâ tagédia grega parâ Sócrates? O quc era a tragédia?
Era â conírontâçáo entre a Lei divina, tal como apreendida por um
indivíduo humano, e â lei da polis, a lci dâ socicdâde, a lci do Estado'
que remoiâmente tâmbém teria a mesma tbnte divina. É como se Deus
tivesse se manifestado, poÍ um lâdo, na ordem sociâl e, por ouiÍo, na
alma humanâ. Algum reflexo dele tem aqui e ali, mâs como sáo apenas
reflexos, e náo a própÍia Verdâde divina considerada em sime§ma' eles
têm contmdiçáo uns com os outros.
É iustamente essa contradiçáo que aparece na tragédia grega. Á tra-
gédia ó um dramacÍvico qucvisa propiciâr quc a coleiiüdâde reinte$e
essas vetdâdcs divinas quc nâo estáo expli€itamente contidas nalei da
polis, na lei do Estado. Entáo o teatro funciona, durante algum tempo,
como um mecanismo de equilíbrio cntre as exigências da coletividâde
e as exigências mais profundas do indivíduo consciente Mas chega
um ponto em que cle náo funciona mais, náo exerce mais aquela açáo
persuasiva e calmante que eleva a populaçáo a uma antevisão de uma
sabcdoria supedor âo próPrio discur§o da comunidade. Nesse instânte,
o que acontece? O teâtro vira Íealidade.
A vidâ de Sócrâtes é exaiamente isto: Sócrâtcs é condenado à mor_
te exatamente porque o que ele tinha apÍeendido da Lei divina iá era
incompaiível, já era inâceitável pclacomunidade, quecntâo o §acrifca'
Só quc, ao longo de toda a sua tida. rlc nunca sc preocupou com isso'

como é que ia moúeÍ ou deixar de morrer, como é que o negócio ia ter_


minâÍi ele estavâ simplesmente ensinândo àqüeles indivíduos alSumas
condiçóes inielectuâis para a invesiigaÉo da verdade, só isso. Era tudo
o que ele estava Íazendo.

20
Com o cristianisrno aconiece uma coisa dilcrcntc:o mcstrrc dÍama é
vivido, sóqüenum plano imensamcntc nuis clâÍo, mais cxplícilo e nrais
luminoso. Primeiro, porque ele é ânunciâdo de untomãol ó anunciado
na própriâ tradiçáo hebraicâ, onde tem um montc dc nlcnçôcs. Náo só
tem um monte de menqÕes ao Messias- Atuâlmente sabe-se quc o nomo
de resus já está dado no Ântigo Testâmento (...). Os cabalistas fizcram
os cálculos e dizem que se eslava falando explicitamente o nome ]esus.
o dramajá é anünciado de antemáo. Aquele individuo, que é portador
da verdade divina, cle náo é somente o portador, é aprescntado como
a própria Inteligênciâ divina. Náo é alguóm quc capiou âlgo- Desde o
inicio ele disse: "Eu sou o Logos, sou o Ve.bo diüno, e por causa disso
vão me matar".
Aí já náo é mais só o teatro que virou rcalidade. À verdade que
cra aniecipada, de certo modo no teatro grego e vividâ nos momentos
linais de Sócrates - aparece ai náo só como üm acontecimento, mas
como o acontecimento ceniral, de ta] modo que toda â explicaçáo da
vidâ humânâ estará contidanisto. Écomo se mortc
avidâi apaixáo e a

de Nosso Senhor Jcsus Cdsto cxplicassem retroativamcntc o quc se


passoucom SócÍateseo que notcÂlrogrcgo. Qücmassistissc
se pâssou

à peça no teatro grego ou visse o quc sc passou com Sóc!âtcs podia


ceÍtamente considerar esses âcontecinrentos muito importantes, mas
dificilmente teiia a idéia de explicar ioda a histí)ria a partir deles. E pioÍ,
â hisiórianáo apenas se desenroladcsta maneiÍa anunciada com muita
antecipaçáo, mas o próp o personagenr, o próprio Cdsto, com bâstan-
te antecedênciâ explica o que vai acontccct como â coisa acontecet e
depois rcssuscita para confirmar âquilo. Ressuscita e aparece pemnte
um monte de gentc parâ dizer: "Olha, se ficoü alguma dúvida, se âinda
vocês náo entenderam aquele negócio.,.".
No teatro grego, você viu a histódâ, pode entender, tem aquele im-
pacto. Mas isso náo quer dizer que vocé tenha comprecndido. Aristóteles

2l
dizia que o teatÍo, a arte narrativa, a arle dlamática. nada ensina, mas
deixÀ em você um proíundo impacto. Esse impacto é a âtuaçáo do dis
curso poótico. Ele ainda náo uma intelecÇáo. ó umâ matriz de muitas
é

intelccçóes possívcis. Vocêpodepassar o rcsto dâ vida pensando sobre


aquilo, mas iniciâlmentc náo entendeu é nâde, apcnas percebeu. O teatro
vai impactá-lo como um lãio, üma coisa que acontêcêu.
Aquele que assistiu à morte de Sócrates tambérn ficou impressio-
nado, mas isso náo quer dizer que tenha compÍccndido. Ele sempre
pode achar que aquilo Íoi coincidênciai 'Ah, foi um azar desgraçado,
sc SócÍâtes tivcsse fugido...". Sempre tem um "se", podiâ ser de outro
jeito... 'i{ntÍgonâ podia desistir daquele negócio"-.. "Eles náo podiâm
ter sido convencidos a agiÍ dc outra Ínaneira?" No caso de Sócrates,
clc podcria rcr dàdo nr' pcr pudcria ter dado umâ propina para os cara<.
poderia tcr sido diferentc...
No câso dc lesus Cristo, nâo, iá vinha anunciado de ântemáo. E
depois ele aindâ Íessuscita pâÍa dizer: "Olha, sc náo entendeu o que
Jl se pas§ou, e1r ainda c§tou aqüi para dfi mais uma explicaçáo" Esse
1ênômeno do indivíduo hümano, o indivíduo real, de carne e osso, que
éo poriadoÍ da Verdade divina, por causa disso enira em choque com
üma outrâ verdade cxternâ que também deriva da Verdade divina, quc
nAo é uma coisa do diabo, náo foi o diabo que inventou, é apen.xi umâ
Palavra divina antiga cristâlizada em instituiçóes, leis, etc. - poÍtanto,
iá náo tem aquela flexibilidade viveÍte da alma do individuo. No caso
do Cristo, iá náo é nem um indivíduo que tcm uma flexibilidâde vivcnte;
ele mesmo disse: "Eu sou â Vida". Quer dizer esta âl
aqlremanifesta
entre nós a prescnçâ da Inteligência divina, elâ é a próprjâ Vida. E o
resto? Bom, o resto lbi vida antigamente, foi vida mas já morrcu- 'lÀs
leis, as instituiçóes, tudo o que vocês fizetâm aí, no começo dc tudo isso
ai está o qüê? Está a Vida divinâ. Foi Deus que criou tudo isto."

z2
JAlunâ: E essa irlsisÍârcia em lalat ilo Ctislo hislótico a loda horu
é uma tentatiaa de iqualá-Lo a üfi Sócrules.l
Mas se o suieito fala "CÍisto histórico", úo scido quc ele eslá falan_
do. Todo o Cristo é histórico, evid€ntementel O quevocé Iê no Evangc-
lho? No Evângelho tem doutrina? Náo tcm doutrina algumâi tem uma
naIrativa. Esse Cristo de qüe falamos, o Cristo Logos divino, tem que scr
a-histórico. Agorâ, se você quer distinguir entre um indivíduo qualquer
chamado Cristo e o Logos divino, entáo foi você que cortou a históia
cm dois- PoÍque isso náo é a história de um sujeito que lbi crucifrcado.
Crucificado tem um bando dcgcnie. Não foi assim queaconteceu. Não
tinhadois ladrôesqueforam crucilicados com ele? Porqueo Iadráo foi
crucificâdo? Porque náo conseguiu dar no pé em tempo. Agora, Cristo
náo, ele jávinhâ anunciando: "Olhâ, eslá aqui anunciado na Lei e nos
Profetas que vai âcontecer assim, e não adianta vocês quererem me tiÍar
da encrencâ...". Esta é a verdadeira histódâ.
Isto quer dizer que não é possível sepaÍar o sentido do âcontecimento,
por üm lado, da mateÍialidade do acontecimento, por outro, que essa
materialidade materialidâde do próPrio sentido. O que âconteceu foi
é a

exalamentc o quê ele disse quc ia acontecet Entáo, queÍerdisiinguir, de


üm lado. um Cristo de carne c osso o, dc outro lado, o Cri§to dadoutrina,
se fosse assim â coisa náo poderia tcraconlccido. Tcria que seÍ um mi_
lagre muito maior do qüe a ressuüeiçáo dc Nosso Senhor Jcsus Cristo
Porque, olhâ, iem aqui um indivíduo quc náo está sabendo de nada, é
um câra como qualqu um, idiota como qualqucr um de nós. Ele foi
crucificado e criaram um culto em torno dcle, e, por uma coincidência,
acontcceu tudo exatamenie do ieito que estâva nos prolêtas e que ele
disse que ia aconteceÍl Foi coincidênciâ? Mas é mâis fácil ressuscitar
do qüe fazer isso! Quando aparece um camarada dizendol "Náo, aqui
vamos fâzer o quê? O Cristo histórico..." com esta nuânce de separâr
o Cristo histórico, mateÍial, etc., do Cristo espiritual , eu digo: "Mas
esla separaçáo só existe na sua cabeça!".
zt
l|luna: Que o Ctisto espíríÍual é "obieto de Íé" só, e que não..-l
Ah, é! Âinda iem essa... Quer dize! tudo aquilo que os proÍetas
diziam já em tüdo "obleto de fé": um sujeito acreditou nisto, depois
outrc acreditou, depois outro, e, depois, por uma baiia coincidência,
âconteceu tudo âssim. E aconteceu pior, pois o próprio suieito disse
que iaacontecerl É ciaro que isso é uma coisa de idiota, é uma coisade
criança, Temos que entender que a vidâ, a parxão, a morte, a ressurreiçáo
de Nosso Senhor lesus Cristo sáo um fato. Àconteceul Náo é Eeciso
entender. Isso náo é uma doutrina, não é um objeto de fé, é uma coisa
que âconteceu. É mais difícil negar isto do que aceitar. Se você nega
que foi assim como elcmesmo disse quc seria, entáo é porque você tem
uma outra explicaçáo. E você tem que me dizer que a süa explicâçâo é a
mclhor- Àgora, sua cxplicaçáo comcça por exigir que cu creia num tecido
de coincidências absolutamentc impossívcl. VoLê está me exigindo mai3
lé do que Nosso Senhorresus Cristo. Ácredito em Nosso Senhorlesus
Crisio porquccle só pcdc pâra eu acrcditar num negocio que aconteceu,
e você esiá pedindo parâ eu acrediÍr numâ coniectura que é uma ver-
dadeira loteria espoÍtival Você podetercerteza, sempÍe que entra esse
negócio agnóstico, maierialista etal, o que está em jogo, no tundo, é só
uma coisa: burrice. Burice mesmo, faltâ de inteligência!

ÍlJrÍro. Pot qüe o se hor acha que essas inaestigações q e Íentam


Íazer aÍespeito ile tu "Cristo hisÍótico", que seia u 1horhetn cotfi m,
se conce l tm semprc em aspeclos lécnicos, por etemplo:'Ah, oou
pe*at o Santo Suürio e oet qual é a iclade dele", cono se tosse para
ífiúestíEat üfi ho ticídio, e hão @m aÍifi1ações fiais ou rne os lógícas?
Potque isso é bastante ü,gico, é mais íácí1...)
O Santo Sudário não iem aver com a história, pois aparece muito
depois. São Justino não sabiâ que tinha Santo Sudário nenhum; Sânto
Irineu náo sabia, Clemente náo sabia, Orígenes náo sabia. Eles váo ser

2+
Iru Í,s clistáos por caüsa disso? O Santo Sudfuio náo iDlluiÍem contri-
lnri. Você podc invcstigar num monte de coisas. mas o prcblcmaó estc:
qu i tcnl uma hisiória que é relatada por testemu Dhas que estivcram lá
(i quc â contâm numa ordem que coincide exatamente com aquilo quc

usscs profetas ünham dizendo desde três mil anos antes!

