Você está na página 1de 19

ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014

Prof. Lucas Rodrigo Miranda

ROTEIRO PARA MEMORIAL DE CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO


PROTENDIDO ISOSTÁTICA

1º Passo: Determinação das características físicas e geométricas da viga.


a   (viga simplesmente
a   (viga simplesmente
apoiada) apoiada)
a  0,75   (tramo
a  0com
,75   momento
(tramo comem uma só
momento emextremidade)
uma só extremidade)
- Seção transversal
a  0,60   (tramo
a  0,60   (tramo com momentos nas
com momentos nas duas extremidades)
duas extremidades)
a  2   (viga em
a  2balanço)
  (viga em balanço)
bw (largura determinada ou imposta pela arquitetura)
Deverão ser respeitados osrespeitados
Deverão ser limites de os blimites
1 e b3de
conforme a Figura
b1 e b3 conforme 3.22:
a Figura 3.22:
h (Lvão/10)
0,5  b 2 0,5bb 42 b 4
b1 T colaborante
- Seção b1b3   b3  
 0,10  a  0 ,a10  a
0,10 0,10  a

bf bf f f

b3 bb3 1b b1
cb 2 c b2
b4 4

b b b bw b b1b1 b b b
a   (vigaw w
simplesmente w w
apoiada) 3 3 w

a  0,75  b1<(tramo
0,5b com momento
b21< 0,1a
2 b1< 0,5b b1<em
0,1auma só extremidade)
a = L (viga simplesmente apoiada)
a  0,60   3 (tramo
4
com 4momentos
3
nas duas extremidades)
a = 0,75.L (tramo com momento3em uma 3
só extremidade)
a  2   (viga em balanço)
a = 0,60.L (tramo com momento em uma só extremidade)

a = 2.LDeverão ser respeitados


(viga em balanço) os limites de b1 e b3 conforme a Figura 3.22:

0,5  b 2 b
b1   b3   4
 0,10  a  0,10  a

- Classe de Agressividade Ambiental (CAA) Tab. 6.1 da NBR 6118:2014


bf f

b3 b1
c b2
b4
bw bw b3 bw b1

b1< 0,5b2 b1< 0,1a


1

3 4 3
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

- Escolha da Resistência do Concreto, fator água/cimento (Tab. 7.1 – NBR 6118:2014) e cobrimento
(Tab. 7.2 – NBR 6118:2014)

2
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

- Diâmetro máximo do agregado graúdo.

- Determinação do d´

cobrimento  trans  long  0,5bainha


d´ 
2bainha

2º Passo: Diagrama de esforços solicitantes.

- Diagrama de Normal

- Diagrama de Cortante (Cisalhamento)

- Diagrama de Momento fletor

3º Passo: Dimensionamento da armadura longitudinal.

Determinação das armaduras ativas – VER TABELA NO ANEXO.

Md Md
KMD  Ap 
bw  d 2  f cd KZ  d   pi
Passa seção T real ou verdadeiro

  M dM 1
M 1  0,85  f cd  h f  b f  bw   d 
hf M1
 As  
 2   h  KZ  d   pi
 d  f    pi
 2 

- Limites de norma item 14.6.4.3 – NBR 6118:2014

Md Md
d k (ver tabela do KMD) d min  1,768  (limite domínios 3 e 4)
bw bw  f cd

3
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

- Armadura Mínima NBR 6118:2014 - 17.3.5.1

4º Passo: Quantidade de cabo de protensão, traçado dos cabos de protensão, escolha do aparelho de
ancoragem.

4.1 Escolha do aparelho de protensão:

Deverá escolher através de catálogos de fornecedores (Ex.: Rudloff)

4.2 Número de cordoalhas

Ap
ncord 
Ap
4.3 Número de cabos (1 cabo é o conjunto bainha + a quantidade de cordoalhas possíveis na bainha)

ncord
ncabos 
ncord / bainha

4.4 Traçado do cabo que dependerá da disposição dos aparelhos de apoio, e comprimento da viga
protendida. O melhor traçado são curvas parabólicas.

6º Passo: Perda de protensão por atrito.

