Você está na página 1de 15

O bibliotecário como agente

cultural
O bibliotecário como agente
cultural

Priscilla Melo

Ronaldo Vieira

2012
O bibliotecário como gente cultural
2012 by Priscilla Melo &
Ronaldo Vieira

Projeto gráfico e revisão: Ronaldo Vieira

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação


(CIP)
Melo, Priscilla; Vieira, Ronaldo
P48 O bibliotecário como agente cultural / Priscilla
Melo;
Ronaldo Vieira -- São Paulo: AGBOOK, 2012.

1. Biblioteconomia 2. Ação cultural


I. Título

CDD 025 CDU 020


Índices para catálogo sistemático:
1. Biblioteconomia 2. Ação cultural

Todos os direitos reservados e protegidos. Proibida a


duplicação ou produção desta obra ou partes da mesma, sob
quaisquer meios, sem autorização expressa do autor.
SUMÁRIO Pág.

Apresentação 9

1. A Biblioteca 13

1.1 Manifesto da UNESCO 17

1.2 As Missões da Biblioteca Pública 18

1.3 Qual deve ser o foco da biblioteca? 20

2. O papel do Bibliotecário como agente cultural 21

2.1 As características básicas para um bibliotecário exercer 25


o papel de agente cultural

2.2 O Futuro da Biblioteconomia 28

3. Elaborando ação cultural 32

3.1 A diferença entre ação cultural e Animação Cultural 36

4. Como fazer a apresentação 40

5. Como elaborar um Projeto Cultural 41

5.1 Identificação do Projeto 41

5.2 Produtor: Proponente 42

5.3 Outros Participantes ou Responsáveis 42

5.4 Equipe Principal do Projeto 42


6. Resumo e Justificativa do Projeto 43

6.1 Objetivos e Metas 44

6.3 Estratégias 45

7. Documentos importantes 47

8. Ideias para ações Culturais 58

9. Características necessárias para fortalecer suas ações 61


culturais

10. Conclusão 63

Referências Bibliográficas 66
Agradecimentos

Este livro é começo de uma longa caminhada, e


nessa caminhada sempre tive o prazer de ter ao meu lado
o Pedro, meu marido, leal escudeiro, que me escuta,
incentiva e segura minha mão em todos os momentos,
certamente a melhor companhia que poderia querer,
pois, em sua companhia sou uma pessoa melhor, e isso é
tudo o que posso querer.

Priscilla Melo
Agradeço a querida amiga Priscila Melo, pela
oportunidade de participar de seu projeto e à todas as
pessoas que fazem ou fizeram parte de minha vida em
seu curso até os dias atuais, verdadeiros responsáveis por
minha formação!

Ronaldo Vieira
Dedicatória

Dedico este livro ao meu filho Pablo, que é minha


inspiração para ir sempre em frente! Pablo seu sorriso
não custa nada, mas produz muito, te amo filho! A meu
pai que não esta mais ao meu lado; obrigado pai, por
orientar meu caminho, meus feitos, lutas e incertezas!

Pai lhe agradeço por tudo que hoje sou: independente,


de caráter e personalidade, porque me fez assim.

Dedico ao meu amigo Ronaldo Vieira parceiro de


escrita, um poeta sonhador, obrigado por ter investido
tanta sabedoria, cuidado e imaginação na nossa amizade,
por compartilhar tantas coisas boas e por me marcar com
tantas lembranças.

Priscilla Melo
Apresentação

Esperamos que com este livro consigamos


conscientizar o colega bibliotecário de que não somos
apenas mediadores entre o saber e quem o busca, somos
também um propagador do saber, da cultura, e
10
responsáveis por disseminar e difundir o conhecimento
nas comunidades, instituições e organizações em que
participamos ou trabalhamos. O bibliotecário é a chama
responsável por acender a curiosidade do pesquisador e
posteriormente iluminar seu caminho!