ÍAlnno: Toda mundo tínha combinado, fiao é?l


Ádemais, ainda ievc que combinar com o leproso para ele curar:
''Olha, você vai lá e frnge que se curou", ou, entáo, "Você, pelo poder
do pensamento positivo,.,". Vou acreditâr que o pensamento positivo
do leproso o curou? O leproso, que já está todo ferrado, dc repente
dquire esse poder miraculoso de se curar pelo pensâmento positivo?
É um negócio tão rebuscâdo e táo artificioso que denota idiotice.

llJlJno: Mas existe também a catrcnle mais haÍd q e hos ÍaLa que
ào é coi cíiLência, que consl títafi a hislótia que aparcceu, daí...
cotfi o lempo...l
Isto, construíranr, porque naquele tempo iá existiâm âgências de
publicidade, tinha o Duda Mendonça...

I{lvna: EIes pla tarun prcaas pelo mundo i teifi.)


Veja, a técnica publicitária foi todinhâ inventada a partir do fim
do século XIx- E mesmo âssim falhou. Tem um monte de câmpanha
publicitária que falha, ou seia, lançam o produto, o prcduto "vai pro
brcjo"... Eles queÍem nos Íazer crer que anies disso! no tempo cm que
náo t!nha técnica publicitáriâ nenhuma, existia uma técnicâ publicitária
implícita, inconsciente, que funcionava e que criou ôs prcfetas, os sanios,
etc. Orâ, o sujeito, para acredrtar nisso, precisa sff muito pueril, muiio
infant . É sempre a idéia de que a desconfiança é sinal de mâturidâde, e
a confiança é sinal de que você é um atrasado, um caipira. Náo, depende

25
do tipo de descon6ança, porquc cssa desconflança qucvocêestá iendo,
cla me exige uma confiança muilo maior

l{lü,aa De lananho i+ual à esna desconliatrya que rccê íem de


Íatosaíé anteriores. Eles ificlusi.,e lên íalos hisltSticos descrííos antes
que as pessoas cofitien piamente, cotfio se aquilo losse Íato. E disso
nao Íêm a mesÍna---]
ClaÍol Na vcrdadc, essa desconfiança, essa suspicácia moderna
perânteos dados da Revclaçáo, prolundamenie crédula, porque exige
é

acrcdilar em muito nais coisas do que a Rcvelaçào está pcdindo. A


Revclâção cstá dizcndo o seguintc: o homem eü Deus, era o Verbo
dc Deus, c âcontcccu isso âssim... c ele curou o lcpÍoso, moüeu e rcs_
suscitou.... Agora. querclll que cu acrcditc numa loteria esportiva, nâ
cxislência dc a,.aancias dc puhlicidadc etórcâ§, inrateriais, que criâram
tudo isso med iante aq uclcs processos dc "violência simbólica" do Picrrc
Bourdicu, "impos;çáo de discurso" c nào sc; o quô. Corno ó quc o Pâpâ
faziapâÍa "imporum discurso"? Vocêpensaque iinha a Red{: Globo de
'Iblevisáo, o Papa chcgava lá e fàlava e 700Á da audiência ouvia? Não,
o Papa falâva um negócio quc, para chegar nas igrejas lcvava anosl Se
o cara que está na Igrcia, diSamos, na lÍlânda, durante a vida, depois
que ele tbi para a Irlanda, se ele duâs vezes na vida receber notícia do
Vâti(âno, muiio. Então, como óque podia haverviolôncia simbólicâ aí?
é

Parâ náo aceitaÍmos um dado miraculoso, pedcmquc agenteaceiteum


universo inteirode suposiçóes miraculosasl Entáo, a1é por uma qucstáo
dc prcguiça, prefiro IicâÍ tom a Rcvelâçáo mcs!Ío Não é unl problema
de fé, estou dizcndo uma coisâ cieniífical

l{lünà. Nào, Chesterton està íítbndo aqui: "Caso üocê nao acrcdile

em l)eus, aocê acrcdíía e tudo o mais". I

2l
É isso, quândo o sujcito dcixa de acreditar cnl Deus, náo é quc ele
nar, âcrcdiiâ cm mais nada. cle acrcdita em tudo, até em história da
carochinha, em Papaj Noel, Dudâ Mendonça. cic.

ÍAlt)no Mas fia contparação que às úezes eu aeio 1rão é úesse selllído.

O que esses hisloiadores usam não é de que Íoi uma nlontagefi prcposilal

com o i tuito de engatrur, elc- Eles putía,n o eÍefiplo daqueLa...)


Não. ioi inconscienie

lAluno: NAo. nas Íat béÍtt nào esse se lido. F'Les peqafi. por
exefiplo, aqueles ercfiPLos de suíras hislóticos budisÍtts que peqam
um perso aÉ9fi real, por ercfiplo, o rei Asoha, e aí se constúi toda
üma üercão ertrefia teflleníÍica da históia dele: "E haüia etércílos
que saíram do solo e combateram.-.". Cofishoem loda utna históia
tnílica e totfia de um perso agefi real, mas essa consÍruçào, essa
rcpresefitaçào. ..1

Mas ai. no caso, você ó capaz de disiirguircntrc os lãtos históricos


c a construçáo mítica cm torno. Aconlccc que ali nao é isto que acon_
iece; é o próprio Cristo quc cstá dizcndo: "Eu sou o Vcrbo divirro, vou
nrorrcr, vou ressuscitar". É clc mcsmo quc cstá dizcndo na hora que a
coisâ aoontece, Isso náo lbi âcrescerltado dcpo;s nada foi acrescenta-
do depois. Tudo o qüe se clâbora. todâ a claboraçâo doutrinal, é fcila a
partir desses primeiros testemunhos E, ürais aindâ, ê quase to1âlidâde
dos testemunhos foi rejciladapoÍ não cstarmuilo consistcnte. Quando
se licoü com quâtro evangelhos, é porquc se dizia: "Esses qualro aqui
estáo confirmados, sâo pcrfeilamente concordantes e náo tôm malu_
quice". Havia dczenâs de evangclhos, mas os camaradas misturêvam
suas interpretaÇões doutrinais, ao passo qüe csses quatÍo Íão fazem
interpretações doutrinais; eles contam a coisâ e pronto. Agorâ, se o su-
ieiiocomeçavaa claborâr'em cima, poeticámcnte. Íalavam:'llnláo, não,
isso aí náo selve".
2..1
Os quairo cvangelhos foram selecionados náo por umâ questáo
doutrinal, mas por uma questáo de documentaçáo. Náo que os outros
sejam "discordantes"; eles tambóm são concordanles, §ó que eles âcres_
ccntâ mais coisâ. Nesla scParaçào dos quatro evangelhos válidos e
dos outros inválidos, nâda foi colocado 1á dentro, loi é tirado! Pode

ser que seja verdâde tâmbém, mas náo sabemos. Âh, tem o evangelho
de PedÍo, o evangelho de Tomás, o evangelho de Fulano, de Belirano,
tem um monte de evangelhos de pessoas que contaram a história a seu
modo- e essas botaram coisas a mais. Esse "a mâis" foi tirado. Agora, o
que está aqui também está nesses outros. Esses outros também sáo
concordantes com estcs, só que sào discordantes €nire si em outras
coisas... Quer dizcr, foi por um processo de críiicâ históricâ que a lgreiâ
separou csses quatro.

lÁlunor Álids, a llreia ile üez e qua do tafibém peqa al\um


elemento tlesses outlos e lala: "Não, esse daqui rcalmetlle parece que
aconteceü", como a Assu ção de Mati|.l
Claro, pode ler sido e pode náo ter sido. A As§unçáo de Maía, foi
ou náo foi? Uns dizem que sim, outros dizem que náo, outros náo ía-
lam nada; eÍiáo náo é necessiiio a gente decidir. Âgora, existem esses
quatro e existe o testemunho orâl que foi transmitido dentro da Igreja
por muita gente, e quc é tão impo ante quanto o Evangelho escrito:
"Esies quatro aqui que aparecem entrc trinta e qüaÍenta anos depois
-
dos âcontecimcntos sáoconcordântes náo só entre si, mas com o que
nós da Igeia sabe os- Nós também estivemos lá, também vimos". O
motivo da exclusáo dos outros foi este: é porque eles tinham coisas a
mais que nâo dá paÉ se sãber se é verdade ou nãoi vamos frcar com a
narÍativa mâis simples, ainda que com o dsco de Perder detalhes que
podem ter sido até impodantes- Sáo importântes, mas incertos.
E veia você que lala da construçáo: uma construçáo dessa leva

z8
séculos. Ente a moÍe do rei, tem Iá um personagem, daí os suieitos
l'omm IloÍeando depois. t eva muito temPo, e é preciso tel esquecido a
história Íeal para poder floreâÍ em cima. Agota, ali náo foi lloreado nâdâ,
não tem absolutamente nada a ver uma coisa com outm, sáo prccessos
completamente distintos. Mas o sujeito, quando quer sermuito esperto,
acâba frcando é trouxa. Você vâi desconfiâr da coisa, mâs me dê um bom
moiivo pam desconfrar Por que vai suspeitar? O suieito que está fâlando
é louco, émentiroso? Náo, náoé. Estáganhando algum comisso? Náo,
tâmbém nâo está. Entáo, por qüe vocô vâi desconfiar?

paru ser aerdade i


LlJüno: Palece que dizem qüe é bom demaís
É bom demais para ser verdade. A8ora, se eu contasse para você:
"Olha, o negócio é o segrrinte, tudo isso aí é mentira, foi o diabo qüe
inventou só para sacânear com você", aí você âcredita PoÍqueâcredita?
Porque tem medo.

ÍAlüno: O sefihot hao achcr certo que a dísíâficia no Íempo acabal


críando uma certa descofiÍíança? Porque hoie efi dia é müito comum
a Eente úer as pessoas arE tnentarem: 'Ah, mas, erltáo pot que mois
fiifiguém rcssuscita? Nu ca ow)i íalat de alguéú1 que tenha rcssuscí'
tailo"- Ou, então: "Nüfica t)i ninEuém ressLtscilat".l
Porque náo é pâra ressuscitar mesmo! Se rcssuscitarfosseüma coisa
que acontecesse para qualqueÍ um, quâl seria a nÔvidade ali? E, anies
de ressuscitar, já tinhâ feito o outro câmarada rcssuscitar: "Se eu fiz
com cle, por que náo posso fazer comigo?". Esse negócio de Lizaro,
tinha centenas de pessoas lá que assistiram. E náo tinha lá nenhum
publicitâio, náo tinha nenhum jornalistâ de O Gloóo para inventar his_
torinha, náotinha!Ou seia, ahistódâ nos parcce contada com Ézoável
fldedignidade; é uma história que vocó náo entende...

29
lAlrrno: Mas os míbgtes têfi ufi asrycto relórico maís do que
áo
de proaa? Porque, se noquelo época ocafiiam esses fiilagtes, Íessur-
ÍeiçAo e ouÍras coisas assim, é porqúe haüia uma necessidade, üamos
.lizet ass,rl, ile ufia espécie de conoencime lo, pois nào haz)ia uma
doüttifia paru üocê estu(htl
Mas, esperâ aí, você vai r€ssuscitar o sujeito só para convencer os

ÍNuno, Náo, nào estoü dizeddo isso. Mas, enlâo...1


Se o suieito fosse câpdz de ressüscitar, ele não seria capaz tâmbém
de inventar um discurso mais convincente? Náo é possívellAdemais, o
milagre como meio de convencimento é condenado por Cnsto da maneira
mais taxativa. No Evangelho se diz que os gegos, para acreditar numâ
coisâ, exigem uma demonstraçáo matcmática, e que os iudeus exigem
üm milagre e os dois sáo malucos, porquc simplesmenle a coisa está
acontecendo. Qual é o motivo que têm para duvidar? Ademais, você
náo vê nenhum, nenhum esloÍço de convencimcnto em paÍte alguma
do Evângelho.