4
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

      x 
 ´p   p  e 

Tipos de superficies de atrito 

Entre cabo e concreto 0,50

Entre barras ou fios com mossas ou saliências e bainha metálica 0,30

Entre fios lisos ou cordoalhas e bainha metálica 0,20

Entre fios lisos ou cordoalhas e bainhas metálica lubrificada 0,10

Entre cordoalha e bainha de polipropileno lubrificada 0,05

7º Passo: Perda de protensão imediata do concreto.

 N p N p  e 2 M g  e   ncord  1 
 p   p      
 A   n
 I I   cord 
N p  ncord  Ap   pi

Ep
p 
Ec

5
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

8º Passo: Perda de protensão pela deformação da cunha de ancoragem.

    E p

    p0 
i   2   p 
 2 
   p    i

9º Passo: Perda de protensão por relaxação da cordoalha.

 ,0  2,5  1000


 p   pi  ,0

 pi
r
f ptk
Cordoalha
r
RN RB
0,5 0% 0%
0,6 3,5% 1,3%
0,7 7% 2,5%
0,8 12% 3,5%

10º Passo: Perda de protensão por fluência.

Np N p .e 2 M g1  M g 2
 cgp    e
Ac I I

2 Ac
h fic 
uar

 cgp
 p t , t0     t , t0 
Ep

6
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

11º Passo: Verificação quanto ao Estado Limite de Formação de Fissura (ELS-F).

12º Passo: Verificação quanto ao Estado Limite de Descompressão (ELS-D).

13º Passo: Dimensionamento da armadura passiva longitudinal.

14º Passo: Dimensionamento das armaduras transversal.

- Modelo de Cálculo I (θ= 45º e =90º)

- Biela de Compressão (Verificação do máximo sd)

1,4Vk
 sd  x10 (MPa)
bw  d

 f ck 
 Rd 2  0,27  1    f cd (MPa)
 250 

Situação válida quando Sd ≤ Rd2

- NOTA: Caso a verificação da biela não seja verificada, deve-se alterar do valor de fck ou de bw

- Resistência do concreto

2  M0 
 c  0,09  f ck 3  1   (MPa)
 M max 

7
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

 Np Np 
M 0    e W
 A W 

- Taxa de armadura – dimensionada

 Rd 3   sw   c como  Rd 3   sd temos

 sw   Sd ´ c

O  sd ´ é o valor reduzido da cortante obtido a uma distância de 0,5d do apoio do valor considerado
de Vk deve-se seguir as recomendações a seguir:

NBR 6118:2014 - 17.4.1.2.1 Cargas próximas aos apoios

Para o cálculo da armadura transversal, no caso de apoio direto (se a carga e a reação de apoio forem
aplicadas em faces opostas do elemento estrutural, comprimindo-o), valem as seguintes prescrições:

a) no trecho entre o apoio e a seção situada à distância d/2 da face de apoio, a força cortante oriunda
de carga distribuída pode ser considerada constante e igual à desta seção;

b) a força cortante devida a uma carga concentrada aplicada a uma distância a ≤ 2d do eixo teórico do
apoio pode, nesse trecho de comprimento a, ser reduzida, multiplicando-a por a/(2d). Todavia, esta
redução não se aplica às forças cortantes provenientes dos cabos inclinados de protensão.

As reduções indicadas nesta seção não se aplicam à verificação da resistência à compressão diagonal
do concreto. No caso de apoios indiretos, essas reduções também não são permitidas.

 sw
 sw  1,11 
f ywd

- Taxa mínima de armadura transversal


2
f 3
 sw,min  0,06 ck
f ywk

Tabela da taxa mínima (  sw,min ) x 10 3

Concreto 20 25 30 35 40 45 50
Taxa
0,88417 1,02598 1,15858 1,28398 1,40353 1,51817 1,62865
(CA50) (‰)
Kmin 0,72079 0,8364 0,9445 1,04673 1,14418 1,23764 1,3277

- Determinação da armadura transversal

8
Se Vmáx > VR2 mudar a seção ou aumentar a resistência do concreto e reto
Se Vmáx < VR2 calcular r= Vmáx / VR2 e prosseguir

ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014


3) Calcular o cortante para armadura mínima ouRodrigo
Prof. Lucas espaçamento
Mirandamáximo
a) Determina-se a taxa mínima
Usar a maior taxa entre a calculada e a mínima. f ctm 0,06  f ck2 / 3
 sw90,min  0,2   (A4.3)
Asw f ywk  f ywk
 sw  r  sd
bw  s  Rd 2
 sw90 ,min - taxa de armadura mínima de estribos
b
Diâmetro mínimafywke–máximo
tensão dadearmadura
escoamento do aço 5da
transversal mm  t  w transversal
armadura 10