Quando falamos de comunidade, gostaríamos que


os leitores entendessem que pode ser aplicado a
qualquer grupo de pessoas, seja dentro de uma
instituição, uma empresa, escola ou biblioteca.
Acreditamos que independentemente da organização
onde o profissional da informação for atuar, poderá sim,
desenvolver seu trabalho de agenciar a cultura.
Acreditamos ainda ser possível e necessário ou até
mais que isso, uma obrigação desse profissional, que
possui em sua mão uma das maiores ferramentas de
disseminação da cultura, a biblioteca, que a utilize de
forma intensa e com foco na continuidade dessa
disseminação no meio em que atua.

Alguns autores abordam a biblioteconomia em


São Paulo, e acreditamos no Brasil, como sendo ainda
muito tecnicista, porém, acreditamos que nesse aspecto,
com as novas gerações associadas aos visionários das
antigas gerações estamos conseguindo mudar esse perfil.

Agradecemos aos profissionais que não


obscurecem, ao contrário, enaltecem o nome da
biblioteconomia, são seres em extinção? Por outro lado,
11
procuramos o lado bom nos atos falhos dos maus
profissionais, pois é por conta destes que detectamos
cotidianamente o que não fazer, e ainda, aos
profissionais que buscam desenvolver ações e que
desejam fazer a diferença, mas que, por falta de apoio
financeiro, politico e tanto outros entraves não
conseguem transformar suas ideias em prática, rogamos
que não desistam, perseverem em sua missão, pois o
reconhecimento pode não vir com glórias e focos de
reconhecimento “público”, mas sim pelo reconhecimento
de um público, este sim, que vivencia e reconhece
seu trabalho, que aos poucos foi responsável pela
modificação de sua vida e seu redor, e por consequência,
parte da sociedade. Aqui pedimos desculpas aos que não
foram citados diretamente, pois são tantos bons
profissionais, amigos e livros que nos inspiraram, que
compreensivelmente, se torna impossível citar e debater
as ideias de todos.
Esperamos que este pequeno livro seja apenas
uma faísca, e que seja o responsável pela propagação de
um grande incêndio.

12
13

"Eu tinha encontrado minha religião: nada me parecia


mais importante que um livro, numa biblioteca eu via
um templo."
Jean-Paul Sartre

1. A Biblioteca
14

“O homem começou recolhendo dados sobre o seu mundo,


contando, mediando e atribuindo valores a cada coisa. A
relação entre dados cria a informação. Logo, organizar dados é
o mesmo que elaborar a informação. Organizar informações
leva o homem ao conhecimento. Sistematizar conhecimento
nos conduz à ciência e à arte. A evolução das ciências e das
artes cria a cultura. A sedimentação das culturas produz a
civilização. Sobre o alicerce das civilizações, constrói-se a
sabedoria humana. É a sabedoria que talvez nos conduza um
dia à PAZ e a FELICIDADE sobre a terra. Isto é CIDADANIA”.
OMAR
CARRASCO
Desde os primórdios o homem busca preservar o
conhecimento, inicialmente com tabuas de argila ou
figuras em cavernas, várias formas foram usadas com tal
propósito, e desde os primórdios a biblioteca tem um
papel fundamental na história da humanidade como
repositório do conhecimento e guardiã da história em sua
evolução.

Existiram épocas em que apenas a igreja ou a elite


15
tinha acesso aos livros, e por consequência, acesso ao
conhecimento.

Hoje já não é mais assim, a biblioteca é uma casa


aberta a qualquer pessoa que busque informação, e deve
ser também o local onde se busca repouso e também
recreação e entretenimento, e não um local onde se
busca exclusivamente o conhecimento e aonde se vai
exclusivamente pesquisar. Em uma biblioteca os livros
podem e devem ser usados livremente por qualquer
pessoa, pois promove a leitura em meio a quem não
pode comprar livros; isso entre tantas outras funções,
certamente é a mais conhecida desse universo
chamado “biblioteca”, porém, não se deve limitar o uso
desse espaço público, ao contrário, deve ser explorado
ao máximo e usado com imaginação e de forma
multicultural.

O papel da biblioteca é ser um laboratório de


cultura e educação para a sociedade em geral.

Você também pode gostar