IIJüÍto: Eu pe sei assim: quando aocê já tefi ün cofihecifiento


ila doütuina rcLigiosa, não prccisa de üm íato d.esses.l
\,las a doulrina rcligiosa apârtlc milenios depois. f islo quc c im-
portante entender- A doutrina cristã íoi sendo elaborada ao lonSo dos
tempos pelos concílios, pelos papas, pelos douiores, etc. Note bem qu€
náo houve propagaçâo de doutrina. Você sabe o que é "cvangelho"?
Evangelho quer dizer "uma narÍativa", ó uma noticia, uma notificaçáo
de algo que aconteceü. O que Cristo mandou eles fazerem? Ele disse:

"Olha, você vai e conta para os outros o que aconteceu"- Náo se tIata
de pregaçáo doutrinât. A pregaçáo douidnal começa aos poucos, com
os apologistas, já quase um século depois. Todo o esfoÍço retórico foi

30
fcito €m seguida; â gente conhec€ todâ â históÍia dele, e podc recompor
passoa passo- À âpologética ctistã, o quc ó? É a defesâ retórica de uma
doutrina já mâis oü menos assentada, c conhecemos a hislória disso
pâsso â passo. E tudo isso náo tem nada com o Evangelho, ó müito
posterior
É iambém a confusáo, porque as pessoas vêem isso hoje- como é o
ícnômeno religioso? Bom, você liga a televisáo, está lá o pastor R. R.
SoaÍes, ou o pastor Fulâno de'Ià1, o Billy Graham, o limmy Swaggart,
qualqueroütro, expondo umadoutrinae usando meios reióricos. Porque
vocêvêisso natelevisâo hoie, vocêachaquetudo começou âssim. Mas
nenhuma religiáo começou âssim; isso ó impossívcl. Pâra que um dia
exista um pastor R. R. Soarcsfâzcndo discurso religioso, a rcligiáo tem
que existir. Você está conÍundindo um processo de propagaçáo muito
posleÍior com a origem dâ reliSião. Essa é outra confusáo que muitos
desses historiadorcs cientíEcos fazem. Nenhuma religiáo aparcce como
doutrina, nenhuma.

ÍAfuno O Semõo da Monta ha não seia o embrião de üma dou'


tifia ctistà?l
Náo, a doutrina só pode scr elaborada posterioÍmentc, isso tanto
no cdstianismo quanto em qualqüer outÍâ Íeligião. Moisés, o que fez?
Chegou lá com umadoutdna? Náo foi isso! Elc disse "Olha, o negócio
é o seguintei estâmos âqui prisioneiros c sci como é que a gente faz Pârâ

escapar"- "Como é que você sabc?" "Foi Deus que me contou."


- -
"É louco!" Náo foi assim? Ou scia, ele convence os câm&adâs náo
-
de umadoütrina, mas de umâ possibilidadedc aÇáo;empreende aaçáo
e dá bom resultado. Quâl era a doutrina cm que eles acÍeditavam? Dou-
trina náo tinha; até os Dez Mandamcntos vierâm depois disso. Pdmeiro
acreditaram emMoisés enquanto ]íder, enquanto chcfe, enquanto güia.
E doutrina? Moisós náo tinhâ doutÍina alguma! Á doutÍina se forma aos

3l
poucos, e quando começâ o negócio da aPologética religiosa é porque
â religião já está velhâ. Se Moisés âparecesse aqui e dissesse: "Olha,
vou resolver os seus pÍoblcmas", e você vai atrás do cara e ele resolve
os problemas mesmo, você náo ia prccisar de nenhuma apologética,
porque a coi§a;á está acontccendo.
Passado muito tempo, a rcIerência à religiáo vai se tornando cada
vez mâis indireta. Ela deixâ de ser um objeto de experiôncia diÍeta e
passa a serum dado decultura entrc outros dados de cultura que estão
aí mesclados e empilhados. Náo é assim? O que não se pode lãzer é
projetar reiroâiivamente a situâçAo po§tcrior à situaçáo oriSináÍia. Se
pcgârmos a história das oÍigens islâmicas, a Revelaçáo islâmica pros_
segue duranie vinte e oito anos, que é a etapa da formaqáo da pÚpÍiâ
comunidade. O texio do Coráo vai sendo clahorado iunto com a história
dacomunidade islámica. Entào, nào é que esse suieito chegou com uma
doutrina prontâ, começou a prcgá-la e dâi tez a comunidade. Náo, náo
lbi assimi ele náo tinha doutrinâ âlguma.

ÍAlnnot você che4ou a comentar isso daí uma aeZ- Qüe os proleías

sâo glandes fiisÍérios, nôo é? Vem o suieito, que lalo: "NAo üafios
maís", e loila mundo üai...1
Um historiador da cultuÍa, ou historiador da religiáo, qüe encara o
profetacomo se ele lbsse um prcpâgandista dc doutrina é um indivíduo
dcumaburrice que, paramim, chega a scr impensável. Mas como é que
cle foi meier essa idéiâ na cabeça? É umâ projeçào inlãntil: ele vê um
progüma na iclevisâo e achaque areligião aparcccu âssim. Náo, assim
vocô pode inventar uma pseudo-religiáo, claro: compóc umâ doutrina
na suâ casa e dai contrâtâ um pÍopagândista para Íâlar Àí, sim. Temos
o reverendo Moon e tal... Mas, espera aÍ, qual é a hislória, a epopéia
do reverendo Moon? O que ele fez? Náo fez nâda. Só inventou Iá um
negócio e começou a Iazer propaganda. Como é o cara dâ cientologia,

32
o que cle fez? Sentou cm câsâ, escreveu, c dâí começou a fazer propa_
gandâ. Allan Kardec, o que fez? A mesma coisa.
As religiôcs de Iato náo começam com doutrina, nenhuma começa com
doutrina. começam com um fato. o que este lato diz? As pessoas quc par-
ticiparam, que estavam lá perto, não seriam c{pazcs de expor o qüc aquele
taludi2. O conreudo intelcctual, doulrinal,leva séculos para se expressar' E

um tremendo esforço de inierpretaçáo que se faz depois, poÍque a doutÍinâ


sc íorma depois. Tanio que â fase de formalizaçáo pode ser considerada até
o momento de decâdência da religiáo, e é um negócio ató peiigoso.

lAlüno E as epístolas de Paulo? Já ttào sào u a Íorma cle cofitar


üfia doutiúa? Ou é de uhl...l
\áo. A qudle lolalidâde delas sào instru(oes morais para o govcrno
da comünidade, náo sáo doutrinâ.

IL1rJüÍL,: Sõopti cípíos que aão...)


Sáo regÍas morais. Ainda náo sáo pÍincipios, porque náo têm o enun'
ciado de princípios no sentido doutÍinal; sáo noÍmasr "Façâm âssim,
façam assâdo, náo façâm aquilo, cvitcm aqüilo ouiro...". Náo ó assim?
o lempo todo sáo normas. consclhos. ctc. vocú nao vó uma cxposi(do
doutrinal no Evangelho intciro- O Evangclho é uma primcira nanativa
dc um fato, e só.

ÍAluna, A iloutrina é, efitão, um eslotço íle íntetpretação desses


documentos: eaanqelhos, cartos...]
Posterior Uma doutrina tem que se exprcssal em linguagcm e§iabi-
lizâda, concciluâ|, e dotada de univcrsalidâde.

I AfúÍro'. Potque são ufia ínteryrctaçao lóçica?l


Claro, é uma elaboraçáo lógicâ, uma etpre§são lógica.

l3
lAl..lno: Nio seria, e Íão, sinples poética...)
Você vê que tem quc passar pela narraliv poótica. A primcira nar_
rativa é poéticâr O que aconteceü? Foi assim. assim. âssim. Existcm
muiias manciras dc contar, e por isso cxistcDr vários evângelhos Cada
um qucviu acentuâ um lado, por isso tl:m nuilos cvangelhos. E dcpois?

Bom, dcpois...

ÍAlunà, LLes fiinistran, há ptincípios moruis q e 7,ão...1


Lu só uso a palavrâ... É porumaquestão dc palavras: só uso â palavrâ
"princípio" quãndo sáo p ncipios de ordem doutrinal; rcgras morâis,
eu chamo "normas'ou "regras".

[Í\1úía: O üincípio do amor ao pÍórimo, prificípios de busca do

É, mas esses principios, cnunciados assim, iá sáo doutrina. Note


bem, Cristo náo enuncia nelhunr princípio; clc diz: 'Amâi-vos uns aos
outros comoeuvos amei". É fácil pcrccbcr quc islo náo é doutrina. Está
dando um modelo vivo. E sc vocô perguntar...

IAlrna: Mas cttl cona púrcípios noraís?l


Náo. esse náo é um princípio moral, ncssc scniido.

lAluna: 'Áraai-zlos u,?s aos oulros" é Íalfibéln?l


Istoé, pode-sedizer, umâ norma. Mas esla norma. cnunciadaassim,
náo iem conteúdo inteligível slrfici€ntc. Por quô?

l{lüno Isso potque e ão lefiho cotfio saber como ek amou.l


Comovocêânou? Conrc é o amorde Crisio? Vocô precisariâ enunciá-
lo, isto éi "cristo amou a§sim, c é assim que você tem que amar". Bom, aí
virôu xmâ noma rnoÉl mesmo

t+
(lualó odiscurso da linguagcm bÍblicâl)ll urr tcmrogrcgo chânur(io
/íiltrlú. o qucrigmâ ó Lrl]l intcrmcdiárn), unr nristtrtl (liiÍ(il dc (li§
(cnrir cntrc o poético e o retórico. 'l oda â ltiblir r.j oscrili' nssifir. lil
llilrrâ, aprcsentâ e exoÍla, mas nao chcga a dcl'iDir rixâtanrcntc unrl
rÍ)rnra no senlido racional explícito- Cada ordcnr dÂda, ou p(n lcs(ls
()'isio no Novo Testamcnlo, ou por Deus Pâi no Antigo TcsianrcDt{).
§ scmprc cnigmáticâ. Por quê? Porque ela tcnl muitos scntidos. I\4as
urra doutrina nào pode ser plürissensa, tem que ser unívoca. Conro
a que se vâi pegar esta fórmula compâclâdâ e descompâctá-la pârâ
transformar numa doutrina univoca? Isso dá um trabalho miserável,
lcva tempo. É por isso que é inteitamenic absurdo se âchar que umâ
rcligiâo começa com u ma doutrina; isto é materialmente impossivel, â
não serque seiauma pscudo-religião:você invcntaa doutrinâ em câsa
c começa a falar. Mas é o ial negócioi Santo Tonás de Aqüino dizia
que falamos c escrevemos com palavras, Deus fâlaeescreve com fatos,
com cojsâs. com atos. O discurso divino é indisccrnívcl dos làtos quc
o cnunciam; por isso lllesmo nàuteú aquelâ intcliSibilidâde imcdiata
da doutrina, mas tenl o inpacto do íato rcal.

llJj;,'lo E é aí que esÍá a u iüersaliílodc ln nthinl ? Qtún do conleça


a Ltirar Íloutri a a coisa ai se lruEltrcnlando ( ..)1
Claro! A doutrina você podc cxpor dc u icito ou do outro, daí já
comcça a surgir controvérsia. Claro quc sc podc chcgar a uniÍicar adou_
tr;na, mâs como é que se unifica? Atravós dc inúmeras controvérsias.
O que são os concilios senáo imensos palcos de contro!érsias? Dessas,
algumas podem serêrbitradas cicntificamenlc, ouiras náo. E daí, o que
o Papa faz? Ele produz outro fâto, vai lá, "convcrsâ" com Deus, depois
diz: "Olha, Deus diz que é âssim". "Por quê?" "lsso cu também
-
náo sci. Ele me diz que é assim, náo sou eu quem está dizendo. Ele mc
diz que é assim." O que é isto? É uma doütrina? Náo, é outÍo fato.