Para Asw,min  0
2
b) Determina-se a,40
taxacmde armadura
(ø t=5mm) para o espaçamento máximo
usando
0,6  d  300 mm se r  0,67

smáx  
0,3  d  200 mm se r  0,67

com
b d
s – espaçamento dos estribos.
Vk ,min  k min w
V 10
r  máx
VR 2 longitudinal – Seção Transversal
15º Passo: Detalhamento da armadura

Informações para a elaboração da seção/seções transversal.


Fazendo s=smáx e com um valor de  (diâmetro do estribo) e portanto Asw
- Dmáx;

- bw;

- Cobrimento (c);

- As e L

- Estribo t;

- Espaçamentos horizontal e vertical.

 20 mm

ah  diâmetro da barra, do feixe ou da luva
 1,2  d máx,agregado

 20 mm

av   diâmetro da barra, do feixe ou da luva
 0,5  d máx,agregado

9
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda


  

bw  2  c  2  t  nL
ah 
n 1
- Para vigas com várias camadas deve-se seguir as recomendações da NBR 6118:2014.

NBR 6118:2014 - 7.2.4.1

Os esforços nas armaduras podem ser considerados concentrados no centro de gravidade


correspondente, se a distância deste centro de gravidade ao centro da armadura mais afastada,
medida normalmente à linha neutra, for menor que 10 % de h.

As armaduras laterais de vigas podem ser consideradas no cálculo dos esforços resistentes, desde que
estejam convenientemente ancoradas e emendadas.

 


ARMADURAS DE PELE

10
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

A mínima armadura lateral deve ser 0,10 % Ac,alma em cada face da alma da viga e composta por barras
de CA-50 ou CA-60, com espaçamento não maior que 20cm e devidamente ancorada nos apoios,
respeitado o disposto em 17.3.3.2, não sendo necessária uma armadura superior a 5,00 cm²/m por
face.

Em vigas com altura igual ou inferior a 60 cm, pode ser dispensada a utilização da armadura de pele.

As armaduras principais de tração e de compressão não podem ser computadas no cálculo da


armadura de pele.

PORTA-ESTRIBO

Não há um cálculo para essa armadura, recomenda-se a utilização de um diâmetro comercial acima
dos diâmetros dos estribos.

6º Passo: Verificação da viga no Estado Limite de Serviço.

- ELS-W (Estado Limite de Serviço: Abertura de Fissura)

11
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda
Estimativa de abertura de fissuras
 i  3   si (4.4)
  si 
12,5
h)  i E si fda
Verificação ct, mfissuração

w = menor entre 


Estimativa de abertura de fissuras  i Para a siverificação
 4 da fissuração, que será feita a partir da equação 4.5,
necessário o   da
 cálculo + 45 
tensão na armadura, no estádio II, que pode
  i com  
12,5 3i siE si   ri  ( 4.4 ) (4.5ser
) feito, si
 
sia equação 4.6:
sendo: 12,5   E f
 i si ct, m
 cri  área da região de envolvimento
A protegida pela barra i;
w = menor entre Esi  módulo de elasticidade do f ykaço da gbarra  g 2  0,4  q 500 5,62  27,5  0,4 18,0
   diâmetro da barra  si   1 i considerada;    245 M
 i i   4 

que1protege
, 4 1,15 a região
g deenvolvimento
g  q 1,15 
considerada;
1, 4 51 ,1
 si   passiva + 45 ou ativa aderente (que não esteja dentro de bainha) em relação a área da
1 2
12,5
ri  taxa de armadura
 região
i E   ri
desienvolvimento (A ); (4.5)
cr

sendo: com: de conformação superficial 1 da armadura passiva considerada(1);


i  coeficiente
Acri  áreafct,m  resistência
da região média doprotegida
de envolvimento concreto àpela (2)
barra; i;
tração
Esi  módulo tensão  tração
si deelasticidade
g 1 de 5,do
62açokN
noda degravidade
/ barra
m (peso
centro i próprio considerada, calculada no estádio II(3).
da viga);
da armadura
considerada;
i  diâmetro
Notas:da barra
1. Oque protege a1região
coeficiente que mede a conformação
de envolvimento superficial é dado no item 9.3.2.1 da norma, e vale
considerada;
1,0 para barras lisas (CA-25), 1,4 para barras entalhadas (CA-60) e 2,25 para barras
ri  taxa de armadura passiva ou ativa aderente (que4não  5esteja dentro de bainha) em relação a área da
g
região de envolvimento
2  ,
(A5 cr
); (1,61  1,50) 
(nervuradas) de alta aderência (CA-50).
13
2. fct,m é definido no item 8.2.5 da norma
 13,5  14,1,0 Seção
 27,1.6.2.4,
5 kN /eq.
m1.5).
(parede mais carga
i  coeficiente de3.conformação 2 (ver Capítulo
no EstádioII
(1)
O cálculo superficial 1 da armadura
(que admitepassiva considerada
comportamento linear; dos materiais e despreza a
fct,m  resistência média duas lajes); à tração(2);
do concreto
resistência à tração do concreto) pode ser feito considerando  e  15 (relação entre os
si  tensão de tração no centrode
módulos deelasticidade
gravidade da doarmadura considerada, calculada no estádio II(3).
aço e do concreto).
Notas: 1. O coeficiente 1 que mede 4  5a conformação superficial é dado no item 9.3.2.1 da norma, e vale
q  4,lisas
1,0 para barras 0  (CA-25),  18,1,4
0 kN / mbarras
para (carga acidental
entalhadas proveniente
(CA-60) dasbarras
e 2,25 para duas lajes).
2
(nervuradas) de alta aderência (CA-50).
2. fct,m é definido no item 8.2.5 da norma (ver Capítulo 1, Seção 1.6.2.4, eq. 1.5).
3. O cálculo no Estádio A taxa II (que
de admite
armadura comportamento linear pela
(ri) é obtida dos materiais
relação eentredespreza a de uma barra
a área
resistênciaretângulo
à tração do que concreto) pode ser feito considerando
considera o envolvimento de   15 (relação entre os
e concreto na barra (A cri). Cons
módulos de elasticidade do aço e do concreto).
externa mais próxima da linha neutra (assinalada com um X no desenho da Fi
retângulo equivalente de lados a+b e c+d, mostrado na Figura 4.17b, resulta:
- ELS-Def (Estado Limite de Serviço: Deformação
a = 4,28 cm; Excessiva) b = 4,30/2 = 2,15 cm;
Flecha inicial (Estado Elástico)
c = 3,5/2 = 1,75 cm; d = 7,5 = 7,51,25 = 9,375 cm;
Flecha Imediata – com consideração do efeito da fissuração (Branson – 1968)
A cri  (4,28  23,15)  (1,75  9,375)  6,43  11,125  71,23 cm2;

 M   M  
3


( E  I ) eq  Ecs   r   I c  1   r    I II   Ecs  I c
 ri  A s A cri
a 
 1,25 71,23 
a  
M M
1,755 10 2 .

Im  Momento de inércia efetivo para uma seção ou


O coeficiente depara toda a peça,superficial
conformação no caso de 
vigas simplesmente
1 é igual a 2,25 para barra
apoiadas; momento de inércia médio entre
alta aderência (CA-50).a seção do apoio e a seção do meio do vão, para o
caso de vigas contínuas;
Finalmente, estima-se a abertura da fissura pela expressão 4.5:
II  Momento de inércia da peça no estádio I (da seção bruta ou homogeneizada);

III  Momento de inércia da peça no iestádioIIsi pura;


 4

 12,5 245  4 
w   + 45     + 45   0,142
12,5   i  E si   ri  12,5  2,25 210000  0,01755 
MR  Momento de fissuração do concreto;
Como esta expressão já apresentou um valor menor que 0,3 (limite de ab
Mat  para as classes
Momento atuante na seção mais II e III de agressividade ambiental, conforme Tabela 4.5),
solicitada;
fissuração não é nociva.