35
ÍAluna Mas os concílios etiste a ütilízaçào de üm mélodo día
lético.l
Existe. Existe toda a discussáo, com todo o criiério dialético, cien_
títico e tal, mâs às vczes, mesmo com tudo isto, náo se chega a uma
soluçáo, e quando náo se chega, entâo não tcm solução doutrinal. mas
tem uma dogmática.

lAl[]na, Mas aí o Íato e o do\ma Íium insolúteis?\


O dogma é um fato, cle não é doutrinà. O Papa vai lá, reza, se

recolhc, vai e daí diz: "Olhâ, Deus me disse quc é assim". Note bem:
nào é umâ coisa quc o Papa pen§ou, náo é uma elâboÍaçâo inlelectual
dele; é algo quc lhe foi imposto de alguma maneira. Você pode passâr
o rcsto da sua vida tcntândo iuslificar por quc é âssim. Aí você está
translbmando cIn doutÍina.
Uma doutrina tern quc podcr siir dcfcndida dialeticâmente. Como ê
que você vâi delendcr dialelicamcnte a Íessurrciçáo de Nos$ Senhor

Jesus Cristo? Você nãopode, porqueédado, óum tato,


nâoéumaidéia,
nào é uma opiniáo, náo é uma leoria quc você pode dcl'cnder

ÍNrno Você compra e... cotlo üocê não pode deJendeÍ lirctr mais
uma átaorc, poÍ exemPlo?l
Você náo podc defender dialciicâmente umâ árvore.

lAluno:Éisso,l..l
Lxaramentc A (huviL, u \ol. vo.,( nau poÍic Jclinder É um dadu E
claro que os dados podem scr falseados: você pode dizcr que uma coi_
sâ que acontcccu é u,na coisa que rrro aconteceu, mas isto náo é uma
discussáo doutrinal. ó umâ discussáo histórica. E se você vai disculir
csses dados da Revelaçáo crisiá, enúo toda a impugnaçáo de üm dado
ó teita porum motivo racional, nünca irracional: vocô náo pode rejcitar

36
o (lirdo só porque você nào gosta. Se cssa rciciçáo inlplica a adcsâo a
lriD(ltcscs mirâbolântes, enláo ch nao tcm razão dc scrl

I Alnna. Mas, aí que enlra SchelLing?l


Náo. Náo é matéria dc íé. Náo é mesmo. Sc cstou lhc dizo'rdr)l
Olha, âqui você lô o Antigo 'lbstamento c vê todo o encadcamcnto de
núncios que tcm...

l\lünai (...) aocê Íi ha dito afites que épela doulrina daquilo que
lao pode iliscütiilo dialeticamente...l
set
Náo1... Tudo que é doutrina pode serdiscsiido dialcticâmente, §im.
0 que náo pode é unl dâdo. Como é quc você discuie dialeticamente,
aí, o exemplo dele, umâ árvore? Só pode discutir aquilo que se diz a
rcspeito da árvore.

ÍAli)not E o que setÍa obieto de ié denío do ctístfuni§no?l


Já vou chegâr'lá. Veia, toda cstaâulâ âquj, essc assuntonão é filosofia,
mas é o enunciado dc um fato que tcve um impacto filosófico monslru-
oso, e até hojc esse impacto cstá ai. prescnça do cristianismo i mais
^
ou menos pârâ nós o que cra a presençado nrundo fisico pâra os Srcgos.
Scm pâssar por isso, náo se pode cntcndcr o quc âconteccu adiantc.
Mas, voltando: o que pode ser discutido dialcticâmentc é só o que se
diz, é oque se afirma;um fato, ou uma narrativa, náo pode. Se o §uicito
diz, por exemplo: "olha, está rÍe doondo aqui", como é quc você vai
discutir dialeticamcnte isso? Não ó possivel, é? Você podc negar; dizer:
"Vocô cstá fingindo, é mcntira", isso é ulnâ possibilidâde. Agora, se
o sujeito disser: "Olha, cstou com apendicite", isto é uma oPiniáo, é
umâ interpretaçáo queeleestá fazendo;cstá explicando a sua dor.. Aí,
então, isso se podediscutir: "Náo, istonão ó aPendicite, éouÍra coisa".
Entendeu a diferença?
l{lúa:A inprcssão não pode ser discutída. não é? Pot eÍehplo:
"Eu eslou cofi dor",l
Não, ela nâo pode scr discuiida, isso ó ulll fato. Ou é um fato ou é
mentira, ou é uma...

LAlunot A díscussao a rcspeíto disso não é unla discussao diaLélica;


ela í)ai set ufi pseuclo...)
Náo, pode ser uma discussáo histórica. Você está ncgando averaci-
dâde do depoimento. Por que negar a verâcidade do depoimento?

ÍAlanat Só com outtos Íatos que seiam-..)


Só com ouiros fatos que os impugnem ou com razoes que os
pugnem. PoÍém...

l/\JJJtio: Nao é una queslto deíé trcCar ü 1íalo, ao é?)


Náo, náo ó- Agora, sc para ncgar o fato você ó obrigado â recorrera
hipóiescs mirabolantes, entáo é umanegaçáo irracional. Se você nega a
veÍsão que o pÍópÍio Iesus Cristo dá de sua vida - "Olha, náo foi nada
disso que aconteceu; o cara não era o VeÍbo de Deus, não foi nada disso"
, entáo, tudo loi um tecido de coincidências muito mais mirâculoso
do que o que ele está contando. Pessoas alãstâdâs três mil ânos umas
das outras combinaÉm enire si para prodüzir um cfcito fictício no ano
zerc da era cristá. É táo absurdo, é táo estúpido, que náo há motivo
para vocô ilnpugnar isso.

LAluno: QLol é a atilude .los iüdeüs diafile desse Íalo?l


Esse é outro problemâ. Porque, se a Nova Aliança confirmava a an-
teÍior, isso que. dizer que a anterior podia scI cumprida de dois jeitos,
do ieito antigo e do ieito novo, senão a religiáo judaica teria acabado.
Quer dizer que umâ pârte dela, sob certos aspectos, ó absorvida na nova,

38
,[âs. sob outros âspectos, náo podia scr rcvoSàda- Aí §ürgc todo uln
jr)Io cntrc a Lei aniiga e a Lei nova, quc ó unra dâs coisas fiiLis bonilas
(la históriahumana. Pelosânos seguintcs, aquclcs quc li{ànr rÉ liirm la

anliga até hojc náo sabem o que fazcr com o iâl do Jcsus Crislo, c cste
c o grânale problemâ dahistória. É por isso quc a convoÍsão dos iudcus
c oonsiderada â etapa final da históriahumânâ. Na Bíblia, cstáâ§sim, o
lim do mundo é ântecedido pela conversáo dos iudeus. o que significâ
quc, sc tivessem se convertido, iá teria acÂbado.

l\l]ulnot Tbm Eefite que tenta plecipilat o processo, nào é? Em aez


de cofiuerter, te ta eliminat e p,í:'nlo.l
É, se matar iodos, dai náo temos mais esse problema.

ÍAhÃotMas ele ao acaba ttais?l

ÍA]J-lÍtà A sanlidade e o nunilo não acabam mais.l


Você pode dizer que ahistória do mundo é mcdidâ dai para âdiânte
pelâ relação entre a Lei aniiga e â Lci nova. Tudo o que sc pâssa na
história ocidental podc ser corrtado pclâ rclaçáo cnirc o princípio da
Lei e o princípio da Graqa, quc às vczes parcccnl sc idcntificar c às

vezes parecem sclântâgônicas- Isso ai Ú u rnislério que não me câbe


explicar. Eu sei que é assim.
A pârliÍ do advenlo de Nosso Scnhor rcsus CÍisio, todo o restante
dâ hisiória humana é medido por cstâ ÍÚgua: dc um lado tem a l-ei,
do oulro lado tem a Graça. No lundo são idônticâs, mas só no fundo;
na superfície da históriâ, às vezes aparecem como antâgônicas. Por
exemplo, uma coisâ interessantissiua: muitas das escolas gnósticâs
apareceram com a idéia de que seriâ preciso colocar um intcmediário
cntre este baixo mundo, que é o nlundo da Lei, da fatalidade, etc-, c
o Deus Eterno, que é o Deus da Graça. Para isso é que os gnósticos

39
inventamm outro Deus, que ficavâ no meio. (...) por quê? porque eles
estavam vendo uma contradiçáo entre a Lei e a Graça. Entáo diziam:
't{h, entáo iem um Deus bom e um Deus ruim,,. Esse já é um efeito
colateral disto aí. Quando, por exemplor um povo opta pelo socialismo,
o que ele estiá fazendo? Está dizendo: ,âqui vamos fazer um negócio que
vai estabelecer a total unânimidâde junto com a total espontaneialâile e
liberdâde". Náo é isso que estáo prometendo?

ÍAlnna: Ufia sociedade peieita_)


O que ó isto? Isto é: "Vâmos dar um jeiio entre a Lei e a crâça,,_
Âinda estáo vivendo esse problema, quando cabe a nós saber que a
solução deste enigma só Deus tem, nós náo temos. Sabemos que, em
algum ponto, e de âlgum modo, a Lei e a Graça se articulâm, Como.
isso eu náo sei.

lAlüno: Aí isso é questão de té?l


Náo, isso náo é uma questão de fé, é questáo de lógica. Devem se
articular porque vêm da úesma fonte. E como dizia Santo Tomás de
Áquino: "Deus náo pode rcvogar a lógicade Aristóteles,,. Deüs é onipo,
tente, mas isto náo pode fazer. E, por outro lado, vejo que na prática eles
lêm connito, mas tâmbém o conflito náo é constante. pelo laalo lógico,
v&s€ a nnidadc da Lei e da craça - e no mundo empfuico, orâ se vê a
unidade, oÉ se vê a contÉdiçáo. Â unidade está predominando, Ínas
náo totalmente, Tem um monte de coisa que a gente não entende. Mas
náo vamos entrar em consideÉçóes sobre o fim do mundo; não é isso;
o objeiivo aqui náo é esse, nem é um curso de cdstianismo.
Para entender a histórja desse peúodo, a primeira coisa que se tem
que entendet é que o cristianismo, como qualqueÍ outm religiáo, náo
surye como doutrina, e o negócio dafé... Ora, o suieito chega com um
livro e diz: "OIha, você vai aüeditâr nisso porque é â palatÍa de Deus',.

,10
V()côvai acÍeditar pela confiabilidade da fontc: sendo a pâlavra de Deus,
clc náo vai mentir, entáo você tem quc ad€{itat Agora, por que cu hci
dcacrcditar que isso é a palavra de Deus? É também pe,a conÍiabilidâde
da tonte? Náo pode ser Acredito porque a fonte é confiávcl Por quc
acrcdito que â Ionie é confiável? Então se entende que a palavra [é tcm
dojs sentidos: deve-se âcreditar no que Deus diz porque foi Deus que
disse. Como éque se sabe que foi Deus que disse? Isto náo pode ser por
fó, tem que ser por oütra coisâ. Deus tem que dar razóes suficientes pdra
que se âceite que Ioi ele que disse âquilo, e pam que daí se acredite no
restânte do que ele disse também. Você tem que ter Íazõ€s Para aoeditar
numâ parie até o ponto em que descobre: "Entáo, espera âí, isso náo sou
eü, foi Deus que falou", daí ao resto você dá uma credibilidade, mesmo
que náo tenha provas. Está entendendo?

ÍlJnno: Mais ou fienos. O limíte é eio tênue ile ais- Onde acaba
a mi ha conÍiabilidaile, porque te ho Íatos suÍicientes paía consllbs-
tanciat essas... E onile cofieça, ,.?7
pai, e
Quando eu era moleque, viaiava freqüeniemente com meu
às vezes ele me deixava sentado no tÍcm e iâ ao bar tomar caJé, fumar
um cigafio; às vezes ele me mandava um recado: "OIha, seu pai falou
para você 6car quietinho aí e esPerâr que elc vai voltar". Muito bem,
acredito em meu pai. Mas como é que vou sâbcr quc foi meu pai mesmo
que mandoü o recado? Sãoduascoisas completamente difercntes: uma
é a conflabilidade da fonte. outÉ coisa §áo as razÕes de se acÍeditar
que a Ionte é exâtamente esta qüe alega scr A confiabilidade da Íonte
quer dize4 por exemplo, se Moisés diz para o§ indivíduos: "Olha, nós
viuno§ conseguir esetpÍlr daqui, mas tem um ieito", "Quem foi que te
-
ensinou?" "Foi Deus." Vamos acreditar poÍque foi Deüs. Mas como
-
équevou sâber que foi Deus? Isso quer dizer que, para que se acledite
no restânte, paIa que se acredite na pÍomessâ por fé, é necessário que
se acredite na narÍativa por outÍos motivos. Deu pam entender?
4l
LAlrÍto. Etlletdi.l

lAllJna Esses oulros notiüos do sAo questão de Íé 1

Náo pode ser questáo de íé. fem quc scr o tãlo brutall

[Aluna: Você tet l que ler íeconstituído alé o ruciacínia de "Potqüe


aqLtiLo lá teüe...".1
I
Ou vâi ser unla argumcnlaçáo racional, no câso dc você nào ter a
cxpedência dircta, ou vâi ter que ser um làto quo náo tenha ieito de
você negar É simples, vocó Iaz um tester pega cem pessoas crcntes
cem protcsiântes. catÓlicos, iudeus, qqalqucr coisâ ecemmilitantes
n,üiali.rds, nali§làs. 0 que vuce qufira. Pergunla Para Üs primciro!.
"Deus cosiumâ âiender às suas preces, ou ele scmpre diz qü§ náo só
para tcstar â suâ té?" "Não, lleus gcrâlncnte ateDde Dc vez em
- I
quandú lcmâlSuInrc8o(iuqu(,lcnai,ar(nd( (unâôrciporqu(. mds
ele devc saber." AgoÍa vocô pcrgunia para os outros: "Quândo foi que
estc regime pelo quevocô luta alendeu às §uas promcs§íts?"- "Nunca- '
"E você continuâ âcreditârdo? Isso é que é 1é!"
-
Você esiá en iendendo? Porquc se Deus nunca tivesse quebrado nleu
gâlho... Eu estou com 55 ânos, tudo que cu pcço ele diz quc náo, e eu
estou lá lorândol... Não éassim? E os caras que acrcdiiam cm sociâlismo
dilcmass;m: Ah o5ocialismorcül l(,i uma porca-ria. rrru\optu\iÍno\ai
ser bom". Haia fól Eu prefiro ter fó num Dcus que geralmentc atende;
de vez cm quando ele náo atcndc c faz um negócio quc cu também não
cstou entcndendo o porquô, mas como das outras vczes elc âlendcu, sei
que é leal, nàovai me sâcanear Todo crcnte diÍá islo: "Dcusgcralmente
atende''. Todos vAo dizer isso. Pode ser que algum diga: "OIha, nüncâ
fui atend;do"...
t

+z
ÍAluna Co Ío com urn Íato cutioso que não é ate dido: íodos os
meus colegas na l:acülílaile que conhecia m rn poltco 4 Bíblia goslao.tm
só do liütu ló, poqueeles achauan qüe aquiLa rclrulatta o que ela
àe
Deus, eo resto era ludo... Isso é Eerul, assiln.]
Ah, issoé incrÍvcll Só que acontccc o scguinte: Deus aproniou uma
paÍa Jó, mas aprontou depois deteratcndido àsprcces deleatéos sctenta
anosl De repente diz: "Bom, agora cu vou aÍmarümâ âquipâra você...".
I
Náo i: t o Abraao: '\ar,, ru !àij h \ü(rilrcar n lcu fillru . t menlira,
nãovai fazcr nada. Quântos anos t in ha Abraáo quando acontcccu isso?
Acrcditarnum Deus quc faz um ncgócio dcssc o tcrnpo todo, ilso éum
pcsadelol Eoiáo vojan quc Slalin, F-idel Câs1ro, Adolf Hitler nunca
cumprirâm nadâ, e o pessoal iodo cstá acreditando. Nào ó possÍvcll
A recusa dos dâdos dâ llc'velação é butrico, ó pura laltâ de inteli
gôncia, não é um problema de fé. A fé prcssupóe um conhecimento.
I
Suponha que você é o lepÍoso, e tcm Iá um suieilo que era ccgo c está
vendo, outro quc cstava morio Íessuscitou, ctc. Você diz: "Mas se o
camarâda fcz tudo isso, ele tambén podc curar â minha lepra. Náo
tcnho provâ nenhunra disso, dc que clc vai lazeÍ islo, rnas sei o que iá
fez. Além disso. estou vendo o horncm'.

ÍAl'rno: Mas aí en|ru a quesltto da tlaüatiüa: o àircito (...). lsso


aconteceu mestno?.-.)
Bom, entáo voltamos àquclc ponto: o que sc podc é ncgar o ies
temunho, a veracidâde do tcslenrunho. A ncgação da velacidade do
testemunho só é losicam ente viável sc cla é bâseadâ ou num ouirofato
que o impugnaou num cxarne râcional su licientc. Agora, se pâra negar
aqniiovocô logicamente teria que làzer urna consiruCào hipotéiicaúrüito
complicada, enlão a negação ó idioticc
t,

ÍAl]lj.,o: É, fias e se ao Íor üeciso Íazet essa neglçdo?l

43
Mâs é, pois é isso quc eu estou dizendo.

lAtuno: Nro, pois é. mas (...) é o seguínle: já estata tuilo isso


preúislo no VeLho 'Iestamento. Algumas pessoas íoram lá, peqatan
o que estaúa no Velho Testafienío e cÍiaru ufia histótia que Íosse
coincidefiÍe co t isso.. . (estou colocando islo hipoteticatiente) .)
Sim. e como é que cles fizeram para impor cssa história pâra todo
mundo?

ÍAl]Jnot Pois é. E cofi alqütts conhecimentos empíricos, ailda que


tudimenÍarcs. de téc icas (...) ele aai, como Aistóleles, avant lalcttre;
iá prcc?.dia a ciància modetna de, pot e;remplo (...).1
Sim, para isso você precisaria süpor quc houve um planejamento.
Ou foi espontâneo?

l{lrÍto A peryunta que Íaço é a se\uinte: essa hiyitese fiao é menos


miruboli tedoqueos ieiío set Deus?l
Não, essa hipótesc ó totalmente mirâbolante. Porquc isso âí pres-
suporia-.- Veja, uma operâção publicitária desse tipô náo nasce assinl,
tem que ser planejada, discutida, dá um montáo de trabalho, ó preciso
treinar as pessoas para isso.-.

IAl]Jno. Ou let sido ajudada poÍ ufia série de acasos.-.1


Acasos? Entramos na "loteria espoÍtiva". Vcia pcla lei das probabi_
lidadcsr é mais fác,l o sujeito ressuscitardo quc acontecet ludo isto por
uma seqüência de acâsos qucváo se encâixando, encaixando, encâixan-
do... Náo é possívcl. É mais lácil se aceitar um dado cslrânho do que
umâ multidáo dclcsl A hipótese da conspiraçáo é âbsurda. Essepessoal
vivia se reunindo c conversando, u iãzia pÍegaçào para o outro. Você
não vê em partc algumâ um único documcnto dizendo: "Olha, vamos

44
, r)nlhinar dc cnganar o terceirc". Náo lcm nonhum tcstclnunho. lliio
t.Dr umaata dessas reuniócs. Econlo ó qucvocôvai lazcr um plârn, táo
((nnplcxo e mantcr tudo aquilo na mcmó â?
como no caso do Hitler:"Náo, elc nào sabia quoos ca.às csl vanl
F:

rrirlandoosiudeus". Olha,vocêtem que ter alguDra prola dc quc lx)uvc


Um plânejâ,nento- Por exemplo, aqui iem um campo dc lonccnlrâ(lio
I)c onde surgiu o campo dc concentrâçáo? Ah, está aqui umâ planta,
c lenl aqui um orçamcnto; eles compraram tiiolo, compraram isso,
rompraram aquilo, compraram gás... É cadê a nota de compra do gás?
'l(nrl Âgora. sr apdrec! u rudo aquilo do nada...

lAlEí No míttitto m testem ho co,1lrfuio.)


lsso ó a mesma coisa que dizer: "Olha, ninguém lez os campos de
conccntraçáo; eles apareccram sozinhos por um tecido dc coincidências:
caiu unl tijolo, depois caiu oulro, dcpois câiu gás, caiu o iudeu lá dcn'
lro" .. Por umâ coincidônciâ. exalamentc como Ililler tinha escriio no
Mei KanlpÍ.Éü,Í.,ahipótcse táo âbsurdâ quantol Simplcsmcnte não é
possível. Estou há trinla â os pcnsândo nisso O rclalo do llvangelho
é confiabiiissimo, e todas as discussrics crn ll»no sáo iDrbccis, loucâs,
paIanóicâs. ll1do por quô? Olha, ostálá u su jcit() cha rnado lesus Crislo,

nunca lez mal a ninguém, dizem quc âiudou unras pessoâs... Por que
eles iam inventâressa história, cngânâí todo mtllrdo 0, rais ainda, iam
compor uma'requipe de publicitári(,s" pâru cnganar o mundo, e náo
sobra umâ ún ica âta dcssas rerniocs, nào sobr'a u nl único testemunho?..
Náo é possívcl istol A hipótcse ó tào rrirâbolanlc, lâo louca, que acho
que o sinples fato de lcvá-lâ â sório durantc dois minulos iá é prova de
dcbilidáde mental. Eü náo desconfio dc ncnhunr dado da Revelaçáo, nem
da Revelaçáo judâica, nem da islârnica, nem dâ budista, dc nenhuma.
Essa gcnte não está aÍ paru meniir. Você pensa que ó o quê? Que clcs
são o Duda Mcndonça? Existe o problema da qualidade das pcssoâs.

+5
Entáo, não é a 1é em Deus, simplesmente. A fé é no tcstcmunho.

ÍAluna: Ouln dado pode set leoantado a laüor àessa lterucitlade...l


EIes inveniaram tudo isso só parâ os roDranos iogarem eles pàrâ os
leões conrerem- Fbi isso o que elcs gânharâm.

l|luna: Justanente. Os apósÍolos soÍrerdm ma iio. Se isso...l


É, cxatamentel "Vamos ;nventar aqui um ncgócio; o que vamos
ganhar com isso?" Utu vai ser crucificado, outro vai ser iogado para
os leõcs, outro vai ser cortado em pcdaços. . Propõe isso para o Dudâ
Mendonça. Nenhum publicitário vai lãzer um negócio desses por cslc
prcço. Simplesncntc isto nâo é razoávell É muito rcbuscado, muito
artificioso. Os dados bás;cos da Revclaçáo sâo os dados básicos da his-
tória humana, c não digo isso só conr rolâçáo à Rcvcla{ão cÍiíá, não.
his.uria dJ\ r(lisioc. ( l(il0 dr'so. , ,, , rir(riu
^ Uúa vez escrevi um tcxto dizendo o quc é rcligião c o que náo é.

porque hoie em dia o Estado leigo moderno não tem condiçâodc sâber..
Se invento o "culto dâ.. ". como escreveu aquclc padre (...) o livro Á
Fratemidade Cósmica do Repolho Místico\ (é de um humorista que
foi ftade, un cara engraçadÍssimo, muito melhor do que o Vcríssimo e
todos esses). Invento âqui a "Frâtcrnidâde" e chego lá no Ministério
c digo: "Olhã, quoro ÍegislÍar isso âqui como entidâde rel,giosa"- o
Drinistro náo sabe se é ou sc nâo é, cntáo diz: "PoÍ via das dúvidas:
enlidâdc Íeligiosa".
Por causa dcssadeficiência mental do Estado modcrno, náo se sabe
Dais o que ó rcligiáo c o quc não é, e por isso mcsmo acham quc, sc
você está Íegistrado como cntidade religiosâ, então lem o direito de
pregar oquc quiscÍ. c qucnr qui\eracredilar acrcdira. L rlaru que is\o c
uma palhâçada, é claÍoque isso é uma mentira, mâs iem que tcr al8uns
criiérios parâ se separar o que é uma reliSiào do que nâo ó.
q..
-..r," r.".... u . r r riilãi"l s. "ii., l -.,i
46 lú R.polha Mtti.o Cuiitiba PcrcErina.2000
Aorigem da rc:ligiâo, ela porsi mcsüra iácnuncitrâ hisl(ni . ela já diz
se é uma rcligiáo ou se náo é. Mas âs religi(icsqucosii()dc vcrdírdcsiloos
pilares dahistória humanâ. O sujcitoncgâr issoâi, nãodh pâra acÍcdilirr
nem emciênciâ) náo dá pdra âcreditarncm queelccxi§l§ Blc vaiclcgar
nu I absurdo tao grandu quc nao Ja para Lônlinuar

lAtunâ: Os rTessidnisr]os lipo Antô io ConseLheiÍo, eles estaÍiam


peEanrlo, se i spiando fi4 histótía de (. .).1
Tudo o que acontcce na histú'ia hu ana, tudo, é imitação c rcpe
tiçáo de âÍquétipos que estão na fundação dâs religióes E§sas imita_
çôcs e repetiçõcs vão se diluindo, diluindo, ató virar o seu contrário,
virar um ncgócio caricatural. tlias Canctti di7 quc loda a história
ocidentâl pode ser cxplicadâ pelo scguinte: até uma ceria daia, as
pessoas eram educadas na base dc que tinha havido Crislo, quc clâs
linhânl cruciíicado c câfiegavam cssa culpa. Dc repente, pâssaran a
dizer o contrário; elâs ó quc cÍam o CÍiÍo crucificado, e aSora tinhâm
que cobrar satislàçào de todas as oulÍas: "Náo, llri cu quc fui cruciti_
càdo, loram vocês qüc mc crucificaranr". E daí entrolr o polilicanenic
corrcto. todo mündo ó vil;mâ.
Foi isso mesmo que acontcccu. Mas o qüo é isto? llsse ncgócio da
viiimização 'Ah, sou vítima, entáo prcciso dc umâ indenizaçáo aqui,
preciso...'r -, isso é invcrsão lotal. Porquc. considcrado sob um ccrto
aspccto, todo mundo é ví1ina de alguma coisâ. Ou todos nós arcamos
com as culpas ou, se um de nós sc iscntí. clc passa â ser o inoccnle
sacrificado, .ntão cle é Deus- E ó cssc írcsmo o problema: as pessoas
lêm idóia de que sáo Dcus. Câda urn acha quc é Dcus c que o§ outros
são aqucle! que crucificârâm o inoccnte. Não, é o conírário, fomos
nós que crucificâmos o iíoccntc, nós lodos. Entáo náo tcm nâda quc
um pagar parâ o outro.
Essc negócio da fó, isto é umâ fonte de conlusões absolutamente