12
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

n Índice de valor igual a 4, para situações em que a análise é feita em apenas uma seção da peça,
ou igual a 3, quando se faz a análise da peça ao longo de todo o seu comprimento, que é a
situação em questão.

  f ct ,inf  I c
Mr 
yt

= 1,2 para seções em forma de "T" ou duplo "T" e 1,5 para seções retangulares;

Ic  Momento de inércia da seção bruta de concreto;

fct,inf  f ct ,inf  0,21 f ck2 / 3

yt  Distância do centro de gravidade à fibra mais tracionada.

Para alteração da Brita, deve-se multiplicar pelo índice E

E = 1,2 Basalto/Diabásio

E = 1,0 Granito/Gnaisse

E = 0,9 Calcário

E = 0,7 Arenito

b 
a1   f  a2   e  As a3  d   e  As
 2

b f  xII3
 a2  a22  4  a1  a3   e  As  xII  d 
2
xII  I II
2  a1 3

13
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

- Para a determinação da flecha – determinar a combinação Frequente:

Fd , ser   Fgi,k   2 j  Fqj,k

- Flecha diferida – com determinação da fluência.


f 
1  50 ´

   t    t0 

f dif  1   f  f i

- ELS-VE (Estado Limite de Serviço: Vibração Excessiva)

f q  f g q  f g

Os limites das flechas deverão ser consultados a tabela 13.3 da NBR 6118:2014.

7º Passo: Detalhamento da Seção longitudinal.

O detalhamento da seção longitudinal é mais complexa que o detalhamento da seção transversal,


assim, deverá ser realizada por etapas:

- Ancoragem

NBR 6118:2014 - 9.5.2 Emendas por traspasse

Esse tipo de emenda não é permitido para barras de bitola maior que 32 mm. Cuidados
especiais devem ser tomados na ancoragem e na armadura de costura dos tirantes e
pendurais (elementos estruturais lineares de seção inteiramente tracionada).

 f yd
b    25
4 f bd
Fórmula do comprimento de ancoragem

14
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

 f bd  1   2  3  f ctd  (5.3)

 Em que:

f ctk ,inf 0,7  f ct ,m 0,21  3 f ck
2
 f ctd   
é o valor de cálculo da resistência à
c c 1,4
tração do concreto (MPa);
 1  1,0 para barras lisas (CA-25);
 1  1,4 para barras entalhadas (CA-60);
 1  2,25 para barras alta aderência (CA-50);
  2  1,0 para situações de boa aderência;
  2  0,7 para situações de má aderência;
 3  1,0 para  < 32 mm ( é o diâmetro da barra, em mm);
132  
 3  para  > 32 mm.
100

As ,calc
 b,nec  1   b    b,mín
As ,ef
1 = 1,0 (barras sem gancho)
1 = 0,7 (barras tracionadas com gancho e cobrimento no plano normal ao do
gancho  3);
b - dado pela equação 5.4;
As,calc = área de armadura calculada para resistir ao esforço solicitante;
As,ef = área de armadura efetiva (existente);
b,mín = maior valor entre 0,3b, 10 e 100 mm.

- Escolha do tipo de gancho

Tipos de ganchos para a ancoragem de barras conforme NBR 6118:2014

15
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda









 

Geometria dos ganchos de barras tracionadas, em ângulo reto, quarenta e cinco graus
Geometria dos
Geometria ganchos
dos ganchosdedebarras tracionadas,
interno
barras em ângulo
ânguloreto,
e semicircular.
tracionadas, em reto,quarenta
quarenta e cinco
e cinco graus
graus
interno e semicircular.
interno e semicircular.
Tabela 5.1 Diâmetro dos pinos de dobramento (D) dos ganchos (valores de i).
Tabela 5.1 Diâmetro dos pinos de dobramento (D) dos ganchos (valores de i).
Tabela Bitola
5.1 Diâmetro
da barrados pinos de dobramento
CA25 (D)CA50 dos ganchos (valores
CA60 de i).
Bitola da barra CA25 CA50 CA60
 Bitola
 20 mm da barra CA25
4 CA50 5 CA606
  20 mm 4 5 6
  20
 20 mm
 20mm mm
4
5
5
58
8
6 

  20 mm 5 8 
Tabela
Tabela5.25.2Diâmetro
Diâmetrodos dos pinos
pinos de de dobramento
dobramentopara para estribos.
estribos.
Tabela
BITOLA 5.2 Diâmetro
BITOLA (mm) dosCA
(mm) pinos
CA 25 de dobramento
25 CA50
CA 50 para CACA estribos.
60 60
  (mm) CA
BITOLA 3
3t25 CA 50
3
3t t CA 60
3
3t t