+1

I
miscrável, eâênfasevaiaumentandocomotcmpo.JáapaÍirdoséculo
XIX, as pessoas acabam achando que tudo quanio ó religião é matória

defó. O que na religião é matôria de 1é é somcntca 1é nâ promessa, náo


nanaüativa, nem nâdoutrina. A Õarrativa é provada com tcstemunho e
a doutrina, com ârgumenlos. E a promessa? Bün, sc você iá actcdiiou
enl tudo isso, acredita na promessa tambóm, po.que o cara quc iá fez
tudo isso, já cnsinou tudo isso, nâo vai esiar Ihc sacâncando.
Aquilo quc é provado, dcmonstrado ou por cxperiência direia, ou
poricsternunho -, ó incorporâdc, na douirinâ. ressurrciQâo dc Nosso
^
Senhor Jesus Cristo, ela em si náo ó uma doútrina, mâs quando mais
tarde sc formula a doutrina, sc incorpora nela cste 1ãlo. Mas náo quer
dizer quc cle sejâ douirina: ou ó um íâto, ou Dáo é nada. Portanto, a
discussáo básica náo ó doutfinal, ódo tcstemunho. Entáo, oportobásico
quc vâi separar o crisláo do não-cristáo não ó a crençâ numa doutrinâ.
mas a crcnçâ nur làto
Ora. o fato por si mcsnro náo tcm con)o scr obicto de lé, a náo scr
no scntido da lidedign idadc do relâto- Agora, uma cuisâ é vocô âcrcditar
que aconieceu issoassim porquetevc gcntcque assistiu c contou, e não
linha ncnhum malandro Do mciodeles, não iinhâ ncnhuni publicitário,
ninguém estâva ganhando dinheiro com isso, e enlao se acrcdita pot
fidcdignidade no rclâto. Dâi vai ter o iuizo final, vai tcr a rcssurreiçáo-
Lssâ partc nirguón viu, vocô acrediiâ pela conliâbilidâdc da lbntc quc
lhc lãlou o rcsto. Isto ó â fé. A íé significa apcnâs você não dcsconfiar
lcvianânrentc dc qucm nunca nrentiu para vocô. linborâ náo possa ler
prova dcssa promessa, tem prova de tudo mais. Mas, deía parte, do
futuro, você nào tcnr.
Idioiâs como l(ant poÍque Kant cra um idiola perfcito ern toda
â linha - acham quc toda a rcligiáo é matéÍia dc ló, iudo na religiáo
é mâtériâ de ié, o quc, cvidentemente. é unla impossibilidadc pum e
simples. Acredilo nâ palâvra de Deus porque é pâlavra dc Deus. Ê pot

+8
(tur âcrcdito que é palavrâ dc Dcns? Itnltuc acre(litol l'(trItuc sinr.'
sirnplcsncntc não é possivel. Ou â(luikr lcrIl a c(n)sistun iir dr Iirlirvrr
(lc Dcus (c, porlaDto. "palavla de Dcus' nao a ullr cs(rilt]. rr o (:rrrrrrr
doutdna. nâo é umê frase: "palavra dc Deus" sao lalos, s r, Íc lnltrdct,
sirr coisas, Deus cscrcvc com coisâs), entáo ftr'cdito Disso c(»rr() llcru(lilr)
quc chovc, que tem sol, qlrc estou vivo - isso ó u)n dado da reôlidadc
ou náo tem tal consistÔncia c não acredilo.
Ilmgeral. a discussáo âcadêmicâ ou pseudo-acâdamicâ cm lorDo dis
so ó boba;nâoexiste discussão sóriaa cssc respeiio. Ninguénr, ncnhurn
sábio de prinreira ordcm sc intcrcssou por esse lipo dc convcrsa. Sáo
rnais os bclclrislas: ErncÍ Renân, o nraluco cspcculador: Feuerbach:
' o honrcm irventou Dcus por câusa disso, nrais isso, ntais isso"... Para
você djzer'que o homcm invenlou Deus) enlão cle invcntou todos esses
nrilagres. Os milagres corneçarâm a aconicccl c dcvez em quando acon_
lccc âlgum. tudo isso porquc o homcn inventou. lsso é uma bcstciral
Porque o homenr invcntou alguma coisa, enião dc vcz cDr {luando clc
reza, pede algum ncgóciu e acontccc. Isso porquc alguónr irrvcniou?l
Essa hipíÍese ó láo a{iiicii)sâ quc rao nrerccc scr Icvâdâ cnr tonsidc
raçáo. É urna hipr;icsc criatla pela irrragirraçao prrcril, trlnir inrígiDâçrio
pucril âDrcdrontadâ, dcscontiadâ. No lundo niro ó quc cla rráo âcrcdita
cnl Deus; ela âcrediia num Dcus uraligno. Ii clirro quc i§so c parünLiià,
isso é reâlÍnenrc teoria da conspiraçir)
cÍistiânisr ) nâo c o ilnpaclo de unla doutrinai é
Mas o inpâcto do
cssenciâl enlendeÍ isto. As prineirâs tcnla{ivas dc lbrlnulâção doutri_
nâl e, portanto, dc apologélica; c, po(anlo, dc deíesa relóricê sáo
bastantc inâdeqüadas Podc-sc lcr, por cxcnrplo- Icduliano. que nâ sua
argurneniaÇão é de uma desones(idrde horrtvcll Tem um sujeito cha_
mado Celso quc cscrevcu uma defesa dâ iradiçáo grcco romana conirâ
o crislianis o, e lirÍtuliano cntão rclita o suieito, mâs rclüta daqucla
mâneira que parccco Congresso bÍasileiro, com uns argurnenlos nruito
sâfados. Mas é um €scritor mâravilhoso e totalmentc sincero, e é eüdente
que aquilo que ele diz náo podc scr incorporâdo na doutrina.
Com otempo, vai-se acumülândo entáo uma massade cscritos cris-
táos, uns na[ativos, outros de ensinamento moral, outros doutrinais
mesmo, ieológicos, e essa massa tem que serdepurâda. "De tudo isso de
que estâmos lãlândo, do qüe aconleceu, o quc valc c o que nâovale?"
E é para lsso que tem lustamentc os concílios, que váo fixândo o que
é doutrina da Igreiâ e o que é âquilo que os cÍisiãos falaram (vâo ter
direito de falar um monte de coisa). Mas mcsmo o que um Papa làla não
se incoryora na doutrinâ, a náo ser que sejâ um decÍeLo er calhedru,
quc numâ vidâ o Papâ thz trés ou quatro; o resto que existe é opiniáo
dele. O famoso dccreto da inlàlibilidade papal só querdizeruma coisa:
quando um Papa decreta um elemento de doutrina em acordo com tudo
que veio sendo en$inado pela Igreja na sua doutrina desde o inicio, ele
náo errai ó só isso quc qucr dizcr E o rcsto do iempo? O Íesto do tem-
po ele pode errar cm prâticâmente ludo, como dc lato muitos crram.
Agorâ, falar em inthlibilidade papal dá a imprcssáo dc que ó uma coisâ
absurda, que se tem quc obcdecer aquele sujeito fâça ele o que Êzer, o
que náo é verdade.
Para que surgisse dentro do contexto cristáo uma situaçáo similar
àquela quc íoi vividâ por Filon de Alexand a, âinda precisavâ coÍeÍ
muito tempo. Por quê? PoÍque era preciso que a doutdna cdstá estivesse
explicitadae quc o legado greco-romano fosscsuficicntcmente conhecido
-uma condiçáo que, defato, náo se cumpriu nos primeiros séculos. Nâo
se cumpriu, priniciro, porque a doutrina âinda estava explessa de ma-
ncira muito rudimcniar e nebulosa. O quc se tinha cra a rccordâçáo de
{atos aindâ muito rccentes, fatos cujas conseqiiênciâs âindâ continuârâm
a reperculil pelos séculos seguiÍtes com toda perseguiQão, martíÍios e
milagres. Tudo aquilo aindacstavâ aconieccndo; entáo. náo crâ, eviden-
temente, vivido conro douirinâ, mâs como âcontecimento rcal. Para que

50
iss(, vire doutrinâ, é necessário que haia um grande alàstamento e que
loda a làse dc narrativá e de discussão retórica tenha passado. Vemos
q(rc os grâ,rdes autores do período cscolástico, que é o supra-sumo do

Dcnsamenlo cristào, praticamente iá nào sc dedicam à âpologética, e


quêrdo o fazcm, não fàzem apologólica retórica como Tertuliano, mâs
dialélica, filosófica, como taz Santo Tomás de Aqúino ra Suma contrut
í)s gen/ios. Mâs isto é uma siiuação muiio postcrior; poÍtanio, nada de
proietar isto, e muito menos proictar â nossa situaçáo atual sobre as
origens do cristianismo.
Isto também querdizcrque, quando um cristão dos primeiros séculos
toma posiçáo a favor ou contra o legado filosófico grcgo. ele não sabe
direiio do que está falando, porque náo tcm a expressáo suficicnte da
doutrina cÍistá para poder confrontála co uma outra doutrina, nem
lenr o conhccimento adequado do legado gÍego, que iá estavaem plenê
decomposiçáo. Náo podemos esquecer que um monte de livros tinha
dcsaparecido e que. por exemplo, quando se lé Tcrtuliano, sempre que
ele se refcre aos filósolosgregos, sc refeÍe àAcademia, e ali naAcademia
ele mete platônicos, aristotélicos, estóicos, cínicos, etc. para cle, tudo ó
Acadcmia -; então se vê como sua inibÍnlaçao era deficicntc.
Náo existe, entáo, apossibilidade de uma conÍmntaçáo el'etiva, a náo
sermuitos séculos mais tarde. Prccisa o quô? Pclo lado cristão, é preciso
tertido muitos concílios eter estabilizado um certo corpo de doutrina;
pelo lâdo greco-mmano, é preciso tcr resgatado aquela papelâda todâ e
botado em ordem.lsso qucr dizerquc os pÍimciros confrontos, como se
vô cm Santo Irineu, em Teriuliano, cm Orígenes, em Clcmente de AIe,
xandÍia, náo sáo uma confrontaQâo sistcmática e, pra valer, são âpenas
um entrechoque de impressóes: "Tenho impressáo de que a doutrina
cristá diz assim, âssim, assim; tenho impressào que ser cristâo é isso
assim, assim, assim; c tenlro impressáo de que os gregos diziam aquilo
outro". Mas quando você vai ver, há uma boa quantidade de fantas-

5l
magorias, como exisiiam làntasmagorias no próprio Filon, porquc ele
tâmbém conheciâ a doutrina mosâica de maneira muito dcficiente. Ele
nem falava hebraico! Conhccia atravós de umaversào, charíâda yersrio
itos SetenÍa setcnta eruditos iudcus que Iizeram uma trâduçáo parâ o
-
grego. E fizcrâm a traduçáo pârâ o grego por quê? Porquc osfilhos e os
netos iá náo sabiam falar hebÍaico, tamânha a confusáo que estavâ.
Isso qüer dizer que o iudaismo que Irilon dcfcnde é um pouco duvi-
doso. Náo se pode imaginar que o iudaísmo é exalamente aquilo; é um
judâismo tal como ele o imaginava. Ele nâo é um portâ-voz autorizado
dâ ortodoxia judâica, é um filósofo que pegou o que sobrou dejudaísmo
nacabeça dele e o defendc. Eo conhecimento que ele tcm dos lilósofos
gregos tambóm é deficiente, porque ele mistura: mistura eslóicos com
platônicos, atrjbui a üm o que é do outro... Entào, todo csse período
foi de umâ imensa confusáo, e essa confusáo aparece no próprio Filon.
que está alhcio à questáo cristã.
Ncsta confusão é quc aparece um montc de seitas tentando resol-
vcr existencialmentc oe âs coniradiçóes que eles vivian nâ caÍne, dc
algum modo. Essas seiiâs todas nâo podem serconsideÍadas frlosóficas
por quê? Porque nâo há nenhum empcnho de investigaçáo; há um em_
penho em foÍmular umâ saída prática paia um problcmâ existencial, c
em nome dâ soluçáo se inventava um prctexto doutrinâl qualquer: 'Ah,
náol Náo é um Deus, sáo dois; teve um bon1, ouiro m41...". Isso é um
arÍanjo douirinal que o indivíduo faziâ, de certo modo, para expÍessar
o seu próprio desconforto existencial.
Esse desconforto que gerâ as seitas gnósticâs é um elemcnto cons_
titutivo da condiçáo humana. Isso quer dizer quc "gnosticismo" náo
é ncm o nom{: de uma doutrina- Existem tantas escolas gnóstica§ que,
se você quiser reduzir aquiio a uma unidade, você morre louco e nao
consegue. O que tem em comum em todas elas -c Eric Voegelin sempre
insistiu nisto é que o gnosticismo não é pmp amente uma doutrina,

52
r ünrâ cxprcssáo de um tipo de erperiê$cia hunrâna quc! (rânsposlo ao
Ilano doutrinal, cai na Iantasia c no erro. na nrcdida cnr quc absoluiiztl
fl(tucla experiôncia como se fosse a úr1ica possÍvcl. Qucr dizcri colro
t)cs§oas quctiveramum imuma, e aquclctrâuma circuDscrcvc, dclilritâ
scu horizonte visívcl, clas nào enxcrgam nada nrais para fola daquilo.
corno o sujcito que tem uma neurose de guclra.
Entáo o gnosticismo é uma cxpressáo do sotrime.to humano, do
sofrimento real, vcrdadciro e âté juslo, que transposto cm doutrina,
viraum pcsadclo hipnótico, e isto rcapar..ccú. E rcâpaÍecerá no mundo
nrcdcrno com enomrc irnpacto, sobrctudo a parlir do sóculD XIX, na
llL.volução Francesa... Quândo vocô lê os cscriios do Marquês de Sade
ou vô aquelcs personagens de Dostoicvski, como Ivan KaramazoY vê
a revoltê total que clcs têm conlrâ Deus (eles fazcm umâ espécie de
iutgamento de Dcus), semprebaseados numa separâçáo enhE Deus eo
homem. Bom, seexisteum Deus onipotcnte e infinito, náot€munl jeito
dc você se colocar cm face dele para falar dclc como obieto. E este é o
problema gnósiico lundámenialr o gnarstico lãla de Deus como objcto.
Todo o discurso gnóstico tcm cssc problema da âuio_rcfcrência:
,le olo sc erplica a si mcsrnu. ccrba sr'ttd,r r'tttprc urnJ r\(u(ro à qua
própria regra. lslo mostra, cvidcntcnrcntc, uma Íalha, uma ruptura
básicâ na inlegridâde da visáo quc o sujcilo tcnr. Por isso mesmo náo
pode seÍ considcrado doutrina filosólicâ. porquc a 6losofia ó a buscâ
dessa intcgridade, e nao somentc na cslcra do discurso, mas na eslelâ
da açáo e dâ conduta. Sc o suicito i unl lilósotb c busca a explicação
de alguma coisa. essâ explicâçáo tom quc cxplicar a ele também: clc
tem que estar inserido na sua própria cxplicação: náo pode ser uma
cxceçáo. Por exemplo, a hipótesc do Deus rnau tem esse problema:
l)eus é nrau, c o condenu porqüe ele ó mau- Isto qüer djzer quc cu
sou bom- Ede onde saiu minha bondade? Se Deus étáo mau, poÍque
clc fez um sujeito bom? Isso quer dizer quc o que você eslá vendo

53
no mundo é apenas o rctrato da maldade dcssc suposto fleus, e üáo
de sua própria bondadc. Sua bo:rdade está âusenie do nrundo, c o
indivíduo quc assim sc scnte náo se reconhece naquilo quc âcontcce.
Sc clc pcrccbe que há âlgo de bom nclc, vcrá siDais dessâ bondade
cm tudo quanto é lugar Mas como eic começa â lalar de Dcu§ como
obiero. c náo lambaln cotno sujeito é urÍ Deus quc cstá fora c acima
dclc. c não uln Deus que esiá fora delc, mâs cstá dcnlro dele lambém,
êo mesmo tenrpo , eniâo cria cssa ruplurâ c cssa visão'tcalral" da
realidadc. É o mundo como um palco quc você eslá assistindo, cvocÉ
cstá ibra. lsso é lalso, falso na basc.
Verenros, mais târdc. quc csta làlha da aulo reierência. quc iá sc
perccbc ncsses gn(isticos, introdlz-sc na Irilosollâ Modcmade lâl úodo
que cadâ unra dclâs ó urna cxccçâo a 5i mcsma. derolardo entáo uma
espócie de iâlhâ bí'rsicâ dc perccpçáo cnl pràlicanrcnte lodos os filóso-
Ios nrodcrnos. Ilor cxcDrplo, quando Mâquiavcl comcça â clabor:rr O
Prírlcrpe. O quc ú o prÍrcipc? A Itália tinha sido invadida e estava coni
grandes problcmas, cntáo cle comcça a sonhar com unl govcrnante
supcrpoderosu que consegujria unificar o pais c cxpulsar os invasores
Para iàzcr isso. o suicito prccisâvâ coDcentrêÍ {rm podcr absolutoi para
conccntra r o poder absoluio, ele precisava primeiro subir c depois mâlâÍ
todosos seu s concoffentes, inclusivc aquclcs que o ajudamm. Clâro que
csse príncipc náo eristiu. Pâra aparcler um slrjeito quc sc parcccsseconr
o príncipe do Maquiâvel- passaram-se cinco sóculos: foi Slalir, que se
parcce vaganreDlc.
Maquiavcl, dcscrcvcndo aquelâ imêgem idealizada do govcrnante
onipoiente. do governantc nBquiavólico mcsmo (qu(] prevê tudo. sabe
de tudo. se,rrpre prxa o tapctc dos outros e nunca puxânr o têpctc dclc),
cnl ncnhun lnomonto pcnsao segu inie i "Esperâ aíl Sc sou cu que cstou
dando a receiia. estou ajudândo o câra a subir e dcpois ele vai quercr
queimar a recciia c maiar quem ttz â receitâ...". lin un) momenioscqucr

5+
lhcocorrccía idóiâ: " Se apârcccr o principe, a primcirâvitilna dcleserci
cr. porque sei o segrcdo, sou um homcÍr quc sabc dcrrrais"
Maquiâvcl cstá curiosâmente auscnte do murldo dc Mâquiavcl: scu
Nundo náo ó o nlundo rcalno qualclovive, ó urr mundo dc tsatro quc
clc colocou no palco c observâ como sc iosse um cspcctâdor dc kn'a
Nlüquiavel 1àz isso, Jolln Locke faz isso. Thonas Hobbes. Kânl, David
Ilumc làzcm issoi todo nrundo laz isso; aió Nictzsche pelo incnos. Aí
laz scntido sc lalar dc ullla visãu gnóstica da reâlidade que sc repete Ío
fiundo Írodcrno. só pl,r essc aspccto.
tsso nâo qucr diTcr quc cÍou subscrcvcndo intciramentc a tese do
Vocgelin de quc iodas âs idcologias nxlcrnas sao de origcm gnósiica
Pode ser podc náo scÍ; aindavai lcvar sóculos pâl'a matàr cssa qucstáo.
Mas, ncste aspecto. quc é o aspeclo da qucbra dâ âulo_rcfcrôncia. sem
dúvida sáo. cvidcntcmcnte. uma das causas dessacxpcriônciâ do,orosa
E,

que cria o gnosticismo é âqncla que já explicarnos, que é a qucbra dâ


poli.-, da ordem cstatâlia quebra da cidadaniâ, pÍrrassim dizer ll outra
calrsâ é a própria irvâsão de doutrims que chegavam do Oriente, cadâ
unra prcpondo â soluçáo para todos os n)âlcs humânos. nras. por sua
própria Nultiplicidâde, provândo quc cl s n.io podiam renlediar nÉL
algum. porque clâs cranr o pr(jprio mal.
Ncssc período, o gnoslioisnro surgc co ) uma c\prlssão do toial
dcsamparo hurnano. ao qual râda rcsla â lâZcr a náo ser jogar a culpa
em Deus. E onde se repeiir uDra situàçáo similar suqitão dc novo essas
cxprcssôcs gDósticas quc só podenr scr ncutluliTad⧠pcla recordação
do início da coisa: "Conro é quc ertraDÍrs rri§so? Qual é o caninho
seguido deniro do labirinto pâr.r chegar âló aqni?".
Nào é necessário dizer que a idóiâ dc quc tudo quanto há na religiáo
é mâléria dc lé é uma idéiagnóstica. porqllc vai sepârâÍ, evidcntcmcnle
o mundo do conhecinento e o mundo dâ fé. Se fossc assim, a lú seria
ilnpossível, pois a 1é é a crença pcla credibilidadc da fonte, a qual su-
poe o conhccimento da credibilidadc da lonte, que. por sua vcz, não
ó
írâléria de fé. Vocé âcrcdita no quc seu pai disse porque sabc que ejc
ó scu pai. E vocé sabe quc clc é seu pai por quô? Tarnbún é matéria de
fó? Não, vocô tcru quc ier tido algum indÍcio. Nào ó o prjmciro sujcito
que chcga na sua ca5a, toca a campâinha: .,Eu sor seu pai, você i...,..
Não é assim lâmbém.
Uma nnrntanha de problemas filosóficos surgiráo daí para adjante
dessa rupiLrrâ da intcgridâde da visão do cosmos, quc se crprcssa
jusiârnentc nessa propcnsáo gnóíicâ dc cncârar â realidadc
como sc
Ioss(r unra coisa proiclada no palco. praiicamente todos os problemâs
filosóficos, os Srandcs crros c dcsastrcs fi losóficos que àcontecerào nr uito
Irai\ ra rdc n,, rnundU mud(rnu. rir)r ài a .ua .âi7 u c fL,ris$ q.c s(nr
csse cstudo do cristiâ is ). das origcns do cristianismo, e impossivel
cntender o quc sc pâssou depois. Isso qucr djzcr que ainda estamos
vivcndo o dmr a dâ rclâçao dialól;ca cntrc â l_ci c a Craça, dentrc do
qual surgc unrâ quâIiidadc dc sofiirnonto nruito grâodc. que só vaj se
dcslazendo aos poucos, à mcdida que a mcnsagcm c Íàvaichegando
até as pessoas c clas váo se intcgrândo dentro d€ uma orden cristã o
que iaDrbúm náo era lãcil. pelo sinplcs fato dc que náo havia doutrina

coisa depcndia dc unra pmpâgação cnonnemente problcnáiicâ,


pois^o sujciio quc ia pregar, Icvar a mcnsâgem crislã. ele cra o portador
do Evangelho, o porlâdor da Boâ Novâ. Ora. para cle scr poriêdor da
Boa Nova, ele precisava ser não soDrente uln portâclor precisava ser
um sinal dclâ. lsso quer dizcr que aqueles quc foram prcgar conro.
por excmplo, Sáo Pâhício, que loi cristianizar a lrlanda não cstavam
lcvando urna douirina, elcs estavaür icvando uma noticia e uma prova.
A prova, o que era? Eles mcsmos. Vê como isso ó compjicado?
Na históriâ da evângclizaçao dos povos, há uma succssãoassombÍosa
de milâgrcs que, evidentemcnte, luncionavâ muito mais do que qualquer
doutrina.Acreditava scnadourrinapo.quô? Í,orcausadacontiÂbitid:rdc
do portador E ondc cstá a confiabiljÍladc dcte? EÍá Dâ
sua conduta.
na santidâde c no Drilâgre, c náo na doutrinâ. Não ó unr p.oblc
t dc
reiórica, é unr probleDâ de tcstenunho pâra vimr unt problcmr
dc
rct{iricâ, ,á é umâ scgunda tàsc. É prcciso quc toda esta eiapa
lcnhâ
passâdo e s..te hâ tido tcmpo dc estabilizâr u ma apologóticâ mais ou
que
mcnos padronirâdâ. O qrrc é uma apologéticâ pad ronizailê?
Scrá aqucla
quc reoricamcnte dcvcria funcionar na ausancjà do portador
sân10, o
que já é uln negócio âltânrentc probleDrático, porque
aí vâi havu uma
persuâsão mcrâmenre jntclcctuâlnà base do possivel.
Você vai ler tudo
âquilÍr c dizer: "É, iaz scntklo, porlc scr assinr,,. Mas cade poriador,
o
cêdê a confiabilidâde do portado.? Não tcrn. EÍc
é um dos probtcnra!
dâ suposta evangclização da Ainórica Lâtira, que nunca
acontcceu: Íoi
uDra cvaDgcljzação rctóricâ c, portanto, pernanece supcrficial.