1010<<2020 3
4
4tt 3t
5t t
5 3 t ---
---
102020 20
< 4t
5
5 t
5
8tt t
8 ---
------
 20 5t 8t ---
EMENDAS DE BARRAS
Proporção das barras emendadas
EMENDAS DE BARRAS
Proporção das barras emendadas

Emendas supostas como na mesma seção transversal (Figura 9.3, NBR 6118:2003).
Emendas supostas como na mesma seção transversal (Figura 9.3, NBR 6118:2003).

TabelaTabela
5.3 Proporção máxima
5.3 Proporção máxima dedebarras tracionadas
barras tracionadas emendadas
emendadas na mesma
na mesma seção. seção.
Tipo deTipo
barra
de barra Situação
Situação Carregamento
Carregamento Carregamento
Carregamento
estático
estático dinâmico
dinâmico
Alta aderência
Alta aderência Em uma camada
Em uma camada 100%
100% 100% 100%
Em mais de uma camada 50% 50%
Lisa Em mais de uma camada
 < 16 mm
50%
50% 25% 50%
Lisa  <16 mm
 16 mm 50%
25% 25% 25%
  16 mm 25% 25%

16
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

- Decalagem do diagrama de momento fletor.

 VSd,máx  0,5  d (caso geral)


a  d    (1  cot )  cot   
 2  (VSd, máx  Vc )  0,2  d (estribos inclinados a 45º )

- Comprimento das barras tracionadas.

Cbarra  xmomento   b  a

- Ligação Viga Pilar (Extremidades)

rpilar,sup  rpilar,inf
M apoio    M eng 
rpilar,sup  rpilar,inf  rviga

I pilar,sup I pilar,inf I viga


rpilar,sup  rpilar,inf  rviga 
0,50   pilar,sup 0,50   pilar,inf  viga
17
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

Determinação das armaduras longitudinais dos apoios de extremidade (situação para apenas domínios
2 e 3) (escolha de detalhamento ver passos 03 e 04):

Md Md
KMD  AS 
bw  d 2  f cd KZ  d  f yd

- Armaduras dos apoios:

18.3.2.4 Armadura de tração nas seções de apoio


Os esforços de tração junto aos apoios de vigas simples ou contínuas devem ser resistidos
por armaduras longitudinais que satisfaçam a mais severa das seguintes condições:

a) no caso de ocorrência de momentos positivos, as armaduras obtidas através do


dimensionamento da seção;

b) em apoios extremos, para garantir a ancoragem da diagonal de compressão,


armaduras capazes de resistir a uma força de tração FSd = (a_ /d) Vd + Nd , onde Vd é
a força cortante no apoio e Nd é a força de tração eventualmente existente;

c) em apoios extremos e intermediários, por prolongamento de uma parte da armadura


de tração do vão (As,vão), correspondente ao máximo momento positivo do tramo
(Mvão), de modo que:

— As,apoio ≥1/3 (As,vão), se Mapoio for nulo ou negativo e de valor absoluto | Mapoio |
≤0,5 Mvão;

— As,apoio ≥1/4 (As,vão), se Mapoio for negativo e de valor absoluto | Mapoio | > 0,5 Mvão.

8º Passo: Detalhamento final da viga dimensionada:

- O desenho de elevação deve ser realizado na espessura 0.5 e na escala 1:50 ou 1:25

- As cotas devem ser: linhas em 0.3 e escrita em 0.3 ou 0.5

- Armaduras: espessura em 0.7

- Seção transversal: escala 1:25, 1:20, 1:10, 1:5 e 1:1

- Numerar as barras denominando N1, N2, N3,.... etc.

- Elaborar um resumo de barras com comprimentos unitários e totais

- Elaborar um resumo de materiais (aço, forma e concreto).

As informações do desenho deverão estar de acordo com as normas brasileiras em especial: NBR
6118:2014 e NBR 12655:2015 e NBR 12656:2015.

FIM

18
ROTEIRO PARA CÁLCULO DE VIGAS EM CONCRETO PROTENDIDO – NBR 6118:2014
Prof. Lucas Rodrigo Miranda

19