lAlrna: Nem nesna A chieta, conl o Írubalho.lele, rccomeço?l


Pode ató scr nras é muilo pouco. Se você pcrgunrar quanios
santos
tcnr no Brasil, iem unra bcala ilaliana. isso qü. cu sci Ecomoópossível
o maiotpâis católicodo fiundo. dcpoisdccilco sdculos.
nãoternerhunr
sanlo? Umavez, conversandocorn Whitallpcffv qtleé D ulaiorestudioso
dc reiigião compârada no munctr). clc diz: .Otha. .lizenr quc
o Btasit é
um pâís católico, mas nâo é, nâo. Aq(ilo lá ú tudo macumbciro,,.
Fiouei
.rcndido Irâ\ dcpo,, \; qu. H vcrLtâd.t Lnrro (: ,.r iJcnrc qur . .

l{luna: Tetn Lthta Nossa Senhora pam . Ela é Aparccida paru sel
alguma coisa que (-..).1
Escuia, mas isso aí teln... Lá a trlanda icrn dcz sanios por
nletro
quadrado; ó umâ história de milagrcs âssontbrosa.
Iodo Iugar tem isso:
na Espanhâ, na ltália, na França... à criíiânização nem comecou.
Só se comeÇar com Leonardo Bolf^qui
Sim- tem algumas coisâs, mas compaH isto co a históriâ da evan
,;rli/rc.ro da Lurolâ fdcunru pubre/a rrrnz Lnldo. úqu(chcgou aqui
não ó o cristiânismo. É, assim, umavaga rccordâção do cristianisnro. Por
issomesmo. nossas discu ssocs â respcito sáo supc.ticiais. porque não são
baseadas no fato, na cxperiéncia; sáo bascadas cln palavÚrio. Tcm_sc
rnuiia rctórica, mas nirguém sabc do quc eslá iàlaDdo.

Í^lrna:'falzrez potque a colo izaçào loi tna is de explor(tção do que


'fexe nnis se tido de
ma colo izaç.io de desetruoktimento, nao é? o
eÍplaraçao.l

Allno: Os l:.slados Unifus tê t stjfiÍos?l

lAluno: Os ]ls/.rílos U,Tidos ltni? Mais tlo qüeo lJrusíl?l


Nossa. tcDr um oxnllcl Vojaln. no nrcio protcstântc náo vai ier esse
conceito dc santo, Drüs, se vocô lô a histúia, nrcu Dcl]s do Cóu, se
âquclcs caras náo eran santos, não sci o que cranrl

lAluno: Os Lslados Unidos Íên nais ticos qlte o Brasil.)


ll, âqui houve u prcjcto de ocupâção do terdiório. Por unlâ coin'
cidêDcia, no tcrritório tambén tinhâ genic, mas era pouca. Na Europa
já cra o contráÍio. não linha cspaço, o que tinha cra gcntc. que é
^cho
ben1 dilêrenlevocê ocupâr ulll tcrrilório no qual, por coircidéncia, tem
lá uns Írdios cntáo charna lá u r iesuÍta pa.a diTer algulnas coisas,
lãzcr umdiscurso pamelcs.Isso foi o máxino qu e acontcccu. O5uieiio
veln aqttipâra quô? Os indios e.am poucos, navcrdade. Cinco milhôcs
n unl tcrritório dcsse tanran h o i Elss cran] menos dâ nreiadc da popula(áo

de Poflugal par? ufir contincntc inleiro. e a nraior partc das tribos se des'
conhcciam complctaDente. nao tinham contato algum. era uln ncgí)cio
ralo. Entào o eslbrço de cvângclizaçáo era quasc nulo; a maiot pâde
ü) csforço cra parâ ocupar o tcrriiório nrcsnrl). Fl o (tue iàlr lazcÍ uonl
o teÍÍitório? Orâ, o primeiro suicito qüc pcns()u cnr itlzcr algrrnu cr)isfl
loi Door loáo VI. Aió lá cles náo sabianr o quc iarn lirzcrl ltrÍugal li)i
t(nnândo. invâdindo, invâdindo, Ínâs nuncà pcl]sonr "Vullos lrzcr üIl
goveÍno colonial. vamos làzer umas obras". Só muik) tardc clos llnirnr

Em ouhos lugâres.lbi necessário oÍgênizar porqlrc loirnuiiâ gcntc.


Pârâ a própria Ainérica do Noric loi nruiia gcntc, c para ficar
^qui
rringuón vinha pâra l'icâr. Só um maluco iê quc)er l'lcar aqui, c quenr
ljcou é porque náo conscgoiu voliar, ou porquc linha unr proccsso na
liüropa, ou porqüc 0s1avâ Íugindo dâ nrulhcr, alguma coisaâssinl. Outto
chegou aqui por um outro molivo.. O nrolivo paü ficar era a própria
decadéncia. Eaindâ linha unra lcidos indios: sc vocô malava um Índio.
cra obrigâdo a sustcntâr a mulhcr dclc. Entào nâtavâ o índio, levava a
lnulher mâtava oulro, lcvâva a nrulhet ficava conr quarenla mulhcrcs
em casal DaÍ, conro ó quc sc ia lãzcr para voltar pâra â Europa? Os
rnotivos dc pcrDianôncia loram pulímcnte ücidcnlais.
Mas não se ncgâ quc houvc canràrâilâs, nàquclc c(,ll((o, conr grandc
poder civilizador cm rcrtas rcgiócs. Qurndo sc va o {tuc oles consllrlí-
mln no Nordcslc. em Pcrnambuco, por c\enrpkr, aqlrclc sisicrna quâsc
leudal que eles construíam! osujcilo p:rrâ [rrtrâquil(r. prccisavü sc.
um homcm dc gmndc cncrgia mcsnn). Chcgar num lugar quc sri ic r

mab. unla paisâgenr hosiil, a lúlu origcn


s do slru pais dc (c clc nào
(om un., corrunrJdJc ttnir]J r,,ttr, t,'rrtrt o, rIr,r'i, arro.. rrào:v(io
\ eiu

colll o soldado quc clc pâgou. conr gentc que veio a coniragoslo, com
o cscravo quc ele calou a lâço), cniào cram grandcs chcfes gucrreiros
esscs caras. Mas foi tudo nâ basc da porrâdâ InesDro.
Náo sc podc ncgar: â parte mais bonitâ dú Hisiória do Brasiló mililar
As violénciâs que lizemos são maravilhosâs, Dras tambóm fizemos
'ráo
mLril" coisã a'crn dis.o. Vor'( \ ( quu as ( rdrd(s .rncr icàn.r. )ao.cmníc
construídas em volta de uma igreja, deuma escola, de um tibunal, âl-
guma coisa assim. Aqui é em volta do quê? Da Iortâleza- Milicos foram
os grândes civilizadoÍes daqui. É porissoque, selirârmos os milicos da
política, náo tem mais política. Eles nunca váo sair, isso é impossÍvel.
Também náonos cabe explicartudo isto, as conseqüênoias remotís-
simas deuma tardia expansáo do cristianismo...Isso sem esquecerque

iá era o cristianismo do Concflio de Tlento. É no Concílio de Trento que


tudo virâ doutdna mesmo: "Fechou aqui, a doutrina é essa e tem que
repetiÍ igualzinho". Por que se Íechou assim? Para reagir à ReÍorma
Protestante, que tomou a direçáo exataaenie inversa: não tinhâ mais
nenhumâ doutrina, cada um pensava de um jeito.
É curioso que, nesse sentido, pode ser que a doutrina câtólicâ seia
até a mais coneta no seü conteúdo, mas formulá-la e fechá-la daquele

ieito, naquele momento, cm oposiçáo a um movimento que estâva ex-


pandindo o cristianismo sem nuita doutrina, âquilo foi um desastre,
porque daí começa o lado rctórico- Por exemplo, os jesuítas foram $an-
des pÍopagandistas do ffistianismo, gândes retóricos... Entáo começa
o truque, o artifício: âqui não temos milagre algum, náo temos santo
âl8um, mas tem aqui uma arte reióricâ infemal. Mas que cristianismo
pode sair daí? Os índios só âcreditâram nisso porque eram boas alrnas,
porque eu náo âcreditaÍia, náo. Á gente aqui: "É o cristiânismo? Bom,
entáo quero ver a santidade, os.milagres. Quem é Jesus Cristo, náo é
você? Vocô é o C sto, náo é? Câda sacerdote é o Cristo. Cadê? Cadê a
santidade, cadê o bem que você ia fazer?". EIe tem que ver o sinal de
Deus; se náo tem o sinal náo tem nâda, só tem retórica.
'Ibda â educaçáo brâsileim foi criada por jesuítas, nâ base da arte
retóricâ; entáo náo tem cristianismo algum. É por isso que, no Brasil,
essas interpretaçóes miÉbolântes, agnósticas, pegam com uma {âcilidâde
incrível, porque é tüdo artificial: o cristianismo é ârtificiâl e a oposiçáo
â ele é mais artifrcial ainda. E temos que sair disso, temos que romper

60
esse artifrcialismo da cultura brâsilcira, tcmos quc cntrar no campo
da realidade vivida, incluindo o elemento miraculoso. Por ircrívclquc
pareçâ, quem estií fâzendo isso hoje sáo csscs cvangélicos, quc dc vcz
em quando mostram isso ai âconteceÍ.
Acho que com isto dá paÍa enlender o impacto c a origem da problc_
máticâ filosófica subseqüente neste dmmâ dos primeiÍos séculos. Ainda
estamos vivendo isso, e preiendo demonstÍálo mais para adiante.
lêiturqc su.8igdds§

IOUDERON, Bdelil &i,Árartd, .l attude 4k,&!W.


Êariq 8.t9ól§,1!!€

qÉdn{O'Àstltuhq,ô,n'íd6t}v !rd.
cÍ&.b MoÍde!ült 4 úL ftr* Iaq4 rcír_1931.

Fúfl.á, G. Iníoü4 @&ltiúq&r,it,


t .iü§ ÉÂq1997,3r

thid, Io§Ú fêtt, Â16$ú lúdrid: Grldei 1ódd

doês,rtsidÀJrsú! dar66.br,úrri,3rdld,tt
iÉód. Eú&i6ú C.rli- i!{o fiqlr Qüdih$q 1l3§r

Pr,NK n ,c flülrdÉ d. l'iltsa §ú. Hr@Ítc Iv[ Ít @e


P6LrlilrútdÉiú,, í/i.1i.

ú
Dados lnLcmacionais de Calalqaçao ra Publicaçáo (CIp)
{CânÚa aiasileim do Livm Sq Amsill

rl isiória cscncial da filôsotu /


pôr Oirvô dê Cealh. Siô Pâ!lô: É Reâlizqóes, 2003

Conteúdor aula 1: Históna das hútónas da filosofra


aula2: O piojelo $ciálico .ula3 SmdLesePlalã.
aula4: Arislóteles aula5: PÉ{ocnílicos
aulâ6: Periôdô lElcnn i.ô I I
âulâ 7: Pêriôdôhelênisti.ô ll
aula3: do crhlianisrno.
^dvcnto
I Cristianismo OriEcm2 Filosofia Eíudoeensino
3 Filosolia - Histúia 4. Filosolia . Inúodrqes I TíÍld.

indices pa ra csláloso sk lemdt ico

Este liúo ó a lransc.içáo da aula quc


Íoigravada nodia 13 de dczembtu dc2002,
naE Reâlizaçóês, m sãô Pâúlo - sq Basil.

_Impresso pela Prcl para á


E Realizáçóes, ab.il dc 2007
Os ripos usados sáo dà làníia Dútch
O papel é Chamois Bulk 90 g/mr para
o miolo e supremo 250 rmr pã.a â câpa

Você também pode gostar